Você está na página 1de 4

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

DISCIPLINA ORGANICA EXPRIMENTAL

LILLIAN DOS SANTOS CARVALHO

RECRISTALIZAÇÃO

JOAO PESSOA

2020
Introdução

A recristali zação consi ste na dissolução de cer ta quantidade da


substância a ser puri ficada em um determinado solvente com
temperatura alta, uma vez que amaioria das substâncias sólidas é
mais solúvel em temperaturas mais elevadas. Desta forma tem-se
no fim que as impurezas estarão retidas no solvente após um
resfriamento da so lução , formando então os cristais da substância
purificada. Desta cristalização do sólido, logo, deriva o nome do método
como recristalização.
O sucesso deste método está relacionado diretamente com o
solvente escolhi do para a recri stalização de um sólido. Um bom
solvente deve apresentar as seguintes características: Dissolver
grande quantidade da substância em temperatura elevada e pequena
quantidade em temperaturas baixas; Dissolver impurezas mesmo a
frio , ou então não dissolvê -las mesmo a quente.

A síntese da aspirina é possível através de uma reação de acetilação do


ácido salicílico1, um composto aromático bifuncional (ou seja, possui dois
grupos funcionais: fenol e ácido carboxílico). Os tratamentos químicos são
normalmente classificados em função do tipo da ligação carbono - oxigênio
– carbono formada, destacando-se as ligações éter, éster e acetal. Entre
as diferentes possibilidades existentes para as reações de esterificação, as
de acetilação apresentam grandes vantagens em termos de custo e
eficiência e têm sido extensivamente usadas na síntese de diversos
compostos orgânicos.

Sobre o seu mecanismo de ação: a aspirina interfere na síntese da


prostaglandina (o hormônio responsável pela dor e inflamação) por inibir a
enzima ciclooxigenase. Os efeitos antipiréticos resultam da inibição da
síntese da prostaglandina no hipotálamo. A aspirina também aumenta a
vaso dilatação e o suor. A inibição da ciclooxigenase também resulta numa
diminuição da agregação de plaquetas no sangue, prolongando o
sangramento.
Assunto
A recristalização da aspirina ou ácido acetilsalicílico (AAS).
Objetivos

Compreender sobre o método de recristalização, que utiliza outros


conceitos e propriedades como estados da matéria, solubilidade e pureza
de compostos orgânicos, e reconhecer a importância desse na Química
Orgânica e sua aplicação no cotidiano, como nas indústrias química e
farmacêutica.

Introdução teórica

PARTE EXPERIMENTAL

• Materiais

Funil de vidro

Pipeta

Béqueres

Bastões de Vidro

Chapa elétrica

Kitassato

Papel de filtro

Filtro à vácuo

Balança analítica

Carvão ativado

Aspirina sintetizada

Gelo

• Procedimento Experimental
Antes do início da prática experimental, deve-se escolher o solvente
adequado. Para que ocorra o processo adequadamente, a soluto deve
solubilizar à quente e precipitar à frio, além de não poder alterar a
estrutura química do composto que se deseja recristalizar. No caso foi
utilizada água quente.

Na dissolução do sólido, foi utilizado 2 gramas de AAS previamente


sintetizado. Neste foi adicionada água em ebulição na chapa de
aquecimento até a completa solubilização.

Posteriormente foi realizado o processo de clarificação, que tem como


objetivo reter partículas suspensas em solução, a princípio foi escolhido
o carvão mineral e colocado na solução por 5 minutos na solução em
aquecimento.

Depois de aquecida foi filtrada à quente, assim o processo é mais


rápido e evita a passagem do carvão, então resfriada em temperatura
ambiente para evitar contaminação e em banho de gelo para acelerar o
processo. Já cristalizada, o sólido purificado foi filtrado à vácuo.

Referências

http://www.ufrgs.br/alimentus1/feira/opsepara/ops_clarific.htm

Mano EB, Seabra AP. Práticas de Química Orgânica. 3aEd. Edgard Blücher; 2002. 248 p.

Solomons TWG, Fryhle C. Química Orgânica. 8ª Ed. LTC; 2005. 766 p.

Você também pode gostar