Você está na página 1de 4

SAW PALMETO

Nome científico: Serenoa repens Bartr. Smal.


Sinonímia científica: Sabal serrulata (Michx.) Nutt. ex Schult; Brahea serrulata H.
Wendl.
Nome popular: Saw Palmeto, Sabalis, Sabal, no Brasil; Palmier de L’Amérique du
Nord e Sabal, na Itália; Sabal e Dwarf Palm, em inglês.
Família: Arecaeae.
Parte Utilizada: Fruto.
Composição Química: Extrato padronizado em 25% de Ácidos Gordurosos. Ácidos
graxos, ácido cáprico, ácido caprílico, ácido capróico, ácido láurico, ácido palmítico,
ácido oleico, lípase, carotenos, arabinose, galactose, beta-sitosterol, cicloartenol,
lupenona, lupeol, estigmasterol, taninos, esteroides, flavonoides, polissacarídeos.
Formula molecular: N/A Peso molecular: N/A

CAS: N/A
DCB: N/A
DCI: N/A

Trata-se de uma palmeira, caracterizada por apresentar uma altura de 1 a 3 metros.


Os frutos de Serenoa repens são bagas escuras e a fonte do extrato utilizado a nível
medicinal são as bagas maduras, parcialmente secas.

Indicações e Ação Farmacológica

Saw Palmeto está indicado em casos de alopécia androgênica, prostatite, hiperplasia


benigna de próstata (HBP), em adenomas benignos da próstata, e nos processos
inflamatórios associados a sintomas urológicos, tais como: retenção urinária, mictúria
noturna, e alteração do fluxo urinário, que são características clínicas da HBP.
Alguns estudos tem demonstrado que o extrato de Serenoa repens pode inibir a
atividade da enzima 5α-redutase e, que muito provavelmente, os compostos
responsáveis por este efeito são os fitoesteróis, em particular o β-sitosterol e
stigmasterol presentes nesta planta. Este fitoterápico apresenta compostos que agem
inibindo a atividade da 5α-redutase impedindo a formação da di-hidrotestosterona
(DHT). Além disto, é possível que outros compostos presentes neste extrato sejam
capazes de competir pelos receptores nucleares da DHT e favorecer a liberação de
Fator de Crescimento Epidermal. Apresentam também compostos que agem
possivelmente inibindo a ciclooxigenase ou lipoxigenase, reduzindo os processos
inflamatórios, e compostos que agem como antagonistas α-adrenoreceptores e
bloqueadores de cálcio que explicam seu efeito benéfico sobre o trato urinário
permitindo uma micção mais livre.
Foram comprovados, por meio de estudos experimentais, vários tipos de atividade
humoral do extrato de Serenoa repens. A atividade anti-androgênica é mediada por
três mecanismos: diminuição da quantidade de receptores androgênicos no núcleo
das células com HPB e inibição da ligação do androgênio ao seu receptor. Um terceiro
mecanismo de ação anti-androgênico é obtido pelo bloqueio da conversão de
testosterona para diidro-testosterona pela enzima 5α-redutase. Em modelos
experimentais em ratos, obteve-se redução de mais de 50% do ritmo de conversão de
testosterona para diidro-testosterona quando tratados com extratos de Saw Palmeto.

Toxicidade/Contraindicações

É recomendado não fazer uso em jejum, para evitar náuseas; visto que, 5% dos casos
estudados apresentaram náuseas, moléstias gástricas, constipação e diarreia.
O Saw Palmeto possui ação hormonal oposta à da testosterona e poderá interagir
com estrógenos presentes em terapia de reposição hormonal e em contraceptivos
orais. Outras limitações de uso estão relacionadas à administração conjunta com
outras drogas que afetam os hormônios sexuais masculinos como finasterida ou
flutamida.
Baseado em relatos clínicos, o Saw Palmeto poderá aumentar o risco de sangramento
quando administrado conjuntamente a fármacos como ácido acetilsalicílico, varfarina,
heparina, clopidogrel, anti-inflamatórios não esteroidais como ibuprofeno ou
naproxeno. A presença de taninos nesta planta poderá limitar a absorção de ferro.

Dosagem e Modo de Usar

- Extrato seco 25%: 150 mg, duas vezes ao dia. Após as refeições.
- Pó: Até 300 mg, duas vezes ao dia. Após as refeições.
- TM: 35 gotas, duas vezes ao dia.

Referências Bibliográficas

AGBABIAKA TB, PITTLER MH, WIDER B, ERNST E. Serenoa repens (saw


palmetto): a systematic review of adverse events. Drug Saf. 2009;32(8):637-
47.Bent S, Kane C, Shinohara K, et. al. Saw Palmetto for Benign Prostatic
Hyperplasia. NEJM. 2006; 354:557-566.

BLUMENTHAL M, GOLDBERG A, BRINCKMANN J. Herbal Medicine: Expanded


Commission E Monographs. Newton, MA: Integrative Medicine Communications;
2000:335-340.
NICOLETTI. M.A. Principais Interações No Uso De Medicamentos Fitoterápicos.
Infarma, p.38, v.19, nº 1/2, 2007.

YUNES, R. A.; PEDROSA, R. C; CECHINEL FILHO, V. Fármacos e fitoterápicos: a


necessidade do desenvolvimento da indústria de fitoterápicos e fitofármacos no
Brasil. Química nova, v. 24, n. 1, p. 147-152, 2001.

REBELO, A. S. et al. Novas estratégias para o tratamento da alopécia. 2015.

MACHADO FILHO, C. B. Alopécia Androgenética Masculina: Revisão e


Atualização Em Tratamentos. 2011.

DE CAMPOS F. G; PIOVESAN, A. C. Tratamento medicamentoso da Hiperplasia


Prostática Benigna com o extrato lipidoesterólico da Serenoa repens. RBM.
Revista brasileira de medicina, v. 56, n. 7, p. 691.

Você também pode gostar