Você está na página 1de 6

Análise hidrológica do comportamento das bacias hidrográficas em

Moçambique
Índice

1.0. Introdução ........................................................................................................................ 2

1.1. Objectivos .................................................................................................................... 2

1.1.1. Geral ..................................................................................................................... 2

1.1.2. Específicos ............................................................................................................ 2

2.0. Análise hidrológica do comportamento das bacias hidrográficas em Moçambique ....... 3

2.1. Breve conceito ............................................................................................................. 3

2.2. Hidrografia de Moçambique ........................................................................................ 3

2.2.1. Região Norte ......................................................................................................... 4

2.2.2. Região Centro ....................................................................................................... 4

2.2.3. Região Sul ............................................................................................................ 4

3.0. Conclusão ........................................................................................................................ 5

4.0. Referencias Bibliográficas ............................................................................................... 6


2

1.0.Introdução
O presente trabalho de pesquisa bibliográfica, foi elaborado com base em documentos
extraídos da internet, dos quais são descritos na referência bibliográfica. O trabalho tem como
objectivo gerar uma análise hidrológica das bacias hidrográficas em Moçambique por meio de
análise de dados bibliográficos. O mesmo é de grande importância no curso de geografia, pois
permite-nos compreender a hidrologia dos rios de modo a adoptar métodos para gestão
racional dos recursos em diversas actividades que possam ser implementadas nas bacias
hidrográficas e ao seu entorno. Na sequência do trabalho depara-se com um pequeno trecho
de breves conceitos, com vista a criar um trabalho mais claro e conciso, seguida pela
descrição das características fisiografias condicionantes do comportamento hidrológico em
Moçambique, prosseguindo desse modo com divisão das bacias hidrográficas de acordo com
o seu comportamento fisiográfico dos rios. Após essa análise são dadas as conclusões traçadas
durante e após a copilação do desenvolvimento textual e por fim tem-se as referências
bibliográficas usadas.

1.1.Objectivos

1.1.1. Geral
 Analisar a hidrologia das bacias hidrográficas em Moçambique.

1.1.2. Específicos
 Descrever as características fisiográficas das bacias em Moçambique;
 Agrupar as bacias hidrográficas em regiões de acordo com o seu comportamento
fisiográfico dos rios em Moçambique.
3

2.0.Análise hidrológica do comportamento das bacias hidrográficas em Moçambique

2.1.Breve conceito
A hidrologia de acordo com (Carvalho et al, 2007), é a ciência que trata da água na Terra, sua
ocorrência, circulação e distribuição, suas propriedades físicas e químicas e sua relação com o
meio ambiente, incluindo sua relação com a vida. E dentre as regiões de importância pratica
para os hidrologistas destacam-se as bacias hidrográficas, devido a simplicidade que oferecem
na aplicação do balanço de água.

2.2.Hidrografia de Moçambique
Em conformidade com (Muchangos, 1999), de norte para sul, as principais bacias
hidrográficas que drenam o país são: Rovuma, Messalo, Montepuez, Lúrio, Monapo, Ligonha,
Licungo, Zambeze, Púnguè, Búzi, Save, Govuro, Inharrime, Limpopo, Incomáti, Umbelúzi,
Tembe e Maputo. Os grandes cursos de água moçambicanos são de abastecimento
predominantemente pluvial, de regime periódico, apesar de a maioria dos seus afluentes
serem de regime ocasional. A maior parte dos rios de Moçambique corre de oeste para leste
devido à configuração do relevo, atravessando sucessivamente montanhas, planaltos e
planícies e desaguando no Oceano Índico.

Os principais rios de Moçambique têm suas nascentes nos países vizinhos, excepto no norte
do país onde a maioria das nascentes tem a sua bacia hidrográfica totalmente em
Moçambique”, (Muchangos, 1999).
As oscilações do caudal dos rios ao longo do ano são condicionadas por factores climáticos,
registando os máximos na época das chuvas e os mínimos na estação seca.
Nas terras altas os rios possuem grande capacidade erosiva e constituem cascatas, limitando
dessa forma a navegabilidade. Nas planícies se formam os meandros, lagoas e pântanos e são
depositadas as aluviões (Muchangos,1999).
(Muchangos, 1999) observa que, além do relevo, a natureza dos solos também influencia o
caudal, a estrutura e o padrão da rede hidrográfica.
De acordo com (Muchangos, 1999), quanto às bacias hidrográficas, dado que as condições
orográficas, atmosféricas, climáticas e pedológicas exercem grande influência sobre o
regime caudal, distingue três regiões no que diz respeito ao comportamento dos rios: Norte,
Centro e Sul.
4

2.2.1. Região Norte


Nessa região, as bacias hidrográficas apresentam predominantemente um padrão dendríto
devido à sua melhor distribuição, frequência das chuvas e à maior dispersão de rochas
magmáticas e metamórficas. Desníveis locais na transição entre as superfícies morfograficas
constituem condições propícias para a instalação de represas para fins agrícolas e para a
produção de energia hidrolectrica. Destaca-se aí o rio Lúrio, com uma bacia hidrográfica de
60.800 km2, sendo considerada a maior bacia totalmente inserida em território moçambicano.
O rio Rovuma tem suas nascentes localizadas no planalto do Ungone, na Tanzânia,e atinge
Moçambique na sua confluência com o rio Messinge. A partir daí, toma a direcção oeste-leste
numa extensão de mais de 600 km2 até a sua foz no Oceano Índico onde desagua em forma de
estuário (Muchangos,1999).

2.2.2. Região Centro


As bacias dos rios Zambeze e Save, de acordo com (Muchangos,1999) dado o grande desnível
que se regista entre as terras altas e as planícies num espaço relativamente curto, os cursos de
água registam nas suas secções superiores, intensa erosão e grande capacidade de transporte
de materiais. Favorecendo a construção de barragens para a produção de energia
hidroeléctrica. Tem-se os rios mais importantes desta região do país – o Púnguè e o Búzi –
nascem nas terras altas do Zimbabwe e cortam sucessivamente e em escadaria as cadeias
montanhosas mais elevadas do país.
Tem-se também nessa região um dos maiores rios e importante da África, o rio Zambeze.

2.2.3. Região Sul


A Sul do rio Save, o regime hidrográfico é grandemente condicionado pelo clima, relevo,
natureza das rochas e pelos aproveitamentos hídricos. Os principais cursos de água
importantes são de Norte para Sul: Govuro, Inhanombe, Limpopo “o mais importante na
região devido a extensão da sua bacia”, Incomati, Umbeluzi, Tembe e Maputo. Exceptuando
os rios Govuro e Inhambane os restantes, nascem nos países vizinhos, atravessam os Montes
Libombos onde os seus afluentes sulcam por vezes vales profundos. Ao atingirem a planície
perdem a sua capacidade erosiva e formam nas suas margens, extensas planícies aluviais. Na
planície o seu caudal é condicionado pela influência combinada das condições climáticas
gerais, do fraco declive e da elevada permeabilidade das rochas sedimentares. O clima
tropical seco e os terrenos arenosos dominantes favorecem a evaporação e a infiltração das
águas diminuindo, por consequência a escorrência superficial (Muchangos,1999).
5

3.0.Conclusão
A partir do exposto do presente ensaio bibliográfico, deu para compreender que Moçambique
apresenta cerca de 25 bacias hidrográficas principais que manam no país. Devido à
configuração do relevo, a maior parte dos rios de Moçambique corre de oeste para leste,
atravessando sucessivamente montanhas, planaltos e planícies e desaguando no Oceano
Índico, sendo que esses grandes cursos de água são de abastecimento pluvial, de regime
periódico, apesar de a maioria dos seus afluentes serem de regime ocasional. As oscilações do
caudal dos rios ao longo do ano são condicionadas por factores climáticos, registando os
máximos na época das chuvas e os mínimos na estação seca. No que diz respeito ao
comportamento dos rios, Moçambique apresenta 3 regiões: Norte, Centro e Sul. Na região
norte as bacias hidrográficas apresentam predominantemente um padrão dendríto devido à sua
melhor distribuição. Na região centro onde encontra-se umas das grandes bacias hidrográficas
do continente africano, a do Zambeze, os cursos de água registam nas suas secções superiores,
intensa erosão e grande capacidade de transporte de materiais. E na região sul o regime
hidrográfico é grandemente condicionado pelo clima, relevo, natureza das rochas e pelos
aproveitamentos hídricos.
6

4.0.Referencias Bibliográficas

CARVALHO, Daniel F. et al. Irrigação e Drenagem. s/d. Edição: IT. 2007


MUCHANGOS, A. Moçambique, Paisagens e Regiões Naturais. s/d. Edição: do Autor. 1999.

Você também pode gostar