Você está na página 1de 12

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS

ROUSSEAU
Vida, obras e participação na Enciclopédia

Fábio Heleno Amaral


Maria Luiza Andrade
Mariana Gabriela de Oliveira
Tiago Simão

BELO HORIZONTE
2009

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS


GERAIS

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO EM QUÍMICA

ROUSSEAU

Trabalho referente à disciplina de Língua


Portuguesa do 1º ano do Curso Técnico de
Química do CEFET-MG.
Entregue à professora Sônia Beatriz Peres
Ladeira.
Realizado pelos alunos Fábio Heleno
Amaral, Maria Luiza Andrade, Mariana
Gabriela de Oliveira e Tiago Simão.

BELO HORIZONTE

2
2009
INTRODUÇÃO

Jean-Jacques Rousseau foi um dos mais importantes filósofos europeus no


século XVIII. Suas obras inspiraram reformas tanto políticas, como educacionais, e
tornou-se, mais tarde, a base do chamado Romantismo. Formou, com Montesquieu e
os liberais ingleses, o grupo de brilhantes pensadores pais da ciência política moderna.
Lançou sua filosofia não somente através de escritos filosóficos formais, mas também
em romances, cartas e na sua autobiografia.

Jean-Jacques Rousseau (1712-1778)

3
1. VIDA

Jean-Jacques Rousseau nasceu em Genebra, na Suíça, em 28 de junho de


1712. Foi filho de Isaac Rousseau, relojoeiro de profissão. A herança deixada pelo avô
paterno de Rousseau foi de pouca valia para seu pai, porque teve que ser dividida
entre 15 irmãos. O pai sempre dependeu do que ganhava com o próprio trabalho para
o sustento da família. Sua mãe foi Suzanne Bernard, filha de um pastor de Genebra;
faleceu poucos dias depois de seu nascimento. Rousseau tinha um irmão, François,
mais velho que ele sete anos, o qual, ainda jovem, abandonou a família.
Considera-se que o fato de sua mãe ter morrido poucos dias depois de seu
nascimento, em conseqüência do parto, tenha marcado Rousseau desde criança. É
pelo menos curioso que chamasse "mamãe" sua primeira amante e "tia" à segunda. Foi
criado, na infância, por uma irmã de seu pai e por uma ama.
Rousseau não teve educação regular senão por curtos períodos e não freqüentou
nenhuma universidade. Ainda na casa paterna, leu muito: lia para o pai, enquanto este
trabalhava em casa nos misteres de relojoeiro, os livros deixados por sua mãe e pelo
pastor seu avô materno.
Seu tio logo o enviou, junto com seu próprio filho, para serem educados no campo,
na residência de um pastor protestante em Bossey, lugarejo próximo a Genebra onde
ambos estudam latim e outras disciplinas.
Aos 12 anos volta com o primo a Genebra para começar a trabalhar. O primo irá se
preparar para engenheiro, como o pai, e Rousseau passa algum tempo na ociosidade,
até que o encaminham para um emprego no cartório, onde inicia aprendizado de
questões legais com vistas a profissão de advogado. Rousseau não gostou do
emprego, e decepcionou o tabelião, que terminou por despedi-lo.
A partir de abril de 1725 trabalha em uma oficina de gravação onde a rudeza do
patrão termina por desinteressá-lo do serviço.
Aos dezesseis anos, habituado a perambular com amigos pelos arredores de
Genebra, perdeu o toque de recolher e passou a noite do lado de fora das portas
trancadas da cidade. Não quis submeter-se aos castigos que o esperavam e fugiu. Em
Contignon, na Saboia (França) a duas léguas de Genebra, solicitou ajuda ao pároco
católico que o encaminha a uma jovem senhora comprometida a ajudar peregrinos com
a pensão que recebia do rei.

4
Tratava-se de Louise-Éléonore de la Tour du Pil. Protestante pietista, separada do
marido por motivo de sedução, sem filhos, Louise, havia solicitado ajuda ao rei católico
Victor-Amadeus II, duque de Saboia, Rei da Sardenha e Piemonte. Dele recebeu uma
pensão com a condição de converter-se ao catolicismo e praticar beneficência. O rei
enviou-a a Annecy (hoje capital da Alta-Saboia), no lago de Annecy, onde, sob a
direção do arcebispo Michel-Gabriel de Bernex ela fez a abjuração no convento da
Visitação (fundado por São Francisco de Sales e Santa Joana-Francisca de Chantal)
tornando-se católica.
A vida de Rousseau com Louise, cerca de dez anos mais velha, para ele mãe e
amante (Rousseau se refere a ela sempre como a Sra. Warens ou "mamãe"), divide-se
em vários períodos. O primeiro é curto. Porque lhe pareceu que em Turim o jovem
haveria de dar-se bem, ela o encaminha para lá com dinheiro para a viagem fornecido
pelo Arcebispo e cartas de recomendação, uma delas para um asilo de catecúmenos
(Asilo do Espírito Santo) onde Rousseau deveria estudar o catecismo e abjurar o
protestantismo.
Rousseau viaja a pé. Seu pai, que havia se estabelecido em Nyon, avisado da sua
fuga foi a Annecy esperando encontrá-lo, talvez com o intuito de mantê-lo consigo, mas
lá chegando e sabendo que o filho seguira para uma instituição em Turim, deu-se por
satisfeito.
Após a devida instrução, Rousseau abjurou na Igreja de São João, seguindo-se
uma entrevista com o Inquisidor do Santo Ofício. Com um donativo de 20 francos,
coletado na cerimônia da abjuração, Rousseau inicia a vida naquela cidade. Encontra
trabalho de simples lacaio em uma casa nobre, porém vem a rever um amigo dos
tempos de aprendiz em Genebra, e abandona o emprego para viajar em sua
companhia e retornar a Annecy.
Volta à casa de Louise na primavera de 1729, ajuda nos trabalhos da sua farmácia
natural, lê muito e estuda música. É enviado por ela a um seminário católico para
continuar seus estudos, mas passa os fins de semana em sua casa. Depois de um ano
como seu auxiliar - e ocultamente apaixonado por ela - acompanha, a pedido seu, o
maestro da Catedral, velho e epiléptico, que viajava para Paris. Louise pediu-lhe que o
acompanhasse pelo menos até Lyon. Neste trecho de suas Confissões, Rousseau
lamenta ter abandonado o maestro numa rua da cidade, enquanto aquele sofria um
ataque de sua doença e era socorrido por populares. Deu ali por cumprida sua missão
e volta a Annecy. Porém não encontra Louise em casa. Ela havia viajado a Paris, para

5
tratar de uma pensão que substituísse a que lhe concedera Victor Amadeus II, que
naquele ano de 1730 abdicou do trono.
Sem vínculo com ninguém, Rousseau perambula até Paris, ganhando a vida como
professor de música. Nada resulta dessa viagem. Retornou a pé e vai, em 1732, para
Chambéri, um pouco mais ao sul de Annecy, para onde Louise havia se mudado. É seu
terceiro período com Louise. Vivem juntos como amantes até 1740, ela o emprega no
escritório fiscal de Chambéri e depois na pequena fazenda próxima chamada Les
Charmettes. Nesse período Rousseau lê muito e começa a escrever. Porém acha a
situação financeira e emocional desconfortável. Adoece e passa por uma crise da qual
sua descrição sugere o mal hoje conhecido como "síndrome do pânico", cujo desfecho
característico ele confessa: "Posso dizer perfeitamente que só comecei a viver quando
me considerei um homem morto".
Acreditando sofrer de um "polipo no coração", decidiu ir a Montpelier onde soube
que poderia ser curado de sua taquicardia. Não precisou chegar lá. Um romance
havido com uma companheira de itinerário, à altura de Valence, deixou-o curado.
Retornando para casa, Rousseau encontra um rival com quem teria que dividir os
amores de Louise. Decepcionado, pensa sair de Chambéri. Em maio de 1740 ele foi
para Lyon para tutorar, pelo período de um ano, as crianças de Jean-Bonnet de Mably,
irmão mais velho de Étiene Bannot de Condillac e do Abade de Mably, este último um
conhecido escritor político. Retorna ainda uma vez a Louise e então decide-se a
abandona-la definitivamente. Em 1741 Rousseau seguiu novamente para Paris com
um novo esquema de anotação musical e os rascunhos de uma comédia (Narcisse),
desta vez para lá ficar.
Deteve-se uns dias em Lyon para ver os amigos que ali tinha, para arranjar
algumas recomendações para Paris e para vender os livros de geometria que havia
trazido consigo.
Chegou em Paris no outono europeu de 1741. Valendo-se das cartas de
apresentação, encontra alunos de música, e consegue rendimentos para sobreviver.
De relacionamento em relacionamento, consegue chegar à Academia, onde expõe
seu sistema de notações musicais. Os membros da Academia ouviram com grande
atenção e cortesia sua Dissertation sur la musique moderne, mas não aprovaram o
sistema. Apresentou o sistema também a Jean-Philippe Rameau (1683-1764), autor de
óperas (entre elas "Pigmalião", 1748), então o maior músico-dramático da França.
Rameau considera o seu sistema de anotação musical de leitura mais difícil que o

6
comum, porém Rousseau estava convencido da sua vantagem principalmente em
facilitar o aprendizado da música.
Ele também conheceu e tornou-se amigo de Denis Diderot, então ainda um jovem
filósofo, e que haveria de ter sobre ele profunda influencia. Seu sistema de notação
musical atraiu a atenção de Diderot. Obstinado com seu método, Rousseau melhorou e
Diderot publicou o trabalho apresentado na Academia.
Valendo-se de recomendações aproxima-se da nobreza, conquistando amizades
através da música, declamação de poesias, etc. Em 1743, por indicação de um
sacerdote amigo, procura duas senhoras da nobreza; a segunda delas, a que melhor o
acolhe, a esposa de Claude Dupin, conselheiro do rei. Rousseau passa a freqüentar
sua casa assiduamente, se apaixona e busca seduzi-la, sem êxito. Começa então a
escrever uma ópera Les Muses Galantes. Por essa ocasião, outra senhora do seu
crescente círculo de amizades o indicou ao recém nomeado embaixador em Veneza,
para o cargo de secretário da embaixada francesa naquela república.
Lutou por manter o cargo por dezoito meses, entre 1744 a 1745. Empenhou-se
em exercer bem suas funções, com esperanças de fazer carreira diplomática. Mas o
embaixador não reconheceu seus esforços, além de o camareiro sabotá-lo, criando-lhe
dificuldades. Após uma violenta discussão com o Embaixador, Rousseau deixou
Veneza e voltou a Paris, onde pretendeu obter um julgamento justo do caso, e o
pagamento de seus salários, o que conseguiu com dificuldade por não ser ele mesmo
francês.
Após esse episódio, voltou-se para sua música; concluiu sua ópera e conseguiu
que fosse cantada para Rameau que a condenou em parte, enquanto outros
entendidos a aplaudiram.
Em 1762 Rosseau passou a ser acusado na França por conta de suas obras que
passaram a ser vistas como uma injúria às tradições morais e religiosas. A solução
encontrada foi abrigar-se na cidade de Neuchâtel, na Suíça.
No ano de 1765 decidiu se mudar para a Inglaterra aceitando o chamado do
filósofo David Hume.
No ano de 1767 retornou à França e conheceu Thérèse Levasseur, com quem veio
a se casar.
Suas obras versavam sobre vários temas, que abrangiam desde investigações
políticas, romances, até análises na área da educação, religião e literatura.

7
Rousseau é considerado o filósofo do iluminismo – idéia que resume várias
doutrinas filosóficas, elos intelectuais e atitudes religiosas – e predecessor do
romantismo do século XIX.
Com relação à educação Rousseau acreditava na amabilidade produzida pela
natureza, para ele se a afabilidade fosse incitada, a benevolência espontânea da
pessoa podia ser preservada da influência corrompida do meio em que vivemos.
Por conseguinte, a educação admitia dois semblantes diversos: a expansão
gradual das habilidades próprias da criança e o seu distanciamento dos achaques
sociais. O educador deve ensinar o aluno levando em conta suas capacidades
maturais.
Para Rousseau a principal característica que não pode faltar em um catedrático é
a sua capacidade de educar o aluno para transformá-lo em um homem de bem.
Levando em conta esse ponto de vista de Rousseau o aluno só estaria apto a
fazer parte da sociedade quando se tornasse clara sua disposição natural para a
convivência com as outras pessoas, fato este que só ocorreria, segundo Rousseau,
durante a sua adolescência, quando então já estaria apto a julgar e já pode
compreender o que é ser um indivíduo no gozo dos direitos civis e políticos de um
Estado.
Faleceu em Ermenonville, nordeste de Paris, França, em 2 de julho de 1778.

8
2. PARTICIPAÇÃO NA ENCICLOPÉDIA

Rousseau foi convidado por Diderot a escrever sobre música na


enciclopédia. Ele propôs o problema da noção de representação na música. Ele recusa
qualquer representação que ocorre a perda da identidade do homem no decorrer da
evolução, o que significa que a música deve estar próxima da representação da
natureza para ter a sua máxima expressão artística. Isso decorre do seu princípio de
que o homem é bom por natureza e, portanto, se o homem se afasta da natureza e é
corrompido, é devido à corrupção e a maldade presente na sociedade. Logo, a música
que é afastada da natureza tem sua expressividade corrompida, e isso caracteriza as
“falsas artes”. “Falsas artes” são aquelas que não são autênticas e, por isso, não
transmitem sentimento e não são agradáveis. São autênticas, portanto, as musicas que
comovem a alma e não somente são agradáveis aos ouvidos. Por esse motivo
Rousseau sempre apreciou a música grega: "Eles [os gregos] não buscavam senão
comover a alma, e nós só queremos agradar os ouvidos...".

3. OBRAS

Muito antes do nascimento de Dewey, Montessori, Decroly, Rousseau propôs a


liberação do indivíduo, a exaltação da natureza e da atividade criadora, e a rebelião
contra o formalismo e a civilização. Sua filosofia, partidária de uma educação natural,
sempre esteve vinculada a uma concepção otimista do homem e da natureza. A
coerência com suas idéias de liberdade e igualdade o levaram a colocar seus filhos em
uma instituição de assistência pública da época.
Jean-Jacques Rousseau foi o mais radical e popular dos filósofos, sendo difícil
enquadrá-lo entre os racionalistas, pois era muito mais naturalista. Criticava os
primeiros porque elevavam a Razão à “categoria de verdadeira deusa”. Suas obras
principais foram o Discurso sobre a origem e fundamentos da desigualdade entre os
homens, Emilio e O Contrato Social.

9
Discurso sobre a origem e fundamentos da desigualdade entre os homens
Na primeira obra, criticava a propriedade privada, pois para ele a raiz das
infelicidades humanas estava no aparecimento da propriedade provada, que “arranca o
homem de seu doce contato com a Natureza”, acabando com a igualdade. Idealizava
uma sociedade de pequenos produtores independentes.

O Contrato Social
Em O Contrato Social desenvolveu sua concepção de que a soberania reside no
povo, importando muito pouco o direito individual, e muito mais a vontade da maioria,
expressa pelo voto universal. O Estado como representante dessa maioria, devia ser
todo-poderoso.

Estado versus governo


Rosseau diferenciava Estado de governo. Estado tinha o sentido genérico de
sociedade organizada em termos políticos, ao passo que o governo não passava de
executor da vontade da maioria, expressa pelo voto universal. O contrato social
garantira, por sua vez, a igualdade, pois todos os associados tinham direitos iguais
porque a liberdade depende estreitamente da igualdade.
“(...) é preciso (...) encontrar uma forma de associação que defenda e proteja a pessoa
e os bens de cada associação, de qualquer força comum, e pela qual, cada um,
unindo-se a todos, não obedeça senão a si mesmo, ficando assim tão livre como
dantes. Tal é o problema fundamental que o Contrato Social soluciona.” (ROUSSEAU,
J.J., O Contrato Social. Editora Tecnoprint, pág. 30.)

CONCLUSÃO

10
A partir da análise da vida e de obras de Rousseau é possível identificar a
importância de seus pensamentos e ideologias para a época em que viveu,
sendo base para o Romantismo. Suas obras, aliadas a diversos fatores, foram
essenciais para mudanças políticas, sociais, literárias e educacionais que
ocorreram a partir do século XVIII e refletem nos dias atuais.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

11
AQUINO, JACQUES, DENIZE, OSCAR. História das Sociedades: das sociedades
modernas às sociedades atuais. 2003.

BRAICK, Patrícia Ramos e MOTA, Myriam Becho. História: das cavernas ao terceiro
milênio. 3ª edição. São Paulo: Moderna, 2007.

FORTES, Luis Roberto Salinas. Rousseau: o Bom Selvagem. Disponível em


<http://www.culturabrasil.org/rousseau.htm> Acesso em: 28 de out. 2009.

http://www.infoescola.com/filosofia/jean-jacques-rousseau/

http://www.espiritismogi.com.br/biografias/jean_jacques.htm

12