Você está na página 1de 8

Notre Dame de Sous-Terre: o santuário mais antigo da

Santíssima Virgem na cristandade?


Postado em agosto 20, 2012 por kathleen
“ Levanta-te, resplandece a luz que vem e a glória do Senhor se eleva sobre ti ”
(Isaías 40: 1)

Catedral de Chartres. Vitral

A Catedral de Chartres não é apenas uma das maiores realizações da história da


arquitetura, mas é quase perfeitamente preservada em seu design e detalhes
originais, apesar de séculos de danos causados por incêndios e guerras religiosas
que exigem reconstrução subsequente. Seu extenso ciclo de escultura de portal
permanece totalmente intacto e é reconhecido mundialmente pela
magnificência de seus vitrais brilhantes que são quase todos originais. Friedrich
Meyer, historiador e crítico de arte austríaco do século XIX, descreveu a luz
requintada que os filtra como "a quintessência da luminescência". Um motivo
recorrente no copo é a vida de Nossa Senhora, a quem a catedral é dedicada:
Notre Dame de Chartres.

A estátua esculpida de Nossa Senhora: Notre Dame de Sous-Terre

Um dos santuários da Catedral, o santuário de Notre Dame de Sous-Terre ,


é construído sobre o que provavelmente foi o santuário dedicado mais antigo a
Nossa Senhora em qualquer lugar do mundo.De fato, o santuário é até 'pré-
cristão', pois é o local de um templo pagão original antes do nascimento de
Cristo! Os druidas adoravam aqui e diz-se que a escultura no altar de seu
santuário foi dedicada a Matri Futurae Dei Nascituri - "à Mãe de Deus ainda não
nascida". Esta antiga tradição é apoiada pela descoberta de artefatos druídicos e
emblemas religiosos durante a restauração após os estragos da Segunda Guerra
Mundial. No ano 50 aC, continua a velha história, os druidas ouviram falar da
profecia de Isaías: “ Portanto, o próprio Senhor lhe dará um sinal. Eis que uma
virgem conceberá e dará à luz um filho.”(Is 7:14). Eles sabiam instintivamente
que este seria o único Deus verdadeiro que provaria que seus deuses antigos
eram meros ídolos, e então ordenaram que uma estátua dessa virgem e criança
desconhecida fosse esculpida e colocada no altar.
O relato de Júlio César “Sobre a guerra dos gauleses” (De Bello Gallico)
menciona que uma vez por ano todos os druidas da Gália (França moderna) se
reuniam aqui, no território dos Carnuts, a tribo de Chartres, para decidir
disputas e realizar celebrações religiosas.
A primeira igreja cristã no local foi feita de madeira, nos primeiros séculos da
era cristã (data exata desconhecida). Foi substituído em 1020 por um edifício de
pedra; embora a cripta original e a gruta subterrânea tenham sido
preservadas. No início da Idade Média, o santuário era frequentado pela
maioria dos reis carolíngios, e todos os reis franceses, exceto Luís XV e Luís
XVI, rezavam à Virgem em Chartres. Há registros de peregrinações de vários
monarcas ingleses: Matilda, Richard I e Edward III.
Notre Dame de Sous-Terre (Nossa Senhora do Inferno) uma vez realizou uma
estátua muito antiga da Virgem Maria, famosa por seu célebre historiador de
arte Pintard em 1681:
“ A Virgem se senta em uma cadeira, seu Filho se ajoelha e dá o sinal de
bênção com a mão direita. Na mão esquerda, ele segura um orbe. Ele é
descalço e seu cabelo é bastante curto. Ele veste uma túnica justa, cintada com
um cinto. O rosto, as mãos e os pés estão nus e têm uma cor cinza-ébano
brilhante.
A Virgem está vestida com um manto antigo na forma de uma casula. Seu
rosto é oval, de construção perfeita e da mesma cor preta brilhante. Sua coroa
é muito lisa, apenas a parte superior sendo decorada com flores e folhas
pequenas. Sua cadeira tem um pé de largura, com quatro partes recortadas
nas costas e esculpidas. A estátua tem vinte e nove centímetros de altura.
Tragicamente, durante o Reinado do Terror, que se seguiu à Revolução Francesa
de 1789, a estátua foi profanada e depois queimada, embora a maior parte da
catedral de Chartres tenha sido deixada relativamente ilesa, sendo este um raro
exemplo de habitantes de uma cidade impedindo mais saques ou destruição
pelos revolucionários. Não foi até meados do século XIX que uma estátua de
substituição foi fornecida, projetada e esculpida pela escultura de Paris,
Fontenelle, que tentou copiar fielmente o design do original. Este é o que
podemos ver hoje.
Do Magnificat: “ Pois eis que daqui em diante todas as gerações me chamarão
de abençoadas ” (Lucas 1: 48b).

http://www.apologistascatolicos.com.br/index.php/patristica/estudos-patristicos/908-o-
protoevangelho-de-tiago-e-heretico-sao-jose-permaneceu-virgem-ou-foi-viuvo

https://santo.cancaonova.com/santo/sao-tiago-maior-grande-amigo-de-nosso-senhor/

http://rue-des-9-templiers.eklablog.com/la-vierge-de-chartres-a125322476

http://fr.chartressecrets.org/cathedrale/vierge_noire.htm
https://pt.wikipedia.org/wiki/Santiago_Maior

A Virgem Negra de Chartres

Hoje, como no passado, muitas pessoas visitam a Catedral de Chartres e o local em que foi
construída. Hoje, como no passado, os peregrinos e visitantes podem admirar a maravilha da
arquitetura exibida pelos construtores que, no momento da construção, conseguiram
manifestar uma obra-prima de um novo tipo e particularmente cheia de mistérios: l Arte
gótica. Ainda hoje, os segredos dos mestres da arte gótica são preservados em irmandades
que recebem seus conhecimentos por linha de mestre a aprendiz desde o século XII. Cheio de
maravilhas e segredos, A Catedral de Chartres é um monumento hoje classificado como
Patrimônio Mundial pela UNESCO. Existem muitas referências bibliográficas à catedral.
Contém inúmeros tesouros arquitetônicos e iconográficos. A Catedral de Chartres também
tem uma peculiaridade que nenhum outro tem: sua Virgem Negra.

A Virgem Negra de Chartres não é a única que existe no mundo. Somente na Europa, existem
cerca de 40 estátuas importantes de Virgens Negras. Estes são locais de peregrinação. Em
alguns lugares, eles foram reverenciados por milênios. As virgens ou deusas da cor preta são
bem conhecidas. Assim, os egípcios já representavam a Deusa Ísis usando a cor preta. No
entanto, as origens das Virgens Negras ainda estão envoltas em mistério. E a de Chartres,
escolhida pelos templários enquanto os precedeu, é ainda mais particular.

No mundo de hoje, "especialistas"na iconografia ou na história da arte que estudaram as


Virgens Negras, basearam-se essencialmente nas evidências materiais de que dispunham,
chegaram ainda a suas conclusões usando acima de tudo a energia mental da lógica. Essa visão
é correta, mas também incompleta, porque a experiência que as pessoas têm das Virgens
Negras é uma experiência íntima, ancorada acima de tudo em suas emoções, uma experiência
que utiliza uma energia orientada para / por intuição. Então, deixando de lado essa parte das
capacidades do cérebro,

O pensamento do Global Brain nos permite entender o "mistério" da Virgem Negra da Catedral
de Chartres, porque esse "mistério" reside na percepção e no uso de energias
eletromagnéticas de alta frequência.

Quando as energias do cérebro são equilibradas, a eficiência do cérebro aumenta e sua


velocidade aumenta no processamento de informações, permitindo perceber e usar níveis
mais altos de frequência eletromagnética em suas atividades. Tais energias são acessíveis
apenas quando o cérebro não está mais ocupado, encontrando seu equilíbrio entre a energia
mental da lógica e a energia emocional da intuição. Assim, no mundo de hoje, o estresse
constante imposto às funções eletromagnéticas do cérebro, entre outras coisas, por
instrumentos e transmissões de energia sem fio, impede que a maioria das pessoas sinta ou
perceba as energias de alta frequência que ainda são chamadas por certas energias espirituais
e por outras energias do amor magnético incondicional e da luz elétrica incessante de Deus. As
energias espirituais eram comumente usadas pelos Anciãos que sabiam ativar seu Pensamento
pelo Cérebro Global (para obter técnicas gratuitas para ativar seu Pensamento pelo Cérebro
Global, consulte a seçãoTécnicas Espirituais do Círculo Interno ).

Muito antes de a Catedral de Chartres ser erguida, numa época hoje tão distante que o
homem chamado Jesus ainda não havia nascido, as pessoas concordavam em enfrentar muitos
perigos, às vezes vindos de longe, para Chegar aos lugares que mais tarde foram escolhidos
para construir a Catedral. Eles vieram lá para reverenciar a estátua de uma mulher negra
carregando um filho. Esta Virgem Negra foi chamada "Nossa Senhora do Subterrâneo"porque
descansou em uma caverna, no subsolo e é a sua representação que encontramos hoje na
superfície da Catedral. Esse lugar era sagrado e o conhecimento antigo havia sido usado para
reconhecê-lo: quem colocasse os pés ali se beneficiaria dos benefícios de uma quantidade
prodigiosa de energias geradas pelo Amor Incondicional. Essas energias do "Espírito"
permitiram aos peregrinos ver milagres de cura acontecerem em suas vidas. O símbolo desta
Virgem Negra estava, portanto, naturalmente associado aos benefícios que a Terra,
nossa"Mãe" poderia conceder graças ao Amor Incondicional que ela possuía e que continua a
ter por todos os seus "filhos" .

As mesmas energias de cura que a Terra oferece intensificadas em poderosos lugares


espirituais , como Chartres, são acessíveis a todos através do trabalho de ativação pessoal.
Conforme explicado em detalhes em nosso Livro sobre criação, as energias eletromagnéticas
mais altas do nosso universo atravessam distâncias astronômicas e muitos níveis de frequência
para chegar até nós. Em nosso sistema solar, o ponto de entrada para essas energias é o sol
que, graças à luz solar que nos envia incessantemente, nos transmite todas as forças vitais de
que precisamos. As energias que vêm do sol são eletromagnéticas e receberam muitos nomes
ao longo da história: "prana" , "agapê" , "respiração divina" ,"Tempero" etc. Essa
multiplicidade de apelações muitas vezes criou labirintos de confusão no conhecimento
coletivo e pode ter nos feito esquecer que todas essas energias vêm da mesma fonte: Deus
através do Sol de Deus.

No mundo ocidental de hoje, a imagem comumente dada aos povos que compreenderam e
respeitaram o papel do sol no exercício da Criação é a dos povos primitivos e / ou
supersticiosos. No entanto, aqueles que entenderam e respeitam as funções do sol na Criação,
sabem que o sol é um canal para as energias de Deus. Eles também sabem como usar esse
conhecimento e desenvolver técnicas de cura usando essas energias naturais. Assim, as
energias eletromagnéticas da força vital prânica que vem do sol podem ser usadas para curar a
si mesmo,Tratamentos de Cura por Energia Natural ).

Ao longo da história humana, os Professores Mestres vêm ressuscitar o conhecimento antigo e


oferecer àqueles que são jóias prontas da sabedoria e das técnicas sagradas. A prática correta
das técnicas sagradas permite que aqueles que estão prontos para alcançar um
"Conhecimento Verdadeiro" da sabedoria que estão estudando. Essa combinação foi chamada
"Conhecimento Verdadeiro"porque só se pode conhecer verdadeiramente um assunto na vida
por ter tido a experiência pessoal desse sujeito, recebido a sabedoria correspondente e
integrado os dois.

Graças aos ensinamentos e técnicas de um Mestre vivo, as pessoas foram capazes de alcançar
a Iluminação do Verdadeiro Conhecimento sobre a vida e a Criação. Contudo, isso exige que os
indivíduos façam esforços diários constantes e, uma vez que o Mestre se foi, é com dificuldade
que os discípulos e descendentes continuam a prática diária das técnicas sagradas em sua
pureza original. Com o tempo, o Verdadeiro Conhecimento é perdido, a sabedoria é
organizada em "religião" e a maioria das técnicas desaparece da memória consciente dos
descendentes.

Essa perda repetida do Verdadeiro Conhecimento sobre a Criação levou a muitas referências a
mitos, lendas e "mistérios" da vida, porque uma vez que o Verdadeiro Conhecimento se foi,
ninguém pode explicar completamente a informação. No entanto, esses mitos, lendas e
mistérios estão enraizados no Verdadeiro Conhecimento, que antes estava vivo e ressoa no
coração das pessoas. Mesmo que a lógica não nos permita mais entender o conteúdo desses
"mistérios", o processo de fé cega permite que alguns continuem aderindo aos preceitos em
que sentem o núcleo da verdade. É o processo usado pelas religiões que usa o método de
adoração pelos "mistérios da fé" .

Entenda que as escrituras de diferentes religiões, que raramente têm um significado acessível
para uma mente orientada para a lógica, têm um significado, que começou sendo oculto em
forma alegórica (para proteger esse conhecimento) antes de ser perdido. Por trás das alegorias
estão os significados dos "mistérios" que os antigos foram capazes de explicar com as palavras
de seu tempo.

A presença de uma figura feminina em um lugar como Chartres, onde os poderes do Amor
Incondicional se manifestavam para os peregrinos que vieram fazer suas visitas devocionais,
são cheios de significado. Assim como se pode sentir como a imagem de uma mãe reflete as
energias curativas presentes no local espiritualmente poderoso em que a Catedral de Chartres
foi construída.

No entanto, o "mistério" da cor negra desta Virgem e das outras Virgens Negras encontradas
no mundo permanece inteiro para os "especialistas" . Apesar de muita pesquisa, os
especialistas em iconografia não conseguiram montar as peças desse quebra-cabeça e
responder de maneira completa e satisfatória a essa pergunta.

E, no entanto, a cor preta escolhida para representar essas virgens foi escolhida
deliberadamente. Foi escolhido para refletir um conhecimento que os Antigos tinham, mas
que, pouco a pouco, sob a influência de inquisições, censura e preguiça espiritual, começou
diluindo-se no vasto reservatório de "mistérios" para acabar chegando ao fim. alimentar os
medos mais básicos da humanidade.

O amor incondicional sempre foi representado com a cor preta.

As energias da força da vida vêm de Deus e são transmitidas a nós pelo Sol de Deus. Quando
estudamos as lendas, mitos e contos sagrados dos diferentes povos que entenderam e
reverenciaram a importância e o papel do sol, às vezes notamos a referência a uma força
"oculta", localizado além das possibilidades humanas de percepção. É o caso de Shiva em seus
ensinamentos sobre a flor de lótus, onde ele fez referência às energias que alimentam as
estrelas como o nosso sol, usando a imagem da haste do lótus. O caule está escondido debaixo
d'água, mas alimenta o broto para cultivar as pétalas, que são visíveis. No livro que discute
como a ciência encontra um terreno comum com a religião é explicado como o Sol Galáctico
Central de nossa galáxia, a Via Láctea, deu à luz nosso sol solar e incessantemente envia
energia eletromagnética. Por sua vez, nossa “Consciência em Grupo da Via Láctea recebe um
fluxo maciço de energias, milhões de vezes mais poderoso que o nosso Sol, proveniente da
Consciência em Grupo do nosso universo e redireciona - ou transfere - essas energias para
tubos transdimensionais de energia prânica ou buracos de minhoca no espaço, em direção a
milhões de Indras, sóis / estrelas solares, em nossa galáxia. Essa troca de energia entre Vishnu
da 12ª dimensão e milhões de Indras da 10ª dimensão, no centro de nossa galáxia, é
energeticamente tão intensa que tudo o que podemos ver desse processo magnífico, "Buraco
negro".

Os antigos sabiam que as energias mais poderosas de Deus vinham do Sol do Deus Galáctico
ou do centro da Via Láctea. Assim, "a criação de divindades com a imagem energética negra de
Deus se refletiu em obras de arte espiritual de todo o mundo: em imagens de Vishnu na Índia,
pinturas de Ísis no Egito e com os famosos" Madones Noires "da Europa, incluindo o poderoso"
Madone Noire "localizado na Catedral de Chartres, construída pelos Templários na França" .

A Catedral de Chartres foi dedicada pelos Templários a "Notre Dame" . A Ordem dos Cavaleiros
do Templo nasceu nasceu com a experiência direta dos processos em ação na Criação. Os
Templários também conheciam as energias de Chartres e, graças às suas prodigiosas
descobertas que remontam a quase um milênio, eles foram capazes de tomar conhecimento
da verdadeira história do Ocidente, incluindo a influência das memórias ancestrais codificadas
na relação do DNA. humanidade com os Anciãos.

As memórias ancestrais do DNA são uma fonte inestimável de informações que podem ser
usadas para enriquecer a conexão pessoal com as elevadas energias eletromagnéticas de Deus
através dos Sóis de Deus. É assim, usando o conhecimento que eles ressuscitaram com a Arca
da Aliança, que os Templários construíram um Monumento destinado a endireitar o homem,
lembrando a humanidade de sua herança espiritual sem preço.
Esta informação básica sobre a Virgem Negra de Chartres e as implicações de sua presença lá é
uma introdução. O verdadeiro conhecimento das razões pelas quais os templários concederam
uma veneração particular a "Notre Dame" é tão profundo que sentimos que apenas uma
experiência pessoal permite realmente descobrir esses segredos, no local, em Chartres, com
uma visita pessoal dentro das energias Levantou o Amor Incondicional da Virgem Negra dos
Templários .

História de Notre-Dame de Sous-Terre

A estátua de Notre-Dame de Sous-Terre não é anterior ao século XI. Mas não sabemos quando
foi instalado na cripta, talvez já no século XII. Foi colocada sobre uma base de madeira e no
frontão estava gravada a inscrição: Virgini Pariturae, que é retirada da profecia de Isaías (Is VII,
14). A estátua foi esculpida em madeira de pêra, porque estava vestida, tinha nada menos que
18 vestidos, apenas um dos quais ainda está preservado.

Durante a Revolução, em 1790, a cripta foi fechada e a estátua foi montada na igreja superior,
onde substituiu Notre-Dame du Pilier. Em 1793, a catedral foi fechada e a estátua foi
queimada em 20 de dezembro de 1793 em frente ao portal real.

A cripta foi reaberta em 1854 e, em 1857, uma estátua em madeira de cedro, uma cópia da
antiga, mas de tamanho diferente, foi colocada no altar. Em sua base está escrito "Virgini
Pariturae". Foi oferecido pela comunidade das irmãs de Saint-Paul.

Foi substituída em 1976 pela estátua atual em madeira de nogueira, uma cópia fiel da do
século 11 porque as dimensões foram retomadas e foi feita uma tentativa de reproduzir suas
características, inspirando-se em desenhos antigos e cópia do século XVII hoje no Carmelo de
Chartres.

Ela é virgem sentada, do tipo “Trono de Sabedoria”, segurando a criança no colo. Ela está com
os olhos fechados e usa uma coroa com florzinhas em forma de folhas de carvalho. Como
todos os "Sedes Sapientiae", do estilo românico, ela segura a criança com as duas mãos, sua
frontalidade e a da criança; seu hieraticismo a aproxima de todas as virgens do século XII.
Atualmente, está localizado acima do altar da capela da cripta, em frente a uma tapeçaria de
Gobelins, que se forma como uma mandorla.

A lenda de Notre-Dame de Sous-Terre

No século 9, o bispo de Sens descobriu os túmulos de São Savinien e Saint Potentien, ele os
tornou os santos fundadores de sua diocese, enviados pelos apóstolos para evangelizar, desde
o primeiro século, a província da qual Chartres fazia parte.

No século 11, o bispo Gerbert de Sens mandou um monge da Abadia de Saint-Pierre-le-Vif


escrever "A Grande Paixão", a história da fundação de Sens por Savinien e Potentien. Um
manuscrito dessa Grande Paixão chegou a Chartres no século XII. Para os Chartrains, eles
fundaram em Chartres a primeira igreja dedicada à mãe de Deus.

No século XIII, a coleção de Milagres de Notre-Dame de Chartrestem apenas um objetivo:


demonstrar que a Virgem Maria havia escolhido a Igreja de Chartres da qual gostava
particularmente desde que a relíquia de sua camisa era guardada lá. Marie se torna a "senhora
de Chartres".

No século 14, um poeta anônimo escreveu "que uma contagem muito antiga de Chartres,
instruída por profecia de que uma Virgem daria à luz o Redentor, erigiu uma estátua para ele e
prometeu a ele um verdadeiro culto".

O mito da "Virgini Pariturae" e da fundação pré-cristã da igreja de Chartres é assim


desenvolvido. Em 1389, a “Crônica dos Bispos de Chartres” codificou a lenda da estátua de
uma virgem que iria dar à luz.

No século XV, Jean Gerson acrescenta que a antiga igreja de Chartres conseguiu um santuário
dos druidas, dedicado à Virgem que dará à luz, referência encontrada na "Guerra Gálica", em
que César afirma que os gauleses costumavam sustentar suas fundações. em um lugar
dedicado, na terra dos Carnutes. Nossa Virgin Chartraine encontrou sua origem druídica lá.

No século XVII, esse mito de Chartrain atingiu seu apogeu graças a vários escritos,
notadamente a Parthenie de Sébastien Rouillard, retomada por Claude Savard, Vincent Sablon
e A. Pintard.

História

Renome de Nossa Senhora do Subterrâneo

No século XIII, Chartres adquiriu fama como um "santuário dos milagres", seu poder
taumatúrgico foi revelado no tratamento de queimaduras .

Os peregrinos que ali se reuniram foram recebidos na cripta, onde um hospício, chamado
"Hospital dos Lugares Sagrados-Fortes", foi construído na galeria norte por causa do bem
chamado Puits des Saints-Fort. O hospital era administrado pelas "damas das cavernas" que
moravam em pequenos cômodos na entrada da cripta perto da torre sineira norte.

Os peregrinos fizeram uma novena lá e depois saíram, curados ou não.

Certos layouts da capela foram realizados no século XVII. A Virgem estava então em um nicho
cavado acima do altar, cercado por uma balaustrada. Os peregrinos, que não conseguiam se
aproximar da estátua, passaram a tocá-la com rosários que seguravam no final de um graveto.

http://www.cathedrale-chartres.fr/themes/pelerinages/20_nd_du_pilier_nv.php

Você também pode gostar