Você está na página 1de 12

A BONDADE E A SEVERIDADE DE DEUS:

Advertência aos gentios e promessa a Israel em Romanos 11.16-24


João Costa

"Se é santa a parte da massa que é oferecida como primeiros frutos, toda a
massa também o é; se a raiz é santa, os ramos também o serão. Se alguns
ramos foram cortados, e você, sendo oliveira brava, foi enxertado entre os
outros e agora participa da seiva que vem da raiz da oliveira cultivada, não se
glorie contra esses ramos. Se o fizer, saiba que não é você quem sustenta a
raiz, mas a raiz a você. Então você dirá: “Os ramos foram cortados, para que
eu fosse enxertado”. Está certo. Eles, porém, foram cortados devido à
incredulidade, e você permanece pela fé. Não se orgulhe, mas tema. Pois, se
Deus não poupou os ramos naturais, também não poupará você. Portanto,
considere a bondade e a severidade de Deus: severidade para com
aqueles que caíram, mas bondade para com você, desde que permaneça na
bondade dele. De outra forma, você também será cortado. E quanto a eles,
se não continuarem na incredulidade, serão enxertados, pois Deus é capaz
de enxertá-los outra vez. Afinal de contas, se você foi cortado de uma oliveira
brava por natureza e, de maneira antinatural, foi enxertado numa oliveira
cultivada, quanto mais serão enxertados os ramos naturais em sua própria
oliveira?"
Romanos 11.16-24 (negrito meu)

Introdução
Considerando os episódios ocorridos no Oriente Médio em 2021, este artigo analisa
a promessa da terra em Romanos 11 à luz da metáfora da oliveira, texto que
antecede a promessa para todo o Israel nos versículos 25-32. A ferramenta
bíblico-teológica utilizada é o aliancismo progressivo ou o sistema interpretativo do
Reino de Deus através das alianças.

Contexto histórico/literário
Perto do fim de sua terceira viagem missionária, por volta de 57 d.C., Paulo
passou três meses na Grécia, provavelmente na cidade de Corinto. Ele estava a
caminho de Jerusalém para entregar uma oferta à igreja, "colhida entre as
congregações cristãs-gentias que ele plantou". Durante sua estadia, ele escreveu
uma carta à igreja em Roma. Essa igreja era composta de cristãos judeus e gentios,
aos quais Paulo se dirige em sua carta.
Paulo não deixa claro seu propósito ao escrever Romanos; o mais perto que
ele chega disso é em um comentário resumido no final da carta (15.15). Várias
correntes de pensamento podem ser identificadas na epístola, entretanto, uma das
mais destacadas é o contraste entre judeus e gentios na história da salvação e a
igreja. Seu propósito pode talvez ser melhor resumido em 1.16, onde ele defin toda
a epístola, descrevendo o evangelho como "o poder de Deus para a salvação...
primeiro do judeu, e também do grego". Os capítulos 1–8 detalham a doutrina do
Evangelho, enquanto os capítulos 9–11 enfocam o relacionamento entre judeus e
gentios na igreja; Os capítulos 12–16 fornecem muitas aplicações práticas das
verdades encontradas nos capítulos 1-11.
A passagem em questão ocorre no contexto mais amplo dos capítulos 9–11.
Nestes capítulos, Paulo luta com um problema ao qual apenas fez alusão nos
capítulos 1–8: a posição dos judeus como povo eleito de Deus, destinatários de
suas promessas e bênçãos (3.1-2; 9.1-5), mas também como inimigos do evangelho
(11.28). O objetivo de Paulo é resolver essa tensão. Assim, nos capítulos 9-11, "o
tema dominante é a descrença judaica, juntamente com os problemas que ela
suscitou", conforme comenta John Stott.1
Em Romanos 1–8, Paulo apontou que o Evangelho proclama um Cristo
Judeu, profetizado nas Escrituras Judaicas (1.1-3), e que o Evangelho é
prioritariamente para o Judeu, depois para os Gentios (1.16); ainda assim, Deus não
trata os judeus de maneira diferente dos gentios no que diz respeito à salvação (2:
9). Na verdade, o verdadeiro judaísmo é visto em um coração circuncidado, não em
uma circuncisão carnal (2.28-29). Embora o judeu tenha uma vantagem histórica
sobre o gentio no sentido de que Israel era a nação eleita de Deus, recebendo a lei
de Deus sob a Antiga Aliança (3.1-2), nem os judeus nem os gentios têm vantagem
em obter a vida eterna, pois todos são pecadores (3.9). Na verdade, a lei, em vez de
justificar o judeu, revela sua pecaminosidade (3.19-20); a salvação vem para judeus
e gentios à parte da lei por meio da fé em Cristo (3.21-22). Além disso, o amado
patriarca judeu Abraão não é apenas o pai dos judeus, mas também dos gentios
que creem em Cristo (4.16-18).
Portanto, antes de Paulo passar da doutrina à aplicação nos capítulos 12–15,
ele precisa explicar e resolver essas declarações anteriores espalhadas pelos

1
John R. W. Stott, A Mensagem de Romanos (São Paulo: ABU, 2001), p.311.
capítulos 1–8. Nos capítulos 9–11, ele mostrará que Deus não quebrou suas
promessas ao povo escolhido, embora eles tenham rejeitado o evangelho enquanto
os gentios aceitaram o evangelho, e embora Deus tenha transferido privilégios de
aliança de Israel para a igreja. Em vez disso, apesar de aparentar o contrário, Deus
foi fiel às suas promessas do Antigo Testamento; seu desdobramento do plano de
redenção através de Israel inclui a rejeição dos judeus e a aceitação dos gentios do
evangelho.
Por último, antes de discutirmos 11.16-24 em detalhes, precisamos delinear
os capítulos 9–11 para ver onde os versículos 16-24 se encaixam no fluxo de
pensamento de Paulo. Paulo apresenta um argumento "linear" nos capítulos 9–11,
com cada nova seção construindo ou respondendo a pontos da seção (ou seções)
anterior. A estrutura para o argumento consiste em um lamento pessoal inicial
(9.1-5) e uma doxologia final (11.33-36). O lamento inicial introduz a questão que
Paulo procura resolver: o fracasso dos judeus em abraçar o evangelho (vv. 1-3)
convoca a questionar o valor dos privilégios e promessas que Deus lhes deu (vv.
4-5).

Exegeticamente, o material entre o lamento e o louvor pode ser dividido em


quatro seções:
Primeiro em 9.6-29 Paulo defende a proposição do v. 6a, que a Palavra de
Deus não falhou por causa da descrença de Israel. Isso porque os verdadeiros filhos
de Abraão são os filhos da promessa; nem todo o Israel étnico é o verdadeiro Israel
(9: 6-8). Na verdade, sempre houve um processo de seletividade (joeiramento)
dentro da nação, visto pela primeira vez nas escolhas de Deus de Isaque e Jacó
(9.9-13). Deus é livre para escolher quem quiser, "gentios e judeus" (9.14-29).
Em segundo lugar, em 9.30–10.21, Paulo responde às verdades de 9: 6-29,
usando seu entendimento do evangelho para explicar a surpreendente virada na
história da salvação, quando os judeus são lançados de lado enquanto os gentios
fluem para o reino.
Em terceiro lugar, Paulo reage à resposta errada que alguns podem dar aos
capítulos 9-10, de que Deus descartou seu povo escolhido (11.1-10). Ele resume a
situação de Israel conforme delineou nas duas seções anteriores e se prepara para
a próxima seção, afirmando a continuação da eleição de Israel.
Finalmente, em 11.11-32, Paulo argumenta que o atual estado endurecido de
Israel não é um fim em si mesmo nem é permanente. Este deve ser o caso, porque
as Escrituras do AT prometem um futuro glorioso para Israel e este não se cumpriu
em um pequeno remanescente que crê em Jesus como o Messias. O processo de
três estágios pelo qual a bênção de Deus oscila entre Israel e os gentios está no
centro de toda esta seção, que é dividida em três parágrafos. O propósito de Deus
ao rejeitar Israel era trazer os gentios à salvação (11.11-15); Os gentios devem estar
cientes de que foram enxertados na mesma oliveira que Israel antes de alguns de
seus ramos serem cortados, e devem lembrar que eles também podem ser cortados
se rejeitarem a bondade de Deus (11.16-24); um dia, o drama histórico-salvífico da
história será concluído e "todo o Israel" será salvo (11.25-32).
Paulo então conclui os capítulos 9-11 irrompendo em uma doxologia alegre,
maravilhado com a profunda sabedoria de Deus em seu plano de
misericordiosamente providenciar a salvação para judeus e gentios (11.33-36).
Paulo acaba de afirmar que Deus não abandonou sua nação escolhida, Israel
(11.1-10). Ele estabelece nos versículos 11-15 que Israel não caiu
permanentemente na incredulidade; antes, Deus trouxe salvação aos gentios por
meio de sua queda, e trará riquezas ainda maiores ao mundo por meio de sua
salvação final.

Introdução da metáfora do ramo (11.16)


16 Se é santa a parte da massa que é oferecida como primeiros frutos, toda a
massa também o é; se a raiz é santa, os ramos também o serão.

O versículo 16 contém um argumento "transicional" do fluxo de pensamento


de Paulo nos versículos 1-15. No versículo 16, Paulo abre o caminho para os vv.
17-24 ao introduzir a metáfora da raiz e dos ramos que dominam esses versículos.
Paulo sinaliza que o versículo 16 é transicional ao abri-lo com o conectivo δέ (no
original ora), cujo uso representa um novo desenvolvimento na história ou
argumento, no que diz respeito ao propósito do autor.
O argumento do versículo 16 é duplo, usando uma metáfora tanto da "vida
cerimonial de Israel" quanto da "agricultura/botânica": as primícias (primeiros frutos)
e a oliveira. Ambas as metáforas são usadas para estabelecer o princípio de que a
santidade é transferível da parte para o todo e vice-versa. No Israel do Antigo
Testamento, a oferta das primícias (ἀπαρχή) a Deus permitia usar o resto da comida
para uso geral. Portanto, se a primeira parte de um lote de massa fosse oferecida
ao Senhor de acordo com a lei, o resto do lote também seria sagrado. Se a raiz de
uma árvore fosse consagrada ao Senhor, os ramos que vêm da raiz também seriam
sagrados. Assim, se um "remanescente" de Israel foi salvo (11.5), quanto mais essa
santidade será transferida para o todo, e todo o Israel será salvo?
Crucial para entender os versículos 17-24 é saber o que as metáforas da
parte da massa (o primeiro fruto) e a raiz representam. Existem muitas
interpretações contraditórias, e há desacordo se a primícia e a raiz se referem ou
não à mesma coisa. A preponderância de evidências, no entanto, mostra que
ambos se referem aos patriarcas, e ainda mais particularmente a Abraão.
O ensino do Senhor em João 8 e o ensino de Paulo em Gálatas 3 de que
todos os crentes descendem de Abraão servem para confirmar nossa interpretação.
Douglas Moo diz: "No cumprimento da promessa a Abraão e alinhados com a
expectativa profética da extensão universal do reino de Deus, os gentios estão se
tornando parte de Israel. E, na consumação escatológica, como eu entendo
Romanos 11, muitos judeus serão adicionados ao Israel espiritual."2
Em resumo, então, a raiz da oliveira de Romanos 11 são os patriarcas, mas a
própria oliveira é mais do que o Israel étnico, pois nem todo o Israel étnico é o
verdadeiro Israel (Rm 9: 6-8). Em vez disso, a oliveira é o verdadeiro Israel, com a
seiva das promessas feitas aos patriarcas dando-lhe vida, começando com a
Aliança Abraâmica e culminando na Nova Aliança de Jesus Cristo. Os ramos
participam da vida da árvore pela fé em Cristo, sejam ramos naturais ou enxertados
(11.17,20). Essa verdade será explorada a seguir, à medida que percorrermos o
restante da passagem versículo por versículo.

Advertência aos Gentios e Promessa a Israel (11.17-24)

Nos versículos 17-24, Paulo enfatiza seu enfoque na metáfora da oliveira


para revelar em detalhes suas implicações para a salvação de Israel e dos gentios.

2
Douglas J. Moo, "Paul’s Universalizing Hermeneutic in Romans", The Southern Baptist Journal of
Theology 11/3: 2007, p. 77.
A) Ramos gentios enxertados na oliveira e sustentados por sua raiz (11.17-18)
17 Se alguns ramos foram cortados, e você, sendo oliveira brava, foi enxertado
entre os outros e agora participa da seiva que vem da raiz da oliveira cultivada, 18
não se glorie contra esses ramos.

Os versículos 17-18a são uma sentença condicional (lógica: implicação), com


o versículo 17 como condição e 18a como resultado. O objetivo da sentença
condicional é uma advertência de que os gentios não devem se orgulhar, pois
embora tenham sido enxertados na oliveira do verdadeiro Israel, eles não têm nada
do que se gabar contra os ramos judaicos originais. Pode ter havido um problema
particular na igreja romana com a "arrogância gentia" contra seus irmãos judeus.
Em qualquer caso, Paulo dá uma vigorosa advertência aos gentios começando aqui
e terminando no versículo 22. Na condição (versículo 17), Paulo se dirige
especificamente aos cristãos gentios romanos (cf. 11.13), chamando-os de oliveira
brava, em contraste com a oliveira cultivada da etnia israelita (11.24). Esses gentios
costumavam estar separados de Cristo e "dos pactos da promessa", mas Deus os
aproximou em Cristo (Ef 2.12-13). Embora fossem de uma árvore selvagem, Deus
graciosamente os enxertou em sua árvore cultivada e "quebrou" ramos judeus
incrédulos (11.17). Aqui em uma nova imagem, Paulo reafirma a tragédia essencial
que desperta Rm 9–11: os judeus, os destinatários das bênçãos de Deus por meio
de seus ancestrais, foram separados dessas bênçãos. Os crentes gentios, por outro
lado, foram enxertados no verdadeiro Israel.
Enxertia, "a prática de juntar o broto ou botão a uma planta em crescimento",
era comum na época do NT. Craig Keener diz: "A imagem da enxertia (inserir o
ramo de uma árvore em outra) é atestada tanto na literatura judaica como na
greco-romana. Às vezes os ramos de uma oliveira silvestre eram enxertados em
uma oliveira doméstica que estava dando pouco fruto, na tentativa de fortalecer ou
salvar a vida da árvore. Os ramos improdutivos originais eram podados."3
Quando Deus fez este trabalho de quebrar e enxertar? Aconteceu no
passado, pois Paulo usa o tempo aoristo simples (foi enxertado) para descrever a
ação como um todo, não como contínua ou futura. Deus tornou essa obra possível
pela morte de Cristo e a cumpriu gradualmente durante os primeiros anos da igreja.

3
Craig S. Keener, Comentário Histórico-Cultural da Bíblia - Novo Testamento (São Paulo: Vida Nova,
2017), p. 533,
Cristo quebrou o "muro de separação" entre judeus e gentios na cruz (Ef 2.14-17) e
abriu "a porta da fé" para os gentios (At 14.27; cf. 10.34-35 , 44-45; 11.17-18;
15.14-17). Cristo derramou seu sangue pela instituição da Nova Aliança, abolindo a
Antiga, e assim eliminou efetivamente todos os judeus incrédulos que ainda
estavam sob a Aliança do Sinai do povo de Deus.
Havia, entretanto, alguns judeus na oliveira, pois Paulo escreve que os
crentes gentios foram enxertados "entre eles". Conforme registrado em Atos, alguns
judeus confiaram em Cristo (At 2.5, 41; 13.43; 14.1; 17.1-4), mas a maioria não o fez
e resistiu à obra de Deus (At 9.23; 13.50; 14.2, 19; 17.5, 13) – estes foram
quebrados. Multidões de gentios também creram (At 14.1; 17.4, 12).
É claro que ser enxertado na oliveira se refere à salvação, como alguém é
enxertado pela fé (11.20). A salvação, como disse o Senhor Jesus, "vem dos
judeus" (Jo 4.22); mas Deus a tornou disponível para judeus e gentios. Todos os
que creem tornam-se participantes da raiz – a rica seiva da oliveira e recebem a
vida eterna. Assim, a oliveira do verdadeiro Israel contém ramos judeus crentes, que
brotaram pela promessa da raiz de Abraão, e ramos gentios enxertados, ambos os
quais participam da vida salvadora da árvore (Rm 9.8, 23-24 ; Gl 3.28-29).
No resultado do versículo 18a, Paulo diz aos gentios que o enxerto não é
motivo para se vangloriar. Ele explica o porquê no versículo 18b (Se o fizer, saiba
que não é você quem sustenta a raiz, mas a raiz a você), dizendo que eles não
deveriam esquecer de onde veio sua salvação – Cristo era um Judeu, e então Deus
providenciou a salvação para os Gentios por meio dos Judeus; portanto, eles têm
uma grande dívida com o povo judeu (Rm 15.27).

B) A fé gentia e a descrença judaica são a causa da enxertia e do corte


(11.19-20a)
19 Então você dirá: “Os ramos foram cortados, para que eu fosse enxertado”. 20a
Está certo. Eles, porém, foram cortados devido à incredulidade, e você permanece
pela fé.

Paulo antecipa uma réplica indignada dos gentios no versículo 19, que os
ramos judeus foram quebrados para dar lugar a gentios crentes e superiores. Paulo
reconhece a verdade da resposta deles no versículo 20a antes de retornar à
advertência nos versículos 20b-22. Ele "procura esvaziar [seu egoísmo],
lembrando-lhes que é a fé que faz a diferença." Foi a incredulidade judaica que
resultou no corte ou poda; A fé gentia resultou em seu enxerto no povo de Deus.

C) Ramos gentios também devem ser cortados se se afastarem da bondade de


Deus (11.20b-22)
20b Não se orgulhe, mas tema. 21 Pois, se Deus não poupou os ramos naturais,
também não poupará você. 22 Portanto, considere a bondade e a severidade de
Deus: severidade para com aqueles que caíram, mas bondade para com você,
desde que permaneça na bondade dele. De outra forma, você também será cortado.

Embora os gentios tenham sido enxertados na oliveira cultivada (11.20a),


eles não deveriam "exultar'' sobre os ramos, mas temer (11.20b). A salvação pela
graça por meio da fé não dá a ninguém o direito de se gabar; é o Senhor quem
mostra misericórdia e escolhe quem quer (9.15-18; Ef 2.8).
Paulo explica a razão pela qual os crentes gentios devem temer no versículo
21, que é a base ou base para ambos os versículos 20 [b] e 22. No versículo 21,
ele usa um argumento do maior para o menor: Se Deus cortou ramos naturais por
causa de sua descrença, por que ele não cortaria os ramos enxertados pelo mesmo
motivo? John Frame sintetiza: "Esse paralelo entre a igreja e Israel não deve ser
surpreendente, porque, é claro, a igreja e Israel são, ao contrário dos pontos de
vista do dispensacionalismo, o mesmo corpo pela obra salvífica de Cristo. A árvore
da redenção é uma só; Deus a poda e enxerta ramos nela como quer. Portanto, a
igreja visível participa da 'eleição de Israel'."4
Paulo reafirma sua tese do versículo 20b no versículo 22, apontando que
Deus exerce bondade sobre aqueles que creem e severidade sobre aqueles que se
recusam a crer. Ele adverte "o crente gentio que pode (como o judeu; cf. 2.4-5)
presumir da bondade de Deus. Pois a bondade de Deus não é simplesmente um ato
passado ou benefício automático no qual o crente pode descansar seguro; é
também um relacionamento contínuo no qual o crente deve permanecer".
O que significa esta advertência? Paulo está ensinando que os cristãos
gentios deveriam ter medo de perder sua salvação se parassem de crer em Jesus?

4
John M. Frame, Systematic Theology: An Introduction to Christian Belief (Phillipsburg, Nova Jersey:
P&R), p.214 [Edição em português: Teologia Sistemática: Uma introdução à fé cristã (São Paulo:
Cultura Cristã, 2020]).
Obviamente não, ou Paulo estaria contradizendo declarações bíblicas claras sobre
segurança eterna (Jo 10: 27-29; Rm 8: 29-30). No entanto, a advertência aqui não é
singular; passagens como João 15.6, Colossenses 1.21-23 e Hebreus 3.6,14
alertam os crentes contra a apostasia e a consequente condenação eterna. No
contexto de Romanos 11 também, ser cortado da oliveira deve significar a perda da
salvação. Como essas verdades podem ser reconciliadas?
Douglas Moo apresenta uma resposta clara e poderosa. “Ao emitir esta
advertência, Paulo ecoa um tema consistente do NT: a salvação final depende da fé
contínua; portanto, a pessoa que deixa de crer perde qualquer esperança de
salvação”.5 A Escritura exorta os crentes a perseverar na fé; a fé que salva está
sempre acompanhada de boas obras, enquanto a fé morta não é acompanhada de
obras e não pode salvar ninguém (Tg 2:14, 17-26). Gentios com um espírito
arrogante, que pensam que são salvos por qualquer razão que não seja a graça de
Deus, como os ramos judaicos quebrados erroneamente presumiram (ver Jo 8.33,
39, 41), serão cortados também (11.22). A advertência de Paulo tem como objetivo
fazer com que os crentes gentios se examinem, e não simplesmente assumam sua
salvação sem evidência (2Co 13.5).

D) Israel será enxertado de volta na oliveira pela fé (11.23-24)


23 E quanto a eles, se não continuarem na incredulidade, serão enxertados, pois
Deus é capaz de enxertá-los outra vez. 24 Afinal de contas, se você foi cortado de
uma oliveira brava por natureza e, de maneira antinatural, foi enxertado numa
oliveira cultivada, quanto mais serão enxertados os ramos naturais em sua própria
oliveira?

A parte A do versículo 23 é um contraste com a advertência de 22b. Os


gentios podem ser eliminados pela descrença, mas Israel pode ser enxertado
novamente por meio da fé – e eles serão (11.26).
Os versículos 23-24 completam o círculo da ênfase de Paulo no tratamento
igual de Deus para judeus e gentios, não apenas "no julgamento", mas também na
salvação graciosa. Se Deus julgou os judeus incrédulos (versículo 17), ele
certamente julgará os gentios incrédulos (vv. 20b-22); se Deus enxertou crentes
gentios (vv. 17-20a), ele certamente enxertará judeus crentes (vv. 23-24).
5
Douglas J. Moo, The Letter to the Romans - NICNT (Grand Rapids: Eerdmans, 2018), p.707.
Paulo expressa confiança no versículo 23 de que Deus fará isso, pois o que é
impossível para Ele? Ele é capaz de enxertar novamente os ramos judaicos
originais em sua própria oliveira se eles crerem nele. Ele então dá uma base
convincente para sua confiança no versículo 24: Se Deus enxertou ramos a partir de
uma oliveira brava, quanto mais ele pode enxertar ramos naturais de oliveira?
Paulo, portanto, forja o elo final na "corrente de bênçãos" de Deus com a
pergunta retórica nos versículos 23-24, antes de expô-la para nosso exame e
admiração em 11.25-36. Tanto judeus quanto gentios têm um lugar no propósito
salvífico de Deus em Cristo. Os gentios precisavam da advertência de Paulo, pois
"não há espaço para complacência"; os judeus precisavam da promessa de Deus,
pois "não há necessidade de desespero."

Aplicação
A identidade do povo de Deus tem sido uma questão teológica espinhosa por
muitos anos. Claro, o Israel étnico é o povo de Deus no Antigo Testamento, e os
judeus e gentios salvos que compõem a igreja são o povo de Deus no Novo
Testamento; isso não é debatido nos círculos evangélicos. O que está em debate é
a relação entre os dois. Existem dois povos de Deus, ou apenas um povo? A
metáfora da oliveira em Romanos 11.16-24 mostra como Paulo via o povo de Deus
e deve fundamentar o entendimento dos cristãos hoje.
A posição do dispensacionalismo clássico, de que a igreja e o Israel étnico
têm identidades separadas, não faz justiça a Romanos 11.16-24, ou passagens
como Romanos 4 e Gálatas 3. Enquanto a teologia dispensacionalista reconhece
semelhanças entre Israel e a igreja, ela cria uma barreira antibíblica entre eles. Por
exemplo, tal tese baseia sua afirmação de que Israel e a igreja estão parcialmente
separados em uma leitura incorreta de 1Coríntios 10.32. O dispensacionalismo
clássico também reforça a separação interpretando Gálatas 6.16 à parte do contexto
geral do livro. A negação dispensacionalista de que as raízes da igreja estão no
povo de Deus, começando no Antigo Testamento e mais tarde conhecida como os
filhos de Israel, também é refutada por Romanos 11.16-24. Gentry e Wellum estão
corretos ao afirmar que: "Em vez de fazer uma distinção ontológica entre Israel e a
igreja, devemos ver o relacionamento entre as duas comunidades à luz de Cristo",6

6
Peter J. Gentry e Stephen J. Wellum, Kingdom through Covenant: A Biblical-Theological
Understanding of the Covenants (Wheaton, IL: Crosswat, 2012), p. 690.
em quem os dois estão unidos. Se o dispensacionalismo clássico fosse verdadeiro,
Paulo teria usado uma metáfora de duas oliveiras, em vez de uma!
Nem a hermenêutica da teologia da aliança faz jus a Romanos 11.16-24,
quando os seguintes versos que prometem um futuro especial para "todo o Israel"
são considerados (Rm 11.25-26). É anacrônico situar a igreja de volta ao Israel do
Antigo Testamento, pois Sam Storms corretamente observa que "a igreja não
poderia ter sido iniciada em qualquer momento de Adão a Cristo, visto que isto não
era possível até que o Messias morresse e ascendesse, e não seria verdadeira até
que os crentes fossem batizados pelo Espírito em seu corpo, a igreja”.7 Apesar da
afirmação da teologia da aliança, a igreja não é “a substituição de Israel".
A metáfora da oliveira mostra a progressão fundamental do povo de Deus,
pelo menos desde Abraão até a presente era gentia. Paulo mostra três estágios do
desenvolvimento da oliveira como um estudo de caso do aliancismo progressivo:
uma época implícita em que todos os ramos eram judeus; o tempo em que ramos
judeus incrédulos foram quebrados e ramos gentios crentes foram enxertados
(11.17, 19-20); e a futura reformulação de "todo o Israel" com base em sua crença
em Cristo (11.23-24). O primeiro estágio seria o Israel do Antigo Testamento; o
segundo estágio seria a igreja sob o Nova Aliança; e o terceiro estágio seria o povo
escatologicamente completo de Deus, quando ele consuma seu plano para salvar
judeus e gentios em Cristo. Richard Lucas, em seu capítulo na obra Aliancismo
Progressivo, editada por Stephen Wellum, conclui acertadamente que: "O Israel
étnico e os gentios se tornam parte do Israel espiritual ao crer no verdadeiro
israelita, Jesus Cristo."8
Embora o Israel do Antigo Testamento não fosse a igreja, ainda assim a
igreja permanece na mesma corrente de bênçãos e cumprimento de promessa da
aliança que o Israel do Antigo Testamento. O cumprimento literal (literalista) exige
que a terra prometida de Israel seja dada ao Israel nacional de crentes, à parte dos
cristãos gentios no milênio. A terra para os judeus, na perspectiva da ótica
geopolítica tem absoluta relevância, mas sob a lente da teologia bíblica ela tem
outros apontamentos. Compreendemos que nas Escrituras a terra é tipológica. Oren

7
Samuel Storms, Kingdom Come: The Amillennial Alternative (Ross-shire, Escócia: Mentor, 2015) -
Acesso Kindle em 5 de julho de 2021.
8
Stephen Wellum e Brent E. Parker (org.), Aliancismo Progressivo: traçando uma via entre o
dispensacionalismo e o aliancismo (Brasília: Editora 371, 2020) - Acesso Kindle em 5 de julho de
2021.
Martin diz: "Começando na criação, o objetivo cosmológico de Deus consiste em
estabelecer seu reino na terra. Deus estabelece sua norma salvadora na terra
através das alianças bíblicas, que progressivamente desdobram as promessas de
Deus, as quais alcançam seu telos em Cristo, o último Adão, o verdadeiro Israel e
rei davídico. O que é desenvolvido no AT é confirmado pelo NT."9 Sem dúvida, neste
momento da história o cumprimento é focado principalmente em Cristo, aquele que,
em si mesmo, inaugurou um novo reino criacional através de sua ressurreição física
e fez nova criação daqueles unidos com ele, judeus e gentios — conforme
antecipamos a consumação da nova criação em sua forma final (Ap 21–22). Jesus é
melhor que a terra prometida, pois ao crer nele como o Messias, os judeus recebem
mais que apenas um território, mas herdam toda a terra.
Em toda essa discussão, é crucial destacar que o nosso Deus de promessas
triúno cumpre o que promete. Em seu ministério, Jesus anunciou que Deus estava
trabalhando para cumprir suas antigas promessas de redenção e restauração do
pecado, bem como para restabelecer seu reino universal e internacional através
dele. Entre a inauguração e a consumação dessas promessas, vivemos como
peregrinos e exilados que esperam a cidade que está por vir, cujo arquiteto e
construtor é Deus (Hb 11.10; 13.14; 1Pe 2.11).
Transcendendo tempo e espaço, e suplantando as expectativas humanas, a
igreja é o cumprimento da promessa de Deus a Abraão de abençoar todas as
nações em Cristo, sua semente (Rm 4.11-12, 16; Gl 3: 7, 16-17, 26-29). A metáfora
de Paulo da oliveira mostra que, embora a igreja e o Israel étnico sejam entidades
distintas, Deus tem apenas um propósito salvífico e um povo – o verdadeiro Israel –
ao longo da história.

9
Ibid.