Você está na página 1de 13

Centro Universitário Estácio de Sá

Pedagogia

Rafael Franco Santos Santana

RELATÓRIO DO
ESTÁGIO EM PEDAGOGIA II

Aracaju
2021
2

Rafael Franco Santos Santana

RELATÓRIO DO
ESTÁGIO EMPEDAGOGIA II

Relatório apresentado ao Centro


Universitário Estácio de Sá, como
requisito parcial para o
aproveitamento da disciplina de
Estágio Supervisionado em Ensino
Fundamental do curso de Pedagogia.

Aracaju
2021
3

1 MATRÍCULA................................................................................................04

2 NOME COMPLETO....................................................................................04

3 NOME E ENDEREÇO DA INSTITUIÇÃO OU IDENTIFICAÇÃO DO LOCAL ONDE

SE REALIZOU O

ESTÁGIO....................................................................................04

4 METODOLOGIA E FUNDAMENTAÇÃO TEORICA....................................05

5 OBSERVAÇÃO PRÁTICA...........................................................................10

6 ANÁLISE DOS MATERIAIS DE SUPORTE................................................12

7 CONSIDERAÇÕES FINAIS........................................................................13

8 REFERENCIAS...........................................................................................14
4
5

RELATÓRIO DE ESTÁGIO

1. Matrícula

202004046421

2. Nome completo

Rafael Franco Santos Santana

3. Nome e endereço da Instituição ou identificação do


local onde realizou-se o Estágio

A instituição de ensino é denominada Colégio Estadual


Professora Josefina Leite Campos), código INEP 28023153, localizada
na Avenida José Alves de Andrade, sem número, Centro,
Pedrinhas/Sergipe. Conta com 15 funcionários, atendendo alunos dos
anos iniciais (1º ao 5º) e anos finais (6º ao 9º).
6

4. Metodologia e fundamentação teórica

A educação é considerada como uma das maiores


influências para o desenvolvimento da cidadania, e em consequência
desse progresso é evidente o avanço do país em todos os sentidos.

O estágio tem como objetivo, aperfeiçoar a prática


pedagógica dentro da sala de aula e fora dela ainda dentro do
ambiente escolar.
Também é de grande importância para a formação dos alunos
do curso de pedagogia, para obter o conhecimento e desenvolver um
bom trabalho abordando temas que ocorrem no dia a dia, tem uma
bagagem cultural e social que deve ser considerada, a educação foi
criada para suprir a capacidade de alfabetizar crianças.
O professor tem um papel fundamental no desenvolvimento
integral da criança, pois o bom andamento da atividade de ensino
depende diretamente da ação docente, de como o professor faz a
mediação.
Como aborda PIMENTA; LIMA, 2004: 
[...] O estágio é de extrema importância para a formação da
identidade do/a professor/a, pois é o momento conhecer e
investigar as práticas educativas, de experimentar as
metodologias didático-pedagógicas e discutir/debater a
respeito dos processos de ensino e aprendizagem, com a
base em leituras e práticas adotadas durante as disciplinas
de Estágio. (PIMENTA; LIMA, 2004).

Na atualidade, o debate acerca do estágio supervisionado


vem crescendo em meio a cursos de formação de professores e em
pesquisas relacionadas à temática, tendo em vista que o professor se
apresenta como um importante profissional para com a sociedade.
Dessa maneira, Maciel e Mendes (2010, p.2) atribuem que:
7

Os estágios supervisionados possuem relevância nos


currículos dos Cursos de Licenciatura no Brasil, uma vez que
se constituem oportunidade de vivências específicas da
docência. Estas experiências devem transcender a mera
obrigação curricular assumindo uma função protagonista em
meio à formação inicial. Nesta perspectiva, é importante que se
discuta o estágio como espaço de contribuição para uma
formação que privilegie a reflexão crítica; de articulação entre a
8

A formação profissional como um processo de autotransformação


do humano, desencadeia aprendizagens diversas, produzindo apropriações
que se traduzem nas formas de ser e de viver, de pensar e de agir dos
sujeitos, construindo a identidade profissional.
Para Moita (2000, p. 116), “[...] o processo de construção da
identidade profissional própria não é estranho à função social da profissão, ao
estatuto da profissão e do profissional, à cultura do grupo de pertença
profissional e ao contexto sociopolítico em que se desenrola”. A reflexão das
histórias de vida pessoal e profissional e das construções identitárias, remete
o sujeito “[...] para uma dimensão de auto escuta de si mesmo, como se
estivesse contando para si próprio suas experiências e as aprendizagens que
construiu ao longo da vida, através do conhecimento de si” (SOUZA, 2006, p.
47).

Ao defender o respeito às necessidades e aos interesses de cada


estudante, de acordo com os estágios de desenvolvimento correspondentes
às faixas etárias, Montessori argumentava que seu método não contrariava a
natureza humana e, por isso, era mais eficiente do que os tradicionais. Os
pequenos conduziriam o próprio aprendizado e ao professor caberia
acompanhar o processo e detectar o modo particular de cada um manifestar
seu potencial.
Vigotsky (1998), fala que o convívio social e cultural entre os pares
da mesma faixa etária e adultos do mesmo grupo ao qual pertence a criança,
contribui de forma relevante para seu desenvolvimento e a aprendizagem.
Nesse espaço privilegiado, são intencionalmente proporcionadas experiências
lúdicas e com múltiplas linguagens, criadas culturalmente, que as
subsequentes etapas da educação não enfatizam em suas propostas
curriculares.
9

Por causa dessa perspectiva desenvolvimentista, Montessori


elegeu como prioridade os anos iniciais da vida. Para ela, a criança não é um
pretendente a adulto e, como tal, um ser incompleto. Desde seu nascimento,
já é um ser humano integral, o que inverte o foco da sala de aula tradicional,
centrada no professor. Não foi por acaso que as escolas que fundou se
chamavam Casa dei Bambini (Casa das crianças), evidenciando a prevalência
do aluno. Foi nessas "casas" que ela explorou duas de suas ideias principais:
a educação pelos sentidos e a educação pelo movimento.

Cavalcanti (2009) destaca:


“Não basta que a escola promova o lúdico, a brincadeira e a leitura
dentro de um clima de prazer. É funda mental que aprender a ler e a
gostar de ler tenha um sentido na vida de cada um. Que o leitor se sinta
identificado com o lido, que possa exercitar-se numa aprendizagem
importante sobre o mundo, as pessoas, a natureza, a s lutas, a dor e o amor.
(p.79)”
Segundo a revista Escola (2011), a influência que o educador tem
sobre o educando acontece devido a muitos fatores, tendo em vista que vários
deles são resvalos da cultura familiar do mesmo. Um deles é o estímulo que
os pais dão ao materialismo, por exemplo: Proporcionar ao seu filho os
melhores brinquedos, os melhores materiais escolares e uma refeição farta
para uns, traz aos outros alunos uma série de conflitos em sala de aula, onde
uns se sentem menosprezados por não terem brinquedos tão bons ou porque
uma refeição é deliciosa e instigadora enquanto a outra é simples. Isso são
conflitos que o professor como mediador também tenta resolver na sua prática
docente, ensinando o educando a dividir, ser humilde, mostrando essa
importância e da confraternização, assim estimula o desenvolvimento pessoal
e profissional dos mesmos.
Segundo Lima e Pimenta (2004), nota-se um predomínio da
modalidade, complementada com a regência, estudo de entrevista, estudo de
documentação, prática reflexiva, intervenção. Pode-se identificar a
interferência
10

das técnicas de pesquisa no estágio, na qual a descrição dos fatos e


fenômenos se sobrepõe a interpretação. Vale indagar quais são as
contradições efetivas para as escolas, campos de estágio, qual o retorno que
propiciam a estas.

Entretanto, dialogando com os professores falaram, ainda, sobre a


participação em projetos, oficinas, e atividades interdisciplinares. As pesquisas
relatam que os locais para realização de estágios ocorrem na maioria em
escolas públicas e assim, os alunos que participam de estágios tendem uma
visão da realidade do ensino.

Considerando que a inserção profissional dos alunos egressos dos


cursos de graduação em especial de Pedagogia ocorrerá em grande parte
deste universo; O trabalho realizado dentro da sala de aula tem sido
importante com o propósito de vivenciar e entender a fusão da teoria com a
prática, não havendo possibilidade de um agir sem o outro.

Nesses momentos percebe que no ambiente escolar como se dá os


comportamentos dos alunos, com é feito o acolhimento, o trabalho de perto
das professoras e de todos os envolvidos nesse processo dialógico de
constante interação que há entre a escola, a comunidade, os discentes, os
funcionários etc. As atividades em decorrer da rotina do ensino fundamental
são organizadas de maneira que possam possibilitar a qualidade de ensino da
aprendizagem e da harmonia do ambiente escolar.
11

5. Observação e Prática

Considerando a necessidade do isolamento social como


enfrentamento à pandemia do Corona vírus e o consequente
Os autores apontam a necessidade de um acompanhamento
fechamento das unidades escolares determinados por decreto Estadual
presencial do aluno com supervisão da sua autoaprendizagem. Essa
o Colégio Estadual Professora Josefina Leite Campos, optou por
conexão entre a parte presencial do ensino com a modalidade feita a
estratégias alternativas de ensino, estabelecidas juntos com a DR e o
distância precisa ser realizada por intermédio de um roteiro de estudo
corpo docente escolar.
predefinido e principalmente pela atuação do professor em sala de aula.
Dessa forma, as atividades para os alunos da turma do 1º
Segundo eles, existem algumas características presentes em
ano do ensino fundamental vêm sendo ministradas aos mesmos por
qualquer forma de ensino híbrido, que são: todos convivem tanto com a
meios diversificados, realizadas dinamicamente. São elaborados os
nova quanto com a antiga tecnologia; buscam atingir principalmente os
planos de aulas junto com as atividades a serem ministradas e
alunos já existentes e que poderiam acabar desistindo por falta de
distribuídas aos alunos do 1º ano do ensino fundamental, via impressa
interesse; procuram ocupar o espaço da tecnologia presente e superar
com retirada no prédio escolar e complementando a alfabetização com
as expectativas com um desempenho melhor e uma maior atratividade.
vídeo aulas explicativas de conteúdos e dúvidas e fotos de atividades
pelo aplicativoAinda, afirmam que os modelos de ensino híbrido, com os
WhatsApp.
alunos atuando como sujeito ativo no processo de ensino-aprendizado,
A professora regente Ronadja Oliveira Cruz Lima,
oferecem melhorias sustentadas em relação ao modelo tradicional, mas
desempenha um ótimo trabalho ao decorrer das aulas, demonstrando
sem romper com eles, e acreditam que as escolas que adotam o
ser bem atenciosa e afetuosa ao seu trabalho, corroborando para o meu
modelo híbrido serão dominantes na educação no futuro.
crescimento profissional enquanto estagiário.

Christensen, Horn e Staker (2013, p. 7) definem o ensino


híbrido como:

Um programa de educação formal no qual


um aluno aprende, pelo menos em parte,
por meio do ensino online, com algum
elemento de controle do estudante sobre o
tempo, lugar, modo e/ou ritmo de estudo, e
pelo menos em parte em uma localidade
física supervisionada, fora de sua
residência
12

6.Análise dos materiais de suporte

O colégio Estadual Professora Josefina Leite Campos no enfrentamento


e combate ao COVID-19, vem dando todo suporte pedagógicos aos seus
docentes e ofertando aosDurante
alunos, apais
realização do estágio
e comunidade, e construção
novos olhares e do relatório
assumi o desafio de buscar desenvolvimento como profissional.
aprendizagem. Disponibilizando materiais (livros, atividades impressas),
Permitindo me enquanto aluno articular muitos dos conhecimentos
secretaria aberta adquiridos
para entrega e retirada
ao longo das aatividades
do curso prática noeambiente
possíveispedagógico.
dúvidas,
realizando busca ativa para abranger o maior número de alunos, evitando que
Foi possível observar a importância do reinventar da profissão
os mesmos fiquem sem educação neste momento eu vivemos uma realidade
na qual levamos o conhecimento, através do sistema que nos é imposto e
de pandemia. que conseguimos superar as dificuldades nesse momento de pandemia,
criando em cada aula uma superação de nós mesmo.
Portanto, a produção de conhecimento por meio do uso das mídias
e de seus recursos tecnológicos
Apesarse faz necessária
de não e deve
poder fazer ser promovida
aulas de campo,pelos
pude aprender a
desenvolver
educadores nos cursos os planos
de formação deeaulas
inicial para o ensino
de formação fundamental, aprendi que
continuada.
sou capaz de realizar qualquer atividade em sala de aula ou no modo
remoto ede
A combinação tudo isso contribuiu
atividades para com
presenciais desenvolver meu
atividades lado criativo.
remotas de
diversas modalidades, mediadas por tecnologia – fornecendo material
Mas não basta ser um professor, e sim um ótimo professor que
impresso e/ou programando
acredita na atividades
educação estruturadas
que estápelos professores
disposto a lutarpara
superando as
intensificar a dificuldades, do dia a dia na sala de aula, e principalmente a ter a
confianças
aprendizagem – deverá e contribuir
ser desenhada parapara
cadaa situação
formaçãoconcreta.
de cidadãos reflexivos que
iniciam seu desenvolvimento através da escola e no ensino que lhe é
dado.

A partir do uso daConcluo o em


tecnologia estágio no aula,
sala de ensino fundamental,
o ensino tem se levando a
experiência que certamente irei colocar em prática em meu futuro
tornado cada vez mais personalizado, adaptando-se às particularidades e
pedagógico.
necessidades reais de cada estudante. Essa possibilidade faz com que o
papel do professor seja também o de orientar o aluno ao longo da sua
trajetória pela educação básica.

É interessante dizer que o papel do professor diante das novas


tecnologias é mais do que ensinar, é possibilitar aos alunos acesso aos
recursos tecnológicos, acompanhando-os, monitorando e viabilizando a
discussão, a troca de ideias e experiências para aquisição do conhecimento.
13

7.Considerações Finais

8. Referencias

 PICONEZ, Stela C. B. A prática de ensino e o estágio supervisionado: a


aproximação da realidade escolar e prática da reflexão. In: ______. A prática de
ensino e o estágio supervisionado. Campinas: Papirus, 1991.

 PIMENTA, Selma Garrido; LIMA, Maria Socorro Lucena. Estágio e docência:


diferentes concepções. Revista Poiesis Pedagógica, Catalão, v.3, n. 3-4. p. 5-24,
2006.

 BACICH, L.; TANZI NETO, A.; TREVISANI, F. Ensino híbrido:


personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015.

 O Estágio Supervisionado Obrigatório na formação do professor de


Ciências e Biologia: perspectivas de licenciandos e orientadores | Revista
Tempos e Espaços em Educação (ufs.br)

 http://basenacionalcomum.mec.gov.br/

 http://basenacionalcomum.mec.gov.br/implementacao/praticas/caderno-
de-praticas/ensino-fundamental-anos-iniciais/

 Revista Escola, Concepçã o dialética da Educaçã o. Sã o Paulo-ABRIL, (2011),

Você também pode gostar