Você está na página 1de 4

Pecados de Atitude

Um dos nossos grandes problemas é o desejo do nosso coração, pois


assim como vimos, nossas ações são refletidas com base nos nossos
desejos; se temos desejos pecaminosos, nossas atitudes, ou ações, serão
pecaminosas, mas se temos desejos puros e santos, nossas atitudes serão
santas. A atitude não começa no simples fato de agir, mas se origina
no próprio pensar.

Ex: Se alguém me faz algum mal, a minha primeira vontade é de lhe


retribuir. Neste momento a minha santidade como cristão já foi ferida, pois
o meu coração desejou pecar. E nisso a maioria das vezes não conseguimos
nos segurar e proferimos com nossas bocas palavras torpes, originando em
brigas, discussões, inimizades, etc. E isso porque o nosso coração está cheio
de imundícias carnais.

“O homem bom do bom tesouro do coração tira o bem, e o mau


do mau tesouro tira o mal; porque a boca fala do que está cheio o
coração.” Lucas 6.45

Portanto proferimos palavras e agimos de acordo com o que o


nosso coração, ou entendimento e emoções, está cheio.
Vamos observar alguns pontos dos quais cometemos atitudes incorretas:

1. Amor a si mesmo e falta de amor para com Deus

A pergunta que Cristo fez a Pedro em João 21.15-17 mostrou que


Jesus conhecia o coração de Pedro, um coração egoísta e que procurava
fazer as coisas por si mesmo. No versículo 18 mostra claramente que
Pedro era amante de si mesmo, pelo fato de fazer as coisas como queria,
e não como Deus queria que ele fizesse. E podemos ver que sua vida foi
marcada no momento em que ele disse que nunca trairia Jesus alguns
capítulos antes, em João 13.36-38. Jesus predisse o que aconteceria com
Pedro, pelo fato dele conhecer o coração de seu discípulo. Em 18.25-27,
podemos ver a concretização do amor próprio de Pedro, que dizia amar a
Cristo, mas não teve a ousadia de morrer por Ele.
Mas vemos que Pedro se arrependeu de todo o coração e se
voltou a Deus com todo o seu ser, a ponto de sofrer pelo seu
Cristo.

2. Orgulho

O nosso orgulho nos impede de ver verdadeiramente a vontade de


Deus para nossa vida. O Dr. Frizzell diz:

“Talvez a pior forma de orgulho na vida de uma pessoa seja


uma atitude de satisfação espiritual, que vê pouca necessidade de
purificação e crescimento.”

As pessoas que acreditam ter chegado a um nível tão alto de


espiritualidade que não se compara a mais ninguém e que todos devem
estar sob suas ordens, são aquelas que mais precisam entender o que é de
fato ter uma comunhão com Deus; são aquelas que não têm a mínima idéia
do que quer dizer espiritualidade, pois vivem em cima de um pedestal, o
lugar mais propício de se levar uma queda.
E a palavra de Deus é clara a este assunto:

1 Pedro 5:5c -...Deus se opõe aos orgulhosos, mas concede


graça aos humildes.

Deus não quer seus servos estejam longe da sua vontade, antes quer
conceder graças a eles. E você, como está sendo sua atitude em relação à
obra de Deus? Seu orgulho está mais alto do que a vontade de seu Pai
Celestial?
Deus nos ama e por isso nos quer ver fazendo a Sua vontade e
deixando o nosso orgulho de lado.

3. Preconceito

Na maioria das vezes criamos uma amizade mais forte com pessoas
que consideramos mais parecidas conosco. Pois assim é mais fácil de
conversar, de brincar, de se divertir, pois os assuntos dos quais são
tratados, são em comum para os dois. Isso é maravilhoso, mas tem um lado
que talvez torne esta amizade algo ruim, é o fato de deixarmos de lado as
outras pessoas que estão a nossa volta. E muitas vezes isto é por causa de
condições financeiras, cor da pele, por não possuir uma beleza que aos
olhos humanos é agradável, entre outros. Quando deixamos de lado as
outras pessoas, não importa a razão estamos utilizando o nosso
orgulho e nosso amor por nós mesmos, pois não estamos
praticando o que o próprio Jesus ordena em Marcos 12.31:

“O segundo é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Não


há outro mandamento maior do que estes.”

Referindo-nos aos inimigos, temos o exemplo do profeta Jonas que


não obedeceu à ordem de Deus de ir pregar em Nínive, não simplesmente
porque eles eram maus e estavam pecando muito, mas pelo fato de que
Nínive pertencia a Assíria, que era uma nação inimiga de Israel. Então a
atitude de Jonas de não querer ir pregar foi falta de amor para com o
próximo, mesmo sendo inimigos.
Jesus deixa claro que o nosso amor não deve ser somente por
aqueles que nos fazem o bem, mas principalmente por aqueles que fazem o
mal, pois fazer o bem a quem é nosso amigo é fácil, mas fazer o bem a
alguém que quer nos prejudicar, esta é uma tarefa difícil.

Lucas 6.27 – “Digo-vos, porém, a vós outros que me ouvis:


amai os vossos inimigos, fazei o bem aos que vos odeiam;”.
Mateus 5.44 – “Eu, porém, vos digo: amai os vossos inimigos
e orai pelos que vos perseguem;”.

E em Tiago 2.1, vemos que não devemos fazer acepção de pessoas,


antes amar a todas, pois todos têm somente um Senhor e Salvador.

“Meus irmãos, não tenhais a fé em nosso Senhor Jesus


Cristo, Senhor da glória, em acepção de pessoas.”
4. Falta de fé

A falta de fé é um dos mais terríveis pecados que uma pessoa


possa cometer, pois desvaloriza o grande amor e cuidado que Deus tem
para conosco. Deus nos protege e nos ajuda em todos os momentos, assim
a descrença nesta verdade implica duvidar do grande poder de Deus em ter
o controle de tudo em suas mãos e interrompe o agir deste poder em
nossas vidas.
Assim perdemos muitas bênçãos de Deus, e deixamos de ser
utilizados por Ele por causa da nossa incredulidade em Seu poder.

Mateus 13.58 – “E não fez ali muitos milagres, por causa da


incredulidade deles”.

Um grande exemplo de alguém que recebeu uma ordem de Deus e


por faltar à fé perdeu a benção dos planos de Deus para sua vida foi Saul,
que perdeu o seu trono porque não acreditou que Samuel chegaria a tempo
do início da guerra e desobedeceu a ordem dada por Samuel (I Samuel
13.8-10, 13-14).

5. Símbolos mundanos – status e riqueza

Duas coisas que nos tem tirado, na maior parte das vezes, da
presença de Deus são:

a. Nossa posição social;


b. Nossa posição financeira;

Nós, principalmente como jovens, queremos ser o centro de toda a


atenção. Queremos estar rodeados de outras pessoas, e sermos bem vistos
aonde chegarmos. Mas quantos de nós, desejamos ser reconhecidos como
os servos de Deus, os verdadeiros crentes? Na verdade o nosso eu quer ser
reconhecido como o popular, ter uma posição diante das pessoas que seja
invejado por todos, além de possuir muito dinheiro e bens materiais.
Se observarmos bem, Jesus não tinha status, nem riquezas materiais,
antes nasceu num lar humilde, numa estrebaria, numa manjedoura onde os
animais comiam, além de durante o seu ministério ser odiado pelas
autoridades da época, mas o seu nome foi reconhecido como o filho de
Deus, ou o próprio Deus.
Nós devemos ser assim, separados para Deus, sabendo que Deus nos
guarda, assim não vamos precisar nos preocupar com riquezas ou
reconhecimento das pessoas em relação a nossa posição social.

I Timóteo 6.6, 8 – “De fato, a piedade com contentamento é


grande fonte de lucro... por isso, tendo o que comer e com que
vestir-nos, estejamos com isso satisfeitos.”

I João 2.15, 16 – “Não amem o mundo nem o que nele há. Se


alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele. Pois tudo o que
há no mundo a cobiça da carne, a cobiça dos olhos e a ostentação
dos bens não provêm do Pai, mas do mundo”.

“Hebreus 13:5 - Contentai-vos com o que tendes”.


Santidade nas Atitudes

1. Amar a Deus e deixar a si mesmo


2. Humildade
3. Respeito e Amor para com o próximo
4. Fé totalmente em Deus
5. Símbolos bíblicos – simplicidade e solidariedade

“A principal marca de um crente cheio do Espírito é bondade,


dedicação. A principal marca de um crente carnal é um espírito
crítico, atitude negativa.”
(Dr. Frizzell)

“Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a


repreensão, para a correção, para a educação na justiça, a fim de
que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para
toda boa obra.”
(II Timóteo 3.16-17)

Interesses relacionados