Você está na página 1de 4

RESENHA CRÍTICA

Hall, Stuart. A identidade cultural na pós – modernidade/ tradução Tomaz


Tadeu da Silva, Guacira Lopes Louro-11. Ed.- Rio de janeiro: DP&A, 2006.

1-Algo acerca do autor

Stuart Hall nasceu em 3 de fevereiro de 1932 em Kingston, Jamaica. É um teó-


rico cultural que trabalhou no Reino Unido. Ele contribuiu com obras chave pa-
ra os estudos da cultura e dos meios de comunicação, assim como para o de-
bate político. Trabalhou na Universidade de Birmingham e tornou-se o perso-
nagem principal do Birmingham Center for Cultural Studies. Entre 1979 e 1997,
Hall foi professor na Open University. Seu trabalho é centrado principalmente
nas questões de hegemonia e de estudos culturais a partir de uma posição
pós-gramsciana. Hall concebe o uso da linguagem como determinado por uma
moldura de poderes, instituições, política e economia. Essa visão apresenta as
pessoas como “produtores” e “consumidores” de cultura ao mesmo tempo. Ou-
tras obras:

 Da Diáspora: Identidade e Mediações Culturais


 Questões de identidade cultural

2-Perspectiva teórica da obra

Dentro dos Estudos Culturais, o livro analisa a crise na pós-modernidade, to-


mando como centrais as mudanças estruturais que fragmentam e desconstrói
as identidades culturais de classe, etnia, raça, nacionalidade e gênero.

3- As idéias centrais da Obra

Se até no século XX tínhamos uma sociedade moderna sólida por conta das
paisagens culturais de classe, gênero, sexualidade, etnia, raça e nacionalidade,
traçados por esta mesma sociedade, fornecendo-nos igualmente sólidas locali-
zações como indivíduo social. No final daquele tempo as paisagens culturais
começaram a se fragmentar e modificar, transformando também nossas identi-
dades pessoais, abalando a ideia que temos de nós mesmos como sujeitos
integrados. A essa perda de um “sentido de si mesmo” estável, o autor deno-
mina deslocamento ou descentração do sujeito.

A descentração dos indivíduos tanto de seu lugar no mundo social e cultural


quanto de si mesmo, constitui uma “crise de identidade” para o indivíduo. Es-
ses processos de mudança tomados em conjunto, representam um processo
de transformação e nos leva a perguntar se não é a própria modernidade que
está sendo transformada.

Distinguem-se três concepções de identidades:


a) Sujeito do Iluminismo- baseado numa concepção de pessoa humana como
um indivíduo totalmente centrado, unificado, e de ação cujo centro consistia
num núcleo interior, que emergia deste o nascimento e ao longo de toda sua
vida, permanecendo totalmente o mesmo.

b) Sujeito Sociológico- reflete a complexidade do mundo moderno e a consci-


ência de que este núcleo moderno não era autônomo e auto-suficiente, mas
isto era formado na relação com outras pessoas importantes para ele.

c) Sujeito pós-moderno- a identidade torna-se uma celebração móvel, formada


e transformada continuamente em relação às formas pelas quais somos repre-
sentados ou interpelados nos sistemas culturais que nos rodeiam.

A globalização é outro aspecto da questão da identidade que está relacionada


ao caráter da mudança da modernidade. As sociedades modernas são consti-
tuídas em mudanças constantes, rápidas e permanentes, e isto a diferencia da
sociedade tradicional. Nesta sociedade moderna, não há nenhum centro, ne-
nhum princípio articulador ou organizador único e não se desenvolvem de a-
cordo com o desdobramento de uma única causa ou lei. Ela está constante-
mente sendo descentrada por forças fora de si mesmas.

As transformações associadas à modernidade tardia, diz Hall, libertaram o indi-


víduo de seus apoios estáveis nas tradições e nas estruturas. Antes se acredi-
tava que estas eram divinamente estabelecidas; não estavam, portanto, sujei-
tas a mudanças fundamentais.

À medida que as sociedades modernas se tornavam mais complexas elas ad-


quiriam uma força mais coletiva e social. O indivíduo passou a ser visto como
mais localizado e definido no interior de grandes estruturas e formações sus-
tentadoras da sociedade.

O que aconteceu à concepção do sujeito moderno, na modernidade tardia não


foi simplesmente sua degradação, mas seu deslocamento. O descentramento
final do sujeito cartesiano ocorreu por conta de cinco grandes avanços na teo-
ria social e nas ciências humanas: Tradições do pensamento marxista; desco-
berta do inconsciente por Freud; Trabalhos do lingüista estrutural Ferdinand de
Saussure; Trabalho de Michel Foucault (poder disciplinar); Impacto do feminis-
mo.

As culturas nacionais se constituem em uma das principais fontes de identida-


de cultural. Pensamos neste tipo de cultura como se fosse parte de nossa natu-
reza essencial. Porém as identidades nacionais não são coisas com as quais
nascemos, mas são formadas e transformadas no interior das representações.
Em vez de pensar as culturas nacionais como unificadas, deveríamos pensá-la
como constituindo um dispositivo discursivo que representa a diferença como
unidade ou identidade. Elas são atravessadas por profundas divisões e dife-
renças internas, sendo unificadas apenas através do exercício de diferentes
formas de poder cultural. As identidades nacionais não subordinam todas as
outras formas de diferenças e não estão livres do jogo de poder, de divisões e
contradições internas, de lealdades e de diferença sobrepostas.
Alguns teóricos culturais argumentam que a tendência em direção a uma maior
interdependência global está levando ao colapso de todas as identidades cultu-
rais fortes e está produzindo uma fragmentação de códigos culturais, uma mul-
tiplicidade de estilos, uma ênfase no efêmero, no flutuante, no impermanente,
na diferença e no pluralismo cultural.

Quando mais a vida social se torna mediada pelo mercado global de estilos,
lugares e imagens, pelas viagens internacionais, pelas imagens da mídia e pe-
los sistemas de comunicação globalmente interligados, mais as identidades se
tornam desvinculadas, de tempos, lugares histórias e tradições específicas.

No interior do discurso do consumismo global, as diferenças e as distinções


culturais, que até então definiam a identidades, ficam reduzidas a uma espécie
de língua franca internacional ou de moeda global, em termos das quais todas
as tradições específicas e todas as diferentes identidades podem ser traduzi-
das. Este fenômeno é conhecido como “homogeneização cultural”.

Ao lado da tendência em direção à homogeneização global, há também uma


fascinação com a diferença e com a mercatilização da etnia e da alteridade. Há
juntamente com o impacto global um novo interesse pelo local, produzindo no-
vas identificações globais e novas identificações locais.

A globalização está tendo efeitos em toda parte, incluindo o Ocidente, e a “peri-


feria” também está vivendo seu efeito pluralizador, embora num ritmo mais len-
to e desigual.

A tendência em direção à “homogeneização global” tem seu paralelo num po-


deroso revival da etnia, algumas vezes de variedades mais híbridas ou simbóli-
cas, mas também frequentemente das variedades exclusivas ou essencialistas.

4- Conclusão

Com uma linguagem objetiva e esclarecedora, Stuart Hall explora algumas


questões sobre a identidade cultural na modernidade tardia apresentando uma
afirmação de que as identidades modernas estão sendo descentradas, trans-
formando as identidades pessoais, abalando a ideia que temos de nós mesmos
como sujeitos integrados e promovendo uma “crise de identidade”.

A apresentação de um sujeito pós-moderno, com uma identidade formada e


transformada continuamente em relação às formas pelas quais são represen-
tados nos sistemas culturais que os rodeiam, mostra a necessidade de adapta-
ção deste sujeito em uma sociedade que influi e é influenciada pela globaliza-
ção libertando-se de seus apoios estáveis nas tradições e nas estruturas, des-
locando as identidades culturais nacionais.

O autor mostra o efeito contestador e deslocador da globalização nas identi-


dades centradas e fechadas de uma cultura nacional. Esse efeito verdadeira-
mente pluralizante altera as identidades fixas, tornando-as menos fixas, plurais,
mais políticas e diversas.

É nesse movimento/deslocamento que emerge a concepção de culturas híbri-


das (entre a tradição e a tradução) como um dos diversos tipos de identidades
destes tempos de modernidade tardia.

Nas palavras do autor: "a globalização não parece estar produzindo nem o tri-
unfo do global nem a persistência, em sua velha forma nacionalista, do local.
Os deslocamentos ou os desvios da globalização mostram-se, afinal, mais va-
riados e mais contraditórios do que sugerem seus protagonistas ou seus opo-
nentes" (p.97).

Este livro é um convite ao debate do movimento/deslocamento produzido pela


globalização nas identidades culturais na modernidade tardia/pós-
modernidade. Neste sentido, a concepção "descentramento do sujeito" ganha
sentido, pois diante desses intensos fluxos produzidos/introduzidos nas paisa-
gens culturais, estas se fragmentam/pluralizam e com elas e a partir delas tam-
bém o sujeito.

A noção de híbridos culturais pode em muito contribuir com a educação tor-


nando todos os envolvidos com ela mais abertos aos fenômenos plurais e di-
versos que se manifestam nos respectivos saberes/fazeres dos sujeitos indivi-
duais e coletivos tanto dentro da escola como na sociedade em que ela está
inserida. O livro nos leva a rever nossas formas culturais e nossa capacidade
de interpretação do mundo pós-moderno.