Você está na página 1de 4

DESENVOLVIMENTO

1- Vida, Família e Educação


Aristóteles nasceu em Estagira, na Macedônia, colônia grega, no ano
de 384 (a.C.) Filho de Nicômaco e Phaestis, irmão de Armneste e Armnestus.
O pai de Aristóteles, Nicômaco, foi médico da corte do rei macedônio
Amintas III. Embora Nicomaco tenha morrido quando Aristóteles era apenas
um menino, Aristóteles permaneceu intimamente afiliado e influenciado pela
corte macedônia pelo resto de sua vida. Pouco se sabe sobre sua mãe,
Phaestis; acredita-se que ela também tenha morrido quando Aristóteles era
jovem.
Depois que o pai de Aristóteles morreu, Proxeno de Atarneus, que era
casado com a irmã mais velha de Aristóteles, Arimneste, tornou-se guardião
de Aristóteles até que ele chegou à maioridade. Quando Aristóteles fez 17
anos, Proxenus o enviou para Atenas para buscar uma educação superior. Na
época, Atenas era considerada o centro acadêmico do universo, com duas
grandes instituições que chamavam a atenção dos jovens que eram, a Escola
de Isócrates que preparava o aluno para uma vida política e a Academia de
Platão que tinha como foco a ciência. Em Atenas, Aristóteles escolheu se
matricular na Academia de Platão, uma das principais instituições do ensino
grego, e provou ser um estudioso exemplar. Aristóteles manteve uma relação
com o filósofo grego Platão, ele próprio um estudante de Sócrates, e sua
academia por duas décadas.

1.1- Formação Acadêmica e Carreira


Aristóteles, no início dos estudos, começou a frequentar a academia
de Platão, graças a sua inteligência, Aristóteles se tornou o discípulo
predileto do mestre tanto que Platão costumava a dizer: "Minha
Academia se compõe de duas partes: o corpo dos alunos e o cérebro de
Aristóteles&quot. Aristóteles foi suficientemente crítico para ir além do
mestre. Demonstrou sua grande capacidade de pensador escrevendo uma
série de obras nas quais aprofundava, e muitas vezes, modificava as
doutrinas de Platão, a teoria de Aristóteles, de forma geral, é uma refutação
ao seu mestre. Enquanto Platão era a favor da existência do mundo das ideias
e do mundo sensível, Aristóteles defendia que poderíamos captar o
conhecimento no próprio mundo que vivemos que é chamado de: o empírico.
Nesse período, Aristóteles aprofundou-se nos estudos platônicos sobre
o ser e sobre a essência das coisas, sobre a dialética, sobre a política e sobre
as ideias socráticas. Também estudou ética e aprofundou seus estudos em
ciências da natureza, estudou por duas décadas até concluir a jornada na
academia e, em seguida, se tornou professor da instituição.
Quando Platão morreu, em 347 a. C. Aristóteles fazia vinte anos de
Academia, inicialmente como discípulo, depois como professor, após a
morte de seu mestre Aristóteles esperava ser seu substituto naural na direção
da escola, mas foi rejeitado por ser estrangeiro e substituído pelo sobrinho
de Platão, Espeusipo, que era um ateniense nato.
Decepcionado, Aristóteles deixou Atenas e foi para Atarneus, na Ásia
Menor, onde se tornou conselheiro de estado de seu antigo colega, o filósofo
político Hermias.

1.2- O Liceu
Após a decepção de não ter se tornado o substituto de Platão e a sua
ida á Atarneus, Aristóteles casou-se com Pitia, a filha adotiva de Hermias,
mas quando os persas invadiram o país e mataram seu governante, ficou
novamente sem pátria.
Em 343 a.C., foi convidado por Filipe II da Macedônia para preceptor
de seu filho Alexandre. O rei queria que seu sucessor fosse um requintado
filósofo, assim como preceptor na corte da Macedônia durante quatro anos,
teve a oportunidade de prosseguir suas pesquisas e desenvolver suas teorias.
Quando retornou a Atenas, em 335 a.C., Aristóteles decidiu fundar sua
própria escola chamada Liceu por estar situada no edifício dedicado ao deus
Apolo Lício, em sua escola estudava-se geometria, física, química, botânica,
astronomia, matemática, e outros. Além de cursos técnicos para os
discípulos, também ministrava aulas públicas para o povo em geral.
Aristóteles defendia que a função principal da educação era conduzir
o homem à felicidade. Todas as manhãs, Aristóteles passeava com os seus
alunos e com eles discutia as questões filosóficas.
Quando Aristóteles deixa a sua escola partindo para Cálcis, depois de
nela ter ensinado durante cerca de doze anos, esta fica ao cuidado do seu
discípulo Teofrasto, que toma a direcção da escola durante cerca de trinta e
cinco anos, até 287 (a.C.), data da sua morte.
A sabedoria de Aristóteles chegou até nós através de alguns escritos
que contêm o começo de quase todas as nossas modernas artes e ciências.
Assim como foi considerado o pai da lógica por ter ensinado a todos os que
vieram depois dele a pensar com clareza.
1.3- Obras
Das 22 obras deixadas por Aristóteles, especula-se que algumas
podem ter sido, na verdade, compilações e anotações de seus alunos do Liceu
tiradas durante as aulas do mestre. Os historiadores não sabem, ao certo, a
autoria correta dessas obras, com exceção das principais.
A seguir, estão selecionados alguns dos principais escritos de
Aristóteles:
Metafísica: conjunto de dez livros, escritos como “Estudos de
Filosofia Primeira” e reunidos e renomeados mais tarde por Andrônico de
Rodes como “Metafísica”. Tratavam de um conhecimento geral sobre o ser
e como o conhecemos, ou seja, uma espécie de ciência geral que tinha como
objeto o próprio ser e não recortes dele (como a Matemática é um recorte do
ser que estuda apenas as relações numéricas — uma parte de todo o ser).
Categorias: pequeno livro sobre Lógica que apresenta a necessidade
da classificação e separação de conceitos diferentes para o tratamento de
assuntos diferentes, a fim de que equívocos sejam evitados. Seria uma
espécie de distinção das diversas categorias do pensamento.
Physica: tratado de oito livros com observações de Aristóteles sobre a
Ciência da Natureza.
Da alma, ou Sobre a alma: escritos sobre a noção dos antigos de alma,
que equivale, para nós, à noção de mente. O filósofo trata de assuntos
relacionados a como o ser humano constitui-se com base em sua
personalidade e a como essa alma atua na distinção entre nós e os outros
animais.
Ética a Nicômaco: livro que fala sobre Ética expondo as noções de
virtude, racionalidade prática (uma racionalidade voltada para o cotidiano e
o convívio político) e eudaimonia (uma noção dos gregos antigos de que
haveria um guia — a consciência — para as nossas ações).
Política: livro em que o pensador defendeu as suas teses sobre a
organização política das cidades, baseada na ação ética individual e no
exercício da democracia, além de um conjunto de fatores que levariam os
cidadãos à vida perfeita.
1.4- Frases
“O belo é o esplendor da ordem.”
“O homem é, por natureza, um animal político.”
“O homem é um animal de linguagem.”
“Nada do que existe em potência torna-se ato senão por algo que já
existe em ato.”

1.5- Morte

O fim de Aristóteles foi trágico. Quando o rei da Macedônia,


Alexandre, o Grande morreu em 323 (a.C.), irrompeu em Atenas uma
grande explosão de ódio, não somente contra o conquistador, mas contra
todos os seus admiradores e amigos, sendo assim sua filosofia de idéias
objetivas não poderia escapar à reação do sacerdote Eurimedote, que o
acusava de impiedade.
Um dos melhores amigos de Alexandre era Aristóteles. Estava
prestes a ser preso, quando conseguiu escapar em tempo, desiludido com a
ingratidão dos atenienses decidiu abandonar Atenas e fugir para Cálcis,
sendo assim deixou o Liceu sob a direção de Teofrasto, dizendo que não
daria à cidade outra oportunidade de cometer um segundo crime contra a
filosofia, referindo-se a Sócrates.
Pouco tempo depois do exílio que se impusera, adoeceu por conta de
uma doença no estômago. Aristóteles morreu em 322 a.C. com 62 anos, em
Cálcis, na Eubéia. Em seu testamento determinou a libertação de seus
escravos. Foi essa talvez, a primeira carta de alforria da história.

Você também pode gostar