Você está na página 1de 15

A. A. Carminatto, C. Matuck, E. Farraboti, F. A. C. Adami; J. A. Klein, M. G. F. Santos, W.

Barrella

Deposição dos resíduos sólidos em diferentes marés nas praias de


Santos- SP, Brasil

Amanda Aparecida Carminatto1,2; Carlos Matuck1; Edineia Farraboti1,2;


Fabiola Andrea Chofard Adami1; Janaina Alves Klein1;
Maria das Graças Freitas dos Santos1; Walter Barrella1

1
Universidade Santa Cecília – UNISANTA
2
Bolsista CAPES

Resumo
Foram caracterizados e quantificados resíduos sólidos depositados na faixa entremarés
nas praias de Santos, SP-Brasil. As praias são comumente impactadas pela deposição do
lixo deliberadamente descartado nesse ambiente pela população e pelo lixo marinho que
é trazido até a praia através do movimento natural das marés. A metodologia foi
aplicada numa área de 33 mil metros quadrados, na estação verão, alta temporada e em
maré de quadratura. Foram realizadas duas amostragens, uma na maré baixa e outra na
maré alta. A quantidade de resíduos de material plástico encontrado resulta em impacto
negativo à sustentabilidade dos recursos costeiros e marinhos. Através de testes
estatísticos dos dados coletados foram avaliadas as diferenças absolutas e a soma da
abundância de cada item e em cada uma das praias amostradas, e por análise de
agrupamento foram identificadas as similaridades e dissimilaridades entre elas. Foi
constatada a presença de resíduos em abundância nas praias estudadas e a mensuração
de sua distribuição em condições diferenciadas. Utilizou-se o índice Bray Curtis e a
análise de Kruskall Wallis para essas análises, tendo sido identificados três grupos
semelhantes de distribuição destes resíduos, do que se denota além do lixo descartado
deliberadamente nas praias, as influências do movimento hidrodinâmico entre a região
estuarina e a costa, agravando a deposição. Assim discute-se diferenças entre as praias,
os resíduos encontrados em preamar e baixa mar, a interferência dos órgãos
competentes para a ação local e a conscientização dos munícipes e turistas.

Palavras-chave: resíduos sólidos, praias, marés, deposição, orgânico, antrópicos.

Abstract
Solid wastes deposited in the intertidal zone on the beaches of Santos, SP-Brazil were
characterized and quantified. The beaches are normally, impacted by garbage disposal
deliberately discarded in the environment by the population and the marine garbage that
is brought to a beach through the natural movement of the tides. The methodology
chosen was applied in an area of 33 thousand square meters, in the summer season, high
season and in quadrature tide. Two samplings were performed, one at low tide and the
other at high tide. The amount of plastic material waste found results in a negative
impact on the sustainability of coastal and marine resources. Through statistical tests of
the data collected, the absolute differences were evaluated plus the sum of the
abundance of each item and in each one of the sampled beaches, and by cluster analysis
were identified as similarities and dissimilarities between them. It was verified a
UNISANTA Bioscience Vol. 6 nº 4 (2017) p. 233 - 247 Página 233
A. A. Carminatto, C. Matuck, E. Farraboti, F. A. C. Adami; J. A. Klein, M. G. F. Santos, W. Barrella

presence of abundant residues in the studied beaches and the measurement of their
distribution under different conditions. The Bray Curtis index and Kruskal Wallis
analysis were used for these analyzes. Three similar distribution groups were identified
for these residues, which is denoted as well as the deliberately discarded garbage on the
beaches as influences of the hydrodynamic movement between the estuarine and coastal
regions, aggravating the deposition. Thus it is discussed the differences between
beaches, the waste found in preamar and low sea, the interference of the competent
organs for a local action and an awareness of the municipalities and tourists.

Keywords: solids residues, beaches, tides, deposition, organic, anthropic.

UNISANTA Bioscience Vol. 6 nº 4 (2017) p. 233 - 247 Página 234


A. A. Carminatto, C. Matuck, E. Farraboti, F. A. C. Adami; J. A. Klein, M. G. F. Santos, W. Barrella

Introdução estético e representando uma ameaça à


saúde e segurança dos banhistas e à toda
Os resíduos sólidos são restos a forma de vida (WIDMER et al.,
nos estados sólido e semissólido, 2004).
provenientes de atividades A cidade de Santos encontra-se
antropogênicas (ABNT, 2004). Grande no litoral paulista e se destaca pelas
parte desses resíduos sólidos é formada praias divididas por canais. Os canais
por materiais sintéticos cujos processos são conhecidos por terem solucionados
de degradação são mais lentos do que os graves problemas de saneamento da
aqueles de origem orgânica, o que cidade no início do século XX e foi
permite que permaneçam mais tempo projetado pelo engenheiro sanitarista
poluindo o ambiente (ANDRADE- Francisco Rodrigues Saturnino de Brito
NETO, 2010). Assim, os estudos dos (PEDROSA et al., 2016).
impactos decorrentes da interferência Dentro desse contexto, o
humana, demonstram o estado de objetivo do presente estudo foi observar
conservação e o nível de a deposição de resíduos sólidos na faixa
vulnerabilidade dos ambientes. entremarés nas praias de Santos,
A presença dos resíduos sólidos durante os estofos de maré baixa e alta,
em ambientes marinhos pode provocar bem como compará-las entre si.
danos aos organismos que neles vivem, Diagnosticar o impacto e origem destes
além daqueles causados nos processos resíduos com a finalidade de contribuir
ecossistêmicos (ARAÚJO, 2008; para as práticas preventivas destinadas a
SILVA et al., 2008). A ocorrência de conservação ambiental. Assim como
lixo em áreas costeiras tem sido verificar os dispositivos legais que
reportada por pesquisadores em vários preveem a proteção do ambiente
países, sendo recorrente inclusive no marinho e sua real aplicabilidade para a
Brasil onde é destacada como uma redução da poluição ambiental.
ameaça crescente (COE; ROGERS,
2000; SANTOS et al., 2005; ARAÚJO; Material e Métodos
COSTA, 2007; MOORE, 2008).
Os organismos marinhos mais A cidade de Santos localiza-se
atingidos pelos resíduos sólidos são no Estado de São Paulo, nas
aqueles que tendem a confundi-lo como coordenadas geográficas em latitude:
fonte de alimento. Tartarugas marinhas, 23º 57' 39" S, longitude: 46º 20' 01" W,
mamíferos e aves marinhas podem com área de 280,9 Km2 (área total do
ingerir esse lixo confundindo-o com município parte insular e parte
suas presas o que acaba por continental) possuindo uma população
comprometer o seu sistema digestivo, estimada pelo IBGE em 2016 de
levando à morte por inanição, 434.359 habitantes. De acordo com a
sufocamento ou emaranhamento Prefeitura Municipal, cerca de 191,2
(ANDRADE-NETO, 2010). quilogramas de pequenos lixos são
Praias são ambientes recolhidos diariamente por 7
tipicamente contaminados pelos quilômetros de extensão de praia
resíduos sólidos, afetando seu valor (PREFEITURA MUNICIPAL DE

UNISANTA Bioscience Vol. 6 nº 4 (2017) p. 233 - 247 Página 235


A. A. Carminatto, C. Matuck, E. Farraboti, F. A. C. Adami; J. A. Klein, M. G. F. Santos, W. Barrella

SANTOS, 2017). trecho de praia entre Emissário


Para o presente trabalho, foi Submarino e canal 2), Praia do Gonzaga
considerada a seguinte divisão dos (do Canal 2 ao Canal 3), Praia do
canais de Santos (figura 1), Praia do Boqueirão (do Canal 3 ao Canal 4),
José Menino (da divisão administrativa Praia do Embaré (do Canal 4 ao Canal
de São Vicente até o Emissário 5) e Praia da Aparecida e Ponta da Praia
Submarino), Emissário Submarino (o (do Canal 5 ao Canal 7).

Figura 1 - Localização dos trechos onde foram realizados os transectos (em amarelo) nas praias de
Santos, da Praia do José Menino até a Ponta da Praia - Santos/SP. JM= José Menino, EM= Emissário
Submarino, GO= Gonzaga, EMB=Embaré e APPP= Aparecida e Ponta da Praia. Fonte: Adaptado do
Google Earth.

A pesquisa foi realizada num dia equipes, onde cada equipe percorreu um
de verão, em alta temporada, sem trecho de praia, ao mesmo tempo, nos
registro de chuvas na semana que mesmos horários de estofo de marés,
antecedeu as coletas e o mar sob para obter informações sincronizadas
influência de uma lua de quadratura. A sobre a deposição dos resíduos sólidos
coleta se deu no dia 09 de março de ao longo de todas praias de Santos.
2017, durante o estofo de maré baixa Os transectos foram definidos a
(período matutino 07:26h) e estofo de partir do limite das águas do mar na
maré alta (período vespertino 13:41h), praia, popularmente conhecida como a
compreendendo a faixa entremarés. ”linha do deixa”, percorrendo toda
Os autores se dividiram em extensão da praia, aproximadamente

UNISANTA Bioscience Vol. 6 nº 4 (2017) p. 233 - 247 Página 236


A. A. Carminatto, C. Matuck, E. Farraboti, F. A. C. Adami; J. A. Klein, M. G. F. Santos, W. Barrella

5.500 metros, perfazendo um total de 33 foi utilizado o programa PAST 3.14


mil metros quadrados de área (HAMMER et al., 2001).
percorrida.
Foram quantificados os resíduos Resultados e discussão
localizados dentro de uma faixa de 3
metros para cada lado do transecto, Foram identificados 20 itens de
sendo considerados os resíduos sólidos diferentes tipos de resíduos nos trechos
com tamanho superior a 2 cm. Além das praias estudadas. Dentre os resíduos
disso, o material encontrado foi de origem orgânica, foram encontrados
classificado e fotografado. organismos pertencentes aos Filos
Em laboratório analisou-se a Chordata: peixe e tartaruga,
abundância dos tipos de resíduos e a Equinodermata: estrela-do-mar e
ocorrência dos mesmos em marés baixa bolacha-do-mar, Mollusca: bivalve e
e alta. Para comparar as praias estudas gastrópode e Cnidário: água-viva. Para
quanto a deposição dos resíduos, vegetação foram consideradas as folhas,
utilizou-se uma análise univariada não galhos, propágulos, sementes e restos de
paramétrica de Kruskal-Wallis. Em alimentos. Dentre os resíduos de origem
seguida os dados foram ordenados antrópica, foram encontrados: cigarro,
através de uma análise de componente corda, isopor, madeira (proveniente de
principal para verificar a correlação resto de móveis e cascos de
entre as praias e os tipos de resíduos embarcações), metal, mineral (pedra
encontrados nelas. E por fim, uma ornamental e brita), nylon, papel,
análise multivariada de agrupamento tecido, espuma, vidro, borracha,
hierárquico de Cluster para identificar plástico duro (tampas, garrafas, copo
similaridades e dissimilaridades entre as etc.) e plástico mole (sacolas e
praias em relação a deposição dos embalagens em geral), conforme figura
resíduos. 2.
Para essas análises estatísticas

Figura 2. Resíduos de origem orgânica e antropogênica encontrados na faixa entremarés das praias de
Santos, SP.

UNISANTA Bioscience Vol. 6 nº 4 (2017) p. 233 - 247 Página 237


A. A. Carminatto, C. Matuck, E. Farraboti, F. A. C. Adami; J. A. Klein, M. G. F. Santos, W. Barrella

A ocorrência numérica dos enchentes e vazantes, dos Canais de São


resíduos antrópicos e orgânicos Vicente e de Bertioga fazem com que
encontrados nas praias de Santos ocorram o encontro das águas. A
totalizou 15.873 itens, sendo eles: movimentação da maré nas áreas rasas e
12.738 na maré baixa e 3.135 na maré a rotação anti-horária das correntes na
alta. É perceptível que a abundância de região costeira contribui para a
itens prevaleceu na maré baixa cerca de quantidade de vegetação encontrada na
80,25%, enquanto a maré alta exibiu praia.
inferioridade numérica de 19,75%. A bolacha-do-mar é um
Dentre a abundância relativa dos organismo adaptado às condições locais
resíduos presentes nas faixas e desempenha importante papel na
entremarés, podemos destacar os reciclagem de matéria orgânica que
orgânicos como os mais representativos, chega em grande quantidade pelo
destacando os moluscos (9.507= 59%), sistema estuarino. Vivem
seguidos da vegetação (4.289= 27%) e semienterradas na areia em busca de
equinodermos (920= 5,8%). Os alimento; ocorre desde os Estados
moluscos, classificados como conchas Unidos até o sul do Brasil. A
de bivalves e de gastrópodes, são quantidade de bolachas-do-mar mortas
organismos normalmente encontrados encontradas nesta faixa de areia é
nesta faixa de areia, pois podem ser justificada pelo fato de ser um animal
encontrados enterrados vivos na comumente lançado na beira da praia
superfície, onde também se depositam pelas ondas e correntes, durante a maré
conchas dos organismos mortos. São alta ou tempestade, e acabam morrendo
predadores e filtradores bastantes pela falta de umidade, permanecendo na
especializados para sobreviver nessa areia da praia apenas sua carapaça
zona. (RIOS, 1994; CORTÉS; calcária (VALENTE, 2006;
NAROSKY, 1997; THOMÉ et al., SCHROEDER, 2001; SEELIGER et al.,
2004; SCHROEDER, 2001; 2004; GIANUCA, 1998).
SEELIGER et al., 2004). Dentre os resíduos de origem
As folhas, galhos, propágulos e antropogênica, destacam-se os plásticos
sementes classificados como vegetação, como os mais numerosos (723= 4,56%),
são comumente encontrados nessa faixa sendo eles: os plásticos moles tais como
entremarés e nesta localidade por ser sacolas, embalagens em geral (490=
próxima a região estuarina, pois pode 3,09%) e os plásticos duros (233=
ser vegetação oriunda de manguezais e 1,47%) constituídos por tampas, copos,
que acabam na praia devido a atividade garrafas, canudos, entre outros. O
das marés. De acordo HARARI; restante dos resíduos antrópicos
CAMARGO (1998), o grande contraste representa (231=1,45%), como o nylon,
das intensidades das circulações de filtro de cigarros, isopor, madeira,
maré, na parte mais profunda e nas borracha, entre outros. O plástico como
regiões internas rasas são marcantes o mais representativo dentre os resíduos
diferenças de intensidade de correntes antrópicos seguiu a tendência já
nos dois lados da Baía de Santos. A observada em outros trabalhos
convergência e divergência das marés, (ARAÚJO; COSTA, 2006; ARAÚJO;

UNISANTA Bioscience Vol. 6 nº 4 (2017) p. 233 - 247 Página 238


A. A. Carminatto, C. Matuck, E. Farraboti, F. A. C. Adami; J. A. Klein, M. G. F. Santos, W. Barrella

COSTA, 2007; DIAS-FILHO et al., encontrados na maré baixa 493 (3,87%),


2011; SANTOS et al., 2004; SILVA et enquanto que na maré alta 441
al., 2008), fato justificado pelo baixo (14,07%). Os plásticos mole e duro
custo de fabricação e flexibilidade de foram os mais abundantes na maré
formas, o que incentiva o uso. Aliado a baixa enquanto que o cigarro, a pedra
este fato, o plástico é extremamente (pedra ornamental e brita), o metal, a
durável, de difícil degradação e de fácil borracha e a espuma foram os resíduos
flutuação, características que acabam antrópicos que ocorreram em maior
favorecendo sua dispersão pelo número na maré alta. A baixa
ambiente (MAGALHÃES; ARAÚJO, quantidade de resíduos sólidos
2012). Em estudo realizado na região antrópicos na maré baixa pode estar
costeira de Portugal, avaliou-se a associada à limpeza urbana realizada
predominância de resíduos plásticos pela prefeitura minuto antes do início
presentes no lixo marinho bentônico das coletas.
com abundância de 82% em relação aos De acordo com o teste não-
itens coletados (NEVES, 2013). Apesar paramétrico de Kruskal-Wallis (tabela
deste trabalho considerar apenas 1), foi possível observar que a praia do
resíduos superiores a 2 cm, vale Boqueirão em maré baixa se diferenciou
também ressaltar a dificuldade na significativamente da Praia do José
limpeza dos resíduos de pequena Menino também em maré baixa
dimensão, denominado micro lixo, (p=0,021) e da praia do Gonzaga na
como comentam D´Antonio et al. maré alta (p=0,024). A praia do José
(2012). Menino quando comparada com a praia
Em relação a quantidade de do Boqueirão, ambas em maré baixa, é
resíduos encontrados nas marés baixa e possível observar que na Praia do José
alta, podemos ressaltar que a maior Menino não foram encontrados
parte foi encontrada durante a cnidário, vidro, plástico, mineral,
amostragem de maré baixa, totalizando madeira, isopor, espuma, corda e
12.738 itens (80,24%), enquanto que na borracha, enquanto que na praia do
maré alta foram 3.135 itens (19,76%). Boqueirão não foi observado cnidário,
Dentre os resíduos orgânicos na papel, nylon e corda. A diferença entre
maré baixa foram encontrados um total a praia do Gonzaga em maré alta em
de 12.245 itens (96,12%) e na maré alta relação a praia do Boqueirão em maré
2.694 (85,93%). Os resíduos orgânicos baixa, se dá devido a ausência de
mais abundantes na maré baixa, foram cordado, vidro, tecido, papel, material
as conchas de moluscos, partes da orgânico, mineral, metal, isopor,
vegetação urbana e do manguezal, espuma e cigarro na praia do Boqueirão.
bolachas-do-mar e estrelas-do-mar A praia da Aparecida e Ponta da
(equinodermos) e os medusas Praia destacaram-se e tiveram
(cnidários). Ainda entre os itens diferenças altamente significativas,
orgânicos, os mais abundantes na maré quando comparadas com as marés
alta foram os peixes mortos (cordados). baixas e altas das praias de José
Considerando os resíduos de Menino, praia do Emissário Submarino
origem antropogênica, foram e praia do Gonzaga, e apenas em maré

UNISANTA Bioscience Vol. 6 nº 4 (2017) p. 233 - 247 Página 239


A. A. Carminatto, C. Matuck, E. Farraboti, F. A. C. Adami; J. A. Klein, M. G. F. Santos, W. Barrella

alta na praia do Boqueirão, conforme comparada aos 67 equinodermos da


pode ser visto na tabela 1. Essa Praia da Aparecida e Ponta da Praia. Já
diferença se dá pela notável quantidade em maré alta, a praia da Aparecida e a
de moluscos (8.116) e de vegetação Ponta da Praia se diferenciam da Praia
(3.216) encontrados nas praias da do José Menino em maré baixa e da
Aparecida e Ponta da Praia. Em relação praia do Gonzaga em maré alta com o
à praia do Boqueirão na maré alta, é mesmo valor de p = 0,036, devido à
notória a diferença da quantidade de quantidade de moluscos (1.147) e de
172 equinodermos quando se vegetação (782).

Tabela 1 - Relação dos resíduos encontrados entre as diferentes praias durante as marés baixa e
alta realizado através do teste Kruskal-Wallis, das Praias de Santos-SP.
AMOS J J E E G G B B E E A A
TRA M M M M O O O O M M PP PP
M M I I M M M M B B P P
B A M M B A B A M M M M
B A B A B A
JMMB 0 0,702 0,681 0,608 0,777 0,963 0,021 0,392 0,050 0,239 0,004 0,036

JMMA 0 0,942 0,839 0,988 0,623 0,065 0,625 0,130 0,378 0,011 0,080

EMIMB 0 0,942 0,895 0,603 0,082 0,688 0,145 0,442 0,019 0,104

EMIMA 0 0,918 0,523 0,138 0,720 0,170 0,486 0,030 0,153

GOMB 0 0,706 0,091 0,643 0,146 0,456 0,013 0,102

GOMA 0 0,024 0,355 0,062 0,229 0,002 0,036

BOMB 0 0,240 0,967 0,441 0,293 0,805

BOMA 0 0,351 0,745 0,043 0,226

EMBMB 0 0,489 0,306 0,762

EMBMA 0 0,176 0,413

APPPMB 0 0,487

APPPMA 0

Observação: utilizou-se o arredondamento para calibrar os dados em três casas decimais, as


significâncias foram indicadas da seguinte forma: 0,01<p≤ 0,05 significativo e p<0,01 altamente
significativo.

Através da análise de Submarino e Gonzaga tanto nas marés


componente principal (figura 3), foi baixas quanto nas marés altas, tendo os
possível observar 3 grupos de praias resíduos águas-vivas e tecidos
correlacionados entre si de acordo com ocorrendo em comum. O segundo grupo
a abundância e o tipo de lixo seria a praia do Boqueirão nas marés
encontrados nelas. baixa e alta e a praia do Embaré na
O primeiro grupo composto maré alta, tendo como os resíduos em
pelas praias do José Menino, Emissário comum; espuma, pedras, borracha,

UNISANTA Bioscience Vol. 6 nº 4 (2017) p. 233 - 247 Página 240


A. A. Carminatto, C. Matuck, E. Farraboti, F. A. C. Adami; J. A. Klein, M. G. F. Santos, W. Barrella

metal, peixes, tartarugas e bolachas-do- mostram que as praias estão próximas


mar compondo essas praias. E o terceiro entre si, essa formação pode estar
grupo é composto pelas praias associada com a influência de correntes
Aparecida e Ponta da Praia nas marés estuarinas e oceânicas que
baixa e alta e a praia do Embaré na potencializaram o acúmulo de lixo
maré baixa, essas praias possuem em flutuante e que através do movimento
comum os resíduos; isopor, madeira, natural das marés é trazido até a praia.
plástico mole e duro, cigarro, orgânico, Além da canalização dos cursos de água
vidro, corda, vegetação, moluscos, para drenagem urbana, que contribui
nylon e papel. também para carrear resíduos sólidos
Os resultados obtidos com a até a zona costeira.
análise de componente principal

Figura 3. Correlação entre as praias em marés baixa e alta com resíduos encontrados através da análise de
componente principal.

Ainda, foi realizada uma análise observa-se a similaridade de grupos das


de agrupamento hierárquico de Cluster, praias, em ambas marés, a segregação
que apresentou um índice Bray-Curtis da Praia da Aparecida e da Ponta da
de 0,9656 para o coeficiente de Praia – APPP em relação às demais,
correlação, mostrando que as praias são visto que, estas apresentaram itens em
similares entre si. Através da figura 4, todas as categorias de resíduos com a

UNISANTA Bioscience Vol. 6 nº 4 (2017) p. 233 - 247 Página 241


A. A. Carminatto, C. Matuck, E. Farraboti, F. A. C. Adami; J. A. Klein, M. G. F. Santos, W. Barrella

exceção a tecido e espuma. que próximo aos canais (3 e 4) não


A deposição dos resíduos foram encontrados resíduos. Na análise
encontrados na Praia de José Menino, da baixa maré em relação a alta, houve
em maré alta e baixa, diferenciou-se das diferença na contagem e caracterização
outras devido à ausência de plásticos de itens presentes na baixa sizígia. Os
mole e duro. Existe dissimilaridade da itens que não apareceram em alta
Praia do Gonzaga frente às Praias do foram: vidro, tecido, orgânico, mineral,
Emissário, Boqueirão e Embaré, pois metal, madeira e isopor.
ela possui a menor quantidade de A Praia do Embaré diferencia-se
categorias de resíduos. das demais na variação entremarés, pois
Em relação a Praia do Boqueirão em alta maré não apresentou papel,
foi possível observar que os resíduos se mineral, corda e filtro de cigarro.
estendiam no centro da praia, uma vez

Figura 4. Dendrograma pelo agrupamento das praias (preamar e baixa-mar) pelo Índice de Similaridade
Bray-Curtis (0,9656 – coeficiente de correlação).

Através deste estudo, foi palafitas do Brasil, a beira do rio dos


possível constatar a presença de Bugres, na região estuarina, estima-se
resíduos em abundância nas praias que residam mais de 8 mil pessoas em
estudadas e a mensuração de sua casas sobre a água, o equivalente a 21%
distribuição em condições do total de pessoas em condições
diferenciadas. Uma das causas subnormais de moradia conforme o
prováveis da origem desse lixo seja o IBGE. O maior problema das invasões
seu descarte incorreto pela população nesta área é a falta de estrutura e
residente no sistema estuarino de saneamento básico, havendo descarte de
Santos. lixo de todo tipo tornando o trecho em
A questão das invasões um esgoto a céu aberto. Contudo, não se
clandestinas no mangue é um quadro pode levar saneamento a localidades
antigo da região, tendo seu registro por onde não há regularização fundiária,
volta da década de 50. Santos abriga o especialmente por se tratar de área de
maior complexo de favelas sobre preservação. Há no Conselho Nacional

UNISANTA Bioscience Vol. 6 nº 4 (2017) p. 233 - 247 Página 242


A. A. Carminatto, C. Matuck, E. Farraboti, F. A. C. Adami; J. A. Klein, M. G. F. Santos, W. Barrella

do Meio Ambiente, registro de ações usuários de forma geral (banhistas e


civis públicas, impetradas pelo comerciantes) sobre as consequências
Ministério Público do Meio Ambiente da presença de lixo nos ambientes
de Santos para apuração de costeiros, tanto para os próprios
responsabilidades, pois a SABESP usuários quanto para a biota marinha; e
propiciou fornecimento de água sem da melhor forma de recolher o lixo
recolhimento de esgoto naquela região imediatamente após sua produção, a fim
invadida. De maneira paliativa, de evitar o acúmulo e dispersão na areia
organizações não governamentais e na água (DIAS-FILHO et al., 2011).
realizam ações para recolhimento de Uma medida válida é mostrar as
lixo na região, principalmente plástico, pessoas, desde cedo, que poluir menos é
e trabalhos de educação ambiental junto melhor pra todos. Se essa educação
a população local, em relação ao mesmo começa na escola, tomando o estudante
tema (CONAMA, 2017). nos primórdios do desenvolvimento de
É relevante observar que apesar seu conhecimento, isto contribuirá para
de haver legislação em todas as esferas que se forme um cidadão mais
do Poder Público (Federal, Estadual e consciente e comprometido com o bem-
Municipal) no que concerne os meios estar social, conferindo ao mesmo uma
de proteção ambiental, na prática, sua consciência da realidade socioambiental
efetividade é questionável haja vista a (MEDEIROS et al., 2011).
citada acumulação de resíduos sólidos Ainda sobre a origem dos
nas praias do município. resíduos, de acordo com Martins
Na prática, a Prefeitura (2008), muito do lixo marinho
Municipal de Santos pratica um encontrado na região de entremarés é
trabalho de limpeza das praias, decorrente do alijamento de navios que
recolhendo 50 a 60 toneladas de acessam o Porto de Santos. Mesmo que
resíduos diariamente em toda a extensão o descarte ocorra em alto mar, as
da praia. Este lixo é encaminhado para correntes marítimas acabam por
o aterro sanitário. Além disso, há uma conduzi-los às praias da região. Há
embarcação do tipo catamarã que protocolos que permitem ao Brasil
complementa a limpeza coletando os adotar e realizar intervenções em alto
resíduos flutuantes no mar. Pelo menos mar para fiscalizar e aplicar penalidades
240 toneladas de resíduos sólidos a embarcações que procederem ao
deixaram de poluir e estuário e a Baía alijamento de substâncias poluentes.
de Santos nos últimos cinco anos Trata-se de norma de Direito
(PREFEITURA MUNICIPAL DE Internacional originada no Programa
SANTOS, 2017). das Nações Unidas para o Ambiente e
Apesar de todo o esforço e que foi absorvida pela legislação pátria.
investimento público feito na limpeza Contudo, uma norma eficaz se
das praias, as fontes de contaminação vislumbra no Plano Setorial para os
ainda não são controladas ou Recursos do Mar do Decreto 6.678/08
remediadas satisfatoriamente. É que tem como um dos objetivos à luz da
preciso que haja investimento focado Política Nacional de Recursos do Mar a
em campanhas de conscientização dos garantia de qualidade do Ambiente

UNISANTA Bioscience Vol. 6 nº 4 (2017) p. 233 - 247 Página 243


A. A. Carminatto, C. Matuck, E. Farraboti, F. A. C. Adami; J. A. Klein, M. G. F. Santos, W. Barrella

Marinho. Sua abrangência a proteção da e praia do Gonzaga e apenas em maré


biodiversidade e do patrimônio genético alta na praia do Boqueirão. E a praia do
existente nas áreas marinhas sob Boqueirão em maré baixa se diferenciou
jurisdição nacional e zona costeira significativamente da Praia do José
adjacente, que embora vise a exploração Menino também em maré baixa e da
sustentável dos recursos marinhos praia do Gonzaga na maré alta.
também promove o desenvolvimento do A análise de componente
conhecimento científico do ambiente principal, mostrou que as praias de
marinho. Tal iniciativa permitirá no Santos são agrupadas em 3 grupos de
futuro a adoção de medidas mais praias similares entre si de acordo com
eficientes no combate à poluição os tipos de lixo encontrados nelas. O
marinha. primeiro grupo composto pelas praias
do José Menino, Emissário Submarino e
Conclusão Gonzaga tanto nas marés baixas quanto
nas marés altas. O segundo grupo
Foi possível compreender o composto pela praia do Boqueirão nas
impacto causado pela deposição dos marés baixa e alta e a praia do Embaré
resíduos sólidos encontrados na faixa de na maré alta. E por fim, o terceiro grupo
areia das praias de Santos em preamar e é composto pelas praias Aparecida e
baixa mar. Entre os resíduos antrópicos, Ponta da Praia nas marés baixa e alta e a
o plástico foi o mais representativo praia do Embaré na maré baixa.
presente nas praias de Santos, pois ele é Através do resultado da análise
usado em embalagens de alimentos, de agrupamento hierárquico de Cluster,
cuja longa permanência no ambiente observou-se que as praias da Aparecida
ocorre devido ao demorado tempo e Ponta da Praia em ambas marés foram
necessário para sua decomposição. as mais similares entre si diferenciando-
No estofo de maré baixa, houve se de todo restante.
uma maior ocorrência de resíduos, A antropização das praias é uma
destacando os de origem orgânica. E em questão relevante ao controle do
maré alta, teve uma menor ocorrência impacto ambiental, em especial a zona
de resíduos, fato esse justificado pelo costeira e manutenção do ambiente
serviço de limpeza realizado pela marinho. Salienta-se que impacto
prefeitura no momento das coletas. ambiental é um conceito diferente de
Através do teste não- poluição, toda poluição gera impacto,
paramétrico de Kruskal-Wallis, foi mas nem todo impacto gera poluição
possível observar que há uma diferença (SÁNCHES, 2008).
significativa entre algumas praias de A depreciação da beleza é
Santos em marés baixa e alta em relação decorrente de deposição indevida, tanto
a composição do lixo. A praia da pelo uso inadequado do espaço por
Aparecida e Ponta da Praia destacaram- frequentadores locais e turistas, quanto
se e tiveram diferenças altamente por acúmulo trazido do ambiente
significativas, quando comparadas com marinho, causado por destinação
as marés baixa e alta das praias de José indevida de resíduos sólidos.
Menino, praia do Emissário Submarino O estudo dos ambientes sujeitos

UNISANTA Bioscience Vol. 6 nº 4 (2017) p. 233 - 247 Página 244


A. A. Carminatto, C. Matuck, E. Farraboti, F. A. C. Adami; J. A. Klein, M. G. F. Santos, W. Barrella

à interferência humana demonstra seu Federal de Pernambuco (UFPE), Recife,


estado de conservação, avalia impactos PE, Brasil.
decorrentes e seu nível de
vulnerabilidade a partir da influência ARAÚJO, M. C. B.; COSTA, F. M.
antrópica. 2007. An analysis of the riverine
Sugerem-se outras pesquisas contribution to the solid wastes
inovadoras, pois há de se projetar contamination of an isolated beach at
melhores políticas públicas para the Brazilian Northeast. Management of
gerenciamento de recursos hídricos, Environmental Quality: An
costeiros, educação ambiental e práticas International Journal, v. 18, n. 1, 6-12.
preventivas destinadas a conservação
ARAÚJO, M. C. B.; COSTA, M. F.
ambiental. Assim sendo, a mudança em
2006. The significance of solid wastes
mínimos aspectos ao longo dos anos
with land-based sources for a tourist
pode modificar a paisagem e
beach: Pernambuco, Brazil. Pan-
comprometer ecossistemas (MUCELIN;
American Journal of Aquatic Sciences,
BELLINI, 2008).
v. 1, n. 1, p. 28-34.
Agradecimentos COE, J. M.; ROGERS, D. B. 2000.
Marine Debris: sources, impacts and
À CAPES pelas bolsas solutions. Springer, New York. 432p.
concedidas ao primeiro e terceiro autor.
CONAMA. 2017. Lixo é ameaça sem
Referências solução ao mangue de Santos. Boletins
quinzenais. In:
http://www.mma.gov.br/port/conama/no
ABNT. 2004 Associação Brasileira de ticias.cfm?cod_noticia=586. Acesso dia
Normas Técnicas. NBR 10004. 05 de maio de 2017.
Resíduos sólidos: classificação. Rio de
Janeiro. CORTÉS, C.N.; NAROSKY, T. 1997.
Cién caracoles. Buenos Aires: Editorial
ANDRADE-NETO, G. F. 2010. Albatroz, 156p. IBGE, 2000. Instituto
Análise quali-quantitativa de lixo de Brasileiro de Geografia e Estatística.
praia com aplicação do clean-coast
index em uma praia do litoral centro-sul D´ANTONIO, V. J. A.; SILVA FILHO,
do estado de São Paulo, Brasil. J. I.; BARRELLA W.; PEREIRA, C. D.
Trabalho de Conclusão de Curso–Curso S. 2012. Análise ecológica quantitativa
de Oceanografia, Unimonte, Santos, 54 do micro lixo de uma praia de Santos
pp. (SP): uma presença indesejável e
imperceptível nas areias das praias.
ARAÚJO, M. C. B. 2008. Praia da Boa Revista Ceciliana, Santos; 4(1): 15-23.
Viagem, Recife-PE: análise sócio-
ambiental e propostas de ordenamento. DIAS-FILHO, M. J. O.; DE ARAÚJO,
Tese de Doutorado, 320p., Universidade M. C. B.; SILVA-CAVALCANTI, J.
S.; DA SILVA, A. C. M. 2011.

UNISANTA Bioscience Vol. 6 nº 4 (2017) p. 233 - 247 Página 245


A. A. Carminatto, C. Matuck, E. Farraboti, F. A. C. Adami; J. A. Klein, M. G. F. Santos, W. Barrella

Contaminação da praia de Boa Viagem MARTINS, E. M. O. 2008. Direito


(Pernambuco-Brasil) por lixo marinho: Marítimo Internacional: da
relação com o uso da praia. Arq. Ciên. Responsabilidade Internacional pelos
Mar, Fortaleza, 44(1): 33 - 39 33. Danos Causados ao Meio Ambiente
Marinho. Verba Juris ano 7, ISSN
GIANUCA, N. M. 1998. Invertebrados 1678-183X. n 7.
Bentônicos da Praia. In: SEELIGER,
U., ODEBRECHT, C.; CASTELLO, J. MEDEIROS, A. B.; MENDONÇA, M.
P. Os Ecossistemas Costeiro e Marinho J. S. L.; SOUZA, G. L.; OLIVEIRA, I.
do Extremo Sul do Brasil. Rio Grande: P. A. 2011. Importância da educação
Ecosciencia. p:127-131. ambiental na escola nas séries iniciais.
Revista Faculdade Montes Belos, v 4, n
GOOGLE. Google Earth. 2017. 1.
Disponível em:
https://www.google.com.br/intl/pt- MOORE, C. J. 2008. Synthetic
BR/earth/. Acesso em 01 de maio de polymers in the marine environment: A
2017. rapidly increasing, long-term threat.
Environmental Research, v. 108, p. 131-
HAMMER, O., HARPER, D. A. T.; 139.
RYAN, P. D. 2001. PAST –
Palaeontological Statistics, ver. 3.14. MUCELIN, C. A.; BELLINI, M. 2008.
Disponível em: Lixo e impactos ambientais perceptíveis
<http://folk.uio.no/ohammer/past/>. no ecossistema urbano. Sociedade &
Acesso em: 27.04.2017. Natureza, v. 20, n. 1, p.111 - 124.

HARARI, J.; CAMARGO, R. 1998. NEVES, D. F. P. Lixo marinho nos


Modelagem numérica da região costeira fundos oceânicos e a sua ingestão por
de Santos (SP): Circulação de maré. peixes da costa portuguesa (Doctoral
Revista Brasileira de Oceanografia. dissertation- Faculdade de Ciências e
Instituto de Oceanografia da USP. Tecnologia). 2013.
46(2)):135-156.
PEDROSA R. A.; MOSCHIN A.;
IBGE. 2016. Instituto Brasileiro de GIORDANO F. 2016. Lixo marinho -
Geografia e Estatística. Saneamento levantamento de resíduos sólidos nas
Básico. Disponível em: praias de Santos – SP. UNISANTA
http://cod.ibge.gov.br/3ZR. Acesso: 18 Bioscience Vol. 5 nº 2 p.176-185.
maio de 2017.
PREFEITURA MUNICIPAL DE
MAGALHÃES, S. E. F.; ARAÚJO, M. SANTOS. Disponível em:
C. B. 2012. Lixo marinho na praia de http://www.santos.sp.gov.br/?q=aprefeit
Tamandaré (PE–Brasil): caracterização, ura/secretaria/servicos
análise das fontes e percepção dos publicos/limpeza-das-praias. Acessado
usuários da praia sobre o problema. dia 21 de março de 2017.
Tropical Oceanography, Recife, v. 40,
n. 2, p. 193-208.

UNISANTA Bioscience Vol. 6 nº 4 (2017) p. 233 - 247 Página 246


A. A. Carminatto, C. Matuck, E. Farraboti, F. A. C. Adami; J. A. Klein, M. G. F. Santos, W. Barrella

PREFEITURA MUNICIPAL DE Tool for Monitoring Solid Wastes from


SANTOS. InvestSantos. Disponível em: Users on Urban Beaches. Journal of
http://www.investsantos.com.br/demogr Coastal Research, v. 24, n. 4, p. 890–
afia/ddemobaixada-07-11.htm. Acesso: 898.
20 mar. de 2017.
THOMÉ, J. W.; BERGONCI, P.E.A.;
RIOS, E. C. 1994. Seashells of Brazil. GILL, M. G. 2004. As conchas das
2. ed. Rio Grande: Museu nossas praias. Guia ilustrado. Pelotas,
Oceanográfico, Ed. FURG, 368p.+113 USEB, 96p.
pranchas.
VALENTE, C. B. 2006. Ecologia como
SÁNCHES, L. E. 2008. Avaliação de instrumento para o ecoturismo. Estudo
impacto ambiental: conceitos e de caso da Praia do Cassino, RS.
métodos. 1. ed. São Paulo: Oficina de Monografia de Especialização em
Textos, p. 495. Ecologia Aquática Costeira, FURG, Rio
Grande, 115 p.
SANTOS, I. R.; FRIEDRICH, A. C.;
FILMANN, G.; WALLNER- WIDMER, W. M.; SORIANO-
KERSANACH, M.; V, R.; COSTA, R. SIERRA, E.; HENNEMANN, M.;
2004. Geração de resíduos sólidos pelos CARRERO, G. 2004. Patterns of
usuários da Praia do Cassino, RS, marine debris on sandy beaches on the
Brasil. Gerenciamento Costeiro island of Santa Catarina, South Brazil.
Integrado, Itajaí, v. 3, 12-14. II Simpósio Brasileiro de Oceanografia.
Instituto Oceanográfico da
SANTOS, I. R.; FRIEDRICH, A. C.; Universidade de São Paulo.
WALLNER, M.; FILLMANN, G. 2005.
Influence of socio-economic
characteristics of beach users on litter
generation. Ocean e Coastal
Management, v. 48, n. 9-10, p. 742–
752.

SCHROEDER, M. A. 2001. Guia dos


Invertebrados mais comuns da Praia do
Cassino. Monografia de Especialização
em Ecologia Aquática Costeira, FURG,
Rio Grande, 53 p.

SEELIGER, U.; CORDAZZO, C.;


BARCELLOS, L. 2004. Areias do
Albardão. Rio Grande: Ecoscientia, 96
p.

SILVA, J. S.; BARBOSA, S. C. T.;


COSTA, M. F. 2008. Flag Items as a

UNISANTA Bioscience Vol. 6 nº 4 (2017) p. 233 - 247 Página 247

Você também pode gostar