Você está na página 1de 221

ÍNDICE

FERSB
FUNDAÇÃO ESTATAL REGIONAL DE SAÚDE DA REGIÃO DE
BAURU DO ESTADO DE SÃO PAULO

Técnico de Condução de Veículo de


Urgência e Emergência

093AB-19
EDITAL Nº 002/2019
ÍNDICE

Língua Portuguesa
Compreensão e interpretação de textos, com domínio das relações morfossintáticas, semânticas, discursivas e argumentativas. Tipo-
logia textual. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
Coesão e coerência. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 06
Ortografia oficial. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 08
Acentuação gráfica. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
Pontuação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
Formação e emprego das classes de palavras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
Significação de palavras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
Sintaxe da oração e do período. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
Concordância nominal e verbal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
Regência nominal e verbal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
Emprego do sinal indicativo de crase. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
Processo de comunicação: Intencionalidade Discursiva. Elementos Constituintes da Comunicação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
Intertextualidade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
Desenvolvimento textual: elaboração de relatórios projetos e planejamentos.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51

Noções de Saúde Pública


Princípios e Diretrizes; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
Programas do SUS no atendimento aos pacientes e usuários. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 04
Lei nº 8.080, . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 06
Lei nº 8.142 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
Decreto nº 7.508/2011; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
Conceitos, fundamentação legal, princípios, diretrizes e articulação com serviços de saúde. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
Epidemiologia, Indicadores de nível de saúde da população, Sistema de Informação no SUS e em Saúde, Promoção da Saúde e Pre-
venção de Doenças. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
Vigilância em Saúde. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
Processos de Trabalho em Saúde, Gestão de Sistema de Saúde. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
Formação e educação em saúde. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
A organização social e comunitária. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
Os Conselhos de Saúde. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
O Pacto pela Saúde. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
Educação permanente em saúde. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55

Conhecimentos Específicos
Técnico de Condução de Veículo de Urgência e Emergência
Legislação de Trânsito em geral e Código de Trânsito Brasileiro. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
Noções do funcionamento do veículo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
Respeito ao Meio Ambiente. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
Velocidade Máxima Permitida. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
Parada obrigatória. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
Direção defensiva. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
Cuidados gerais ao volante. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
Primeiros Socorros. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
Práticas de condução de veículo de transporte em Emergência. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80
Convívio Social no Trânsito. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
Ética profissional. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82
Conhecimento da malha viária do território de abrangência do SAMU local e Regional. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
Relações humanas e comunicação interpessoal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
DICA

Como passar em um concurso público?

Todos nós sabemos que é um grande desafio ser aprovado em concurso público, dessa maneira é muito importante o concurseiro
estar focado e determinado em seus estudos e na sua preparação.
É verdade que não existe uma fórmula mágica ou uma regra de como estudar para concursos públicos, é importante cada pessoa
encontrar a melhor maneira para estar otimizando sua preparação.
Algumas dicas podem sempre ajudar a elevar o nível dos estudos, criando uma motivação para estudar. Pensando nisso, a Solução
preparou esse artigo com algumas dicas que irá fazer toda diferença na sua preparação.
Então mãos à obra!

Separamos algumas dicas para lhe ajudar a passar em concurso público!

- Esteja focado em seu objetivo: É de extrema importância você estar focado em seu objetivo, a aprovação no concurso. Você vai
ter que colocar em sua mente que sua prioridade é dedicar-se para a realização de seu sonho.
- Não saia atirando para todos os lados: Procure dar atenção em um concurso de cada vez, a dificuldade é muito maior quando
você tenta focar em vários certames, devido as matérias das diversas áreas serem diferentes. Desta forma, é importante que você
defina uma área se especializando nela. Se for possível realize todos os concursos que saírem que englobe a mesma área.
- Defina um local, dias e horários para estudar: Uma maneira de organizar seus estudos é transformando isso em um hábito, de-
terminado um local, os horários e dias específicos para estar estudando cada disciplina que irá compor o concurso. O local de estudo
não pode ter uma distração com interrupções constantes, é preciso ter concentração total.
- Organização: Como dissemos anteriormente, é preciso evitar qualquer distração, suas horas de estudos são inegociáveis, preci-
sa de dedicação. É praticamente impossível passar em um concurso público se você não for uma pessoa organizada, é importante ter
uma planilha contendo sua rotina diária de atividades definindo o melhor horário de estudo.
- Método de estudo: Um grande aliado para facilitar seus estudos, são os resumos. Isso irá te ajudar na hora da revisão sobre o
assunto estudado, é fundamental que você inicie seus estudos antes mesmo de sair o edital, caso o mesmo ainda não esteja publica-
do, busque editais de concursos anteriores. Busque refazer a provas dos concursos anteriores, isso irá te ajudar na preparação.
- Invista nos materiais: É essencial que você tenha um bom material voltado para concursos públicos, completo e atualizado.
Esses materiais devem trazer toda a teoria do edital de uma forma didática e esquematizada, contendo muito exercícios. Quando
mais exercícios você realizar, melhor será sua preparação para realizar a prova do certame.
- Cuide de sua preparação: Não é só os estudos que é importante na sua preparação, evite perder sono, isso te deixará com uma
menor energia e um cérebro cansado. É preciso que você tenha uma boa noite de sono. Outro fator importante na sua preparação, é
tirar ao menos 1 (um) dia na semana para descanso e lazer, renovando as energias e evitando o estresse.

Se prepare para o concurso público!

O concurseiro preparado não é aquele que passa o dia todo estudando, mas está com a cabeça nas nuvens, e sim aquele que se
planeja pesquisando sobre o concurso de interesse, conferindo editais e provas anteriores, participando de grupos com enquetes so-
bre o mesmo, conversando com pessoas que já foram aprovadas absorvendo as dicas e experiências, analisando a banca examinadora
do certame.
O Plano de Estudos é essencial na otimização dos estudos, ele deve ser simples, com fácil compreensão e personalizado com sua
rotina, vai ser seu triunfo para aprovação, sendo responsável pelo seu crescimento contínuo.
Além do plano de estudos, é importante ter um Plano de Revisão, será ele que irá te ajudar na memorização dos conteúdos estu-
dados até o dia da realização da prova, evitando a correria para fazer uma revisão de última hora próximo ao dia da prova.
Está em dúvida por qual matéria começar a estudar?! Uma dica, comece pela Língua Portuguesa, é a matéria com maior requisi-
ção nos concursos, a base para uma boa interpretação, no qual abrange todas as outras matérias.
DICA

Vida Social!

Sabemos que faz parte algumas abdicações na vida de quem estuda para concursos públicos, sempre que possível é importante
conciliar os estudos com os momentos de lazer e bem-estar. A vida de concurseiro é temporária, quem determina o tempo é você,
através da sua dedicação e empenho. Você terá que fazer um esforço para deixar de lado um pouco a vida social intensa, é importante
compreender que quando for aprovado, verá que todo o esforço valeu a pena para realização do seu sonho.
Uma boa dica, é fazer exercícios físicos, uma simples corrida por exemplo é capaz de melhorar o funcionamento do Sistema Ner-
voso Central, um dos fatores que são chaves para produção de neurônios nas regiões associadas à aprendizagem e memória.

Motivação!

A motivação é a chave do sucesso na vida dos concurseiros. Compreendemos que nem sempre é fácil, e as vezes bate aquele
desânimo com vários fatores ao nosso redor. Porém a maior garra será focar na sua aprovação no concurso público dos seus sonhos.
É absolutamente normal caso você não seja aprovado de primeira, é primordial que você PERSISTA, com o tempo você irá adquirir
conhecimento e experiência.
Então é preciso se motivar diariamente para seguir a busca da aprovação, algumas orientações importantes para conseguir mo-
tivação:
- Procure ler frases motivacionais, são ótimas para lembrar dos seus propósitos;
- Leia sempre os depoimentos dos candidatos aprovados nos concursos públicos;
- Procure estar sempre entrando em contato com os aprovados;
- Escreve o porque que você deseja ser aprovado no concurso, quando você sabe seus motivos, isso te da um ânimo maior para
seguir focado, tornando o processo mais prazeroso;
- Saiba o que realmente te impulsiona, o que te motiva. Dessa maneira será mais fácil vencer as adversidades que irá aparecer.
- Procure imaginar você exercendo a função da vaga pleiteada, sentir a emoção da aprovação e ver as pessoas que você gosta,
felizes com seu sucesso.
Como dissemos no começo, não existe uma fórmula mágica, um método infalível. O que realmente existe é a sua garra, sua
dedicação e motivação para estar realizando o seu grande sonho, de ser aprovado no concurso público. Acredite em você e no seu
potencial.
A Solução tem ajudado há mais de 35 anos quem quer vencer a batalha do concurso público. Se você quer aumentar as suas
chances de passar, conheça os nossos materiais, acessando o nosso site: www.apostilasolucao.com.br
LÍNGUA PORTUGUESA

Compreensão e interpretação de textos, com domínio das relações morfossintáticas, semânticas, discursivas e argumentativas. Tipo-
logia textual. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
Coesão e coerência. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 06
Ortografia oficial. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 08
Acentuação gráfica. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
Pontuação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
Formação e emprego das classes de palavras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
Significação de palavras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
Sintaxe da oração e do período. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
Concordância nominal e verbal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
Regência nominal e verbal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
Emprego do sinal indicativo de crase. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
Processo de comunicação: Intencionalidade Discursiva. Elementos Constituintes da Comunicação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
Intertextualidade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
Desenvolvimento textual: elaboração de relatórios projetos e planejamentos.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
LÍNGUA PORTUGUESA

cado global resulta de várias leituras acompanhadas de várias


COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS, hipóteses interpretativas, levantadas a partir da compreensão
COM DOMÍNIO DAS RELAÇÕES MORFOSSINTÁTICAS, de dados e informações inscritos no texto lido e do nosso conhe-
SEMÂNTICAS, DISCURSIVAS E ARGUMENTATIVAS. cimento do mundo.
TIPOLOGIA TEXTUAL. A interpretação do texto é o que podemos concluir sobre
ele, depois de estabelecer conexões entre o que está escrito e
LEITURA, COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS a realidade. São as conclusões que podemos tirar com base nas
ideias do autor. Essa análise ocorre de modo subjetivo, e são
Leitura relacionadas com a dedução do leitor.
A interpretação de texto é o elemento-chave para o resul-
A leitura é prática de interação social de linguagem. A leitu- tado acadêmico, eficiência na solução de exercícios e mesmo na
ra, como prática social, exige um leitor crítico que seja capaz de compreensão de situações do dia-a-dia.
mobilizar seus conhecimentos prévios, quer linguísticos e tex- Além de uma leitura mais atenta e conhecimento prévio
tuais, quer de mundo, para preencher os vazios do texto, cons- sobre o assunto, o elemento de fundamental importância para
truindo novos significados. Esse leitor parte do já sabido/conhe- interpretar e compreender corretamente um texto é ter o domí-
cido, mas, superando esse limite, incorpora, de forma reflexiva, nio da língua.
novos significados a seu universo de conhecimento para melhor E mesmo dominando a língua é muito importante ter um
entender a realidade em que vive. dicionário por perto. Isso porque ninguém conhece o significado
de todas as palavras e é muito difícil interpretar um texto desco-
Compreensão nhecendo certos termos.

A compreensão de um texto é a análise e decodificação do Dicas para uma boa interpretação de texto:
que está realmente escrito nele, das frases e ideias ali presentes.
A compreensão de texto significa decodificá-lo para entender o - Leia todo o texto pausadamente
que foi dito. É a análise objetiva e a assimilação das palavras e - Releia o texto e marque todas as palavras que não sabe o
ideias presentes no texto. significado
Para ler e entender um texto é necessário obter dois níveis - Veja o significado de cada uma delas no dicionário e anote
de leitura: informativa e de reconhecimento. - Separe os parágrafos do texto e releia um a um fazendo o
Um texto para ser compreendido deve apresentar ideias se- seu resumo
letas e organizadas, através dos parágrafos que é composto pela - Elabore uma pergunta para cada parágrafo e responda
ideia central, argumentação/desenvolvimento e a conclusão do - Questione a forma usada para escrever
texto. - Faça um novo texto com as suas palavras, mas siga as
Quando se diz que uma pessoa tem a compreensão de algo, ideias do autor.
significa que é dotada do perfeito domínio intelectual sobre o
assunto. Lembre-se que para saber compreender e interpretar mui-
Para que haja a compreensão de algo, como um texto, por to bem qualquer tipo de texto, é essencial que se leia muito.
exemplo, é necessária a sua interpretação. Para isso, o indivíduo Quanto mais se lê, mais facilidade de interpretar se tem. E isso é
deve ser capaz de desvendar o significado das construções tex- fundamental em qualquer coisa que se faça, desde um concur-
tuais, com o intuito de compreender o sentido do contexto de so, vestibular, até a leitura de um anúncio na rua.
uma frase. Resumindo:
Assim, quando não há uma correta interpretação da men-
sagem, consequentemente não há a correta compreensão da Compreensão Interpretação
mesma. O que é É a análise do que É o que podemos con-
está escrito no texto, cluir sobre o que está
Interpretação a compreensão das escrito no texto. É o
frases e ideias pre- modo como interpret-
Interpretar é a ação ou efeito que estabelece uma relação sentes. amos o conteúdo.
de percepção da mensagem que se quer transmitir, seja ela si-
multânea ou consecutiva, entre duas pessoas ou entidades. Informação A informação está A informação está
A importância dada às questões de interpretação de textos presente no texto. fora do texto, mas
deve-se ao caráter interdisciplinar, o que equivale dizer que a tem conexão com ele.
competência de ler texto interfere decididamente no aprendiza- Análise Trabalha com a Trabalha com a sub-
do em geral, já que boa parte do conhecimento mais importante objetividadem, com jetividade, com o que
nos chega por meio da linguagem escrita. A maior herança que as frases e palavras você entendeu sobre
a escola pode legar aos seus alunos é a competência de ler com que estão escritas no o texto.
autonomia, isto é, de extrair de um texto os seus significados. texto.
Num texto, cada uma das partes está combinada com as
outras, criando um todo que não é mero resultado da soma das
partes, mas da sua articulação. Assim, a apreensão do signifi-

1
LÍNGUA PORTUGUESA

QUESTÕES Após a leitura atenta do texto, analise as afirmações feitas:


I. O jornalista Jonas Valente está fazendo um elogio à visão
01. SP Parcerias - Analista Técnic - 2018 - FCC equilibrada e vanguardista da Comissão Parlamentar que legisla
sobre crimes cibernéticos na Câmara dos Deputados.
Uma compreensão da História II. O Marco Civil da Internet é considerado um avanço em
todos os sentidos, e a referida Comissão Parlamentar está que-
Eu entendo a História num sentido sincrônico, isto é, em rendo cercear o direito à plena execução deste marco.
que tudo acontece simultaneamente. Por conseguinte, o que III. Há o temor que o acesso a filmes, séries, informações
procura o romancista - ao menos é o que eu tento fazer - é es- em geral e o livre modo de se expressar venham a sofrer censura
boçar um sentido para todo esse caos de fatos gravados na tela com a nova lei que pode ser aprovada na Câmara dos Deputa-
do tempo. Sei que esses fatos se deram em tempos distintos, dos.
mas procuro encontrar um fio comum entre eles. Não se trata IV. A navegação na internet, como algo controlado, na visão
de escapar do presente. Para mim, tudo o que aconteceu está a do jornalista, está longe de se concretizar através das leis a se-
acontecer. E isto não é novo, já o afirmava o pensador italiano rem votadas no Congresso Nacional.
Benedetto Croce, ao escrever: “Toda a História é História con- V. Combater os crimes da internet com a censura, para o jor-
temporânea”. Se tivesse que escolher um sinal que marcasse nalista, está longe de ser uma estratégia correta, sendo mesmo
meu norte de vida, seria essa frase de Croce. perversa e manipuladora.
(SARAMAGO, José. As palavras de Saramago. São Paulo:
Companhia das Letras, 2010, p. 256) Assinale a opção que contém todas as alternativas corretas.
A) I, II, III.
José Saramago entende que sua função como romancista é B) II, III, IV.
A) estudar e imaginar a História em seus movimentos sin- C) II, III, V.
crônicos predominantes. D) II, IV, V.
B) ignorar a distinção entre os tempos históricos para man-
tê-los vivos em seu passado. 03. Pref. de São Gonçalo – RJ – Analista de Contabilidade
C) buscar traçar uma linha contínua de sentido entre fatos – 2017 - BIO-RIO
dispersos em tempos distintos.
D) fazer predominar o sentido do tempo em que se vive so- Édipo-rei
bre o tempo em que se viveu.
E) expressar as diferenças entre os tempos históricos de Diante do palácio de Édipo. Um grupo de crianças está ajoe-
modo a valorizá-las em si mesmas. lhado nos degraus da entrada. Cada um tem na mão um ramo de
oliveira. De pé, no meio delas, está o sacerdote de Zeus.
02. Pref. de Chapecó – SC – Engenheiro de Trânsito – 2016 (Edipo-Rei, Sófocles, RS: L&PM, 2013)
- IOBV
O texto é a parte introdutória de uma das maiores peças
Por Jonas Valente*, especial para este blog. trágicas do teatro grego e exemplifica o modo descritivo de or-
ganização discursiva. O elemento abaixo que NÃO está presente
A Comissão Parlamentar de Inquérito sobre Crimes Ciber- nessa descrição é:
néticos da Câmara dos Deputados divulgou seu relatório final. A) a localização da cena descrita.
Nele, apresenta proposta de diversos projetos de lei com a B) a identificação dos personagens presentes.
justificativa de combater delitos na rede. Mas o conteúdo des- C) a distribuição espacial dos personagens.
sas proposições é explosivo e pode mudar a Internet como a D) o processo descritivo das partes para o todo.
conhecemos hoje no Brasil, criando um ambiente de censura E) a descrição de base visual.
na web, ampliando a repressão ao acesso a filmes, séries e ou- 04. MPE-RJ – Analista do Ministério Público - Processual –
tros conteúdos não oficiais, retirando direitos dos internautas e 2016 - FGV
transformando redes sociais e outros aplicativos em máquinas
de vigilância. Problemas Sociais Urbanos
Não é de hoje que o discurso da segurança na Internet é Brasil escola
usado para tentar atacar o caráter livre, plural e diverso da In-
ternet. Como há dificuldades de se apurar crimes na rede, as Dentre os problemas sociais urbanos, merece destaque a
soluções buscam criminalizar o máximo possível e transformar a questão da segregação urbana, fruto da concentração de renda
navegação em algo controlado, violando o princípio da presun- no espaço das cidades e da falta de planejamento público que
ção da inocência previsto na Constituição Federal. No caso dos vise à promoção de políticas de controle ao crescimento desor-
crimes contra a honra, a solução adotada pode ter um impacto denado das cidades. A especulação imobiliária favorece o enca-
trágico para o debate democrático nas redes sociais – atualmen- recimento dos locais mais próximos dos grandes centros, tor-
te tão importante quanto aquele realizado nas ruas e outros lo- nando-os inacessíveis à grande massa populacional. Além disso,
cais da vida off line. Além disso, as propostas mutilam o Marco à medida que as cidades crescem, áreas que antes eram baratas
Civil da Internet, lei aprovada depois de amplo debate na socie- e de fácil acesso tornam-se mais caras, o que contribui para que
dade e que é referência internacional. a grande maioria da população pobre busque por moradias em
(*BLOG DO SAKAMOTO, L. 04/04/2016) regiões ainda mais distantes.

2
LÍNGUA PORTUGUESA

Essas pessoas sofrem com as grandes distâncias dos locais Tudo isso aliado à democratização do conhecimento, diz To-
de residência com os centros comerciais e os locais onde traba- pol, fará com que as pessoas administrem mais sua própria saú-
lham, uma vez que a esmagadora maioria dos habitantes que so- de, recorrendo ao médico em menor número de ocasiões e de
frem com esse processo são trabalhadores com baixos salários. preferência por via eletrônica. É o momento, assegura o autor,
Incluem-se a isso as precárias condições de transporte público e de ampliar a autonomia do paciente e abandonar o paternalis-
a péssima infraestrutura dessas zonas segregadas, que às vezes mo que desde Hipócrates assombra a medicina.
não contam com saneamento básico ou asfalto e apresentam Concordando com as linhas gerais do pensamento de Topol,
elevados índices de violência. mas acho que, como todo entusiasta da tecnologia, ele prova-
A especulação imobiliária também acentua um problema velmente exagera. Acho improvável, por exemplo, que os hos-
cada vez maior no espaço das grandes, médias e até pequenas pitais caminhem para uma rápida extinção. Dando algum des-
cidades: a questão dos lotes vagos. Esse problema acontece por conto para as previsões, “The Patient...” é uma excelente leitura
dois principais motivos: 1) falta de poder aquisitivo da popula- para os interessados nas transformações da medicina.
ção que possui terrenos, mas que não possui condições de cons-
Folha de São Paulo online – Coluna Hélio Schwartsman –
truir neles e 2) a espera pela valorização dos lotes para que es-
17/01/2016.
ses se tornem mais caros para uma venda posterior. Esses lotes
vagos geralmente apresentam problemas como o acúmulo de
lixo, mato alto, e acabam tornando-se focos de doenças, como Segundo o autor citado no texto, o futuro da medicina:
a dengue. A) encontra-se ameaçado pela alta tecnologia;
PENA, Rodolfo F. Alves. “Problemas socioambientais urba- B) deverá contar com o apoio positivo da tecnologia;
nos”; Brasil Escola. Disponível em http://brasilescola.uol.com. C) levará à extinção da profissão de médico;
br/brasil/problemas-ambientais-sociais-decorrentes-urbaniza- D) independerá completamente dos médicos;
ção.htm. Acesso em 14 de abril de 2016. E) estará limitado aos meios eletrônicos.

A estruturação do texto é feita do seguinte modo: RESPOSTAS


A) uma introdução definidora dos problemas sociais urba-
nos e um desenvolvimento com destaque de alguns problemas; 01 C
B) uma abordagem direta dos problemas com seleção e ex-
plicação de um deles, visto como o mais importante; 02 C
C) uma apresentação de caráter histórico seguida da explici- 03 D
tação de alguns problemas ligados às grandes cidades;
D) uma referência imediata a um dos problemas sociais ur- 04 B
banos, sua explicitação, seguida da citação de um segundo pro- 05 B
blema;
E) um destaque de um dos problemas urbanos, seguido de Gêneros Textuais
sua explicação histórica, motivo de crítica às atuais autoridades.
São textos encontrados no nosso dia-a-dia e apresentam
05. MPE-RJ – Técnico do Ministério Público - Administrati- características sócio comunicativas (carta pessoal ou comercial,
va – 2016 - FGV diários, agendas, e-mail, facebook, lista de compras, cardápio
entre outros).
O futuro da medicina É impossível se comunicar verbalmente a não ser por um
texto e obriga-nos a compreender tanto as características estru-
O avanço da tecnologia afetou as bases de boa parte das
turais (como ele é feito) como as condições sociais (como ele
profissões. As vítimas se contam às dezenas e incluem músicos,
funciona na sociedade).
jornalistas, carteiros etc. Um ofício relativamente poupado até
Os gêneros são tipos relativamente estáveis de enunciados
aqui é o de médico. Até aqui. A crer no médico e “geek” Eric To-
pol, autor de “The Patient Will See You Now” (o paciente vai vê- elaborados pelas mais diversas esferas da atividade humana.
-lo agora), está no forno uma revolução da qual os médicos não Por essa relatividade a que se refere o autor, pode-se entender
escaparão, mas que terá impactos positivos para os pacientes. que o gênero permite certa flexibilidade quanto à sua composi-
Para Topol, o futuro está nos smartphones. O autor nos ção, favorecendo uma categorização no próprio gênero, isto é, a
coloca a par de incríveis tecnologias, já disponíveis ou muito criação de um subgênero.
próximas disso, que terão grande impacto sobre a medicina. Já Os gêneros textuais são fenômenos históricos,
é possível, por exemplo, fotografar pintas suspeitas e enviar as profundamente vinculados à vida cultural e social, portanto, são
imagens a um algoritmo que as analisa e diz com mais precisão entidades sócio discursivas e formas de ação social em qualquer
do que um dermatologista se a mancha é inofensiva ou se pode situação comunicativa. Caracterizam-se como eventos textuais
ser um câncer, o que exige medidas adicionais. altamente maleáveis e dinâmicos.
Está para chegar ao mercado um apetrecho que transforma Os gêneros textuais caracterizam-se muito mais por suas
o celular num verdadeiro laboratório de análises clínicas, reali- funções comunicativas; cognitivas e institucionais, do que por
zando mais de 50 exames a uma fração do custo atual. Também suas peculiaridades linguísticas e estruturais.
é possível, adquirindo lentes que custam centavos, transformar Os textos, tanto orais quanto escritos, que têm o objetivo
o smartphone num supermicroscópio que permite fazer diag- de estabelecer algum tipo de comunicação, possuem algumas
nósticos ainda mais sofisticados. características básicas que fazem com que possamos saber em

3
LÍNGUA PORTUGUESA

qual gênero textual o texto se encaixa. Algumas dessas carac- Novela


terísticas são: o tipo de assunto abordado, quem está falando, Crônica
para quem está falando, qual a finalidade do texto, qual o tipo Contos de Fada
do texto (narrativo, argumentativo, instrucional, etc.). Fábula
É essencial saber distinguir o que é gênero textual, gênero Lendas
literário e tipo textual. Cada uma dessas classificações é
referente aos textos, porém é preciso ter atenção, cada uma Texto Descritivo: se ocupam de relatar e expor determina-
possui um significado totalmente diferente da outra. da pessoa, objeto, lugar, acontecimento. São textos cheios de
Gêneros textuais – cada um deles possui o seu próprio estilo adjetivos, que descrevem ou apresentam imagens a partir das
de escrita e de estrutura. Desta forma fica mais fácil compreen- percepções sensoriais do locutor (emissor).
der as diferenças entre cada um deles e poder classifica-los de
acordo com suas características. Exemplos de gêneros textuais descritivos:
Gênero Literário –os textos abordados são apenas os literá- Diário
rios, diferente do gênero textual, que abrange todo tipo de tex- Relatos (viagens, históricos, etc.)
to. O gênero literário é classificado de acordo com a sua forma, Biografia e autobiografia
podendo ser do gênero líricos, dramático, épico, narrativo e etc. Notícia
Tipo textual –forma como o texto se apresenta, podendo Currículo
ser classificado como narrativo, argumentativo, dissertativo, Lista de compras
descritivo, informativo ou injuntivo. Cada uma dessas classifica- Cardápio
ções varia de acordo como o texto se apresenta e com a finalida- Anúncios de classificados
de para o qual foi escrito.
Texto Dissertativo-Argumentativo: encarregados de expor
Quando pensamos nos diversos tipos e gêneros textuais, um tema ou assunto por meio de argumentações. São marcados
devemos pensar também na linguagem adequada a ser adota- pela defesa de um ponto de vista, ao mesmo tempo que tentam
da em cada um deles. Por isso existem a linguagem literária e a persuadir o leitor. Sua estrutura textual é dividida em três par-
tes: tese (apresentação), antítese (desenvolvimento), nova tese
linguagem não literária. Diferentemente do que acontece com
(conclusão).
os textos literários, nos quais há uma preocupação com o ob-
jeto linguístico e também com o estilo, os textos não literários
Exemplos de gêneros textuais dissertativos:
apresentam características bem delimitadas para que possam
Editorial Jornalístico
cumprir sua principal missão, que é, na maioria das vezes, a de
Carta de opinião
informar.
Resenha
Quando pensamos em informação, alguns elementos de- Artigo
vem ser elencados, como a objetividade, a transparência e o Ensaio
compromisso com uma linguagem não literária, afastando assim Monografia, dissertação de mestrado e tese de doutorado
possíveis equívocos na interpretação de um texto.
Os gêneros textuais são fenômenos históricos, profunda- Texto Expositivo: possuem a função de expor determinada
mente vinculados à vida cultural e social, portanto, são entida- ideia, por meio de recursos como: definição, conceituação, in-
des sócio discursivas e formas de ação social em qualquer situa- formação, descrição e comparação.
ção comunicativa. Exemplos de gêneros textuais expositivos:
Caracterizam-se como eventos textuais altamente maleá- Seminários
veis e dinâmicos. Palestras
Os gêneros textuais caracterizam-se muito mais por suas Conferências
funções comunicativas; cognitivas e institucionais, do que por Entrevistas
suas peculiaridades linguísticas e estruturais. Trabalhos acadêmicos
Enciclopédia
Tipos de Gêneros Textuais Verbetes de dicionários

Existem inúmeros gêneros textuais dentro das categorias Texto Injuntivo: também chamado de texto instrucional,
tipológicas de texto, e cada texto possuiu uma linguagem e indica uma ordem, de modo que o locutor (emissor) objetiva
estrutura. Em outras palavras, gêneros textuais são estruturas orientar e persuadir o interlocutor (receptor). Apresentam, na
textuais peculiares que surgem dos tipos de textos: narrativo, maioria dos casos, verbos no imperativo.
descritivo, dissertativo-argumentativo, expositivo e injuntivo.
Exemplos de gêneros textuais injuntivos:
Texto Narrativo: apresentam ações de personagens no Propaganda
tempo e no espaço. A estrutura da narração é dividida em: apre- Receita culinária
sentação, desenvolvimento, clímax e desfecho. Bula de remédio
Manual de instruções
Exemplos de gêneros textuais narrativos: Regulamento
Romance Textos prescritivos

4
LÍNGUA PORTUGUESA

QUESTÕES 03. CREMESP - Oficial Administrativo - Área Administrativa


– 2016 – FCC
01. SEDUC-CE - Professor - Língua Portuguesa – 2018 - UE-
CE-CEV Outro dia, em busca de determinada informação, caiu-me
Considerando que os gêneros estão agrupados em cinco às mãos um calendário de 1866. Por força do hábito, examinei-o
modalidades retóricas correspondentes aos tipos textuais, assi- pelo avesso e descobri um panorama encantador. Como todos
nale a opção em que a correspondência dos exemplos e as res- antes dele, foi um ano cheio de domingos. Nasceu e morreu
pectivas modalidades está correta. gente. Declararam-se guerras e fizeram-se as pazes, não neces-
A) ARGUMENTAR: novela fantástica, texto de opinião, de- sariamente nessa ordem. O barco a vapor, o telégrafo e a foto-
bate regrado. grafia eram as grandes novidades, e já havia no ar um xodó pela
B) EXPOR: seminário, conferência, entrevista de especialis- tecnologia. Mas não adiantava: aquele mundo de 150 anos atrás
ta. continuava predominantemente literário.
C) NARRAR: fábula, curriculum vitae, lenda. Eram tempos em que, flanando pelas grandes cidades, os
D) DESCREVER: regulamento, regras de jogo, carta do leitor. mortais podiam cruzar com os escritores nas ruas — poetas, ro-
mancistas, pensadores —, segui-los até seus cafés, sentar-se à
02. SEDUC-CE - Professor - Língua Portuguesa – 2018 - UE- mesa do lado, ouvir o que eles diziam e, quem sabe, puxá-los
CE-CEV pela manga e oferecer-lhes fogo. Talvez em nenhuma outra épo-
ca tantos gênios morassem nas mesmas cidades, quem sabe até
Receita do amor em bairros vizinhos. E todos em idade madura, no auge de suas
vidas ativas e criativas.
Ingredientes: Na Paris de 1866, por exemplo, roçavam cotovelos Ale-
• 4 xícaras de carinho xandre Dumas, Victor Hugo, Baudelaire. Em Lisboa, Antero de
• 2 xícaras de atenção Quental, Camilo Castelo Branco, Eça de Queiroz. E, no Rio, basta-
• 2 colheres de suspiros va um pulinho à rua do Ouvidor para se estar diante de Machado
• 8 pedaços de saudades de Assis e José de Alencar.
• 3 colheres de respeito Que viagem, a 1866.
• Amor, sorrisos bobos, pimenta e ciúmes a gosto (Adaptado de: CASTRO, Ruy. Viagem a 1866. Disponível
em: www.folha.uol.com.br)
Modo de preparo:
– Misture 8 pedaços de saudade com 2 xícaras de atenção Uma característica do gênero crônica que pode ser observa-
em uma panela até virar uma mistura onde qualquer momento da no texto é a presença de uma linguagem
seja especial. Acrescente sorrisos bobos até ficar homogêneo; A) imparcial, que se evidencia em: Talvez em nenhuma ou-
– Junte todo o carinho na forma e caramelize com suspiros tra época tantos gênios morassem nas mesmas cidades...
de paixão, ao sentir o cheiro de sonhos se espalhando no am- B) formal, que se evidencia em: ... já havia no ar um xodó
biente retire do fogo e acrescente uma pitada de pimenta para pela tecnologia.
sentirmos a intensidade dentro de nós sempre que provarmos; C) arcaica, que se evidencia em: Que viagem, a 1866.
– Misture bem todos os ingredientes anteriores; D) coloquial, que se evidencia em: ... foi um ano cheio de
– Para não virar rotina, acrescente muito amor e uma colher domingos
de ciúmes. Para dar um pequeno sabor de dedicação, adicione E) argumentativa, que se evidencia em: Nasceu e morreu
3 colheres de respeito. (Caso erre na medida de ciúmes coloque gente.
respeito a gosto).
(...) 04. CREMESP - Oficial Administrativo - Área Administrati-
va- 2016 – FCC
Rendimento: Duas porções O Dia do Médico, celebrado em 18 de outubro, foi a data
Dica de acompanhamento: Aprecie com abraços e músicas. escolhida pelo Conselho Regional de Medicina do Estado de
Diê- São Paulo (Cremesp) para o lançamento de uma campanha pela
go Cabó humanização da Medicina. Com o mote “O calor humano tam-
Fonte:https://www.pensador.com/frase/MTgyMjExMg/. bém cura”, a ação pretende enaltecer a vocação humanitária do
Acesso em 08/09/2018. médico e fortalecer a relação entre esses profissionais e seus
pacientes, um dos pilares da Medicina.
O critério que impera na determinação interpretativa do gê- As peças da campanha ressaltam, por meio de filmes, anún-
nero apresentado é cios e banners, que o médico é especialista em pessoas e que o
A) o suporte. toque, o olhar e a conversa são tão essenciais para a Medicina
B) o contexto. quanto a evolução tecnológica.
C) a forma. (No Dia do Médico, Cremesp lança campanha pela humani-
D) a função. zação da Medicina. Disponível em: www.cremesp.org.br)

Levando em conta a linguagem, o formato e a finalidade do


texto, conclui-se que se trata de

5
LÍNGUA PORTUGUESA

A) uma notícia.
B) um artigo de opinião. COESÃO E COERÊNCIA.
C) uma carta comercial.
D) uma reportagem.
E) um editorial. COESÃO E COERÊNCIA

05. Pref. de Maceió - AL - Técnico Administrativo – 2017 - Coerência diz respeito à articulação do texto, compatibilida-
COPEVE-UFAL de das ideias e à lógica do raciocínio. Coesão referese à expres-
[...] são linguística, nível gramatical, estruturas frasais e ao emprego
do vocabulário.
Nada de exageros Ambas relacionamse com o processo de produção e com-
preensão do texto, mas nem sempre um texto coerente apre-
Consumir dentro do limite das próprias economias é um senta coesão e vice-versa. Sendo assim, um texto pode ser gra-
bom exemplo para as crianças. “Endividar-se para consumir maticalmente bem construído, com frases bem estruturadas,
não está certo”, afirma a advogada Noemi Friske Momberger, vocabulário correto, mas apresentar ideias disparatadas, sem
autora do livro A publicidade dirigida a crianças e adolescentes, nexo, sem uma sequência lógica.
regulamentos e restrições. Isso vale tanto para as crianças como A coerência textual é responsável pela hierarquização dos
para os pais. É preciso dar exemplo. Não adianta inventar regras elementos textuais, ou seja, ela tem origem nas estruturas pro-
apenas para quem tem menos de 1 metro e meio. É preciso aju- fundas, no conhecimento do mundo de cada pessoa, aliada à
dar as crianças a entender o que cabe no orçamento familiar. competência linguística, que permitirá a expressão das ideias
“Explico para meus filhos que não podemos ter algumas coisas, percebidas e organizadas, no processo de codificação referido
mesmo que muitos na escola tenham três vezes mais”, diz a pro- na página
fessora de Inglês Lucia Razeira, de 30 anos, mãe de Vitor, de 7,
e Clara, de 10. Coesão
[...]
Disponível em:http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epo- É o resultado da disposição e da correta utilização das pala-
ca/0,,EMI58402-15228,00- EU+QUERO+EU+QUERO+EU+QUE- vras que propiciam a ligação entre frases, períodos e parágrafos
RO.html>.Acesso em: 07 fev. 2017. de um texto. A coesão ajuda com sua organização e ocorre por
meio de palavras chamadas de conectivos.
Considerando as características predominantes, o gênero
textual Mecanismos de Coesão
A) é seguramente uma reportagem em que se observam
argumentos do autor. A coesão pode ser obtida através de alguns mecanismos:
B) se enquadra no tipo narrativo, uma vez que há predomí- anáfora e catáfora. Ambas se referem à informação expressa no
nio de sequências descritivas. texto e, por esse motivo, são qualificadas como endofóricas.
C) foi totalmente explicitado no recorte apresentado, já que Enquanto a anáfora retoma um componente, a catáfora o
diz respeito a um artigo de opinião. antecipa, contribuindo com a ligação e a harmonia textual.
D) é uma notícia, já que narra um fato verídico, com
informações sobre a necessidade de se ensinar os limites do Regras para a coesão textual:
consumo.
E) é delimitado pela esfera do campo opinativo, uma vez Referência
que defende o ponto de vista de que é preciso haver limites
para o consumo, por meio de três argumentos básicos. Pessoal: usa pronomes pessoais e possessivos. Exemplo:
Eles são irmãos de Elisabete. (Referência pessoal anafórica)
RESPOSTAS Demonstrativa: usa pronomes demonstrativos e advérbios.
Exemplo: Terminei todos os livros, exceto este. (Referência de-
monstrativa catafórica)
01 B Comparativa: usa comparações através de semelhanças.
02 D Exemplo: Dorme igual ao irmão. (Referência comparativa endo-
fórica)
03 D
04 A Substituição
05 E
Substitui um elemento (nominal, verbal, frasal) por outro
é uma forma de evitar as repetições. Exemplo: Vamos à praia
amanhã, eles irão nas próximass férias.
Observe que a substituição acrescenta uma informação
nova ao texto.

6
LÍNGUA PORTUGUESA

Elipse Resumidamente:

Pode ser omitido através da elipse um componente textual, Coesão: conjunto de elementos posicionados ao longo do
quer seja um nome, um verbo ou uma frase. Exemplo: Temos texto, numa linha de sequência e com os quais se estabelece um
entradas a mais para o show. Você as quer? (A segunda oração vínculo ou conexão sequencial. Se o vínculo coesivo se faz via
é perceptível mediante o contexto. Assim, sabemos que o que gramática, fala-se em coesão gramatical. Se se faz por meio do
está sendo oferecido são as entradas para o show.) vocabulário, tem-se a coesão lexical.
Coerência: é a rede de ligação entre as partes e o todo de
Conjunção um texto. Conjunto de unidades sistematizadas numa adequada
relação semântica, que se manifesta na compatibilidade entre
As conjunções ligam orações estabelecendo relação entre as ideias.
elas. Exemplo: Nós não sabemos quanto custam as entradas,
mas ele sabe. (adversativa) QUESTÕES

Coesão Lexical 01. TRF 5ª REGIÃO - TÉCNICO JUDICIÁRIO - TECNOLOGIA


DA INFORMAÇÃO – 2015 - FCC
É a utilização de palavras que possuem sentido aproxima- Há falta de coesão e de coerência na frase:
do ou que pertencem a um mesmo campo lexical. São elas: si- A) Nem sempre os livros mais vendidos são, efetivamente,
nônimos, hiperônimos, nomes genéricos, entre outros Exemplo: os mais lidos: há quem os compre para exibi-los na estante.
Aquela casa está inabtável. Ela está literalmente caindo aos pe- B) Aquele romance, apesar de ter sido premiado pela aca-
daços. demia e bem recebido pelo público, não chegou a impressionar
os críticos dos jornais.
Coerência C) Se o sucesso daquele romance deveu-se, sobretudo, à
resposta do público, razão pela qual a maior parte dos críticos
É a relação lógica das ideias de um texto que decorre da sua também o teriam apreciado.
argumentação. Um texto contraditório e redundante ou cujas D) Há livros que compramos não porque nos sejam imedia-
ideias iniciadas não são concluídas, é um texto incoerente, o que tamente úteis, mas porque imaginamos o quanto poderão nos
compromete a clareza do discurso e a eficácia da leitura. Exem- valer num futuro próximo.
plo: Ela está de regime, mas adora comer brigadeiros. (quem E) A distribuição dos livros numa biblioteca frequentemente
está de regime não deve comer doces) indica aqueles pelos quais o dono tem predileção.

Fatores de Coerência 02. TJ-PA - MÉDICO PSIQUIATRA – 2014 - VUNESP


Meu amigo lusitano, Diniz, está traduzindo para o francês
São inúmeros os fatores que contribuem para a coerência meus dois primeiros romances, Os Éguas e Moscow. Temos tro-
de um texto. Vejamos alguns: cado e-mails muito interessantes, por conta de palavras e gírias
comuns no meu Pará e absolutamente sem sentido para ele. Às
Conhecimento de Mundo: conjunto de conhecimento que vezes é bem difícil explicar, como na cena em que alguém empi-
adquirimos ao longo da vida e que são arquivados na nossa me- na papagaio e corta o adversário “no gasgo”.
mória.
Os termos muito e bem, em destaque, atribuem aos termos
Inferências: as informações podem ser simplificadas se par- aos quais se subordinam sentido de:
timos do pressuposto que os interlocutores partilham do mes- A) comparação.
mo conhecimento. B) intensidade.
C) igualdade.
Fatores de contextualização D) dúvida.
E) quantidade.
Há fatores que inserem o interlocutor na mensagem pro-
videnciando a sua clareza, como os títulos de uma notícia ou a 03. TJ/RJ – Analista Judiciário – 2015 - FGV
data de uma mensagem. Exemplo: “A USP acaba de divulgar estudo advertindo que a poluição
— Começaremos às 8h. em São Paulo mata o dobro do que o trânsito”.
— O que começará às 8h? Não sei sobre o que está falando.
A oração em forma desenvolvida que substitui correta e
Informatividade adequadamente o gerúndio “advertindo” é:
A) com a advertência de;
Quanto mais informação não previsível um texto tiver, mais B) quando adverte;
rico e interessante ele será. Assim, dizer o que é óbvio ou insistir C) em que adverte;
numa informação e não desenvolvê-la, com certeza desvaloriza D) no qual advertia;
o texto. E) para advertir.

7
LÍNGUA PORTUGUESA

04. PREF. DE PAULISTA/PE – RECEPCIONISTA – 2016 - RESPOSTAS


UPENET
Observe o fragmento de texto abaixo: 1 C
“Mas o que fazer quando o conteúdo não é lembrado justa-
mente na hora da prova?” 2 B
Sobre ele, analise as afirmativas abaixo: 3 C
4 D
I. O termo “Mas” é classificado como conjunção subordi-
nativa e, nesse contexto, pode ser substituído por “desde que”. 5 B
II. Classifica-se o termo “quando” como conjunção subordi- 6 D
nativa que exprime circunstância temporal.
III. Acentua-se o “u” tônico do hiato existente na palavra
“conteúdo”.
ORTOGRAFIA OFICIAL.
IV. Os termos “conteúdo”, “hora” e “prova” são palavras in-
variáveis, classificadas como substantivos.
ORTOGRAFIA
Está CORRETO apenas o que se afirma em:
A) I e III. A Ortografia estuda a forma correta de escrita das palavras
B) II e IV. de uma língua. Do grego “ortho”, que quer dizer correto e “gra-
C) I e IV. fo”, por sua vez, que significa escrita.
D) II e III. É influenciada pela etimologia e fonologia das palavras.
E) I e II. Além disso, são feitas convenções entre os falantes de uma mes-
ma língua que visam unificar a sua ortografia oficial. Trata-se dos
05. PREF. DE OSASCO/SP - MOTORISTA DE AMBULÂN- acordos ortográficos.
CIA – 2016 - FGV
Alfabeto
Dificuldades no combate à dengue O alfabeto é formado por 26 letras
Vogais: a, e, i, o, u, y, w.
A epidemia da dengue tem feito estragos na cidade de São Consoantes: b,c,d,f,g,h,j,k,l,m,n,p,q,r,s,t,v,w,x,z.
Paulo. Só este ano, já foram registrados cerca de 15 mil casos da Alfabeto: a,b,c,d,e,f,g,h,i,j,k,l,m,n,o,p,q,r,s,t,u,v,w,x,y,z.
doença, segundo dados da Prefeitura.
As subprefeituras e a Vigilância Sanitária dizem que existe Regras Ortográficas
um protocolo para identificar os focos de reprodução do mos-
quito transmissor, depois que uma pessoa é infectada. Mas Uso do x/ch
quando alguém fica doente e avisa as autoridades, não é bem
isso que acontece. O x é utilizado:
(Saúde Uol). - Em geral, depois dos ditongos: caixa, feixe.
- Depois da sílaba -me: mexer, mexido, mexicano.
“Só este ano...” O ano a que a reportagem se refere é o ano - Palavras com origem indígena ou africana: xavante, xingar.
A) em que apareceu a dengue pela primeira vez. - Depois da sílaba inicial -en: enxofre, enxada.
B) em que o texto foi produzido. - Exceção: O verbo encher (e palavras derivadas) escreve-se
C) em que o leitor vai ler a reportagem. com ch.
D) em que a dengue foi extinta na cidade de São Paulo.
E) em que começaram a ser registrados os casos da doença.
Escreve-se com x Escreve-se com ch
06. CEFET/RJ - REVISOR DE TEXTOS – 2015 - CESGRANRIO bexiga bochecha
Em qual dos períodos abaixo, a troca de posição entre a
bruxa boliche
palavra sublinhada e o substantivo a que se refere mantém o
sentido? caxumba broche
A) Algum autor desejava a minha opinião sobre o seu tra- elixir cachaça
balho.
B) O mesmo porteiro me entregou o pacote na recepção faxina chuchu
do hotel. graxa colcha
C) Meu pai procurou uma certa pessoa para me entregar o lagartixa fachada
embrulho.
D) Contar histórias é uma prazerosa forma de aproximar os
indivíduos.
E) Grandes poemas épicos servem para perpetuar a cultura
de um povo.

8
LÍNGUA PORTUGUESA

Uso do h Parônimos e Homônimos

O h é utilizado: Há diferentes formas de escrita que existem, mas cujo sig-


- No final de interjeições: Ah!, Oh! nificado é diferente.
- Por etimologia: hoje, homem.
- Nos dígrafos ch, lh, nh: tocha, carvalho, manhã. Palavras parônimas são parecidas na grafia ou na pronúncia,
- Palavras compostas: sobre-humano, super-homem. mas têm significados diferentes.
- Exceção: Bahia quando se refere ao estado. O acidente Exemplos:
geográfico baía é escrito sem h.
cavaleiro (de cavalos) cavalheiro (educado)
Uso do s/z
descrição (descrever) discrição (de discreto)
O s é utilizado: emigrar (deixar o país) imigrar (entrar no país)
- Adjetivos terminados pelos sufixos -oso/-osa que indicam
grande quantidade, estado ou circunstância: maudoso, feiosa. Palavras homônimas têm a mesma pronúncia, mas signifi-
- Nos sufixo -ês, -esa, -isa que indicam origem, título ou pro- cados diferentes.
fissão: marquês, portuguesa, poetisa. Exemplos:
- Depois de ditongos: coisa, pousa.
- Na conjugação dos verbos pôr e querer: pôs, quiseram.
cela (cômodo pequeno) sela (de cavalos)
O z é utilizado: ruço (pardo claro) russo (da Rússia)
tachar (censurar) taxar (fixar taxa)
- Nos sufixos -ez/-eza que formam substantivos a partir de
adjetivos: magro - magreza, belo - beleza, grande - grandeza. Consoantes dobradas
- No sufixo - izar, que forma verbo: atualizar, batizar, hospi-
talizar. - Só se duplicam as consoantes C, R, S.
- Escreve-se com CC ou CÇ quando as duas consoantes soam
Escreve-se com s Escreve-se com z distintamente: convicção, cocção, fricção, facção, etc.
Alisar amizade - Duplicam-se o R e o S em dois casos: Quando, intervocáli-
cos, representam os fonemas /r/ forte e /s/ sibilante, respecti-
atrás azar vamente: carro, ferro, pêssego, missão, etc. Quando há um ele-
através azia mento de composição terminado em vogal a seguir, sem inter-
posição do hífen, palavra começada com /r/ ou /s/: arroxeado,
gás giz
correlação, pressupor, etc.
groselha prazer
invés rodízio Uso do hífen

Uso do g/j Desde a entrada em vigor do atual acordo ortográfico, a


escrita de palavras com hífen e sem hífen tem sido motivo de
O g é utilizado: dúvidas para diversos falantes.
- Palavras que terminem em -ágio, -égio, -ígio, -ógio, -úgio:
pedágio, relógio, refúgio. Palavras com hífen:
- Substantivos que terminem em -gem: lavagem, viagem. segunda-feira (e não segunda feira);
bem-vindo (e não benvindo);
O j é utilizado: mal-humorado (e não mal humorado);
- Palavras com origem indígena: pajé, canjica. micro-ondas (e não microondas);
- Palavras com origem africana: jiló, jagunço. bem-te-vi (e não bem te vi).

Palavras sem hífen:


Escreve-se com g Escreve-se com j dia a dia (e não dia-a-dia);
estrangeiro berinjela fim de semana (e não fim-de-semana);
à toa (e não à-toa);
gengibre cafajeste
autoestima (e não auto-estima);
geringonça gorjeta antirrugas (e não anti-rugas).
gíria jiboia
ligeiro jiló
tangerina sarjeta

9
LÍNGUA PORTUGUESA

QUESTÕES Considerando a ortografia e a acentuação da norma-padrão


da língua portuguesa, as lacunas estão, correta e respectiva-
01. SEAP-MG - Agente de Segurança Penitenciário – 2018 mente, preenchidas por:
- IBFC A) mal ... por que ... intuíto
B) mau ... por que ... intuito
A ortografia estuda a forma correta da escrita das palavras C) mau ... porque ... intuíto
de uma determinada língua, no caso a Língua Portuguesa. É in- D) mal ... porque ... intuito
fluenciada pela etimologia e fonologia das palavras, assim sendo E) mal ... por quê ... intuito
observe com atenção o texto. Agente Penitenciário, Agente Pri-
sional, Agente de Segurança Penitenciário ou Agente Estadual/ 04. PBH Ativos S.A. - Analista Jurídico – 2018 – IBGP
Federal de Execução Penal. Entre suas atribuições estão: manter Assinale a alternativa em que todas as palavras estão grafa-
a ordem, diciplina, custódia e vigilância no interior das unida- das conforme as regras do Novo Acordo Ortográfico relativas à
des prisionais, assim como no âmbito externo das unidades, sistematização do emprego de hífen ou de acentuação.
como escolta armada para audiências judiciais, transferência de A) Vôo, dêem, paranóico, assembléia, feiúra, vêem, baiúca.
presos etc. Desempenham serviços de natureza policial como B) Interresistente, superrevista, manda-chuva, paraquedas.
aprensões de ilícitos, revistas pessoais em detentos e visitan- C) Antirreligioso, extraescolar, infrassom, coautor, antiaé-
tes, revista em veículos que adentram as unidades prisionais, reo.
controle de rebeliões e ronda externa na área do perímetro de D) Préhistória, autobservação, infraxilar, suprauricular, iná-
segurança ao redor da unidade prisional. Garantem a seguran- bil.
ça no trabalho de ressosialização dos internos promovido pelos
pisicólogos, pedagogos e assistentes sociais. Estão subordinados 05. MPE-GO - Auxiliar Administrativo – 2018 – MPE-GO
às Secretarias de Estado de Administração Penitenciária - SEAP, Assinale a opção que completa corretamente as lacunas do
secretarias de justiças ou defesa social, dependendo da nomen- período abaixo.
clatura adotada em cada Estado.
Fonte: Wikipedia – *com alterações
Agora que há uma câmera de ________. isto provavelmen-
ortográficas.
te não _____acontecerá, mas _____vezes em que, no meio de
uma noite __________, o poeta levantava de seu banco [...]
Assinale a alternativa que apresenta todas as palavras, reti-
radas do texto, com equívocos em sua ortografia.
A) investigassâo mas ouve chuvosa
A) atribuições; diciplina; audiências; desempenham.
B) investigassâo mais houve chuvoza
B) diciplina; aprensões; ressosialização; pisicólogos.
C) investigação mais houve chuvosa
C) audiências; ilícitos; atribuições; desempenham.
D) perímetro; diciplina; desempenham; ilícitos. D) investigação mas houve chuvosa
E) aprensões; ressosialização; desempenham; audiências. E) investigação mais ouve chuvoza

02. ELETTROBRAS – LEITURISTA – 2015 – IADES RESPOSTAS


Considerando as regras de ortografia, assinale a alternativa
em que a palavra está grafada corretamente. 01 B
A) Dimencionar.
02 E
B) Assosciação.
C) Capassitores. 03 D
D) Xoque. 04 C
E) Conversão.
05 C
03. MPE SP – ANALISTA DE PROMOTORIA – 2015 - VUNESP

ACENTUAÇÃO GRÁFICA.

ACENTUAÇÃO

A acentuação gráfica é feita através de sinais diacríticos que,


sobrepostos às vogais, indicam a pronúncia correta das palavras
no que respeita à sílaba tônica e no que respeita à modulação
aberta ou fechada das vogais.
Esses são elementos essenciais para estabelecer organiza-
damente, por meio de regras, a intensidade das palavras das
(Dik Brownie, Hagar. www.folha.uol.com.br, 29.03.2015. sílabas portuguesas.
Adaptado)

10
LÍNGUA PORTUGUESA

Acentuação tônica - Acento pertencente aos hiatos “oo” e “ee” foi abolido.

Refere-se à intensidade em que são pronunciadas as sílabas


Antes agora
das palavras. Aquela que é pronunciada de forma mais acentua-
da é a sílaba tônica. As demais, pronunciadas com menos inten- crêem creem
sidade, são denominadas de átonas. vôo voo
De acordo com a posição da sílaba tônica, os vocábulos com
mais de uma sílaba classificam-se em:
- Vogais “i” e “u” dos hiatos se vierem precedidas de vogal
Oxítonos: quando a sílaba tônica é a última: café, rapaz, es-
idêntica, não tem mais acento: (xi-i-ta, pa-ra-cu-u-ba).
critor, maracujá.
- Haverá o acento em palavra proparoxítona, pois a regra
Paroxítonos: quando a sílaba tônica é a penúltima: mesa,
lápis, montanha, imensidade. de acentuação das proparoxítonas prevalece sobre a dos hiatos:
Proparoxítonos: quando a sílaba tônica é a antepenúltima: (se-ri-ís-si-mo)
árvore, quilômetro, México. - Não há mais acento nas formas verbais que possuíam o
acento tônico na raiz com “u” tônico precedido de “g” ou “q” e
Acentuação gráfica seguido de “e” ou “i”.

- Proparoxítonas: todas acentuadas (místico, jurídico, bélico). Antes agora


- Palavras oxítonas: oxítonas terminadas em “a”, “e”, “o”,
averigúe (averiguar) averigue
“em”, seguidas ou não do plural (s): (Paraná – fé – jiló (s)).
- Também acentuamos nos casos abaixo: argúi (arguir) argui
- Monossílabos tônicos terminados em “a”, “e”, “o”, segui-
dos ou não de “s”: (pá – pé – dó) - 3ª pessoa do plural do presente do indicativo dos verbos
- Formas verbais terminadas em “a”, “e”, “o” tônicos segui- ter e vir e dos seus compostos (conter, reter, advir, convir etc.)
das de lo, la, los, las: (recebê-lo – compô-lo) tem acento.
- Paroxítonas: Acentuam-se as palavras paroxítonas termi-
nadas em: i, is (táxi – júri), us, um, uns (vírus, fórum), l, n, r, x, ps
Singular plural
(cadáver – tórax – fórceps), ã, ãs, ão, ãos (ímã – órgãos).
- Ditongo oral, crescente ou decrescente, seguido ou não de ele tem eles têm
“s”: (mágoa – jóquei) ele vem eles vêm
Regras especiais: ele obtém eles obtêm

- Ditongos de pronúncia aberta “ei”, “oi”, perderam o acento → Palavras homógrafas para diferenciá-las de outras seme-
com o Novo Acordo. lhantes não se usa mais acento. Apenas em algumas exceções,
como:
A forma verbal pôde (3ª pessoa do singular - pretérito per-
Antes agora feito do indicativo) ainda é acentuada para diferenciar-se de
Assembléia Assembleia pode (3ª pessoa do singular - presente do indicativo). Também o
Idéia Ideia verbo pôr para diferenciá-lo da preposição por.
Geléia Geleia Alguns homógrafos:
Jibóia Jiboia pera (substantivo) - pera (preposição antiga)
para (verbo) - para (preposição)
Apóia (verbo) Apoia
pelo(s) (substantivo) - pelo (do verbo pelar)
Paranóico Paranoico
Atenção, pois palavras derivadas de advérbios ou adjetivos
- “i” e “u” tônicos formarem hiato com a vogal anterior, não são acentuadas
acompanhados ou não de “s”, desde que não sejam seguidos
por “-nh”, haverá acento: (saída – baú – país). Exemplos:
Facilmente - de fácil
- Não serão mais acentuados “i” e “u” tônicos formando hia- Habilmente - de hábil
to quando vierem depois de ditongo: Ingenuamente – de ingênuo
Somente - de só
Antes agora Unicamente - de único
Dinamicamente - de dinâmico
Bocaiúva Bocaiuva
Espontaneamente - de espontâneo
Feiúra Feiura
Sauípe Sauipe

11
LÍNGUA PORTUGUESA

Uso da Crase na primeira temporada que o artista passou na ilha do Pacífico,


onde duas mulheres aparecem sentadas a um fundo verde-es-
- É usada na contração da preposição a com as formas fe- meralda, que lembra o oceano.
mininas do artigo ou pronome demonstrativo a: à (de a + a), às A exposição vai até o dia 7 de julho, com entrada franca.
(de a + as). http://agenciabrasil.ebc.com.br/cultura/noticia/2016-05/
mostra-otriunfo-da-cor-traz-grandes-nomes-do-pos-impressio-
- A crase é usada também na contração da preposição “a” nismo-para-sp Acesso em: 29/05/2016.
com os pronomes demonstrativos:
àquele(s) “As palavras ‘módulos’ e ‘última’, presentes no texto,
àquela(s) são ____________ acentuadas por serem ____________ e
àquilo ____________, respectivamente”.
àqueloutro(s) As palavras que preenchem correta e respectivamente as
àqueloutra (s) lacunas do enunciado acima são:
A) diferentemente / proparoxítona / paroxítona
Uso do Trema B) igualmente / paroxítona / paroxítona
C) igualmente / proparoxítona / proparoxítona
- Só é utilizado nas palavras derivadas de nomes próprios. D) diferentemente / paroxítona / oxítona
Müller – de mülleriano
02. Pref. De Caucaia/CE – Agente de Suporte e Fiscalização
QUESTÕES - 2017 - CETREDE
Indique a alternativa em que todas as palavras devem re-
01. Pref. Natal/RN - Agente Administrativo – 2016 - CKM ceber acento.
Serviço A) virus, torax, ma.
Mostra O Triunfo da Cor traz grandes nomes do pósimpres- B) caju, paleto, miosotis .
C) refem, rainha, orgão.
sionismo para SP Daniel Mello - Repórter da Agência Brasil A
D) papeis, ideia, latex.
exposição O Triunfo da Cor traz grandes nomes da arte moder-
E) lotus, juiz, virus.
na para o Centro Cultural Banco do Brasil de São Paulo. São 75
obras de 32 artistas do final do século 19 e início do 20, entre
03. MPE/SC – Promotor de Justiça- 2017 - MPE/SC
eles expoentes como Van Gogh, Gauguin, Toulouse-Lautrec, Cé-
“Desde as primeiras viagens ao Atlântico Sul, os navegado-
zanne, Seurat e Matisse. Os trabalhos fazem parte dos acervos
res europeus reconheceram a importância dos portos de São
do Musée d’Orsay e do Musée de l’Orangerie, ambos de Paris.
Francisco, Ilha de Santa Catarina e Laguna, para as “estações da
A mostra foi dividida em quatro módulos que apresentam
aguada” de suas embarcações. À época, os navios eram impul-
os pintores que sucederam o movimento impressionista e rece- sionados a vela, com pequeno calado e autonomia de navega-
beram do crítico inglês Roger Fry a designação de pósimpressio- ção limitada. Assim, esses portos eram de grande importância,
nistas. Na primeira parte, chamada de A Cor Cientifica, podem especialmente para os navegadores que se dirigiam para o Rio
ser vistas pinturas que se inspiraram nas pesquisas científicas da Prata ou para o Pacífico, através do Estreito de Magalhães.”
de Michel Eugene Chevreul sobre a construção de imagens com (Adaptado de SANTOS, Sílvio Coelho dos. Nova História de
pontos. Santa Catarina. Florianópolis: edição do Autor, 1977, p. 43.)
Os estudos desenvolvidos por Paul Gauguin e Émile Bernard
marcam a segunda parte da exposição, chamada de Núcleo Mis- No texto acima aparecem as palavras Atlântico, época, Pací-
terioso do Pensamento. Entre as obras que compõe esse conjun- fico, acentuadas graficamente por serem proparoxítonas.
to está o quadro Marinha com Vaca, em que o animal é visto em ( ) Certo ( ) Errado
um fundo de uma passagem com penhascos que formam um
precipício estreito. As formas são simplificadas, em um contorno 04. Pref. De Nova Veneza/SC – Psicólogo – 2016 - FAEPESUL
grosso e escuro, e as cores refletem a leitura e impressões do Analise atentamente a presença ou a ausência de acento
artista sobre a cena. gráfico nas palavras abaixo e indique a alternativa em que não
O Autorretrato Octogonal, de Édouard Vuillard, é uma das há erro:
pinturas de destaque do terceiro momento da exposição. Intitu- A) ruím - termômetro - táxi – talvez.
lada Os Nabis, Profetas de Uma Nova Arte, essa parte da mostra B) flôres - econômia - biquíni - globo.
também reúne obras de Félix Vallotton e Aristide Maillol. No au- C) bambu - através - sozinho - juiz
torretrato, Vuillard define o rosto a partir apenas da aplicação D) econômico - gíz - juízes - cajú.
de camadas de cores sobrepostas, simplificando os traços, mas E) portuguêses - princesa - faísca.
criando uma imagem de forte expressão.
O Mulheres do Taiti, de Paul Gauguin, é um dos quadros 05. INSTITUTO CIDADES – Assistente Administrativo VII –
da última parte da mostra, chamada de A Cor em Liberalidade, 2017 - CONFERE
que tem como marca justamente a inspiração que artistas como Marque a opção em que as duas palavras são acentuadas
Gauguin e Paul Cézanne buscaram na natureza tropical. A pin- por obedecerem à regras distintas:
tura é um dos primeiros trabalhos de Gauguin desenvolvidos A) Catástrofes – climáticas.

12
LÍNGUA PORTUGUESA

B) Combustíveis – fósseis. - objeto de verbo;


C) Está – país. - adjunto adnominal de nome;
D) Difícil – nível. - complemento nominal de nome;
- predicativo do objeto;
06. IF-BA - Administrador – 2016 - FUNRIO - oração principal da subordinada substantiva (desde que
Assinale a única alternativa que mostra uma frase escrita esta não seja apositiva nem apareça na ordem inversa).
inteiramente de acordo com as regras de acentuação gráfica vi-
gentes. A vírgula também é utilizada para:
A) Nas aulas de Ciências, construí uma mentalidade ecoló- - separar o vocativo: João, conte a novidade.
gica responsável. - separar alguns apostos: Célia, muito prendada, preparou
B) Nas aulas de Inglês, conheci um pouco da gramática e da a refeição.
cultura inglêsa. - separar o adjunto adverbial antecipado ou intercalado: Al-
C) Nas aulas de Sociologia, gostei das idéias evolucionistas gumas pessoas, muitas vezes, são falsas.
e de estudar ética. - separar elementos de uma enumeração: Vendem-se pães,
D) Nas aulas de Artes, estudei a cultura indígena, o barrôco tortas e sonho.
e o expressionismo - separar conjunções intercaladas: Mário, entretanto, nunca
E) Nas aulas de Educação Física, eu fazia exercícios para glu- mais deu notícias.
teos, adutores e tendões. - isolar o nome de lugar na indicação de datas: Londrina, 25
de Setembro de 2017.
RESPOSTAS - marcar a omissão de um termo (normalmente o verbo):
Ele prefere dormir, eu me exercitar. (omissão do verbo preferir)
01 C
Ponto-e-Vírgula ( ; )
02 A Usamos para:
03 CERTO - separar os itens de uma lei, de um decreto, de uma peti-
ção, de uma sequência, etc.:
04 C
Art. 217. É dever do Estado fomentar práticas desportivas
05 C formais e não formais, como direito de cada um, observados:
06 A I - a autonomia das entidades desportivas dirigentes e asso-
ciações, quanto a sua organização e funcionamento;
II - a destinação de recursos públicos para a promoção prio-
ritária do desporto educacional e, em casos específicos, para a
do desporto de alto rendimento;
PONTUAÇÃO.
III - o tratamento diferenciado para o desporto profissional
e o não profissional;
PONTUAÇÃO IV - a proteção e o incentivo às manifestações desportivas
de criação nacional.
Pontuação são sinais gráficos empregados na língua escrita - separar orações coordenadas muito extensas ou orações
para demonstrar recursos específicos da língua falada, como: coordenadas nas quais já tenham sido utilizado a vírgula.
entonação, silêncio, pausas, etc. Tais sinais têm papéis variados
no texto escrito e, se utilizados corretamente, facilitam a com- Dois-Pontos ( : )
preensão e entendimento do texto. Usamos para:
- iniciar a fala dos personagens: O pai disse: Conte-me a ver-
Ponto ( . ) dade, meu filho.
Usamos para: - antes de apostos ou orações apositivas, enumerações ou
- indicar o final de uma frase declarativa: não irei ao sho- sequência de palavras que explicam, resumem ideias anteriores:
pping hoje. Comprei alguns itens: arroz, feijão e carne.
- separar períodos entre si: Fecha a porta. Abre a janela. - antes de citação: Como dizia minha mãe: “Você não é todo
- abreviaturas: Av.; V. Ex.ª mundo.”

Vírgula ( , ) Ponto de Interrogação ( ? )


Usamos para: Usamos para:
- marcar pausa do enunciado a fim de indicar que os ter- - perguntas diretas: Onde você mora?
mos separados, apesar de serem da mesma frase ou oração, não - em alguns casos, junto com o ponto de exclamação: Quem
formam uma unidade sintática: Maria, sempre muito simpática, você ama? Você. Eu?!
acenou para seus amigos.
Ponto de Exclamação ( ! )
Não se separam por vírgula: Usamos:
- predicado de sujeito; - Após vocativo: Volte, João!

13
LÍNGUA PORTUGUESA

- Após imperativo: Aprenda! habitantes da mata, essas criaturas naturais que ainda circulam
- Após interjeição: Psiu! Eba! pelo ar e pelo chão, começam a preparar sua vida para a prima-
- Após palavras ou frases que tenham caráter emocional: vera que chega.
Poxa! Finos clarins que não ouvimos devem soar por dentro da
terra, nesse mundo confidencial das raízes, - e arautos sutis
Reticências ( ... ) acordarão as cores e os perfumes e a alegria de nascer, no espí-
Usamos para: rito das flores.
- indicar dúvidas ou hesitação do falante: Olha...não sei se Há bosques de rododendros que eram verdes e já estão
devo... melhor não falar. todos cor-de-rosa, como os palácios de Jaipur. Vozes novas de
- interrupção de uma frase deixada gramaticalmente incom- passarinhos começam a ensaiar as árias tradicionais de sua na-
pleta: Você queria muito este jogo novo? Bom, não sei se você ção. Pequenas borboletas brancas e amarelas apressam-se pe-
merece... los ares, - e certamente conversam: mas tão baixinho que não
- indicar supressão de palavra(s) numa frase transcrita: se entende.
Quando ela começou a falar, não parou mais... terminou uma Oh! Primaveras distantes, depois do branco e deserto inver-
hora depois. no, quando as amendoeiras inauguram suas flores, alegremen-
te, e todos os olhos procuram pelo céu o primeiro raio de sol.
Aspas ( “ ” ) Esta é uma primavera diferente, com as matas intactas, as
Usamos para: árvores cobertas de folhas, - e só os poetas, entre os humanos,
- isolar palavras ou expressões que fogem à norma culta: sabem que uma Deusa chega, coroada de flores, com vestidos
gírias, estrangeirismos, palavrões, neologismos, arcaísmos e ex- bordados de flores, com os braços carregados de flores, e vem
pressões populares. dançar neste mundo cálido, de incessante luz.
- indicar uma citação textual. Mas é certo que a primavera chega. É certo que a vida não
se esquece, e a terra maternalmente se enfeita para as festas da
Parênteses ( () ) sua perpetuação.
Usamos para: Algum dia, talvez, nada mais vai ser assim. Algum dia, tal-
- isolar palavras, frases intercaladas de caráter explicativo vez, os homens terão a primavera que desejarem, no momen-
e datas: No dia do seu nascimento (08/08/984) foi o dia mais to em que quiserem, independentes deste ritmo, desta ordem,
quente do ano. deste movimento do céu. E os pássaros serão outros, com ou-
tros cantos e outros hábitos, - e os ouvidos que por acaso os
- podem substituir a vírgula ou o travessão.
ouvirem não terão nada mais com tudo aquilo que, outrora, se
entendeu e amou.
Travessão (__ )
Enquanto há primavera, esta primavera natural, prestemos
Usamos para:
atenção ao sussurro dos passarinhos novos, que dão beijinhos
- dar início à fala de um personagem: Filó perguntou: __Ma-
para o ar azul. Escutemos estas vozes que andam nas árvores,
ria, como faz esse doce?
caminhemos por estas estradas que ainda conservam seus sen-
- indicar mudança do interlocutor nos diálogos. __Mãe,
timentos antigos: lentamente estão sendo tecidos os manacás
você me busca? __Não se preocupe, chegarei logo.
roxos e brancos; e a eufórbia se vai tornando pulquérrima, em
- Também pode ser usado em substituição à virgula, em ex- cada coroa vermelha que desdobra. Os casulos brancos das gar-
pressões ou frases explicativas: Pelé – o rei do futebol – está dênias ainda estão sendo enrolados em redor do perfume. E flo-
muito doente. res agrestes acordam com suas roupas de chita multicor.
Tudo isto para brilhar um instante, apenas, para ser lançado
Colchetes ( [] ) ao vento, - por fidelidade à obscura semente, ao que vem, na
Usamos para: rotação da eternidade. Saudemos a primavera, dona da vida - e
- linguagem científica. efêmera.
(MEIRELES, Cecília. “Cecília Meireles - Obra em Prosa?
Asterisco ( * ) Vol. 1. Nova Fronteira: Rio de Janeiro, 1998, p. 366.)
Usamos para:
- chamar a atenção do leitor para alguma nota (observação). “...e os habitantes da mata, essas criaturas naturais que ain-
da circulam pelo ar e pelo chão, começam a preparar sua vida
QUESTÕES para a primavera que chega” (1º §)

01. CLIN – Auxiliar de Enfermagem do Trabalho – 2015 - No fragmento acima, as vírgulas foram empregadas para:
COSEAC A) marcar termo adverbial intercalado.
B) isolar oração adjetiva explicativa.
Primavera C) enfatizar o termo sujeito em relação ao predicado.
D) separar termo em função de aposto.
A primavera chegará, mesmo que ninguém mais saiba seu
nome, nem acredite no calendário, nem possua jardim para re-
cebê-la. A inclinação do sol vai marcando outras sombras; e os

14
LÍNGUA PORTUGUESA

02. PC – CE - Escrivão da Policia Civil de 1ª classe – 2015 – C) Agora, em relação à tecnologia, os jovens dispõem de
VUNESP uma série de comodidades, salientou o pesquisador.
Assinale a alternativa correta quanto ao uso da vírgula, con- D) “Eu sei, mas não devia” (Marina Colasanti).
siderando-se a norma-padrão da língua portuguesa. E) Ainda havia muito a se deliberar, todavia, considerando o
A) Os amigos, apesar de terem esquecido de nos avisar, que horário avançado, a reunião foi encerrada.
demoraria tanto, informaram-nos de que a gravidez, era algo
demorado. 05. EMATERCE - Agente de ATER - Ciências Contábeis –
B) Os amigos, apesar de terem esquecido de nos avisar que 2018 – CETREDE
demoraria tanto, informaram-nos de que a gravidez era algo de- Analise as duas frases a seguir em relação à ambiguidade.
morado I. Karla comeu um doce e sua irmã também.
C) Os amigos, apesar de terem esquecido, de nos avisar que II. Mataram a vaca da sua tia.
demoraria tanto, informaram-nos de que a gravidez era algo de-
morado. Marque a opção CORRETA.
D) Os amigos apesar de terem esquecido de nos avisar que, A) O problema da frase I pode ser corrigido com uma vír-
demoraria tanto, informaram-nos, de que a gravidez era algo gula.
demorado. B) As duas frases podem ser corrigidas com o uso de pro-
E) Os amigos, apesar de, terem esquecido de nos avisar nome.
que demoraria tanto, informaram-nos de que a gravidez, era C) Ao colocarmos apenas um verbo, corrigiremos a frase II.
algo demorado. D) Apenas a frase I apresenta problema de ambiguidade.
E) Uma preposição resolveria o problema da frase II.
03. IPC - ES - Procurador Previdenciário I 2018 - IDECAN
RESPOSTAS

01 D
02 B
03 A
04 A
05 A

FORMAÇÃO E EMPREGO DAS CLASSES DE PALAVRAS.

ESTRUTURA E FORMAÇÃO DAS PALAVRAS

Ao estudar a estrutura das palavras, estamos penetrando


seu íntimo e conhecendo as várias partes que formam um todo
acabado e repleto de significado. Uma palavra é formada por
unidades mínimas que possuem significado, que são chamadas
elementos mórficos ou morfemas.
A palavra “maquininhas”, por exemplo, possui quatro mor-
Em “Júnior, hoje jantaremos fora!”, a presença da vírgula é femas:
obrigatória porque serve para:
A) Isolar o vocativo. maquin inh a s
B) Isolar o adjunto adverbial deslocado.
C) Separar orações coordenadas. Base do Indica grau Indica gênero Indica
D) Intercalar expressões explicativas. significado diminutivo feminino plural

04. - IF-MT - Direito – 2018 - IF-MT Raiz


O uso adequado da pontuação é fundamental para o bom
entendimento do texto. Nos casos abaixo, a vírgula está usada Origem das palavras. É onde se concentra a significação das
de forma inadequada em: palavras.
A) Todos os cidadãos brasileiros, são iguais perante a lei,
conforme a Constituição Federal. Exemplo: Raiz (carr- raiz nominal de carro).
B) Além disso, à noite, fazer caminhada até a minha casa é
inseguro.

15
LÍNGUA PORTUGUESA

Os morfemas que constituem as palavras são: radical, desi- Exemplos: paulada, cafeteira, gasômetro.
nência, vogal temática, afixos, vogais e consoantes de ligação.
Formação das Palavras
Radical
Há dois processos pelos quais se formam as palavras: Deri-
É a forma mínima que indica o sentido básico da palavra. vação e Composição. A diferença é que na derivação, partimos
Com o radical formamos famílias de palavras. sempre de um único radical, enquanto na composição sempre
haverá mais de um radical.
Exemplos:
Moço – moça – moçada – mocinha – moçoila - remoçar Derivação: processo pelo qual se obtém uma palavra nova
(derivada), a partir de outra já existente, (primitiva).
Desinência Exemplo: Terra (enterrar, terráqueo, aterrar). Observamos
que “terra” não se forma de nenhuma outra palavra, mas, pos-
Elementos colocados no final das palavras para indicar as- sibilitam a formação de outras, por meio do acréscimo de um
pectos gramaticais. As desinências são de dois tipos: sufixo ou prefixo. Sendo assim, terra e palavra primitiva, e as
demais, derivadas.
- nominal: indica o gênero (masculino/feminino) e o nú-
mero (singular/plural) dos substantivos, adjetivos pronomes e Tipos de Derivação
numerais.
Exemplo: menino, menina, meninos, meninas. - Prefixal ou Prefixação: acréscimo de prefixo à palavra pri-
mitiva, e tem o significado alterado: rever; infeliz, desamor.
- verbal: indica a pessoa (1ª, 2ª e 3ª), o número (singular/
plural), o tempo e o modo (indicativo, presente...). - Sufixal ou Sufixação: acréscimo de sufixo à palavra primi-
Exemplo: amássemos tiva, pode sofrer alteração de significado ou mudança de classe
gramatical: amoroso, felizmente, menininho.
am- (radical)
A derivação sufixal pode ser:
-á- (vogal temática)
Nominal: formando substantivos e adjetivos: riso – risonho.
- sse- (desinência modo subjuntivo e de tempo perfeito)
Verbal: formando verbos: atual - atualizar.
-mos (desinência de primeira pessoa e de número plural)
Adverbial: formando advérbios de modo: feliz – felizmente.
Vogal temática
- Parassintética ou Parassíntese: a palavra derivada resulta
do acréscimo simultâneo de prefixo e sufixo à palavra primitiva.
É o que torna possível a ligação entre o radical e a desinên- Por meio da parassíntese formam-se nomes (substantivos e ad-
cia. jetivos) e verbos. A presença de apenas um desses afixos não é
Observe o verbo dançar: suficiente para formar uma nova palavra.
Exemplos:
Danç: radical Esfriar, esquentar, amadurecer.
A: vogal temática
R: desinência de infinitivo. - Derivação Regressiva: uma palavra é formada não por
acréscimo, mas por redução: trabalhar – trabalho, castigar – cas-
A junção do radical danç- com a desinência –r no português tigo.
é impossível, é a vogal temática “a” que torna possível essa li-
gação. - Derivação Imprópria: ocorre quando determinada pala-
vra, sem sofrer qualquer acréscimo ou supressão em sua forma,
Afixos muda de classe gramatical. Assim:
- Adjetivos passam a substantivos
São morfemas que se colocam antes ou depois do radical - Particípios passam a substantivos ou adjetivos
alterando sua significação básica. São divididos em: - Infinitivos passam a substantivos
- Substantivos passam a adjetivos
- Prefixos: antepostos ao radical. - Adjetivos passam a advérbios: Falei baixo para que nin-
Exemplo: impossível, desleal. guém escutasse.
- Palavras invariáveis passam a substantivos
- Sufixos: pospostos ao radical. - Substantivos próprios tornam-se comuns
Exemplo: lealdade, felizmente.
Composição: processo que forma palavras compostas, pela
Vogais ou consoantes de ligação junção de dois ou mais radicais. São dois tipos:

As vogais ou consoantes de ligação podem ocorrer entre um - Justaposição: ao juntar duas ou mais palavras ou radicais,
morfema e outro por motivos eufônicos, facilitando ou até pos- não há alteração fonética: televisão, quinta-feira, girassol, cou-
sibilitando a leitura de uma palavra. ve-flor.

16
LÍNGUA PORTUGUESA

- Aglutinação: quando pelo menos uma das palavras que Um minuto apenas, que a água já está fervendo e as xícaras
formam o composto apresenta alteração em sua forma: aguar- já tilintam na bandeja. Vai sair bem coado e quentinho.
dente (água + ardente), vinagre (vinho + acre), planalto (plano Não é nada, não é nada, mas tu vais ver: serão mais alguns
+ alto). quilômetros de boa caminhada... E talvez uma pausa em teu ge-
mido!
QUESTÕES Um minutinho, estrangeiro, que teu café já vem cheirando...

01. IF/PA - Auxiliar em Administração – 2016 - FUNRIO (Aníbal Machado)

“Chegou o fim de semana. É tempo de encontrar os amigos Na palavra cafezinho temos os seguintes elementos mór-
no boteco e relaxar, mas a crise econômica vem deixando muitos ficos
paraenses de cabeça quente. Para ajudar o bolso dos amantes a) radical, vogal temática e sufixo.
da culinária de raiz, os bares participantes do Comida di Buteco b) radical, consoante de ligação e sufixo.
estão comercializando os petiscos preparados exclusivamente c) radical e sufixo.
para o concurso com um preço reduzido. O preço máximo é de d) radical e vogal temática.
R$ 25,90.” e) radical e consoante de ligação.
(O LIBERAL, 23 de abril de 2016)
04. BAHIAGÁS - Analista de Processos Organizacionais -
Assinale a alternativa que faz um comentário correto sobre Administração e Psicologia – 2017 – IESES
o processo de formação das palavras usadas nesse trecho. Assinale a alternativa em que todas as palavras estão IN-
a) As palavras “amigo e amantes” são formadas por prefi- CORRETAS:
xação. a) Luminescência; transparência; ascendência; maledicên-
b) As palavras “paraenses e participantes” são formadas por cia; flatulência.
sufixação. b) Dizêssemos; troucéssemos; portãozinhos; quizéreis; pu-
zesse.
c) A palavra “boteco” é formada por derivação a partir da
c) Assessorássemos; indenidade; dissesses; entre ti e nós;
palavra “bote”.
fizesse.
d) As palavras “culinária e petiscos” são formadas por deri-
d) Beleza; sutileza; pobreza; destreza; natureza.
vação regressiva.
e) Interdisciplinaridade; transitoriedade; notoriedade; titu-
e) A palavra “comercializando” é formada por aglutinação
laridade; liminaridade.
de “comer+comércio”.
05. Pref. de Aragoiânia/GO - Biólogo – 2017 – Itame
02. Pref. de Chapecó/SC - Engenheiro de Trânsito – 2016
– IOBV O irreverente cantor não agradou o público local.
“Infelizmente as cheias de 2011 castigaram de forma severa Aponte a alternativa em que o prefixo das palavras não
o Vale do Itajaí.” apresenta o significado existente no prefixo da palavra destaca-
Na frase acima (elaborada para fins de concurso) temos o da acima:
caso da expressão “Infelizmente”. A palavra pode ser assim de- a) desgoverno / ilegal
composta: in + feliz + mente. Aponte qual a função da partícula b) infiel / imoral
in dentro do processo de estruturação das palavras. c) anormal / destemor
a) Radical. d) imigrante / ingerir
b) Sufixo. Parte inferior do formulário
c) Prefixo.
d) Interfixo. 06. IF/BA - Auxiliar em Administração – 2016 – FUNRIO
Todas as palavras abaixo têm prefixo e sufixo, exceto este
03. (Pref. de Teresina/PI - Professor – Português – NUCE- verbo:
PE/2016) a) destinar.
b) desfivelar.
Aceita um cafezinho c) desfavorecer.
d) desbanalizar.
Ó Estrangeiro, ó peregrino, ó passante de pouca esperança e) despraguejar.
- nada tenho para te dar, também sou pobre e essas terras não
são minhas. Mas aceita um cafezinho. RESPOSTAS
A poeira é muita, e só Deus sabe aonde vão dar esses cami-
nhos. Um cafezinho, eu sei, não resolve o teu destino; nem faz
01 B
esquecer tua cicatriz.
Mas prova.... Bota a trouxa no chão, abanca-te nesta pedra 02 B
e vai preparando o teu cigarro...

17
LÍNGUA PORTUGUESA

03 A Exemplo:
Eles lançaram um alerta à nação. (à = preposição a + artigo
04 B definido a)
05 D
O artigo indefinido combina-se com as preposições em e
06 A de, originando, por exemplo, as formas num, numas, duns, etc.

SUBSTANTIVO
CLASSE GRAMATICAIS
Os substantivos nomeiam seres, coisas, ideias. Como pala-
ARTIGO vra variável, apresenta flexões de gênero, número e grau.

Artigo é a palavra que colocamos antes dos substantivos, Classificação


com a finalidade de determina-los e especificarmos seu gênero
e número. Substantivo Comum: Designa os seres de uma espécie de
Os artigos podem ser: forma genérica: casa, felicidade, mesa, criança, etc.
- definidos: o, a, os, as (Determinam os substantivos de for-
ma particular). Substantivo Próprio: Designa um ser específico, determina-
- indefinidos: um, uma, uns, umas (Determinam os substan- do, como: Recife, Mariana, Brasil, etc.
tivos de forma inespecífica).
Substantivo Concreto: Designa seres propriamente ditos
Exemplos: (pessoas, objetos, lugares), independentemente de sua existên-
Comprei o carro. (Um carro específico) cia real. Assim sendo, são exemplos: fada, saci, mesa, cinema,
Comprei um carro. (Um carro qualquer) etc.

Artigo Definido Substantivo Abstrato: Designa ações qualidades, ou esta-


dos, tomados como seres. Indica coisas que não existem por si,
Indica um substantivo específico, determinado. Dependen- que são resultado de uma abstração. É o caso de felicidade, po-
do da flexão de gênero e de número, assume as formas o, a, os, breza, caridade, etc..
as. Formação dos substantivos

Observe as possíveis variações de gênero e número: Substantivo Primitivo: erve de base para a formação de ou-
tros substantivos. Exemplo: rosa, pedra, gelo, etc.
O professor me repreendia.
A professora me repreendia. Substantivo Derivado: É formado a partir de um substantivo
Os professores me repreendiam. primitivo, como: roseiral, pedregulho, geleira, etc.
Substantivo Simples: É formado por um só radical, como:
Artigo Indefinido janela, livro, trem, etc.

Indica m ser qualquer dentre outros da mesma espécie. De- Substantivo Composto: É formado por mais de um radical,
pendendo da flexão de gênero e de número, assume as formas como em: arco-íris, arranha-céu, etc.
um, uma, uns, umas.
Substantivo Coletivo: É coletivo o substantivo no singular
Observe as possíveis variações de gênero e número, usan- que designa um conjunto de seres da mesma espécie.
do o mesmo exemplo anterior: - buquê – de flores
- alcateia – de lobos
Um professor me repreendia. - elenco – de artistas
Uma professora me repreendia. - legião – de soldados
Uns professores me repreendiam.
Gênero
Além das formas simples, os artigos apresentam formas
De acordo com o gênero (feminino e masculino) das pala-
combinadas com preposições. O artigo definido combina-se
vras substantiva, são classificadas em:
com as preposições a, de, em, por, originando, por exemplo, as
formas ao, do, nas, pelos, etc.
Substantivos Biformes: apresentam duas formas, uma para
Quando o artigo definido feminino (a, as) aparece combi- o masculino e outra para o feminino. Exemplo: médico e médica;
nado com a preposição a, temos um caso que merece destaque namorado e namorada.
especial: a essa fusão de duas vogais idênticas, graficamente re-
presentada por um a com acento grave (à, às), dá-se o nome de Substantivos Uniformes: somente um termo especifica os
crase. dois gêneros (masculino e feminino), sendo classificados em:

18
LÍNGUA PORTUGUESA

- Epicenos: palavra que apresenta somente um gênero e Exemplos:


refere-se aos animais, por exemplo: baleia (macho ou fêmea). - dente de cão (= canino)
- Sobrecomum: palavra que apresenta somente um gênero - água de chuva (= pluvial)
e refere-se às pessoas, por exemplo: criança (masculino e femi- - pneus de trás (= traseiro)
nino).
- Comum de dois gêneros: termo que se refere aos dois gê- Flexão
neros (masculino e feminino), identificado por meio do artigo
que o acompanha, por exemplo: “o dentista” e “a dentista”. Gêneros

Número - Adjetivos Uniformes: uma forma para os dois gêneros (fe-


minino e masculino). Exemplo: alegre.
São classificados em: - Adjetivos Biformes: varia conforme o gênero (masculino e
feminino). Exemplo: dengoso, dengosa.
Singular: palavra que designa uma única coisa, pessoa ou
um grupo, por exemplo: cama, homem. Número
Plural: palavra que designa várias coisas, pessoas ou gru-
pos, por exemplo: camas, homens. Os adjetivos podem vir no singular ou plural, concordando
com o número do substantivo referido. Assim, a sua formação é
Grau parecida à dos substantivos.

São classificados em aumentativo e diminutivo: Grau

Aumentativo: Indica o aumento do tamanho de algum ser São classificados em:


ou alguma coisa. Divide-se em:
- Analítico: substantivo acompanhado de adjetivo que indi- - Grau Comparativo: utilizado para comparar qualidades.
ca grandeza, por exemplo: menino grande.
- Sintético: substantivo com acréscimo de um sufixo indica- Comparativo de Igualdade – Chocolate é tão bom quanto
dor de aumento, por exemplo: meninão. pizza.
Diminutivo: Indica a diminuição do tamanho de algum ser Comparativo de Superioridade – Rui é mais esforçado que
ou alguma coisa. Divide-se em: Marcos.
- Analítico: substantivo acompanhado de um adjetivo que Comparativo de Inferioridade – Mariana é menos feliz que
indica pequenez, por exemplo: menino pequeno. Paula.
- Sintético: substantivo com acréscimo de um sufixo indica- - Grau Superlativo - utilizado para intensificar qualidades.
dor de diminuição, por exemplo: menininho.
Superlativo Absoluto:
ADJETIVO Analítico - A casa é extremamente luxuosa.
Sintético - Larissa é organizadíssima.
Adjetivo é a palavra que modifica o substantivo, atribuindo- Superlativo Relativo de:
-lhe um estado, qualidade ou característica. Superioridade - A cidade é a mais bonita da região.
Inferioridade - Este computador é o menos moderno do
Classificação escritório.

Simples - formado por um só radical. Exemplo: bonita. Somente seis adjetivos têm o grau comparativo de superio-
Composto - formado por mais de um radical. Exemplo: lati- ridade sintético. Veja-os:
no-americano.
Primitivo - não deriva de outra palavra. Exemplo: claro, bom – melhor
grande. mau – pior
Derivado - tem origem em outra palavra. Exemplo: toleran- grande – maior
te (vem de tolerar). pequeno – menor
Pátrio - é o que se refere a países, estados, cidades, etc. alto – superior
Exemplo: brasileiro, mineiro, carioca, etc. baixo – inferior

Locução Adjetiva NUMERAL

É toda reunião de duas ou mais palavras com valor de uma O numeral é a palavra que indica, em termos numéricos,
só. Geralmente, as locuções adjetivas são formadas por uma um número exato ou a posição que tal coisa ocupa numa série.
preposição e um substantivo, ou uma preposição e um advér-
bio.

19
LÍNGUA PORTUGUESA

Classificação deais; Vossa Excelência (V.Ex.a) - altas autoridades, presidente,


oficiais; Vossa Magnificência (V.Mag.a) - reitores de universida-
Cardinais: Forma básica dos números, indicam contagem, des; Vossa Majestade (V.M.) – reis, imperadores; Vossa Santida-
medida. Exemplo, um, dois, três… de (V.S.) - Papa; Vossa Senhori (V.Sa) - tratamento cerimonioso.

Ordinais: Indica ordem de uma sequência. Exemplo, primei- - Além desses, são pronomes de tratamento: senhor, senho-
ro, segundo, terceiro… ra, senhorita, dona, você.
- A forma Vossa (Senhoria, Excelência) é empregada quando
Fracionários: Indicam a diminuição das proporções numé- se fala com a própria pessoa: Vossa Senhoria não compareceu à
ricas, ou seja, representam uma parte de um todo. Exemplo, reunião dos semterra? (falando com a pessoa)
meio, terço, quarto, quinto… - A forma Sua (Senhoria, Excelência ) é empregada quando
se fala sobre a pessoa: Sua Eminência, o cardeal, viajou paraum
Multiplicativos: Determina o aumento da quantidade por Congresso. (falando a respeito do cardeal)
meio de múltiplos. Exemplo, dobro, triplo, quádruplo, quíntu-
plo… Pronomes Possessivo

Coletivos: Número exato que faz referência a um conjun- Os pronomes possessivos são aqueles que transmitem a
to de seres. Exemplo: dúzia (conjunto de 12), dezena (conjunto ideia de posse, por exemplo: Esse carro é seu?
de 10), centena (conjunto de 100), semestre (conjunto de 6),
bimestre (conjunto de 2). Pessoas Verbais Pronomes Possessivos

Ordinal Cardinal Ordinal Cardinal 1ª pessoa do singular meu, minha (singular); meus,
Um Primeiro Vinte Vigésimo (eu) minhas (plural)

Dois Segundo Trinta Trigésimo 2ª pessoa do singular teu, tua (singular); teus, tuas
Três Terceiro Cinquenta Quinquagésimo (tu, você) (plural)
Quatro Quarto Sessenta Sexagésimo
3ª pessoa do singular seu, sua (singular); seus, suas
Cinco Quinto Oitenta Octogésimo (ele/ela) (plural)
Seis Sexto Cem Centésimo
1ª pessoa do plural nosso, nossa (singular); nossos,
Sete Sétimo Quinhentos Quingentésimo (nós) nossas (plural)
Oito Oitavo Setecentos Setingentésimo
Nove Nono Novecentos Noningentésimo 2ª pessoa do plural vosso, vossa (singular); vossos,
(vós, vocês) vossas (plural)
Dez Décimo Mil Milésimo
PRONOME 3ª pessoa do plural seu, sua (singular); seus, suas
(eles/elas) (plural)
Pronome é a palavra que substitui ou acompanha o subs-
tantivo, indicando sua posição em relação às pessoas do discur-
Pronomes Demonstrativos
so ou mesmo situando-o no espaço e no tempo.
Os pronomes demostrativos são utilizados para indicar algo.
Pronomes Pessoais Reúnem palavras variáveis (esse, este, aquele, essa, esta, aque-
la) e invariáveis (isso, isto, aquilo).
Retos – têm função de sujeito da oração: eu, tu, ele, nós,
vós, eles. Relação ao tempo
Oblíquos têm função de complemento do verbo (objeto di- Este (s), esta (s), isto: indicam o tempo presente em relação
reto / objeto indireto) ou as, lhes. - Ele viajará conosco. (elepro- ao momento em que se fala. Exemplo: Esta semana é a última
nome reto / vaiverbo / conosco complemento nominal). antes da prova.
- tônicos com preposição: mim, comigo, ti, contigo,si, consi- Esse (s), essa (s), isso: indicam tempo no passado ou no fu-
go, conosco, convosco; turo. Exemplos: Onde você foi esse feriado? / Serei reconhecido
- átonos sem preposição: me, te, se, o, a, lhe, nos, vos, pelo meu esforço. Quando esse dia chegar, estarei satisfeito.
os,pronome oblíquo) Aquele (s), aquela (s), aquilo: indicam um tempo distante
em relação ao momento em que se fala. Exemplo: Lembro-me
Pronomes de Tratamento bem aquele tempo em que viajávamos de trem.

Dependendo da pessoa a quem nos dirigimos, do seu cargo, Relação ao espaço


idade, título, o tratamento será familiar ou cerimonioso: Vossa Este (s), esta (s), isto: o ser ou objeto que está próximo da
Alteza (V.A.) - príncipes, duques; Vossa Eminência (V.Ema) - car- pessoa que fala. Exemplo: Este é o meu filho.

20
LÍNGUA PORTUGUESA

Esse (s), essa (s), isso: a pessoa ou a coisa próxima daquela


com quem falamos ou para quem escrevemos. Exemplo: Por fa- Pronomes
Classificação Exemplos
vor, poderia passar esse copo? Interrogativos
Aquele (s), aquela (s), aquilo: o ser ou objeto que está longe
de quem fala e da pessoa de quem se fala (3ª pessoa). Exemplo: Quem estragou
Com licença, poderia dizer o preço daquele casaco? meu vestido?
Invariáveis quem, que.
Que problema
Pronomes Indefinidos ocorreu?

Empregados na 3ª pessoa do discurso, o próprio nome já VERBO


mostra que os pronomes indefinidos substituem ou acompa-
nham o substantivo de maneira vaga ou imprecisa. Exprime ação, estado, mudança de estado, fenômeno da
natureza e possui inúmeras flexões, de modo que a sua conjuga-
ção é feita em relação as variações de pessoa, número, tempo,
Classificação Pronomes Indefinidos modo, voz e aspeto.
algum, alguma, alguns, algumas, nenhum, Os verbos estão agrupados em três conjugações:
nenhuma, nenhuns, nenhumas, muito, 1ª conjugação – ar: amar, caçar, começar.
muita, muitos, muitas, pouco, pouca, 2ª conjugação – er: comer, derreter, beber.
poucos, poucas, todo, toda, todos, todas, 3ª conjugação – ir: curtir, assumir, abrir.
outro, outra, outros, outras, certo, certa,
Variáveis
certos, certas, vário, vária, vários, várias, O verbo pôr e seus derivados (repor, depor, dispor, compor,
tanto, tanta, tantos, tantas, quanto, impor) pertencem a 2ª conjugação devido à sua origem latina
quanta, quantos, quantas, qualquer, poer.
quaisquer, qual, quais, um, uma, uns,
umas. Pessoas: 1ª, 2ª e 3ª pessoa, em 2 situações: singular e plu-
ral.
quem, alguém, ninguém, tudo, nada, 1ª pessoa do singular – eu; ex.: eu viajo
Invariáveis
outrem, algo, cada. 2ª pessoa do singular – tu; ex.: tu viajas
3ª pessoa do singular – ele; ex.: ele viaja
Pronomes Relativos 1ª pessoa do plural – nós; ex.: nós viajamos
2ª pessoa do plural – vós; ex.: vós viajais
Os pronomes relativos se referem a um substantivo já dito 3ª pessoa do plural – eles; ex.: eles viajam
anteriormente na oração. Podem ser palavras variáveis e inva-
riáveis. Essa palavra da oração anterior chamase antecedente: Tempos do Verbo
Viajei para uma cidade que é muito pequena. ercebese que o
pronome relativo que, substitui na 2ª oração, a cidade, por isso Presente: Ocorre no momento da fala. Ex.: trabalha
a palavra que é um pronome relativo. Pretérito: Ocorrido antes. Ex.: trabalhou
São divididos em: Futuro: Ocorrido depois. Ex.: trabalhará
Variáveis: o qual, os quais, a qual, as quais, cujo, cujos, cuja, O pretérito subdivide-se em:
cujas, quanto, quantos; - Perfeito: Ação acabada. Ex.: Eu limpei a sala.
Invariáveis: que, quem, quando, como, onde. - Imperfeito: Ação inacabada no momento a que se refere à
narração. Ex.: Ele ficou no hospital por dias.
Pronomes Interrogativos - Mais-que-perfeito: Ação acabada, ocorrida antes de outro
fato passado. Ex.: Para ser mais justo, ele partira o bolo em fatias
São palavras variáveis e invariáveis empregadas para pequenas.
formular perguntas diretas e indiretas.
O futuro subdivide-se em:
- Futuro do Presente: Refere-se a um fato imediato e certo.
Pronomes Ex.: Participarei do grupo.
Classificação Exemplos
Interrogativos - Futuro do Pretérito: Pode indicar condição, referindo-se
a uma ação futura, ligada a um momento já passado. Ex.: Iria
Quanto custa? ao show se tivesse dinheiro. (Indica condição); Ele gostaria de
qual, quais,
Variáveis quanto, quantos, assumir esse compromisso.
Quais sapatos
quanta, quantas.
você prefere? Modos Verbais

Indicativo: Mostra o fato de maneira real, certa, positiva.


Ex.: Eu falo alemão.

21
LÍNGUA PORTUGUESA

Subjuntivo: Pode exprimir um desejo e apresenta o fato Pretérito mais-que-perfeito - cantara, vendera, partira, etc.
como possível ou duvidoso, hipotético. Ex.: Se eu tivesse dinhei- Futuro do presente - cantarei, venderei, partirei, etc.
ro, compraria um carro. Futuro do pretérito - cantaria, venderia, partiria, etc.
Imperativo: Exprime ordem, conselho ou súplica. Ex.: Des-
canse bastante nestas férias. Subjuntivo: apresenta o fato, a ação, mas de maneira incer-
ta, imprecisa, duvidosa ou eventual.
Formas nominais Presente - cante, venda, parta, etc.
Pretérito imperfeito - cantasse, vendesse, partisse, etc.
Temos três formas nominais: Infinitivo, gerúndio e particí- Futuro - cantar, vender, partir.
pio, e são assim chamadas por desempenhar um papel parecido
aos dos substantivos, adjetivos ou advérbios e, sozinhas, não se- Imperativo: Ao indicar ordem, conselho, pedido, o fato ver-
rem capazes de expressar os modos e tempos verbais. bal pode expressar negação ou afirmação. São, portanto, duas
as formas do imperativo:
Infinitivo - Imperativo Negativo (Formado pelo presente do subjunti-
vo): Não abram a porta.
Pessoal: Refere às pessoas do discurso. Não é flexionado - Imperativo Afirmativo (Formado do presente do subjunti-
nas 1ª e 3ª pessoas do singular e flexionadas nas demais: vo, com exceção da 2ª pessoas do singular e do plural, que são
Estudar (eu) – não flexionado retiradas do presente do indicativo sem o “s”. Ex: Anda – Ande
Estudares (tu) – flexionado – Andemos – Andai – Andem: Abram a porta.
Estudar(ele) – não flexionado
Estudarmos (nós) – flexionado Obs.: O imperativo não possui a 1ª pessoa do singular, pois
Estudardes (voz) – flexionado não se prevê a ordem, conselho ou pedido a si mesmo.
Estudarem (eles) – flexionado
Tempos compostos: Formados pelos auxiliares ter ou haver.
Impessoal: É o infinitivo impessoal quando não se refere às
pessoas do discurso. Exemplos: caminhar é bom. (a caminhada Infinitivo:
é boa); É proibido fumar. (é proibido o fumo) Pretérito impessoal composto - ter falado, ter vendido, etc.
Pretérito pessoal composto - ter (teres) falado, ter (teres)
Gerúndio vendido.
Gerúndio pretérito composto – tendo falado, tendo vendi-
Caracteriza-se pela terminação -ndo. O verbo não se flexio- do.
na e pode exercer o papel de advérbio e de adjetivo.
Indicativo:
Exemplo: Ela estava trabalhando quando telefonaram. Pretérito perfeito composto - tenho cantado, tenho vendi-
do, etc.
Particípio Pretérito mais-que-perfeito composto - tinha cantado, tinha
vendido, etc.
Pode ser regular e irregular. Futuro do presente composto - terei cantado, terei vendido,
Particípio regular: se caracteriza pela terminação -ado, -ido. etc.
Futuro do pretérito composto - teria cantado, teria vendido,
Exemplo: Eles tinham partido em uma aventura sem fim. etc.

Particípio irregular: pode exercer o papel de adjetivo. Subjuntivo:


Pretérito perfeito composto - tenha cantado, tenha vendi-
Exemplo: Purê se faz com batata cozida. do, etc.
Pretérito mais-que-perfeito composto - tivesse cantado, ti-
Por apresentar mais que uma forma, o particípio é classi- vesse vendido, etc.
ficado como verbo abundante. É importante lembrar que nem Futuro composto - tiver cantado, tiver vendido, etc.
todos os verbos apresentam duas formas de particípio: (aberto,
coberto, escrever). ADVÉRBIO

Tempos Simples e Tempos Compostos São palavras que modificam um verbo, um adjetivo ou ou-
tro advérbio.
Tempos simples: formados apenas pelo verbo principal.
Classificação dos Advérbios
Indicativo:
Presente - canto, vendo, parto, etc. Modo: Bem, mal, assim, adrede, melhor, pior, depressa,
Pretérito perfeito - cantei, vendi, parti, etc. acinte, debalde, devagar, ás pressas, às claras, às cegas, à toa,
Pretérito imperfeito - cantava, vendia, partia, etc. à vontade, às escondas, aos poucos, desse jeito, desse modo,

22
LÍNGUA PORTUGUESA

dessa maneira, em geral, frente a frente, lado a lado, a pé, de - de igualdade. Ex.: Enxergo tão bem quanto você.
cor, em vão e a maior parte dos que terminam em -mente: - de superioridade. Ex.: Enxergarei melhor que você.
calmamente, tristemente, propositadamente, pacientemente, - de inferioridade. Ex.: Enxergaremos pior que você.
amorosamente, docemente, escandalosamente, bondosamen-
te, generosamente. Grau Superlativo: A circunstância aparecerá intensificada.
Pode ser formado tanto pelo processo sintético (acréscimo de
Intensidade: Muito, demais, pouco, tão, menos, em exces- sufixo), como pelo analítico (outro advérbio estará indicando o
so, bastante, pouco, mais, menos, demasiado, quanto, quão, grau superlativo).
tanto, assaz, que (equivale a quão), tudo, nada, todo, quase, de
todo, de muito, por completo, bem (quando aplicado a proprie-
- superlativo (ou absoluto) sintético: Acréscimo de sufixo.
dades graduáveis).
Ex.: Este conteúdo é facílimo.
Lugar: Aqui, antes, dentro, ali, adiante, fora, acolá, atrás, - superlativo (ou absoluto) analítico: Precisamos de um ad-
além, lá, detrás, aquém, cá, acima, onde, perto, aí, abaixo, aon- vérbio de intensidade. Ex.: Este conteúdo é muito fácil.
de, longe, debaixo, algures, defronte, nenhures, adentro, afora,
alhures, nenhures, aquém, embaixo, externamente, a distância, Ao empregamos dois ou mais advérbios terminados em –
a distância de, de longe, de perto, em cima, à direita, à esquer- mente, acrescentamos o sufixo apenas no último. Ex.: Muito fez
da, ao lado, em volta. pelo seu povo; trabalhou duro, árdua e ininterruptamente.

Tempo: Hoje, logo, primeiro, ontem, tarde, outrora, ama- PREPOSIÇÃO


nhã, cedo, dantes, depois, ainda, antigamente, antes, doravan-
te, nunca, então, ora, jamais, agora, sempre, já, enfim, afinal, Palavra invariável que liga dois termos da oração, numa
amiúde, breve, constantemente, entrementes, imediatamente, relação de subordinação donde, geralmente, o segundo termo
primeiramente, provisoriamente, sucessivamente, às vezes, à subordina o primeiro. As preposições estabelecem a coesão tex-
tarde, à noite, de manhã, de repente, de vez em quando, de tual e possuem valores semânticos indispensáveis para a com-
quando em quando, a qualquer momento, de tempos em tem- preensão do texto.
pos, em breve, hoje em dia.
Tipos de Preposição
Negação: Não, nem, nunca, jamais, de modo algum, de for-
ma nenhuma, tampouco, de jeito nenhum.
Lugar: O voo veio de São Francisco.
Dúvida: Acaso, porventura, possivelmente, provavelmente, Modo: Os alunos eram colocados em carteiras.
quiçá, talvez, casualmente, por certo, quem sabe. Tempo: Ele viajou por três anos.
Distância: A vinte quilômetros daqui há um pedágio.
Afirmação: Sim, certamente, realmente, decerto, efetiva- Causa: Parou de andar, pois estava com sede.
mente, certo, decididamente, realmente, deveras, indubitavel- Instrumento: Ela cortou o bolo com uma faca pequena.
mente. Finalidade: A igreja foi enfeitada para o casamento.

Exclusão: Apenas, exclusivamente, salvo, senão, somente, Classificação


simplesmente, só, unicamente.
Inclusão: Ainda, até, mesmo, inclusivamente, também. As preposições podem ser divididas em dois grupos:
- Preposições Essenciais –palavras que só funcionam como
Interrogação: porque? (causa), quanto? (preço e intensida- preposição, a saber: a, ante, após, até, com, contra, de, desde,
de), onde? (lugar), como? (modo), quando? (tempo), para que? em, entre, para, per, perante, por, sem, sob, sobre, trás.
(finalidade). - Preposições Acidentais –palavras de outras classes grama-
ticais que, podem funcionar como preposição, a saber: afora,
Ordem: Depois, primeiramente, ultimamente. como, conforme, consoante, durante, exceto, mediante, menos,
salvo, segundo, visto etc.
Designação: Eis

Flexão Locuções prepositivas: são formadas por duas ou mais pa-


lavras com o valor de preposição, sempre terminando por uma
São consideradas palavras invariáveis por não terem flexão preposição, por exemplo: Abaixo de, acerca de, acima de, ao
de número (singular e plural) e gênero (masculino, feminino); lado de, a respeito de, de acordo com, em cima de, embaixo de,
entretanto, são flexionadas nos graus comparativo e superlativo. em frente a, ao redor de, graças a, junto a, com, perto de, por
causa de, por cima de, por trás de.
Grau Comparativo: O advérbio pode caracterizar relações
de igualdade, inferioridade ou superioridade. Para indicar esse A preposição é invariável. Porém, pode unir-se a outras pa-
grau utilizam as formas tão…quanto, mais…que, menos…que. lavras e estabelecer concordância em gênero ou em número.
Pode ser: Ex.: por + o = pelo; por + a = pela.

23
LÍNGUA PORTUGUESA

Essa concordância não é característica da preposição e sim INTERJEIÇÃO


das palavras a que se ela se une. Esse processo de junção de
uma preposição com outra palavra pode se dar a partir de dois É uma palavra invariável, que representa um recurso da lin-
processos: guagem afetiva, expressando sentimentos, sensações, estados
de espírito, sempre acompanhadas de um ponto de exclamação
- Combinação: A preposição não sofre alteração. (!).
preposição a + artigos definidos o, os As interjeições são consideradas “palavras-frases” na me-
a + o = ao dida em que representam frases-resumidas, formadas por sons
preposição a + advérbio onde vocálicos (Ah! Oh! Ai!), por palavras (Droga! Psiu! Puxa!) ou por
a + onde = aonde um grupo de palavras, nesse caso, chamadas de locuções inter-
jetivas (Meu Deus! Ora bolas!).
- Contração: Quando a preposição sofre alteração.
Preposição + Artigos Tipos de Interjeições
De + o(s) = do(s)
De + a(s) = da(s) Mesmo não havendo uma classificação rigorosa, já que a
De + um = dum mesma interjeição pode expressar sentimentos ou sensações
De + uns = duns diferentes, as interjeições ou locuções interjetivas são classifi-
De + uma = duma cadas em:
De + umas = dumas
Em + o(s) = no(s) Advertência: Cuidado!, Olhe!, Atenção!, Fogo!, Calma!, De-
Em + a(s) = na(s) vagar!, Sentido!, Vê bem!, Volta aqui!
Em + um = num Afugentamento: Fora!, Toca!, Xô!, Passa!, Sai!, Roda!, Arre-
Em + uma = numa da!, Rua!, Cai fora!, Vaza!
Em + uns = nuns Agradecimento: Graças a Deus!, Obrigado!, Agradecido!,
Em + umas = numas Muito obrigada!, Valeu!
A + à(s) = à(s) Alegria: Ah!, Eh!, Oh!, Oba!, Eba!, Viva!, Olá!, Eita!, Uhu!,
Por + o = pelo(s) Que bom!
Por + a = pela(s) Alívio: Ufa!, Uf!, Arre!, Ah!, Eh!, Puxa!, Ainda bem!
Ânimo: Coragem!, Força!, Ânimo!, Avante!, Vamos!, Firme!,
- Preposição + Pronomes Bora!
De + ele(s) = dele(s) Apelo: Socorro!, Ei!, Ô!, Oh!, Alô!, Psiu!, Olá!, Eh!
De + ela(s) = dela(s) Aplauso: Muito bem!, Bem!, Bravo!, Bis!, É isso aí!, Isso!,
De + este(s) = deste(s) Parabéns!, Boa!
De + esta(s) = desta(s) Chamamento: Alô!, Olá!, Hei!, Psiu!, ô!, oi!, psiu!
De + esse(s) = desse(s) Concordância: Claro!, Sem dúvida!, Então!, Sim!, Pois não!,
De + essa(s) = dessa(s) Tá!, Hã-hã!
De + aquele(s) = daquele(s) Contrariedade: Droga!, Credo!
De + aquela(s) = daquela(s) Desculpa: Perdão!, Opa!, Desculpa!, Foi mal!
De + isto = disto Desejo: Oxalá!, Tomara!, Queira Deus!, Quem me dera!
De + isso = disso Despedida: Adeus!, Até logo!, Tchau!, Até amanhã!
De + aquilo = daquilo Dor: Ai!, Ui!, Ah!, Oh!, Meu Deus!, Ai de mim!
De + aqui = daqui Dúvida: Hum?, hem?, hã?, Ué!
De + aí = daí Espanto: Oh!, Puxa!, Quê!, Nossa!, Caramba!, Xi!, Meu
De + ali = dali Deus!, Crê em Deus pai!
De + outro = doutro(s) Estímulo: Ânimo!, Coragem!, Vamos!, Firme!, Força!
De + outra = doutra(s) Medo: Oh!, Credo!, Cruzes!, Ui!, Ai!, Uh!, Socorro!, Que
Em + este(s) = neste(s) medo!, Jesus!
Em + esta(s) = nesta(s) Satisfação: Viva!, Oba!, Boa!, Bem!, Bom!
Em + esse(s) = nesse(s) Saudação: Alô!, Oi!, Olá!, Adeus!, Tchau!, Salve!
Em + aquele(s) = naquele(s) Silêncio: Psiu!, Shh!, Silêncio!, Basta!, Calado!, Quieto!, Bico
Em + aquela(s) = naquela(s) fechado!
Em + isto = nisto
Em + isso = nisso CONJUNÇÃO
Em + aquilo = naquilo
A + aquele(s) = àquele(s) É um termo que liga duas orações ou duas palavras de mes-
A + aquela(s) = àquela(s) mo valor gramatical, estabelecendo uma relação (de coordena-
A + aquilo = àquilo ção ou subordinação) entre eles.

24
LÍNGUA PORTUGUESA

Classificação
-Conjunções Condicionais: Iniciam orações subordinadas
Conjunções Coordenativas: Ligam duas orações indepen- que exprimem hipótese ou condição para que o fato da oração
dentes. principal se realize ou não: caso, contanto que, salvo se, desde
que, a não ser que.
-Conjunções Aditivas: Exprimem soma, adição de pensa-
mentos: e, nem, não só...mas também, não só...como também. Exemplo: Se não chover, irei à festa.

Exemplo: João não lê nem escreve. -Conjunções Conformativas: Iniciam orações subordinadas
que exprimem acordo, concordância de um fato com outro: se-
-Conjunções Adversativas: Exprimem oposição, contraste, gundo, como, conforme.
compensação de pensamentos: mas, porém, contudo, entre-
tanto, no entanto, todavia. Exemplo: Cada um oferece conforme ganha.

Exemplo: Não viajamos, porém, poupamos dinheiro. -Conjunções Consecutivas: Iniciam orações subordinadas
que exprimem a consequência ou o efeito do que se declara na
-Conjunções Alternativas: Exprimem escolha de pensamen- oração principal: que, de forma que, de modo que, de maneira
tos: ou...ou, já...já, ora...ora, quer...quer, seja...seja. que.

Exemplo: Ou você casa, ou compra uma bicicleta. Exemplo: Estava tão linda, de modo que todos pararam para
olhar.
Conjunções Conclusivas: Exprimem conclusão de pensa-
mento: logo, por isso, pois (quando vem depois do verbo), por- -Conjunções Temporais: Iniciam orações subordinadas que
tanto, por conseguinte, assim. dão ideia de tempo: logo que, antes que, quando, assim que,
sempre que.

Exemplo: Estudou bastante, portanto será aprovado. Exemplo: Quando as visitas chegarem, comporte-se.

-Conjunções Explicativas: Exprimem razão, motivo: que, -Conjunções Finais: Iniciam orações subordinadas que ex-
porque, assim, pois (quando vem antes do verbo), porquanto, primem uma finalidade: a fim de que, para que.
por conseguinte.
Exemplo: Estudou a fim de conseguir algo melhor.
Exemplo: Não pode ligar, pois estava sem bateria.
-Conjunções Proporcionais: Iniciam orações subordinadas
Conjunções Subordinativas: Ligam orações dependentes que exprimem concomitância, simultaneidade: à medida que,
uma da outra. à proporção que, ao passo que, quanto mais, quanto menos,
quanto menor, quanto melhor.
-Conjunções Integrantes: Introduzem orações subordinadas
com função substantiva: que, se. Exemplo: Ao passo que cresce, sua educação diminui.

Exemplo: Quero que sejas muito feliz.

-Conjunções Causais: Introduzem orações subordinadas que


dão ideia de causa: que, porque, como, pois, visto que, já que,
uma vez que.
Exemplo: Como tive muito trabalho, não pude ir à festa.

-Conjunções Comparativas: Introduzem orações subordina-


das que dão ideia de comparação: que, do que, como.

Exemplo: Meu cachorro é mais inteligente do que o seu.

-Conjunções Concessivas: Iniciam orações subordinadas que


exprimem um fato contrário ao da oração principal: embora,
ainda que, mesmo que, se bem que, posto que, apesar de que,
por mais que, por melhor que.

Exemplo: Vou ao mercado, embora esteja sem muito di-


nheiro.

25
LÍNGUA PORTUGUESA

QUESTÕES

01. IF-AP – Auxiliar em Administração – 2016 - FUNIVERSA

No segundo quadrinho, correspondem, respectivamente, a substantivo, pronome, artigo e advérbio:


a) “guerra”, “o”, “a” e “por que”.
b) “mundo”, “a”, “o” e “lá”.
c) “quando”, “por que”, “e” e “lá”.
d) “por que”, “não”, “a” e “quando”.
e) “guerra”, “quando”, “a” e “não”.

02. MPE/SP - Oficial de Promotoria I – 2017 - VUNESP

Japão irá auxiliar Minas Gerais com a experiência no enfrentamento de tragédias

Acostumados a lidar com tragédias naturais, os japoneses costumam se reerguer em tempo recorde depois de catástrofes. Mi-
nas irá buscar experiência e tecnologias para superar a tragédia em Mariana

A partir de janeiro, Minas Gerais irá se espelhar na experiência de enfrentamento de catástrofes e tragédias do Japão, para tentar
superar Mariana e recuperar os danos ambientais e sociais. Bombeiros mineiros deverão receber treinamento por meio da Agência
de Cooperação Internacional do Japão (Jica), a exemplo da troca de experiências que já acontece no Estado com a polícia comunitária,
espelhada no modelo japonês Koban.
O terremoto seguido de um tsunami que devastou a costa nordeste do Japão em 2011 deixando milhares de mortos e desapareci-
dos, e prejuízos que quase chegaram a US$ 200 bilhões, foi uma das muitas tragédias naturais que o país enfrentou nos últimos anos.
Menos de um ano depois da catástrofe, no entanto, o Japão já voltava à rotina. É esse tipo de experiência que o Brasil vai buscar para
lidar com a tragédia ocorrida em Mariana.
(Juliana Baeta, http://www.otempo.com.br, 10.12.2015. Adaptado)

No trecho – Bombeiros mineiros deverão receber treinamento... – (1o parágrafo), a expressão em destaque é formada por
substantivo + adjetivo, nessa ordem. Essa relação também se verifica na expressão destacada em:
Parte superior do formulário
a) A imprudente atitude do advogado trouxe-me danos.
b) Entrou silenciosamente, com um espanto indisfarçável.
c) Alguma pessoa teve acesso aos documentos da reunião?
d) Trata-se de um lutador bastante forte e preparado.
e) Estiveram presentes à festa meus estimados padrinhos.

03. CISMEPAR/PR - Técnico Administrativo – 2016 - FAUEL

“Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos. Dotados de razão e de consciência, devem agir uns
para com os outros em espírito de fraternidade. Todo indivíduo tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal. Toda a pessoa
tem direito ao trabalho, à livre escolha do trabalho, a condições equitativas e satisfatórias de trabalho e à proteção contra o desem-
prego”.

26
LÍNGUA PORTUGUESA

De acordo com a gramática da língua portuguesa, adjetivo é IV. As ruas são bem estreitas para que um prédio faça
a palavra que qualifica um substantivo. Aponte a afirmativa que sombra no outro. (3º parágrafo)
contenha somente adjetivos retirados do texto. O termo “que” é pronome e pode ser substituído por “o
a) livres, iguais, equitativas, satisfatórias. qual” APENAS em
b) todos, dever, fraternidade, liberdade. Parte superior do formulário
c) trabalho, ter, direito, desemprego. a) I e II.
d) espírito, seres, nascer, livre. b) II e III.
c) I, II e IV.
04. Prefeitura de Barra de Guabiraba/PE - Nível Funda- d) I e IV.
mental Completo – 2016 - IDHTEC e) III e IV.
Assinale a alternativa em que o numeral está escrito por
extenso corretamente, de acordo com a sua aplicação na frase: 06. Pref. de Itaquitinga/PE - Assistente Administrativo –
a) Os moradores do bairro Matão, em Sumaré (SP), temem 2017 - IDHTEC
que suas casas desabem após uma cratera se abrir na Avenida
Papa Pio X. (DÉCIMA) Morto em 2015, o pai afirma que Jules Bianchi não
b) O acidente ocorreu nessa terça-feira, na BR-401 (QUA- __________culpa pelo acidente. Em entrevista, Philippe Bian-
TROCENTAS E UMA) chi afirma que a verdade nunca vai aparecer, pois os pilotos
c) A 22ª edição do Guia impresso traz uma matéria e teve a __________ medo de falar. “Um piloto não vai dizer nada se
sua página Classitêxtil reformulada. (VIGÉSIMA SEGUNDA) existir uma câmera, mas quando não existem câmeras, todos
d) Art. 171 - Obter, para si ou para outrem, vantagem ilíci- __________ até mim e me dizem. Jules Bianchi bateu com seu
ta, em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro, carro em um trator durante um GP, aquaplanou e não conseguiu
mediante artifício, ardil. (CENTÉSIMO SETÉSIMO PRIMEIRO) __________para evitar o choque.
e) A Semana de Arte Moderna aconteceu no início do sécu- (http://espn.uol.com.br/noticia/603278_pai-diz-que-pilo-
lo XX. (SÉCULO DUCENTÉSIMO) tos-da-f-1-temmedo-de-falar-a-verdade-sobre-o-acidente-fatal-
-de-bianchi)
05. ELETROBRAS-ELETROSUL - Técnico de Segurança do
Trabalho – 2016 - FCC Complete com a sequência de verbos que está no tempo,
modo e pessoa corretos:
Abu Dhabi constrói cidade do futuro, com tudo movido a a) Tem – tem – vem - freiar
energia solar b) Tem – tiveram – vieram - frear
c) Teve – tinham – vinham – frenar
Bem no meio do deserto, há um lugar onde o calor é extre- d) Teve – tem – veem – freiar
mo. Sessenta e três graus ou até mais no verão. E foi exatamente e) Teve – têm – vêm – frear
por causa da temperatura que foi construída em Abu Dhabi uma
das maiores usinas de energia solar do mundo. 07. (UNIFESP - Técnico em Segurança do Trabalho – VU-
Os Emirados Árabes estão investindo em fontes energéticas NESP/2016)
renováveis. Não vão substituir o petróleo, que eles têm de sobra
por mais 100 anos pelo menos. O que pretendem é diversificar e É permitido sonhar
poluir menos. Uma aposta no futuro.
A preocupação com o planeta levou Abu Dhabi a tirar do pa- Os bastidores do vestibular são cheios de histórias – curio-
pel a cidade sustentável de Masdar. Dez por cento do planejado sas, estranhas, comoventes. O jovem que chega atrasado por
está pronto. Um traçado urbanístico ousado, que deixa os car- alguns segundos, por exemplo, é uma figura clássica, e patética.
ros de fora. Lá só se anda a pé ou de bicicleta. As ruas são bem Mas existem outras figuras capazes de chamar a atenção.
estreitas para que um prédio faça sombra no outro. É perfeito Takeshi Nojima é um caso. Ele fez vestibular para a Faculda-
para o deserto. Os revestimentos das paredes isolam o calor. E a de de Medicina da Universidade do Paraná. Veio do Japão aos
direção dos ventos foi estudada para criar corredores de brisa. 11 anos, trabalhou em várias coisas, e agora quer começar uma
(Adaptado de: “Abu Dhabi constrói cidade do futuro, com carreira médica.
tudo movido a energia solar”. Disponível em:http://g1.globo. Nada surpreendente, não fosse a idade do Takeshi: ele tem
com/globoreporter/noticia/2016/04/abu-dhabi-constroi-cida- 80 anos. Isto mesmo, 80. Numa fase em que outros já passaram
de-do-futuro-com-tudo-movido-energia-solar.html) até da aposentadoria compulsória, ele se prepara para iniciar
nova vida. E o faz tranquilo: “Cuidei de meus pais, cuidei dos
Considere as seguintes passagens do texto: meus filhos. Agora posso realizar um sonho que trago da infân-
I. E foi exatamente por causa da temperatura que foi cia”.
construída em Abu Dhabi uma das maiores usinas de energia Não faltará quem critique Takeshi Nojima: ele está tirando o
solar do mundo. (1º parágrafo) lugar de jovens, dirá algum darwinista social. Eu ponderaria que
II. Não vão substituir o petróleo, que eles têm de sobra por nem tudo na vida se regula pelo critério cronológico. Há pais
mais 100 anos pelo menos. (2º parágrafo) que passam muito pouco tempo com os filhos e nem por isso
III. Um traçado urbanístico ousado, que deixa os carros de são maus pais; o que interessa é a qualidade do tempo, não a
fora. (3º parágrafo) quantidade. Talvez a expectativa de vida não permita ao vesti-

27
LÍNGUA PORTUGUESA

bulando Nojima uma longa carreira na profissão médica. Mas os te ele tornou a incandescer, alimentado pela luz e calor dos car-
anos, ou meses, ou mesmo os dias que dedicar a seus pacientes vões ardentes em torno dele. Quando o líder alcançou a porta
terão em si a carga afetiva de uma existência inteira. para partir, seu anfitrião disse:
Não sei se Takeshi Nojima passou no vestibular; a notícia 5º – Obrigado. Por sua visita e pelo belíssimo sermão. Estou
que li não esclarecia a respeito. Mas ele mesmo disse que isto voltando ao convívio do grupo.
não teria importância: se fosse reprovado, começaria tudo de RANGEL, Alexandre (org.). As mais belas parábolas de to-
novo. E aí de novo ele dá um exemplo. Os resultados do difícil dos os tempos –Vol. II.Belo Horizonte: Leitura, 2004.
exame trazem desilusão para muitos jovens, e não são poucos Assinale a alternativa que preenche corretamente as la-
os que pensam em desistir por causa de um fracasso. A estes cunas do texto:
eu digo: antes de abandonar a luta, pensem em Takeshi Nojima, a) a – ao – por.
pensem na força de seu sonho. Sonhar não é proibido. É um b) da – para o – de.
dever. c) à – no – a.
(Moacyr Scliar. Minha mãe não dorme enquanto eu não d) a – de – em.
chegar, 1996. Adaptado)
09. IF-PE - Técnico em Enfermagem – 2017 - IF-PE
Observe as passagens:
– … e agora quer começar uma carreira médica. (2° pará- Crônica da cidade do Rio de Janeiro
grafo);
– … ele tem 80 anos. Isto mesmo, 80. (3° parágrafo); No alto da noite do Rio de Janeiro, luminoso, generoso, o
– Talvez a expectativa de vida não permita… (4° parágrafo). Cristo Redentor estende os braços. Debaixo desses braços os ne-
tos dos escravos encontram amparo.
As expressões destacadas expressam, respectivamente, Uma mulher descalça olha o Cristo, lá de baixo, e apontando
sentido de seu fulgor, diz, muito tristemente:
a) lugar, modo e causa. - Daqui a pouco não estará mais aí. Ouvi dizer que vão tirar
b) tempo, afirmação e dúvida. Ele daí.
c) afirmação, afirmação e dúvida. - Não se preocupe – tranquiliza uma vizinha. – Não se preo-
d) tempo, modo e afirmação. cupe: Ele volta.
e) modo, dúvida e intensidade. A polícia mata muitos, e mais ainda mata a economia. Na
cidade violenta soam tiros e também tambores: os atabaques,
08. Ceron/RO - Direito – 2016 - EXATUS ansiosos de consolo e de vingança, chamam os deuses africanos.
Cristo sozinho não basta.
A lição do fogo (GALEANO, Eduardo. O livro dos abraços. Porto Alegre:
L&PM Pocket, 2009.)
1º Um membro de determinado grupo, ao qual prestava
serviços regularmente, sem nenhum aviso, deixou de participar Na construção “A polícia mata muitos, e mais ainda mata
de suas atividades. a economia”, a conjunção em destaque estabelece, entre as
2º Após algumas semanas, o líder daquele grupo decidiu orações,
visitá-lo. Era uma noite muito fria. O líder encontrou o homem Parte superior do formulário
em casa sozinho, sentado diante ______ lareira, onde ardia um a) uma relação de adição.
fogo brilhante e acolhedor. b) uma relação de oposição.
3º Adivinhando a razão da visita, o homem deu as boas-vin- c) uma relação de conclusão.
das ao líder, conduziu-o a uma cadeira perto da lareira e ficou d) uma relação de explicação.
quieto, esperando. O líder acomodou-se confortavelmente no e) uma relação de consequência.
local indicado, mas não disse nada. No silêncio sério que se for- Parte inferior do formulário
mara, apenas contemplava a dança das chamas em torno das
achas da lenha, que ardiam. Ao cabo de alguns minutos, o líder 10. (IF-PE - Auxiliar em Administração – IF-PE/2016)
examinou as brasas que se formaram. Cuidadosamente, selecio-
nou uma delas, a mais incandescente de todas, empurrando-a A fome/2
______ lado. Voltou, então, a sentar-se, permanecendo silen-
cioso e imóvel. O anfitrião prestava atenção a tudo, fascinado Um sistema de desvinculo: Boi sozinho se lambe melhor... O
e quieto. Aos poucos, a chama da brasa solitária diminuía, até próximo, o outro, não é seu irmão, nem seu amante. O outro é
que houve um brilho momentâneo e seu fogo se apagou de vez. um competidor, um inimigo, um obstáculo a ser vencido ou uma
4º Em pouco tempo, o que antes era uma festa de calor e coisa a ser usada. O sistema, que não dá de comer, tampouco dá
luz agora não passava de um negro, frio e morto pedaço de car- de amar: condena muitos à fome de pão e muitos mais à fome
vão recoberto _____ uma espessa camada de fuligem acinzen- de abraços.
tada. Nenhuma palavra tinha sido dita antes desde o protocolar (GALEANO, Eduardo. O livro dos abraços. Porto Alegre:
cumprimento inicial entre os dois amigos. O líder, antes de se L&PM Pocket, 2009, p. 81.)
preparar para sair, manipulou novamente o carvão frio e inútil,
colocando-o de volta ao meio do fogo. Quase que imediatamen-

28
LÍNGUA PORTUGUESA

No trecho “O sistema, que não dá de comer, tampouco dá O contexto é quem vai determinar a significação dos homô-
de amar”, a conjunção destacada estabelece, entre as orações, nimos. Ela pode ser causa de ambiguidade, por isso é considera-
a relação de da uma deficiência dos idiomas.
a) conclusão.
b) adversidade. Homônimos
c) adição. rio (curso de água) e rio (verbo rir);
d) explicação. caminho (itinerário) e caminho (verbo caminhar).
e) alternância.
RESPOSTAS Homófonos
cem (número) e sem (indica falta)
senso (sentido) e censo (levantamento estatístico)
01 E
02 B Homógrafos
03 A colher (talher) e colher (apanhar);
acerto (correção) e acerto (verbo acertar);
04 C
05 B Parônimos
06 E
Se refere a palavras que são escritas e pronunciadas de for-
07 B ma parecida, mas que apresentam significados diferentes.
08 B infligir (aplicar) e infringir (transgredir),
sede (vontade de beber) e cede (verbo ceder),
09 B deferir (conceder, dar deferimento) e diferir (ser diferente,
10 C divergir, adiar),
ratificar (confirmar) e retificar (tornar reto, corrigir),
vultoso (volumoso, muito grande: soma vultosa) e vultuoso
(congestionado: rosto vultuoso).
SIGNIFICAÇÃO DE PALAVRAS.
Polissemia

SIGNIFICAÇÃO DAS PALAVRAS Polissemia indica a capacidade de uma palavra apresentar


uma multiplicidade de significados, conforme o contexto em
A Significação das palavras é estudada pela semântica, que que ocorre. Uma palavra pode ter mais de uma significação. Ex.:
estuda o sentido das palavras e as relações de sentido que as Mangueira: tubo de borracha ou plástico para regar as plan-
palavras estabelecem entre si. tas ou apagar incêndios; árvore frutífera; grande curral de gado.
Pena: pluma; peça de metal para escrever; punição; dó.
Sinônimos e antônimos
Denotação e conotação
Sinônimos: palavras de sentido igual ou parecido.
Ex.: necessário, essencial, fundamental, obrigatório Denotação indica a capacidade de as palavras apresenta-
rem um sentido literal (próprio) e objetivo. A conotação indica
Geralmente é indiferente usar um sinônimo ou outro. O a capacidade de as palavras apresentarem um sentido figurado
fato linguístico de existirem sinônimos chama-se sinonímia, pa- e simbólico.
lavra que também designa o emprego de sinônimos.
Exemplos com sentido denotativo:
Antônimos: palavras de sentido oposto. As águas pingavam da torneira, (sentido próprio).
Ex.: dedicado: desinteressado, desapegado, relapso. As horas iam pingando lentamente, (sentido figurado).
Pontual: atrasado, retardado, irresponsável.
Exemplos com sentido conotativo:
Comprei uma correntinha de ouro.
A antonímia pode ser originada por um prefixo de sentido
Fulano nadava em ouro.
oposto ou negativo. Ex.: simpático/antipático, progredir/regre-
dir, ativo/inativo, esperar/desesperar, simétrico/assimétrico.
Hiperonímia e hiponímia
Homônimos
Hiperonímia e a hiponímia indicam a capacidade das pa-
Se refere à capacidade de as palavras serem homônimas
lavras estabelecerem relações hierárquicas de significado. Um
(som igual, escrita igual, significado diferente), homófonas (som hiperônimo, palavra superior com um sentido mais abrangente,
igual, escrita diferente, significado diferente) ou homógrafas engloba um hipônimo, palavra inferior com sentido mais restri-
(som diferente, escrita igual, significado diferente). to.

29
LÍNGUA PORTUGUESA

Fruta é hiperônimo de banana. ta sentido diferente. Esse caso, mesmo som, grafias diferentes,
Banana é hipônimo de fruta. denomina-se homônimo homófono. Assinale a alternativa em
que todas as palavras se encontram nesse caso.
QUESTÕES A) taxa, cesta, assento
B) conserto, pleito, ótico
12. Pref. de Itaquitinga/PE – Psicólogo – 2016 - IDHTEC C) cheque, descrição, manga
A entrada dos prisioneiros foi comovedora (...) Os comba- D) serrar, ratificar, emergir
tentes contemplavam-nos entristecidos. Surpreendiam-se; co-
moviam-se. O arraial, in extremis, punhalhes adiante, naquele 04. TJ/MT – Analista Judiciário – Direito – 2017 - UFMT
armistício transitório, uma legião desarmada, mutilada faminta e
claudicante, num assalto mais duro que o das trincheiras em fogo. A fuga dos rinocerontes
Custava-lhes admitir que toda aquela gente inútil e frágil saísse Espécie ameaçada de extinção escapa dos caçadores da
tão numerosa ainda dos casebres bombardeados durante três maneira mais radical possível – pelo céu.
meses. Contemplando-lhes os rostos baços, os arcabouços esmir-
rados e sujos, cujos molambos em tiras não encobriam lanhos, es- Os rinocerontes-negros estão entre os bichos mais visados
caras e escalavros – a vitória tão longamente apetecida decaía de da África, pois sua espécie é uma das preferidas pelo turismo de
súbito. Repugnava aquele triunfo. Envergonhava. Era, com efeito, caça. Para tentar salvar alguns dos 4.500 espécimes que ainda
contraproducente compensação a tão luxuosos gastos de comba- restam na natureza, duas ONG ambientais apelaram para uma
tes, de reveses e de milhares de vidas, o apresamento daquela ca- solução extrema: transportar os rinocerontes de helicóptero. A
queirada humana – do mesmo passo angulhenta e sinistra, entre ação utilizou helicópteros militares para remover 19 espécimes
trágica e imunda, passando-lhes pelos olhos, num longo enxurro – com 1,4 toneladas cada um – de seu habitat original, na pro-
de carcaças e molambos... víncia de Cabo Oriental, no sudeste da África do Sul, e transfe-
Nem um rosto viril, nem um braço capaz de suspender uma ri-los para a província de Lampopo, no norte do país, a 1.500
arma, nem um peito resfolegante de campeador domado: mu- quilômetros de distância, onde viverão longe dos caçadores.
Como o trajeto tem áreas inacessíveis de carro, os rinocerontes
lheres, sem-número de mulheres, velhas espectrais, moças enve-
tiveram de voar por 24 quilômetros. Sedados e de olhos venda-
lhecidas, velhas e moças indistintas na mesma fealdade, escavei-
dos (para evitar sustos caso acordassem), os rinocerontes foram
radas e sujas, filhos escanchados nos quadris desnalgados, filhos
içados pelos tornozelos e voaram entre 10 e 20 minutos. Parece
encarapitados às costas, filhos suspensos aos peitos murchos, fi-
meio brutal? Os responsáveis pela operação dizem que, além
lhos arrastados pelos braços, passando; crianças, sem-número de
de mais eficiente para levar os paquidermes a locais de difícil
crianças; velhos, sem-número de velhos; raros homens, enfermos
acesso, o procedimento é mais gentil.
opilados, faces túmidas e mortas, de cera, bustos dobrados, andar
(BADÔ, F. A fuga dos rinocerontes. Superinteressante, nº
cambaleante.
229, 2011.)
(CUNHA, Euclides da. Os sertões: campanha de Canudos.
Edição Especial. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1980.) A palavra radical pode ser empregada com várias acepções,
por isso denomina-se polissêmica. Assinale o sentido dicionari-
Em qual das alternativas abaixo NÃO há um par de sinôni- zado que é mais adequado no contexto acima.
mos? A) Que existe intrinsecamente num indivíduo ou coisa.
A) Armistício – destruição B) Brusco; violento; difícil.
B) Claudicante – manco C) Que não é tradicional, comum ou usual.
C) Reveses – infortúnios D) Que exige destreza, perícia ou coragem.
D) Fealdade – feiura
E) Opilados – desnutridos 05. UNESP – Assistente Administrativo I – 016 - VU-
NESP/2016
02. Pref. de Cruzeiro/SP – Instrutor de Desenho Técnico e
Mecânico – 2016 - Instituto Excelência O gavião
Assinale a alternativa em que as palavras podem servir de
exemplos de parônimos: Gente olhando para o céu: não é mais disco voador. Disco
A) Cavaleiro (Homem a cavalo) – Cavalheiro (Homem gentil). voador perdeu o cartaz com tanto satélite beirando o sol e a lua.
B) São (sadio) – São (Forma reduzida de Santo). Olhamos todos para o céu em busca de algo mais sensacional e
C) Acento (sinal gráfico) – Assento (superfície onde se senta). comovente – o gavião malvado, que mata pombas.
D) Nenhuma das alternativas. O centro da cidade do Rio de Janeiro retorna assim à con-
templação de um drama bem antigo, e há o partido das pombas
03. TJ/MT – Analista Judiciário – Ciências Contábeis – 2017 e o partido do gavião. Os pombistas ou pombeiros (qualquer
- UFMT palavra é melhor que “columbófilo”) querem matar o gavião.
Na língua portuguesa, há muitas palavras parecidas, seja no Os amigos deste dizem que ele não é malvado tal; na verdade
modo de falar ou no de escrever. A palavra sessão, por exemplo, come a sua pombinha com a mesma inocência com que a pom-
assemelha-se às palavras cessão e seção, mas cada uma apresen- ba come seu grão de milho.

30
LÍNGUA PORTUGUESA

Não tomarei partido; admiro a túrgida inocência das pom- Análise Sintática
bas e também o lance magnífico em que o gavião se despenca
sobre uma delas. Comer pombas é, como diria Saint-Exupéry, “a Examina a estrutura do período, divide e classifica as ora-
verdade do gavião”, mas matar um gavião no ar com um belo ções que o constituem e reconhece a função sintática dos ter-
tiro pode também ser a verdade do caçador. mos de cada oração.
Que o gavião mate a pomba e o homem mate alegremente
o gavião; ao homem, se não houver outro bicho que o mate, Frase
pode lhe suceder que ele encontre seu gavião em outro homem.
(Rubem Braga. Ai de ti, Copacabana, 1999. Adaptado) A construção da fala é feita a partir da articulação de unida-
des comunicativas. Essas unidades exprimem ideias, emoções,
O termo gavião, destacado em sua última ocorrência no ordens, apelos, enfim, transmitem comunicação. São chamadas
texto – … pode lhe suceder que ele encontre seu gavião em ou- frases
tro homem. –, é empregado com sentido
A) próprio, equivalendo a inspiração. Exemplos:
B) próprio, equivalendo a conquistador. Espantoso!
C) figurado, equivalendo a ave de rapina. Aonde vai com tanta pressa?
D) figurado, equivalendo a alimento. “O bicho, meu Deus, era um homem.” (Manuel Bandeira)
E) figurado, equivalendo a predador.
A frase pode ou não se organizar ao redor de um verbo. Na
06. Pref. de Florianópolis/SC – Auxiliar de Sala – 2017 - FE- língua falada, a frase é caracterizada pela entonação.
PESE
O termo (ou expressão) em destaque, que está empregado Tipos de frases
em seu sentido próprio, denotativo, ocorre em:
A) Estou morta de cansada. A intencionalidade do discurso é manifestada através dos
B) Aquela mulher fala mal de todos na vizinhança! É uma co- diferentes tipos de frases. Para tanto, os sinais de pontuação
bra. que as acompanham auxiliam para expressar o sentido de cada
C) Todo cuidado é pouco. As paredes têm ouvidos. uma delas.
D) Reclusa desde que seu cachorrinho morreu, Filomena fi-
nalmente saiu de casa ontem. Frases exclamativas: são empregadas quando o emissor
E) Minha amiga é tão agitada! A bateria dela nunca acaba! quer manifestar emoção. São sinalizadas com ponto de excla-
mação:
RESPOSTAS
Puxa!
01 A Até que enfim!

02 A Frases declarativas: representam a constatação de um fato


03 A pelo emissor. Levam ponto final e podem ser afirmativas ou ne-
gativas.
04 C
05 E - Declarativas afirmativas:
06 D Gosto de comida apimentada.
As matrículas começam hoje.
- Declarativas negativas:
Não gosto de comida apimentada.
SINTAXE DA ORAÇÃO E DO PERÍODO.
As matrículas não começam hoje.

SINTAXE: ANÁLISE SINTÁTICA, FRASE, ORAÇÃO E PERÍODO Frases imperativas: são utilizadas para emissão de ordens,
conselhos e pedidos. Levam ponto final ou ponto de exclama-
Sintaxe ção.

A Sintaxe constitui seu foco de análise na sentença, ou seja, - Imperativas afirmativas:


estuda a função dos vocábulos dentro de uma frase. Vá por ali.
A Gramática Tradicional trabalha a Sintaxe sob a forma de Siga-me!
“análise sintática” que, consiste em classificar os vocábulos em - Imperativas negativas:
sujeito, predicado ou outros “termos acessórios da oração” (ad- Não vá por ali.
junto adverbial, adnominal, aposto). Não me siga!

Frases interrogativas: ocorrem quando o emissor faz uma


pergunta na mensagem. Podem ser diretas ou indiretas.

31
LÍNGUA PORTUGUESA

As interrogativas diretas devem ser sinalizadas com ponto Tipos de sujeito:


de interrogação, enquanto as interrogativas indiretas, ponto fi-
nal. - Simples: um só núcleo: O menino estudou.
- Composto: mais de um núcleo: “O menino e a menina es-
- Interrogativas diretas: tudaram.”
Escreveu o discurso? - Expresso: está explícito, enunciado: Ela ligará para você.
O prazo terminou? - Oculto (elíptico): está implícito (não está expresso), mas se
- Interrogativas indiretas: deduz do contexto: Chegarei amanhã. (sujeito: eu, que se deduz
Quero saber se o discurso está feito. da desinência do verbo);
Precisava saber se o prazo terminou. - Agente: ação expressa pelo verbo da voz ativa: O Everest
é quase invencível.
Frases optativas: expressam um desejo e são sinalizadas - Paciente: sofre ou recebe os efeitos da ação marcada pelo
com ponto de exclamação: verbo passivo: O prédio foi construído.
- Agente e Paciente: o sujeito realiza a ação expressa por um
Que Deus te abençoe! verbo reflexivo e ele mesmo sofre ou recebe os efeitos dessa
uita sorte para a nova etapa! ação: João cortou-se com aquela faca.
- Indeterminado: não se indica o agente da ação verbal: Fe-
Oração riram aquele cachorro com uma pedra.
- Sem Sujeito: enunciação pura de um fato, através do predi-
É o enunciado que se organiza em torno de um verbo ou cado. São formadas com os verbos impessoais, na 3ª pessoa do
de uma locução verbal. As orações podem ou não ter sentido singular: Choveu durante a noite.
completo.
As orações são a base para a construção dos períodos, e são Predicado: segmento linguístico que estabelece concordân-
formadas por vários termos. Alguns termos estão presentes em cia com outro termo essencial da oração, o sujeito, sendo este
todas ou na maioria das orações. É o caso do sujeito e predica-
o termo determinante (ou subordinado) e o predicado o termo
do. Outros termos não tão frequentes, ou têm um uso situacio-
determinado (ou principal). Têm por características básicas:
nal, como os complementos e adjuntos.
apresentar-se como elemento determinado em relação ao
sujeito; apontar um atributo ou acrescentar nova informação ao
Exemplo:
sujeito.
A mulher trancou toda a casa.
A mulher – sujeito
Tipos de predicado:
trancou toda a casa – predicado

Amanheceu logo em seguida. (toda a oração é predicado) - predicado nominal: seu núcleo é um nome, substantivo,
adjetivo, pronome, ligado ao sujeito por um verbo de ligação. O
Sujeito é aquele ou aquilo de que(m) se fala. Já o predicado núcleo do predicado nominal chama-se predicativo do sujeito,
é a informação dada sobre o sujeito. Núcleo de um termo é a pa- pois atribui ao sujeito uma qualidade ou característica.
lavra principal (geralmente um substantivo, pronome ou verbo). - predicado verbal: seu núcleo é um verbo, seguido, ou não,
de complemento(s) ou termos acessórios).
Os termos da oração são divididos em três níveis: - predicado verbo-nominal: tem dois núcleos significativos:
- Termos Essenciais da Oração: Sujeito e Predicado. um verbo e um nome
- Termos Integrantes da Oração: Complemento Nominal e
Complementos Verbais (Objeto Direto, Objeto indireto e Agente Predicação verbal é o modo pelo qual o verbo forma o pre-
da Passiva). dicado.
- Termos Acessórios da Oração: Adjunto Adnominal, Adjun- Alguns verbos que, tem sentido completo, sendo apenas
to Adverbial, Vocativo e Aposto. eles o predicado. São denominados intransitivos. Exemplo: As
folhas caem.
Termos Essenciais da Oração: sujeito e predicado. Outros, para fazerem parte do predicado precisam de ou-
tros termos: Chamados transitivos. Exemplos: José comprou o
Sujeito: aquele que estabelece concordância com o núcleo carro. (Sem os seus complementos, o verbo comprou, não trans-
do predicado. Quando se trata de predicado verbal, o núcleo mitiria uma informação completa: comprou o quê?)
é sempre um verbo; sendo um predicado nominal, o núcleo é Os verbos de predicação completa denominam-se intran-
sempre um nome. Então têm por características básicas: sitivos e os de predicação incompleta, transitivos. Os verbos
- ter concordância com o núcleo do predicado; transitivos subdividem-se em: transitivos diretos, transitivos
- ser elemento determinante em relação ao predicado; indiretos e transitivos diretos e indiretos (bitransitivos).
- ser formado por um substantivo, ou pronome substantivo Além dos verbos transitivos e intransitivos, existem os ver-
ou, uma palavra substantivada. bos de ligação que entram na formação do predicado nominal,
relacionando o predicativo com o sujeito.

32
LÍNGUA PORTUGUESA

- Transitivos Diretos: pedem um objeto direto, isto é, um Termos Acessórios da Oração


complemento sem preposição. Exemplo: Comprei um terreno
e construí a loja. São os que desempenham na oração uma função
- Transitivos Indiretos: pedem um complemento regido de secundária, qual seja a de caracterizar um ser, determinar os
preposição, chamado objeto indireto. Exemplo: Não se perdoa substantivos, exprimir alguma circunstância. São eles:
ao político que rouba aos montes.
- Transitivos Diretos e Indiretos: se usam com dois objetos: Adjunto adnominal: termo que caracteriza ou determina os
direto e indireto, concomitantemente. Exemplo: Maria dava ali- substantivos. Pode ser expresso: Pelos adjetivos: animal feroz;
mento aos pobres. Pelos artigos: o mundo; Pelos pronomes adjetivos: muitos paí-
- de Ligação: ligam ao sujeito uma palavra ou expressão ses.
chamada predicativo. Esses verbos entram na formação do pre-
dicado nominal. Exemplo: A Bahia é quente. Adjunto adverbial:termo que exprime uma circunstância
(de tempo, lugar, modo, etc.) ou, em outras palavras, que mo-
Predicativo: Existe o predicativo do sujeito e o predicativo difica o sentido de um verbo, adjetivo ou advérbio. É expresso:
do objeto. Pelos advérbios: Cheguei cedo; Pelas locuções ou expressões
adverbiais: Saí com meu pai.
Predicativo do Sujeito: termo que exprime um atributo, um
estado ou modo de ser do sujeito, ao qual se prende por um Aposto: palavra ou expressão que explica ou esclarece, de-
verbo de ligação, no predicado nominal. Exemplos: A bandeira senvolve ou resume outro termo da oração. Exemplos: David,
é o símbolo da nação. que foi um excelente aluno, passou no vestibular.
Predicativo do Objeto: termo que se refere ao objeto de um
verbo transitivo. Exemplo: O juiz declarou o réu culpado. O núcleo do aposto é um substantivo ou um pronome subs-
tantivo: O aposto não pode ser formado por adjetivos. Os apos-
Termos Integrantes da Oração tos, em geral, destacam-se por pausas, indicadas, na escrita, por
vírgulas, dois pontos ou travessões.
São os termos que completam a significação transitiva dos
verbos e nomes. Integram o sentido da oração, sendo assim in- Vocativo: termo usado para chamar ou interpelar a pessoa,
dispensável à compreensão do enunciado. São eles: o animal ou a coisa personificada a que nos dirigimos. Exemplo:
- Complemento Verbal (Objeto Direto e Objeto Indireto); Vamos à escola, meus filhos!
- Complemento Nominal; O vocativo não pertence à estrutura da oração, por isso não
- Agente da Passiva. se anexa ao sujeito nem ao predicado.

Objeto Direto: complemento dos verbos de predicação in- Período


completa, não regido, normalmente, de preposição. Exemplo:
As plantas purificaram o ar. O período pode ser caracterizado pela presença de uma ou
de mais orações, por isso, pode ser simples ou composto.
Tem as seguintes características:
- Completa a significação dos verbos transitivos diretos; Período Simples - apresenta apenas uma oração, a qual é
- Geralmente, não vem regido de preposição; chamada de oração absoluta. Exemplo: Já chegamos.
- Traduz o ser sobre o qual recai a ação expressa por um
verbo ativo. Período Composto - apresenta duas ou mais orações.
- Torna-se sujeito da oração na voz passiva. Exemplo: Conversamos quando eu voltar. O número de orações
depende do número de verbos presentes num enunciado.
Objeto Indireto: complemento verbal regido de preposição
necessária e sem valor circunstancial. Representa, o ser a que se Classificação do Período Composto
destina ou se refere à ação verbal. É sempre regido de preposi-
ção, expressa ou implícita. Período Composto por Coordenação - as orações são
Complemento Nominal: termo complementar reclamado independentes entre si, ou seja, cada uma delas têm sentido
pela significação transitiva, incompleta, de certos substantivos, completo.
adjetivos e advérbios. Vem sempre regido de preposição. Exem- Exemplo: Entrou na loja e comprou vários sapatos.
plo: Assistência às aulas. Período Composto por Subordinação - as orações
relacionam-se entre si.
Agente da Passiva: complemento de um verbo na voz pas- Exemplo: Espero terminar meu trabalho antes do meu pa-
siva. Representa o ser que pratica a ação expressa pelo verbo trão voltar de viagem.
passivo. Vem regido comumente pela preposição por, e menos Período Composto por Coordenação e Subordinação - há a
frequentemente pela preposição de. presença de orações coordenadas e subordinadas.
Exemplo: Enquanto eles falarem, nós vamos escutar.

33
LÍNGUA PORTUGUESA

Orações Coordenadas 02. CISMEPAR/PR – Advogado – 2016 - FAUEL

Podem ser sindéticas ou assindéticas, respectivamente, O assassino era o escriba


conforme são utilizadas ou não conjunções Exemplos: Ora fala, Paulo Leminsky
ora não fala. (oração coordenada sindética, marcada pelo uso
da conjunção “ora...ora”). As aulas começaram, os deveres co- Meu professor de análise sintática era o tipo do
meçaram e a preguiça deu lugar à determinação. (orações coor- sujeito inexistente.
denadas assindéticas: “As aulas começaram, os deveres come- Um pleonasmo, o principal predicado da sua vida,
çaram”, oração coordenada sindética: “e a preguiça deu lugar à regular como um paradigma da 1ª conjugação.
determinação”.) Entre uma oração subordinada e um adjunto
adverbial,
As orações coordenadas sindéticas podem ser: ele não tinha dúvidas: sempre achava um jeito
- Aditivas: quando as orações expressam soma. Exemplo: assindético de nos torturar com um aposto.
Gosto de salgado, mas também gosto de doce. Casou com uma regência.
- Adversativas: quando as orações expressam adversidade. Foi infeliz.
Exemplo: Gostava do moço, porém não queria se casar. Era possessivo como um pronome.
- Alternativas: quando as orações expressam alternativa. E ela era bitransitiva.
Exemplo: Fica ele ou fico eu. Tentou ir para os EUA.
- Conclusivas: quando as orações expressam conclusão. Não deu.
Exemplo: Estão de acordo, então vamos. Acharam um artigo indefinido em sua bagagem.
- Explicativas: quando as orações expressam explicação. A interjeição do bigode declinava partículas
Exemplo: Fizemos a tarefa hoje porque tivemos tempo. expletivas,
conectivos e agentes da passiva, o tempo todo.
Orações Subordinadas Um dia, matei-o com um objeto direto na cabeça.

As orações subordinadas podem ser substantivas, adjetivas Na frase “Entre uma oração subordinada e um adjunto ad-
ou adverbiais, conforme a sua função. verbial”, o autor faz referência à oração subordinada. Assinale a
- Substantivas: quando as orações têm função de substanti- alternativa que NÃO corresponde corretamente à compreensão
vo. Exemplo: Espero que eles consigam. da relação entre orações:
- Adjetivas: quando as orações têm função de adjetivo. Parte superior do formulário
Exemplo: Os concorrentes que se preparam mais têm um de- a) Oração subordinada é o nome que se dá ao tipo de oração
sempenho melhor. que é indispensável para a compreensão da oração principal.
- Adverbiais: quando as orações têm função de advérbio. b) Diferentemente da coordenada, a oração subordinada é
Exemplo: À medida que crescem, aumentam os gastos. a que complementa o sentido da oração principal, não sendo
possível compreender individualmente nenhuma das orações,
pois há uma relação de dependência do sentido.
QUESTÕES c) Subordinação refere-se a “estar ordenado sob”, sendo
01. Pref. De Caucaia/CE – Agente de Suporte e Fiscalização indiferente a classificação de uma oração coordenada ou subor-
– 2016 - CETREDE dinada, pois as duas têm a mesma validade.
d) A oração principal é aquela rege a oração subordinada,
Dos rituais não sendo possível seu entendimento sem o complemento.

No primeiro contato com os selvagens, que medo nos dá de 03. EMSERH – Auxiliar Operacional de Serviços Gerais –
infringir os rituais, de violar um tabu! 2017 – FUNCAB
É todo um meticuloso cerimonial, cuja infração eles não nos
perdoam. A carta de amor
Eu estava falando nos selvagens? Mas com os civilizados é o
mesmo. Ou pior até. No momento em que Malvina ia por a frigideira no fogo,
Quando você estiver metido entre grã-finos, é preciso ter entrou a cozinheira com um envelope na mão. Isso bastou para
muito, muito cuidado: eles são tão primitivos! que ela se tornasse nervosa. Seu coração pôs-se a bater pre-
Mário Quintana cipitadamente e seu rosto se afogueou. Abriu-o com gesto de-
Em relação à oração “eles são tão primitivos!”, assinale o cisivo e extraiu um papel verde-mar, sobre o qual se liam, em
item INCORRETO. caracteres energéticos, masculinos, estas palavras: “Você será
a) Refere-se a grã-finos. amada...”.
b) O sujeito é indeterminado. Malvina empalideceu, apesar de já conhecer o conteúdo
c) O predicado é nominal. dessa carta verde-mar, que recebia todos os dias, havia já uma
d) Tem verbo de ligação semana. Malvina estava apaixonada por um ente invisível, por
e) Apresenta predicativo do sujeito. um papel verde-mar, por três palavras e três pontos de reticên-
cias: “Você será amada...”. Há uma semana que vivia como ébria.

34
LÍNGUA PORTUGUESA

Olhava para a rua e qualquer olhar de homem que se cru- Parecia eram gaiolas aladas, voláteis. Dentro delas, os pássaros
zasse com o seu, lhe fazia palpitar tumultuosamente o coração. esvoavam suas cores repentinas. À volta do vendedeiro, era uma
Se o telefone tilintava, seu pensamento corria célere: talvez fos- nuvem de pios, tantos que faziam mexer as janelas:
se “ele”. Se não conhecesse a causa desse transtorno, por certo - Mãe, olha o homem dos passarinheiros!
Malvina já teria ido consultar um médico de doenças nervosas. E os meninos inundavam as ruas. As alegrias se intercam-
Mandara examinar por um grafólogo a letra dessa carta. Fora em biavam: a gritaria das aves e o chilreio das crianças. O homem
todas as papelarias à procura desse papel verde-mar e, incons- puxava de uma muska e harmonicava sonâmbulas melodias. O
cientemente, fora até o correio ver se descobria o remetente no mundo inteiro se fabulava.
ato de atirar o envelope na caixa. Por trás das cortinas, os colonos reprovavam aqueles abu-
Tudo em vão. Quem escrevia conseguia manter-se incógnito. sos. Ensinavam suspeitas aos seus pequenos filhos - aquele pre-
Malvina teria feito tudo quanto ele quisesse. Nenhum empecilho to quem era? Alguém conhecia recomendações dele? Quem
para com o desconhecido. Mas para que ela pudesse realizar o autorizara aqueles pés descalços a sujarem o bairro? Não, não
seu sonho, era preciso que ele se tornasse homem de carne e e não. O negro que voltasse ao seu devido lugar. Contudo, os
osso. Malvina imaginava-o alto, moreno, com grandes olhos ne- pássaros tão encantantes que são - insistiam os meninos. Os pais
gros, forte e espadaúdo. se agravavam: estava dito.
O seu cérebro trabalhava: seria ele casado? Não, não o era. Mas aquela ordem pouco seria desempenhada.[...]
Seria pobre? Não podia ser. Seria um grande industrial? Quem O homem então se decidia a sair, juntar as suas raivas com
sabe? os demais colonos. No clube, eles todos se aclamavam: era pre-
As cartas de amor, verde-mar, haviam surgido na vida de Mal- ciso acabar com as visitas do passarinheiro. Que a medida não
vina como o dilúvio, transformando-lhe o cérebro. podia ser de morte matada, nem coisa que ofendesse a vista
Afinal, no décimo dia, chegou a explicação do enigma. Foi das senhoras e seus filhos. ___6___ remédio, enfim, se haveria
uma coisa tão dramática, tão original, tão crível, que Malvina não de pensar.
teve nem um ataque de histerismo, nem uma crise de cólera. Fi- No dia seguinte, o vendedor repetiu a sua alegre invasão.
cou apenas petrificada. Afinal, os colonos ainda que hesitaram: aquele negro trazia aves
“Você será amada... se usar, pela manhã, o creme de beleza
de belezas jamais vistas. Ninguém podia resistir às suas cores,
Lua Cheia. O creme Lua Cheia é vendido em todas as farmácias e
seus chilreios. Nem aquilo parecia coisa deste verídico mundo.
drogarias. Ninguém resistirá a você, se usar o creme Lua Cheia.
O vendedor se anonimava, em humilde desaparecimento de si:
Era o que continha o papel verde-mar, escrito em enérgicos
- Esses são pássaros muito excelentes, desses com as asas
caracteres masculinos.
todas de fora.
Ao voltar a si, Malvina arrastou-se até o telefone:
Os portugueses se interrogavam: onde desencantava ele
-Alô! É Jorge quem está falando? Já pensei e resolvi casar-me
com você. Sim, Jorge, amo-o! Ora, que pergunta! Pode vir. tão maravilhosas criaturas? onde, se eles tinham já desbravado
A voz de Jorge estava rouca de felicidade! os mais extensos matos?
E nunca soube a que devia tanta sorte! O vendedor se segredava, respondendo um riso. Os senho-
André Sinoldi res receavam as suas próprias suspeições - teria aquele negro
direito a ingressar num mundo onde eles careciam de acesso?
Se a oração escrita na carta estivesse completa, como em Mas logo se aprontavam a diminuir-lhe os méritos: o tipo dor-
“Você será amada POR MIM”, o termo destacado funcionaria mia nas árvores, em plena passarada. Eles se igualam aos bichos
como: silvestres, concluíam.
a) complemento nominal. Fosse por desdenho dos grandes ou por glória dos peque-
b) objeto direto. nos, a verdade é que, aos pouco-poucos, o passarinheiro foi vi-
c) agente da passiva. rando assunto no bairro do cimento. Sua presença foi enchendo
d) objeto indireto. durações, insuspeitos vazios. Conforme dele se comprava, as
e) adjunto nominal. casas mais se repletavam de doces cantos. Aquela música se
estranhava nos moradores, mostrando que aquele bairro não
04. EMSERH – Enfermeiro – 2017 – FUNCAB pertencia àquela terra. Afinal, os pássaros desautenticavam os
Assinale a alternativa correspondente ao período onde há residentes, estrangeirando-lhes? [...] O comerciante devia saber
predicativo do sujeito: que seus passos descalços não cabiam naquelas ruas. Os bran-
cos se inquietavam com aquela desobediência, acusando o tem-
O embondeiro que sonhava pássaros po. [...]
As crianças emigravam de sua condição, desdobrando-se
Esse homem sempre vai ficar de sombra: nenhuma memória em outras felizes existências. E todos se familiavam, parentes
será bastante para lhe salvar do escuro. Em verdade, seu astro aparentes. [...]
não era o Sol. Nem seu país não era a vida. Talvez, por razão disso, Os pais lhes queriam fechar o sonho, sua pequena e infinita
ele habitasse com cautela de um estranho. O vendedor de pás- alma. Surgiu o mando: a rua vos está proibida, vocês não saem
saros não tinha sequer o abrigo de um nome. Chamavam-lhe o mais. Correram-se as cortinas, as casas fecharam suas pálpebras.
passarinheiro. COUTO, Mia. Cada homem é uma raça: contos/ Mia Cou-
Todas manhãs ele passava nos bairros dos brancos carre- to - 1ª ed. - São Paulo: Companhia das Letras, 2013. p.63 - 71.
gando suas enormes gaiolas. Ele mesmo fabricava aquelas jau- (Fragmento).
las, de tão leve material que nem pareciam servir de prisão.

35
LÍNGUA PORTUGUESA

Sobre os elementos destacados do fragmento “Em verdade, c) ... e funciona como escape para as pressões do cotidiano.
seu astro não era o Sol. Nem seu país não era a vida.”, leia as d) A solução para muitos é a reconversão em técnico ...
afirmativas. e) ... que depende das qualidades pessoais de seus mem-
I. A expressão EM VERDADE pode ser substituída, sem alte- bros.
ração de sentido por COM EFEITO.
II. ERA O SOL formam o predicado verbal da primeira ora- 06. MPE/PB - Técnico ministerial - diligências e apoio ad-
ção. ministrativo – 2015 - FCC
III. NEM, no contexto, é uma conjunção coordenativa.
O Tejo é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia,
Está correto apenas o que se afirma em: Mas o Tejo não é mais belo que o rio que corre pela minha
a) I e III. aldeia
b) III. Porque o Tejo não é o rio que corre pela minha aldeia.
c) I e II.
d) I. O Tejo tem grandes navios
e) II e III. E navega nele ainda,
Para aqueles que veem em tudo o que lá não está,
05. TRE/RR - Técnico Judiciário - Operação de A memória das naus.
Computadores – 2015 - FCC
É indiscutível que no mundo contemporâneo o ambiente O Tejo desce de Espanha
do futebol é dos mais intensos do ponto de vista psicológico. E o Tejo entra no mar em Portugal
Nos estádios a concentração é total. Vive-se ali situação de Toda a gente sabe isso.
incessante dialética entre o metafórico e o literal, entre o Mas poucos sabem qual é o rio da minha aldeia
lúdico e o real. O que varia conforme o indivíduo considerado é E para onde ele vai
a passagem de uma condição a outra. Passagem rápida no caso E donde ele vem
do torcedor, cuja regressão psíquica do lúdico dura algumas E por isso, porque pertence a menos gente,
horas e funciona como escape para as pressões do cotidiano. É mais livre e maior o rio da minha aldeia.
Passagem lenta no caso do futebolista profissional, que vive
quinze ou vinte anos em ambiente de fantasia, que geralmente Pelo Tejo vai-se para o Mundo
torna difícil a inserção na realidade global quando termina a car- Para além do Tejo há a América
reira. A solução para muitos é a reconversão em técnico, que os E a fortuna daqueles que a encontram
mantém sob holofote. Lothar Matthäus, por exemplo, recordista Ninguém nunca pensou no que há para além
de partidas em Copas do Mundo, com a seleção alemã, Ballon Do rio da minha aldeia.
d’Or de 1990, tornou-se técnico porque “na verdade, para mim,
o futebol é mais importante do que a família”. [...] O rio da minha aldeia não faz pensar em nada.
Sendo esporte coletivo, o futebol tem implicações e signi- Quem está ao pé dele está só ao pé dele.
ficações psicológicas coletivas, porém calcadas, pelo menos em (Alberto Caeiro)
parte, nas individualidades que o compõem. O jogo é coletivo,
como a vida social, porém num e noutra a atuação de um só E o Tejo entra no mar em Portugal
indivíduo pode repercutir sobre o todo. Como em qualquer
sociedade, na do futebol vive-se o tempo inteiro em equilíbrio O elemento que exerce a mesma função sintática que o su-
precário entre o indivíduo e o grupo. O jogador busca o sucesso blinhado acima encontra-se em
pessoal, para o qual depende em grande parte dos companhei- a) a fortuna. (4a estrofe)
ros; há um sentimento de equipe, que depende das qualidades b) A memória das naus. (2a estrofe)
pessoais de seus membros. O torcedor lúcido busca o prazer do c) grandes navios. (2a estrofe)
jogo preservando sua individualidade; todavia, a própria condi- d) menos gente. (3a estrofe)
ção de torcedor acaba por diluí-lo na massa. e) a América. (4a estrofe)
(JÚNIOR, Hilário Franco. A dança dos deuses: futebol,
cultura, sociedade. São Paulo: Companhia das letras, 2007, p. 07. TRF – 3ª Região – Analista Judiciário – Área Administra-
303-304, com adaptações) tiva – 2016 – FCC
O museu é considerado um instrumento de neutralização
*Ballon d’Or 1990 - prêmio de melhor jogador do ano – e talvez o seja de fato. Os objetos que nele se encontram reu-
nidos trazem o testemunho de disputas sociais, de conflitos po-
O jogador busca o sucesso pessoal ... líticos e religiosos. Muitas obras antigas celebram vitórias milita-
res e conquistas: a maior parte presta homenagem às potências
A mesma relação sintática entre verbo e complemento, su- dominantes, suas financiadoras. As obras modernas são, mais
blinhados acima, está em: genericamente, animadas pelo espírito crítico: elas protestam
a) É indiscutível que no mundo contemporâneo... contra os fatos da realidade, os poderes, o estado das coisas. O
b) ... o futebol tem implicações e significações psicológicas museu reúne todas essas manifestações de sentido oposto. Ex-
coletivas ... põe tudo junto em nome de um valor que se presume partilhado

36
LÍNGUA PORTUGUESA

por elas: a qualidade artística. Suas diferenças funcionais, suas Mais de 150 mil passageiros, ouvidos durante 2014 nos 65 ae-
divergências políticas são apagadas. A violência de que partici- roportos responsáveis por 98% da movimentação aérea do País,
pavam, ou que combatiam, é esquecida. O museu parece assim revelaram um perfil inédito do setor.
desempenhar um papel de pacificação social. A guerra das ima- <http://www.anac.gov.br/Noticia.aspx?ttCD_CHA-
gens extingue-se na pacificação dos museus. VE=1957&slCD_ ORIGEM=29>. Acesso em: 13/12/2015 (com
Todos os objetos reunidos ali têm como princípio o fato de adaptações).
terem sido retirados de seu contexto. Desde então, dois pontos a) Prejudica a correção gramatical do período, pois provoca
de vista concorrentes são possíveis. De acordo com o primeiro, o truncamento sintático.
museu é por excelência o lugar de advento da Arte enquanto tal, b) Transforma o aposto em oração subordinada adjetiva ex-
separada de seus pretextos, libertada de suas sujeições. Para o plicativa.
segundo, e pela mesma razão, é um “depósito de despojos”. Por c) Altera a oração subordinada explicativa para oração res-
um lado, o museu facilita o acesso das obras a um status esté- tritiva.
tico que as exalta. Por outro, as reduz a um destino igualmente d) Transforma o segmento grifado em oração principal do
estético, mas, desta vez, concebido como um estado letárgico. período.
A colocação em museu foi descrita e denunciada frequente- e) Corrige erro de estrutura sintática inserido no período.
mente como uma desvitalização do simbólico, e a musealização
progressiva dos objetos de uso como outros tantos escânda- RESPOSTAS
los sucessivos. Ainda seria preciso perguntar sobre a razão do
“escândalo”. Para que haja escândalo, é necessário que tenha 01 B
havido atentado ao sagrado. Diante de cada crítica escandali-
02 C
zada dirigida ao museu, seria interessante desvendar que valor
foi previamente sacralizado. A Religião? A Arte? A singularidade 03 C
absoluta da obra? A Revolta? A Vida autêntica? A integridade 04 A
do Contexto original? Estranha inversão de perspectiva. Porque,
05 B
simultaneamente, a crítica mais comum contra o museu apre-
senta-o como sendo, ele próprio, um órgão de sacralização. O 06 B
museu, por retirar as obras de sua origem, é realmente “o lugar 07 C
simbólico onde o trabalho de abstração assume seu caráter mais
08 B
violento e mais ultrajante”. Porém, esse trabalho de abstração
e esse efeito de alienação operam em toda parte. É a ação do
tempo, conjugada com nossa ilusão da presença mantida e da
arte conservada. CONCORDÂNCIA NOMINAL E VERBAL.
(Adaptado de: GALARD, Jean. Beleza Exorbitante. São Pau-
lo, Fap.-Unifesp, 2012, p. 68-71)
CONCORDÂNCIA NOMINAL VERBAL
Na frase Diante de cada crítica escandalizada dirigida ao
Segundo Mattoso câmara Jr., dá-se o nome de concordância
museu, seria interessante desvendar que valor foi previamente
à circunstância de um adjetivo variar em gênero e número de
sacralizado (3°parágrafo), a oração sublinhada complementa o acordo com o substantivo a que se refere (concordância nomi-
sentido de nal) e à de um verbo variar em número e pessoa de acordo com
a) um substantivo, e pode ser considerada como interroga- o seu sujeito (concordância verbal). Entretanto, há casos em que
tiva indireta. existem dúvidas.
b) um verbo, e pode ser considerada como interrogativa di-
reta. Concordância Nominal
c) um verbo, e pode ser considerada como interrogativa in-
direta. O adjetivo e palavras adjetivas (artigo, numeral, pronome
d) um substantivo, e pode ser considerada como interroga- adjetivo) concordam em gênero e número com o nome a que
tiva direta. se referem.
e) um advérbio, e pode ser considerada como interrogativa
indireta. Adjetivos e um substantivo: Quando houver mais de um
adjetivo para um substantivo, os adjetivos concordam em gêne-
08.ANAC – Analista Administrativo – 2016 – ESAF ro e número com o substantivo.
Assinale a opção que apresenta explicação correta para a
inserção de “que é” antes do segmento grifado no texto. Amava suco gelado e doce.

A Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República Substantivos e um adjetivo: Quando há mais do que um
divulgou recentemente a pesquisa O Brasil que voa – Perfil dos substantivo e apenas um adjetivo, há duas formas de concordar:
Passageiros, Aeroportos e Rotas do Brasil, o mais completo le-
vantamento sobre transporte aéreo de passageiros do País.

37
LÍNGUA PORTUGUESA

- Quando o adjetivo vem antes dos substantivos, o adjetivo Casos específicos de concordância verbal
deve concordar com o substantivo mais próximo.
- Concordância verbal com verbos impessoais: como não
Lindo pai e filho. apresentam sujeito, são conjugados sempre na 3.ª pessoa do
singular:
- Quando o adjetivo vem depois dos substantivos, o adjeti- Faz cinco anos que eu te conheci. (verbo fazer indicando
vo deve concordar com o substantivo mais próximo ou também tempo decorrido)
com todos os substantivos.
- Concordância verbal com a partícula apassivadora se: o
Comida e bebida perfeita. objeto direto assume a função de sujeito paciente, e o verbo
Comida e bebida perfeitas. estabelece concordância em número com o objeto direto:

- Palavras adverbiais x palavras adjetivas: há palavras que Vende-se ovo.


têm função de advérbio, mas às vezes de adjetivo. Vendem-se ovos.
Quando advérbio, são invariáveis: Há bastante comida.
Quando adjetivo, concordam com o nome a que se referem: - Concordância verbal com a partícula de indeterminação
Há bastantes motivos para não gostar dele. do sujeito se: Quando atua como indeterminadora do sujeito, o
Fazem parte desta classificação: pouco, muito, bastante, ba- verbo fica sempre conjugado na 3.ª pessoa do singular:
rato, caro, meio, longe, etc. Precisa-se de vendedor.
Precisa-se de vendedores.
- Expressões “anexo” e “obrigado”: tratam-se de palavras
adjetivas, e devem concordar com o nome a que se referem. - Concordância verbal com a maioria, a maior parte, a meta-
de,...: o verbo fica conjugado na 3.ª pessoa do singular. Porém, já
Seguem anexas as avaliações. se considera aceitável o uso da 3.ª pessoa do plural:
Seguem anexos os conteúdos.
A maioria dos meninos vai…
Muito obrigado, disse ele.
A maior parte dos meninos vai…
Muito obrigada, disse ela.
A maioria dos meninos vão…
A maior parte dos meninos vão…
Sob a mesma regra, temos palavras como: incluso, quite,
leso, mesmo e próprio.
- Concordância verbal com pronome relativo que: o verbo
concorda com o termo antecedente ao pronome relativo que:
Concordância Verbal
Fui eu que contei o segredo.
A concordância verbal ocorre quando o verbo de flexiona Foi ele que contou o segredo.
para concordar com o sujeito gramatical. Essa flexão verbal é Fomos nós que contamos o segredo.
feita em número (singular ou plural) e em pessoa (1.ª, 2.ª ou 3.ª
pessoa). - Concordância verbal com pronome relativo quem: o verbo
concorda com o termo antecedente ao pronome relativo quem
Sujeito composto antes do verbo: O sujeito é composto e ou fica conjugado na 3.ª pessoa do singular:
vem antes do verbo que deve estar sempre no plural.
Fui eu quem contei o segredo.
João e Paulo conversaram pelo telefone. Fomos nós quem contamos o segredo
Fui eu quem contou o segredo.
Sujeito composto depois do verbo: O sujeito composto vem Fomos nós quem contou o segredo.
depois do verbo, tanto pode ficar no plural como pode concor-
dar com o sujeito mais próximo. - Concordância verbal com o infinitivo pessoal: o infinitivo é
flexionado, principalmente, quer definir o sujeito e o sujeito da
Brincaram Pedro e Vítor. segunda oração é diferente da primeira:
Brincou Pedro e Vítor.
Eu pedi para eles fazerem a tarefa.
Sujeito formado por pessoas gramaticais diferentes: O su-
jeito é composto, mas as pessoas gramaticais são diferentes. O - Concordância verbal com o infinitivo impessoal: o infinitivo
verbo também deve ficar no plural e concordará com a pessoa não é flexionado em locuções verbais e em verbos preposicio-
que, a nível gramatical, tem prioridade. nados:
1.ª pessoa (eu, nós) tem prioridade em relação à 2.ª (tu,
vós) e a 2.ª tem prioridade em relação à 3.ª (ele, eles). Foram impedidos de entender a razão.

Nós, vós e eles vamos à igreja. - Concordância verbal com o verbo ser: a concordância em
número é estabelecida com o predicativo do sujeito:

38
LÍNGUA PORTUGUESA

Isto é verdade! E) Na frase “A maioria das pessoas não frequentam o mu-


Isto são verdades! seu”, o verbo encontra-se no plural por concordar com “pes-
soas”, ainda que pudesse, no singular, concordar com “maioria”.
- Concordância verbal com um dos que: o verbo fica sempre
na 3.ª pessoa do plural: 05. MPE-SP – Oficial de Promotoria I – 2016 - VUNESP

Um dos que foram… Fora do jogo


Um dos que podem…
Quando a economia muda de direção, há variáveis que logo
QUESTÕES se alteram, como o tamanho das jornadas de trabalho e o paga-
mento de horas extras, e outras que respondem de forma mais
01. Pref. de Nova Veneza/SC – Psicólogo – 2016 - FAEPESUL lenta, como o emprego e o mercado de crédito. Tendências ne-
A alternativa que está coerente com as regras da concor- gativas nesses últimos indicadores, por isso mesmo, costumam
ser duradouras.
dância nominal é:
Daí por que são preocupantes os dados mais recentes da
A) Ternos marrons-claros.
Associação Nacional dos Birôs de Crédito, que congrega empre-
B) Tratados lusos-brasileiros. sas do setor de crédito e financiamento.
C) Aulas teórico-práticas. Segundo a entidade, havia, em outubro, 59 milhões de con-
D) Sapatos azul-marinhos. sumidores impedidos de obter novos créditos por não estarem
E) Camisas verdes-escuras. em dia com suas obrigações. Trata-se de alta de 1,8 milhão em
dois meses.
02. SAAEB – Engenheiro de Segurança do Trabalho – 2016 Causa consternação conhecer a principal razão citada pelos
- FAFIPA consumidores para deixar de pagar as dívidas: a perda de em-
Indique a alternativa que NÃO apresenta erro de concor- prego, que tem forte correlação com a capacidade de pagamen-
dância nominal. to das famílias.
A) O acontecimento derrubou a bolsa brasileira, argentina Até há pouco, as empresas evitavam demitir, pois tendem
e a espanhola. a perder investimentos em treinamento e incorrer em custos
B) Naquele lugar ainda vivia uma pseuda-aristocracia. trabalhistas. Dado o colapso da atividade econômica, porém,
C) Como não tinham outra companhia, os irmãos viajaram só. jogaram a toalha.
D) Simpáticos malabaristas e dançarinos animavam a festa. O impacto negativo da disponibilidade de crédito é imedia-
to. O indivíduo não só perde a capacidade de pagamento mas
03. CISMEPAR/PR – Advogado – 2016 - FAUEL também enfrenta grande dificuldade para obter novos recursos,
A respeito de concordância verbal e nominal, assinale a al- pois não possui carteira de trabalho assinada.
ternativa cuja frase NÃO realiza a concordância de acordo com a Tem-se aí outro aspecto perverso da recessão, que se soma
norma padrão da Língua Portuguesa: às muitas evidências de reversão de padrões positivos da última
década – o aumento da informalidade, o retorno de jovens ao
A) Meias verdades são como mentiras inteiras: uma pessoa mercado de trabalho e a alta do desemprego.
meia honesta é pior que uma mentirosa inteira. (Folha de S.Paulo, 08.12.2015. Adaptado)
B) Sonhar, plantar e colher: eis o segredo para alcançar seus
objetivos. Assinale a alternativa correta quanto à concordância verbal.
A) A mudança de direção da economia fazem com que se
C) Para o sucesso, não há outro caminho: quanto mais dis-
altere o tamanho das jornadas de trabalho, por exemplo.
tante o alvo, maior a dedicação.
B) Existe indivíduos que, sem carteira de trabalho assinada,
D) Não é com apenas uma tentativa que se alcança o que
enfrentam grande dificuldade para obter novos recursos.
se quer. C) Os investimentos realizados e os custos trabalhistas fize-
ram com que muitas empresas optassem por manter seus fun-
04. TRF – 3ª Região – Analista Judiciário-Área Administra- cionários.
tiva – 2017 - FCC D) São as dívidas que faz com que grande número dos con-
A respeito da concordância verbal, é correto afirmar: sumidores não estejam em dia com suas obrigações.
A) Em “A aquisição de novas obras devem trazer benefícios E) Dados recentes da Associação Nacional dos Birôs de Cré-
a todos os frequentadores”, a concordância está correta por se dito mostra que 59 milhões de consumidores não pode obter
tratar de expressão partitiva. novos créditos.
B) Em “Existe atualmente, no Brasil, cerca de 60 museus”,
a concordância está correta, uma vez que o núcleo do sujeito é 06. COPEL – Contador Júnior - 2017 - NC-UFPR
“cerca”. Assinale a alternativa em que os verbos sublinhados estão
C) Na frase “Hão de se garantir as condições necessárias à corretamente flexionados quanto à concordância verbal
conservação das obras de arte”, o verbo “haver” deveria estar A) A Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou recen-
no singular, uma vez que é impessoal. temente a nova edição do relatório Smoke-free movies (Filmes
D) Em “Acredita-se que 25% da população frequentem am- sem cigarro), em que recomenda que os filmes que exibem ima-
bientes culturais”, a concordância está correta, uma vez que a gens de pessoas fumando deveria receber classificação indicati-
porcentagem é o núcleo do segmento nominal. va para adultos.

39
LÍNGUA PORTUGUESA

B) Pesquisas mostram que os filmes produzidos em seis paí- – bom [para] - capacidade [de, para] - capaz [de, para] – cego
ses europeus, que alcançaram bilheterias elevadas (incluindo [a] - certeza [de] - comum [de] - conforme [a, com] - consulta
alemães, ingleses e italianos), continha cenas de pessoas fuman- [a] - contente [com, de, em, por] - cuidadoso [com] – curioso
do em filmes classificados para menores de 18 anos. [de, por] descontente [com] - desfavorável [a] –desrespeito [a]
C) Para ela, a indústria do tabaco está usando a “telona” - diferente [de] - dificuldade [com, de, em, para] – digno [de]
como uma espécie de última fronteira para anúncios, mensa- - dúvida [acerca de, em, sobre] – entendido [em] – essencial
gens subliminares e patrocínios, já que uma série de medidas [para] – fácil [a, de, para] - facilidade [de, em, para] - fiel [a] - fe-
em diversos países passou a restringir a publicidade do tabaco. liz [de, com, em, por] - grato [a] - horror [a, de, por] -– idêntico
D) E 90% dos filmes argentinos também exibiu imagens de [a] - impaciência [com] – incapaz [de, para] –influência [sobre]
fumo em filmes para jovens. - insensível [a] - intolerante [com] - junto [a, de] - leal [a] - lento
E) Os especialistas da organização citam estudos que mos- [em] – liberal [com] - maior [de] – manifestação [contra] - medo
tram que quatro em cada dez crianças começa a fumar depois [de, a] – menor [de] –morador [em] - natural [de] - necessário
de ver atores famosos dando suas “pitadas” nos filmes. [a] - obediente [a] - ódio [a, contra] - orgulhoso [de, com] - pai-
xão [de, por] – parecido [a, com] - referência [a, por] –propício
RESPOSTAS [a] - próximo [a, de] - pronto [para, em] - propensão [para] - re-
lação [a, com, de, por, para com] - relacionado [com] - rente [a,
01 C de, com] - responsável [por] - rico [de, em] –satisfeito [com, de,
em, por] - semelhante [a] - suspeito [a, de] - tentativa [contra,
02 D de, para, para com] –único [em] - vazio [de]– visível [a] - vizinho
03 A [a, de, com] – zelo [a, de, por].
04 E
Regência de Advérbios: são importantes os advérbios: lon-
05 C ge [de], perto [de] e proximamente [a, de]. Todos os advérbios
06 C terminados em -mente, tendem a apresentar a mesma preposi-
ção dos adjetivos: Compatível [com]; compativelmente [com].
Relativo [a]; relativamente [a]

REGÊNCIA VERBAL E NOMINAL Regência Verbal

É a parte da língua que se ocupa da relação entre os verbos


REGÊNCIA NOMINAL E VERBAL e os termos que se seguem a ele e completam o seu sentido. Os
verbos são os termos regentes, enquanto os objetos (direto e
Regência é a relação de subordinação que ocorre entre um indireto) e adjuntos adverbiais são os termos regidos. Os verbos
verbo (ou um nome) e seus complementos. Ocupa-se em esta- podem ser:
belecer relações entre as palavras, criando frases não ambíguas, - Verbos Transitivos: Exigem complemento (objetos) para
que expressem efetivamente o sentido desejado, que sejam cor- que tenham sentido completo. Podem ser: Transitivos Diretos;
retas e claras. Transitivos Indiretos; Transitivos Diretos e Indiretos.
- Verbos Intransitivos: Existem verbos intransitivos que pre-
Regência Nominal cisam vir acompanhados de adjuntos adverbiais apenas para da-
rem um sentido completo para a frase.
Há nomes de sentido incompletos. Substantivos, adjetivos,
e, certos advérbios, podem, como no caso dos verbos, precisar Exemplos de regência verbal não preposicionada
de um complemento (complemento nominal) para completar Leu o jornal.
seu sentido: Sou devoto (nome de sentido incompleto) ao Santo Comeu o chocolate.
Expedito (compl. Nominal). Bebeu o vinho.
Ouviu a música.
O substantivo devoto rege um complemento nominal pre- Estudou a matéria.
cedido da preposição (ao). Sendo assim, a relação particular Fez o jantar
entre o nome e complemento, está sempre marcada por uma
preposição. Exemplos de regência verbal preposicionada
Contudo, cabe observar, que certos substantivos e adjetivos Procedeu à leitura do livro.
admitem mais de uma regência (mais de uma preposição). Pagou ao fornecedor.
Vejamos alguns nomes com as preposições que as regem: Desobedeceu aos mandamentos.
Apoiou-se na mesa.
Acessível [a, para] - acostumado [a, com] - adequado [a] - Apaixonou-se por sua melhor amiga.
admiração [a, por] - alheio [a, de] - aliado [a, com] - amante [de] Meditou sobre a possibilidade.
– amigo [de] - amor [a, de, para com, por] –ansioso [de, para,
por] - apto [a, para] - assíduo [a, em] - atenção [a] - atento [a, Quando a regência verbal é feita através de uma prepo-
em] - atencioso [com, para com] - benéfico [a] - benefício [a] sição, as mais utilizadas são: a, de, com, em, para, por, sobre.

40
LÍNGUA PORTUGUESA

agradar a; Assinale a opção que indica a frase em que a preposição “a”


obedecer a; introduz um adjunto e não um complemento.
assistir a; A) O Brasil dá Deus a quem não tem nozes, dentes etc.
visar a; B) É preciso passar o Brasil a limpo.
lembrar-se de; C) Um memorando serve não para informar a quem o lê,
simpatizar com; mas para proteger quem o escreve.
comparecer em; D) Quem é burro pede a Deus que o mate e ao diabo que
convocar para; o carregue.
trocar por; E) O desenvolvimento é uma receita dos economistas para
alertar sobre. promover os miseráveis a pobres – e, às vezes, vice-versa.
03. Pref. de Florianópolis/SC – Auxiliar de Sala – 2016 - FE-
QUESTÕES PESE

01. MPE-GO - Secretário Auxiliar – Goiás – 2018 – MPE-GO A linguagem poética

Embora de ocorrência frequente no cotidiano, a gramática Em relação à prosa comum, o poema se define de certas
normativa não aceita o uso do mesmo complemento para ver- restrições e de certas liberdades. Frequentemente se confunde
bos com regências diferentes. Assinale a opção em que esse tipo a poesia com o verso. Na sua origem, o verso tem uma função
de transgressão não ocorre. mneumotécnica (= técnica de memorizar); os textos narrativos,
A) “Pode-se concordar ou discordar, até radicalmente, de líricos e mesmo históricos e didáticos eram comunicados oral-
toda a política externa brasileira.” (Clóvis Rossi) mente, e os versos – repetição de um mesmo número de sílabas
B) “Educador é todo aquele que confere e convive com es- ou de um número fixo de acentos tônicos e eventualmente re-
ses conhecimentos.” (J. Carlos de Sousa) petição de uma mesma sonoridade (rima) – facilitavam a me-
C) Vi e gostei muito do filme O jardineiro fiel cujo diretor é morização. Mais tarde o verso se tornou um meio de enfeitar o
um brasileiro.
discurso, meio que se desvalorizou pouco a pouco: a poesia con-
D) A sociedade brasileira quer a paz, anseia por ela e a ela
temporânea é rimada, mas raramente versificada. Na verdade
aspira.
o valor poético do verso decorre de suas relações com o ritmo,
E) Interessei-me e desinteressei-me pelo assunto quase que
com a sintaxe, com as sonoridades, com o sentido das palavras.
simultaneamente.
O poema é um todo.
(…)
02. CODEBA – Analista Portuário – Administrador – 2016
Os poetas enfraquecem a sintaxe, fazendo-a ajustar-se às
- FGV
exigências do verso e da expressão poética. Sem se permitir
Relatórios verdadeiras incorreções gramaticais, eles se permitem “licenças
poéticas”.
Relatórios de circulação restrita são dirigidos a leitores de Além disso, eles trabalham o sentido das palavras em dire-
perfil bem específico. Os relatórios de inquérito, por exemplo, ções contrárias: seja dando a certos termos uma extensão ou
são lidos pelas pessoas diretamente envolvidas na investigação uma indeterminação inusitadas; seja utilizando sentidos raros,
de que tratam. Um relatório de inquérito criminal terá como lei- em desuso ou novos; seja criando novas palavras.
tores preferenciais delegados, advogados, juízes e promotores. Tais liberdades aparecem mais particularmente na utiliza-
Autores de relatórios que têm leitores definidos podem ção de imagens. Assim, Jean Cohen, ao estudar o processo de
pressupor que compartilham com seus leitores um conhecimen- fabricação das comparações poéticas, observa que a linguagem
to geral sobre a questão abordada. Nesse sentido, podem fazer corrente faz espontaneamente apelo a comparações “razoáveis”
um texto que focalize aspectos específicos sem terem a necessi- (pertinentes) do tipo “a terra é redonda como uma laranja” (a
dade de apresentar informações prévias. redondeza é efetivamente uma qualidade comum à terra e a
Isso não acontece com relatórios de circulação mais ampla. uma laranja), ao passo que a linguagem poética fabrica compa-
Nesse caso, os autores do relatório devem levar em considera- rações inusitadas tais como: “Belo como a coisa nova/Na pra-
ção o fato de terem como interlocutores pessoas que se inte- teleira até então vazia” (João Cabral de Melo Neto). Ou, então
ressam pelo assunto abordado, mas não têm qualquer conhe- estranhas como: “A terra é azul como uma laranja” (Paul Éluard).
cimento sobre ele. No momento de elaborar o relatório, será Francis Vanoye
preciso levar esse fato em consideração e introduzir, no texto,
todas as informações necessárias para garantir que os leitores Assinale a alternativa correta quanto à regência verbal.
possam acompanhar os dados apresentados, a análise feita e a A) Chamaram Jean de poeta.
conclusão decorrente dessa análise. B) “Não obedeço a rima das estrofes”, disse o poeta.
C) Todos os escritores preferem o elogio do que a crítica
“Relatórios de circulação restrita são dirigidos a leitores de D) Passou no cinema o filme sobre aquele poeta que gosto
perfil bem específico”. muito.
E) Eu me lembrei os dias da leitura de poesia na escola.
No caso desse segmento do texto, a preposição a é de uso
gramatical, pois é exigida pela regência do verbo dirigir.

41
LÍNGUA PORTUGUESA

04. TJ/SP - Escrevente Técnico Judiciário - 2016 - VUNESP E) Aos frequentadores da internet (atrair) sobretudo o volu-
me de informações que nela circulam.
Assinale a alternativa em que o período, adaptado da re-
vista Pesquisa Fapesp de junho de 2012, está correto quanto à RESPOSTAS
regência nominal e à pontuação.
A) Não há dúvida que as mulheres ampliam, rapidamente,
01 D
seu espaço na carreira científica ainda que o avanço seja mais
notável em alguns países, o Brasil é um exemplo, do que em 02 B
outros. 03 A
B) Não há dúvida que as mulheres ampliam rapidamente,
seu espaço na carreira científica, ainda que, o avanço seja mais 04 E
notável em alguns países (o Brasil é um exemplo) do que em 05 B
outros.
C) Não há dúvida de que, as mulheres, ampliam rapidamen-
te seu espaço na carreira científica; ainda que o avanço seja mais
notável, em alguns países, o Brasil é um exemplo!, do que em EMPREGO DO SINAL INDICATIVO DE CRASE.
outros.
D) Não há dúvida de que as mulheres, ampliam rapidamente
seu espaço, na carreira científica, ainda que o avanço seja mais CRASE
notável, em alguns países: o Brasil é um exemplo, do que em
outros. Há um caso de contração que merece destaque: A crase,
E) Não há dúvida de que as mulheres ampliam rapidamente que é a fusão da preposição a com o artigo definido feminino
seu espaço na carreira científica, ainda que o avanço seja mais a(s), ou da preposição a com o a inicial dos pronomes demons-
notável em alguns países – o Brasil é um exemplo – do que em trativos aquele(s), aquela(s), aquilo, ou ainda da preposição a
outros. com um pronome demonstrativo a(s), ou então da preposição a
com o a inicial do pronome relativo a qual (as quais).
05. MPE-PE - Analista Ministerial - Área Auditoria – 2018
Essa fusão de duas vogais idênticas, graficamente represen-
– FCC
tada por um a com acento grave (à), dá-se o nome de crase.
Veremos, a seguir, as principais regras.
Para onde vão as palavras
Usa-se a Crase:
Como se sabe, a palavra durante algum tempo foi obrigada
a recuar diante da imagem, e o mundo escrito e impresso diante
- Locuções prepositivas, locuções adverbiais ou locuções
do falado na tela. Tiras de quadrinhos e livros ilustrados com um
mínimo de texto hoje não se destinam mais somente a inician- conjuntivas com o núcleo um substantivo feminino: à queima-
tes que estão aprendendo a soletrar. De muito mais peso, no roupa, à noite, à força de, às vezes, às escuras, à medida que,
entanto, é o recuo da notícia impressa em face da notícia falada às pressas, à custa de, às mil maravilhas, à tarde, às onze horas,
e ilustrada. A imprensa, principal veículo da esfera pública no etc. Não confunda a locução adverbial às vezes com a expressão
século X I X assim como em boa parte do século XX, dificilmente fazer as vezes de, em que não há crase porque o “as” é artigo
será capaz de manter sua posição no século X X I. definido puro.
Mas nada disso pode deter a ascensão quantitativa da lite-
ratura. A rigor, eu quase diría que - apesar dos prognósticos pes- - Locuções que exprimem hora determinada: Ele chegou às
simistas - o mais importante veículo tradicional da literatura, o dez horas e vinte minutos.
livro impresso, sobreviverá sem grande dificuldade, com poucas
exceções, como as das enciclopédias, dos dicionários, dos com- - A expressão “à moda de” (ou “à maneira de”) estiver su-
pêndios de informação etc., os queridinhos da internet. bentendida: Mesmo que a palavra subsequente for masculina
(Adaptado de: HOBSBAWM, Eric. Tempos fraturados. São há crase: Ele é um galã à Don Juan.
Paulo: Companhia das Letras, 2013, p. 29-30.)
- As expressões “rua”, “loja”, “estação de rádio”, etc. es-
O verbo indicado entre parênteses deverá flexionar-se de tiverem subentendidas: Virou sentido à Higienópolis (= Virou
modo a concordar com o elemento sublinhado na seguinte fra- sentido à Rua Higienópolis); Fomos à Pernambucanas (fomos à
se: loja Pernambucanas).
A) Entre as várias atrações que (conter) um livro, uma é a de - É implícita uma palavra feminina: Esta fruta é semelhante
tornar-se um obieto do afeto de quem o possui. à uva (= à fruta).
B) Se há imagens pelas quais se (deixar) prender um
espectador, há palavras que encantam um leitor. - Pronome substantivo possessivo feminino no singular ou
C) Quando há num livro imagens excessivas, que plural: Aquela casa é semelhante à nossa. O acento indicativo de
(contaminar) um texto, as palavras saem desvalorizadas. crase é obrigatório porque, no masculino, ficaria assim: Aquele
D) A despeito de (haver) nele figuras demais, esse livro in- carro é semelhante ao nosso (preposição + artigo definido).
fantil atrai também um leitor adulto.

42
LÍNGUA PORTUGUESA

- Não confundir devido com dado (a, os, as): a expressão Crase Facultativa:
pede preposição “a”, tendo crase antes de palavra feminina de-
terminada pelo artigo definido. Devido à chuva de ontem, os - Antes de nomes próprios femininos: Dei os parabéns à
trabalhos foram cancelados (= devido ao temporal de ontem, Cida; Dei os parabéns a Cida. Antes de um nome de pessoa, po-
os trabalhos...); Já a outra expressão não aceita preposição “a” de-se ou não usar o artigo “a” (“A Camila é uma boa amiga”. Ou
(o “a” que aparece é artigo definido, não se usa, crase): Dada “Camila é uma boa amiga”). Sendo assim, mesmo que a prepo-
a resposta sobre o acidente (= dado o esclarecimento sobre...). sição esteja presente, a crase é facultativa.

Fora os casos anteriores, deve-se substituir a palavra femi- - Antes de pronome adjetivo possessivo feminino singular:
nina por outra masculina da mesma função sintática. Caso use Pediu permissão à minha esposa; Pediu permissão a minha es-
“ao” no masculino, haverá crase no “a” do feminino. Se ocorrer posa. Mesma explicação é idêntica à do item anterior. Portanto,
“a” ou “o” no masculino, não haverá crase no “a” do feminino. mesmo com a presença da preposição, a crase é facultativa.

Não se usa Crase: - Nomes de localidades: há as que admitem artigo antes e


as que não o admitem. Para se saber se o nome de uma localida-
- Antes de palavra masculina: Chegou a tempo; Vende-se de aceita artigo, substitua o verbo da frase pelos verbos estar ou
a prazo. vir. Se ocorrer a combinação “na” com o verbo estar ou “da” com
o verbo vir, haverá crase com o “a” da frase original. Se ocorrer
- Antes de verbo: Ficamos a admirá-los; Ele começou a ter “em” ou “de”, não haverá crase: Quero conhecer à Europa (estou
alucinações. na Europa; vim da Europa); O avião dirigia-se a São Paulo (estou
em São Paulo; vim de São Paulo).
- Antes de artigo indefinido: Nos dirigimos a um caixa.
QUESTÕES
- Antes de expressão de tratamento introduzida pelos pro-
nomes possessivos Vossa ou Sua ou a expressão Você: Envia-
01. PC-MG - Escrivão de Polícia Civil – 2018 - FUMARC
ram convites a Vossa Senhoria; Encontraremos a Sua Majestade;
Ocorre crase quando há a fusão da preposição “a” com o
Ele queria perguntar a você.
artigo definido feminino “a” ou entre a preposição “a” e o pro-
nome demonstrativo “aquele” (e variações).
- Antes dos pronomes demonstrativos esta e essa: Me refi-
ro a esta menina; A família não deu ouvidos a essa fofoca.
INDIQUE a alternativa que apresenta uso FACULTATIVO da
crase.
- Antes dos pronomes pessoais: Não diga a ela.
A) Solicitamos a devolução dos documentos enviados à em-
- Antes dos pronomes indefinidos com exceção de outra: presa.
Falarei isso a qualquer pessoa. Com o pronome indefinido ou- B) O promotor se dirigiu às pessoas presentes no tribunal.
tra(s), pode haver crase pois, às vezes, aceita o artigo definido C) O pai entregou àquele advogado a prova exigida pelo juiz.
a(s): Estavam de frente umas às outras (no masculino, ficaria D) Irei à minha sala para buscar o projeto de consultoria.
“Estavam de frente uns aos outros”).
02. Pref. de Itaquitinga/PE – Assistente Administrativo –
- Quando o “a” estiver no singular e a palavra seguinte 2016 - IDHTEC
estiver no plural: Contei a pessoas que perguntaram. Em qual dos trechos abaixo o emprego do acento grave foi
omitido quando houve ocorrência de crase?
- Quando, antes do “a”, houver preposição: Os livros esta-
vam sob a mesa. Exceção para até por motivo de clareza: A água A) “O Sindicato dos Metroviários de Pernambuco decidiu
do rio subiu até à Prefeitura da cidade. (= a água chegou perto suspender a paralisação que faria a partir das 16h desta quar-
da Prefeitura); se não houvesse o sinal da crase, o sentido ficaria ta-feira.”
ambíguo: a água chegou até a Prefeitura (= inundou inclusive a B) “Pela manhã, em nota, a categoria informou que cruza-
Prefeitura). ria os braços só retornando às atividades normais as 5h desta
quinta-feira.”
- Com expressões repetitivas: Secamos a casa gota a gota. C) “Nesta quarta-feira, às 21h, acontece o “clássico das mul-
tidões” entre Sport e Santa Cruz, no Estádio do Arruda.”
- Com expressões tomadas de maneira indeterminada: D) “Após a ameaça de greve, o sindicato foi procurado pela
Prefiro jiló a injeção (no masc. = prefiro jiló a remédio). CBTU e pela PM que prometeram um reforço no esquema de
segurança.”
- Antes de pronome interrogativo, não ocorre crase: A qual E) “A categoria se queixa de casos de agressões, vandalismo
autoridade irá se dirigir? e depredações e da falta de segurança nas estações.”

- Na expressão valer a pena (no sentido de valer o sacrifí- 03. MPE/SC – Promotor de Justiça – 2016 - MPE/SC
cio, o esforço), não ocorre crase, pois o “a” é artigo definido: Em relação ao emprego do sinal de crase, estão corretas as
Não sei se este trabalho vale a pena. frases:

43
LÍNGUA PORTUGUESA

a) Solicito a Vossa Excelência o exame do presente docu-


mento. PROCESSO DE COMUNICAÇÃO: INTENCIONALIDADE
b) A redação do contrato compete à Diretoria de Orçamento DISCURSIVA. ELEMENTOS CONSTITUINTES DA COMU-
e Finanças. NICAÇÃO.
( ) Certo ( ) Errado
PROCESSO DE COMUNICAÇÃO
04. TRF-3ª Região – Técnico Judiciário – Informática – 2016
- FCC Comunicação constitui uma das mais importantes ferra-
O sinal indicativo de crase está empregado corretamente mentas que as pessoas têm à sua disposição para desempenhar
em: as suas funções de influência. A comunicação é frequentemente
A) Não era uma felicidade eufórica, semelhava-se mais à definida como a troca de informações entre um transmissor e
uma brisa de contentamento. um receptor, e a inferência (percepção) do significado entre os
B) O vinho certamente me induziu àquela súbita vontade de indivíduos envolvidos.
abraçar uma árvore gigante. O processo de comunicação ocorre quando o emissor (ou
C) Antes do fim da manhã, dediquei-me à escrever tudo o codificador) emite uma mensagem (ou sinal) ao receptor (ou de-
que me propusera para o dia. codificador), através de um canal (ou meio). O receptor interpre-
D) A paineira sobreviverá a todas às 18 milhões de pessoas tará a mensagem que pode ter chegado até ele com algum tipo
que hoje vivem em São Paulo. de barreira (ruído, bloqueio, filtragem) e, a partir daí, dará o fee-
E) Acho importante esclarecer que não sou afeito à essa tra- dback ou resposta, completando o processo de comunicação.
dição de se abraçar árvore.
Elementos do Processo de Comunicação
05. Pref. De Criciúma/SC – Engenheiro Civil – 2016 - FEPESE
Analise as frases quanto ao uso correto da crase. Para a comunicação1 atingir os objetivos devemos conside-
1. O seu talento só era comparável à sua bondade. rar alguns cuidados, com eles diminuímos o risco de estabelecer
2. Não pôde comparecer à cerimônia de posse na Prefei- ruídos ou barreiras à comunicação.
tura.
Para Transmissão
3. Quem se vir em apuros, deve recorrer à coordenação lo-
- Seja o mais objetivo possível.
cal de provas.
- Tenha paciência. Fale pausadamente. Observe o ritmo do
4. Dia a dia, vou vencendo às batalhas que a vida me apre-
outro e siga-o.
senta. - Estude primeiro o que vai falar. Cuide para ter um objetivo
5. Daqui à meia hora, chegarei a estação; peça para me claro.
aguardarem. - Procure adaptar sua linguagem a da pessoa. Não use pa-
lavras difíceis, gírias ou palavras típicas de regiões que possam
A) São corretas apenas as frases 1 e 4. prejudicar a comunicação.
B) São corretas apenas as frases 3 e 4. - Observe a linguagem verbal e a não-verbal. Os gestos, as
C) São corretas apenas as frases 1, 2 e 3. expressões faciais, a postura, são fundamentais para nós.
D) São corretas apenas as frases 2, 3 e 4.
E) São corretas apenas as frases 2, 4 e 5. Para Recepção

RESPOSTAS - Esteja sempre presente na situação, não “voe”, não se dis-


traia.
- Não pense na resposta antes do outro terminar a
01 D
mensagem. Escute, reflita e após, exponha o seu ponto de vista.
02 B - Anote pontos básicos se necessário.
03 Certo - Evite expressar não-verbalmente cansaço, desinteresse ou
falta de atenção.
04 B - Respeite as colocações do outro. Mesmo que discorde,
05 C mostre que aceita o pensamento dele. Não somos donos da ver-
dade.

Um dos maiores vícios2 é que percebendo que temos de-


senvoltura para expressão, verbal, escrita ou outra, achamos
que somos bons comunicadores. Entretanto existe uma dife-
rença fundamental entre informação e comunicação. Informar
é um ato unilateral, que apenas envolve a pessoa que tem uma
informação a dar. Comunicação é tornar algo comum. Fazer-se
entender, provocar no outro reações.
1 https://www.portaleducacao.com.br/conteudo/artigos/administracao/o-
-processo-de-comunicacao/36775
2 https://www.portalcmc.com.br/o-processo-de-comunicacao/

44
LÍNGUA PORTUGUESA

Outro vício, não menos importante, é nossa incapacidade Nem tem que ter ginasial,
de ouvir. Precisamos saber falar, escrever, demonstrar sentimen- Meu amor.
tos e emoções, mas igualmente importante no processo é es- No Tabariz,
tarmos preparados para ouvir. Observe que muitas vezes numa O som é que nem os Bee Gees,
conversa é fácil identificar que as pessoas estão muito mais Dancei com uma dona infeliz,
preocupadas com a maneira que irão responder. Numa análise Que tem um tufão nos quadris,
mais fria não estão ouvindo. Tem um japonês trás de mim,
Se podemos facilitar porque complicar? O custo de uma co- Eu vou dar um pulo em Manaus,
municação deficiente, não se revela apenas nas relações organi- Aqui tá quarenta e dois graus,
zacionais, causa profundo mal-estar e sérios conflitos pessoais. O sol nunca mais vai se pôr,
Uma das alternativas para tornar a comunicação com qua- Eu tenho saudades da nossa canção,
lidade é entendermos como o processo de comunicação se rea- Saudades de roça e sertão,
liza. Não se trata de analisarmos cada diferente tipo de comuni- Bom mesmo é ter um caminhão,
cação, mas de identificar certos pontos em comuns entre elas. A Meu amor.
forma como se relacionam e se processam nos mais diferentes (BUARQUE, Chico & MENESCAL, Roberto. Fragmento.)
ambientes e situações.
Um modelo de processo de comunicação, entre tantos ou- O linguista russo Roman Jakobson, por volta do século XX,
tros, elaborado por Berlo, em 1963, apresenta alguns elementos ampliou e reformulou um modelo de Teoria da Comunicação
comuns: com o propósito de investigar as relações entre Linguística e
– emissor: é a pessoa que tem algo, uma ideia, uma mensa- Literatura. Para isso, Jakobson identificou os elementos envol-
gem, para transmitir, ou que deseja comunicar; vidos na situação de comunicação. Acerca de tais elementos e
– codificador: o tipo, ou a forma que o emissor irá exterio- considerando-se o texto apresentado, analise as afirmativas e
rizar; assinale a correta.
– mensagem: é a expressão da ideia que o emissor deseja A) A forma escolhida para utilização do código linguístico
comunicar;
permite reconhecer características próprias do receptor.
– canal: é o meio pelo qual a mensagem seja conduzida;
B) O referente da mensagem apresentada trata-se de uma
– decodificador: é o mecanismo responsável pela decifração
situação vivida pelo receptor a respeito da qual o emissor faz
da mensagem pelo receptor; e
descrições detalhadas e subjetivas.
– receptor: o destinatário final da mensagem, ideia etc.
C) A mensagem textual é apresentada por meio de uma
enumeração que preza pela clareza das situações apresentadas
QUESTÕES
refletindo na coesão e coerência textuais.
D) É possível reconhecer que ocorre, no texto, um ato de
01. SEDUC-PA - Professor Classe I – Português – 2018 -
CONSULPLAN comunicação em pleno desenvolvimento, havendo uma relação
de proximidade entre o emissor e o receptor da mensagem.
Bye Bye, Brasil
02. Câmara Municipal de Araraquara - SP - Assistente de
Oi, coração Tradução e Interpretação – 2016 - IBFC
Não dá pra falar muito não,
Espera passar o avião. O estudo científico da comunicação: avanços teóricos e
Assim que o inverno passar, metodológicos ensejados pela escola latino-americana
Eu acho que vou te buscar,
Aqui tá fazendo calor, INTRODUÇÃO
Deu pane no ventilador,
Já tem fliperama em Macau, A sociedade moderna está cercada de todos os lados pelos
Tomei a costeira em Belém do Pará, vários sistemas de comunicação. Estudar a comunicação social
Puseram uma usina no mar, é uma necessidade atual de todos os povos em qualquer parte
Talvez fique ruim pra pescar, do mundo. Conhecer e dominar os sistemas de informação e
Meu amor. da comunicação é indispensável no mundo globalizado. Estamos
No Tocantins, iniciando os últimos passos para a saída do século XX e os pri-
O chefe dos parintintins meiros para a entrada do século XXI. Neste período de transição
Vidrou na minha calça Lee, o ser humano vive momentos de incertezas da comunicação e
Eu vi uns patins pra você de (in)comunicação, das crises políticas, culturais, econômicas
Eu vi um Brasil na TV, e religiosas. As distâncias na sociedade contemporânea es-
Capaz de cair um toró, tão cada vez mais próximas, quer seja pelos modernos meios
Estou me sentindo tão só, de transporte ou pelas telecomunicações via satélite, Internet,
Oh, tenha dó de mim. etc. Com as novas tecnologias, a velocidade da informação e o
Pintou uma chance legal, processo comunicacional tomam-se cada vez mais complexos e
Um lance lá na capital, consequentemente de mais difícil compreensão.

45
LÍNGUA PORTUGUESA

No início do século XX o impacto sociocultural e econômico B) Devido a restrições de tempo, informo-lhe que suas su-
se deu com a revolução industrial. O século XXI está chegando gestões de eficiência não serão submetidas à análise neste mo-
sob o impacto da revolução dos meios de comunicação e das mento.
novas tecnologias da informação. É inegável a importância dos C) Lhe comunico, por meio deste, que não estou dispondo
meios de comunicação social e sua influência na complexa so- de tempo para debruçar-me sobre as tuas sugestões de eficiên-
ciedade globalizada. Desta forma, estudaras mídias passou a ser cia.
uma prioridade no campo das interações sociais. É necessário D) Gostaria que você soubesse que, mesmo considerando
investigar, compreender e formular teorias de comunicação que suas sugestões de eficiência válidas, não tenho como avaliar-
possam atender os interesses da sociedade no mundo globaliza- -lhes agora.
do. Em busca desse objetivo resolvemos fazer algumas reflexões E) Desculpe-me, eu tinha muito interesse em ler tuas su-
sobre os paradigmas existentes e tentar abrir algumas brechas gestões de eficiência, só que agora estou muito ocupado e sem
que possam contribuir na formatação de novos ingredientes tempo.
colaboradores do processo de interpretação e explicação da
realidade atual. É neste mundo globalizado que o homem vive RESPOSTAS
atualmente e dele retira as informações que irão contribuir para
ampliação dos seus conhecimentos e das suas experiências.
http://www2.metodista.br/unesco/PCLA/revista6/ar- 01 D
tiao%206-3.htm - acesso em 03/05/2016. 02 D
03 A
Assinale a alternativa correta. O termo (in)comunicação nos
leva a entender: 04 A
A) Comunicação interna
B) Comunicação adequada
C) Falta de comunicação FUNÇÕES DA LINGUAGEM
D) Falha de comunicação
Funções da linguagem são recursos da comunicação que,
03. POLÍCIA CIENTÍFICA-PR – Odontolegista – 2017 - IBFC de acordo com o objetivo do emissor, dão ênfase à mensagem
O texto abaixo é parte de um gênero técnico denominado transmitida, em função do contexto em que o ato comunicativo
ofício. Sobre ele, responda à questão. ocorre.
São seis as funções da linguagem, que se encontram direta-
Texto III mente relacionadas com os elementos da comunicação.

Ofício Circular CAOSAÚDE nº 07/2015.


Funções da Linguagem Elementos da Comunicação
Goiânia, 24 de abril de 2015. Função referencial ou denotativa contexto
Função emotiva ou expressiva emissor
Senhor (a) Promotor (a),
Função apelativa ou conativa receptor
A par de cumprimentá-lo (a), servimo-nos do presente para Função poética mensagem
encaminhar a V. Exa informações sobre a campanha estadual de Função fática canal
combate à dengue e o papel do Ministério Público nas ações de
(1) prevenção, (2) bloqueio das áreas de transmissão e (3) ma- Função metalingu´´istica código
nejo clínico dos pacientes.
Função Referencial
[...]
A função referencial tem como objetivo principal informar,
Sendo o texto III o primeiro parágrafo de um ofício, conclui- referenciar algo. Esse tipo de texto, que é voltado para o contex-
-se que ele tem como principal função de: to da comunicação, é escrito na terceira pessoa do singular ou
A) apresentar a finalidade pela qual o texto foi escrito. do plural, o que enfatiza sua impessoalidade.
B) descrever o perfil do emissor da mensagem. Para exemplificar a linguagem referencial, podemos citar os
C) demonstrar uma postura elogiosa ao interlocutor. materiais didáticos, textos jornalísticos e científicos. Todos eles,
D) estabelecer um histórico detalhado para o problema. por meio de uma linguagem denotativa, informam a respeito de
E) apresentar uma visão crítica sobre a questão proposta. algo, sem envolver aspectos subjetivos ou emotivos à lingua-
gem.
04. CREMESP - Oficial Administrativo - Área Administrativa Exemplo de uma notícia:
– 2016 - FCC O resultado do terceiro levantamento feito pela Aliança Glo-
Uma frase cuja redação está adequada a um e-mail institu- bal para Atividade Física de Crianças — entidade internacional
cional, ou seja, a um contexto de comunicação escrita formal, é: dedicada ao estímulo da adoção de hábitos saudáveis pelos jo-
A) Caríssimo, por falta de tempo, devo lhe confessar que vens — foi decepcionante. Realizado em 49 países de seis conti-
não vou poder tomar ciência das tuas sugestões de eficiência. nentes com o objetivo de aferir o quanto crianças e adolescentes

46
LÍNGUA PORTUGUESA

estão fazendo exercícios físicos, o estudo mostrou que elas estão Exemplo:
muito sedentárias. Em 75% das nações participantes, o nível de
atividade física praticado por essa faixa etária está muito abai- “Basta-me um pequeno gesto,
xo do recomendado para garantir um crescimento saudável e feito de longe e de leve,
um envelhecimento de qualidade — com bom condicionamento para que venhas comigo
físico, músculos e esqueletos fortes e funções cognitivas preser- e eu para sempre te leve...”
vadas. De “A” a “F”, a maioria dos países tirou nota “D”. (Cecília Meireles)

Função Emotiva Função Fática

Caracterizada pela subjetividade com o objetivo de emocio- A função fática tem como principal objetivo estabelecer um
nar. É centrada no emissor, ou seja, quem envia a mensagem. A canal de comunicação entre o emissor e o receptor, quer para
mensagem não precisa ser clara ou de fácil entendimento. iniciar a transmissão da mensagem, quer para assegurar a sua
Por meio do tipo de linguagem que usamos, do tom de voz continuação. A ênfase dada ao canal comunicativo.
que empregamos, etc., transmitimos uma imagem nossa, não Esse tipo de função é muito utilizado nos diálogos, por
raro inconscientemente. exemplo, nas expressões de cumprimento, saudações, discursos
Emprega-se a expressão função emotiva para designar a uti- ao telefone, etc.
lização da linguagem para a manifestação do enunciador, isto é,
daquele que fala. Exemplo:
-- Calor, não é!?
Exemplo: Nós te amamos! -- Sim! Li na previsão que iria chover.
-- Pois é...
Função Conativa
Função Metalinguística
A função conativa ou apelativa é caracterizada por uma lin-
guagem persuasiva com a finalidade de convencer o leitor. Por É caracterizada pelo uso da metalinguagem, ou seja, a lin-
isso, o grande foco é no receptor da mensagem. guagem que se refere a ela mesma. Dessa forma, o emissor ex-
Trata-se de uma função muito utilizada nas propagandas, plica um código utilizando o próprio código.
publicidades e discursos políticos, a fim de influenciar o receptor Nessa categoria, os textos metalinguísticos que merecem
por meio da mensagem transmitida. destaque são as gramáticas e os dicionários.
Esse tipo de texto costuma se apresentar na segunda ou na Um texto que descreva sobre a linguagem textual ou um
terceira pessoa com a presença de verbos no imperativo e o uso documentário cinematográfico que fala sobre a linguagem do
do vocativo. cinema são alguns exemplos.
Não se interfere no comportamento das pessoas apenas
com a ordem, o pedido, a súplica. Há textos que nos influenciam Exemplo:
de maneira bastante sutil, com tentações e seduções, como os Amizade s.f.: 1. sentimento de grande afeição, simpatia,
anúncios publicitários que nos dizem como seremos bem-suce- apreço entre pessoas ou entidades. “sentia-se feliz com a ami-
didos, atraentes e charmosos se usarmos determinadas marcas, zade do seu mestre”
se consumirmos certos produtos. 2. POR METONÍMIA: quem é amigo, companheiro,
Com essa função, a linguagem modela tanto bons cidadãos, camarada. “é uma de suas amizades fiéis”
que colocam o respeito ao outro acima de tudo, quanto esper-
talhões, que só pensam em levar vantagem, e indivíduos atemo- QUESTÕES
rizados, que se deixam conduzir sem questionar.
01. SAP-SP - Agente de Segurança Penitenciária – 2018 –
Exemplos: Só amanhã, não perca! MS CONCURSOS
Vote em mim! Quanto às funções da linguagem, assinale a alternativa in-
correta:
Função Poética
A) “Semente do futuro”. Essa construção, que lembra uma
Esta função é característica das obras literárias que possui pelota felpuda, na realidade tem 20 metros de altura e é intei-
como marca a utilização do sentido conotativo das palavras. rinha coberta por varas de acrílico, que balançam ao sabor do
Nela, o emissor preocupa-se de que maneira a mensagem vento. O curioso é que em cada uma delas estão guardadas
será transmitida por meio da escolha das palavras, das expres- algumas sementinhas e são mais de 60 mil, vindas de plan-
sões, das figuras de linguagem. Por isso, aqui o principal elemen- tas variadas. O cubo faz parte do pavilhão do Reino Unido na
to comunicativo é a mensagem. Shangaí World Expo, a Feira Universal que acontece na China
A função poética não pertence somente aos textos literários. até outubro. A ideia do evento, que ocorre desde 1851, é que
Podemos encontrar a função poética também na publicidade ou países de todo o planeta compartilhem seus aspectos culturais,
nas expressões cotidianas em que há o uso frequente de metá- tecnológicos e econômicos. A edição de 2010 tem o tema “Uma
foras (provérbios, anedotas, trocadilhos, músicas). cidade melhor, uma vida melhor”, e a construção, apelidada de

47
LÍNGUA PORTUGUESA

“Seed Cathedral” (Catedral da Semente) representa a importân- 03. Pref. de Iguaraçú/PR – Técnico em Enfermagem – 2014
cia da diversidade da Terra. Durante o dia, cada vara de mais de – FAFIPA
7 metros atua como fibra óptica, levando luz ao seu interior. À
noite as fibras se iluminam criando uma atmosfera de respeito SONETO DE MAIO
e devoção aos recursos do planeta. No fim da feira, os visitan- (Vinícius de Moraes)
tes poderão plantar as sementes ali guardadas e todo o material
usado na construção do cubo será reciclado e reutilizado. (Vida Suavemente Maio se insinua
Simples – 2010). (Função referencial ou denotativa.) Por entre os véus de Abril, o mês cruel
B) “Quando o passado é um pesadelo”. Tomado pela costu- E lava o ar de anil, alegra a rua
meira pressa de repórter, eu tinha que fazer, a toque de caixa, Alumbra os astros e aproxima o céu.
imagens do museu para compor a minha matéria. Até a lua, a casta e branca lua
Quando chegamos ao primeiro corredor, o eixo da conti- Esquecido o pudor, baixa o dossel
nuidade, tentei pedir algo a Bárbara, funcionária do museu que E em seu leito de plumas fica nua
nos acompanhava. Não consegui falar. Tudo foi se desfazendo, A destilar seu luminoso mel.
todos os sentimentos e emoções, e também as racionalizações, Raia a aurora tão tímida e tão frágil
reflexões ou desalentos mediados pelo intelecto. Tudo foi se Que através do seu corpo transparente
desvanecendo dentro de mim e um grande vazio, um vácuo que Dir-se-ia poder-se ver o rosto
sugava a si próprio, se formou qual redemoinho em meu peito, Carregado de inveja e de presságio
até explodir num jorro de pranto, num colapso incontrolável. Dos irmãos Junho e Julho, friamente
Não tive condições de prosseguir com o cinegrafista Fernan- Preparando as catástrofes de Agosto...
do Calixto. Procurei um lugar onde esgotar as lágrimas e tentava Disponível em: http://www.viniciusdemoraes.com.br
me explicar, repetindo aos soluços: “Pela metade, não. Não vou
conseguir fazer meia visita. Pela metade, não. Ou encaro todo o Em um poema, é possível afirmar que a função de lingua-
périplo ou vou embora”. gem está centrada na:
Não consegui nem uma coisa nem outra. Nem parei de A) Função fática.
chorar, nem me recompus; não me atrevi a percorrer todos os B) Função emotiva ou expressiva.
corredores, nem tampouco resisti a penetrar nos espaços des- C) Função conativa ou apelativa.
concertantes do Museu Judaico de Berlim. (Pedro Bial). (Função D) Função denotativa ou referencial.
emotiva ou expressiva.) 04. Pref. de Cantagalo/RJ - Oficial Administrativo – 2014
C) São Paulo está embaixo de água. A culpa não é da chuva. – CEPERJ
É de quem coloca lixo fora do lugar. Pense nisso. Faça a coisa Sempre que há comunicação há uma intenção, o que de-
certa. Jogue o lixo no lixo. (Prefeitura de São Paulo). (Função co- termina que a linguagem varie, assumindo funções. A função da
nativa ou apelativa.) linguagem predominante no texto com a respectiva característi-
D) Pronome, palavra que representa um nome, um termo ca está expressa em:
usado com a função de um nome, um adjetivo ou toda uma A) referencial – presença de termos científicos e técnicos
oração que a segue ou antecede. (Houaiss Dicionário). (Função B) expressiva – predominância da 1ª pessoa do singular
poética.) C) fática – uso de cumprimentos e saudações
D) apelativa – emprego de verbos flexionados no imperativo
02. (Universidade Federal de Alagoas/AL – Técnico de La-
boratório – 2014 – COPEVE adaptada 05. Pref. de Três Fronteiras - SP - Professor de Educação
Alô, alô, Marciano Básica l - Educação Infantil – 2017 – Instituto Excelência
Aqui quem fala é da Terra Sobre uma das funções da linguagem podemos afirmar que:
Pra variar, estamos em guerra “Tem o código como fator essencial. Por exemplo: definições,
Você não imagina a loucura verbetes dos dicionários e poesias. ” Esta definição está repre-
O ser humano tá na maior fissura porque sentada na seguinte alternativa:
Tá cada vez mais down o high society [...] A) Referencial conativa
LEE, Rita. CARVALHO, Roberto de. Disponível em: http:// B) Metalinguística
www.vagalume.com.br/ Acesso em: 30 mar. 2014. C) Fática
D) Nenhuma das alternativas.
Os dois primeiros versos do texto fazem referência à função
da linguagem cujo objetivo dos emissores é apenas estabelecer RESPOSTAS
ou manter contato de comunicação com seus receptores. Nes-
ses versos, a linguagem está empregada em função 01 D
A) expressiva.
B) apelativa. 02 E
C) referencial. 03 B
D) poética.
04 D
E) fática.
05 B

48
LÍNGUA PORTUGUESA

Nosso céu tem mais estrelas,


INTERTEXTUALIDADE. Nossas várzeas têm mais flores,
Nossos bosques têm mais vida,
Nossa vida mais amores.
INTERTEXTUALIDADE
Em cismar, sozinho, à noite,
A intertextualidade é a criação de um texto a partir de outro Mais prazer encontro eu lá;
texto que existe. Dependendo da situação, a intertextualidade Minha terra tem palmeiras,
tem funções diferentes que dependem muito dos textos/con- Onde canta o Sabiá.
textos em que ela é inserida.
Sem dúvidas, o fenômeno da intertextualidade está relacio- Minha terra tem primores,
nada ao conhecimento de mundo, que deve ser comum ao pro- Que tais não encontro eu cá;
dutor e ao receptor do textos. A intertextualidade pode ocorrer Em cismar - sozinho, à noite -
em qualquer tipo de texto. Mais prazer encontro eu lá;
Intertextualidade é a relação entre dois textos que tem Minha terra tem palmeiras,
como característica um citar o outro. Onde canta o Sabiá.
Tipos de Intertextualidade Não permita Deus que eu morra,
Sem que eu volte para lá;
Dentre os vários tipos de intertextualidade, destacam-se: Sem que desfrute os primores
Que não encontro por cá;
Paródia: aparece geralmente em forma de crítica irônica de Sem qu’inda aviste as palmeiras,
caráter humorístico. Esse recurso é muito utilizado pelos progra- Onde canta o Sabiá.
mas humorísticos. (Gonçalves Dias)
Paráfrase: recriação de um texto já existente mantendo a
mesma ideia contida no texto original, entretanto, com a utiliza- Canto de Regresso à Pátria (intertextualidade)
ção de outras palavras.
Epígrafe: muito utilizado em obras, textos científicos, arti- Minha terra tem palmares
gos, resenhas, monografias, pois consiste no acréscimo de uma Onde gorjeia o mar
frase ou parágrafo que tenha relação com o que será discutido Os passarinhos daqui
no texto. Não cantam como os de lá
Citação: ocorre ao acrescentar trechos de outras obras
numa produção textual. Em geral vem expressa entre aspas e Minha terra tem mais rosas
itálico, por se tratar da escrita de outro autor. E quase que mais amores
Alusão: refere-se aos elementos presentes em outros tex- Minha terra tem mais ouro
tos. Minha terra tem mais terra
Pastiche: há a imitação direta do estilo de outros autores,
mesclando esses diversos estilos numa única obra. Aparece Ouro terra amor e rosas
como uma criação independente, sem o intuito de criticar ou Eu quero tudo de lá
satirizar. Não permita Deus que eu morra
Tradução: é a passagem de um texto de uma língua Sem que volte para lá
estrangeira para a língua nativa de um determinado país.
Bricolagem: trata-se de alguns procedimentos da intertex- Não permita Deus que eu morra
tualidade das artes plásticas e da música que podem aparecer Sem que volte pra São Paulo
na literatura. Sem que veja a Rua 15
Sample: são trechos “roubados” de outras mmúsicas e usa- E o progresso de São Paulo.
do como base para outras produções. (Oswald de Andrade)
Vejamos agora um dos mais conhecidos exemplos de Inter-
textualidade.É o poema Canto de Regresso à Pátria, de Oswaldo
de Andrade, cujo texto fonte é o poema Canção de Exílio, de
Gonçalves Dias.

Canção do Exílio (texto fonte)

Minha terra tem palmeiras,


Onde canta o Sabiá;
As aves, que aqui gorjeiam,
Não gorjeiam como lá.

49
LÍNGUA PORTUGUESA

Questões a) intertextualidade explícita.


b) intertextualidade implícita.
01. UFRN - 2012 c) intertextualidade implícita e explícita.
d) tradução.
Observe a capa de um livro reproduzida abaixo: e) referência e alusão.

03. ENEM – 2010

Fora da ordem

Em 1588, o engenheiro militar italiano Agostinho Romelli


publicou Le Diverse ET Artificiose Machine , no qual descrevia
uma máquina de ler livros. Montada para girar verticalmente,
como uma roda de hamster, a invenção permitia que o leitor
fosse de um texto ao outro sem se levantar de sua cadeira.
Hoje podemos alternar entre documentos com muito mais
facilidade – um clique no mouse é suficiente para acessarmos
imagens, textos, vídeos e sons instantaneamente. Para isso, usa-
mos o computador, e principalmente a internet – tecnologias
que não estavam disponíveis no Renascimento, época em que
Romelli viveu.
A imagem é capa do livro Memórias Desmortas de Brás BERCITTO, D. Revista Língua Portuguesa. Ano II. N°14.
Cubas, de Pedro Vieira. Editora Tarja Editorial
O inventor italiano antecipou, no século XVI, um dos princí-
A) uma metonímia. pios definidores do hipertexto: a quebra de linearidade na leitu-
B) uma transcrição literal. ra e a possibilidade de acesso ao texto conforme o interesse do
C) uma paráfrase direta. leitor. Além de ser característica essencial da internet, do ponto
D) um procedimento paródico. de vista da produção do texto, a hipertextualidade se manifesta
E) um plágio explícito. também em textos impressos, como:
A) dicionários, pois a forma do texto dá liberdade de acesso
02. Hora do mergulho à informação.
B) documentários, pois o autor faz uma seleção dos fatos e
Feche a porta, esqueça o barulho das imagens.
feche os olhos, tome ar: é hora do mergulho C) relatos pessoais, pois o narrador apresenta sua percep-
ção dos fatos.
eu sou moço, seu moço, e o poço não é tão fundo D) editoriais, pois o editorialista faz uma abordagem deta-
super-homem não supera a superfície lhada dos fatos.
nós mortais viemos do fundo E) romances românticos, pois os eventos ocorrem em diver-
eu sou velho, meu velho, tão velho quanto o mundo sos cenários.

eu quero paz: 04. Sobre a intertextualidade, assinale a alternativa incor-


uma trégua do lilás-neon-Las Vegas reta:
profundidade: 20.000 léguas a) A intertextualidade implícita não se encontra na super-
“se queres paz, te prepara para a guerra” fície textual, visto que não fornece para o leitor elementos que
“se não queres nada, descansa em paz” possam ser imediatamente relacionados com algum outro tipo
“luz” - pediu o poeta de texto-fonte.
(últimas palavras, lucidez completa) b) Todo texto, em maior ou menor grau, é um intertexto,
depois: silêncio pois é normal que durante o processo da escrita aconteçam rela-
ções dialógicas entre o que estamos escrevendo e outros textos
esqueça a luz... respire o fundo previamente lidos por nós.
eu sou um déspota esclarecido c) Na intertextualidade explícita, ficam claras as fontes nas
nessa escura e profunda mediocracia. quais o texto baseou-se e acontece, obrigatoriamente, de ma-
neira intencional. Pode ser encontrada em textos do tipo resu-
(Engenheiros do Hawaii, composição de Humberto Gessinger) mo, resenhas, citações e traduções.
d) A intertextualidade sempre acontece de maneira propo-
Na letra da canção, Humberto Gessinger faz referência a um sital. É um recurso que deve ser evitado, pois privilegia o plágio
famoso provérbio latino: si uis pacem, para bellum, cuja tradu- dos textos-fonte em detrimento de elementos que confiram ori-
ção é Se queres paz, te prepara para a guerra. Nesse tipo de ginalidade à escrita.
citação, encontramos o seguinte recurso:

50
LÍNGUA PORTUGUESA

05. ENEM – 2005 Constituição, que dispõe, no artigo 37: “A administração pública
direta, indireta ou fundacional, de qualquer dos Poderes da União,
A DANÇA E A ALMA dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos
princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade
A DANÇA? Não é movimento, e eficiência (...)”. Sendo a publicidade e a impessoalidade princí-
súbito gesto musical. pios fundamentais de toda administração pública, claro está que
É concentração, num momento, devem igualmente nortear a elaboração dos atos e comunicações
da humana graça natural. oficiais. Não se concebe que um ato normativo de qualquer natu-
No solo não, no éter pairamos, reza seja redigido de forma obscura, que dificulte ou impossibilite
nele amaríamos ficar. sua compreensão. A transparência do sentido dos atos normati-
A dança – não vento nos ramos: vos, bem como sua inteligibilidade, são requisitos do próprio Es-
seiva, força, perene estar. tado de Direito: é inaceitável que um texto legal não seja entendi-
Um estar entre céu e chão, do pelos cidadãos. A publicidade implica, pois, necessariamente,
novo domínio conquistado, clareza e concisão. Além de atender à disposição constitucional, a
onde busque nossa paixão forma dos atos normativos obedece a certa tradição. Há normas
libertar-se por todo lado… para sua elaboração que remontam ao período de nossa história
Onde a alma possa descrever imperial, como, por exemplo, a obrigatoriedade – estabelecida
suas mais divinas parábolas por decreto imperial de 10 de dezembro de 1822 – de que se apo-
sem fugir à forma do ser, nha, ao final desses atos, o número de anos transcorridos desde a
por sobre o mistério das fábulas. Independência. Essa prática foi mantida no período republicano.
(Carlos Drummond de Andrade. Obra completa. Rio de Esses mesmos princípios (impessoalidade, clareza, uniformidade,
Janeiro: Aguilar, 1964. p. 366.) concisão e uso de linguagem formal) aplicam-se às comunicações
oficiais: elas devem sempre permitir uma única interpretação e
ser estritamente impessoais e uniformes, o que exige o uso de
A definição de dança, em linguagem de dicionário, que mais certo nível de linguagem. Nesse quadro, fica claro também que
se aproxima do que está expresso no poema é: as comunicações oficiais são necessariamente uniformes, pois há
A) a mais antiga das artes, servindo como elemento de co- sempre um único comunicador (o Serviço Público) e o receptor
municação e afirmação do homem em todos os momentos de dessas comunicações ou é o próprio Serviço Público (no caso de
sua existência. expedientes dirigidos por um órgão a outro) – ou o conjunto dos
B) a forma de expressão corporal que ultrapassa os limites cidadãos ou instituições tratados de forma homogênea (o públi-
físicos, possibilitando ao homem a liberação de seu espírito. co).
C) a manifestação do ser humano, formada por uma se- Outros procedimentos rotineiros na redação de comunica-
quência de gestos, passos e movimentos desconcertados. ções oficiais foram incorporados ao longo do tempo, como as for-
D) o conjunto organizado de movimentos do corpo, com mas de tratamento e de cortesia, certos clichês de redação, a es-
ritmo determinado por instrumentos musicais, ruídos, cantos, trutura dos expedientes, etc. Mencione-se, por exemplo, a fixação
emoções etc. dos fechos para comunicações oficiais, regulados pela Portaria no
E) o movimento diretamente ligado ao psiquismo do indiví- 1 do Ministro de Estado da Justiça, de 8 de julho de 1937, que,
duo e, por consequência, ao seu desenvolvimento intelectual e após mais de meio século de vigência, foi revogado pelo Decreto
à sua cultura. que aprovou a primeira edição deste Manual. Acrescente-se, por
fim, que a identificação que se buscou fazer das características
Respostas específicas da forma oficial de redigir não deve ensejar o enten-
dimento de que se proponha a criação – ou se aceite a existên-
01. (D) 02. (B) 03. (A) 04. (D) 05. (B) cia – de uma forma específica de linguagem administrativa, o que
coloquialmente e pejorativamente se chama burocratês. Este é
antes uma distorção do que deve ser a redação oficial, e se carac-
DESENVOLVIMENTO TEXTUAL: ELABORAÇÃO DE teriza pelo abuso de expressões e clichês do jargão burocrático e
RELATÓRIOS PROJETOS E PLANEJAMENTOS. de formas arcaicas de construção de frases. A redação oficial não
é, portanto, necessariamente árida e infensa à evolução da língua.
É que sua finalidade básica – comunicar com impessoalidade e
REDAÇÃO OFICIAL máxima clareza – impõe certos parâmetros ao uso que se faz da
língua, de maneira diversa daquele da literatura, do texto jorna-
1. O que é Redação Oficial3 lístico, da correspondência particular, etc. Apresentadas essas ca-
Em uma frase, pode-se dizer que redação oficial é a maneira racterísticas fundamentais da redação oficial, passemos à análise
pela qual o Poder Público redige atos normativos e comunica- pormenorizada de cada uma delas.
ções. Interessa-nos tratá-la do ponto de vista do Poder Executivo.
A redação oficial deve caracterizar-se pela impessoalidade, uso 1.1. A Impessoalidade
do padrão culto de linguagem, clareza, concisão, formalidade e A finalidade da língua é comunicar, quer pela fala, quer pela
uniformidade. Fundamentalmente esses atributos decorrem da escrita. Para que haja comunicação, são necessários:
3 http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/manual/manual.htm a) alguém que comunique,

51
LÍNGUA PORTUGUESA

b) algo a ser comunicado, e essa distância. Já a língua escrita incorpora mais lentamente as
c) alguém que receba essa comunicação. transformações, tem maior vocação para a permanência, e vale-
-se apenas de si mesma para comunicar. A língua escrita, como a
No caso da redação oficial, quem comunica é sempre o falada, compreende diferentes níveis, de acordo com o uso que
Serviço Público (este ou aquele Ministério, Secretaria, Departa- dela se faça. Por exemplo, em uma carta a um amigo, podemos
mento, Divisão, Serviço, Seção); o que se comunica é sempre nos valer de determinado padrão de linguagem que incorpore
algum assunto relativo às atribuições do órgão que comunica; o expressões extremamente pessoais ou coloquiais; em um pare-
destinatário dessa comunicação ou é o público, o conjunto dos cer jurídico, não se há de estranhar a presença do vocabulário
cidadãos, ou outro órgão público, do Executivo ou dos outros técnico correspondente. Nos dois casos, há um padrão de lin-
Poderes da União. Percebe-se, assim, que o tratamento impes- guagem que atende ao uso que se faz da língua, a finalidade com
soal que deve ser dado aos assuntos que constam das comuni- que a empregamos. O mesmo ocorre com os textos oficiais: por
cações oficiais decorre: seu caráter impessoal, por sua finalidade de informar com o má-
a) da ausência de impressões individuais de quem comuni- ximo de clareza e concisão, eles requerem o uso do padrão culto
ca: embora se trate, por exemplo, de um expediente assinado da língua. Há consenso de que o padrão culto é aquele em que
por Chefe de determinada Seção, é sempre em nome do Serviço a) se observam as regras da gramática formal, e b) se emprega
Público que é feita a comunicação. Obtém-se, assim, uma dese- um vocabulário comum ao conjunto dos usuários do idioma. É
jável padronização, que permite que comunicações elaboradas importante ressaltar que a obrigatoriedade do uso do padrão
em diferentes setores da Administração guardem entre si certa culto na redação oficial decorre do fato de que ele está acima
uniformidade; das diferenças lexicais, morfológicas ou sintáticas regionais, dos
b) da impessoalidade de quem recebe a comunicação, com modismos vocabulares, das idiossincrasias linguísticas, permi-
duas possibilidades: ela pode ser dirigida a um cidadão, sempre tindo, por essa razão, que se atinja a pretendida compreensão
concebido como público, ou a outro órgão público. Nos dois ca- por todos os cidadãos.
sos, temos um destinatário concebido de forma homogênea e Lembre-se que o padrão culto nada tem contra a simplici-
impessoal; dade de expressão, desde que não seja confundida com pobreza
c) do caráter impessoal do próprio assunto tratado: se o uni- de expressão. De nenhuma forma o uso do padrão culto implica
verso temático das comunicações oficiais se restringe a questões emprego de linguagem rebuscada, nem dos contorcionismos
que dizem respeito ao interesse público, é natural que não cabe sintáticos e figuras de linguagem próprios da língua literária.
qualquer tom particular ou pessoal. Desta forma, não há lugar Pode-se concluir, então, que não existe propriamente um “pa-
na redação oficial para impressões pessoais, como as que, por drão oficial de linguagem”; o que há é o uso do padrão culto
exemplo, constam de uma carta a um amigo, ou de um artigo nos atos e comunicações oficiais. É claro que haverá preferência
assinado de jornal, ou mesmo de um texto literário. A redação pelo uso de determinadas expressões, ou será obedecida certa
oficial deve ser isenta da interferência da individualidade que tradição no emprego das formas sintáticas, mas isso não implica,
a elabora. A concisão, a clareza, a objetividade e a formalidade necessariamente, que se consagre a utilização de uma forma de
de que nos valemos para elaborar os expedientes oficiais con- linguagem burocrática. O jargão burocrático, como todo jargão,
tribuem, ainda, para que seja alcançada a necessária impessoa- deve ser evitado, pois terá sempre sua compreensão limitada.
lidade. A linguagem técnica deve ser empregada apenas em situações
que a exijam, sendo de evitar o seu uso indiscriminado. Certos
1.2. A Linguagem dos Atos e Comunicações Oficiais rebuscamentos acadêmicos, e mesmo o vocabulário próprio a
A necessidade de empregar determinado nível de lingua- determinada área, são de difícil entendimento por quem não es-
gem nos atos e expedientes oficiais decorre, de um lado, do pró- teja com eles familiarizado. Deve-se ter o cuidado, portanto, de
prio caráter público desses atos e comunicações; de outro, de explicitá-los em comunicações encaminhadas a outros órgãos da
sua finalidade. Os atos oficiais, aqui entendidos como atos de administração e em expedientes dirigidos aos cidadãos. Outras
caráter normativo, ou estabelecem regras para a conduta dos ci- questões sobre a linguagem, como o emprego de neologismo
dadãos, ou regulam o funcionamento dos órgãos públicos, o que e estrangeirismo, são tratadas em detalhe em 9.3. Semântica.
só é alcançado se em sua elaboração for empregada a lingua-
gem adequada. O mesmo se dá com os expedientes oficiais, cuja 1.3. Formalidade e Padronização
finalidade precípua é a de informar com clareza e objetividade. As comunicações oficiais devem ser sempre formais, isto é,
As comunicações que partem dos órgãos públicos federais de- obedecem a certas regras de forma: além das já mencionadas
vem ser compreendidas por todo e qualquer cidadão brasileiro. exigências de impessoalidade e uso do padrão culto de lingua-
Para atingir esse objetivo, há que evitar o uso de uma linguagem gem, é imperativo, ainda, certa formalidade de tratamento. Não
restrita a determinados grupos. Não há dúvida que um texto se trata somente da eterna dúvida quanto ao correto emprego
marcado por expressões de circulação restrita, como a gíria, os deste ou daquele pronome de tratamento para uma autoridade
regionalismos vocabulares ou o jargão técnico, tem sua com- de certo nível (v. a esse respeito 2.1.3. Emprego dos Pronomes
preensão dificultada. Ressalte-se que há necessariamente uma de Tratamento); mais do que isso, a formalidade diz respeito à
distância entre a língua falada e a escrita. Aquela é extremamen- polidez, à civilidade no próprio enfoque dado ao assunto do qual
te dinâmica, reflete de forma imediata qualquer alteração de cuida a comunicação. A formalidade de tratamento vincula-se,
costumes, e pode eventualmente contar com outros elementos também, à necessária uniformidade das comunicações. Ora, se
que auxiliem a sua compreensão, como os gestos, a entoação, a administração federal é una, é natural que as comunicações
etc. Para mencionar apenas alguns dos fatores responsáveis por que expede sigam um mesmo padrão. O estabelecimento desse

52
LÍNGUA PORTUGUESA

padrão, uma das metas deste Manual, exige que se atente para das siglas e abreviações e os conceitos específicos que não pos-
todas as características da redação oficial e que se cuide, ainda, sam ser dispensados. A revisão atenta exige, necessariamente,
da apresentação dos textos. A clareza datilográfica, o uso de pa- tempo. A pressa com que são elaboradas certas comunicações
péis uniformes para o texto definitivo e a correta diagramação quase sempre compromete sua clareza. Não se deve proceder à
do texto são indispensáveis para a padronização. Consulte o Ca- redação de um texto que não seja seguida por sua revisão. “Não
pítulo II, As Comunicações Oficiais, a respeito de normas especí- há assuntos urgentes, há assuntos atrasados”, diz a máxima. Evi-
ficas para cada tipo de expediente. te-se, pois, o atraso, com sua indesejável repercussão no redigir.

1.4. Concisão e Clareza AS COMUNICAÇÕES OFICIAIS


A concisão é antes uma qualidade do que uma característica
do texto oficial. Conciso é o texto que consegue transmitir um 2. Introdução
máximo de informações com um mínimo de palavras. Para que A redação das comunicações oficiais deve, antes de tudo,
se redija com essa qualidade, é fundamental que se tenha, seguir os preceitos explicitados no Capítulo I, Aspectos Gerais
além de conhecimento do assunto sobre o qual se escreve, o da Redação Oficial. Além disso, há características específicas de
necessário tempo para revisar o texto depois de pronto. É nessa cada tipo de expediente, que serão tratadas em detalhe neste
releitura que muitas vezes se percebem eventuais redundâncias capítulo. Antes de passarmos à sua análise, vejamos outros as-
ou repetições desnecessárias de idéias. O esforço de sermos pectos comuns a quase todas as modalidades de comunicação
concisos atende, basicamente ao princípio de economia linguís- oficial: o emprego dos pronomes de tratamento, a forma dos
tica, à mencionada fórmula de empregar o mínimo de palavras fechos e a identificação do signatário.
para informar o máximo. Não se deve de forma alguma enten-
dê-la como economia de pensamento, isto é, não se devem eli- 2.1. Pronomes de Tratamento
minar passagens substanciais do texto no afã de reduzi-lo em
tamanho. Trata-se exclusivamente de cortar palavras inúteis, re- 2.1.1. Breve História dos Pronomes de Tratamento
dundâncias, passagens que nada acrescentem ao que já foi dito. O uso de pronomes e locuções pronominais de tratamento
Procure perceber certa hierarquia de idéias que existe em todo tem larga tradição na língua portuguesa. De acordo com Said Ali,
texto de alguma complexidade: idéias fundamentais e idéias se- após serem incorporados ao português os pronomes latinos tu
cundárias. Estas últimas podem esclarecer o sentido daquelas, e vos, “como tratamento direto da pessoa ou pessoas a quem
detalhá-las, exemplificá-las; mas existem também idéias secun- se dirigia a palavra”, passou-se a empregar, como expediente
dárias que não acrescentam informação alguma ao texto, nem linguístico de distinção e de respeito, a segunda pessoa do plural
têm maior relação com as fundamentais, podendo, por isso, ser no tratamento de pessoas de hierarquia superior. Prossegue o
dispensadas. A clareza deve ser a qualidade básica de todo tex- autor: “Outro modo de tratamento indireto consistiu em fingir
to oficial, conforme já sublinhado na introdução deste capítulo. que se dirigia a palavra a um atributo ou qualidade eminente da
Pode-se definir como claro aquele texto que possibilita imediata pessoa de categoria superior, e não a ela própria. Assim apro-
compreensão pelo leitor. No entanto a clareza não é algo que se ximavam-se os vassalos de seu rei com o tratamento de vossa
atinja por si só: ela depende estritamente das demais caracterís- mercê, vossa senhoria (...); assim usou-se o tratamento ducal de
ticas da redação oficial. Para ela concorrem: vossa excelência e adotou-se na hierarquia eclesiástica vossa re-
a) a impessoalidade, que evita a duplicidade de interpreta- verência, vossa paternidade, vossa eminência, vossa santidade.”
ções que poderia decorrer de um tratamento personalista dado A partir do final do século XVI, esse modo de tratamento indire-
ao texto; to já estava em voga também para os ocupantes de certos car-
b) o uso do padrão culto de linguagem, em princípio, de en- gos públicos. Vossa mercê evoluiu para vosmecê, e depois para o
tendimento geral e por definição avesso a vocábulos de circula- coloquial você. E o pronome vós, com o tempo, caiu em desuso.
ção restrita, como a gíria e o jargão; É dessa tradição que provém o atual emprego de pronomes de
c) a formalidade e a padronização, que possibilitam a im- tratamento indireto como forma de dirigirmo-nos às autorida-
prescindível uniformidade dos textos; des civis, militares e eclesiásticas.
d) a concisão, que faz desaparecer do texto os excessos lin-
güísticos que nada lhe acrescentam. 2.1.2. Concordância com os Pronomes de Tratamento
Os pronomes de tratamento (ou de segunda pessoa indi-
É pela correta observação dessas características que se reta) apresentam certas peculiaridades quanto à concordância
redige com clareza. Contribuirá, ainda, a indispensável releitu- verbal, nominal e pronominal. Embora se refiram à segunda pes-
ra de todo texto redigido. A ocorrência, em textos oficiais, de soa gramatical (à pessoa com quem se fala, ou a quem se dirige
trechos obscuros e de erros gramaticais provém principalmente a comunicação), levam a concordância para a terceira pessoa. É
da falta da releitura que torna possível sua correção. Na revi- que o verbo concorda com o substantivo que integra a locução
são de um expediente, deve-se avaliar, ainda, se ele será de fá- como seu núcleo sintático: “Vossa Senhoria nomeará o substi-
cil compreensão por seu destinatário. O que nos parece óbvio tuto”; “Vossa Excelência conhece o assunto”. Da mesma forma,
pode ser desconhecido por terceiros. O domínio que adquiri- os pronomes possessivos referidos a pronomes de tratamento
mos sobre certos assuntos em decorrência de nossa experiên- são sempre os da terceira pessoa: “Vossa Senhoria nomeará seu
cia profissional muitas vezes faz com que os tomemos como de substituto” (e não “Vossa... vosso...”). Já quanto aos adjetivos
conhecimento geral, o que nem sempre é verdade. Explicite, referidos a esses pronomes, o gênero gramatical deve coincidir
desenvolva, esclareça, precise os termos técnicos, o significado com o sexo da pessoa a que se refere, e não com o substantivo

53
LÍNGUA PORTUGUESA

que compõe a locução. Assim, se nosso interlocutor for homem, A Sua Excelência o Senhor
o correto é “Vossa Excelência está atarefado”, “Vossa Senhoria Senador Fulano de Tal
deve estar satisfeito”; se for mulher, “Vossa Excelência está ata- Senado Federal
refada”, “Vossa Senhoria deve estar satisfeita”. 70.165-900 – Brasília. DF

2.1.3. Emprego dos Pronomes de Tratamento A Sua Excelência o Senhor


Como visto, o emprego dos pronomes de tratamento obe- Fulano de Tal
dece a secular tradição. São de uso consagrado: Juiz de Direito da 10a Vara Cível
Vossa Excelência, para as seguintes autoridades: Rua ABC, no 123
01.010-000 – São Paulo. SP
a) do Poder Executivo;
Presidente da República; Em comunicações oficiais, está abolido o uso do tratamento
Vice-Presidente da República; digníssimo (DD), às autoridades arroladas na lista anterior. A dig-
Ministros de Estado; nidade é pressuposto para que se ocupe qualquer cargo público,
Governadores e Vice-Governadores de Estado e do Distrito sendo desnecessária sua repetida evocação.
Federal; Vossa Senhoria é empregado para as demais autoridades e
Oficiais-Generais das Forças Armadas; para particulares. O vocativo adequado é:
Embaixadores; Senhor Fulano de Tal,
Secretários-Executivos de Ministérios e demais ocupantes (...)
de cargos de natureza especial;
Secretários de Estado dos Governos Estaduais; No envelope, deve constar do endereçamento:
Prefeitos Municipais. Ao Senhor
Fulano de Tal
b) do Poder Legislativo: Rua ABC, nº 123
Deputados Federais e Senadores; 70.123 – Curitiba. PR
Ministro do Tribunal de Contas da União;
Deputados Estaduais e Distritais; Como se depreende do exemplo acima fica dispensado o
Conselheiros dos Tribunais de Contas Estaduais; emprego do superlativo ilustríssimo para as autoridades que re-
Presidentes das Câmaras Legislativas Municipais. cebem o tratamento de Vossa Senhoria e para particulares. É su-
ficiente o uso do pronome de tratamento Senhor. Acrescente-se
c) do Poder Judiciário: que doutor não é forma de tratamento, e sim título acadêmico.
Ministros dos Tribunais Superiores; Evite usá-lo indiscriminadamente. Como regra geral, empregue-
Membros de Tribunais; -o apenas em comunicações dirigidas a pessoas que tenham tal
Juízes; grau por terem concluído curso universitário de doutorado. É
Auditores da Justiça Militar. costume designar por doutor os bacharéis, especialmente os
bacharéis em Direito e em Medicina. Nos demais casos, o trata-
O vocativo a ser empregado em comunicações dirigidas aos mento Senhor confere a desejada formalidade às comunicações.
Chefes de Poder é Excelentíssimo Senhor, seguido do cargo res- Mencionemos, ainda, a forma Vossa Magnificência, empregada
pectivo: por força da tradição, em comunicações dirigidas a reitores de
Excelentíssimo Senhor Presidente da República, universidade. Corresponde-lhe o vocativo:
Excelentíssimo Senhor Presidente do Congresso Nacional,
Excelentíssimo Senhor Presidente do Supremo Tribunal Fe- Magnífico Reitor,
deral. (...)

As demais autoridades serão tratadas com o vocativo Se- Os pronomes de tratamento para religiosos, de acordo com
nhor, seguido do cargo respectivo: a hierarquia eclesiástica, são:
Senhor Senador,
Senhor Juiz, Vossa Santidade, em comunicações dirigidas ao Papa. O vo-
Senhor Ministro, cativo correspondente é:
Senhor Governador, Santíssimo Padre,
(...)
No envelope, o endereçamento das comunicações dirigidas
às autoridades tratadas por Vossa Excelência, terá a seguinte Vossa Eminência ou Vossa Eminência Reverendíssima, em
forma: comunicações aos Cardeais. Corresponde-lhe o vocativo:
Eminentíssimo Senhor Cardeal, ou
A Sua Excelência o Senhor Eminentíssimo e Reverendíssimo Senhor Cardeal,
Fulano de Tal (...)
Ministro de Estado da Justiça
70.064-900 – Brasília. DF

54
LÍNGUA PORTUGUESA

Vossa Excelência Reverendíssima é usado em comunicações Exemplos:


dirigidas a Arcebispos e Bispos; Vossa Reverendíssima ou Vossa Mem. 123/2002-MF Aviso 123/2002-SG Of. 123/2002-MME
Senhoria Reverendíssima para Monsenhores, Cônegos e superio-
res religiosos. Vossa Reverência é empregado para sacerdotes, b) local e data em que foi assinado, por extenso, com ali-
clérigos e demais religiosos. nhamento à direita:
Exemplo:
2.2. Fechos para Comunicações 13
O fecho das comunicações oficiais possui, além da finalida- Brasília, 15 de março de 1991.
de óbvia de arrematar o texto, a de saudar o destinatário. Os
modelos para fecho que vinham sendo utilizados foram regu- c) assunto: resumo do teor do documento
lados pela Portaria nº1 do Ministério da Justiça, de 1937, que Exemplos:
estabelecia quinze padrões. Com o fito de simplificá-los e uni- Assunto: Produtividade do órgão em 2002.
formizá-los, este Manual estabelece o emprego de somente dois Assunto: Necessidade de aquisição de novos computado-
fechos diferentes para todas as modalidades de comunicação res.
oficial:
a) para autoridades superiores, inclusive o Presidente da d) destinatário: o nome e o cargo da pessoa a quem é diri-
República: gida a comunicação. No caso do ofício deve ser incluído também
Respeitosamente, o endereço.
b) para autoridades de mesma hierarquia ou de hierarquia e) texto: nos casos em que não for de mero encaminhamen-
inferior: to de documentos, o expediente deve conter a seguinte estru-
Atenciosamente, tura:
– introdução, que se confunde com o parágrafo de abertu-
Ficam excluídas dessa fórmula as comunicações dirigidas ra, na qual é apresentado o assunto que motiva a comunicação.
a autoridades estrangeiras, que atendem a rito e tradição pró- Evite o uso das formas: “Tenho a honra de”, “Tenho o prazer de”,
“Cumpre-me informar que”, empregue a forma direta;
prios, devidamente disciplinados no Manual de Redação do Mi-
– desenvolvimento, no qual o assunto é detalhado; se o tex-
nistério das Relações Exteriores.
to contiver mais de uma idéia sobre o assunto, elas devem ser
tratadas em parágrafos distintos, o que confere maior clareza à
2.3. Identificação do Signatário
exposição;
Excluídas as comunicações assinadas pelo Presidente da Re-
– conclusão, em que é reafirmada ou simplesmente reapre-
pública, todas as demais comunicações oficiais devem trazer o
sentada a posição recomendada sobre o assunto.
nome e o cargo da autoridade que as expede, abaixo do local
Os parágrafos do texto devem ser numerados, exceto nos
de sua assinatura. A forma da identificação deve ser a seguinte:
casos em que estes estejam organizados em itens ou títulos e
subtítulos.
(espaço para assinatura) Já quando se tratar de mero encaminhamento de documen-
NOME tos a estrutura é a seguinte:
Chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República – introdução: deve iniciar com referência ao expediente que
solicitou o encaminhamento. Se a remessa do documento não
(espaço para assinatura) tiver sido solicitada, deve iniciar com a informação do motivo
NOME da comunicação, que é encaminhar, indicando a seguir os dados
Ministro de Estado da Justiça completos do documento encaminhado (tipo, data, origem ou
signatário, e assunto de que trata), e a razão pela qual está sen-
Para evitar equívocos, recomenda-se não deixar a assinatu- do encaminhado, segundo a seguinte fórmula:
ra em página isolada do expediente. Transfira para essa página “Em resposta ao Aviso nº 12, de 1º de fevereiro de 1991,
ao menos a última frase anterior ao fecho. encaminho, anexa, cópia do Ofício nº 34, de 3 de abril de 1990,
do Departamento Geral de Administração, que trata da requi-
3. O Padrão Ofício sição do servidor Fulano de Tal.” Ou “Encaminho, para exame
Há três tipos de expedientes que se diferenciam antes pela e pronunciamento, a anexa cópia do telegrama no 12, de 1o de
finalidade do que pela forma: o ofício, o aviso e o memorando. fevereiro de 1991, do Presidente da Confederação Nacional de
Com o fito de uniformizá-los, pode-se adotar uma diagramação Agricultura, a respeito de projeto de modernização de técnicas
única, que siga o que chamamos de padrão ofício. As peculiari- agrícolas na região Nordeste.”
dades de cada um serão tratadas adiante; por ora busquemos as – desenvolvimento: se o autor da comunicação desejar fa-
suas semelhanças. zer algum comentário a respeito do documento que encaminha,
poderá acrescentar parágrafos de desenvolvimento; em caso
3.1. Partes do documento no Padrão Ofício contrário, não há parágrafos de desenvolvimento em aviso ou
O aviso, o ofício e o memorando devem conter as seguintes ofício de mero encaminhamento.
partes:
a) tipo e número do expediente, seguido da sigla do órgão f) fecho (v. 2.2. Fechos para Comunicações);
que o expede:

55
LÍNGUA PORTUGUESA

g) assinatura do autor da comunicação; e 3.3.2. Forma e Estrutura


Quanto a sua forma, aviso e ofício seguem o modelo do pa-
h) identificação do signatário (v. 2.3. Identificação do Sig- drão ofício, com acréscimo do vocativo, que invoca o destinatá-
natário). rio (v. 2.1 Pronomes de Tratamento), seguido de vírgula.
Exemplos:
3.2. Forma de diagramação Excelentíssimo Senhor Presidente da República
Os documentos do Padrão Ofício5 devem obedecer à se- Senhora Ministra
guinte forma de apresentação: Senhor Chefe de Gabinete
a) deve ser utilizada fonte do tipo Times New Roman de Devem constar do cabeçalho ou do rodapé do ofício as se-
corpo 12 no texto em geral, 11 nas citações, e 10 nas notas de guintes informações do remetente:
rodapé; – nome do órgão ou setor;
b) para símbolos não existentes na fonte Times New Roman – endereço postal;
poder-se-á utilizar as fontes Symbol e Wingdings; – telefone e endereço de correio eletrônico.
c) é obrigatória constar a partir da segunda página o núme-
3.4. Memorando
ro da página;
d) os ofícios, memorandos e anexos destes poderão ser im- 3.4.1. Definição e Finalidade
pressos em ambas as faces do papel. Neste caso, as margens es- O memorando é a modalidade de comunicação entre
querda e direta terão as distâncias invertidas nas páginas pares unidades administrativas de um mesmo órgão, que podem estar
(“margem espelho”); hierarquicamente em mesmo nível ou em nível diferente. Trata-
e) o início de cada parágrafo do texto deve ter 2,5 cm de -se, portanto, de uma forma de comunicação eminentemente
distância da margem esquerda; interna. Pode ter caráter meramente administrativo, ou ser em-
f) o campo destinado à margem lateral esquerda terá, no pregado para a exposição de projetos, ideias, diretrizes, etc. a
mínimo, 3,0 cm de largura; serem adotados por determinado setor do serviço público. Sua
g) o campo destinado à margem lateral direita terá 1,5 cm; característica principal é a agilidade. A tramitação do memoran-
5 O constante neste item aplica-se também à exposição de moti- do em qualquer órgão deve pautar-se pela rapidez e pela sim-
vos e à mensagem (v. 4. Exposição de Motivos e 5. Mensagem). plicidade de procedimentos burocráticos. Para evitar desneces-
h) deve ser utilizado espaçamento simples entre as linhas e sário aumento do número de comunicações, os despachos ao
de 6 pontos após cada parágrafo, ou, se o editor de memorando devem ser dados no próprio documento e, no caso
texto utilizado não comportar tal recurso, de uma linha em de falta de espaço, em folha de continuação. Esse procedimento
branco; permite formar uma espécie de processo simplificado, assegu-
i) não deve haver abuso no uso de negrito, itálico, sublinha- rando maior transparência à tomada de decisões, e permitindo
do, letras maiúsculas, sombreado, sombra, relevo, bordas ou que se historie o andamento da matéria tratada no memorando.
qualquer outra forma de formatação que afete a elegância e a
sobriedade do documento; 3.4.2. Forma e Estrutura
j) a impressão dos textos deve ser feita na cor preta em pa- Quanto a sua forma, o memorando segue o modelo do pa-
pel branco. A impressão colorida deve ser usada apenas para drão ofício, com a diferença de que o seu destinatário deve ser
gráficos e ilustrações; mencionado pelo cargo que ocupa.
l) todos os tipos de documentos do Padrão Ofício devem ser Exemplos:
impressos em papel de tamanho A-4, ou seja, 29,7 x 21,0 cm; Ao Sr. Chefe do Departamento de Administração Ao Sr. Sub-
chefe para Assuntos Jurídicos
m) deve ser utilizado, preferencialmente, o formato de ar-
quivo Rich Text nos documentos de texto;
4. Exposição de Motivos
n) dentro do possível, todos os documentos elaborados de-
vem ter o arquivo de texto preservado para consulta posterior 4.1. Definição e Finalidade
ou aproveitamento de trechos para casos análogos; Exposição de motivos é o expediente dirigido ao Presidente
o) para facilitar a localização, os nomes dos arquivos devem da República ou ao Vice-Presidente para:
ser formados da seguinte maneira: tipo do documento + número a) informá-lo de determinado assunto;
do documento + palavras-chaves do conteúdo Ex.: “Of. 123 - re- b) propor alguma medida; ou
latório produtividade ano 2002” c) submeter a sua consideração projeto de ato normativo.
Em regra, a exposição de motivos é dirigida ao Presidente
3.3. Aviso e Ofício da República por um Ministro de Estado.
Nos casos em que o assunto tratado envolva mais de um
3.3.1. Definição e Finalidade Ministério, a exposição de motivos deverá ser assinada por to-
Aviso e ofício são modalidades de comunicação oficial pra- dos os Ministros envolvidos, sendo, por essa razão, chamada de
ticamente idênticas. A única diferença entre eles é que o aviso interministerial.
é expedido exclusivamente por Ministros de Estado, para auto-
ridades de mesma hierarquia, ao passo que o ofício é expedido 4.2. Forma e Estrutura
para e pelas demais autoridades. Ambos têm como finalidade o Formalmente, a exposição de motivos tem a apresentação
tratamento de assuntos oficiais pelos órgãos da Administração do padrão ofício (v. 3. O Padrão Ofício). O anexo que acompanha
Pública entre si e, no caso do ofício, também com particulares. a exposição de motivos que proponha alguma medida ou apre-

56
LÍNGUA PORTUGUESA

sente projeto de ato normativo, segue o modelo descrito adian- 6. Impacto sobre o meio ambiente (sempre que o ato ou
te. A exposição de motivos, de acordo com sua finalidade, apre- medida proposta possa vir a tê-lo)
senta duas formas básicas de estrutura: uma para aquela que 7. Alterações propostas
tenha caráter exclusivamente informativo e outra para a que Texto atual Texto proposto
proponha alguma medida ou submeta projeto de ato normativo. 8. Síntese do parecer do órgão jurídico
No primeiro caso, o da exposição de motivos que simples- Com base em avaliação do ato normativo ou da medida pro-
mente leva algum assunto ao conhecimento do Presidente da posta à luz das questões levantadas no item 10.4.3.
República, sua estrutura segue o modelo antes referido para o A falta ou insuficiência das informações prestadas pode
padrão ofício. acarretar, a critério da Subchefia para Assuntos Jurídicos da Casa
Já a exposição de motivos que submeta à consideração do Civil, a devolução do projeto de ato normativo para que se com-
Presidente da República a sugestão de alguma medida a ser ado- plete o exame ou se reformule a proposta. O preenchimento
tada ou a que lhe apresente projeto de ato normativo – embora obrigatório do anexo para as exposições de motivos que propo-
sigam também a estrutura do padrão ofício –, além de outros nham a adoção de alguma medida ou a edição de ato normativo
comentários julgados pertinentes por seu autor, devem, obriga- tem como finalidade:
toriamente, apontar: a) permitir a adequada reflexão sobre o problema que se
a) na introdução: o problema que está a reclamar a adoção busca resolver;
da medida ou do ato normativo proposto; b) ensejar mais profunda avaliação das diversas causas do
b) no desenvolvimento: o porquê de ser aquela medida ou problema e dos efeitos que pode ter a adoção da medida ou a
aquele ato normativo o ideal para se solucionar o problema, e edição do ato, em consonância com as questões que devem ser
eventuais alternativas existentes para equacioná-lo; analisadas na elaboração de proposições normativas no âmbito
c) na conclusão, novamente, qual medida deve ser tomada, do Poder Executivo (v. 10.4.3.).
ou qual ato normativo deve ser editado para solucionar o pro- c) conferir perfeita transparência aos atos propostos.
blema. Dessa forma, ao atender às questões que devem ser ana-
Deve, ainda, trazer apenso o formulário de anexo à expo- lisadas na elaboração de atos normativos no âmbito do Poder
sição de motivos, devidamente preenchido, de acordo com o Executivo, o texto da exposição de motivos e seu anexo comple-
seguinte modelo previsto no Anexo II do Decreto no 4.176, de mentam-se e formam um todo coeso: no anexo, encontramos
28 de março de 2002. uma avaliação profunda e direta de toda a situação que está a
Anexo à Exposição de Motivos do (indicar nome do Ministé- reclamar a adoção de certa providência ou a edição de um ato
rio ou órgão equivalente) nº de 200. normativo; o problema a ser enfrentado e suas causas; a solu-
ção que se propõe, seus efeitos e seus custos; e as alternativas
1. Síntese do problema ou da situação que reclama provi- existentes. O texto da exposição de motivos fica, assim, reser-
dências vado à demonstração da necessidade da providência proposta:
2. Soluções e providências contidas no ato normativo ou na por que deve ser adotada e como resolverá o problema. Nos
medida proposta casos em que o ato proposto for questão de pessoal (nomea-
3. Alternativas existentes às medidas propostas ção, promoção, ascensão, transferência, readaptação, reversão,
Mencionar: aproveitamento, reintegração, recondução, remoção, exonera-
- se há outro projeto do Executivo sobre a matéria; ção, demissão, dispensa, disponibilidade, aposentadoria), não é
- se há projetos sobre a matéria no Legislativo; necessário o encaminhamento do formulário de anexo à expo-
- outras possibilidades de resolução do problema. sição de motivos.
Ressalte-se que:
4. Custos – a síntese do parecer do órgão de assessoramento jurídico
Mencionar: não dispensa o encaminhamento do parecer completo;
- se a despesa decorrente da medida está prevista na lei or- – o tamanho dos campos do anexo à exposição de motivos
çamentária anual; se não, quais as alternativas para custeá-la; pode ser alterado de acordo com a maior ou menor extensão
- se é o caso de solicitar-se abertura de crédito extraordiná- dos comentários a serem ali incluídos.
rio, especial ou suplementar;
- valor a ser despendido em moeda corrente; Ao elaborar uma exposição de motivos, tenha presente
que a atenção aos requisitos básicos da redação oficial (clareza,
5. Razões que justificam a urgência (a ser preenchido so- concisão, impessoalidade, formalidade, padronização e uso do
mente se o ato proposto for medida provisória ou projeto de lei padrão culto de linguagem) deve ser redobrada. A exposição de
que deva tramitar em regime de urgência) motivos é a principal modalidade de comunicação dirigida ao
Mencionar: Presidente da República pelos Ministros. Além disso, pode, em
- se o problema configura calamidade pública; certos casos, ser encaminhada cópia ao Congresso Nacional ou
- por que é indispensável a vigência imediata; ao Poder Judiciário ou, ainda, ser publicada no Diário Oficial da
- se se trata de problema cuja causa ou agravamento não União, no todo ou em parte.
tenham sido previstos;
- se se trata de desenvolvimento extraordinário de situação
já prevista.

57
LÍNGUA PORTUGUESA

5. Mensagem tituição, no seu art. 52, incisos III e IV, atribui àquela Casa do
Congresso Nacional competência privativa para aprovar a indi-
5.1. Definição e Finalidade cação. O curriculum vitae do indicado, devidamente assinado,
É o instrumento de comunicação oficial entre os Chefes dos acompanha a mensagem.
Poderes Públicos, notadamente as mensagens enviadas pelo d) pedido de autorização para o Presidente ou o Vice-Presi-
Chefe do Poder Executivo ao Poder Legislativo para informar so- dente da República se ausentarem do País por mais de 15 dias.
bre fato da Administração Pública; expor o plano de governo por Trata-se de exigência constitucional (Constituição, art. 49, III, e
ocasião da abertura de sessão legislativa; submeter ao Congres- 83), e a autorização é da competência privativa do Congresso
so Nacional matérias que dependem de deliberação de suas Ca- Nacional. O Presidente da República, tradicionalmente, por cor-
sas; apresentar veto; enfim, fazer e agradecer comunicações de tesia, quando a ausência é por prazo inferior a 15 dias, faz uma
tudo quanto seja de interesse dos poderes públicos e da Nação. comunicação a cada Casa do Congresso, enviando-lhes mensa-
Minuta de mensagem pode ser encaminhada pelos Ministérios gens idênticas.
à Presidência da República, a cujas assessorias caberá a redação e) encaminhamento de atos de concessão e renovação de
final. As mensagens mais usuais do Poder Executivo ao Congres- concessão de emissoras de rádio e TV. A obrigação de submeter
so Nacional têm as seguintes finalidades: tais atos à apreciação do Congresso Nacional consta no inciso
a) encaminhamento de projeto de lei ordinária, comple- XII do artigo 49 da Constituição. Somente produzirão efeitos le-
mentar ou financeira. Os projetos de lei ordinária ou comple- gais a outorga ou renovação da concessão após deliberação do
mentar são enviados em regime normal (Constituição, art. 61) Congresso Nacional (Constituição, art. 223, § 3o). Descabe pe-
ou de urgência (Constituição, art. 64, §§ 1o a 4o). Cabe lembrar dir na mensagem a urgência prevista no art. 64 da Constituição,
que o projeto pode ser encaminhado sob o regime normal e porquanto o § 1o do art. 223 já define o prazo da tramitação.
mais tarde ser objeto de nova mensagem, com solicitação de Além do ato de outorga ou renovação, acompanha a mensagem
urgência. Em ambos os casos, a mensagem se dirige aos Mem- o correspondente processo administrativo.
bros do Congresso Nacional, mas é encaminhada com aviso do f) encaminhamento das contas referentes ao exercício an-
Chefe da Casa Civil da Presidência da República ao Primeiro Se- terior. O Presidente da República tem o prazo de sessenta dias
cretário da Câmara dos Deputados, para que tenha início sua após a abertura da sessão legislativa para enviar ao Congresso
Nacional as contas referentes ao exercício anterior (Constitui-
tramitação (Constituição, art. 64, caput). Quanto aos projetos
ção, art. 84, XXIV), para exame e parecer da Comissão Mista per-
de lei financeira (que compreendem plano plurianual, diretri-
manente (Constituição, art. 166, § 1o), sob pena de a Câmara
zes orçamentárias, orçamentos anuais e créditos adicionais), as
dos Deputados realizar a tomada de contas (Constituição, art.
mensagens de encaminhamento dirigem-se aos Membros do
51, II), em procedimento disciplinado no art. 215 do seu Regi-
Congresso Nacional, e os respectivos avisos são endereçados ao
mento Interno.
Primeiro Secretário do Senado Federal. A razão é que o art. 166
g) mensagem de abertura da sessão legislativa.
da Constituição impõe a deliberação congressual sobre as leis fi- Ela deve conter o plano de governo, exposição sobre a situa-
nanceiras em sessão conjunta, mais precisamente, “na forma do ção do País e solicitação de providências que julgar necessárias
regimento comum”. E à frente da Mesa do Congresso Nacional (Constituição, art. 84, XI). O portador da mensagem é o Chefe
está o Presidente do Senado Federal (Constituição, art. 57, § 5o), da Casa Civil da Presidência da República. Esta mensagem difere
que comanda as sessões conjuntas. As mensagens aqui tratadas das demais porque vai encadernada e é distribuída a todos os
coroam o processo desenvolvido no âmbito do Poder Executivo, Congressistas em forma de livro.
que abrange minucioso exame técnico, jurídico e econômico-fi- h) comunicação de sanção (com restituição de autógrafos).
nanceiro das matérias objeto das proposições por elas encami- Esta mensagem é dirigida aos Membros do Congresso Na-
nhadas. Tais exames materializam-se em pareceres dos diversos cional, encaminhada por Aviso ao Primeiro Secretário da Casa
órgãos interessados no assunto das proposições, entre eles o onde se originaram os autógrafos. Nela se informa o número
da Advocacia-Geral da União. Mas, na origem das propostas, as que tomou a lei e se restituem dois exemplares dos três autógra-
análises necessárias constam da exposição de motivos do órgão fos recebidos, nos quais o Presidente da República terá aposto o
onde se geraram (v. 3.1. Exposição de Motivos) – exposição que despacho de sanção.
acompanhará, por cópia, a mensagem de encaminhamento ao i) comunicação de veto.
Congresso. Dirigida ao Presidente do Senado Federal (Constituição, art.
b) encaminhamento de medida provisória. 66, § 1o), a mensagem informa sobre a decisão de vetar, se o
Para dar cumprimento ao disposto no art. 62 da Constitui- veto é parcial, quais as disposições vetadas, e as razões do veto.
ção, o Presidente da República encaminha mensagem ao Con- Seu texto vai publicado na íntegra no Diário Oficial da União (v.
gresso, dirigida a seus membros, com aviso para o Primeiro 4.2. Forma e Estrutura), ao contrário das demais mensagens,
Secretário do Senado Federal, juntando cópia da medida provi- cuja publicação se restringe à notícia do seu envio ao Poder Le-
sória, autenticada pela Coordenação de Documentação da Pre- gislativo. (v. 19.6.Veto)
sidência da República. j) outras mensagens.
c) indicação de autoridades. Também são remetidas ao Legislativo com regular frequên-
As mensagens que submetem ao Senado Federal a indica- cia mensagens com:
ção de pessoas para ocuparem determinados cargos (magistra- – encaminhamento de atos internacionais que acarretam
dos dos Tribunais Superiores, Ministros do TCU, Presidentes e encargos ou compromissos gravosos (Constituição, art. 49, I);
Diretores do Banco Central, Procurador-Geral da República, – pedido de estabelecimento de alíquotas aplicáveis às ope-
Chefes de Missão Diplomática, etc.) têm em vista que a Cons- rações e prestações interestaduais e de exportação

58
LÍNGUA PORTUGUESA

(Constituição, art. 155, § 2o, IV); 6.2. Forma e Estrutura


– proposta de fixação de limites globais para o montante da Não há padrão rígido, devendo-se seguir a forma e a estru-
dívida consolidada (Constituição, art. 52, VI); tura dos formulários disponíveis nas agências dos Correios e em
– pedido de autorização para operações financeiras exter- seu sítio na Internet.
nas (Constituição, art. 52, V); e outros.
Entre as mensagens menos comuns estão as de: 7. Fax
– convocação extraordinária do Congresso Nacional (Cons-
tituição, art. 57, § 6o); 7.1. Definição e Finalidade
– pedido de autorização para exonerar o Procurador-Geral O fax (forma abreviada já consagrada de fac-simile) é uma
da República (art. 52, XI, e 128, § 2o); forma de comunicação que está sendo menos usada devido ao
– pedido de autorização para declarar guerra e decretar mo- desenvolvimento da Internet. É utilizado para a transmissão de
bilização nacional (Constituição, art. 84, XIX); mensagens urgentes e para o envio antecipado de documentos,
– pedido de autorização ou referendo para celebrar a paz de cujo conhecimento há premência, quando não há condições
(Constituição, art. 84, XX); de envio do documento por meio eletrônico. Quando necessá-
– justificativa para decretação do estado de defesa ou de rio o original, ele segue posteriormente pela via e na forma de
sua prorrogação (Constituição, art. 136, § 4o); praxe. Se necessário o arquivamento, deve-se fazê-lo com cópia
– pedido de autorização para decretar o estado de sítio xerox do fax e não com o próprio fax, cujo papel, em certos mo-
(Constituição, art. 137); delos, se deteriora rapidamente.
– relato das medidas praticadas na vigência do estado de
sítio ou de defesa (Constituição, art. 141, parágrafo único); 7.2. Forma e Estrutura
– proposta de modificação de projetos de leis financeiras
(Constituição, art. 166, § 5o); Os documentos enviados por fax mantêm a forma e a estru-
– pedido de autorização para utilizar recursos que ficarem tura que lhes são inerentes. É conveniente o envio, juntamente
sem despesas correspondentes, em decorrência de veto, emen- com o documento principal, de folha de rosto, i. é., de pequeno
da ou rejeição do projeto de lei orçamentária anual (Constitui- formulário com os dados de identificação da mensagem a ser
ção, art. 166, § 8o); enviada, conforme exemplo a seguir:
– pedido de autorização para alienar ou conceder terras 8. Correio Eletrônico
públicas com área superior a 2.500 ha (Constituição, art. 188,
§ 1o); etc. 8.1 Definição e finalidade
correio eletrônico (“e-mail”), por seu baixo custo e celeri-
5.2. Forma e Estrutura dade, transformou-se na principal forma de comunicação para
transmissão de documentos.
As mensagens contêm:
a) a indicação do tipo de expediente e de seu número, hori- 8.2. Forma e Estrutura
zontalmente, no início da margem esquerda: Um dos atrativos de comunicação por correio eletrônico é
Mensagem no sua flexibilidade. Assim, não interessa definir forma rígida para
b) vocativo, de acordo com o pronome de tratamento e o sua estrutura. Entretanto, deve-se evitar o uso de linguagem in-
cargo do destinatário, horizontalmente, no início da margem es- compatível com uma comunicação oficial (v. 1.2 A Linguagem
querda; Excelentíssimo Senhor Presidente do Senado Federal, dos Atos e Comunicações Oficiais). O campo assunto do formu-
c) o texto, iniciando a 2 cm do vocativo; lário de correio eletrônico mensagem deve ser preenchido de
d) o local e a data, verticalmente a 2 cm do final do texto, modo a facilitar a organização documental tanto do destinatário
e horizontalmente fazendo coincidir seu final com a margem di- quanto do remetente. Para os arquivos anexados à mensagem
reita. deve ser utilizado, preferencialmente, o formato Rich Text. A
A mensagem, como os demais atos assinados pelo Presi- mensagem que encaminha algum arquivo deve trazer informa-
dente da República, não traz identificação de seu signatário. ções mínimas sobre seu conteúdo. Sempre que disponível, de-
ve-se utilizar recurso de confirmação de leitura. Caso não seja
6. Telegrama disponível, deve constar na mensagem o pedido de confirmação
de recebimento.
6.1. Definição e Finalidade
Com o fito de uniformizar a terminologia e simplificar os 8.3 Valor documental
procedimentos burocráticos, passa a receber o título de telegra- Nos termos da legislação em vigor, para que a mensagem de
ma toda comunicação oficial expedida por meio de telegrafia, correio eletrônico tenha valor documental, i. é, para que possa
telex, etc. Por tratar-se de forma de comunicação dispendiosa ser aceito como documento original, é necessário existir certi-
aos cofres públicos e tecnologicamente superada, deve restrin- ficação digital que ateste a identidade do remetente, na forma
gir-se o uso do telegrama apenas àquelas situações que não seja estabelecida em lei.
possível o uso de correio eletrônico ou fax e que a urgência jus-
tifique sua utilização e, também em razão de seu custo elevado,
esta forma de comunicação deve pautar-se pela concisão (v. 1.4.
Concisão e Clareza).

59
LÍNGUA PORTUGUESA

QUESTÕES aproximadamente 140 horas. “A princípio parece


01. AL-RR – Taquígrafo - 2018 - FUNRIO extremamente difícil uma pessoa adulta voltar a
40 escrever de outra forma. Parece impossível até,
No Acre, amor pela taquigrafia une três gerações de uma
mas 100% das pessoas conseguem aprender
família
taquigráfia”.
MELLO, Bruna, 2016. Disponível em: < http://agazetadoa-
A professora acrena Mariusa Carvalho, de 72
cre.com/no-acreamor-pela-taquigrafia-une-tres-geracoes-de-u-
anos, conheceu a taquigrafia ainda na ma-familia/>. Acesso em: 06 abr.2018.
adolescência. O estágio na Câmara Municipal de
Contribuem para a correção da redação oficial a utilização
Rio Branco foi sua primeira experiência adequada das formas de tratamento bem como a concordância
5 profissional na área. De lá pra cá, o rumo da sua verbal e nominal em relação ao pronome.
vida mudou completamente. Na década de 70,
Entre os seguintes, o único trecho que foi redigido segundo
após morar em outros estadose trabalhar em áreas as normas da redação oficial, é:
diferentes, Carvalho voltou para o Acre. A) Vossa Senhoria não atendestes ao meu pedido em regi-
me de urgência.
A taquigrafia parecia ser a vocação da
B) Vossa Excelência tem tido as melhores proposições de
10 professora. De volta ao estado, Carvalho foi seus subordinados.
aprovada em um processo seletivo e voltou a C) Vossa Excelência atendeu ao pedido urgente de vossos
subordinados.
compor o grupo de taquíagrafos da Câmara. Anos D) Vossa Magnificência tendo os melhores títulos e honra-
depois, aprovada em um concurso público, rias acadêmicas.
Carvalho passou a fazer parte da Assembleia
02. TJ-PA -Médico Psiquiatra – 2014 - VUNESP
15 Legislativa do Acre, onde se aposentou como Leia o seguinte fragmento de um ofício, citado do Manual
taquígrafa em 2014. de Redação da Presidência da República, no qual expressões fo-
ram substituídas por lacunas.
A carreira escolhida pela acreana foi
Senhor Deputado
responsável pelo sustento e educação das três Em complemento às informações transmitidas pelo tele-
filhas, que aprenderam taquigrafia durante a grama n.º 154, de 24 de abril último, informo ______de que as
medidas mencionadas em ______ carta n.º 6708, dirigida ao
20 adolescência e, apesar de não exercerem a Senhor Presidente da República, estão amparadas pelo proce-
profissão, são apaixonadas pela taquigrafia. Hoje, dimento administrativo de demarcação de terras indígenas ins-
o amor pela taquigrafia une três gerações da tituído pelo Decreto n.º 22, de 4 de fevereiro de 1991 (cópia
anexa).
família Carvalho: mãe, filhas e neto. (http://www.planalto.gov.br. Adaptado)
Carvalho é uma das poucas professoras de
A alternativa que completa, correta e respectivamente, as
25 taquigrafia no Acre. Em busca de capacitar novos
lacunas do texto, de acordo com a norma-padrão da língua por-
profissionais na área, ela chegou a ministrar aulas tuguesa e atendendo às orientações oficiais a respeito do uso de
na praça da capital e a criar uma escola de formas de tratamento em correspondências públicas, é:
A) Vossa Senhoria … tua.
taquigrafia, que fechou em pouco tempo, devido à B) Vossa Magnificência … sua.
baixa procura. Atualmente, a professora dá aulas C) Vossa Eminência … vossa.
30 gratuitas na Universidade Federal do Acre (Ufac) D) Vossa Excelência … sua.
E) Sua Senhoria … vossa.
como Projeto de Extensão.
“A taquigrafia foi a base para nós, inclusive de 03. CEFET/RJ - Revisor de textos – 2014 – CESGRANRIO
A norma para uso de pronomes de tratamento em redação
sobrevivência. (...) É uma profissão cativante”,
de documento oficial exige que os pronomes possessivos e a
falou a filha da professora, Nádia Carvalho, de 38 concordância de gênero e número (considerando-se as espe-
35 anos. Segundo Nádia, a taquigrafia parece ser cificidades do receptor que se encontram entre parênteses) se
deem da forma como se exemplifica em:
difícil de aprender no primeiro momento, porém o A) Vossa senhoria terá vossas reuniões marcadas, conforme
aprendizado é simples. O curso tem duração de tua vontade. (Referindo-se a chefe de seção, nível superior, mas-
culino singular)

60
LÍNGUA PORTUGUESA

B) Sua senhoria está convidado a comparecer à reunião. ANOTAÇÃO


(Referindo-se a diretora de unidade, nível superior, feminino,
singular) ___________________________________________________
C) Vossa senhoria está sendo esperada para a assembleia
de seus funcionários. (Referindo-se a diretora geral de unidade, ___________________________________________________
feminino, singular)
D) O Senhor Doutor precisa comparecer ao ato oficial. (Re-
___________________________________________________
ferindo-se a assessor jurídico da presidência de órgão público,
sem pós-graduação, masculino, singular).
E) Vossas Excelências são esperadas para a reunião das suas ___________________________________________________
áreas. (Referindo-se a gerentes de projeto, com doutorado, mas-
culino, plural). ___________________________________________________

04. (Polícia Civil/MG – Investigador – 2014 – FUMARC ___________________________________________________


Sobre o uso de Correios Eletrônicos em Redação Oficial, é
INCORRETO afirmar: ___________________________________________________
A) Deve-se solicitar confirmação de recebimento.
B) Não há formato estrutural rígido, mas deve conter
linguagem compatível. ___________________________________________________
C) Não possui valor documental.
D) Trata-se da principal forma para transmissão de docu- ___________________________________________________
mentos.
___________________________________________________
05. TRE-SP - Técnico Judiciário - Enfermagem – 2017 - FCC
___________________________________________________
Está correta a redação da frase que se encontra em:

A) Tudo que parece vazio no espaço seria formado, para ___________________________________________________


os gregos, pelo éter, um quinto elemento invisível, inalterável e
com movimento circular uniforme. ___________________________________________________
B) À despeito do que se via na Antiguidade, para os gregos,
a busca pelo conhecimento seria uma busca ética, enquanto que ___________________________________________________
pode-se estudar física, hoje sem um sentido moral.
C) Aristóteles deixou um conjunto de textos sobre como ar- ___________________________________________________
gumentar; recaem sobre os diálogos socráticos de Platão o foco
de seu estudo, sobretudo no que diz respeito a refutação e a
___________________________________________________
persuasão.
D) O cosmos, para os gregos antigos era único, com um sol
e todos os planetas girando em torno da Terra, além de quatro ___________________________________________________
elementos básicos que compõe a matéria: terra, ar, água e fogo.
E) Além de explicar padrões que via na natureza, Aristóteles ___________________________________________________
descreveu uma série de espécies, como peixes e corais, questio-
nando a razão com que, por exemplo, certos animais tem casco ___________________________________________________
fendido.
___________________________________________________
RESPOSTAS
___________________________________________________
01 B
02 D ___________________________________________________
03 C
04 C ___________________________________________________

05 A
___________________________________________________

___________________________________________________

___________________________________________________

61
LÍNGUA PORTUGUESA

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

___________________________________________________ ___________________________________________________

62
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

Princípios e Diretrizes; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
Programas do SUS no atendimento aos pacientes e usuários . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 04
Lei nº 8 .080, . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 06
Lei nº 8 .142 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
Decreto nº 7 .508/2011; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
Conceitos, fundamentação legal, princípios, diretrizes e articulação com serviços de saúde. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
Epidemiologia, Indicadores de nível de saúde da população, Sistema de Informação no SUS e em Saúde, Promoção da Saúde e Preven-
ção de Doenças . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
Vigilância em Saúde. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
Processos de Trabalho em Saúde, Gestão de Sistema de Saúde. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
Formação e educação em saúde. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
A organização social e comunitária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
Os Conselhos de Saúde. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
O Pacto pela Saúde. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
Educação permanente em saúde. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

Responsabilização Sanitária
PRINCÍPIOS E DIRETRIZES;
Desenvolver responsabilização sanitária é estabelecer clara-
mente as atribuições de cada uma das esferas de gestão da saúde
Princípios do SUS: São conceitos que orientam o SUS, pre-
pública, assim como dos serviços e das equipes que compõem
vistos no artigo 198 da Constituição Federal de 1988 e no artigo
o SUS, possibilitando melhor planejamento, acompanhamento
7º do Capítulo II da Lei n .º 8 .080/1990 . Os principais são:
e complementaridade das ações e dos serviços. Os prefeitos, ao
Universalidade: significa que o SUS deve atender a todos,
assumir suas responsabilidades, devem estimular a responsa-
sem distinções ou restrições, oferecendo toda a atenção neces-
bilização junto aos gerentes e equipes, no âmbito municipal, e
sária, sem qualquer custo;
participar do processo de pactuação, no âmbito regional.
Integralidade: o SUS deve oferecer a atenção necessária à
saúde da população, promovendo ações contínuas de preven-
Responsabilização Macro sanitária
ção e tratamento aos indivíduos e às comunidades, em quais-
quer níveis de complexidade;
O gestor municipal, para assegurar o direito à saúde de seus
Equidade: o SUS deve disponibilizar recursos e serviços com
munícipes, deve assumir a responsabilidade pelos resultados,
justiça, de acordo com as necessidades de cada um, canalizando
buscando reduzir os riscos, a mortalidade e as doenças evitáveis,
maior atenção aos que mais necessitam;
a exemplo da mortalidade materna e infantil, da hanseníase e da
Participação social: é um direito e um dever da sociedade
tuberculose . Para isso, tem de se responsabilizar pela oferta de
participar das gestões públicas em geral e da saúde pública em
ações e serviços que promovam e protejam a saúde das pessoas,
particular; é dever do Poder Público garantir as condições para
previnam as doenças e os agravos e recuperem os doentes. A
essa participação, assegurando a gestão comunitária do SUS; e
atenção básica à saúde, por reunir esses três componentes, co-
Descentralização: é o processo de transferência de respon-
loca-se como responsabilidade primeira e intransferível a todos
sabilidades de gestão para os municípios, atendendo às deter-
os gestores. O cumprimento dessas responsabilidades exige que
minações constitucionais e legais que embasam o SUS, definidor
assumam as atribuições de gestão, incluindo:
de atribuições comuns e competências específicas à União, aos
- execução dos serviços públicos de responsabilidade mu-
estados, ao Distrito Federal e aos municípios .
nicipal;
- destinação de recursos do orçamento municipal e utiliza-
Principais leis
ção do conjunto de recursos da saúde, com base em prioridades
definidas no Plano Municipal de Saúde;
Constituição Federal de 1988: Estabelece que “a saúde é
- planejamento, organização, coordenação, controle e ava-
direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas
liação das ações e dos serviços de saúde sob gestão municipal; e
sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e
- participação no processo de integração ao SUS, em âmbito
de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e
regional e estadual, para assegurar a seus cidadãos o acesso a
aos serviços para sua promoção, proteção e recuperação”. De-
serviços de maior complexidade, não disponíveis no município.
termina ao Poder Público sua “regulamentação, fiscalização e
controle”, que as ações e os serviços da saúde “integram uma
Responsabilização Micro sanitária
rede regionalizada e hierarquizada e constituem um sistema úni-
co”; define suas diretrizes, atribuições, fontes de financiamento
É determinante que cada serviço de saúde conheça o
e, ainda, como deve se dar a participação da iniciativa privada.
território sob sua responsabilidade . Para isso, as unidades da
rede básica devem estabelecer uma relação de compromisso
Lei Orgânica da Saúde (LOS), Lei n.º 8.080/1990: Regula-
com a população a ela adstrita e cada equipe de referência
menta, em todo o território nacional, as ações do SUS, estabe-
deve ter sólidos vínculos terapêuticos com os pacientes e
lece as diretrizes para seu gerenciamento e descentralização e
seus familiares, proporcionando-lhes abordagem integral e
detalha as competências de cada esfera governamental. Enfatiza
mobilização dos recursos e apoios necessários à recuperação
a descentralização político-administrativa, por meio da munici-
de cada pessoa . A alta só deve ocorrer quando da transferência
palização dos serviços e das ações de saúde, com redistribuição
do paciente a outra equipe (da rede básica ou de outra área
de poder, competências e recursos, em direção aos municípios .
especializada) e o tempo de espera para essa transferência não
Determina como competência do SUS a definição de critérios,
pode representar uma interrupção do atendimento: a equipe
valores e qualidade dos serviços. Trata da gestão financeira; de-
de referência deve prosseguir com o projeto terapêutico,
fine o Plano Municipal de Saúde como base das atividades e da
interferindo, inclusive, nos critérios de acesso .
programação de cada nível de direção do SUS e garante a gra-
tuidade das ações e dos serviços nos atendimentos públicos e
Instâncias de Pactuação
privados contratados e conveniados.
Lei n.º 8.142/1990: Dispõe sobre o papel e a participação
São espaços intergovernamentais, políticos e técnicos onde
das comunidades na gestão do SUS, sobre as transferências de
ocorrem o planejamento, a negociação e a implementação das
recursos financeiros entre União, estados, Distrito Federal e mu-
políticas de saúde pública. As decisões se dão por consenso (e
nicípios na área da saúde e dá outras providências. Institui as
não por votação), estimulando o debate e a negociação entre
instâncias colegiadas e os instrumentos de participação social
as partes .
em cada esfera de governo.

1
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

Comissão Intergestores Tripartite (CIT): Atua na direção de referência, organizados pelos gestores nas três esferas de
nacional do SUS, formada por composição paritária de 15 mem- governo. Por exemplo: O usuário é atendido de forma descen-
bros, sendo cinco indicados pelo Ministério da Saúde, cinco pelo tralizada, no âmbito do município ou bairro em que reside . Na
Conselho Nacional de Secretários Estaduais de Saúde (Conass) e hipótese de precisar ser atendido com um problema de saúde
cinco pelo Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saú- mais complexo, ele é referenciado, isto é, encaminhado para o
de (Conasems) . A representação de estados e municípios nessa atendimento em uma instância do SUS mais elevada, especiali-
Comissão é, portanto regional: um representante para cada uma zada . Quando o problema é mais simples, o cidadão pode ser
das cinco regiões existentes no País. contra referenciado, isto é, conduzido para um atendimento em
um nível mais primário.
Comissões Intergestores Bipartites (CIB): São constituídas
paritariamente por representantes do governo estadual, Plano de saúde fixa diretriz e metas à saúde municipal
indicados pelo Secretário de Estado da Saúde, e dos secretários
municipais de saúde, indicados pelo órgão de representação É responsabilidade do gestor municipal desenvolver o
do conjunto dos municípios do Estado, em geral denominado processo de planejamento, programação e avaliação da saúde
Conselho de Secretários Municipais de Saúde (Cosems) . Os local, de modo a atender as necessidades da população de
secretários municipais de Saúde costumam debater entre si os seu município com eficiência e efetividade . O Plano Municipal
temas estratégicos antes de apresentarem suas posições na CIB . de Saúde (PMS) deve orientar as ações na área, incluindo o
Os Cosems são também instâncias de articulação política entre orçamento para a sua execução . Um instrumento fundamental
gestores municipais de saúde, sendo de extrema importância a para nortear a elaboração do PMS é o Plano Nacional de
participação dos gestores locais nesse espaço . Saúde . Cabe ao Conselho Municipal de Saúde estabelecer as
diretrizes para a formulação do PMS, em função da análise da
Espaços regionais: A implementação de espaços regionais realidade e dos problemas de saúde locais, assim como dos
de pactuação, envolvendo os gestores municipais e estaduais, recursos disponíveis . No PMS, devem ser descritos os principais
é uma necessidade para o aperfeiçoamento do SUS . Os espaços problemas da saúde pública local, suas causas, consequências
regionais devem-se organizar a partir das necessidades e das afi- e pontos críticos . Além disso, devem ser definidos os objetivos
nidades específicas em saúde existentes nas regiões. e metas a serem atingidos, as atividades a serem executadas,
os cronogramas, as sistemáticas de acompanhamento e de
Descentralização avaliação dos resultados .

O princípio de descentralização que norteia o SUS se dá, Sistemas de informações ajudam a planejar a saúde: O
especialmente, pela transferência de responsabilidades e recur- SUS opera e/ou disponibiliza um conjunto de sistemas de infor-
sos para a esfera municipal, estimulando novas competências e mações estratégicas para que os gestores avaliem e fundamen-
capacidades político-institucionais dos gestores locais, além de tem o planejamento e a tomada de decisões, abrangendo: indi-
meios adequados à gestão de redes assistenciais de caráter re- cadores de saúde; informações de assistência à saúde no SUS
gional e macro regional, permitindo o acesso, a integralidade da (internações hospitalares, produção ambulatorial, imunização
atenção e a racionalização de recursos . Os estados e a União de- e atenção básica); rede assistencial (hospitalar e ambulatorial);
vem contribuir para a descentralização do SUS, fornecendo coo- morbidade por local de internação e residência dos atendidos
peração técnica e financeira para o processo de municipalização. pelo SUS; estatísticas vitais (mortalidade e nascidos vivos); re-
cursos financeiros, informações demográficas, epidemiológicas
Regionalização: consensos e estratégias - As ações e os e socioeconômicas. Caminha-se rumo à integração dos diver-
serviços de saúde não podem ser estruturados apenas na esca- sos sistemas informatizados de base nacional, que podem ser
la dos municípios. Existem no Brasil milhares de pequenas mu- acessados no site do Datasus . Nesse processo, a implantação do
nicipalidades que não possuem em seus territórios condições Cartão Nacional de Saúde tem papel central. Cabe aos prefeitos
de oferecer serviços de alta e média complexidade; por outro conhecer e monitorar esse conjunto de informações essenciais
lado, existem municípios que apresentam serviços de referên- à gestão da saúde do seu município.
cia, tornando-se polos regionais que garantem o atendimento
da sua população e de municípios vizinhos. Em áreas de divisas Níveis de atenção à saúde: O SUS ordena o cuidado com
interestaduais, são frequentes os intercâmbios de serviços entre a saúde em níveis de atenção, que são de básica, média e alta
cidades próximas, mas de estados diferentes. Por isso mesmo, complexidade. Essa estruturação visa à melhor programação e
a construção de consensos e estratégias regionais é uma solu- planejamento das ações e dos serviços do sistema de saúde.
ção fundamental, que permitirá ao SUS superar as restrições de Não se deve, porém, desconsiderar algum desses níveis de aten-
acesso, ampliando a capacidade de atendimento e o processo ção, porque a atenção à saúde deve ser integral.
de descentralização . A atenção básica em saúde constitui o primeiro nível de
atenção à saúde adotada pelo SUS. É um conjunto de ações que
O Sistema Hierarquizado e Descentralizado: As ações e engloba promoção, prevenção, diagnóstico, tratamento e reabi-
serviços de saúde de menor grau de complexidade são coloca- litação. Desenvolve-se por meio de práticas gerenciais e sanitá-
das à disposição do usuário em unidades de saúde localizadas rias, democráticas e participativas, sob a forma de trabalho em
próximas de seu domicílio. As ações especializadas ou de maior equipe, dirigidas a populações de territórios delimitados, pelos
grau de complexidade são alcançadas por meio de mecanismos quais assumem responsabilidade .

2
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

Utiliza tecnologias de elevada complexidade e baixa densi- A promoção da saúde é uma estratégia por meio da qual os
dade, objetivando solucionar os problemas de saúde de maior desafios colocados para a saúde e as ações sanitárias são pensa-
frequência e relevância das populações. É o contato preferencial dos em articulação com as demais políticas e práticas sanitárias
dos usuários com o sistema de saúde. Deve considerar o sujeito e com as políticas e práticas dos outros setores, ampliando as
em sua singularidade, complexidade, inteireza e inserção socio- possibilidades de comunicação e intervenção entre os atores
cultural, além de buscar a promoção de sua saúde, a prevenção sociais envolvidos (sujeitos, instituições e movimentos sociais).
e tratamento de doenças e a redução de danos ou de sofrimen- A promoção da saúde deve considerar as diferenças culturais
tos que possam comprometer suas possibilidades de viver de e regionais, entendendo os sujeitos e as comunidades na sin-
modo saudável. gularidade de suas histórias, necessidades, desejos, formas de
As Unidades Básicas são prioridades porque, quando as pertencer e se relacionar com o espaço em que vivem. Signifi-
Unidades Básicas de Saúde funcionam adequadamente, a co- ca comprometer-se com os sujeitos e as coletividades para que
munidade consegue resolver com qualidade a maioria dos seus possuam, cada vez mais, autonomia e capacidade para manejar
problemas de saúde. É comum que a primeira preocupação de os limites e riscos impostos pela doença, pela constituição gené-
tica e por seu contexto social, político, econômico e cultural. A
muitos prefeitos se volte para a reforma ou mesmo a construção
promoção da saúde coloca, ainda, o desafio da intersetorialida-
de hospitais. Para o SUS, todos os níveis de atenção são igual-
de, com a convocação de outros setores sociais e governamen-
mente importantes, mas a prática comprova que a atenção bá-
tais para que considerem parâmetros sanitários, ao construir
sica deve ser sempre prioritária, porque possibilita melhor orga-
suas políticas públicas específicas, possibilitando a realização de
nização e funcionamento também dos serviços de média e alta ações conjuntas.
complexidade.
Estando bem estruturada, ela reduzirá as filas nos prontos Vigilância em saúde: expande seus objetivos. Em um país
socorros e hospitais, o consumo abusivo de medicamentos e com as dimensões do Brasil, com realidades regionais bastante
o uso indiscriminado de equipamentos de alta tecnologia . Isso diversificadas, a vigilância em saúde é um grande desafio. Ape-
porque os problemas de saúde mais comuns passam a ser resol- sar dos avanços obtidos, como a erradicação da poliomielite,
vidos nas Unidades Básicas de Saúde, deixando os ambulatórios desde 1989, e com a interrupção da transmissão de sarampo,
de especialidades e hospitais cumprirem seus verdadeiros pa- desde 2000, convivemos com doenças transmissíveis que persis-
péis, o que resulta em maior satisfação dos usuários e utilização tem ou apresentam incremento na incidência, como a AIDS, as
mais racional dos recursos existentes. hepatites virais, as meningites, a malária na região amazônica, a
dengue, a tuberculose e a hanseníase. Observamos, ainda, au-
Saúde da Família: é a saúde mais perto do cidadão. É par- mento da mortalidade por causas externas, como acidentes de
te da estratégia de estruturação eleita pelo Ministério da Saúde trânsito, conflitos, homicídios e suicídios, atingindo, principal-
para reorganização da atenção básica no País, com recursos fi- mente, jovens e população em idade produtiva. Nesse contexto,
nanceiros específicos para o seu custeio. Cada equipe é com- o Ministério da Saúde com o objetivo de integração, fortaleci-
posta por um conjunto de profissionais (médico, enfermeiro, mento da capacidade de gestão e redução da morbimortalida-
auxiliares de enfermagem e agentes comunitários de saúde, de, bem como dos fatores de risco associados à saúde, expande
podendo agora contar com profissional de saúde bucal) que se o objeto da vigilância em saúde pública, abrangendo as áreas
responsabiliza pela situação de saúde de determinada área, cuja de vigilância das doenças transmissíveis, agravos e doenças não
população deve ser de no mínimo 2.400 e no máximo 4.500 pes- transmissíveis e seus fatores de riscos; a vigilância ambiental em
soas. Essa população deve ser cadastrada e acompanhada, tor- saúde e a análise de situação de saúde.
nando-se responsabilidade das equipes atendê-la, entendendo
suas necessidades de saúde como resultado também das condi- Competências municipais na vigilância em saúde
ções sociais, ambientais e econômicas em que vive. Os profissio-
Compete aos gestores municipais, entre outras atribuições,
nais é que devem ir até suas casas, porque o objetivo principal
as atividades de notificação e busca ativa de doenças compul-
da Saúde da Família é justamente aproximar as equipes das co-
sórias, surtos e agravos inusitados; investigação de casos noti-
munidades e estabelecer entre elas vínculos sólidos.
ficados em seu território; busca ativa de declaração de óbitos e
de nascidos vivos; garantia a exames laboratoriais para o diag-
A saúde municipal precisa ser integral. O município é res- nóstico de doenças de notificação compulsória; monitoramento
ponsável pela saúde de sua população integralmente, ou seja, da qualidade da água para o consumo humano; coordenação e
deve garantir que ela tenha acessos à atenção básica e aos ser- execução das ações de vacinação de rotina e especiais (campa-
viços especializados (de média e alta complexidade), mesmo nhas e vacinações de bloqueio); vigilância epidemiológica; mo-
quando localizados fora de seu território, controlando, racionali- nitoramento da mortalidade infantil e materna; execução das
zando e avaliando os resultados obtidos. ações básicas de vigilância sanitária; gestão e/ou gerência dos
Só assim estará promovendo saúde integral, como deter- sistemas de informação epidemiológica, no âmbito municipal;
mina a legislação. É preciso que isso fique claro, porque mui- coordenação, execução e divulgação das atividades de informa-
tas vezes o gestor municipal entende que sua responsabilidade ção, educação e comunicação de abrangência municipal; parti-
acaba na atenção básica em saúde e que as ações e os serviços cipação no financiamento das ações de vigilância em saúde e
de maior complexidade são responsabilidade do Estado ou da capacitação de recursos .
União – o que não é verdade.

3
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

Desafios públicos, responsabilidades compartilhadas: A Níveis de Gestão do SUS


legislação brasileira – Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) e le-
gislação sanitária, incluindo as Leis n .º 8 .080/1990 e 8 .142/1990 Esfera Federal - Gestor: Ministério da Saúde - Formulação
– estabelece prerrogativas, deveres e obrigações a todos os go- da política estadual de saúde, coordenação e planejamento do
vernantes. A Constituição Federal define os gastos mínimos em SUS em nível Estadual. Financiamento das ações e serviços de
saúde, por esfera de governo, e a legislação sanitária, os critérios saúde por meio da aplicação/distribuição de recursos públicos
para as transferências intergovernamentais e alocação de recur- arrecadados .
sos financeiros. Essa vinculação das receitas objetiva preservar Esfera Estadual - Gestor: Secretaria Estadual de Saúde - For-
condições mínimas e necessárias ao cumprimento das respon- mulação da política municipal de saúde e a provisão das ações e
sabilidades sanitárias e garantir transparência na utilização dos serviços de saúde, financiados com recursos próprios ou trans-
recursos disponíveis. feridos pelo gestor federal e/ou estadual do SUS .
A responsabilização fiscal e sanitária de cada gestor e servi-
dor público deve ser compartilhada por todos os entes e esferas Esfera Municipal - Gestor: Secretaria Municipal de Saúde -
governamentais, resguardando suas características, atribuições Formulação de políticas nacionais de saúde, planejamento, nor-
e competências. O desafio primordial dos governos, sobretudo malização, avaliação e controle do SUS em nível nacional. Finan-
na esfera municipal, é avançar na transformação dos preceitos ciamento das ações e serviços de saúde por meio da aplicação/
constitucionais e legais que constituem o SUS em serviços e distribuição de recursos públicos arrecadados.
ações que assegurem o direito à saúde, como uma conquista
que se realiza cotidianamente em cada estabelecimento, equipe
e prática sanitária. É preciso inovar e buscar, coletiva e criativa- PROGRAMAS DO SUS NO ATENDIMENTO AOS PA-
mente, soluções novas para os velhos problemas do nosso siste- CIENTES E USUÁRIOS
ma de saúde. A construção de espaços de gestão que permitam
a discussão e a crítica, em ambiente democrático e plural, é con-
dição essencial para que o SUS seja, cada vez mais, um projeto
que defenda e promova a vida. 6 programas de saúde pública do Brasil considerados refe-
rência no mundo... - Veja mais em https://noticias.uol.com.br/
Muitos municípios operam suas ações e serviços de saúde saude/ultimas-noticias/redacao/2018/06/05/6-programas-de-
em condições desfavoráveis, dispondo de recursos financeiros e -saude-publica-do-brasil-considerados-referencia-no-mundo .
equipes insuficientes para atender às demandas dos usuários, htm?cmpid=copiaecola
seja em volume, seja em complexidade – resultado de uma É muito comum relacionar o Sistema Único de Saúde a filas
conjuntura social de extrema desigualdade. Nessas situações, a ou a falta de medicamentos e de médicos. Mas o que muitos não
gestão pública em saúde deve adotar condução técnica e admi- sabem é que, apesar de ter problemas (que não são poucos), há
nistrativa compatível com os recursos existentes e criativa em programas da saúde pública brasileira considerados referência
sua utilização. Deve estabelecer critérios para a priorização dos internacional .
gastos, orientados por análises sistemáticas das necessidades são vistos com bons olhos tanto pela ONU (Organização das
em saúde, verificadas junto à população. É um desafio que exige Nações Unidas) e pela OMS (Organização Mundial da Saúde),
vontade política, propostas inventivas e capacidade de governo. além de serem apontados recorrentemente como exemplos em
A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios com- congressos internacionais .
partilham as responsabilidades de promover a articulação e a
interação dentro do Sistema Único de Saúde – SUS, assegurando 1. Saúde da Família .
o acesso universal e igualitário às ações e serviços de saúde.
Com foco na atenção básica, o programa brasileiro foi eleito
O SUS é um sistema de saúde, regionalizado e hierarqui- pela OMS (Organização Mundial da Saúde) um dos 10 melhores
zado, que integra o conjunto das ações de saúde da União, Es- do mundo ao lado de iniciativas norte-americanas, inglesas, nór-
tados, Distrito Federal e Municípios, onde cada parte cumpre dicas e japonesas. “É o nosso grande astro”, afirma Marco Aker-
funções e competências específicas, porém articuladas entre si, man, professor do Departamento de Política, Gestão e Saúde da
o que caracteriza os níveis de gestão do SUS nas três esferas go- Faculdade de Saúde Pública USP (Universidade de São Paulo).
vernamentais. Segundo o pesquisador da USP, o Saúde da Família se des-
taca tanto pelo tamanho de sua cobertura, bem como pela sua
Criado pela Constituição Federal de 1988 e regulamentado eficiência no controle da mortalidade infantil e da hospitalização
pela Lei nº 8.080/90, conhecida como a Lei Orgânica da Saúde, por doenças crônicas (hipertensão e diabetes) .
e pela Lei nº 8.142/90, que trata da participação da comunidade Iplementado em 1994, o programa atende 123 milhões de
na gestão do Sistema e das transferências intergovernamentais pessoas em quase todos os municípios, segundo o Ministério da
de recursos financeiros, o SUS tem normas e regulamentos que Saúde. Ao contrário do modelo de atendimento emergencial ao
disciplinam as políticas e ações em cada Subsistema. doente, a estratégia valoriza as ações de acompanhamento da
A Sociedade, nos termos da Legislação, participa do plane- saúde.
jamento e controle da execução das ações e serviços de saúde. Ligada a uma Unidade Básica de Saúde, a equipe multifun-
Essa participação se dá por intermédio dos Conselhos de Saúde, cional (que inclui médico, enfermeiro, técnico de enfermagem,
presentes na União, nos Estados e Municípios. agentes comunitários e, em alguns casos, dentista e nutricionis-

4
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

ta) é responsável por conhecer a realidade das famílias locais, E o Brasil se destaca não só pelo tratamento, mas também
identificar os problemas de saúde mais comuns e acompanhar pela agilidade no diagnóstico. Em 2014, o paciente iniciava o
o tratamento . tratamento com, em média, 101 dias após o diagnóstico. Hoje
“Ações com impactos diretos e expressivos no controle da são, no máximo, 41 dias, de acordo com dados do Ministério da
mortalidade infantil”, enfatiza Akerman. Em 1990, segundo a Saúde. O problema, como aponta Akerman, está na distribuição
ONU (Organização das Nações Unidos), o país registrava 60,8 desses remédios nas zonas rurais ou mais afastadas dos grandes
mortes a cada mil nascidos vivos, contra 16,4 mortes a cada mil centros. “Mas, de uma maneira geral, a distribuição é razoável.”
nascidos vivos, em 2015. O número representa uma queda de
73%. Diversos estudos também associam o Saúde da Família à 4 . Transplantes
redução das taxas à queda das internações por condições sen-
síveis à atenção primária, tais como a diabetes e hipertensão. O Brasil é o país com o maior sistema público de transplan-
O programa, no entanto, não está livre de problemas. Além tes do mundo, segundo o consultor em saúde pública Eugênio
de não atender a toda a população, o professor da USP aponta Vilaça Mendes. De acordo com ele, cerca de 90% das cirurgias
que a reformulação da PNAB (Política Nacional de Atenção Bási- são feitas com recursos públicos. Em 2017, o SUS realizou 26.329
ca) ameaçou a estratégia por flexibilização a adesão das cidades. transplantes a um custo de R$ 1 bilhão, como aponta o Minis-
“O que deixou o ESF à mercê da vontade política dos municí- tério da Saúde. O índice é 5,5% maior do que no ano anterior,
pios.” quando foram registrados 24 .958 transplantes .
Em São Paulo, o Saúde da Família só alcança 35% da popu- “O SUS oferece assistência integral ao paciente transplan-
lação. No Rio, a estratégia que tinha boa cobertura sofre agora tado, desde os exames preparatório até os medicamentos pós-
com a falta de médicos . -transplantes que acompanham o paciente pela vida toda”,
acrescenta o consultor, que também ressalta o fato de o Brasil
2. Programa de vacinação . adotar a lista de espera única, ordenada por critérios de urgên-
cia. “Não havendo diferenças entre ricos e pobres, negros ou
Desde 1973, o Programa Nacional de Imunização garante brancos.”
o acesso gratuito a todas as vacinas recomendadas pela OMS. A lista de espera, em 2017, era composta por 32 .402 adul-
“Foi o que garantiu a erradicação de doenças como varíola e po- tos e 1 .039 crianças . O rim é o órgão mais disputado (21 .059
liomielite (paralisia infantil), bem como o controle de doenças adultos e 418 crianças), seguido da córnea (9 .266 adultos e 367
como sarampo e, mais recentemente, febre amarela”, apon- crianças), do fígado (1.101 adultos e 191 crianças) e do coração
ta Eugênio Vilaça Mendes, consultor em saúde pública, que já (255 adultos e 41 crianças) . Nos 30 .764 pacientes que ingressa-
atuou na área de Desenvolvimento de Sistemas e Serviços de ram na lista de espera no ano passado, 1 .895 morreram antes de
Saúde da Organização Pan-Americana da Saúde. Segundo ele, receberem o novo órgão.
nesse contexto, o Brasil é recorrentemente usado como exem-
plo em congressos internacionais . 5. Tratamento contra Hepatite C
Segundo o Ministério da Saúde, o último caso de varíola no-
tificado no Brasil foi em 1971. Já a poliomielite foi extinta no país Ainda que caro, o Brasil oferece atualmente um dos melho-
em 1989, ano em que o último caso da doença foi registrado. res tratamentos do mundo para os seis genótipos da hepatite C
O calendário inclui as vacinas infantis, que vão de BCG (con- e, desde julho de 2017, os medicamentos sofosbuvir, daclatasvir
tra tuberculose) até rotavírus (contra diarreia grave), além das ou simeprevir, com eficiência de cura de cerca de 90%, estarão
campanhas voltadas aos adolescentes [vacina contra HPV] e aos disponíveis no SUS. O uso dos remédios por cerca de três meses
idosos [vacina contra gripe]. “Ainda que não inclua todas as vaci- pode custar até R$ 184 mil por paciente .
nas disponíveis no sistema privado, essa disparidade não repre- Com a meta de eliminar a doença até 2030, o Ministério
senta um risco à saúde da população”, garante Akerman. da Saúde ampliou em março deste ano o tratamento gratuito a
todos os pacientes, independentemente do dano no fígado. Até
3. Controle de HIV/Aids então, o atendimento era destinado prioritariamente àquelas
pessoas com um nível de comprometimento no fígado F3 e F4
Para conter a epidemia de Aids, o Brasil, diferentemente de --em uma escala que varia de F0 a F4.
muitos países, preferiu atuar na prevenção e também custear “O Brasil é um dos únicos países a garantir à população
todo o tratamento. Desde 1996, o país garante acesso universal o acesso a medicamentos de alto custo como esses”, ressalta
e gratuito aos antirretrovirais, que aumentou significativamente Mendes, que destaca que com os valores desses remédios “até
a sobrevida dos pacientes. Nos últimos 21 anos, a mortalidade o rico vira pobre”. “Uma política de equidade e de grande êxito,
de pessoas com HIV/Aids no país caiu 46%. Segundo o Ministério já que estudos mostram que a maior causa da falência das famí-
da Saúde, a taxa caiu de 9,7 óbitos por 100 mil habitantes, em lias americanas, por exemplo, é a doença.”
1995, para 5,2 óbitos por 100 mil habitantes em 2016 . A distribuição de medicamentos pelo SUS, incluindo os mais
“O país conseguiu combinar a abordagem preventiva e baratos, foi o segundo serviço mais bem avaliado pelos brasilei-
curativa para controlar a epidemia que seguia um padrão de ros em consulta do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Apli-
crescimento similar ao da África”, afirma Gastão Wagner de Sou- cada) sobre a qualidade da saúde pública em 2013 (ano mais
sa Campos, presidente Abrasco (Associação Brasileira de Saúde recente da pesquisa). Na ocasião, 69,6% dos entrevistados clas-
Coletiva), que aponta que cerca de 90% dos brasileiros que con- sificaram a entrega de remédios como “boa” ou “muito boa”
vivem com a infecção se tratam gratuitamente pelo SUS.

5
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

6 . Controle do tabagismo
Art . 3o Os níveis de saúde expressam a organização social
“O Brasil desenvolveu o melhor programa de tabagismo do
e econômica do País, tendo a saúde como determinantes e
mundo”, salienta o consultor Eugênio Vilaça Mendes, que diz
condicionantes, entre outros, a alimentação, a moradia, o
que os nossos avanços no tema são bem mais expressivos do
saneamento básico, o meio ambiente, o trabalho, a renda, a
que o de países ricos .
educação, a atividade física, o transporte, o lazer e o acesso aos
Redução atribuída por Mendes a uma política de controle
bens e serviços essenciais . (Redação dada pela Lei nº 12 .864,
concentrada em três principais pontos: a proibição das propa-
de 2013)
gandas de tabaco, às restrições de uso em certos ambientes e ao
Parágrafo único. Dizem respeito também à saúde as ações
tratamento gratuito para quem deseja para de fumar .
que, por força do disposto no artigo anterior, se destinam a ga-
rantir às pessoas e à coletividade condições de bem-estar físico,
Em 2016, segundo o Ministério da Saúde, 10,1% dos bra-
mental e social .
sileiros acima de 18 anos ainda mantinham o hábito de fumar
--o índice era maior entre os homens (13,2%) do que entre as
TÍTULO II
mulheres (7,5%) . A frequência de fumantes era menor entre os
DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE
adultos com 65 anos e mais (7,3%). Já as faixas etárias de 18 a 24
DISPOSIÇÃO PRELIMINAR
anos (8,5%) e 35 a 44 anos (11,7%) apresentaram um pequeno
aumento em relação ao ano anterior, quando foram registrados
Art. 4º O conjunto de ações e serviços de saúde, prestados
7,4% e 10%, respectivamente.
por órgãos e instituições públicas federais, estaduais e municipais,
Os números representam uma queda de 36% no percentual
da Administração direta e indireta e das fundações mantidas pelo
de fumantes no período de 2006 a 2017 . Redução que foi des-
Poder Público, constitui o Sistema Único de Saúde (SUS).
taca inclusive por um estudo financiado pela Bill & Melinda Ga-
§ 1º Estão incluídas no disposto neste artigo as instituições
tes Foundation e pela Bloomberg Philanthropies, que apontou o
públicas federais, estaduais e municipais de controle de
Brasil como “uma história de sucesso digna de nota.”
qualidade, pesquisa e produção de insumos, medicamentos,
Fonte: https://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/
inclusive de sangue e hemoderivados, e de equipamentos para
redacao/2018/06/05/6-programas-de-saude-publica-do-brasil-
saúde .
-considerados-referencia-no-mundo .htm
§ 2º A iniciativa privada poderá participar do Sistema Único
de Saúde (SUS), em caráter complementar .

LEI Nº 8.080, CAPÍTULO I


DOS OBJETIVOS E ATRIBUIÇÕES

Art. 5º São objetivos do Sistema Único de Saúde SUS:


LEI Nº 8.080, DE 19 DE SETEMBRO DE 1990.
I - a identificação e divulgação dos fatores condicionantes e
Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e re-
determinantes da saúde;
cuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos ser-
II - a formulação de política de saúde destinada a promover,
viços correspondentes e dá outras providências. O PRESIDENTE
nos campos econômico e social, a observância do disposto no §
DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e
1º do art . 2º desta lei;
eu sanciono a seguinte lei:
III - a assistência às pessoas por intermédio de ações de
DISPOSIÇÃO PRELIMINAR
promoção, proteção e recuperação da saúde, com a realização
Art . 1º Esta lei regula, em todo o território nacional, as
integrada das ações assistenciais e das atividades preventivas.
ações e serviços de saúde, executados isolada ou conjuntamen-
Art . 6º Estão incluídas ainda no campo de atuação do Siste-
te, em caráter permanente ou eventual, por pessoas naturais ou
ma Único de Saúde (SUS):
jurídicas de direito Público ou privado.
I - a execução de ações:
a) de vigilância sanitária;
TÍTULO I
b) de vigilância epidemiológica;
DAS DISPOSIÇÕES GERAIS
c) de saúde do trabalhador; e
d) de assistência terapêutica integral, inclusive farmacêutica;
Art. 2º A saúde é um direito fundamental do ser humano,
II - a participação na formulação da política e na execução
devendo o Estado prover as condições indispensáveis ao seu
de ações de saneamento básico;
pleno exercício.
III - a ordenação da formação de recursos humanos na área
§ 1º O dever do Estado de garantir a saúde consiste na
de saúde;
formulação e execução de políticas econômicas e sociais que
IV - a vigilância nutricional e a orientação alimentar;
visem à redução de riscos de doenças e de outros agravos e no
V - a colaboração na proteção do meio ambiente, nele com-
estabelecimento de condições que assegurem acesso universal
preendido o do trabalho;
e igualitário às ações e aos serviços para a sua promoção,
VI - a formulação da política de medicamentos, equipamen-
proteção e recuperação .
tos, imunobiológicos e outros insumos de interesse para a saúde
§ 2º O dever do Estado não exclui o das pessoas, da família,
e a participação na sua produção;
das empresas e da sociedade .

6
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

VII - o controle e a fiscalização de serviços, produtos e subs- VII - revisão periódica da listagem oficial de doenças origina-
tâncias de interesse para a saúde; das no processo de trabalho, tendo na sua elaboração a colabo-
VIII - a fiscalização e a inspeção de alimentos, água e bebi- ração das entidades sindicais; e
das para consumo humano; VIII - a garantia ao sindicato dos trabalhadores de requerer
IX - a participação no controle e na fiscalização da produ- ao órgão competente a interdição de máquina, de setor de servi-
ção, transporte, guarda e utilização de substâncias e produtos ço ou de todo ambiente de trabalho, quando houver exposição a
psicoativos, tóxicos e radioativos; risco iminente para a vida ou saúde dos trabalhadores.
X - o incremento, em sua área de atuação, do desenvolvi-
mento científico e tecnológico; CAPÍTULO II
XI - a formulação e execução da política de sangue e seus DOS PRINCÍPIOS E DIRETRIZES
derivados.
§ 1º Entende-se por vigilância sanitária um conjunto de Art. 7º As ações e serviços públicos de saúde e os serviços
ações capaz de eliminar, diminuir ou prevenir riscos à saúde privados contratados ou conveniados que integram o Sistema
Único de Saúde (SUS), são desenvolvidos de acordo com as dire-
e de intervir nos problemas sanitários decorrentes do meio
trizes previstas no art. 198 da Constituição Federal, obedecendo
ambiente, da produção e circulação de bens e da prestação de
ainda aos seguintes princípios:
serviços de interesse da saúde, abrangendo:
I - universalidade de acesso aos serviços de saúde em todos
I - o controle de bens de consumo que, direta ou indireta-
os níveis de assistência;
mente, se relacionem com a saúde, compreendidas todas as II - integralidade de assistência, entendida como conjunto
etapas e processos, da produção ao consumo; e articulado e contínuo das ações e serviços preventivos e curati-
II - o controle da prestação de serviços que se relacionam vos, individuais e coletivos, exigidos para cada caso em todos os
direta ou indiretamente com a saúde. níveis de complexidade do sistema;
§ 2º Entende-se por vigilância epidemiológica um conjunto III - preservação da autonomia das pessoas na defesa de sua
de ações que proporcionam o conhecimento, a detecção ou integridade física e moral;
prevenção de qualquer mudança nos fatores determinantes e IV - igualdade da assistência à saúde, sem preconceitos ou
condicionantes de saúde individual ou coletiva, com a finalidade privilégios de qualquer espécie;
de recomendar e adotar as medidas de prevenção e controle V - direito à informação, às pessoas assistidas, sobre sua
das doenças ou agravos . saúde;
§ 3º Entende-se por saúde do trabalhador, para fins VI - divulgação de informações quanto ao potencial dos ser-
desta lei, um conjunto de atividades que se destina, através viços de saúde e a sua utilização pelo usuário;
das ações de vigilância epidemiológica e vigilância sanitária, à VII - utilização da epidemiologia para o estabelecimento de
promoção e proteção da saúde dos trabalhadores, assim como prioridades, a alocação de recursos e a orientação programática;
visa à recuperação e reabilitação da saúde dos trabalhadores VIII - participação da comunidade;
submetidos aos riscos e agravos advindos das condições de IX - descentralização politíco-adminitrativa, com direção
trabalho, abrangendo: única em cada esfera de governo:
I - assistência ao trabalhador vítima de acidentes de traba- a) ênfase na descentralização dos serviços para os municí-
lho ou portador de doença profissional e do trabalho; pios;
II - participação, no âmbito de competência do Sistema Úni- b) regionalização e hierarquização da rede de serviços de
co de Saúde (SUS), em estudos, pesquisas, avaliação e controle saúde;
dos riscos e agravos potenciais à saúde existentes no processo X - integração em nível executivo das ações de saúde, meio
de trabalho; ambiente e saneamento básico;
III - participação, no âmbito de competência do Sistema XI - conjugação dos recursos financeiros, tecnológicos, ma-
teriais e humanos da União, dos Estados, do Distrito Federal e
Único de Saúde (SUS), da normatização, fiscalização e controle
dos Municípios na prestação de serviços de assistência à saúde
das condições de produção, extração, armazenamento, trans-
da população;
porte, distribuição e manuseio de substâncias, de produtos, de
XII - capacidade de resolução dos serviços em todos os ní-
máquinas e de equipamentos que apresentam riscos à saúde do
veis de assistência; e
trabalhador; XIII - organização dos serviços públicos de modo a evitar du-
IV - avaliação do impacto que as tecnologias provocam à plicidade de meios para fins idênticos.
saúde; XIV – organização de atendimento público específico e es-
V - informação ao trabalhador e à sua respectiva entidade pecializado para mulheres e vítimas de violência doméstica em
sindical e às empresas sobre os riscos de acidentes de trabalho, geral, que garanta, entre outros, atendimento, acompanhamen-
doença profissional e do trabalho, bem como os resultados de to psicológico e cirurgias plásticas reparadoras, em conformida-
fiscalizações, avaliações ambientais e exames de saúde, de ad- de com a Lei nº 12 .845, de 1º de agosto de 2013 . (Redação dada
missão, periódicos e de demissão, respeitados os preceitos da pela Lei nº 13 .427, de 2017)
ética profissional;
VI - participação na normatização, fiscalização e controle
dos serviços de saúde do trabalhador nas instituições e empre-
sas públicas e privadas;

7
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

CAPÍTULO III Parágrafo único. A atuação das Comissões Intergestores Bi-


DA ORGANIZAÇÃO, DA DIREÇÃO E DA GESTÃO partite e Tripartite terá por objetivo: (Incluído pela Lei nº 12 .466,
de 2011) .
Art. 8º As ações e serviços de saúde, executados pelo Siste- I - decidir sobre os aspectos operacionais, financeiros e ad-
ma Único de Saúde (SUS), seja diretamente ou mediante partici- ministrativos da gestão compartilhada do SUS, em conformida-
pação complementar da iniciativa privada, serão organizados de de com a definição da política consubstanciada em planos de
forma regionalizada e hierarquizada em níveis de complexidade saúde, aprovados pelos conselhos de saúde; (Incluído pela Lei
crescente . nº 12 .466, de 2011) .
Art. 9º A direção do Sistema Único de Saúde (SUS) é única, II - definir diretrizes, de âmbito nacional, regional e intermu-
de acordo com o inciso I do art. 198 da Constituição Federal, nicipal, a respeito da organização das redes de ações e serviços
sendo exercida em cada esfera de governo pelos seguintes ór- de saúde, principalmente no tocante à sua governança institu-
gãos: cional e à integração das ações e serviços dos entes federados;
I - no âmbito da União, pelo Ministério da Saúde; (Incluído pela Lei nº 12 .466, de 2011) .
II - no âmbito dos Estados e do Distrito Federal, pela respec- III - fixar diretrizes sobre as regiões de saúde, distrito sani-
tiva Secretaria de Saúde ou órgão equivalente; e tário, integração de territórios, referência e contrarreferência e
III - no âmbito dos Municípios, pela respectiva Secretaria de demais aspectos vinculados à integração das ações e serviços
Saúde ou órgão equivalente. de saúde entre os entes federados. (Incluído pela Lei nº 12 .466,
Art. 10. Os municípios poderão constituir consórcios para de 2011) .
desenvolver em conjunto as ações e os serviços de saúde que Art. 14-B. O Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Co-
lhes correspondam . nass) e o Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde
§ 1º Aplica-se aos consórcios administrativos intermunicipais (Conasems) são reconhecidos como entidades representativas
o princípio da direção única, e os respectivos atos constitutivos dos entes estaduais e municipais para tratar de matérias refe-
disporão sobre sua observância . rentes à saúde e declarados de utilidade pública e de relevante
§ 2º No nível municipal, o Sistema Único de Saúde (SUS), função social, na forma do regulamento . (Incluído pela Lei nº
poderá organizar-se em distritos de forma a integrar e articular 12 .466, de 2011) .
recursos, técnicas e práticas voltadas para a cobertura total das § 1o O Conass e o Conasems receberão recursos do orça-
ações de saúde . mento geral da União por meio do Fundo Nacional de Saúde,
Art . 11 . (Vetado) . para auxiliar no custeio de suas despesas institucionais, poden-
Art. 12. Serão criadas comissões intersetoriais de âmbito do ainda celebrar convênios com a União. (Incluído pela Lei nº
nacional, subordinadas ao Conselho Nacional de Saúde, inte- 12 .466, de 2011) .
gradas pelos Ministérios e órgãos competentes e por entidades § 2o Os Conselhos de Secretarias Municipais de Saúde (Co-
representativas da sociedade civil. sems) são reconhecidos como entidades que representam os
Parágrafo único. As comissões intersetoriais terão a finalida- entes municipais, no âmbito estadual, para tratar de matérias
de de articular políticas e programas de interesse para a saúde, referentes à saúde, desde que vinculados institucionalmente ao
cuja execução envolva áreas não compreendidas no âmbito do Conasems, na forma que dispuserem seus estatutos . (Incluído
Sistema Único de Saúde (SUS). pela Lei nº 12 .466, de 2011) .
Art. 13. A articulação das políticas e programas, a cargo das CAPÍTULO IV
comissões intersetoriais, abrangerá, em especial, as seguintes DA COMPETÊNCIA E DAS ATRIBUIÇÕES
atividades: SEÇÃO I
I - alimentação e nutrição; DAS ATRIBUIÇÕES COMUNS
II - saneamento e meio ambiente;
III - vigilância sanitária e farmacoepidemiologia; Art. 15. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Muni-
IV - recursos humanos; cípios exercerão, em seu âmbito administrativo, as seguintes
V - ciência e tecnologia; e atribuições:
VI - saúde do trabalhador. I - definição das instâncias e mecanismos de controle, ava-
Art. 14. Deverão ser criadas Comissões Permanentes de in- liação e de fiscalização das ações e serviços de saúde;
tegração entre os serviços de saúde e as instituições de ensino II - administração dos recursos orçamentários e financeiros
profissional e superior. destinados, em cada ano, à saúde;
Parágrafo único. Cada uma dessas comissões terá por finali- III - acompanhamento, avaliação e divulgação do nível de
dade propor prioridades, métodos e estratégias para a formação saúde da população e das condições ambientais;
e educação continuada dos recursos humanos do Sistema Único IV - organização e coordenação do sistema de informação
de Saúde (SUS), na esfera correspondente, assim como em rela- de saúde;
ção à pesquisa e à cooperação técnica entre essas instituições. V - elaboração de normas técnicas e estabelecimento de pa-
Art. 14-A. As Comissões Intergestores Bipartite e Tripartite drões de qualidade e parâmetros de custos que caracterizam a
são reconhecidas como foros de negociação e pactuação entre assistência à saúde;
gestores, quanto aos aspectos operacionais do Sistema Único de VI - elaboração de normas técnicas e estabelecimento de
Saúde (SUS). (Incluído pela Lei nº 12 .466, de 2011) . padrões de qualidade para promoção da saúde do trabalhador;

8
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

VII - participação de formulação da política e da execução V - participar da definição de normas, critérios e padrões
das ações de saneamento básico e colaboração na proteção e para o controle das condições e dos ambientes de trabalho e
recuperação do meio ambiente; coordenar a política de saúde do trabalhador;
VIII - elaboração e atualização periódica do plano de saúde; VI - coordenar e participar na execução das ações de vigilân-
IX - participação na formulação e na execução da política cia epidemiológica;
de formação e desenvolvimento de recursos humanos para a VII - estabelecer normas e executar a vigilância sanitária de
saúde; portos, aeroportos e fronteiras, podendo a execução ser com-
X - elaboração da proposta orçamentária do Sistema Único plementada pelos Estados, Distrito Federal e Municípios;
de Saúde (SUS), de conformidade com o plano de saúde; VIII - estabelecer critérios, parâmetros e métodos para o
XI - elaboração de normas para regular as atividades de ser- controle da qualidade sanitária de produtos, substâncias e servi-
viços privados de saúde, tendo em vista a sua relevância pública; ços de consumo e uso humano;
XII - realização de operações externas de natureza financei- IX - promover articulação com os órgãos educacionais e de
ra de interesse da saúde, autorizadas pelo Senado Federal; fiscalização do exercício profissional, bem como com entidades re-
XIII - para atendimento de necessidades coletivas, urgentes presentativas de formação de recursos humanos na área de saúde;
e transitórias, decorrentes de situações de perigo iminente, de X - formular, avaliar, elaborar normas e participar na execu-
calamidade pública ou de irrupção de epidemias, a autoridade ção da política nacional e produção de insumos e equipamentos
competente da esfera administrativa correspondente poderá para a saúde, em articulação com os demais órgãos governa-
requisitar bens e serviços, tanto de pessoas naturais como de mentais;
jurídicas, sendo-lhes assegurada justa indenização; XI - identificar os serviços estaduais e municipais de refe-
XIV - implementar o Sistema Nacional de Sangue, Compo- rência nacional para o estabelecimento de padrões técnicos de
nentes e Derivados; assistência à saúde;
XV - propor a celebração de convênios, acordos e protocolos XII - controlar e fiscalizar procedimentos, produtos e subs-
internacionais relativos à saúde, saneamento e meio ambiente; tâncias de interesse para a saúde;
XVI - elaborar normas técnico-científicas de promoção, pro- XIII - prestar cooperação técnica e financeira aos Estados, ao
Distrito Federal e aos Municípios para o aperfeiçoamento da sua
teção e recuperação da saúde;
atuação institucional;
XVII - promover articulação com os órgãos de fiscalização
XIV - elaborar normas para regular as relações entre o Siste-
do exercício profissional e outras entidades representativas da
ma Único de Saúde (SUS) e os serviços privados contratados de
sociedade civil para a definição e controle dos padrões éticos
assistência à saúde;
para pesquisa, ações e serviços de saúde;
XV - promover a descentralização para as Unidades Federa-
XVIII - promover a articulação da política e dos planos de
das e para os Municípios, dos serviços e ações de saúde, respec-
saúde;
tivamente, de abrangência estadual e municipal;
XIX - realizar pesquisas e estudos na área de saúde;
XVI - normatizar e coordenar nacionalmente o Sistema Na-
XX - definir as instâncias e mecanismos de controle e fiscali-
cional de Sangue, Componentes e Derivados;
zação inerentes ao poder de polícia sanitária; XVII - acompanhar, controlar e avaliar as ações e os serviços
XXI - fomentar, coordenar e executar programas e projetos de saúde, respeitadas as competências estaduais e municipais;
estratégicos e de atendimento emergencial . XVIII - elaborar o Planejamento Estratégico Nacional no âm-
bito do SUS, em cooperação técnica com os Estados, Municípios
SEÇÃO II e Distrito Federal;
DA COMPETÊNCIA XIX - estabelecer o Sistema Nacional de Auditoria e coorde-
nar a avaliação técnica e financeira do SUS em todo o Território
Art. 16. A direção nacional do Sistema Único da Saúde (SUS) Nacional em cooperação técnica com os Estados, Municípios e
compete: Distrito Federal . (Vide Decreto nº 1 .651, de 1995)
I - formular, avaliar e apoiar políticas de alimentação e nu- Parágrafo único. A União poderá executar ações de vigilân-
trição; cia epidemiológica e sanitária em circunstâncias especiais, como
II - participar na formulação e na implementação das polí- na ocorrência de agravos inusitados à saúde, que possam esca-
ticas: par do controle da direção estadual do Sistema Único de Saúde
a) de controle das agressões ao meio ambiente; (SUS) ou que representem risco de disseminação nacional .
b) de saneamento básico; e Art. 17. À direção estadual do Sistema Único de Saúde (SUS)
c) relativas às condições e aos ambientes de trabalho; compete:
III - definir e coordenar os sistemas: I - promover a descentralização para os Municípios dos ser-
a) de redes integradas de assistência de alta complexidade; viços e das ações de saúde;
b) de rede de laboratórios de saúde pública; II - acompanhar, controlar e avaliar as redes hierarquizadas
c) de vigilância epidemiológica; e do Sistema Único de Saúde (SUS);
d) vigilância sanitária; III - prestar apoio técnico e financeiro aos Municípios e exe-
IV - participar da definição de normas e mecanismos de con- cutar supletivamente ações e serviços de saúde;
trole, com órgão afins, de agravo sobre o meio ambiente ou dele IV - coordenar e, em caráter complementar, executar ações
decorrentes, que tenham repercussão na saúde humana; e serviços:

9
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

a) de vigilância epidemiológica; XI - controlar e fiscalizar os procedimentos dos serviços pri-


b) de vigilância sanitária; vados de saúde;
c) de alimentação e nutrição; e XII - normatizar complementarmente as ações e serviços
d) de saúde do trabalhador; públicos de saúde no seu âmbito de atuação.
V - participar, junto com os órgãos afins, do controle dos Art. 19. Ao Distrito Federal competem as atribuições reser-
agravos do meio ambiente que tenham repercussão na saúde vadas aos Estados e aos Municípios.
humana;
VI - participar da formulação da política e da execução de CAPÍTULO V
ações de saneamento básico; DO SUBSISTEMA DE ATENÇÃO À SAÚDE INDÍGENA
VII - participar das ações de controle e avaliação das condi- (INCLUÍDO PELA LEI Nº 9.836, DE 1999)
ções e dos ambientes de trabalho;
VIII - em caráter suplementar, formular, executar, acom- Art. 19-A. As ações e serviços de saúde voltados para o
panhar e avaliar a política de insumos e equipamentos para a atendimento das populações indígenas, em todo o território
saúde; nacional, coletiva ou individualmente, obedecerão ao disposto
IX - identificar estabelecimentos hospitalares de referência nesta Lei . (Incluído pela Lei nº 9 .836, de 1999)
e gerir sistemas públicos de alta complexidade, de referência es- Art. 19-B. É instituído um Subsistema de Atenção à Saúde
tadual e regional; Indígena, componente do Sistema Único de Saúde – SUS, criado
X - coordenar a rede estadual de laboratórios de saúde pú- e definido por esta Lei, e pela Lei no 8 .142, de 28 de dezembro de
blica e hemocentros, e gerir as unidades que permaneçam em 1990, com o qual funcionará em perfeita integração . (Incluído
sua organização administrativa; pela Lei nº 9 .836, de 1999)
XI - estabelecer normas, em caráter suplementar, para o Art. 19-C. Caberá à União, com seus recursos próprios, fi-
controle e avaliação das ações e serviços de saúde; nanciar o Subsistema de Atenção à Saúde Indígena. (Incluído
XII - formular normas e estabelecer padrões, em caráter pela Lei nº 9 .836, de 1999)
suplementar, de procedimentos de controle de qualidade para Art. 19-D. O SUS promoverá a articulação do Subsistema
produtos e substâncias de consumo humano; instituído por esta Lei com os órgãos responsáveis pela Política
XIII - colaborar com a União na execução da vigilância sani- Indígena do País . (Incluído pela Lei nº 9 .836, de 1999)
tária de portos, aeroportos e fronteiras; Art. 19-E. Os Estados, Municípios, outras instituições gover-
XIV - o acompanhamento, a avaliação e divulgação dos in- namentais e não-governamentais poderão atuar complemen-
tarmente no custeio e execução das ações. (Incluído pela Lei nº
dicadores de morbidade e mortalidade no âmbito da unidade
9 .836, de 1999)
federada .
Art. 19-F. Dever-se-á obrigatoriamente levar em considera-
Art. 18. À direção municipal do Sistema de Saúde (SUS)
ção a realidade local e as especificidades da cultura dos povos
compete:
indígenas e o modelo a ser adotado para a atenção à saúde in-
I - planejar, organizar, controlar e avaliar as ações e os ser-
dígena, que se deve pautar por uma abordagem diferenciada e
viços de saúde e gerir e executar os serviços públicos de saúde;
global, contemplando os aspectos de assistência à saúde, sanea-
II - participar do planejamento, programação e organização
mento básico, nutrição, habitação, meio ambiente, demarcação
da rede regionalizada e hierarquizada do Sistema Único de Saú-
de terras, educação sanitária e integração institucional. (Incluído
de (SUS), em articulação com sua direção estadual; pela Lei nº 9 .836, de 1999)
III - participar da execução, controle e avaliação das ações Art. 19-G. O Subsistema de Atenção à Saúde Indígena deve-
referentes às condições e aos ambientes de trabalho; rá ser, como o SUS, descentralizado, hierarquizado e regionaliza-
IV - executar serviços: do . (Incluído pela Lei nº 9 .836, de 1999)
a) de vigilância epidemiológica; § 1o O Subsistema de que trata o caput deste artigo terá
b) vigilância sanitária; como base os Distritos Sanitários Especiais Indígenas . (Incluído
c) de alimentação e nutrição; pela Lei nº 9 .836, de 1999)
d) de saneamento básico; e § 2o O SUS servirá de retaguarda e referência ao Subsistema
e) de saúde do trabalhador; de Atenção à Saúde Indígena, devendo, para isso, ocorrer
V - dar execução, no âmbito municipal, à política de insu- adaptações na estrutura e organização do SUS nas regiões
mos e equipamentos para a saúde; onde residem as populações indígenas, para propiciar essa
VI - colaborar na fiscalização das agressões ao meio ambien- integração e o atendimento necessário em todos os níveis, sem
te que tenham repercussão sobre a saúde humana e atuar, junto discriminações . (Incluído pela Lei nº 9 .836, de 1999)
aos órgãos municipais, estaduais e federais competentes, para § 3o As populações indígenas devem ter acesso garantido
controlá-las; ao SUS, em âmbito local, regional e de centros especializados,
VII - formar consórcios administrativos intermunicipais; de acordo com suas necessidades, compreendendo a atenção
VIII - gerir laboratórios públicos de saúde e hemocentros; primária, secundária e terciária à saúde . (Incluído pela Lei nº
IX - colaborar com a União e os Estados na execução da vigi- 9 .836, de 1999)
lância sanitária de portos, aeroportos e fronteiras;
X - observado o disposto no art. 26 desta Lei, celebrar con-
tratos e convênios com entidades prestadoras de serviços priva-
dos de saúde, bem como controlar e avaliar sua execução;

10
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

Art. 19-H. As populações indígenas terão direito a participar I - dispensação de medicamentos e produtos de interesse
dos organismos colegiados de formulação, acompanhamento e para a saúde, cuja prescrição esteja em conformidade com as di-
avaliação das políticas de saúde, tais como o Conselho Nacional retrizes terapêuticas definidas em protocolo clínico para a doen-
de Saúde e os Conselhos Estaduais e Municipais de Saúde, quan- ça ou o agravo à saúde a ser tratado ou, na falta do protocolo,
do for o caso . (Incluído pela Lei nº 9 .836, de 1999) em conformidade com o disposto no art . 19-P; (Incluído pela Lei
nº 12 .401, de 2011)
CAPÍTULO VI II - oferta de procedimentos terapêuticos, em regime do-
DO SUBSISTEMA DE ATENDIMENTO E INTERNAÇÃO DOMI- miciliar, ambulatorial e hospitalar, constantes de tabelas ela-
CILIAR boradas pelo gestor federal do Sistema Único de Saúde - SUS,
(INCLUÍDO PELA LEI Nº 10.424, DE 2002) realizados no território nacional por serviço próprio, conveniado
ou contratado .
Art . 19-I . São estabelecidos, no âmbito do Sistema Único de Art. 19-N. Para os efeitos do disposto no art. 19-M, são ado-
Saúde, o atendimento domiciliar e a internação domiciliar. (In- tadas as seguintes definições:
cluído pela Lei nº 10 .424, de 2002) I - produtos de interesse para a saúde: órteses, próteses,
§ 1o Na modalidade de assistência de atendimento bolsas coletoras e equipamentos médicos;
e internação domiciliares incluem-se, principalmente, os II - protocolo clínico e diretriz terapêutica: documento que
procedimentos médicos, de enfermagem, fisioterapêuticos, estabelece critérios para o diagnóstico da doença ou do agra-
psicológicos e de assistência social, entre outros necessários ao vo à saúde; o tratamento preconizado, com os medicamentos
cuidado integral dos pacientes em seu domicílio . (Incluído pela e demais produtos apropriados, quando couber; as posologias
Lei nº 10 .424, de 2002) recomendadas; os mecanismos de controle clínico; e o acompa-
§ 2o O atendimento e a internação domiciliares serão nhamento e a verificação dos resultados terapêuticos, a serem
realizados por equipes multidisciplinares que atuarão nos níveis seguidos pelos gestores do SUS . (Incluído pela Lei nº 12 .401, de
da medicina preventiva, terapêutica e reabilitadora . (Incluído 2011)
pela Lei nº 10 .424, de 2002) Art. 19-O. Os protocolos clínicos e as diretrizes terapêuticas
§ 3o O atendimento e a internação domiciliares só poderão deverão estabelecer os medicamentos ou produtos necessários
ser realizados por indicação médica, com expressa concordância nas diferentes fases evolutivas da doença ou do agravo à saúde
do paciente e de sua família . (Incluído pela Lei nº 10 .424, de
de que tratam, bem como aqueles indicados em casos de perda
2002)
de eficácia e de surgimento de intolerância ou reação adversa
relevante, provocadas pelo medicamento, produto ou proce-
CAPÍTULO VII
dimento de primeira escolha . (Incluído pela Lei nº 12 .401, de
DO SUBSISTEMA DE ACOMPANHAMENTO DURANTE O
2011)
TRABALHO DE PARTO, PARTO E PÓS-PARTO IMEDIATO
Parágrafo único. Em qualquer caso, os medicamentos ou
(INCLUÍDO PELA LEI Nº 11.108, DE 2005)
produtos de que trata o caput deste artigo serão aqueles ava-
liados quanto à sua eficácia, segurança, efetividade e custo-e-
Art. 19-J. Os serviços de saúde do Sistema Único de Saúde
- SUS, da rede própria ou conveniada, ficam obrigados a per- fetividade para as diferentes fases evolutivas da doença ou do
mitir a presença, junto à parturiente, de 1 (um) acompanhante agravo à saúde de que trata o protocolo. (Incluído pela Lei nº
durante todo o período de trabalho de parto, parto e pós-parto 12 .401, de 2011)
imediato . (Incluído pela Lei nº 11 .108, de 2005) Art . 19-P . Na falta de protocolo clínico ou de diretriz te-
§ 1o O acompanhante de que trata o caput deste artigo será rapêutica, a dispensação será realizada: (Incluído pela Lei nº
indicado pela parturiente . (Incluído pela Lei nº 11 .108, de 2005) 12 .401, de 2011)
§ 2o As ações destinadas a viabilizar o pleno exercício dos I - com base nas relações de medicamentos instituídas pelo
direitos de que trata este artigo constarão do regulamento da gestor federal do SUS, observadas as competências estabeleci-
lei, a ser elaborado pelo órgão competente do Poder Executivo . das nesta Lei, e a responsabilidade pelo fornecimento será pac-
(Incluído pela Lei nº 11 .108, de 2005) tuada na Comissão Intergestores Tripartite; (Incluído pela Lei nº
§ 3o Ficam os hospitais de todo o País obrigados a manter, 12 .401, de 2011)
em local visível de suas dependências, aviso informando sobre o II - no âmbito de cada Estado e do Distrito Federal, de forma
direito estabelecido no caput deste artigo. (Incluído pela Lei nº suplementar, com base nas relações de medicamentos instituí-
12 .895, de 2013) das pelos gestores estaduais do SUS, e a responsabilidade pelo
Art . 19-L . (VETADO) (Incluído pela Lei nº 11 .108, de 2005) fornecimento será pactuada na Comissão Intergestores Biparti-
te; (Incluído pela Lei nº 12 .401, de 2011)
CAPÍTULO VIII III - no âmbito de cada Município, de forma suplementar,
(INCLUÍDO PELA LEI Nº 12.401, DE 2011) com base nas relações de medicamentos instituídas pelos gesto-
DA ASSISTÊNCIA TERAPÊUTICA E DA INCORPORAÇÃO DE res municipais do SUS, e a responsabilidade pelo fornecimento
TECNOLOGIA EM SAÚDE” será pactuada no Conselho Municipal de Saúde. (Incluído pela
Lei nº 12 .401, de 2011)
Art. 19-M. A assistência terapêutica integral a que se refere Art. 19-Q. A incorporação, a exclusão ou a alteração pelo
a alínea d do inciso I do art . 6o consiste em: (Incluído pela Lei nº SUS de novos medicamentos, produtos e procedimentos, bem
12 .401, de 2011) como a constituição ou a alteração de protocolo clínico ou de di-

11
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

retriz terapêutica, são atribuições do Ministério da Saúde, asses- TÍTULO III


sorado pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias DOS SERVIÇOS PRIVADOS DE ASSISTÊNCIA À SAÙDE
no SUS . (Incluído pela Lei nº 12 .401, de 2011) CAPÍTULO I
§ 1o A Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias DO FUNCIONAMENTO
no SUS, cuja composição e regimento são definidos em regu-
lamento, contará com a participação de 1 (um) representante Art. 20. Os serviços privados de assistência à saúde carac-
indicado pelo Conselho Nacional de Saúde e de 1 (um) repre- terizam-se pela atuação, por iniciativa própria, de profissionais
sentante, especialista na área, indicado pelo Conselho Federal liberais, legalmente habilitados, e de pessoas jurídicas de direito
de Medicina. (Incluído pela Lei nº 12 .401, de 2011) privado na promoção, proteção e recuperação da saúde.
§ 2o O relatório da Comissão Nacional de Incorporação de Art. 21. A assistência à saúde é livre à iniciativa privada.
Tecnologias no SUS levará em consideração, necessariamente: Art. 22. Na prestação de serviços privados de assistência à
(Incluído pela Lei nº 12 .401, de 2011) saúde, serão observados os princípios éticos e as normas expe-
I - as evidências científicas sobre a eficácia, a acurácia, a didas pelo órgão de direção do Sistema Único de Saúde (SUS)
efetividade e a segurança do medicamento, produto ou proce- quanto às condições para seu funcionamento.
dimento objeto do processo, acatadas pelo órgão competente Art. 23. É permitida a participação direta ou indireta, inclu-
para o registro ou a autorização de uso; (Incluído pela Lei nº sive controle, de empresas ou de capital estrangeiro na assis-
12 .401, de 2011) tência à saúde nos seguintes casos: (Redação dada pela Lei nº
II - a avaliação econômica comparativa dos benefícios e dos 13 .097, de 2015)
custos em relação às tecnologias já incorporadas, inclusive no I - doações de organismos internacionais vinculados à Orga-
que se refere aos atendimentos domiciliar, ambulatorial ou hos- nização das Nações Unidas, de entidades de cooperação técnica
pitalar, quando cabível. (Incluído pela Lei nº 12 .401, de 2011) e de financiamento e empréstimos; (Incluído pela Lei nº 13 .097,
Art. 19-R. A incorporação, a exclusão e a alteração a que se de 2015)
refere o art . 19-Q serão efetuadas mediante a instauração de II - pessoas jurídicas destinadas a instalar, operacionalizar
processo administrativo, a ser concluído em prazo não superior ou explorar: (Incluído pela Lei nº 13 .097, de 2015)
a 180 (cento e oitenta) dias, contado da data em que foi proto- a) hospital geral, inclusive filantrópico, hospital especiali-
colado o pedido, admitida a sua prorrogação por 90 (noventa) zado, policlínica, clínica geral e clínica especializada; e (Incluído
dias corridos, quando as circunstâncias exigirem. (Incluído pela pela Lei nº 13 .097, de 2015)
Lei nº 12 .401, de 2011) b) ações e pesquisas de planejamento familiar; (Incluído
§ 1o O processo de que trata o caput deste artigo observará, pela Lei nº 13 .097, de 2015)
no que couber, o disposto na Lei no 9 .784, de 29 de janeiro de III - serviços de saúde mantidos, sem finalidade lucrativa,
1999, e as seguintes determinações especiais: (Incluído pela Lei
por empresas, para atendimento de seus empregados e depen-
nº 12 .401, de 2011)
dentes, sem qualquer ônus para a seguridade social; e (Incluído
I - apresentação pelo interessado dos documentos e, se ca-
pela Lei nº 13 .097, de 2015)
bível, das amostras de produtos, na forma do regulamento, com
IV - demais casos previstos em legislação específica. (Incluí-
informações necessárias para o atendimento do disposto no § 2o
do pela Lei nº 13 .097, de 2015)
do art . 19-Q; (Incluído pela Lei nº 12 .401, de 2011)
II - (VETADO); (Incluído pela Lei nº 12 .401, de 2011)
CAPÍTULO II
III - realização de consulta pública que inclua a divulgação
DA PARTICIPAÇÃO COMPLEMENTAR
do parecer emitido pela Comissão Nacional de Incorporação de
Tecnologias no SUS; (Incluído pela Lei nº 12 .401, de 2011)
IV - realização de audiência pública, antes da tomada de Art. 24. Quando as suas disponibilidades forem insuficien-
decisão, se a relevância da matéria justificar o evento. (Incluído tes para garantir a cobertura assistencial à população de uma
pela Lei nº 12 .401, de 2011) determinada área, o Sistema Único de Saúde (SUS) poderá re-
§ 2o (VETADO) . (Incluído pela Lei nº 12 .401, de 2011) correr aos serviços ofertados pela iniciativa privada.
Art . 19-S . (VETADO) . (Incluído pela Lei nº 12 .401, de 2011) Parágrafo único. A participação complementar dos serviços
Art. 19-T. São vedados, em todas as esferas de gestão do privados será formalizada mediante contrato ou convênio, ob-
SUS: (Incluído pela Lei nº 12 .401, de 2011) servadas, a respeito, as normas de direito público.
I - o pagamento, o ressarcimento ou o reembolso de me- Art. 25. Na hipótese do artigo anterior, as entidades filan-
dicamento, produto e procedimento clínico ou cirúrgico experi- trópicas e as sem fins lucrativos terão preferência para participar
mental, ou de uso não autorizado pela Agência Nacional de Vigi- do Sistema Único de Saúde (SUS).
lância Sanitária - ANVISA; (Incluído pela Lei nº 12 .401, de 2011) Art. 26. Os critérios e valores para a remuneração de ser-
II - a dispensação, o pagamento, o ressarcimento ou o reem- viços e os parâmetros de cobertura assistencial serão estabe-
bolso de medicamento e produto, nacional ou importado, sem lecidos pela direção nacional do Sistema Único de Saúde (SUS),
registro na Anvisa.” aprovados no Conselho Nacional de Saúde.
Art. 19-U. A responsabilidade financeira pelo fornecimento § 1° Na fixação dos critérios, valores, formas de reajuste e
de medicamentos, produtos de interesse para a saúde ou proce- de pagamento da remuneração aludida neste artigo, a direção
dimentos de que trata este Capítulo será pactuada na Comissão nacional do Sistema Único de Saúde (SUS) deverá fundamentar
Intergestores Tripartite. (Incluído pela Lei nº 12 .401, de 2011) seu ato em demonstrativo econômico-financeiro que garanta a
efetiva qualidade de execução dos serviços contratados .

12
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

§ 2° Os serviços contratados submeter-se-ão às normas III - ajuda, contribuições, doações e donativos;


técnicas e administrativas e aos princípios e diretrizes do IV - alienações patrimoniais e rendimentos de capital;
Sistema Único de Saúde (SUS), mantido o equilíbrio econômico V - taxas, multas, emolumentos e preços públicos
e financeiro do contrato . arrecadados no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS); e
§ 3° (Vetado) . VI - rendas eventuais, inclusive comerciais e industriais.
§ 4° Aos proprietários, administradores e dirigentes de § 1° Ao Sistema Único de Saúde (SUS) caberá metade da
entidades ou serviços contratados é vedado exercer cargo de receita de que trata o inciso I deste artigo, apurada mensalmente,
chefia ou função de confiança no Sistema Único de Saúde (SUS) . a qual será destinada à recuperação de viciados .
§ 2° As receitas geradas no âmbito do Sistema Único de
TÍTULO IV Saúde (SUS) serão creditadas diretamente em contas especiais,
DOS RECURSOS HUMANOS movimentadas pela sua direção, na esfera de poder onde forem
arrecadadas .
Art. 27. A política de recursos humanos na área da saúde § 3º As ações de saneamento que venham a ser executadas
será formalizada e executada, articuladamente, pelas diferentes supletivamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS), serão
esferas de governo, em cumprimento dos seguintes objetivos: financiadas por recursos tarifários específicos e outros da
I - organização de um sistema de formação de recursos hu- União, Estados, Distrito Federal, Municípios e, em particular, do
manos em todos os níveis de ensino, inclusive de pós-gradua- Sistema Financeiro da Habitação (SFH) .
ção, além da elaboração de programas de permanente aperfei- § 4º (Vetado) .
çoamento de pessoal; § 5º As atividades de pesquisa e desenvolvimento científico
II - (Vetado) e tecnológico em saúde serão co-financiadas pelo Sistema Úni-
III - (Vetado) co de Saúde (SUS), pelas universidades e pelo orçamento fiscal,
IV - valorização da dedicação exclusiva aos serviços do Siste- além de recursos de instituições de fomento e financiamento ou
ma Único de Saúde (SUS). de origem externa e receita própria das instituições executoras.
Parágrafo único. Os serviços públicos que integram o Sis- § 6º (Vetado) .
tema Único de Saúde (SUS) constituem campo de prática para
ensino e pesquisa, mediante normas específicas, elaboradas CAPÍTULO II
conjuntamente com o sistema educacional . DA GESTÃO FINANCEIRA
Art. 28. Os cargos e funções de chefia, direção e assessora-
mento, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), só poderão Art. 33. Os recursos financeiros do Sistema Único de Saúde
ser exercidas em regime de tempo integral. (SUS) serão depositados em conta especial, em cada esfera de
§ 1° Os servidores que legalmente acumulam dois cargos sua atuação, e movimentados sob fiscalização dos respectivos
ou empregos poderão exercer suas atividades em mais de um Conselhos de Saúde.
estabelecimento do Sistema Único de Saúde (SUS) . § 1º Na esfera federal, os recursos financeiros, originários
§ 2° O disposto no parágrafo anterior aplica-se também do Orçamento da Seguridade Social, de outros Orçamentos
aos servidores em regime de tempo integral, com exceção da União, além de outras fontes, serão administrados pelo
dos ocupantes de cargos ou função de chefia, direção ou Ministério da Saúde, através do Fundo Nacional de Saúde .
assessoramento . § 2º (Vetado) .
Art . 29 . (Vetado) . § 3º (Vetado) .
Art. 30. As especializações na forma de treinamento em § 4º O Ministério da Saúde acompanhará, através de seu
serviço sob supervisão serão regulamentadas por Comissão Na- sistema de auditoria, a conformidade à programação aprovada
cional, instituída de acordo com o art. 12 desta Lei, garantida a da aplicação dos recursos repassados a Estados e Municípios .
participação das entidades profissionais correspondentes. Constatada a malversação, desvio ou não aplicação dos recursos,
TÍTULO V caberá ao Ministério da Saúde aplicar as medidas previstas em
DO FINANCIAMENTO lei .
CAPÍTULO I Art. 34. As autoridades responsáveis pela distribuição da re-
DOS RECURSOS ceita efetivamente arrecadada transferirão automaticamente ao
Fundo Nacional de Saúde (FNS), observado o critério do parágrafo
Art. 31. O orçamento da seguridade social destinará ao Sis- único deste artigo, os recursos financeiros correspondentes às do-
tema Único de Saúde (SUS) de acordo com a receita estimada, tações consignadas no Orçamento da Seguridade Social, a proje-
os recursos necessários à realização de suas finalidades, pre- tos e atividades a serem executados no âmbito do Sistema Único
vistos em proposta elaborada pela sua direção nacional, com a de Saúde (SUS).
participação dos órgãos da Previdência Social e da Assistência Parágrafo único. Na distribuição dos recursos financeiros da
Social, tendo em vista as metas e prioridades estabelecidas na Seguridade Social será observada a mesma proporção da despesa
Lei de Diretrizes Orçamentárias . prevista de cada área, no Orçamento da Seguridade Social.
Art . 32 . São considerados de outras fontes os recursos pro- Art. 35. Para o estabelecimento de valores a serem trans-
venientes de: feridos a Estados, Distrito Federal e Municípios, será utilizada a
I - (Vetado) combinação dos seguintes critérios, segundo análise técnica de
II - Serviços que possam ser prestados sem prejuízo da as- programas e projetos:
sistência à saúde; I - perfil demográfico da região;

13
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

II - perfil epidemiológico da população a ser coberta; § 6º Os imóveis de que trata o parágrafo anterior serão
III - características quantitativas e qualitativas da rede de saú- inventariados com todos os seus acessórios, equipamentos
de na área; e outros bens móveis e ficarão disponíveis para utilização
IV - desempenho técnico, econômico e financeiro no período pelo órgão de direção municipal do Sistema Único de Saúde -
anterior; SUS ou, eventualmente, pelo estadual, em cuja circunscrição
V - níveis de participação do setor saúde nos orçamentos es- administrativa se encontrem, mediante simples termo de
taduais e municipais; recebimento .
VI - previsão do plano qüinqüenal de investimentos da rede; § 7º (Vetado) .
VII - ressarcimento do atendimento a serviços prestados para § 8º O acesso aos serviços de informática e bases de dados,
outras esferas de governo. mantidos pelo Ministério da Saúde e pelo Ministério do Trabalho
(Revogado pela Lei Complementar nº 141, de 2012) (Vide Lei e da Previdência Social, será assegurado às Secretarias Estaduais
nº 8 .142, de 1990) e Municipais de Saúde ou órgãos congêneres, como suporte ao
§ 2º Nos casos de Estados e Municípios sujeitos a notório processo de gestão, de forma a permitir a gerencia informatizada
processo de migração, os critérios demográficos mencionados das contas e a disseminação de estatísticas sanitárias e epidemio-
nesta lei serão ponderados por outros indicadores de crescimento lógicas médico-hospitalares .
populacional, em especial o número de eleitores registrados . Art . 40 . (Vetado)
§ 3º (Vetado) . Art. 41. As ações desenvolvidas pela Fundação das Pioneiras
§ 4º (Vetado) . Sociais e pelo Instituto Nacional do Câncer, supervisionadas pela
§ 5º (Vetado) . direção nacional do Sistema Único de Saúde (SUS), permanecerão
§ 6º O disposto no parágrafo anterior não prejudica a atuação como referencial de prestação de serviços, formação de recursos
dos órgãos de controle interno e externo e nem a aplicação humanos e para transferência de tecnologia .
de penalidades previstas em lei, em caso de irregularidades Art . 42 . (Vetado) .
verificadas na gestão dos recursos transferidos . Art. 43. A gratuidade das ações e serviços de saúde fica pre-
servada nos serviços públicos contratados, ressalvando-se as cláu-
CAPÍTULO III sulas dos contratos ou convênios estabelecidos com as entidades
DO PLANEJAMENTO E DO ORÇAMENTO privadas.
Art . 44 . (Vetado) .
Art . 36 . O processo de planejamento e orçamento do Sistema
Art. 45. Os serviços de saúde dos hospitais universitários e de
Único de Saúde (SUS) será ascendente, do nível local até o federal,
ensino integram-se ao Sistema Único de Saúde (SUS), mediante
ouvidos seus órgãos deliberativos, compatibilizando-se as neces-
convênio, preservada a sua autonomia administrativa, em relação
sidades da política de saúde com a disponibilidade de recursos em
ao patrimônio, aos recursos humanos e financeiros, ensino, pes-
planos de saúde dos Municípios, dos Estados, do Distrito Federal
quisa e extensão nos limites conferidos pelas instituições a que
e da União .
estejam vinculados.
§ 1º Os planos de saúde serão a base das atividades e
§ 1º Os serviços de saúde de sistemas estaduais e
programações de cada nível de direção do Sistema Único de
municipais de previdência social deverão integrar-se à direção
Saúde (SUS), e seu financiamento será previsto na respectiva
proposta orçamentária . correspondente do Sistema Único de Saúde (SUS), conforme seu
§ 2º É vedada a transferência de recursos para o financiamento âmbito de atuação, bem como quaisquer outros órgãos e serviços
de ações não previstas nos planos de saúde, exceto em situações de saúde .
emergenciais ou de calamidade pública, na área de saúde . § 2º Em tempo de paz e havendo interesse recíproco, os
Art. 37. O Conselho Nacional de Saúde estabelecerá as dire- serviços de saúde das Forças Armadas poderão integrar-se ao
trizes a serem observadas na elaboração dos planos de saúde, em Sistema Único de Saúde (SUS), conforme se dispuser em convênio
função das características epidemiológicas e da organização dos que, para esse fim, for firmado .
serviços em cada jurisdição administrativa. Art. 46. o Sistema Único de Saúde (SUS), estabelecerá meca-
Art. 38. Não será permitida a destinação de subvenções e nismos de incentivos à participação do setor privado no investi-
auxílios a instituições prestadoras de serviços de saúde com fina- mento em ciência e tecnologia e estimulará a transferência de
lidade lucrativa. tecnologia das universidades e institutos de pesquisa aos ser-
viços de saúde nos Estados, Distrito Federal e Municípios, e às
DAS DISPOSIÇÕES FINAIS E TRANSITÓRIAS empresas nacionais .
Art. 47. O Ministério da Saúde, em articulação com os níveis
Art . 39 . (Vetado) . estaduais e municipais do Sistema Único de Saúde (SUS), organi-
§ 1º (Vetado) . zará, no prazo de dois anos, um sistema nacional de informações
§ 2º (Vetado) . em saúde, integrado em todo o território nacional, abrangendo
§ 3º (Vetado) . questões epidemiológicas e de prestação de serviços.
§ 4º (Vetado) . Art . 48 . (Vetado) .
§ 5º A cessão de uso dos imóveis de propriedade do Inamps Art . 49 . (Vetado) .
para órgãos integrantes do Sistema Único de Saúde (SUS) será fei-
ta de modo a preservá-los como patrimônio da Seguridade Social.

14
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

Art. 50. Os convênios entre a União, os Estados e os Muni- § 3° O Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass)
cípios, celebrados para implantação dos Sistemas Unificados e e o Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde (Co-
Descentralizados de Saúde, ficarão rescindidos à proporção que nasems) terão representação no Conselho Nacional de Saúde.
seu objeto for sendo absorvido pelo Sistema Único de Saúde § 4° A representação dos usuários nos Conselhos de Saúde e
(SUS) . Conferências será paritária em relação ao conjunto dos demais
Art . 51 . (Vetado) . segmentos .
Art. 52. Sem prejuízo de outras sanções cabíveis, consti- § 5° As Conferências de Saúde e os Conselhos de Saúde
tui crime de emprego irregular de verbas ou rendas públicas terão sua organização e normas de funcionamento definidas em
(Código Penal, art . 315) a utilização de recursos financeiros regimento próprio, aprovadas pelo respectivo conselho .
do Sistema Único de Saúde (SUS) em finalidades diversas das Art. 2° Os recursos do Fundo Nacional de Saúde (FNS) serão
previstas nesta lei . alocados como:
Art . 53 . (Vetado) . I - despesas de custeio e de capital do Ministério da Saúde,
Art. 53-A. Na qualidade de ações e serviços de saúde, as seus órgãos e entidades, da administração direta e indireta;
atividades de apoio à assistência à saúde são aquelas desenvol- II - investimentos previstos em lei orçamentária, de inicia-
vidas pelos laboratórios de genética humana, produção e forne- tiva do Poder Legislativo e aprovados pelo Congresso Nacional;
cimento de medicamentos e produtos para saúde, laboratórios III - investimentos previstos no Plano Qüinqüenal do Minis-
de analises clínicas, anatomia patológica e de diagnóstico por tério da Saúde;
imagem e são livres à participação direta ou indireta de empre- IV - cobertura das ações e serviços de saúde a serem imple-
sas ou de capitais estrangeiros . (Incluído pela Lei nº 13 .097, de mentados pelos Municípios, Estados e Distrito Federal.
2015) Parágrafo único. Os recursos referidos no inciso IV deste
Art. 54. Esta lei entra em vigor na data de sua publicação. artigo destinar-se-ão a investimentos na rede de serviços, à co-
Art. 55. São revogadas a Lei nº . 2 .312, de 3 de setembro de bertura assistencial ambulatorial e hospitalar e às demais ações
1954, a Lei nº . 6 .229, de 17 de julho de 1975, e demais disposi- de saúde.
ções em contrário. Art . 3° Os recursos referidos no inciso IV do art . 2° desta lei
Brasília, 19 de setembro de 1990; 169º da Independência e serão repassados de forma regular e automática para os Mu-
102º da República. nicípios, Estados e Distrito Federal, de acordo com os critérios
previstos no art . 35 da Lei n° 8 .080, de 19 de setembro de 1990 .
§ 1° Enquanto não for regulamentada a aplicação dos
LEI Nº 8.142
critérios previstos no art . 35 da Lei n° 8 .080, de 19 de setembro
de 1990, será utilizado, para o repasse de recursos, exclusiva-
LEI Nº 8.142, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1990. mente o critério estabelecido no§ 1° do mesmo artigo. (Vide Lei
Vide Lei nº 8 .689, de 1993 Dispõe sobre a participação da nº 8 .080, de 1990)
comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde (SUS) e sobre § 2° Os recursos referidos neste artigo serão destinados,
as transferências intergovernamentais de recursos financeiros pelo menos setenta por cento, aos Municípios, afetando-se o
na área da saúde e dá outras providências. O PRESIDENTE DA restante aos Estados .
REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu § 3° Os Municípios poderão estabelecer consórcio para
sanciono a seguinte lei: execução de ações e serviços de saúde, remanejando, entre si,
Art. 1° O Sistema Único de Saúde (SUS), de que trata a Lei n° parcelas de recursos previstos no inciso IV do art . 2° desta lei .
8 .080, de 19 de setembro de 1990, contará, em cada esfera de Art . 4° Para receberem os recursos, de que trata o art . 3°
governo, sem prejuízo das funções do Poder Legislativo, com as desta lei, os Municípios, os Estados e o Distrito Federal deverão
seguintes instâncias colegiadas: contar com:
I - a Conferência de Saúde; e I - Fundo de Saúde;
II - o Conselho de Saúde. II - Conselho de Saúde, com composição paritária de acordo
§ 1° A Conferência de Saúde reunir-se-á a cada quatro anos com o Decreto n° 99 .438, de 7 de agosto de 1990;
com a representação dos vários segmentos sociais, para avaliar III - plano de saúde;
a situação de saúde e propor as diretrizes para a formulação IV - relatórios de gestão que permitam o controle de que
da política de saúde nos níveis correspondentes, convocada trata o§ 4° do art . 33 da Lei n° 8 .080, de 19 de setembro de 1990;
pelo Poder Executivo ou, extraordinariamente, por esta ou pelo V - contrapartida de recursos para a saúde no respectivo
Conselho de Saúde . orçamento;
§ 2° O Conselho de Saúde, em caráter permanente e VI - Comissão de elaboração do Plano de Carreira, Cargos e
deliberativo, órgão colegiado composto por representantes Salários (PCCS), previsto o prazo de dois anos para sua implan-
do governo, prestadores de serviço, profissionais de saúde e tação .
usuários, atua na formulação de estratégias e no controle da Parágrafo único. O não atendimento pelos Municípios, ou
execução da política de saúde na instância correspondente, pelos Estados, ou pelo Distrito Federal, dos requisitos estabele-
inclusive nos aspectos econômicos e financeiros, cujas decisões cidos neste artigo, implicará em que os recursos concernentes
serão homologadas pelo chefe do poder legalmente constituído sejam administrados, respectivamente, pelos Estados ou pela
em cada esfera do governo . União .

15
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

Art. 5° É o Ministério da Saúde, mediante portaria do Minis- VIII - Protocolo Clínico e Diretriz Terapêutica - documento
tro de Estado, autorizado a estabelecer condições para aplicação que estabelece: critérios para o diagnóstico da doença ou do
desta lei . agravo à saúde; o tratamento preconizado, com os medicamen-
Art. 6° Esta lei entra em vigor na data de sua publicação. tos e demais produtos apropriados, quando couber; as poso-
Art. 7° Revogam-se as disposições em contrário. logias recomendadas; os mecanismos de controle clínico; e o
acompanhamento e a verificação dos resultados terapêuticos, a
DECRETO Nº 7.508/2011; serem seguidos pelos gestores do SUS .

CAPÍTULO II
DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. DA ORGANIZAÇÃO DO SUS
Regulamenta a Lei no 8 .080, de 19 de setembro de 1990,
para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - Art. 3o O SUS é constituído pela conjugação das ações e
SUS, o planejamento da saúde, a assistência à saúde e a articula- serviços de promoção, proteção e recuperação da saúde execu-
ção interfederativa, e dá outras providências. A PRESIDENTA DA tados pelos entes federativos, de forma direta ou indireta, me-
REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso diante a participação complementar da iniciativa privada, sendo
IV, da Constituição, e tendo em vista o disposto na Lei no 8.080, organizado de forma regionalizada e hierarquizada .
19 de setembro de 1990,
Seção I
DECRETA: Das Regiões de Saúde
CAPÍTULO I
DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 4o As Regiões de Saúde serão instituídas pelo Estado,
em articulação com os Municípios, respeitadas as diretrizes ge-
Art . 1o Este Decreto regulamenta a Lei no 8 .080, de 19 de rais pactuadas na Comissão Intergestores Tripartite - CIT a que
setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema se refere o inciso I do art . 30 .
§ 1o Poderão ser instituídas Regiões de Saúde interesta-
Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência à
duais, compostas por Municípios limítrofes, por ato conjunto
saúde e a articulação interfederativa.
dos respectivos Estados em articulação com os Municípios.
Art . 2o Para efeito deste Decreto, considera-se:
§ 2o A instituição de Regiões de Saúde situadas em áreas
I - Região de Saúde - espaço geográfico contínuo constituído
de fronteira com outros países deverá respeitar as normas que
por agrupamentos de Municípios limítrofes, delimitado a partir
regem as relações internacionais.
de identidades culturais, econômicas e sociais e de redes de co-
Art. 5o Para ser instituída, a Região de Saúde deve conter,
municação e infraestrutura de transportes compartilhados, com no mínimo, ações e serviços de:
a finalidade de integrar a organização, o planejamento e a exe- I - atenção primária;
cução de ações e serviços de saúde; II - urgência e emergência;
II - Contrato Organizativo da Ação Pública da Saúde - acor- III - atenção psicossocial;
do de colaboração firmado entre entes federativos com a fina- IV - atenção ambulatorial especializada e hospitalar; e
lidade de organizar e integrar as ações e serviços de saúde na V - vigilância em saúde.
rede regionalizada e hierarquizada, com definição de responsa- Parágrafo único. A instituição das Regiões de Saúde obser-
bilidades, indicadores e metas de saúde, critérios de avaliação vará cronograma pactuado nas Comissões Intergestores.
de desempenho, recursos financeiros que serão disponibiliza- Art. 6o As Regiões de Saúde serão referência para as trans-
dos, forma de controle e fiscalização de sua execução e demais ferências de recursos entre os entes federativos.
elementos necessários à implementação integrada das ações e Art. 7o As Redes de Atenção à Saúde estarão compreendi-
serviços de saúde; das no âmbito de uma Região de Saúde, ou de várias delas, em
III - Portas de Entrada - serviços de atendimento inicial à consonância com diretrizes pactuadas nas Comissões Interges-
saúde do usuário no SUS; tores .
IV - Comissões Intergestores - instâncias de pactuação con- Parágrafo único. Os entes federativos definirão os seguintes
sensual entre os entes federativos para definição das regras da elementos em relação às Regiões de Saúde:
gestão compartilhada do SUS; I - seus limites geográficos;
V - Mapa da Saúde - descrição geográfica da distribuição II - população usuária das ações e serviços;
de recursos humanos e de ações e serviços de saúde ofertados III - rol de ações e serviços que serão ofertados; e
pelo SUS e pela iniciativa privada, considerando-se a capacidade IV - respectivas responsabilidades, critérios de acessibilida-
instalada existente, os investimentos e o desempenho aferido a de e escala para conformação dos serviços.
partir dos indicadores de saúde do sistema;
VI - Rede de Atenção à Saúde - conjunto de ações e serviços Seção II
de saúde articulados em níveis de complexidade crescente, com Da Hierarquização
a finalidade de garantir a integralidade da assistência à saúde;
VII - Serviços Especiais de Acesso Aberto - serviços de saú- Art. 8o O acesso universal, igualitário e ordenado às ações
de específicos para o atendimento da pessoa que, em razão de e serviços de saúde se inicia pelas Portas de Entrada do SUS e se
agravo ou de situação laboral, necessita de atendimento espe- completa na rede regionalizada e hierarquizada, de acordo com
cial; e a complexidade do serviço.

16
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

Art. 9o São Portas de Entrada às ações e aos serviços de § 3o O Conselho Nacional de Saúde estabelecerá as diretri-
saúde nas Redes de Atenção à Saúde os serviços: zes a serem observadas na elaboração dos planos de saúde, de
I - de atenção primária; acordo com as características epidemiológicas e da organização
II - de atenção de urgência e emergência; de serviços nos entes federativos e nas Regiões de Saúde.
III - de atenção psicossocial; e Art. 16. No planejamento devem ser considerados os servi-
IV - especiais de acesso aberto . ços e as ações prestados pela iniciativa privada, de forma com-
Parágrafo único. Mediante justificativa técnica e de acordo plementar ou não ao SUS, os quais deverão compor os Mapas da
com o pactuado nas Comissões Intergestores, os entes federa- Saúde regional, estadual e nacional.
tivos poderão criar novas Portas de Entrada às ações e serviços Art. 17. O Mapa da Saúde será utilizado na identificação das
de saúde, considerando as características da Região de Saúde. necessidades de saúde e orientará o planejamento integrado
Art. 10. Os serviços de atenção hospitalar e os ambulatoriais dos entes federativos, contribuindo para o estabelecimento de
especializados, entre outros de maior complexidade e densida- metas de saúde.
de tecnológica, serão referenciados pelas Portas de Entrada de Art. 18. O planejamento da saúde em âmbito estadual deve
que trata o art . 9o . ser realizado de maneira regionalizada, a partir das necessida-
Art. 11. O acesso universal e igualitário às ações e aos ser- des dos Municípios, considerando o estabelecimento de metas
viços de saúde será ordenado pela atenção primária e deve ser de saúde.
fundado na avaliação da gravidade do risco individual e coletivo Art. 19. Compete à Comissão Intergestores Bipartite - CIB
e no critério cronológico, observadas as especificidades previs- de que trata o inciso II do art . 30 pactuar as etapas do processo
tas para pessoas com proteção especial, conforme legislação e os prazos do planejamento municipal em consonância com os
vigente. planejamentos estadual e nacional .
Parágrafo único. A população indígena contará com regra-
mentos diferenciados de acesso, compatíveis com suas especifi- CAPÍTULO IV
cidades e com a necessidade de assistência integral à sua saúde, DA ASSISTÊNCIA À SAÚDE
de acordo com disposições do Ministério da Saúde.
Art. 12. Ao usuário será assegurada a continuidade do cui- Art. 20. A integralidade da assistência à saúde se inicia e
dado em saúde, em todas as suas modalidades, nos serviços, se completa na Rede de Atenção à Saúde, mediante referencia-
hospitais e em outras unidades integrantes da rede de atenção mento do usuário na rede regional e interestadual, conforme
da respectiva região. pactuado nas Comissões Intergestores.
Parágrafo único. As Comissões Intergestores pactuarão as
regras de continuidade do acesso às ações e aos serviços de saú- Seção I
de na respectiva área de atuação. Da Relação Nacional de Ações e Serviços de Saúde - RENA-
Art. 13. Para assegurar ao usuário o acesso universal, igua- SES
litário e ordenado às ações e serviços de saúde do SUS, caberá
aos entes federativos, além de outras atribuições que venham a Art. 21. A Relação Nacional de Ações e Serviços de Saúde
ser pactuadas pelas Comissões Intergestores: - RENASES compreende todas as ações e serviços que o SUS ofe-
I - garantir a transparência, a integralidade e a equidade no rece ao usuário para atendimento da integralidade da assistên-
acesso às ações e aos serviços de saúde; cia à saúde.
II - orientar e ordenar os fluxos das ações e dos serviços de Art. 22. O Ministério da Saúde disporá sobre a RENASES em
saúde; âmbito nacional, observadas as diretrizes pactuadas pela CIT.
III - monitorar o acesso às ações e aos serviços de saúde; e Parágrafo único. A cada dois anos, o Ministério da Saúde
IV - ofertar regionalmente as ações e os serviços de saúde. consolidará e publicará as atualizações da RENASES.
Art. 14. O Ministério da Saúde disporá sobre critérios, dire- Art. 23. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municí-
trizes, procedimentos e demais medidas que auxiliem os entes pios pactuarão nas respectivas Comissões Intergestores as suas
federativos no cumprimento das atribuições previstas no art. 13. responsabilidades em relação ao rol de ações e serviços cons-
tantes da RENASES .
CAPÍTULO III Art. 24. Os Estados, o Distrito Federal e os Municípios po-
DO PLANEJAMENTO DA SAÚDE derão adotar relações específicas e complementares de ações e
serviços de saúde, em consonância com a RENASES, respeitadas
Art. 15. O processo de planejamento da saúde será ascen- as responsabilidades dos entes pelo seu financiamento, de acor-
dente e integrado, do nível local até o federal, ouvidos os res- do com o pactuado nas Comissões Intergestores.
pectivos Conselhos de Saúde, compatibilizando-se as necessi-
dades das políticas de saúde com a disponibilidade de recursos Seção II
financeiros. Da Relação Nacional de Medicamentos Essenciais - RENA-
§ 1o O planejamento da saúde é obrigatório para os entes ME
públicos e será indutor de políticas para a iniciativa privada.
§ 2o A compatibilização de que trata o caput será efetua- Art. 25. A Relação Nacional de Medicamentos Essenciais -
da no âmbito dos planos de saúde, os quais serão resultado do RENAME compreende a seleção e a padronização de medica-
planejamento integrado dos entes federativos, e deverão conter mentos indicados para atendimento de doenças ou de agravos
metas de saúde. no âmbito do SUS .

17
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

Parágrafo único. A RENAME será acompanhada do Formu- I - aspectos operacionais, financeiros e administrativos da
lário Terapêutico Nacional - FTN que subsidiará a prescrição, a gestão compartilhada do SUS, de acordo com a definição da po-
dispensação e o uso dos seus medicamentos . lítica de saúde dos entes federativos, consubstanciada nos seus
Art. 26. O Ministério da Saúde é o órgão competente para planos de saúde, aprovados pelos respectivos conselhos de saú-
dispor sobre a RENAME e os Protocolos Clínicos e Diretrizes Te- de;
rapêuticas em âmbito nacional, observadas as diretrizes pactua- II - diretrizes gerais sobre Regiões de Saúde, integração de
das pela CIT . limites geográficos, referência e contrarreferência e demais as-
Parágrafo único. A cada dois anos, o Ministério da Saúde pectos vinculados à integração das ações e serviços de saúde
consolidará e publicará as atualizações da RENAME, do respecti- entre os entes federativos;
vo FTN e dos Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas. III - diretrizes de âmbito nacional, estadual, regional e in-
Art. 27. O Estado, o Distrito Federal e o Município poderão terestadual, a respeito da organização das redes de atenção à
adotar relações específicas e complementares de medicamen- saúde, principalmente no tocante à gestão institucional e à inte-
tos, em consonância com a RENAME, respeitadas as responsa- gração das ações e serviços dos entes federativos;
bilidades dos entes pelo financiamento de medicamentos, de IV - responsabilidades dos entes federativos na Rede de
acordo com o pactuado nas Comissões Intergestores. Atenção à Saúde, de acordo com o seu porte demográfico e seu
Art. 28. O acesso universal e igualitário à assistência farma- desenvolvimento econômico-financeiro, estabelecendo as res-
cêutica pressupõe, cumulativamente: ponsabilidades individuais e as solidárias; e
I - estar o usuário assistido por ações e serviços de saúde V - referências das regiões intraestaduais e interestaduais
do SUS; de atenção à saúde para o atendimento da integralidade da as-
II - ter o medicamento sido prescrito por profissional de saú- sistência .
de, no exercício regular de suas funções no SUS; Parágrafo único. Serão de competência exclusiva da CIT a
III - estar a prescrição em conformidade com a RENAME e pactuação:
os Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas ou com a relação I - das diretrizes gerais para a composição da RENASES;
específica complementar estadual, distrital ou municipal de me- II - dos critérios para o planejamento integrado das ações e
dicamentos; e serviços de saúde da Região de Saúde, em razão do compartilha-
IV - ter a dispensação ocorrido em unidades indicadas pela mento da gestão; e
direção do SUS . III - das diretrizes nacionais, do financiamento e das ques-
§ 1o Os entes federativos poderão ampliar o acesso do tões operacionais das Regiões de Saúde situadas em fronteiras
usuário à assistência farmacêutica, desde que questões de saú- com outros países, respeitadas, em todos os casos, as normas
de pública o justifiquem. que regem as relações internacionais.
§ 2o O Ministério da Saúde poderá estabelecer regras dife-
renciadas de acesso a medicamentos de caráter especializado . Seção II
Art. 29. A RENAME e a relação específica complementar Do Contrato Organizativo da Ação Pública da Saúde
estadual, distrital ou municipal de medicamentos somente po-
derão conter produtos com registro na Agência Nacional de Vigi- Art. 33. O acordo de colaboração entre os entes federativos
lância Sanitária - ANVISA . para a organização da rede interfederativa de atenção à saúde
será firmado por meio de Contrato Organizativo da Ação Pública
CAPÍTULO V da Saúde.
DA ARTICULAÇÃO INTERFEDERATIVA Art. 34. O objeto do Contrato Organizativo de Ação Pública
Seção I da Saúde é a organização e a integração das ações e dos serviços
Das Comissões Intergestores de saúde, sob a responsabilidade dos entes federativos em uma
Região de Saúde, com a finalidade de garantir a integralidade da
Art. 30. As Comissões Intergestores pactuarão a organiza- assistência aos usuários .
ção e o funcionamento das ações e serviços de saúde integrados Parágrafo único. O Contrato Organizativo de Ação Pública da
em redes de atenção à saúde, sendo: Saúde resultará da integração dos planos de saúde dos entes fe-
I - a CIT, no âmbito da União, vinculada ao Ministério da derativos na Rede de Atenção à Saúde, tendo como fundamento
Saúde para efeitos administrativos e operacionais; as pactuações estabelecidas pela CIT.
II - a CIB, no âmbito do Estado, vinculada à Secretaria Es- Art. 35. O Contrato Organizativo de Ação Pública da Saúde
tadual de Saúde para efeitos administrativos e operacionais; e definirá as responsabilidades individuais e solidárias dos entes
III - a Comissão Intergestores Regional - CIR, no âmbito re- federativos com relação às ações e serviços de saúde, os indi-
gional, vinculada à Secretaria Estadual de Saúde para efeitos cadores e as metas de saúde, os critérios de avaliação de de-
administrativos e operacionais, devendo observar as diretrizes sempenho, os recursos financeiros que serão disponibilizados,
da CIB. a forma de controle e fiscalização da sua execução e demais
Art. 31. Nas Comissões Intergestores, os gestores públicos elementos necessários à implementação integrada das ações e
de saúde poderão ser representados pelo Conselho Nacional serviços de saúde.
de Secretários de Saúde - CONASS, pelo Conselho Nacional de § 1o O Ministério da Saúde definirá indicadores nacionais
Secretarias Municipais de Saúde - CONASEMS e pelo Conselho de garantia de acesso às ações e aos serviços de saúde no âm-
Estadual de Secretarias Municipais de Saúde - COSEMS. bito do SUS, a partir de diretrizes estabelecidas pelo Plano Na-
Art. 32. As Comissões Intergestores pactuarão: cional de Saúde.

18
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

§ 2o O desempenho aferido a partir dos indicadores nacio- § 2o O disposto neste artigo será implementado em confor-
nais de garantia de acesso servirá como parâmetro para avalia- midade com as demais formas de controle e fiscalização previs-
ção do desempenho da prestação das ações e dos serviços de- tas em Lei .
finidos no Contrato Organizativo de Ação Pública de Saúde em Art. 41. Aos partícipes caberá monitorar e avaliar a execução
todas as Regiões de Saúde, considerando-se as especificidades do Contrato Organizativo de Ação Pública de Saúde, em relação
municipais, regionais e estaduais . ao cumprimento das metas estabelecidas, ao seu desempenho
Art. 36. O Contrato Organizativo da Ação Pública de Saúde e à aplicação dos recursos disponibilizados.
conterá as seguintes disposições essenciais: Parágrafo único. Os partícipes incluirão dados sobre o Con-
I - identificação das necessidades de saúde locais e regio- trato Organizativo de Ação Pública de Saúde no sistema de in-
nais; formações em saúde organizado pelo Ministério da Saúde e os
II - oferta de ações e serviços de vigilância em saúde, pro- encaminhará ao respectivo Conselho de Saúde para monitora-
moção, proteção e recuperação da saúde em âmbito regional e mento .
inter-regional;
III - responsabilidades assumidas pelos entes federativos CAPÍTULO VI
perante a população no processo de regionalização, as quais DAS DISPOSIÇÕES FINAIS
serão estabelecidas de forma individualizada, de acordo com o
perfil, a organização e a capacidade de prestação das ações e Art. 42. Sem prejuízo das outras providências legais, o Mi-
nistério da Saúde informará aos órgãos de controle interno e
dos serviços de cada ente federativo da Região de Saúde;
externo:
IV - indicadores e metas de saúde;
I - o descumprimento injustificado de responsabilidades na
V - estratégias para a melhoria das ações e serviços de saú-
prestação de ações e serviços de saúde e de outras obrigações
de;
previstas neste Decreto;
VI - critérios de avaliação dos resultados e forma de monito- II - a não apresentação do Relatório de Gestão a que se refe-
ramento permanente; re o inciso IV do art . 4º da Lei no 8 .142, de 1990;
VII - adequação das ações e dos serviços dos entes federati- III - a não aplicação, malversação ou desvio de recursos fi-
vos em relação às atualizações realizadas na RENASES; nanceiros; e
VIII - investimentos na rede de serviços e as respectivas res- IV - outros atos de natureza ilícita de que tiver conhecimen-
ponsabilidades; e to .
IX - recursos financeiros que serão disponibilizados por cada Art. 43. A primeira RENASES é a somatória de todas as ações
um dos partícipes para sua execução. e serviços de saúde que na data da publicação deste Decreto são
Parágrafo único. O Ministério da Saúde poderá instituir for- ofertados pelo SUS à população, por meio dos entes federados,
mas de incentivo ao cumprimento das metas de saúde e à me- de forma direta ou indireta .
lhoria das ações e serviços de saúde. Art. 44. O Conselho Nacional de Saúde estabelecerá as dire-
Art. 37. O Contrato Organizativo de Ação Pública de Saúde trizes de que trata o § 3o do art . 15 no prazo de cento e oitenta
observará as seguintes diretrizes básicas para fins de garantia da dias a partir da publicação deste Decreto.
gestão participativa: Art. 45. Este Decreto entra em vigor na data de sua publi-
I - estabelecimento de estratégias que incorporem a ava- cação .
liação do usuário das ações e dos serviços, como ferramenta de
sua melhoria; CONCEITOS, FUNDAMENTAÇÃO LEGAL, PRINCÍ-
II - apuração permanente das necessidades e interesses do PIOS, DIRETRIZES E ARTICULAÇÃO COM SERVIÇOS DE
usuário; e SAÚDE.
III - publicidade dos direitos e deveres do usuário na saúde
em todas as unidades de saúde do SUS, inclusive nas unidades
privadas que dele participem de forma complementar.
Art . 38 . A humanização do atendimento do usuário será fa- A expressão ‘Sistema Único de Saúde’ (SUS) alude em ter-
tor determinante para o estabelecimento das metas de saúde mos conceituais ao formato e aos processos jurídico-institucio-
nais e administrativos compatíveis com a universalização do di-
previstas no Contrato Organizativo de Ação Pública de Saúde.
reito à saúde e em termos pragmáticos à rede de instituições
Art. 39. As normas de elaboração e fluxos do Contrato Or-
– serviços e ações – responsável pela garantia do acesso aos cui-
ganizativo de Ação Pública de Saúde serão pactuados pelo CIT,
dados e atenção à saúde. Os termos que compõem a expressão
cabendo à Secretaria de Saúde Estadual coordenar a sua imple-
‘SUS’, espelham positivamente críticas à organização pretérita
mentação . da assistência médico-hospitalar brasileira. ‘Sistema’, entendido
Art. 40. O Sistema Nacional de Auditoria e Avaliação do SUS, como o conjunto de ações e instituições, que de forma ordena-
por meio de serviço especializado, fará o controle e a fiscalização da e articulada contribuem para uma finalidade comum, qual
do Contrato Organizativo de Ação Pública da Saúde. seja, a perspectiva de ruptura com os esquemas assistenciais
§ 1o O Relatório de Gestão a que se refere o inciso IV do art. direcionados a segmentos populacionais específicos, quer re-
4o da Lei no 8 .142, de 28 de dezembro de 1990, conterá seção cortados segundo critérios socioeconômicos, quer definidos a
específica relativa aos compromissos assumidos no âmbito do partir de fundamentos nosológicos. ‘Único’ referido à unificação
Contrato Organizativo de Ação Pública de Saúde. de dois sistemas: o previdenciário e o do Ministério da Saúde

19
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

e secretarias estaduais e municipais de saúde, consubstancia- FUNDAMENTOS TEÓRICOS-POLÍTICOS DO SUS


da na incorporação do Instituto Nacional de Assistência Médica O SUS resulta da formulação e legitimação de estratégias de
da Previdência Social (Inamps) pelo Ministério da Saúde e na reordenação do sistema de saúde brasileiro postas em disputa
universalização do acesso a todas ações e cuidados da rede as- com teorias divergentes sobre as concepções sobre saúde-doen-
sistencial pública e privada contratada e ao comando único em ça e distintos projetos de poder no campo da saúde. A partir
cada esfera de governo. ‘Saúde’ compreendida como resultan- da concepção histórico-estruturalista, os estudos sobre as rela-
te e condicionante de condições de vida, trabalho e acesso a ções entre medicina e sociedade enfatizaram a necessidade de
bens e serviços e, portanto, componente essencial da cidadania desvendar os padrões de intervenção estatal específicos na área
e democracia e não apenas como ausência de doença e objeto da saúde. As interpretações sobre as articulações entre saúde e
de intervenção da medicina; a saúde, tomada como medida de política econômica buscaram evidenciar simultaneamente: 1) a
determinações sociais e perspectiva de conquista da igualdade, natureza objetiva (histórico- material) da sociedade, a identifi-
contrapõe-se ao estatuto de mercadoria assistencial que lhe cação de padrões, variações e matizes dos arranjos político-ins-
é conferido pela ótica economicista, tal como definida na VIII titucionais presentes no setor saúde no Brasil; 2) a identificação
Conferência Nacional de Saúde é “a resultante das condições e análise da origem e das contradições entre projetos de atores
de alimentação, habitação, renda, meio ambiente, trabalho, singulares, suas projeções no Estado, visto não apenas como lo-
transporte, emprego, lazer, liberdade, acesso e posse da terra e cus de preservação de legitimação, mas também como arena de
acesso aos serviços de saúde” . disputa por hegemonia .
O padrão dual de desenvolvimento social e econômico e
HISTÓRICO: O CONTEXTO DE FORMULAÇÃO E INSCRI- seus rebatimentos sobre os níveis de desigualdade e indicadores
ÇÃO DO SUS NA CONSTITUIÇÃO DE 1988 de saúde, em um contexto pautado pela emergência de
O SUS foi formulado, na esteira da luta pela redemocrati- demandas complexas em termos sociais, biológicos e geográficos
zação do Brasil, por intelectuais, entidades de profissionais de questionavam as respostas estatais centradas em programas de
saúde, estudantis e outras entidades da sociedade civil . Como controle de endemias, por meio da atuação do Ministério da
expressão institucional da Reforma Sanitária, o SUS, entre ou- Saúde ou do atendimento individual a determinadas categorias
tras referências, inspirou-se no processo de mudança no siste- de trabalhadores, administrado pela Previdência Social . No final
ma de saúde italiano – denominado Riforma Sanitaria do qual dos anos 70, o descompasso entre as receitas e as despesas
se originou a Lei n . 833 de 1978 sobre a Istituzione del Servizio com saúde e as críticas à natureza dicotomizada e fragmentada
Sanitario Nazionale . do sistema foram incluídos nas agendas de reivindicação dos
A convergência entre as mudanças teórico-conceituais acer- movimentos sociais e nas pautas da grande imprensa . No período
ca das concepções sobre as relações entre saúde, Estado e socie- de transição democrática, a feição nacional e universalista da
dade e as lutas pelas liberdades democráticas contra o regime luta pela transformação do sistema de saúde e das condições
militar confluíram para a formulação e tradução operacional da de saúde da população brasileira viabilizou alianças com setores
Reforma Sanitária Brasileira. O lema “saúde é democracia” em- progressistas de diferentes orientações político-partidárias .
balou as proposições da Reforma Sanitária difundidas durante a Os compromissos com a produção de conhecimentos
preparação e realização da VIII Conferência Nacional de Saúde sobre os determinantes sociais da saúde, com o movimento
em 1986. A efervescência dos movimentos sociais a partir da por mudança no sistema de saúde e mudanças na sociedade
metade da década de 1970, a criação do Centro Brasileiro de brasileira lastrearam a formulação do SUS . No início da
Estudos de Saúde (Cebes), em 1976, as experiências locais alter- denominada Nova República, a coalizão suprapartidária e a
nativas de organização de serviços de saúde, a presença de sani- mobilização social, essenciais para a inclusão da Seguridade
taristas no planejamento de instituições de saúde e, sobretudo, Social e do SUS como direitos de cidadania, tornaram exeqüível
o intenso debate e a apresentação de reflexões, em fóruns dos a nomeação de integrantes do movimento sanitário para cargos
movimentos sociais e nas arenas governamentais, sobre as al- de direção no Ministério da Saúde e na Previdência Social, que,
ternativas à hegemonia dos interesses mercantis na assistência por seu turno, construíram as bases técnicooperacionais para a
médica previdenciária, tornaram-se os ingredientes essenciais transferência de recursos humanos, financeiros e físicos e com-
para a elaboração das diretrizes do SUS . petências do Instituto Nacional de Assistência Médica da Previ-
Durante o I Simpósio de Saúde da Câmara dos Deputados dência Social para o Ministério da Saúde.
em 1979, o documento do Cebes intitulado “Saúde é Democra-
cia” sinalizou para a necessidade de criação de um sistema único BASES JURÍDICO-LEGAIS DO SUS
e para a necessidade de transformação das ações de saúde em O direito à saúde elevado ao patamar de direito essencial
bens sociais gratuitos sob responsabilidade do Estado a partir de em função de sua ligação intrínseca com o direito à vida e à dig-
uma base eficaz de financiamento. nidade da pessoa humana no âmbito da positivação dos direitos
Tais premissas justapostas às acepções sistêmicas e univer- sociais atribuída pela Constituição de 1988, traduz-se no reco-
salistas sobre previdência e assistência social fundamentaram a nhecimento da saúde como direito público subjetivo de eficácia
inscrição do SUS como integrante das ações destinadas a asse- plena e imediata. A tutela estatal e o agir positivo, ao ensejarem
gurar os direitos relativos à saúde, à previdência e à assistência a criação e efetivação de políticas públicas, fazem com que esses
social no artigo 194 da Constituição de 1988. direitos adquiram caráter coletivo. O
SUS, responsável pela garantia do exercício do direito à
saúde, tem como suportes doutrinários o direito universal e de-
ver do Estado (artigo 196 da Constituição Brasileira de 1988);

20
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

a integralidade das ações de saúde; a descentralização, com A mobilização permanente em torno da garantia de recur-
direção única em cada esfera de poder e a participação da sos para a saúde gerou compromissos governamentais com a es-
sociedade (artigo 198) . Em termos operacionais, trata-se de tabilidade dos repasses tal como expressos na Emenda Constitu-
um sistema unificado, regionalizado, com atribuições definidas cional 29. No que concerne ao desenho e à execução dos pactos
por esfera de governo, financiamento compartilhado e áreas de intergovernamentais para consolidar o processo de descentra-
competências e abrangência firmadas . lização e reorganizar as redes do sistema de saúde, os avanços
A saúde passa a ter o estatuto de bem de relevância pública são notáveis. Nos marcos da democracia e do federalismo, o SUS
tal como previsto no artigo 197, que define a competência do construiu uma estrutura institucional complexa para coordenar
poder público na regulamentação, fiscalização e controle das as ações dos três níveis de governo: as ações de saúde pública e
ações e serviços de saúde . O artigo 199 franqueia à iniciativa os serviços de saúde estatais, filantrópicos e privados.
privada a participação nas atividades de saúde . As áreas de As Comissões Gestoras Bipartite e a Comissão Tripartite,
atuação e competência dos órgãos do sistema de saúde são integradas por representantes das três esferas de governo, são
definidas no artigo 200 . instâncias de decisão compartilhada sobre políticas de saúde. Os
Segundo este dispositivo, o controle, fiscalização, execução governos locais tornaram-se essenciais na organização da aten-
e ordenamento das políticas, ações e programas referentes a ção à saúde, e os representantes dos usuários, profissionais de
itens diversos, tais como alimentos, medicamentos, equipamen- saúde e gestores civis dispõem de instrumentos para formular
tos, hemoderivados, saneamento básico, formação de recursos políticas de saúde, controlar e fiscalizar a ação das instituições
humanospara a saúde, ambientes de trabalho, desenvolvimento de saúde.
científico e tecnológico e meio ambiente são atribuições do SUS. Contabilizamse ainda, entre os expressivos avanços da es-
O conteúdo constitucional do SUS é discriminado e deta- truturação de um sistema único e descentralizado, os êxitos do
lhado em duas leis orgânicas, a Lei 8 .080/90 e a Lei 8 .142/ 90 . impacto sobre o controle/redução de agravos relacionados com
A Lei 8.080/90 contém dispositivos relacionados com o direito a oferta de atenção universal a grupos populacionais definidos.
universal, relevância pública, unicidade, descentralização, finan- Contudo, o SUS, no que concerne especialmente à oferta de as-
ciamento, entre outros, enfatizando a definição das atribuições sistência médico-hospitalar, não é universal. A preservação da
de cada esfera de governo dentro do novo sistema. A Lei 8.142/ segmentação das demandas condiciona e de certo modo legiti-
90 dispõe sobre o caráter, as regras de composição, regularidade ma o subfinanciamento público para a atenção universal à saúde
de funcionamento das instâncias colegiadas do SUS – o conselho e desafia permanentemente a lógica da organização do SUS.
e a conferência de saúde – e transferências intergovernamentais A vigência da clivagem assistencial afeta a eqüidade do
de recursos . Ao longo do tempo, a legislação ordinária foi com- acesso aos serviços de saúde, os valores sobre a qualidade do
plementada por decretos de autoria do poder executivo ou do que é público e a própria definição de SUS . Os usos correntes
legislativo e normas emanadas do Ministério da Saúde, entre as do termo SUS, como sinônimo de um convênio de repasse de
quais as normas operacionais básicas (NOBs) que determinaram recursos ou órgão de compra de serviços e não como sistema
as regras para o repasse dos recursos federais às esferas subna- de saúde, restringem drasticamente sua natureza e atribuições
cionais . constitucionais .
O PROCESSO DE IMPLEMENTAÇÃO DOS PRINCÍPIOS E Alternativamente, a imunidade do direito à saúde tal como
DIRETRIZES ORGANIZACIONAIS DO SUS previsto pela Constituição de 1988 às tentativas de desfigurá-lo,
Os questionamentos à Constituição de 1988, especialmente bem como os efeitos favoráveis da inclusão e universalização
quanto à generosa e abrangente perspectiva de organização de das ações de saúde conferiram ao SUS o estatuto de política
um sistema integrado de seguridade social e ao apoio às propos- de Estado e modelo exemplar de sistema de saúde na América
tas de organização de seguros baseados na relação contribuição- Latina .
-benefício sob regime de capitalização emanadas do receituário O RESGATE DO SUS CONSTITUCIONAL
de ajuste fiscal, alteraram o curso de implementação do SUS. No As avaliações sobre a persistência de problemas de saúde
início dos anos 90, a conjuntura adversa aos projetos de corte e elevadas desigualdades econômico-sociais e no acesso a bens
universalista contribuiu para a fragmentação das bases de apoio e serviços vis-à-vis o subfinanciamento, as distorções na estru-
político, não observância das normas sobre as receitas e desti- tura dos gastos públicos e a subordinação das políticas sociais
nos do orçamento da ‘seguridade social’ e distintas velocidades em face da ‘financeirização’ do orçamento público estimularam
da regulamentação de cada um de seus componentes: saúde, a realização do VIII Simpósio da Câmara Federal sobre Política
previdência e assistência social. Nacional de Saúde em 2005.
A fragmentação da seguridade social e, em especial, o não O debate e a mobilização para o resgate do SUS constitucio-
cumprimento dos preceitos constitucionais relacionados com o nal implicam a defesa da seguridade social e a definição de uma
financiamento da saúde limitaram a plena implementação do política nacional de desenvolvimento e, portanto, revisão da po-
SUS. Em 1993, o então Ministério da Previdência e Assistência lítica monetária. Recursos oriundos da desvinculação de receitas
Social retirou as transferências destinadas à saúde a partir da da União, inclusive das contribuições sociais e do elevado supe-
contribuição sobre a folha de salários . Desde então, a resistência rávit fiscal, devem ser redirecionados para as políticas sociais.
contra o subfinanciamento da saúde tem sido a tônica de enti- As iniciativas de criar e reunir um Fórum da Reforma Sa-
dades da sociedade civil, parlamentares e integrantes do poder nitária na Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca e a
judiciário e do ministério público, e a participação das esferas realização de reuniões conjuntas da Associação Brasileira de
subnacionais, principalmente os municípios, tem sido crescente . Saúde Coletiva (Abrasco) Centro Brasileiro de Estudos de Saú-
de (Cebes), Rede Unida, Associação Brasileira de Economia da

21
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

Saúde (Abres), Associação Nacional de Promotores do Minis- Objetivo da Epidemiologia


tério Público em Defesa da Saúde (Ampasa) e a Frente Parla-
mentar da Saúde permitiram ampliar e aprofundar a reflexão Estudar as condições de saúde e a ocorrência de doenças
e as propostas de resgate do SUS constitucional. O documento na população, procurando identificar os fatores e a sua interde-
“SUS pra Valer: universal, humanizado e de qualidade”, subscrito pendência que influenciam essas condições e essas ocorrências,
por essas entidades, elaborado no segundo semestre de 2006, para tornar possível que se atue sobre eles, visando à melhoria
contendo estratégias programáticas, reafirma a imprescindibili- das condições.
dade da compatibilização dos padrões de saúde dos brasileiros A epidemiologia aponta quem é mais propenso a adoecer e
ao progresso tecnológico, cultural e político disponível. Por sua morrer segundo os problemas de saúde, estuda não somente as
vez, as instituições responsáveis pela gestão do SUS definiram doenças, mas também os agravos ou causas externas que pos-
novas diretrizes para a descentralização no Pacto pela Vida, em sam determinar a causa de doença bem como a morte. Exem-
Defesa do ‘SUS’ e de Gestão, proposto pelo Ministério da Saúde, plos de agravos ou causas externas: acidentes, violência, descar-
Conselho de Secretários de Saúde (Conass) e Conselho Nacio- ga elétrica, desnutrição, obesidade e outros .
nal de Secretários Municipais de Saúde (Conasems) em 2006. Para o inicio do estudo da epidemiologia é necessário sa-
Medidas como o reforço à organização das regiões sanitárias, a bermos conceitos básicos, como: o que é saúde, doença e o pro-
cogestão, a base do financiamento tripartite como parâmetro cesso saúde-doença.
para o planejamento e definição de responsabilidades sanitárias O conhecimento dos fatores determinantes das doenças
compartilhadas aproximam a trajetória do SUS real a do SUS permite a aplicação de medidas preventivas e curativas.
constitucional.
Os esforços para corrigir o rumo e o prumo da trajetória do Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmissíveis.
SUS, quer oriundos da esfera da sociedade civil, quer gerados
na esfera governamental, ainda que até agora tenham logrado Introdução .
contra-restar plenamente obstáculos estruturais, expressam a
vitalidade e perenidade de seus princípios e diretrizes. A Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmissíveis
constitui-se como importante instrumento para o planejamen-
to, organização e operacionalização dos serviços de saúde, bem
EPIDEMIOLOGIA, INDICADORES DE NÍVEL DE SAÚDE como a normatização das atividades técnicas correlatas. Sua
DA POPULAÇÃO, SISTEMA DE INFORMAÇÃO NO SUS E operacionalização compreende uma série de funções específi-
EM SAÚDE, PROMOÇÃO DA SAÚDE E PREVENÇÃO DE cas, permitindo conhecer o comportamento da doença ou agra-
DOENÇAS. vo selecionado como alvo das ações, de forma que as medidas
de intervenção pertinentes possam ser desencadeadas com
oportunidade e eficácia.
São funções da vigilância epidemiológica:
Conceitos de Epidemiologia- História Natural da Doença • Coleta de dados .
• Processamento dos dados coletados; análise e interpreta-
Vigilância Epidemiológica: Conjunto de ações que propor- ção dos dados processados .
cionam o conhecimento, a detecção ou prevenção de qualquer • Recomendação das medidas de controle apropriadas .
mudança nos fatores determinantes e condicionantes de saúde • Promoção das ações de controle indicadas.
individual ou coletiva, com a finalidade de recomendar e adotar • Avaliação da eficácia e efetividade das medidas adotadas.
as medidas de prevenção e controle das doenças ou agravos. (lei • Divulgação de informações pertinentes.
8080/1990)
1 . Epidemiologia: estuda a distribuição dos problemas de As mudanças no perfil epidemiológico das populações, no
saúde em populações. qual se observa declínio das taxas de mortalidade por doenças
2. Epidemiologia: é comumente definida como o estudo dos infecciosas e parasitárias e crescente aumento das mortes por
determinantes do processo saúde-doença em grupos populacio- causas externas e doenças crônico-degenerativas, tem propicia-
nais . do a incorporação das doenças e agravos não transmissíveis às
3. Epidemiologia: palavra de origem grega, na qual: atividades da vigilância epidemiológica.
epi=sobre . As competências de cada esfera do sistema de saúde (mu-
demos = população . nicipal, estadual e federal) abarcam todo o espectro das funções
logia = estudo . de vigilância epidemiológica, porém com graus de especificida-
Importante salientar o que os epidemiologistas estudam de variáveis. As ações executivas são mais inerentes à esfera mu-
são os determinantes e as condições de ocorrência de doenças nicipal e seu exercício exige conhecimento analítico da situação
e agravos à saúde em populações humanas, empregados a di- de saúde local.
versas técnicas e métodos. Quanto mais capacitada e eficiente for à instância local,
mais oportunamente podem ser executadas as medidas de con-
trole. Os dados e informações aí produzidos serão mais consis-
tentes, possibilitando melhor compreensão do quadro sanitário
estadual e nacional e, consequentemente, o planejamento ade-
quado da ação governamental.

22
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

Para o desenvolvimento do Sistema Nacional de Vigilân- Fontes adicionais de dados epidemiológicos:


cia Epidemiológica (SNVE), a atual orientação estabelece como • Inquérito epidemiológico .
prioridade o fortalecimento dos sistemas municipais de vigi- • Levantamento epidemiológico.
lância epidemiológica, que devem ser dotados de autonomia • Investigação epidemiológica de campo.
técnico-gerencial para enfocar os problemas de saúde próprios • Sistemas sentinelas.
de suas áreas de abrangência. As secretarias estaduais devem,
cada vez mais, deixar de desempenhar o papel de executoras Emergências em saúde públicas
para assumir as responsabilidades de coordenação, supervisão e
monitoramento das ações, de acordo com as responsabilidades Respostas às doenças emergentes e reemergentes, surtos e
estabelecidas na Portaria GM/MS n. 1.172/04. emergência em saúde pública.
A ocorrência de epidemias e pandemias por doenças emer-
Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmissíveis. gentes ou reemergentes fez com que a comunidade internacio-
nal aprimorasse os serviços de vigilância em saúde. Dentre os
Aspectos gerais fatores que contribuíram para esta mudança estão: a pressão
demográfica; mudanças no comportamento social e alterações
A informação para a vigilância epidemiológica destina-se ambientais. A globalização que integrou os países refletiu no
à tomada de decisões – informação para a ação. Este princípio aumento da circulação de pessoas e mercadorias, estreitou as
deve reger as relações entre os responsáveis pela vigilância e as distâncias e o compartilhamento de agentes de doenças que são
diversas fontes que podem ser utilizadas para o fornecimento endêmicos ou inofensivos em determinadas regiões, mas que
de dados. Dentre essas, a principal é a notificação, ou seja, a podem provocar graves problemas de ordem econômica, social,
comunicação da ocorrência de determinada doença ou agravo à política e de saúde.
saúde feita à autoridade sanitária por profissionais de saúde ou A expansão da circulação do vírus da influenza, H5N1, bem
qualquer cidadão, para fins de adoção de medidas de interven- como a pandemia por síndrome respiratória aguda grave, mais
ção pertinentes. conhecida por SARS, e o uso de Antraz em atos terroristas são al-
Historicamente, a notificação compulsória tem sido a prin- guns exemplos da necessidade de aperfeiçoamento na vigilância
cipal fonte da vigilância epidemiológica, a partir da qual, na em saúde em âmbito internacional e nacional (federal, estadual
maioria das vezes, se desencadeia o processo informação-deci- e municipal) .
Todas as ações de respostas à emergência em saúde pública
são-ação .
devem se realizar de maneira coordenada e articulada entre as
A atual listagem das doenças de notificação nacional foi es-
três esferas de governo, sendo fundamental o papel das SES na
tabelecida pelo Ministério da Saúde por meio da Portaria GM/
articulação e assessoria junto aos municípios.
MS n. 05, de 21 de fevereiro de 2006. Os dados correspondentes
Diante deste cenário e continuando o processo de estru-
compõem o Sistema de Informação de Agravos de Notificação
turação e aperfeiçoamento do serviço de recebimento, proces-
(Sinan), descrito no capítulo IV deste livro.
samento e resposta oportuna às emergências epidemiológicas,
As Secretarias Estaduais de Saúde e municípios podem adi-
existe no âmbito da SVS/MS o Centro de Informações Estratégi-
cionar à lista outras patologias de interesse regional ou local, cas em Vigilância em Saúde (Cievs), que articula as necessidades
justificada a sua necessidade e definidos os mecanismos opera- de respostas rápidas às emergências epidemiológicas junto as
cionais correspondentes . SES. Os profissionais de saúde dos serviços públicos e privados e
O caráter compulsório da notificação implica responsabili- técnicos das Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde consti-
dades formais para todo cidadão, e uma obrigação inerente ao tuem-se como fonte notificadora do Cievs.
exercício da medicina, bem como de outras profissões na área
da saúde. Para o aperfeiçoamento das respostas às emergências epi-
demiológicas é necessário que se contemple uma série de pon-
Aspectos que devem ser considerados na notificação: tos, como:
• Notificar a simples suspeita da doença, sem aguardar a • Aumento da sensibilidade para a detecção de eventos re-
confirmação do caso, pois isto pode significar perda da oportu- levantes, por meio da institucionalização de canais permanentes
nidade de intervir eficazmente. para recebimento e processamento de notificações.
•A notificação tem de ser sigilosa, só podendo ser divulgada • Articulação e agilidade dos processos de verificação e
fora do âmbito médico-sanitário em caso de risco para a comu- análise de relevância das emergências epidemiológicas entre as
nidade, respeitando-se o direito de anonimato dos cidadãos . diferentes esferas de gestão do SUS .
• O envio dos instrumentos de coleta de notificação deve • Ampliação da capacidade técnica de respostas às emer-
ser feito mesmo na ausência de casos, configurando-se o que se gências epidemiológicas;
denomina notificação negativa que funciona como um indicador • Ampliação das estruturas físicas e logísticas para o enfren-
de eficiência do sistema de informações. tamento das emergências epidemiológicas .
Além da notificação compulsória, o Sistema de Vigilância • Desenvolvimento de instrumentos para monitorar e ava-
Epidemiológica pode definir doenças e agravos como de notifi- liar a estruturação institucional no enfrentamento das emergên-
cação simples . O Sinan é o principal instrumento de coleta dos cias epidemiológicas, permitindo o aprimoramento e manuten-
dados de notificação compulsória. ção dos sistemas implementados .

23
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

Plano Brasileiro de Preparação para Pandemia de Influenza. Notificação Compulsória (DNC) e de outros agravos emergentes
e reemergentes . A implantação desse subsistema está regula-
Fatos recentes vêm alertando o mundo para a ameaça de mentada pela Portaria SVS/MS n. 1, de 17 de janeiro de 2005.
ocorrência de uma nova pandemia de gripe, tornando-se urgen- As atividades realizadas pelos Núcleos Hospitalares de Epi-
te que a sociedade se prepare para o seu enfrentamento . demiologia (NHE), estão vinculadas às unidades de saúde com-
Atualmente há uma preocupação global com a possibilida- ponentes da Rede de Hospitais de Referência, que será compos-
de de surgimento de um novo subtipo pandêmico do vírus in- ta de 190 hospitais, subdividida em três níveis. Até 31 de agosto
fluenza, que pode vir a constituir-se em uma ameaça que pode- 2006, 152 núcleos já foram implantados, sendo 75, “Nível I”, 45,
rá impactar gravemente os sistemas de saúde, além de provocar “Nível II” e 32, “Nível III”, distribuídos em 24 Unidades Federa-
sérias consequências sociais e econômicas . Frente a esse fato, das .
os países reunidos na Assembleia Mundial da Saúde de 2003
aprovaram uma resolução incentivando que todos elaborassem Compete ao Gestor Estadual do SUS:
planos de preparação que pudessem fazer frente a uma nova • Apoiar os hospitais na implantação do NHE.
pandemia de influenza. • Elaborar e disseminar o processo de implantação desta
O plano brasileiro foi elaborado por um grupo técnico espe- portaria .
cialmente constituído para esse fim, tendo como base as discus- • Prestar assessoria técnica e supervisão no funcionamento
sões acumuladas até o momento e as orientações da Organiza- dos NHE.
ção Mundial da Saúde. • Definir o responsável técnico pela gestão do subsistema
O objetivo geral desse plano é impedir a entrada e minimi- no estado .
zar os efeitos da disseminação de uma cepa pandêmica sobre a • Assessorar e supervisionar as ações de VE no âmbito hos-
morbimortalidade e suas repercussões na economia e no fun- pitalar, de forma complementar a atuação dos municípios .
cionamento dos serviços essenciais do país. • Definir o processo de estruturação do Sistema de Vigi-
Para o acompanhamento e a proposição de medidas emer- lância Epidemiológica em âmbito hospitalar em nível estadual,
genciais necessárias para a implementação deste plano foi insti- integrando-o às normas e rotinas já estabelecidas pelo Sistema
tuído um Grupo Executivo Interministerial, criado pelo Decreto
Nacional de Agravos de Notificação.
Presidencial n . 205, de 24 de outubro de 2005, que conta com
• Proceder à normalização técnica complementar da esfera
representantes da Presidência da República (Casa Civil e Gabi-
federal para a sua unidade federada .
nete de Segurança Institucional); Ministério da Saúde (respon-
• Divulgar informações e análise de doenças notificadas pe-
sável pela coordenação deste grupo); Ministério da Fazenda;
los hospitais .
Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão; Ministério da
• Monitorar e avaliar o desempenho dos NHE, em articula-
Agricultura, Pecuária e abastecimento; Ministério da Integração
ção com os gestores municipais, quando cabível.
Nacional; Ministério das Relações Exteriores; Ministério da Jus-
Programas de prevenção e controle de doenças
tiça e Ministério da Defesa.
No Brasil, o Sistema de Vigilância da Influenza está implan-
tado em 46 unidades sentinelas, a maioria delas localizadas nas Nesta seção serão apresentados os principais programas de
capitais das cinco regiões brasileiras, em 20 estados e no Distrito prevenção e controle de doenças, entretanto as ações de vigi-
Federal, com previsão de concluir a implantação ou reimplanta- lância epidemiológica das doenças transmissíveis abrangem um
ção, em todos os estados, em 2006 . elenco muito maior de agravos como: as doenças imunopreve-
níveis (sarampo, tétano, coqueluche, etc.); antropozoonoses e
Núcleos Hospitalares de Epidemiologia doenças transmitidas por vetores (leishmaniose, esquistossomo-
se, leptospirose, febre amarela, raiva, etc.); as doenças de veicula-
As doenças de notificação compulsória constituem risco à ção hídrica e alimentar (febre tifoide, botulismo, etc.) e de veicu-
saúde da população e para que sejam desencadeadas ações de lação respiratória, como as meningites .
controle é primordial o conhecimento oportuno da ocorrência
das mesmas . Programa Nacional de Controle da Dengue
O ambiente hospitalar é uma importante fonte para a no-
tificação dessas doenças, principalmente dos casos mais gra- Aspectos gerais
ves, com impacto para a saúde pública no país. A detecção de
aumento do número de casos de doenças transmissíveis pode Em nosso país, as condições socioambientais favoráveis à
levar a identificação de epidemias, sendo fundamental o conhe- expansão do Aedes aegypti possibilitaram uma dispersão desse
cimento precoce para a adoção de medidas de controle . Além vetor, desde sua reintrodução em 1976, para mais de 3.500 mu-
disso, o hospital é fonte de informação para outros problemas nicípios .
de saúde, possibilitando o acompanhamento do perfil de morbi- Programa essencialmente centrados no combate químico,
mortalidade da população atendida, apoiando o planejamento com baixíssima ou mesmo nenhuma participação da comunida-
do sistema de saúde. de, sem integração intersetorial e com pequena utilização do ins-
O Ministério da Saúde instituiu por meio da Portaria GM/n. trumental epidemiológico mostraram-se incapazes de conter um
2.529, de 23 de novembro de 2004, o Subsistema Nacional de vetor com altíssima capacidade de adaptação ao novo ambiente
Vigilância Epidemiológica em âmbito hospitalar com o objetivo criado pela urbanização acelerada e pelos novos hábitos da po-
de ampliar a detecção, notificação e investigação de Doenças de pulação .

24
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

Em 2002, o Ministério da Saúde instituiu o Programa Nacio- Atribuições e responsabilidades


nal de Controle da Dengue (PNCD), que incorporou as lições das
experiências nacionais e internacionais de controle da dengue, As esferas federal, estadual e municipal têm atribuições
enfatizando a necessidade de mudança nos modelos anteriores, distintas e complementares na implantação, gestão e acompa-
fundamentalmente em alguns aspectos essenciais: nhamento do PNCD. Abaixo estão listadas algumas atribuições e
• A elaboração de programas permanentes, uma vez que não responsabilidades da esfera estadual .
existe qualquer evidência técnica de que erradicação do mosquito
seja possível, em curto prazo. Ao estado compete:
• O desenvolvimento de campanhas de informação e de mo- • A gestão da vigilância epidemiológica e entomológica da
bilização das pessoas, de maneira a se criar uma maior responsa- dengue .
bilização de cada família na manutenção de seu ambiente domés- • Execução de ações de Vigilância Epidemiológica e Controle
tico livre de potenciais criadouros do vetor. da Dengue, de forma complementar a atuação dos municípios .
• O fortalecimento da vigilância epidemiológica e entomoló- • Supervisão, monitoramento e avaliação das ações execu-
gica para ampliar a capacidade de predição e de detecção precoce tadas nos municípios .
de surtos da doença . • Gestão dos estoques estaduais de inseticidas, biolarvici-
• A melhoria da qualidade do trabalho de campo de combate das para combate ao vetor e meios de diagnóstico da dengue
ao vetor. (kit diagnóstico).
• A integração das ações de controle da dengue na atenção • Gestão do sistema de informação da dengue no âmbito
básica . estadual, consolidação e envio regular à instância federal.
• A utilização de instrumentos legais que facilitem o trabalho • Análise e retroalimentação dos dados da dengue aos mu-
do poder público na eliminação de criadouros em imóveis comer- nicípios .
ciais, casas abandonadas, etc . . • Divulgação de informações e análises epidemiológicas da
• A atuação multissetorial por meio do fomento à destinação situação da dengue no estado .
adequada de resíduos sólidos e a utilização de recipientes seguros
para armazenagem de água . Programa Nacional de Controle da Malária
• O desenvolvimento de instrumentos mais eficazes de acom-
panhamento e supervisão das ações de controle desenvolvidas. Aspectos gerais
Verifica-se que quase 70% dos casos notificados da dengue
no país se concentram em municípios com mais de 50 .000 habi- A malária é reconhecida como grave problema de saúde
tantes que, em sua grande maioria, fazem parte de regiões metro- pública no mundo, atingindo 40% da população de mais de 100
politanas ou polos de desenvolvimento econômico. países. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS),
Dos 5 .564 municípios brasileiros, 653 (11,7%) são prioritários estima-se que ocorrem no mundo cerca de 300 a 500 milhões de
para o Programa Nacional de Controle da Dengue (PNCD) . Estes novos casos e um milhão de mortes ao ano.
municípios concentram 55,3% (101 .811 .213) da população do A malária continua sendo um grave problema de saúde pú-
país . blica na região Amazônica, devido à alta incidência e aos efeitos
O PNCD está baseado em 10 componentes . Em cada Uni- debilitantes para as pessoas acometidas por essa doença, com
dade Federada deverão ser realizadas adequações condizentes um importante potencial de influenciar o próprio desenvolvi-
com as especificidades locais, inclusive com a possibilidade da mento dessa região .
elaboração de planos sub-regionais, em sintonia com os objeti- Com o Programa Nacional de Controle da Malária (PNCM),
vos, metas e componentes do PNCD, cabendo às SES a coorde- o Ministério da Saúde estabelece uma política permanente para
nação desse processo . a prevenção e o controle dessa endemia, agregando as suges-
tões emanadas do processo contínuo de avaliação realizado pe-
Objetivos e metas las secretarias estaduais e municipais de saúde e pelo Comitê
Técnico de Acompanhamento e Assessoramento .
Os objetivos do PNCD são:
• Reduzir a infestação pelo Aedes aegypti. O Programa é alicerçado em uma série de componentes, lis-
• Reduzir a incidência da dengue . tados abaixo, que correspondem às estratégias de intervenção,
• Reduzir a letalidade por febre hemorrágica de dengue . a serem implementadas e/ou fortalecidas de forma integrada,
A participação das regiões do país na distribuição dos casos de acordo com as características da malária em cada área. Os
de dengue varia ano a ano. No início da década de 1990, a maior dois últimos componentes se referem a importantes elementos
proporção de casos era proveniente das Regiões Sudeste e Nor- para sustentação do controle da doença:
deste. Nos últimos, anos a região Nordeste tem participação • Apoio à estruturação dos serviços locais de saúde.
maior que o Sudeste, porém as regiões Norte e Centro-Oeste • Diagnóstico e tratamento.
apresentaram aumento gradativo de casos. Nos estados de San- • Fortalecimento da vigilância da malária.
ta Catarina e Rio Grande do Sul não há transmissão autóctone • Capacitação de recursos humanos .
da doença . • Educação em saúde, Comunicação e Mobilização social
(ESMS).
• Controle seletivo de vetores.
• Pesquisa .

25
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

• Monitoramento do PNCM. Centro-Oeste (estados de Goiás e Mato Grosso do Sul). Os 36%


• Sustentabilidade política. restantes são casos autóctones esporádicos que ocorrem em
Embora a malária continue sendo grave problema de saú- áreas focais restritas .
de pública na região Amazônica, ela é passível de intervenção
efetiva pelos serviços de saúde. A intensificação das ações de Para intensificação das ações de controle, de acordo com o
controle da malária tem contribuído para modificar a dinâmica risco de transmissão, Incidência Parasitária Anual (IPA) por 1 .000
da transmissão da doença na região, alcançando resultados pro- habitantes, os municípios foram estratificados como de:
missores na maioria dos municípios. Este novo perfil da trans-
missão da malária torna mais factível a abordagem do problema • Alto risco – IPA maior ou igual a 50 casos de malária por
pelos serviços de saúde. mil habitantes .
A análise sistemática dos dados produzidos pelos sistemas • Médio risco – IPA entre 10 e 49,9 casos de malária por mil
de informação dos serviços de saúde permite identificar mudan- habitantes .
ças na dinâmica da transmissão da doença e readequação, em • Baixo risco – IPA até 9,9 casos de malária por mil habitan-
tempo hábil, das estratégias de enfrentamento . tes .
A rede estruturada para realizar o diagnóstico de malária Entre 1999 e 2005, observa-se uma diminuição do número
vem sendo fortalecida desde o ano 2000, passando de 1.182, de municípios de alto risco, de 160 para 109 (31,9%), e de médio
em 1999, para 2.909 laboratórios, em 2005, o que significa um risco, de 129 para 93 (27,9%). Consequentemente, o número de
aumento de 146%. Atualmente, existem 13.934 unidades noti- municípios sem notificação de casos teve um incremento de 164
ficantes na Amazônia Legal e 37.735 agentes notificantes – esta para 193 (17,7%); e os de baixo risco de transmissão, de 339
expansão da rede diagnóstica visa melhorar o acesso da popu- para 412 (21,5%) .
lação amazônica ao diagnóstico precoce e ao tratamento opor- Na Amazônia Legal, a maior parte dos casos de malária é
tuno e adequado . devida ao P. vivax. No entanto, é preocupante o incremento do
Em 2001, com o objetivo de monitorar a resistência às dro- percentual de casos de malária por P. falciparum, o que favorece
gas antimaláricas em toda a região amazônica, foi criada a Rede a ocorrência de formas graves e óbitos. No período de 1999 a
Amazônica de Vigilância da Resistência às Drogas Antimaláricas 2005, observa-se aumento de 19,2% para 25,7% na proporção
(Ravreda), utilizando protocolos padronizados para a avaliação de malária por P . falciparum, representando um incremento de
da suscetibilidade dos parasitos aos medicamentos. Os traba- 33,9% .
lhos desenvolvidos no projeto Ravreda visam subsidiar o Pro- Os estados que mais contribuíram para esse incremento na
grama Nacional de Controle da Malária. Assim, todos os estudos proporção de malária por P . falciparum foram Amapá (189,8%),
propostos estão no campo da pesquisa aplicada e têm por ob- Maranhão (156,5%), Amazonas (41,2%), Pará (30,0%) e Mato
jetivo fornecer informações para a tomada de decisão baseada Grosso (23,1%).
em evidências. Em 2005, 33% das internações foram decorrentes de ma-
Os estudos realizados pela rede foram fundamentais para lária por P. falciparum, entretanto a notificação de formas não
orientar importantes mudanças no Programa Nacional de Con- especificadas e outras formas representaram 29% dos casos, de-
trole da Malária, tais como a alteração da terapêutica para o tra- notando deficiência no diagnóstico específico da rede hospitalar,
tamento da malária falciparum . bem como na atualização de dados do sistema de informações.
Esse fato pode influenciar o tratamento adequado e aponta para
a necessidade de capacitação das equipes de atenção hospitalar,
Objetivos e metas sendo importante as Secretarias Estaduais de Saúde orientarem
os municípios nesse aspecto .
Os objetivos do PNCM são: Apesar do aumento do número absoluto de casos nos últi-
• Reduzir a incidência da malária . mos anos, observa-se uma redução significativa na proporção de
• Reduzir a mortalidade por malária . óbitos e internações por malária na Amazônia Legal.
• Reduzir as formas graves da doença.
• Eliminar a transmissão da malária em áreas urbanas nas Atribuições e responsabilidades
capitais .
• Manter a ausência da transmissão da doença nos locais As esferas federal, estadual e municipal têm atribuições
onde ela tiver sido interrompida. distintas e complementares na implantação, gestão e acompa-
nhamento do PNCM. Abaixo estão listadas algumas atribuições
Situação epidemiológica atual e responsabilidades da esfera estadual presentes no Programa
Nacional de Prevenção e Controle da Malária publicado em
Na região extra-amazônica, 64% dos casos registrados são 2003 pela Secretaria de Vigilância em Saúde:
importados: cerca de 55% são provenientes dos estados perten-
centes à Amazônia Legal e aproximadamente 9%, de outros paí- • Coordenação estadual do PNCM.
ses, destacando os vizinhos da América do Sul (Guiana Francesa, • Gestão da vigilância epidemiológica e entomológica da
Paraguai e Suriname) e da África . Destacam-se, na transmissão, malária .
os municípios localizados às margens do lago da usina hidrelétri- • Execução de ações de Vigilância Epidemiológica e Controle
ca de Itaipu, as áreas cobertas pela Mata Atlântica nos estados da Malária, de forma complementar à atuação dos municípios.
do Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo e Bahia e a região • Assistência técnica aos municípios .

26
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

• Supervisão, monitoramento e avaliação das ações execu- • Desenvolver atividades de comunicação e mobilização so-
tadas pelos municípios . cial para a educação em saúde, em todas as esferas (nacional, es-
• Gestão dos estoques estaduais de medicamentos, insetici- tadual e municipal), focalizando a promoção, prevenção, assistên-
das para combate ao vetor. cia e reabilitação em saúde.
• Gestão do sistema de informação da malária no âmbito
estadual, consolidação e envio regular à instância federal dentro As metas do PNCT são:
dos prazos estabelecidos . • Manter um nível de detecção anual de pelo menos 70% dos
• Análise e retroalimentação dos dados da malária aos mu- casos estimados.
nicípios . • Tratar corretamente 100% dos casos de tuberculose diag-
• Divulgação de informações e análises epidemiológicas da nosticados e curar, pelo menos, 85% dos mesmos.
situação da malária . • Manter a proporção de abandono do tratamento em nível
• Definição e estruturação de centros de referência para tra- aceitável (menos de 5%).
tamento das formas graves da malária. • Estender o tratamento supervisionado para 100% das uni-
dades de saúde dos 315 municípios prioritários e, pelo menos,
Programa Nacional de Controle da Tuberculose 80% dos casos bacilíferos detectados nesses municípios, até 2007 .
• Manter atualizado o registro de casos, notificando 100%
Aspectos gerais dos resultados de tratamento .
• Aumentar em 100% o número de sintomáticos respirató-
rios examinados (2004/2007).
Em todo o mundo, um terço da população já está infecta-
• Disponibilizar o exame de HIV a 100% dos adultos com tu-
da pelo Mycobacterium tuberculosis, e o número atual de casos
berculose ativa.
novos da doença está em torno de 8,8 milhões. Estima-se que
ocorrem, anualmente, 2,7 milhões de óbitos por tuberculose, e, Situação Epidemiológica Atual
destes, aproximadamente 98% ocorrem em países em desenvol-
vimento. Cerca de 350.000 são casos de TB associados com HIV/ O número de casos novos registrados em 2004 foi de 80.515,
aids . O surgimento da epidemia de aids e de focos de tuberculo- com uma taxa de incidência de 49,4 por 100 mil. Analisando uma
se multirresistente em zonas com controle deficiente da doença série de 10 anos (1994-2004), a tendência da incidência da tu-
complica ainda mais o problema em escala mundial . berculose no Brasil parece bastante estável, embora ligeiramente
O Brasil ocupa o 15ºlugar entre os 22 países responsáveis descendente nos casos de tuberculose de todas as formas .
por 80% do total de casos de tuberculose no mundo. A prevalên- A distribuição geográfica da tuberculose indica que 70% dos
cia estimada é de 50 milhões de infectados, aproximadamente casos concentram-se em 315 municípios, que incluem as grandes
111 mil casos novos e em torno de seis mil óbitos por ano. No cidades e capitais, designadas prioritárias pelo Ministério da Saú-
Brasil, a tuberculose constitui a nona causa de hospitalização e a de para o controle da TB e a implementação da estratégia Dots.
quarta causa de mortalidade por doenças infecciosas . A situação da infecção por HIV é um problema importante
no Brasil, em especial nas grandes cidades, onde a epidemia tem
Objetivos e Metas progredido rapidamente nos últimos anos. Segundo dados do
Programa Nacional de DST/AIDS, a taxa de prevalência estimada
O objetivo principal do PNCT é reduzir a morbidade, a mor- da infecção por HIV é de 0,65% na população de 15 a 45 anos.
talidade e a transmissão da tuberculose. Além disso, são objeti- As taxas de co-infecção TB/HIV no período 2001-2004 foram
vos do programa: as seguintes: 8,7% em 2001; 7,9% em 2002; 8,1% em 2003; e
• Sensibilizar e mobilizar os gestores do SUS, líderes políticos, 7,7% em 2004 . Os estados com mais alta carga de co-infecção
formadores de opinião, visando a priorizar as ações de combate são o Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo.
à tuberculose. Mesmo assim, cerca de 6.000 óbitos são notificados todo
• Incorporar o tratamento supervisionado na Atenção Básica, ano, sendo os estados com as maiores taxas de mortalidade o Rio
especialmente na estratégia da Saúde da Família e às unidades de de Janeiro (6,1), Pernambuco (5,3), Mato Grosso do Sul (3,1) e
saúde das grandes cidades. Bahia (3,0). Com uma taxa média de letalidade de 7,8%, Pernam-
buco é o estado mais afetado .
• Fortalecer a vigilância epidemiológica de maneira a aumen-
A heterogeneidade do grau de cobertura do programa tam-
tar a detecção de casos novos e a cura de casos diagnosticados,
bém é visível na análise dos desfechos dos tratamentos para a
assim como diminuir o abandono do tratamento .
coorte de 2004 (casos novos que iniciaram tratamento entre abril
• Capacitar os profissionais de saúde que participam no con-
de 2003 a março de 2004) dos municípios prioritários . Destacam-
trole e na prevenção da TB em todos os níveis de gestão. -se os altos percentuais de transferência e os percentuais de en-
• Manter cobertura adequada da vacinação com BCG. cerramento dos casos .
• Reforçar as atividades de colaboração entre os programas Apenas nos municípios prioritários de Sergio e Mato Grosso
de TB e o HIV/AIDS; foram atingidas as metas de cura superior a 85% (considerando
• Reforçar e melhorar o Sistema de Informação (Sinan) . apenas os casos com informação de encerramento) .
• Desenvolver, nos laboratórios, as atividades de diagnóstico
e testes de sensibilidade aos medicamentos usados no tratamen-
to de tuberculose .

27
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

Atribuições e Responsabilidades O número dos casos novos detectados no mundo caiu mais
de 111 .000 casos (diminuição de 27%) durante 2005 compara-
As esferas federal, estadual e municipal têm atribuições dis- dos com o 2004. Os países previamente com a maior endemi-
tintas e complementares na implantação, gestão e acompanha- cidade têm alcançado agora eliminação, os poucos que restam
mento do PNCT. Abaixo estão listadas algumas atribuições e res- estão muito perto de eliminar a doença. Entretanto, os bolsões
ponsabilidades da esfera estadual . com elevada endemicidade permanecem ainda em algumas
áreas da Angola, do Brasil, da República Africana Central, da
Compete à Esfera Estadual República Democrática de Congo, da Índia, de Madagascar, de
Moçambique, de Nepal, e da República Unida de Tanzânia.
• Exercer a gestão e gerência da vigilância epidemiológica, O Programa Nacional de Eliminação da Hanseníase (PNEH)
prevenção e controle da tuberculose. estabeleceu em 2004 o redirecionamento da política de elimina-
• Cooperar tecnicamente com os municípios nas ações do ção da doença enquanto problema de saúde pública e da aten-
PCT . ção à hanseníase no Brasil, em um novo contexto que permite
• Acompanhar, monitorar e avaliar as ações de vigilância, pre- aferir a real magnitude da endemia no País .
venção e controle da tuberculose nos municípios. Em janeiro de 2005, o PNEH divulgou os coeficientes de
• Programar, acompanhar e controlar a distribuição de medi- detecção e de prevalência do Brasil relativos a 2004, expressos
camentos e insumos . pelos seguintes valores: 2,76 casos para cada 10.000 habitantes
• Realizar avaliação epidemiológica e operacional das ações e 1,71 casos para o mesmo número de habitantes, respectiva-
do Programa em âmbito estadual . mente, trazendo à luz novas perspectivas para abordagem de
• Realizar análise epidemiológica, retroalimentar os dados de planejamento estratégico quanto à endemia no País.
tuberculose aos municípios e enviar os dados e análise a esfera As ações do PNEH devem ser conduzidas de modo a garantir
nacional . o desenvolvimento de ações que favoreçam o diagnóstico pre-
• Divulgar informações e a análise epidemiológica da situa- coce na faixa etária de menores de 15 anos.
ção da TB no estado. Outras diretrizes para a eliminação e controle desta doen-
• Garantir a qualidade dos exames laboratoriais realizados da ça é o fortalecimento da vigilância epidemiológica, da logística
rede do SUS conforme normas do Ministério da Saúde. de abastecimento de medicamentos, o desenvolvimento de ca-
• Realizar baciloscopia, cultura, identificação do bacilo e teste pacidade orientada ao trabalho para os profissionais de saúde
de sensibilidade às drogas utilizadas no tratamento da TB. em geral e uma rede eficiente de referência e contra-referência,
• Criar mecanismos que promovam a participação efetiva da além da expansão da cobertura das atividades de eliminação da
Sociedade Civil nas discussões e definições do programa de TB. hanseníase em comunidades e populações especiais e atenção
especial aos estados que ainda têm uma alta carga de doença:
Programa Nacional de Eliminação da Hanseníase Pernambuco, Goiás, Espírito Santo, Pará, Tocantins, Maranhão,
Mato Grosso, Rondônia e Roraima.
Aspectos Gerais
Objetivos e Metas
A hanseníase parece ser uma das mais antigas doenças que
acometem o homem . As referências mais remotas datam de 600 • Manter o compromisso político de implantar uma Política
a .C . e procedem da Ásia, que, juntamente com a África, podem de Atenção à Hanseníase no SUS, promovendo uma atenção in-
ser consideradas o berço da doença. A melhoria das condições tegral e integrada aos doentes de hanseníase em todos os níveis
de vida e o avanço do conhecimento científico modificaram signi- de atenção .
ficativamente esse quadro e, hoje, a hanseníase tem tratamento • Intensificar as atividades colaborativas com os parceiros,
e cura . nas esferas estadual e municipal para a oferta de serviços de
É uma doença crônica granulomatosa, proveniente de in- qualidade a todas as pessoas atingidas pela hanseníase, incluin-
fecção causada pelo Mycobacterium leprae. Este bacilo tem a do os antigos doentes residentes nos hospitais-colônia.
capacidade de infectar grande número de indivíduos (alta infec- • Garantir a oferta de medicação específica para todos os
tividade), no entanto poucos adoecem (baixa patogenicidade). pacientes .
O domicílio é apontado como importante espaço de transmis- • Intensificar e apoiar os esforços de advocacia a fim de re-
são da doença, embora ainda existam lacunas de conhecimento duzir o estigma e a discriminação contra as pessoas e as famílias
quanto aos prováveis fatores de risco implicados, especialmente afetadas pela hanseníase, promovendo a consolidação de uma
aqueles relacionados ao ambiente social . política de direitos humanos.
O acesso a informações, diagnóstico e o tratamento com • Fortalecer a integração dos registros de hanseníase no Si-
poliquimioterapia (PQT) continuam sendo elementos chaves na nan de modo a qualificar o monitoramento e o acompanhamen-
estratégia para eliminar a doença como um problema de saúde to do sistema de vigilância epidemiológica.
pública, definido como alcançar uma prevalência menor que 1 • Apoiar o desenvolvimento e a capacitação dos profissio-
caso de hanseníase por 10.000 habitantes. A prevalência global nais de saúde nos serviços integrados de atenção.
da hanseníase no início de 2006 foi de 219.826 casos, o número
dos casos novos detectados durante 2005 foi 296.499.

28
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

São Metas do PNEH: No Brasil, a AIDS foi identificada, pela primeira vez, em
1980 . Na década de 90, a situação epidemiológica da doença
• As taxas de conclusão do tratamento e de cura deverão mudou. A transmissão se tornou basicamente heterossexual,
ser superiores a 90% em todos os estados do País . com participação significativa das mulheres, com transmissão
• Redução de prevalência em menos de um caso por cada materno-infantil. Nos últimos anos, verificou-se também uma
10 .000 habitantes em pelo menos 50% dos 2 .017 municípios en- interiorização da epidemia, com o crescimento da doença em
dêmicos em dezembro de 2005, para dezembro de 2008 . municípios pequenos, além de sua pauperização . A doença que
• Prevalência de menos de um caso por cada 10.000 habi- antes ocorria em camadas sociais de maior instrução, agora atin-
tantes deverá ter sido alcançada em todos os municípios do País ge as de menor escolaridade .
para 2010 . A missão do Programa Nacional de DST e AIDS (PN-DST/
AIDS) é reduzir a incidência do HIV/AIDS e melhorar a qualidade
Situação Epidemiológica Atual de vida das pessoas vivendo com HIV/AIDS. Para isso, foram de-
finidas diretrizes de melhoria da qualidade dos serviços públicos
A hanseníase é uma doença endêmica que tem apresenta- oferecidos às pessoas portadoras de AIDS e outras DST; de re-
do redução significativa de sua prevalência de 16,4 por 10.000 dução da transmissão vertical do HIV e da sífilis; de aumento da
habitantes em 1985 para 1,48 por 10 .000 habitantes em 2005, cobertura do diagnóstico e do tratamento das DST e da infecção
aproximando-se da meta proposta pela Organização Mundial de pelo HIV; de aumento da cobertura das ações de prevenção em
Saúde (OMS) de eliminação da doença como problema de saúde mulheres e populações com maior vulnerabilidade; da redução
pública. do estigma e da discriminação; e da melhoria da gestão e da
Segundo a taxa de prevalência de 2005, as regiões Sul e sustentabilidade .
Sudeste já alcançaram a meta de eliminação . Apesar da impor- Para fomentar a descentralização das ações foi instituída
tante redução do coeficiente de prevalência da hanseníase no uma política de incentivo com a definição de um conjunto de
Brasil, em 2004, algumas regiões demandam intensificação das municípios que deveriam receber recursos extras para o de-
ações para eliminação, justificadas por um padrão de alta ende- senvolvimento de ações de prevenção e controle ao HIV/AIDS e
micidade. Portanto, o Brasil deverá manter os esforços para o al- outras DST, com base em critérios epidemiológicos, capacidade
cance da meta de eliminação de hanseníase em nível municipal instalada e capacidade gestora das Secretarias de Saúde.
até o ano 2010 . Para expandir a qualidade e acesso das intervenções busca-
-se a ampliação das ações de promoção e prevenção; a inserção
Programa Nacional de DST/AIDS dos grupos mais vulneráveis nas redes de atenção; o acesso aos
insumos para adoção de práticas mais seguras (preservativos,
Aspectos Gerais gel lubrificante, kits de redução de danos); e a implantação do
A AIDS foi identificada no Brasil, pela primeira vez, em 1980 projeto Quality Improvement.
e apresentou um crescimento na incidência até 1998, quando Ainda, esta política visa à expansão da cobertura e à equi-
foram registrados 25.732 casos novos, com um coeficiente de in- dade, através da implementação de serviços de referência e as-
cidência de 15,9 casos/100.000 hab. A partir de então verificou- sistência em casas de apoio, focalizados para populações emer-
-se uma desaceleração nas taxas de incidência de AIDS no país. gentes, populações distantes e pessoas vivendo com HIV e AIDS.
Atualmente, verifica-se uma tendência de heterossexualização, Além disso, foram pactuadas as responsabilidades do Ministério
feminização, envelhecimento e pauperização da epidemia, apro- da Saúde, estados e municípios para aquisição e distribuição de
ximando-a cada vez mais do perfil socioeconômico do brasileiro medicamentos antirretrovirais e para tratamento de infecções
médio . oportunistas e outras DST . Outra ação é a ampliação do acesso
Desde o início da década de 1980 até setembro de 2003, o ao diagnóstico do HIV e outras DST.
Ministério da Saúde notificou 277.154 casos de AIDS no Brasil.
Desse total, 197.340 foram verificados em homens e 79.814 em É muito importante que, para garantir a continuidade do
mulheres. No ano de 2003, foram notificados 5.762 novos casos abastecimento de medicamentos antirretrovirais, as Secretarias
da epidemia e, desses, 3.693 foram verificados em homens e Estaduais de Saúde estejam atentas para os seguintes aspectos:
2.069 em mulheres, o que comprova o maior crescimento da • Regularidade no envio dos relatórios mensais;
AIDS entre o sexo feminino. • Uso do medicamento de acordo com as recomendações
Outro dado não menos preocupante é a crescente incidên- do Ministério da Saúde;
cia da AIDS na faixa etária de 13 a 19 anos, em adolescentes do • Manutenção do padrão do consumo do medicamento;
sexo feminino. • Comunicação com antecedência da situação de possível
Quanto às principais categorias de transmissão entre os desabastecimento ao Programa Nacional de DST e AIDS .
homens, as relações sexuais respondem por 58% dos casos de A responsabilidade pelo gerenciamento dos medicamentos
AIDS, com maior prevalência nas relações heterossexuais, que destinados às doenças oportunistas deve ser pactuada nas CIB
é de 24% . de cada estado, de forma a assegurar o acesso da população aos
Entre as mulheres, a transmissão do HIV também se dá pre- medicamentos .
dominantemente pela via sexual (86,7%). As demais formas de A notificação de casos de AIDS é obrigatória, desde 1986, a
transmissão, em ambos os sexos, de menor peso na epidemia, médicos e outros profissionais de saúde no exercício da profis-
são: transfusão, transmissão materno-infantil ou ignoradas pe- são, bem como aos responsáveis por organizações e estabeleci-
los pacientes . mentos públicos e particulares de saúde.

29
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

É responsabilidade da Secretaria de Vigilância em Saúde, Aspectos Gerais


por intermédio do Programa Nacional DST/AIDS, apoiar as Se-
cretarias Estaduais de Saúde na elaboração dos seus Planos de A Organização Mundial de Saúde estima que cerca de 2
Ações e Metas, caso seja necessário, assim com as SES devem bilhões de pessoas já tiveram contato com o vírus da hepatite
apoiar a elaboração dos planos dos municípios . B, contabilizando 325 milhões de portadores crônicos. A preva-
lência de hepatite C, com base em dados de pré-doadores de
Diretrizes e Prioridades do Incentivo. sangue, pode variar entre índices menores que 1% em países
como Reino Unido, Escandinávia, Nova Zelândia e algumas áreas
• Fortalecer, implementar e ampliar a institucionalização do Japão, ou chegar a altas taxas, como 14%, no Egito, sendo
das ações de prevenção, promoção e assistência às DST, HIV e de 26% no Cairo. Em geral, a infecção pelo vírus da hepatite D
aids na rede do SUS, de forma integral e equânime . ocorre em área com prevalência moderada a alta de hepatite
• Ampliar a cobertura e garantia de acesso: B crônica, visto que o vírus delta depende do vírus B para ser
- Aos insumos de prevenção para a população em geral, infectante. As maiores prevalências de hepatite delta ocorrem
priorizando as populações sob maior risco e vulnerabilidade. no sul da Itália e em algumas áreas da ex-URSS e África, além da
Ao diagnóstico para a população em geral, priorizando ges- Bacia Amazônica.
tantes e populações sob maior risco e vulnerabilidade. As hepatites A e E apresentam alta prevalência nos países
Universal e gratuito ao tratamento com ARV, para Infecções em desenvolvimento, onde as condições sanitárias e socioeco-
oportunistas e sífilis. nômicas são precárias .
À informação sobre DST e HIV/AIDS para a população em O Programa Nacional de Prevenção e Controle das Hepati-
geral . tes Virais (PNPCHV) foi criado pela Portaria GM/MS n. 2.080, de
Às ações educativas para crianças e adolescentes nas esco- 31 de outubro de 2003 para normatizar, coordenar e promover
las . a articulação entre Ministério da Saúde, Secretarias Estaduais e
• Reduzir a transmissão vertical do HIV e sífilis. Municipais de Saúde, no acompanhamento de todos os aspec-
• Reduzir as iniquidades regionais no que concerne às res- tos relacionados à prevenção, vigilância e assistência aos pacien-
postas ao HIV/AIDS e sífilis. tes portadores de hepatites virais, com ênfase nas hepatites A,
• Ampliar a capacidade nacional para produção de medica- B, C, D e E.
mentos ARV . Por ser um programa recente, as ações de estruturação de
• Aprimorar, ampliar e qualificar a informação sobre AIDS, uma rede de atenção primária e de serviços de média complexi-
sífilis na gestação e sífilis congênita. dade que atendam hepatites virais, para qualificar o diagnóstico
• Promover mecanismos para a sustentabilidade das ações e ampliar a oferta de tratamento é sua prioridade. O diagnóstico
da sociedade civil. dos casos de hepatites é realizado por meio da triagem sorológi-
• Promover mecanismos para melhoria da qualidade do ca nos centros de testagem e aconselhamento (CTA) .
atendimento às pessoas vivendo com HIV/AIDS e outras DST. Todos os casos de hepatites devem ser notificados na ficha
• Aprimorar mecanismos de gestão que promovam a efi- do Sinan, investigados e encaminhados ao órgão responsável
ciência das ações e o exercício dos direitos de cidadania. pela vigilância epidemiológica local.
• Institucionalizar o Monitoramento e a Avaliação como fer-
ramentas para melhoria do programa . Objetivos e metas:
• Promover a defesa dos direitos humanos e reduzir o estig- • Desenvolver ações de prevenção e promoção à saúde.
ma e a discriminação . • Estimular e garantir as ações de vigilância epidemiológica
• Reduzir iniquidades raciais no acesso à informação, ao e sanitária .
diagnóstico e ao tratamento. • Garantir o diagnóstico e o tratamento das hepatites.
• Combater a homofobia e promover o respeito à diversi- • Ampliar o acesso e incrementar a qualidade e a capacida-
dade . de instalada dos serviços de saúde em todos os seus níveis de
complexidade.
Atribuições e Responsabilidades • Promover a capacitação de recursos humanos em todos
os níveis de complexidade.
O reconhecimento do direito constitucional à saúde res- • Promover a sensibilização de gestores e entidades profis-
ponde diretamente ao foco da Rede de Direitos Humanos do sionais .
Programa Nacional de DST e AIDS e garante a regulamentação • Promover a articulação com a sociedade civil.
e a aplicação de uma legislação que equacione e proponha a
solução dos conflitos gerados pela manifestação das DST e da OPNPCHV tem como metas:
epidemia do HIV. A produção da legislação brasileira em saúde, • Inserir a triagem sorológica e o aconselhamento nos Cen-
mais especificamente ligada às DST e AIDS, tem como objetivo tros de Testagem e Aconselhamento (CTA) .
maior oferecer extenso material de consulta, comparação e re- • Estruturar os serviços de diagnóstico e tratamento das he-
flexão sobre as diversas leis e suas interpretações à realidade da patites virais nos serviços de média complexidade.
epidemia, para melhor enfrentar esse desafio à saúde pública e • Implementar as ações de prevenção e controle das hepa-
manter os princípios da cidadania . tites virais.
Programa Nacional de Prevenção e Controle das Hepatites • Implementar as ações de vigilância epidemiológica para
Virais . as hepatites virais.

30
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

• Incorporação da atenção às hepatites na rede de atenção contram-se localizados na maneira como as condições de vida
básica e de média complexidade. são produzidas, isto é, na alimentação, na escolaridade, na ha-
• Padronização da realização de exames de anatomia-pa- bitação, no trabalho, na capacidade de consumo e no acesso a
tológica através de capacitações em parceria com a Sociedade direitos garantidos pelo poder público, então é impossível con-
Brasileira de Patologia. ceber o planejamento e a gestão da saúde sem a integração das
• Padronização clínica terapêutica. políticas sociais (educação, transporte, ação social), num primei-
• Expansão da atuação dos laboratórios de saúde pública, ro momento, e das políticas econômicas (trabalho, emprego e
ampliando sua capacidade de realização de exames sorológicos. renda), num segundo. A escolha do prefixo inter e não do trans é
• Expansão da cobertura para realização de exames de PCR efetuada em respeito à autonomia administrativa e política dos
e genotipagem (biologia molecular). setores públicos em articulação.
• Inserção das ações de prevenção e controle das hepatites
virais na atenção básica. Cuidados Preventivos

Os cuidados de saúde preventivos abarcam decisões e me-


Promoção da saúde: conceitos e estratégias; didas em todos os sectores da sociedade e envolvem diversos
Em 2005, foi publicada a Política Nacional de Promoção da grupos profissionais. Os Clínicos Gerais/Médicos de Família (CG/
Saúde (PNPS) que tem como objetivo promover a qualidade de MF) desempenham um papel fulcral neste esforço, tanto na
vida e reduzir a vulnerabilidade e riscos à saúde relacionados conceptualização como na sua passagem à prática .
aos seus determinantes e condicionantes – modos de viver, con- Visamos prevenir a morte prematura e reduzir as
dições de trabalho, habitação, ambiente, educação, lazer, cul- inequidades em saúde . Este documento apresenta uma visão
tura, acesso a bens e serviços essenciais. A PNPS tem caráter de como os CG/MF melhor podem e devem contribuir para
transversal e inter setorial, envolvendo diferentes setores gover- atingir estes objetivos . O documento também providencia
namentais e a sociedade . recomendações para as autoridades nacionais, regionais e
Para uma adequada abordagem de um tema com tamanha locais . O relatório«Fair Society, Healthy Lives»(Sociedade Justa,
complexidade, este deve estar inserido nas agendas de priorida- Vidas Saudáveis), da autoria de Michael Marmot e colegas,1foi
des de diferentes setores da sociedade . Não obstante, é tarefa uma das fontes de inspiração para as ideias fundamentais
do setor saúde, em suas várias esferas de gestão, mobilizar os expressas neste documento .
demais setores para que compartilhem desse compromisso de Pretendemos dar ênfase à importância dos dilemas éticos e
busca de maior qualidade de vida para as populações brasileiras. científicos relacionados com os cuidados de saúde preventivos .
Os objetivos da PNPS incluem: Consideramos assim que:
• Estimular a elaboração de políticas, estratégias e ações • Iniciativas e estratégias sociais orientadas para a
integradas e intersetoriais que ampliem o acesso aos modos de população devem ser consideradas de prioridade superior face
viver mais favoráveis à saúde e à qualidade de vida e fortale- a estratégias preventivas primárias dirigidas ao indivíduo e
çam as ações de prevenção e controle de doenças e agravos não específicas de determinada doença .
transmissíveis (Dant) e transmissíveis. • Os CG/MF devem assumir um papel ativo nos cuidados
• Definir mecanismos e instrumentos para o monitoramen- de saúde preventivos assim como no desenvolvimento
to, acompanhamento e avaliação das estratégias de promoção profissional nesta área, devendo responsabilizar-se também
da saúde e a vigilância de doenças e agravos não transmissíveis pela transmissão do conhecimento aos seus interlocutores e
(Dant) no Brasil. colaboradores relevantes .
• Fomentar e desenvolver estudos e pesquisas para a pro- • A prática do Médico de Família deve ser concebida e
dução de conhecimentos, evidências e práticas no campo da organizada de uma forma que inspire os médicos a discutir
promoção da saúde e Dant. medidas preventivas relevantes com os seus pacientes .
• Sensibilizar e qualificar gestores, profissionais e usuários • Os CG/MF têm que ser capazes de proporcionar conselhos
de saúde quanto à promoção da saúde, vigilância e prevenção baseados no conhecimento do que promove a saúde e previne
de Dant . a doença .
• Favorecer a preservação do meio ambiente e a promoção • Na aferição do risco de doença em geral, é importante
de ambientes mais seguros e saudáveis. considerar todos os fatores que influenciam o indivíduo:
• Superar a fragmentação das ações e aumentar a efeti- constituição biológica, história de vida pessoal, história familiar
vidade e eficiência das políticas específicas do setor sanitário e estilos de vida . Muitas doenças complexas e prevalentes
mediante o fortalecimento da promoção da saúde como eixo têm raízes comuns e tendem a manifestar-se em grupo num
integrador/articulador das agendas dos serviços de saúde e a mesmo paciente (co- e multi-morbilidades) . Tal agrupamento
formulação de políticas públicas saudáveis. de doenças pode melhor ser prevenido influenciando fatores
Integração dos serviços de saúde e outros órgãos públicos causais subjacentes – por exemplo privação social ou relações
com a finalidade de articular políticas e programas de interesse destrutivas.
para a saúde, cuja execução envolva áreas não compreendidas • Influenciar as escolhas de vida com vista à prevenção
no âmbito do SUS, potencializando, assim, os recursos financei- constitui um desafio pedagógico e ético e requer precaução. A
ros, tecnológicos, materiais e humanos disponíveis e evitando avaliação do que é mais importante para a saúde de cada ser hu-
duplicidade de meios para fins idênticos. Se os determinantes mano tem de ser feita tendo em conta o respeito pela situação e
do processo saúde/doença, nos planos individual e coletivo, en- pelos valores da vida única de cada indivíduo. Os CG/MF devem

31
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

desenvolver uma consciencialização apurada da ocorrência de a adopção de hábitos adversos à saúde é com frequência esta-
momentos especiais(«golden moments»)em que as condições belecida precocemente na vida e sob influência de condições
para um aconselhamento preventivo são particularmente exteriores ao indivíduo.
adequadas . A importância do programa nacional de vacinação infantil
Base de conhecimento é enfatizada, com a reserva de que ainda permanecem em dis-
As condições de vida desfavoráveis e a falta de suporte so- cussão os benefícios da vacina do Vírus do Papiloma Humano
cial são os fatores que, no total, têm maior impacto negativo na (VPH).
saúde das pessoas ao longo da sua vida. Quanto mais elevada Programas de rastreio para o cancro são atualmente alvo de
é a posição de um grupo na pirâmide social, melhores são os debate internacional. A sustentação científica de cada progra-
indicadores estatísticos da sua saúde. Este é um dos maiores de- ma deve ser regularmente aferida. A informação ao público tem
safios que o nosso estado social enfrenta, representando tam- que ser franca e equilibrada no que respeita aos benefícios e
bém um repto aos cuidados preventivos em Medicina Geral e aos potenciais danos. Os efeitos primários e secundários devem
Familiar (MGF). ser apresentados em números absolutos e utilizando o mesmo
A investigação dos anos mais recentes no campo da Medi- denominador de modo a permitir uma fácil comparação entre
cina e disciplinas associadas contribuiu para uma compreensão dano e benefício.
muito mais profunda das ligações fundamentais entre as con- Anível regional e local,os cuidados preventivos devem ser
dições de vida quotidiana e a saúde.2Os novos conhecimentos postos no terreno sob a forma de iniciativas de saúde pública
confirmam quão importante é considerar a saúde do indivíduo interdisciplinares . Os municípios e as autoridades regionais são
perspectivando toda a sua vida e ter em devida conta os as- responsáveis pela criação de um ambiente local de promoção
pectos socioculturais, relacionais e pessoais. Os CG/MF estão de saúde, tornando mais fácil a escolha de opções saudáveis,
particularmente bem posicionados por forma a contribuir para facilitando medidas relevantes de promoção da saúde e
esforços preventivos orientados para objetivos relacionados prevenção da doença dirigidas a grupos determinados, e
com os indivíduos. Isto implica que a Medicina Geral e Familiar tornando disponível a informação acerca de tais iniciativas .
baseada no conhecimento tenha que abranger uma vasta área: Os CG/MF são responsáveis por se familiarizarem com as
por um lado, a base de conhecimentos profissional tem que con- atividades locais e regionais de promoção da saúde, por forma
ter informação médica geral relevante para a generalidade das a poderem oferecer conselhos relevantes, práticos e individua-
pessoas. Tal inclui a «medicina baseada na evidência» (MBE), lizados. As associações de CG/MF e os elementos de ligação en-
sustentada por estudos experimentais e análises epidemiológi- tre estes e as autoridades locais e municipais podem constituir
cas. Por outro lado, deve também ser reconhecida a importância fórum de grande utilidade para a troca de pontos de vista e de
do conhecimento individual da pessoa ao longo do tempo, em conhecimentos sobre esta área .
relação com as suas condições de vida, a sua situação na vida e Os CG/MF devem ser encorajados a participar ativamente
a sua mundividência subjetiva. nas atividades locais que concernem à saúde pública.
Atualmente, os CG/MF são objeto de elevadas expectativas, Anível individual,a informação, aconselhamento e
provenientes de várias fontes, que clamam pela identificação de orientação devem adaptar-se às preocupações individuais e
riscos e pela intervenção precoce visando prevenir possíveis fu- apoiar-se firmemente nos recursos e na vitalidade de cada
turas doenças. Devem ser estabelecidos critérios rigorosos no pessoa . Qualquer iniciativa no âmbito da prevenção tem que
que respeita à sustentação científica e à relevância de tais ativi- ser considerada tendo em conta que as boas relações com
dades preventivas proativas. Os seus potenciais efeitos secundá- familiares, amigos e colegas, a par de um exercício profissional
rios devem ser sempre antecipados e monitorizados. A discus- meritório e de uma apropriada integração social são essenciais
são pública constitui um pré-requisito para o desenvolvimento para a saúde do indivíduo .
profissional óptimo neste campo. É preciso também que o leque Uma tarefa importante para os médicos de família consis-
de medidas dirigidas a pessoas subjetivamente saudáveis seja te em apoiar os indivíduos que procuram tomar bem conta de
objeto de priorização e adaptado a outras obrigações e tarefas. si e dos que lhes são próximos limitando os seus consumos de
Estratégias recomendadas tabaco, álcool ou outras substâncias intoxicantes, e em encora-
Anível nacional,os cuidados de saúde preventivos são já-los a serem fisicamente cativos e alimentarem-se de forma
levados a cabo através de iniciativas políticas, requisitos das saudável.
autoridades, estratégias nacionais, planos de ação e campanhas . Os indivíduos que já estão doentes, e as pessoas que apre-
Está bem documentado que as boas relações são cruciais sentam – ou que é esperado que venham a apresentar – um
para a saúde de um indivíduo. Políticas sólidas no que diz respei- risco significativamente aumentado de doença no futuro devem
to a escolas, jardins infantis, famílias e integração são assim de ver garantida a boa acessibilidade ao seu médico de família. Os
importância fundamental . Uma das mais importantes medidas CG/MF deverão mostrar-se particularmente atentos às pessoas
preventivas é assegurar que cada criança cresce num ambiente que foram ou estão a ser sujeitas a episódios vivenciais adver-
seguro com a presença de um adulto responsável. sos, incluindo trauma, negligência, violência e abuso. Pessoas
As estratégias nacionais para reduzir o consumo de taba- que estejam em situações exigentes, tais como cuidadores, in-
co, álcool e outras substâncias intoxicantes são importantes. O divíduos com problemas ligados ao álcool ou drogas (e os que
mesmo se aplica a iniciativas que tornam mais fácil ser-se fisi- lhes são próximos), bem como aqueles com doença mental gra-
camente ativo, bem como a outras medidas preventivas gerais ve ou sob tensão têm também um risco aumentado de contrair
com o objetivo de reduzir a obesidade prejudicial. Tais estraté- outras doenças. O mesmo se aplica a indivíduos que estejam
gias devem ser fundadas no reconhecimento de que a base para desempregados ou que por outras razões perderam ou estão

32
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

no processo de perder controlo sobre a sua situação de vida ou devem entender que os«check-ups»médicos abrangentes em
emprego. É importante estar atento às crianças com pais ou ir- pessoas saudáveis raramente representam um uso racional e
mãos muito doentes ou pouco funcionantes . As crianças (desde aceitável de recursos .
a altura da sua concepção) e as mulheres grávidas são grupos FONTE:http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_ar-
particularmente vulneráveis. ttext&pid=S0870-71032011000500009
As linhas de orientação clínica para a prevenção de doenças
específicas podem constituir ajudas preciosas. É importante que INDICADORES DE NÍVEL DE SAÚDE DA POPULAÇÃO
os CG/MF estejam familiarizados com elas, embora reconhe- Após obtenção dos dados de saúde com vistas à qualida-
cendo as suas forças e fragilidades metodológicas . As linhas de de e cobertura destes, é preciso transformá-los em indicadores
orientação de índole oficial são geralmente baseadas em esti- para então comparar o observado em determinado local com
mativas médias com validade limitada face a um dado indivíduo. o observado em outros locais ou com o observado em diferen-
Os limiares recomendados para a intervenção sobre um deter- tes tempos. Portanto, a construção de indicadores de saúde é
minado risco não expressam factos médicos, antes derivam de necessária para analisar a situação atual de saúde, fazer com-
consensos fundados em dados resultantes da investigação e em parações e avaliar mudanças ao longo do tempo (VAUGHAN e
escolhas subjetivas dos valores. O processo de consenso é fre- MORROW, 1992).
quentemente influenciado por círculos profissionais com líderes
de opinião fortes e empenhados . Ademais, os interesses comer- A Organização das Nações Unidas (ONU), em 1952, iden-
ciais estabeleceram há muito tempo as premissas quer para as tificou a necessidade de uma medida que pudesse expressar o
doenças que os médicos são encorajados a prevenir quer para nível de vida das coletividades humanas. Diante da diversidade
os métodos e instrumentos que devem usar. de variáveis a serem analisadas foram desenvolvidas uma diver-
Tanto a indústria farmacêutica como os meios ligados a cer- sidade de ferramentas com focos diferenciados (ROUQUAYROL e
tas especialidades se focam intensamente em parâmetros bioló- ALMEIDA FILHO, 2003)
gicos e no uso de medicação .
A detecção de risco e respectiva intervenção nem sempre Os indicadores de saúde são utilizados na prática quando
são benéficas para a saúde. Se uma determinada medida não é apresentam uma comprovada relevância e viabilidade e também
vista como relevante e realista, pode fazer com que o indivíduo traduzem com fidedignidade (ou confiabilidade) e praticidade os
se sinta preocupado e incapaz de reagir . Uma focalização forte aspectos da saúde individual ou coletiva (PEREIRA, 2006).
e seletiva em riscos mensuráveis pode contribuir para distrair a
atenção (quer do médico quer do paciente) de assuntos mais A expressão dos indicadores se faz numericamente (fre-
básicos que são, no entanto, de maior importância para a vida e quência absoluta), entretanto, números absolutos de casos de
saúde da pessoa em questão. doenças ou mortes não são utilizados para avaliar o nível de
A soma total das intervenções recomendadas cria dilemas saúde, pois não levam em conta o tamanho da população. Des-
éticos e problemas práticos consideráveis. Uma das razões que sa forma, os indicadores de saúde são construídos por meio de
faz proliferar tais recomendações é o aumento do número de razões (frequências relativas), em forma de proporções ou coefi-
doenças abrangidas por linhas de orientação de índole oficial cientes (SOARES, 2001; PEREIRA, 2006) .
em simultâneo com a diminuição dos limiares de intervenção e
de uso de métodos de diagnóstico. Se todas as iniciativas reco- Podemos simplificar dizendo que a frequência absoluta se
mendadas fossem postas em prática, uma grande parte da po- reporta ao número total (de casos, de elementos), a frequência
pulação mudaria o seu estado de saudável para “em risco”. Sa- relativa representa o quociente entre a frequência absoluta e o
bemos que a autopercepção de boa saúde é, em si mesma, um número total. Por fim, a distribuição de frequências indica de
fator de prognóstico significativo. O diagnóstico generalizado que modo a variável se distribui.
de condições de risco e indisposições quotidianas como doença
não deve ser recomendado. As medidas de frequência são dadas por dois conceitos epi-
Devem merecer a oposição dos CG/MF as ajudas educacio- demiológicos: A incidência e a prevalência. Outras medidas de
nais ou de comunicação das quais se possa esperar que ofen- frequência utilizadas em saúde coletiva são relacionadas à mor-
dam ou estigmatizem pacientes vulneráveis. Situações em que talidade, letalidade e sobrevida (MEDRONHO, 2009)
o medo é combinado com impotência ou vergonha podem elas
mesmas prejudicar a saúde do indivíduo. As proporções representam uma parcela do total de casos
É preciso especial atenção no tratamento de pessoas ou mortes, representando sua importância no todo. Os coefi-
saudáveis com medicamentos que visam prevenir a doença . cientes (ou taxas) representam o “risco” de determinado evento
Os requisitos para a documentação dos efeitos a longo prazo e ocorrer na população (que pode ser a população do país, esta-
dos efeitos secundários de medicamentos que vão ser usados do, município, população de nascidos vivos, de mulheres, etc.).
por pessoas saudáveis devem ser ainda mais exigentes do que ( SOARES, 2001) .
para medicamentos curativos usados em pessoas doentes .
Os meios profissionais devem prestar mais atenção aos riscos Resultados expressos em frequência relativa
ligados a regimes preventivos com múltiplos medicamentos –
particularmente em idosos . Para realizar a comparação de frequências absolutas (fre-
Os CG/MF devem estar atentos aos critérios definidos pela quência de mortalidade e morbidade), é necessária a transfor-
Organização Mundial de Saúde para aplicação aos rastreios e mação para valores relativos e então surgem os conceitos epi-

33
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

demiológicos de mortalidade e morbidade de aplicabilidade em - Coeficiente de letalidade: representa a proporção de óbi-


saúde pública e passam a ser chamadas de coeficientes e índices tos entre os casos da doença, sendo um indicativo da gravidade
(KERR-PONTES E ROUQUAYROL, 2003) da doença ou agravo na população, podendo ser uma caracte-
É preciso destacar que índices não expressam uma proba- rística da própria doença (por exemplo, a raiva humana é uma
bilidade (ou risco) como os coeficientes, pois o que está conti- doença que apresenta 100% de letalidade) ou de fatores que
do no denominador não está sujeito ao risco de sofrer o evento aumentam ou diminuem a letalidade da doença na população
descrito no numerador (exemplo: relação médicos/habitantes é (condições socioeconômicas, estado nutricional, etc.). Apesar
um índice, da mesma forma que o Coeficiente de Mortalidade do resultado ser dado em percentual (%), não deve ser confun-
Infantil como Materna não são coeficientes, mas índices) (SOA- dido com coeficiente de mortalidade geral, que é dado por 1000
RES, 2001) . habitantes, e representa o risco de óbito na população .

- Índices: Relações entre frequências atribuídas da mesma Coeficientes de mortalidade:


unidade . Os índices são apresentados sob forma percentual .
Coeficientes e índices são valores geralmente menores do que - Coeficiente geral de mortalidade (CGM): representa o risco
a unidade, devido ao fato de serem as frequências dos eventos de óbito na comunidade. É expresso por uma razão, e pode ser
registrados no numerador, muito menor do que aqueles do de- calculado, como todos os demais coeficientes, também através
nominador. O índice pode ser considerado um Indicador multidi- de regra de três simples, no entanto, não é muito utilizado para
mensional. Por exemplo: índice de Apgar (PEREIRA, 2006). comparar o nível de saúde de diferentes populações, pois não
leva em consideração a idade dessas populações e para uma po-
- Coeficiente ou taxas: Relações entre o número de eventos pulação mais jovem estaria significando mortalidade prematura.
reais e o que poderia acontecer, sendo uma medida de risco de
adoecer ou morrer de determinada doença . Podemos conside- - Coeficiente de mortalidade infantil (CMI): é uma estimati-
rá-lo uma medida de probabilidade. No cálculo dos coeficientes, va do risco que as crianças nascidas vivas têm de morrer antes
deve-se tomar o cuidado de excluir no denominador as pessoas de completar um ano de idade . É considerado um indicador sen-
não expostas ao risco. Dessa forma, geralmente, o denomina- sível das condições de vida e saúde de uma comunidade.
dor do coeficiente representa a população exposta ao risco de
sofrer o evento que está no numerador (KERR-PONTES E ROU- O coeficiente de mortalidade infantil pode ainda ser divi-
QUAYROL, 2003; PEREIRA, 2006) . dido em coeficiente de mortalidade neonatal (óbitos de 0 a 27
dias inclusive), coeficiente de mortalidade pós-neonatal ou in-
Exceções são o coeficiente de mortalidade infantil – CMI – e fantil tardia (óbitos de 28 dias a 364 dias inclusive) em relação
de mortalidade materna – CMM – para os quais o denominador ao total de nascidos vivos (por 1000).
utilizado (nascidos vivos) é uma estimativa tanto do número de
menores de 1 ano, como de gestantes, parturientes e puérperas - Coeficiente de mortalidade materna: representa o risco de
expostos ao risco do evento óbito. No caso do Coeficiente de óbitos por causas ligadas à gestação, ao parto ou ao puerpério
Mortalidade Infantil, alguns nascidos vivos do ano anterior não (42 dias após o término da gestação), sendo um indicador da
fazem parte do denominador, apesar de ainda terem menos de qualidade de assistência à gestação e ao parto numa comuni-
um ano de vida no ano em estudo dos óbitos. No entanto, o ter- dade. Para fins de comparação internacional, somente as mor-
mo “coeficiente” já está consolidado para ambos os indicadores. tes que ocorrem até 42 dias após o parto entram no cálculo do
coeficiente.
Coeficientes mais utilizados na área da saúde: De acordo
com Soares (2001); Kerr-Pontes e Rouquayrol (2003) e Pereira - Coeficiente de mortalidade por doenças transmissíveis: é
(2006) os coeficientes mais utilizados na área da saúde baseiam- uma estimativa do risco da população morrer por doenças in-
-se em dados sobre doenças (morbidade) e sobre eventos vitais fecciosas e parasitárias (tuberculose, tétano, diarreia infeccio-
(nascimentos e mortes) . sa, aids, etc.), classificadas atualmente no Capítulo I da CID-10.
Quanto mais elevado o resultado deste coeficiente, piores as
Coeficientes de MORBIDADE (doenças) condições de vida.

- Coeficiente de incidência da doença: representa o risco de Além destes coeficientes, temos o Coeficiente de natalidade
ocorrência (casos novos) de uma doença na população. e de fecundidade. Enquanto o coeficiente de natalidade está re-
lacionado com o tamanho da população, o de fecundidade está
- Coeficiente de prevalência da doença: representa o núme- relacionado com o número de mulheres em idade fértil. Por isso,
ro de casos presentes (novos + antigos) em uma determinada é comum a fecundidade ser expressa também em média de fi-
comunidade num período de tempo especificado lhos por mulher (por exemplo: 2,5 filhos por mulher).

Quanto maior a duração média da doença, maior será a di- Para finalizar, deve-se considerar que os indicadores de
ferença entre a prevalência e a incidência. A prevalência é ainda medidas do nível de saúde baseiam-se em números que repre-
afetada por casos que imigram (entram) na comunidade e por sentam pessoas que vivem em determinada comunidade, que
casos que saem (emigram), por curas e por óbitos . nasceram, adoeceram ou morreram .

34
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

Além de servirem para avaliar o nível de saúde de uma co- de saúde da população e a organização e execução de práticas
munidade, esses indicadores medem, indiretamente, seu nível de saúde adequadas ao enfrentamento dos problemas existen-
de vida (condições de moradia, nutrição, etc.). tes .
É composta pelas ações de vigilância, promoção, prevenção
É importante ressaltar, ainda, que os indicadores de saúde e controle de doenças e agravos à saúde, devendo constituir-se
refletem “médias” do que está acontecendo em uma popula- em um espaço de articulação de conhecimentos e técnicas vin-
ção. Dessa forma, é indispensável considerar que um indicador dos da epidemiologia, do planejamento e das ciências sociais, é,
“médio” pode estar, na realidade, camuflando importantes de- pois, referencial para mudanças do modelo de atenção. Deve es-
sigualdades no interior dessas populações e outras formas de tar inserida cotidianamente na prática das equipes de saúde de
“medir” saúde (como as entrevistas com lideranças comunitá- Atenção Básica. As equipes Saúde da Família, a partir das ferra-
rias, a observação da realidade, a desagregação dos indicadores mentas da vigilância, desenvolvem habilidades de programação
em níveis geográficos menores) também devem ser buscadas, e planejamento, de maneira a organizar ações programadas e de
simultaneamente à análise desses indicadores de saúde tradi- atenção a demanda espontânea, que garantam o acesso da po-
cionais . (SANTOS, 2001, p . 208) pulação em diferentes atividades e ações de saúde e, desta ma-
neira, gradativamente impacta sobre os principais indicadores
Desta maneira, a epidemiologia deve fazer parte do plane- de saúde, mudando a qualidade de vida daquela comunidade.
jamento e da organização de ações e serviços de saúde, e tam- O conceito de Vigilância em Saúde inclui: a vigilância e
bém destacar alguns instrumentos para serem utilizados cotidia- controle das doenças transmissíveis; a vigilância das doenças e
namente, principalmente relacionados ao diagnóstico de saúde. agravos não transmissíveis; a vigilância da situação de saúde, vi-
Fonte: https://www.portaleducacao.com.br/conteudo/arti- gilância ambiental em saúde, vigilância da saúde do trabalhador
gos/enfermagem/indicadores-de-saude-no-brasil/44279 e a vigilância sanitária.
Este conceito procura simbolizar, na própria mudança de
denominação, uma nova abordagem, mais ampla do que a tradi-
VIGILÂNCIA EM SAÚDE. cional prática de vigilância epidemiológica, tal como foi efetiva-
mente constituída no país, desde a década de 70. Em um grande
número de doenças transmissíveis, para as quais se dispõe de
Vigilância em Saúde instrumentos eficazes de prevenção e controle, o Brasil tem co-
lecionado êxitos importantes.
A Atenção Básica (AB), como primeiro nível de atenção do Esse grupo de doenças encontra-se em franco declínio, com
Sistema Único de Saúde (SUS), caracteriza-se por um conjunto reduções drásticas de incidência. Entretanto, algumas dessas
de ações no âmbito individual e coletivo, que abrange a promo- doenças apresentam quadro de persistência, ou de redução,
ção e proteção da saúde, a prevenção de agravos, o diagnóstico, ainda recente, configurando uma agenda inconclusa nessa área,
o tratamento, a reabilitação e visa à manutenção da saúde. Deve sendo necessário o fortalecimento das novas estratégias, recen-
ser desenvolvida por equipes multiprofissionais, de maneira a temente adotadas, que obrigatoriamente impõem uma maior
desenvolver responsabilidade sanitária sobre as diferentes co- integração entre as áreas de prevenção e controle e à rede
munidades adscritas à territórios bem delimitados, deve consi- assistencial . Um importante foco da ação de controle desses
derar suas características sócio-culturais e dinamicidade e, de agravos está voltado para o diagnóstico e tratamento das pes-
maneira programada, organizar atividades voltadas ao cuidado soas doentes, visando à interrupção da cadeia de transmissão,
longitudinal das famílias da comunidade . onde grande parte das ações encontra-se no âmbito da Aten-
A Saúde da Família é a estratégia para organização da Aten- ção Básica/Saúde da Família. Além da necessidade de promover
ção Básica no SUS. ações de prevenção e controle das doenças transmissíveis, que
Propõe a reorganização das práticas de saúde que leve em mantém importante magnitude e/ou transcendência em nosso
conta a necessidade de adequar as ações e serviços à realidade país, é necessário ampliar a capacidade de atuação para novas
da população em cada unidade territorial, definida em função situações que se colocam sob a forma de surtos ou devido ao
das características sociais, epidemiológicas e sanitárias. Busca surgimento de doenças inusitadas. Para o desenvolvimento da
uma prática de saúde que garanta a promoção à saúde, à conti- prevenção e do controle, em face dessa complexa situação epi-
nuidade do cuidado, a integralidade da atenção, a prevenção e, demiológica, têm sido fortalecidas estratégias específicas para
em especial, a responsabilização pela saúde da população, com detecção e resposta às emergências epidemiológicas.
ações permanentes de vigilância em saúde. Outro ponto importante está relacionado às profundas
Na Saúde da Família, os profissionais realizam o cadastra- mudanças nos perfis epidemiológicos das populações ao longo
mento domiciliar, diagnóstico situacional e ações dirigidas à so- das últimas décadas, nos quais se observa declínio das taxas de
lução dos problemas de saúde, de maneira pactuada com a co- mortalidade por doenças infecciosas e parasitárias e crescen-
munidade, buscando o cuidado dos indivíduos e das famílias. A te aumento das mortes por causas externas e pelas doenças
atuação desses profissionais não está limitada à ação dentro da crônico-degenerativas, levando a discussão da incorporação das
Unidade Básica de Saúde (UBS), ela ocorre também nos domi- doenças e agravos não-transmissíveis ao escopo das atividades
cílios e nos demais espaços comunitários (escolas, associações, da vigilância epidemiológica.
entre outros) . Vigilância Epidemiológica é um “conjunto de ações que pro-
A Vigilância em Saúde, entendida como uma forma de pen- porciona o conhecimento, a detecção ou prevenção de qualquer
sar e agir, tem como objetivo a análise permanente da situação mudança nos fatores determinantes e condicionantes da saúde

35
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

individual ou coletiva, com a finalidade de recomendar e adotar ção da saúde dos trabalhadores, assim como visa à recuperação
as medidas de prevenção e controle das doenças ou agravos”. e reabilitação da saúde dos trabalhadores submetidos aos riscos
O propósito da Vigilância Epidemiológica é fornecer orien- e agravos advindos das condições de trabalho, abrangendo en-
tação técnica permanente para os que têm a responsabilidade tre outros: (1) assistência ao trabalhador vítima de acidentes de
de decidir sobre a execução de ações de controle de doenças e trabalho ou portador de doença profissional e do trabalho; (2)
agravos. Sua operacionalização compreende um ciclo completo participação em estudos, pesquisas, avaliação e controle dos ris-
de funções específicas e articuladas, que devem ser desenvolvi- cos e agravos potenciais à saúde existentes no processo de tra-
das de modo contínuo, permitindo conhecer, a cada momento, balho; (3) informação ao trabalhador e à sua respectiva entidade
o comportamento epidemiológico da doença ou agravo escolhi- sindical e às empresas sobre os riscos de acidentes de trabalho,
do como alvo das ações, para que as intervenções pertinentes doença profissional e do trabalho, bem como os resultados de
possam ser desencadeadas com oportunidade e efetividade. fiscalizações, avaliações ambientais e exames de saúde, de ad-
Tem como função coleta e processamento de dados; análise missão, periódicos e de demissão, respeitados os preceitos da
e interpretação dos dados processados; investigação epidemio- ética profissional.
lógica de casos e surtos; recomendação e promoção das medi- Outro aspecto fundamental da vigilância em saúde é o cui-
das de controle adotadas, impacto obtido, formas de prevenção dado integral à saúde das pessoas por meio da Promoção da
de doenças, dentre outras. Corresponde à vigilância das doen- Saúde. A Promoção da Saúde é compreendida como estratégia
ças transmissíveis (doença clinicamente manifesta, do homem de articulação transversal, à qual incorpora outros fatores que
ou dos animais, resultante de uma infecção) e das doenças e colocam a saúde da população em risco trazendo à tona as di-
agravos não transmissíveis (não resultante de infecção). É na ferenças entre necessidades, territórios e culturas presentes no
Atenção Básica / Saúde da Família o local privilegiado para o país. Visa criar mecanismos que reduzam as situações de vulne-
desenvolvimento da vigilância epidemiológica. A Vigilância da rabilidade, defendam a equidade e incorporem a participação e
Situação de Saúde desenvolve ações de monitoramento contí- o controle social na gestão das políticas públicas.
nuo do país/estado/região/município/equipes, por meio de es- Nesse sentido, a Política Nacional de Promoção da Saúde
tudos e análises que revelem o comportamento dos principais prevê que a organização da atenção e do cuidado deve envolver
indicadores de saúde, dando prioridade a questões relevantes e ações e serviços que operem sobre os determinantes do adoe-
contribuindo para um planejamento de saúde mais abrangente. cer e que vão além dos muros das unidades de saúde e do pró-
As ações de Vigilância em Saúde Ambiental, estruturadas a prio sistema de saúde. O objetivo dessa política é promover a
partir do Sistema Nacional de Vigilância em Saúde Ambiental, qualidade de vida e reduzir a vulnerabilidade e riscos à saúde
estão centradas nos fatores não-biológicos do meio ambiente relacionados aos seus determinantes e condicionantes – modos
que possam promover riscos à saúde humana: água para consu- de viver, condições de trabalho, habitação, ambiente, educação,
mo humano, ar, solo, desastres naturais, substâncias químicas, lazer, cultura e acesso a bens e serviços essenciais. Tem como
acidentes com produtos perigosos, fatores físicos e ambiente de ações específicas: alimentação saudável, prática corporal/ati-
trabalho . Nesta estrutura destaca-se: vidade física, prevenção e controle do tabagismo, redução da
(1) A Vigilância em Saúde Ambiental Relacionada à Quali- morbimortalidade em decorrência do uso de álcool e outras
dade da Água para Consumo Humano (VIGIAGUA) consiste no drogas, redução da morbimortalidade por acidentes de trânsito,
conjunto de ações adotadas continuamente pelas autoridades prevenção da violência e estímulo à cultura da paz, além da pro-
de saúde pública para garantir que a água consumida pela popu- moção do desenvolvimento sustentável.
lação atenda ao padrão e às normas estabelecidas na legislação Pensar em Vigilância em Saúde pressupõe a não dissocia-
vigente e para avaliar os riscos que a água consumida representa ção com a Vigilância Sanitária . A Vigilância Sanitária é entendida
para a saúde humana. Suas atividades visam, em última instân- como um conjunto de ações capazes de eliminar, diminuir ou
cia, a promoção da saúde e a prevenção das doenças de trans- prevenir riscos à saúde e de intervir nos problemas sanitários
missão hídrica; decorrentes do meio ambiente, da produção e circulação de
(2) À Vigilância em Saúde Ambiental de Populações Poten- bens e da prestação de serviços de interesse da saúde. (BRASIL,
cialmente Expostas a Solo Contaminado (VIGISOLO) compete 1990)
recomendar e adotar medidas de promoção à saúde ambiental, Abrange:
prevenção e controle dos fatores de risco relacionados às doen- (1) o controle de bens de consumo que, direta ou indire-
ças e outros agravos à saúde decorrentes da contaminação por tamente, se relacionem com a saúde, compreendidas todas as
substâncias químicas no solo; etapas e processos, da produção ao consumo;
(3) A Vigilância em Saúde Ambiental Relacionada à Qualida- (2) o controle da prestação de serviços que se relacionam
de do Ar (VIGIAR) tem por objetivo promover a saúde da popula- direta ou indiretamente com a saúde.
ção exposta aos fatores ambientais relacionados aos poluentes Neste primeiro caderno, elegeu-se como prioridade o for-
atmosféricos - provenientes de fontes fixas, de fontes móveis, de talecimento da prevenção e controle de algumas doenças de
atividades relativas à extração mineral, da queima de biomassa maior prevalência, assim como a concentração de esforços para
ou de incêndios florestais - contemplando estratégias de ações a eliminação de outras, que embora de menor impacto epide-
intersetoriais . miológico, atinge áreas e pessoas submetidas às desigualdades
Outra área que se incorpora nas ações de vigilância em saú- e exclusão.
de é a saúde do trabalhador que entende-se como sendo um O Caderno de Atenção Básica Vigilância em Saúde Volume1,
conjunto de atividades que se destina, através das ações de vigi- visa contribuir para a compreensão da importância da integra-
lância epidemiológica e vigilância sanitária, à promoção e prote- ção entre as ações de Vigilância em Saúde e demais ações de

36
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

saúde, universo do processo de trabalho das equipes de Aten- um processo de coleta e sistematização de dados demográficos,
ção Básica/Saúde da Família, visando a garantia da integralida- socioeconômicos, político-culturais, epidemiológicos e sanitá-
de do cuidado. São enfocadas ações de vigilância em saúde na rios que, posteriormente, devem ser interpretados e atualizados
Atenção Básica, no tocante aos agravos: dengue, esquistosso- periodicamente pela equipe de saúde.
mose, hanseníase, malária, tracoma e tuberculose . Integrar implica discutir ações a partir da realidade local;
aprender a olhar o território e identificar prioridades assumindo
1.1 Processo De Trabalho Da Atenção Básica E Da Vigilância o compromisso efetivo com a saúde da população. Para isso, o
Em Saúde ponto de partida é o processo de planejamento e programação
conjunto, definindo prioridades, competências e atribuições a
Apesar dos inegáveis avanços na organização da Atenção partir de uma situação atual reconhecida como inadequada tan-
Básica ocorrida no Brasil na última década e a descentralização to pelos técnicos quanto pela população, sob a ótica da qualida-
das ações de Vigilância em Saúde, sabe-se que ainda persistem de de vida.
vários problemas referentes à gestão e organização dos serviços
de saúde que dificultam a efetiva integração da Atenção Bási- 1 .3 Planejamento E Programação
ca e a Vigilância em Saúde, comprometendo a integralidade do
cuidado . Planejar e programar em um território específico exige um
Para qualificar a atenção à saúde a partir do princípio da conhecimento das formas de organização e de atuação dos ór-
integralidade é fundamental que os processos de trabalho se- gãos governamentais e não-governamentais para se ter clareza
jam organizados com vistas ao enfrentamento dos principais do que é necessário e possível ser feito. É importante o diálogo
problemas de saúde-doença da comunidade, onde as ações de permanente com os representantes desses órgãos, com os gru-
vigilância em saúde devem estar incorporadas no cotidiano das pos sociais e moradores, na busca do desenvolvimento de ações
equipes de Atenção Básica/Saúde da Família. intersetoriais oportunizando a participação de todos. Isso é ado-
Um dos sentidos atribuídos ao princípio da Integralidade tar a intersetorialidade como estratégia fundamental na busca
na construção do SUS refere ao cuidado de pessoas, grupos e da integralidade da atenção .
coletividades, percebendo-os como sujeitos históricos, sociais e Faz-se necessário o fortalecimento das estruturas gerenciais
políticos, articulados aos seus contextos familiares, ao meio-am- dos municípios e estados com vistas não só ao planejamento e
biente e a sociedade no qual se inserem. (NIETSCHE EA, 2000) programação, mas também da supervisão, seja esta das equi-
Para a qualidade da atenção, é fundamental que as equipes pes, dos municípios ou regionais . Instrumentos de gestão como
busquem a integralidade nos seus vários sentidos e dimensões, processos de acompanhamento, monitoramento e avaliação de-
como: propiciar a integração de ações programáticas e demanda vem ser institucionalizados no cotidiano como reorientador das
espontânea; articular ações de promoção à saúde, prevenção de práticas de saúde.
agravos, vigilância à saúde, tratamento, reabilitação e manuten- Os Sistemas de Informações de Saúde desempenham papel
ção da saúde; trabalhar de forma interdisciplinar e em equipe; relevante para a organização dos serviços, pois os estados e os
coordenar o cuidado aos indivíduos-família-comunidade; inte- municípios de posse das informações em saúde têm condições
grar uma rede de serviços de maior complexidade e, quando de adotar de forma ágil, medidas de controle de doenças, bem
necessário, coordenar o acesso a esta rede . como planejar ações de promoção, proteção e recuperação da
Para a integralidade do cuidado, fazem-se necessárias mu- saúde, subsidiando a tomada de decisões.
danças na organização do processo de trabalho em saúde, pas- É fundamental o uso de protocolos assistenciais que preve-
sando a Atenção Básica/Saúde da Família a ser o lócus principal jam ações de promoção, prevenção, recuperação e reabilitação,
de desenvolvimento dessas ações. que são dirigidos aos problemas mais frequentes da população .
Tais protocolos devem incluir a indicação da continuidade da
1 .2 O Território atenção, sob a lógica da regionalização, flexíveis em função dos
contextos estaduais, municipais e locais. Alia-se a importância
Os sistemas de saúde devem se organizar sobre uma base de adotar o processo de Educação Permanente em Saúde na for-
territorial, onde a distribuição dos serviços segue uma lógica de mação e qualificação das equipes, cuja missão é ter capacidade
delimitação de áreas de abrangência . para resolver os problemas que lhe são apresentados, ainda que
O território em saúde não é apenas um espaço delimitado a solução extrapole aquele nível de atenção (da resolubilidade,
geograficamente, mas sim um espaço onde as pessoas vivem, da visão das redes de atenção) e a necessidade de criar meca-
estabelecem suas relações sociais, trabalham e cultivam suas nismos de valorização do trabalho na atenção básica seja pelos
crenças e cultura . incentivos formais, seja pela co-gestão (participação no proces-
A territorialização é base do trabalho das Equipes de Saúde so decisório) .
da Família (ESF) para a prática da Vigilância em Saúde. O funda- Finalmente, como forma de democratizar a gestão e aten-
mental propósito deste processo é permitir eleger prioridades der as reais necessidades da população é essencial a constitui-
para o enfrentamento dos problemas identificados nos terri- ção de canais e espaços que garantam a efetiva participação da
tórios de atuação, o que refletirá na definição das ações mais população e o controle social .
adequadas, contribuindo para o planejamento e programação
local . Para tal, é necessário o reconhecimento e mapeamento
do território: segundo a lógica das relações e entre condições de
vida, saúde e acesso às ações e serviços de saúde. Isso implica

37
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

1.4 Sistema De Informação De Agravos De Notificação – Si- Dados dos Inquéritos de Tracoma, embora não seja doen-
nan ça de notificação compulsória no país devem ser registrados no
Sinan - versão NET, por ser considerada de interesse nacional .
A informação é instrumento essencial para a tomada de de- A população sob vigilância corresponde a todas as pessoas
cisões, ferramenta imprescindível à Vigilância em Saúde, por ser residente no país. Cada município deve notificar casos detecta-
o fator desencadeador do processo “informação-decisão-ação”. dos em sua área de abrangência, sejam eles residentes ou não
O Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan) nesse município .
foi desenvolvido no início da década de 90, com objetivo de pa- As unidades notificantes são, geralmente, aquelas que
dronizar a coleta e processamento dos dados sobre agravos de prestam atendimento ao Sistema Único de Saúde, incluindo as
notificação obrigatória em todo o território nacional. Construído Unidades Básicas de Saúde/Unidades de Saúde da Família. Os
de maneira hierarquizada, mantendo coerência com a organi- profissionais de saúde no exercício da profissão, bem como os
zação do SUS, pretende ser suficientemente ágil na viabilização responsáveis por organizações e estabelecimentos públicos e
de análises de situações de saúde em curto espaço de tempo. particulares de saúde e ensino, têm a obrigação de comunicar
O Sinan fornece dados para a análise do perfil da morbidade e aos gestores do Sistema Único de Saúde a ocorrência de casos
contribui para a tomada de decisões nos níveis municipal, esta- suspeito/confirmados dos agravos listados na LNDC.
dual e federal . Seu uso foi regulamentado por meio da Portaria O Sinan permite a coleta, processamento, armazenamento
GM/MS nº. 1.882, de 18 de dezembro de 1997, quando se tor- e análise dos dados desde a unidade notificante, sendo adequa-
nou obrigatória a alimentação regular da base de dados nacional do à descentralização de ações, serviços e gestão de sistemas
pelos municípios, estados e Distrito Federal, e o Ministério da de saúde. Se a Secretaria Municipal de Saúde for informatizada,
Saúde foi designado como gestor nacional do sistema. todos os casos notificados pelo município devem ser digitados,
O Sinan é atualmente alimentado, principalmente, pela no- independente do local de residência . Contudo, caso as unidades
tificação e investigação de casos de doenças e agravos que cons- de saúde não disponham de microcomputadores, o sistema in-
tam da Lista Nacional de Doenças de Notificação Compulsória formatizado pode ser operacionalizado a partir das secretarias
em todo Território Nacional - LDNC, conforme Portaria SVS/MS municipais, das regionais e da secretaria de estado de saúde.
nº . 05, de 21/02/2006, podendo os estados e municípios incluir As unidades notificantes enviam semanalmente as fichas de
outros problemas de saúde pública, que considerem importan- notificação/ investigação ou, se for informatizada, o arquivo de
tes para a sua região . transferência de dados por meio eletrônico para as secretarias
municipais de saúde, que enviam os arquivos de transferência
1.5 Ficha De Notificação Individual de dados, pelo menos uma vez por semana, à regional de saúde
ou Secretaria de Estado da Saúde. Os municípios que não têm
É o documento básico de coleta de dados, que inclui dados implantado o processamento eletrônico de dados pelo Sinan
sobre a identificação e localização do estabelecimento notifican- encaminham as fichas de notificação/investigação e seguem o
te, identificação, características socioeconômicas, local da resi- mesmo fluxo descrito anteriormente. A SES envia os dados para
dência do paciente e identificação do agravo notificado. o Ministério da Saúde, por meio eletrônico, pelo menos uma vez
Essa ficha é utilizada para notificar um caso a partir da sus- por semana .
peição do agravo, devendo ser encaminhada para digitação após Dentre as atribuições de cada nível do sistema cabe a todos
o seu preenchimento, independentemente da confirmação do efetuar análise da qualidade dos dados, como verificar a duplici-
diagnóstico, por exemplo: notificar um caso de dengue a partir dade de registros, completitude dos campos e consistência dos
da suspeita de um caso que atenda os critérios estabelecidos na dados, análises epidemiológicas e divulgação das informações.
definição de caso. No entanto, cabe somente ao primeiro nível informatizado a
A ficha de investigação contém, além dos dados da notifica- complementação de dados, correção de inconsistências e vincu-
ção, dados referentes aos antecedentes epidemiológicos, dados lação/exclusão de duplicidades e exclusão de registros.
clínicos e laboratoriais específicos de cada agravo e dados da As bases de dados geradas pelo Sinan são armazenadas
conclusão da investigação. pelo gerenciador de banco de dados PostgreSQL ou Interbase .
A impressão, controle da pré-numeração e distribuição das Para analisá-las utilizando programas informatizados tais como
fichas de notificação e de investigação para os municípios são de o SPSS, o Tabwin e o Epi Info, é necessário exportá-las para o
responsabilidade da Secretaria Estadual de Saúde, podendo ser formato DBF. Esse procedimento é efetuado em todos os níveis,
delegada à Secretaria Municipal de Saúde. utilizando rotina própria do sistema.
Os instrumentos de coleta padronizados pelo Ministério da Com o objetivo de divulgar dados, propiciar a análise da sua
Saúde são específicos para cada agravo de notificação compul- qualidade e o cálculo de indicadores por todos os usuários do
sória, e devem ser utilizados em todas as unidades federadas. sistema e outros interessados, a Secretaria de Vigilância em Saú-
Para os agravos hanseníase e tuberculose são coletados de – SVS do Ministério da Saúde criou um site do Sinan que pode
ainda dados de acompanhamento dos casos. As notificações de ser acessado pelo endereço www.saude.gov.br/svs - sistemas de
malária e esquistossomose registradas no Sinan correspondem informações ou www.saude.gov.br/sinanweb. Nessa página es-
àquelas identificadas fora das respectivas regiões endêmicas. tão disponíveis:
Esses agravos quando notificados em local onde são endêmicos • Relatórios gerenciais;
devem ser registrados em sistemas específicos. • Relatórios epidemiológicos por agravo;

38
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

• Documentação do sistema (Dicionários de dados - descri- 1.7 O Trabalho Da Equipe Multiprofissional


ção dos campos das fichas e das características da variável cor-
respondente nas bases de dados); Os diferentes profissionais das equipes de saúde da Aten-
• Fichas de notificação e de investigação de cada agravo; ção Básica/Saúde da Família têm importante papel e contribui-
• Instrucionais para preenchimento das Fichas; ção nas ações de Vigilância em Saúde. As atribuições específicas
• Manuais de uso do sistema; dos profissionais da Atenção Básica, já estão definidas na Políti-
• Cadernos de análise da qualidade das bases de dados e ca Nacional de Atenção Básica (PNAB).
cálculo de indicadores epidemiológicos e operacionais; Como atribuição comum a todos os profissionais das equi-
• Produção - acompanhamento do recebimento pelo Minis- pes, descreve-se:
tério da Saúde dos arquivos de transferência de cada UF; • Garantir atenção integral e humanizada à população ads-
• Base de dados - uso da ferramenta TabNet para tabulação crita;
de dados de casos confirmados notificados no Sinan a partir de • Realizar tratamento supervisionado, quando necessário;
2001 . • Orientar o usuário/família quanto à necessidade de con-
cluir o tratamento;
1 .6 Sinan NET • Acompanhar os usuários em tratamento;
• Prestar atenção contínua, articulada com os demais níveis
Novo aplicativo desenvolvido pela SVS/MS em conjunto ao de atenção, visando o cuidado longitudinal (ao longo do tempo);
DATASUS, objetiva modificar a lógica de produção de informação • Realizar o cuidado em saúde da população adscrita, no
para a de análise em níveis cada vez mais descentralizados do âmbito da unidade de saúde, no domicílio e nos demais espa-
sistema de saúde. Subsidia a construção de sistemas de vigilân- ços comunitários (escolas, associações, entre outros), quando
cia epidemiológica de base territorial, que esteja atento ao que necessário;
ocorre em toda sua área de atuação . Possibilita ao município • Construir estratégias de atendimento e priorização de
que estiver interligado à internet, a transmissão dos dados das
populações mais vulneráveis, como exemplo: população de rua,
fichas de notificação diariamente às demais esferas de governo,
ciganos, quilombolas e outras;
fazendo com que esses dados estejam disponíveis em tempo
• Realizar visita domiciliar a população adscrita, conforme
oportuno, às três esferas de governo.
planejamento assistencial;
Já os dados das fichas de investigação somente serão trans-
• Realizar busca ativa de novos casos e convocação dos fal-
mitidos quando for encerrado o processo de investigação, con-
tosos;
seguindo dessa forma, separar essas duas etapas .
• Notificar casos suspeitos e confirmados, conforme fichas
Outras rotinas, como o fluxo de retorno, serão implemen-
anexas;
tadas, permitindo que o município de residência tenha na sua
base de dados todos os casos, independentemente do local • Preencher relatórios/livros/fichas específicos de registro e
onde foram notificados. A base de dados foi preparada para acompanhamento dos agravos/doenças, de acordo com a rotina
georreferenciar os casos notificados naqueles municípios que da UBS;
desejem trabalhar com geoprocessamento de dados . • Alimentar e analisar dados dos Sistemas de Informação
A utilização efetiva do Sinan possibilita a realização do em Saúde – Sistema de Informação da Atenção Básica (SIAB),
diagnóstico dinâmico da ocorrência de um evento na popula- Sistema de Informação de Mortalidade (SIM), Sistema de Infor-
ção; podendo fornecer subsídios para explicações causais dos mação de Nascidos Vivos (SINASC), Sistema de Informação de
agravos de notificação compulsória, além de vir a indicar riscos Agravos de Notificação (Sinan) e outros para planejar, programar
aos quais as pessoas estão sujeitas, contribuindo assim, para a e avaliar as ações de vigilância em saúde;
identificação da realidade epidemiológica de determinada área • Desenvolver ações educativas e de mobilização da comu-
geográfica. nidade relativas ao controle das doenças/agravos em sua área
O desafio não só para o Sinan, mas para todos os demais de abrangência;
sistemas de informação de saúde no Brasil, é criar uma interface • Orientar a comunidade quanto ao uso de medidas de pro-
de comunicação entre si descaracterizando-os como um sistema teção individual e familiar para a prevenção de doenças/agravos;
cartorial de registro, para se transformar em sistemas ágeis que • Mobilizar a comunidade para desenvolver medidas sim-
permitam desencadear ações imediatas e realizar análises em ples de manejo ambiental para o controle de vetores;
tempo oportuno . • Articular e viabilizar as medidas de controle vetorial e ou-
O uso sistemático dos dados gerados pelo Sistema, de for- tras ações de proteção coletiva;
ma descentralizada, contribui para a democratização da infor- • Identificar possíveis problemas e surtos relacionados à
mação, permitindo que todos os profissionais de saúde tenham qualidade da água, em nível local como a situação das fontes de
acesso à informação e a disponibilize para a comunidade. É, por- abastecimento e de armazenamento da água e a variação na in-
tanto, um instrumento relevante para auxiliar o planejamento cidência de determinadas doenças que podem estar associadas
da saúde, definir prioridades de intervenção, além de possibili- à qualidade da água;
tar que sejam avaliados os impactos das intervenções. • Identificar a disposição inadequada de resíduos, indus-
triais ou domiciliares, em áreas habitadas; a armazenagem ina-
dequada de produtos químicos tóxicos (inclusive em postos de
gasolina) e a variação na incidência de doenças potencialmente
relacionadas a intoxicação;

39
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

• Identificar a poluição do ar derivada de indústrias, auto- - Orientar a comunidade quanto ao uso de medidas de prote-
móveis, queimadas, inclusive nas situações intra-domiciliares ção individual e familiar para a prevenção de doença;
(fumaça e poeira) e as variações na incidência de doenças, prin- - Mobilizar a comunidade para desenvolver medidas simples
cipalmente as morbidades respiratórias e cardiovasculares, que de manejo ambiental para o controle de vetores;
podem estar associadas à poluição do ar. - Planejar/programar as ações de controle das doenças/agra-
Na organização da atenção, o Agente Comunitário de Saú- vos em conjunto ao ACE e equipe da Atenção Básica/Saúde da
de (ACS) e o Agente de Controle de Endemias (ACE) desempe- Família .
nham papéis fundamentais, pois se constituem como elos entre
a comunidade e os serviços de saúde. Assim como os demais 1 .8 .2 Agente de Controle de Endemias – ACE
membros da equipe, tais agentes devem ter co-responsabiliza-
ção com a saúde da população de sua área de abrangência. Por - Identificar sinais e sintomas dos agravos/doenças e encami-
isso, devem desenvolver ações de promoção, prevenção e con- nhar os casos suspeitos para a Unidade de Saúde;
trole dos agravos, sejam nos domicílios ou nos demais espaços da - Acompanhar os usuários em tratamento e orientá-los
comunidade, e embora realizem ações comuns, há um núcleo de quanto à necessidade de sua conclusão;
atividades que é específico a cada um deles. - Desenvolver ações educativas e de mobilização da comu-
No processo de trabalho, estes dois atores, ACS e ACE, devem nidade relativas ao controle das doenças/agravos, em sua área
ser coresponsáveis pelo controle das endemias, integrando suas de abrangência;
atividades de maneira a potencializar o trabalho e evitar a duplici- - Orientar a comunidade quanto ao uso de medidas de pro-
dade das ações que, embora distintas, se complementam. teção individual e familiar para a prevenção de doenças;
Os gestores e as equipes de saúde devem definir claramente - Mobilizar a comunidade para desenvolver medidas sim-
os papéis, competências e responsabilidades de cada um destes ples de manejo ambiental para o controle de vetores;
agentes e, de acordo com a realidade local, definir os fluxos de - Realizar, quando indicado a aplicação de larvicidas/mo-
trabalho. Cada ACE deverá ficar como referência para as ações de luscocidas químicos e biológicos; a borrifação intradomiciliar de
vigilância de um número de ACS. Esta relação entre o número de efeito residual; e a aplicação espacial de inseticidas por meio de
ACE e de ACS será variável, pois, se baseará no perfil epidemioló- nebulizações térmicas e ultra-baixo-volume;
gico e nas demais características locais (como geografia, densida- - Realizar atividades de identificação e mapeamento de co-
de demográfica e outras). leções hídricas de importância epidemiológica;
Na divisão do trabalho entre os diferentes agentes, o ACS, - Planejar/programar as ações de controle das doenças/
após as visitas domiciliares e identificação dos problemas que não agravos em conjunto ao ACS e equipe da Atenção Básica/Saúde
poderão ser resolvidos por ele, deverá transmití-las ao ACE, seu da Família .
parceiro, que planejará conjuntamente as ações de saúde caso
a caso como, por exemplo, quando o ACS identificar uma caixa 1.8.3 Médico
d’água de difícil acesso ou um criadouro que necessite da utiliza-
ção de larvicida. - Diagnosticar e tratar precocemente os agravos/doenças,
O ACE deve ser incorporado nas atividades das equipes da conforme orientações, contidas neste caderno;
Atenção Básica/Saúde da Família, tomando como ponto de parti- - Solicitar exames complementares, quando necessário;
da sua participação no processo de planejamento e programação. - Realizar tratamento imediato e adequado, de acordo com
É importante que o ACE esteja vinculado a uma Unidade Básica esquema terapêutico definido neste caderno;
de Saúde, pois a efetiva integração das ações de controle está no - Encaminhar, quando necessário, os casos graves para a
processo de trabalho realizado cotidianamente. unidade de referência, respeitando os fluxos locais e mantendo-
Um dos fatores fundamentais para o êxito do trabalho é a -se responsável pelo acompanhamento;
integração das bases territoriais de atuação dos Agentes Comuni- - Realizar assistência domiciliar, quando necessário;
tários de Saúde (ACS) e Agentes de Controle de Endemias (ACE). O - Orientar os Auxiliares e técnicos de enfermagem, ACS e
gestor municipal, junto às equipes de saúde, deve organizar seus ACE para o acompanhamento dos casos em tratamento e/ou
serviços de saúde, e definir suas bases territoriais, de acordo com tratamento supervisionado;
sua realidade, perfil epidemiológico, aspectos geográficos, cultu- - Contribuir e participar das atividades de educação perma-
rais e sociais, entre outros . nente dos membros da equipe quanto à prevenção, manejo do
tratamento, ações de vigilância epidemiológica e controle das
1.8 Atribuições Específicas Dos Profissionais Da Atenção Bá- doenças;
sica/Saúde Da Família - Enviar mensalmente ao setor competente as informações
epidemiológicas referentes às doenças/agravo na área de atua-
1.8.1 Agente Comunitário de Saúde – ACS ção da UBS, analisar os dados para propor possíveis interven-
- Identificar sinais e sintomas dos agravos/doenças e encami- ções.
nhar os casos suspeitos para a Unidade de Saúde;
- Acompanhar os usuários em tratamento e orientá-lo quanto 1 .8 .4 Enfermeiro
à necessidade de sua conclusão; - Realizar consulta de enfermagem, solicitar exames com-
- Desenvolver ações educativas e de mobilização da comuni- plementares e prescrever medicações, conforme protocolos ou
dade relativas ao controle das doenças/agravos, em sua área de outras normativas técnicas estabelecidas pelo gestor municipal,
abrangência; observadas as disposições legais da profissão;

40
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

- Planejar, gerenciar, coordenar e avaliar as ações desenvol- ou informal e da regulação realizada pelo Estado, com foco nos
vidas pelos ACS; mecanismos institucionais de gestão do trabalho; por outro, as
- Realizar assistência domiciliar, quando necessário; questões da integralidade do cuidado e da autonomia dos su-
- Enviar mensalmente ao setor competente as informações jeitos, cujo foco de análise se desloca para o plano da interação
epidemiológicas referentes às doenças/agravo na área de atua- envolvendo a relação profissional - usuário ou as relações entre
ção da UBS e analisar os dados para possíveis intervenções; os profissionais (Nogueira, 2002). No que se refere especifica-
- Orientar os auxiliares/técnicos de enfermagem, ACS e ACE mente ao cuidado em saúde, destacam-se as contribuições do
para o acompanhamento dos casos em tratamento e/ou trata- estudo sobre o trabalho vivo em ato (Merhy, 1997, 2002; Merhy
mento supervisionado; & Chakhour, 1997) e sobre a intersubjetividade e a prática dialó-
- Contribuir e participar das atividades de educação perma- gica (Ayres, 2001, 2002).
nente dos membros da equipe quanto à prevenção, manejo do
tratamento, ações de vigilância epidemiológica e controle das Assim, na atualidade, o conceito ‘processo de trabalho em
doenças . saúde’ é utilizado no estudo dos processos de trabalho espe-
1.8.5 Auxiliar/Técnico de Enfermagem cíficos das diferentes áreas que compõem o campo da saúde,
permitindo sua abordagem como práticas sociais para além de
- Participar das atividades de assistência básica, realizando áreas profissionais especializadas. Também é utilizado nas pes-
procedimentos regulamentados para o exercício de sua profis- quisas e intervenções sobre atenção à saúde, gestão em saúde,
são; modelos assistenciais, trabalho em equipe de saúde, cuidado
- Realizar assistência domiciliar, quando necessária; em saúde e outros temas, permitindo abordar tanto aspectos
- Realizar tratamento supervisionado, quando necessário, estruturais como aspectos relacionados aos agentes e sujeitos
conforme orientação do enfermeiro e/ou médico . da ação, pois é nesta dinâmica que se configuram os processos
de trabalho .
1.8.6 Cirurgião Dentista, Técnico em Higiene Dental – THD e
Auxiliar de Consultório Dentário – ACD Questões bem atuais referentes ao ‘processo de trabalho
em saúde’ abordam as mudanças do mundo do trabalho que
- Identificar sinais e sintomas dos agravos/doenças e enca- se iniciam em meados dos anos 70 e suas repercussões no se-
minhar os casos suspeitos para consulta; tor saúde, particularmente: a crescente incorporação tecnológi-
- Desenvolver ações educativas e de mobilização da comu- ca, o desemprego estrutural, a flexibilização e precarização do
nidade relativas ao controle das doenças/agravos em sua área trabalho, entre outros fenômenos que ocorrem no mundo do
de abrangência; trabalho em geral e se reproduzem no setor saúde com especi-
- Participar da capacitação dos membros da equipe quanto ficidades (Peduzzi, 2003; Nogueira, Baraldi & Rodrigues, 2004;
à prevenção, manejo do tratamento, ações de vigilância epide- Antunes, 2005b) .
miológica e controle das doenças; Fonte: http://www.sites.epsjv.fiocruz.br/dicionario/verbe-
- Orientar a comunidade quanto ao uso de medidas de pro- tes/protrasau .html
teção individual e familiar para a prevenção de doenças.
FORMAÇÃO E EDUCAÇÃO EM SAÚDE.

PROCESSOS DE TRABALHO EM SAÚDE, GESTÃO DE


SISTEMA DE SAÚDE. O MS define educação em saúde como:
Processo educativo de construção de conhecimentos em
saúde que visa à apropriação temática pela população [...]. Con-
junto de práticas do setor que contribui para aumentar a auto-
O estudo do ‘processo de trabalho em saúde’ representou nomia das pessoas no seu cuidado e no debate com os profis-
desde sua origem e continua representando importante abor- sionais e os gestores a fim de alcançar uma atenção de saúde de
dagem teórico-conceitual para as questões sobre recursos hu- acordo com suas necessidades 2 .
manos em saúde. Segundo Nogueira (2002), a noção clássica de As práticas de educação em saúde envolvem três segmen-
trabalho e de processo de trabalho constitui relevante categoria tos de atores prioritários: os profissionais de saúde que valori-
interpretativa nos estudos sobre recursos humanos em saúde. zem a prevenção e a promoção tanto quanto as práticas curati-
Nesse sentido, destaca-se o Projeto Capacitação em Desenvolvi- vas; os gestores que apoiem esses profissionais; e a população
mento de Recursos Humanos de Saúde – CADRHU –, implantado que necessita construir seus conhecimentos e aumentar sua
em 1987, que, em sua primeira unidade didática, previa a carac- autonomia nos cuidados, individual e coletivamente. Embora a
terização da problemática de recursos humanos de saúde como definição do MS apresente elementos que pressupõem essa in-
parte do processo produtivo do setor saúde, em especial, como teração entre os três segmentos das estratégias utilizadas para o
processo de trabalho (Santana & Castro, 1999). desenvolvimento desse processo, ainda existe grande distância
entre retórica e prática.
A partir dos anos 90, um conjunto de questões novas es-
tabelece um divisor de águas para a reflexão e pesquisa sobre A educação em saúde como processo político pedagógico
o ‘processo de trabalho em saúde’: por um lado, aparecem requer o desenvolvimento de um pensar crítico e reflexivo, per-
questões relacionadas às novas formas de trabalho flexível e/ mitindo desvelar a realidade e propor ações transformadoras

41
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

que levem o indivíduo à sua autonomia e emancipação como su- O desenvolvimento da educação sanitária, iniciada nos
jeito histórico e social, capaz de propor e opinar nas decisões de Estados Unidos, deu-se de forma associada à saúde pública,
saúde para cuidar de si, de sua família e de sua coletividade 3 . tendo sido instrumento das ações de prevenção das doenças,
A temática deve envolver a compreensão de projetos de caracterizando-se pela transmissão de conhecimento. Mesmo
sociedades e visões de mundo que se atualizam nas formas de que realizada de forma massiva, como no caso das campanhas
conceber e organizar os discursos e as práticas educativas no sanitárias no Brasil, a perspectiva não contemplava a dimensão
campo da saúde 4 . histórico-social do processo saúde-doença 4 . No Brasil o termo
As práticas de educação em saúde são inerentes ao traba- foi e ainda é utilizado, como sinônimo de educação em saúde,
lho em saúde, mas muitas vezes estão relegadas a um segundo mantendo a conotação de práticas educativas verticalizadas.
plano no planejamento e organização dos serviços, na execução Educação para a saúde também é outro termo usual ainda
das ações de cuidado e na própria gestão. hoje nos serviços de saúde. Aqui se supõe uma concepção mais
O termo educação em saúde vem sendo utilizado desde as verticalizada dos métodos e práticas educativas, que remete ao
primeiras décadas do século XX e para sua melhor compreensão que Paulo Freire 8 chamou de educação bancária. Nesse senti-
faz-se necessário o entendimento da história da saúde pública do, é como se os profissionais de saúde devessem ensinar uma
no Brasil. A expansão da medicina preventiva para algumas re- população ignorante o que precisaria ser feito para a mudança
giões do país, a partir da década de 1940, com o Serviço Especial de hábitos de vida, a fim de melhorar a saúde individual e cole-
de Saúde Pública (SESP), apresentava estratégias de educação
tiva.
em saúde autoritárias, tecnicistas e biologicistas, em que as clas-
Muitas práticas educativas nos serviços de saúde ainda são
ses populares eram vistas e tratadas como passivas e incapazes
feitas com esta visão, apesar da participação comunitária estar
de iniciativas próprias 5 . As ações do Estado se davam por meio
presente na retórica de muitos gestores, profissionais de saúde
das chamadas campanhas sanitárias .
Outras formas de educação em saúde eram caracterizadas e educadores e preconizada nos princípios e diretrizes do SUS 9 .
por ações verticais de caráter informativo com o intuito de trans- Movimentos sociais, tais como o Movimento de Educação
formar hábitos de vida, colocando o indivíduo como o responsá- Popular, protagonizado pelo educador Paulo Freire, na década
vel pela sua saúde. Um trabalho realizado por Alves e Aerts em de 1960, influenciaram o campo de práticas da educação em
2011 6 afirma: saúde, incorporando a participação e o saber popular à área,
[...] com o apogeu do paradigma cartesiano e da medicina dando lugar a processos educativos mais democráticos. Exemplo
científica, as responsabilidades referentes às ações de educação dessa influência foi verificado no Movimento de Educação Popu-
em saúde foram divididas entre os trabalhadores da saúde e os lar em Saúde que se formou nos últimos 40 anos, por meio de
da educação. Aos primeiros, cabia desenvolver os conhecimen- reflexão, produção de conhecimentos e militância em diversas
tos científicos capazes de intervir sobre a doença, diagnostican- organizações criadas ao longo deste tempo, tais como a Articu-
do-a e tratando-a o mais rapidamente possível. Ao educador, ca- lação Nacional de Educação Popular em Saúde, a Rede de Edu-
bia desenvolver ações educativas capazes de transformar com- cação Popular e Saúde, a Articulação Nacional de Movimentos e
portamentos . Essa lógica, além de fragmentar o conhecimento, Práticas de Educação Popular e Saúde e a Rede de Estudos sobre
não levava em consideração os problemas cotidianos vivencia- Espiritualidade no Trabalho em Saúde e na Educação Popular 10
dos pela população . A educação popular em saúde é um movimento histórico de
O termo educação e saúde, utilizado ainda hoje como si- mudanças, inicialmente propostas por profissionais de saúde in-
nônimo de educação em saúde, pode ter se originado dessa satisfeitos com as práticas mercantilizadas e repetitivas dos ser-
prática, indicando um paralelismo entre as duas áreas, com se- viços de saúde, que não atendiam às camadas mais necessitadas
paração explícita dos seus instrumentos de trabalho: a educação da população brasileira . Vasconcelos 5 considera que a educa-
ocupando-se dos métodos pedagógicos para transformar com- ção popular em saúde passou a se constituir em uma estratégia
portamentos e a saúde dos conhecimentos científicos capazes de enfrentamento aos problemas de saúde encontrados, procu-
de intervir sobre as doenças. rando fortalecer os movimentos sociais e criar vínculos entre a
Exemplo clássico de como se davam as práticas educativas ação médica e o pensar cotidiano da população.
em saúde na época ficou registrado na obra do escritor infanto- A educação popular em saúde tem uma concepção diferen-
-juvenil Monteiro Lobato, que criou em seu livro Urupês, obra
ciada da hegemônica da educação em saúde. Organiza a partir
publicada em 1918, o personagem Jeca Tatu, trabalhador rural
da aproximação com outros sujeitos no espaço comunitário, pri-
do Vale do Paraíba (SP), um caboclo que sofria do amarelão,
vilegiando os movimentos sociais locais, num entendimento de
doença posteriormente diagnosticada como ancilostomose ou
saúde como prática social e global e tendo como balizador éti-
ancilostomíase, denunciando as precárias condições de vida da
população. À época, as campanhas sanitárias utilizaram a figura co-político os interesses das classes populares. Baseia-se no diá-
do personagem indicando que as origens dos problemas de saú- logo com os saberes prévios dos usuários dos serviços de saúde,
de eram de responsabilidade individual, não contextualizando seus saberes “populares”, e na análise crítica da realidade.
os problemas sanitários de forma crítica a partir de mudanças A educação em saúde, então, é prática privilegiada no cam-
coletivas. po das ciências da saúde, em especial da saúde coletiva, uma
Na década de 1990 ainda era comum o uso do termo edu- vez que pode ser considerada no âmbito de práticas onde se
cação e saúde, e o conceito apresentava-se como uma área de realizam ações em diferentes organizações e instituições por
saber técnico voltada para instrumentalizar o controle dos doen- diversos agentes dentro e fora do espaço convencionalmente
tes pelos serviços e a prevenção de doenças pelas pessoas 7 . reconhecido como setor saúde 11 .

42
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

A educação popular em saúde continua sendo hoje um de-


safio aos gestores e profissionais na busca por práticas integrais, A ORGANIZAÇÃO SOCIAL E COMUNITÁRIA.
mais voltadas às reais necessidades das populações e conside-
rando, como suporte para essas práticas, tanto processos de
informação e comunicação como de participação popular e par-
ticipação social. Sinais de glória e sintomas de crise: algumas questões sobre
Para promover a educação em saúde, também é necessário a saúde coletiva
que ocorra a educação voltada para os profissionais de saúde, e Repensar a saúde coletiva, aproveitando-se da história e da
se fala, então, em educação na saúde. tradição da saúde pública. Entendê-la tanto como um campo
científico quanto como um movimento ideológico em aberto,
Formação Técnica conforme sugeriram Almeida Filho e Paim (1999). Um movimen-
to que, sem dúvida, no Brasil, contribuiu decisivamente para a
A Constituição Federal de 1988 (art. 200, III) estabelece que construção do Sistema Único de Saúde (SUS) e para enriquecer
compete ao Sistema Único de Saúde a ordenação da formação a compreensão sobre os determinantes do processo saúde e
de recursos humanos na área da saúde. Assim, o Ministério doença. Mas também reconhecer que o modo como vem ocor-
da Saúde propôs a Política Nacional de Educação Permanente rendo sua institucionalização tem bloqueado a reconstrução crí-
em Saúde (PNEPS) como estratégia do Sistema Único de Saúde tica de seus próprios saberes e práticas, provocando uma crise
(SUS) para a formação e o desenvolvimento dos seus trabalha-
de identidade manifesta em sua fragmentação e diluição como
dores, tendo em vista a garantia da qualidade do serviço oferta-
campo científico. São estas as questões aqui tratadas.
do por seus profissionais na implementação do Sistema Único
As questões enunciadas têm como sintomas uma série de
de Saúde (SUS).
dilemas que vêm sendo analisados pelos especialistas: a saúde
O Ministério da Saúde reconhece e valoriza a formação dos
trabalhadores como um componente para o processo de qua- coletiva teria criado um novo paradigma, negando e superando
lificação da força de trabalho, no sentido de contribuir para a o da medicina e o da antiga saúde pública? Saúde coletiva cor-
efetividade da Política Nacional de Saúde. responderia a todo o campo da saúde, ou apenas a uma parte?
A expansão do SUS provocaria um crescimento automático das
Avanços com formação dos trabalhadores do SUS práticas de saúde coletiva? Saúde pública abarcaria todo o siste-
ma estatal de saúde, indicando ser ela o lado contrário de práti-
Autonomia intelectual dos trabalhadores; cas privadas? Ou nomearia também uma profissão e um campo
Domínio do conhecimento técnico-científico; de práticas? A noção de produção social da saúde, central à saú-
Capacidade de gerenciar tempo e espaço de trabalho; de coletiva, seria oposta ou complementar à de história natural
Exercitar a criatividade; do processo saúde e doença, adotada pela clínica como modelo
Interagir com os usuários dos serviços; explicativo?
Ter consciência da qualidade e das implicações éticas de seu Mais do que buscar definições formais, importa reconhecer
trabalho . que uma teoria e seus conceitos têm implicações, ainda que não
O avanço na descentralização do SUS indicou uma série de absolutas, sobre as práticas sociais (Donnangelo, 1983; Bour-
novas atribuições e responsabilidades aos gestores e reforçou dieu, 1983; Testa, 1993) .
a necessidade de formação de trabalhadores de nível médio e Busca-se, portanto, um método de reflexão para analisar a
técnico, a partir de uma abordagem ampliada que promova arti- saúde coletiva não somente baseado em a priori teórico, mas
culação das esferas federal, estadual e municipal . também em compromisso concreto com a produção de saúde,
A formação de nível médio em saúde requer algumas pe- já que a produção de saúde é função e finalidade essencial sem
culiaridades e pode-se considerar como estratégias para a for- a qual não se está autorizado a falar em trabalho em saúde. Nes-
mação destes profissionais: a identificação das necessidades se sentido, a ambigüidade e a ubiqüidade do conceito de saúde
profissionais e formativas no território, o desenvolvimento do coletiva têm também contribuído para a fragmentação e para o
currículo integrado, a descentralização dos cursos, a articulação enfraquecimento do seu campo de saber e de práticas.
escola-serviço-comunidade, os espaços e contextos de trabalho Admite-se hoje a inevitável existência de uma certa sobre-
como lócus privilegiados da formação, o ensino em serviço, a
posição de limites entre as disciplinas . O mesmo ocorrendo com
avaliação formativa e a disponibilização de conteúdo técnico bi-
os campos de prática. Nesses termos, quase todo campo científi-
bliográfico para estes profissionais (BVS).
co ou de práticas seria interdisciplinar e multiprofissional. Guat-
Para o DEGES, a educação profissional é compreendida
tari e Deleuze (1976) na filosofia, na política e na clínica, McNeill
como um fenômeno dinâmico e permanente, com papel impor-
tante no processo de humanização do homem e de transforma- e Freiberger (1993) na matemática, assim como vários outros
ção social, criando a perspectiva de que o trabalho no SUS tem autores “pós-modernos” têm criticado o sentido absoluto com
caráter formativo e possibilita reflexões críticas sobre as práticas que se tomam algumas noções, como a de dentro e fora, iden-
de atenção, gestão e educação . tidade e diferença, coletivo e individual, macro e micro. Mesmo
concordando com esses pensadores, parece que este borramen-
Fonte: https://www.scielosp.org/article/csc/2014. to de limites indicaria mais uma impossibilidade de fechar-se em
v19n3/847-852/ copas do que a extinção, com a conseqüente fusão, de todas as
disciplinas, profissões e especialidades.

43
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

Para escapar a este paradoxo - o do isolamento paranóico Partindo do marco conceitual exposto, seria pertinente
ou o da fusão esquizofrênica -, um grupo de pesquisadores su- perguntar qual a identidade da saúde coletiva? Ou seja, qual o
geriu alterações nos conceitos de núcleo e de campo (Campos, seu núcleo de saberes e de práticas? E mais, em que campo de
et al., 1997). A institucionalização dos saberes e sua organiza- interinfluência ela estaria mergulhada? Em decorrência, acres-
ção em práticas se daria mediante a conformação de núcleos e cem-se outros dilemas aos já citados: quem é o agente que faz
de campos. Núcleo como uma aglutinação de conhecimentos e saúde coletiva? Haveria um agente especializado? Sem dúvida,
como a conformação de um determinado padrão concreto de médicos, a equipe de saúde, o governo, a comunidade, muitos,
compromisso com a produção de valores de uso. O núcleo de- potencialmente, produzem saúde. Todos que produzem saúde
marcaria a identidade de uma área de saber e de prática profis- seriam agentes da saúde coletiva ou da saúde pública? Have-
sional; e o campo, um espaço de limites imprecisos onde cada ria um núcleo de saber especializado e um agente específico,
disciplina e profissão buscariam em outras apoio para cumprir nuclearmente encarregado de produzir ações de saúde pública?
suas tarefas teóricas e práticas (Campos, 2000). Haveria necessidade social de formá-lo? Haveria possibilidade
histórica concreta de que seu trabalho fosse requisitado?
Esses conceitos diferem da elaboração de Bourdieu (1983,
1992) sobre campo e corpus já que os autores modificaram o A necessidade reflexiva autoriza a prosseguir no esforço
sentido polar e antagônico atribuído aos dois termos. Para Bour- crítico dos que romperam com o conceito tradicional da saúde
dieu campo intelectual se conformaria como espaço aberto, ain- pública e investiram na construção da teoria e das práticas da
da quando submetido a conflitos de origem externa e interna. saúde coletiva. Apesar do que já se escreveu sobre esta mudan-
Entretanto, nos corpus verificar-se-ia o seu subseqüente fecha- ça e inclusive sobre as ambigüidades (Donnangelo, 1983; Nu-
mento em disciplinas, quando ocorreria a monopolização do sa- nes, 1986; Minayo, 1991; Paim, 1992) valeria ainda insistir na
ber e da gestão das práticas por agrupamentos de especialistas. pergunta: o que aquela troca de nomes revelou de novo? Que
A formação de disciplinas (corpus) no campo religioso, político rupturas, de fato, aconteceram? O que existe de continuidade?
ou científico, ocorreria com o fechamento ou institucionalização Talvez seja o momento de analisar algumas experiências cons-
de parte do campo, com a conseqüente criação de aparelhos de truídas pela velha saúde pública que o radicalismo inerente ao
controle sobre as práticas sociais a ele referentes. momento de fundação de uma nova proposta impediu examinar
com mais cuidado. Inclusive, é importante aprofundar os moti-
Um núcleo, ao contrário, indicaria uma aglutinação, uma vos pelos quais, depois de tanto desenvolvimento teórico e da
determinada concentração de saberes e de práticas, sem, con- incorporação de uma sofisticada trama de categorias sociológi-
tudo, indicar um rompimento radical com a dinâmica do campo . cas, a saúde coletiva brasileira, ao propor modos de intervenção,
Igual à noção de corpus, a de núcleo também parte da necessi- continua tributária, não da teoria crítica que construiu, mas de
dade, e da inevitabilidade de se construírem identidades sociais um pensamento sistêmico bastante pragmático e instrumental,
para as profissões e para os campos de saber. Mas, ao contrário, muito à moda e gosto dos anglo-saxões.
sugere a possibilidade de que essa institucionalização poderia
acontecer de modo mais flexível e aberto (Onocko, 1999). En- A saúde coletiva para além do positivismo, do estrutura-
fim, não haveria como escapar-se à institucionalização do saber lismo e de uma posição de transcendência sobre o campo da
e à administração organizada das práticas sociais. Porém, elas saúde
poderiam ser organizadas de forma democrática, sendo estrutu-
radas de forma a permanecerem abertas a distintos campos de Com certeza, não caberia abandonar a trilha dos fundado-
influência. O conceito de corpus (disciplina) enfatiza a concen- res, mas seguir-lhes as pegadas, afinal foram pioneiros na crítica
tração de poder e a tendência de fechamento das instituições. A ao positivismo, constitutivo básico das práticas sanitárias tradi-
noção de núcleo valoriza a democratização das instituições, ou cionais. Para Antônio Ivo de Carvalho (1996) a saúde coletiva
seja, ressalta sua dimensão socialmente construída, sugerindo nasceu da crítica ao positivismo e... à saúde pública tradicional,
que a escolha de seus caminhos funcione como uma possibili- constituída à imagem e semelhança da tecno-ciência e do mo-
dade e não como uma ocorrência automática. De outra forma, delo biomédico . Pois bem, apesar dessa origem, nota-se o recru-
aos sujeitos não restaria outra opção que a de permanecerem descer de um certo neopositivismo, advogando-se como méto-
em desestruturação à espera dos automatismos dos campos em do de trabalho, versões mais ou menos sofisticadas da teoria de
fase instituinte; ou, ao contrário a de se prenderem a disciplinas sistemas (OPAS, 1992; Barata, R & Barreto, M, 1996).
fechadas .
Quer pela insuficiência do pensamento social incorporado
Tanto o núcleo quanto o campo seriam, pois, mutantes e se à saúde coletiva para impulsionar práticas e projetos sanitários
interinfluenciariam, não sendo possível detectar-se limites pre- concretos, quer pela pressão exercida pelas agências financia-
cisos entre um e outro. Contudo, no núcleo, haveria uma aglu- doras e pela própria instituição universitária no sentido de que
tinação de saberes e práticas, compondo uma certa identidade a saúde coletiva adote, em sua construção teórica, normas e
profissional e disciplinar. Metaforicamente, os núcleos funciona- procedimentos padrões bastante assemelhados aos da medici-
riam em semelhança aos círculos concêntricos que se formam na em particular ou aos da tecnociência em geral, observa-se
quando se atira um objeto em água parada. O campo seria a um crescimento de prestígio do objetivismo na produção cientí-
água e o seu contexto. fica da área. Rever as relações entre sujeito e objeto (Carvalho,
1996) continua sendo ainda uma tarefa crítica contemporânea,
portanto .

44
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

Nunes (1996) descreveu que o termo Saúde Coletiva passou De acordo com essa perspectiva a saúde coletiva não seria
a ser utilizado, no Brasil, em 1979, quando um grupo de profis- um saber, entre outros, sobre os modos como se produz saúde
sionais, oriundos da saúde pública e da medicina preventiva e e doença; mas, o saber. Quase um novo paradigma. Alguns au-
social procuraram fundar um campo científico com uma orien- tores e mesmo documentos de organismos internacionais che-
tação teórica, metodológica e política que privilegiava o social garam a anunciar o surgimento de um novo paradigma de pro-
como categoria analítica. Agudelo e Nunes (1991), ainda que moção da saúde que superaria a influência do modelo clínico na
reconhecendo o papel decisivo do movimento da saúde coletiva organização dos serviços e práticas (Mendes, 1993; WHO, 1991).
no Brasil e em outros países da América do Sul, na incorpora-
ção do social à temática da saúde, não deixaram de apontar que Nesse trabalho não se sugere a possibilidade de completa
tampouco esta expressão tem podido resolver totalmente a in- superação das tendências descritas, o que significaria cair na
suficiência das denominações em questão. mesma armadilha metodológica criticada. Tampouco pretende-
-se demonizá-las. Não há como se operar sem objetividade. As
Para Carvalho (1996) a saúde coletiva, ao incorporar o social estruturas existem e influenciam a produção do campo da saú-
ao pensamento sanitário, tendeu a fazê-lo segundo cânones ob- de: normas, saberes, culturas, sistemas, instituições. Além do
jetivistas preconizados pela escola estruturalista e pela tradição mais, não há como desconhecer a importância (não a transcen-
marxista: a subjetividade aqui admitida é aquela que brota da dência, apenas a importância) que saberes e práticas advindos
necessidade coletiva e que se organiza em sujeitos coletivos - no da saúde coletiva tiveram e têm para a reformulação da clínica,
Estado, no partido, nas organizações classistas e comunitárias... da reabilitação e dos sistemas de saúde em geral. Donnangelo
(1983) já havia demarcado que a saúde coletiva influenciava e
De fato, apesar de autores tão influentes como Testa (1993) apoiava práticas de distintas categorias e atores sociais, quer em
e Donnangelo (1976) haverem divulgado análises em que a saú- temas ligados à organização da assistência, quer na compreen-
de pública aparecia como construção histórica e o exercício pro- são dos próprios meandros da produção de saúde.
fissional como prática social, não há como não concordar com
Carvalho quando aponta que o saber dominante em saúde cole- Busca-se, ao contrário, recuperar a velha dialética, veri-
tiva tendeu a subestimar a importância dos sujeitos na constru- ficando em que medida posições e pólos operam em regime
ção do cotidiano e da vida institucional. de contradição ou de complementaridade. Assim, à promessa
Finalmente, caberia reconhecer a tendência da saúde cole- de objetivação asséptica do positivismo é preciso contrapor a
tiva em confundir-se com todo o campo da saúde. Tal tendência subjetividade dos agentes sociais em todas as fases do proces-
indicaria uma visão de mundo fundada em categorias absolu- so saúde/doença/intervenção, inclusive quando da elaboração
tas e transcendentais. Para alguns, a saúde coletiva se constitui de conhecimentos e tecnologias. Jamais, contudo, deve-se abrir
numa espécie de metadiscurso supostamente capaz de criticar mão dessas linhas de análise . Ao peso das estruturas contra-
e reconstruir saberes e processos concretos de produção de põe-se a história que as produz, pela ação social de indivíduos,
saúde. Nesse sentido, ela forneceria metaexplicações auto-su- grupos e movimentos. Além do reconhecimento de que a saúde
ficientes sobre a tríade saúde, doença e intervenção. Por outro coletiva é um saber constitutivo e essencial a todas as práticas
lado, seu discurso constitutivo tenderia a hipervalorizar a deter- em saúde, é fundamental admitir que também se produzem co-
minação social dos processos saúde/doença, desqualificando nhecimentos, políticas e valores relevantes para saúde a partir
os fatores de ordem subjetiva e biológica. Neste caso, a saúde de outros campos, como o da clínica ou o da reabilitação .
coletiva não é vista como um modo de intervenção sobre o real
mas como um novo paradigma ou um modelo alternativo aos Algumas palavras sobre a dialética
demais . A proposta que aqui se apresenta é de repensar a saúde
coletiva filiando-se àquelas escolas filosóficas que sustentam a
O modelo denominado de vigilância em saúde (Mendes, existência de relação dialética entre o pensar e o agir, entre o
1993), por exemplo, proclama-se vinculado a um novo paradig- homem e o mundo, e entre os próprios homens, entre ser e não
ma, o da promoção à saúde, imaginando que a incorporação do ser, ao mesmo tempo . Pensar criador e criatura embolados, todo
social à análise dos processos saúde e doença criaria práticas o tempo, um ente produzindo por ele e por outros . Precisando
distintas, senão antagônicas, àquelas baseadas na história na- melhor, é importante assumir que toda produção é uma co-pro-
tural. Um novo modo de se produzir saúde, que negaria o mo- dução em que o produtor é também modificado pelo produto.
delo clínico e não um modo entre outros não necessariamente
equivalentes, porém úteis, cada uma dentro de seus limites e O ser humano é parte inseparável do mundo, ainda que
especificidade. desfrutando de uma propriedade especial de se afastar dele . Ou
Outro não tem sido o procedimento dominante na medici- seja conserva o poder da imanência assim como detém o poder
na, que desautoriza, em princípio, todo o saber e toda a prática de reflexão do sujeito para estranhar o mundo e modificá-lo, as-
sobre saúde, produzidos fora de sua própria racionalidade. Ao sim como para modificar a si e aos outros. Jamais seres humanos
criticá-lo, com pertinência, a saúde coletiva tende a adotar a poderiam destacar-se da condição material de pertencer a este
mesma postura totalitária e disciplinar. Para diversos autores, a mesmo mundo assim como não podem declinar do papel histó-
epidemiologia e as ciências sociais explicariam o processo saú- rico de transformá-lo .
de/doença e fundariam um novo paradigma, com um modo de Marx pretendeu superar a dicotomia entre o materialismo
intervenção sobre a realidade que superaria - sempre em princí- mecanicista e o idealismo religioso ou voluntarista (Marx & En-
pio! - todos os outros existentes. gels, 1996); no entanto, poucos entre seus seguidores susten-

45
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

taram essa tensão dialética entre objetividade e subjetividade, Por último, ele negava transcendência tanto à consciência
talvez, de fato, pouco trabalhada pelo velho revolucionário. do sujeito quanto ao mundo objetivo, lembrando que conhe-
Possivelmente Gramsci tenha sido o discípulo que mais lon- cimento e mundo são ao mesmo tempo interiores e exteriores
ge levou os desdobramentos decorrentes desta visão de mundo. aos sujeitos (Lefebvre, 1995).
Para este pensador, a vontade humana e a objetividade do mun-
do exterior seriam qualidades inseparáveis, uma a constituir e a Inúmeros pensadores vêm desenvolvendo esforços para es-
influenciar a outra, durante todo o tempo. Por isso, ele valorizou capar à rigidez quer do objetivismo, quer do subjetivismo. Hegel
a idéia de devenir: o homem devém, transforma-se continua- referia-se à consciência infeliz daqueles que colocam sua vida
mente com as transformações das relações sociais (Gramsci, nas mãos dos outros. Considerava-os seres presos à determina-
1978) . ção do meio natural ou social e, portanto, impotentes para rea-
Outro estudioso que muito contribuiu para o desenvolvi- gir contra o estabelecido criando algo novo (Hegel, 1974).
mento do pensamento dialético foi Henri Lefebvre. Este traba-
lho inclusive, vale-se do seu conceito de ser humano (sujeito) Foge ao objetivo deste trabalho reconstruir de maneira sis-
assim sintetizado por ele: A palavra Ser aparece... em dois sen- temática a história da dialética; mas, sem dúvida, dentro desta
tidos a um tempo contraditórios e inseparáveis: o ser abstrato, trajetória valeria destacar Sartre, Merleau-Ponty e o já comen-
vazio, indeterminado; e o ser rico em determinações, desenvol- tado Bourdieu. O primeiro sugeriu conceitos para articular as es-
vido (Lefebvre, 1995). truturas de determinação dos sujeitos à sua própria capacidade
de intervenção sobre esses determinantes. Particularmente, as
O termo ser humano indicaria, portanto, uma ambigüidade
categorias de grupo serial, projeto e grupo sujeito (Sartre, 1963)
insanável: ser, pensado como uma identidade abstrata, subs-
seriam fundamentais para repensar a saúde coletiva. Merleau-
tantiva, relativa à condição humana em geral ou a um indivíduo
-Ponty buscou articular psicologia e sociologia, modificando e
específico. Mas também indicando vir-a-ser, o verbo ser no sen-
reconstruindo uma série de conceitos originários da antropolo-
tido de devir; ou seja, o esforço existencial e a práxis social para gia, do marxismo ou da ciência política, para aplicá-los em pro-
se constituir como sujeito. Talvez, o gerúndio do verbo, uma blemas antes tomados exclusivamente pela psicanálise, psico-
pessoa ou um grupo sendo . Ser, sendo . Ser em transformação drama, psicologia, e vice-versa (Merleau-Ponty, 1990).
perene . A saúde coletiva, em analogia ao trabalho de Merleau-Pon-
Alguns historiadores atribuem à intenção de driblar a cen- ty e dos mal denominados freud-marxistas, poderia escapar aos
sura fascista o hábito de Gramsci utilizar o termo filosofia da limites do positivismo e do estruturalismo, articulando teorias
práxis para designar o marxismo. Ainda que movido por esse e práticas do campo da política e da gestão com saberes e ex-
constrangimento, a escolha das palavras, parece-me, indicaria periências originários da psicanálise, pedagogia e análise insti-
um compromisso espistemológico distinto da tradição marxista tucional. Combinar política, gestão e epidemiologia (disciplinas
criticada por Carvalho (1996). Ou seja, Gramsci ressalta e pro- que fazem parte da tradição da saúde coletiva) com clínica, psi-
põe a adoção de um método de pensar que não anula as rela- canálise, pedagogia e análise institucional.
ções e influências mútuas entre abstrato e concreto; individual e
coletivo; pensar e agir; ou tampouco, entre economia, política e Marilena Chaui ressalta a crítica elaborada por Ponty ao
psicologia; ou ciência e senso comum . pensamento ocidental, que seria um pensamento de sobrevôo,
Lefebvre (1995) defendia que um bom método para pensar e que imporia uma separação entre o mundo e a consciência ao
a vida deveria sempre obedecer a, pelo menos, quatro exigên- reduzir o real a um dos pólos da dicotomia sujeito-objeto . Neste
cias. Primeira, o pensamento deveria sempre lidar com ambos sentido, ele discordaria tanto da pretensão transcendental do
os termos que a metafísica ou o objetivismo têm procurado se- cientificismo, do desejo da filosofia de dominar e controlar total-
parar. Assim, haveria que se descobrir relações entre o ser e o mente a consciência ou a realidade exterior (Chaui, 1989).
mundo, o social e o individual, entre essência e aparência, en-
tre tudo e nada. Portanto, estaria vedado optar e não optar, de Passando ao campo das práticas sociais, parece que foram
modo transcendente, por um dos extremos dessas polaridades. as escolas de psicologia e da pedagogia que mais amplamente
Em segundo lugar, o pensamento somente se afirmaria aplicaram perspectivas análogas em sua prática cotidiana. Em
como movimento, sendo, portanto, sempre incompleto. Se nem Freud é possível identificar uma recusa em optar por qualquer
dos pólos responsáveis pela fragmentação contraditória dos su-
isso fosse esvaziado de qualquer verdade, jamais também por-
jeitos. Entre consciente e inconsciente ele nunca deixou de tra-
taria toda a verdade sobre as coisas. Terceiro, seria importante
balhar em perspectiva dinâmica, em que lógicas distintas esta-
considerar o caráter contraditório inerente ao pensar e ao agir,
riam todo o tempo impondo conflitos mais ou menos dilaceran-
exatamente porque a partir de deslocamentos sucessivos entre
tes às pessoas (Freud, 1969). E o que seria a psicanálise senão
os termos dessa polaridade seria possível estabelecer-se alguma um método consciente (racional e deliberado) para se lidar com
crítica ao modo como um dado processo se desenvolveu. Desde o inconsciente e a incoerência constitutivos de todo e qualquer
a prática se critica o saber; desde o conhecimento se critica a sujeito? Entre princípio de realidade e desejo sempre haveria
práxis. Lefebvre argumentava ainda que contradição não signi- espaço para algum grau de determinação e de influência sujeito,
fica absurdo, já que tampouco seria possível eliminar seus dois aprisionado entre essas linhas de força. Sem dúvida, a psicaná-
pólos . Sugeria ainda usar-se o contraditório para enriquecer o lise e sua aplicação a grupos e instituições têm uma importante
saber, na medida que isso significaria descobrir um complemen- contribuição à uma teoria que pensasse a saúde coletiva como
to de determinação . uma construção sociohistórica de sujeitos .

46
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

Diferentes autores enfatizaram o tema da intersubjetivida- O campo da saúde como uma matriz
de e o papel da inter-relação na constituição dos Sujeitos. Para Dentro de um pensamento dialético a saúde coletiva seria
Winnicott, por exemplo, somente haveria um sujeito intersub- um pedaço do campo da saúde. Valendo-se de imagens, talvez
jetivo, ao mesmo tempo autoproduzido e produto das relações poder-se-ia projetar o campo da saúde como uma matriz em
humanas (Ogden, 1996) . Outra corrente que trabalhou a insepa- que a saúde coletiva fosse uma parte, em distintos planos de in-
rabilidade do sujeito e do objeto, do coletivo e do indivíduo, foi a serção. Desses, pelo menos dois são comentados neste artigo: a
que se convencionou denominar construtivismo social. Trata-se saúde coletiva, como movimento intelectual e moral; e a saúde
de um movimento amplo, com limites imprecisos e importantes coletiva como um núcleo, uma concentração nuclear de saberes
diferenças entre seus aderentes, mas que, em linhas gerais, su- e práticas. Um núcleo co-produzido por miríades de inter-rela-
gere que o conhecimento é resultado da relação dialética entre ções com o campo e, ao mesmo tempo, um núcleo co-produtor
o que Vygostsky denominou de atividades interpessoais (rela- desse mesmo campo .
ções sociais as mais variadas) e atividades interpessoais (capa- Qual seria o núcleo da saúde coletiva? O apoio aos sistemas
cidade de ação reflexiva do próprio sujeito). De Vygostsky, no de saúde, à elaboração de políticas e à construção de modelos; a
começo do século XX, a Paulo Freire, inúmeros autores elabora- produção de explicações para os processos saúde/enfermidade/
ram o denominado construtivismo sociohistórico, com concep- intervenção; e, talvez seu traço mais específico, a produção de
ções perfeitamente aplicáveis à saúde coletiva, conforme o vem práticas de promoção e prevenção de doenças. Qual o semblan-
demonstrando cientistas e profissionais ligados à denominada te do núcleo de saberes e práticas da saúde coletiva, então? Re-
educação em saúde (Valla, 1999; Vasconcelos, 1999). pito, semblante, sinal de identificação, e não um diferencial ab-
soluto! Talvez a sua concentração em problemas de saúde com
O construcionismo trabalha com a hipótese de uma eterna repercussão coletiva? Quem sabe um certo modo predominante
reconstrução das pessoas, a qual ocorreria em virtude da inte- de operar, um modo de intervenção centrado na promoção e na
ração dos sujeitos com o mundo e dos sujeitos entre si . Porém, prevenção?
esta capacidade se desenvolveria, fundamentalmente, pela ela- De qualquer modo, não o todo, mas uma parte . Uma parte
boração reflexiva de experiências, por meio do que o ser huma- dinâmica e com inserção e interferência no campo da saúde em
no escaparia ao ciclo vicioso da determinação puramente bioló- pelo menos dois planos . Em um plano horizontal, em que sabe-
gica ou estrutural (Matui, 1995; Van der Veer & Valsiner, 1996). res e práticas comporiam parte dos saberes e práticas de outras
Então, caberia (seria possível?) inventar mundos, organiza- categorias e atores sociais. Assim, todas as profissões de saúde,
ções e instituições (uma saúde pública, por exemplo) que pro- as nucleadas na clínica ou na reabilitação ou no cuidado, todas,
duzissem não objetos/sujeitados, mas seres com potencial para em alguma medida, deveriam incorporar em sua formação e em
pensar refletir ou analisar e agir com algum grau de autonomia sua prática elementos da saúde coletiva. Um movimento cultu-
em relação aos seus determinantes, fossem eles externos ou in- ral conforme o sugerido por Donnangelo (1976) há quase vinte
ternos, conjunturais ou estruturais . anos e conforme veio ocorrendo dentro do chamado movimen-
to de reforma sanitária. Assim, a saúde mental, a neurologia,
Os saberes e práticas apoiados no positivismo ou no estru- a saúde da criança, dentre outras áreas, iriam se transforman-
turalismo reforçam a polaridade objeto das pessoas, por inter- do também em conseqüência de aportes oriundos da saúde
virem sobre os seres reduzidos à condição de receptores. Ain- pública. Nessa perspectiva, a missão da saúde coletiva seria a
da que, na prática, um máximo de coisificação seja impossível, de influenciar a transformação de saberes e práticas de outros
distintas estratégias políticas, sanitárias e terapêuticas fundadas agentes, contribuindo para mudanças do modelo de atenção e
sobre essas duas correntes filosóficas buscam a progressiva da lógica com que funcionam os serviços de saúde em geral.
redução dos coeficientes de liberdade e de autonomia dos su- A outra inserção na matriz seria vertical: a saúde coletiva
jeitos. A práxis social daí advinda reafirma, embora não como (ou saúde pública) como uma área específica de intervenção.
fatalidade, a tendência histórica das instituições oprimirem a di- Uma área especializada e com valor de uso próprio, diferente da
mensão singular de cada sujeito ou os interesses e necessidades clínica ou de outras áreas de intervenção. Um espaço que para
dos grupos dominados . se institucionalizar necessitaria de definições formais: curso bá-
sico de formação, postos de trabalho no setor público e privado,
As práticas sociais, todas elas - a clínica, a saúde pública, a associações de representação corporativa, todo o acervo insti-
pedagogia, a gestão e a política, poderiam produzir a infinidade tuinte de uma área parafernália bastante mais pesada do que o
de matizes entre controle social (seres dominados) ou autono- requerido por um movimento ideológico.
mia (cidadãos com liberdade relativa). Essas práticas operam, O seu agente, quem seria e como operaria? Na saúde pú-
em potencial, tanto em prol de reduzir pessoas à condição de blica tradicional o sanitarista foi um especialista isolado, que
objetos sujeitados a algum poder, quanto no sentido de multipli- trabalhava em programas verticais com forte grau de imposição
car as possibilidades de sujeitos viverem mais livremente. Essa autoritária. Para a Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS,
liberdade significaria que, embora condicionados ao contexto e 1994) a principal característica do sanitarista seria sua capacida-
a compromissos, estariam aptos a lidar com autonomia relativa de de liderança, devendo os cursos de formação produzir líderes
diante da objetividade das coisas e das relações sociais. para o setor saúde. Trata-se de mais um exemplo concreto da
postura arrogante e transcendente com que tem se posiciona-
do a saúde pública diante dos outros setores que compõem o
campo .

47
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

Alguns adeptos do agir comunicativo, ao criticar tal perspec- Portanto, uma teoria do processo saúde/ doença/interven-
tiva, chegam a caracterizar o trabalho do sanitarista como de ção deveria constituir o acervo básico e fundamental de todos os
advocacy, uma espécie de habilidoso defensor da saúde pública. campos científicos e de todas as práticas que compõem o campo
Na prática, cumpriria o papel de um assessor de luxo, inerte e mais amplo da saúde. Este entendimento atenua a pretensão
impotente frente à dureza do estabelecido. Muitos colocam em de transcendência e de auto-suficiência da saúde coletiva. Uma
pauta, inclusive, a extinção da profissão e da especialidade, já teoria sobre a produção de saúde funcionaria como patrimônio
que o estado, a sociedade e as equipes de saúde cumpririam orientador de todas as práticas sanitárias e não seria construída
todas as tarefas da saúde coletiva. somente com base em uma perspectiva centrada no social ou
Talvez valesse a pena pensar o sanitarista como um agente na epidemiologia, mas no uso diversificado de distintos saberes.
de saúde pública, profissional com liderança ocasional, confor- Ao mesmo tempo, a compreensão dessa articulação de conheci-
me os problemas e programas em questão, que trabalhasse em mentos nega, portanto, a existência automática, e em princípio,
equipes interprofissionais mas com papel específico. Atuando de uma dominância da determinação social no processo saúde/
tanto em projetos verticais, voltados para promoção e preven- doença . Com certeza, há hierarquia ao se produzir um dado fe-
ção e coordenados por eles; quanto em outros de inserção ma- nômeno sanitário . No entanto, esta hierarquia será, necessaria-
tricial, intra-sistemas de saúde ou intersetoriais, em que o sani- mente, situacional e variável e jamais predeterminada.
tarista seria um entre outros agentes . Tampouco a análise e a investigação de processos saúde/
No Brasil, nota-se um importante enfraquecimento da ver- doença/intervenção são monopólios da saúde coletiva. Como
tente da saúde pública pensada como especialidade. O apare- também não o são os métodos de investigação fundados na epi-
lho formador em saúde coletiva tem privilegiado o mestrado demiologia, na antropologia, na sociologia ou na biologia . Cada
e o doutorado, ou cursos de extensão voltados para a equipe modo de produção de saúde é composto por uma dada com-
de saúde em geral (Nunes, 1996), em detrimento da formação binação - qualitativa e quantitativa - de práticas. A combinação
de especialistas e de residentes. Há, até mesmo, indefinição de destes modos criaria modelos distintos, ainda quando alguns
critérios para os diferentes níveis e controvérsia sobre conteú- autores utilizem essas expressões em sentido equivalente. A
dos e, portanto, descontrole sobre a qualidade dos profissionais saúde coletiva ou a saúde pública, como núcleo, ou a vigilância
autorizados exercerem as atividades de saúde coletiva. No caso à saúde seu principal modelo de intervenção, ou a clínica seriam
de se adotar a primeira acepção, para saúde coletiva, conside- um entre outros modos de se produzir saúde. As políticas de
rando-se sua inserção horizontal, tão contrário a especialização saúde e modelos de atenção resultariam de diferentes combina-
seria fato sem importância, já que seu exercício seria tarefa de ções destes modos e destas práticas.
todos os profissionais de saúde e mesmo de toda a população. Os distintos modos de se produzir saúde apresentam-se
Na realidade, seria importante combinar as duas pers- com antagonismos; mas também têm aspectos complementa-
pectivas: tanto socializar saberes e práticas, quanto assegurar res já que se fundamentam em teoria e práticas não necessaria-
a existência de especialistas capazes de produzir saberes mais mente excludentes.
sofisticados sobre saúde pública e de intervir em situações mais Identificam-se quatro modos básicos para se produzir saú-
complexas. de: a) transformações econômicas, sociais e políticas resultando
Considerações a respeito de uma teoria sobre a produção em padrões saudáveis de existência, dificultando o surgimen-
de saúde to de enfermidades. Cidades saudáveis tem denominado este
Uma teoria sobre a produção de saúde deveria apoiar to- modo de produção referente à promoção à saúde (WHO,1991);
dos as práticas sanitárias. Essa teoria, portanto, seria construída b) vigilância à saúde voltada para a promoção e prevenção de
para todo o campo da saúde. Não para ser somente utilizada, enfermidades e morte; c) clínica e reabilitação em que se reali-
mas também desenvolvida com a contribuição dialógica de toda zam práticas de assistência e de cuidados individuais de saúde
a área e transbordando a fronteira do sistema sanitário propria- e d) atendimento de urgência e de emergência, em que práticas
mente. Mais que isso, tal teoria deveria incorporar, em sua ra- de intervenção imediatas, em situações limites, evitam morte e
cionalidade, todos os mecanismos sociais pelos quais se geram sofrimento .
saúde e enfermidade. Não há limites precisos ou rígidos entre os diferentes mo-
Pois bem, nesse sentido, a construção de uma teoria sobre dos de produção. Todos utilizam práticas de promoção e de pre-
a produção de saúde ou sobre o processo saúde/enfermidade/ venção, ações clínicas de reabilitação e de cuidados. O que varia
intervenção não deveria ser monopólio nem ferramenta exclu- é a ênfase com que são utilizados. Assim, a clínica vale-se pre-
siva da saúde coletiva, mas de todo o campo. Não há como pen- dominante de práticas de atenção ao indivíduo, ainda quando
sar a superação do paradigma biomédico sem a contribuição da a clínica, para ganhar em eficácia, necessite incorporar o social
própria clínica só com aportes da epidemiologia e das ciências e o subjetivo e operar com algumas práticas de prevenção e de
sociais. Nem somente com o biológico e o subjetivo se podem promoção à saúde. Do mesmo modo, é impossível praticar saú-
pensar modelos e políticas de atenção integral à saúde. A clíni- de pública sem o auxílio da clínica, pela atenção individual em
ca tem muito a ser criticada, mas tem também muito a dizer. programas coletivos ou vice-versa. No entanto, na vigilância à
O mesmo poder-se-ia comentar sobre a saúde coletiva. Não há saúde (saúde pública) predominam práticas de promoção e de
como repensar suas práticas desconhecendo o acervo da biolo- prevenção. Parte importante das ações de promoção escapam
gia, da psicologia e da clínica . Como pensar a AIDS ignorando ou ao próprio campo da saúde e ao núcleo da saúde pública. Limi-
a cultura ou o funcionamento concreto dos serviços de saúde, tes borrados, como foi assinalado anteriormente, estão também
ou o comportamento do vírus, ou a potência dos imunobiológi- entre as práticas incorporadas por estes diferentes modos de
cos ou dos tratamentos medicamentosos? produzir saúde.

48
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

A saúde seria, pois, o resultado de um processo de produ- Não deixar aos economistas a argumentação sobre inviabi-
ção. Um efeito algumas vezes desejado e buscado, com o senti- lidade econômica, e aos políticos, desculpas fundadas no prag-
do dado por Sartre (1963) ao termo, um vir-a-ser, um devir, um matismo dos que lutam pelo poder, mas exercita uma ética as-
bem a ser conquistado conforme bem o precisou Cecília Minayo sentada no compromisso explícito com a vida.
(1991). Indicando um processo sobre o qual intervêm práticas Não que a perspectiva acima venha a ter sempre a última
sociais, está relacionado tanto a necessidades sociais quanto a palavra, mas é preciso reconhecer que a sociedade ganharia
práticas de intervenção e controle. A clínica e a saúde coletiva com promotores públicos, em princípio, comprometidos com
produzem sempre saúde e controle. E o objeto sobre o qual se a defesa da vida. Ou seja, com intelectuais orgânicos (Gramsci,
intervém indica o compromisso assumido pelas práticas sanitá- 1978) coerentes, em seus discursos e em suas práticas, com uma
rias. No caso dos sistemas de saúde este objeto é representado teoria de produção da saúde. É óbvio que a resultante desses
pela doença ou por situações que a potencializem, quer digam processos nunca será o projetado pelo discurso sanitário puro,
respeito ao indivíduo ou ao meio. O objetivo, o fim, ou a finali- mas uma síntese de distintas racionalidades.
dade desses serviços é a produção de saúde.
Tais idéias acima desenvolvidas se contrapõem às de alguns Há um segundo aspecto a ser reforçado: reconhecer que a
autores que sugerem reformular o paradigma biomédico me- saúde é um valor de uso. Valor de uso com o sentido que origi-
diante um deslocamento do objeto de intervenção dos sistemas nalmente Marx (1985) atribuiu ao conceito, no volume primeiro
de saúde. Deixar-se-ia de trabalhar com a doença para se operar de O capital. Valor de uso entendido como a utilidade que bens
com a saúde. Ora, tal propósito aparece como um contra-senso ou serviços têm para pessoas concretas vivendo em situações
dentro da perspectiva teórica deste artigo já que a saúde é vista específicas. Ninguém conseguiria fazer circular uma mercadoria
como um produto, um fim, um resultado almejado, um objetivo. sem valor de uso. A saúde, mesmo quando entendida como um
O objeto sobre o qual intervém toda ou qualquer prática de saú- bem público, ou seja, quando lhe é socialmente retirada o cará-
de é a doença ou a potencialidade de se adoecer ou de morrer . ter de mercadoria, como acontece no Sistema Único de Saúde,
Almeida Filho e Paim (1999) sugerem una salud coletiva previ- já que é produzida como um direito universal e não em função
sional o, si nos permiten, pre-visionaria, es decir, una salud co- de seu valor de troca, mesmo nestes casos, ela conserva o cará-
letiva capaz de proponer visiones, formas, figuras y escenarios. ter de valor de uso.
O que se está ressaltando, contudo, é que o objetivo de se
produzir saúde seria comum a todas as práticas em saúde e não A utilidade de um bem ou serviço não é um dado intrínseco
somente àquelas vinculadas à saúde pública. Toda prática sani- a ele, mas é socialmente construída . Resultando, portanto, da
tária, em alguma medida, seria levada a oferecer algum valor de ação de distintos atores sociais em sentido nem sempre conver-
uso, no caso, algum coeficiente de bem-estar, ainda que junto gente, marcando cada produto com um certo valor de uso. As-
se produzam também iatrogenia e controle social . Nenhum bem sim, o valor da vida varia conforme a época, a classe e o contexto
ou serviço pode desvincular-se completamente da obrigação de social: expressa-se sob a forma de necessidades sociais. Neces-
atender a necessidades sociais. O que varia é o grau e a quali- sidades sociais são significadas em bens ou serviços a que tal ou
dade com que são oferecidas. Voltar-se-ia, portanto, à pergunta qual segmento social atribui alguma utilidade.
sobre o objeto da saúde coletiva. Para responder a esta questão
haveria que se investigar sua história concreta. Afinal o recorte Foucault (1995) afirmava que uma das manifestações do
do objeto da saúde coletiva é bastante influenciado pela dinâ- poder era a capacidade de produzir verdades. Em analogia, po-
mica política (Donnangelo, 1983) e varia conforme a correlação der-se-ia afirmar que a capacidade de produzir necessidades
dessas forças, a ação do Estado e dos distintos atores sociais, sociais é uma manifestação concreta do poder dos distintos gru-
que atuam no setor . pos e segmentos sociais (Campos, 2000). Nesse sentido, tanto as
equipes de saúde quanto a sociedade deveriam explicitamente
Para reconstruir o núcleo de saberes e práticas da saúde co- cuidar da produção de valores de uso e de sua expressão pública
letiva: algumas sugestões para debate sob a forma de necessidades sociais . Enganam-se aqueles que
A saúde coletiva e a defesa da vida (Campos GWS,1991). atribuem ao poder dominante a capacidade exclusiva de sempre
Em primeiro lugar é preciso assumir explicitamente que a saú- produzir necessidades sociais . Por mais poderoso que sejam o
de pública é uma construção social e histórica e que, portanto, Estado e mercado, jamais essas instâncias conseguiram desco-
depende de valores, ou seja, é resultante da assunção e da luta nhecer a dinâmica social que resulta na construção de necessi-
de alguns valores contra outros. Nesse sentido, sugere-se que dades . Ainda quando relegam desejos e interesses dos usuários,
os sanitaristas e demais profissionais de saúde assumam expli- ou o discurso da saúde coletiva, esses elementos acabam por
citamente uma visão de mundo fundada na radical defesa da mostrar sua lógica. Em alguma medida, os de baixo metem sua
vida das pessoas com as quais trabalhem. Isso implica a busca da colher de pau no cozido das necessidades sociais .
construção de condições sociais que possibilitem aos especialis-
tas em saúde coletiva trabalhar com autonomia relativa tanto O que se argumenta é que caberia aos trabalhadores e aos
em relação ao Estado, quanto a partidos políticos, ideologias usuários, a partir de seus próprios desejos e interesses, apoian-
e outras racionalidades técnicas . Assim, caberia ao sanitarista do-se em uma teoria sobre a produção de saúde, tratar de
posicionar-se sobre a existência ou não de saberes e de modos construir projetos e de levá-los à prática; objetivariam então a
concretos para se enfrentar tal ou qual problema de saúde; ar- concretização de determinados valores de uso, expressos sob a
güindo contra os economistas e políticos em defesa da vida de forma de necessidades, bem como dos meios necessários para
grupos expostos a riscos. atendê-las .

49
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

Uma luta sem resultados prévios assegurados. É contrária A reconstrução da saúde coletiva passaria por um desloca-
à razão dialética a análise que atribui exclusividade de efeitos à mento de ênfase: antes fora a doença, depois as estruturas, ago-
racionalidade ou ao poder hegemônico . O poder hegemônico é ra se trataria também de valorizar o fortalecimento dos sujeitos
o dominante e não o único. individuais e coletivos. No entanto, o deslocamento de ênfase
Os dominados também interferem na dinâmica social, par- não poderia significar abandono das outras dimensões. Como
ticularmente quando se trata da alteração de valores. Ora, valo- produzir sujeitos saudáveis sem considerar as doenças ou a pos-
res são os alicerces das estruturas e as estruturas são produtoras sibilidade de enfermar-se? Ou sem avaliar criticamente aspectos
e garantidoras de valores. A alteração de valores ressalta a ina- estruturais (ambiente, leis, normas )?
dequação social e histórica de estruturas ultrapassadas, aumen- A perspectiva de fortalecimento dos sujeitos foge à antidialé-
tando as possibilidades de mudança . tica positivista de medicina que fica com a doença descartando a
Para finalizar, valeria um esforço concentrado da saúde co- responsabilidade com a história dos sujeitos concretos; e supera o
letiva objetivando tornar mais democrática e participativa a de- estruturalismo da saúde pública tradicional que delega ao Estado
finição de valores de uso e de necessidades sociais. e ao aparato técnico quase toda a responsabilidade pela produção
de saúde.
A saúde coletiva e o fortalecimento dos sujeitos. Co-partici- Concluindo, é preciso investir não somente dimensão cor-
par da produção de necessidades sociais exige iniciativa política poral dos sujeitos conforme tradição da saúde pública (vacina-
e capacidade de reflexão crítica. Como a saúde coletiva poderia ção, por exemplo), mas também pensá-los como cidadãos de di-
contribuir para diminuir o coeficiente de alienação das pessoas? reito e donos de uma capacidade crítica de reflexão e de eleição
Sartre (1963) falava em serialidade, referindo-se a grupos mais autônoma de modos de levar a vida.
que repetiam comportamentos condicionados por estruturas ou Nesse sentido, a atual ênfase da saúde pública em comba-
valores hegemônicos. Entretanto apontava para a possibilidade ter determinados estilos de vida (WHO, 1991), ainda que apa-
da construção de grupos sujeitos, agrupamentos aptos a lidar rentemente reconhecendo a existência de pessoas concretas,
com essas determinações e condicionamentos de forma mais não deixa de ser uma forma moralista e normativa de aborda-
livre. E assim, considerando as limitações do contexto, criar-se- gem, já que os grupos a quem se destinam essas intervenções
-iam situações mais justas e democráticas. Mas e a saúde coleti- não são incorporados na construção ativa de modos de vida.
va teria algo a ver com isso? Por exemplo, escolher entre longevidade e prazer é um direito
inalienável da pessoa humana. A participação na administração
Basaglia aproveitou-se desta linha de reflexão aqui tecida das relações entre desejos, interesses e necessidades sociais é
para repensar políticas e práticas em saúde mental. Poder-se-ia condição sine qua non para a democracia e para a construção de
adaptar algo de suas conclusões para a saúde pública? Amaran- sujeitos saudáveis (Campos, 2000).
te (1996) sintetizou bem a perspectiva metodológica com que
Basaglia trabalhou: Se a doença é colocada entre parênteses, o OS CONSELHOS DE SAÚDE.
olhar deixa de ser exclusivamente técnico, exclusivamente clíni-
co. Então, é o doente, é a pessoa o objetivo do trabalho, e não a
doença . Desta forma a ênfase não é mais colocada no processo Nos últimos anos, alguns autores têm assinalado as defici-
de cura, mas no processo de invenção da saúde e de reprodução ências da democracia política formal e suas instituições tradicio-
social do paciente . nais, como o Parlamento e os partidos políticos, no que diz res-
peito à tomada de decisões que contemplem os interesses das
A perspectiva é de saída do objeto ontologizado da medici- maiorias (PATEMAN, 1992; Putnam, 1996). Nesse sentido, várias
na - a doença - e entrada, em seu lugar, de um sujeito . No caso propostas têm sido apresentadas e adotadas visando aproximar
da clínica, o doente; no caso da saúde coletiva, uma coletividade as comunidades dos processos de decisão. Essas iniciativas, em
específica. Vale enfatizar, que Basaglia não se referia a um enfer- geral, constroem arenas públicas descentralizadas que buscam
mo em geral, mas a um sujeito concreto, social e subjetivamente incorporar a sociedade civil organizada, que passa a ter poder
constituído. O mesmo se aplicaria a uma saúde coletiva que se de deliberação sobre as políticas públicas setoriais. Com isso,
pretendesse construtiva: deveria trabalhar com grupos concre- cria-se a expectativa de que decisões tomadas sejam mais equi-
tos, social e culturalmente constituídos. Toda a ênfase seria pos- tativas (LABRA, 2002).
ta sobre a existência concreta de sujeitos e sobre a possibilidade No Brasil, uma alternativa ao modelo tradicional de repre-
de se inventar saúde para esses enfermos, no caso da clínica; sentação de interesses encontrou na Reforma Sanitária uma de
e para grupos expostos a possibilidade de enfermar-se, para a suas mais notáveis traduções: trata-se da institucionalização dos
saúde pública. Conselhos de Saúde (CARVALHO, 1998). Conceitualmente sua
criação está assentada sobre uma noção particular de controle
Inventar saúde para Basaglia (1985) implicaria mais do que social. Tradicionalmente, essa expressão traduz o controle do
uma invenção técnica, já que ele ligava essa noção à de repro- Estado sobre a sociedade . Com a Reforma Sanitária, o termo
dução social do paciente . Reprodução social entendida como passou a traduzir exatamente o contrário, ou seja, passou a sig-
exercício de cidadania e de participação social. Em saúde pú- nificar o controle da sociedade sobre o Estado (ALVAREZ, 2004).
blica poder-se-ia trabalhar com a idéia de mudança tanto das Historicamente, a gênese do controle social na saúde no Brasil
estruturas, sua democratização, e da normas de direito, quanto está associada à luta pela participação no processo decisório e
da capacidade reflexiva e da iniciativa dos sujeitos individuais e ao processo de democratização recente da sociedade brasileira,
coletivos. que culminou com a promulgação da Constituição de 1988.

50
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

Desde então, foram promulgadas leis e normas que conferi- 1992; Dallari et al., 1996; Wendhausen; Caponi, 2002; Jacobi,
ram um arcabouço jurídico ao controle social na saúde (BRASIL, 2002; Vazquez et al., 2003; Guizardi, 2004; Guizardi; Pinheiro,
1990a; 1990b; 1992; 1993; 1996; 2002). Os Conselhos de Saú- 2004; Gerschman, 2004; Morita, 2006; Van Stralen et al., 2006;
de passaram a ser compostos por representantes de usuários, COTTA, et al., 2009; Oliveira; Almeida, 2009; Oliveira; Almeida,
profissionais e gestores dos serviços do Sistema Único de Saúde 2009; Lacaz; Flório, 2009; Cotta, et al., 2010; Kleba et al., 2010;
(SUS) nos níveis Municipal, Estadual e Federal. Os usuários pas- Moisés et al., 2010).
saram a ter representação paritária em relação aos outros dois Fonte: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttex-
segmentos . t&pid=S0103-73312012000200003

Atualmente, todas as unidades da federação e todos os mu-


nicípios do país possuem Conselhos de Saúde, que se reúnem O PACTO PELA SAÚDE.
pelo menos uma vez por mês e mobilizam cerca de cem mil pes-
soas (CORREIA, 2000; Van Stralen, 2006) . Desde estão, têm sido
realizadas as Conferências de Saúde, nas três esferas de gover- O Pacto pela Saúde trata-se de um esforço das três esferas
no, onde diferentes segmentos da população avaliam e traçam de governo (municípios, estados e União) para, juntamente com
as diretrizes para as políticas de saúde. o Conselho Nacional de Saúde, rediscutir a organização e o fun-
cionamento do SUS. Seu objetivo principal é avançar na implan-
Segundo a Lei Orgânica nº 8 .142, de 28 de Dezembro de tação dos princípios constitucionais referentes à saúde no Brasil
1990, e as demais normas e leis promulgadas posteriormente e definir as responsabilidades de gestão de cada ente federado.
(Brasil, 1990), o Conselho de Saúde tem caráter deliberativo. Ele Facilmente reconhecemos que o Brasil é o país do futebol,
tem o poder de formular estratégias e controlar a execução da do carnaval, da diversidade cultural, etc. Entretanto, não pode-
política de saúde na instância correspondente, inclusive nos as- mos dizer que o Brasil seja reconhecido pelo seu Sistema Único
pectos econômicos e financeiros. Segundo essas determinações, de Saúde – SUS – como mereceria ser. Primeiro, porque os inte-
a decisão do Conselho de Saúde deve ser homologada pelo che- resses neoliberais buscam transformar nosso direito à saúde em
fe do poder legalmente constituído em cada esfera do governo. mercadoria geradora de lucro . Para isso, há uma ação sistemá-
As competências do Conselho de Saúde podem ser subdivididas tica de alguns grupos para que a política pública não funcione e
em duas categorias: proposicional e fiscalizadora. para que as pessoas tenham planos privados de saúde.
Segundo, porque o SUS ainda é uma proposta muito recen-
No primeiro caso, inscrevem-se as competências de esta- te, considerando o longo período em que vivemos sem qualquer
belecer ou formular estratégias, diretrizes, medidas ou critérios, política pública de saúde universal e de qualidade no Brasil.
examinar propostas e promover estudos. Essas proposições e Apesar de registrar avanços importantes, a reforma sanitá-
suas decisões, elaboradas e aprovadas em fóruns competen- ria brasileira – que está intimamente ligada à proposta do SUS,
tes, como as Conferências de Saúde, devem ser homologadas ainda enfrenta enormes limitações. Muitas regras estão ultra-
pelo representante do poder executivo. O estudo de Vazquez e passadas e são até contraditórias. Os sujeitos da participação
seus colaboradores (2003) revela que, em geral, as proposições da comunidade na saúde, especialmente os conselheiros, atuam
aprovadas nestes fóruns não têm sido homologadas pelo poder em meio a uma burocracia que parece não ter fim e convivem
competente . Se o forem, não se transformam em uma realida- com um sistema de normas inaplicável à sua realidade, dificul-
de palpável para a maioria da população que frequenta o SUS; tando assim a implantação do SUS .
ou seja, elas tiveram baixo alcance ou efetividade. Jacobi (2002) Alia-se a isso a dificuldade enorme que ainda existe para
sugere que a burocracia do aparelho estatal e a centralização do que o SUS funcione integrado como um sistema, embora tenha-
poder político explicam o descompasso existente entre a homo- mos exemplos muito positivos de experiências de regionalização
logação e a efetivação das deliberações dos Conselhos de Saúde. e descentralização. Por fim, não poderíamos deixar de fazer re-
ferência ao limite enorme enfrentado pela participação da co-
No segundo caso, inscrevem-se as competências de fisca- munidade no exercício da fiscalização do SUS. Faltam instrumen-
lizar o funcionamento e a prestação de serviços, que se rela- tos que responsabilizem os gestores de forma clara, a partir de
cionam direta ou indiretamente com a saúde, em instituições metas e indicadores para as ações e os serviços da saúde. Tudo
públicas ou privadas vinculadas de alguma forma com o SUS. isso mostra a necessidade de mudanças .
A fiscalização dos serviços de saúde é uma das atividades mais Essa realidade foi detectada há muito tempo e vem sendo
recorrentes realizadas pelo conselheiro . Para tanto, é nomeada discutida pela sociedade, por profissionais e por gestores com-
uma comissão para visitar uma instituição de saúde e verificar se prometidos com o SUS. Foi pauta das últimas Conferências de
ela está funcionando adequadamente. Em geral, essa visita não Saúde e dos debates do Conselho Nacional de Secretários Esta-
é agendada previamente. O elemento surpresa é considerado duais de Saúde (CONASS) e do Conselho Nacional de Secretarias
um fator fundamental nessa atividade. Assim, os Conselheiros Municipais de Saúde (CONASEMS) que resultaram em profunda
têm a expectativa de que a fiscalização seja realizada em um análise do SUS no contexto pós-NOBs (Normas Operacionais Bá-
momento de funcionamento regular do serviço de saúde. sicas) .
Esses diferentes debates resultaram na criação de uma nova
Este artigo se soma ao esforço analítico de alguns pesqui- proposta de pactuação sobre o funcionamento do SUS . Tratou-
sadores, que nos últimos anos têm avaliado a experiência de -se, primeiramente, de um diálogo entre o Ministério da Saúde,
organização e atuação dos Conselhos de Saúde (Sposati; Lobo, o CONASS e CONASEMS sobre suas respectivas responsabilida-

51
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

des. Em seguida, esse diálogo entre as três esferas do governo metas nacionais sejam uma imposição ao município e/ou ao
proporcionou novas orientações quanto ao funcionamento do estado. Um dos objetivos do Pacto é exatamente eliminar este
SUS que foram encaminhadas ao Conselho Nacional de Saúde. formato. Mas o município deve atentar para as prioridades das
Estas novas orientações, depois de discutidas e aprovadas pelo outras esferas e discutir como elas podem responder às suas
CNS, em fevereiro de 2006, resultaram no que se chamou de necessidades. É preciso também definir as suas próprias prio-
Pacto Pela Saúde. ridades, que dizem respeito especificamente ao seu território.
O documento que deve guiar o estabelecimento dessas metas
Dimensões do Pacto pela Saúde é o Plano de Saúde. Vale destacar que o alcance das metas e
objetivos do Pacto pela Vida está relacionado à implementação
É fundamental reafirmar que o Pacto pela Saúde busca pre- do Pacto pela Saúde.
servar os princípios do SUS previstos na Constituição e nas Leis O Pacto em Defesa do SUS objetiva discutir o sistema a par-
Orgânicas da Saúde (Lei 8.080, de 19 de setembro de 1990, e tir dos seus princípios fundamentais. Repolitizar o debate em
8.142, de 11 de dezembro de 1990). O próprio Pacto prevê es- torno do SUS, para reafirmar seu significado e sua importância
tratégias que afirmam esses princípios. É a partir deles que se para a cidadania brasileira, retomando seus princípios declara-
construiu uma pactuação que contempla três dimensões: dos na Constituição Federal. O SUS é parte do processo demo-
- Pacto pela Vida crático do país e tem como primeira finalidade a promoção e
- Pacto em Defesa do SUS efetivação do direito à saúde. Embora esse propósito muitas
- Pacto de Gestão do SUS vezes seja desvirtuado por interesses diferentes, é fundamental
que a sociedade compreenda a importância da política pública
No início, o debate estava centrado somente na gestão do para a efetivação dos seus direitos.
SUS. Entretanto, as discussões posteriores indicavam a impor- As diretrizes operacionais do Pacto em Defesa do SUS reco-
tância de se ampliar o processo e a pactuação para uma visão mendam:
mais integral. Em que pese o Pacto pela Saúde contemplar três - expressar os compromissos entre os gestores do SUS com
dimensões, as mesmas não podem ser tratadas separadamente, a consolidação da Reforma Sanitária Brasileira, explicitada na
pois elas se correlacionam . defesa dos princípios do Sistema Único de Saúde estabelecidos
O Pacto pela Vida tem como foco central estabelecer um na Constituição Federal;
conjunto de prioridades a serem assumidas pelos gestores das - desenvolver e articular ações no seu âmbito de competên-
três esferas. As prioridades estão expressas em objetivos, metas cia e em conjunto com os demais gestores que visem qualificar e
e indicadores, que são definidas nacionalmente, mas que per- assegurar o Sistema Único de Saúde como política pública.
mitem que os gestores indiquem situações a partir da realidade
local. Até 2006, o Pacto pela Vida era constituído por indicado- Para garantir a defesa dos princípios do SUS e assegurá-lo
res do Pacto da Atenção Básica, da Programação Pactuada e In- como política pública, foram definidas como fundamentais três
tegrada da Vigilância (PPI-VS), e pelos indicadores do Pacto pela frentes de ação. O Plano de Saúde é um dos instrumentos im-
Saúde. A Portaria nº 91 GM/MS, de 10 de janeiro de 2007, uni- prescindíveis para a qualificação da gestão do SUS, além de ser
ficou o processo de pactuação de indicadores por meio de apli- junto com o Relatório de Gestão, uma exigência legal para o re-
cativo eletrônico. Esta portaria foi alterada pela Portaria GM/ cebimento dos recursos da saúde, conforme o artigo 4º da Lei
MS nº 325, de 21 de fevereiro de 2008, onde se incluíram novas 8142/90 .
responsabilidades. No ano de 2009 foi mantida a pactuação de
2008, por meio da Portaria GM/MS nº 48, de 12 de janeiro de - Primeiro, implementar um amplo processo de mobilização
2009 . social para divulgar a saúde como direito de todos e o SUS como
Essas prioridades buscam enfrentar os principais problemas a política pública que deve responder a esse direito. Deste pro-
de saúde que assolam o país, os estados, as regiões e os municí- cesso resultou a Carta dos Direitos dos Usuários do SUS, um ins-
pios. Por isso, o objetivo do Pacto é eleger prioridades nacionais trumento conhecido e importante para a mobilização e controle
e incentivar que estados e municípios elejam as suas a partir da social. Neste item específico, caberia um debate sobre a atual
realidade local e regional . Entretanto, é importante que as prio- necessidade de ações e publicações que ampliem a divulgação
ridades não sejam ações que já estão incluídas no cotidiano do da saúde como direito de todos e sobre o SUS. Cabe destacar,
sistema, como por exemplo, a vacinação. Elas devem continuar que a partir de 2009, o Conselho Nacional de Saúde, em parce-
sendo feitas com qualidade, mas não necessariamente precisam ria com o Ministério da Saúde, CONASS e CONASEMS, instituiu
constar como prioridade, porque já fazem parte da cultura dos a Caravana em Defesa do SUS. O Objetivo é fortalecer o debate
gestores, conselheiros e cidadãos . da saúde como um direito humano e repolitizar o SUS de acordo
A importância do Pacto pela Vida é olhar para o contexto da com os princípios da reforma sanitária. Junto com a Caravana,
saúde (lugar onde as pessoas moram e suas condições de vida) está em curso a proposta de reconhecimento do SUS como pa-
e definir prioridades que incidem progressivamente para a me- trimônio imaterial da humanidade .
lhoria da situação de saúde dos brasileiros. No entanto, uma vez
definidas e acordadas, é preciso estabelecer recursos orçamen- - A segunda frente de ação é mobilizar a sociedade para que
tários para que elas não sejam apenas boas intenções. tenhamos mais recursos para a saúde. A perspectiva é que, em
Para que essas prioridades expressem a realidade nacional, curto prazo, a Emenda Constitucional nº 29 seja regulamentada
estadual, regional e municipal, elas devem estar em profunda e, em longo prazo, que a saúde tenha aumentados seus recursos
consonância entre si. Isso não significa, por exemplo, que as orçamentários e financeiros O Pacto em Defesa do SUS destaca a

52
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

intenção de evitar a proposição de políticas de governo. É funda- - respeitar as diferenças locais e regionais;
mental que tenhamos uma política de financiamento de Estado. - reforçar a organização das regiões sanitárias (regionaliza-
Os direitos não podem depender da boa vontade deste ou da- ção) instituindo mecanismos (colegiados) de co-gestão e plane-
quele governo. Necessitamos de uma política de financiamento jamento regional;
que garanta estabilidade e o progressivo aumento dos recursos - qualificar o acesso ao direito humano à saúde;
destinado à saúde. - redefinir instrumentos de regulação, programação e ava-
liação;
- A terceira grande frente, diz respeito à ampliação do diá- - valorizar a cooperação técnica entre os gestores;
logo com a sociedade . - unificar os diversos pactos existentes;
- estimular o financiamento tripartite com critérios de equi-
O Pacto de Gestão é outra dimensão do Pacto pela Saúde. dade nas transferências fundo a fundo e fortalecer o controle
Suas diretrizes dizem respeito à Regionalização, ao Financia- social .
mento, ao Planejamento, à Programação Pactuada e Integrada
da Atenção à Saúde (PPI), à Regulação da Atenção à Saúde e da O Pacto também é composto por diversos temas. Sem des-
Assistência, à Participação e Controle Social, à Gestão do Tra- merecer a importância de nenhum, vamos priorizar aqueles
balho e à Educação na Saúde. Seu foco é radicalizar os princí- que, ao nosso ver, mais se relacionam com as demandas e lutas
pios da regionalização, hoje um dos maiores desafios do SUS. O dos sujeitos sociais populares pelo direito humano à saúde. São
sistema ainda convive, em muitos casos, com uma lógica velha, eles: Atenção Básica, Regionalização e Financiamento.
centralizada, e que não permite o pleno e qualificado acesso dos Em 30 de março de 2006, o Ministro da Saúde assinou a
cidadãos às ações e aos serviços de saúde. portaria nº 699/GM que deu sequência ao processo de implan-
O Pacto de Gestão do SUS definiu melhor as responsabilida- tação do Pacto pela Saúde. Um dos objetivos desta portaria foi
des de cada esfera de governo. Essa definição é importante para apontar as diretrizes operacionais e os desdobramentos para o
que a política do SUS funcione a partir da gestão participativa. O processo de gestão do SUS . Ela determinou também como seria
que vemos hoje é o chamado “empurra-empurra” (descumpri- a transição e o monitoramento destes pactos, dando unidade
mento de pactuações) entre os gestores, que aumentam cada aos processos de definição de indicadores e metas.
vez mais as tensões entre si para ver de quem é a responsabi- A principal definição desta portaria foi o Termo de Compro-
lidade na saúde. E o cidadão fica no meio, sem saber ao certo misso de Gestão - TCG. Trata-se de uma espécie de contrato que
a quem deve recorrer para garantir o seu direito. Com a nova os gestores assinam. E no caso do Pacto pela Saúde, o TCG vale
pactuação as responsabilidades e o processo de monitoramento para os três gestores do SUS. No TCG constam todas as suas res-
e avaliação da gestão do SUS ficaram mais claros. ponsabilidades no tocante às ações e serviços de saúde. É um
Outro aspecto que deve ser ressaltado no Pacto de Gestão contrato porque os gestores devem ser sujeitos do processo de
do SUS é reconhecer que a participação da comunidade tem im- discussão das suas responsabilidades com as outras esferas, sem
portância estrutural na gestão do SUS. Já passou o tempo em que ninguém defina autoritariamente suas obrigações.
que o gestor centralizava todas as decisões sobre a saúde. Para Esse Termo passou a ser o meio pelo qual os gestores fazem
que a participação da comunidade tenha melhores condições de sua adesão ao Pacto. Isto significa que a adesão não será auto-
atuação, o Pacto propõe um conjunto de ações e reconhece o mática, mas que todos os municípios, estados, o Distrito Federal
dever dos gestores de destinar orçamento, cooperando técnica e a União devem desencadear um processo de discussão com
e financeiramente para sua qualificação. os agentes do controle social e as outras esferas de gestão, para
Essa medida poderá resolver uma das maiores dificuldades que se estabeleça a adesão .
atuais dos conselhos que é ter estrutura para realizar seu traba-
lho. Ainda hoje, muitos gestores desrespeitam as deliberações A construção do Termo de Compromisso de Gestão
e inviabilizam a atuação dos conselheiros quando não apoiam
ações formativas, negam recursos para viagens, não viabilizam Primeira premissa: Os Termos de Compromisso substituem
sala com telefone para o conselho trabalhar, ou não cedem veí- o processo de habilitação. Os Termos de Compromisso de Ges-
culos para ações de fiscalização. tão, tanto de estados, Distrito Federal e dos municípios substi-
No entanto, fica ainda uma crítica sobre o processo de cons- tuem os antigos processos de habilitação ao SUS. Dissemos tam-
trução do Pacto pela Saúde. Apesar da proposta potencializar bém, que todos os municípios e estados terão responsabilidades
a participação da comunidade, os gestores envolvidos na sua das quais não podem abrir mão em nenhuma hipótese . Isso não
construção não conseguiram dialogar com os representantes significa que todos os gestores devam ou consigam dar conta
da comunidade. Embora o texto final tenha sido aprovado pelo dessas atribuições imediatamente. Entretanto, devem pactuar
Conselho Nacional de Saúde, poucos foram os debates públicos um cronograma que mostre ‘como’ e ‘quando’ estas atribuições
que possibilitaram aos movimentos, às organizações e aos con- serão assumidas . Vale destacar que no caso dos municípios,
selhos do país inteiro colocar em pauta suas ideias, posições e existem responsabilidades que não se aplicam, devido ao porte
perspectivas sobre um assunto tão importante. do município ou mesmo a natureza da responsabilidade .
A partir dessas prerrogativas é que todos os municípios e
Temas relevantes do Pacto pela Saúde estados devem construir o seu Termo para que seja possível o
acesso às ações e serviços de qualidade para todos os cidadãos.
O Pacto se constitui a partir de uma unidade de princípios De posse do documento final, os conselheiros de saúde, os ges-
que buscam: tores (sejam municípios, estados ou União) e os cidadãos em

53
NOÇÕES DE SAÚDE PÚBLICA

geral poderão monitorar permanentemente se determinado com qualidade significa, entre outras medidas, manter um
município está cumprindo ou não com os compromissos acor- diálogo permanente entre gestores e os Conselhos de Saú-
dados. Será um documento público que permitirá a fiscalização, de. Significa enxergar o Pacto como um todo, compreenden-
o monitoramento e a avaliação da gestão do SUS, de forma mais do que a unificação de indicadores representa um acordo de
eficiente. metas para melhoria da qualidade da saúde da população, e
Para isso acontecer, é importante a participação da comu- que acaba por refletir-se também no Pacto de Gestão. Além
nidade já na construção do Termo. Afinal, caberá ao Conselho disto, o Pacto em Defesa do SUS garante a sustentabilida-
de Saúde aprovar a proposta. A primeira questão fundamental de do sistema de saúde como um todo. Outro aspecto im-
para o sucesso deste processo é: O Termo não deve ser uma portante diz respeito à utilização do processo que envolve
construção individual, somente dentro do município, como se o Pacto para a qualificação das ações da equipe de saúde,
ele fosse uma ilha isolada . É claro que cada gestor municipal é respeitando o diálogo com os conselhos de saúde e os mo-
responsável para tomar a iniciativa de responder por seu territó- vimentos populares.
rio e população. Nenhum gestor deve esperar que outros façam
por ele o que é responsabilidade sua . Eixos para a construção do Termo de Compromisso Municipal
Entretanto, aqui vale o grande princípio da solidarieda-
de presente no SUS . Todo gestor municipal pode solicitar o O Termo prevê que os gestores municipais tenham respon-
apoio de outros gestores municipais, principalmente os que sabilidades sanitárias claras e que as pactuem nas negociações
participam dos Colegiados de Gestão Regional e de outras correspondentes . Essas responsabilidades obedecem basica-
esferas de governo, para pôr em prática um processo de ne- mente a sete eixos:
gociação e construção do Termo. Até porque não é possível - Responsabilidades Gerais da Gestão do SUS;
pensar o sistema isoladamente . - Regionalização;
- Planejamento e Programação;
Segunda premissa: Termos devem necessariamente es- - Regulação, Controle, Avaliação e Auditoria;
tar relacionad