Você está na página 1de 6

LÁTEX PCR SD Ref.

: 144K
Instruções de Uso MS 10009010303

Finalidade . Sistema para a determinação qualitativa e Interpretar o teste após dois minutos da mistura amostra com o reagente.
semiquantitativa, em lâmina, da Proteína C-Reativa (PCR). Interpretações após o tempo recomendado podem fornecer resultados
falso-positivos.
[Somente para uso diagnóstico in vitro.]
A intensidade da aglutinação não é um indicativo da concentração de PCR
Princípio . Partículas de látex estabilizadas e sensibilizadas com na amostra analisada. Para se conhecer a concentração aproximada da
anticorpo anti-proteína C-reativa humana são aglutinadas PCR em uma amostra positiva é necessário realizar o procedimento
macroscopicamente quando a proteína C-reativa está presente na semiquantitativo.
amostra em concentrações maiores que 6,0 mg/L.
O reagente contém azida sódica como conservante. Entretanto, todos os
cuidados devem ser tomados para se evitar contaminação microbiana.
Características do sistema . O sistema Látex PCR SD da Labtest
tem sensibilidade para detectar concentrações da proteína C-reativa de A azida sódica é tóxica. Devem-se tomar cuidados para não ingerir e no
no mínimo 6,0 mg/L utilizando partículas de poliestireno estabilizadas e caso de contato com os olhos, lavar imediatamente com grande
sensibilizadas com anticorpo anti-proteína C-reativa humana. quantidade de água e procurar auxílio médico. A azida pode formar
compostos altamente explosivos com tubulações de chumbo ou cobre.
A sensibilidade de 6,0 mg/L está estabelecida com material de referência
Utilizar grandes volumes de água para descartar os reagentes.
ERMÒ-DA472/IFCC.
Lavar exaustivamente a lâmina de teste com água deionizada e secar a
O teste qualitativo é simples e rápido, fornecendo resultados positivos temperatura ambiente. O uso de material contaminado com traços de
para as amostras com concentrações de PCR até 400 mg/L, sem a detergente fornece resultados incorretos e deteriora os reagentes.
necessidade de diluição prévia.
O sistema está padronizado para se obter a sensibilidade proposta e o
Metodologia . Aglutinação. desempenho adequado em função dos volumes indicados na
metodologia. Modificações nos volumes recomendados e a introdução
Reagentes de ponteira contaminada no reagente podem comprometer o
desempenho do teste e a estabilidade do reagente.
1. ( - Látex PCR - Armazenar o frasco bem tampado na posição
vertical entre 2 - 8 ºC. Não congelar. Para descartar os reagentes e o material biológico sugerimos aplicar as
Contém partículas de látex revestidas com anticorpo IgG de cabra anti- normas locais, estaduais ou federais de proteção ambiental.
proteína C-reativa humana em tampão pH= 8,1 - 8,3 e azida sódica
£0,1%. Homogeneizar bem a suspensão antes de utilizar. Material necessário e não fornecido

Os controles positivo e negativo e a lâmina de teste fazem parte 1. Lâmina.


somente do produto Serolátex PCR SD Ref. 144-120. O produto de 2. Controle Positivo (Ref. 144.P).
Ref. 144K-120 contém somente o reagente Látex PCR SD.
3. Controle Negativo (Ref. 144.N).
O reagente não aberto, quando armazenado nas condições indicadas, é 4. Bastões misturadores.
estável até a data de expiração impressa no rótulo. Durante o manuseio, o 5. Pipetas para medir as amostras e realizar diluições.
reagente está sujeito a contaminações de natureza química e 6. NaCl 150 mmol/L (0,85%).
microbiológica que podem provocar redução do tempo de estabilidade. 7. Cronômetro.

Precauções e cuidados especiais Amostra


Os cuidados habituais de segurança devem ser aplicados na Deve ser criado um Procedimento Operacional Padrão (POP) que
manipulação dos reagentes e das amostras de pacientes. estabeleça procedimentos adequados para colheita, preparação e
armazenamento da amostra. Enfatizamos que os erros devidos à amostra
Sugere-se utilizar técnicas adequadas de laboratório no manuseio dos
podem ser muito maiores que os erros ocorridos no procedimento
reagentes para evitar contaminação por microrganismos. A utilização de
analítico.
ponteiras contaminadas para medir o reagente pode comprometer a
estabilidade do mesmo e ainda o desempenho do teste. Utilizar soro sem hemólise. Não usar plasma para realizar o teste.

01 Português - Ref.: 144K


As amostras de soro podem ser armazenadas por até 7 dias entre 2 - 8 ºC. Método semiquantitativo . Ver observações.
Pode-se congelar a amostra a 20 ºC negativos durante três meses desde
que o congelamento seja realizado até 24 horas após a colheita. A 1. Preparar diluições seriadas do soro, 1/2, 1/4, 1/8, 1/16, 1/32, 1/64 em
utilização de amostras congeladas e descongeladas repetidas vezes pode tubos de ensaio utilizando solução salina (0,85%). Adicionar 0,1 mL de
fornecer resultados inconsistentes. salina em cada tubo. Transferir para o 1º tubo 0,1 mL da amostra que
apresentou teste qualitativo positivo. Misturar, transferir 0,1 mL do 1º
Como as amostras utilizadas são potencialmente infectantes, sugerimos
para o 2º tubo, misturar, transferir 0,1 mL do 2º para o 3º tubo e assim
manuseá-las seguindo as normas de biossegurança.
sucessivamente até o 6º tubo. Obtêm-se diluições 1/2, 1/4, 1/8, 1/16,
1/32 e 1/64, respectivamente.
Interferências
Amostras de soro fortemente lipêmicas podem produzir resultados 2. Colocar 0,025 mL do Látex PCR SD, previamente homogeneizado,
falsamente positivos por aglutinação inespecífica. Soros turvos podem em cada área da lâmina de acordo com o número de testes a ser
ser clarificados por centrifugação a 19000 g durante 30 minutos seguida realizado.
do descarte da camada superior de lípides.
3. Nas áreas contendo o Látex PCR SD, colocar 0,025 mL das diluições
O sistema utiliza aglutinação de partículas sensibilizadas com preparadas e misturar em forma de círculo.
imunoglobulinas originárias de mamíferos sendo passível de
interferência do Fator Reumatóide. 4. Inclinar a lâmina para frente e para trás fazendo movimentos
oscilatórios em vários planos durante dois minutos e, imediatamente, sob
A contaminação do reagente Látex PCR SD e da lâmina com detergentes uma boa fonte de luz, verificar a presença ou não de aglutinação
modifica a estrutura coloidal do reagente levando à deterioração macroscópica, comparando o resultado da amostra com os padrões
irreversível e resultados inconsistentes. obtidos com os controles.

Método qualitativo . Ver observações 1 e 2. 5. Será considerado como título a maior diluição da amostra que
apresentar aglutinação macroscópica. Se a aglutinação estiver presente
1. Não é necessário que os reagentes atinjam a temperatura ambiente até 1/64, continuar as diluições a partir do 6º tubo e prosseguir com o
antes de usá-los. teste.

2. Colocar 0,025 mL do Látex PCR SD, previamente homogeneizado, Sensibilidade . No sistema Látex PCR SD Labtest a sensibilidade é
em cada área da lâmina de acordo com o número de testes a ser 6,0 mg/L (5 - 10mg/L).
realizado.
Resultados
3. Nas áreas contendo o Látex PCR SD, colocar 0,025 mL da amostra e
dos controles positivo e negativo (vide MATERIAL NECESSÁRIO E NÃO Teste Negativo . Expressar o resultado como menor que 6,0 mg/L.
FORNECIDO) e misturar em forma de círculo.
Teste Positivo . Expressar o resultado em mg/L.
4. Inclinar a lâmina para frente e para trás fazendo movimentos
mg/L = sensibilidade x recíproca do título encontrado no método
oscilatórios em vários planos durante dois minutos e, imediatamente, sob
semiquantitativo.
uma boa fonte de luz, verificar a presença ou não de aglutinação
macroscópica, comparando o resultado da amostra com os padrões
obtidos com os controles.
Exemplo

Leitura após o tempo recomendado leva à obtenção de resultado falso Título encontrado 1/16 \ mg/L = 6,0 x 16 = 96 mg/L
positivo.
Valor de referência . Menor que 6,0 mg/L. Este valor deve ser
Interpretação usado apenas como orientação. Recomenda-se que cada laboratório
estabeleça, na população atendida, sua própria faixa de valores de
Resultado Negativo . Suspensão homogênea semelhante ao padrão referência.
obtido com o controle negativo, indicando níveis de proteína C reativa
menores que 6 mg/L. Controle interno da qualidade . O laboratório deve manter um
programa de controle interno da qualidade que defina claramente os
Resultado Positivo . Aglutinação macroscópica que varia desde a
objetivos, procedimentos, normas, critérios para limites de tolerância,
formação de grumos finos até grumos grosseiros, caracterizando uma
ações corretivas e registro das atividades. A utilização dos controles
concentração maior que 6 mg/L. A intensidade da aglutinação não é um
negativo e positivo em todos os conjuntos de testes é fundamental para
indicativo da concentração de PCR. Para estimar a concentração da
verificação do desempenho do sistema.
amostra deve-se utilizar o método semiquantitativo.

02 Português - Ref.: 144K


6
Características do desempenho . A calibração do reagente e Efeito prozona . Uma amostra de soro com concentração igual a
o limite de detecção de 6,0 mg/L foram verificados usando um calibrador 400 mg/L foi testada com Látex PCR SD encontrando-se resultados
aferido com material de referência ERMÒ-DA472/IFCC. repetidamente positivos, confirmando que até a concentração avaliada
não ocorre efeito prozona. Quando concentrações acima de 400 mg/L
Eficiência diagnóstica . Cento e vinte e cinco (125) amostras de são esperadas, a amostra a ser testada deverá ser diluída com solução de
soro com valores menores e maiores que 6 mg/L foram ensaiadas NaCl 150 mmol/L (0,85%).
utilizando Látex PCR SD e um produto de outro fornecedor que também
1-5
utiliza o método de aglutinação em lâmina como método comparativo. Significado clínico . A proteína C-reativa é provavelmente o mais
simples e sensível teste para avaliar a reação inflamatória ou necrose
tissular. A PCR tem meia vida de 5 - 7 horas e por esta razão seus valores
Látex PCR SD
caem a níveis de referência muito mais rapidamente que outras proteínas
Método Comparativo Positivos Negativos
de fase aguda. Em 70% dos pacientes com infecção, a elevação da PCR
Positivo 44 2
precede em pelo menos 12 horas a elevação de outros marcadores de
Negativo 3 76
infecção como a leucocitose, hemossedimentação e, mesmo, a febre.

Quando a resposta inflamatória é mediada primariamente por neutrófilos


A análise estatística mostrou os seguintes resultados ou monócitos, a síntese hepática de PCR está aumentada e a
concentração sérica, habitualmente, atinge valores de 100 mg/L ou mais.
Sensibilidade . 95,6%.
Especificidade . 96,2%. Pacientes portadores de agranulocitose acompanhada de septicemia
Eficiência . 96%. podem apresentar níveis de PCR dentro dos valores de referência, o que
demonstra o papel essencial dos neutrófilos para iniciar a síntese
Repetitividade . A imprecisão intra-ensaio foi verificada pela hepática desta proteína.
avaliação de 10 replicatas de quatro amostras de soro com
Quando a resposta inflamatória é mediada primariamente por linfócitos, a
concentrações iguais a 1,62; 7,14; 97,4 e 146,0 mg/L. Os resultados
síntese hepática não se altera ou pode estar ligeiramente aumentada e os
negativos e positivos encontrados mostraram uma perfeita concordância
valores séricos da PCR não se modificam ou raramente excedem a
com os resultados esperados.
26 mg/L.

Reprodutibilidade . A imprecisão inter-ensaio foi verificada em 10 A síntese da PCR não é afetada diretamente por drogas anti-inflamatórias
avaliações independentes usando cinco amostras de soro com ou imunossupressoras incluindo esteróides, e uma diminuição dos níveis
concentrações iguais a 1,28; 7,19; 40,1; 148,5 e 270 mg/L. Os séricos da PCR, mesmo com o uso destas drogas, é um indicador seguro
resultados negativos e positivos encontrados mostraram uma perfeita da involução do processo inflamatório.
concordância com os resultados esperados.
Concentrações séricas iguais ou maiores que 200 mg/L têm uma
Estudos de diluição . Os estudos foram realizados por diluição de sensibilidade de 70% e uma especificidade de 100% para diagnosticar
uma amostra de PCR elevada em um pool de soro humano normal. infecção sendo o valor preditivo de um teste positivo igual a 100%.

Amostra (mg/L) Na pielonefrite, a PCR é geralmente maior que 100 mg/L, enquanto que
Resultado
nos pacientes portadores de cistite ela é usualmente menor que 13 mg/L.
322 Reagente
215 Reagente No infarto agudo do miocárdio podem ser encontrados níveis de até
143 Reagente a
350 mg/L com pico em torno da 50 hora. A persistência de valores
95,6 Reagente
elevados após 100 ou 150 horas do episódio agudo pode ser considerada
63,7 Reagente
sugestiva de isquemia em progressão ou da associação de outra doença.
42,5 Reagente
28,3 Reagente Condições clínicas que apresentam concentração sérica de PCR muito
18,9 Reagente elevada: infecções bacterianas, doença de Still, espondilite anquilosante,
12,5 Reagente artrite associada à anastomose jejuno-ileal, doença de Crohn, infarto
8,4 Reagente agudo do miocárdio, artrite psoriática, síndrome de Reiter, febre
5,6 Fracamente Reagente reumática, artrite reumatóide, amiloidose secundária, complicações
3,7 Não Reagente trombo-embólicas pós-cirúrgicas e vasculites.

Condições clínicas que apresentam pequenas elevações de PCR:


Os resultados demonstram que após sucessivas diluições da amostra as hepatite crônica ativa, a maioria das viroses, dermatomiosite, polimiosite,
recuperações esperadas são encontradas. doença mista do tecido conectivo, esclerodermia, lupus eritematoso
sistêmico, leucemias e colite ulcerativa. Nestas condições, níveis séricos
de PCR iguais ou maiores que 100 mg/L são um indicador seguro de
infecção bacteriana intercorrente ou da acutização nos casos de
leucemia.

03 Português - Ref.: 144K


A proteína C-reativa pode ser usada para distinguir doença de Crohn da 6. Lars-Olof Hanson et al. Current Opinion in Infectious diseases 1997;
colite ulcerativa. Na colite ulcerativa a concentração sérica da PCR é 10: 196-201.
geralmente menor que 26 mg/L mesmo quando a doença é sintomática e
extensa, desde que o paciente não tenha infecção intercorrente. Em 7. M.M. Pepys. The Lancet 1981; March 21: 653 - 656.
contraste, na doença de Crohn, a PCR está elevada e os níveis séricos se
correlacionam com a extensão e atividade da doença. 8. Chetana Vaishnavi. Immunology and Infectious Diseases 1996; 6: 139
- 144.
Observações 9. Yoshitsugy Hokama et al. Journal of Clinical Laboratory Status 1987; 1:
15 - 27.
1. A limpeza e secagem adequadas do material utilizado são fatores
fundamentais para a obtenção de resultados corretos. A contaminação 10. Yamamoto S et al. Veterinary Immunology and Immunopathology
do Látex PCR SD com detergentes modifica a estrutura coloidal do 1993; 36: 257 - 264.
reagente levando à deterioração irreversível.
11. Charles Wadsworth et al. Clinica Chimica Acta; 1984: 138: 309 -
2. O laboratório clínico tem como objetivo fornecer resultados exatos e 318.
precisos. A utilização de água de qualidade inadequada é uma causa
potencial de erros analíticos. A água utilizada no laboratório deve ter a 12. Young DS. Effects of drugs on clinical laboratory test, 4th ed. AACC
qualidade adequada a cada aplicação. Assim, para preparar reagentes, Press, 1995.
usar nas medições e para uso no enxágüe final da vidraria, a água deve ter
13. Labtest: Dados de arquivo
resistividade ³1 megaohm.cm ou condutividade £1 microsiemens/cm e
concentração de silicatos <0,1 mg/L. Quando a coluna deionizadora está
com sua capacidade saturada ocorre liberação de vários íons, silicatos e Apresentação
substâncias com grande poder de oxidação ou redução que deterioram
Produto Referência Conteúdo
os reagentes em poucos dias ou mesmo horas, alterando os resultados
de modo imprevisível. Assim, é fundamental estabelecer um programa de Látex PCR SD 144K/120 1 1 X 3,0 mL
controle da qualidade da água.

3. Ao comparar métodos para a determinação da PCR, levar em Informações ao consumidor


consideração a sensibilidade dos mesmos. Resultados obtidos com
[Termos e condições de garantia]
produtos que apresentam sensibilidades diferentes somente são
comparáveis se expressos em mg/L.
A Labtest Diagnóstica garante o desempenho deste produto dentro das
especificações até a data de expiração indicada nos rótulos desde que os
4. O sistema está padronizado para se obter a sensibilidade proposta e o
cuidados de utilização e armazenamento indicados nos rótulos e nestas
desempenho adequado em função dos volumes indicados na
instruções sejam seguidos corretamente.
metodologia. Modificações nos volumes recomendados e a introdução
de ponteiras contaminadas no reagente podem comprometer o
desempenho do teste e a estabilidade do Látex PCR SD.
Labtest Diagnóstica S.A.

Referências CNPJ: 16.516.296 / 0001 - 38


Av. Paulo Ferreira da Costa, 600 - Vista Alegre - CEP 33400-000
Lagoa Santa . Minas Gerais Brasil - www.labtest.com.br
1. Angerman HS. J Reprod Med 1980;25:63.
Serviço de Apoio ao Cliente 0800 031 34 11 (Ligação Gratuita)
2. Becker GJ, Waldburger M, Heghes GRV, Pepys MB. Ann Rheum Dis e-mail: sac@labtest.com.br
1980;39:50.
Edição: Março, 2015 Copyright by Labtest Diagnóstica S.A.
Ref.: 270215 Reprodução sob prévia autorização
3. Gambino R. Lab Rep for Physicians 1982;4:1.

4. Singer JM, Plotz CM, Pader E, Elster SK. Am J Clin Path


1957;28:611.

5. Whicher JT, Bell AM, Southall PJ. Diagnostic Medicine 1981;4:62-80.

04 Português - Ref.: 144K


05 Português - Ref.: 144K
06 Português - Ref.: 144K

Você também pode gostar