Você está na página 1de 2

ORMUS PARA INICIANTE

Como iniciar fazer ormus com BARRILHA

VAMOS INICIAR COM APENAS 1 LITRO D’AGUA (para evitar perda de material caso não acerte)

1 – Numa vasilha (panela) coloque meio litro d’agua e 8 colheres de sopa de SAL GROSSO bem
cheia (um bom sal é o sal rosa do himalaia, caso não tenha um bom sal marinho), deixe
esquentar bem, até iniciar a ferver, e vá mexendo até dissolver bem o sal.

2 – Ao mesmo tempo, em outra vasilha (melhor frigideira) coloque 1 colher de sopa de


BARRILHA (barrilha é a mesma coisa que carbonato, ou carbonato de sódio), em fogo médio
(pode ser também fogo alto) e deixe esquentar até ficar bem quente, sacodindo um pouco a
vasilha sobre o fogo, ao mesmo tempo mexendo com uma colher para a temperatura ficar
uniforme. O método usando a barrilha bem quente faz que a ormus se precipite com mais
eficiência, em maior quantidade. Por precaução, para evitar prejuízo à saúde, bom usar máscara
para evitar inalar o pó. Usando assim pouca barrilha, porém quente, a precipitação do ormus
ficará boa e ainda evitará que fique o sabor muito forte ao final.

Ao esquentar a BARRILHA não faça como faz com o bicarbonato de sódio, passando-o ao fogo
por vários minutos, uma vez que a barrilha já é o carbonato de sódio originalmente preparado,
pronto para a fazer a precipitação do ormus. Esquentar a barrilha bem quente apenas facilita
que haja a boa precipitação do ormus, mas há quem recomende também a utilização da barrilha
fria, em estado natural ou normal, porém esse método não rende tanto quanto se usa-la
quente.

OBSERVAÇÃO: querendo melhorar a condição para precipitar o ormus pode acrescentar um


pouquinho de magnésio, na forma de cloreto de magnésio, como não existe uma medida padrão
indicada para o caso, para a medida acima de água e sal pode utilizar uma colherinha de chá de
cloreto de magnésio. Porém decorrente de observação minuciosa de pessoas que já tem se
aprofundado no estudo do ormus, tem constatado que o magnésio captador do ormus na
precipitação é o exclusivo do sal; o magnésio acrescentado em separado apenas vai aumentar o
volume de massa, mas não aumenta o número de elementos ormus, que é o que importa.

3 – Na sequência coar a água com o sal dissolvido, fervido ou bem quente, usando coador de
café (recomendado o de papel). E para ter a segurança de que fiquem retidas todas as impurezas
bom utilizar 2 ou 3 coadores de papel ao mesmo tempo, sobrepostos um ao outro. E se ao final
a água ficar difícil de passar no coador, pegue o coador com a ponta dos dedos e com uma
colher na outra mão aperte-o lentamente, ou apenas suspenda um pouco e faça pequenos
movimentos, para coar mais rápido ao final, e como são 2 ou 3 coadores fica também mais
seguro para não se romperem.

4 – em seguida, COM A AGUA AINDA QUENTE, na vasilha de vidro para a produção de ORMUS,
coloque toda a BARRILHA quente e mexa bastante.

OBS.: O BARRILHA deve estar bem quente para ter um bom rendimento. Ela quente diminui
também a possibilidade de não dar certo a precipitação de ormus. A água também ainda deve
estar quente, não precisando, portanto, aguardar a água esfriar. Pode proceder na sequência
cada processo, sem interrupção e sem pressa. As moléculas da água estando quente, bem como
a BARRILHA, favorecem uma maior precipitação de ORMUS.

Pronto, seu ORMUS vai se precipitar de maneira espetacular, com muita beleza.

Faça-o com amor e confiança, pois não resta dúvida que o ormus registra a energia ao seu redor,
bem como a energia com que ele é manipulado.

Caso queira produzir ormus utilizando 2 litro d’gua é só dobrar a quantidade dos outros
ingredientes, e assim por diante, tendo em vista esta não ser a forma única para manipular o
ormus, ser apenas a mais simples, a mais difícil de não dar certo e que gera melhor rendimento.
A experiência, contudo, vai deixando cada um seguro e confiante em alterar os ingredientes da
fórmula ou a fazer de outra maneira, sem maiores problemas, pois cada um pode, com a
criatividade e guiado à luz da intuição, encontrar outras formas e possibilidades de fazer ormus.
Contudo, com essa formula o PH não se alterará muito, ficando mais seguro no caso de não se
ter no momento um medidor de PH, pois o PH do ormus não pode passar de 10.78, senão gera
elementos maléficos à saúde.

COMO PROCEDER A LAVAGEM DO ORMUS:

1 – Para a primeira lavagem aguarde umas 6 horas ou mais, recomenda-se até 24 horas, para o
ORMUS decantar ou repousar muito bem no fundo da vasilha, daí também fica fácil derramar
lentamente a água límpida, cristalina, formada acima do precipitado, inclinando firme e
lentamente a vasilha. O tempo deve ser observado intuitivamente, pois depende da
consistência como as partículas do ormus tenham se agregado, se mais firme ou mais sutil; se
tiverem ficado mais firme vai perder menos ormus nas lavagens, se mais sutil ou mais leve deve
demorar mais entre as lavagens, pois certamente terá a possibilidade de perder mais ormus em
cada lavagem.

Feito a primeira lavagem coloque uma nova água pura (ou filtrada) no frasco com o ormus, e
siga lavando seu ormus usando sempre a mesma medida de água usada inicialmente para
precipitá-lo, e mexendo sempre muito bem, e aguarde novamente por um tempo até o ORMUS
repousar novamente no fundo da vasilha (agora a lavagem pode ser feita em menor espaço de
tempo, conforme ocorra a boa decantação e a segurança que a sua intuição lhe der), e
novamente derrame a água limpa formada da decantação. Repita o procedimento por 3, 5 ou
mais vezes. Recomenda-se até 10 vezes, dependendo também dos produtos utilizados para
fazer o ormus e da quantidade de precipitado e de água na vasilha.

IMPORTANTE: se for consumir logo o ormus feito, não tem problema quanto ao prazo de
validade, podendo o mesmo ser lavado até acabar totalmente o sabor do sal, porém, se for para
consumo mais demorado, ele irá conservar melhor ficando um sabor leve do sal, isso, no
entanto, fica a critério de cada um, pois há a necessidade que se tenha cuidado, uma vez que
SAL AUMENTA A PRESSÃO ARTERIAL, todavia talvez o sal rosa do Himalaia seja mais confiável
para isso, pois de acordo com as boas orientações ele tem 60% menos sódio, sendo, por isso,
menos prejudicial a quem tenha problema de pressão alta ou a predisposição a tê-la. Ainda,
para aumentar a validade do oumus, também pode ser acrescentada a ele já pronto um pouco
de sal dissolvido em água, nesse caso melhor que possa fazer com a água da última lavagem.

RECOMENDAÇÃO DE USO: 10 a 15 gotas 3 vezes ao dia, podendo adicionar na água ou suco. Essa
recomendação é para um ormus mais concentrado, quando ao final você retirar toda agua limpa
formada acima do concentrado; se acaso você deixar o ormus com bastante água da última
lavagem, nada impede que aumente um a quantidade a ser ingerida.

As informações e os métodos aqui descritos para manipular o produto ormus decorreram de


meticulosos experimentos, estudo e observação. Certo que a partir da experiência e da
segurança obtida, cada um pode alterar e experimentar diferentes maneiras de manipular esse
tão magnífico produto que é o ormus, o qual considero inigualável no momento pelo qual
passamos no planeta terra.

José Inácio

Você também pode gostar