Você está na página 1de 2

A Palavra de Deus claramente chama-nos a amar ao Senhor com tudo o que somos e tudo

o que temos. Isso quer dizer que não se ama quando se faz uma serenata ou uma vigília,
mas com a vida inteira. Amar não é falar que ama, mas viver amor em todo lugar, toda hora,
na intensidade que o próprio Amado pede: muito, total.

É por isso que Paulo ensinou a fazer todas as coisas como se fosse para Deus, e não para
os homens:

Tudo quanto fizerdes, fazei-o de todo o coração, como para o Senhor e não para homens,
cientes de que recebereis do Senhor a recompensa da herança. A Cristo, o Senhor, é que
estais servindo. COLOSSENSES 3.23,24, ARA

Quer dizer que um cristão que trabalha não trabalha apenas para seu chefe terreno, mas
primeiramente para Deus. Um aluno cristão não deve excelência apenas a seus
professores, mas primeiramente a Deus. Um cristão deveria diferenciar-se do resto da
sociedade, porque possui a mais nobre motivação ao fazer tudo o que faz: agradar ao
Criador.

Como assim? Quer dizer que Deus não está interessado apenas em como eu oro, leio a
Bíblia ou se fui ao culto de domingo? Não, claro que não! Muitas vezes, carregamos essa
concepção errônea de que Deus está apenas parcialmente interessado em nossa vida. E o
principal problema é que isso só desperta em nós amor parcial. Nós O amamos porque o
Senhor nos amou primeiro (1Jo 4.19). Logo, nosso amor é sempre uma resposta ao amor
divino. Se eu tenho uma revelação limitada do amor de Deus, portanto, oferecerei um amor
igualmente limitado.

Algo mudou em minha vida, na adolescência, quando descobri que Deus estava
completamente interessado em mim. Eu andava muito de ônibus para ir e voltar do trabalho
e tentava aproveitar o percurso para ler a Palavra de Deus, além de outros livros
edificantes. Passei a ter encontros com a presença de Deus naquele ambiente público e,
acredite, eu cheguei até mesmo a chorar – várias vezes – na frente de todo mundo. Não sei
dizer quantas vezes fui tomado pela presença dEle enquanto lavava a louça em minha
casa, fazendo trabalhos da faculdade.

Nós enfatizamos muito a importância de gastar tempo no secreto, de gastar tempo na


presença de Deus, mas o que o Senhor quer fazer não termina no secreto, apenas começa
ali. Depois, quando saímos daquele lugar, levamos algo conosco! Essa é a ideia divina de
amor total. Não há nada que deva ficar de fora, não há momento que não seja hora de
amá-Lo, não há atitude que não seja para Ele. Da mesma forma que um marido que está
integralmente compromissado com sua esposa, assim também o cristão deve estar
completamente, 24 horas por dia e 7 dias por semana, compromissado com Cristo – em
amor.

Muitos problemas vêm com o pensamento de que nossa entrega não precisa ser completa,
ou que o nosso relacionamento não necessita ser integral. Um dos principais é a errônea
separação entre uns que precisam viver radicalmente para o Senhor e outros que estão
liberados disso. Normalmente, o radicalismo acaba sendo terceirizado à família do pastor,
ou aos ministros de louvor. Esse pensamento é mais popular do que você imagina, e eu
posso provar para você com uma simples série de perguntas:

Se um engenheiro recebe uma proposta pra ganhar duas vezes mais, não seria uma
bênção ele aceitar esse novo emprego?

Se um advogado recebesse uma proposta para ganhar três vezes mais do que em seu
emprego atual, ele só teria que mudar de cidade, não seria uma bênção?

E se um pastor recebesse uma proposta para ganhar mais, só que pastoreando uma igreja
diferente?

Eu não sei quanto a você, mas quando ouvi essas perguntas, na abertura de uma
mensagem do pastor Craig Groeschel, que admiro muito, imediatamente caí na risada. Eu ri
ao perceber como eu me alegrei pelo advogado e o engenheiro, mas, imediatamente,
fechei-me com o exemplo do pastor.

“Ah, mas o pastor tem que orar sobre o assunto, ele tem que responder a Deus!”

Ué, e o advogado e o engenheiro não devem orar também?

Escutem, agora, vocês que dizem: “Hoje ou amanhã, iremos para a cidade tal, e lá
passaremos um ano, e faremos negócios, e teremos lucros”. Vocês não sabem o que
acontecerá amanhã. O que é a vida de vocês? Vocês não passam de neblina que aparece
por um instante e logo se dissipa. Em vez disso, deveriam dizer: “Se Deus quiser, não só
viveremos, como também faremos isto ou aquilo”. TIAGO 4.13-15

Todo cristão desistiu da própria vida quando passou a servir ao Senhor! Ou seja, nós não
somos mais de nós mesmos. Pelo contrário, somos chamados a negar a nós mesmos,
tomar nossa cruz e seguir Jesus! Tudo o que fizermos, deve ser para honra e glória do
Senhor, como bons soldados que servem Àquele que os alistou.

Por algum motivo, entretanto, achamos que essa vida não é para todos. Acreditamos que é
normal terceirizar o convite divino de amor total, de radicalidade. Esse chamado não é para
alguns, e sim para todos, sem exceção – não sou eu quem está dizendo, é a Bíblia. O
convite a amar com tudo que somos e temos, intensamente, não foi direcionado a alguma
família específica, mas para todos os homens e todas as mulheres!

Não deixe mais que seja uma opção oferecer a Deus parcialidade e mornidão. Ame a Deus
com o seu tudo