Você está na página 1de 24

Página 1

UMA PROPOSTA PARA


SÓLIDOS
GESTÃO DE RESÍDUOS
- Proteção ambiental que beneficia os pobres -
Enviado de mãos dadas

Página 2
ii

ÍNDICE
Prefácio ................................................. ..................................................
.............................4
Abreviações e Acrônimos ............................................... ..................................................
v
1. Fundo............................................... .................................................. .................... 6
Introdução................................................. .................................................. .............. 6
A proposta ................................................ .................................................. .............. 7
Décimo Plano Quinquenal da Índia .............................................
......................................... 7
Gestão Municipal de Resíduos Sólidos .............................................. ....................... 8
Empoderamento de mulheres e outros grupos desfavorecidos .............................. 9
2. Partes Interessadas ............................................... ..................................................
................. 10
Funcionários ................................................. .................................................. ...............
10
O público ................................................ .................................................. ................ 10
Voluntários ................................................. .................................................. ............... 11
ONGs, CBOs e Associações Locais ........................................... ............................ 11
Grupos Juvenis e Eco-clubes ............................................ ....................................... 11
Municípios ................................................. .................................................. ......... 11
Corporações Privadas ................................................ ................................................. 11
3. Análise do problema .............................................. ..................................................
.......... 12
The Indian Waste Situation .............................................. ........................................ 12
Fraca Conformidade ................................................ .................................................. .....
12
Degradação Ambiental, Saúde Humana e Resíduos ....................................... 14
Perspectiva Não Cíclica .............................................. ............................................ 14
Tabus Culturais e Estigma Social ............................................. .............................. 15
Mulheres e outros grupos desfavorecidos ............................................. .................. 15
4. Objetivos ............................................... .................................................. ....................
17
Proteção Ambiental que Beneficia os Pobres ............................................ ....... 17
Empoderamento de mulheres e outros grupos desfavorecidos ................................. 18
Conscientização elevada e percepções em mudança ............................................. ............
18
Mensurável em números ............................................... ............................................. 18
5. Riscos e fatores externos ............................................ ...............................................
20
6. Organização e Implementação do Projeto ............................................ ......................
21
De mãos dadas ............................................... .................................................. ........... 21
Manejo de Resíduos Sólidos e Manuais ...... Fel! Bokmärket är inte definierat.
Localização................................................. .................................................. ...................
22
A infraestrutura................................................. .................................................. .......... 22

Página 3
iii
Funcionários ................................................. .................................................. ...............
22
Atividades ................................................. .................................................. ................. 23
Treinamento ................................................. .................................................. .............. 23
Segregação de Resíduos na Fonte ............................................. ............................... 23
Coleção ................................................. .................................................. ........... 23
Compostagem de Resíduos Biodegradáveis .............................................. .....................
23
Reciclagem de resíduos não biodegradáveis ............................................ .................. 24
Campanhas de Conscientização e Informação .............................................. ................
24
7. Orçamento e financiamento .............................................
.................................................. .... 26
Financiadores ................................................. .................................................. .................
26
Fundo de Resíduos Comunitários ...............................................
............................................ 26
8. Desenvolvimento Sustentável ..............................................
............................................... 27
Fase de transferência .............................................. .................................................. ......
27
Propriedade ................................................. .................................................. .............. 27
Tecnologia ................................................. .................................................. ............. 27
9. Referências ............................................... ..................................................
.................... 28

Página 4
4

PREFÁCIO
Hand in Hand é dedicado ao desenvolvimento e capacitação de pessoas desfavorecidas
grupos, e especialmente famílias rurais e tribais, por meio de ações de base, pesquisa e
Educação. Vemos o status do ambiente natural local como a chave para o
desenvolvimento
processar. Uma vez que as pessoas pobres e marginalizadas não têm os recursos
necessários para reduzir os nega-
efeitos positivos de um ambiente degradado, um ambiente natural danificado será o que
mais atingirá
grupos vulneráveis da sociedade os mais difíceis. Ao mesmo tempo, as pessoas que
vivem com escassos recursos
as fontes são geralmente dependentes diretamente de seu ambiente natural próximo para
seu uso diário
sobrevivência.
Sob esta luz, Hand in Hand compilou uma proposta para iniciar um sólido
descentralizado
esquema de gestão de resíduos (SWM) em um panchayat no distrito de Kancheepuram,
Tamil
Nadu, Índia. O projeto terá um efeito duplo: melhorará o meio ambiente local.
e, ao mesmo tempo, oferecer empregos contínuos para indivíduos socialmente
e grupos economicamente desfavorecidos.
Dra. Kalpana Sankar
CEO
De mãos dadas Tamil Nadu
Contato de mãos dadas
Endereço: Hand in Hand
270 Vandavasi Road
Chinna Kancheepuram
Periyar Nagar
Kancheepuram Distrito 631 503
Tamil Nadu
Índia
Telefone: + 91- (0) 44-272 670 65
Fax:
+ 91- (0) 44-272 693 01
E-mail: info@hihseed.org

Página 5
v

ABREVIAÇÕES E ACRÔNIMOS
CBO
organização baseada na comunidade
CPCB
Conselho Central de Controle de Poluição
CPHEEO Organização Central de Saúde Pública e Engenharia Ambiental
PIB
produto Interno Bruto
IEC
Informação, educação e comunicação
EM R
Rupia indiana
ONG
organização não governamental
NWMC
Conselho Nacional de Gestão de Resíduos
OBCs
Outras classes retrógradas
PIL
Litígios de interesse público
PPP
paridade de poder de compra
PRA
Avaliação Rural Participativa
RWA
Associação de Residente de Bem-Estar
SCs
Castas Programadas
SHG
Grupo de Autoajuda
STs
Tribos programadas
SWM
gestão de resíduos sólidos
ULB
Corpo Local Urbano

Página 6
6

1. FUNDO
Introdução
Durante as duas décadas e meia anteriores, o crescimento econômico da Índia esteve
entre
o mais rápido do mundo. Os últimos dez anos viram um mercado interno bruto de 6 por
cento
crescimento do produto (PIB) por ano e, medido em paridade do poder de compra
(PPP), Índia
representa a quarta maior economia do mundo hoje. O progresso econômico mostra
nenhum sinal de desaceleração; a meta estabelecida no Décimo Plano Quinquenal
(2002-07) é de oito
por cento de crescimento anual do PIB. Como resultado do desenvolvimento econômico
do ano recente, um
estima-se que por cento de todos os indianos cruzam a linha da pobreza todos os anos e
hoje
classe atingiu mais de 250 milhões de pessoas.
No entanto, apesar da expansão econômica sem precedentes, mais de dois terços de
todos
Os índios ainda estão empobrecidos, sobrevivendo com menos de dois dólares por dia.
Conseqüentemente, embora
a pobreza absoluta foi cortada em mais da metade, o analfabetismo reduziu
drasticamente e
muitos indicadores de saúde melhoraram, as vastas desigualdades ainda persistem.
Dado que
aproximadamente um quarto de todas as pessoas pobres do mundo vivem na Índia, nos
próximos anos '
desenvolvimento naquele país afetará diretamente o quão bem o mundo terá sucesso em
alcançar
os Objetivos do Milênio da ONU para 2015.
A Índia é, sem dúvida, uma sociedade dinâmica, diversa e complexa. O sistema de
castas, embora
abandonado não oficialmente, está prevalecendo, e muitos grupos permanecem pobres,
desfavorecidos e
isolado das cenas econômicas e políticas. Outro problema estrutural óbvio é
relacionado ao gênero; As mulheres indianas são, por exemplo, menos em número, têm
um acesso mais pobre a
saúde e educação em comparação com os homens, eles não estão envolvidos em
atividades econômicas em
na mesma medida que os homens, e eles estão sub-representados na maioria das
instituições democráticas.
A crescente industrialização e o rápido crescimento não representam apenas problemas
relacionados à
a alocação de recursos e poderes, mas também desafia severamente o ambiente natural
mento. Degradação ambiental, como água contaminada, afundamento do nível do lençol
freático
els, solos insalubres e ar poluído tornou-se uma dura realidade em muitas partes da
Índia.
Digno de nota, um ambiente local danificado atinge os grupos mais vulneráveis da
sociedade a
mais difícil. Pessoas pobres e marginalizadas não têm os recursos necessários para
reduzir o negativo
efeitos de um ambiente degradado. Ao mesmo tempo, eles geralmente são diretamente
dependentes
em seu ambiente natural próximo para sua sobrevivência diária.
Um resultado de uma rápida urbanização, uma lacuna que reduz lentamente entre o
urbano e o rural,
padrões de consumo, e uma população crescente é o problema do desperdício. Apesar
o índio médio gera apenas cerca de meio quilo de resíduos sólidos por dia, o volume é
enorme. Dados os desenvolvimentos atuais, a geração de resíduos sólidos urbanos na
Índia em

Página 7
7
o ano de 2047 foi projetado para exceder 260 milhões de toneladas - um número
superior a cinco
vezes os níveis atuais. 1 Enquanto a quantidade de resíduos sólidos gerados pela
sociedade aumenta
ing, a composição dos resíduos sólidos está se tornando cada vez mais diversificada.
Trinta anos
atrás, a composição dos resíduos sólidos gerados pelo agricultor indiano era
caracterizada por
um quinto dos resíduos não biodegradáveis e quatro quintos dos resíduos
biodegradáveis. No momento, este
a proporção está prestes a se inverter; hoje, meros 40 por cento são biodegradáveis,
enquanto 60 por cento são
não biodegradável. Ao mesmo tempo, muitas famílias não reciclam seus resíduos, mas,
em vez disso, tendem a descartá-lo fora de suas casas ou nas ruas.
Em outubro de 2000, o Ministério do Meio Ambiente e Florestas notificou o Sólido
Municipal
Regras de Resíduos (Gestão e Manuseio) de 2000, que estabelecem os procedimentos e
diretrizes para coleta, segregação, armazenamento, transporte, processamento e descarte
de
Resíduos sólidos municipais. As regras exigem que todas as cidades devem estabelecer
tratamento de resíduos adequado-
instalações de tratamento e disposição. Eles também especificam os padrões de
qualidade do composto, lixiviado
trol e gestão e encerramento de aterros sanitários.
No entanto, embora seja dever dos Órgãos Locais Urbanos (ULBs) abordar a questão de
SWM, orçamentos apertados, organização ineficiente, etc., gerou uma situação que
pouca esperança de alívio no futuro próximo. Em vez disso, o lixo é queimado ou
despejado; qualquer
produzindo fumaça perigosa ou infiltrando-se no solo e contaminando tanto o solo
quanto a água
ter.
A proposta
Esta proposta visa iniciar um esquema de gestão descentralizada de resíduos sólidos
(SWM)
em um panchayat no distrito de Kancheepuram, Tamil Nadu, Índia, melhorando assim o
ambiente local e oferecendo emprego contínuo para indivíduos de forma social e
grupos economicamente desfavorecidos. Após um período inicial de 24 meses, o projeto
irá
ser entregue ao panchayat.
Décimo Plano Quinquenal da Índia
Algumas das metas de desenvolvimento mais importantes destacadas no décimo quinto
ano da Índia
Os planos (2002-07) são os seguintes:
• Um crescimento anual do PIB de 8%
• Redução da pobreza em cinco pontos percentuais até 2007 e em 15%
pontos em 2012
• Fornecimento de empregos lucrativos e de alta qualidade para a força de trabalho
• Todas as crianças devem completar cinco anos de escolaridade até 2007
1 Singhal e Pandey (junho de 2001).

Página 8
8
• Redução das lacunas de gênero nas taxas de alfabetização e salários em pelo menos
50% até 2007
• Redução da taxa decadal de crescimento populacional entre 2001 e 2011 para 16,2
por cento;
• Aumento nas taxas de alfabetização para 75 por cento
• Redução da taxa de mortalidade infantil para 45 por 1000 nascidos vivos até 2007 e
para 28 até
2012
• Redução da taxa de mortalidade materna para dois por 1000 nascidos vivos até 2007 e
para
um em 2012
• Aumento da cobertura florestal e arbórea para 25 por cento em 2007 e 33 por cento até
2012
• Todas as aldeias devem ter acesso sustentável a água potável
• Limpeza de todos os principais rios poluídos até 2007 e outros trechos notificados até
2012
Gestão Municipal de Resíduos Sólidos
A gestão de resíduos sólidos (SWM) está longe de ser um fenômeno novo na Índia; o
ministério de
Alimentos e Agricultura ofereceram empréstimos a ULBs para iniciativas de SWM
desde o
1960s. No entanto, foi apenas nos últimos anos que a questão dos resíduos aumentou no
agenda de desenvolvimento do país e recebeu interesse substancial. No décimo país
Plano Quinquenal (2002-07), a questão do SWM é abordada em vários capítulos e de
diferentes
ângulos diferentes. Em primeiro lugar, o plano afirma que a preparação do projeto
abrangente deve ser
dertaken para todas as cidades para tratamento e reciclagem de resíduos sólidos e
líquidos.
Em relação a isso, os terrenos devem ser identificados e adquiridos. Também enfatiza a
segregação de resíduos
na fonte em resíduos não biodegradáveis e biodegradáveis.
Outra área prioritária é promover a agricultura orgânica e a utilização de produtos
orgânicos.
publicar; o plano incentiva, por exemplo, a conversão de resíduos sólidos urbanos em
vermes
composto. O adubo orgânico pode, posteriormente, complementar o uso de fertilizantes
químicos em
produção de safras. Vermi-composto melhora a condição física do solo e aumenta
o nível de micronutrientes. O plano reforça a crescente demanda por produtos orgânicos
produção de alimentos, enquanto posiciona a Índia como um fornecedor de alimentos
orgânicos potencialmente competitivo
no mercado mundial.
Ao abordar Amenidades Cívicas em Áreas Urbanas (vol. 2, cap. 6.2), uma das
prioridades
áreas de ação é avaliar a demanda por serviços SWM e a "vontade de pagar" por
comunidades, já que muitos órgãos municipais sofrem com recursos inadequados. A
ideia é
que tal avaliação dará uma indicação sobre o preço adequado para os serviços como
bem como esclarecer o escopo para a adoção de políticas de recuperação total de custos.
A importância das concessões e subsídios fiscais também é notificada; veículos de
transporte
para o transporte de resíduos sólidos podem ser isentos de imposto sobre vendas e
outras taxas, e os orgânicos
estrume produzido em usinas de compostagem deve receber algum subsídio. Outra
prioridade
área é a identificação e desenvolvimento de SWM intermediário menos intensivo em
capital
tecnologias, e a implementação de tecnologias econômicas que não dependem

Página 9
9
com uma fonte de alimentação garantida. Finalmente, como o transporte aumenta o
custo de manuseio
resíduos, o plano incentiva SWM descentralizado.
A Organização Central de Saúde Pública e Engenharia Ambiental (CPHEEO) tem
estimou que INR 23.226.000.000 é necessário se as atividades de SWM estipuladas na
Décima
O Plano Quinquenal (2002-07) deve ser implementado. 2
Empoderamento de mulheres e outros grupos desfavorecidos
O Décimo Plano Quinquenal (2002-07) dedica vários capítulos ao empoderamento de
mulheres, e em particular mulheres de grupos social e economicamente marginalizados,
como
bem como pessoas de outros grupos desfavorecidos, ou seja, castas programadas (SCs),
outras costas
enfermarias de classes (OBCs), Scheduled Tribes (STs) e pessoas que vivem com
deficiências (ver, por exemplo
vol. 2, cap. 2.11, 4.1, 4.2 e 4.3). Esses grupos continuam na lista de prioridades à
medida que
ainda está atrás do resto da sociedade social, econômica e politicamente. Ao mesmo
tempo,
eles constituem uma grande parte da população total.
Durante o curso dos dez planos de cinco anos da Índia, o governo indiano formulou
e iniciou vários programas de ação afirmativa, planos de empoderamento, igualdade
políticas e estratégias de auto-emprego / emprego direcionadas a esses grupos. No
entanto, muito ainda precisa ser
feito antes de grupos desfavorecidos, como mulheres, SCs, OBCs, STs e pessoas que
vivem com
deficiências têm oportunidades reais de participar na sociedade e a igualdade de jure ser
vem um de fato.
2 Décimo Plano Quinquenal da Índia (2002-07).

Página 10
10

2. STAKEHOLDERS
A participação da comunidade em SWM é a chave para um projeto sustentável e
integrado. O
objetivo é fazer com que o maior número possível de atores locais participem e
contribuam ativamente para o
projeto. Mais importante ainda, queremos criar um sentimento de propriedade para o
projeto entre
os cidadãos, cujos resíduos são geridos e cujo ambiente local é melhorado pela
projeto.
Um projeto SWM será implementado em um panchayat no distrito de Kancheepuram,
Tamil
Nadu India. O panchayat terá uma população de 5.000 pessoas, ou aproximadamente
1.000
famílias.
Funcionários
Centenas de milhares de pessoas na Índia encontram oportunidades de sustento na área
de
lixo, os “catadores de trapos” (os kabadiwalas em hindi). Um projeto SWM deve,
portanto, estar sob
estava neste ambiente informal, mas organizado. 3 Para não ignorar esses indivíduos,
eles
será priorizado no processo de contratação e oferecido emprego contínuo no
projetos.
Os projetos empregarão 15 pessoas, entre as quais 50 por cento virão da Self Help
Grupos (SHGs). Nosso objetivo é envolver e empregar mulheres, especialmente
mulheres de grupos social e economicamente marginalizados, bem como viúvas,
abandonadas
mulheres, mulheres com deficiência e outras mulheres desfavorecidas. Além das
mulheres,
teremos como alvo homens de SCs, OBCs, STs, bem como homens que vivem com
deficiências. Nós vamos,
na medida do possível, contrate pessoas da comunidade em questão.
Quanto à composição de mulheres e homens, metade dos Grupos de Autoajuda recém-
formados irão
consistirá apenas de membros do sexo masculino, e a outra metade consistirá apenas de
membros do sexo feminino.
A equipe principal também será equilibrada em relação ao gênero.
O público
É vital que o público - ou seja, os cidadãos comuns, bem como as instituições privadas e
públicas -
cujos resíduos são gerenciados e cujo ambiente é melhorado, está ativamente envolvida
no
projeto. Um passo importante para motivar e envolver o público é por meio do público
contínuo
campanhas de conscientização com base em uma Informação, Educação e Comunicação
(IEC)
3 Gupta (abril de 2004).

Página 11
11
estratégia. Além disso, um sentimento especial de propriedade em relação ao projeto
será criado como
cada família contribuirá para o projeto com uma taxa mensal de INR 15-25.
Participarão mil famílias, totalizando cerca de 5 mil pessoas.
Voluntários
Indivíduos motivados, como diretores, médicos, líderes religiosos e etc., de
as comunidades envolvidas serão engajadas como voluntários e ajudarão a transmitir a
mensagem para
o público, bem como funcionar como cidadãos exemplares.
ONGs, OCs e associações locais
Organizações não governamentais locais (ONGs), organizações baseadas na
comunidade (CBOs),
e associações como Resident Welfare Associations (RWAs) e Women's Associations
serão oferecidos treinamentos em SWM.
Grupos Juvenis e Eco-clubes
Os grupos de jovens e eco-clubes nas escolas estarão envolvidos no projeto por meio de
programas de intervenção escolar.
Panchayat
Após o período do projeto terminar (24 meses), o projeto - incluindo mão de obra e
infraestrutura
tura - será entregue ao panchayat. A fim de preparar o panchayat, uma mão
durante a fase de seis meses encerrará o projeto. Todos os custos do projeto serão
atendidos parcialmente
pelo fundo comunitário e em parte pelo panchayat.
Corporações Privadas
Buscaremos a parceria de empresas locais e estrangeiras para contribuições financeiras
conforme
bem como doações de maquinários para reciclagem científica de resíduos inorgânicos.
Private cor-
Porações também poderão patrocinar o projeto e receber marketing em troca.

Página 12
12

3. ANÁLISE DE PROBLEMAS
A situação dos resíduos indianos
De acordo com o Conselho Central de Controle da Poluição (CPCB), o indiano médio
gera
cerca de 490 gramas de resíduos por dia. Embora o desperdício per capita seja baixo em
comparação com o oeste
países, o volume é enorme. A geração de resíduos sólidos nas cidades indianas tem sido
estimado em um crescimento de 1,3 por cento ao ano. A expectativa de geração de
resíduos em 2025
será, portanto, em torno de 700 gramas per capita por dia. Considerando que a
população urbana
ção da Índia deve crescer para 45 por cento dos 28 por cento prevalecentes, o magni-
tude do problema tende a crescer ainda maior, a menos que medidas imediatas sejam
tomadas. 4
Enquanto a quantidade de resíduos sólidos gerados pela sociedade está aumentando, a
composição do
os resíduos estão se tornando cada vez mais diversificados, com o uso crescente de
materiais de embalagem
feito de papel e plástico. Há trinta anos, a composição dos resíduos sólidos gerados
pelo fazendeiro indiano foi caracterizado por um quinto de resíduos não biodegradáveis
e quatro
quintos resíduos biodegradáveis. No momento, essa proporção está prestes a se inverter;
hoje, apenas 40 por
por cento de todos os resíduos sólidos são biodegradáveis, enquanto 60 por cento são
não biodegradáveis.
Fraca Conformidade
Em outubro de 2000, o Ministério do Meio Ambiente e Florestas notificou o Sólido
Municipal
Regras de Resíduos (Gestão e Manuseio), que estabelecem os procedimentos e orientam
linhas para coleta, segregação, armazenamento, transporte, processamento e descarte de
mu-
resíduos sólidos municipais. As regras exigem que todas as cidades estabeleçam
tratamento adequado de resíduos e descarte
instalações de posal até 31 de dezembro de 2001. Eles também especificam os padrões
para a qualidade do composto,
controle e gestão de lixiviados e fechamento de aterros sanitários. Em 2000, CPHEEO
com
implantou as regras com um Manual de Gerenciamento de Resíduos Sólidos
Municipais. Devido ao pobre
implementação das regras, o Supremo Tribunal Federal determinou que um mecanismo
adequado seja
desenvolvido para monitorar o andamento do processo de implementação; todas as
autoridades municipais
os vínculos têm sido obrigados a apresentar relatórios de progresso regulares ao CPCB.
5

Conforme declarado na constituição indiana, é a responsabilidade primária de todos os


governos estaduais
mentos para garantir que as práticas de SWM apropriadas sejam implementadas. O
papel do central
governo é principalmente para formular diretrizes de políticas, fornecer assistência
técnica e
auxiliar na capacitação. No entanto, embora SWM seja definido como um assunto de
estado, é o
Municípios e ULBs responsáveis diretos pela execução das atividades.
4 Gestão de Resíduos Sólidos em Cidades Indígenas.
5 Gestão de Resíduos Sólidos em Cidades Indianas.

Página 13
13
As Regras Municipais de Resíduos Sólidos (Gestão e Manuseio) de 2000 não são as
únicas políticas
documentos gelados direcionados ao assunto. Além disso, como parte da Política
Nacional de Meio Ambiente
2006, o plano de ação para a poluição do solo compreende o fortalecimento das
capacidades das ULBs para
segregação, reciclagem e reutilização de resíduos sólidos municipais e instalação e
operação
aterros sanitários, em particular através da terceirização competitiva de serviços de
SWM. 6
Durante os últimos anos, alguns estudos e relatórios abrangentes foram compilados para
avaliação
a situação dos resíduos sólidos na Índia de vários ângulos. Algumas das con mais
substanciais
tributos são, por exemplo, o relatório preliminar para a 12ª Comissão de Finanças da
Índia, enti-
lecionou Gestão de Resíduos Sólidos em Cidades Indígenas, bem como o Homem de
Resíduos Sólidos do CPHEEO
manual de gestão. Segundo relatos como esses, os programas municipais estão em
condição extremamente ruim, se é que existem; no prefácio da Gestão de Resíduos
Sólidos -
Manual (2000), o autor chega a se referir à situação como “patética”. A menos que
rigoroso
esforços são feitos para melhorar o fluxo de recursos para os programas, os problemas
irão
só agravam ainda mais e continuam a causar degradação ambiental e humana
problemas de saúde. 7
Do total de resíduos sólidos gerados, 50 a 90 por cento são coletados, enquanto 94 por
cento são eliminados.
colocada não científica. Apenas 70 por cento das cidades têm transporte de lixo
adequado
instalações. Os resíduos são freqüentemente deixados sem vigilância nos locais de
descarte, criando um risco para a saúde.
Os conteúdos de plástico são, por exemplo, acumulados por particulares que os vendem
a pequenas fábricas
tórios sem tecnologia adequada, levando à emissão de fumos tóxicos. Favelas urbanas
são provavelmente os mais negligenciados. Portanto, apesar dos esforços concertados
dos formuladores de políticas
para criar uma estrutura legal em torno do assunto, os resíduos sólidos na Índia ainda
precisam de uma grande
atenção e tratamento agudo. 8
Várias razões são dadas para explicar o mau estado do SWM municipal pro
gramas. A falta de recursos financeiros e humanos, bem como a ineficiência
organizacional
dentro dos órgãos municipais, é dito que causam muitos problemas. Os arranjos de
transporte são
geralmente inadequada devido à indisponibilidade de veículos adequados, bem como ao
baixo pro-
dutividade do pessoal. Existem também lacunas de política que precisam ser abordadas
(por exemplo, para
desistir de jogar lixo nas áreas públicas). Além disso, os ULBs acham difícil
levantar recursos para adquirir terras adequadas, e muitas vezes não têm a capacidade
técnica para desmontar
assinar um aterro sanitário adequado. 9
6 Política Nacional do Meio Ambiente de 2006 (18 de maio de 2006).
7 Décimo Plano Quinquenal da Índia (2002-07); Gestão de Resíduos Sólidos em Cidades Indígenas;
Homem de Resíduos Sólidos-
agement Manual (2000).
8 Gestão de Resíduos Sólidos em Cidades Indianas.

9 Gestão de Resíduos Sólidos em Cidades Indígenas.

Página 14
14
Degradação Ambiental, Saúde Humana e Resíduos
Manuseio inadequado de resíduos sólidos e disposição indiscriminada em espaços
abertos, estradas de rodagem
gins, leitos de tanques e etc., dão origem a vários riscos potenciais para o meio ambiente
e
para a saúde humana. Os riscos diretos à saúde dizem respeito principalmente àqueles
que trabalham no campo sem
usar luvas, uniformes e etc. adequados; uma alta porcentagem de trabalhadores de
resíduos e indi-
indivíduos que vivem perto ou em locais de descarte estão infectados com parasitas
gastrointestinais,
vermes e organismos relacionados. 10
Para o público, os principais riscos à saúde são indiretos e relacionados à falta de água,
solo e
qualidade do ar. Além disso, a coleta infrequente de resíduos fornece uma criação
atraente
terreno para moscas e ratos. 11
O dano ambiental mais óbvio causado por resíduos sólidos é estético, ou seja, resíduos
que
lixo nas áreas públicas é feio e fedorento. Um risco mais sério é a transferência de
poluição para
água subterrânea e terra, bem como a poluição do ar pela queima inadequada de
resíduos.
Muitas atividades de resíduos geram gases de efeito estufa; por exemplo, aterros
sanitários geram metano e
as frotas de fusíveis são fontes significativas de dióxido de carbono e óxido nitroso.
Queima aberta
lixões produzem metais pesados volatilizados (por exemplo, mercúrio e chumbo),
dioxinas e furano.
O chorume de lixões não revestidos e descobertos contamina a superfície e o solo
ters. 12
Um ambiente local danificado atingirá primeiro os grupos mais vulneráveis da
sociedade, aqueles
que carecem dos recursos necessários para reduzir os efeitos negativos de um meio
ambiente degradado.
Além disso, as pessoas que vivem em condições precárias também dependem
diretamente de seus
ambiente natural próximo para sua sobrevivência diária.
Perspectiva Não Cíclica
Um problema fundamental é a forma linear, não cíclica, de tratar e relacionar os
resíduos em
Índia, tanto no papel quanto na prática. O lixo não é visto como um recurso que pode
ser refinado
(por exemplo, como adubo nutritivo ou energia) ou reciclado (por exemplo, em novo
papel e plástico),
e, assim, gerar riqueza. Em vez disso, é muitas vezes tratado como o resto do mal que
precisa
ser eliminado.
Além disso, o desperdício raramente é discutido como parte de um ciclo de produção,
consumo e re-
tampouco é avaliado em relação à sustentabilidade ambiental. Pelo contrário,
10 Manual de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (2000).
11 Manual de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (2000).
12 Cointreau (fevereiro de 2006).

Página 15
15
SWM é visto como um processo linear de coleta e descarte e as ações anteriores de
produção e consumo raramente são refletidos. 13
Tabus culturais e estigma social
Outro problema relacionado ao lixo na Índia, como em muitas sociedades, é que ele é
considerado
sujo e imundo, e aqueles que lidam com isso são vistos como cidadãos inferiores de
segunda classe.
Tradicionalmente, as pessoas que trabalham com resíduos na Índia - popularmente
conhecidas como catadores de lixo - geralmente
aliados pertencem aos “intocáveis” (os dalits); por exemplo, o raddiwall recolhe ou
compra resíduos
e os kamatees / kamatans varrem as ruas. Conseqüentemente, o sistema de resíduos
predominante e informal
Isso também afeta a maneira como as pessoas veem os resíduos. 14
Os trabalhadores residuais vivem e trabalham sob extensos riscos à saúde e sofrem
graves explorações
ção e privação. Possíveis riscos à saúde incluem níveis elevados de mortalidade infantil,
lesões de mãos e pernas, infecções intestinais e respiratórias, infecções oculares, parte
inferior das costas
dor, desnutrição, doenças de pele e exposição a resíduos perigosos. 15
Mulheres e outros grupos desfavorecidos
Vários índices socioeconômicos, como representação na força de trabalho, tipo de
trabalho,
venha, a alfabetização, a saúde e a mortalidade revelam que a mulher é uma das pessoas
mais desfavorecidas
grupos populacionais. Avanços feitos na legislação social e a relativa facilidade com
que
As mulheres indianas garantiram a igualdade legal e política, ingressaram em profissões
e ocuparam cargos
ções de poder, levaram ao mito de que a Índia tem um alto grau de igualdade de gênero.
Na real-
idade, cinco décadas após a independência, a posição da mulher indiana piorou con
consideravelmente em todas as esferas, com taxas de sexo em declínio, participação
econômica em declínio e
crescentes brechas na expectativa de vida entre homens e mulheres. 16
Embora a constituição indiana garanta igualdade formal, o status atual das mulheres
é caracterizada pela marginalização e falta de recursos. Para exemplificar, decisão
crucial
fazendo com que os poderes dentro da casa ainda sejam detidos por homens, há uma
preferência marcada
para crianças do sexo masculino, há uma disparidade de gênero nos níveis de ingestão
de alimentos, o sistema de dote é
prevalecente, e as viúvas e as mulheres com deficiência estão em péssimas condições. 17
A Índia é uma sociedade realmente diversa e as mulheres estão longe de ser o único
grupo que sofre de
marginalização social e econômica e discriminação estrutural; SCs, OBCs, STs e
13 Gupta (abril de 2004).
14 Snel (1999).
15 Manual de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (2000).

16 K Menon-Sen e SAK Kumar (2001).

17 K Menon-Sen e SAK Kumar (2001).

Página 16
16
pessoas que vivem com deficiência também foram definidas como especialmente
desfavorecidas no
Décimo Plano Quinquenal (2002-07).

Página 17
17

4. OBJETIVOS
Proteção Ambiental que Beneficia os Pobres
O projeto SWM se esforça para a recuperação máxima de resíduos por meio de
compostagem, reciclagem,
e reaproveitamento, visando à eliminação de resíduos em depósitos de lixo e aterros
sanitários. O longo
O objetivo do prazo é, portanto, reduzir a degradação ambiental causada pelos resíduos
sólidos.
Ao usar métodos de compostagem para gerenciar os resíduos biodegradáveis, somos
capazes de:
• Minimizar os resíduos que precisam ser descartados em aterros centralizados,
ampliando assim
capacidade existente do aterro;
• Reduzir o impacto ambiental de locais de disposição como resíduos biodegradáveis
a fração é em grande parte a culpada pelo lixiviado poluente e pelos problemas do
metano;
• Beneficie o solo usando composto orgânico em vez de fertilizantes químicos.
Além disso, os esquemas de compostagem descentralizados, conforme sugerido nesta
proposta, têm vantagens
tagens para esquemas centralizados, uma vez que
• Desviar resíduos biodegradáveis do fluxo de resíduos municipais, reduzindo assim a
trans-
os custos de transporte e os custos ambientais;
• Aumentar a consciência ambiental na comunidade;
• Criar empregos na comunidade;
• Garante a sustentabilidade do projeto em nível local;
• São opções mais flexíveis para SWM, uma vez que podem se adaptar rapidamente às
mudanças no usuário
precisa;
• Estão próximos aos moradores, permitindo uma vigilância da qualidade do processo
de resíduos.
serviços e produtos de ingesta;
• São principalmente de pequena escala, com base em tecnologia de mão-de-obra
intensiva e mais bem adaptadas
à situação socioeconômica local;
• Diminuir os problemas causados pelo mau funcionamento dos serviços municipais
quando
A compostagem tratada é combinada com serviços de coleta primária. 18
Um projeto SWM descentralizado e executado adequadamente contribuirá para um
ambiente local mais limpo,
manutenção de águas superficiais e subterrâneas puras, solos saudáveis e ar limpo.
Digno de nota, um
ambiente local limpo irá beneficiar imediatamente os grupos mais vulneráveis da
sociedade
cujos meios de subsistência muitas vezes dependem dos recursos naturais disponíveis
localmente.
18 Gestão de Resíduos Sólidos em Cidades Indianas.

Página 18
18
Empoderamento de mulheres e outros grupos desfavorecidos
O projeto visa empoderar as mulheres, e em particular as mulheres socialmente e
ecologicamente
grupos nomicamente em desvantagem, bem como indivíduos de SCs, OBCs e STs e
pessoas
pessoas que vivem com deficiência, oferecendo-lhes emprego contínuo e garantia de
salário. Para não desconsiderar aqueles que já estão envolvidos em SWM no setor
informal
(os chamados catadores de trapos), eles terão a primeira prioridade no processo de
contratação.
Haverá também oportunidades para o início de microempresas em reciclagem, por
exemplo,
ciclagem de papel, caixas Tetra Pak, garrafas Pet e etc. Hand in Hand aqui usará
capacidades organizacionais existentes para treinar membros do Grupo de Autoajuda e
auxiliá-los em
acesso ao crédito e vinculações de mercado. Bairro comunitário já estabelecido
compostos serão apoiados e promovidos.
A importância da capacitação econômica não deve ser subestimada. Como o indivíduo
é capaz de contribuir para a renda familiar, sua autoestima é recuperada e a decisão
poderes de tomada de decisão são alterados. O empoderamento econômico é, portanto,
um pré-requisito para alcançar
igualdade tual. Boas condições de trabalho, formação contínua e adoção de ciências
formas específicas e profissionais de manuseio de resíduos minimizarão os riscos à
saúde e outras ocupações
perigos internacionais que são comuns em ambientes informais.
Maior Conscientização e Mudança de Percepções
A fim de fazer mudanças sustentáveis de longo prazo, as pessoas da base devem sentir
apropriação e compromisso com todas as intervenções do projeto. Um aspecto
importante em
a fim de mudar normas, atitudes e comportamentos é, naturalmente, elevar o nível do
público de
conscientizar, informar e desencadear debates sobre questões como produção e
consumo
padrões, responsabilidades dos atores, crescimento econômico sustentável e assim por
diante. É central
que o desperdício é entendido e discutido como parte de um processo cíclico de
produção,
soma e recuperação.
Outro objetivo do projeto é remover os estigmas e tabus sociais que cercam os resíduos;
em vez de perceber o desperdício como algo sujo, deve ser visto como um recurso
lucrativo
do qual alguém poderia ganhar a vida. Ao oferecer salários competitivos, boas
condições de trabalho
condições, uniformes profissionais e etc., para os funcionários, esperamos mudar o
negativo
percepções em torno do desperdício.
Mensurável em números
• 15 oportunidades de emprego em tempo integral;
• Um projeto de SWM descentralizado cobrindo 5.000 pessoas, ou 1.000 famílias;

Página 19
19
• 400 gramas de resíduos biodegradáveis por casa por dia para serem compostados em
ou-
estrume gânico;
• 600 gramas de resíduos não biodegradáveis por casa por dia para serem reciclados ou
re-
usava.

Página 20
20

5. RISCOS E FATORES EXTERNOS


Tal como acontece com a maioria dos projetos, os riscos e fatores externos podem
influenciar o projeto até um certo grau
gree. Um desses riscos está relacionado à transferência do projeto para o panchayat.
Existe um
risco de o panchayat não priorizar o projeto depois que ele foi entregue a eles.
Esperamos eliminar este risco criando um suporte sólido para o projeto entre vários
atores da comunidade, por exemplo, o público, empresas privadas, alunos de escolas,
voluntários, empregos
ees, e etc., e assim aumentando as expectativas sobre o panchayat administra-
ção
Além disso, durante a fase de transferência de seis meses, o panchayat será
sensibilizado para SWM
e completamente apresentado ao projeto. Amplo suporte técnico e treinamento serão
dados aos municípios por Hand in Hand e pela equipe principal.
Como os projetos são entregues ao panchayat, eles também correm o risco de se
tornarem políticos
cised e os membros do Grupo de Autoajuda correm o risco de serem usados para ganhar
simpatias políticas em di-
grupos diferentes. É importante que todas as partes estejam cientes desse risco e que
seja reduzido à medida que
tanto quanto possível por meio da participação da comunidade, transparência e
propriedade local.
A taxa doméstica de INR 15-25 por mês é outro fator de risco óbvio. Desde governar-
orçamentos de investimento para sistemas SWM geralmente são cobertos pelo imposto
geral de propriedade, lá
provavelmente será uma resistência inicial em relação à taxa mensal a ser paga pelo
famílias. Levará algum tempo para convencer o público dos benefícios do projeto. Por
isso,
para colocar o projeto em andamento, os primeiros meses de coleta de resíduos serão
livres de
cobrar.
Finalmente, os projetos SWM na Índia correm o risco de ignorar e desconsiderar essas
pessoas
que já estão envolvidos na gestão de resíduos no setor informal (ou seja, os chamados
apanhadores de pano). Temos plena consciência desse risco e faremos o possível para,
em primeiro lugar, identificar
esses indivíduos e, posteriormente, motivá-los a aderir ao projeto SWM como em tempo
integral
ployees.

Página 21
21

6. ORGANIZAÇÃO E
IMPLEMENTAÇÃO DO PROJETO
MENTAÇÃO
De mãos dadas
Hand in Hand é uma instituição de caridade pública registrada no ano de 2003 com um
foco inicial
sobre educação e eliminação do trabalho infantil. Com o tempo, a Hand in Hand adotou
um
abordagem holística para enfrentar os problemas relacionados com a pobreza em geral
nas áreas rurais.
A Hand in Hand está atualmente envolvida na implementação de um Desenvolvimento
Comunitário Integrado
Projeto de desenvolvimento em que cinco setores interconectados e interdependentes
são desenvolvidos:
1. Grupos de microfinanciamento e autoajuda para empresas e criação de empregos
2. Eliminação do trabalho infantil e programas escolares
3. Centros de cidadãos e fortalecimento da democracia de base
4. Melhoria da saúde e higiene por meio de campos médicos e campanhas de
conscientização
5. Proteção ambiental por meio de projetos de bacias hidrográficas e SWM
Todas as nossas atividades são guiadas pelos seguintes princípios:
• Propriedade local - Os métodos de Avaliação Rural Participativa (PRA) aplicados por
Praticantes de mãos dadas garantem a propriedade local e o enquadramento de
problemas no
nível de base.
• Capacitação - Hand in Hand acredita na capacitação do indivíduo para
ela para se ajudar, tomar decisões e fazer mudanças.
• Sustentabilidade - A sustentabilidade social, econômica e ambiental de longo prazo
é o aspecto mais importante ao avaliar novos projetos e ao avaliar ex-
isting queridos.
• Fortalecimento das estruturas existentes - Hand in Hand não acredita na construção
estruturas paralelas, mas sim trabalhando em estreita cooperação com
sistemas e estruturas já estabelecidas pelas autoridades governamentais e
sociedade civil.
Atualmente, 1.100 funcionários em tempo integral e 3.000 voluntários estão engajados
em nosso trabalho, muitos
dos quais vêm das comunidades em que trabalhamos. A equipe de gestão consiste
de profissionais com experiência em educação, microfinanças, Grupos de Autoajuda,
natural
gestão de recursos, governança pró-pobres, gestão da água, construção primária, sec-
organizações comunitárias secundárias e terciárias para promover a autossuficiência e
pesquisa e
Treinamento. O administrador administrativo e o Conselho de administração são
conjuntamente responsáveis pelo
início e implementação dos projetos.

Página 22
22
A Hand in Hand também está ativa em 13 distritos no estado indiano de Tamil Nadu
como em Pondicherry.
Localização
Os projetos SWM serão implementados em uma aldeia no distrito de Kancheepuram,
Tamil Nadu,
Índia. A vila terá uma população média de 5.000 pessoas, ou aproximadamente 1.000
famílias.
A infraestrutura
Um pedaço de terreno nos arredores das áreas residenciais será doado pelo panchayat
e a infraestrutura do local será construída. A terra será limpa de árvores potenciais,
o terreno será nivelado, a conexão de água e energia será providenciada, uma cerca será
construir e etc. Um galpão de compostagem, um galpão de material e um escritório
serão construídos em
o site.
O panchayat será fornecido com as ferramentas e equipamentos necessários, por
exemplo, alumínio
bacias, caixas, picas de cabo longo, peneiras, kits de primeiros socorros e caixas de
ferramentas. Cada família vai
receber dois baldes de segregação de plástico gratuitamente.
A fim de coletar os resíduos das residências e, posteriormente, transportá-los para o
local,
o projeto terá carrinhos, riquixás e auto-riquixás à disposição.
Funcionários
A equipe de gestão da Hand in Hand será responsável pelo planejamento geral e
organização do projeto durante os primeiros 24 meses. Uma equipe central composta
por uma equipe
Líder, um Coordenador Técnico e um Administrador de Escritório, serão contratados
para executar
o projeto.
Cada panchayat terá dois Supervisores - um no campo e um no local - um
Motorista, dez embelezadores de rua e dois trabalhadores de obra.
Funcionários:
• Dois Supervisores
• Um motorista
• Dez embelezadores de rua
• Dois Trabalhadores do Local

Página 23
23
Atividades
Treinamento
Todos os funcionários passarão por um treinamento extensivo em SWM, incluindo a
ligação entre um
deterioração do meio ambiente, resíduos e saúde humana, o tratamento e gestão de
resíduos, princípios por trás da compostagem e reciclagem, riscos ocupacionais, saúde e
hi-
higiene, procedimentos de coleta e transporte, etc.
Uma vez que o terreno tenha sido adquirido e as instalações configuradas, o projeto irá
sistema das seguintes atividades em linhas gerais:
• Segregação de resíduos na fonte
• Coleção primária
• Compostagem de resíduos biodegradáveis
• Reciclagem de resíduos não biodegradáveis
• Campanhas de sensibilização e informação
Segregação de Resíduos na Fonte
As famílias irão segregar os resíduos na fonte em resíduos biodegradáveis (úmidos) e
resíduos não biodegradáveis (secos). Os resíduos não biodegradáveis (secos) serão
posteriormente segmentados
registrados em recicláveis, não recicláveis e resíduos domésticos perigosos. Cada casa
serão fornecidos dois baldes em cores diferentes gratuitamente para o molhado e o seco
resíduos, respectivamente.
Coleção
A coleta porta-a-porta de resíduos ocorrerá diariamente em carrinhos ou
riquixás. Depois que o lixo foi coletado nas residências e nas áreas comuns
foram varridos, os resíduos são transportados para o local com riquixás de automóveis.
Compostagem de Resíduos Biodegradáveis
No local, todos os resíduos biodegradáveis serão compostados em compostagem aeróbia
ou na
vermicompostos mais caros. Compostagem aeróbia refere-se a um processo onde é
biodegradável
os resíduos são decompostos biologicamente sob condições controladas por
microorganismos (principalmente
bactérias e fungos) em condições aeróbias. O produto, composto, pode ser efetivamente
utilizado como fertilizante orgânico para rejuvenescer os solos. Um risco chave
associado à compostagem
relaciona-se com o produto; ou seja, composto livre de riscos ambientais. Se
compostagem
não se baseia na segregação na fonte, o produto corre o risco de ser contaminado. 19
Com-
19 Gestão de Resíduos Sólidos em Cidades Indianas.

Página 24
24
postagem é uma opção de baixo custo, que pode ser implementada em diferentes níveis
de escala, portanto
adaptado ao contexto específico de uma cidade.
Vermi-compostagem é baseada na digestão de resíduos por minhocas. A pré-
compostagem
fase é necessária onde os resíduos são deixados para se decompor parcialmente e,
posteriormente, alimentados ao
vermes. O verme fundido é colhido como vermicomposto. Atualmente na Índia,
composto
vende a taxas entre INR 1,60-3,00 por quilo para composto comum e INR 5,00-10,00
por
quilo para vermi-composto.
Reciclagem de Resíduos Não Biodegradáveis
Os resíduos não biodegradáveis serão segregados por categoria no local. O reciclável
os resíduos serão vendidos para empresas que possuem maquinários e experiência para
reciclar o
material corretamente.
Campanhas de Conscientização e Informação
Uma etapa importante para motivar e envolver o público é por meio da conscientização
pública contínua
campanhas baseadas em uma estratégia pública IEC. As atividades incluirão, por
exemplo, promoção
do slogan RRR - reduzir, reutilizar e reciclar - anúncio em painéis de publicidade, em
canais de rádio locais e em jornais locais, bem como workshops, exposições, palestras,
jogos de rua e etc. Além disso, eco-clubes em escolas e grupos de jovens, juntamente
com
os voluntários serão incentivados a participar ativamente do projeto. Alguns dos temas
para
a serem discutidos durante as campanhas de conscientização e motivação do público são
os seguintes:
• Padrões de consumo e desenvolvimento sustentável;
• A origem natural dos produtos;
• Reciclagem e reutilização;
• Lixo e despejo indiscriminado de lixo em espaços abertos, caminhos para pedestres,
vielas,
ruas e em canais de drenagem ou corpos d'água;
• Degradação ambiental e seus efeitos na saúde humana.
O projeto também implica que certas medidas sejam tomadas pelo público. A fim de
obter par-
ticipação, campanhas de informação especial terão como alvo as seguintes áreas:
• Informar o público sobre como separar os resíduos na fonte em biodegradáveis
(úmidos)
resíduos e resíduos não biodegradáveis (secos). Os resíduos não biodegradáveis (secos)
devem
depois disso, ser segregado em recicláveis, não recicláveis e perigosos domésticos
desperdício;
• Informe o público sobre os dois baldes (gratuitamente) em cores diferentes para
os resíduos úmidos e secos, respectivamente;
• Informar o público sobre a coleta e entrega diária de resíduos de porta em porta
do lixo para as Embelezadoras de Rua;
• Informar o público sobre lixeiras comunitárias para resíduos biodegradáveis em
edifícios, insti-
instituições, empresas e colônias residenciais;

Página 25
25
• Informar a população sobre a cobrança da mensalidade domiciliar de INR 15-25;
• Incentive a utilização de composto para agricultura e jardinagem. Aumente o pub-
a consciência e o conhecimento da lic sobre o uso e os benefícios do composto, a fim de
aumentar
demanda de mercado.
Para um cronograma detalhado das diferentes atividades e fases, consulte o Apêndice
1:
Cronograma .

Página 26
26

7. ORÇAMENTO E FINANCIAMENTO
Financiadores
Propomos que o doador contribua com 100 por cento dos custos diretos do projeto
durante
nos primeiros 24 meses. A Hand in Hand contribuirá com a gestão e administração
custos. Após 24 meses, o projeto será financiado tanto pelo panchayat quanto pelo
fundo de resíduos da comunidade.
Fundo de Resíduos Comunitários
Um chamado fundo de lixo comunitário será estabelecido onde as taxas domésticas
(INR 15-25
por família por mês) serão acumulados. Após os primeiros 24 meses, o fundo será
usado para atender às despesas do projeto.
Para orçamentos anuais e totais detalhados, consulte o Apêndice 2: Orçamento .

Página 27
27

8. DESENVOLVIMENTO
SUSTENTÁVEL
Fase de transferência
Durante os últimos seis meses do projeto sob a gestão da Hand in Hand,
será entregue ao panchayat. A fase de transferência de seis meses incluirá
associar o panchayat aos vários aspectos da SWM. Posteriormente, extensa técnica
será dado treinamento para que o panchayat ganhe experiência suficiente. Além disso,
treinamento gerencial e organizacional será dado ao panchayat.
Propriedade
Após o período inicial de dois anos, o panchayat será o proprietário formal da infra-
estrutura, bem como atuar como empregador do pessoal.
Tecnologia
Os sistemas SWM descentralizados usam máquinas simples, econômicas e de mão de
obra intensiva
e Tecnologia. Na medida do possível, usaremos máquinas que são executadas
manualmente e não
dependente de uma fonte de alimentação garantida.

Página 28
28

9. REFERÊNCIAS
Cointreau, Sandra (fevereiro de 2006), Sustainable Solid Waste Systems in
Developing Coun-
tentativas . Banco Mundial, Washington DC. URL: [sitere-
sources.worldbank.org/INTUSWM/Resources/English_e-Sessions.pdf].
Dahiya, Bhárat (abril de 2003), “Hard Struggle and Soft Gains: Environmental
Management,
Sociedade Civil e Governança em Pammal, Sul da Índia ”. Meio Ambiente e
Urbanização-
ção, vol. 15, nº 1.
Gupta, Sanjay K (abril de 2004), “Rethinking Waste Management”, India Together .
URL:
[www.indiatogether.org/2004/apr/env-rethink.htm].
Landstrategi Indien januari 2005 - dezembro de 2009 (31 de março de 2005),
Utrikesdepartemen-
tet, Regeringskansliet.
Gestão de Resíduos Sólidos em Indian Cities , projecto de relatório para a 12 ª
Comissão de Finanças
da Índia, Governo da Índia.
Política Nacional do Meio Ambiente de 2006 (18 de maio de 2006), Ministério do
Meio Ambiente e Florestas,
Governo da India.
K Menon-Sen e SAK Kumar (2001), Women in India: How Free? Quão igual? .
Relatório
encomendado pelo Escritório do Coordenador Residente das Nações Unidas na Índia.
Singhal, Shaleen and Pandey, Suneel (junho de 2001), “Solid Waste Management in
India:
Status e direções futuras ”. TERI Information Monitor on Environmental Sci-
ence , vol. 6, não. 1, pp. 1-4.
Snel, Mariëlle (1999), Social Stigma and the Waste Collection Scheme . Trabalho
apresentado em
o 25 º Água, Engenharia e Desenvolvimento Center (WEDC) Conferência sobre Inte-
Desenvolvimento para abastecimento de água e saneamento em Addis Abeba, pp. 350-
353.
Manual de Gestão de Resíduos Sólidos (2000), Central Public Health and
Environmental Engi-
Organização neering (CPHEEO), Governo da Índia.
Décimo Plano Quinquenal (2002-07) , vol. I, II e III, Comissão de Planejamento,
Governo de
Índia.
Zurbrügg, Christian; Drescher, Silke; Patel, Almitra e Sharatchandra HC (2004), “De-
Compostagem centralizada de resíduos urbanos: Uma Visão Geral da Comunidade e
Privada
Iniciativas em cidades indígenas ”. Waste Management , vol. 24, edição 7, pp. 655–
662.

Você também pode gostar