Você está na página 1de 28

Termos e Condições

AVISO LEGAL

A Equipe TDAH Sem Barreiras se empenhou para ser a mais


exata e completa possível na criação deste material, não
obstante o fato de que ela não garante ou representa, em
momento algum, que o conteúdo aqui contido substitui a
avaliação de um profissional.

Enquanto todas as tentativas foram feitas para verificar as


informações fornecidas nesta publicação, a Equipe não as-
sume qualquer responsabilidade por erros, omissões ou in-
terpretações contrárias sobre os assuntos aqui contidos.
Qualquer semelhança com pessoas específicas ou organiza-
ções não é intencional.

Em livros de conselhos práticos, como tudo mais na vida,


não existem garantias. Leitores são aconselhados a respon-
der com seus próprios julgamentos sobre suas circunstân-
cias individuais, e agir de acordo.

Este livro não deve ser usado como fonte legal, comercial,
contábil ou financeira. Todos os leitores são aconselhados a
buscar acompanhamento de profissionais competentes.

Você é encorajado a imprimir este livro para facilitar a lei-


tura.

Boa leitura!

1
Sumário

Introdução ................................................................................. 3
Orientações gerais .................................................................... 5
Entenda o perfil de aprendizado do seu filho ........................ 9
O TDAH e os problemas na escola ........................................11
Sua relação com o professor do seu filho ............................14
Orientações para o foco e aprendizado na sala de aula.....18
O TDAH e as tarefas escolares ...............................................21
Mantenha em casa a mesma estrutura escolar ..................23
Conclusão ................................................................................27

2
INTRODUÇÃO

No Brasil, muitas as escolas da rede pública e particular não


oferecem um programa de ajuda específica para as crianças
com o TDAH. Muitos especialistas brasileiros defendem a
ideia de que as crianças com o TDAH deveriam ter um pro-
grama de educação individualizada, como ocorre nos Esta-
dos Unidos.

Embora haja projetos aprovados pelo Senado, as regras e


regulamentos ainda não estão em vigência nas escolas bra-
sileiras. Nos países que adotam este programa, o programa
é denominado PEI (Programa de Educação Individualizada).

Muitos pais de crianças com o TDAH são confrontados diari-


amente com uma série de dificuldades. O TDAH é caracteri-
zado por várias questões educacionais e comportamentais
importantes, os quais muitos pais, professores e até mesmo
médicos podem ter dificuldades em lidar.

O déficit de atenção faz com que a criança tenha problemas


de manter a concentração por um longo período de tempo.
A hiperatividade pode fazer a criança com o TDAH não so-
mente tem problemas de concentração, como também a
falta de controle sobre os impulsos e poderá dizer e fazer
determinadas coisas que muitos consideram inaceitáveis
como, morder, chutar e gritar, que são as manifestações
mais violentas do transtorno.

3
Por outro lado, as formas menos radicais da hiperatividade
podem fazer a criança levantar-se inesperadamente de seu
acento, dar respostas antecipadas ao professor mesmo an-
tes que formule a questão, interromper todo o tempo, falar
coisas inapropriadas e ofender os outros.

Todas essas características podem ser prejudiciais em uma


sala de aula ou em tarefas feitas em casa, trazendo malefí-
cios ao aprendizado da criança ou adolescente.

Felizmente, há sempre esperança para qualquer criança se


você estiver disposto a considerar novas maneiras de conse-
guir seus objetivos e ajudar o seu filho, como também sua
família como um todo.

Neste livro digital, reunimos algumas estratégias escolares


que têm êxito. Nos baseamos este guia em pesquisas com
pais de crianças com TDAH e pedagogos que tiveram su-
cesso ensinando crianças com o transtorno e outros trans-
tornos de aprendizagem.

Este guia também é particularmente importante para pro-


fessores que precisam lidar com crianças e adolescentes
com TDAH em sala de aula.

Use algumas estratégias sugeridas neste guia para ajudar o


seu filho a ter um melhor desempenho escolar.

Então, vamos colocar a mão na massa?

4
ORIENTAÇÕES GERAIS

Neste primeiro capítulo, vamos falar de algumas orientações


gerais e reforçar o que já foi dito no Programa TDAH Sem Bar-
reiras, além de pontuar sobre estratégias específicas para o
aprendizado. Essas orientações gerais são importantes pois
o aprendizado da criança faz parte de um contexto maior do
seu dia a dia.

1 - Para lidar com um portador de TDAH, mantenha certa


distância psicológica dos problemas dele. Não leve para o
lado pessoal os problemas ou transtornos da criança e ado-
lescente. A impulsividade pode fazê-los dizer coisas de
forma não pensada.

2 - Evite dar ordens que possibilitem alternativas de res-


posta. (Por exemplo: "Você quer estudar pela manhã ou de-
pois que chegar da aula?"). Quando der alguma instrução,
pedir à criança para repetir as instruções antes de começar
as tarefas. A ordem não deve ser dada em forma de questi-
onamento e de favor, e sim de afirmação. (Errado: "Você
pode arrumar seu material, por favor?" Certo: "Agora está na
hora de arrumar seu material.") Além disso, não dê muitas
ordens de uma só vez.

3 - Quando a estratégia punitiva se fizer necessária, explique


à criança a razão da advertência. É fundamental o estabele-
cimento imediato da conexão causa-efeito. Seja direto e com
linguagem simples. Use a punição de tempo, escolha um

5
local que seja entediante para a criança, porém seguro e
longe de pessoas e de movimento. Use um minuto por ano
de idade.

4 - Não repreenda a pessoa, e sim o comportamento. Não


criticar e apontar em hipótese alguma os erros cometidos
como falha no desempenho. Crianças com TDAH precisam
de suporte, encorajamento, parceria e adaptações. A atitude
positiva dos pais e dos professores é fator decisivo para a
melhora do aprendizado.

5 - Use sempre o reforço positivo quando o indivíduo apre-


sentar um comportamento desejado. Primeiro, determine
com ele qual seria o comportamento desejado; e, quando
esse comportamento ocorrer, recompense-o imediata-
mente.

6- Quando a criança desempenhar a tarefa solicitada ofereça


sempre um feedback positivo (reforço) através de pequenos
elogios e prêmios que podem ser: estrelinhas no caderno,
palavras de apoio, um abraço. Os feedbacks e elogios devem
acontecer sempre e imediatamente após a criança conse-
guir um bom desempenho compatível com o seu tempo e
processo de aprendizagem. Use um sistema de recompensa
com fichas, adesivos, estrelas, pontos, etc., em um quadro
(para um ou mais comportamentos), trabalhando de forma
que se ganhe um prêmio, privilégio ou outra recompensa
combinada. Neste sistema, os pontos devem ser ganhos por
dia, quando a criança apresenta boas atitudes ou iniciativas.
A penalidade é a perda de bônus a cada infração cometida.
A gratificação são os prêmios preestabelecidos.

6
7 - É necessário discutir com a criança sobre as dificuldades
das quais ela tenha consciência e estar sempre presente,
dando o apoio de que ela precisa, sempre tomando cuidado
para não superproteger e inibir a iniciativa da criança ou
adolescente.

8 - Estabeleça prioridades: avalie qual a dificuldade mais im-


portante da criança, o que a incomoda mais e qual atrapalha
mais o seu desempenho. Pense e escreva todas elas. Em se-
guida, coloque-as em ordem de prioridade e estabeleça uma
estratégia de manejo para a dificuldade maior. Resolva uma
dificuldade por vez.

9- Mantenha constância de estratégias. É fundamental que


o ambiente seja estruturado, constante e previsível. Lembra
de quando falamos da rotina no Programa TDAH Sem Barrei-
ras? Ela também é essencial no contexto do comportamento
e aprendizado.

10 - Construa com a criança um calendário semanal de ativi-


dades e de estudos. É importante que esse calendário fique
em local bem visível para consulta e seja reavaliado e adap-
tado sempre que necessário. Usar mecanismos e/ou ferra-
mentas para compensar as dificuldades memoriais: tabelas
com datas sobre prazo das atividades, usar post-it para fazer
lembretes e anotações para que a criança não esqueça o
conteúdo.

11 – Na medida do possível, oferecer para à criança tarefas


diferenciadas. É preciso ter em vista que cada criança

7
aprende no seu tempo e que as estratégias deverão respei-
tar a individualidade e especificidade de cada um.

12 – Normalmente adolescentes já têm consciência do seu


transtorno e podem aprender a identificar seus comporta-
mentos. Portanto, ensine estratégias de resolução de pro-
blemas. Ensine seu filho(a) a se perguntar:

a - O que aconteceu aqui?

b - O que me causa o problema?

c - O que se pode fazer?

d - Como fiz isso?

e - Por que razão não consegui solucionar o problema?

13 – Optar por, sempre que possível, em estimular a criança


com materiais audiovisuais, computadores, vídeos, filmes, e
outros materiais diferenciados como revistas, jornais, livros,
etc. A diversidade de materiais pedagógicos aumenta consi-
deravelmente o interesse da criança nas atividades e, por-
tanto, melhora a atenção sustentada.

14 – Adaptações ambientais. Não é indicado que crianças


com TDAH façam atividades junto a portas, janelas ou ambi-
entes com muita informação visual além dos materiais ne-
cessários. É indicado que essas crianças tenham um ambi-
ente limpo e arejado para que os elementos de distração do
ambiente não prejudiquem a atenção sustentada.

8
ENTENDA O PERFIL DE APRENDIZADO DO
SEU FILHO

Cada pessoa responde melhor a um certo tipo estímulo. Por


exemplo, para alguns é a memória visual que é a mais agu-
çada, e por isso se recordam melhor das coisas por meio de
imagens. Se você perguntar a um portador de TDAH como
ele aprende mais fácil, vai se surpreender com sua intuição.

Faça as seguintes perguntas:

1 - Me fale um pouco sobre suas matérias favoritas na es-


cola. Do que você mais gostava naquelas aulas?

2 - Que técnicas você gostaria que seu professor usasse em


sala de aula?

3 - Você prefere trabalhar sozinho ou em grupo? De quantos


alunos?

4 - Quando você acha que aprende melhor: de manhã; antes


do recreio; depois do recreio e antes do almoço; ou à tarde?

5 - Você é bom em memorizar letras de músicas?

6 - Em quais assuntos e atividades escolares você é melhor


e pior? Por quê?

7 - Cite as matérias de que você gosta e as de que você não


gosta. Por quê?

9
8 - Como é, e como você gostaria que fosse, seu local de es-
tudos em casa?

A partir das respostas oferecidas é possível entender e pre-


parar, na medida do possível, um ambiente que estimule
melhor o aprendizado em casa e na escola.

Textos, fotos, vídeos, gráficos e mapas mentais são os me-


lhores aliados dos chamados alunos visuais.

O outro perfil de crianças, são os auditivos. Para elas, é ideal


explorar recursos de áudio, como audiobooks, leituras em
voz alta e discussões em grupo. A elaboração oral do que foi
lido e a repetição de instruções também favorecem a assi-
milação das crianças auditivas.

Há ainda as crianças sinestésicas, que constroem melhor o


conhecimento na prática e em movimento, associando os
sentidos.

Muitas crianças com TDAH têm facilidade para construir e


separar coisas, para fazer artesanato e outras atividades
desse tipo, e adoram fazer isso. Experimentos em laborató-
rios, aulas em campo, oficinas manuais e maquetes são op-
ções ideais para este perfil.

É importante pensar que as crianças estão passando por um


momento importante de seu processo de desenvolvimento,
ainda estão construindo sua maneira de ser no mundo, por
isso é saudável diversificar os estímulos, entender que cada
uma tem seu tempo e maneira de aprender.

10
O TDAH E OS PROBLEMAS NA ESCOLA

Crianças e adolescentes com o TDAH muitas vezes não con-


seguem acompanhar partes vitais de uma explicação du-
rante as aulas.

Devido ao déficit de atenção, essas crianças muitas vezes


não prestam atenção quando as tarefas a serem feitas são
passadas para eles de forma verbal. Como resultado eles
irão se esforçar para fazer o que não entenderam.

Algumas vezes eles podem até fazer essas tarefas correta-


mente, mas na maioria das vezes eles se esforçam muito
para fazer essas tarefas, mas acabam não executando-as
corretamente.

Consequentemente eles se sentirão frustrados quando se


deparam com as notas baixas, quando sabem que deram o
melhor de si para finalizar essa tarefa e afinal, não era o que
o professor queria.

Essa frustração poderá manifestar-se de várias maneiras. In-


felizmente você como mãe e pai, muitas vezes só se dará
conta sobre essa questão quando já é tarde demais. Essa
descoberta geralmente se manifestará em forma de uma
forte crise comportamental, serem chamados na escola, ou
devido às notas baixas.

Estar sempre atento às novas situações que possam se apre-


sentam, e dos constantes desafios, irá te ajudar a ter uma

11
comunicação mais eficaz com a escola e como lidar em casa
com seu filho.

É típico das crianças com o TDAH terem problemas com o


planejamento e organizações de tarefas. Por isso, você terá
que ajudá-las a gerenciar os trabalhos escolares para evitar
quaisquer dúvidas quanto à execução desses trabalhos, e
assegurar-se de que as tarefas sejam entregues a tempo.

Se o seu filho é descuidado com as tarefas da escolar e às


vezes diz que não tem tarefas para aquele dia, não há neces-
sidade de entrar em pânico. Por outro lado, eles podem es-
tar evitando essas tarefas para esconder um problema.

Uma maneira de lidar com esse problema é fazer com que


seu filho escreva as tarefas que deverão ser feitas, em um
caderno de anotações separado. Assim, você e o professor
poderão ter uma comunicação mais objetiva.

Esse caderno separado de anotações deverá ter todas as ta-


refas designadas pelo professor com a data a serem entre-
gues. Dessa forma, o seu filho poderá seguir as instruções,
mesmo que não estivesse prestando atenção no momento
que foram requisitadas pelo professor.

Tendo todas as tarefas a serem feitas em um único caderno


ou sessões diferentes para assuntos distintos, irão ajudar
você, os professores e o seu filho se manterem organizados.
Pelo fato de você estar participando das lições de casa, você
estará mostrando que está participando ativamente na edu-
cação de seu filho.

12
Tudo o que você puder fazer para incentivá-los a assumir
suas próprias responsabilidades, irá ajudá-los muito à me-
dida que crescem.

Outra preocupação dos pais é a questão da privacidade. Ob-


viamente muitos pais não querem que todos fiquem sa-
bendo da condição médica de seus filhos, mas essa condição
pode piorar se os educadores desconhecem seu caso em
particular.

Pesquisadores são unânimes em sugerir que os pais de cri-


anças com esse transtorno tenham um contato direto com
os educadores. É sempre uma boa ideia iniciar esse contato,
antes de começar o ano letivo, ou assim que as aulas come-
cem, para garantir que o seu plano de ação possa entrar em
vigor o quanto antes, especialmente se seu filho irá iniciar o
ano letivo em uma nova escola.

13
SUA RELAÇÃO COM O PROFESSOR DO SEU
FILHO

Existem muitas coisas as quais irão te ajudar a fazer com que


seu filho comece bem o ano letivo. Faça uma lista objetiva
de seu plano de ação e converse sobre ela com o professor
do seu filho.

Converse com ele sobre as dificuldades do seu filho, proble-


mas de aprendizado ou de comportamento. Certifique-se de
passar também ao professor sua lista de contatos já entre-
gues à secretaria da escola.

Essa lista deve conter:

1- O que fazer se sua criança se comporta de forma disrup-


tiva como, por exemplo, tentar fugir, comportamento vio-
lento, malcriação, ataques de pânico ou problemas em usar
o banheiro, por exemplo.

2- Quem deve ser contatado, incluindo família e amigos, no


caso de você não estar disponível.

Certifique-se que o professor tenha consciência de suas ex-


pectativas e vice versa. Se o seu filho tem problemas em ir
ao banheiro, não se esqueça de ter sempre na escola roupas
extras no caso de algum acidente.

14
Algumas estratégias que você e o professor podem explorar
incluem:

• Decidir previamente quais serão os tipos de compor-


tamento que podem ser ignorados.
• Certificar-se de que não haja distrações que estejam
ao alcance da criança (por exemplo, canetas em cima
da escrivaninha do professor, globo de mapa-mundi
em que a criança possa ficar girando e causar distra-
ção para ele e o resto da turma, e itens que podem
facilmente ser quebrados).
• Dar à criança um tempo para que ele ou ela possam
se movimentar livremente na sala de aula, ir ao
playground, ir ao banheiro ou realizar uma tarefa
para o professor que lhes permita movimentar-se e
não estar sentado por um longo período de tempo.
• Discutir a possibilidade de atribuir à criança menos
lições de casa ou pelo menos, trabalhos que não re-
querem um longo período de tempo para serem rea-
lizados, e que possam ser divididos em etapas, e se-
rem feitos por eles mesmos, um a cada vez.

Recompense seu filho quando se comporte bem, ou por algo


positivo que fizeram. Essa é uma das melhores maneiras de
fazer com que qualquer criança se sinta orgulhosa quando
alcançam uma meta. Todos nós gostávamos de ser recom-
pensados quando crianças. O professor pode adotar esse
sistema de recompensa não somente para seu filho, mas
também para todos na sala de aula.

15
Preste atenção na dinâmica na sala de aula. Por um lado,
sentar próximo ao professor pode ser conveniente para seu
filho no caso de necessitar de ajuda suplementar. Por outro
lado, eles estarão mais expostos no caso de terem uma
crise.

Os professores de seu filho não são obrigados a seguir as


instruções dadas por você. Mas se você tomar essas precau-
ções e tiver uma conversa franca, isso fará com que tenham
consciência das situações que eventualmente possam ocor-
rer com uma criança que tem o TDAH.

Você estará ajudando os professores, quando compartilha


os seus sucessos porque estará fornecendo informações va-
liosas em como lidar com esse tipo de transtorno. Você pode
sugerir a eles o que tem funcionado em casa, ao invés de
colocar o professor na posição em que tenha que adivinhar
o que irá ou não acontecer.

A maioria dos profissionais de ensino concordam que a con-


sistência é muito importante para que uma criança tenha su-
cesso acadêmico, especialmente quando envolve o TDAH.
Pelo fato de você está oferecendo estratégias de sucesso e
eles implementando-as, a criança estará recebendo um tra-
tamento consistente tanto em casa, como na escola, e se
sentirá apoiada ao invés de excluída.

A rotina é muito importante para uma criança com o TDAH,


porque ajuda a criança controlar o temperamento e não en-
trar em crise por situações imprevisíveis. A rotina também
ajudará a todos para que estejam de acordo com qualquer

16
situação que possa ocorrer. As escolas operam com bases
em horários e rotinas. Dessa forma, seu filho obterá um
êxito maior na escola se você definir rotinas e cumpri-las.

Além disso, considere o professor como parte da equipe de


ajuda ao seu filho. Agradeça ao professor pelo esforço mos-
trado e envie sempre um cartão de agradecimentos. Você
não é obrigado a passar todas essas informações para o pro-
fessor de seu filho, mas isso pode ser bastante eficaz e posi-
tivo para garantir que seu filho tenha êxito na escola.

Cada professor terá um conjunto distinto de expectativas, e


graus variados de compromissos com você e seu filho, para
tentar tornar a experiência escolar algo positivo. Seu filho
também terá diversos colegas de classe e muitos serão mais
compreensivos que outros.

Nesse caso, é importante formular estratégias para a sala de


aula e táticas que auxiliam a manter o foco e o aprendizado.
A seguir vamos dar uma olhada nessas estratégias.

17
ORIENTAÇÕES PARA O FOCO E APRENDI-
ZADO NA SALA DE AULA

Neste capítulo, mostraremos uma série de orientações prá-


ticas para aplicar em sala de aula pelo professor, ou que po-
dem ser adaptadas quando a criança ou adolescente estuda
em casa.

1 - Criticar e questionar não funciona bem para a criança


com TDAH. Em vez disso, você poderá descrever o problema,
dar informação, oferecer uma alternativa, lembrar a criança
com uma palavra ou gesto, descrever seus sentimentos ou
escrever um bilhete.

2 - Estruture positivamente uma interdependência dos inte-


grantes da sala de aula ou de um grupo de trabalho, estabe-
lecendo objetivos mútuos, recompensas, material comparti-
lhado e prazos determinados.

3 - Permita que elas consertem erros cometidos (pedir des-


culpas quando ofender um colega ou arrumar a sala quando
tiver feito muita bagunça).

4 - Procure oportunidades de fazer a criança sentir-se mais


interessada na escola (por exemplo, sendo assistente de al-
guma aula ou de um professor).

5 - Elogie, encoraje e seja afetuoso, pois a criança com esse


transtorno desanima com facilidade.

18
6 - Estabeleça uma comunicação clara e eficiente com os alu-
nos; faça um cartaz com regras breves e claras de funciona-
mento em sala de aula e afixe-o em lugar visível.

7 - Permita que a criança deixe o ambiente por alguns minu-


tos, em momentos de muita hiperatividade, para tomar
água, pegar giz em outra sala ou levar bilhetes; e marque
numa folha quantas vezes ela sai. Isso vai ajudá-la a reorga-
nizar-se internamente.

8 - Crie um caderno ou use a agenda escolar para estabele-


cer uma comunicação constante com os pais.

9 - Ponha, sempre que possível, a criança com TDAH sentada


próximo da carteira do professor, na primeira fila e longe
das janelas (para minimizar as distrações). Além disso, o con-
tato visual é muito importante para tirar um aluno de seu
devaneio, para dar-lhe liberdade de fazer perguntas ou para
dar-lhe segurança.

10 - Separe o aluno dos pares que estimulam ou encorajam


comportamentos inadequados.

11 - Esquematize o conteúdo das aulas, fazendo um breve


resumo dos pontos principais de vez em quando, para aju-
dar a criança a estruturar o que vem sendo ensinado.

12 - Dê preferência, sempre que possível, a estratégias de


ensino participativo. Mesmo sendo necessário o uso de au-
las expositivas, procure intercalar atividades de alto e baixo
interesse durante a aula.

19
13 - Estimule a criança a ler em voz alta. Isso ajuda na manu-
tenção da atenção. A leitura também pode ser comparti-
lhada: cada colega lê uma frase.

14 - Após fornecer instruções para determinada tarefa, soli-


cite aos alunos que as repitam.

15 - Combine com o aluno um discreto sinal para identificar


comportamentos inadequados.

16 - Ensine os alunos a dividir uma tarefa maior em partes,


para evitar o adiamento de tarefas. Ao invés de dizer para
fazer 20 exercícios, pode pedir para fazerem os de números
pares, depois de ímpares. Ou solicitar que façam de dois em
dois.

17 - Quando perceber um desvio de atenção da criança, use


a proximidade física como uma forma de estimular sua aten-
ção.

18 - Lembre-se de que a inconsistência é marca registrada


deste transtorno. Algumas vezes as crianças podem traba-
lhar bem, e em outras, não.

19 - Não assuma a criança como preguiçosa. Ela tem razões


neurobiológicas para sua performance ruim e seu baixo ren-
dimento em sala.

20 - Para melhorar a memória, ensine a criança a fazer o má-


ximo de associações possível com o fato em estudo (situa-
ções, sons, cores, coisas parecidas, etc).

20
O TDAH E AS TAREFAS ESCOLARES

As lições escolares podem se tornar um ponto de discórdia


para a criança com esse transtorno, porque os professores
e a escola devem obedecer a um sistema acadêmico, e ao
mesmo tempo devem estar em sintonia com as necessida-
des de seu filho em termos de concentração e as tarefas que
devem ser cumpridas.

Um caderno de anotações específico para as tarefas escola-


res serve vários propósitos. O primeiro é para que esclareça
o que o seu filho deve fazer. Dessa forma não haverá desen-
tendimento quanto ao que a criança deva executar, porque
mesmo que tenha recebido instruções verbais na sala de
aula, as instruções escritas no caderno para as tarefas de
casa, irão esclarecer o que seu filho deve fazer.

O segundo propósito é que esse caderno de anotações ser-


virá como um canal de comunicação entre você e o profes-
sor do seu filho, para assegurar-se de que as tarefas escola-
res serão executadas corretamente.

Esse caderno de anotações também pode fazer o papel de


uma linha eficaz de comunicação entre os pais e a escola. O
professor pode fazer observações como, por exemplo, "o
aluno esteve entre os primeiros cinco da classe em redação
e tirou uma excelente nota na prova de geografia".

O professor também pode dar sugestões como, "prestar


atenção na página cinco do livro de ciência porque será

21
parte do próximo teste". Assim você saberá exatamente
como ajudar o seu filho sem ter que ficar adivinhando o que
deve ser feito. Portanto, esteja sempre em contato direto
com a escola.

Essas são algumas instruções para auxiliar nas tarefas esco-


lares da criança ou adolescente com TDAH:

• As tarefas escolares para um aluno com o TDAH de-


vem ser reduzidas e divididas em seções e devem ser
elaboradas de acordo com o que é essencial para o
seu filho.
• Os deveres de casa não devem ser extensos e devem
conter múltiplas escolhas.
• As tarefas escolares devem ser enviadas por e-mail ou
escritas em um bloco de anotações específico, se as
instruções dadas pelo professor forem complexas.
• Todos os trabalhos de casa devem ser recolhidos no
dia seguinte e prontamente corrigidos.
• Os estudantes com o TDAH devem ter a opção de per-
manecerem na escola para executarem os deveres de
casa durante o dia, com a ajuda do professor ou al-
guns de seus auxiliares.
• A escola pode autorizar os pais a auxiliarem a criança
com o TDAH quando têm dificuldades na escrita.
• A lição de casa dever ser vista como algo útil, divertido
e uma boa maneira de aprender, ao contrário de uma
carga para a criança e a família.

22
MANTENHA EM CASA A MESMA ESTRU-
TURA ESCOLAR

Além de você ser a pessoa que melhor conhece o seu filho,


você e a sua família são os que passam a maior parte do
tempo com o ele. Tudo o que você e o resto da família pude-
rem fazer para manter seu filho em uma rotina saudável e
continuar progredindo na escola, irá ajudá-lo muito a apren-
der mais facilmente, mesmo que eles não se deem conta
que estão aprendendo.

Acima de tudo, como pai ou mãe de uma criança com o


TDAH, você terá que se acostumar a planejar tudo com an-
tecedência, para quase todos os aspectos de suas vidas. Isso
pode ser um pouco difícil, mas um cronograma bem estru-
turado e rotinas previsíveis ajudarão seu filho a ter sucesso
acadêmico mesmo com o TDAH.

Isso tudo não necessita ser um trabalho árduo. Pode tam-


bém ser divertido se você planejar tudo antecipadamente.

Prepare-se na noite anterior. Todas as noites, prepare-se para


o dia seguinte. Decida o que devem levar na mochila, deixe
o uniforme ou a roupa que irão usar já separadas, certifique-
se se irão necessitar de roupas de ginástica e decida qual
será a merenda que irão levar para a escola. Prepare lanches
saudáveis para monitorar o que estão comendo e minimizar
a possibilidade de desencadear quaisquer episódios de
comportamento, devido à alimentação.

23
A rotina noturna é tão importante como a rotina diurna para
a criança com esse transtorno. Minimize o estresse, as ten-
sões, interrupção ou qualquer coisa que possa interferir
com a qualidade de um sono reparador. Aparelhos com tela,
como celulares ou televisão, devem ser evitado pelo menos
uma hora antes do tempo determinado de irem para a
cama.

Tenha um ambiente próprio para as tarefas. Assegure-se de


proporcionar à criança uma área separada para que possam
fazer suas tarefas escolares e mantê-lo organizado. Tenha
nesse local um kit com todos os materiais escolares que ele
irá necessitar. Mantenha um kit separado para que eles pos-
sam levar para a escola. Verifique diariamente se o kit está
completo para evitar que eles entrem em apuros porque
não estão preparados.

Organize atividades divertidas após a escola. Tente planejar e


organizar atividades pós-escolares, as quais poderão poten-
cializar os pontos fortes da criança e/ou ajudar a fortalecer
os pontos fracos. Por exemplo, a criança pode se beneficiar
muito com atividades físicas. Descubra qual esporte que ele
ou ela gostariam de praticar, ou mesmo aulas de dança. Par-
ticipar de um clube de xadrez também ajuda a criança a se
tornar mais focada e assimilar informação.

Esta é também uma ótima maneira de os incentivar a culti-


var amizade com os seus parceiros. Tente equilibrar e alter-
nar as atividades as quis têm mais facilidades e as que têm
dificuldades. Obviamente que as tarefas de casa e os deve-
res escolares devem ser concluídos, mas devem desfrutar

24
das atividades recreativas que podem melhorar seu desem-
penho na escola.

As crianças com o TDAH têm certas características como


grande criatividade e intuição. Dessa forma, permita que fa-
çam as escolhas extracurriculares que lhe interessam. Pro-
vavelmente eles serão capazes de se concentrarem nas ta-
refas sem maiores problemas, mas tenha em mente que
eles as vezes podem tornar super focados com as atividades
favoritas e excluir todo o resto. Uma rotina equilibrada aju-
dará a evitar este problema, mas esteja sempre alerta.

Faça um calendário com seu filho. Quando uma criança é ca-


paz de prever o que irá acontecer em seu cotidiano, eles se
sentem seguros porque têm a sensação de controle sobre
suas vidas. Converse com a criança sobre suas obrigações
diárias, semanais, mensais, feriados, férias e assim sucessi-
vamente. Faça um calendário grande em cartolina, e se pos-
sível coloque em cima da escrivaninha ou em um lugar visí-
vel.

Marque todos os eventos importantes a lápis e peça ao seu


filho que marque ele mesmo estas datas importantes. O ca-
lendário terá a função de um grande lembrete visual, e fará
com que seu filho se sinta em controle de sua própria vida.

Faça as atividades com antecedência. Tente vincular a conclu-


são de uma tarefa escolar com algum tipo de recompensa
agradável. Se possível, tente submeter a tarefa escolar com
antecedência, porque se houver algum mal-entendido
quanto a execução desta, seu filho pode corrigi-la a tempo.

25
Se o dever de casa estiver correto, seu filho se sentirá orgu-
lhoso por tê-lo executado corretamente e terá mais tempo
livre, menos pressão e estresse.

Elaborem metas juntos. Discuta com seu filho qual será a pro-
gramação do ano letivo. Cada ano letivo tem objetivos claros
já programados, mas seu filho também deve ter seus pró-
prios objetivos. Concentre-se em seus pontos fortes, bem
como as áreas que precisam ser aprimoradas, para que tudo
possa estar equilibrado.

Trace metas realistas e tangíveis e defina quais serão as for-


mas mais práticas para que estas metas possam ser alcan-
çadas. Se eles decidirem colocar em sua lista que uma das
metas será aprimorar sua capacidade de ler, tente agendar
todos os dias pelo menos uns dez minutos para que possam
ler algo juntos.

Um gráfico informatizado, marcos, estrelas coloridas para


recompensas, tais como rostos sorridentes, podem fazer
com que a criança sinta que está atingido os objetivos que
decidiram alcançar.

Quando a criança tem o TDAH, o desempenho acadêmico na


escola pode às vezes parecer um sonho impossível. No en-
tanto, estas estratégias podem ajudá-lo a iniciar bem o ano
letivo. Planejar com antecedência e manter um contato
constante com a escola, pode estabelecer uma base sólida
para as experiências positivas que seu filho irá desfrutar, e
ele ficará feliz por participar destas experiências.

26
CONCLUSÃO

Se você tiver outros filhos faça com que participem deste sis-
tema. Tudo o que mencionamos acima são ótimas suges-
tões. Você deve fazer o que seja apropriado para a idade do
seu filho, levando em consideração a sua personalidade e os
seus interesses. Inclua também os outros filhos nestas ativi-
dades para que não sintam que o irmão com o TDAH seja o
centro de atenção da família. Quanto mais unida for a famí-
lia para elaborar planos e aprenderem coisas novas, mais fá-
cil será ajudar a todos a obter êxito acadêmico.

Monitore as tarefas escolares diariamente. A melhor forma


de ajudar o seu filho quando não está na escola é monitor o
progresso que vem obtendo quando faz o dever de casa.

Qualquer coisa que você possa fazer para transformar o


aprendizado do seu filho em algo divertido e sem estresse,
irá ajudá-lo a ficar menos frustrado, e ansioso em aprender
coisas novas.

Por fim, esteja sempre atento às estratégias adotadas. Anote


todas as estratégias que você está usando em casa e se está
notando uma diferença no aprendizado e comportamento.
Você irá notar que a consistência quanto ao cumprimento
das metas elaboradas por você, fará com que seu filho tenha
um melhor desempenho na escola. Quando você faz o pro-
cesso de aprendizado do seu filho algo divertido, conse-
quentemente ele se sairá bem na escola e na vida em geral.

27