Você está na página 1de 2

Vulnerabilidade na adolescência

A adolescência é um período marcado por intensas mudanças, dúvidas e indecisões,


principalmente em relação à sexualidade. Desta forma, o adolescente encontra-se mais vulnerável à
gravidez não planejada, às doenças sexualmente transmissíveis, experimentação de drogas,
exposição aos acidentes em decorrência do comportamento desafiador, além de diferentes formas de
violência.

É uma fase que é cercada de descobertas e inseguranças e também de muitas incertezas que
vem acompanhada de diversas vulnerabilidades interligadas ao adolescente que se difere em
individual, social e programática, temos em vista que a fase da adolescência é cercada de riscos e
por diversas vezes o adolescente não procura o serviço de saúde ou não tem uma conversa com seus
pais, e tomando decisões baseado no que pensa ser certo ou errado, seguindo às vezes o conselho ou
exemplos de amigos.

Conhecer e refletir sobre as percepções dos adolescentes acerca do seu contexto


sociocomunitário impõe-se como desafio e exercício para compreender e transformar as práticas de
saúde, em especial as de enfermagem, validando a correção ética e compromissada das ações,
buscando observar, por meio e para além de suas conexões, os seus significados, propostas de
intervenção e prevenção. Esses processos exigem novos conhecimentos e uma ação proativa, capaz
de gerar uma consciência coletiva e um compromisso frente aos problemas de desigualdade,
exclusão, discriminação e situações de vulnerabilidade aos quais muitos adolescentes estão
expostos.

A vulnerabilidade na saúde para os adolescentes também esta relacionada à exposição e ao


envolvimento com a violência e a criminalidade no cotidiano, na família, nas instituições, por
exemplo, a escola e ruas. Esses modos da sociedade se construíram em grave expressão da questão
social a ser enfrentada pelas políticas públicas e pela sociedade. Especificamente, no que se refere à
adolescência e à vulnerabilidade da saúde, situações como drogas, roubos, prostituição e morte, por
exemplo, são contextos do desenvolvimento dos adolescentes.

A violência sexual em ambos os sexos e o fato de não procurarem ajuda por medo ou
vergonha, pois é praticada na sua maioria por pessoas ligadas diretamente às vítimas, sobre as quais
exercem alguma forma de poder e dependência. A vítima, portanto, sente-se desprotegida e
ameaçada por aquele de quem depende física e emocionalmente. Por imaginar que realmente não
será ouvida, ou mesmo acreditada, além de envergonhada pelo que passa o adolescente fica com
medo de denunciar.

Portanto esses jovens devem ser estimulados a procurar o serviço de saúde, por meio de
campanhas, onde esse adolescente possa se sentir seguro para ir a uma unidade de saúde, conversa
com os profissionais e falar sobre os seus problemas, dúvidas, inseguranças, assegurando que ele
tenha suporte adequado nessa fase, proporcionando-lhe uma adolescência segura no que se refere ao
âmbito da saúde.

Você também pode gostar