Você está na página 1de 4
TESTE DE SIGNIFICÂNCIA TESTE QUI-QUADRADO (χ 2 ) O teste do χ 2 é um
TESTE DE SIGNIFICÂNCIA
TESTE QUI-QUADRADO (χ 2 )
O teste do χ 2 é um artifício que auxilia o pesquisador na
determinação do Grau de Concordância de um evento. O
teste leva em conta o Tamanho da amostra e os Desvios da
proporção esperada.
O teste χ 2 é, essencialmente, um mecanismo pelo qual os
desvios de uma proporção hipotética são reduzidos a um
único valor, baseado no tamanho da Amostra. Isto permite ao
pesquisador
determinar
a
probabilidade
de
que
uma
determinada soma de desvios venha a ocorrer ao acaso.
Portanto o χ 2 é um número com o auxílio do qual se pode
testar a hipótese de que os desvios entre as proporções
submetidas à comparação podem ser consideradas como
casuais, contra a de que tais desvios são significativos.
TESTE QUI-QUADRADO (χ 2 ) Se os desvios entre os eventos esperados e observados são
TESTE QUI-QUADRADO (χ 2 )
Se os desvios entre os eventos esperados e observados são
pequenos, o χ 2 se aproxima de zero e o Grau de Concordância
é bom.
Se os desvios entre os eventos esperados e observados são
grandes, o χ 2 aumenta e o Grau de Concordância se torna
menor.
Exemplo: Para uma hipótese de proporção fenotípica de 1 ervilha
amarela :1 ervilha verde, calcule o χ 2 para as seguintes amostras
arbitrárias: 1) 15 amarelas : 35 verdes; 2) 240 amarelas : 260 verdes
O valor do χ 2 está relacionado com o tamanho da amostra,
tanto quanto com a variabilidade dentro da amostra (desvios).
A média dos desvios é nula, porém a elevação ao quadrado
transforma todos os desvios em valores positivos, tornando
possível a soma dos desvios sem haver cancelamento.
NÍVEL DE SIGNIFICÂNCIA É o risco, expresso como uma probb//e, que o pesquisador ocorre em
NÍVEL DE SIGNIFICÂNCIA
É o risco, expresso como uma probb//e, que o
pesquisador ocorre em rejeitar uma hipótese verdadeira.
É estabelecido que antes da análise de dados, seja fixada
a probb//e acima da qual a hipótese é aceita (P ≥ 0,05).
Para interpretar o χχχχ 2 em termos de probb//e é necessário
saber o número de classes, no qual o χχχχ 2 se baseia.
O efeito do número de classes independentes está incluído
no conceito matemático como Graus de Liberdade.
G.L. – Número de eventos possíveis – aqueles que se pode
calcular
G.L. – Número de classes menos 1 ou número de tratamentos
menos 1.
TESTE QUI-QUADRADO (χ 2 ) Para uma amostra que consiste de 2 Classes fenotípicas (3:1
TESTE QUI-QUADRADO (χ 2 )
Para uma amostra que consiste de 2 Classes fenotípicas (3:1
ou 1:1) o χ 2 é calculado da seguinte maneira:
(o 1 – e 1 ) 2
(o 2 – e 2 ) 2
χ 2 = ------------- + --------------
e 1
e 2
Onde
o 1 é o número de observados para a Classe 1
e 1 é o número de esperados para a Classe 1
o 2 é o número de observados para a Classe 2
e 2 é o número de esperados para a Classe 2
(o – e) é o desvio entre cada valor observado e
esperado da classe em questão
Portanto para várias classes:
(o – e) 2
χ 2 = Σ ------------
e
DISTRIBUIÇÃO DO QUI-QUADRADO (χ 2 ) Caso fizessemos uma infinidade de tentativas para um dado
DISTRIBUIÇÃO DO QUI-QUADRADO (χ 2 )
Caso fizessemos uma infinidade de tentativas para um dado teste,
obteríamos uma distribuição que se aproxima do seguinte gráfico:
Portanto podemos esperar que os valores de χ 2 menores que 3,841
tenham 95% de probb//e de ocorrência e que os valores de χ 2 menores
que 6,635 tenham 99% de probb//e de ocorrerem.
NÍVEL DE SIGNIFICÂNCIA Graus de Liberdade A situação de falta de independência entre os resultados
NÍVEL DE SIGNIFICÂNCIA
Graus de Liberdade
A situação de falta de independência entre os resultados leva
à introdução do conceito de Grau de Liberdade do χ 2 , que
pode ser expresso como o nº de classes de resultados
menos o nº de informações da amostra que são necessárias
ao cálculo dos valores esperados nessas classes.
Considerando que um dado tem 6 faces, são 6 as classes de
resultados a serem levadas em conta e, sabendo apenas uma
informação da amostra, isto é, o número total de lances,
dizemos imediatamente o número esperado em cada classe.
Assim se hipóteses fossem testadas a partir de uma série de
120 lances de dão, saberíamos de imediato, que o número
esperado em cada uma das 6 classes é 20. Nesse caso,
portanto, tem-se que o número de classes (6) menos o
número de informações da amostra necessário ao cálculo dos
valores esperados em cada classe (1) é 5 (graus de liberdade.
NÍVEL DE SIGNIFICÂNCIA O valor de χ 2 é estimado como χ 2 = Σ
NÍVEL DE SIGNIFICÂNCIA
O valor de χ 2 é estimado como χ 2 = Σ (o – e) 2 /e , para
aceitarmos ou não a hipótese, isto é, para verificar se os
desvios observados foram devidos exclusivamente ao
acaso, deve-se comparar o valor do χ 2 calculado com o
valor tabelado (Tabela do χ 2 ).
TABELA
TESTE DE HIPÓTESES Com base em um único experimento pode-se concluir se os desvios entre
TESTE DE HIPÓTESES
Com base em um único experimento pode-se concluir se os
desvios entre as proporções observadas e esperadas
devem ter alguma significação ou se os desvios podem ser
considerados como ocorridos casualmente.
Para tanto há necessidade de se formular hipóteses:
1) Hipótese da Nulidade ou Hipótese Nula – H 0
2) Hipótese Alternativa – H 1
Hipótese da Nulidade – H 0 é expressa:
H 0 : Não há diferença do observado para o esperado
H 0 : p = q
H 1 : p ≠ q
Exemplo: Para uma hipótese de proporção fenotípica de 1 ervilha
amarela :1 ervilha verde, calcule o χ 2 para as seguintes amostras
arbitrárias: 1) 15 amarelas : 35 verdes; 2) 240 amarelas : 260 verdes
TESTE DE CONCORDÂNCIA TAREFA: Um fiscal deseja saber se os dados de um cassino são
TESTE DE CONCORDÂNCIA
TAREFA: Um fiscal deseja saber se os
dados de um cassino são “viciados” ou não.
Para tanto, o fiscal realiza 6.000
lançamentos, observando, respectivamente
para 1, 2, 3, 4, 5 e 6 lados do dado, os
valores de 1.005, 995, 890, 1.110, 970 e
1.030.
dado, os valores de 1.005, 995, 890, 1.110, 970 e 1.030. TESTE DE CONCORDÂNCIA TESTE DE
TESTE DE CONCORDÂNCIA TESTE DE HIPÓTESES TESTE DE CONTINGÊNCIA TESTE DE CONCORDÂNCIA: as proporções Esperadas
TESTE DE CONCORDÂNCIA
TESTE DE HIPÓTESES
TESTE DE CONTINGÊNCIA
TESTE DE CONCORDÂNCIA: as proporções Esperadas são
calculadas com base em alguma teoria.
Exemplo: Um pesquisador no intuito de conhecer o controle genético da
cor da flor de uma determinada espécie vegetal, realizou o seguinte
experimento:
a) Deixou as plantas se autofecundarem por várias gerações até que
elas gerassem descendentes com flores da mesma cor, ou seja,
ficassem puras (linhagem pura);
b) Selecionou plantas puras e contrastantes (roxa e branca);
c) Cruzou-as obtendo F 1 , onde todos os indivíduos tiveram flores roxas;
d) Através da autofecundação da F 1 , obteve-se: 700 plantas na F 2 na
proporção de 523 indivíduos com flores roxas:177 com flores brancas.
TESTE DE CONTINGÊNCIA Neste caso, o teste do χ 2 pode ser aplicável a casos
TESTE DE CONTINGÊNCIA
Neste caso, o teste do χ 2 pode ser aplicável a casos em que
NÃO dispomos de uma teoria para nos informar a respeito
da probb//e de ocorrência dos elementos nas diferentes
classes esperadas.
Assim, por exemplo, quando queremos saber se uma
característica qualquer se distribui igualmente em amostras
de indivíduos de ambos os sexos, ou de diferentes grupos
raciais, ou de grupos etários, etc., isto é, se tal característica
pode ser considerada independente do sexo ou raça, ou
grupo etário dos indivíduos, não temos uma teoria que nos
permita deduzir os valores esperados para as diferentes
classes.
TESTE DE CONTINGÊNCIA Exemplo: Suponhamos que queremos verificar se 2 caracteres (reação positiva e reação
TESTE DE CONTINGÊNCIA
Exemplo: Suponhamos que queremos verificar se 2 caracteres
(reação positiva e reação negativa à uma dada vacina) se
distribuem igualmente em 3 amostras de indivíduos (A, B e C),
nas quais foram encontrados valores expressos abaixo:
H 0 : As reações das vacinas se distribuem igualmente entre
as três amostras
H 0 : As três amostras possuem a mesma reação com
relação as vacinas.
AMOSAMOS-- ReaReaççãoão ++
ReaReaççãoão --
TRASTRAS
totaltotal
AA
BB
CC
totaltotal
TESTE DE CONTINGÊNCIA H 0 : As três amostras possuem a mesma reação com relação
TESTE DE CONTINGÊNCIA
H 0 : As três amostras possuem a mesma reação com
relação as vacinas.
AMOSAMOS-- ReaReaççãoão ++
ReaReaççãoão --
TRASTRAS
obsobs espesp
dd
dd 22 /e/e
obsobs
espesp
dd
dd 22 /e/e
totaltotal
AA
2525
4545
7070
BB
1515
2525
4040
CC
totaltotal
TESTE DE CONTINGÊNCIA H 0 : As reações das vacinas se distribuem igualmente entre as
TESTE DE CONTINGÊNCIA
H 0 : As reações das vacinas se distribuem igualmente entre
as três amostras
AMOSAMOS-- ReaReaççãoão ++
ReaReaççãoão --
TRASTRAS
obsobs espesp
dd
dd 22 /e/e
obsobs
espesp
dd
dd 22 /e/e
totaltotal
AA
2525
4545
7070
BB
1515
2525
4040
CC
1010
3030
4040
totaltotal
5050
100100
150150
TESTE DE CONTINGÊNCIA Exemplo: Suponhamos que queremos verificar se 2 caracteres (reação positiva e reação
TESTE DE CONTINGÊNCIA
Exemplo: Suponhamos que queremos verificar se 2 caracteres
(reação positiva e reação negativa à uma dada vacina) se
distribuem igualmente em 3 amostras de indivíduos (A, B e C),
nas quais foram encontrados valores expressos abaixo:
H 0 : As reações das vacinas se distribuem igualmente entre
as três amostras
H 0 : As três amostras possuem a mesma reação com
relação as vacinas.
AMOSAMOS-- ReaReaççãoão ++
ReaReaççãoão --
TRASTRAS
obsobs espesp
dd
dd 22 /e/e
obsobs
espesp
dd
dd 22 /e/e
totaltotal
AA
2525
4545 7070
BB
CC
totaltotal
TESTE DE CONTINGÊNCIA H 0 : As reações das vacinas se distribuem igualmente entre as
TESTE DE CONTINGÊNCIA
H 0 : As reações das vacinas se distribuem igualmente entre
as três amostras
AMOSAMOS-- ReaReaççãoão ++
ReaReaççãoão --
TRASTRAS
obsobs espesp
dd
dd 22 /e/e
obsobs
espesp
dd
dd 22 /e/e
totaltotal
AA
2525
4545
7070
BB
1515
2525
4040
CC
1010
3030
4040
totaltotal
TESTE DE CONTINGÊNCIA H 0 : As reações das vacinas se distribuem igualmente entre as
TESTE DE CONTINGÊNCIA
H 0 : As reações das vacinas se distribuem igualmente entre
as três amostras
AMOSAMOS-- ReaReaççãoão ++
ReaReaççãoão --
TRASTRAS
obsobs espesp
dd
dd 22 /e/e
obsobs
espesp
dd
dd 22 /e/e
totaltotal
AA
2525
23,3323,33
4545
7070
BB
1515
2525
4040
CC
1010
3030
4040
totaltotal
5050
100100
150150
TESTE DE CONTINGÊNCIA H 0 : As reações das vacinas se distribuem igualmente entre as
TESTE DE CONTINGÊNCIA
H 0 : As reações das vacinas se distribuem igualmente entre
as três amostras
AMOSAMOS--
ReaReaççãoão ++
ReaReaççãoão --
TRASTRAS
obsobs espesp
dd
dd 22 /e/e
obsobs
espesp
dd
dd 22 /e/e
totaltotal
AA
2525
23,3323,33
4545
7070
BB
1515
2525
26,6726,67
4040
CC
1010
3030
4040
totaltotal
5050
100100
150150
TESTE DE CONTINGÊNCIA H 0 : As reações das vacinas se distribuem igualmente entre as
TESTE DE CONTINGÊNCIA
H 0 : As reações das vacinas se distribuem igualmente entre
as três amostras
AMOSAMOS--
ReaReaççãoão ++
ReaReaççãoão --
TRASTRAS
obsobs espesp
dd
dd 22 /e/e
obsobs
espesp
dd
dd 22 /e/e
totaltotal
AA
2525
23,3323,33 +1,67+1,67 0,11950,1195
4545
7070
BB
1515
2525
26,6726,67
4040
CC
1010
13,3313,33
3030
4040
totaltotal
5050
100100
150150
TESTE DE CONTINGÊNCIA H 0 : As reações das vacinas se distribuem igualmente entre as
TESTE DE CONTINGÊNCIA
H 0 : As reações das vacinas se distribuem igualmente entre
as três amostras
H 0 : As três amostras possuem a mesma reação com
relação as vacinas.
AMOSAMOS-- ReaReaççãoão ++
ReaReaççãoão --
TRASTRAS
obsobs espesp
dd
dd 22 /e/e
obsobs espesp
dd
dd 22 /e/e
totaltotal
AA
2525
23,3323,33 +1,67+1,67 0,11950,1195
4545
46,6746,67 --1,671,67 0,05980,0598
7070
BB
1515
13,3313,33 +1,67+1,67 0,20920,2092
2525
26,6726,67 --1,671,67 0,10460,1046
4040
CC
1010
13,3313,33 --3,333,33
0,83190,8319
3030
26,6726,67 +3,33+3,33 0,41580,4158
4040
totaltotal
5050
00
1,16061,1606
100100
00
0,58020,5802
150150
ACEITA H 0
G.L. = 2
χ 2 calculado = 1,7408
χ 2 tabelado = 5,991
TESTE DE CONTINGÊNCIA H 0 : As reações das vacinas se distribuem igualmente entre as
TESTE DE CONTINGÊNCIA
H 0 : As reações das vacinas se distribuem igualmente entre
as três amostras
AMOSAMOS--
ReaReaççãoão ++
ReaReaççãoão --
TRASTRAS
obsobs espesp
dd
dd 22 /e/e
obsobs
espesp
dd
dd 22 /e/e
totaltotal
AA
2525
23,3323,33
4545
7070
BB
1515
2525
26,6726,67
4040
CC
1010
13,3313,33
3030
4040
totaltotal
5050
100100
150150
TESTE DE CONTINGÊNCIA H 0 : As reações das vacinas se distribuem igualmente entre as
TESTE DE CONTINGÊNCIA
H 0 : As reações das vacinas se distribuem igualmente entre
as três amostras
AMOSAMOS-- ReaReaççãoão ++
ReaReaççãoão --
TRASTRAS
obsobs espesp
dd
dd 22 /e/e
obsobs espesp
dd
dd 22 /e/e
totaltotal
AA
2525
23,3323,33 +1,67+1,67 0,11950,1195
4545
46,6746,67 --1,671,67 0,05980,0598
7070
BB
1515
13,3313,33 +1,67+1,67 0,20920,2092
2525
26,6726,67 --1,671,67 0,10460,1046
4040
CC
1010
13,3313,33 --3,333,33
0,83190,8319
3030
26,6726,67 +3,33+3,33 0,41580,4158
4040
totaltotal
5050
00
100100
00
150150
TESTE DE CONTINGÊNCIA TAREFA: Um grupo de 669 indivíduos (365♂ e 304♀) com idade superior
TESTE DE CONTINGÊNCIA
TAREFA: Um grupo de 669 indivíduos (365♂ e
304♀) com idade superior a 50 anos, inoculados
com lepronina integral, verificou-se que entre os
♂, 144 apresentaram reação tardia negativa (-),
60 reação positiva pouco intensa (+), 111 reação
positiva forte (++) e 50 reação positiva forte com
ulceração (+++). Entre as mulheres, a
distribuição encontrada foi de 122 (-), 55 (+), 91
(++) e 36 (+++).