Você está na página 1de 98

FATEC CRUZEIRO

CURSO GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL- GPI


Prof.: Anibal Fernandes
anibal.fernandes@fatec.sp.gov.br
Whats (12) 99200-0667

INTRODUÇÃO À METODOLOGIA ANALYTIC HIERARCHY


PROCESS – AHP PARA AUXÍLIO NA TOMADA DE
DECISÃO GERENCIAL
https://classroom.google.com/u/0/c/MjYxMTA5NTM1MjY4
PIRÂMIDE DE PLANEJAMENTO TOMADA DE DECISÃO
PRINCIPAIS FUNÇÕES DE UM GESTOR
• PLANEJAR: observar o futuro, definir os objetivos da
instituição e a forma de alcançá-los
• ORGANIZAR: construir a estrutura social (recursos humanos) e
material (matérias-primas e operações) de uma organização
• DIRIGIR: coordenar, por meio de ferramentas como a
motivação, a orientação e a liderança, a ação dos colaboradores
para que sejam alcançadas as metas do negócio
• CONTROLE: verificar se as metas, os processos e as diretrizes
estão sendo alcançadas ou seguidas
A TOMADA DE DECISÃO É O
PROCESSO DE DECIDIR SOBRE ALGO
IMPORTANTE, ESPECIALMENTE EM UM
GRUPO DE PESSOAS OU EM UMA
ORGANIZAÇÃO.
EST TÁTICO A L
RA ION
TÉG A C
ICO E R
O QUÊ? OP

BA
INF SEADO AL
OR U
MA EM ELEMENTOS D I V I D
ÇÃ IN
O PARA A
COMO? QUEM?
TOMADA DE
CO
I V O DECISÃO LET
I T IVA
INTU

PRO D A
A OCA
TIVA O V
QUANDO? PR
SOBRE O MÉTODO PROCESSO ANALÍTICO HIERÁRQUICO (AHP)
O HOMEM É LEVADO A TOMAR DECISÕES AO LONGO DE SUA VIDA,
SEMPRE SE CONFRONTANDO COM SITUAÇÕES ONDE É NECESSÁRIO
REALIZAR ESCOLHAS

NA GRANDE MAIORIA DAS VEZES A


TOMADA DE DECISÃO É BASEADA NA
INTUIÇÃO, SENTIMENTO, EXPERIÊNCIA
OU OUTRO PARÂMETRO SUBJETIVO.

“UM PROBLEMA DE DECISÃO DO AHP MULTICRITÉRIO, ENVOLVE A


ESCOLHA DE UM NÚMERO FINITO DE ALTERNATIVAS BASEADAS NUM
CONJUNTO DE CRITÉRIOS PRÉ-SELECIONADOS.”
A TOMADA DE DECISÃO ENVOLVE A
SELEÇÃO DE UM CURSO DE AÇÃO ENTRE DUAS
OU VÁRIAS ALTERNATIVAS POSSÍVEIS, A
FIM DE SE CHEGAR A UMA SOLUÇÃO PARA UM
DETERMINADO DO PROBLEMA.

É DE FUNDAMENTAL IMPORTÂNCIA A DEFINIÇÃO


DOS CRITÉRIOS RELACIONADOS AO PROBLEMA
ÁREAS ONDE O MÉTODO AHP TEVE INÍCIO
Economia e Problemas de Gestão
Design, Arquitetura, Finanças, Marketing, Benchmarking,
Planeamento Estratégico, Seleção de Portfólio, Alocação de
Recursos, Análise de Custos e Benefícios, Análise de
Investimentos, Avaliação de Aquisições.
APLICAÇÃO DO MÉTODO AHP ATUALMENTE

• Problemas Políticos • Problemas Sociais • Problemas Tecnológicos


- Resolução de - Educação - Seleção de Mercado
Conflitos e - Medicina - Tecnologia de
Negociações - Direito Transferência
- Jogos de Guerra - Setor Público - Seleção de
- Comportamento em Fornecedores
competição - Satisfação do Cliente
- Contratação e Avaliação - Qualidade Total
de Desempenho de
Profissionais
ANALYTIC HIERARCHY PROCESS (AHP)

http://www.superdecisions.com
SOBRE O FLUXOGRAMA DAS ETAPAS DO MÉTODO AHP
INTRODUÇÃO BÁSICA DO PROCESSO ANALÍTICO HIERÁRQUICO (AHP)

8 7 8

ESPECIALISTA DO ASSUNTO
EXEMPLO INTRODUTÁRIO RELACIONADO COM UM
PROFISSIONAL QUE RECEBEU DUAS OFERTAS DE EMPREGO

CONTEXTUALIZAÇÃO
“ATUALMENTE O PROFISSIONAL RESIDE EM TAUBATÉ-SP, MAS
ESTÁ DISPOSTO A MUDAR DE CIDADE, CASO AS VANTAGENS
OFERECIDAS PARA ELE SEJAM FAVORÁVEIS.”

O PROFISSIONAL CONSIDEROU OS SEGUINTES CRITÉRIOS:


- SALÁRIO,
- OPORTUNIDADE DE PROGRESSO PROFISSIONAL,
- LOCALIZAÇÃO E
- CUSTO DE VIDA NO LOCAL DE TRABALHO.
CENÁRIO ATUAL (NOVEMBRO 2020)

DADOS RELACIONADOS COM A DECISÃO DO PROFISSIONAL


CRITÉRIOS EMPREGO 1 EMPREGO 2
C1 – SALÁRIO ATUAL R$ 9.200,00 R$ 13.800,00
C2 – OPORTUNIDADE ALTA BAIXA
PROFISSIONAL
C3- LOCALIZAÇÃO ALPHAVILLE-SP TAUBATÉ
C4- CUSTO DE VIDA ALTO MÉDIO
ETAPAS DO MÉTODO DE ANÁLISE HIERÁRQUICA DE
SAATY
CONSTRUÇÃO DA ESTRUTURA DE DECISÃO HIERÁRQUICA EM TRÊS NÍVEIS:

NÍVEL 1: OBJETIVO

NÍVEL 2: CRITÉRIOS

NÍVEL 3:
ALPHAVILLE-SP TAUBAT
ETAPAS DO MÉTODO AHP DE SAATY
CONSTRUÇÃO DAS MATRIZES DE PREFERÊNCIA PARA CADA CRITÉRIO

APÓS A CONSTRUÇÃO DA HIERARQUIA, DEVE-SE


FAZER A COMPARAÇÃO PAREADA DE CADA
ELEMENTO DOS NÍVEIS HIERÁRQUICOS,
CRIANDO-SE A MATRIZ DE DECISÃO.
C1
C2
JULGAMENTOS VIA QUESTIONÁRIO

C1 C2
ETAPAS DO MÉTODO DE ANÁLISE HIERÁRQUICA DE
SAATY
ESCALA SAATY PARA A COMPARAÇÃO PAREADA
Intensidade Definição Explicação
1 Igual importância As duas atividades contribuem igualmente para o objetivo
3 Fraca importância A experiência e o julgamento favorecem levemente uma
atividade em relação a outra
5 Forte importância A experiência e o julgamento favorecem fortemente uma
atividade em relação a outra.
7 Muito forte Uma atividade é muito fortemente favorecida em relação a
importância outra; sua dominação de importância é demonstrada na
prática.
9 Importância A evidência favorece uma actividade em relação a outra
absoluta com o mais alto grau de certeza.
2, 4, 6 e 8 Valores Quando se procura uma condição de compromisso entre
intermediários duas definições.
SOBRE OS JULGAMENTOS NA COMPARAÇÃO PAREADA

“tem + Sabor”

“tem + Sabor”
Consistência
“tem + Sabor” aceitável
CR < 0,10
MÉTODO AHP – COMPARAÇÕES PAREADAS

CRITÉRIOS EM RELACÃO OBJETIVO


AOS OBJETIVOS

C1 C2 C3 C4

A1 A2
CRITÉRIOS
C1 – SALÁRIO ATUAL
C2 – OPORTUNIDADE
PROFISSIONAL
C3- LOCALIZAÇÃO
C4- CUSTO DE VIDA

COMPARAÇÃO PAREADA ENTRE OS


CRITÉRIOS COM RELAÇÃO O OBJETIVO
QUESTIONÁRIO AO ESPECIALISTA

C1 C2

C1 C3

C1 C4

C2 C3

C2 C4

C3 C4
QUESTIONÁRIO AO
ESPECIALISTA PARA A
COMPARAÇÃO PAREADA
ENTRE OS CRITÉRIOS COM
RELAÇÃO O OBJETIVO
CÁLCULO DA MATRIZ PAREADA DE CRITÉRIOS EM RELAÇÃO AOS OBJETIVOS
UTILIZANDO O EXCEL PARA OS CÁLCULOS

n= No elementos
da Matriz
CI = 4,253 - 4 = 0,084
n= 4 4-1

CR = 0,084 = 0,093
0,9

OS JULGAMENTOS ESTÃO COERENTES


COMPARAÇÃO DOS RESULTADOS DA PLANILHA PLANILHA
COM O SOFTWARE SUPER DECISIONS
COLOCAR OS PESOS CALCULADOS NA HIERARQUIA

0,07 0,62 0,21 0,11


C1 C2 C3 C4

A1 A2
MÉTODO AHP – COMPARAÇÕES PAREADAS

ALTERNATIVAS EM OBJETIVO
RELACÃO AO CRITÉRIO C1

C1 C2 C3 C4

A1 A2
EM RELAÇÃO AO CRITÉRIO C1, QUAL É A RELAÇÃO DE INTENSIDADE ENTRE A1 E A2?
A1 A2

OS JULGAMENTOS ESTÃO COERENTES


COLOCAR OS PESOS NA HIERARQUINA DE C1 EM RELAÇÃO ÀS
ALTERNATIVAS

0,07 0,62 0,21 0,11


C1 C2 C3 C4

0,86
0,14

A1 A2
MÉTODO AHP – COMPARAÇÕES PAREADAS

ALTERNATIVAS EM OBJETIVO
RELACÃO AO CRITÉRIO C2

C1 C2 C3 C4

A1 A2
EM RELAÇÃO AO CRITÉRIO C2, QUAL É A RELAÇÃO DE INTENSIDADE ENTRE A1 E A2?
A1 A2

OS JULGAMENTOS ESTÃO COERENTES


COLOCAR OS PESOS NA HIERARQUINA DE C2 EM RELAÇÃO ÀS ALTERNATIVAS

0,07 0,62 0,21 0,11


C1 C2 C3 C4

0,86 0,11
0,14
0,89

A1 A2
MÉTODO AHP – COMPARAÇÕES PAREADAS

ALTERNATIVAS EM OBJETIVO
RELACÃO AO CRITÉRIO C3

C1 C2 C3 C4

A1 A2
EM RELAÇÃO AO CRITÉRIO C3, QUAL É A RELAÇÃO DE INTENSIDADE ENTRE A1 E A2?
A1 A2

OS JULGAMENTOS ESTÃO COERENTES


OS JULGAMENTOS ESTÃO COERENTES
COLOCAR OS PESOS NA HIERARQUIA DE C2 EM RELAÇÃO ÀS ALTERNATIVAS

0,07 0,62 0,21 0,11


C1 C2 C3 C4

0,86 0,11 0,17


0,14
0,89 0,83

A1 A2
MÉTODO AHP – COMPARAÇÕES PAREADAS

ALTERNATIVAS EM OBJETIVO
RELACÃO AO CRITÉRIO C4

C1 C2 C3 C4

A1 A2
EM RELAÇÃO AO CRITÉRIO C4, QUAL É A RELAÇÃO DE INTENSIDADE ENTRE A1 E A2?
A1 A2

OS JULGAMENTOS ESTÃO COERENTES


OS JULGAMENTOS ESTÃO COERENTES
COLOCAR OS PESOS NA HIERARQUINA DE C2 EM RELAÇÃO ÀS ALTERNATIVAS

0,07 0,62 0,21 0,11


C1 C2 C3 C4

0,86 0,11 0,17 0,80 0,20


0,14
0,89 0,83

A1 A2
CALCULAR OS PESOS FINALS DAS ALTERNATIVAS 1 E 2

0,07 0,62 0,21 0,11


C1 C2 C3 C4

0,86 0,11 0,17 0,80 0,20


0,14
0,89 0,83

CÁLCULO FINAL

0,68 0,32
O PROFISSIONAL
DEVE OPTAR PELO A1 A2
A1 = 0,07 *0,14 + 0,62*0,89 + 0,21*0,17 + 0,11 *0,8 = 0,68
EMPREGO 1
A2 = 0,07 *0,86 + 0,62*0,11 + 0,21*0,83 + 0,11 *0,2 = 0,32
COMPARAÇÃO DOS RESULTADOS DA PLANILHA
COM O SOFTWARE SUPER DECISIONS

A ALTERNATIVA A2 ESTÁ 45,96% EM RELAÇÃO À ALTERNATIVA


IDEAL
TOMADA DE DECISÃO UTILIZANDO O SOFTWARE SUPER DECISIONS

http://www.superdecisions.com/
Tomada de decisão relacionada
ATIVIDADE DA SEMANA ao posicionamento frente aos
problemas na gerados pela
Objetivo Covid-19

NÍVEL 1 - OBJETIVOS

C1 C2 C3 C4
Recessão Pressão Colapso
Fake News
Econômica Empresarial Hospitalar

NÍVEL 2 - CRITÉRIOS

A1 A2
Restrição ao uso
A3
Isolamento de Veículos na Aplicação de
Social Parcial cidade Lockdown
NÍVEL 3 -
ALTERNATITIVAS
APÓS A MODELAGEM,
PRECISAMOS REALIZAR OS
JULGAMENTOS ATRAVÉS
1o A IMPORTÂNCIA DOS CRITÉRIOS
DOS QUESTIONÁRIOS
EM RELACAO AO OBJETIVO
INTENSIDADE GRAU DE IMPORTÂNCIA EXPLICAÇÃO

COMPARAÇÃO PAREADA 1 IGUAL CONTRIBUEM IGUALMENTE


3 FRACA LEVEMENTE FAVORECIDO
ENTRE OS CRITÉRIOS EM
5 FORTE FORTEMENTE FAVORECIDO
RELAÇÃO AO OBJETIVO
7 MUITO FORTE DOMINAÇÃO DEMONSTRADA
9 ABSOLUTA MAIS ALTO GRAU DE CERTEZA
2, 4, 6 ,8 VALORES INTERMEDIÁRIOS COMPROMISSO ENTRE AS PARTES
APÓS A MODELAGEM,
PRECISAMOS REALIZAR OS 2o A IMPORTÂNCIA DAS
JULGAMENTOS ATRAVÉS ALTERNATIVAS EM RELACAO A
DOS QUESTIONÁRIOS CADA UM DOS CRITÉRIOS

Exemplo
para C1
COMO FICOU ENTÃO A MATRIZ DA COMPARAÇÃO PAREADA
ENTRE O CRITÉRIO C1 E AS ALTERNATIVAS
INTENSIDADE GRAU DE IMPORTÂNCIA EXPLICAÇÃO
1 IGUAL CONTRIBUEM IGUALMENTE
3 FRACA LEVEMENTE FAVORECIDO
5 FORTE FORTEMENTE FAVORECIDO
7 MUITO FORTE DOMINAÇÃO DEMONSTRADA
9 ABSOLUTA MAIS ALTO GRAU DE CERTEZA
2, 4, 6 ,8 VALORES INTERMEDIÁRIOS COMPROMISSO ENTRE AS PARTES

ALTERNATIVAS
A1- ISOLAMENTO A1 A2
SOCIAL PARCIAL EM RELAÇÃO
A2-RESTRIÇÃO AO USO A C1 A1 A3
DE VEÍCULOS NA CIDADE
A3- APLICAÇÃO DE A2 A3
LOCKDOWN
INTENSIDADE GRAU DE IMPORTÂNCIA EXPLICAÇÃO

COMPARAÇÃO PAREADA 1 IGUAL CONTRIBUEM IGUALMENTE


3 FRACA LEVEMENTE FAVORECIDO
ENTRE AS ALTERNATIVAS
5 FORTE FORTEMENTE FAVORECIDO
COM RELAÇÃO AO
7 MUITO FORTE DOMINAÇÃO DEMONSTRADA
CRITÉRIO C1
9 ABSOLUTA MAIS ALTO GRAU DE CERTEZA
2, 4, 6 ,8 VALORES INTERMEDIÁRIOS COMPROMISSO ENTRE AS PARTES
APÓS A MODELAGEM,
PRECISAMOS REALIZAR OS 2o A IMPORTÂNCIA DAS
JULGAMENTOS ATRAVÉS ALTERNATIVAS EM RELACAO A
DOS QUESTIONÁRIOS CADA UM DOS CRITÉRIOS

Exemplo
para C2
COMO FICOU ENTÃO A MATRIZ DA COMPARAÇÃO PAREADA
ENTRE O CRITÉRIO C2 E AS ALTERNATIVAS
INTENSIDADE GRAU DE IMPORTÂNCIA EXPLICAÇÃO
1 IGUAL CONTRIBUEM IGUALMENTE
3 FRACA LEVEMENTE FAVORECIDO
5 FORTE FORTEMENTE FAVORECIDO
7 MUITO FORTE DOMINAÇÃO DEMONSTRADA
9 ABSOLUTA MAIS ALTO GRAU DE CERTEZA
2, 4, 6 ,8 VALORES INTERMEDIÁRIOS COMPROMISSO ENTRE AS PARTES

ALTERNATIVAS
A1- ISOLAMENTO A1 A2
SOCIAL PARCIAL EM RELAÇÃO
A2-RESTRIÇÃO AO USO A C2 A1 A3
DE VEÍCULOS NA CIDADE
A3- APLICAÇÃO DE A2 A3
LOCKDOWN
INTENSIDADE GRAU DE IMPORTÂNCIA EXPLICAÇÃO

COMPARAÇÃO PAREADA 1 IGUAL CONTRIBUEM IGUALMENTE


3 FRACA LEVEMENTE FAVORECIDO
ENTRE AS ALTERNATIVAS
5 FORTE FORTEMENTE FAVORECIDO
COM RELAÇÃO AO
7 MUITO FORTE DOMINAÇÃO DEMONSTRADA
CRITÉRIO C2
9 ABSOLUTA MAIS ALTO GRAU DE CERTEZA
2, 4, 6 ,8 VALORES INTERMEDIÁRIOS COMPROMISSO ENTRE AS PARTES
APÓS A MODELAGEM,
PRECISAMOS REALIZAR OS 2o A IMPORTÂNCIA DAS
JULGAMENTOS ATRAVÉS ALTERNATIVAS EM RELACAO A
DOS QUESTIONÁRIOS CADA UM DOS CRITÉRIOS

Exemplo
para C3
COMO FICOU ENTÃO A MATRIZ DA COMPARAÇÃO PAREADA
ENTRE O CRITÉRIO C3 E AS ALTERNATIVAS
INTENSIDADE GRAU DE IMPORTÂNCIA EXPLICAÇÃO
1 IGUAL CONTRIBUEM IGUALMENTE
3 FRACA LEVEMENTE FAVORECIDO
5 FORTE FORTEMENTE FAVORECIDO
7 MUITO FORTE DOMINAÇÃO DEMONSTRADA
9 ABSOLUTA MAIS ALTO GRAU DE CERTEZA
2, 4, 6 ,8 VALORES INTERMEDIÁRIOS COMPROMISSO ENTRE AS PARTES

ALTERNATIVAS
A1- ISOLAMENTO A1 A2
SOCIAL PARCIAL EM RELAÇÃO
A2-RESTRIÇÃO AO USO A C3 A1 A3
DE VEÍCULOS NA CIDADE
A3- APLICAÇÃO DE A2 A3
LOCKDOWN
INTENSIDADE GRAU DE IMPORTÂNCIA EXPLICAÇÃO

COMPARAÇÃO PAREADA 1 IGUAL CONTRIBUEM IGUALMENTE


3 FRACA LEVEMENTE FAVORECIDO
ENTRE AS ALTERNATIVAS
5 FORTE FORTEMENTE FAVORECIDO
COM RELAÇÃO AO
7 MUITO FORTE DOMINAÇÃO DEMONSTRADA
CRITÉRIO C3
9 ABSOLUTA MAIS ALTO GRAU DE CERTEZA
2, 4, 6 ,8 VALORES INTERMEDIÁRIOS COMPROMISSO ENTRE AS PARTES
APÓS A MODELAGEM,
PRECISAMOS REALIZAR OS 2o A IMPORTÂNCIA DAS
JULGAMENTOS ATRAVÉS ALTERNATIVAS EM RELACAO A
DOS QUESTIONÁRIOS CADA UM DOS CRITÉRIOS

Exemplo
para C4
COMO FICOU ENTÃO A MATRIZ DA COMPARAÇÃO PAREADA
ENTRE O CRITÉRIOS C4 E AS ALTERNATIVAS
INTENSIDADE GRAU DE IMPORTÂNCIA EXPLICAÇÃO
1 IGUAL CONTRIBUEM IGUALMENTE
3 FRACA LEVEMENTE FAVORECIDO
5 FORTE FORTEMENTE FAVORECIDO
7 MUITO FORTE DOMINAÇÃO DEMONSTRADA
9 ABSOLUTA MAIS ALTO GRAU DE CERTEZA
2, 4, 6 ,8 VALORES INTERMEDIÁRIOS COMPROMISSO ENTRE AS PARTES

ALTERNATIVAS
A1- ISOLAMENTO A1 A2
SOCIAL PARCIAL EM RELAÇÃO
A2-RESTRIÇÃO AO USO A C4 A1 A3
DE VEÍCULOS NA CIDADE
A3- APLICAÇÃO DE A2 A3
LOCKDOWN
INTENSIDADE GRAU DE IMPORTÂNCIA EXPLICAÇÃO

COMPARAÇÃO PAREADA 1 IGUAL CONTRIBUEM IGUALMENTE


3 FRACA LEVEMENTE FAVORECIDO
ENTRE AS ALTERNATIVAS
5 FORTE FORTEMENTE FAVORECIDO
COM RELAÇÃO AO
7 MUITO FORTE DOMINAÇÃO DEMONSTRADA
CRITÉRIO C4
9 ABSOLUTA MAIS ALTO GRAU DE CERTEZA
2, 4, 6 ,8 VALORES INTERMEDIÁRIOS COMPROMISSO ENTRE AS PARTES
RANKING FINAL ENTRE AS ALTERNATIVAS
CADEIA DE ABASTECIMENTO – MANUFATURA - DISTRIBUIÇÃO
RANKING DA CADEIA DE FORNECEDORES

NOSSA TAREFA É MONTAR A


ESTRUTURA HIERÁRQUICA AHP

Goal NÍVEL 1

CRITÉRIOS C1 C2 C3 C4 .......... Cn
NÍVEL 2

ALTERNATIVA ..........
A1 A2 A3 An
NÍVEL 3
1º PARTE: DEFINIÇÃO DOS CRITÉRIOS PARA SELEÇÃO DE
FORNECEDORES

• “Histórico da empresa no mercado. ...”


• “Saúde financeira do fornecedor. ...”
• “Capacidade produtiva. ...”
• “Nível de adoção de boas práticas. ...”
• “Competências em gestão da inovação. ...”
• “Custos e flexibilidade...”
1º PARTE: DEFINIÇÃO DOS CRITÉRIOS PARA SELEÇÃO DE
FORNECEDORES

• “Qualidade”
• “Preço”
• “Histórico” ESPECIALISTAS SOBRE O
• “Clientes” TEMA
• “Serviços”
• “Posicionamento”
• “Atualização”
• “Estabilidade financeira”
Associação Brasileira de Engenharia
de Produção (ABEPRO)

•− Preço. Empresas que optem por competir, utilizando


uma estratégia baseada apenas no menor preço, terão
seu lucro ou retorno financeiro constantemente sobre
pressão do mercado. O processo de seleção de
fornecedores deve considerar também outros fatores
como qualidade, cultura organizacional e confiança.
Associação Brasileira de Engenharia
de Produção (ABEPRO)
•− Qualidade. É fundamental preservar, na terceirização,
a qualidade e garantir a melhoria contínua. Se houver
qualquer possibilidade de que a qualidade dos serviços
ou produtos venha a ser comprometida ou sofrer
prejuízos, a terceirização não é racional. Qualidade
mantém a satisfação do cliente, a motivação do
empregado e, em conseqüência, a produtividade com
qualidade.
Associação Brasileira de Engenharia
de Produção (ABEPRO)

•− Desempenho das Entregas. O desempenho das


entregas é analisado a partir de duas características:
velocidade e confiabilidade. Velocidade, neste caso, é o
tempo gasto por uma empresa para completar a
execução de um pedido e confiabilidade é a capacidade
da empresa em realizar a entrega conforme combinado.
Associação Brasileira de Engenharia
de Produção (ABEPRO)
•− Flexibilidade. Antes de se escolher um parceiro é
importante certificar-se de que este é capaz de
responder de forma adequada às flutuações de
demanda da empresa contratante.

Empresas que possam se ajustar às necessidades e


especificações com maior rapidez e precisão trarão
melhores benefícios.
Associação Brasileira de Engenharia
de Produção (ABEPRO)
•− Análise Financeira dos Concorrentes. Apenas empresas
financeiramente saudáveis, e com boa reputação e posição no
mercado estarão aptas a cumprirem com seus compromissos
com a empresa contratante. Sejam estes compromissos
relativos à confiabilidade das entregas, a qualidade de produtos
ou serviços, a manutenção do custo de acordo com o
negociado, a capacidade de desenvolvimento e implementação
de melhorias, a manutenção de equipe técnica, equipamentos
e instalações adequadas, e principalmente a perspectiva de
parceria em longo prazo.
Associação Brasileira de Engenharia
de Produção (ABEPRO)

•− Análise de Critérios Administrativos. A empresa


selecionada deve estar legalmente constituída para
atuar no ramo de atividade terceirizada, com
capacitação técnica e administrativa.

A mão-de-obra deve ser especializada, adequadamente


remunerada, com os direitos trabalhistas respeitados e
subordinar-se, exclusivamente, à empresa contratada.
Associação Brasileira de Engenharia
de Produção (ABEPRO)
•− Análise de Competências Essenciais. Só com
parceiros fornecedores que tenham competência
essencial para a atividade que lhes é repassada, as
empresas podem esperar a busca por soluções
criativas/inovadoras, pelo aperfeiçoamento constante dos
processos de produção, e pela integração de novas
técnicas e metodologias. A competência essencial para
uma dada atividade pressupõe a capacidade de
transferência, de aprendizagem e de adaptação.
Associação Brasileira de Engenharia
de Produção (ABEPRO)

•− Aspectos Relativos à Segurança e Meio-ambiente.


A segurança é uma questão fundamental e não dá para
tratar de empresa excelente, parceria e competitividade
se esta questão não for encarada de forma estratégica.
VAMOS ESTRUTURAR NOSSO
ESTUDO DE CASO NA
METODOLOGIA AHP, COM O
SOFTWARE SUPERDECISIONS

http://www.superdecisions.com/downloads/
APÓS A ELABORAÇÃO DA ESTRUTURA AHP E CONEXÕES
COM RELAÇÃO AO CRITÉRIO “SABOR” QTO QUE A MAÇÃ É MAIS IMPORTANTE QUE A BANANA?

TABELA SAATY PARA OS JULGAMENTOS


PAREADOS
FAZER A COMPARAÇÃO
PAREADA ENTRE OS TODOS
OS CRITÉRIOS COM
RELAÇÃO AO OBJETIVO
TABELA SAATY PARA OS JULGAMENTOS
PAREADOS
TABELA SAATY PARA OS JULGAMENTOS
PAREADOS
TABELA SAATY PARA OS JULGAMENTOS
PAREADOS
TABELA SAATY PARA OS JULGAMENTOS
PAREADOS
TABELA SAATY PARA OS JULGAMENTOS
PAREADOS
TABELA SAATY PARA OS JULGAMENTOS
PAREADOS
TABELA SAATY PARA OS JULGAMENTOS
PAREADOS
TABELA SAATY PARA OS JULGAMENTOS
PAREADOS
TABELA SAATY PARA OS JULGAMENTOS
PAREADOS
TABELA SAATY PARA OS JULGAMENTOS
PAREADOS
TABELA SAATY PARA OS JULGAMENTOS
PAREADOS
> > CR <= 0,10 Consistência
CR = Consistency Ratio
ALTERNATIVA C1-QUALIDADE C2-PRAZO C3-FLEXIBILIDADE C1-PREÇO C5-PERFIL
S
FORNECEDOR A
FORNECEDOR B
FORNECEDOR C
FORNECEDOR D
FORNECEDOR E

“UMA DAS RESPONSABILIDADES


DO GESTOR É A ANÁLISE E
INTERPRETAÇÃO DOS DADOS
HISTÓRICOS DOS PARCEIROS,
VISANDO O LEVANTAMENTO DE
TENDÊNCIAS COM RELAÇÃO AOS
CRITÉRIOS SOB INVESTIGAÇÃO.”
FAZER A COMPARAÇÃO
PAREADA ENTRE OS TODAS
AS ALTERNATIVAS COM
RELAÇÃO A TODOS OS
CRITÉRIOS
CR <= 0,10 Consistência
CR <= 0,10 Consistência
CR <= 0,10 Consistência
CR <= 0,10 Consistência
CR <= 0,10 Consistência
RESULTADO:
RANKING
RESULTADO:
RANKING
EM QUAL ESTUDO DE CASO A ESTRUTURA AHP ABAIXO PODE SER UTILIZADA?
CONCLUSÃO SOBRE O MÉTODO AHP
HÁ VÁRIOS MÉTODOS PARA AUXÍLIO NA TOMADA DE DECISÃO
ESTE CURSO FOI UMA INTRODUÇÃO AO MÉTODO AHP
DESTAQUES
IMPORTANTES:
DEFINIÇÃO DE CRITÉRIOS “COERENTES” COM O PROBLEMA
DIRECIONAR O QUESTIONÁRIO PARA ESPECIALISTAS
O SOFTWARE SUPER DECISIONS TEM VÁRIOS RECURSOS
(EX. ANÁLISE DE SENSIBILIDADE) QUE SERÁ EXPLORADO EM
OUTRA OPORTUNIDADE

Você também pode gostar