Você está na página 1de 4

Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira

Bacharelado em Humanidades
2ºSemestre – 2016

Colonização e Pensamento Antropológico

Professora Responsável Horário das Aulas


Mariana da Costa A. Petroni Quarta-feira 13:30 –17:30
e-mail: marianapetroni@hotmail.com

Apresentação
Este curso procura elucidar a gestação e desenvolvimento do pensamento
antropológico e sua relação com os processos de colonização da América e
África. Assim, pretende-se refletir criticamente sobre alguns conceitos e
problemas chaves da história da antropologia. Para tanto, visamos uma
abordagem na qual as histórias e os temas serão tratados simultaneamente,
com a proposta de repensar alguns conceitos e categorias que conformam a
ciências antropológica.

Requisitos e Avaliação
Este curso está estruturado em aulas teóricas e discussão de leituras. Além da
presença e participação ativa nas aulas e discussões, cada aluno deverá
entregar, no final de cada unidade do curso, um texto que deve responder a
perguntas apresentadas oportunamente.

Participação em aula 10%


Trabalho Unidade I 30%
Trabalho Unidade II 30%
Trabalho Unidade III 30%

Cronograma de Atividades

14∕09 Apresentação do Curso

UNIDADE I
21∕09 A construção do Europocentrismo
Sevcenko, Nicolau. “As alegorias da experiência marítima e a construção do
europocentrismo”. In Schwarcz, Lilia; Queiroz, Renato (Orgs.) Raça e
Diversidade. São Paulo: Edusp. 1996.
Gruzinski, S. “Os mundos misturados da monarquia católica e outras conected
histories.” In: Topoi, Rio de Janeiro, mar. 2001, pp. 175-195.

28∕09 Imagens da América.


Carneiro da Cunha, Manuela. “Imagens de Índios do Brasil”. In: Estudos
Avançados 10, 1990, 91-110
Ferreira, Andrei Cordeiro. “Conquista Colonial, Resistência Indígena e
Formação do Estado Nacional: os Índios Guaicuru e Guana no Mato Grosso
dos Séculos XVIII e XIX.” Revista de Antropologia, 52:1. 2009. Pp.97-136.

Exibição e discussão do filme: Brava gente Brasileira. Direção Lúcia Murat,


2000.

05∕10 Imagens de África.


Pina Cabral, João de. “Galvão na terra dos canibais: a constituição emocional
do poder colonial.” In: Feldman-Bianco, B. (Orgs.) Trânsitos Coloniais.
Diálogos Críticos Luso-Brasileiros. Ed. Unicamp. 2007. Pp.101 -124.

Appiah, A. “A Invenção da África.” (Cap.1) Na casa do meu pai. Rio de


Janeiro: Contraponto. 1997.

Leitura Complementar:
LEIRIS, Michel. 2007 [1934]. A África Fantasma. São Paulo: Cosac Naify.

12∕10 Feriado

UNIDADE II

19∕10 A formação da antropologia enquanto disciplina acadêmica.


Etnografia, Deslocamento e Alteridade.
Schwarcz, Lilia. “As teorias raciais, uma construção histórica de finais do século
XIX”. In SCHWARCZ, Lilia; QUEIROZ, Renato (Orgs.) Raça e Diversidade.
São Paulo: Edusp. 1996.
Ventura, Roberto. “Uma nação mestiça” (Cap.2). In: Estilo Tropical. São
Paulo: Cia. das Letras, 1991.

26∕10 Avaliação UNIDADE I

02/11 Feriado

09∕11

16∕11 Semana do Estudante

23/11 Etnografia
Malinowski, B. “Introdução: Tema, Método e Objetivo desta Pesquisa”. “Os
Nativos das Ilhas Trobriand” in: Os Argonautas do Pacífico Ocidental, São
Paulo: Abril Cultura, 1978.
Exibição e discussão do filme: Malinowski da série Strangers Abroad.

30∕11 Alteridade – Críticas ao evolucionismo


Boas, Franz. “Os Objetivos da Pesquisa Antropológica” e “Raça e Progresso”.
In Castro, Celso (org.). Antropologia Cultural.
UNIDADE III
07∕12 Os saberes Coloniais
(SEMINÁRIO)
KUPER, Adam. “Antropologia e Colonialismo”. In: Antropólogos e
Antropologia. Rio de Janeiro: Editora: Francisco Alves, 1978.

14∕12 Antropologias e Ideologias Nacionais

(SEMINÁRIO)
Goldman, M. & Neiburg, F. “Da Nação ao Império: guerra e os estudos do
caráter nacional” in: L'estoile, B; Neiburg, Federico; Sigault, Lygia. (Orgs)
Antropologias, Impérios e Estados Nacionais. Rio de Janeiro, Relume
Dumará Faperj, 2002.

(SEMINÁRIO)
Souza Lima, Antônio Carlos. “Tradições de conhecimento na gestão colonial da
desigualdade reflexões a partir da administração indigenista no Brasil” In:
Feldman – Bianco, Bela et ali. Trânsitos Coloniais. Diálogos Críticos Luso-
Brasileiros. Campinas: Editora Unicamp. 2007.

21∕12 Antropologias e Ideologias Nacionais


(SEMINÁRIO)
L’estoile, B. “Ciência do homem e “dominação racional”: saber etnológico e
política indígena na África colonial francesa” in: L'estoile, B; Neiburg, Federico;
Sigault, Lygia. (Orgs) Antropologias, Impérios e Estados Nacionais. Rio de
Janeiro, Relume Dumará Faperj, 2002.

Crítica saberes coloniais em África


(SEMINÁRIO)
Borges, Antonadia et alli. “`Pós – Antropologia: as críticas de Archie Mafeje ao
conceito de alteridade e sua proposta de uma ontologia combativa” in:
Sociedade e Estado. Vol.30 . Núm. 2. 2015.

04∕01 Antropologia e Formação do Brasil


(SEMINÁRIO)
Bomeny, Helena. “A aposta de futuro” o Brasil de Darcy Ribeiro. In: Schwarcz,
L & Botelho, A. Um Enigma chamado Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 2009.

11∕01 Entrega Prova Final

Instrução para a realização dos Trabalhos:


Os trabalhos devem ser entregues ao final de cada unidade na forma de
ensaio. Eles devem ser um texto escrito em Times New Roman, letra 12,
espaço 1,5, com no máximo 5 páginas.
Ensaio é um texto breve que expõe ideias e críticas a respeito dos temas
discutidos nos textos lidos e apresentados durante o curso. Não serão aceitos
trabalhos entregues fora do prazo.

Leitura Complementar
Thomaz, Omar Ribeiro. "O bom povo português": usos e costumes d´aquém e
d´além-mar. Mana, 7(1), 55-87. 2001.

Araújo, Ricardo B. “Chuvas de Verão”. Antagonismo em Equilíbrio em Casa


Grande & Senzala de Gilberto Freyre. In: Schwarcz, L & Botelho, A. Um
Enigma chamado Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 2009.

Você também pode gostar