Você está na página 1de 11

GABARITO

1)​(ENEM 2015) Em um experimento, um professor levou para a sala de aula um saco de


arroz, um pedaço de madeira triangular, e uma barra de ferro cilíndrica e homogênea. Ele
propôs que fizessem a medição da massa da barra utilizando esses objetos. Para isso, os
alunos fizeram marcações na barra, dividindo-a em oito partes iguais, e em seguida
apoiaram-na sobre a base triangular, com o saco de arroz pendurado em uma de suas
extremidades, até atingir a situação de equilíbrio.

Nessa situação, qual foi a massa da barra obtida pelos alunos? ​e) 15,00 kg
2)​(ENEM 2012) O mecanismo que permite articular uma porta (de um móvel ou de acesso)
é a dobradiça. Normalmente, são necessárias duas ou mais dobradiças para que a porta
seja fixada no móvel ou no portal, permanecendo em equilíbrio e podendo ser articulada
com facilidade. No plano, o diagrama vetorial das forças que as dobradiças exercem na
porta está representado em

d.

Para equilibrar o peso da porta as dobradiças fazem forças verticais para cima para
equilibrar o peso da porta (SOMA DAS FORÇAS = 0).
Agora temos que pensar na outra condição de equilíbrio (SOMA DOS TORQUES = 0): para
onde a porta tende a girar?
Segure uma folha de papel numa extremidade e observe para onde ela vai girar. O mesmo
acontece com a porta.
Você deve ter observado que a folha gira no sentido horário. Isso significa que as
dobradiças devem fazer um torque no sentido contrário (sentido anti-horário).
3) (GASPAR) Na figura abaixo a viga é homogênea e permanece em equilíbrio na horizontal
por causa do peso da carga de módulo P 20 N. Determine o peso da viga.
4) (GASPAR) A viga da figura abaixo é homogênea e pesa 600 N. Determine a tração no
fio. (Dados: cos 60°= 0,50; sen 60° = 0,87.)

Precisa-se decompor a força de tração no fio.


Ty = T*sen60
Ty = T*0,87

Tx = T*cos60
Tx = T*0,50

Somatório de forças em y = 0
Fresultante = - Peso da viga + Ty
600 N = Ty
600 N = T*0,87
689,65 N= T
5) (GASPAR) O sistema da figura abaixo está em equilíbrio. Os módulos dos pesos das
cargas são: Q 20 N e S 10 N. Desprezando o peso da barra, determine o módulo do peso
da carga P.

Q = 20N
S = 10N
P=?N
Essas são as forças pesos de cada bloco. Temos encontrar a peso do bloco P.
As condições de equilíbrio são SOMA DE FORÇAS = 0 e SOMA DE TORQUES = 0
Fazendo a soma de torques, temos:
Mresultante = 0, onde Mresultante é o torque total do sistema
- 20*1,2 - 10*2 + P*0,8 = 0
P = 55N
Lembre que o torque é ​braço de alavanca*força. ​Esse braço de alavanca é calculado em
relação ao eixo de rotação.
6) (IF-GO) ​O móbile é um modelo abstrato que tem peças móveis, impulsionadas por
motores ou pela força natural das correntes de ar. Suas partes giratórias criam uma
experiência visual de dimensões e formas em constante equilíbrio. O móbile foi inicialmente
sugerido por ​Marcel Duchamp para uma exibição de 1932, em Paris, sobre certas obras de
Alexander Calder​, que se converteu no maior expoente da escultura móbile. A origem latina
do termo móbile remete à ideia de "móbil", "movimento". A figura a seguir representa um
tipo de móbile.

Para que o ​equilíbrio​ do móbile ocorra, é necessário e suficiente que

b) a força resultante e o torque sobre cada uma das hastes sejam nulos​.

7) (Acafe-SC) Fruto da nogueira (árvore que vive até 400 anos), a noz é originária da Ásia e
chegou à Europa por volta do século IV, trazida pelos romanos. Uma característica da noz é
a rigidez de sua casca. Para quebrá-la, usa-se um quebra-nozes. A figura abaixo mostra um
quebra-nozes, de massa desprezível, fácil de ser construído.

Certa noz suporta, sem quebrar, uma força de módulo igual a 2000 N. É correto afirmar que,
para quebrá-la, a distância mínima da articulação, d, em cm, onde se deve aplicar uma
força , de módulo igual a 250 N, é:
Sem quebrar, a noz aguenta 2000 N, acima disso ela quebra.
Se calcularmos o torque devido a força aplicada e igualar ao torque necessário para
quebrar a noz, podemos encontrar a distância necessária para quebrá-la com essa força F
aplicada.

F*d - Fnoz*5 = 0
250*d = 2000*5
d = 1000/25
d = 40 cm
8) ​(PROF. APOLO - Modificada) ​Suponha que duas crianças brincam em uma gangorra
constituída por uma prancha de madeira de peso 20 N. A prancha tem forma regular,
constituição homogênea e encontra-se apoiada em seu centro geométrico. O peso da
criança A é igual a 50 N:

Sabendo que o ​sistema está em equilíbrio ​na situação apresentada, determine:

a) O peso da criança B.

∑M = 0
+P​A​*d​A​ - P​B​*d​B​ + P​gangorra​*d = 0
50*2 - P​B​*1 + 20*0 = 0
100N = P​B

b) A intensidade da força exercida pelo apoio sobre a prancha (reação normal do apoio).

∑F = 0
- P​A ​- P​B ​-​ ​P​gangorra ​+ Normal = 0
+ P​A ​+ P​B ​+​ ​Pg​ angorra ​= Normal
50 N + 100 N + 20 N = Normal
170 N = Normal
9) ​(PROF. APOLO) ​O corpo da figura tem peso 80 N e está em equilíbrio suspenso por fios
ideais. Calcule a intensidade das forças de tração suportadas pelos fios AB e AC.
Adote: cos 30​o​ = 0,8 e sen 45​o​ = cos 45​o​ = 0,7
10) ​(PROF. APOLO) ​Em um playground de uma escola, duas crianças brincam em uma
gangorra. Ana tem massa de 40 kg e Beatriz tem massa de 50 kg. A distância do ponto de
apoio para as duas é de 2,0 m. Beatriz permanece na parte de baixo da gangorra, do lado
esquerdo. Ana, por sua vez, fica na parte alta no lado oposto. Considere g = 10 m/s​2​.

a) Explique por que Beatriz consegue suspender Ana.


Ambas estão à mesma distância do eixo de rotação (2,0 m) e a massa de Beatriz é maior
que a de Ana, o que significa que a força peso da Beatriz é maior que a da Ana.

b) Caracterize o torque resultante em relação ao ponto de apoio.


Em relação ao ponto de apoio (eixo de rotação), o torque resultante será:

Torque da Ana + Torque da Beatriz = Torque resultante


(observe que Beatriz está do lado esquerdo e Ana está do lado direito da gangorra)

- 40*10*2 + 50*10*2 = Torque resultante


- 800 + 1000 = Torque resultante
+ 200 = Torque resultante

Você também pode gostar