Você está na página 1de 65

ECONOMIA INTERNACIONAL

Professor Marcos Rocha (Unila)


OBJETIVO DO CURSO DE ECONOMIA
INTERNACIONAL.
• Promover o entendimento das causas e
conseqüências econômicas das trocas
internacionais.
• Em particular, ao lidar com modelos teóricos,
busca trazer observação e explicação
sistemática para a diversidade caótica do
mundo e das culturas econômicas dos
diversos países que compõem a economia
internacional.
MÉTODO FORMAL
• A intenção é encontrar o modelo mais
simples, ou pela menor família de modelos,
capaz de responder às importantes questões
sobre os padrões comerciais e como as
políticas publicas deveriam lidar com eles.
QUAL SERIA, ENTÃO, A MANEIRA MAIS
SIMPLES POSSÍVEL DE MODELAR E
ECONOMIA INTERNACIONAL?
• Isolando os intercâmbios entre participantes
dos mercados nacionais. A forma mais
simples e clara utilizada normalmente requer
apenas uma descrição das trocas de dotações
fixas de bens. Assim, se abstrai dos detalhes –
inúmeros – de como os bens são produzidos.
POR QUE OS ECONOMISTAS
PRECISARIAM USAR MODELOS
DISTINTOS PARA EXPLICAR O
COMÉRCIO INTERNACIONAL E O
COMÉRCIO DOMÉSTICO?
• No longo prazo, os fatores de produção –
trabalho e capital – movem-se livremente
dentro da economia nacional, mas são
imóveis entre países. Exceções: migrações.
A IMPORTÂNCIA DA NACIONALIDADE
PARA AS POLÍTICAS ECONOMICAS:
DILEMAS E INTERESSES
• Os países ricos temem ser prejudicados ao
importar produtos estrangeiros de mão-de-
obra barata; os países pobres ficam
apreensivos com os produtos importados,
elaborados com tecnologia estrangeira de alto
nível. Governos podem perceber o comércio
internacional como algo de caráter
conflituoso.
COMO, ENTÃO, A ECONOMIA
INTERNACIONAL ENCONTRA SEU
CAMINHO EM MEIO A UM CAMPO
MINADO DE POSIÇÕES E
CONTROVÉRSIAS NACIONALISTAS?
• O ponto crucial da teoria de comércio
internacional é a identificação dos ganhos do
comércio e suas indicações para a política
econômica. A Economia Internacional se
concentra em analisar a maximização de bem-
estar de diferentes políticas e sua relação com o
comércio e a distribuição de renda.
E as crises e moedas estrangeiras
• MACROECONOMIA ABERTA: SINTESE
NEOCLASSICA DE MUNDELL-FLEMING.
A IMPORTÂNCIA DA NACIONALIDADE
PARA AS POLÍTICAS ECONOMICAS:
DILEMAS E INTERESSES
• Os governos podem perceber o comércio
internacional como algo de caráter conflituoso.
Os países ricos temem ser prejudicados ao
importar produtos estrangeiros de mão-de-obra
barata; os países pobres ficam apreensivos com
os produtos importados, elaborados com
tecnologia estrangeira de alto nível.
• Esses conflitos contribuem para a dificuldade no
desenvolvimento das discussões de políticas
econômicas internacionais entre os países.
COMO, ENTÃO, A ECONOMIA
INTERNACIONAL ENCONTRA SEU
CAMINHO EM MEIO A UM CAMPO
MINADO DE POSIÇÕES E
CONTROVÉRSIAS NACIONALISTAS?
• O ponto crucial da teoria de comércio
internacional é a identificação dos ganhos do
comércio e suas indicações para a política
econômica.
• A Economia Internacional se concentra em
analisar a maximização de bem-estar de
diferentes políticas e sua relação com o comércio
e a distribuição de renda.
O que é vantagem comparativa?

“ um país tem uma vantagem comparativa na


produção de uma mercadoria se o custo de
oportunidade de produzir esta mercadoria em
termos de outras mercadorias é menor neste
país do que em outros.” (K&O, p. 12)
Panorama da Economia Global
Principais pontos...
• Há forte relação entre comércio e desenvolvimento econômico;

• Há um crescimento do comércio sul-sul, mas os principais


destinos de exportações continuam sendo os países
desenvolvidos;

• Há um descompasso entre economia globalizada e governança


global.
Fatos estilizados
sobre a Economia Global
Fatos estilizados...
1. Evolução do comércio não é constante;
2. Comércio é importante para crescimento do produto
interno (PIB) dos países;
3. Parcela do comércio dos países desenvolvidos está
diminuindo (parcela dos países em desenvolvimento
está crescendo);
4. Crescimento do comércio dos países em
desenvolvimento da Ásia é maior do que o dos países
da América Latina;
Fatos estilizados (Cont.)
5. Comércio Sul-Sul está aumentando;
6. Competição entre países aumentou rivalidade e disputas
na OMC;
7. África está sendo marginalizada do comércio
internacional;
8. Comércio intra-industrial é crescente;

9. Comércio intra-firma é crescente;


10. Impacto ambiental pode alterar radicalmente fluxos
financeiros e comerciais.
1. Evolução do comércio não é
constante
Padrões do comércio...
Entre a primeira e a
Pós-guerra: período de
segunda guerra, houve uma
retomada nas relações de
interrupção no crescimento
comércio internacional:
do comércio internacional:
• Comércio somente • Acordo de Bretton-Woods
restabeleceu o patamar de sobre o comércio (GATT)
1900 na década de promoveu redução de
oitenta. barreiras e tarifas, por
meio de “rodadas
comerciais”.
Trajetória do comércio mundial é crescente...

Exportações mundiais/PIB mundial


30

25

20

15

10

0
1913
1929
1950
1973
1990
1991
1992
1993
1994
1995
1996
1997
1998
1999
2000
2001
2002
2003
2004
2005
2006
2007
1870

Fonte: MDIC
Comércio em países em desenvolvimento...
Desempenhos variados:
• NEI’s da Ásia foram os mais bem sucedidos em
desenvolvimento via promoção de
exportações:
– América Latina teve impulso comercial na década
de oitenta devido à necessidade de fundos
externos para financiar dívida;
– Volumes de exportações africanos cresceram
menos.
Evolução das exportações mundiais 1950-2007...

14000
(US$bi)
12000

10000

8000

6000

4000

2000

Fonte: MDIC
Exportação total sobre PIB mundial tem tendência
crescente...
33
Projeções do FMI

32%
31

29

27

25

23

21
20%

19

17

15
1980 1981 1982 1983 1984 1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008

Exportações mundiais / PIB mundial (%)

Fonte: FMI, WEO Abril 2007


Comércio internacional em proporção ao PIB - 2001

0 - 30
30 - 60
60 - 100
>100
N/d
Crescimento do comércio foi bastante expressivo no último
triênio...
14 Projeções do FMI
% ao ano
12,3

12

10,6
10,2
10 9,5
9,2 9,2
8,4
7,9 8,1
8 7,4 7,4
7 7
6,2 6,3
5,8
6 5,4

4,4 4,6
4,4
3,8 3,7
4 3,4
3,1
2,6 2,9
2,1
2

0,2
0

-0,9

-2
1980 1982 1984 1986 1988 1990 1992 1994 1996 1998 2000 2002 2004 2006 2008

Volume de comércio mundial (% ao ano)

Fonte: FMI, WEO Abril 2007


2. Comércio é importante para o
crescimento do produto interno
dos países
Crescimento comercial e PIB 1960-90...

Taxa média
anual de
crescimento
do volume
de comércio

Taxa média anual


de crescimento do PIB

Fonte: Jones (2001)


PIB e comércio mundial 1980-2006...

Crescimento do PIB mundial (% a.a.)


5,5

4,5

3,5

2,5

1,5

1
-1 1 3 5 7 9 11
Crescimento do fluxo de comércio mundial (% a.a.)

Fonte: FMI, WEO Abril 2007


Fontes de crescimento...
3. Parcela do comércio dos países
desenvolvidos está diminuindo
(parcela dos países em desenvolvimento está
crescendo)
Países emergentes estão aumentando sua parcela
nas exportações mundiais...
Participação nas exportações mundiais
72%
70

63%

60

50

40

33%
30

21%

20
1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004

Países desenvolvidos Países emergentes

Fonte: Unctad
Crescimento em mercadorias e serviços, em %...

Fonte: UNCTAD
Média anual de crescimento das exportações em países em
desenvolvimento...

REGIÃO 1973-82 1983-86 1987-90

Economias pobres 0,2 4,7 5,7


África -2,4 4,4 2,3
Ásia 9,2 10,5 11,8
Europa 4,3 5,1 -4,2
Oriente Médio -5,1 -1,1 5,4
Hemisfério Ocidental 1,9 2,6 7,2

África Sub-saariana -1 1,7 1


NEI’s asiáticas 13,3 13,4 11,4

Fonte: FMI apud Jones (2001)


4. Crescimento do comércio dos países em
desenvolvimento da Ásia é maior do que o dos
países da América Latina e da Economia Global
Emergentes asiáticos têm sido exportadores mais
dinâmicos...
(US$ Milhões)
400000

350000

300000

250000

200000

150000

100000

50000

0
1980 1981 1982 1983 1984 1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004

América Latina Emergentes asiáticos

Fonte: Unctad
Evolução do fluxo de comércio (X+M) 1980-2004...

900000
US$ milhões
800000

700000

600000

500000

400000

300000

200000

100000

0
1980 1981 1982 1983 1984 1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004

América Latina Emergentes asiáticos

Fonte: Unctad
Emergentes asiáticos (inclui China, Índia e Vietnã) crescem mais que
seus pares latino-americanos...

12

10

0
1980

1983

1986

1989

1992

1995

1998

2001

2004

2007
-2

-4
Emergentes Asiáticos América Latina

Fonte: FMI
5. Comércio Sul-Sul está
aumentando
6. Competição entre países
aumentou rivalidade e disputas na
OMC...
Medidas antidumping – 2003...

Fonte: OMC
Maiores exportadores de mercadorias, por região... (em U$bilhões)

Valor Market-Share Crescimento anual


2005 1990 2000 2005 2000-05 2003 2004 2005
Mundo 10159 100,0 100,0 100,0 10 17 22 13
América do Norte 1478 16,6 19,5 14,5 4 5 14 12
Estados Unidos 904 11,6 12,5 8,9 3 5 13 10
Canada 359 3,8 4,4 3,5 5 8 16 14
Mexico 214 1,2 2,7 2,1 5 3 14 14
América do Sul e Central 355 3,1 3,1 3,5 13 15 30 25
Brasil 118 0,9 0,9 1,2 17 21 32 23
Argentina 40 0,4 0,4 0,4 9 15 17 16
Europa 4372 49,6 42,0 43,0 11 19 20 8
União Européia (25) 4001 - 38,9 39,4 10 19 19 7
Commonwealth of Independent States (CIS) 340 1,7 2,3 3,3 18 27 36 28
Federaçaõ Russa 244 - 1,7 2,4 18 27 35 33
Africa 298 3,1 2,4 2,9 15 25 30 29
África do Sul 52 0,7 0,5 0,5 12 23 26 13
Oriente Médio 538 4,1 4,3 5,3 15 22 32 35
Ásia 2779 21,8 26,4 27,4 11 18 25 16
China 762 1,8 4,0 7,5 25 35 35 28
Japão 595 8,5 7,6 5,9 4 13 20 5
India 95 0,5 0,7 0,9 18 16 32 26
Six East Asian traders 983 7,8 10,4 9,7 8 15 24 12
Memorandum items:
Membros da OMC (149) 9590 95,6 95,8 94,4 10 17 21 13
Ásia 653 4,2 6,9 6,4 9 17 20 15
Mercosul 163 1,4 1,3 1,6 14 19 28 21

Fonte: OMC
7. África está sendo marginalizada
do comércio internacional...
Média anual de crescimento das exportações em
países em desenvolvimento...

REGIÃO 1973-82 1983-86 1987-90

Economias pobres 0,2 4,7 5,7


África -2,4 4,4 2,3
Ásia 9,2 10,5 11,8
Europa 4,3 5,1 -4,2
Oriente Médio -5,1 -1,1 5,4
Hemisfério Ocidental 1,9 2,6 7,2

Áf. Sub-saariana -1 1,7 1


NEI’s asiáticas 13,3 13,4 11,4

Fonte: FMI apud Jones (2001)


Média anual de crescimento de exportações, por categoria de
produto, em (%)....

Fonte: UNCTAD
Crescimento e market shares por região...

Fonte: UNCTAD
8. Comércio intra-industrial é
crescente...
Indicador de comércio intra-industrial...

• É o intercâmbio de produtos industrializados similares


Comércio intra-industrial nos EUA, em 1993

Fonte: Krugman e Obstfeld (2003)


Comércio intra-industrial de países da OCDE...

Índice de Comércio Intra-industrial para os bens manufaturados


País 1980-1989 1990-1999 2000-2003 Variação %
Austrália 32,46 45,19 45,16 39,13
Áustria 78,82 84,33 88,53 12,31
Bélgica 86,28 88,80 91,41 5,95
Canadá 70,54 71,90 75,30 6,75
Dinamarca 67,86 73,36 76,59 12,88
Finlândia 58,46 64,51 62,55 7,00
França 86,43 87,37 87,63 1,39
Alemanha 68,94 76,58 78,11 13,31
Irlanda 65,44 64,79 57,84 -11,62
Islândia 20,24 21,38 28,22 39,43
Itália 65,91 67,16 71,53 8,52
Japão 30,40 41,57 50,95 67,59
México - 69,46 76,85 10,64
Holanda 77,16 82,96 84,53 9,55
Noroega 59,73 62,33 63,02 5,52
Nova Zelândia 32,84 41,09 42,27 28,71
Portugal 53,16 61,02 69,70 31,11
Espanha 72,24 79,81 84,86 17,46
Suécia 71,77 71,79 74,89 4,35
Fonte OCDE

Suiça 64,07 65,99 68,25 6,52


Turquia - 45,07 52,28 16,00
Grã Bretanha 79,09 85,16 84,11 6,35
Estados Unidos 64,79 74,28 72,33 11,64
9. Comércio intra-firma é crescente...
Crescimento do comércio intra-firma...

Fonte: OCDE
Comércio Intra-firma EUA e Japão...

Fonte: OCDE
10. Impacto ambiental pode alterar
radicalmente fluxos financeiros e
comerciais...
Economia e Meio Ambiente...
• Consenso de que a produção e o consumo podem ter efeitos
negativos no meio ambiente;

• Externalidades podem ser tratadas como falhas de mercado;

• Em muitos países faltam instituições fortes e maduras o


suficiente para internalizar as externalidades  a “pobreza” leva
a vender barato o meio ambiente e a saúde.
Mudanças Climáticas...
• O aquecimento global é resultado de externalidades geradas em
diversos processos econômicos, por longo período de tempo.
Porém, apenas sua internalização não é suficiente, já que não se
trata de exercer o princípio de poluidor pagador. A internalização da
externalidade deve ser utilizada em conjunto com cotas de
emissões bem definidas entre os países. (Ex.: Protocolo de Kyoto);
• Diversos mecanismos podem ser colocados em prática, o que deve
causar efeitos no comércio internacional: uma nova organização
dos sistemas produtivos, mudanças nas estratégias empresariais e
novos custos e benefícios econômicos.
Relembrando os principais pontos da aula...

• Há forte relação entre comércio e crescimento


econômico;

• Há um crescimento do comércio sul-sul, mas


os principais destinos de exportações
continuam sendo os países desenvolvidos;

• Há um descompasso entre economia


globalizada e governança global.
Vantagem comparativa versus vantagem absoluta...

• Vantagem absoluta: um país consegue


produzir uma mercadoria com menos insumos
que outro país.
• Vantagem comparativa: uma país consegue
produzir com menos insumos relativamente a
outro país. Seu custo de oportunidade é
menor que do outro país
Uma idéia simples...

• Observe que um país pode ter vantagens


absolutas em todas as suas mercadorias e,
ainda assim, obter vantagens com o
comércio externo.
Limites da abordagem tradicional
• O princípio das vantagens comparativas

– A contribuição fundamental de Ricardo à teoria do comércio


internacional é o princípio das vantagens comparativas: o
importante, no interior de uma mesma nação, são as
diferenças relativas entre as condições de produção dos bens
que podem ser definidas a partir do custo de oportunidade.

– Sacrificando-se uma unidade de um bem, as duas nações


aumentam em proporções diferentes a produção de outro
bem.

– Existe, então, a vantagem comparativa que leva cada nação a


especializar-se na produção do bem que ela pode produzir
relativamente de maneira mais eficaz que a outra.

– Se a especialização se faz segundo este princípio, e se as


nações entram na troca, elas podem então simultaneamente
ganhar nas trocas em um sentido preciso: obtêm uma maior
quantidade de bens do que a quantidade que seria disponível
em autarquia.

22/03/2017 62
Os ganhos com o comércio internacional...

• Se os países se especializarem de acordo com suas


vantagens comparativas, eles terão ganhado com esta
especialização e com o comércio exterior.
• Nós mostraremos estes ganhos com o comércio exterior
de duas formas.
• Primeiro, nós podemos pensar no comércio exterior
como uma nova forma de produzir mercadorias e
serviços (isto é, uma nova tecnologia).
• Segundo, aumento da possibilidade de consumo.
Aumento da possibilidade de consumo...

• A fronteira de possibilidade de produção estabelece a


quantidade máxima de consumo de uma mercadoria que
um país pode conseguir para uma dada quantidade fixa
de outra mercadoria.

• Na ausência de comércio exterior, a curva de


possibilidade de consumo é a mesma que a curva de
possibilidade de produção.

• Comércio exterior aumenta a possibilidade de consumo


para cada um dos países.
Expansão da curva de possibilidades de produção...

• Suponha que os EUA possuam um quantidade de 1500 horas de trabalho


para produzir computadores ou trigo

Se em vez de produzir
computadores
computadores e
20 trigo, os EUA se
15
especializarem em trigo
e trocarem com o
Japão, o limite de
“produção” de
computadores passa de
15 para 20
300 Tn de trigo