Você está na página 1de 9

Corrente Elétrica Alternada Monofásica

1. INTRODUÇÃO
As instalações elétricas normalmente utilizam corrente elétrica alternada como fonte de energia para
alimentar as diferentes cargas conectadas às mesmas. Os parâmetros elétricos mais úteis para avaliar o
seu comportamento são os seguintes: valor eficaz, valor eficaz verdadeiro, tipos de potência e as
características das cargas resistivas, indutivas e capacitivas. No presente capítulo serão tratados estes
temas.

2. FORMA DE ONDA DE UMA CORRENTE ELÉTRICA ALTERNADA


O sinal elétrico alternado pode indicar uma tensão, uma corrente e, inclusive, uma potência elétrica.
Graficamente, um sinal elétrico alternado sobre um nível pré-estabelecido é aquele que tem uma forma de
onda que muda alternadamente entre positivo e negativo com relação a este nível. Para ter uma
explicação mais clara é necessário distinguir algumas formas de onda como senoidal, retangular e
triangular. A que mais nos interessa é a corrente elétrica alternada de onda senoidal.

3. COMPONENTES DE UM SINAL ALTERNADO


Para descrever as magnitudes de um sinal alternado é necessário considerar os seguintes conceitos:
Ciclo: É uma oscilação completa de um sinal alternado periódico, que pode ser, por exemplo, uma tensão
ou uma corrente elétrica alternada senoidal, como indicado na figura 3.3.

Período (T): É o tempo que dura um ciclo.


Unidade: segundo (s)
Frequência (f): Indica o número de ciclos que decorreram em um segundo. Unidade: hertz (Hz)
Velocidade angular (ω): A velocidade angular também recebe o nome de velocidade elétrica ou
pulsação.
ω = 2 π f (rad/s)
Valor Máximo (Up): É o valor pico ou de crista de uma onda alternada senoidal (vide a figura 3.4).
Valor pico-pico (Upp): Define-se como duas vezes o valor pico ou máximo (vide figura 3.4).
Upp = 2 Up = 2UMÁX

4. VALOR EFICAZ E VALOR EFICAZ VERDADEIRO (TRUE RMS)


A seguir definem-se dois termos importantes da corrente elétrica alternada que permitirão reconhecer a
presença de harmônicas nas redes de energia elétrica.

4.1 VALOR EFICAZ


Chama-se valor eficaz de uma corrente elétrica alternada o valor que teria uma corrente contínua que
produzir a mesma potencia elétrica que a referida corrente alternada, ao aplicá-la sobre uma mesma
resistência elétrica.
Para um sinal senoidal, o valor eficaz da tensão e da corrente elétrica são:

Onde Up e Ip são a tensão de pico e a corrente de pico.


A tensão eficaz é conhecida, ainda, como Urms
Uef = Urms = 0,707 Up
Exemplo: Se a tensão de pico de um circuito é 100 V, o valor eficaz ou rms é:
Uef = Urms = 0,707 x 100 = 70,7 V
“Isto significa que um resistor conectado a uma fonte de sinal alternada de 100 V produzirá o mesmo calor
que se fosse colocado em uma fonte de 70,7 V de sinal contínuo”.
4.2 VALOR EFICAZ VERDADEIRO (TRUE RMS)
Quando um técnico enfrenta a reparação de uma avaria, a primeira reação costuma ser comprovar a
tensão e corrente elétrica de alimentação. O mais provável é que a maioria dos multímetros não indique
problema algum. Mas, pode confiar nas medidas do seu multímetro?
A cada dia utilizam-se mais computadores, variadores de velocidade e, em geral, outros tipos de
equipamento que consome corrente na forma de impulsos curtos (cargas não lineares), no lugar de fazê-lo
em um nível constante. Estes tipos de equipamento caracterizam-se por levar eletrônica nas suas etapas
de entrada, fazendo com que as leituras da maioria dos multímetros (de resposta média) sejam inexatas.
As cargas lineares, que constam de resistores, bobinas e capacitores, consomem sempre uma corrente de
forma senoidal, de modo que não supõem nenhum problema. Mas a medidaem formas de onda
distorcidas provocadas por equipamento como o mencionado anteriormente é um caso diferente. As
medidas sobre este tipo de forma de onda distorcida com um multímetro de resposta médio fornecem
leituras que podem chegar a um erro de até 50%.
A grande maioria dos instrumentos de medida é de “resposta média”. Ao medir o valor médio de um sinal
retificado o multiplicam por um fator constante para proporcionar um ‘valor eficaz verdadeiro calculado’.
Isto somente é certo para ondas senoidais, mas não para formas de onda distorcidas. Os multímetros de
valor eficaz verdadeiros proporcionam leituras corretas para qualquer forma de onda dentro das
especificações do instrumento. Portanto, sempre que se tratar de cargas não lineares, utilize um
multímetro de valor eficaz verdadeiro. No quadro a seguir mostram-se três sinais de corrente, com
diferentes graus de distorção e seus valores eficazes verdadeiros:

Neste exemplo podemos perceber a diferença dos valores medidos quando a forma de onda não é uma
senoide pura.
5. TIPOS DE CARGAS EM UM CIRCUITO DE CORRENTE ELÉTRICA
ALTERNADA
Os tipos de carga se diferenciam pelo comportamento das ondas de tensão e corrente elétrica por meio
das cargas. No gráfico a seguir observamos a onda de corrente atrasada em relação a onda de tensão em
90 graus. Isso se define como defasagem. As cargas definidas a seguir caracterizam-se pelo avanço ou
atraso da corrente com relação à tensão.

5.1 RESISTÊNCIA
É a oposição apresentada por um componente à passagem da corrente. Caracteriza-se porque toda a
energia que recebe a converte em calor.
Por exemplo, as lâmpadas incandescentes, ferros de passar roupa, aquecedores de água, fogões, etc., se
denominam como cargas resistivas.
Estes tipos de cargas se caracterizam porque a onda de tensão e a onda de corrente estão em fase,
conforme mostrado na figura a seguir:

5.1 REATÂNCIAS
Denomina-se reatância a forma de oposição que apresenta a corrente elétrica em circuitos de tensão
alternada, diferenciando-se pela defasagem que experimentam a tensão e corrente elétricas. Existem dois
tipos de reatância: a indutiva, presente nos indutores (motores), e a capacitiva, presente nos capacitores.
5.2.1 REATÂNCIA INDUTIVA
Segundo a lei de Lenz, um indutor opõe-se a mudanças na corrente. Como a corrente alternada muda
constantemente, o indutor opõe-se a estas mudanças diminuindo a corrente.
A frequência limita a amplitude da corrente em um valor igual a ωL = 2 π f L ohms.
Onde:
Se f aumenta → XL aumenta.
Se f diminui → XL diminui.
Em corrente contínua, a frequência f = 0 Hz então XL = 0.
Na figura a seguir observam-se as ondas de tensão e corrente:

5.2.2 REATÂNCIA CAPACITIVA


A corrente alternada em um capacitor faz com que as suas placas sejam carregadas, fazendo com que a
corrente elétrica diminua, ou seja, que se oponha ao fluxo da corrente elétrica.
A frequência limita a amplitude da corrente em um valor igual a 1/ωC = 1/(2πfC) ohms.
Onde:
Se f aumenta → XC diminui.
Se f diminui → XC aumenta.
Em corrente elétrica contínua, a frequência é f = 0 Hz então XC = ∞.
Na figura a seguir observam-se as ondas de tensão e corrente elétricas:
5.3 IMPEDÂNCIA (Z)
A impedância é a oposição apresentada por um circuito à passagem da corrente alternada. É um valor
vetorial composto, na sua parte real, por um valor de resistência e, na sua parte imaginária, por um valor
de reatância; calcula-se da seguinte forma:

Onde:
Z = Impedância medida em ohms
R = Resistência medida em ohms
X = Reatância medida em ohms
O valor da resistência é constante, sem levar em conta os efeitos de temperatura nem o efeito pelicular;
enquanto que os da reatância são uma função da frequência.
Se medirmos um alto-falante com um multímetro, nos dará uma leitura diferente, normalmente menor que
a impedância nominal do alto-falante. Por exemplo, um alto-falante de 8 ohms poderá nos dar uma leitura
de 6 ohms. O motivo destas diferenças está em que o multímetro mede a resistência, não a impedância. A
resistência é a oposição à passagem da corrente contínua e tem um único valor, enquanto que a reatância
reage à passagem da corrente alternada, pelo qual é função da frequência e têm tantos valores quantas
frequências forem utilizadas no mesmo circuito.
6. POTÊNCIA ATIVA, REATIVA E APARENTE

6.1 POTÊNCIA ATIVA (P)


É a que efetivamente é aproveitada como potencia útil no eixo de um motor (potência mecânica), a qual se
transforma em calor na resistência de um aquecedor (potência térmica), luz em uma lâmpada (potência
luminosa), etc.
Em resumo, podemos afirmar que a potência ativa é a potência que realmente realiza algum trabalho.

A potência ativa é expressa em watts (W).

6.2 POTÊNCIA REATIVA (Q)


É a que se gera pelos campos magnéticos dos motores, transformadores, reatores ou reatores de
iluminação, etc.; circula pela rede sem significar um consumo de potência ativa de forma direta.

A potência reativa se expressa em volt-ampère reativo (VAR).

6.3 POTÊNCIA APARENTE (S)


A potência aparente de um circuito elétrico de corrente alternada é a soma da energia que dissipa o
referido circuito em certo tempo, na forma de calor ou trabalho, e a energia utilizada para a formação dos
campos elétricos e magnéticos dos seus componentes. Em resumo, a potência aparente é o valor real
total de potência consumida, ou o que se paga. É calculada pela soma vetorial das potências ativa e
reativa como mostrado na figura abaixo.
S=U.I
A potência aparente se expressa em volt-ampère (VA).

7. FATOR DE POTÊNCIA (COS Φ)


É a relação entre a potência ativa e a potência aparente; representa a porcentagem da potência aparente
que se transforma em potência mecânica, térmica ou luminosa (ativa).

O fator de potência é uma medida que permite calcular a potência aparente que é transformada em
potência eficaz.
Quanto mais próximo de 1 der o resultado do fator de potência, mais eficaz será o seu circuito. Atualmente
os valores permitidos pelas distribuidoras de energia é de 0,92 como valores mínimos. Se estes valores
forem ultrapassados, será cobrado uma multa.

8. CÁLCULO DA CORRENTE DE UM MOTOR ELÉTRICO


Para o cálculo da corrente de um motor elétrico tiraremos da fórmula da potência ativa o parâmetro de
corrente, considerando adicionalmente a eficiência.
Onde:
I : Corrente nominal do motor (A).
P : Potência nominal do motor (W).
U : Tensão nominal do motor (V).
Cos ∅ : Fator de potência do motor.
η : Eficiência do motor.
Exemplo:
Calcule a corrente consumida por um motor elétrico, cujos dados de placa são mostrados a seguir:
• Tipo de motor 1 ∼ (monofásico)
• Potência 0,37 kW
• Tensão nominal 220 V
• Frequência nominal 60 Hz
• Fator de potência (cosφ) 0,9
• Eficiência 72%
 

Você também pode gostar