Você está na página 1de 6

À G.·. D.·. G.·.A.·.D.·.U.·.

A.·.R.·.L.·.S.·.
“Cavaleiros do Graal nº3286” S.·.F.·.U.·.

Trabalho de Loja: Malhete, Cinzel e Regua de 24”

Ir.·. Robson Palomaro – Ir.·. Batismo Basilio da Gama

Grau: A.·.M.·. Or.·. de São Paulo,

16/Set.de 2020 da E.·.V.e 6020 da V.·.L.·.


 Trabalho de Loja: Orla Denteada e Pavimento Mosaico

ORLA DENTEADA

A “Orla Denteada”, no século


XVIII, era formada por uma
corda que circundava o
Pavimento Mosaico e que era
ornamentada com borlas,
derivando daí o nome de
“Borla Denteada” que, por um
fenômeno de semântica, se
transformou em “Orla
Denteada”. Sua apresentação
simbólica se identifica com os
planetas que circundam o Sol
e ainda, com a muralha
formada pelos adeptos que
são espíritos que atingiram à
perfeição e que se dispõem
em torno dos homens com a finalidade de proteger a humanidade.
Simboliza mais as virtudes da Temperança, Fortaleza, Prudência e Justiça; os
quatro elementos dos antigos: água, fogo, terra e ar. Pesquisando a história
da Orla Denteada, remonta aos tempos em que as sessões maçônicas eram
feitas fora dos Templos. Em qualquer sala, onde se reuniam os Irmãos em
torno de uma mesa, pintava-se no chão, geralmente com carvão, o Painel
que continha o Pavimento Mosaico e vários outros símbolos maçônicos. Em
torno deste desenho vinha a Orla Denteada, formada por uma corda com
vários nós. Terminada a sessão, a corda era guardada e o desenho
apagado cuidadosamente. Mais tarde, para simplificar o trabalho faziam-se,
geralmente de metal, os vários símbolos dos objetos que ornavam o Painel e,
quando das reuniões bastava colocar-se a corda e espalharem-se os
emblemas no espaço por ela delimitado. O progresso continuou e apareceu
então um retângulo de tecido em torno do qual se punha a corda. Neste
retângulo estavam pregados os emblemas dos objetos simbólicos. Terminada
a sessão bastava enrolar-se aquele retângulo e tudo estava preparado para
outra. Por último, o Painel foi definitivamente pintado e exposto
permanentemente nas lojas.

A Orla Denteada é uma figura denteada que cerca o mosaico do Templo,


simbolizando a união que deve existir entre todos os homens quando o amor
fraternal dominar todas as nações e todos os corações.
Mostra-nos o princípio de atração universal simbolizado no amor e
representa, também, com os seus múltiplos dentes, os planetas que gravitam
ao redor do Sol, os povos reunidos em torno de um chefe, os filhos reunidos
em volta do pai, enfim, os Maçons unidos e reunidos em torno da Loja, cujos
ensinamentos e moral aprendem, para espalhá-los aos quatro cantos do
Orbe.
As interpretações simbólicas da Orla Denteada são numerosas. Certos rituais
franceses dizem que ela pretende ensinar ao Maçom que a sociedade da
qual ele constitui uma parte envolve a Terra e que à distância, longe de
afrouxar os laços que unem os membros entre si, os atrai com maior força.
Lenning afirma que ela simboliza os laços fraternais pelos quais todos os
Maçons são unidos.
Gädicke, no entanto, segundo Mackey, é mais preciso, definindo-a como “o
laço universal pelo qual todo Maçom deve estar unido aos seus irmãos”, e
acrescentando que “consistiria de sessenta filetes ou fios, porque segundo os
antigos estatutos, a nenhuma loja era permitido ter mais de sessenta
membros”.
Para Plantagenet: “A Orla Denteada simboliza a Fraternidade que une todos
os Maçons, sendo assim uma reprodução material e permanente da
“Cadeia de União”.
J. Boucher (LSM) diz que, segundo a definição de Oswald Wirth, a Orla
Denteada deve ser composta de triângulos eqüiláteros pretos e brancos,
estes últimos com a ponta voltada para fora, pois “indicam a influência
iluminativa exercida sobre nós pela imensidade-ambiente daquilo que
ignoramos. Neste caso, os triângulos pretos exprimiriam, por parte dos
iniciados, um esforço de compreensão receptiva, ao passo que os triângulos
brancos, cuja ponta está voltada para o exterior, denotariam uma espécie
de ofensiva contra o mistério do espírito humano...”.

CONCLUSÃO

A ORLA DENTEADA, simbolizando o princípio da Atração Universal, insta-nos a


unirmos cada vez mais, nos mais variados níveis de convivência social, quer
seja em nossos círculos de amizade, de família ou de fraternidade em torno
de nossa Loja e com nossos irmãos em todo o mundo, através do Amor
Fraternal.
Da trilogia fundamental da Maçonaria - liberdade, igualdade e fraternidade
- este último princípio, a fraternidade, diria que é o mais importante.
Entretanto, essa fraternidade com que nossa Ordem nos presenteia não é
mágica, não nasce ou é incutida mediante a iniciação à Maçonaria, ela
deve ser ensinada, aprendida, cultivada e protegida diariamente. Vemos
assim que para atingirmos a "excelência do amor fraternal" é necessário polir,
e muito bem polida, nossa pedra bruta, exercitando todos os ensinamentos
morais que a Maçonaria nos traz desde o momento em que nos dá à Luz.
Então quanto mais estreitos os laços fraternais entre os irmãos de uma Loja,
maior, com certeza, será a força e a beleza de seus trabalhos e mais
benefícios trará aos Obreiros de seu quadro, aos demais irmãos de seu
Oriente e à comunidade onde está inserida e, assim, à Maçonaria Universal.
Sejamos, pois, maximizadores do Amor do GADU amando e amparando a
todos os Irmãos e lutando pelo encaminhamento de nossos pares, rumo à
morada Divina, que é a origem e fim de nossos passos.
Termino minha explanação, invocando a força do significado da ORLA
DENTEADA, decantando a alegria do convívio fraternal que expressa o Salmo
133:
"Oh, quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união. É como óleo
precioso sobre a cabeça, que desce sobre a barba, a barba de Aarão e
que desce a orla das suas vestes. É como orvalho de Hermon, que desce
sobre os montes de Sião, por que ali, o Senhor ordena benção, e é vida para
sempre”.

B i b l i o g r a fi a e fon t es d e referencias :

 R i tu al d e aprend iz M aç om , s egu nd o o s is tem a d o ri to


Bras il eiro d e 2007 , ed i tor a d o Gran d e Oriente d o Br as il .
 A M aç onaria S im ból ic a d e Jul es Bou c her, ed itora
Pens am ento .
 A Bí bl ia S agrad a
 http://bodesdoar.blogspot.com/2011/03/orla-denteada.html
 https://www.noesquadro.com.br/simbologia/o-pavimento-mosaico-
orla-dentada-na/
 http://iblanchier3.blogspot.com/2015/07/o-pavimento-mosaico.html

O PAVIMENTO MOSAICO

Para iniciarmos a
apresentação desta peça de
arquitetura sobre o
pavimento mosaico, temos
inicialmente que descrever
do se trata, ou seja, é o piso
das lojas Maçônicas ou de
uma área assim definida de
um determinado templo,
geralmente no centro da loja.

O pavimento mosaico é
formado por quadrados
pretos e brancos,
intercalados, circundado por
uma orla dentada, a qual a
sua origem é Sumeriana(1),
provavelmente. Para entendermos o seu real significado, teremos que
analisar o que é o dualismo.
Para quase tudo que nós conhecemos, existe um oposto, ou seja, um
dualismo, o bem nos remete ao mal, a virtude ao vício, a tolerância à
prepotência, a luz e as trevas, a união à desarmonia, o amor do ódio, o preto
do branco e assim por diante, existem inúmeros exemplos e que todos nós já
conhecemos muito bem.
Gosto sempre de retroceder a minha iniciação, pois agora com um pouco
mais de conhecimento adquirido, posso notar que este piso, com estas cores
significavam as dificuldades que teríamos em nossa caminhada iniciática e
também durante a nossa vida profana.

Olhando mas atentamente, podemos também analisar que o piso esta unido
por um cimento ou cola e que cada um dos quadrados, com as suas
diferenças representam a união de todos os Maçons do
planeta independentemente de raças, cores e credos pontos de vista
políticos e religiosos.

Assim como símbolo do Yin e do Yang(2) da filosofia do Tao(3), o nosso piso


mosaico é representado por duas cores. O Yin é representado com uma cor
mais escura, ou seja, o preto é feminino e representa escuridão, a
passividade, a água, o frio, o impalpável, o pequeno e o calmo. Também
remete ao ódio, a intolerância, ao embotamento, ao sedentarismo, a
inimizade, a inveja, a oposição e a dificuldade.

O Yang com uma cor mais clara o branco é masculino e representa a luz, a
atividade, a montanha (pedra), o calor, o concreto (palpável), o grande e o
ruidoso.

Também remete ao amor, a tolerância, a criatividade, a iniciativa, a


amizade, a admiração, a ajuda e a facilidade.

Juntos representam à união e o complemento entre os opostos. No meio da


claridade do Yang existe um pequeno círculo de sombra de Yin e no meio
da sombra do Yin existe um pequeno círculo claro de Yang.

Assim como ocorre em nossa orla dentada, os triângulos equiláteros(4)


brancos com as pontas para fora e os pretos voltados para dentro,
simbolizam o movimento contínuo e constante da evolução dos atributos de
um para os atributos do outro.

No meu ponto de vista acredito ser a melhor definição para o pavimento


mosaico com a sua orla dentada, o convívio fraternal que todos nós Maçons
devemos ter não só dentro das nossas oficinas, como no nosso dia a dia no
mundo profano. A sua orla dentada, para muitos autores significam os
Maçons em uma eterna da cadeia de união.

Todos os símbolos da Maçonaria apontam para um objetivo em comum,


lembrar e expirar a todos os Maçons a prosseguir com o seu trabalho de polir
a sua pedra bruta. Buscando um equilíbrio entre a beleza a força e
sabedoria, dentro e fora de suas lojas.
"Oh, quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união. É como óleo
precioso sobre a cabeça, que desce sobre a barba, a barba de Aarão e
que desce a orla das suas vestes. É como orvalho de Hermon, que desce
sobre os montes de Sião, por que ali, o Senhor ordena benção, e é vida para
sempre”.

Conclusão

Finalizo ressaltando aos irmãos que o pavimento mosaico nos mostra a


atração universal simbolizada no amor, representa os povos reunidos em
torno de um chefe, a família, os filhos, reunidos em volta do pai, enfim os
maçons unidos e reunidos em torno da Loja, cujos ensinamentos e moral
aprendem, para espalhar-lhos aos quatro cantos do universo.

B i b l i o g r a fi a e fon t es d e referencias :

 R i tu al d e aprend iz M aç om , s egu ndo o s is tem a d o rito


Bras il eiro d e 2007 , ed i tor a d o Gra n d e Oriente d o Br as il .
 A M aç onaria S im ból ic a d e Jul es Bou c her, ed i tor a
Pens am ento .
 M aç onaria E s o tér ic a d e Antoni o G eral d o Bu c k, ed itora
Com panhia Mí s ti c a.
 O Aprend izad o Maç ônic o, R iz zard o d a Cam ino, ed itor a “A
Trol ha” d e 1993.
 A c ar til ha d o aprend iz, Jos é Cas te ll ani, ed itora “A T rol ha”
d e 1992 .
 S i te Bras il M aç om , w ww .bras il m acom .c om .br
 S i te w ww .ped reirosl ivres .c om .br
 O l ivro s ec reto d a M aç onaria d e Lou rival d o Perez Baç an.

Você também pode gostar