Você está na página 1de 9

Linguagem e

Sociedade
Professor Dr. Acir Mário Karwoski
Universidade Federal do Triângulo Mineiro
acirmario@letras.uftm.edu.br
ATIVIDADE 1 - Converse com o seu colega a respeito do
seguinte fragmento:

"O meio universitário é tipicamente letrado. Suas


atividades fundamentais estão estreitamente
vinculadas à escrita. Se os alunos que chegam a esse
meio não são proficientes leitores e produtores de
textos, há dois caminhos a percorrer. Um é manter
uma posição autoritária e excludente, cobrando deles o
que não estão aptos a desenvolver e,
consequentemente, reprovando-os. O outro é cumprir o
que entendemos ser o papel do professor em qualquer
circunstância educativa e auxiliá-los na aquisição e no
domínio dessa modalidade de linguagem. Em grossas
linhas: se o aluno não sabe, cumpre ao professor
ensinar!"

Referência: HARTMANN, S.H.G.; SANTAROSA, S.D. Práticas


de escrita para o letramento no ensino superior.
Curitiba: Intersaberes, 2012, p. ix.
Responda por escrito no seu caderno:

1.1 O que você entende por letramento e, mais


especificamente, letramento acadêmico?

1.2 Quais gêneros de textos são costumeiramente mais


recomendados para leitura e produção escrita no
ensino superior (graduação)?

1.3 Quais atividades eficientes podem ser


desenvolvidas pelo professor para auxiliar os
estudantes do ensino superior no domínio das
habilidades de leitura e escrita (letramento acadêmico)
de resumos, resenhas, ensaios, artigos científicos,
relatórios de pesquisa, comunicação científica oral,
seminário, banner dentre outros?
1.4. Analise criticamente e redija um comentário
acerca do fragmento abaixo, transcrito do livro
"Linguagem e ensino: exercícios de militância e
divulgação", publicado pelo Professor João Wanderley
Geraldi em 1996:

"O sujeito se constitui como tal à medida que interage


com os outros, sua consciência e seu conhecimento de
mundo resultam como produto sempre inacabado
deste mesmo processo, no qual o sujeito internaliza a
linguagem e constitui-se como ser social, pois a
linguagem não é trabalho de um artesão, mas trabalho
social e histórico seu e dos outros e para os outros e
com os outros que ela se constitui. Isto implica que não
há um sujeito pronto, que entra na interação, mas um
sujeito se completando e se construindo nas suas falas
e nas falas dos outros."
ATIVIDADE 2
Imagine dois grupos diferentes de pessoas vivendo em
duas comunidades heterogêneas e muito distintas.
1. Uma comunidade que vive em uma densa região de
floresta. As principais atividades são pesca, agricultura
de subsistência e extração de madeira. As pessoas
vivem em grupos familiares e, durante a noite,
reúnem-se em grupos para contar histórias.
2. Um grupo de altos executivos que trabalham como
operadores financeiros em um grande escritório de um
banco internacional no centro da capital de São Paulo,
trabalham durante 12 horas por dia.

Diante das duas comunidades, imagine e faça uma lista


das principais diferenças entre as formas de uso da
linguagem (oral e escrita) das pessoas que pertencem
aos dois grupos distintos. Ambos escrevem? Ambos
falam? Escrevem e falam sobre o quê? O que leem?
Como leem? Para que leem? O que conversam? Em que
suportes conversam e escrevem? Como conversam?
Como escrevem? Qual o nível de linguagem dessas
conversas?
ATIVIDADE 3
Em uma escola pública de uma cidade no interior do
Brasil, a diretora impediu uma mãe de aluno de
participar do conselho escolar. Segundo a diretora, a
mãe não poderia participar por mais que quisesse, pois
não tinha competência linguística para isso.
Textualmente, a diretora disse: “Onde já se viu uma
pessoa que fala ‘nóis cumeu arrois i fejãu no armoço’
participar de um conselho escolar.”

Analise a situação e reflita a respeito das relações


entre linguagem, língua e sociedade. Em seguida,
imagine-se na condição de um sujeito social qualquer,
por exemplo pai de aluno, jornalista, advogado,
cidadão.... e redija um texto expressando sua opinião
a respeito do fato. Pense acerca do gênero de texto a
ser redigido, como por exemplo uma carta, ou um
artigo de opinião a ser publicado no jornal da cidade.
ATIVIDADE 4 – VARIAÇÕES LINGUÍSTICAS
O objetivo principal dessa atividade é possibilitar a
reflexão crítica acerca do fenômeno variação linguística
no contexto da formação inicial de professores

Acesse o site
http://fronteiraslinguisticas.blogspot.com.br/

Leia as tirinhas, assista aos vídeos, ouça as músicas /
leia as canções disponibilizadas no blog. Em seguida,
analise criticamente as tirinhas, os vídeos e as
músicas.
Pense a respeito das variações linguísticas e do
preconceito linguístico.
Em seguida, redija um ARTIGO DE OPINIÃO em que:

a) explicite como a variação linguística é abordada nos


diferentes textos multimodais (tiras, vídeos,
músicas/canções) no blog.
b) apresente propostas de como utilizar textos (orais e
escritos) a respeito de variação linguística - (leitura e
escrita) nas séries finais do ensino fundamental (6.º ao
9.º ano) ou no Ensino Médio - sem conotação de/ou
preconceito linguístico.

Critérios de avaliação do artigo de opinião:


1. Coerência com o gênero textual argumentativo-
dissertativo.
2. Capacidade de abstração, síntese e articulação das
ideias.
3. Observância das normas ortográficas e gramaticais
vigentes em língua portuguesa no Brasil.
SUGESTÕES DE LEITURAS COMPLEMENTARES:

ANTUNES, I. Muito além da gramática. São Paulo:


Parábola, 2007.
BAGNO, M. Nada na língua é por acaso: por uma
pedagogia da variação linguística. São Paulo: Parábola
Editorial, 2007.
BAGNO, M. Preconceito Linguístico: o que é, como
se faz. São Paulo: Edições Loyola, 2001.
BASSO, R.; ILARI, R. O português da gente: a língua
que estudamos, a língua que falamos. São Paulo:
Contexto, 2006.
FARACO, C. Norma culta brasileira: desatando
alguns nós. São Paulo: Parábola, 2008.
KOCH, I. & ELIAS, V. M. Ler e compreender: os
sentidos do texto. São Paulo: Contexto, 2006.