Você está na página 1de 44

+r e f r i g e r a ç ã o

climatização
REFRIGERAÇÃO AR-CONDICIONADO VENTILAÇÃO AQUECIMENTO

A REFRIGERAÇÃO
CORRE PARA
BARRAR O
AQUECIMENTO
GLOBAL

Refrigerantes
alternativos aos
HFCs

Boas práticas
na instalação de
sistemas split

Aplicação nos
vários sistemas

EFICIÊNCIA
ENERGÉTICA:
COMPARAÇÃO
INVERTER X
ON-OFF

ISSN 2358-8926
índice
35 14

Negócios..................................................................................06

Fluidos refrigerantes

Alternativas viáveis para os sistemas de .................................


refrigeração........................................................................................10

Boas práticas na limpeza de sistemas...................................14

Novos fluidos e o ar-condicionado........................................16

Opinião: engenharia e sustentabilidade.............................. 23

Aplicação na refrigeração comercial.................................... 24

Dampers no controle de incêndio e fumaça.....................26

Comparação dos sistemas inverter e on-off......................28

Mulheres de ação: Ana Carolina de Souza Rodrigues.....35

Diálogo...................................................................................... 37

Abrava........................................................................................38

Associados Abrava..................................................................40

Agenda.......................................................................................42
editorial

Os nossos desafios na questão ambiental Abrava + Climatização & Refrigeração


A revista Abrava + Climatização & Refrigeração
é órgão oficial da Abrava – Associação Brasileira
Uma das primeiras prioridades da agenda do de Refrigeração, Ar-Condicionado, Ventilação e
Aquecimento, editada pela Nova Técnica Editorial
novo presidente do EUA é o Meio Ambiente. Ltda.
Logo após assumir o cargo, Joe Biden anunciou
novas medidas recolocando os EUA de volta ao COMITÊ EDITORIAL
Alberto Hernandez Neto, Antonio Luis de Campos Mariani, Arnaldo Basile
Acordo de Paris e retomando a agenda da Emenda Jr., Arnaldo Parra, Cristiano Brasil, Francisco Dantas, Gilberto Machado,
de Kigali. Não há dúvida de que esse tópico será João Pimenta, Leonardo Cozac, Leonilton Tomaz Cleto, Luciano de Almeida
Marcato, Maurício Salomão Rodrigues, Oswaldo de Siqueira Bueno, Paulo
fundamental nas relações internacionais entre os Penna de Neulaender Jr., Priscila Baioco, Rafael Dutra, Roberto Montemor,
países. Rogério Marson, Sandra Botrel e Wili Colozza Hoffmann
Para o Brasil não será diferente e teremos muitos DIRETORIA EXECUTIVA:
Presidente do Conselho de Administração: Pedro Constantino Evangelinos,
desafios para o cumprimento de metas estabeleci- Vice-Presidente Executivo: Jovelino Antonio Vanzin, Past-Presidente: Arnaldo
das pelos acordos internacionais. A sociedade e as Basile Jr, Diretor de Relações Internacionais: Samoel Vieira de Souza, Diretor
de Relações Associativas e Institucionais: Arnaldo Lopes Parra, Diretor de
empresas aguardam a aprovação de marcos regula- Desenvolvimento Profissional: Renato Nogueira de Carvalho, Diretor Social:
tórios nacionais que devem estabelecer a estratégia Eduardo Brunacci, Diretor de Marketing e Comunicação: Paulo Penna de
Neulaender Júnior, Diretor Jurídico: Gilberto Carlos Machado, Diretor de
de mudança e os setores prioritários. Operações e Finanças: Leonardo Cozac de Oliveira Neto, Diretor de Tecnologia
Dessa forma devemos estar atentos aos critérios e diretrizes a serem : Leonilton Tomaz Cleto, Diretor de Eficiência Energética: Luciano Marcato,
Diretor de Relações Governamentais: Mauro Apor, Diretor de Economia:
definidos para a mudança. O que é consenso entre pesquisadores, Wagner Marinho Barbosa, Diretor de Meio Ambiente: Renato Cesquini.
sociedade e indústria é o fato de que não existe uma variável única
CONSELHO FISCAL: João Roberto Minozzo, Hernani Jose Diniz de Paiva,
na solução para o clima. O fenômeno é complexo e envolve uma série João Roberto Campanha da Silva (efetivos), Gerson Catapano, Norberto dos
de variáveis interdependentes que, se administradas de forma errada, Santos, Wadi Tadeu Neaime (suplente).
podem inclusive criar o efeito contrário, aumentando a incidência do CONSELHO CONSULTIVO DE EX-PRESIDENTES:
Arnaldo Basile Jr, Wadi Tadeu Neaime, Samoel Vieira de Souza, João Roberto
efeito estufa. Não se pode falar da redução do impacto climático sem Minozzo
falarmos da eficiência energética, uma vez que a fonte de energia pode OUVIDORIA:
ser proveniente de fontes poluidoras. Não se pode falar de redução da Celso Simões Alexandre
emissão de efeito estufa, sem falarmos na conscientização e melhores DELEGADO DE ASSUNTOS INTERNACIONAIS:
Henrique Elias Cury
hábitos desde o consumo até a destinação final de produtos. PRESIDENTES DOS DEPARTAMENTOS NACIONAIS:
No setor de AVAC-R os desafios serão na mesma proporção e o Moacir Marchi Filho (Energia Solar Térmica), Cristiano Brasil (Ar-
Condicionado Central), Toshio Murakami (Ar-Condicionado Residencial),
Brasil ainda tem uma lição a ser aprendida na questão da produti- Paulo Américo dos Reis (Automação e Controle), Fábio Neves (BCA);
vidade e competitividade. Mesmo sendo a nona maior economia do Norberto dos Santos (Comércio), Dilson C. Carreira (Distribuição de Ar),
mundo, temos ainda uma distância enorme para países líderes de mer- Miguel Ferreirós (Projetistas e Consultores), José Carlos Rodrigues de Souza
(Instalação e Manutenção), Lineu Teixeira Holzmann (Isolamento Térmico),
cado no setor de AVAC-R. Se quisermos elevar nossa base tecnológica, Renato G. Cesquini (Meio Ambiente), Fabiano Meinicke (Monoblocos
inovar trazendo novos produtos e serviços e participar como prota- Frigoríficos), Marcelo Munhoz (Qualindoor), Eduardo Pinto de Almeida
(Refrigeração Comercial), Ademar Magrini (Refrigeração Industrial),
gonistas no mercado global de AVAC-R, temos que sair dessa inércia Eduardo Bertomeu (Ventilação), Sérgio Eugênio da Silva (Ar Condicionado
com foco somente no curtíssimo prazo e definir um plano estratégico Automotivo), Charles Domingues (DNTA).
para o setor visando o longo prazo. DIRETORIAS REGIONAIS:
Bahia: Mauricio Lopes de Faria, Ceará: Newton Victor S. Filho, Minas Gerais:
Esse planejamento envolve redefinirmos nossos padrões de qua- Francisco Pimenta, Pernambuco: Adam Baptista dos Santos.
lidade de produtos e serviços que muitas vezes penaliza aqueles que CONSELHEIROS:
Arnaldo Basile Jr, Arnaldo Lopes Parra, Eduardo Brunacci, Edison Tito
querem e fazem um serviço de qualidade em favor daqueles que Guimarães, Eduardo Pinto de Almeida, Francisco Correa Rabello , Gerson
o fazem sem qualquer critério. Também, inclui revisarmos nossas Alvares Robaina, Gilberto Carlos Machado, James José Angelini, Leonardo
Cozac de Oliveira Neto, Leonilton Tomaz Cleto, Luciano Marcato, Manoel
metas e especificações de eficiência energética para os sistemas de Luiz Simões Gameiro, Mauro Apor, Paulo Penna de Neulaender Júnior, Paulo
refrigeração e AC nivelando os requerimentos para patamares mais Fernando Presotto, Renato Giovani Cesquini, Renato Nogueira de Carvalho,
exigentes tornando nossos produtos e tecnologias mais competitivos. Renato Silveira Majarão, Samoel Vieira de Souza, Sidnei Ivanof, Thiago Dias
Arbulu, Toshio Murakami, Wagner Marinho Barbosa.
E, não menos importante, também acelerarmos o cumprimento dos
nossos compromissos com o meio ambiente, deixando de ser apenas
um país que segue uma diretriz em acordos, mas principalmente
influenciando e liderando o mercado para soluções mais ambiental-
Editor: Ronaldo Almeida <ronaldo@nteditorial.com.br>
mente sustentáveis. Depto. Comercial: Alfredo Nascimento <alfredo@nteditorial.com.br>, Adão
O desafio é grande e complexo, mas depende de nós como asso- Nascimento <adao@nteditorial.com.br>
Assinaturas: Laércio Costa <assinatura@nteditorial.com.br>
ciados darmos o primeiro passo e o exemplo. Todos caminhando na
mesma direção, e de forma coordenada, poderemos fazer a diferença Colaboraram nesta edição: Cláudio Kun, Fábio A. Fadel, M. A. Paiva, R. A.
Peixoto, G. D. Macedo, F. Fiorelli, C. Bessa, Marco Antonio Pereira, Marcos
para futuras gerações. Como dizia o filósofo brasileiro Rubens Alves: Euzébio, Rogério Marson Rodrigues e Vanessa Fadel.
“Amo aqueles que plantam árvores mesmo sabendo que nunca se sen-
tarão em sua sombra. Plantam árvores para dar sombras e frutos para Foto capa: 11976404 © Brad Calkins | Dreamstime.com
Redação e Publicidade:
aqueles que não nasceram” Av. Corifeu de Azevedo Marques, 78 - sala 05, Cep 05582-000. Tel: 3726-3934.
É proibida a reprodução total ou parcial dos artigos desta publicação sem
Renato Cesquini autorização prévia. As opiniões e os conceitos emitidos pelos entrevistados ou em
artigos assinados não são de responsabilidade da Revista Abrava + Climatização
presidente do DN Meio Ambiente e & Refrigeração e não expressam, necessariamente, a opinião da editora.
diretor de Meio Ambiente da Abrava
ea
engenharia
arquitetura
www.portalea.com.br facebook.com/engenhariaearquitetura

4 ABRAVA + Climatização & Refrigeração Fevereiro 2021


negócios e pessoas

Nova diretoria da Asbrav é empossada Hansen reafirmou o compromisso


de colaboração com as demais enti-
dades do mercado. “Queremos dar
seguimento a parcerias com entidades
de modo que possamos implementar
ações para o setor. Quero destacar
a aprovação da Lei do PMOC que
foi muito importante para o setor”,
afirmou.
A solenidade de posse aconteceu,
obedecendo às recomendações das
autoridades sanitárias, no auditório da
Asbrav no último 14 de janeiro. Dentre
as presenças online, esteve Arnaldo
Basile, presidente executivo da Abrava
que desejou sucesso à nova gestão,
é Luiz Alberto Hansen, o primeiro a reiterando a intenção de aprofundar a
presidir a associação em 1995. parceria entre as entidades.
Eduardo Muller, que encerra seu A diretoria executiva conta, ainda,
mandato, agradeceu a dedicação e com os seguintes membros: Mário
empenho de toda a diretoria, assim Henrique Canale, da Aeris Qualidade
como de colaboradores. “Realizamos o do Ar, na 1ª. vice´presidência; Ricardo
Luiz Alberto Hansen maior e melhor Congresso Mercofrio Alberto, como segundo vice-pre-
A Associação Sul Brasileira de em 2018 e, lamentavelmente, não sidente; Mário Alexandre Möller
Refrigeração, Ar-Condicionado e pudemos realizá-lo em 2020. Nos rein- Ferreira, na terceira vice-presidência;
Ventilação (Asbrav) empossou a dire- ventamos e passamos a participar do Anderson Rodrigues, da Artécnica,
toria eleita para dirigir a entidade no Conselho Nacional de Climatização e como secretário; e Marcos Abel Silva
biênio 2021/2022. O novo presidente Refrigeração (CNCR).” Kologeski, na tesouraria.

Nova contratação na Trox Daikin atende aos


novos critérios de
eficiência
A Daikin já oferece ao mercado
de AVAC-R equipamentos de acordo
com os novos critérios de eficiência
energética do Programa Nacional
de Conservação de Energia Elétrica
(Procel). A atualização dos critérios
alinha-se às exigências da Etiqueta
Nacional de Consumo de Energia,
com níveis de eficiência de 6,0 W/W
a partir de maio de 2022 e, a partir de
novembro de 2023, 7,6 W/W.
Joel de Carvalho Santos é a nova contratação da Trox do Brasil, com a mis-
A revisão foi resultado de reuniões
são de desenvolver o negócio de partes e peças com atribuições para planejar a
técnicas com a participação de repre-
comercialização de peças para produtos Trox e multimarcas, para os mercados de sentantes da indústria, do Ministério
ar-condicionado e refrigeração. Somando mais de 18 anos de experiência no mer- de Minas e Energia (MME), de labo-
cado de AVAC-R, em especial com vendas técnicas, Santos diz que “a Trox, como ratórios e universidades, além de
empresa de referência no mercado AVAC, possui um viés altamente inovador e representantes da sociedade civil
conta com uma equipe extremamente experiente e comprometida. Fico honrado e da  Collaborative Labeling and
em poder fazer parte e contribuir.” Appliance Standards Program (Clasp),

6 ABRAVA + Climatização & Refrigeração Fevereiro 2021


negócios e pessoas

entidade internacional com atuação tura selecionada. Tudo isso com emis- cipação da empresa, como o COPE
em eficiência energética na área de são de baixo ruído e vibração durante de Brasília, Hospital de Ivaiporã
refrigeração. De acordo com Leandro seu funcionamento. (PR) e Hospital Águas Claras (DF),
Lourenço, gerente de engenharia de Outras funções são a sleep, que des- são destacados no balanço positivo.
produto da Daikin, os produtos que liga no momento programado, e timer, Satisfeito com os resultados no
a Daikin fabrica e comercializa no que liga o produto automaticamente. ano que passou, Prado ainda relem-
Brasil foram concebidos para entregar A função favorite permite a criação bra dois acontecimentos de sucesso.
desempenho e eficiência elevados nas de uma pré-seleção estabelecida pelo “Nossa planta de Araucária (PR),
condições reais de uso e estão prontos usuário, e a follow me garante que a pioneira no Brasil, completou 20
para atender os requisitos dessa nova temperatura estabelecida no controle anos. Tivemos também um cres-
atualização. remoto seja alcançada. A grantia é cimento considerável no setor de
Segundo o Procel, haverá um prazo de 10 anos no compressor e dois anos serviços. Apesar dos impactos e
de transição e os novos critérios só para todos os demais componentes. adversidades resultantes da pan-
serão válidos a partir de maio de demia, nosso saldo foi positivo”,
2022. Assim, os produtos que hoje aponta o executivo.
ostentam o Selo Procel, mas que não Trane anuncia
atingem os novos índices e demais
critérios definidos, não poderão resultados positivos Ecoquest prepara-se
mais ostentá-lo a partir desta data. em 2020 para o “novo normal”
A Daikin, segundo seus representan-
tes, foi a primeira empresa a apresen- A Trane, fornecedora de soluções de Espaços comerciais, sobretudo
tar ao mercado uma linha completa climatização para ambientes corpora- hotéis e restaurantes, que recebem
de produtos já aprovados também tivos e residenciais, fechou o ano de muitos clientes e com grande rota-
nos novos critérios do Selo Procel. 2020 com balanço e resultados posi- tividade, terão que se adequar ao
tivos. O cenário propicia à empresa “novo normal”. “A transformação
seguir investindo no contínuo desen- de espaços em ambientes saudá-
Mais um lançamento volvimento de novos produtos, solu- veis fará parte dos protocolos de
da Midea ções e novidades no setor de serviços. segurança no pós-pandemia, o que
“O compromisso, dedicação e resi- inclui, sobretudo, a qualidade do ar
A Midea, apresenta mais um lan- liência de nossa equipe no enfrenta- que respiramos”, afirma Henrique
çamento na linha Hi Wall Inverter, o mento das adversidades deste ano nos Cury, presidente da Ecoquest,
novo Xtreme Save. O produto tem ser- permitiram seguir em uma posição de empresa de descontaminação de
pentina em cobre e tecnologia Inverter destaque no mercado e os planos estra- ar que oferece a tecnologia IRC
Quattro, que proporciona mais efici- tégicos executados durante o período (Ionização Rádio Catalítica) que,
ência e conforto. A empresa diz que, nos ajudaram a enfrentar a realidade segundo a agência americana Food
na Função Eco Noite, a eficiência é do mercado atual e nos fortalecem and Drug Administration (FDA),
equivalente a até RS1,80 por noite de para emergirmos robustamente a elimina até 99,99% do novo coro-
funcionamento. longo prazo.”, comenta Diogo Prado, navírus do ambiente.
A função Ion + Sistema de tripla fil- diretor-geral da Trane no Brasil. O hotel Hilton São Paulo
tragem reduz impurezas, eliminando Durante a quarentena a empresa Morumbi, foi um dos que adquiriu
até 99% dos vírus e bactérias. A fun- instalou o home-office para os o sistema de higienização do ar
ção autolimpeza é outro diferencial, colaboradores administrativos e permanente, totalizando 117 equi-
a tecnologia active clean extingue montou um esquema especial de pamentos fornecidos pela empresa.
poeira, mofo e graxa, originadores de operação para os técnicos aten- A descontaminação do ar abrange
odores provenientes da evaporadora derem os setores essenciais. O toda a área do hotel, incluindo seus
da unidade interna.    credenciamento online dos pro- 503 apartamentos, áreas sociais,
O Xtreme Save é equipado com fissionais, por meio do aplicativo assim como restaurantes e salas
compressores com ultra aceleração Refriplay, alcançou 1000 registros de eventos, além dos escritórios
que atingem 65Hz em seis segundos, em 2020 e mostrou eficiência à dos colaboradores. Segundo Cury,
possibilitando o resfriamento mais distância. A formação técnica de o segmento hoteleiro representa
rápido do ambiente. A função turbo profissionais do setor, na plata- 20% dos contratos da empresa, que
assegura que o compressor e o venti- forma Trane Education Center, foi atende também edifícios corpora-
lador trabalhem em modo máximo de outro marco importante no ano. tivos, hospitais, shopping  centers e
desempenho até alcançar a tempera- Projetos importantes com a parti- escolas.

8 ABRAVA + Climatização & Refrigeração Fevereiro 2021


negócios e pesoas

Um século de vida equilibrada

Mário Lantery, um dos fundadores equipamentos, peças e componentes Naquela época estava no auge a
da Coldex no início dos anos 1960 jun- da Carrier, onde conheceu o lendário famosa gravata Duplex, aí pensamos
tamente com o cunhado José Daniel Hans Robert Bodanzky. cold + ex, e assim surgiu o nome
Tosi, faleceu no último 8 de janeiro Foi também na Carrier que ele Coldex”, diz ele na mesma entrevista.
aos 100 anos de idade. Nascido em começou sua história profissional com Por volta de 1965 a Coldex fechou
Zadar, cidade da Costa da Dalmácia José Daniel Tosi. “O Tosi entrou na parceria com a americana Hyatt para
na Croácia, e criado em Turim, Itália, minha vida quando eu estava traba- produzir condensadores no novo
chegou ao Brasil com a família em lhando numa das fazendas do frigorí- galpão em Diadema. A partir daí, a
1924, fixando-se em Curitiba, PR. fico Anglo, em Pitangueiras, no inte- Coldex só cresceu em área de produ-
No início da adolescência, já vivendo rior paulista. Foi lá no escritório que ção, linhas de produtos e participa-
em Santos, litoral sul de São Paulo, conheci minha mulher, a Nadir, irmã ção de mercado. Em 1973 os sócios
graças à fluência no idioma inglês do José. O José aceitou o convite para se receberam a proposta de compra da
empregou-se como tradutor intérprete juntar a mim e ao Bodanzky na Carrier empresa pela Trane. O restante da
na inglesa Anglo, que à época explo- e foi morar conosco no Rio de Janeiro”, história é bem conhecido.
rava fazendas de frutas no Brasil. Dos contava ele em uma entrevista para a Após a venda para a Trane, Lantery
14 aos 18 anos exerceu a função indo seção Perfil da revista Climatização & seguiu seu caminho, criando a
de fazenda em fazenda. Refrigeração de junho de 2012. Ransburg, responsável pela primeira
Cumprida esta etapa da vida, Já de volta a São Paulo, em 1952, tra- instalação para pintura eletrostática na
transferiu-se para a capital pau- balhando com os Francini, Lantery Ford do Brasil. Foi nesse período que
lista, onde conseguiu um emprego montou a Solar, empresa fabricante aumentou sua participação associativa.
de taquígrafo na General Eletric. Em de componentes para refrigeração, Foi presidente da Abrava entre 1972 e
seguida, convidado por um amigo localizada no bairro da Mooca. 1974 e, posteriormente, membro do con-
com quem praticava o tênis, foi para Nesta época deu início às suas via- selho consultivo até 1977. Continuou,
a The American Rolling Mill Company gens internacionais, notadamente ainda, a participar do mercado AVAC-R
(ARMCO), representante da Carrier os Estados Unidos, para prospectar através da Lantery, fabricante de peças
no Brasil. Sua função era vender apa- novas tecnologias. e componentes para refrigeração, cujo
relhos de ar-condicionado de 12 mil Pouco tempo depois, já com o gestor é o filho Paulo Lantery. Mário
BTU, integrados a um móvel. cunhado Tosi, abriu uma firma era, ainda, pai de Beatriz.
Após o sucesso em vendas, para representar marcas como a “Decididamente Mário não era um
Lantery foi enviado ao Copeland e a Sporlan e propôs homem comum.  Curioso das coisas
Rio de Janeiro para fazer sociedade a Moisés Warner, e da vida, devorava o que lhe vinha
um estágio na oficina de que produzia balcões frigorífi- pela frente para saciar sua ânsia de
cos e tinha algumas máquinas saber. Adepto do mens sana in corpore
necessárias para o empreen- sano manteve-se em excelente forma
dimento. “Investimos física e mental até quase o fim da sua
tudo o que tínhamos longa caminhada, 100 frutíferos anos.
de reserva fun- Vai fazer uma ‘baita’ falta. Uma pes-
dando a Coldex. A soa muito à frente do seu tempo”, diz
história do nome o filho Paulo Lantery.
da empresa foi A sobrinha, Patrice Tosi, con-
muito bacana. corda: “Tio Mário é a comprovação
que homem curioso não envelhece!
Foi curioso por inacreditáveis 100
anos. Um sábio que soube equilibrar
trabalho, família e lazer como pou-
quíssimos e desfrutou de cada parte
igualmente. Um exemplo que eu
tento seguir. Esse vai deixar muita
saudade!” 

Fevereiro 2021 ABRAVA + Climatização & Refrigeração 9


fluidos refrigerantes

© Theodor38 | Dreamstime.com
Várias são as
alternativas para a
substituição dos HFCs,
cada uma com suas
vantagens e limites

Alternativas viáveis para os sistemas de refrigeração

Os clorofluorcarbonos (CFC) foram para os hidrofluorocarbonetos (HFC). banidos pelos CFC, voltaram a ganhar
revolucionários para a refrigeração Cedo percebeu-se que tampouco estes protagonismo. Ao mesmo tempo, os
na primeira metade do século XX. representavam uma saída para a pre- fluidos à base de hidrofluorolefinas
Praticidade na aplicação, baixa toxici- servação do meio ambiente. Apesar (HFO) ganharam espaço. A discussão
dade e inflamabilidade, e menor con- de inócuos em relação à camada de já não se resume aos impactos diretos,
sumo de energia facilitaram e popula- ozônio, são responsáveis por alto grau mas também indiretos sobre o meio
rizaram equipamentos de refrigeração. de emissão de gases de efeito estufa. ambiente.
Entretanto, já no início da década de Em 1997, dez anos depois de o mundo “A Chemours como líder global na
1980 verificou-se que os CFC eram os comemorar o triunfo de Montreal, fabricação, distribuição e desenvol-
principais responsáveis pela degene- assinava-se o Protocolo de Quioto, vimento de fluidos refrigerantes, está
ração da camada de ozônio. Em 1987, estabelecendo um plano de substitui- comprometida em oferecer ao mer-
através do Protocolo de Montreal, o ção e prescrição dos HFC. cado soluções que possam substituir
mundo começou a dar os primeiros Em resposta às novas necessidades, os HFCs de forma a obter o melhor
passos para a redução e banimento do abriu-se um amplo espectro de alter- equilíbrio de propriedades entre sus-
uso dessas substâncias. nativas. Fluidos que estiveram no nas- tentabilidade, segurança e perfor-
Os hidroclorofluorcarbonos (HCFC) cimento dos sistemas de refrigeração, mance. Entendemos que a quarta
se apresentaram enquanto alternativas como os hidrocarbonetos, propano e geração de fluidos refrigerantes desen-
transitórias. As pesquisas convergiram butano, R744 (CO2) e amônia, depois volvida à base de hidrofluorolefinas

10 ABRAVA + Climatização & Refrigeração Fevereiro 2021


fluidos refrigerantes

(HFOs) oferece o melhor equilíbrio característica de leve inflamabilidade redes de supermercados no Brasil,
possível de atributos, pois, combina a série Opteon™ é indicada apenas como St. Marché, ABC, Centerbox,
simplicidade de aplicação, segurança, para o uso em novos equipamentos”, Jaú Serve, entre outras, já realizaram
eficiência e baixo impacto ambiental. esclarece Canozzi. essa conversão com sucesso. Também
Hoje a Chemours conta com amplo “Especificamente para aplicações é valido comentar que soluções de
portfolio, que atende todas as deman- em refrigeração são indicados os pro- baixíssimo GWP, como OpteonTM
das do mercado de refrigeração, que dutos Opteon™ XP40 (R-449A), para XL20, já estão sendo oferecidas em
vem sendo introduzido sob a marca aplicação em refrigeração comercial, países onde as diretrizes regulató-
comercial OpteonTM. Entendemos Opteon™ XP44 (R-452A), amplamente rias são mais restritivas, ou de forma
que as soluções à base de HFO terão aplicado em transporte refrigerado, inovadora para empresas que querem
papel fundamental na transição de Opteon™ XP10 (R-513A), como alter- avançar mais rapidamente em seus
tecnologias HFC e HCFC, trazendo nativa ao R-134a e com GWP 56% compromissos de redução da emissão
o equilíbrio necessário para que as inferior, Opteon™ XL20 (R-454C), que de gases de efeito estufa. No Brasil,
empresas e usuários possam converter oferece GWP abaixo de 150 para apli- onde a legislação ainda não restringe
suas aplicações de AVAC-R sem pena- cação em refrigeração comercial, e o uso de HFC, já contamos com algu-
lizar operações, de forma segura, efi- Opteon™ XL10 (R-1234yf), como alter- mas empresas adotando essas solu-
ciente e ambientalmente sustentável”, nativa de GWP igual a 1 em substitui- ções, como por exemplo o R-454C
diz Joana Canozzi, líder de desenvol- ção ao R-134ª”, continua a executiva (GWP 148).”
vimento de negócios e suporte técnico da Chemours. Ramos Quanto recomenda, na apli-
de fluorquímicos. Recomendação e limites para a cação de cada fluido, “focar nas orien-
Leonardo Ramos, gerente de vendas aplicação tações dos fabricantes e sempre tra-
da Koura, no Brasil, vê os principais Canozzi entende que o mercado balhar com empresas especializadas
fabricantes de fluidos refrigerantes brasileiro de refrigeração comercial e capacitadas. É importante também
desenvolvendo novos produtos para reúne condições para uma mudança consultar os fabricantes de compres-
substituição dos HFCs. “A Koura por mais acelerada por alternativas de sores e unidades condensadoras para,
exemplo, está desenvolvendo a linha menor impacto ambiental. “Já exis- junto com o fabricante de fluido refri-
de LFRs. Os LFRs serão utilizados em tem soluções simples e práticas que gerante, saber a compatibilidade com
diversas aplicações, como refrigeração permitem a conversão de sistemas tra- seus sistemas. No caso de equipamen-
doméstica, comercial, automotiva e dicionais com HCFC (R-22) e HFC tos novos, seguir sempre a orientação
em aparelhos de ar-condicionado.” De (R-404A) para soluções mais sustentá- do projeto.”
acordo com executivo, a empresa lan- veis e ainda assim melhorar a eficiên- A executiva da Chemours reco-
çou, recentemente, o primeiro de sua cia do sistema. O alto custo de energia menda sempre perseguir os objetivos
próxima geração de refrigerantes de no Brasil faz com que alternativas de eficiência energética combinados
baixo GWP, o Klea® 473A, seguindo como mesclas de HFC/HFO (R-449A aos requisitos de projeto. Uma vez
a classificação proposta como ou OpteonTM XP40 por exemplo), que são produtos não inflamáveis e
refrigerante A1 pelo comitê ASHRAE mais eficientes e de menor impacto não há limite de cargas impostas por
SSPC34. direto, se tornem viáveis. Essas alter- normas para sua aplicação. “Já em
Por seu lado, o Opteon™ pode ser nativas servem tanto para retrofit de relação a série de produtos OpteonTM
dividido em duas séries: Opteon™ XP e sistemas já em operação quanto para XL precisam ser observados limites
Opteon™ XL, ambas com característi- novos projetos. A operação de troca de carga relacionados à segurança do
cas de ODP nulo e baixo GWP. “A série é simples e pode ser feita da noite de produto, que envolvem requisitos de
OpteonTM XP oferece produtos de um dia para o outro evitando longas projetos, características da instalação
baixo GWP, todos classificados como paradas no funcionamento das lojas. e tipo e localização. Para garantia
não  inflamáveis pela ASHRAE, pró- Além disso, as mesclas de HFC/HFO do uso seguro dos produtos da série
prios tanto para aplicação em retrofits possuem características similares aos OpteonTM XL a Chemours indica
e adequação de sistemas, quanto para HFC, inclusive na questão da segu- a observação de normas interna-
o uso em novos projetos e equipamen- rança e manuseio, permitindo que as cionais de segurança como a ISO-
tos. Já os produtos da série OpteonTM práticas adotadas para o HFC sejam 5149.  Entretanto é relevante comentar
XL oferecem o mais baixo GWP pos- as mesmas. A experiência nos milha- que os produtos oferecidos dentro da
sível, de acordo com a aplicação indi- res de casos realizados no mundo linha OpteonTM XL são classificados
cada, entretantoo, todos os produtos é de que essas conversões puderam como A2L, o que os confere maior fle-
são classificados como A2L de acordo reduzir o consumo de energia em xibilidade de aplicação e maior limite
com a ASHRAE, ou seja, levemente até 12% preservando as característi- de cargas, visto que o risco de infla-
inflamáveis e não tóxicos.   Devido à cas e capacidades do sistema. Várias mabilidade associado a tais produtos

Fevereiro 2021 ABRAVA + Climatização & Refrigeração 11


fluidos refrigerantes

refrigerante. A
adoção no mercado
brasileiro deverá
seguir esta mesma
linha, entretanto a
agenda regulatória
brasileira se difere
da dos países
desenvolvidos
como os da Europa
e Estados Unidos,
onde já há restri-
ções ambientais
que obrigam a
adoção de solu-
ções de baixíssimo
impacto ambien-
tal”, diz Canozzi.
“O R-1234yf é um
produto que ofe-
rece o menor GWP
possível, logo, a
principal vanta-
gem de utilizar
este produto está
relacionada à sus-
tentabilidade por
Joana Canozzi oferecer reduzido
impacto ambiental.
é significativamente inferior ao risco tema. Importante observar que os flui- Entretanto suas características ter-
associado ao uso de gases industriais dos refrigerantes sintéticos são sempre modinâmicas, muito similares às do
inflamáveis da classe A3, como os misturas, exigindo que realização da R-134a, também facilitam sua apli-
hidrocarbonetos (R-600a ou R-290). carga seja sempre na forma líquida”, cação em projetos já desenvolvidos
Já quando comparados a sistemas de recomenda. para o R-134a, facilitando a transição.
amônia, comumente utilizados em “Importante selecionar um fluido O R-1234yf é um produto levemente
aplicações industriais, os produtos da sempre com menor GWP possível. inflamável e não deve ser aplicado em
linha OpteonTM eliminam o risco Quando falamos em eficiência ener- veículos que não foram projetados
relacionado à toxicidade.” gética, não podemos apenas focar no de fábrica para a sua utilização, e os
Ramos insiste na necessidade de fluido refrigerante, mas sim avaliar equipamentos utilizados para a sua
sempre seguir as recomendações dos um sistema completo. A melhoria aplicação devem ser à prova de explo-
fabricantes do sistema, verificando pode vir, por exemplo, com novos são e possuir conexão compatível com
carga máxima permitida para as famí- componentes eletrônicos (válvula de a de produtos inflamáveis. Em relação
lias dos HCs e ter uma equipe qualifi- expansão eletrônica, micromotor ele- ao manuseio e armazenamento, além
cada para operar com os novos fluidos trônico), implementação de sistemas das recomendações já normalmente
refrigerantes. “O fluido que contiver o de monitoramento eficientes (tecno- observadas para os fluidos refrigeran-
menor GWP, por característica, terá a logias 4.0), e até uma manutenção tes, também devem ser observadas as
questão de flamabilidade (A2L). Nesse preventiva pode ajudar a eficiência de informações adicionais contidas na
caso, é importante utilizar equipamen- um sistema”, completa Ramos. FISPQ, que incluem referência a tem-
tos para manutenção que sejam proje- Uso automotivo peratura de armazenamento e requisi-
tados para antichamas (por exemplo, “O mercado automotivo já vem tos de segurança específicos”, conclui
bomba de vácuo, recolhedora de gás, adotando o OpteonTM yf (R-1234yf) Joana Canozzi.
detectores de vazamentos que identifi- como alternativa ao R-134a e,
inclusive no Brasil, já recebemos Ronaldo Almeida
quem os HCs). Na prática, recomendo
veículos importados com este fluido ronaldo@nteditorial.com.br
ter mais cuidado na reoperação do sis-

12 ABRAVA + Climatização & Refrigeração Fevereiro 2021


boas práticas

© Michael Vi | Dreamstime.com
Veja algumas alternativas ao R-141b para a limpeza de
sistemas
A+CR: Quais os novos fluidos indi- é pouco agressivo. Outra caracterís-
cados para a substituição do 141b? Para apresentar tica muito importante é o fato dele
Colombo: A saída do 141b direciona ser comercializado em litro e não em
o mercado na busca de alternativas.
alternativas ao R141b quilo. Se atentarmos para o fato do
O ideal é que o produto seja especi- convidamos os 141b ser um fluido e talvez por isso
ficamente desenvolvido para a lim- sempre ter sido vendido em quilo e
peza dos sistemas (Flushing). O nosso especialistas Roberto sua densidade ser de 1,25 g/l, podemos
produto é importado diretamente da Colombo, da Quimital, verificar que quando se compra 1 kg
Itália e possui nossa marca própria, de 141b, na realidade adquirimos 0,8
pois estamos fazendo o envase aqui e Joana Canozzi, da litro de produto, ou seja, é um volume
no Brasil, aumentando a oferta do menor que um litro para efetuar a lim-
produto. Trata-se do Total Flush, pro-
Chemours peza do sistema.
duto que até pouco tempo ofertávamos Canozzi: Opteon™ SF80 possui exce-
ao mercado com o nome de Belnet. lente poder de solvência, que supera
Trata-se do mesmo produto, com as o do R-141b. O poder de solvência é
mesmas características. medido em valores de KB. Enquanto o
Canozzi: A Chemours lançou em Opteon™ SF80 oferece valor de KB=99,
setembro de 2019, durante a Febrava, o HCFC-141b apresenta valor de KB
um produto chamado OpteonTM = 56. Em termos práticos isso quer
SF80, próprio para ser utilizado como dizer que executando o serviço com
substituto ao R-141b em limpeza de OpteonTM SF80 o resultado será
sistemas de forma tão segura quanto ainda mais satisfatório. Uma das gran-
o uso do R-141b, já consolidado no des facilidades do Opteon SF80 é que
mercado. sua aplicação requer cuidados e roti-
A+CR: Quais as características e nas de aplicação muito similares aos
propriedades de cada um deles? já executados com R-141b, pois, não
Colombo: No caso do Total Flush, é um produto tóxico nem inflamável,
além da excelente limpeza que pro- e é compatível com grande variedade
porciona, é um produto leve, de fácil de metais, plásticos elastômeros
retirada do sistema, não mancha e Roberto Colombo aplicados a sistemas de refrigeração e

14 ABRAVA + Climatização & Refrigeração Fevereiro 2021


boas práticas

climatização, oferecendo tranquilidade ao usuário. Além


disso baixíssimo impacto ambiental, ODP desprezível e
GWP (<2.5) e ponto de ebulição de 47°C o que facilita a
evaporação após processo de limpeza.
A+CR: Quais as melhores aplicações de cada um deles?
Colombo: O Total Flush atende com igual eficácia os
equipamentos de refrigeração, ar-condicionado automotivo
e AVAC, sendo compatível com todos os fluidos. Possui a
mesma forma de aplicação do 141b, o que facilita muito,
pois não é necessária nenhuma nova técnica para aplicá-lo,
ou seja, quem aplica 141b, aplica o Total Flush.
Canozzi: Como a comercialização do R-141b para a
aplicação de limpeza de sistemas de refrigeração e climati-
zação (flushing) ainda é permitida no cenário brasileiro, e
buscando a simplificação de portfólio, a Chemours indica
apenas um substituto para essa aplicação. Entretanto ofere-
cemos ao mercado ampla linha de solventes comercializa-
dos sob as marcas VertrelTM e OpteonTM.
A+CR: Quais as precauções a serem tomadas pelos técni-
cos no manuseio e aplicação dos novos produtos?
Colombo: Com relação ao Total Flush, as precauções
deverão ser as mesmas tomadas quando se aplica o 141b,
lembrando que o produto é considerado levemente inflamá-
vel (Categoria 2).
Para o manuseio dos demais produtos que existam ou que
venham a aparecer no mercado, é muito importante que o
técnico verifique:
1 - Se haverá fornecimento contínuo do produto ou se
trata-se apenas de uma venda pontual;
2 - Se realmente o produto limpa, retirando o óleo e sujei-
ras do sistema, de forma rápida e eficaz;
3 - Cuidado com a corrosão - produtos muito corrosivos
acabam por comprometer as peças internas do sistema, prin-
cipalmente os elastômeros, provocando vazamentos. Estes
produtos, que num primeiro momento até podem resolver o
problema da limpeza, deixam outras consequências indeseja-
das, muitas vezes somente percebidas no futuro;
4 - A existência de suporte técnico de qualidade para
eventuais necessidades e esclarecimentos, tendo em mente
que um bom atendimento ao cliente é essencial.
Canozzi: O técnico deverá seguir cuidados similares ao
já observados para o manuseio do R-141b, o quais estão
todos descritos na FISPQ (Ficha de Informação e Segurança
do Produto Químico) que acompanha todos os produtos
comercializados pela Chemours. Como todo produto quí-
mico, é sempre recomendado manter as embalagens distan-
tes de possíveis fontes de ignição e descarga eletrostática,
armazenar em local fresco e arejado sob temperaturas infe-
riores a 46°C além de utilizar todos os EPIs recomendados
para seu manuseio, como óculos de segurança, vestimentas
próprias, sapato de segurança e luvas de proteção para evi-
tar queimaduras a frio. O técnico também deve estar atento
às recomendações de transporte de produtos químicos para
evitar qualquer possível risco.

Fevereiro 2021 ABRAVA + Climatização & Refrigeração 15


novos fluidos na climatização

Os principais fabricantes de equipamentos mostram


suas alternativas

A transição dos HFCs para subs-


tâncias com menor potencial de
agressão ao meio ambiente também
não é pacífica em se tratando de
Ainda que algumas alternativas se equipamentos para a climatização.
Não há candidatos que preencham
mostrem mais promissoras, não se todos os requisitos necessários,
como baixo GWP, tanto em relação
pode afirmar que exista uma solução às emissões diretas de gases de efeito
estufa, quanto indiretas, no lado do
definitiva para a substituição dos HFCs consumo energético; grau de infla-
mabilidade; praticidade de manuseio
e fácil acesso pelos mercados, entre
outras.
A aposta da Daikin
A Daikin, por exemplo, tem apos-
tado no R-32 para sistemas split,
mulisplit e mini VRVs de baixa capa-
cidade e chillers que utilizam com-
pressores do tipo rotativo e scroll.
“A Daikin foi a primeira empresa
no mundo a utilizar o R-32.
Não se trata de
um fluido novo, a
Daikin já traba-
lha com equipa-
mentos com este
fluido no Japão
desde 2012 e
foi a primeira
a introduzir
em um split no
Brasil no modelo
Split High Wall
Piyapong Thongcharoen Dreamstime.com

de 32.000 Btu/h.
Apesar de também
ser um HFC, o R-32 pos-
sui 1/3 do potencial de aque-
cimento global apresentado pelo
R-410A. Após muitos testes a
conclusão foi de que o R-32 é
o refrigerante mais equi-
librado e adequado em
termos de impacto
ambiental, eficiên-
cia energética,

16 ABRAVA + Climatização & Refrigeração Fevereiro 2021


novos fluidos na climatização

segurança e custo/benefício quando “Acredito que no Brasil a adoção de formance energética excelente em
aplicado a condicionadores de ar fluidos refrigerante com baixo GWP equipamentos de ar-condicionado;
e bombas de calor”, diz Leandro serão mais uma imposição tanto permite carga de fluido refrigerante
Lourenço, gerente de engenharia de dos fornecedores pela limitação de menor em comparação ao R-410A,
produtos da empresa. componentes, bem como da parte além de equipamentos com dimen-
Lourenço explica que os fluidos dos clientes que tenham políticas de sões menores, mas com maior efi-
refrigerantes com baixa agressão cli- proteção ao meio ambiente e exigem ciência energética; o ferramental é
mática utilizados nos chillers são aplicação de fluidos de baixo GWP, compatível com o R-410A”, resume
mais caros e demandam mais emis- movimento já iniciado na Europa. Lourenço.
sões de CO2 para serem produzidos, A aposta da empresa no R-32 parte O gerente de produtos da Daikin
ou seja, “a visão global da produção das suas vantagens ambientais. O argumenta, ainda, que apesar de o
até a sua rejeição é fator preponde- R-32 possui 1/3 do GWP (Global R-32 ser um fluido que não possui
rante na determinação de um novo Warming Potential) do R-410A, de uma ampla distribuição no mercado,
fluido dito como menos agressor.” 675 contra 2.090, respectivamente. principalmente em regiões mais
Ele argumenta, entretanto, que a Este é um índice representado por remotas, esse é um problema tem-
empresa já oferece chillers prepa- um valor numérico relativo, quanto porário que desaparecerá à medida
rados para trabalhar com fluidos maior o seu valor, maior o potencial que surgirem mais equipamentos no
refrigerantes de baixo GWP, tendo para aquecimento global. O valor de mercado. “Quando o R-410A surgiu
sido a primeira a lançar chillers com GWP igual a 1 foi definido em rela- como substituto do R-22 a condição
o R-32, por enquanto disponíveis ção ao potencial para aquecimento era a mesma, mas isso logo foi supe-
somente para os mercados europeu e global apresentado pelo Dióxido de rado. O mesmo deve ocorrer com o
outros países que operam em 50 Hz. Carbono (CO2), e os valores de todas R-32 em breve.”
“Tal família apresenta novo projeto as outras substâncias estão referen- O R-32 é um fluido de baixa infla-
que permite inclusive a geração de ciados neste fluido natural e calcu- mabilidade, classificado na categoria
água gelada por meio de free coo- lado sobre um período específico A2L pelas normas ASHRAE 34 e
ling, aproveitando baixas temperatu- (normalmente 20, 100, ou 500 anos). ISO 817, e que pode ser utilizado de
ras ambientes que, por diferença da Dentre as vantagens do R-32, forma segura em sistemas de menor
pressão entre os trocadores de calor, Lourenço enumera: porte. “A norma técnica interna-
fazem com que haja migração do 1-Pressão de trabalho e compatibi- cional e que é utilizada no Brasil
R-32 circulando pelo equipamento lidade de óleo lubrificante similares pelo Inmetro para a avaliação da
com baixíssimo consumo de ener- ao R-410A, o que facilita o desenvol- segurança dos condicionadores de ar
gia”, argumenta. vimento de novos sistemas com base domésticos, a IEC 60335-2-40, já tra-
Além da linha BluEvolution, com em uma plataforma antiga, além da zia requisitos específicos para equi-
compressores scroll e fluido R-32, compatibilidade de ferramentas; pamentos que utilizam fluidos refri-
a Daikin também fabrica chillers 2-Capacidade de refrigeração gerantes inflamáveis. Em sua última
parafuso e centrífugos com fluidos volumétrica superior e densidade versão publicada em 2018, os fluidos
da família HFO com baixo GWP, inferior ao R-410A, o que resulta refrigerantes de baixa inflamabi-
como o R-513A e o R-1234ze. “Somos em menor massa de fluido refrige- lidade, que são classificados como
um país tropical, ar-condicionado rante para um sistema de mesma A2L, foram levados em considera-
para resfriamento é utilizado até capacidade, reduzindo ainda mais o ção, trazendo requisitos específicos
no inverno, em shoppings, aeropor- impacto ambiental; para este tipo de fluido. Os labora-
tos, data centers, indústrias e até -Unidades de produção já conso- tórios acreditados pelo Inmetro no
prédios comerciais. Mesmo com lidadas (o R-32 é uma das substân- Brasil para a realização dos testes de
a temperatura externa abaixo de cias que compõem o R-410A, que é segurança já efetuam testes em pro-
15°C é necessário combater a car- amplamente utilizado atualmente); dutos com fluidos inflamáveis. Ao
gas térmicas internas, tanto latente -Estima-se que já existem mais de ser testado e aprovado nesses testes
quanto sensível”, entende o gerente 100 milhões de splits com o fluido de segurança, os sistemas são con-
da Daikin. R-32 no mundo com presença nas siderados seguros para utilização”,
Assim, acredita ele, os equipa- Américas, Europa, Oriente Médio, conclui Leandro Lourenço.
mentos com inversor de frequência Ásia e Oceania.
Trane acompanha várias
já são utilizados há pelo menos 15 “O R-32 possui propriedades supe-
alternativas 
anos no Brasil, enquanto no Japão riores sendo a escolha natural para
o inverter já é realidade desde 1950. substituição do R-410A; tem per- “Os sistemas split em geral uti-

Fevereiro 2021 ABRAVA + Climatização & Refrigeração 17


novos fluidos na climatização

Leandro Lourenço Cláudio Kluwe Rafael Dutra

Recentemente, a ASHRAE Standard


lizam o HFC R-410A como fluido
34 segregou a categoria 2 de infla-
refrigerante e ainda não há um
mabilidade criando a categoria 2L
sucessor claro para o R-410A no
para identificar fluidos refrigerantes
mercado de HVAC ou mesmo para
que não se inflamam facilmente e
os splits. Já observamos alternativas
com baixa velocidade de propagação
como o R-452B, R-466A, R-454B e o
de chama. Todas as alternativas ao
R-32 sendo apresentadas no mercado
R-410A que citei são classificadas
e alguns produtos já sendo comercia-
como 2L. Isto significa que precisa-
lizados com algumas destas alterna-
remos adequar equipamentos e pro-
tivas. Entretanto, estamos ainda em
cedimentos de instalação e manuten-
um momento de incerteza e transi-
ção para lidar de forma segura com
ção, visto que além de questões de
este tipo de fluido”, lembra Dutra.
custos para viabilizar projetos com
Em se tratando de aplicação em
novos equipamentos, passamos tam-
chillers, o executivo da Trane chama
bém a lidar com fluidos com algum
a atenção para a necessidade da sepa-
grau de inflamabilidade, o que apre-
ração em categorias de baixa, média
senta uma série de novos desafios”, Roberto Peixoto
e alta pressão (<25 PSIG; <125PSIG;
diz Rafael Dutra, executivo de ven-
>150PSIG no lado da alta pressão).
das da Trane. mais especializadas no que se refere “Chillers que utilizavam fluidos de
Dutra diz que, em um mundo à aplicação, o que segrega o mercado baixa pressão como o R-123 estão
ideal, existiria um fluido refrigerante consumidor reduzindo a capacidade tendo alternativas como o R-514A e o
com características próximas ao de escala de produção e menores R-1233zd(E). Na categoria de média
R-410A, mas com menor impacto ao custos. Portanto, costumamos ter, pressão, como o R-134a vemos alter-
meio ambiente, de baixo custo, que ao fim dessas transições, alternativas nativas como o R-513A, R-1234ze e
dispensasse o redesenho dos equipa- mais caras de fluidos, além da neces- o R-1234yf. Chillers que utilizam o
mentos e não apresentasse nenhum sidade de adequação dos equipamen- R-410A, dentro da categoria de alta
risco novo à cadeia que o manuseará. tos que os utilizarão. Esta transição, pressão, estão sofrendo o mesmo
“Entretanto, como tem sido em todos porém, ao que tudo indica até o desafio que os sistemas de expansão
os movimentos de transição de refri- momento, nos coloca diante de um direta como split, VRF e splitões.
gerantes que experimentamos até novo desafio: fluidos refrigerantes Ainda não há um claro sucessor no
hoje, as alternativas de fluidos ficam com algum grau de inflamabilidade. mercado”, esclarece.

18 ABRAVA + Climatização & Refrigeração Fevereiro 2021


novos fluidos na climatização

De acordo com Dutra, os fluidos ção atual.” ponto de vista direto do efeito do
de alta pressão mais aplicados no Dutra lembra a classificação 2L do refrigerante na atmosfera, quando
mercado são o R-452B e o R-32. R-32, “embora não devamos tratar do ponto de vista indireto em relação
Uma vantagem, segundo ele, é que já isso de forma alarmista e despropor- à eficiência, sabendo que a produ-
existem produtos testados e em linha cional, esta classificação gera uma ção de energia também impacta no
de produção de alguns fabricantes, exigência de segurança maior do que efeito estufa dependendo de como é
o que indica uma maior confiança os fluidos da classe 1 como era o caso gerada). Neste cenário, ganham força
na adoção destes fluidos. Possuindo do R-410A. Precisamos nos assegu- os HFOs e os refrigerantes naturais
certa inflamabilidade, é importante rar de que os procedimentos de fabri- (propano, R-290) como soluções de
atentar para os limites descritos em cação, transporte, armazenamento, longo prazo e, de forma transitória,
norma. instalação, manutenção e operação as misturas (blendas) dos HFOs com
“Para os fluidos de baixa pres- sejam todos adequados para um nível HFCs, como o R-452B e o R-454B
são, o R-514A é o principal substi- aceitável de segurança. Além disso, e o R-32, que é um dos componen-
tuto do R-123, sendo praticamente não é um fluido que substitui dire- tes do R-410A, principal refrigerante
um  drop-in, com pouca redução tamente o R-410A como um  drop- utilizado atualmente em splits”, se
de capacidade ou performance. O -in  e, portanto, exige equipamentos posiciona Cláudio Kluwe, gerente de
R-133zd(E) já possui características devidamente projetados para o uso engenharia de produtos da Midea
que o restringem a aplicações de do novo gás.” Carrier.
maior capacidade. Dentre os fluidos “Segundo a ASHRAE Standard 15, No caso dos chillers, Kluwe, a
de média pressão para substituir o fluidos do grupo A2 (o que inclui o exemplo dos demais entrevistados,
R-134a, temos três principais opções: subgrupo A2L) não podem exceder esclarece ser necessário diferenciar
O R-513A é a única opção de classi- 500kg de fluido total na instalação. as diversas aplicações. “Para sistemas
ficação 1 não inflamável, porém com Caso a quantidade de fluido exceda de baixa pressão, a tendência são os
uma pequena redução de eficiência e 25% o limite inferior de inflamabili- HFOs puros como o R-1233zd ou o
capacidade, e necessita de pequenas dade (LFL), de acordo com o volume R1234ze/yf, já lançados comercial-
modificações nos equipamentos para do espaço ocupado, os componen- mente em chillers na Europa. Nos
sua adoção, o que tem feito com que tes elétricos nestes lugares deverão sistemas de média e alta pressão,
a adoção deste fluido seja mais rápida estar preparados para atmosferas com a solução se aproxima do que está
e de forma preferencial. As outras presença de material combustível. evoluindo para os sistemas split em
duas alternativas são o R-1234ze Além disso, as restrições de limite de função das temperaturas de traba-
e o R-1234yf ambos da classe 2L, concentração de fluido, em caso de lho, com maior cautela em função
que, além de exigirem o redesenho vazamentos, se aplicam conforme o da inflamabilidade apresentada por
completo dos equipamentos que os informado pela Standard 15”, conclui algumas das soluções propostas, em
utilizarão, apresentam significativa Dutra. função das maiores quantidades de
redução na eficiência e capacidade refrigerantes envolvidas.”
Midea Carrier considera
dos equipamentos quando compa- “Para todas as alternativas levan-
fatores técnicos, comerciais e
rado com o R-134a”, explica Dutra. tadas acima”, continua ele, “além
ambientais
O executivo da Trane esclarece dos aspectos que foram citados no
que o R-32 possui pressões de traba- “A escolha do refrigerante que item 1 para a escolha do refrige-
lho similares ao R-410A e tem sido substituirá os HFCs (nesse caso, para rante, também deve-se considerar o
aplicado já em alguns produtos no splits, estamos falando quase que grau de inflamabilidade e toxicidade
mercado. “Dessa forma, é um fluido com exclusividade no R-410A) deve já que, no caso de vazamentos, o
para ser utilizado em sistemas com- se dar com base nos seguintes fato- refrigerante pode ter contato com
pactos que utilizam compressores res: técnicos (capacidade, eficiência, pessoas que prestam serviço ou com
rotativos ou scroll, como é o caso estabilidade em diferentes condições o público em geral. Além disso, o
de splits. Os produtos desenvolvi- do envelope de operação do sistema glide (diferença de temperatura de
dos para utilizar o R-32 estão apre- etc.), segurança (inflamabilidade e mudança de fase dos componentes
sentando uma eficiência energética toxicidade), sustentabilidade (custo, da mistura) também é um fator a ser
comparável e até superior ao R-410A atendimento a normas e códigos, analisado no caso das misturas ou
e, em alguns casos, requerem menor possibilidade de utilização com com- blendas, uma vez que pode impac-
carga de fluido por kW de refrigera- ponentes e equipamentos existen- tar em eficiência e confiabilidade do
ção. Além disso, o GWP na ordem de tes), ecologicamente correto (baixo sistema.”
670 o coloca dentro da regulamenta- impacto no efeito estufa, tanto do O gerente da Midea Carrier aponta

20 ABRAVA + Climatização & Refrigeração Fevereiro 2021


novos fluidos na climatização

a similaridade do R-32 com o na fábrica. Outro ponto a ser consi- tipo A2L, como o R-32 (levemente
R-410A, do qual é um dos compo- derado durante a qualificação de um inflamável) e de um equipamento do
nentes, em relação à faixa de apli- sistema com R-32 é a maior tempera- tipo A2 ou A3 (como o R-290, por
cação, o que o torna um candidato tura de descarga nos sistemas que o exemplo). De qualquer forma, fontes
potencial para splits em substituição utilizam, que necessita de diferentes de ignição devem ser verificadas no
ao R-410A. “O principal ponto favo- parâmetros de controle em relação projeto do equipamento, bem como
rável é a similaridade com o R-410A, ao R-410ª”, diz, ainda, Kluwe. deve-se buscar reduzir ao máximo o
demandando poucas alterações no “Os cuidados em relação ao R-32 volume do sistema para redução da
sistema de refrigeração e compo- iniciam no momento do desenvol- massa de refrigerante”, completa o
nentes utilizados, incluindo o com- vimento do sistema, do projeto, e gerente da Midea Carrier.
pressor. Normalmente o compressor estendem-se à produção e manu-
Um panorama mundial da
desenvolvido para R-32 pode ser uti- seio do fluído e do equipamento
substituição, segundo Roberto
lizado para o R-410A, tal a similari- em campo. Em função do volume
Peixoto
dade de ambos sob o ponto de vista do ambiente em que é instalado,
de características de operação.” existe um limite máximo de massa Roberto de Aguiar Peixoto, pro-
“O principal ponto desfavorável é de refrigerante para cada tipo de fessor pleno do Instituto Mauá
a inflamabilidade, que exige cuida- equipamento e devem ser seguidos de Tecnologia (IMT) e consul-
dos adicionais do produto e da linha os requisitos de ventilação estabe- tor independente em vários orga-
de produção e montagem. O R-32 lecidos pela norma. Este limite de nismos internacionais, incluindo
é considerado um fluído levemente concentração em um ambiente para o Programa das Nações Unidas
inflamável (A2L - segundo classifica- onde o fluido possa vazar, varia em para Desenvolvimento (PNUD),
ção da IEC 60335-2-40), e demanda função da classificação de infla- acompanha de perto a substituição
cuidados adicionais e mão de obra mabilidade do refrigerante, sendo dos HFCs em todas as regiões do
treinada para manuseio em campo e diferente para um equipamento do mundo. “O HFC-32 tem apresen-
novos fluidos na climatização

tado uma introdução generalizada sor scroll) está mudando para HFC- gasosa; os sistemas que funcionam
em unidades residenciais split em 32, R-466A, R-452B, R-454B; com R-32 exigem aproximadamente
muitos países ao redor do mundo. -Chillers que usam R-717, R-718 um quarto a menos de carga em
No entanto, empresas continuam a e HC-290 também estão disponí- comparação com os sistemas de ar-
avaliar e desenvolver produtos com veis em uma base regional (como os -condicionado que funcionam com
várias combinações de HFC/HFO, códigos de segurança de construção R410A; GWP médio (675), dois ter-
como R-454B, R-452B, R-454C e diferem de região para região). Os ços menor do que o R-410A; dispo-
R-513A. O HFC-32 é um dos com- produtos que utilizam esses refrige- nível agora de vários fornecedores”,
ponentes da maioria des- aponta.
sas misturas. Em alguns Por outro
casos, um iodo-fluo- lado, é “media-
rocarbono (IFC) faz namente infla-
parte da composição”, mável - classi-
começa explicando. ficação A2L, é
Peixoto diz que inf lamável em
foram feitas conver- condições muito
sões de linhas de pro- particulares - e
dução de equipamentos considerações
split para HC-290 na adicionais de
China, Sudeste Asiático segurança preci-
e América do Sul. “Há sam ser levadas
introdução limitada em considera-
no mercado, devido a ção; a tempera-
requisitos restritivos de tura de descarga
padrões de segurança pode ser de 5 K
estabelecidos pelas nor- a 30 K mais alta
mas, que estão em pro- do que R-410A
cesso de revisão (IEC ou HCFC-22,
60335-2-40 no caso de no entanto, isso
ar-condicionado e bom- pode ser geren-
bas de calor). Na Índia, ciado por tecno-
a adoção de condiciona- logia de injeção
dores de ar split HC-290 ou controle de
continua a aumentar, sucção úmida,
principalmente por um embora isso
fabricante nacional. implique um
Fabricantes nacionais custo e / ou pena-
em países em desenvol- lidade de desem-
vimento estão adotando penho para o ar-
HFC-32 e R-410A.” -condicionado; o
O professor do IMT GWP ainda não
aponta algumas substi- é baixo o sufi-
tuições em curso: ciente: o HFC-32
-HCFC-123 (em tem um GWP
chillers centrífugos) está muito mais baixo
mudando para HCFO-1233zd (E), rantes já estão disponíveis no mer- que o R-410A, conforme mencionado
R-514A; cado há algum tempo, afirma. anteriormente, no entanto, ainda
- O HFC-134a (em chillers de Peixoto diz, também, que, em não é considerado uma solução de
compressor centrífugo e parafuso) princípio, o R-32 é um substituto longo prazo”, opina o especialista.
está mudando para R-513A, HCFO- para todas as aplicações que usam
1233zd (E), HFO-1234yf e HFO- R-410A. “Substância simples, não é
1234ze (E); mistura, sem glide de temperatura; Ronaldo Almeida
-R-410A (em chillers de compres- pode ser carregado na fase líquida ou ronaldo@nteditorial.com.br

22 ABRAVA + Climatização & Refrigeração Fevereiro 2021


opinião

© Doctordextro | Dreamstime.com
O papel da engenharia é oferecer soluções sustentáveis
Entendo que os HFOs seriam os características muito bem definidas gindo-se precauções e procedimentos
substitutos dos HFCs, porém apresen- que regem os projetos de sistemas de de trabalho que mitiguem o risco
tam características que dificultam sua refrigeração que os utilizam: infla- oferecido.
aplicação, como o alto preço, indis- mabilidade, altas pressões e toxidade. Entendo que o que nos trouxe ao
ponibilidade no mercado e dúvidas De forma generalista, Propano, CO2 patamar onde nos encontramos hoje
que ainda persistem sobre o impacto e Amônia seriam recomendados para foi a demanda por escolhas sustentá-
do produto no meio ambiente, além aplicações em sistemas de refrigera- veis e ambientalmente corretas. Então,
do fato de terem classificação A2L. Se ção de baixa capacidade (< 100 kW), as emissões equivalentes e a eficiência
avaliarmos todos estes fatores e defi- média e alta (100 – 1.000 kW), e energética dos fluidos refrigerantes são
nirmos que a disponibilidade no mer- muito altas (> 1.000 kW), respecti- fatores de fundamental importância
cado e o impacto ambiental são pre- vamente. De qualquer forma, cada na execução de um projeto de refrige-
ponderantes sobre os demais, chega- projeto demanda análises específicas, ração, porém, a segurança operacional
remos à conclusão que os fluidos con- que vão além da capacidade final do deve ser outro fator preponderante,
siderados naturais, como o Propano sistema de refrigeração, exigindo-se já que tudo o que fazemos tem por
(R290), CO2 (R744) e Amônia (R717), uma avaliação criteriosa para a esco- finalidade a qualidade de vida do ser
possuem qualidades superiores aos lha do fluido correto. humano. Cabe à engenharia conciliar
HFOs e seriam eles as alternativas Estes 3 fluidos refrigerantes pos- todas estas questões e oferecer soluções
para substituição dos HFCs, como suem características que são deter- que atendam todas estas necessidades.
está se efetivando no mercado brasi- minantes para definições de projeto e
leiro de refrigeração comercial, onde que estão diretamente relacionadas à
o Propano e o CO2 já estão presentes segurança operacional. O Propano é
em milhares de estabelecimentos do um fluido inflamável, o que demanda
varejo alimentar. Estas são soluções projetos específicos para garantir que
à prova de futuras restrições que os o risco de incêndio ou explosão tenda
fluorados ainda possam sofrer, além à nulidade. O CO2 e suas altas pressões
das atuais definidas pelos Protocolos de trabalho vai exigir conhecimentos
de Montreal e Emenda de Kigali. de dimensionamento de tubulações e
Propano, CO2 e Amônia são simila- componentes diversos, além da pre-
res quando comparados sob o prisma visão de sistemas de alarme e venti-
de impacto ambiental, além de possu- lação que permitam segurança caso
írem baixíssimo ou nenhum índice de haja o vazamento deste em ambientes
GWP e terem um custo de aquisição fechados. A Amônia, em função da Rogério Marson Rodrigues
extremamente baixo quando compa- sua toxidade, demanda total atenção Gerente de Engenharia da Eletrofrio
rado aos HFCs e HFOs. Fora estas às possibilidades de vazamento, exi- Refrigeração
similaridades, cada qual possui outras

Fevereiro 2021 ABRAVA + Climatização & Refrigeração 23


aplicação em refrigeração comercial

© Fcobosp | Dreamstime.com
O que observar quanto à aplicação de fluidos na
refrigeração comercial

É importante, quanto à aplicação Global), Grupo de Segurança (quanto cipal aplicação é para médias e altas
de cada fluido refrigerante, definir o à inflamabilidade e toxicidade) e temperaturas de evaporação, sendo
motivo da substituição, se por retrofit, Temperatura Glide, por serem variá- também grupo de segurança A2L,
ou para um novo projeto. No primeiro veis que têm grande peso na definição baixa inflamabilidade, o que impõe
caso, é importante que o proprietá- técnica e comercial do fluido a ser especificidades com relação aos itens
rio e o mantenedor do equipamento escolhido com grande grau de influên- de segurança do projeto.
tenham recebido as informações com- cia em custo e complexidade do pro- Para o caso dos HCs (hidrocarbo-
pletas sobre a aplicação do novo fluido jeto. É oportuna a observação de que netos), a aplicação atende muito bem
refrigerante: eficiência, disponibili- existe um excelente documento dis- os três principais regimes (BT, MT,
dade, classe de segurança, pressões ponibilizado pela Abrava, a Renabrava AT), porém são fluidos do grupo de
de trabalho, compatibilidade material 5 - Guia para Uso e Aplicação dos segurança A3, inflamáveis, o que
etc., bem como a justificativa pela Fluídos Frigoríficos. requer projeto específico de segurança
substituição. Para o caso de novos pro- No caso das blendas HFC+HFO e observação da carga máxima permi-
jetos, a situação é mais simples, pois a a aplicação é extensa e variada tida por legislação para equipamen-
definição pelo novo fluido foi tomada (BT,MT,AT) para equipamentos de tos conforme meio a ser resfriado.
por critérios técnicos e comerciais. pequeno, médio e grande porte com Normalmente são fluidos aplicados
Existem diversas opções técnicas os tipos construtivos comuns de com- para equipamentos de pequeno porte
homologadas, como por exemplo as pressores e componentes, podendo ser com expansão direta (R-290, R-600a)
misturas HFC+HFOs, os HFOs puros utilizado como fluido de retrofit, sem- e carga até 150g., porém, já há sistemas
ou os naturais. Essas opções apre- pre observando através de software de grande capacidade em operação em
sentam caraterísticas distintas às dos dos fabricantes dos componentes qual regime de expansão indireta (chillers
HFCs aplicados até então, o que deverá é a variação de resultado apresen- de propano com Glicol, cascata R290
alterar pontos de projetos devido à tada no equipamento, mas de forma x CO2). Não são opções para retrofit
eventual inflamabilidade, toxicidade e geral é bem satisfatório, com poucas direto em equipamentos de média e
pressão, que deverão ser avaliadas caso alterações ou mudanças significativas. alta capacidade. Para retrofit em equi-
a caso de acordo com a opção definida. Observar, quando aplicável, a altera- pamentos de pequena capacidade é
É importante sempre avaliar ção do fluido lubrificante e dispositi- obrigatório seguir as recomendações
características técnicas, GWP (ou vos de expansão. do fabricante, a legislação local, bem
PAG - Potencial de Aquecimento Para o caso dos HFOs puros a prin- como a adequação de segurança para

24 ABRAVA + Climatização & Refrigeração Fevereiro 2021


aplicação em refrigeração comercial

adaptação técnica da aplicação.


Usamos a referência indicada na literatura da Bitzer
(Refrigerant Report A-501-21) para orientação aos clientes. A
classificação de segurança deverá sempre ser observada por
ser fator determinante ao projeto e à capacitação dos usuá-
rios. A tabela indica a classificação quanto ao grau de toxi-
cidade e inflamabilidade de fluidos refrigerantes. Algumas
blendas HFO+HFCs são do grupo A2L, HFOs são A2L, HCs
(hidrocarbonetos) são A3.
A norma ASHRAE 34 apresenta especificamente os dados
e a classificação dos fluidos frigoríficos reconhecidos, é
altamente recomendada a definição no projeto por fluido
refrigerante classificado nesta tabela ASHRAE, pois a maior
parte dos fabricantes de componentes apenas homologam
seus produtos para aplicação de fluidos que constam dessa
tabela. Além da classificação de segurança indicada con-
forme a tabela, é importante verificar a faixa de pressão de
trabalho do fluido definido para adequação mecânica do
projeto.
Conforme exposto, no caso de retrofit, primeiramente é
preciso verificar via software do fabricante dos componen-
tes (compressores, trocadores de calor etc.) o desempenho
(capacidade frigorifica e COP) comparado ao fluido em
uso, bem como impacto ambiental (TEWI) e GWP (PAG)
de acordo com prazos estabelecidos pela legislação local e
nacional, normas de segurança aplicáveis, inflamabilidade
(adequação de projeto elétrico, emergência e ventilação),
toxicidade via monitoramento de concentração ambiente,
propriedades e compatibilidade material do fluido refri-
gerante, aspectos econômicos e disponibilidade, custo de
adaptação do sistema e dos serviços e manutenção.

Marcos Euzebio Marco Antonio Pereira


engenharia de engenharia de aplicação
aplicação da Bitzer da RAC

Fevereiro 2021 ABRAVA + Climatização & Refrigeração 25


aplicação

O que é preciso observar ao especificar um


damper corta-fogo
No que diz respeito ao ar-condi- transforma na “parede reconstituída”.
cionado e ventilação, o controle sobre Neste caso ainda, os dutos podem cair,
incêndio e fumaça são obrigatórios em mas o damper permanece enquanto a
quase todas instalações, seja para com- parede resistir.
partimentação de áreas, obedecendo Se não for possível chumbar damper
exigências legais ou critérios específicos na parede, sendo sua montagem face-
em função da importância do local que ando a abertura ou até mesmo posicio-

(divulgação Trox)
está sob risco. Entre os componentes nado a uma certa distância permitida,
para controle são utilizados os dampers tais instalações são aprovadas desde que
corta-fogo, com tipos de acionamentos observado rigorosamente as recomen-
variados e dampers de regulagem, com dações do fabricante.
elevado grau de estanqueidade. O dam- sendo que esses dois últimos coman- Enquanto a parede resistir ao fogo o
per corta fogo tem entre suas funções dam o damper à distância, tanto para damper não pode cair ou se desprender
evitar propagação de chama e radia- abrir como fechar. A decisão quanto ao da mesma.
ção de temperaturas elevadas entre o tipo de acionamento e a possibilidade Se Isto ocorresse permitiria passa-
ambiente sob sinistro e os que o cir- de abertura e fechamento à distância é gem de chama, calor ou fumaça pela
cundam. Outras funções do damper muito importante. É imprescindível que abertura exposta ou entre carcaça e
corta fogo, também usado em extração de tempos em tempos os dampers sejam alvenaria, comprometendo, também, a
de fumaça, e do damper de regula- acionados para verificar seu funciona- isolação térmica contra radiação que
gem, estão as de controlar a exaustão mento e aplicada eventual manutenção deve ser equivalente ao próprio damper.
de fumaça, bem como evitar sua pro- se necessário. Por isso e por exemplo, Quanto à disseminação de fumaça, a
pagação para áreas não atingidas pelo numa instalação com muitos rearmes norma determina métodos de ensaio
incêndio e criar rotas de fuga seguras. nos próprios dampers e sob condições de que atestam se a construção é propícia
É importante frisar que a fumaça é o difícil acesso isso pode ser um enorme para se obter um grau de estanqueidade
que mais causa óbitos num incêndio e complicador. adequado.
não o fogo. Uma forma de entender a função do Existem critérios de compartimenta-
A fumaça, além dos danos causados à damper corta-fogo é defini-lo como o ções horizontais e verticais para as edi-
saúde pela sua inalação e que pode levar elemento que “reconstitui” uma parede ficações, com classes de resistência para
ao óbito é considerada um “inimigo que necessita de abertura, por exem- 30’, 60’, 90’ e 120’. Da mesma forma,
silencioso”, pois causa pânico ao ser plo para passagem de um duto de ar. existem dampers compatíveis com essas
notada, o que provoca sérias consequên- Ao fazer abertura na parede, além de classes. No caso de áreas que envolvem
cias num momento crucial para se quebrada sua resistência ao fogo, este processos, a escolha depende da ativi-
adotar os procedimentos de segurança ponto passa a ficar vulnerável. No caso dade exercida e os impactos que um
necessários. de incêndio, a rede de dutos cai devido eventual incêndio causaria.
Dampers destinam-se não apenas à elevação da temperatura, que ultra- A escolha da classe de resistência do
para segurança e proteção de pessoas, passa 800ºC em 30’ e 1.000ºC em 120’, damper tem que ser compatível com a
além de patrimonial, mas também para como prevê a norma. Caindo a rede de classe da edificação. Deve-se tomar cui-
a proteção de processos, equipamentos, dutos, a abertura fica exposta, passando dado para evitar escolhas equivocadas,
dados e outros ativos. Por exemplo, uma chamas, fumaça e calor. Vale ressaltar por exemplo colocar damper para 30’
sala de data center que necessita classe que mesmo que os dutos não caíssem, numa parede para classe 120’, pois, até
de resistência para 120’ devido a impor- sua chapa sofreria deformações, além 120’, a parede se manteria e a partir de
tância de sua atividade. de não ter isolação térmica adequada, 30’ o damper poderia romper ou, o con-
Quanto aos tipos de acionamentos a permitindo da mesma forma a passagem trário, colocar damper para 120’ numa
escolha não interfere na classe de resis- desses elementos. parede para 30’, visto que passados 30’
tência ao fogo, mas como será operado Tão importante quanto o uso do a parede poderia cair e junto com ela, o
o sistema. O acionamento pode ser por damper corta-fogo é a maneira como é damper para 120’.
fusível, que dispara somente se o damper instalado. Como elemento de reconsti- Os estados brasileiros têm suas
estiver submetido a 72ºC, acionamentos tuição de uma parede, a forma de insta- legislações regidas pelo Corpo de
elétricos por eletroímã ou solenoide, lação mais eficaz e segura é chumbando Bombeiros, sendo que a referência tem
que são comandados à distância, e com o damper na própria abertura. Desta sido o  estado de São Paulo. A legis-
rearme no próprio damper, com atuado- maneira o damper fica embutido de tal lação paulista está referenciada, prin-
res elétricos ou cilindros pneumáticos, forma que, quando fechada, a aleta se cipalmente, na Instrução Técnica

26 ABRAVA + Climatização & Refrigeração Fevereiro 2021


aplicação

09/2019: Compartimentação horizontal ultrapassar 180ºC em qualquer ponto aleta não pode ser superior a 180ºC.
e compartimentação vertical, e Decreto de medição, destacando que para classe • Quanto à realização de testes, é de
63911/18: Regulamento de segurança 120’ a temperatura de teste chega a extrema importância que o órgão
contra incêndios das edificações e áreas aproximadamente 1.050ºC. certificador seja reconhecido por
de risco do Estado de São Paulo. As normas detalham suas exigên- sua capacidade técnica, como é o
Existem diferentes normas em todo cias, mas em particular quanto à norma caso do IPT – Instituto de Pesquisas
o mundo, com as suas particularida- ABNT NBR 6479:1992, e sempre asso- Tecnológicas de São Paulo, fundado
des, que definem os requisitos e suas ciado aos tempos de resistência de 30’, em 1899.
classes. No Brasil tem a norma ABNT 60’, 90’ e 120’, podem ser destacados: Um detalhe importante quanto à ava-
NBR 6479:1992 – Portas e Vedadores – • Confinamento ao fogo: O damper não liação de um certificado de teste diz res-
Determinação da Resistência ao Fogo, pode permitir a passagem de chamas, peito às dimensões do corpo de prova,
que é idêntica à norma DIN 4102, que o que é possível devido a sua resistência visto que qualquer damper com dimen-
foi cancelada e substituída pela norma mecânica; sões superiores ou inferiores aos testa-
EN 1366 – parte 2. As diferenças entre • Resistência mecânica: O damper não dos não se enquadram no certificado
essas normas são mínimas, voltadas pode sofrer deformações e danos como determina a norma. Dampers
para métodos de ensaio, permanecendo parciais ou totais que comprometam com dimensões pequenas passam nos
toda essência entre ambas. sua integridade; testes muito mais facilmente, o que já
É importante ressaltar que a norma • Estanqueidade: Verificado com uso de não ocorre com medidas maiores.
brasileira tem exigências não só um chumaço de algodão, que colocado Por isso, ao adquirir um damper com
com relação à passagem de chamas, a uma distância entre 20 e 30 mm do certificado é importante checar se as
mas também requisitos quanto à perímetro da aleta, não pode inflamar, medidas do produto desejado são com-
estanqueidade, para evitar passagem o que indicaria pontos falhos e que patíveis com o certificado.
de fumaça, e isolação térmica que, na comprometem resultado;
pior das hipóteses, determinam que • Isolamento térmico: Em qualquer Claudio José Kun,
a temperatura na superfície da aleta ponto de medição no lado oposto à Gerente Corporativo de Vendas da
no lado oposto à chama não pode chama, a temperatura na superfície da Trox do Brasil
tecnologia

Modelagem e simulação numérica de condicionadores


de ar do tipo split inverter e on-off para avaliação de
desempenho energético
Introdução madas para 2016, foram de 135 milhões de unidades e 1,6
Devido à crescente urbanização, crescimento popula- bilhões, respectivamente. O estudo projeta um uso de 5,0
cional, mudanças nos padrões de consumo, entre outros bilhões desses equipamentos em 2050. Nesse contexto, há
aspectos da sociedade atual, a quantidade de equipamentos uma preocupação crescente com a eficiência dos sistemas de
de refrigeração e ar-condicionado (RAC) em uso no mundo RAC que visam reduzir o seu consumo de energia e fornecer
tem aumentado significativamente e, consequentemente, refrigeração/aquecimento de forma mais sustentável.
a demanda de energia elétrica a eles associada. Tal cresci- O Instituto Internacional de Refrigeração (IIR, 2019)
mento é mais significativo nos países em desenvolvimento. estima que o setor de refrigeração e ar-condicionado con-
A climatização de ambientes residenciais é cada vez mais some cerca de 20% da eletricidade global utilizada mundial-
utilizada em função da grande oferta de produtos, preços mente. Este número destaca a importância do consumo de
decrescentes e mudança de hábitos da população. Uma energia nesse setor. Além disso, há o fato de que o aqueci-
das aplicações de condicionamento de ar com crescimento mento global e as mudanças climáticas tenderão a aumentar
significativo no número de unidades é a de condicionadores a demanda por resfriamento, particularmente nas grandes
de ar tipo split. cidades.
Segundo o relatório da Agência Internacional de Energia As figuras 1 e 2 apresentam dados sobre a venda de equi-
(IEA, 2018) The Future of Cooling, as vendas anuais e a pamentos split e a previsão de consumo de energia de con-
quantidade total de condicionadores de ar em uso, esti- dicionadores de ar no setor residencial no Brasil.

Figura 1. Vendas de unidades de ar-condicionado tipo split no Brasil

(Fonte: Daikin/Abrava, 2018)

Figura 2. Consumo de Energia Elétrica por equipamento

EPE-MME,
2017) (Fonte:
Plano Decenal
de Expansão
de Energia
2027.

28 ABRAVA + Climatização & Refrigeração Fevereiro 2021


tecnologia

Considerando a importância do conforto térmico para as da velocidade do compressor, propiciando a redução de seu
residências e escritórios e visando diminuir o seu impacto consumo de energia em decorrência da redução da vazão de
no consumo de energia e no meio ambiente, tecnologias fluido refrigerante, por outro lado, apesar do condicionador
eficientes têm que ser apoiadas e incentivadas. O impacto convencional tipo on-off operar a plena carga nessas mes-
de equipamentos de climatização sobre o clima do planeta é mas condições, o compressor fica ligado apenas uma fração
devido a dois efeitos: direto, causado pelas emissões de flui- do tempo. Qual fator é preponderante?
dos refrigerantes gases de efeito estufa; e indireto, devido Para avaliar esta questão, em continuidade ao estudo
ao consumo de energia elétrica, considerando a emissão de experimental desenvolvido, o grupo de pesquisa do IMT,
gases de efeito estufa que ocorre na produção da energia em conjunto com pesquisadores da EPUSP, está desenvol-
elétrica consumida. O impacto indireto depende da inten- vendo um simulador computacional para avaliar o desem-
sidade de carbono ou fator de emissão de CO2eq da matriz penho e consumo de energia de equipamentos split inverter
elétrica do país ou região. em diferentes condições operacionais e em diferentes regi-
Uma alternativa para otimizar o desempenho e reduzir o ões do Brasil.
consumo de energia de unidades de ar-condicionado tipo O desenvolvimento do simulador em curso, contou com
split é o uso de compressores de rotação variável utilizando uma etapa inicial quando o desempenho de equipamento
inversores de frequência que ajustam continuamente a split inverter (controle de capacidade obtido pelo uso de
capacidade de refrigeração das unidades às suas demandas. compressores de velocidade variável) foi comparado a
Esta tecnologia – cujos equipamentos nela baseados rece- um modelo não-inverter, on-off (controle de capacidade
bem a denominação de split inverter - é uma alternativa mediante o ligamento-desligamento do equipamento), uti-
ao tradicional controle on-off do compressor. Foi realizado lizando um modelo matemático preliminar simplificado.
em 2018, pelo grupo de pesquisa em Refrigeração e Ar Este artigo apresenta os resultados de simulações numéricas
Condicionado do IMT, um estudo experimental visando feitas para esses dois tipos de condicionadores de ar, tendo
comparar o consumo de energia apresentado por essas como principal foco a análise do efeito da diferença de tem-
duas estratégias de controle de capacidade, o qual envolveu peratura nos trocadores de calor sobre o consumo diário de
a realização de testes de campo. A unidade split inver- energia para operação em um ambiente com perfil de carga
ter apresentou desempenho energético significativamente térmica típico.
melhor do que o da unidade split não-inverter. As reduções O modelo matemático foi construído a partir das equa-
do consumo de energia elétrica apresentadas pela unidade ções fundamentais da termodinâmica, transferência de
inverter em relação ao da unidade não-inverter foram de calor, mecânica dos fluidos, particularmente de escoamento
61,2%, 64,0% e 69,8%, respectivamente nos meses de março, bifásico (líquido-vapor); e/ou de informações experimen-
abril e maio (Peixoto, Paiva, Melero, 2019). Os resultados tais dos componentes do equipamento, principalmente
dos testes permitiram também verificar outro benefício da para o compressor, cujo desempenho nem sempre é bem
tecnologia inverter, que foi a melhoria do conforto térmico descrito com a utilização de modelos teóricos. Além disso,
proporcionado aos ocupantes do ambiente climatizado, para as simulações realizadas foram necessários dados de
como decorrência da elevação e da maior uniformidade no temperatura e umidade do ambiente externo, variação da
tempo da temperatura de insuflamento do ar em relação à carga térmica do ambiente condicionado ao longo do dia,
do split não-inverter. set-point de temperatura do ambiente condicionado, taxa
Além dos benefícios com relação aos impactos climáticos, de renovação de ar.
a diminuição do consumo de energia elétrica devido ao uso Além das análises de desempenho mencionadas, simula-
de equipamentos inverter acarreta também uma redução na dores numéricos permitem a avaliação do uso de diferen-
demanda de energia elétrica, diminuindo a necessidade de tes fluidos refrigerantes, considerando suas características
investimentos públicos e privados na construção de novas (GWP, inflamabilidade, toxidade, custo de produção etc.).
usinas de geração de energia elétrica. Para cada tipo de refrigerante é possível estimar a massa
de fluido refrigerante instalada no equipamento (carga de
Simulação numérica do ciclo de refrigeração
fluido) tamanho dos trocadores de calor e compressor. A
por compressão de vapor utilizado em
título de exemplo, um fluido refrigerante pode produzir
condicionadores de ar split
excelente desempenho energético, ser pouco tóxico, ter
A investigação das causas principais da redução de con- baixo GWP, mas se ele tiver um elevado volume específico
sumo de energia obtida pelo condicionador de ar do tipo nas condições de temperatura e pressão na entrada do com-
inverter é um dos aspectos importantes quando esse tipo de pressor, a taxa de deslocamento requerida desse equipa-
equipamento é analisado. Ao abordar qualitativamente essa mento seria elevada, ou seja, ele teria que ser relativamente
questão, surgem de início algumas dúvidas. Argumenta-se grande, provavelmente inviabilizando a utilização de tal
que, se por um lado o condicionador inverter se adapta à fluido.
demanda de resfriamento reduzida por meio da diminuição Com o modelo simplificado desenvolvido foi realizada a

Fevereiro 2021 ABRAVA + Climatização & Refrigeração 29


tecnologia

simulação da operação dos equipamentos em um dia típico Onde:


do mês de janeiro para um ambiente com carga térmica de
pico próxima à capacidade dos equipamentos. O ambiente  é taxa de calor no evaporador, H
Q evap ar,evap, o coeficiente
condicionado tomado como referência é a sala de um de convecção do lado do ar (W/m2K); Aevap a área de troca
dos prédios do campus do IMT, situado na cidade de São de calor externa no evaporador. A diferença de temperatura
Caetano do Sul, cujo perfil de carga térmica desse ambiente média logarítmica entre a parede do tubo e o ar é calculada
foi calculado. pela equação:
A maioria dos trabalhos de simulação numérica de ciclos
∆TML,evap =
( ) (
Tsala − Tevap − Tins,ar − Tevap )
de refrigeração existentes na literatura utiliza o equaciona- (2) T − Tevap
mento de regime permanente para o ciclo termodinâmico. ln sala
Ou seja, não são considerados nas equações os termos de Tins,ar − Tevap
variação de massa e energia com o tempo. Não obstante, as Onde: Tevap é a temperatura de evaporação (oC); Tins,ar, a
variáveis dependentes possam variar (pressões e temperatu- temperatura de insuflamento do ar na sala (oC); Tsala, a tem-
ras) em decorrência da alteração de valor das variáveis inde- peratura do ar no ambiente condicionado – set-point (oC). A
pendentes (dados de entrada), como, por exemplo, a carga equação (1) considera que a resistência térmica de convec-
térmica, a temperatura do ambiente condicionado e a do ção interna ao tubo e a de condução do tubo são desprezí-
meio externo. Usar o modelamento de regime permanente
veis. Considera também que a transferência de calor ocorre
significa apenas ser imediata a resposta do equipamento
com parede seca do lado do ar, o que é aceitável no caso
quando o valor de uma variável independente do problema
porque é pequena a parcela de calor latente do ambiente
é alterado. Tal simplificação é relativamente precisa para os
condicionado estudado. Foi fixado como parâmetro que a
equipamentos de pequeno porte. Para o condicionador de
temperatura de insuflamento do ar é igual a:
ar tradicional (on-off ), o modelamento tradicional é sim-

ples e o consumo de energia pode ser calculado avaliando
(3) T =
ins,ar
T sala
− 10
a porcentagem do tempo que o equipamento fica ligado
Na condição de carga térmica plena. A taxa de transferên-
para cada condição de carga térmica e temperatura externa.
No presente trabalho, ao modelamento do equipamento cia de calor no condensador pode ser calculado por:
não–inverter (on-off ) foi adicionado um modelo simples de
inércia térmica do ambiente condicionado (mobiliário e ar) = (4) Q
cond (
H ar ,cond A cond Tcond − Tar ,ext )
para que o efeito de variação de sua temperatura na faixa de
controlefosse auditado. Para o condicionador de ar inverter, Onde:
o modelamento tradicional deve ser modificado. O set-point Q é taxa de calor transferida no condensador;
cond
da temperatura do ambiente condicionado deve ser man- H ar,cond , o coeficiente de convecção do lado do ar (W/
m 2K); A
tido constante, calculando-se a vazão de fluido refrigerante cond, a área de troca de calor externa no conden-
requerida para produzir a taxa de resfriamento no evapo- sador; T cond, a temperatura de saturação na pressão de
rador, que é igual à carga térmica do ambiente no instante condensação (oC); Tar,ext, a temperatura de bulbo seco do ar
considerado. Trabalhos mais recentes apresentam modelos externo. Foi considerado na equação que a temperatura do
relativamente complexos para condicionadores inverter, ar externo eleva-se pouco ao passar pelo condensador em
vide Barbosa Jr. e Ribeiro (2016) e Zhang, Yu e Zhang (2004) decorrência de uma vazão elevada. Assim como no evapo-
e estão sendo considerados na etapa atual da pesquisa. rador, a resistência térmica de convecção interna ao tubo
e a de condução do tubo foram desprezadas. Os balanços
Modelo Matemático de energia do ciclo de refrigeração são representados pelas
seguintes equações:
• Condicionador Inverter
(5)

=


Q evap
m (
 refr h1 − h 4 )
As equações utilizadas no modelamento do condiciona- (6)

Q
= cond
 refr ( h 2 − h 3 )
m
dor split inverter são apresentadas a seguir. Considerou-se
um ciclo de refrigeração por compressão de vapor sem perda
de carga, com graus de superaquecimento e de subresfria-
(7)

W
= cp,ideal
 ( h 2,iso − h1 )
m

mento fixos, respectivamente de 5oC e 3oC. Foi considerado
que o compressor tem rendimento isoentrópico igual a 0,9.
(8)

W
= cp
 ( h 2 − h1 )
m
A equação de transferência de calor no evaporador é igual a:


(9) h4 = h3
=(1) Q evap H ar ,evap A evap ∆TML,evap

30 ABRAVA + Climatização & Refrigeração Fevereiro 2021


tecnologia

Nas equações anteriores, a letra “h” designa a proprie- para o condicionador inverter, uma vez que a carga térmica
dade entalpia específica e os índices são: 1, entrada do com- e Tar,ext podem sofrer igualmente variações consideráveis
pressor; 2,iso, saída do compressor na compressão isoentró- nesse intervalo de tempo e o compressor se ajusta para
pica; 2, saída do compressor na compressão real; 3, saída do satisfazer a equação (12).
condensador; 4, entrada do evaporador. A variável W  éa
cp
potência do compressor (W). A eficiência isoen- • Condicionador não-inverter
trópica do compressor é definida por: São apresentadas a seguir as principais modificações
adotadas em relação ao modelo matemático desenvolvido

W para o condicionador inverter. A temperatura Tsala não tem
(10)
ηCP = cp,ideal mais um valor constante. Ela varia ao redor da temperatura
W de set-point Tset-point, na faixa de controle fixada (+/- 1oC).
cp
A taxa de resfriamento produzida pelo evaporador não se
O coeficiente de desempenho do ciclo é calculado pela iguala mais à carga térmica do ambiente; é um valor deter-
relação: minado pela capacidade do condicionador não-inverter. A
Q diferença entre elas é responsável pela taxa de variação de
(11) COP = evap temperatura do ar no ambiente condicionado. A variação de

W Tsala com o tempo é obtida por meio do balanço de energia,
cp

Para o condicionador inverter, é válida a relação: apresentado por:


dTsala
(12)  =Q
Q 

(17) Q  − =
carg a

Q evap ( )
M ar ,sala C v,ar + M moveis C v,moveis
dt
evap carg a

onde Mar,sala é a massa de ar contido no espaço do ambiente
Onde: Q condicionado (kg); Mmoveis, a massa do mobiliário da sala
carg a é a carga térmica atual no ambiente con-
dicionado. Para os coeficientes de convecção do ar, foram (kg); Cv, seus calores específicos. Foram arbitradas massas
admitidos os seguintes valores constantes: que produziram na simulação numérica valores realistas de
tempo para o ciclo liga-desliga.

(13) H evap = 300 W m 2 .K A vazão de fluido refrigerante é obtida utilizando um
modelo adequado para o compressor. A relação entre vazão
(14)
H cond = 500 W m 2 .K volumétrica e vazão mássica é igual a:

Hevap é um coeficiente de convecção equivalente que, no 



estudo simplificado, contabiliza também o efeito de con- (18) m
 refr = cp

densação da umidade do ar que se resfria. O equipamento


v1
para o qual a simulação foi realizada não tinha Aevap e Acond  é a vazão volumétrica real do compressor
conhecidas. No entanto, para a condição de carga plena Onde: ∀ cp
( m 3 / s ) ; v1, o volume específico do refrigerante na saída
(9000 Btu/h - ~2,64 kW), dispunha-se das seguintes rela-
no evaporador (entrada do compressor). Para o compressor
ções aproximadas:
vale a seguinte relação:
(15) Tsala ,s − Tevap =
11  =∀  (1 − f )
(19) ∀ cp desl nocivo

(16) Tcond − Tar ,ext =
15
Onde: ∀  é a vazão volumétrica de deslocamento do
desl
compressor (m3/s); fnocivo, a fração de espaço nocivo, fixada
que permitiram a estimação daquelas áreas, as quais, poste-
em 0,05. Para a obtenção de uma capacidade de resfriamento
riormente, quando da simulação numérica para várias con-  =
de 9000 BTU/h (2637 W), obteve-se ∀ 0,000498m3 s
dições operacionais, tornaram-se parâmetros de entrada. desl
, que se tornou um parâmetro para o modelo numérico.
Com o modelo apresentado, é possível obter por simulação
numérica as variáveis
 ,Q • Modelo de carga térmica do ambiente condicionado
 refr , W
Tevap, Tcond, m cp
 , COP
cond Como mencionado anteriormente, para realização de um
 estudo de caso, foi considerado o perfil de carga térmica
para quaisquer valores de Tar,ext e Q carga . teórico da sala de um dos prédios do campus do IMT. A
carga de pico calculada para o mês de janeiro é um pouco
Observe-se que a vazão de fluido refrigerante e as demais menor do que a capacidade dos equipamentos considera-
variáveis calculadas podem variar bastante ao longo do dia dos (9000 BTU/h). Foi aplicado um fator de correção para

Fevereiro 2021 ABRAVA + Climatização & Refrigeração 31


tecnologia

igualar os valores entre a demanda e a capacidade. O perfil A Figura 6 é uma ampliação da anterior para a faixa de
de carga térmica corrigido obtido é apresentado na figura 3. horário entre 11 e 13  h, visando destacar o intervalo de
Para a temperatura do ar externo, foi considerada o perfil tempo “ligado” e o “desligado”.
diário típico do mês de janeiro da cidade de São Caetano
do Sul, segundo os valores produzidos pelo software HAP Figura 6. Intervalos de tempo “ligado” e “desligado” para
(2019) (vide Figura 4). o condicionador não-inverter.

Resultados
Foram realizadas simulações numéricas da operação dos
dois condicionadores de ar e os principais resultados obtidos
são a seguir apresentados na forma de gráficos. O set-point
de temperatura adotado para o ambiente condicionado foi
de 24oC, fixo para o inverter e com faixa de variação de +/-
1oC, para o não-inverter. A Figura 5 apresenta a variação
da temperatura do ambiente condicionado ao longo do dia.
O que pode ser destacado nessa figura é a duração do ciclo
liga-desliga para o condicionador não-inverter. O intervalo A Figura 7 apresenta a variação da taxa de resfriamento
de tempo na condição “ligado” é pequeno nos momentos de produzida pelos evaporadores dos dois condicionadores de
baixa carga térmica e longo ao redor das 15h, horário em ar. Para o condicionador inverter, a curva é idêntica à de
que o equipamento está operando a plena carga. carga térmica. Para o não-inverter, ela oscila um pouco ao
redor do valor de 2750 W. O ajuste da carga de resfriamento
Figura 3. Perfil de carga térmica do ambiente média à carga térmica do ambiente é conseguido às custas
condicionado tomado como caso de estudo. do ligamento e desligamento do equipamento, como fica
evidenciado na figura.

Figura 7. Perfil da taxa de calor trocado no evaporador


dos condicionadores de ar.

Figura 4. Variação de TBS de São Caetano do Sul para


um dia típico de janeiro.

A Figura 8 apresenta as diferenças de temperaturas


nos trocadores de calor dos condicionadores inverter e
não-inverter:


∆T
condensador
= Tcondensação − Tar ,ext
(20)
∆Tevaporador =
Tsala − Tevaporação

Figura 5. Distribuição de temperatura do ambiente Figura 8. Diferenças de temperaturas nos trocadores de


condicionado ao longo do dia. calor dos condicionadores.

32 ABRAVA + Climatização & Refrigeração Fevereiro 2021


tecnologia

No evaporador do condicionador não-inverter, a dife- Figura 10. COP dos condicionadores ao longo do dia.
rença de temperatura no evaporador é sempre próxima de
23oC, ao longo de todo o dia. Para o não-inverter, o valor
máximo de ∆T é obtido apenas no instante de carga
térmica de pico. Quando a carga térmica é parcial, essa
variável tem valor sempre menor, atingindo o valor mínimo
de cerca de 12oC às 7h. Isso ocorre em virtude da equação
. O equipamento não-inverter fica ligado o tempo todo e
quanto menor a taxa de transferência de calor instantânea,
menor o ∆T requerido. Para o condicionador não-inver-
ter, no entanto, a vazão mássica de fluido refrigerante é
praticamente invariante e a taxa de calor transferida é pra- Novamente, os COPs igualam-se apenas no instante de
ticamente aquela da condição nominal durante o intervalo carga de pico, quando atingem valor próximo de 4. Nos
de tempo “ligado” do ciclo, exigindo um ∆T elevado nesse demais instantes, o modelo inverter tem COP sempre maior
período. Em resumo, em cargas parciais o condicionador que o não-inverter, chegando a ter um valor máximo de 12,
inverter opera durante todo o tempo com um pequeno ∆T às 7h. Isso ocorre essencialmente em virtude do modelo
, enquanto o não-inverter opera, sempre que está ligado, inverter operar com valores médios menores de ∆T nos
com o máximo ∆T . Para o condensador os resultados são trocadores de calor. Como se sabe, a diferença de tempe-
análogos. ratura em trocadores de calor é uma causa de ineficiência
As figuras 9 e 10 apresentam o consumo dos compres- (maior ∆T , processo mais irreversível, maior potência
sores e o COP dos dois condicionadores ao longo do dia. consumida). O gráfico da figura 8 é suficiente para se poder
Como se observa, a potência demandada pelo compres- afirmar que o consumo de energia em Wh ao final do dia
sor do condicionador inverter é sempre menor do que a será menor para o condicionador inverter, uma vez que:
do modelo não-inverter. Não obstante, o compressor do
equipamento não-inverter não fica ligado todo o tempo. A (21)
igualdade entre os dois ocorre apenas no momento de carga
Calor total transferido no evaporador (J) x fator de conversão J-->Wh
térmica de pico. É importante destacar que essa igualdade COPmedio =
foi uma condição imposta no modelamento numérico, ou Consumo total de energia do compressor no dia (Wh)

seja, que a potência consumida em condições de plena carga Como o calor total transferido nos dois equipamentos
fosse a mesma para os dois equipamentos, pois só assim o é o mesmo (o calor total transferido do ambiente condi-
efeito da carga parcial sobre o desempenho dos equipamen- cionado para o evaporador desde o início até o final da
tos poderia ser aquilatado. operação, isto é, das 7h às 21h), o consumo total de energia
A rigor, a figura 9 é insuficiente para determinar se o no compressor do condicionador inverter será menor em
modelo inverter é mais econômico do ponto de vista ener- virtude de seu COPmédio ser mais elevado, como é evidente
gético, uma vez que isso depende da fração de tempo que o pela figura 10. Isso fica também evidenciado na curva de
compressor do não-inverter fica ligado. consumo de energia (Wh) integralizado ao longo do dia,
conforme apresentado na figura 11. O consumo calculado
Figura 9. Potência dos compressores ao longo do dia. de um dia no condicionador não-inverter foi de 6247  Wh
e, no inverter, 4870 Wh, uma redução de consumo de 22 %.

Figura 11. Consumo integralizado de energia elétrica


(Wh) ao longo do dia.

A figura 10 apresenta a variação do COP dos dois condi-


cionadores ao longo do dia.
Conclusões
As simulações numéricas realizadas com o modelo sim-
plificado evidenciaram que o condicionador de ar inverter

Fevereiro 2021 ABRAVA + Climatização & Refrigeração 33


tecnologia

apresenta consumo diário de energia elétrica menor, prin- devido à condensação de umidade do ar e utilizando o
cipalmente devido à menor diferença de temperatura que conceito de potencial de entalpia;
ocorre nos trocadores de calor entre o fluido refrigerante e • Consideração da resistência térmica do lado interno
outro meio. Em virtude disso, o COP médio do condiciona- dos tubos;
dor inverter é mais elevado do que o do condicionador não- • Os trocadores de calor com as regiões de superaqueci-
-inverter. Para o ambiente considerado no estudo de caso, a mento e/ou subresfriamento na transferência de calor
redução de consumo do condicionador inverter em relação do lado do fluido refrigerante;
ao não-inverter foi de 22%. A magnitude do aumento de • A carga de fluido refrigerante (massa) é constante para
eficiência energética é bastante influenciada pelo perfil de qualquer condição de operação;
carga térmica do ambiente condicionado. Quanto maior a • Deverão ser obtidas mais informações junto aos fabri-
parcela do tempo em que a carga térmica do ambiente for cantes sobre a filosofia de controle por eles utilizadas;
menor do que a capacidade nominal do condicionador de • Estão sendo introduzidos modelos mais precisos para
ar, e também quanto maior for essa diferença, maior a redu- determinação de Hext,evap e Hext,cond;
ção de consumo em relação ao condicionar com controle • Avaliação da influência da inércia da sala no ciclo liga-
liga-desliga. Esse é um dos motivos pelos quais não é possí- -desliga do condicionador não-inverter e, subsequente-
vel comparar os resultados das simulações numéricas deste mente, o efeito disso no consumo de energia;
trabalho com os resultados obtidos no trabalho de Peixoto, • Avaliação da elevação da velocidade do ar nos tro-
Paiva e Melero (2019), porque, naquele trabalho, o perfil de cadores de calor, para elevar os valores de Hext,evap e
carga térmica era diferente do utilizado no presente estudo. Hext,cond. Deverá ser considerada a limitação para essa
Outro provável motivo para justificar tal diferença de ação devido a elevação do ruído com a velocidade do ar;
resultados contra os valores reais medidos por Peixoto, • Avaliação do efeito da variação de velocidade dos venti-
Paiva e Melero (2019), são as simplificações realizadas no ladores de ar no consumo de energia.
presente trabalho. Os aprimoramentos no simulador numé-
rico que estão sendo atualmente considerados na continui- M. A. Paiva1, R. A. Peixoto1, G. D. Macedo1, F.
dade da pesquisa são: Fiorelli2, C. Bessa1
1 Instituto Mauá de Tecnologia (IMT)
• Consideração de um modelo de tubos parcialmente 2 Escola Politécnica da Univ. de S. Paulo (EPUSP)
molhados, para transferência de calor no evaporador,

Referências bibliográficas

AYNUR, T. N. Variable refrigerant flow system: A review. Energy and Buildings, Maryland, 29 jan. 2010.
FIGUEIREDO, L. C. Simulador computacional de ciclo de refrigeração operando com vazão varíavel de refrigerante. XVI
Conbrava, São Paulo, 2019.
IEA, 2018. The Future of Cooling, May 2018. Available at: http://www.iea.org/cooling/
IIR, 2019. 38th Note on Refrigeration Technologies: The Role of Refrigeration in the Global Economy (2019)
PALKOWSKI, C.; SCHWARZENBERG, S. V.; SIMO, A. Seasonal cooling performance of air conditioners: The importance
of independent test procedures used for MEPS and labels. Internacional Journal of Refrigeration, Berlim, 23 maio 2019.
PEIXOTO, R. A.; PAIVA, M. A.; MELERO, V. Teste de campo comparativo de duas unidades de ar-condicionado tipo
split - Monitoração do consumo de energia e parâmetros do ambiente climatizado. XVI Conbrava, São Paulo.
RIBEIRO, G. B.; BARBOSA JR., J. R. Analysis of a variable speed air conditioner considering the R-290/POE ISO 22
mixture effect. Applied Thermal Engineering, São José dos Campos, 25 jul. 2016.
SARNTICHARTSAK, P.; MONYAKUL, V.; THEPA, S. Modeling and experimental study on performance of inverter air
conditioner with variation of capillary tube using R-22 and R-407C. Energy Conversion & Management, 18 set. 2006.
SARNTICHARTSAK, P.; THEPA, S. Modeling and experimental study on the performance of an inverter air conditioner
using R-410A with evaporatively cooled condenser. Applied Thermal Engineering, 16 set. 2012.
WINKLER, J.; AUTE, V.; RADERMACHER, R. Comprehensive investigation of numerical methods in simulating a steady-
state vapor compression system. International Journal of Refrigeration, Maryland, 02 set. 3007.
ZHANG, Z.; YU, Y.; ZHANG, L. Performance simulation of R410A air conditioning system with variable speeds. Computer
Applications in Te chnology, Xi’an, 2004.

34 ABRAVA + Climatização & Refrigeração Fevereiro 2021


mulheres de ação

Do sonho da medicina à qualidade do ar interno


Quando menina, Ana Carolina de dedicada à instalação e manutenção
Souza Rodrigues sonhava ser médica. de equipamentos móveis para a side-
“É uma profissão bonita. Os profissio- rurgia. Meu pai falou sobre as possi-
nais da saúde são verdadeiros heróis Para essa bilidades promissoras existentes no
para mim. Principalmente agora, com ar-condicionado. Mas eu teria que me
a pandemia que vivemos”, diz ela. fluminense de encarregar desta área, pois ele não
Entretanto, muito cedo percebeu teria disponibilidade”, conta.
que suas aptidões estavam mais dire- Volta Redonda, “Comecei a estudar o assunto e per-
cionadas para matemática e física. Foi cebi que fazia sentido. Afinal, toda
assim que, ao começar o segundo grau, qualidade do indústria necessita de ar-condicio-
escolheu o curso técnico em eletrome- nado, seja nas áreas de produção ou
cânica. Em seguida, cursou engenha- ar e PMOC, na administração. Por isso aceitei a
ria mecânica na Universidade Federal proposta do meu pai, mas não só
Fluminense (UFF) e pós-graduação mais do que para a área automotiva, principal-
em engenharia e gerenciamento de mente predial, visando a qualidade do
manutenção. oportunidades ar interior”, diz. Foi criada, então, a
Concluídos os estudos, empregou- Reman Frigerar, e o AVAC-R ganhou
-se em uma grande siderúrgica no de negócios, são uma profissional dedicada e idealista.
Porto de Pecém, Ceará. Dois anos Pesquisando, Ana Carolina tomou
depois, já de volta à cidade natal, Volta necessidades conhecimento da Lei 13.589, que torna
Redonda, importante polo siderúrgico obrigatório o Plano de Manutenção,
do sul fluminense, Ana Carolina foi humanas Operação e Controle (PMOC), san-
surpreendida por uma proposta do cionada em 2018. Sem entender muito
pai, Eduardo. bem as nuances contidas na Lei, foi
“Meus pais, Eduardo e Núbia, já atrás de quem poderia prestar os devi-
possuíam a Reman, uma empresa dos esclarecimentos. “Fui até a Anvisa,

Fevereiro 2021 ABRAVA + Climatização & Refrigeração 35


mulheres de ação

incluindo o Comitê de Mulheres da


Abrava.
Sem dúvida, nem tudo foram flores
nesta curta, mas intensa, caminhada.
“Como em todo setor, há profissionais
pouco qualificados prometendo o que
não podem entregar. No começo, eu
ficava chateada por perder um contrato
por preço. Com o tempo, girei a chave.
Nem todos serão clientes da Frigerar.
Se a empresa não compreende os bene-
fícios dos serviços que oferecemos,
não é o cliente que a Frigerar procura.
Nosso negócio exige uma estrutura
sólida, um amplo ferramental, fun-
cionários remunerados dignamente e
respeito às normas e regulamentos.”
Às mulheres que buscam ingressar
no mercado de AVAC-R, Ana Carolina
Seu esforço e tenacidade geraram recomenda, antes de tudo, que estu-
resultados. Hoje, a Frigerar, onde é a dem, uma vez que, no seu entender,
responsável técnica e pelos contratos a escola pouco ensina como empre-
de PMOC, tem uma respeitável car- ender. “Não apenas as questões téc-
teira de clientes. Levada por valores nicas, mas comunicação, negociação,
comunitários, Ana Carolina em pouco vendas, pois sem elas não há empresa.
tempo sentiu-se na obrigação de devol- O início será difícil, mas o retorno é
ver os conhecimentos adquiridos. compensatório.”
“Quando começou a pandemia eu Mas que não se pense que o sonho
recebi uma mensagem da Associação de infância, cuidar de pessoas, esvane-
Comercial de Volta Redonda dizendo ceu. “Quando o AVAC-R me escolheu
para não usar o ar-condicionado. percebi que oferecemos muito mais do
Fiquei indignada e entrei em contato que a engenharia. Oferecemos saúde,
para esclarecê-los, enviando a docu- um ambiente saudável para as pessoas.
mentação técnica, como a Renabrava. Não podemos nos abater pelas dificul-
Em função disto, me senti na obriga- dades, dividamos informações para
ção de procurar esclarecer todas as que todos façam as escolhas corretas,
pessoas sobre assunto”, diz ela. Do epi- sejamos os porta-vozes da qualidade
sódio, resultaram uma série de vídeos do ar e do PMOC.”
sobre a qualidade do ar de interiores,
benefícios do ar-condicionado, gestão
da manutenção, dentre outros temas.
onde anotaram minhas dúvidas com a
Para a engenheira da Frigerar esta
promessa de retornar o contato. Jamais
é, também, uma forma de compensar
o fizeram”.
todo o apoio que recebeu do setor
Sem se abater, a engenheira procu-
AVAC-R. “Tive vários benefícios ao
rou outros canais. “Comecei a conhe-
migrar da siderurgia para o AVAC-R.
cer novos instrumentos reguladores
O principal deles foi perceber o quanto
da qualidade do ar interno, como as
o pessoal da área é solidário, procura
portarias da Anvisa. Procurei esta-
ajudar. Principalmente as mulheres,
belecer network com profissionais da
que buscam apoiar-se mutuamente.
área, entrei em grupos de discussão e
Só conheci pessoas que querem aju-
cursos que me permitissem entender o Ronaldo Almeida
dar.” Também por isso, Ana Carolina
assunto. Tomei contato com a Abrava e ronaldo@nteditorial.com.br
faz parte de vários grupos no setor,
acompanhei cursos do Arnaldo Parra.”

36 ABRAVA + Climatização & Refrigeração Fevereiro 2021


diálogo

Covid – 19 pode ou não, ser considerado como acidente de


trabalho?
Em abril de 2020 o STF reconheceu O mencionado julgado (STF) apenas cionada ao transporte público (grande
em liminar que o fato do trabalhador ser delimitou que não é do funcionário o motivo de aglomeração nas grandes cida-
contaminado pelo coronavírus era consi- ônus de provar que se contaminou no des). Se o empregado é obrigado a se deslo-
derado como doença ocupacional, ou seja, ambiente de trabalho, isso será “presu- car para o trabalho que, poderia acontecer
equiparou a contaminação ao acidente de mido”. Entretanto, caberá à empresa pro- em sistema de home office, o judiciário
trabalho. var que seu ambiente de trabalho é sadio trabalhista também poderá levar a questão
A decisão do STF não permite reco- e não contribuiu para a contaminação. em consideração, como se o empregador
nhecer o direito automaticamente, mas Outros aspectos deverão ser analisados pretendesse correr o risco da contamina-
diminui o obstáculo quando classificou pelo Judiciário, como por exemplo: se o ção, o que levaria a indenização.
a doença como acidente de trabalho sem funcionário utiliza transporte público, se Agora, se o contágio ocorre em decor-
necessariamente precisar provar o nexo em algum momento transgrediu as regras rência da necessidade de deslocamento, a
causal (vínculo da contaminação). do distanciamento na vida profissional ou interpretação poderá se basear no acidente
A pandemia se estende em tempos pessoal. Mas frise-se, este será um ônus de percurso. Contudo, após 2018, esta
jamais imaginados. Muito proximamente da empresa. modalidade não se enquadra mais como
teremos um ano da declaração do estado Por outro lado, se houver um surto de acidente de trabalho, não restando ao
de Pandemia pela Organização Mundial COVID-19 dentro da empresa, o trabalha- empregador qualquer indenização.
da Saúde. dor poderá ser indenizado, dependendo A maioria das discussões jurídico-tra-
A vida dos empregados e empregadores das circunstâncias. Isto porque a questão balhista não está escrita na Lei, nem nas
não pode parar. E agora? A contamina- da prova e seu ônus, deverá ser analisada Convenções Coletivas. A análise do caso
ção ainda reconhecida como acidente de caso a caso. concreto é que será importante para a
trabalho? Assim, não é possível garantir que o estratégia de ação da empresa diante de
O cerne da questão deve ser pautado pelo trabalhador será indenizado, mesmo por- dilemas como estes que escrevemos acima,
ambiente de trabalho. Para que a empresa que os casos serão julgados com base em principalmente quando estamos diante
não seja condenada pela contaminação probabilidades e diante dos fatos concreta- de questões novas que, nem a medicina
de um funcionário, deverá provar que o mente provados, o que não retira destes a e tampouco os órgãos governamentais
ambiente de trabalho está equipado com insegurança e incerteza. sabem lidar.
todos os produtos (álcool em gel, limpeza De toda forma, a empresa que enfren-
adequada) e posturas (máscaras faciais e tar um processo trabalhista deste gênero,
Vanessa Gonçalves Fadel
distanciamento pessoal) para evitar a con- tem o dever processual e legal de provar Pós-graduada em Direito e Processo
taminação. Além disso, para os ambientes que seu ambiente de trabalho é sadio e do Trabalho
fechados, precisará provar que o ar circula que, utilizou de todos os procedimentos
devidamente e que o local não depende para minimizar os riscos da contaminação Fábio Fadel
apenas do uso do ar-condicionado, necessi- neste ambiente. Fadel Sociedade de Advogados 
tando da completa renovação do ar. Outra questão bem debatida é a rela- fadel@ffadel.com.br 
abrava

Abrava de Portas Abertas


No dia 27 de janeiro, a Abrava rea-
lizou a edição online do Abrava de ações e estrutura,
Portas Abertas, evento que procura Leonardo Cozac,
mostrar a entidade e seus benefícios discorreu sobre o
às empresas do setor, assim como as Plano Nacional de
perspectivas de mercado. O presi- Qualidade do Ar
dente executivo da entidade, Arnaldo Interno, lançado
Basile, coordenou o evento que teve em novembro, que
a participação de diretores e respon- objetiva desen-
sáveis por departamentos da Abrava: volver ações para
Guilherme Moreira, responsável a mobilização da
pelo Departamento de Economia e sociedade na ado-
Estatística; Leonardo Cozac, diretor ção de medidas capazes de pro-
de operação e finanças e membro do mover a qualidade do ar em ambien- tivas estabelecidas pela
Qualindoor; Thiago Rodrigues, res- tes internos, tornando-os saudáveis Secretaria Especial do Trabalho
ponsável pelo Departamento Jurídico; e amigáveis no sentido de elevar a e Previdência do Ministério da
professora Anna Cristina, repre- capacidade produtiva das pessoas.  Economia. Ao todo, explicou Reis,
sentando o Comitê de Mulheres; No seu momento, o advogado Thiago existem 36 NRs, 15 delas com impac-
Paulo Reis, responsável pelo Comitê Rodrigues, da Rosenthal Advogados, tos diretos no setor AVAC-R. Entre
de Normas Regulatórias; Luciano escritório responsável pelo DEJUR, as ações previstas pelo Comitê para
Marcato, do Comitê de Eficiência destacou alguns dos benefícios con- 2021 está a elaboração de um Manual
Energética; e Samira Oliveira, res- quistados para os associados e para Abrava de Normas Regulatórias. 
ponsável pelo Departamento de o setor de uma maneira geral. Em Representando o Comitê de
Capacitação e Convênio. particular no ano que passou, o depar- Eficiência Energética, Luciano Marcato
Em sua apresentação, Moreira dei- tamento jurídico alcançou o reconhe- destacou o impacto da Portaria 234 de
xou claro que, apesar do ambiente de cimento do setor de AVAC-R como Julho de 2020 e a proposta de inclu-
extrema retração da economia brasi- essencial para a sociedade. Também as são de novos produtos no Programa
leira, resultado da pandemia provo- várias ações coletivas ajuizadas, como Brasileiro de Etiquetagem e a criação
cada pelo novo coronavírus, o setor de a exclusão do ISS e ICMS da base de de um grupo de trabalho para análise
AVAC-R não foi golpeado na mesma cálculo do PIS e da COFINS, e a não de etiquetagem de sistemas de refri-
proporcionalidade. Analisando os retenção de 11% ao INSS pelas empre- geração comercial. A assinatura do
números do passado recente, e ali- sas do SIMPLES associadas foram convênio Abrava e Procel/Eletrobras
cerçado nos prognósticos econômicos destacadas.  e a elaboração de um guia de Boas
gerais e dos diversos setores com cone- Criado no início do ano passado, Práticas de Eficiência Energética para
xão com o ar-condicionado e refrige- e com grande prejuízo de atuação o setor AVAC-R também foram real-
ração, prevê uma movimentação em devido à covid-19, o Comitê de çadas na apresentação. 
torno de 34 bilhões de reais para 2021. Mulheres da Abrava, representado Ao final, Samira Oliveira, responsá-
No mesmo bloco, Basile apresentou pela Profa. Anna Cristina, docente da vel pelo Departamento de Capacitação
o cenário das oportunidades de negó- FATEC Itaquera e responsável pelas e Convênio da Abrava, apresentou
cios nas áreas que mais demandam na ações do grupo de trabalho de capa- a nova estrutura do departamento
atual conjuntura. Em primeiro lugar citação, apresentou um balanço extre- de Cursos e Treinamentos da Abrava
está a qualidade do ar que, com a pan- mamente positivo de atuação. Sua (CTA). Destacou os benefícios para
demia, ganhou o devido espaço. Em estrutura, ancorada em três grupos as empresas patrocinadoras e os des-
seguida, com interligação com a QAI, de trabalho (Capacitação, Marketing contos especiais para colaboradores
vem a eficiência energética, uma vez e Empreendedorismo) mostrou-se de empresas associadas e estudantes.
que as necessidades de maiores taxas dinâmica e produtiva, com ampla rea- Ela apresentou os diversos estabeleci-
de renovação de ar ocasionam maior lização de atividades em 2020, prome- mentos que concedem descontos para
gasto energético, tornando prioritária tendo importantes ações para 2021.  colaboradores de empresas associa-
a instalação de sistemas eficientes. Por O responsável pelo Comitê de das, como escolas profissionalizantes
fim, o tema que junta as duas necessi- Normas Regulatórias da Abrava, e de idiomas, atividades de lazer, entre
dades anteriores no dia a dia da ope- Paulo Reis, apresentou um resumo outros.
ração das diversas edificações, o Plano dos impactos das NRs que entram O evento Abrava de Portas Abertas
de Manutenção, Operação e Controle em vigor a partir de Agosto de 2021, pode ser acessado pelo canal oficial da
(PMOC).  ocasião em que toda empresa esta- Abrava no Youtube, e o conteúdo das
No segundo painel, após uma apre- belecida no território nacional terá a apresentações está à disposição no site
sentação geral da entidade e suas obrigatoriedade de atender as norma- www.abrava.com.br

38 ABRAVA + Climatização & Refrigeração Fevereiro 2021


abrava

Abrava torna-se participante da Aliança Global Renovação do


de Qualidade do Ar Interno convênio com a
Desde a época da fundação da mente na IEQ-GA alicerçada na expe-
Apex-Brasil
Federação das Associações Ibero- riência do Departamento Nacional de O objetivo do Programa Abrava
Americanas de Ar Condicionado e Qualidade do Ar Interno – Qualindoor
Exporta, parceria entre a Abrava e a
Refrigeração (Faiar) em 2001, a Abrava da Abrava. Entre as recentes ações do
participa ativamente de discussões de Qualindoor está o lançamento, em Apex-Brasil, é inserir as empresas bra-
temas e ações relevantes para o setor meados de novembro de 2020, do sileiras do setor AVAC-R em mercados
AVAC-R junto a outras 14 associações Plano Nacional de Qualidade do Ar internacionais, incluindo as empresas
de países da América Latina, Espanha Interno (PNQAI). fabricantes, exportadoras ou não, mas
e Portugal. Entre as novidades está Vale lembrar que a Abrava tem que tenham a exportação como estra-
a nomeação do Presidente Executivo destacada atuação na Faiar. Entre as tégia, bem como as empresas de servi-
da Associação, engenheiro Arnaldo ações já realizadas está a elaboração da ços que desejam desenvolver projetos
Basile, à Vice-Presidência da Faiar, e a norma ibero-americana de qualidade no exterior. O Programa chega à sua
participação desta Federação como o do ar interno, aprovada em janeiro de 8ª. fase com a meta de aumentar em
mais novo membro da Aliança Global 2019, que diz respeito à qualidade do cerca de 30% o volume de exportação
de Qualidade do Ambiente Interno ar interno em edificações, responsável
das empresas participantes. O projeto
(IEQ-GA). por apontar parâmetros de medição
Segundo Basile, “a participação da da qualidade do ar interno, meto- prevê a introdução de empresas bra-
Abrava como membro da FAIAR nos dologias e a manutenção das condi- sileiras em mercados internacionais
dá notoriedade e nos torna porta-voz ções para que o ar seja considerado em países da África, América Latina,
dos diversos temas tratados a res- saudável. América do Norte e Oriente Médio,
peito dos setores que representamos, A Faiar reúne associações dos seto- entre outros.
não só nacionalmente. O aceite da res de ar-condicionado e refrigeração Com a renovação do Convênio o
FAIAR como membro participante do Chile, Colômbia, Cuba, Equador, Programa, que existe desde 2004,
do IEQ-GA, credencia ainda mais as Espanha, México, Paraguai, Peru, está garantido para funcionar até
associações que a compõem junto à Portugal, República Dominicana, 2022. Segundo a gestora técnica do
comunidade técnica internacional, e Uruguai, Venezuela e Brasil. Nos pró- Programa, Leila Vasconcellos, as
credencia ainda mais a Abrava a atuar ximos meses acontecerão as comemo-
empresas possuem a oportunidade de
como a entidade nacional que fala em rações do 20° aniversário de fundação
nome do setor AVAC-R no Brasil”. da Federação. inserir seus produtos em mercados
A Abrava planeja atuar efetiva- internacionais, fornecendo visibili-
dade e aumentando a sua competiti-
vidade, além de encontrar novos par-
O papel da Aliança Global de Qualidade do ceiros comerciais. O Programa Abrava
Ambiente Interno Exporta fornecerá Informações de
Inteligência Comercial e Competitiva
O objetivo da IEQ-GA é ser fonte de vasta experiência interdisciplinar às empresas que dele participam do
global de informações, orientação interessado em estimular atividades e Programa, além de desenvolver ações
e conhecimento da qualidade do tecnologias para a melhoraria da qua- de promoção comercial através de fei-
ambiente interno (conforto térmico, lidade dos ambientes internos. ras, missões comerciais, projetos com-
“Com a participação das quatorze pradores, rodadas de negócios, entre
qualidade do ar, iluminação, acús-
associações de ar-condicionado e refri- outras, apresentando as potencialida-
tica e acessibilidade, dentre outros
geração do espaço Ibero-americano des e oportunidades dos mercados.
aspectos que garantem a garantia da
que constituem a Faiar, reunindo-se Mais informações sobre como par-
qualidade de vida dos ocupantes) dos
deste modo, um universo multidis- ticipar do Programa Abrava Exporta
edifícios, e garantir que o conheci-
ciplinar de engenheiros, arquitetos, e suas ações podem ser obtidas com
mento sobre a qualidade do ar interno
especialista e empresas, certamente Leila Vasconcellos através do e-mail
(QAI) seja implementado na realidade. abravaexporta@abrava.com.br, no
a nossa Federação será um grande
A principal vantagem da Faiar, e portal www.abravaexporta.com.br ou
contributo na pesquisa e divulgação
consequentemente da Abrava, de per- no telefone (11) 3361.7266 r.220.
da qualidade do ambiente interno
tencer à aliança de organizações inter- (A seção Abrava da revista Abrava +
para os ocupantes dos edifícios e
nacionais, onde também se incluem a locais de trabalho em todo o mundo, Climatização & Refrigeração é produ-
ASHRAE e a europeia REHVA, entre diz a Presidente da Faiar, Odete de zida com a colaboração da assessoria
outras, é colaborar com um grupo Almeida”. de comunicação da entidade).

Fevereiro 2021 ABRAVA + Climatização & Refrigeração 39


    
ar-condicionado aquecimento refrigeração ventilação qualidade do ar
associados
3A Engenharia/J2M Engenharia (79) 3022-1700   BKL Ventilação e Climatização (11) 3567-1300    Escola Técnica Profissional. ETP (41) 3332-7025   
5i Ar-condicionado (11) 3175-3175   BMS Building Maintenance (11) 4994-9126   Esfriar Refrig. Automotiva e Predial/Dendé (71) 3334-0141  
A. R. Sistemas Térmicos (11) 3816-2077  Bom Clima Ar-condicionado (15) 3222-8610    Espirodutos (21) 2666-8820 
A. Salles (21) 2567-7407    Brahex Refrigeração (51) 3751-3897  Evafrio-ADD Electronics (11) 5668-6121  
A&M Engenharia (13) 4009-0350    BRCA Engineering (11) 2925-4007    Evapco Brasil (11) 5681-2000  
AC Solution (19) 3328-2072  Brooklin Ar Condi/Multiar (11) 5505-4824  
Executiva Climatização/Bottega Silveira (47) 3081-4146/99707-3734 
Aca Indústria e Comércio (41) 3098-8686    CACR Engenhria (11) 5561-1454  
ACE Climatização e Engenharia (82) 3436-3430  Casa do Ar Climatização (71) 3205-2000  
Fancold Climatização (11) 4994-9126   
Fancold Global Cooling (11) 4994-9126  
Acorn Projetos (11) 2729-7142    CBTEC Engenharia (31) 2535-0322   
Fancold Manutenção (11) 4994-9126  
ACR Instalações Técnicas (11) 2331-1924    CD Domingues Consultoria/Ecotec (21) 99989-5386   
Acqua Plus (11) 4747-3479 Cedro Ambiental (21) 2655-4675   Fancold Montagens (11) 4994-9126  
Adriatic (11) 4472-4000   CF Engenharia (19) 3294-4845   Fancold Service (11) 4994-9126  
Aeris Qualidade do Ar (51) 3085-9777  CGgelar (11) 2386-7666   Fancold Serviços de AC (11) 4994-9126  
Aequalys Serviços (11) 3462-1221/94759-0109    Chemgard (11) 4427-6094    Finco - Fusero Ind. e Comércio (41) 3076-2015/3607-3285   
Aerovent (11) 4241-4466  Chemours 0800 110 728  FJS Consultoria e Projetos (71) 3024-2866  
Afriotherm ((11) 2344-5800   Circuito Soluções em Climatização (31) 3371-5915    Forfrio (13) 3232-7892  
Aggreko (19) 3867-6650/ 0800 7262244   Clean Air Engenharia (38) 3220-8851    Fox Engenharia (61) 2103-9555 
Air Confort (11) 5563-1621  Climaplan (11) 2068-9351    Frigelar (11) 3604-2828  
Air Minas (31) 3488-3948   Climapress Tecnol em Sist A C (11) 2095-2700  
Frimar (11) 2721-5105 
Air Plus (11) 5524-2898   Climario (21) 3078-6100
Air Shield (12) 3682-1345    Climateasy Ar-condicionado (11) 3777-4839  
Frio Master Service (31) 3458-9307   
Friotec/Frioplast (11) 2087-9923  
Air System (61) 3036-4242    Climatizar Engenharia (31) 3291-8011  
Air Time (11) 3115-3988   Clime (82) 3035-3244   Frioterm/FAM Amazônia (11) 5067-7901 
Aircold Service (71) 3022-9004   Climofrio Ar-condicionado (11) 98691-3191    FTR Projetos e Instalações (21) 2221-4705  
Airplace Climatização (11) 3448-6000   Coel (11) 2066-3211   Fujitsu General do Brasil 0300-3300000/(11) 3149-5703 
Airtemp Ar-condicionado (11) 3868-9600    Cold Control (11) 3835-3558   Full Gauge (51) 3475-3308  
Alfaterm (11) 4156-8930  Coldclima (11) 2273-7344   Fundament-Ar (11) 3873-4445   
Allegra Tecnologia (31) 3021-1144    Coldmaq Tecn Qualidade do Ar (11) 2703-8266/    FW Soluções Inteligentes (21) 98109-3031  
Almeida França (61) 3363-9112   Comis Engenharia Técnica (31) 3024-7204    Garneira Engenharia (13) 3322-7669   
Alpina Equipamentos (11) 4397-9133   Condutor/BMS Ar (11) 3783-8600   Gaspar Refrigeração (19) 2511-7500   
Alure Ar-condicionado (85) 3104-2666   Conforlab (11) 5094-6280    Glacial Refrigeração (11) 2982-5959  
AMB Serviços /Acqua Limp (21) 4102-7522   Constarco Engenharia (11) 3933-5000  
GLC Refrigeração (85) 3228-6753  
Análise Teste (11) 5585-7811   Construclima (11) 2601-2250  
Anthares Soluções (11) 5505-2900/4324-3519    ConsultAr Engenharia (21) 2233-4302  
Global Tecnologia (11) 5555-4430   
Apema (11) 4128-2577 Control Term (91) 3254-1554 GPS Neulaender (19) 3289-1293  
  
AQ Air Quality (11) 4341-6391   Daikin McQuay Brasil (11) 3123-2525  Gree do Brasil (92) 2123-6900 
Ar Frio Refrigeração (85) 3404-7817  Dala Service (11) 4163-4989  Green Solutions (11) 3637-3483  
Ar Plac (11) 2384-2510    Danfoss (11) 2135-5400   GS Ar-condicionado (85) 3281-0200  
Ar Vix Ar-condicionado (27) 3089-2277    Darmatec (47) 3627-2664    Güntner do Brasil (54) 2108-8100 
Arc Ar-condicionado (31) 3545-3081   Datum (21) 2553-4414   H2Ar Climat e Refrigeração (11) 2038-8777  
Arcomp Ar-condicionado (11) 2083-2839   Deltafrio (51) 3536-1551  Harco Engenharia (13) 3233-4284  
Arcon Brasil /Harcon Inst.Hidr. (11) 3688-1222  DGM Ar-condicionado (19) 3721-3636   Heating Cooling (11) 3931-9900  
Arcondicionatec (88) 3583-2329   Difus-Ar (11) 2605-9770   Hidrodema (11) 4053-9800  
Arconel Ar-condicionado (19) 3227-0067   Difustherm (41) 3059-8200  
Higibrag (11) 4031-6363 
Arcontemp (17) 3215-9100   DIS Comércio (11) 4858-2436 
HJL Consultoria (11) 5521-1773  
Arcontex Ar-condicionado (11) 2781-6904    DPM Dutos (11) 2227-2754 
Ideari Engenharia (18) 4104-1932  
Ardutec (11) 3731-2255   EAP Pingo Refrigeração/Speedy AC (19) 3536-3716  
Arkema Coatex Brasil (11) 2148-8552  EBM Engenharia (11) 3294-0645   Imbera (11) 3414-4864 
Armacell (48) 3211-4000 / 0800 722 5080  ebm-papst (11) 4613-8700/4613-8707  IMI Hydronic Engineering (11) 5589-0638  
Armec Climatização (11) 2081-7950    Ecocleaner / Greencleaner (21) 2436-9331  Imperador das Máquinas (91) 4005-0700   
Arneg (19) 3888-4000  Ecol Ar-condicionado (16) 99999-3258  Imperador Soluções (91) 3321-8888 
Arplan Engenharia Térmica (84) 3206-4129   Ecologic Air (11) 4401-5049   Incasol Ind Aquecedor Solar (43) 3343-1443 
Arpol (11) 3399-2514   Ecoquest do Brasil (11) 3120-6353   Infra 5 Manutenção (11) 4994-9126  
Arqui & Ar (21) 3617-7727    Ecosuporte/MP2 Gerenc. de Resíduos (19) 3621-6093   Innovative Consult. de Data Center (11) 2164-7152  
Artec Climatização (31) 3295-2120   Ekoclimax (11) 3294-6030    Inovar (19) 3328-3603  
Artech (81) 3037-8222   Elco do Brasil (11) 4701-9337   Inovar Ar (85) 3105-7575 
Artemp (71) 2107-1300  Electrolux (11) 5188-1155  
Artemp Engenharia (71) 2107-1300  
Inspenge (61) 98126-3030   
Eletel Refrigeração e Climatização (31) 3761-1444  
Isoclima (11) 3676-1810  
Ártico (47) 3334-8200  Eletrogas (38) 3671-2300  
ARV Elétricos e Refrigeração (85) 3272-7085   Elo Ar-condicionado (11) 3507-3846 
Isolev (11) 5614-8877   
Isotemp (11) 3873-4495  
Aspen HVACR Consultoria e Projetos (21) 99961-1578     Elo Máquinas e Equipamentos (15) 3232-3444 
Assistec Ar-condicionado (11) 5079-8888   Embraterm (21) 2591-2361 Isover-Saint Gobain 0800 055 3035  
 
Atac-Trein (11) 2043-3307   Emerel (92) 3641-3405   Italytec (19) 3466-8000  
Awa Ar-condicionado (11) 2639-3644   Emerson Commercial and Residential Solutions (15) 3413-8747   Ivtec Refrigeração Comercial (11) 3939-0161  
Bandeirantes Refrigeração (11) 2142-7373  Engenharia de Sist Térmicos (61) 3322-2180   JAM Engenharia (31) 3528-2333  
Belimo Brasil (11) 3643-5656  JCC Engenharia (11) 3872-6844   
Epex (47) 3331-1300  
Bellacqua (11) 99998-6655    EPT Engenharia (11) 2236-8631   JMT Projetos (11) 3768-9857 
BHP Ar-condicionado (11) 3145-7575    Equipe 3 Ar-condicionado (11) 2667-3338  Johnson Controls (11) 3475-6700  
Bitzer (11) 4617-9100  
40 ABRAVA + Climatização & Refrigeração Fevereiro 2021
associados
Johnson Controls - Hitachi /York (11) 3787-5300   Prinstarc (11) 2692-0780  Teknika (11) 3672-1657  
JS Anaya/Madasa/Belliere (11) 4409-0055  Pro-Air Brasil (11) 2690-1729  Tempo Ventilação e Ar-condicionado (11) 3928-4919  
K11 Comercial (11) 3151-5124    Projelmec (51) 3451-5100  Termacon (61) 3042-1448  
Kawar Engenharia (11) 3895-1113   Projerac (65) 3682-0791    Termax Engenharia (11) 2614-5765  
Keeva Teic HVACR (11) 4823-6986   Protherm Proj Termo-Acústicos (31) 3287-3650   Termicabrasil (11) 3666-9673   
Kelvin Ar-condicionado (11) 3864-8300   Prudente Engenharia (34) 3235-4901    Termointer/TI-New (11) 4448-5625  
Koester Climatização (48) 3257-1574    Quimital (11) 4153-8389  Termotemp (11) 3531-8267  
Koniserv (11) 98444-7878  RAC Brasil/Peroy (11) 4771-6000   Thermoingá Engenharia de Climatização (44) 3301-9305  
LA Engenharia (71) 99965-0931   RCO Soluções em Engenharia (61) 4042-3075/99981-1984   Thermon (11) 2256-5788  
Labtec Inovação (11) 96012-0592   RD Progecon (11) 3586-0422   Thermoplan (11) 3667-1195  
LBN Análises Laboratoriais (11) 3904-1932   Rearcon Ar-condicionado (16) 3382-5395  Thermopolo Com. e Serviços (19) 3025-3231  
LG Electronics do Brasil (11) 2162-5454   Reclima (11) 3721-3975  Tholz Sist Eletrônicos/BMT (51) 3598-1566 
LGA Serviços do Ar (11) 93033-6219    Refriartec (11) 4335-3127   TLDX Tecnologia em Limpeza de Dutos (11) 4262-1000 
Linter Filtros (11) 5643-4477  Refrigeração Dufrio (51) 3378-7555  Torres Engenharia (11)3042-8559 
Loti (11) 2911-9156  Refrigeração Paulo (19) 3851-3983   Tosi Indústria e Comércio (11) 4529-8900    
LS Sistemas (11) 5524-4455    Refrigeração Universal (12) 3923-1305  Trane Technologies (11) 5014-6300  
Maneng Refrigeração (11) 4474-0955   Refrin / Tempmaster (11) 3941-1263    TR-Thérmica (11) 3831-7979   
Mantest (15) 3021-3805  Refrio (19) 3897-8500  Transcalor (11) 4351-4089  
Masstin (11) 4055-8550    Rehem Serviços Automotivos (11) 2951-3139  Trimax (16) 99202-5030/3723-0977  
Mastercon Construções (21) 3149-5313/4141-0994   Rema do Brasil (11) 2036-3226   Trineva (11) 2955-9977 
Mastercool do Brasil (11) 4407-4017    RGN Engenharia (11) 3107-3982   Trox Technik (11) 3037-3900   
Masterplan (11) 5021-3911   Riberar Ar-condicionado (16) 4009-4000   Tuma Instalações Térmicas (31) 2111-0099  
Maxxi Teknica Eletrônica/Delta Sigma (11) 2955-5899    RLP Ar-condicionado (11) 3873-6553   Uniar Engenharia (11) 5503-6563  
Maxterm (61) 3202-3349   RLX Fluidos Refrigerantes (11)3090-2029 (51)3516-9479   Unyclima Ar-condicionado/CMZ (84) 3643-2114  
Mayekawa/Mycom (11) 4654-8000  RMS Group (21) 2440-8781   Uniqemi do Brasil (11) 3081-6050   
Memphis Engenharia (11) 3297-9191    Robotic Vision (21) 3495-8468    Ventbras (11) 2021-5700/2029-5700 
Metaltherm (31) 3597-0294    Royce Connect (11) 4434-8000   Vento Sul (48) 3233-1472  
Mexichem/Orbia (11) 2126-2683  S&P Brasil/ Otam (51) 3349-6363  Vetor (11) 3258-2070   
Michelena Engenharia (41) 3019-0616   Sampaio Engenharia Térmica (65) 3685-5006    Virtus Soluções (61) 99979-6009 
Microblau Autom e Controle (11) 2884-2528   Samsung (11) 5644-2793  VL Indústria (11) 2832-4000  
Midea Carrier (11) 4003-6707  São Rafael (11) 4652-7900  VMG Aires (47) 3489-7200    
Mipal (11) 4409-0500  Sattcom Tecnologia (15) 3229-7200   WA Engenharia (11) 2501-0499  
MSA Projetos e Consultoria (71) 3264-0814   Seachiller (21) 3557-8307   WA Ar Condicionado Engenharia (11) 2425-5400/ 2422-4689    
Multi Vac (11) 3835-6600    Seconar Service (11) 2687-0808   Weger (11) 4722-7675   
Munters Brasil (41) 3317-5050   Seg-Ar (16) 3289-1600 Wellness Tec (11) 4603-4365  
Newset Tecnologia (11) 2354-7900  Seimmei/Zap do Brasil (11) 4397-9000    WH Engenharia (11) 2065-0522  
Nova Global (11) 2408-9033   Serveclima (11) 4492-9999  WH Engenharia e Manutenção (11) 2065-0522  
Nosso Ar (11) 2814-9286    Serveclima Tecdutos (11) 4942-9999   Willem Scheepmaker & Assoc (11) 5181-9880   
Omni-Electronica (11) 3039-8369  Sicflux (47) 3452-3003   X Air Engenharia e Instalações (11) 2533-2221  
Oswaldo Bueno (11) 3772-6821   Sigma Engenharia/Silvio Burato Jr. (11) 98242-8715    Yawatz Engenharia (11) 3567-3977  
OTS Engenharia (69) 98406-4111    Silcar Ar-condicionado (15) 3233-2676    Zeon Refrigeração (11) 3224-6460  
Ourifino (14) 3324-5757     Sinergy (86) 3230-1351   
Oxled/Oxgás (21) 96448-4304  Solar Ar-condicionado (11) 3951-5407  
Padron Eng de Climatização (81) 2125-2380   Soluar Ar-condicionado (11) 3871-2111  
Panasonic (11) 3889-4000   Solucionar Engenharia (71) 3015-7076  
Paraná Compressores/Zeno Comercial (11) 3831-4684   Somar Engenharia (11) 3763-6964   
Pennse Controles (11) 2022-4656    Sotearcon (11) 3932-5828 
Pensar Engenharia (11) 3785-4688   SPM Engenharia (51) 3332-1188  
Phecia (91) 3245-0307    Star Center (11) 3531-5400   
Planenrac Engenharia (11) 5011-0011   Stulz Brasil Ar-condicionado (11) 4163-4989  
Plantermo Engenharia (83) 3023-0135   Super Ar (11) 2721-8788 
Polar Construindo Soluções (47) 3033-1600  Supply Marine (21) 2596-6262  
Polo Norte Refrigeração (11) 2369-9713  Systemair (11) 4591-7020  
Polyclima (84) 3221-0456   Taageero (11) 4448-5826   
Pósitron Engenharia (11) 96488-2050 TBS Express (11) 3218-0333 ASSOCIADOS HONORÁRIOS TELEFONES SEGMENTO
   
Team Air Systems (19) 2101-3000 CTMSP - Centro Tec. Marinha/SP (11) 3817-7704 / (11) 3817-7233 
Powermatic Dutos e Acess (14) 3653-9950   
Instituto Mauá de Tecnologia (11) 4239-3024/0800 019 3100 
Powertech (11) 3881-7282   Tecnitest (21) 2580-4944   NSF International (11) 5096-1580  
Pratika Instal. e Comércio (13) 3317-1319  Tecnoar (11) 2235-6761  SBCC - Soc. Bras. Controle de Contaminação (11) 2645-9105 
Prest Cold Ar-condicionado (11) 4994-9126   Tecnolatina (11) 2272-8100    UFBA - Universidade Federal da Bahia (71) 3283-5836  
Prestcom (11) 2211-2084   Tecnológica Conforto Ambiental (48) 3240-0505    UFPA/Labclima - Universidade Federal do Pará (91) 3201-7969/ (91) 3201-7000 
Prevtech Serviços Técnicos (11) 3865-1800   Tecnorac Engenharia (11) 3892-2900   UFPB - Universidade Federal da Paraíba (83) 3216-7034 
Primare Engenharia (85) 3281-9988   Tecsar Engenharia (71) 99106-5245    UFPEL - Universidade Federal de Pelotas (53) 3284-5502  
Prime SIEC (62) 3087-3385   Tecumseh do Brasil (16) 3363-7003  

Fevereiro 2021 ABRAVA + Climatização & Refrigeração 41


agenda

FEIRAS E EVENTOS 2021


JuLho Outubro
RENOMAT 2021 – 10ª. Confe- ÍNDICE DE ANUNCIANTES
SANNAR – Salão Norte- rência Internacional de Mate-
Nordeste De Ar-Condicionado e riais e Processos para Energias Apema................................................27
Refrigeração Renováveis Belimo................................................21
Recife-PE: 21 e 22 13 a 15 Castel.................................................25
Porto Alegre - RS
Chemours...........................................13
Agosto ENTRAC – Encontro Conbrava............................................37
Tecnológico de Refrigeração e Daikin.................................................05
ENTRAC – Encontro Ar-Condicionado
Tecnológico de Refrigeração e Curitiba-PR: 20 e 21
Full Gauge.............................. 4a. capa
Ar-Condicionado GTS Milano.......................................21
Goiânia - GO: 24 e 25 Novembro Multivac/MPU....................................07
Anápolis - GO: 26
Quimital..............................................15
1º. REFRICOM – Seminário de
1º. REFRICOM – Seminário de Refrigeração Comercial Tosi....................................................22
Refrigeração Comercial Rio de Janeiro - RJ: 11 e 12 Trane..................................................19
Belo Horizonte - MG: 05 e 06
Trox......................................... 2a, capa
FEBRAVA
Setembro
22 a 25
São Paulo Expo
ENTRAC – Encontro Tecno- CONBRAVA *TODOS OS EVENTOS ENTRAC,
lógico de Refrigeração e Ar- São Paulo Expo: 23 a 25 SANNAR E REFRICOM
-Condicionado SERÃO PRESENCIAIS E ONLINE
Belém – PA: 15 e 16

Auditório ABRAVA, Avenida Rio Branco, 1492 - São Paulo, SP 01206-001.Estacionamento GRATUITO com número de vagas limitado.
Informações com Samira Oliveira, pelo telefone (11) 3361-7266 ou e-mail: cursos@abrava.com.br. ATENÇÃO: Cancelamento com 72
horas de antecedência será devolvido o valor parcial da inscrição (70%).

Data Curso Local Docente Horário

12 Psicrometria Presencial e online Valter Gerner 09h - 18h

Março João Gonçalves e


13 e 14 3ª. Turma de Refrigeração Comercial Presencial e online 09h - 18h
Anthony Lins
  Projeto de Sistemas de Ar-Condicionado
22 e 23 e Ventilação – Conceitos Básicos para Presencial e online DNPC 09h - 18h
Iniciantes - DNPC 2021
24 VRF Básico Presencial e online João Agnaldo 09h - 18h
PMOC – Plano de Manutenção, Controle e
Abril 8 Presencial e online Arnaldo Parra 09h - 18h
Operação

42 ABRAVA + Climatização & Refrigeração Fevereiro 2021


Encontro Tecnológico
de Refrigeração e
Ar-Condicionado

Todos os eventos serão presenciais, obedecendo às recomendações e determinações


das autoridades sanitárias, e também online. Muito mais alcance para sua marca.

Em 2021, vamos recuperar o tempo perdido.


Reconstrua a conexão com seus clientes através
dos eventos da Nova Técnica Editorial.
XXII SANNAR – Salão Norte Nordeste de Ar, Condicionado e
Refrigeração
RECIFE, PE 21 e 22 de julho
XXII ENTRAC – Encontros Tecnológicos de Refrigeração e Ar,
Condicionado
Goiânia, GO 24 e 25 de agosto
Anápolis, GO 26 de agosto
Belém, PA 15 e 16 de setembro
Curitiba, PR 20 e 21 de outubro

I Refricom – Seminário de Refrigeração Comercial


V EN TO
NOVO E à agenda
rado
incorpo va Técnica, Belo Horizonte, BH 05 e 6 de agosto
da No amente Rio de Janeiro, RJ 11 e 12 de novembro
exclusiv para a
voltado R AÇ ÃO
E
REFRI G RC IA L
COM E

Para patrocinar e programar palestras, entre em


contato com: ronaldo@nteditorial.com.br.

Você também pode gostar