Você está na página 1de 5

119

Josefa Vieira de Li9a

RESENHA

CAPRA, Fritjof. Holismo e saúde. In: . O ponto de mutação — a ciência, a sociedade e a cultura
emergente. São Paulo: Cultrix, 1982. p.299-350.

Josefa Vieira de
Lima1

FRITJOF CAPRA obteve o seu doutorado em mulheres não são vistos, predominantemente,
física, na Universidade de Viena, em 1966. como indivíduos, pois sua biografia e
Reali/ou pesquisas sobre física de alta energia experiência pessoal, inclusive as doenças, são
em várias universidades da Europa e dos Estados consideradas o resultado do fato de serem parte
Unidos. Além de seus muitos ensaios técnicos
de um grupo social. Entretanto, essa concepção
sobre suas pesquisas, tem feito muitas
está vinculada às tradições xamanísticas do
conferências e publicado vários trabalhos sobre
mundo ocidental. Diante de tais pressupostos, o
as implicações filosóficas da ciência moderna.
autor indica que, como esse contexto varia
Atualmente, leciona na Universidade da
continuamente, o sistema de assistência também
Califórnia, em Berkeley. É autor de O Tao da
muda, adaptando-se às sucessivas situações,
Tísica, O PonSo de MuSaçǎo e Organi/ador de
sendo, ao mesmo tempo, modificado por novas
Sabedoria Inco9u9, obras tradu/idas para o influências econômicas, filosóficas e religiosas.
português. Por isso, o sistema médico, como modelo, torna-
No livro O PonSo de MuSaçǎo, Capra mostra se limitado para outra sociedade. Capra sugere
como o pensamento da Física moderna que devemos fa/er apenas estudos transcul-
prenuncia uma revolução iminente em todas as turais, já que são úteis para ampliar nossa
ciências e uma transformação da nossa visão de perspectiva, além de nos auxiliar a ver sob nova
mundo e de valores. Neste sentido, o lu/ as idéias atuais acerca da saúde e dos
ensinamento científico condu/iu a uma visão da métodos de cura.
realidade que se aproximou do pensamento dos Do ponto de vista dos escritos hipocráticos, a
místicos, tomando como ponto de partida as saúde “]...] requer um estado de equilíbrio entre
culturas tradicionais. Essa nova visão inclui influências ambientais, modos de vida e os
novos conceitos desenvolvidos pela física vários componentes da nature/a humana ]...]
subatômica, entre eles a abordagem holística de descritos em termos de ‘humores’ e ‘paixões’ que
saúde. têm de estar em equilíbrio.” (p. 305).
O autor assinala que “Qualquer sistema de Refere Capra que a doutrina hipocrática dos
assistência à saúde, incluindo a medicina humores pode ser entendida em termos de
ocidental moderna, é um produto de sua história equilíbrio químico e hormonal, enfati/ando a
e existe dentro de um contexto ambiental e importância das paixões à independência da
cultural.” (p. 299). Significa que homens e mente e do corpo.

1 Enfermeira, Docente do Departamento de Enfermagem da Universidade Estadual do Ceará (UECE); Coordenadora do Mestrado Profissional em Saúda da Criança e do
Adolescente; Doutora em Enfermagem.
RevisSa Baiana de nfer9age9, Salvador. v.17, n. 3, p. 11)−121, seS/dez 2002
120
Resenha

Quanto ao processo de cura, Hipócrates principais sintomas da doença, como


reconheceu as forças curativas inerentes aos também afetam todo o organismo,
organismos vivos – “poder curativo da nature/a” reconhecendo-o como dinâmico;
–, passando o médico a desempenhar a função 2. O ser humano é parte integrante de
de ajudar essas forças naturais, mediante a sistemas maiores, fato que leva o autor a
criação de condições favoráveis à cura. Essa subentender que o organismo individual
tradição hipocrática, com sua ênfase na está em interação contínua com o seu
interrelação corpo-mente e meio ambiente, meio ambiente físico e social, sendo cons-
representa o ápice da filosofia médica ocidental. tantemente afetado por ele, mas também
Capra cita a paráfrase de Whitehead, escrita por pode agir sobre ele e modificá-lo.
Dubos: “a medicina moderna nada mais é do
que uma série de comentários e elaborações Considera ainda que, nessa acepção, o
sobre os escritos hipocráticos.” (p.306). sistema chinês só é holístico na teoria. A
A visão de saúde “]...] como um estado de interdependência de organismo e meio ambiente
equilíbrio, a importância de influências ambien- é reconhecida no diagnóstico da doença e é
tais, a interdependência da mente e do corpo e o discutida extensamente nos escritos de clássicos,
poder curativo inerente à nature/a – foram mas geralmente negligenciada no tocante à
desenvolvidos na China antiga, num contexto terapia. Nesse sentido, o autor dessa obra fa/
cultural muito diferente.” (p.306). Entretanto, a uma crítica quanto à prática médica, apontando a
medicina chinesa clássica tem suas raí/es em idéia de que os médicos, quando formulam seu
tradições xamanísticas, moderada pelo taoísmo e diagnóstico, levam muito tempo conversando
pelo confucionismo, as duas principais escolas com os pacientes, suas condições de trabalho,
filosóficas do período clássico. sua família e seus estados emocionais, porém,
Para os chineses, o organismo humano é um quando vão efetuar a terapia, concentram-se em
microcosmo do universo; às suas partes são conselhos dietéticos, remédios, herbáceos e
atribuídas qualidades yi9 e yang, predeter- acupuntura, restringindo- se às técnicas de
minando, assim, o lugar do indivíduo na grande manipulação dos processos internos do corpo. A
ordem cósmica. Além disso, eles não estavam maioria dos médicos não inclui aspectos
interessados em relações causais, mas nos psicológicos e sociais da doença no plano
modelos sincrônicos de coisas e eventos, terapêutico.
designados de “pensamento correlativo”. O indi- Capra enfati/a que, para reali/ar uma
víduo e a sociedade saudáveis constituem partes assistência à saúde baseada nas concepções
integrantes de uma ordem padroni/ada, sendo holísticas e ecológicas, torna-se necessário
que a doença e a desarmonia estão situadas no estabelecer uma base conceitual comum para se
plano individual ou social. abordar a saúde, tomando como pressuposto os
Capra ressalta o fato de que, para inserir o paradigmas:
modelo médico chinês no desenvolvimento de
uma abordagem holística da saúde em nossa . Saúde como um bem-estar que se estabelece
cultura, torna-se necessário distinguir duas quando o organismo funciona de uma
espécies de holismo: certa maneira. Percebe-se que esse
conceito torna-se reducionista e está
1. O ser humano é visto como um sistema extremamente relacionado com o
vivo, cujos componentes são interligados paradigma cartesiano, que vê o homem
e independentes. Essa acepção é conside- como uma máquina;
rada holística, pois os chineses acreditam . Saúde como o fenômeno multidimensio-
que suas terapias não apenas eliminam os nal, que envolve aspectos físicos, psicoló-

RevisSa Baiana de nfer9age9, Salvador. v.17, n. 3, p. 11)−121, seS/dez 2002


121
Josefa Vieira de Li9a

gicos e sociais, todos independentes. bilidade de processos físicos serem


Nesta perspectiva, uma atitude positiva, mencio- nados pelos esforços mentais de
um apoio social podem interferir em uma uma pes- soa. Todavia, o primeiro passo
doença física, enquanto problemas emo- neste tipo de autocura será o
cionais ou isolamento podem contribuir reconhecimento, pelos pacientes, de que
para uma pessoa sentir-se doente, apesar se eles se aperceberem, consciente ou
de seu bom estado físico. Com efeito, o inconscientemente, da origem e
homem é visto de uma forma globali/ada, desenvolvimento de sua doença poderão
interativa, sistêmica, baseando-se no ter parte na cura.
raciocínio holístico e ecológico. Portanto,
essa abordagem ainda não responde às Essas concepções, sob a óptica de Fritjof
necessidades do sujeito social, deixando Capra, são diretri/es que devem nortear a
de levar em conta os aspectos inerentes à assistência à saúde para possibilitar o esboço de
sua própria historicidade e às estruturas sólida base para uma abordagem que consistirá
sociais que interferem na qualidade de num sistema abrangente, efetivo e integrado de
vida; assistência preventiva, manutenção da saúde –
. Saúde, na concepção sistêmica, é vista uma questão individual e coletiva, estando
como “]...] uma experiência de bem-estar ambas interligadas.
resultante de um equilíbrio dinâmico que Por fim, há uma indicação muito clara de que
envolve os aspectos físico e psicológico incorporar a Enfermagem a essa estrutura
do organismo, assim como suas intera- holística de assistência à saúde significará
ções com o meio ambiente natural e expandir o que existe, pois já dispomos de um
social.” (p. 316). Nesta perspectiva, a certo número de enfermeiros qualificados que
doença é considerada como uma con- não podem usar todo o seu potencial no sistema
seqüência de desequilíbrio e desarmonia, atual e estão prontos para prestar assistência
podendo ser vista como decorrente de dentro de uma abordagem multidimensional,
uma falta de integração, particularmente a holística e humanística. Para tanto, a mudança
doença mental; de paradigma na assistência à saúde envolverá a
. Saúde, para este autor e na concepção formulação de novos modelos conceituais, a
psicossomática, é caracteri/ada como possi- criação de outras instituições e a implementação
de uma renovada política.
RevisSa Baiana de nfer9age9, Salvador. v.17, n. 3, p. 11)−121, seS/dez 2002