Você está na página 1de 13

ANÁLISE ULTRASONOGRÁFICA E CLÍNICA DA ARTÉRIA VERTEBRAL NA ESPONDILOSE CERVICAL.

ULTRASONOGRAPHIC AND CLINIC ANALYSIS VERTEBRAL ARTERY ON CERVICAL ESPONDILOSIS

Glauco Medeiros Comin1, Aderbal Silva Aguiar Jr 2, Cláudio Búrigo de Carvalho Filho3.

1
Graduando em Fisioterapia da UNISUL, campus Tubarão.
2
Professor do curso de Fisioterapia e Pesquisador do Núcleo de Ciências do Movimento da UNISUL, campus Tubarão.
3
Professor do curso de Medicina e Pesquisador do Núcleo de Ciências do Movimento da UNISUL, campus Tubarão.

Endereço para correspondência: Prof. Aderbal Silva Aguiar Júnior, Curso de Fisioterapia, Av José Acácio Moreira 787 Dehon
88.704-900. Tubarão-SC. E-mail: aderbaljr@unisul.br
RESUMO

INTRODUÇÃO A dor cervical é um problema ortopédico e reumatológico comum, geralmente tratada de maneira
conservadora, como por exemplo a terapia manual, sendo esta contra-indicada no caso de insuficiência da artéria vertebral.
OBJETIVOS O presente trabalho estabeleceu como objetivo principal a caracterização da espondilose cervical quanto às
relações dos aspectos funcionais, clínicos, ultrasonográficos, psicológicos e estilo de vida. MATERIAIS E MÉTODOS
Realizamos um ensaio clínico diagnóstico inter-sujeito e intra-sujeito, com a amostra de idade 51,9±7,9 anos, sendo 15
mulheres no grupo controle e 15 mulheres no grupo experimental, caracterizado clinicamente por espondilose cervical.
Avaliamos a dor e suas características, escala de depressão e ansiedade, estilo de vida sedentário e tabagismo, e velocidade
de pico sistólico cm×s-1 (VPS) das artérias vertebrais (AVs). Utilizamos testes ANOVA e distribuição de Student (p=5%).
RESULTADOS Encontramos associação no grupo espondilose da depressão, ansiedade e sedentarismo com a presença de
espondilose, sem associação ao tabagismo. O ultra-som eco-doppler das AVs do grupo espondilose não apresentou
significância estatística da VPS nas posições de flexão,extensão, inclinação lateral e rotação cervical, em relação ao grupo
controle e a posição neutra, a exceção da artéria vertebral direita na flexão apresentando sinais de estenose, com 56,7±22,4
cm×s-1. CONCLUSÃO A cervicalgia tem relevante patologia psicológica e anatômica, sem alterações importantes na VPA ao
ultra-som eco-doppler, permitindo o manuseio conservador seguro.

PALAVRAS-CHAVE: cervicalgia, artéria vertebral, ultra-som, manipulação.

SUMMARY

INTRODUCTION Cervical pain is a common ortophaedic and reumatologic disease, generally treated in a conservative way, as
for example the manual therapy, being this contraindicated in the case of vertebral artery insufficience. MAINS The present
study established as a main objective the characterization of cervical spondylosis related to the relations of functional, clinical,
ultrassonographics, psychological the aspects and style of life. MATERIALS AND METHODS We carryed out a clinical
diagnostic trial inter-citizen and intra-citizen, with the sample of age 51,9±7,9, being 15 women in the group has controlled and
15 women in the experimental group characterized for clinical cervical spondylosis. We evaluate pain and its characteristics,
scale of depression and anxiety, sedentary style of life and smoking, and sistolic peak speed cm×s-1 (SPS) of the vertebral
artery (VAs). We use tests ANOVA and distribution of Student (p=5%). RESULTS We found association in the espondilose
group with depression, anxiety and sedentarism, without association to the smoking. Ultrassom echo-doppler of the AVs of the
group espondilose did not present significance statistics of the SPS in the positions of flexion, extension, lateral inclination and
cervical rotation, in relation to the controlled group and the neutral position, except the right vertebral artery in the flexion
presenting signals of estenosis, with 56,7×22,4 cm×s-1. CONCLUSION The neck pain has psychological and anatomical
pathology, without important alterations in the SPS to ultrassom echo-doppler, allowing safe conservative manuscript.

KEY-WORDS: neck pain, vertebral artery, ultrasound, manipulation.


INTRODUÇÃO
Enquanto nos deparamos com as mais variadas situações no decorrer da vida, a coluna vertebral fazendo parte do
complexo do corpo humano vem adaptando-se aos grandes desgastes, vítima de suas funções biomecânicas de ser o eixo
principal de suporte do corpo e o eixo de movimentação do mesmo, sofrerem com a má postura e possíveis traumas adquiridos
no passar dos anos.
Incumbida em suas subdivisões, a patologia mecânica mais comum do tecido conjuntivo fibroso que pode acometer a
coluna, neste caso coluna cervical, é a artrose ou espondilose cervical. Pode assumir duas formas: a densificação-calcificação
e a degeneração da cartilagem. As duas formas encontram-se com freqüência associadas.
A coluna cervical é a coluna flexível que suporta o peso da cabeça e provê uma via protegida para a medula espinhal
na sua descida. Já que a coluna cervical é bastante flexível, é uma área muito comumente afetada por patologias.
Durante nossas funções como seres humanos, trabalho, higiene pessoal, lazer, emoções, sentimentos, entre outras,
na maior parte do tempo, talvez, não nos preocupemos devidamente, com a postura adequada para realizar e suportar essas
situações.
Por conseguinte, o presente trabalho estabeleceu como objetivo principal para desenvolvimento da pesquisa,
analisar a caracterização da espondilose cervical quanto às relações dos aspectos funcionais, clínicos, ultrasonográficos,
psicológicos e estilo de vida, ainda, como objetivos específicos, avaliar o aspecto clínico e funcional dos pacientes, avaliar a
coluna cervical nível C2-5 quanto aos seus possíveis achados ultrasonográficos vasculares da artéria vertebral, comparar o
fluxo arterial das posições da cabeça em relação à posição neutra, avaliar através de inventário psicológico o nível de
ansiedade, avaliar através de inventário psicológico o nível de depressão, avaliar através de escalas da dor o tipo as
características e intensidade da dor, ocorrência de tabagismo e prática de atividade física e identificar correlação e/ou
independência estatística entre todos os pontos citados a cima.

MATERIAIS E MÉTODOS
A população do estudo foi composta de seres humanos de meia idade e adultos alfabetizados, do gênero feminino,
da região da Associação dos Municípios da Região da Laguna – Santa Catarina (AMUREL).
A amostra teve seleção não-probabilística, de tamanho 30 (15 grupo controle / 15 grupo experimental), com idade do
grupo controle de 52,6±7,5 anos e do grupo experimental de 51,1±8,5 anos. Baseando-se nos ensaios clínicos, utilizamos os
seguintes critérios de inclusão do grupo controle:
• assinatura do termo de consentimento livre e esclarecido (anexo F);
• ausência de história de dor / parestesia cervical e,
• teste de Compressão ou Jackson negativo.
Para critério de inclusão do grupo experimental abordou-se:
• assinatura do termo de consentimento livre e esclarecido (anexo F);
• a ordem dos nomes presentes na lista de espera de ortopedia (coluna) da Clínica Escola de Fisioterapia da
Universidade do Sul do Estado de Santa Catarina – UNISUL, campus Tubarão;
• seres humanos com diagnóstico clínico fechado de espondilose cervical;
• presença de dor / parestesia cervical, irradiada ou não para membros superiores e,
• teste de Compressão ou Jackson positivo caracterizando uma amostra do tipo estratificada.
Foram critérios de exclusão do estudo:
• seres humanos com diagnóstico clínico de Síndrome do desfiladeiro torácico;
• teste de Ross positivo;
• teste de abdução de Wright positivo;
• teste de Compressão ou Jackson negativos e,
• seres humanos com tumor ou doença maligna, história de fratura de coluna, doença neurológica primária e outras
condições que a critério do pesquisador, não incluam o paciente no quadro de variáveis interessantes à pesquisa.

Instrumentos utilizados para coleta de dados


• Escala visual analógica da dor: contém uma escala de 0 a 10 que será medida em cm onde 0 corresponde a
nenhuma dor e 10 a maior dor imaginável, na qual, o paciente ira identificar com um traço a intensidade de sua dor.
• Ficha de dados pessoais: contém a identificação do estudo através da letra E (estudo) e o número seguindo a ordem
de avaliação dos indivíduos (1, 2, ...), nome, gênero, data de nascimento, idade cronológica, profissão e data e hora
da pesquisa.
• Inventário de ansiedade: avaliou-se o nível de ansiedade do individuo, onde o mesmo indicou através dos níveis 0
(nem um pouco), 1 (às vezes), 2 (freqüentemente) e 3 (a maior parte do tempo) entre 24 opções, quais destas o
afetam, sendo seu valor máximo 72.
• Inventário de depressão: avaliou-se o nível de depressão do individuo, onde o mesmo indicou através dos níveis 0
(nem um pouco), 1 (às vezes), 2 (freqüentemente) e 3 (a maior parte do tempo) entre 18 opções, quais destas o
afetam, sendo seu valor máximo 57.
• Questionário de dor de McGuill adaptado para a língua portuguesa: o individuo indicou através dos grupos
dimensionais (1 a 10), dimensão sensitiva (11 a 15), dimensão avaliativa (16) e miscelânea (17 a 20), onde o
somatório destes resultam no tipo de sua dor e como essa acomete seu corpo.
• Teste de Dekleyn: “O teste de Dekleyn é positivo após rotação cervical para a direita com hiperextensão. Esse
resultado sugere síndrome da artéria vertebral no lado ipsilateral.” (EVANS, 2003, p. 86).
• Manobrae de Hallpike: “A manobra de Hallpike é positiva. Esse resultado sugere insuficiência arterial
vertebrobasilar.” (EVANS, 2003, p. 100).
• Teste de Hautant: “O teste de Hautant é positivo à direita. Esse resultado sugere síndrome da artéria vertebral do
lado ipsilateral. O teste indica estenose ou compressão da artéria vertebral, basilar ou carótida.” (EVANS, 2003, p.
104).
• Ultra-som: aparelho eco Doppler colorido, da marca ATL, modelo HDI 3000, com transdutor linear de freqüência
entre 5 e 12 MHz (multifrenquêncial) e com foco regulável.

Procedimentos de coleta de dados


Foi realizado estudo piloto entre os dias 24/10/2003 a 14/11/2003.
O contato com os sujeitos participantes da amostra foi realizado através de telefone, presente na lista de espera de
ortopedia-coluna da Clínica Escola de Fisioterapia da Universidade do Sul do Estado de Santa Catarina – UNISUL, campus
Tubarão.
Foi realizado um processo de triagem para explicar o tipo de pesquisa que o individuo participou, certificando-se de
que o mesmo se encaixasse na amostra. Com a concretização da etapa, um termo de consentimento seguindo os critérios de
pesquisa envolvendo seres humanos foi entregue ao individuo para seu consentimento, vindo este esboçado sob forma de
assinatura e descrição do registro geral de pessoa física (RG).
Uma ficha de coleta de dados, contendo as identificações como número de identificação do paciente/estudo (E =
estudo, 1, 2, 3), nome, gênero, data de nascimento, idade, profissão e data e hora da pesquisa, ainda, no item observação,
adicionou-se se o individuo é fumante ativo e/ou passivo e se pratica alguma atividade física.
Conforme determinados e compreendidos os citados procedimentos, métodos de avaliação, exame complementar
(ultra-som / livre de custos), técnicas utilizadas e vantagens de participar da pesquisa, pois um tratamento com objetivo
benéfico foi aplicado como forma de retorno (agradecimento) ao individuo por estar cooperando e participando da pesquisa,
deu-se inicio à mesma.
Durante todos os dias da semana, excluindo-se quintas, sábados e domingos, a partir das 18h, na clínica Pró-Vida
LIDA – Tubarão - SC, evoluindo mês a mês respeitando a ordem de convocação, foram realizados os testes especiais e
aplicou-se a ultra-sonografia.
Dentro desta avaliação, de inicio foram aplicados os inventários de ansiedade e depressão, onde o paciente assinalou um dos
números: 0 (nem um pouco), 1 (às vezes), 2 (freqüentemente) ou 3 (a maior parte do tempo), em cada item, (24 itens no
inventário de ansiedade e 19 itens no inventário de depressão) para o que melhor descreva o quanto o individuo experimentou
cada sintoma (itens) durante a última semana.
Seguindo, aplicou-se o questionário de dor de McGuill adaptado para a língua portuguesa, onde se avaliou a
dimensão (tipo – grupos dimensionais), a dimensão sensitiva, avaliativa, e a miscelânea da dor, através do somatório dos itens
assinalados pelo individuo conforme explicação seguinte: - Para cada item, grupos dimensionais (1 a 10), dimensão sensitiva
(11 a 15), dimensão avaliativa (16) e miscelânea (17 a 20), o individuo assinalou uma opção dentro de cada subitem, não
sendo regra assinalar todos os itens, identificando-se qual das alternativas melhor descrevem a forma de como a dor afeta seu
corpo.
A escala visual analógica de dor, que de 0 a 10 medida em cm, onde 0 corresponde a nenhuma dor e 10 a maior dor
imaginável, o paciente identificou através de um traço vertical transversalmente a linha padrão, a intensidade de sua dor.
Após, aplicou-se o teste de Dekleyn, onde com o paciente na posição de decúbito dorsal e a cabeça do paciente para
fora da maca, o examinador instrui o paciente a hiperestender e rodar a cabeça e manter essa posição por 15 a 45 segundos.
O paciente repete essa manobra com a cabeça rodada e estendida para o outro lado. Vertigem, visão turva, náusea, síncope e
nistagmo são sinais de um teste positivo, o que sugere síndrome da artéria vertebral no lado ipsilateral.
Segue, aplicou-se a manobra de Hallpike: a manobra de Hallpike é um teste de Dekleyn aumentado e efetuado com
extremo cuidado, quando positiva sugere insuficiência arterial vertebrobasilar.
Com o indivíduo em decúbito dorsal, com a cabeça estendida para fora da mesa de exame, o examinador fornece
suporte para o peso do crânio e traz a cabeça do paciente para a posição de reclinação (extensão), rotação e flexão lateral. Os
olhos do paciente estão bem abertos de tal modo que o examinador possa observar nistagmo e outros sinais neurovasculares.
O teste é repetido do lado oposto. Essas posições são mantidas por 15 a 45 segundos e em uma manobra final, a cabeça do
indivíduo é deixada pender livremente em extensão extrema (hiperextensão) para fora da maca. Vertigem, visão turva, náusea,
síncope e nistagmo são sinais de um teste positivo.
No teste de Hautant, enquanto sentado, o paciente estende os braços para frente com as palmas da mão para cima.
Com os olhos fechados, o mesmo estende e roda a cabeça para um lado e depois repete a manobra para o lado oposto.
Deriva dos braços, vertigem, visão turva, náusea, síncope e nístagno são sinais de teste positivo. O teste indica
estenose ou compressão da artéria vertebral, basilar ou carótida.
Por conseguinte, realizou-se o exame de ultra-sonografia: utilizando-se um ultra-som eco Doppler colorido, da marca
ATL, modelo HDI 3000, com transdutor linear de freqüência entre 5 e 12 MHz (multifrenquêncial) e com foco regulável, cuja
aplicação se decorreu em uma sala de aproximadamente 22° C, instruiu-se o individuo a deitar-se na maca e permanecer na
posição neutra – supino / decúbito dorsal. Após, instruiu-se e pediu-se ao mesmo para realizar ativamente os movimentos de
flexão, extensão, inclinação lateral direita, inclinação lateral esquerda, rotação lateral direita e rotação lateral esquerda,
retornando-se a posição neutra entre cada intervalo de movimento, avaliando-se os picos de velocidade sistólicos e diastólicos
e índice de resistências do fluxo sanguíneo das artérias vertebrais, estão o transdutor posicionado a nível C2 e C5 da coluna
cervical.

Análise dos dados


Os dados foram tabulados e analisados no software Microsoft Excel 9.0. Usou-se estatística descritiva com média
desvio padrão, freqüências e estatística indutiva com:
• t de Student,
• ANOVA one-way,
• Teste χ2 para análise da dependência dos dados, com (p=5%).

Resultados

Tabela 1 – Depressão e Ansiedade. Análise inter-sujeito. Valores expressos em média ± desvio padrão, sendo
adimensionais.
Variável Controle Espondilose Famostral Fcrítico α
Depressão 2,2±3,2 31,1±8,6 149,4719
4,1959 0,05
Ansiedade 2,1±2,4 43,6±8,6 320,8754
Fonte: Pesquisa elaborada pelo autor, 2004.

Tabela 2 – Tabagismo e Atividade física. Análise inter-sujeito. Valores expressos em freqüência relativa.
Variável Controle Espondilose χ2amostral χ2crítico α
Fumo 27% 53% 3
3,841 0,05
Sedentarismo 47% 93% 7,7777
Fonte: Pesquisa elaborada pelo autor, 2004.
Tabela 3 – Escalas de dor
Dor Número de descritores escolhidos Índice de Dor
McGuill Sensorial 6,1 16,1
McGuill Afetivo-avaliativo 4,3 9,4
EVA 7,2
Fonte: Pesquisa elaborada pelo autor, 2004.

Tabela 4 – Ultra-sonografia intra-sujeito Eco-doppler da artéria vertebral. Variáveis descritas de acordo com a posição
da cabeça do sujeito e artéria avaliada. Os valores estão expressos em média ± desvio padrão, sendo dimensionados
×s-1.
em cm×
Velocidade de Artéria Vertebral Artéria Vertebral
t amostral t crítico α
Pico Sistólico Esquerda Direita
Neutra 46,1±11,9 47,7±2,18 0,3587
Extensão 53,8±34,4 55,6±33,4 0,4988
Flexão 48,7±22,7 56,7±22,4 1,8699 2,1447 0,05
Inclinação Lateral 44,1±23,0 42,6±17,9 -0,2634
Rotação 48,1±16,8 51,3±17,8 0,9296
Fonte: Pesquisa elaborada pelo autor, 2004.

Tabela 5 – Ultra-sonografia inter-sujeito Eco-doppler da artéria vertebral. Variáveis descritas de acordo com a posição
da cabeça do sujeito e artéria avaliada. Os valores estão expressos em média ± desvio padrão, sendo dimensionados
×s-1.
em cm×
Variável Controle Espondilose Famostral Fcrítico α
Posição neutra, artéria direita 42,1±8,3 47,7±2,18 0,8596
Posição neutra, artéria esquerda 51,9±14,0 46,1±11,9 1,4968
Inclinação lateral direita, artéria direita 45,7±12,6 42,6±17,9 0,3146
Inclinação lateral esquerda, artéria esquerda 53,7±17,6 44,1±23,0 1,6642 4,1959 0,05
Rotação lateral direita, artéria esquerda 46,1±11,5 48,1±18,8 0,1389
Rotação lateral esquerda, artéria direita 48,6±15,5 51,3±17,8 0,1885
Flexão, artéria direita 41,1±10,0 56,7±22,4 6,0953
Flexão, artéria esquerda 40,8±13,8 48,7±22,7 1,3252
Extensão, artéria direita 50,4±11,1 55,6±33,4 0,3358
Extensão, artéria esquerda 53,1±16,5 53,8±34,4 0,0044
Fonte: Pesquisa elaborada pelo autor, 2004.

Tabela 6 – Análise intra-sujeitos da ultra-sonografia Eco-doppler da artéria vertebral direita (AVD), demonstrando a
velocidade de pico sistólico (VPS) de sangue,do grupo espondilose, de acordo com a posição da cabeça do sujeito.
×s-1.
Os valores estão expressos em média e desvio padrão, sendo dimensionados em cm×
Variável AVD posição AVD neutra t amostral t crítico α
Inclinação Lateral Direita 42,6±17,9 2,4542
Flexão 56,7±22,4 1,9536
47,7±2,18 2,1447 0,05
Extensão 55,6±33,4 -2,0068
Rotação Lateral Esquerda 51,3±17,8 -1,0442
Fonte: Pesquisa elaborada pelo autor, 2004.
Tabela 7 - Análise intra-sujeitos da ultra-sonografia Eco-doppler da artéria vertebral esquerda (AVE), demonstrando a
velocidade de pico sistólico (VPS) de sangue,do grupo espondilose, de acordo com a posição da cabeça do sujeito.
×s-1.
Os valores estão expressos em média e desvio padrão, sendo dimensionados em cm×
Variável AVE posição AVE neutra t amostral t crítico α
Inclinação Lateral Esquerda 44,1±23,0 0,3835
Flexão 48,7±22,7 -0,6056
46,1±11,9 2,1447 0,05
Extensão 53,8±34,4 -1,2784
Rotação Lateral Direita 48,1±18,8 -0,4556
Fonte: Pesquisa elaborada pelo autor, 2004.

DISCUSSÃO
Luo et al (2004) e Carroll, Cassidy e Cote (2004) encontraram grandes índices de disfunção cervical, associadas ao
alto estresse, a presença de depressão e o tabagismo. Porém, Persson L. C. e Lilja A. (2001) e Vander Windt D., Croft P. e
Penninx B. (2002) encontraram baixos níveis de ansiedade e depressão em pacientes com cervicobraquialgia, quando
relacionando as queixas mais aos aspectos psicológicos, do que aos aspectos somáticos, embora nosso estudo demonstrou
que os fatores psicológicos podem ser classificados como efeito desencadeante ou de associação a espondilose cervical. O
grupo espondilose cervical apresentou maiores índices da depressão e ansiedade que o grupo controle, em relação as
variáveis dependentes da espondilose, de acordo com a tabela 1, com p = 5%, demonstrando uma diferença estatística
também observada nos gráficos 1 e 2.
Outros trabalhos também se divergem em relação a este assunto, alguns como Hughes et al (1986), Tilley (1987) e
Jorm et al (1999), confirmando a discussão presente, juntamente com Rondina, Gorayeb e Botelho (2004), que afirmam existir
associação entre ansiedade, depressão, incluindo-se outros distúrbios psicológicos e o tabagismo, que discutiremos a seguir.
Ocorre que Rondina, Gorayeb e Botelho (2004), também impossibilitam uma conclusão concreta comentando que outros
autores não confirmam essa associação, como por exemplo, Canals et al (1996) e Kick e Cooley (1997).

50,0
Escore de Depressão

40,0
Espondilose
30,0 Controle

20,0

10,0

0,0

Gráfico 1 – Depressão
Fonte: Pesquisa elaborada pelo autor, 2004.
70

Escore de Ansiedade
60
50
espondilose
40
controle
30
20
10
0

Gráfico 2 – Ansiedade
Fonte: Pesquisa elaborada pelo autor, 2004.

Quanto ao tabagismo, não encontramos dependência entre este e a espondilose cervical (p=5%), neste modelo de
estudo, conforme transparecido na tabela 2.

Tabagismo

47% Sim
53%
Não

Gráfico 3 – Tabagismo do grupo espondilose


Fonte: Pesquisa elaborada pelo autor, 2004.

Com relação à prática de atividade física ou não, significando “sedentarismo”, Schonstein E. et al (2003), citam
que os programas de condicionamento físico que incorporam uma abordagem cognitiva, como, por exemplo, a ansiedade e a
depressão, reduzem o número de dor cervical crônica quando comparados ao cuidado usual, ou seja, somente com objetivo de
melhorar o corpo.

Atividade Física

7%

Ativo
Sedentário

93%

Gráfico 4 – Atividade física do grupo espondilose


Fonte: Pesquisa elaborada pelo autor, 2004.
Por conseguinte, neste estudo, encontramos que existe dependência entre sedentarismo e a dor no pescoço (p=5%),
sugerindo que a prática de atividade física esboça-se como fator preventivo para instalação e/ou desenvolvimento desta
patologia.

No objetivo de encontrar relações entre a prática de atividade física, o aspecto psicológico e a “dor nas costas”,
Schonstein E. et al (2003), chega às mesmas conclusões de nossa pesquisa, encontrando evidência de que os programas de
condicionamento físicos que incluem uma aproximação cognitiva associada podem reduzir a dor na coluna.

Segundo Oliveira (2000), o Diagnostic and Statistical Manual IV (DSM-IV) classifica as síndromes dolorosas crônicas
entre os transtornos somatoformes, transtornos factícios e a simulação. A dor também pode ser manifestação de doença
psiquiátrica, como depressão, ansiedade e psicose, como já vimos anteriormente no grupo de pacientes com espondilose. Nos
transtornos somatoformes a dor pode fazer parte do transtorno de somatização, quando é acompanhada de sintomas
gastrointestinais, sintoma sexual e sintomas pseudoneurológicos. Quando a dor é o único sintoma, é classificada como
transtorno doloroso. Os transtornos somatoformes são considerados de natureza inconscientes e involuntários, ao contrário
dos transtornos factícios e simulação, que são conscientes e voluntários. Somatização é diagnosticada quando a pessoa
apresenta padrão de queixas somáticas múltiplas, recorrentes e importantes clinicamente, a ponto de haver necessidade de
um tratamento psicológico ou psiquiátrico. Deve haver história de dor relacionada a, pelo menos, quatro locais. Deve haver
também história de, pelo menos, dois sintomas gastrointestinais que não dor. Dor é a mais comum das formas de
apresentação de conversão. Reação de conversão (também conhecida como histeria) é caracterizada pela presença de
sintomas ou déficits afetando à função motora ou sensitiva voluntária que simulam uma condição neurológica ou outra
condição clínica geral. Os sintomas conversivos são chamados de pseudoneurológicos por estarem relacionados ao
funcionamento motor ou sensitivo voluntário.
Os sintomas motores e sensitivos conversivos são diagnosticados pela sua variabilidade e distribuição que não se
enquadram em padrões anatômicos e fisiológicos conhecidos. Estes sintomas ocorreriam porque a pessoa deseja obter algum
ganho, financeiro ou interpessoal. Os sintomas da reação de conversão são precipitados por conflitos ou outros fatores
tencionais.
O diagnóstico de reação de conversão não é feito pela simples exclusão de uma doença orgânica ou por
características de personalidade. Pode ser feito clinicamente, como em várias outras doenças médicas, diagnosticadas
exclusivamente em bases clínicas, sem exames comprobatórios. Nosso estudo demonstrou que o grupo espondilose apresenta
uma reação de conversão, como visto na tabela 1, mas este grupo também apresenta um fator anatômico de destaque, como
visto na tabela 3, pois os valores do Formulário de McGuill quantificam uma dimensão sensorial da dor associada a estímulos
reais, ou seja, a lesão na região cervical existe, causa dor e ainda está associada a ansiedade e depressão, na amostra
estudada.
Portanto Posner e Glew (2002), defendem que o sucesso do tratamento está definido numa escala multifatorial e
subjetiva, relacionada à percepção dos pacientes.
O uso do ultra-som de Doppler, de acordo com Strek et al (1998), é considerado um seguro método diagnóstico não
invasivo, que permite avaliar a influência de mudanças degenerativas na coluna cervical em distúrbios hemodinâmicos.
A circulação vértebro-basilar é complexa porque condiciona diversos fatores. Os ultra-sons permitem o estudo de
muitos de seus aspectos, tanto hemodinâmica, como anatômicamente.
Berni A., Tromba L. e Tombesi T. (1998) obtiveram vários dados da examinação de 50.000 pacientes sobre 25 anos,
sendo que os últimos 1.000 pacientes foram examinados por meio de Doppler trans-cranial. Observou-se que o fluxo da artéria
basilar (230±40 ml×min-1) é similar da carótida interna (245±50 ml×min-1). Em pacientes idosos, a ausência da artéria
comunicante posterior foi de (28%), de ambas as artérias comunicantes foi de (13%) e a ausência da artéria comunicante
anterior foi de (7%). Em pacientes normais essas variações não modificaram o fluxo da artéria basilar. Observaram também,
que quando alterada, a artéria subclávia modifica completamente a hemodinâmica da artéria vertebral. Na conclusão, a
hemodinâmica vertebral foi considerada diferente da hemodinâmica da artéria basilar e a artéria basilar pode ser considerada
como um lado do polígno de Willis, porque é uma anastomosi entre as artérias vertebrais.
Em outro estudo realizado com 25 pacientes com insuficiência vértebro-basilar Gulsun et al (2003) sugerem que para
a melhor análise das artérias, deve-se usar a ressonância magnética, porém, o mesmo, cita que a ultra-sonografia também
apresenta bons resultados, sendo mais barata na nossa opinião.
100,0

Velocidade de Pico Sistólico


Neutra
80,0
Inclinação Lateral
60,0 Direita

[cm/s]
Flexão
40,0
Extensão
20,0

Rotação Esquerda
0,0
artéria vertebral direita

Gráfico 5
Fonte: Pesquisa elaborada pelo autor.

100,0
Velocidade de Pico Sistólico

80,0
Neutro

60,0 Inclinação Lateral


[cm/s]

Esquerda
Flexão
40,0

Extensão
20,0
Rotação Direita
0,0
artéria vertebral esquerda

Gráfico 6
Fonte: Pesquisa elaborada pelo autor.

Avaliando-se a posição neutra, nosso estudo não encontrou diferença estatística significante entre o grupo
espondilose e o grupo controle.
Os achados relativos de nossos valores estão de acordo com Pfadenhauer K. e Muller H. (1995), num estudo com 85
indivíduos normais, avaliados na posição neutra de coluna cervical, encontraram velocidade de pico sistólico de 59±17 cm×s-1,
podendo assim ser motivo de comparação sob forma de unidade de medida, no caso, centímetros por segundo (cm×s-1).
Entretanto, outros estudos como o de Strek et al (1998), demonstraram uma diminuição da velocidade do fluxo
arterial quando relacionado às mudanças degenerativas da coluna cervical.
Zaina at al (2003) também percebeu que a velocidade de pico era menor em ambas artérias vertebrais no retorno à
posição neutra em comparação à rotação, porém a diferença era significante somente para o artéria vertebral esquerda com
(p=0.005). Nas outras posições do teste durante o repouso, o estudo não encontrou nenhuma mudança na taxa de fluxo com
(p=0.349). O mesmo estudo em seus resultados comentou não existir diferença estatística entre as amplitudes totais dos
movimentos em relação à posição neutra.
Conforme observado nos gráficos 5 e 6 evidenciando as inclinações laterais do pescoço, também não encontramos
diferença estatística significante nas rotações laterais bilateral.
Um estudo feito em cadáveres, descrito por Simon et al (1994), alia-se ao nosso estudo quando afirma que as
velocidades do fluxo do sangue em ambas as artérias vertebrais não foram alteradas pela rotação principal.
Mas, em contradição, Rossiti S. e Volkmann R. (1995) e Mitchell (2003) comentam que a rotação máxima da coluna
cervical pode significativamente afetar o fluxo vertebral do sangue arterial, particularmente quando usada em pacientes sob
tratamento vascular.
Diferente das demais posições abordadas, na flexão de cabeça, nosso estudo encontrou diferença estatística entre a
velocidade de pico sistólico na artéria vertebral direita, quando comparados à mesma artéria, entre o grupo de pacientes com
espondilose cervical e o grupo controle.
Nos gráficos 5 e 6 observamos que esta diferença sugere um aumento da velocidade nos pacientes com espondilose
cervical em relação ao grupo controle, o que por tal motivo, inspeciona-se estenose, conforme conceitos de outros autores.
O que Filho et al (2000) comenta, é que os fatores locais que alteram a onda de fluxo e, conseqüentemente, o
espectro das velocidades desta onda, são os mesmos que alteram à arquitetura do vaso, sendo representados pelas
estenoses arteriais.
Filho et al (2000) também discute que alterações degenerativas da coluna vertebral podem levar a uma tortuosidade
do vaso sem provocar obstrução na maioria dos vasos. Quando existe obstrução no nível do foramen magno da apófise
transversa, o diagnóstico é feito pela identificação da alteração de fluxo no ponto de partida da artéria. A presença de fluxo
turbulento nessa região sugere estenose.
Para nós, no grupo espondilose, quando se observa presença de fluxo, tem-se certeza de perfusão tecidual distal, e
como se identificou aumento da velocidade do fluxo sistólico, também sugere-se estenose.
Não diferente das demais, e como já citado, sendo a flexão única exceção, na extensão da cabeça não observamos
alteração estatística do fluxo sanguíneo.
Segue, encontrou-se vantagem quanto à aplicabilidade da técnica do exame sobre esta posição, proporcionada pela
anatomia e pela posição funcional do transdutor do ultra-som.
Um fato observado nos gráficos de ultra-sonografia, e de interesse clínico, foram às médias dos picos de velocidade
sistólica serem maiores aos movimentos nos pacientes com espondilose cervical em relação ao grupo controle, embora todos
sem significância estatística com erro de 5%, à exceção da flexão de cabeça, conforme já comentado, sugerindo estenose.
Portanto, é de interesse para o tratamento conservador, esses dados que acusam uma “semelhança” entre os
pacientes com espondilose e o grupo controle considerado “população normal”, principalmente para as escolas de terapia
manual como, por exemplo, a osteopatia, que junto a suas técnicas de atuação, utiliza a manipulação cervical como recurso
terapêutico para o tratamento da espondilose cervical dentre outras patologias.
Estudos como o de Licht et al (1998) comentam não terem encontrado nenhuma mudança significativa em sujeitos
de outra maneira saudáveis, porém, com disfunção da biomecânica da coluna cervical, ou seja, alterações osteopáticas. As
principais mudanças na velocidade do pico de fluxo da artéria vertebral, antes e depois da terapia de manipulação da coluna
cervical, foram consideradas sem significância estatística.
Outro fato observável durante a coleta de dados, e de interesse sócio-econômico cultural, foi à disposição financeira
do grupo controle em relação ao experimental. Tal motivo diverge a condição do grupo controle ter maior condição financeira
para aplicabilidade diária, e cabendo a esta condição, investir na atividade física, e conforme constatado, fator este, conceito
preventivo da espondilose cervical.
Esta disposição faz-se pelo critério de convocação dos membros da pesquisa, grupo controle, ordem aleatória
convocada pelo pesquisador seguindo critérios de inclusão e exclusão da amostra; grupo experimental, indivíduos cadastrados
na lista de espera de ortopedia da Clínica escola de fisioterapia – UNISUL, provenientes do setor de serviço social justificado
pelo serviço abordar o trabalho filantrópico destinado à comunidade carente da região abordada (AMUREL).

CONSIDERAÇÕES FINAIS

A Fisioterapia é uma ciência que utiliza uma fundamentação sistematicamente estudada e estabelecida através de
métodos científicos próprios.
Descrita pesquisa, como resultados, encontrou-se significância variável quando analisada a caracterização da
espondilose cervical em relação aos aspectos funcionais, clínicos, ultrasonográficos, psicológicos e estilo de vida abordado
pelos indivíduos amostrais.
Concluímos:
• Existe relação entre a ansiedade e depressão com espondilose cervical, na amostra estudada.
• A dor na espondilose cervical do grupo estudado tem importante origem anatômica, mas também com influências
psicológicas, da depressão e da ansiedade.
• Pode-se afirmar que o tabagismo não exerce influência como fator predisponente para instalação ou agravo da
espondilose cervical.
• A atividade física é importante, onde consideramos fator preventivo da espondilose cervical.
• Não existem diferenças importantes em relação às alterações do fluxo sanguíneo nos movimentos de inclinação
lateral, rotação e extensão cervical, em comparação com a posição neutra e ao grupo controle, com exceção ao
movimento de flexão de cabeça na artéria vertebral direita.
Dando-se fim ao estudo, sugerimos novas pesquisas com o tema, porém, considerando fatores como o aspecto
sócio-econômico e a carga de trabalho, pontos estes observados na coleta de dados e que podem possuir relevância.

Referências
BERNI, A.; TROMBA, L.; TOMBESI, T. Observations on the vertebro-basilar system studied by ultrasound. Minerva
Cardioangiol. Roma. v. 46, n. 2, p. 103-108, Apr. 1998.
CANALS, J.; DOMÉNECH, E.; BLADÉ, J. Smoking and trait anxiety. Psychol Rep. 79: p. 809-810, 1996.
CARROLL, L. J.; CASSIDY, J. D.; COTE, P. Depression as a risk factor for onset of an episode of troublesome neck and low
back pain. Pain. Edmonton, Alta: v. 107, n. 1-2, p. 134-139 Jan. 2004.
CHAHADE, W. H.; GIORGI, R. D. N.; PASTOR, E. M. H. Osteoartrose. Revista Brasileira de Medicina, São Paulo, v. 58, n. 5, p.
304-314, Maio 2001.
EVANS, Ronald C. Exame Físico Ortopédico Ilustrado. 2. ed. São Paulo: Manole, 2003.
FILHO, Júlio; et al. Ultra-sonografia vascular. Rio de Janeiro: Revinter, 2000.
GREENBERGER, D.; PADESKY, C. A. A mente vencendo o humor: mude como você se sente, mudando o modo como você
pensa. Porto Alegre: Artmed, 1999.
GULSUN, M. et al. Radiologic investigation of vertebrobasilar insufficiency and quantification of ther vertebrobasilar flow with
magnetic resonance imaging. Tani Girisim Radyol. Turkish: v. 9, n. 3, p. 279-286, Set. 2003.
HUGHES, J. R.; HATSUKAMI, D. K.; MITCHELL, J. E.; DAHLGREN, L. A. Prevalence of smoking among psychiatric
outpatients. J. Psychiatry. 143: p. 993-997, 1986.
JORM, A. F.; RODGERS, B.; JACOMB, P. A.; CHRISTENSEN, H.; HENDERSON, S.; KORTEN, A. E. Smoking and mental
health: results from a community survey. Med J Aust. 170: p. 74-77, 1999.
LICHT, P. B. et al. Vertebral artery flow and spinal manipulation: a randomized, controlled and observer-blinded study. J.
Manipulative Physiol Ther. Denmark: v. 21, n. 3, p. 141-144, Mar-Apr 1998.
LUO, X.; EDWARDS, C. L.; RICHARDSON, W.; HEY, L. Relationships of clinical, psychologic, and individual factors with the
functional status of neck pain patients. Value Health. Durham: v. 7, n. 1, p. 61-69, Jan-Feb 2004.
MANUILA, L.; MANUILA, A.; NICOULIN, M. Dicionário médico Andrei. 7. ed. São Paulo: Organização Andrei, 1997.
MARC, J. Levine et al. Cervical Radiculopathy: diagnosis and nonoperative management. American Academy of Orthopaedic
Surgeons. Philadelphia: v. 4, n. 6, p. 305-316, Nov.-Dez. 1996.
MCMINN, R. M. H.; HUTCHINGS, R. T.; LOGAN, B. M. Atlas colorido de anatomia da cabeça e pescoço. 2. ed. São Paulo:
Artes Médicas, 2000.
MITCHELL, J. A. Changes in vertebral artery flow following normal rotation of the cervical spine. J. Manipulative Physiol Ther.
United Kingdom: v. 26, n. 6, p. 347-351, Jul-Aug 2003.
MÜHLEN, C. A. V. Osteoartrose. Revista Brasileira de Medicina, São Paulo, v. 57, n. 3, p. 109-124, Mar. 2000.
O’SULLIVAN, S. B.; SCHMITZ, T. J. Fisioterapia: avaliação e tratamento. 2. ed. São Paulo: Manole, 1993.
PERSSON, L. C.; LILJA, A. Pain, coping, emotional state and physical function in patients with chronic radicular neck pain. A
comparison between patients treated with surgery, physiotherapy or neck collar--a blinded, prospective randomized study.
Disabil Rehabil. Sweden: v. 20, n. 8, p. 325-335, May, 2001.
PFADENHAUER, K.; MULLRE, H. Color-coded duplex ultrasound of the vertebral artery: normal findings and pathologic
findings in obstruction of the vertebral artery and remaining cerebral arteries. Ultraschall Med. Augsburg: v. 16, n. 5, p. 228-233,
Oct. 1995.
RONDINA, R. C.; GORAYEB, R.; BOTELHO, C. Relação entre tabagismo e transtornos psiquiátrico. Rev. Psiquiatria Clínica.
São Paulo: v. 30, n.6, p. 221-228, Jan. 2003.
ROSSITI, S.; VOLKMANN, R. Changes of blood flow velocity indicating mechanical compression of the vertebral arteries during
rotation of the head in the normal human measured with transcranial Doppler sonography. Arq. Neuropsiquiatry. Sweden: v. 53,
n. 1, p. 26-33, Mar. 1995.
RUDIO, Franz Victor. Introdução ao projeto de pesquisa científica. 22. ed. Petrópolis: Vozes, 1998.
SCHONSTEIN, E. et al. Physical conditioning programs for workers with back and neck pain: a cochrane systematic review.
Spine. Sydney: v.1, n. 28, p. 391-395, Oct. 2003.
SCHONSTEIN, E. et al. Work conditioning, work hardening and functional restoration for workers with back and neck pain.
Cochrane Database Syst Rev. Sydney: 2003.
SIMON, H. et al. Effect of head rotation on the vertebrobasilar system. A transcranial Doppler ultrasound contribution to the
physiology. HNO. Landeskrankenhaus Leoben: v. 42, n. 10, p. 616-618, Oct. 1994.
STREK, P. et al. A possible correlation between vertebral artery insufficiency and degenerative changes in the cervical spine.
Eur Arch Otorhinolaryngol. Krakow: v. 255, n. 9, p. 437-440, 1998.
TILLEY, S. – Alcohol, other drugs and tobacco use and anxiolytic effectiveness: a comparison of anxious patients and
psychiatric nurses. J. Psychiatry. 151: p. 389-392, 1987.
VAN DER, W. D.; CROFT, P.; PENNINX, B. Neck and upper limb pain: more pain is associated with psychological distress and
consultation rate in primary care. The Journal of Rheumatoloy. Amsterdam: v. 29 n. 3, p. 564-569, Mar. 2002.
VANNUCCI, A. B.; et al. Osteoartrose. Revista Brasileira de Medicina. São Paulo, v. 59, edição especial, p. 35-46, Dez. 2002.
VIEIRA, Sonia; HOSSNE, William Saad. Metodologia científica para a área de saúde. 2. ed. Rio de Janeiro: Campos, 2002.
ZAINA, C.; et al. The effect of cervical rotation on blood flow in the contralateral vertebral artery. Manual Therapy. Austrália: v. 8,
n. 2, p. 103-109, Dez. 2003.