Você está na página 1de 3

História do Pensamento Geográfico-HPG 

Prof. Manoel Fernandes de Sousa Neto 

APRESENTAÇÃO SARAU 
ABRINDO A CAIXA PRETA DA 
HISTÓRIA DA GEOGRAFIA 
___ 
Henrique Borges de Oliveira número USP:11878873
A História da Ciência é uma história construída a base de inúmeros questionamentos,
embates, noites mal dormidas, fracassos, teorias não aceitas, entre outros.
O celular ou o notebook que você está utilizando para ler este texto, com certeza, carrega
uma história além de nossos olhos. A construção deste produto final pode ter custado direta ou
indiretamente a morte de pessoas.

No filme o "Jogo da Imitação" é mostrada a história real e o processo que Alan Turing e sua
equipe de gênios britânicos enfrentaram para decifrar códigos nazistas provenientes de uma
máquina de criptografia alemã. Ela encaminhava mensagens, entre a marinha, sobre novos ataques.
Decifrar aquela máquina era o mesmo que derrotar Hitler, porém o resultado final só veio após
múltiplos esforços e tensões entre a equipe. Resgatar a história de Alan Turing é falar sobre um
personagem que pouco aparece nos verbetes sobre o conflito, alguém fora da política ou sem
patente militar que foi muito decisivo para o fim dos combates. À partir desse exemplo, é possível
entender que uma história da ciência só pode ser compreendida de maneira correta se, assim com
diz Bruno Latour, as caixas pretas forem abertas, ou seja, se o processo do produto final for
vasculhado.

Analisando ainda mais as idéias de Bruno Latour e a proposta que a introdução do livro
''Ciência em ação'' nos traz: temos que no Subtítulo ''ABRINDO A CAIXA-PRETA DE
PANDORA'';
''A expressão caixa-preta é usada em cibernética sempre que
uma máquina ou um conjunto de comandos se revela complexo
demais. Em seu lugar, é desenhada uma caixinha preta, a
respeito da qual não é preciso saber nada, senão o que nela entra e o que dela sai.'' (trecho do
Livro).

A alta complexidade que teria a caixa preta é a recheada história que por trás levou àquele fim.
Com o passar do tempo e a sucessão dos fatos, novos problemas vão surgindo. Ao escrever
esse texto, por exemplo, minha preocupação não era em fazer com que o notebook ligasse, muito
menos entender uma série de conjuntos eletrônicos, mas em adquirir idéias para a formação desta
resenha.

Para tanto, não basta que essa lógica de aceitação que diz: ''Acate os fatos sem discutir''
permeie a sociedade, é preciso questionar quais foram os erros cometidos, problemas e processos
que levaram ao que a ciência é hoje. E mais além disso, trazendo ao nosso campo de estudo que é a
geografia: é necessário estudá-la não mais de forma internalista, ignorando seus contextos e
engrandecendo somente os grandes nomes, mas sim levar em consideração todos os elementos do
processo de estabelecimento de uma disciplina científica; Para que assim seja possível entender a
importância da historiografia geográfica na formação dos geógrafos.