Você está na página 1de 13

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE - CCBS


DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTO-DEFD
CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA -
JANUÁRIA

Lavínia de Freitas Mourão Souto

O OLHAR DO PROFESSOR REGENTE SOBRE A IMPORTÂNCIA DA


EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO INFANTIL

Januária – MG
Maio/2021
LAVÍNIA DE FREITAS MOURÃO SOUTO

O OLHAR DO PROFESSOR REGENTE SOBRE A IMPORTÂNCIA DA


EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO INFANTIL

Projeto apresentado ao curso de Educação


Física da Universidade Estadual de Montes
Claros, Campus Januária, como requisito
parcial para a obtenção do título de
licenciatura em Educação Física.

Área de concentração:

Orientador: Prof. José de Andrade


Matos Sobrinho

Januária – MG
Maio/2021
Resumo

Introdução: Alguns autores enfatizam a relevância do desenvolvimento integral do indivíduo,


compreendendo os aspectos motor, cognitivo e afetivo-social, havendo uma interdependência
entre esses aspectos. (GALLAHUE, 2005; FREIRE, 1997; TANI et al, 1988) salientam, ser
entre dois e sete anos, esta é a faixa etária da criança na Educação Infantil a fase de aquisição
dos movimentos fundamentais, que vão se constituir na base de toda aquisição motora
posterior. Objetivo: O objetivo desta pesquisa será levantar opiniões a respeito da importância
que tem as aulas de Educação Física no processo de desenvolvimento de crianças na etapa
inicial da educação. Metodologia: Trata-se de um estudo descritivo e explicativo, de cunho
transversal, onde será feita a coleta de dados e análise em duas escolas, sendo que uma delas
apresenta um profissional de Educação Física e a outra não. Tendo como alvo principal a visão
que têm os professores regentes de turma sobre a Educação Física.

Palavras-Chave: Educação Física Escolar, Desenvolvimento Motor, Professor Regente


e Educação Física no Ensino Infantil.
Sumário

1. INTRODUÇÃO........................................................................................................5
1.1 A Educação Física Como Componente Curricular.............................................5
1.2 A Educação Física no Ensino Infantil..................................................................5
1.3 Relação Entre Desenvolvimento Motor e Cognitivo............................................6
2.1 OBJETIVOS..........................................................................................................7
2.1.1 Objetivo geral:...................................................................................................7
2.1.2 Objetivos Específicos:...................................................................................7
2.2 JUSTIFICATIVA...................................................................................................7
3 METODOLOGIA.....................................................................................................8
3.1 Caracterização do Estudo...................................................................................8
3.2 População...........................................................................................................8
3.3 Amostra...............................................................................................................8
3.4 Critérios de inclusão............................................................................................9
3.5 Critérios de exclusão...........................................................................................9
3.6 Protocolos e instrumentos...................................................................................9
3.7 Procedimentos de coleta de dados.....................................................................9
3.8 Cuidados Éticos................................................................................................9
3.9 Riscos................................................................................................................10
3.10 Benefícios........................................................................................................10
4. CRONOGRAMA...................................................................................................11
4.1 Custos................................................................................................................11
5. REFERÊNCIAS.....................................................................................................12
5

1. INTRODUÇÃO

1.1 A Educação Física Como Componente Curricular

Conforme o artigo 26, inciso 3º, da LDB 9.394/96, “a Educação Física é componente
curricular da Educação Básica”. Em 2001, na tentativa de garantir a presença da
Educação Física em toda a Educação Básica, foi acrescentado o termo “obrigatório”
a esse texto. Porém, sabe-se que hoje a Educação Física é componente curricular
obrigatório apenas no Ensino Fundamental e o Ensino Médio.
Por muito tempo e até hoje, o tema “Educação Física” gerou muitas discussões.
Vários autores questionavam sobre a verdadeira importância da disciplina como
componente curricular obrigatório e se era realmente eficiente durante o processo de
ensino-aprendizagem do aluno. A mesma sempre foi tratada como “menos
importante” até ser comprovado em pesquisas que a Educação Física é tão
importante quanto as demais matérias.
A Educação Física quando foi implantada no Brasil, era voltada à higiene e
saúde, levando em conta a condição biológica dos alunos. Hoje, houve uma grande
evolução, onde é levado em conta a concepção socialista e construtivista.

1.2 A Educação Física no Ensino Infantil

Sabe-se que a fase mais importante da vida de um ser humano são os seus
primeiros anos de vida, sua infância, de 2 a 6 anos. É onde ele irá aprender tudo que
precisa para realizar suas atividades ao longo da sua jornada.
A criança tem um processo de maturação que deve ser respeitado e que não
pode ser pulado. Ela precisa necessariamente viver cada fase, de maneira que suas
atividades diárias sejam de acordo com a sua faixa etária.
A fase escolar nos anos iniciais é onde a criança tem contato com outras
crianças, vive situações cotidianas que irá lhe ajudar a tomar consciência de si.
Durante essa fase, a criança está em pleno desenvolvimento que visa os aspectos
cognitivo, motor, emocional, afetivo-social, etc. É aí que entra o papel da Educação
Física, por ser a disciplina adequada para que se trabalhe esses aspectos em
conjunto através da ludicidade das brincadeiras e jogos, onde as crianças brincam
6

sem ao menos ter noção do benefício que a brincadeira está lhe trazendo. As vezes
a criança se sente muito presa dentro da sala de aula e acaba fechando sua mente
para aprender os conteúdos que lhe são dados, principalmente durante essa faixa
etária que tem os alunos do ensino infantil.
Nas aulas de Educação Física a criança tem a oportunidade de se expressar
através dos movimentos, de interagir com outras crianças, aprender a respeitar o
espaço e a vez do outro e de aprender brincando, pois, o professor pode trabalhar
de maneira interdisciplinar, aplicando por exemplo, brincadeiras que misture com a
Matemática, com as Ciências Naturais, História, etc. Fazendo com que o aluno saia
um pouco da rotina de quadro, folhas, e passe a aprender os conteúdos de maneira
mais lúdica e divertida.
Por não ser obrigatória a inserção da E.F no ensino infantil, na maioria das
escolas, quem ministram as aulas de Educação Física são os professores regentes
de turma. A função do professor regente é ministrar as aulas de forma
interdisciplinar, buscando a melhor maneira de aplicar os conteúdos de cada
disciplina, inclusive, a Educação Física. Sabemos que o regente não tem formação
específica nem o verdadeiro conhecimento para a aplicação das atividades e isso
pode acarretar um déficit no desenvolvimento completo da criança. É possível ouvir
relatos de professores regentes que compreendem a importância da E.F e que lutam
para a escola adquirir um profissional qualificado.

1.3 Relação Entre Desenvolvimento Motor e Cognitivo

Geralmente, todas as brincadeiras aplicadas aos alunos têm como objetivo


trabalhar algum elemento psicomotor, que são eles: a lateralidade, equilíbrio, noção
espaço-temporal, coordenação motora fina e geral. Trabalhando esses elementos, o
aluno terá um grande preenchimento no processo de ensino-aprendizagem, pois
sabe-se que precisamos dessas capacidades melhoradas para conseguirmos fazer
outras atividades de forma eficiente. A prática da educação motora tem influência no
desenvolvimento de crianças com dificuldades escolares, como problema de
atenção, leitura, escrita, cálculo e socialização (GREGÓRIO et al., 2002).
7

O professor de Educação Física tem grande sensibilidade em identificar se o


aluno tem algum tipo de problema através das suas observações e avaliações
durante as aulas. Existem muitos casos onde os pais nem imaginam que seu filho
possui alguma deficiência, e a mesma é descoberta pelo professor.
Dentro desta concepção, a avaliação motora deve ser rotina nas escolas,
possibilitando um melhor diagnóstico da criança, com um conhecimento mais
aprofundado de suas possibilidades e limitações reais.

2.1 OBJETIVOS

2.1.1 Objetivo geral:

Levantar opiniões a respeito da importância da Educação Física na etapa


inicial da educação.

2.1.2 Objetivos Específicos:

 Buscar saber através dos professores regentes de turma como é o


desenvolvimento cognitivo dos alunos quando se tem um professor de
Educação Física na instituição.

 Entender sua importância na realidade da instituição.

 Trazer a opinião do regente sobre o trabalho na recreação.

2.2 JUSTIFICATIVA

Este estudo é fundamental para analisarmos na visão dos professores


regentes de turma de qual maneira a Educação Física pode contribuir para o
8

desenvolvimento dos alunos do ensino infantil, mesmo não sendo obrigatória a


disciplina nessa fase escolar.

3 METODOLOGIA

3.1 Caracterização do Estudo

Trata-se de um estudo descritivo e explicativo, de cunho transversal.


Triviños (1987) ressalta que os estudos descritivos podem ser criticados
porque pode existir uma descrição exata dos fenômenos e dos fatos. Estes fogem
da possibilidade de verificação através da observação.
Segundo Gil (2007, p. 43), uma pesquisa explicativa pode ser a
continuação de outra descritiva, posto que a identificação de fatores que determinam
um fenômeno exige que este esteja suficientemente descrito e detalhado.
Para ROUQUAYROL (1994) a pesquisa transversal: é o estudo
epidemiológico no qual fator e efeito são observados num mesmo momento histórico
e, atualmente, tem sido o mais empregado.

3.2 População

A população será composta por professores regente de turma do 1º e 2º


ano do Ensino Infantil de duas escolas da rede municipal.

3.3 Amostra

A amostra será composta por professores regentes de turma do 1º e 2º do


ensino infantil em duas escolas da rede municipal nas cidades de Mirabela e Pedras
de Maria da Cruz – MG.
9

3.4 Critérios de inclusão

 Ser professor regente de turma.


 Dar aula no 1º e 2º ano do Ensino Infantil.
 Ser professor somente nas duas escolas referidas.

3.5 Critérios de exclusão

 Ser professor substituto.


 Não responder o questionário.

3.6 Protocolos e instrumentos

Será aplicado um questionário com questões abertas aos professores de


ambas as escolas, com 8 a 10 perguntas relacionadas ao que eles pensam sobre a
Educação Física no ensino infantil e sobre o desenvolvimento dos alunos da escola
que possui ou não um professor de Educação Física.

3.7 Procedimentos de coleta de dados

A coleta de dados será realizada após aprovação desse projeto no


Comitê de Ética e Pesquisa da Universidade Estadual de Montes Claros.
A coleta será feita através da plataforma Google Forms, onde serão
enviados os questionários e os professores devolverão devidamente preenchidos.

3.8 Cuidados Éticos

O projeto será encaminhado ao Comitê de Ética e Pesquisa (criado para


defender os interesses dos sujeitos da pesquisa em sua integridade e dignidade e
para contribuir no desenvolvimento da pesquisa dentro dos padrões éticos). Será
10

executado de acordo com a resolução 466/2012 do Conselho Nacional de Saúde,


que regulamenta as pesquisas com seres humanos. Os voluntários assinarão o
Termo de Consentimento Livre e Esclarecido após a autorização das (os) diretoras
(es) escolares. As identidades dos voluntários serão mantidas em sigilo e estes
podem desistir da sua participação na pesquisa a qualquer tempo, sem aviso prévio.

3.9 Riscos

De acordo com a Resolução 466/12 do Conselho Nacional de Saúde é


estimado que todas as pesquisas apresentam algum tipo de risco em tipos e
gradações variadas, neste estudo o risco pode ser considerado como mínimo, não
apresentando métodos que podem causar riscos à saúde física, mental e psicológica
dos envolvidos. O único desconforto pode ser cansaço físico e mental enquanto
responde ao questionário ou algum desconforto por lembrar de situações
embaraçosas que tenha passado o voluntário em situações da pesquisa. Neste caso
pode o voluntário desistir da sua participação sem dar justificativas. O pesquisador
oferecerá ajuda médica ou hospitalar caso necessário.

3.10 Benefícios

Este estudo poderá trazer benefícios em primeira mão aos alunos na


questão do desenvolvimento, ao profissional de Educação Física e a toda
comunidade escolar, pois dependendo do resultado, pode-se provar a importância
da E.F neste período.
11

4. CRONOGRAMA

Atividades/ Meses MAIO AGO SET OUT DEZ JAN


2021 2021 2021 2021 2021 2022

Envio do Projeto ao Comitê de Ética X

Coleta de Dados X

Análise de Dados X

Discussão de Dados X

Apresentação do TCC X

Envio do Relatório Final ao Comitê de Ética X

4.1 Custos

Discriminação Quantidade Valor Unitário(R$) Valor


Total
(R$)

Impressão

Correção ortográfica

Transporte
Encadernação

Total:
R$

5. REFERÊNCIAS
12

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa


qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

CARPENTER, R. P.; LYON, D. H.; HASDELL, F. A. Análisis sensorial en el


desarrollo y control de la calidad de alimentos. Zaragoza: Acribia, 2002.

MAGALHÃES, S. J.; KOBAL, C. M.; GODOY, P. R. Educação Física na educação


infantil: uma parceria necessária. Revista Mackenzie de Educação Física e
Esporte, Campinas - Brasil, 2007. Disponível em:
<http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/remef/article/view/1223>. Acesso em:
24, nov. 2019.

BORDALO, AUGUSTO. A. Estudo transversal e/ou longitudinal. Rev. Para.


Med., Belém, v. 20, n. 4, p. 5, dez.  2006. Disponível em
<http://scielo.iec.gov.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-
59072006000400001&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em:  27, nov. 2019.

AMARO, N. K. et al. Desenvolvimento motor em escolares com dificuldades na


aprendizagem. Movimento & Percepção, Espírito Santo do Pinhal, SP, v. 11, n.
16, jan./abr. 2010– ISSN 1679-8678. Disponível em:
<http://ferramentas.unipinhal.edu.br/movimentoepercepcao/include/getdoc.php?
id=881&article=358&mode=pdf> Acesso em: 27, nov. 2019.

NETO, R. F. et al. A Importância da avaliação motora em escolares: análise da


confiabilidade da Escala de Desenvolvimento Motor. Rev Bras Cineantropom
Desempenho Hum 2010, 12(6):422-427. Disponível em:
<http://www.scielo.br/pdf/rbcdh/v12n6/v12n6a05> Acesso em: 28, nov. 2019.

Você também pode gostar