Você está na página 1de 2

Noções

Estado de tempo Situação meteorológica verificada num dado momento num determinado
lugar.
Estado de tempo = situação meteorológica = condições atmosféricas

Formação e evolução de uma perturbação frontal.


 Formação
Ar frio polar

Ar quente
 Desenvolvimento
tropical

Corte vertical (ver


 Oclusão pagina seguinte)

 Oclusão

Distribuição da precipitação em Portugal


Em Portugal continental, existe um contraste na distribuição da precipitação: norte/sul e
litoral/interior. A região mais chuvosa é o Noroeste, enquanto que as regiões interiores são as
regiões mais secas.
A noroeste do país é também visível uma vasta densidade de serras, que formam a barreira
de condensação. Nestes sistemas montanhosos, as vertentes ocidentais estão expostas às massas de
ar vindas do oceano, tornando-se estas nas vertentes mais chuvosas, enquanto que as vertentes
orientais estão mais abrigadas.
O norte é mais afetados pelas perturbações frontais, quanto que o sul é mais afetado por
anticiclones (fator latitude)
Outras razão de maior pluviosidade a norte está relacionado com o relevo mais acidentado,
comparativo com o sul (fator relevo)
Outro fator a ter em atenção está relacionado com a proximidade ou o afastamento do mar.
Nas ilhas, o principal fator na distribuição da precipitação está relacionado com o relevo,
pois é nas altitudes mais elevados do interior das ilhas e nas vertentes expostas aos fluxos
pluviométricos que registam elevados níveis de precipitação.

Tipos de precipitação em Portugal


 Precipitação frontal
A chuva nas superfícies frontais resulta do contacto entre massas de ar de temperatura e
densidade diferentes: massa de ar polar, vindas do norte, e massa de ar subtropical, vinda do sul,
originárias dos anticiclones subtropicais.
O ar quente ao ascender sobre o ar frio arrefece e condensa dando origem, primeiramente, a
nuvens e depois à queda de chuva.
 Precipitação orográfica
As precipitações orográficas formam-se quando uma massa de ar húmida encontra uma
barreira montanhosa e é obrigado a subir.
Ao subir, amassa de ar arrefece, e o vapor de água condensa, em particular na vertente mais
exposta ao fluxo. Na vertente oposta, acontece o contrário, ou seja, o ar subside, aquece e fica mais
seco.
Este processo está relacionado com o contraste litoral/interior
Nas ilhas este tipo de precipitação também é evidente.

 Precipitação convectiva

Você também pode gostar