Você está na página 1de 17

NAS ENTRANHAS DA SAÚDE PÚBLICA: Uma animação sobre o mais importante

programa para a saúde pública e o bem-estar social na contemporaneidade.

Emerson ALVES
Igo CARNEIRO
Vitor GABRIEL
Professor Orientador: Breno Xavier
Universidade Potiguar, Natal, RN

RESUMO
A saúde pública promove e protege a saúde das pessoas e das comunidades onde vivem,
reconhecem-se hoje, dentro do campo da saúde pública em Natal/RN, objetivos cada vez mais
específicos, relacionados aos fatores que dizem respeito aos ambientes biológico, físico e
social, e as maneiras pelas quais eles poderiam representar riscos traduzíveis em ameaças à
saúde e à qualidade de vida. Existe uma área de conhecimento muito vasta ao falar do SUS,
tanto por abrangência como também por serviços prestados, em todos os sentidos o SUS
apresenta uma estrutura de cuidados e tratamentos muito eficientes, mas muita gente não opta
por usar o sistema único de saúde por não conhecer os pontos positivos do mesmo.
PALAVRAS-CHAVE: Saúde Pública; SUS; Motion Graphics; Design.

1 INTRODUÇÃO
Trata-se de um trabalho interdisciplinar do curso de Design Gráfico envolvendo as
disciplinas de Design Digital, Design em Movimento, Semiótica Aplicada ao Design Gráfico
e Design Gráfico-Regionalismos. O intuito é apresentar o SUS em forma de motion graphics
de duração de dois minutos e meio, além de trabalhar na divulgação, será realizado um artigo
científico sobre a temática do assunto.
O SUS traria uma nova concepção de saúde agora ampliada, pois passaria a
considerar também outros fatores que, direta ou indiretamente, estariam associados ao se
pensar a saúde e qualidade de vida como aspectos econômicos, sociais, culturais e
biotecnológicos. Somado a isso, estaria também uma visão integrada das ações e dos serviços
de saúde. Logo, o caráter inovador estaria na criação de condições para a superação de uma
visão de saúde pública que se concentrava na doença.
1.1 JUSTIFICATIVA
Nas três últimas décadas a sociedade local enfrentou um imenso desafio. Como
organizar em um estado em desenvolvimento, tão desigual e com tantas contradições, um
sistema universal de saúde, centrado em valores como igualdade, democracia e justiça social.
Esse era o tamanho do desafio, tendo em vista que nessa visão, a saúde é compreendida como
um bem social que integra ações individuais e coletivas ao modelo de desenvolvimento
econômico objetivando o direito a uma vida digna e produtiva. O balanço desse período é
desigual e contraditório. De um lado tivemos avanços com importante impacto na qualidade
de vida da população brasileira, de outro, fragilidades que ameaçam o que foi duramente
conquistado nesse período.
Pesquisa do Ministério da Saúde, revela que 77% da população foram a
estabelecimentos públicos de saúde para serem atendidos. Deste total, 47,9% apontaram as
Unidades Básicas de Saúde como sua principal porta de entrada aos serviços do Sistema
Único de Saúde (SUS). Os dados também apontam que as políticas públicas cumprem papel
fundamental no acesso a medicamentos. Do total de entrevistados, 33,2% conseguiram pelo
menos um dos medicamentos no SUS e 21,9%, por meio do Programa Farmácia Popular.
(BRUNET, 2018)
Na avaliação do perfil dos usuários da rede pública de saúde, o estudo mostra que os
serviços chegam a quem mais precisa. A proporção de indivíduos que mais tiveram acesso a
medicamentos nos serviços públicos sobe para 41,4% na população sem instrução ou com
ensino fundamental incompleto e para 36,7% entre os de cor parda. O mesmo acontece com o
Programa Farmácia Popular, ou seja, quem mais utiliza este serviço são as pessoas de menor
escolaridade. (AGUIAR, 2017)
Depois das Unidades Básicas de Saúde, os serviços públicos mais procurados pela
população são os de emergências, como as Unidades de Pronto Atendimento Público ou
Emergência de Hospital Público (11,3%), seguidos pelos hospitais e serviços especializados:
do total, 10,1% da população vão até um Hospital Público ou Ambulatório quando têm um
problema de saúde e 1,8% vão aos Centros de Especialidades e Policlínicas Públicas. Os
consultórios e clínicas particulares atraem 20,6% dos brasileiros e 4,9% buscam emergências
privadas. (AGUIAR, 2017)
Deste modo, todos os fatores e características aqui expostos agregam relevância e
justificam a importância do SUS para as pessoas que não tem condições de pagar seu próprio
plano de saúde, é muito vasto o número de pessoas que optam por ir aos centros de
atendimento públicos da própria cidade e não ter condições de usar as redes privadas.
1.2 OBJETIVOS GERAIS
Elaborar um trabalho interdisciplinar completo, com o intuito de observar,
compreender e pesquisar a saúde pública em relação ao SUS no território potiguar. Dessa
forma, valorizar o SUS e os trabalhos da saúde pessoal. Produzir um motion graphics de
forma que explique todo o conhecimento que adquirimos ao longo do semestre e alertar as
pessoas da importância do SUS para a sociedade.

1.2.1 Objetivos específicos


Pesquisa cronológica da história do SUS para criação de roteiro e storyboard em
forma de infográfico.
Criação de identidade visual e personagem apresentador utilizando Illustrator e
Photoshop.
Utilização dos dados dos dois primeiros tópicos para realização do motion graphics,
utilizando o Illustrator, Photoshop e After Effetcs.

1.3 METODOLOGIA
A metodologia utilizada neste trabalho será a pesquisa na internet, tanto em ebooks,
quanto em artigos e demais fontes disponíveis na web, e descritiva pois as informações
obtidas serão utilizadas com a finalidade de gerar um motion graphics informativo sobre a
importância do SUS.
A metodologia deste trabalho será dividida em duas etapas sendo elas teórica e
pratica.

1.3.1 Métodos de pesquisa (teórica)


Quanto ao instrumento de coleta de dados, serão utilizados dados secundários na
pesquisa, com base na utilização de fonte para pesquisas em plataformas, seja ele portal de
discussão, pesquisa ou vídeos, que terá uma abordagem qualitativa com o intuito de obter um
maior conhecimento possível sobre o tema proposto. Consultando diversas fontes escritas,
pode-se constatar que existem diversas concepções formais direcionadas numa abordagem,
que podem servir de orientação para a organização na condução de um processo que visa
auxiliar como um guia que traça o sentido de uma investigação, determinando a forma de
como a pesquisa foi realizada.
1.3.2 Processo criativo de produção do motion graphics (prática)
Será utilizada a metodologia projetual de design gráfico de Bruno Munari – (década de
80), o designer precisa de um método que lhe permita desenvolver o projeto com o material
correto e com as técnicas mais adequadas. No Design, Munari assegura sua postura a favor da
utilização da metodologia projetual como um guia para se chegar a uma solução, uma
sucessão de vários atos para se chegar a um protótipo. O modelo proposto expõe de forma
sintética o seu esquema metodológico, apresentando um breve resumo das suas etapas.
(MUNARI, 2008)
Essa metodologia é dívida nas seguintes etapas:

Quadro 1 - Esquema proposto por Munari (2008).

METODOLOGIA DE MUNARI
ETAPAS Componentes das Etapas
ETAPA 1 PROBLEMA
ETAPA 2 Definição do problema
ETAPA 3 Componentes do problema
ETAPA 4 Coletas de dados
ETAPA 5 Análise de dados
ETAPA 6 CRIATIVIDADE
ETAPA 7 Materiais e Tecnologia
ETAPA 8 Experimentação
ETAPA 9 Modelo
ETAPA 10 Desenho de construção
ETAPA 11 Solução
Fonte: MUNARI (2008).

2 DESENVOLVIMENTO
2.1 REFERENCIAL TEÓRICO
2.1.1 Período pré-SUS
Antes da criação do Sistema Único de Saúde (SUS), o Ministério da Saúde (MS) com
o apoio dos estados e municípios, desenvolvia quase que exclusivamente, ações de promoção
da saúde e prevenção de doenças, com destaque para as campanhas de vacinação e controle de
endemias. Todas essas ações eram desenvolvidas com caráter universal, ou seja, sem nenhum
tipo de discriminação com relação à população beneficiária. (SOUZA, 2018).
2.1.2 Abrangência do SUS
O SUS é um sistema único de saúde de abrangência Nacional vindo em seu âmbito
subsistemas em cada estado e em cada município. Assim, a totalidade das ações e de serviços
de atenção à saúde, no âmbito do SUS, deve ser desenvolvida em um conjunto de
estabelecimentos organizados, hierarquizados e disciplinados, segundo os sistemas municipais
voltados ao atendimento integral da população local e inseridos de forma conjunta no SUS em
suas abrangências estadual e Nacional. (SÉRGIO, 2018)
O funcionamento da área da saúde está entre as mais democráticas, pois além de
comportar um alto grau de participação social (ANEXO- A), é um dos modelos de
descentralização com o maior êxito nos serviços públicos brasileiros. (SILVA, 2018)
A saúde possui, assim, duas dimensões que se associam a uma nova aposta para o
desenvolvimento do Brasil. É parte da política social e do sistema de proteção social e fonte
de geração de riqueza para o País. O direito à saúde articula-se com um conjunto altamente
dinâmico de atividades econômicas, que podem se relacionar virtuosamente num padrão de
desenvolvimento que busque o crescimento econômico e a equidade como objetivos
complementares. (SÉRGIO, 2018)
A partir desse projeto de intervenção, evidenciou que o conhecimento do território vai
além das concepções de áreas geográficas, sendo essencial para a caracterização da população
e de seus problemas de saúde, e na gestão do cuidado em saúde (ANEXO- A). Por meio da
territorialização, é possível organizar o planejamento que irá direcionar as ações dos
profissionais das equipes de saúde da família.
Juntamente com o conceito ampliado de saúde, o SUS traz consigo dois outros
conceitos importantes: o de sistema, e a ideia de unicidade. A ideia de sistema, significa um
conjunto de várias instituições, dos três níveis de governo e do setor privado contratado e
conveniado, que interagem para um fim comum. Já na lógica de sistema público, os serviços
contratados e conveniados seguem os mesmos princípios e as mesmas normas do serviço
público. Todos os elementos que integram o sistema, referem-se ao mesmo tempo às
atividades de promoção, proteção e recuperação da saúde. (SILVA, 2018)

2.1.3 SUS e sociedade


Apesar dos avanços que o SUS representou ao país, o processo de financiamento está
entre os principais problemas enfrentados desde a sua criação. A instabilidade dos parâmetros
sobre gastos em saúde, coloca em risco uma das maiores conquistas da sociedade brasileira,
comprometendo a prestação de um serviço de qualidade e acessível a todos. (SÉRGIO, 2018).
Neste momento, todos os atores da saúde pública do Brasil, trabalham em prol da
aprovação de projeto de lei complementar que já está em debate no Congresso Nacional. O
novo texto definirá quais tipos de gastos são da área de saúde, e quais não podem ser
considerados gastos em saúde. (SOUZA, 2018). (ANEXO- A).

2.1.4 Planejamentos e solicitações do SUS


Tratando-se do SUS, é digno de se dar destaque a vasta quantidade de programas e
ações deste sistema, que por sua diversidade atende a vários tipos de públicos, fazendo uso de
estratégias e serviços afim de trazer qualidade na assistência da Saúde pública. Os serviços
devem ser organizados em níveis crescentes de complexidade, circunscritos a uma
determinada área geográfica, planejados a partir de critérios epidemiológicos, e com definição
e conhecimento da população a ser atendida. A regionalização é um processo de articulação
entre os serviços que já existem, visando o comando unificado dos mesmos. Já a
hierarquização deve proceder à divisão de níveis de atenção e garantir formas de acesso a
serviços que façam parte da complexidade requerida pelo caso, nos limites dos recursos
disponíveis numa dada região.
(PORTALMS, 2018).
O Ministério da Saúde reconhece oficialmente por meio da PNPIC, “Política Nacional
de Práticas Integrativas e Complementares”, a necessidade e a importância da chamada
"Medicina não convencional" para prática voltada à saúde e ao equilíbrio das pessoas. As
ações também são recomendadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS). (ANEXO- B)
Os respectivos processos de elaboração, devem, além disso, ser encarados como
práticas privilegiadas na gestão do SUS, portanto, são estratégicos para a reorganização do
setor e para a consolidação do sistema. O fluxo apresentado a seguir, demonstra claramente
harmonização desses instrumentos de planejamento do SUS. (PORTALMS, 2018).
O plano de saúde, a programação animal, a PPI, a expressão, a direcionalidade das
políticas de saúde do SUS no âmbito federal, estadual ou Municipal, configurando, por
conseguinte, instrumentos de trabalho elaborados segundo as diretrizes definidas nestas
mesmas políticas.
A elaboração desses instrumentos, deve ser feita com base nos parâmetros comuns,
que são: modelos de gestão, modelos de atenção à saúde, os recursos específicos, estratégicos
e o financiamento. (ANEXO- B)
Para o ministério da saúde, a programação anual dos Estados representados pela PPI
que corresponde a uma consolidação estadual, ou seja, sistematização do resultado de todo o
processo de elaboração da programação, envolvendo a composição orçamentária, o modelo de
gestão, o modelo de atenção e os recursos estratégicos supracitados. no que tange
especificamente ao modelo de atenção, onde o resultado da programação acordada entre os
municípios quanto assistência, à vigilância sanitária epidemiologia e controle de doenças.
(SÉRGIO, 2018).
O SUS, em conjunto com as demais políticas, deve atuar na promoção da saúde,
prevenção de ocorrência de agravos e recuperação dos doentes. A gestão das ações e dos
serviços de saúde deve ser solidária e participativa entre os três entes da Federação: a União,
os Estados e os municípios.
A rede que compõem o SUS é ampla e abrange tanto ações, como serviços de saúde.
Ela engloba a atenção básica, média e alta complexidades, os serviços urgência e emergência,
a atenção hospitalar, as ações e serviços das vigilâncias epidemiológica, sanitária e ambiental
e assistência farmacêutica. Dessa forma o SUS proporcionou o acesso universal ao sistema
público de saúde, sem discriminação. A atenção integral à saúde, e não somente os cuidados
assistenciais, passou a ser um direito de todos os brasileiros, desde a gestação e por toda a
vida, com foco na saúde com qualidade de vida. (ANEXO- B)
Levando em conta as ações e planejamento, o SUS oferece diversos tipos de consultas,
exames, internações, promove campanhas de vacinação, ações de vigilância sanitária e de
prevenção, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), entre outros serviços, a
conferência de saúde, seja ela municipal, estadual ou nacional é um momento rico, em que
podemos ter vez e voz, expressando posições, propondo e votando questões que orientarão os
gestores do sistema, formulando diretrizes das políticas de saúde. (PORTALMS, 2018).

2.2 DESENVOLVIMENTO PRÁTICO


Durante o planejamento do trabalho a partir do tema – Saúde pública, onde foi eleito o
recorte para apresentar por meio de um Motion Graphics (Vertente do Design Gráfico que
mescla princípios de design e cinema. Encontra-se na categoria de audiovisual.), o SUS -
Sistema Único de Saúde, sob as orientações do professor Breno, entre as metodologias
possíveis, foi escolhida a metodologia de Bruno Munari.
O desenvolvimento prático foi acompanhado simultaneamente pelo desenvolvimento
das primeiras etapas da produção do nosso Motion Graphics, ou seja, durante todo o processo
de teorização do trabalho, já estávamos procedendo com a próxima etapa. Então vamos
elencar como foi a abordagem pratica de todo o processo até aqui.

A primeira decisão foi de abordar o SUS. Por que? Porquê durante as nossas pesquisas
descobrimos que de uma forma geral, o SUS engloba as nossas ideias iniciais, isso fica bem
explicitado na animação. Logo dividimos em tópicos as etapas para atingir o objetivo, que
foram: (ANEXO- C)

2.2.1 Problema, definição e componentes


A definição do problema neste projeto, estaria relacionada a falta de popularidade a
respeito da preferência de pessoas de não usar o Sistema Único de Saúde-SUS, mesmo tendo
um modelo de atendimento que, mesmo com suas limitações, consegue atender aos cidadãos
deste país continental, mas que, com certeza, precisa de mais recursos. (SILVA, 2018)
Os componentes do problema, são a falta de informações, benefícios, serviços e
programas que todos os brasileiros tem direito de saber e usufruir. Os brasileiros não são
informados que o SUS “Sistema Único de Saúde”, é financiado com os recursos e impostos
pagos pela população, e que existe programas que dá direitos e benefícios a todo a população.
A falta de estrutura nas unidades de saúde e hospitais em péssimas condições, a falta de
atenção no atendimento aos usuários que ficam meses ou até anos para realizarem exames.
(AZEVEDO, 2018)
A saúde é um direito de todos, independente de qualquer idade e altura, ou seja, é
aberto para todo cidadão. O SUS apresenta um poder de abrangência muito elevado, mas
muita gente deixa de optar por usá-lo, tendo plano de saúde ou não.
2.2.2 Coleta e análise de dados
Através de pesquisas descritivas, de fontes que abordem o assunto, e, ao explicar de
forma geral o SUS na vida das pessoas, o trabalho pretende deixar claro que é possível cuidar
da saúde sem precisar pagar seu próprio plano, ou seja, sem precisar arcar com custos.
Foi coletado os dados, tanto de fontes, como notícias recentes, e percebemos que além
do SUS ser uma potência em cuidados médicos, também não deixa de ser apoiado pela
maioria da população brasileira, o que nos leva a crer que, por ser um sistema que a cada ano
cresce a sua porcentagem de atendimento, muitas pessoas que possui o próprio plano de
saúde, não optam por serem atendidas pelo SUS. (BRUNET, 2018)
Analisando os dados, percebemos ainda, uma diferença de avaliação positiva do
atendimento do SUS entre os usuários e não usuários do Sistema Único de Saúde, por
exemplo, entre os usuários do SUS, 30% apontam como bom/excelente o tempo de espera
para conseguir medicamentos, enquanto que este percentual é de apenas 15% entre os não
usuários do SUS. Dados como este deixa claro que, por vezes, o SUS é pior avaliado por
quem usa menos os serviços públicos de saúde, e logo, tem maior desconhecimento do
funcionamento dos mesmos. (AGUIAR, 2017)
2.2.3 Criatividade
Neste módulo, foi desenvolvido primeiramente o roteiro contando desde o período
pré-SUS até os dias de hoje, em seguida foi produzido o storyboard para a orientação das
cenas, uma história em quadrinhos contando cada detalhe e os movimentos que o personagem
vai fazer e com as falas ao lado de cada quadrinho e explicações de como cada cena vai se
comportar, observe o (ANEXO- F), e foi utilizado o adobe Illustrator para a criação e
vetorização dos personagens e objetos, seguindo determinados modelos apresentados no
(ANEXO- E), seguindo o uso do After Effects para a animação, pois é um programa ideal pra
lidar com movimentos de posição, rotação e facilita a inclusão de elementos gráficos, e
seguindo os passos das aulas de design em movimento.
2.2.3.1 Escolha e coleta de cores
Utilizamos um tom de azul no background, pois seria uma cor remetente tanto à saúde
como o Sistema Único de Saúde-SUS, simbolizando bem a diversidade das cores, utilizamos
a cor vermelha em volta da cruz, para simbolizar primeiros socorros, utilizamos as diversas
cores nas engrenagens, para simbolizar cada estabelecimento ligado ao SUS.
Nestas engrenagens giratórias, com cada rede ligada à área da saúde, cada uma com
uma cor característica, sendo a maior delas a azul escura remetendo ao SUS que está no
centro.
O personagem principal, o doutor, usará em sua calça um tom de azul escuro,
incluindo a sua gravata, estetoscópio e camisa debaixo de seu jaleco com tons de azul.
Foi desenvolvido também um quadro com alguns tratamentos que o SUS oferece para
detalhar, não só as ações na sociedade pública, como também dentro dos próprios
estabelecimentos do SUS.
Os personagens desenvolvidos irão atuar na animação, a partir do momento em que o
doutor mencionar e falar dos direitos dos cidadãos de lutar e cobrar para que o SUS seja um
sistema cada vez melhor, estes personagens irão aparecer no final da animação junto ao
doutor para que o Motion Graphics seja encerrado de forma intuitiva com os personagens
bem apresentados. (ANEXO- E).
No (ANEXO- D), apresenta uma paleta com as principais cores utilizadas no Motion
Graphics, o esquema de cores é triádico.

2.2.3.2 Personagens, objetos e cenários


Foi criado o personagem principal, um médico e servidor público que durante a
animação, irá apresentar e explicar de maneira mais coerente, como funciona o Sistema Único
de Saúde-SUS.
Alguns personagens foram baseados nos componentes do grupo, outros foram criados
com muitas diversidades, com o intuito de mostrar que todo tipo de pessoa merece os
cuidados eficientes de saúde.
Foi desenvolvido um caminhão de lixo para simbolizar a coleta de lixo, uma caixa de
cigarro com avisos de perigo, e um estabelecimento com o nome “freeboi”, que foi fiscalizado
pela Anvisa, com o intuito de mostrar algumas partes onde o SUS está presente em nossas
vidas.
Foi desenvolvido cenários usando os mesmos princípios de referências apresentadas
no quadro referencial (ANEXO- E), para mostrar a animação de forma mais detalhada
possível.
No (ANEXO- E), apresenta um quadro referencial com modelos que nos baseamos
para o desenvolvimento dos personagens, cenários e engrenagens.
2.2.3.3 Trilhas e efeitos sonoros
A dublagem do protagonista, o doutor, foi gravada no laboratório de rádio da UNP-
Roberto Freire, este áudio irá durar até o fim da animação. A escolha do laboratório de radio
foi feita devido a qualidade das gravações, e ser um lugar fechado, sem ruídos ou sons que
possam interferir na gravação do áudio, a gravação foi feita com base em um roteiro escrito
para leitura e interpretação do personagem principal.
Ao longo da animação, os sons de algo aparecendo na tela vão acontecer, com o
intuito de dar vida as cenas, contudo, os sons de efeitos sonoros poderão ser notados em
alguns momentos na animação, pois na maioria das cenas, as falas e argumentações do doutor
irão dar complemento as cenas.
Com o resultado da gravação do áudio, e inclusão e escolha dos sons para a animação,
foi feita de forma intuitiva ao processo de edição, para que os efeitos sonoros não intervirem
ou sejam mais altos em questões de volume, do que as falas do doutor, para não acontecer do
expectador acabar não entendendo ou captando direito as falas do personagem devido aos
sons de efeitos sonoros estarem atrapalhando.
Podemos supor que os sons, barulhos da animação, seja uma das partes mais
importantes do Motion Graphics, pois ela faz o seu expectador, que no caso a banca, mais
satisfeito com o que está sendo exibido, com isso podemos afirmar que durante o trabalho de
gravação e edição do áudio, não foi só pensado apenas na qualidade, mas também nos
expectadores. Os sons têm o poder de ativar regiões do cérebro ligadas a concentração e as
emoções, e mesmo que você não perceba, cada efeito sonoro terá sua importância, pois são
essenciais para chamar a atenção do expectador.

2.2.4 Solução
Tendo todas as informações dadas acima, podemos supor que por mais que o SUS seja
mal avaliado por algumas pessoas, ainda continua tendo uma estrutura de atendimento muito
forte, pois os maiores problemas do SUS é causado pela falta de investimento por parte do
governo e devido a essas inconveniências, acaba tirando muito poder de abrangência do SUS
e por consequência, este sistema permanece não funcionando do jeito que se esperava, com
isso iremos mostrar na animação o quão o SUS está presente em nossas vidas e qual seria seu
papel na sociedade por meio desta animação. Orientar as pessoas sobre como o SUS pode
salvar vidas não é tarefa fácil, mas, não é impossível, o Sistema Único de Saúde oferece
muitos benefícios à sociedade brasileira, tendo como base a ideia de que este sistema está
presente em nossas vidas através de muitas ações, porém, a maioria dos cidadãos não sabem
de tais benefícios, e por isso que muitas pessoas acabam avaliando mal o SUS e deixando de
lado os seus tratamentos, contudo, todos os cidadãos tem o direito ao atendimento de
qualidade e de saber como funciona o Sistema de Saúde, como o SUS, neste projeto estamos
desenvolvendo este produto desde seu roteiro até o resultado final e assim fazer a
apresentação do Motion Graphics. Observe o (ANEXO- C).
3 CONCLUSÃO
Durante a elaboração do trabalho foi possível perceber que, apesar do SUS não ser
aprovado por muita gente, existe uma porcentagem crescente e considerável de pessoas que
aceitam o tratamento da saúde, se ainda existem problemas no atendimento público da saúde,
é inegável o fato de que, a respeito disso, o SUS contribuiu para o fortalecimento da cidadania
nacional, fazendo com que o direito ao atendimento à saúde seja importantíssimo à direito
social.
Foi posto em prática todos os conhecimentos adquiridos neste semestre e com base nas
disciplinas estudadas, foi realizado o trabalho com o intuito de divulgar as particularidades e
abrangência do Sistema Único de Saúde (SUS), que é desconhecido de boa parte da
população brasileira.
Este trabalho é dedicado não só à banca, mas também ao público que interpreta mal ao
Sistema Único de Saúde (SUS), com esta animação podemos explicar passo a passo, com
informações desde o início do mesmo até os dias de hoje, mostrando cada detalhe e cuidados
que este sistema tem à oferecer a sociedade brasileira, o público alvo seria as pessoas que
desconhecem a abrangência do trabalho desenvolvido pelo SUS.
Tudo com base em conhecimento, análise e pesquisa para a elaboração do motion
graphics, visando desde a história do SUS até as ações dos dias atuais, tudo ligado ao tema de
Saúde Pública. E por fim, foi pensado e discutido a melhor forma de explicar o SUS chamar a
atenção do público das vantagens de utilizar o Sistema único de Saúde (SUS).
REFERÊNCIAS
AZEVEDO, Marcelo. SUS: Estrutura, princípios e como funciona. Disponível em:
<http://portalms.saude.gov.br/sistema-unico-de-saude> Acesso 27 fev. 2019
AGUIAR, Michel. 71% dos brasileiros tem os serviços públicos de saúde como
referência. Disponível em: <http://www.brasil.gov.br/noticias/saude/2015/06/71-dos-
brasileiros-tem-os-servicos-publicos-de-saude-como-referencia> Acesso 14 mar. 2019
LIMA, Emanuel. A triste realidade da saúde pública. Disponível em:
<https://emanuellimabto.jusbrasil.com.br/artigos/241825250/a-triste-realidade-da-saude-
publica> Acesso 08 mar. 2019
PREITE, Wanderley. Falta medico e dinheiro: 10 grandes problemas da saúde no brasil.
Disponível em: <https://noticias.uol.com.br/saude/listas/falta-medico-e-dinheiro-10-grandes-
problemas-da-saude-no-brasil.html> Acesso 08 mar. 2019
BRUNET, Daniel. 77% dos brasileiros aprovam o atendimento do SUS. Disponível em:
<https://www.conass.org.br/77-dos-brasileiros-aprovam-o-atendimento-do-sus> Acesso 16
mar. 2019
MUNARI, Bruno. Das coisas nascem coisas. Disponível em:
<http://www.processocriativo.com/das-coisas-nascem-coisas/> Acesso 21 mar. 2019
SILVA, Lucia. Diretrizes estratégicas. Disponível em:
<http://bvsms.saude.gov.br/bvs/pacsaude/diretrizes.php> Acesso 10 abril. 2019
SOUZA, Renilson. História do SUS. Disponível em:
<http://bvsms.saude.gov.br/bvs/pacsaude/diretrizes.php/> Acesso 11 abril. 2019
GOVERNO DO BRASIL. 71% dos brasileiros tem os serviços públicos de saúde como
referência. Disponível em: <http://www.brasil.gov.br/noticias/saude/2015/06/71-dos-
brasileiros-tem-os-servicos-publicos-de-saude-como-referencia> Acesso 11 abril. 2019
ACÕES E PROGRAMAS do Sistema Único de Saúde. portalms, 2019. Disponível em:
<http://portalms.saude.gov.br/acoes-e-programas> Acesso 14 de abril de 2019.
SÉRGIO, Paulo. Serviços de saúde. Disponível em: <https://www.politize.com.br/servicos-
de-saude-no-brasil/> Acesso 19 de abril de 2019.
ANEXOS
ANEXO A- Pesquisa de satisfação

Fonte: Ipea. Sistema de Indicadores de Percepção Social (SIPS) 2018

ANEXO- B - Gráfico de conclusões do SUS.

Impactos do trabalho na vida familiar/social na percepção dos profissionais de hospitais


públicos de urgência e emergência do Rio Grande do Norte. (SUS)
ANEXO- C – Painel esquemático da produção do Motion Graphics.

Esquema de roteiro até conclusão.

ANEXO- D – Paleta com as principais cores utilizadas no Motion Graphics.


Circulo cromático de cores triádicas
ANEXO- E – Quadro de referências

Referencias da criação dos personagens e objetos.

ANEXO- F – Storyboard da animação

Storyboard detalhado com as cenas em esboço