Você está na página 1de 10

UFC – UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ

CAMPUS DE SOBRAL
CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA
TURMA 01
FÍSICA EXPERIMENTAL I
PROFESSOR: VALDENIR SILVEIRA

SEGUNDA LEI DE NEWTON

BRUNA LETÍCIA DE SOUSA


430037

Sobral - CE
2020.1/2
2

SUMÁRIO

INTRODUÇÃO .............................................................................................................. 3
1.1 Primeira Lei de Newton ........................................................................................... 3
1.2 Segunda Lei de Newton ........................................................................................... 3
1.3 Terceira Lei de Newton ........................................................................................... 4
2. OBJETIVOS ............................................................................................................... 4
3. MATERIAIS ............................................................................................................... 5
4. PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL ................................................................... 5
5. RESULTADOS E DISCUSSÃO ............................................................................... 5
5.2 Atividades .................................................................................................................. 8
6. CONCLUSÃO ............................................................................................................ 9
REFERÊNCIA ............................................................................................................. 10
3

INTRODUÇÃO

As três leis de Newton são utilizadas para caracterizar as causas que podem alterar
o estado de movimento dos corpos. O agente causador dessa mudança é a força, dada em
Newton (N), é a grandeza responsável pelas variações de um corpo.

1.1 Primeira Lei de Newton

“Todo corpo continua em seu estado de repouso ou de movimento uniforme em uma linha
reta, a menos que seja forçado a mudar aquele estado por forças aplicadas sobre ele.”

Conhecida popularmente como lei dá inércia, a primeira lei de Newton nos diz
que se a força resultante de todas as forças atuantes sobre o corpo esse não irá variar sua
aceleração, ou seja, se estiver em repouso se manterá em repouso, se estiver em
movimento uniforme, este se manterá em movimento uniforme. Um exemplo cotidiano
de tal lei é quando um carro ou ônibus freia bruscamente, os passageiros, por inércia,
tendem a continuar se movimento para frente. É importante lembrar que o passageiro se
vê parado em referência ao ônibus, entretanto está em movimento em relação à terra.
Por fim, sobre tal lei deve ser lembrado que ela não é somente uma situação na
qual não há aceleração, mas sim para determinar um referencial inercial ou newtoniano.
Referencial no qual a partícula não está submetida a nenhuma força e com velocidade
constante. O solo, só pode ser assim considerado se a situação permitir que os
movimentos astronômicos da terra.

1.2 Segunda Lei de Newton

“A mudança de movimento é proporcional à força motora imprimida, e é produzida na


direção de linha reta na qual aquela força é aplicada.”

Também conhecida como princípio fundamental da dinâmica, esta lei também nos diz
que a força resultante em um corpo, é a taxa de variação em relação ao tempo do momento
linear. Que nos leva a:
𝑑 𝑑𝑣
⃗𝑭𝑹𝑬𝑺 = (𝑚 ∙ 𝑣 ) = 𝑚 ∙ =𝑚∙𝑎
𝑑𝑡 𝑑𝑡
4

Logo,
⃗𝑭𝑹𝑬𝑺 = 𝑚 ∙ 𝑎 (1)
A partir disso, podemos concluir que como a massa (de um modo geral) é positiva,
o movimento sempre terá o mesmo sentido que a força. Outra conclusão é que para um
objeto com maior massa, exigirá uma maior força para uma determinada aceleração do
que um objeto com menor massa em referência ao primeiro.

1.3 Terceira Lei de Newton

“A toda ação há sempre uma reação oposta e de igual intensidade: as ações mútuas de
dois corpos um sobre o outro são sempre iguais e dirigidas em sentidos opostos”

Também chamada de lei de ação e reação, a terceira lei de Newton nos diz que se
uma força é aplicada de A para B, B irá aplicar uma força de mesma magnitude, mesma
direção e sentindo contrário à força aplicada por A. Isso nos dá algumas circunstâncias
que devem ser observadas. Ao analisarmos (1) e considerar o atrito estático e dinâmico
entre as superfícies, iremos ver que dificilmente os dois corpos irão acelerar, o que faz
com que não fique tão evidente essa lei. Um exemplo disso é o andar, com a existência
do atrito, ao empurrarmos o chão para trás, como não escorregamos o chão nos empurra
com mesma magnitude para frente que nos faz caminhar.

2. OBJETIVOS

• Verificar a validade da expressão que representa a segunda lei de Newton,


⃗𝑭 = 𝒎 ∙ 𝒂

• Verificar a relação entre força resultante e aceleração sobre uma massa constante.
5

3. MATERIAIS

• Colchão linear e unidade geradora de fluxo de ar Azeheb;


• Carrinho com haste e suportes;
• Imã e mola;
• Bobina, cabos, chave inversora e massa;
• Cronômetro digital com até 4 intervalos sucessivos, com fonte 6/12 VCC
embutida.
• Balança e dinamômetro.

4. PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL

A priori, os cinco sensores fotoelétricos foram ajustados nas seguintes posições


do colchão linear: x = 0,450 m, x = 0,600 m, x = 0,750 m e x = 0,900 m em relação ao
trilho, onde x = 0,300 m é o ponto inicial de referência. A massa total do sistema foi
determinada sendo de 0,446 g ( a soma da massa do carinho, do porta-peso, dos pesos e
da roldana), foi determinado que inicialmente o porta pesos estaria com 20g de massa
adicional e o carrinho com 200g, o cronômetro foi configurado da função F2 e o eletroímã
foi ajustado de forma que segurasse o carinho. O experimento seria repetido transferindo
50 gramas do carrinho para o porta pesos, o que aumentaria a força atuante sobre o sistema
alterar a massa deste. O experimento foi realizado 5 vezes e a cada nova execução o porta
pesos junto com a massa adicional eram pesados através de um dinamômetro. Os dados
foram anotados e os cálculos foram feitos segundo o que se pediu preenchendo as tabelas
de 1 a 5.

5. RESULTADOS E DISCUSSÕES

As tabelas abaixo apresentam os valores obtidos nos experimentos realizados


na aula prática, em que são apresentados mais detalhes sobre o estudo de um dos conceitos
fundamentais da mecânica denominado Força, e a forma que se comporta essa grandeza.
6

Fonte: Elaborado pelo autor.

Fonte: Elaborado pelo autor.

Fonte: Elaborado pelo autor.


7

Fonte: Elaborado pelo autor.

Fonte: Elaborado pelo autor.


8

5.1 ATIVIDADES

1. Com os dados das Tabelas de 1 a 5 faça o gráfico (força versus aceleração) e


verifique a relação entre a força resultante e a aceleração sobre uma massa
constante. Esboce a curva que melhor representa estes dados. Qual o valor da
massa obtido a partir desta curva? Compare com a massa total do sistema.
R.

Gráfico das tabelas 1 a 5 - FORÇA versus ACELERAÇÃO


2
1,8
1,6
1,4
1,2
1
0,8
0,6
0,4
0,2
0
0,623 1,599 2,862 3,182

Força (N)

Fonte: Elaborado pelo autor.

O gráfico representado expressa a variação da Força com relação a aceleração,


para o cálculo da massa, podemos utilizar a equação fundamental (1) da força dada por:
𝐹 =𝑚∙𝑎
e a partir disso, percebemos que o valor da massa permanece constante se considerarmos
a margem de erro de 5%, pois as grandezas força e aceleração crescem de maneira similar,
apresentando-se assim, como grandezas diretamente proporcionais.
9

6. CONCLUSÃO

A partir dos resultados obtidos na prática, fomos capazes de reconhecer


detalhadamente como ocorrem força resultante no sistema analisado influencia no
movimento de um corpo. Podendo também entender como acontecem e os fatores
necessários para sua ocorrência, como tempo, aceleração e força por exemplo.

Além disso, fomos capazes de identificar as principais características do


movimento quando uma força constante atua no sistema. É importante também ressaltar
que através dos gráficos a prática nos mostrou a proximidade da física e do cálculo, não
somente como ferramentas, mas como comprovação uma das outras, fazendo com que
pudéssemos identificar as grandezas físicas nos números da equação.
10

REFERÊNCIAS

JÚNIOR, J. S. D. S. Segunda lei de Newton. Mundo Educação. Disponível em:


< https://mundoeducacao.bol.uol.com.br/fisica/segunda-lei-newton.htm >. Acesso em:
30 mar. 2021.

RESNICK, H. &. Fundamentos de Física. 9º ed. Rio de Janeiro: LTC - Livros


Tecnicos e Cientificos, v. I, 2012.

Leis de Newton. Brasil Escola. Disponível em:


< https://brasilescola.uol.com.br/fisica/leis-newton.htm >. Acesso em: 30 mar. 2021.

Você também pode gostar