Você está na página 1de 5

EXCELENTISSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA 10ª VARA FEDERAL DA

SEÇÃO JUDICIARIA DO RIO DE JANEIRO/RJ.


ATENDIMENTO PRIORITÁRIO ESPECIAL - Lei 13.466/2017.

PROCESSO: Nº 0006708-58.2004.4.02.5101 (2004.51.01.006708-8)

ROBERTO MARIO DE BARROS ROXO, devidamente qualificado nos autos desta Ação
Previdenciária que move em face da UNIÃO FEDERAL, através do processo em referencia, que tramitam
neste M.M. Juízo, sob o Nº 0006708-58.2004.4.02.5101, vem respeitosamente à presença de V. Exa.
Através de seus Advogados infra-assinado, em complementação ao REQUERIDO ás fls.759, assim expor e,
finalmente promover o que segue:

Excelência data máxima vênia, é claro e taxativo o artigo 4º da Lei nº 8.906 de 04 de Julho
de 1994 quando diz ser NULO, qualquer ato praticado por advogado impedido no âmbito do seu
impedimento, desta forma o CONTRATO DE HONORÁRIOS apresentado pelo causídico Fabio Garcia Albino
de Almeida Cyrino nos autos as fls. 418-525, contrato este firmado para atuar no processo em tela e, que, o
mesmo esta IMPEDIDO, conforme decisão (ACÓRDÃO) em AGRAVO DE INSTRUMENTO que traslado
abaixo, este contrato não pode ser considerado documento hábil a percepção de honorários advocatícios.
Dispõe sobre o Estatuto da Advocacia e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).
“Art. 4º São nulos os atos privativos de advogado praticados por pessoa não inscrita
na OAB, sem prejuízo das sanções civis, penais e administrativas.

Parágrafo único. São também nulos os atos praticados por advogado


impedido - no âmbito do impedimento - suspenso, licenciado ou que passar a
exercer atividade incompatível com a advocacia.”
Causa estranheza o causídico Fabio Garcia Albino de Almeida Cyrino, continuar
peticionando nos autos requerendo o que não é de direito, se o causídico prossegue inconformado com o
ACORDÃO PROLATADO DE FORMA UNANIME NO AGRAVO DE INSTRUMENTO traslado abaixo, deve o
mesmo procurar a JUSTIÇA ESTADUAL que é competente e requerer o que achar de direito.

Como da mesma forma o autor ao Constatar nos autos, que o causídico Fabio Garcia Albino
de Almeida Cyrino, em referencia ao processo de nº 2009.51.52.001712-3, sendo o Autor Roberto Mario de
Barros Roxo e Réu Instituto Nacional de Seguro Social – INSS com a sentença prolatada, em abril de 2015
fls. 538/542, motivou ao Autor Roberto Mario de Barros Roxo para que os autos tivessem continuidade
seria necessário efetuar pagamentos em forma de transferência (mesada), junto ao Banco do Brasil
Agência nº 7404-7 conta nº 416436-9, a titulo de honorários advocatícios, o mesmo pretende
requerer em ação própria junto à justiça estadual a devolução dos valores percebidos
por seu ex-patrono.

1
Excelência, como se verifica nos autos o Autor busca seus direitos já
determinado pelo julgamento do AGRAVO e, os EMBARGOS DE DECLARAÇÃO interpostos e julgados:
Agravo de Instrumento - Turma Espec. III - Administrativo e Civil
Nº CNJ: 0006107-38.2018.4.02.0000 (2018.00.00.006107-0)
RELATOR: Desembargador Federal ALUISIO GONÇALVES DE CASTRO
MENDES
AGRAVANTE: ROBERTO MARIO DE BARROS ROXO
ADVOGADO: RJ201975 - MARCOS BENICIO DE ALMEIDA ALONSO E OUTRO
AGRAVADO: UNIAO FEDERAL PROCURADOR: ADVOGADO DA UNIÃO
ORIGEM: 10ª Vara Federal do Rio de Janeiro (00067085820044025101)

EMENTA
PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO DE INSTRUMENTO. LITÍGIO ENTRE
ADVOGADOS PELAPERCEPÇÃO DOS HONORÁRIOS. INCOMPETÊNCIA DA
JUSTIÇA FEDERAL. DETERMINAÇÃO DE SUSPENSÃO DO LEVANTAMENTO
DO REQUISITÓRIO DA VERBAHONORÁRIA ATÉ QUE HAJA UMA SOLUÇÃO
CONSENSUAL ENTRE OS PATRONOS OU AQUESTÃO SEJA DECIDIDA PELA
JUSTIÇA ESTADUAL.

Agravo de Instrumento - Turma Espec. III - Administrativo e Cível


Nº CNJ: 0006107-38.2018.4.02.0000 (2018.00.00.006107-0)
RELATOR: Desembargador Federal ALUISIO GONÇALVES DE CASTRO
MENDES
AGRAVANTE: ROBERTO MARIO DE BARROS ROXO
ADVOGADO: RJ201975 - MARCOS BENICIO DE ALMEIDA ALONSO E OUTRO
AGRAVADO: UNIAO FEDERALPROCURADOR: ADVOGADO DA UNIÃO
ORIGEM: 10ª Vara Federal do Rio de Janeiro (00067085820044025101)

EMENTA
EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. IMPEDIMENTO AO EXERCÍCIO DA
ADVOCACIA. QUESTÃO PRÉVIA. OMISSÃO. PROVIMENTO DO RECURSO. 1.
O artigo 1.022 do Código de Processo Civil de 2015 elenca, como hipóteses de
cabimento dos embargos de declaração, a omissão, a obscuridade, a
contradição e o erro material. 2.No caso em questão, pretendia o ora
Embargante que fosse reconhecido o impedimento do advogado, ante sua
condição de servidor do INSS – Instituto Nacional do Seguro
Social,caracterizando-se proibição parcial que, nos termos do art. 30, I da Lei
8.906/94, obsta sua atuação como patrono em processos cujo litigante seja
não só a própria autarquia INSS com a qual possui vínculo funcional, mas
também a UNIÃO, ente federativo ao qual a autarquia é vinculada. 3. Apesar
de o acórdão embargado fundamentar que os honorários advocatícios
constituem direito autônomo do advogado, motivo pelo qual descaberia à
Justiça Federal dirimir eventuais controvérsias a respeito do destinatário
dessa verba no caso concreto, de fato, deixou de apreciar questão prévia a
essa discussão. 4. Ainda que o exame acerca do destinatário da verba
honorária se trate de litígio entre particulares, a ser dirimida pela Justiça
Estadual, no caso em comento deve ser analisada alegação prejudicial,
atinente ao fato de que um dos patronos seria impedido ao exercício da
advocacia na demanda de origem, impedimento esse que foi afastado pela
decisão agravada. 5. Conforme julgamento do agravo nº 0007739-
02.2018.4.02.0000, interposto pela UNIÃO contra a mesma decisão agravada,
concluiu-se pelo impedimento do patrono em questão, uma vez que, nos
termos do art. 30, I do Estatuto da OAB (Lei nº 8.906/94), o impedimento ao
exercício da advocacia alcança todos os advogados que sejam servidores da
Administração Pública, proibindo-os de atuar tanto contra a Fazenda Pública

2
que os remunera, no caso, o INSS, quanto contra aquela à qual seja vinculada
a entidade empregadora, ou seja, a própria UNIÃO.6. Concluindo-se pelo
impedimento do advogado no processo de origem, não deve, em
consequência, receber quaisquer verbas, mantendo-se suspenso o
levantamento de qualquer valor a esse título, conforme consignado no
julgamento do agravo de instrumento nº 0007739-02.2018.4.02.0000.7. Devem
ser providos os embargos de declaração, para sanar a omissão apontada,
dando-se total provimento ao agravo de instrumento.8. Embargos de
declaração providos.

ACÓRDÃO
Vistos e relatados os presentes autos em que são partes as acima indicadas,
decide a Quinta Turma Especializada do Tribunal Regional Federal da 2ª
Região, por unanimidade, DAR PROVIMENTO aos embargos de declaração, na
forma do Relatório e do Voto, que ficam fazendo parte do presente julgado.
Rio de Janeiro, 18 de setembro de 2018 (data do julgamento).
ALUISIO GONÇALVES DE CASTRO MENDES
Desembargador Federal

Após decisão de ser admitido o AGRAVO impetrado pelo Autor, acima apresentado, o
causídico Fabio Garcia Albino de Almeida Cyrino tentou vários recursos, sendo todos não admitidos,
conforme decisão abaixo.

RE no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 1.475.257 - RJ (2019/0095525-3)


RELATORA: MINISTRA MARIA THEREZA DE ASSIS MOURA
RECORRENTE: FABIO GARCIA ALBINO DE ALMEIDA CYRINO
ADVOGADOS: FÁBIO GARCIA ALBINO DE ALMEIDA CYRINO
(EM CAUSA PRÓPRIA)
GILZA MARIA ROCHA NOBRE - RJ106541
RECORRIDO: UNIÃO
INTERES: ROBERTO MARIO DE BARROS ROXO
ADVOGADOS: MARCOS BENICIO DE ALMEIDA ALONSO - RJ201975
ALBINO CARLOS MEIRELLES DE ARAUJO - RJ019674

EMENTA
RECURSO EXTRAORDINÁRIO. INTERPOSIÇÃO CONTRA DECISÃO
MONOCRÁTICA. NÃO EXAURIMENTO DE INSTÂNCIA. INCIDÊNCIA DA
SÚMULA 281/STF. RECURSO NÃO ADMITIDO.

Como se verifica nos autos, os Patronos Marcos Alonso e Albino Araujo não pleiteiam
receber quaisquer verba ou honorários advocatícios e, sim, para que seja restituído ao
Autor Roberto Mario de Barros Roxo os valores a ele de direito, conseguido após
praticamente 16 anos de sofrimento e necessidade, estando atualmente com 82 (oitenta e dois) anos de vida.

Excelência data vênia, o causídico Fabio Garcia Albino de Almeida Cyrino, apesar de ser
IMPEDIDO DE ATUAR COMO ADVOGADO, nos termos do art. 30, I do Estatuto da OAB (Lei nº
8.906/94), o impedimento ao exercício da advocacia alcança todos os advogados que sejam servidores
da Administração Pública, proibindo-os de atuar tanto contra a Fazenda Pública que os remunera, no
caso, o INSS, vem atuando indiscriminadamente. Estando respondendo PROCESSO ADMINISTRATIVO
DISCIPLINAR conforme se verifica nos autos ás fls. 730, oficio nº 007/2019, referente processo nº
35301.000208/2019-37, junto a CPAD/PT/INSS – CORREGEDORIA REGIONAL, na qual insta
informações sobre a sua atuação no processo em referencia.

3
O causídico Fabio Garcia Albino de Almeida Cyrino sendo funcionário da Administração
Pública, estando impedido de exercer a advocacia contra a Fazenda Pública que o remunera, conforme
determina os termos do art. 30, I do Estatuto da OAB (Lei nº 8.906/94) inclusive não podendo figurar
em procuração, manter contato com clientes nem constar em documentos da causa
para qual haja impedimento.

Vejamos decisões neste sentido:

SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL – IMPEDIMENTO – O ARTIGO 30 DO EAOAB


NÃO ABRANGE OS DEMAIS SÓCIOS DA SOCIEDADE – ADVOGADO
IMPEDIDO NÃO PODERÁ FIGURAR NAS PROCURAÇÕES, MANTER CONTATO
COM CLIENTES E CONSTAR NOS IMPRESSOS DA SOCIEDADE OU
DOCUMENTOS DA CAUSA PARA QUAL HAJA IMPEDIMENTO – DEVERÁ
EVITAR A CAPTAÇÃO DE CLIENTELA E RESGUARDAR SIGILO PERENE DAS
INFORMAÇÕES PRIVILEGIADAS OBTIDAS EM DECORRÊNCIA DO
CARGO/FUNÇÃO PÚBLICA......................................................................................
O impedimento, previsto no artigo 30, inciso I do Estatuto da OAB, é
personalíssimo e o fato de um profissional estar impedido de advogar contra
a Fazenda Pública que o remunera não abrange os demais sócios de eventual
Sociedade de Advogados que faça parte, já que a lei, nessa situação, é
taxativa e deixa claro que o impedimento se aplica apenas aos servidores ali
mencionados, não havendo necessidade de se interpretar de forma restritiva
ou extensiva. O advogado impedido deverá observar rigorosamente o fato que
em razão de seu impedimento, não poderá figurar nas procurações juntadas
nos casos em que a sociedade atue contra a entidade à qual está vinculado,
não poderá ter contato com o cliente da sociedade que consulta ou move
ação contra a autarquia e seu nome não poderá constar dos impressos da
sociedade ou documentos da causa, bem como deve ser tomado todo o
cuidado para se evitar a captação indevida de clientes, além de ser obrigatório
resguardar sigilo perene das informações eventualmente privilegiadas que
tenha em decorrência do cargo/função pública desempenhada. Precedentes:
E-4.412/2014, E-4.392/2014 e E-4.812/2017

Proc. E-5.005/2018 - v.u., em 15/03/2018, do parecer e ementa da Rel. Dra.


RENATA MANGUEIRA DE SOUZA, Rev. Dr. LUIZ ANTONIO GAMBELLI -
Presidente Dr. PEDRO PAULO WENDEL GASPARINI.

O Ministério Público Federal, representado pela Procuradoria da Republica ás fls. 618/622,


assim se manifestou nos termos que seguem:

A União Federal requer, na petição de fls. 480/481, a suspensão de todo e


qualquer levantamento pecuniário, vicio de capacidade na outorga da
procuração pelo autor e impedimento do advogado Fabio Garcia Albino de
Almeida Cyrino de exercer seu mister em face da União Federal.
Assim, vê-se que a situação do causídico se enquadra no impedimento
previsto no Art. 30, inciso I, da Lei nº8.906/94:
”São impedidos de exercer a advocacia:
I – os servidores da administração direta, indireta e fundacional, contra a
/fazenda Pública que os remunera ou a qual seja vinculada a entidade
empregadora.”
Ante ao exposto, o Ministério Público Federal se manifesta pelo acatamento
do requerimento da União Federal de fls. 480/481, com a suspensão de todo e
qualquer levantamento pecuniário, e posterior expedição de oficio a Ordem
dos Advogados do Brasil.

4
Isto posto REQUER o Autor Roberto Mario de Barros Roxo, já com idade avançada 82
(oitenta e dois ) anos de idade, estando diligenciando seus direitos há mais de 16 anos, aguarda liberação
dos valores conforme já requerido, a liberação dos valores não mais controversos ás fls. 724/727, precatórios
números 20191694, 2017121084, 2017121085 e 2017121086, que se encontram depositados, pendentes de
emissão de alvará, por se tratar de verba nitidamente de caráter alimentar.

Nestes termos.
P. Deferimento.

Niterói, 12 de junho de 2020.

Roberto Mario de Barros Roxo


CPF/MF 021.870.517-49.

Marcos Benicio de Almeida Alonso


OAB/RJ 201.975.

Albino Carlos Meirelles de Araujo


OAB/RJ 19.674.

Você também pode gostar