Você está na página 1de 6

CAPA

RESPONSABILIDADE
SOCIAL EMPRESARIAL
Fazer o bem dá frutos
Por Rafaela Cristina da Silva
e Aline Vitti

As propriedades rurais, assim como as em- alimento aos seus consumidores e apoiar o
presas urbanas, são partes da sociedade em bem-estar da sua comunidade local.
que estão inseridas e têm como responsabili- A exigência por empresas socialmente res-
dade observar os impactos que geram, como ponsáveis é cada vez maior, prioritariamente
alterações no bem-estar humano e no meio sobre as que atuam em escala global. As em-
ambiente. Ao atuar de forma socialmente presas hortifrutícolas ainda recebem pouca
responsável, a hortifruticultura contribui pressão da sociedade em geral, principal-
para o desenvolvimento sustentável da mente da brasileira. No caso específico das
sociedade, evitando problemas futuros frutas, a maior cobrança vem do mercado
causados, por exemplo, por agressões ao externo. Hoje, muitas redes européias de su-
ambiente. permercados já não se satisfazem em exigir
A sustentabilidade de sua atividade no uma fruta com algum selo de alimento segu-
longo prazo depende dessa integração ro (PIF, Eurepgap ou Tesco), elas estão preo-
entre os aspectos econômicos, sociais cupadas se a empresa hortifrutícola mantém
e ambientais da sociedade, devendo ser programas e ações de educação ambiental,
atribuídos pesos iguais para esses três itens. ajuda os filhos dos seus funcionários, empre-
Se um deles estiver enfraquecido, não haverá ga grupos minoritários da sociedade e parti-
equilíbrio sustentável em nenhuma das par- cipa da comunidade local.
tes. Apesar de essas ações gerarem custos para
Uma sociedade cujas condições são melho- a empresa, elas devem ser encaradas como
res tem força de trabalho mais capacitada, investimento de longo prazo porque são
maior poder de consumo e meio ambiente formas de garantir o desenvolvimento sus-
preservado. Ou seja, todos ganham. O pro- tentável da hortifruticultura brasileira. É im-
dutor que adota práticas para o desenvolvi- portante que o setor se conscientize que o
mento sustentável garante vários benefícios conceito de empresas rurais socialmente res-
aos habitantes da região, à sua própria área ponsáveis veio para ficar e é uma evolução
agrícola e ao seu negócio, como aumento da dos desafios que o setor já está enfrentando
qualidade de vida, conservação dos recursos atualmente por exigência do mercado – pre-
naturais e a melhoria da sua imagem e do ços competitivos, qualidade e segurança do
setor como um todo perante a sociedade. alimento. A Hortifruti Brasil, nesta edição,
Construir esse cenário é um grande desafio. contribui para a discussão deste conceito e
Os hortifruticultores deverão avaliar qual é o apresenta exemplos de ações de responsa-
seu papel na sociedade em busca de um fu- bilidade social empresarial. Por último, são
turo melhor, gerenciar os recursos naturais e avaliadas algumas ações dos hortifruticulto-
humanos de forma mais responsável dentro res que declararam ser “empresários social-
da sua propriedade, garantir a segurança do mente responsáveis”.
6 - Março de 2007 - HORTIFRUTI BRASIL
Como uma empresa pode se
tornar socialmente responsável
Antes de olhar os caminhos que uma empresa Atualmente, outro aspecto que passou a ser
deve seguir para se tornar socialmente responsá- considerado foi o de responsabilidade social
vel, é importante entender melhor esse concei- empresarial em cadeia, no qual todos os elos
to, visto que ele é novo e há diversas definições. entre os processos de produção e a comerciali-
Esse termo começou a ser difundido no Brasil a zação final – fornecedor de insumos, produtor,
partir de 1990, quando as Organizações Não- corretor, beneficiador, atacadista, supermer-
Governamentais (ONGs) ampliaram a busca de cadista – devem realizar práticas socialmente
soluções para as desigualdades sociais do País. responsáveis. Isso significa que não adianta
Não se pode, no entanto, confundir respon- o produtor ter atitudes responsáveis se o seu
sabilidade social empresarial com filantropia. fornecedor ou comprador do seu produto não
Segundo o Instituto Ethos de Empresas e Res- as adota. Assim, é importante selecionar par-
ponsabilidade Social, a empresa pratica filan- ceiros e clientes que também compartilham de
tropia quando as suas ações estão voltadas ape- ações socialmente responsáveis. Nessa pers-
nas para o ambiente externo da empresa, tendo pectiva, todos os vértices da cadeia atuam com
como beneficiária principal a comunidade em um valor comum: o de que suas ações são im-
suas diversas formas e organizações. Já a res- portantes para garantir um futuro melhor para
ponsabilidade social empresarial é a forma de a sociedade em geral.
gestão que se define pela relação ética e trans- O consumidor também é muito importante
parente da empresa com todos os públicos com nesse contexto de responsabilidade social em
os quais ela se relaciona. Refere-se também ao cadeia porque ele tem o papel de valorizar as
estabelecimento de metas empresariais com- empresas socialmente responsáveis e de pena-
patíveis com o desenvolvimento sustentável da lizar as não responsáveis: adquirindo produtos
sociedade, preservando recursos ambientais e de empresas preocupadas com o futuro da so-
culturais para as gerações futuras, respeitando a ciedade. Atualmente, não há um protocolo que
diversidade e promovendo a redução das desi- exclua uma empresa que não é socialmente
gualdades sociais. responsável. Na maioria das vezes, os institutos
que avaliam as empresas, que trabalham com
Entende-se por esse conceito fazem uma consideração geral
das suas ações e atribuem uma nota/índice me-
responsabilidade social, nor ou maior de responsabilidade social.
ações que a empresa pratica Há várias organizações que auxiliam as empre-
sas que desejam se enquadrar no conceito de
além da sua obrigação legal responsabilidade social. Uma delas é o Institu-
to Ethos, que serviu de apoio para a Hortifruti
Outra discussão é se a empresa que cumpre Brasil entender o conceito de responsabilidade
toda a legislação vigente no País já não se en- social nesta edição, bem como o passo a passo
quadraria como socialmente responsável, tendo para sua adoção.
em vista que as leis, por si só, deveriam garantir Segundo o Instituto, para uma empresa tornar-
um futuro melhor para a sociedade. No entan- se socialmente responsável, ela deve agir de
to, de acordo com o Instituto Ethos, entidade re- forma ética e ter atitudes que preservem insu-
conhecida internacionalmente e idealizada por mos básicos para a produção: o homem e o
empresários do setor privado, que tem como meio ambiente. Os públicos-alvos das ações
associados as principais empresas do País, en- são: funcionário, meio ambiente, fornecedor,
tende-se por responsabilidade social, ações que consumidor, comunidade – em que a empresa
a empresa pratica além da sua obrigação legal. está inserida – governo e sociedade em geral.

HORTIFRUTI BRASIL - Março de 2007 - 7


Passo a passo da responsabilidade social empresarial
Diretrizes e exemplos de ações práti- •A empresa deve criar um docu- ma de participação nos lucros.
cas que podem orientar as empresas mento formal e de ampla divulgação • Evite demissões. Antes de de-
hortifrutícolas a se tornarem social- a respeito da sua ética de relaciona- mitir um funcionário identifique
mente responsáveis: mento com clientes, colaboradores, outras alternativas. Mas, quan-
parceiros e a comunidade. É impor- do necessário, reduza o pessoal
tante incluir neste documento prin- com dignidade e crie programas
“Produzir uvas com alto cípios como honestidade, justiça, de recolocação e requalificação
padrão de qualidade e prá- respeito ao próximo, integridade, profissional.
ticas socialmente e ecolo- lealdade e solidariedade.
• Preserve a saúde e o bem-es-
gicamente corretas, tar dos funcionários e dos seus
para servir bem o 2o Valorize empregados familiares. Planos de saú-
maior número de de, estímulo a práticas
e colaboradores:
consumidores, ga- esportivas e programas
É prioritário que a empresa cumpra de combate ao fumo
rantindo sustentabili-
as leis trabalhistas. Mas, essa obri- e ajuda a dependentes
dade à empresa e seus químicos são algumas
gação não vai resultar em um di-
colaboradores”. iniciativas.
ferencial para o seu empregado. É
importante ir mais além. “Empresas • Apóie a educação dos empre-
Grupo Labrunier, que valorizam seus funcionários va- gados e seus familiares. Crie
produtora/exportadora lorizam, na verdade, a si mesmas”, programas de alfabetização,
de frutas no Nordeste segundo o Instituto Ethos. qualificação e ajude colocar os
filhos de seus funcionários na
Ações práticas: escola.
1o Adote valores e
• É importante ter um canal de co-
trabalhe com transparência: municação aberto com os funcioná- 3o Faça sempre mais pelo
rios. Crie um ambiente de trabalho
O passo inicial para se tornar uma que incentive os funcionários a tra-
meio ambiente:
empresa socialmente responsável é zer novas idéias e opiniões sobre a
avaliar os seus valores éticos e trans- O produtor deve se informar e
empresa. Valorize também um am- cumprir toda a legislação am-
mitir isso ao público com o qual se biente de trabalho adequado e hi-
relaciona através de um documento biental, com destaque na
giênico. questão do uso da água
formal. Além disso, a empresa tem
que praticar o que ela se propõe e • Contrate e promova pessoas com (ortoga), na proteção
agir da forma mais transparente pos- experiências e perspectivas dife- de matas ciliares e na
sível. Isso pode ajudar também a de- rentes. Além disso, diversifique na reserva legal. No entan-
senvolver relações comerciais mais seleção de funcionários. Inclua no to, é necessário ir mais além
sólidas, reduzir o número de proces- quadro de funcionários grupos mi- do que suas obrigações. De um
sos legais e assegurar o cumprimen- noritários, como portadores de de- modo geral, não só a sociedade
to das leis. ficiência, ex-detentos, afrodescen- se beneficia com essas atitudes,
dentes e pessoas com mais de 45 mas a própria empresa rural que
anos. depende dos recursos naturais
Ações práticas: como insumo básico para
• Ofereça treinamento e incentive e
• Crie e divulgue a missão da sua em- recompense o desenvolvimento de a sua sobrevivência.
presa, para identificar suas metas e as- talentos.
pirações. É importante incluir na sua Ações práticas:
missão não só aspirações como ser a • Estabeleça diretriz contra o abuso
melhor empresa do ramo, mas infor- sexual. • Estabeleça compro-
mar a todos qual é o papel que sua em- • Informe aos funcionários o desem- missos e padrões ambien-
presa quer desempenhar na sociedade. penho da empresa. Crie um progra- tais para sua empresa que inclu-
am metas formais, além de um
Fonte: Adaptação das sete diretrizes apontadas no texto “Responsabilidade social empresarial para micro e pequenas empresas – Passo a passo”, elaborado pelo Instituto Ethos de Empresas e Res-
ponsabilidade Social em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). Texto na íntegra disponível no link http://www.uniethos.org.br/_Uniethos/Documents/
responsabilidade_micro_empresas_ passo.pdf . As ações práticas foram adaptadas da monografia de Juliana Velloso Durão, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, intitulada “Perfil e Panorama Atual
de Responsabilidade Social Empresarial: Uma análise da indústria paulista”, publicada em setembro de 2004.

8 - Março de 2007 - HORTIFRUTI BRASIL


CAPA

monitoramento periódico • O parceiro/fornecedor não pode uma solução em conjunto. As ações


sobre o impacto do seu contratar crianças e nem utilizar da empresa na sua comunidade são
empreendimento sobre o práticas de discriminação ética, se- a principal referência da sua preocu-
meio ambiente. xual, religiosa ou física no ambiente pação com a sociedade já que são
• Motive os funcionários a de trabalho. pessoas que não estão diretamente
preservar a natureza atra- • Exija uma conduta de concorrên- ligadas ao seu empreendimento e ao
vés de programas de edu- cia legal, sem práticas que são con- resultado financeiro, como os públi-
cação ambiental. sideradas abuso de poder econômi- cos citados anteriormente.

• Evite produtos que ge- co.


ram resíduos ao meio am- • Convide o fornecedor/parceiro para Ações práticas:
biente. se engajar em ações sociais em con- • Ofereça apoio às escolas locais e
• Estabeleça uma política junto com o seu empreendimento. crie programas com uma escola para
ecológica de compras. oferecer estágio.

• Reduza o uso de pro- • Contrate serviços oferecidos por


5o Proteja clientes e organizações comunitárias ou forne-
dutos tóxicos e promova o
descarte seguro de subs- consumidores: cedores locais.
tâncias tóxicas. • Ofereça seu conhecimento e expe-
Outro passo é adotar técnicas de
• Ações simples dentro riência, e incentive também os seus
produção integrada e se possível
da própria a empresa e na funcionários a se tornarem voluntá-
possuir alguma certificação de ali-
comunidade local podem rios, para engajar em algum projeto
mento seguro como a Produção Inte-
repercutir num resultado comunitário. Um exemplo é implan-
grada de Frutas (PIF). É importante ter
positivo ambiental: coleta tar uma horta comunitária.
a certeza que esse produto que saiu
seletiva do lixo (re- da sua origem de produção não sofra • Faça doações ou empréstimos de
ciclando o que for nenhuma contaminação ou qualquer equipamentos da sua empresa, ou
possível), plantio outro processo até o seu destino final espaço, para projetos comunitários.
árvores e o in- que possa apresentar risco a saúde e
centivo a eco- a imagem da sua empresa junto ao
nomia de água, consumidor. Além disso, é importan-
7o Comprometa-se
papel e energia. te tentar entender as necessidades do com o bem comum:
consumidor e satisfazê-las.
As diretrizes anteriores já demons-
tram ações para melhorias do bem
4o Envolva Ações práticas:
comum. Mas, é importante que o
parceiros e • Ouça as manifestações e realize empresário se comprometa em ações
fornecedores: pesquisas de opinião entre os clien- que não são simplesmente ações de
tes. marketing para diferenciar o seu pro-
É importante incentivar os seus • Procure oportunidades comerciais duto junto ao consumidor final.
parceiros e fornecedores alternativas, como atender nichos de É importante que o empre-
a se tornarem empresas mercado: orgânicos e produtos certi- sário faça ações que deci-
socialmente responsáveis. ficados através do Fair Trade (Comér- sivamente contribua para
Dê preferência a traba- cio Justo). o desenvolvimento de sua
lhar com empresas que região e do País.
• Promova o uso de seu produto com
tenham os mesmos valo- segurança e responsabilidade.
res éticos e ações sociais
semelhantes as suas. • Ofereça informações específicas,
corretas e justas do seu produto.
Ações práticas: • Proíba o uso de técnicas co-
merciais antiéticas.
• Exija o cumprimento
da legislação trabalhista,
ambiental, previdenciária
e fiscal. Isso poderá estar
6o Promova a comunidade:
discriminado no contrato
É importante à empresa identificar os
comercial entre sua empresa e o
problemas da comunidade e tentar
parceiro/fornecedor.

HORTIFRUTI BRASIL - Março de 2007 - 9


Atitudes socialmente Foco das ações de
responsáveis responsabilidade social nas
na hortifruticultura empresas hortifrutícolas
Para completar a discussão a respeito de respon-
sabilidade social empresarial, em janeiro, a Hor-
tifruti Brasil conversou sobre esse tema com 120
1o FUNCIONÁRIO E MEIO AMBIENTE
produtores e exportadores, proprietários de empre- FUNCIONÁRIO
sas dos setores de banana, batata, cebola, citros, Carteira registrada, moradia, assistência médica, chur-
mamão, manga, melão, tomate e uva. Oitenta e rasco, treinamentos, locais apropriados para refeitórios
oito entrevistados têm algum tipo de conhecimento e sanitários, incentivo à educação, seguro de vida, plano
sobre o assunto, sendo que 81 deles declararam re- de saúde, fornecimento de equipamentos de proteção
alizar atividades socialmente responsáveis em suas individual (EPIs), bonificação para os funcionários
propriedades. e divisão de lucros, programas de prevenção a
acidentes, transporte, previdência privada.
Dentre os públicos-alvos
MEIO AMBIENTE
das ações socialmente Proteção à Reserva Legal (RL) e à Área de Preservação
responsáveis do Permanente (APP), devolução das embalagens e descarte
de lixo agrário em lugares pré-definidos, economia no uso
setor hortifrutícola, da água com irrigação em gotejamento, proteção de nas-
centes, uso racional de defensivos agrícolas, respeito às
funcionários e
normas do Ibama, reflorestamento e proteção de manan-
meio ambiente são ciais, obtenção de outorga para o uso da água de rio, con-
trole dos produtos químicos para que não agridam o meio
os que recebem mais atenção ambiente, controle biológico de pragas, proibição de caça
e pesca, incentivo ao uso de combustíveis renováveis, res-
Dentre os públicos-alvos das ações socialmente res- peito à lei orgânica e municipal da região, parceria com
ponsáveis do setor, funcionários e meio ambiente ONGs que fornecem mudas para reflorestamento.
são os que recebem mais atenção. Ao realizar essas
ações, o produtor já está a caminho de uma gestão
socialmente responsável, de acordo com as diretri- Fonte: Hortifruti Brasil/Cepea.
zes básicas mencionadas anteriormente. Entretanto, Pesquisa feita com 120 leitores da Hortifruti Brasil, dos quais 81 declara-
os produtores hortifrutícolas, com base na amostra ram realizar ações socialmente responsáveis.
Ranking das ações/públicos-alvos mais citadas pelos entrevistados.
dos entrevistados, ainda não dão a mesma impor-
tância para ações responsáveis para outros públicos:
comunidade local, consumidor e fornecedores/par- de de vida dos moradores locais, como a melhoria da qua-
ceiros. Além disso, as suas ações estão centradas em lidade de ensino na escola.
respeitar os protocolos da Produção Integrada e a le- O setor já está no caminho quando declara que respeita
gislação ambiental e trabalhistas, prioritariamente. as obrigações legais, cria programas de incentivos aos tra-
Mesmo quando se trata das ações voltadas à comu- balhadores e se preocupa com a segurança do alimento
nidade local, as suas atividades não refletem em e seus riscos a saúde do consumidor. Mas, sob a ótica de
atitudes que decisivamente podem contribuir para desenvolvimento sustentável, ainda são ações muito tími-
o desenvolvimento sustentável da comunidade. A das para a promoção do bem-estar da sociedade geral. É
grande maioria faz doação de alimentos e colabora importante ir além das obrigações legais do setor, ações de
com entidades assistenciais. Mas, é importante ter marketing ou práticas assistencialistas. É importante o pro-
um foco menos assistencialista com a comunidade dutor repensar o seu papel na sociedade e agir, para con-
local e uma atitude mais ativa: criar projetos que tribuir efetivamente com o desenvolvimento sustentável de
geram oportunidades de uma melhoria de qualida- sua empresa, de sua região e de seu País.
10 - Março de 2007 - HORTIFRUTI BRASIL
CAPA

2 o COMUNIDADE
Ajuda à Associação de Pais e Amigos dos
Excepcionais (Apae), asilos, creches e igre-
jas; doações do excedente da produção;
contribuição para eventos com crianças e jovens; patrocínio de ativida-
des esportivas; doação de computadores, roupas, calçados e alimentos;
trabalho voluntário e geração de emprego na comunidade; participação
do projeto Amigos da Escola e em programas sociais contra drogas nas
escolas públicas.

3o FAMÍLIA DOS FUNCIONÁRIOS


Plano médico, moradia, creches, auxílio à maternidade, festas de confra-
ternização, compra de material escolar e cesta básica.

4o OUTROS: PARCEIROS, CLIENTES E CONSUMIDORES


Rastreabilidade dos insumos utilizados na produção, combate ao tra-
balho infantil; segue as normas da Produção Integrada de Frutas (PIF);
faz pesquisas sobre a cultura com a qual trabalha e divulga os resul-
tados para os seus parceiros ou outros produtores, visando à melhoria
da produção; exige nota fiscal, contribuindo para a arrecadação de
impostos.

Maior Enraizamento

Qualidade que se vê Melhor Sanidade

Melhor Pós-colheita

Maior Produtividade
A Supra Fertilizantes tem um programa nutricional
adequado para cada fase da cultura.
Dept. Comercial (19) 3894-3141