Você está na página 1de 7

 

           TAKE  HOME  MESSAGES!  

Exame  Físico  Ortopédico  


 

ANAMNESE  
 

REALIZAR   UMA   HISTÓRIA   CLÍNICA   DETALHADA,   LEMBRANDO   QUE   DETALHES   DA  


IDENTIFICAÇÃO   COMO   SEXO,   IDADE   E   PROFISSÃO   SÃO   FUNDAMENTAIS,   POIS   MUITAS  
DOENÇAS   DO   SISTEMA   MÚSCULO-­‐ESQUELÉTICO   OCORREM   EM   IDADES   ESPECÍFICAS   E   TEM  
MAIOR  OU  MENOR  PREDISPOSIÇÃO  DE  ACORDO  COM  O  SEXO.    

TAMBÉM   NÃO   ESQUECER   DOS   HÁBITOS   DE   VIDA.   HÁ   CASOS,   POR   EXEMPLO,   DE   PACIENTES  
QUE  NO  INÍCIO  DOS  SINTOMAS  NÃO  APRESENTAM  ALTERAÇÕES  ANATÔMICAS  NOS  TENDÕES,  
MÚSCULOS   OU   CARTILAGEM,   MAS   QUE   TEM   DORES   ARTICULARES   DEVIDO   A   SOBRECARGA  
(OVERUSE)   COMO   INDIVIDUOS   QUE   REALIZAM   EXERCÍCIOS   EM   EXCESSO   SEM   PERÍODOS   DE  
REPOUSO.  

A   DOR   É   UM   DOS   SINTOMAS   MAIS   FREQUENTES   NAS   DOENÇAS   DO   APARELHO   MÚSCULO-­‐


ESQUELÉTICO,   PORTANTO   SUA   AVALIAÇÃO   DEVE   SER   BEM   DETALHADA,   DESTACANDO-­‐SE  
FATORS  COMO  INÍCIO,  LOCALIZAÇÃO,  IRRADIAÇÕES,  TIPO,  RITMO,  INTENSIDADE,  FATORES  DE  
MELHORA   E   PIORA,   ASSOCIAÇÃO   COM   TRAUMA   AGUDO   OU   MICROTRAUMAS   DE   REPETIÇÃO  
(OVERUSE).    

QUANDO   A   DOR   É   ARTICULAR,   É   IMPORTANTE   PESQUISAR   O   NÚMERO   DE   ARTICULAÇÕES  


ENVOLVIDAS.  COMO  EXEMPLO,  NA  GOTA  ÚRICA  COSTUMA  SER  MONOARTICULAR,  ENQUANTO  
QUE  NA  ARTRITE  REUMATÓIDE,  EM  GERA,  É  POLIARTICULAR.  

ETAPAS  DO  EXAME  FÍSICO  


 

1. INSPEÇÃO  (ESTÁTICA  E  DINÂMICA).  


 
2. PALPAÇÃO.    
 
3. AVALIAÇÃO  DA  AMPLITUDE  ARTICULAR.  
 
4. MANOBRAS  ESPECÍFICAS.  
1. INSPEÇÃO  
 

DEVE  SER  FEITA  COM  O  SEGMENTO  AVALIADO  COM  EXPOSIÇÃO  ADEQUADA,  COM  O  PACIENTE  
DESCALÇO  NA  AVALIAÇÃO  DA  MARCHA,  OBSERVANDO-­‐SE  POR  VÁRIOS  ANGULOS.    

SEMPRE  QUE  POSSÍVEL,  COMPARAR  COM  O  LADO  CONTRALATERAL  NORMAL.  

2. PALPAÇÃO  
 

AJUDA  A  CONFIRMAR  AS  IMPRESSÕES  OBTIDAS  NA  INSPEÇÃO.    

BUSCAR  A  PRESENÇA  DE  TUMEFAÇÕES,  EDEMA,  DERRAME  ARTICULAR,  ALTERAÇÕES  DA  


TEMPERATURA  LOCAL,  CREPTAÇÕES  ARTICULARES  E  AVALIAR  OS  PONTOS  DOLOROSOS.  

3. AVALIAÇÃO  DA  MOBILIDADE  ARTICULAR  


 

AVALIAR   ALTERAÇÕES   DO   ARCO   DE   MOVIMENTO   NORMAL   DA   ARTICULAÇÃO   EXAMINADA,  


SEMPRE  TOMANDO  COMO  PARAMETRO  O  LADO  CONTRALATERAL  NORMAL.  

DEVE-­‐SE   CONHECER   A   AMPLITUDE   ARTICULAR   CONSIDERADA   NORMAL   PARA   A  


ARTICULAÇÃO  ESTUDADA.  

PODE   SER   ATIVA   (REALIZADA   PELO   PACIENTE,   PASSIVA   (REALIZADA   PELO   EXAMINADOR),  
ASSISTIDA  E  CONTRA  RESISTENCIA.  

4. PROVAS  ESPECÍFICAS  
 

SÃO   MANOBRAS   JÁ   PADRONIZADAS   POR   ESTUDOS   PRÉVIOS,   REALIZADAS   PARA   SE  


IDENTIFICAR   CONDIÇÕES   ESPECÍFICAS,   COMO   A   MANOBRA   DE   NEER   PARA   SE   IDENTIFICAR  
SÍNDROME  DO  IMPACTO  DO  OMBRO.  

 
PONTOS  IMPORTANTES  EM  CADA  SEGMENTO  ESTUDADO:  

EXAME  FÍSICO  DA  COLUNA  VERTEBRAL  


 

COLUNA  CERVICAL:  

PALPAR  PARTES  MOLES,  EXPREMIDADES  ÓSSEAS  (PROCESSOS  ESPINHOSOS).  

AMPLITUDE  ARTICULAR:  FLEXO-­‐EXTENSÃO  130°,  INCLINAÇÃO  LATERAL  45°,  ROTAÇÃO  80°.  

EXAME  DO  NÍVEL  NEUROLÓGICO:  

COLUNA  TORÁCICA:  

TORÁX  DESPIDO,  PACIENTE  DESCALÇO,  OBSERVAR  TODA  A  LINHA  MÉDIA  VERTEBRAL.  

 
AMPLITUDE  ARTICULAR:  FLEXÃO  45°,  EXTENSÃO  45°,  INCLINAÇÃO  LATERAL  45°  PARA  CADA  
LADO.  

COLUNA  LOMBAR:  

AMPLITUDE  ARTICULAR:  FLEXÃO  40°  A  60°,  EXTENSÃO  20°  A  35°,  INCLINAÇÃO  LATERAL  15°  A  
20°,  ROTAÇÃO  3°  A  8°.  

NÍVEL  NEUROLÓGICO:  

 
TESTE  DE  LASEGUE:  O  SINAL  DE  LASÈGUE,  TAMBÉM  CHAMADO  DE  "TESTE  DA  
PERNA   ESTENDIDA",   É   O   TESTE   MAIS   UTILIZADO   PARA   DETECTAR   A  
COMPRESSÃO   MECÂNICA   E/OU   A   INFLAMAÇÃO   DAS   RAÍZES   LOMBARES   POR  
HÉRNIAS  DISCAIS  PROTRUSAS  E  EXTRUSAS.  ATUALMENTE,  MUITOS  AUTORES  
ADMITEM   QUE,   APENAS   A   45°,   O   REFERIDO   TESTE   DEVE   SER   VALORIZADO  
COMO  INDICADOR  DE  EFETIVA  COMPRESSÃO  RADICULAR.  

 
 

EXAME  FÍSICO  DO  OMBRO  


 

AMPLITUDE  ARTICULAR  NORMAL:  ABDUÇÃO:  0  A  90°,  ADUÇÃO:  0  A  75°,  ELEVAÇÃO:  0  A  180°  


(PLANO  ESCAPULAR)  ,  FLEXÃO:  0  A  180°  (PLANO  SAGITAL),  EXTENSÃO:  0  A  60°,  ROTAÇÃO  
EXTERNA:  0  A  75  –  90°    E  ROTAÇÃO  INTERNA  –  NÍVEIS  DA  COLUNA  TORACOLOMBAR  .  

EXAME  DO  MANGUITO  ROTATOR:  PROVAS  DE  NEER  E  JOBE.  

EXAME  FÍSICO  DO  COTOVELO  


AMPLITUDE  ARTICULAR  NORMAL:  

FLEXÃO  130º  

EXTENSÃO  0º    

PRONAÇÃO  0  -­‐  90º    

SUPINAÇÃO  0  -­‐    90º  


EXAME  FÍSICO  DA  MÃO  
 

EXAME  FÍSICO  DO  QUADRIL  


AMPLITUDE  ARTICULAR  NORMAL:  

FLEXÃO  (0-­‐120°),  EXTENSÃO  (0-­‐30°),  ABDUÇÃO  (0-­‐50°),  ADUÇÃO  (0-­‐30°),  ROTAÇÃO  INTERNA  
(0-­‐40°),  ROTAÇÃO  EXTERNA  (0-­‐50°).  
MANOBRAS  ESPECIAIS:  PATRICK-­‐FABERE,  OBER,  THOMAS.  

EXAME    DO  JOELHO  


AMPLITUDE  ARTICULAR  NORMAL:  

FLEXÃO  120-­‐140°  

ROTAÇÃO  INTERNA-­‐EXTERNA:  15°  

MANOBRAS  ESPECIAIS  (EXAME  DOS  LIGAMENTOS):  MANOBRA  DE  LACHMAN  E  GAVETA  


ANTERIOR  (CRUZADO  ANTERIOR),  STRESS  EM  VALGO  (COLATERAL  MEDIAL),  STRESS  EM  
VARO  (COLATERAL  LATERAL),  GAVETA  POSTERIOR  (CRUZADO  POSTERIOR).  

EXAME    DO  PÉ  E  TORNOZELO  


AMPLITUDE  ARTICULAR  NORMAL:  

TORNOZELO:  DORSIFLEXÃO  20°,  FLEXÃO  PLANTAR  50°  

PÉ:  PRONAÇÃO,  SUPINAÇÃO,  ADUÇÃO,  ABDUÇÃO.  

 
REFERÊNCIAS  
 

1. ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA PARA A GRADUAÇÃO MÉDICA – COMISSÃO


DE GRADUAÇÃO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ORTOPEDIA E
TRAUMATOLOGIA - 2010

2. EXAME FÍSICO EM ORTOPEDIA


Autor: BARROS FILHO, TARCISIO E. P DE/ LECH, OSVANDRE
Editora: SARVIER, 2001

Você também pode gostar