Você está na página 1de 62

RETIFICADO EM 09/07/2021

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE – GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ

EDITAL N° 01, DE 24 DE JUNHO DE 2021

A DIRETORA-PRESIDENTE e a DIRETORA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS da FUNDAÇÃO


REGIONAL DE SAÚDE, no uso de suas atribuições, tendo em vista o disposto no Art. 37, inciso II, da Constituição
da República Federativa do Brasil, da Lei Estadual nº 17.186 de 24 de março de 2020, e a aprovação da
realização do presente concurso público pelo Conselho Curador da Funsaúde em sétima assembleia ordinária,
realizada em 30 de março de 2021 , tornam público aos interessados que estarão abertas as inscrições para o
Concurso Público destinado ao provimento de 1.792 (mil, setecentas e noventa e duas) vagas para os
empregos públicos de Nível Superior e 2.749 (duas mil, setecentas e quarenta e nove) vagas para os empregos
públicos de Nível Médio, na Área Assistencial, de acordo com o disposto no presente Edital, bem como para o
preenchimento das vagas posteriormente criadas/ aprovadas pelo Conselho Curador da Fundação Regional
de Saúde.

1. DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

1.1 O Concurso Público regido por este Edital, pelos diplomas legais e regulamentares, por seus anexos
e posteriores retificações, caso existam, e executado pela Fundação Getúlio Vargas - FGV, visa ao
preenchimento de 1.792 (mil, setecentas e noventa e duas) vagas para os empregos públicos de
Nível Superior e 2.749 (duas mil, setecentas e quarenta e nove) vagas para os empregos públicos
de Nível Médio observado o prazo de validade deste Edital, bem como ao preenchimento das vagas
posteriormente criadas/ aprovadas pelo Conselho Curador da Fundação Regional de Saúde, com
lotação na sede administrativa e nas unidades indicadas pela Funsaúde em todo o Estado do Ceará.
1.2 Será respeitado o percentual de 5% de vagas para pessoas com deficiência, que serão providas na
forma da Lei Federal nº 7.853, de 24 de outubro de 1989, e suas alterações, do art. 4º do Decreto
Federal nº 3.298, de 20 de dezembro de 1999, e suas alterações, e da Lei Federal nº 13.146, de 6
de julho de 2015.
1.3 Conforme disposto na Lei Estadual nº 17.432 de 25 de março de 2021 e suas alterações, serão
reservados aos candidatos negros 20% (vinte por cento) das vagas oferecidas.
1.4 A inscrição do candidato implicará a concordância plena e integral com os termos deste Edital, seus
anexos, eventuais alterações e a legislação vigente.

2. DO CONCURSO

2.1 Para todos os empregos públicos haverá Prova Objetiva, de caráter eliminatório e classificatório, e
Avaliação de Títulos e de Experiência Profissional, de caráter apenas classificatório.
2.2 O Edital de Abertura do Concurso Público, bem como os editais das demais fases, será divulgado
na Internet, no seguinte endereço eletrônico:
https://conhecimento.fgv.br/concursos/funsaude21.
2.3 As provas serão realizadas preferencialmente no município de Fortaleza, no estado do Ceará.
2.4 Caso o número de candidatos inscritos exceda a oferta de lugares existentes na cidade de Fortaleza,
relacionada no subitem 2.3, a FGV se reserva o direito de alocá-los em cidades próximas à

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 1


determinada para a aplicação das provas, não assumindo, entretanto, qualquer responsabilidade
quanto ao deslocamento e à hospedagem desses candidatos.
2.5 Todos os horários definidos neste Edital, em seus anexos e em comunicados oficiais têm como
referência o horário oficial da cidade de Fortaleza, no estado do Ceará.
2.6 Qualquer cidadão é parte legítima para impugnar o Edital, devendo encaminhar e-mail para
concursofunsaude21@fgv.br em até 5 (cinco) dias úteis após a divulgação do Edital. Após essa data,
o prazo estará precluso.
2.7 A impugnação do edital, instruída pela FGV, será julgada em conjunto com a Comissão
Organizadora do Concurso.

3. DOS EMPREGOS PÚBLICOS

3.1 A denominação dos empregos públicos, a carga horária, o número de vagas disponibilizadas e os
salários dos empregos públicos estão estabelecidos na tabela a seguir:
TOTAL TOTAL % ADICIONAL
TOTAL VAGAS EM ADICIONAL DE
EMPREGO / CARGA DE DE CADASTRO DE
DE AMPLA SALÁRIO BASE QUALIFICAÇÃO REMUNERAÇÃO
ESPECIALIDADE HORÁRIA VAGAS VAGAS RESERVA QUALIFICAÇÃO
VAGAS CONCORRÊNCIA PRÉVIA
PCD NEGROS PRÉVIA (*)
ANALISTA DE
40 7 5 1 1 14 R$ 5.000,00 R$ 5.000,00
PATOLOGIA CLÍNICA
ASSISTENTE SOCIAL 30 53 39 3 11 106 R$ 4.200,00 R$ 4.200,00
CIRURGIÃO DENTISTA
- CIRURGIA E
24 5 3 1 1 10 R$ 7.500,00 20% R$ 1.500,00 R$ 9.000,00
TRAUMATOLOGIA
BUCO-MAXILO-FACIAIS
CIRURGIÃO DENTISTA
- ODONTOLOGIA 24 14 10 1 3 28 R$ 7.500,00 10% R$ 750,00 R$ 8.250,00
HOSPITALAR
CIRURGIÃO DENTISTA
- ODONTOLOGIA
24 3 3 0 0 6 R$ 7.500,00 10% R$ 750,00 R$ 8.250,00
HOSPITALAR -
PEDIATRIA
ENFERMEIRO –
36 4 4 0 0 8 R$ 6.000,00 10% R$ 600,00 R$ 6.600,00
AUDITORIA
ENFERMEIRO –
CARDIOLOGIA – 36 20 15 1 4 40 R$ 6.000,00 10% R$ 600,00 R$ 6.600,00
HEMODINÂMICA
ENFERMEIRO –
DERMATOLOGIA – 36 21 15 2 4 42 R$ 6.000,00 10% R$ 600,00 R$ 6.600,00
ESTOMATERAPIA
ENFERMEIRO –
36 15 11 1 3 30 R$ 6.000,00 10% R$ 600,00 R$ 6.600,00
NEFROLOGIA
ENFERMEIRO –
36 20 15 1 4 40 R$ 6.000,00 10% R$ 600,00 R$ 6.600,00
OBSTETRÍCIA
ENFERMEIRO –
ONCOLOGIA - 36 10 7 1 2 20 R$ 6.000,00 10% R$ 600,00 R$ 6.600,00
HEMATOLOGIA
ENFERMEIRO - SAÚDE
36 5 3 1 1 10 R$ 6.000,00 10% R$ 600,00 R$ 6.600,00
DO TRABALHADOR
ENFERMEIRO -
36 140 105 7 28 280 R$ 6.000,00 10% R$ 600,00 R$ 6.600,00
TERAPIA INTENSIVA
ENFERMEIRO -
TERAPIA INTENSIVA - 36 55 41 3 11 110 R$ 6.000,00 10% R$ 600,00 R$ 6.600,00
NEONATAL

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 2


TOTAL TOTAL % ADICIONAL
TOTAL VAGAS EM ADICIONAL DE
EMPREGO / CARGA DE DE CADASTRO DE
DE AMPLA SALÁRIO BASE QUALIFICAÇÃO REMUNERAÇÃO
ESPECIALIDADE HORÁRIA VAGAS VAGAS RESERVA QUALIFICAÇÃO
VAGAS CONCORRÊNCIA PRÉVIA
PCD NEGROS PRÉVIA (*)
ENFERMEIRO -
TERAPIA INTENSIVA - 36 50 37 3 10 100 R$ 6.000,00 10% R$ 600,00 R$ 6.600,00
PEDIATRIA
ENFERMEIRO –
36 14 10 1 3 28 R$ 6.000,00 10% R$ 600,00 R$ 6.600,00
TRANSPLANTE
ENFERMEIRO
36 801 600 41 160 1602 R$ 6.000,00 R$ 6.000,00
ASSISTENCIAL
FARMACÊUTICO 36 80 60 4 16 160 R$ 4.500,00 R$ 4.500,00

FISIOTERAPEUTA 30 158 118 8 32 316 R$ 4.200,00 R$ 4.200,00


FISIOTERAPEUTA -
TERAPIA INTENSIVA 30 50 37 3 10 100 R$ 4.200,00 10% R$ 420,00 R$ 4.620,00
ADULTO
FISIOTERAPEUTA -
TERAPIA INTENSIVA 30 30 22 2 6 60 R$ 4.200,00 10% R$ 420,00 R$ 4.620,00
NEONATAL
FISIOTERAPEUTA -
TERAPIA INTENSIVA 30 35 26 2 7 70 R$ 4.200,00 10% R$ 420,00 R$ 4.620,00
PEDIATRIA
FONOAUDIÓLOGO 30 48 35 3 10 96 R$ 4.200,00 R$ 4.200,00

NUTRICIONISTA 36 45 33 3 9 90 R$ 4.500,00 R$ 4.500,00

PERFUSIONISTA 36 15 11 1 3 30 R$ 6.000,00 10% R$ 600,00 R$ 6.600,00


PSICÓLOGO - ÁREA
36 55 41 3 11 110 R$ 4.500,00 10% R$ 450,00 R$ 4.950,00
HOSPITALAR
PSICÓLOGO - ÁREA
ORGANIZACIONAL E 40 5 3 1 1 10 R$ 5.000,00 10% R$ 500,00 R$ 5.500,00
DO TRABALHO
TÉCNICO DE
36 2570 1927 129 514 5140 R$ 2.200,00 R$ 2.200,00
ENFERMAGEM
TÉCNICO DE
ENFERMAGEM -
36 10 7 1 2 20 R$ 2.200,00 R$ 2.200,00
SAÚDE DO
TRABALHADOR
TÉCNICO DE
LABORATÓRIO EM 40 20 15 1 4 40 R$ 2.400,00 R$ 2.400,00
ANÁLISES CLÍNICAS
TÉCNICO EM
40 4 4 0 0 8 R$ 2.400,00 R$ 2.400,00
ANATOMOPATOLOGIA
TÉCNICO EM
40 120 90 6 24 240 R$ 2.200,00 R$ 2.200,00
FARMÁCIA
TÉCNICO EM
IMOBILIZAÇÃO 36 5 3 1 1 10 R$ 2.200,00 R$ 2.200,00
ORTOPÉDICA
TÉCNICO EM
24 6 4 1 1 12 R$ 2.200,00 R$ 2.200,00
RADIOLOGIA
TÉCNICO EM SAÚDE
40 14 10 1 3 28 R$ 2.200,00 R$ 2.200,00
BUCAL
TERAPEUTA
30 34 25 2 7 68 R$ 4.200,00 R$ 4.200,00
OCUPACIONAL
Obs: (*) o Adicional de Qualificação Prévia é previsto no Plano de Empregos, Salários e Remuneração da
Funsaúde para os empregos públicos que exigem pós-graduação como requisitos de contratação, conforme
indicados na tabela acima com os percentuais de 10% , 20% e 30% do salário base.

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 3


3.1.1 O valor da taxa de inscrição é de R$ 150,00 para todos os empregos públicos da Área
Assistencial de nível superior e de R$ 70,00 para todos os empregos públicos de nível
médio.
3.2 Os requisitos e atribuições dos empregos públicos estão definidos no Anexo II deste Edital.
3.3 O candidato deverá atender, cumulativamente, para contratação no emprego público, aos
seguintes requisitos:
a) ter sido classificado no Concurso Público na forma estabelecida neste Edital, em seus anexos e
em eventuais retificações;
b) ter nacionalidade brasileira; no caso de nacionalidade portuguesa, estar amparado pelo
estatuto de igualdade entre brasileiros e portugueses, com reconhecimento do gozo dos
direitos políticos, nos termos do § 1º do Art. 12 da Constituição da República Federativa do
Brasil e na forma do disposto no Art. 13 do Decreto nº 70.436, de 18 de abril de 1972. O mesmo
se aplica a outros indivíduos naturalizados;
c) ter idade mínima de 18 anos completos;
d) estar em pleno gozo dos direitos políticos;
e) estar quite com as obrigações eleitorais e, se do sexo masculino, também com as militares;
f) firmar declaração de não estar cumprindo e nem ter sofrido, no exercício da função pública,
penalidade por prática de improbidade administrativa, aplicada por qualquer órgão público ou
entidade da esfera federal, estadual ou municipal;
g) apresentar declaração quanto ao exercício de outro(s) cargo(s), emprego(s) ou função(ões)
pública(s) e sobre recebimento de proventos decorrentes de aposentadoria e pensão;
h) apresentar declaração de bens e valores que constituam patrimônio;
i) firmar declaração de não estar cumprindo sanção por inidoneidade, aplicada por qualquer
órgão público ou entidade da esfera federal, estadual ou municipal;
j) firmar termo de compromisso de sigilo e confidencialidade das informações;
k) ser considerado apto no exame admissional a ser realizado pela Funsaúde, mediante
apresentação de laudos, exames e declaração de saúde que forem por ele exigidos;
l) apresentar diploma, devidamente registrado, de conclusão de curso de Nível Superior,
fornecido por instituição de ensino reconhecida pelo Ministério da Educação, comprovado por
meio de apresentação de original e cópia, para o emprego público pretendido;
m) não ter sido condenado a pena privativa de liberdade transitada em julgado ou qualquer outra
condenação incompatível com a função pública;
n) estar registrado e com a situação regularizada junto ao órgão correspondente à sua formação
profissional, quando for o caso;
o) estar apto física e mentalmente para o exercício do emprego público, não sendo, inclusive,
pessoa com deficiência incompatível com as atribuições deste, fato apurado pela(o) Funsaúde;
p) cumprir as determinações deste Edital.
3.4 No ato da contratação, todos os requisitos especificados no item 3.3 deverão ser comprovados
mediante a apresentação de documento original.
3.5 Antes de efetuar a inscrição, o candidato deverá conhecer o Edital e certificar-se de que preenche
todos os requisitos exigidos.

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 4


4. DAS INSCRIÇÕES

4.1 As inscrições para o Concurso Público se encontrarão abertas no período de 12 de julho de 2021 a
19 de agosto de 2021.
4.2 Para efetuar sua inscrição, o interessado deverá acessar, via Internet, o endereço eletrônico
https://conhecimento.fgv.br/concursos/funsaude21, observando o seguinte:
a) acessar o endereço eletrônico a partir das 16h do dia 12 de julho de 2021 até às 16h do dia 19
de agosto de 2021;
b) preencher o requerimento de inscrição que será exibido e, em seguida, enviá-lo de acordo com
as respectivas instruções;
c) após a conclusão e o envio do requerimento de inscrição, o candidato deverá selecionar a opção
“emitir boleto”, sendo direcionado à página do boleto da taxa de inscrição, que deverá ser
impresso e pago em qualquer agente arrecadador credenciado junto à Funsaúde,
exclusivamente nos canais de recebimento por eles disponibilizados, sendo de inteira
responsabilidade do candidato a impressão e a guarda do comprovante de inscrição;
d) A Funsaúde e a FGV não se responsabilizarão por requerimento de inscrição que não tenha sido
recebido por fatores de ordem técnica dos computadores, os quais impossibilitem a
transferência dos dados e/ou causem falhas de comunicação ou congestionamento das linhas
de transmissão de dados;
e) o requerimento de inscrição será cancelado caso o pagamento da taxa de inscrição (boleto) não
seja efetuado até o dia 20 de agosto de 2021, primeiro dia útil subsequente ao último dia do
período destinado ao recebimento de inscrições via Internet;
f) após as 16h do dia 19 de agosto de 2021, não será mais possível acessar o formulário de
requerimento de inscrição.
4.3 O candidato somente poderá efetuar o pagamento da taxa de inscrição por meio do boleto emitido
no momento da inscrição, gerado ao término do processo de inscrição.
4.4 O boleto bancário estará disponível no endereço eletrônico
https://conhecimento.fgv.br/concursos/funsaude21 e deverá ser impresso para o pagamento da
taxa de inscrição após a conclusão do preenchimento do requerimento de inscrição.
4.5 Todos os candidatos inscritos no período entre 16h do dia 12 de julho de 2021 até às 16h do dia
19 de agosto de 2021 poderão reimprimir, caso necessário, o boleto bancário, no máximo até as
16h do dia 20 de agosto de 2021, primeiro dia útil posterior ao encerramento das inscrições,
quando esse recurso será retirado do site da FGV.
4.5.1 O pagamento da taxa de inscrição após o dia 20 de agosto de 2021, a realização de
qualquer modalidade de pagamento que não seja pela quitação do boleto e/ou o
pagamento de valor distinto do estipulado neste Edital implicam o cancelamento da
inscrição.
4.5.2 Não será aceito, como comprovação de pagamento de taxa de inscrição, comprovante de
agendamento bancário.
4.5.3 Não serão aceitos os pagamentos das inscrições por depósito em caixa eletrônico, por meio
de cartão de crédito, via postal, fac-símile (fax), Pix, transferência ou depósito em conta
corrente, DOC ou TED, ordem de pagamento, ou por qualquer outra via que não as
especificadas neste Edital.

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 5


4.5.4 Em caso de feriado ou evento que acarrete o fechamento de agências bancárias na
localidade em que se encontra, o candidato deverá antecipar o pagamento do boleto ou
realizá-lo por outro meio válido, devendo ser respeitado o prazo-limite determinado neste
Edital.
4.5.5 Quando do pagamento do boleto bancário, o candidato tem o dever de conferir todos os
seus dados cadastrais e da inscrição nele registrados, bem como no comprovante de
pagamento. As inscrições e/ou pagamentos que não forem identificados devido a erro na
informação de dados pelo candidato ou por terceiros no pagamento do referido boleto
não serão aceitos, não cabendo reclamações posteriores neste sentido.
4.6 As inscrições somente serão efetivadas após a comprovação de pagamento da taxa de inscrição ou
o deferimento da solicitação de isenção da taxa de inscrição, nos termos do subitem 4.1 e seguintes
deste Edital.
4.6.1 Não serão homologadas inscrições cujo requerimento não seja concluído nos moldes do
subitem 4.1, ainda que seja confirmado o pagamento da taxa de inscrição pelo candidato.
4.6.2 O comprovante de inscrição do candidato estará disponível no endereço eletrônico
https://conhecimento.fgv.br/concursos/funsaude21, sendo de responsabilidade exclusiva
do candidato a obtenção desse documento.
4.7 Não serão aceitas inscrições condicionais ou extemporâneas, nem as requeridas por via postal, via
fax e/ou correio eletrônico.
4.8 É vedada a transferência do valor pago, a título de taxa, para terceiros, para outra inscrição ou para
outro Concurso.
4.9 Para efetuar a inscrição, é imprescindível o número de Cadastro de Pessoa Física (CPF) do
candidato.
4.10 A inscrição do candidato implica o conhecimento e a tácita aceitação das normas e condições
estabelecidas neste Edital, em relação às quais não poderá alegar desconhecimento, bem como
quanto à realização das provas nos prazos estipulados.
4.11 A qualquer tempo, mesmo após o término das etapas do processo de seleção, poderão ser
anuladas a inscrição, as provas e a admissão do candidato, desde que verificada falsidade em
qualquer declaração e/ou irregularidade nas provas e/ou em informações fornecidas.
4.11.1 O candidato que cometer, no ato de inscrição, erro grosseiro na digitação de seu nome ou
apresentar documento de identificação que não conste na ficha de cadastro do Concurso
será eliminado do certame, a qualquer tempo.
4.12 Caso, quando do processamento das inscrições, seja verificada a existência de mais de uma
inscrição efetivada (por meio de pagamento ou isenção da taxa) por um mesmo candidato,
somente será considerada válida e homologada aquela que tiver sido realizada por último, sendo
esta identificada pelo sistema de inscrições on-line da FGV pela data e hora de envio do
requerimento via Internet. Consequentemente, as demais inscrições do candidato serão
automaticamente canceladas, não cabendo reclamações posteriores nesse sentido, nem mesmo
quanto à restituição do valor pago a título de taxa de inscrição.
4.13 O valor referente ao pagamento da taxa de inscrição não será devolvido em hipótese alguma, salvo
em caso de cancelamento do Concurso por conveniência da Administração Pública.
4.14 O comprovante de inscrição e/ou pagamento da taxa de inscrição deverá ser mantido em poder
do candidato e apresentado nos locais de realização das provas ou quando solicitado.

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 6


4.15 Após a homologação da inscrição, não será aceita, em hipótese alguma, solicitação de alteração
dos dados contidos na inscrição, salvo o previsto no subitem 6.4.1.
4.16 O candidato, ao realizar sua inscrição, também manifesta ciência quanto à possibilidade de
divulgação de seus dados em listagens e resultados no decorrer do certame, tais como aqueles
relativos à data de nascimento, notas e desempenho nas provas, ser pessoa com deficiência (se for
o caso), entre outros, tendo em vista que essas informações são essenciais para o fiel cumprimento
da publicidade dos atos atinentes ao Concurso. Não caberão reclamações posteriores nesse
sentido, ficando cientes também os candidatos de que, possivelmente, tais informações poderão
ser encontradas na rede mundial de computadores através dos mecanismos de busca atualmente
existentes.
4.17 A pessoa travesti ou transexual (pessoa que se identifica com um gênero diferente daquele que lhe
foi designado ao nascer e quer ser reconhecida socialmente em consonância com sua identidade
de gênero) que desejar atendimento pelo NOME SOCIAL poderá solicitá-lo pelo e-mail
concursofunsaude21@fgv.br até as 16h do dia 19 de agosto de 2021.
4.17.1 Juntamente com a solicitação de atendimento pelo NOME SOCIAL, deverá ser enviada
cópia simples do documento oficial de identidade do candidato.
4.17.2 Não serão aceitas outras formas de solicitação de nome social, tais como: via postal,
telefone ou fax.
4.17.3 O candidato nessa situação deverá realizar sua inscrição utilizando seu nome social, ficando
ciente de que tal nome será o único divulgado em toda e qualquer publicação relativa ao
Concurso Público.

5. DA ISENÇÃO DA TAXA DE INSCRIÇÃO

5.1 Somente haverá isenção da taxa de inscrição para os candidatos que declararem e comprovarem
que se enquadram nas hipóteses previstas na Lei Estadual 11.551/89 (servidor público); na Lei
Estadual Nº 12.559/95 (doador de sangue); na Lei Nº 13.844/06 (alunos que estudam ou
concluíram seus estudos em entidades de ensino público; deficientes; ou alunos cujas famílias
percebam renda de até 2 (dois) salários mínimos); e na Lei Estadual Nº 14.859/10 (pessoa
hipossuficiente).
5.2 A isenção mencionada no subitem 5.1 poderá ser solicitada no período entre 12 de julho de 2021
a 14 de julho de 2021, no momento da inscrição no endereço eletrônico
https://conhecimento.fgv.br/concursos/funsaude21, devendo o candidato, obrigatoriamente,
cumprir os requisitos indicados abaixo e fazer o upload (imagem do original) dos documentos, nos
formatos PDF, JPEG e JPG, cujo tamanho não exceda 5 MB, comprobatórios de sua condição:
5.2.1. De servidor público, amparado pela Lei Estadual 11.551/89: documento comprobatório
atual, emitido nos últimos dois meses e expedido pela administração Pública Estadual;
5.2.2 De doador de sangue, amparado pela Lei nº 12.559/95: para os doadores de sangue que
contarem o mínimo de 02 (duas) doações, num período de 01 (um) ano, apresentação de
certidão expedida pelo Hemoce, com validade de até 12meses;
5.2.3 Amparados pela Lei nº 13.844/06
a) De alunos que estudam ou concluíram seus estudos em entidades de ensino público:
documento expedido por entidades de ensino público (certificado de conclusão ou
declaração de matrícula)

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 7


b) Deficientes: laudo médico que indique o tipo de deficiência e o respectivo código da
Classificação Internacional de Doenças (CID-10), contendo a assinatura e o carimbo do
médico com o número de sua inscrição no Conselho Regional de Medicina (CRM)
c) Alunos cujas famílias percebam renda de até 2 (dois) salários mínimos:
I. apresentar Declaração de Hipossuficiência de recursos financeiros e comprovante
de obtenção de rendimento mensal inferior a meio salário mínimo por membro do
núcleo familiar, nos moldes dos Anexos IV e V deste Edital;
II. cópia simples da Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS), especificamente
da página com foto até a primeira página da CTPS destinada ao registro de contratos
de trabalho, e as páginas contendo outras anotações pertinentes, quando houver,
do(a) próprio(a) candidato(a) e de cada um dos demais integrantes do núcleo
familiar.
III. Caso o candidato não possa apresentar a carteira de trabalho, deverá apresentar a
declaração, nos moldes do Anexo III.
IV. Declaração de matrícula emitida por entidades de ensino.
5.2.4 De hipossuficiência econômica, amparado pela Lei nº 14.859/10, atender aos requisitos
propostos em um dos itens descritos abaixo:
a) fatura de energia elétrica que demonstre o consumo de até 80 kwh mensais;
b) fatura de água que demonstre o consumo de até 10 (dez) metros cúbicos mensais;
c) comprovante de inscrição em benefícios assistenciais do Governo Federal:
I. inscrição no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal;
II. ser membro de família de baixa renda, nos termos da regulamentação do Governo
Federal para o Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal;
d) comprovante de obtenção de rendimento mensal inferior a meio salário mínimo por
membro do núcleo familiar.
I. apresentar Declaração de Hipossuficiência de recursos financeiros e comprovante
de obtenção de rendimento mensal inferior a meio salário mínimo por membro do
núcleo familiar, nos moldes dos Anexos IV e V deste Edital;
II. cópia simples da Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS), especificamente
da página com foto até a primeira página da CTPS destinada ao registro de contratos
de trabalho, e as páginas contendo outras anotações pertinentes, quando houver,
do(a) próprio(a) candidato(a) e de cada um dos demais integrantes do núcleo
familiar.
III. Caso o candidato não possa apresentar a carteira de trabalho, deverá apresentar a
declaração, nos moldes do Anexo III.
5.3 Não serão aceitos documentos enviados por fax, correio eletrônico, via postal, entregues
pessoalmente na sede da FGV e/ou outras vias que não a expressamente prevista no subitem 5.2
deste Edital.
5.4 O candidato que tiver a isenção deferida, mas que tenha realizado outra inscrição paga, terá sua
isenção cancelada.
5.5 As informações prestadas no requerimento e no formulário de isenção serão de inteira
responsabilidade do candidato. O candidato que prestar declarações falsas será excluído do

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 8


processo, em qualquer fase deste Concurso Público, e responderá legalmente pelas consequências
decorrentes do seu ato.
5.6 O simples preenchimento dos dados necessários e o envio dos documentos para a solicitação da
isenção de taxa de inscrição não garante o benefício ao interessado, o qual estará sujeito à análise
e ao deferimento por parte da FGV.
5.7 O fato de o candidato estar participando de algum programa social do Governo Federal (ProUni,
Fies, Bolsa Família etc.), assim como o fato de ter obtido a isenção em outros certames, não
garante, por si só, a isenção da taxa de inscrição.
5.8 O não cumprimento de uma das etapas fixadas, a falta ou a inconformidade de alguma informação
ou documento e/ou a solicitação apresentada fora do período fixado implicarão a eliminação
automática do processo de isenção.
5.9 O resultado preliminar da análise dos pedidos de isenção de taxa de inscrição será divulgado no dia
05 de agosto de 2021, no endereço eletrônico
https://conhecimento.fgv.br/concursos/funsaude21, sendo de responsabilidade do candidato
acompanhar a publicação e tomar ciência do seu conteúdo.
5.10 O candidato cujo requerimento de isenção de pagamento da taxa de inscrição for indeferido
poderá interpor recurso no prazo de 2 (dois) dias úteis, a serem contados do primeiro dia útil
subsequente ao da divulgação do resultado da análise dos pedidos, por meio de link disponibilizado
no endereço eletrônico https://conhecimento.fgv.br/concursos/funsaude21.
5.11 A relação dos pedidos de isenção deferidos, após recurso, será divulgada até o dia 18 de agosto de
2021, no endereço eletrônico https://conhecimento.fgv.br/concursos/funsaude21.
5.12 Os candidatos que tiverem seus pedidos de isenção indeferidos poderão efetivar sua inscrição
acessando o endereço eletrônico https://conhecimento.fgv.br/concursos/funsaude21 e
imprimindo o boleto para pagamento conforme prazo descrito no subitem 4.2 deste Edital.
5.13 O candidato que tiver seu pedido de isenção indeferido e que não efetuar o pagamento da taxa de
inscrição na forma e no prazo estabelecidos no subitem anterior estará automaticamente excluído
do Concurso Público.

6. DAS VAGAS DESTINADAS A PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

6.1 As pessoas com deficiência, assim entendidas aquelas que se enquadram nas categorias definidas
no Art. 4º do Decreto Federal nº 3.298/99, e alterações introduzidas via Decreto Federal nº
5.296/2004, na Lei Federal nº 13.146/2015, bem como o Decreto Federal nº 9508/2018, e na Lei
Estadual nº 17.433, de 30 de março de 2021, têm assegurado o direito de inscrição no presente
Concurso Público, desde que a deficiência seja compatível com as atribuições dos empregos
públicos para o qual concorram.
6.1.1 Serão reservadas vagas aos candidatos com deficiência compatível com os empregos
públicos/atribuições, na proporção de 5% (cinco por cento) das vagas previstas e daquelas
que vierem a ser criadas durante o prazo de validade do Concurso Público, de acordo com
a Lei Federal nº 13.146/2015, desde que os candidatos assim se declarem e apresentem
laudo médico (imagem do documento original) atestando a espécie e o grau ou nível da
deficiência, com expressa referência ao código correspondente da Classificação
Internacional de Doenças (CID).

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 9


6.1.1.1 Se, da aplicação do percentual de reserva de vagas a candidatos com deficiência,
resultar em número fracionado, este será aumentado para o primeiro número
inteiro subsequente, desde que não ultrapasse 20% das vagas oferecidas por
emprego público, ou seja, somente haverá reserva a partir da 5ª vaga.
6.1.2 O candidato que desejar concorrer às vagas reservadas às pessoas com deficiência deverá
marcar a opção no link de inscrição e enviar o laudo médico, bem como o atestado médico,
devidamente assinado e com o respectivo número do registro do profissional de saúde –
imagem do documento original, em campo específico no link de inscrição, das 16h do dia
12 de julho de 2021 até às 16h do dia 19 de agosto de 2021, horário oficial de Brasília/DF,
no endereço eletrônico https://conhecimento.fgv.br/concursos/funsaude21.
6.1.2.1 O fato de o candidato se inscrever como pessoa com deficiência e enviar laudo
médico não configura participação automática na concorrência para as vagas
reservadas, devendo o laudo passar por avaliação biopsicossial promovida por
equipe multiprofissional de responsabilidade da FGV. No caso de indeferimento,
passará o candidato a concorrer somente às vagas de ampla concorrência.
6.1.2.2 Somente serão aceitos os documentos enviados nos formatos PDF, JPEG e JPG,
cujo tamanho não exceda 5 MB. O candidato deverá observar as demais
orientações contidas no link de inscrição para efetuar o envio da documentação.
6.1.3 O laudo médico deverá conter:
a) a espécie e o grau ou nível da deficiência, com expressa referência ao código
correspondente da Classificação Internacional de Doenças (CID), bem como a causa da
deficiência;
b) a indicação de órteses, próteses ou adaptações, se for o caso;
c) a deficiência auditiva, se for o caso, devendo o laudo estar acompanhado de
audiometria recente, datada de até 6 (seis) meses antes, a serem contados em relação
à data de início do período de inscrição;
d) a deficiência múltipla, constando a associação de duas ou mais deficiências, se for o
caso;
e) a deficiência visual, se for o caso, devendo o laudo estar acompanhado de acuidade em
AO (ambos os olhos), patologia e campo visual.
6.2 O candidato inscrito na condição de pessoa com deficiência poderá requerer atendimento especial,
conforme estipulado no item 6.1 deste Edital, indicando as condições de que necessita para a
realização das provas.
6.3 A relação dos candidatos que tiverem a inscrição deferida para concorrer na condição de pessoas
com deficiência será divulgada no endereço eletrônico
https://conhecimento.fgv.br/concursos/funsaude21.
6.3.1 O candidato cujo pedido de inscrição na condição de pessoa com deficiência for indeferido
poderá interpor recurso no prazo de 02 (dois) dias úteis, a serem contados do primeiro dia
útil subsequente ao da divulgação do resultado da análise dos pedidos, mediante
requerimento dirigido à FGV por meio do endereço eletrônico
https://conhecimento.fgv.br/concursos/funsaude21.

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 10


6.4 O candidato que, no ato da inscrição, declarar-se pessoa com deficiência, se aprovado no Concurso
Público, figurará na listagem de classificação de todos os candidatos aos empregos públicos e
também em lista específica de candidatos na condição de pessoas com deficiência.
6.4.1 O candidato que porventura declarar indevidamente, quando do preenchimento do
requerimento de inscrição via Internet, ser pessoa com deficiência deverá, após tomar
conhecimento da situação da inscrição nessa condição, entrar em contato com a FGV por
meio do e-mail concursofunsaude21@fgv.br, para a correção da informação, por tratar-se
apenas de erro material e inconsistência efetivada no ato da inscrição.
6.5 A classificação e aprovação do candidato não garantem a ocupação das vagas reservadas às
pessoas com deficiência, devendo o candidato, ainda, quando convocado após o resultado
preliminar divulgado do Concurso, submeter-se à avaliação biopsicossial que será promovida pela
FGV, nos termos do § 1º do art. 2º da Lei nº 13.146/2015, e suas alterações, dos arts. 3º e 4º do
Decreto nº 3.298/1999, do § 1º do art. 1º da Lei nº 12.764/2012, e da Lei nº 14.126/2021, bem
como do Decreto nº 9.508/2018, e suas alterações.
6.5.1 A avaliação biopsicossial terá decisão terminativa sobre a qualificação da deficiência do
candidato classificado.
6.6 A não observância do disposto no subitem 6.5, a reprovação na avaliação biopsicossial ou o não
comparecimento à perícia acarretarão a perda do direito aos quantitativos reservados aos
candidatos em tais condições.
6.6.1 A não aprovação na avaliação biopsicossial da condição de pessoa com deficiência em
virtude de incompatibilidade da deficiência com as atribuições dos empregos públicos de
atuação, bem como o não comparecimento à avaliação biopsicossial, acarretará a perda
do direito aos quantitativos reservados aos candidatos em tais condições, passando estes
a figurar apenas na lista de classificação geral.
6.6.2 O candidato que prestar declarações falsas em relação à sua deficiência será excluído do
processo, em qualquer fase deste Concurso Público, e responderá, civil e criminalmente,
pelas consequências decorrentes do seu ato.
6.7 Conforme o estabelecido na legislação vigente, o candidato que não se enquadrar como pessoa
com deficiência na avaliação biopsicossial, caso seja aprovado em todas as fases do Concurso
Público, continuará figurando apenas na listagem de classificação geral dos empregos
públicos/especialidade pretendido, desde que se encontre no quantitativo de corte previsto para
ampla concorrência em cada etapa; caso contrário, será eliminado do Concurso Público.
6.8 Se, quando da convocação, não existirem candidatos na condição de pessoas com deficiência
aprovados, serão convocados os demais candidatos aprovados, observada a listagem de
classificação de todos os candidatos aos empregos públicos.
6.9 A classificação do candidato na condição de pessoa com deficiência obedecerá aos mesmos
critérios adotados para os demais candidatos.
6.10 O grau de deficiência de que o candidato for portador não poderá ser invocado como causa de
aposentadoria por invalidez.

7. DO ATENDIMENTO A CANDIDATOS(AS) COM NECESSIDADES ESPECIAIS

7.1 O candidato que necessitar de atendimento especial para a realização das provas deverá indicar,
no formulário de solicitação de inscrição, os recursos especiais necessários para cada fase do
Concurso e, ainda, enviar, por meio de aplicação específica do link de inscrição, até o dia 19 de
FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 11
agosto de 2021, laudo médico (imagem do documento original, da cópia autenticada em cartório
ou da cópia simples) que justifique o atendimento especial solicitado.
7.1.1 Para fins de concessão de tempo adicional, serão aceitos laudo médico ou parecer emitido
por profissional de saúde (imagem do documento original, da cópia autenticada em
cartório ou da cópia simples). Após esse período, a solicitação será indeferida, salvo nos
casos de força maior. A solicitação de condições especiais será atendida segundo critérios
de viabilidade e de razoabilidade.
7.1.2 Somente serão aceitos os documentos enviados nos formatos PDF, JPEG e JPG, cujo
tamanho não exceda 5 MB. O candidato deverá observar as demais orientações contidas
no link de inscrição para efetuar o envio da documentação.
7.1.3 Nos casos de força maior, em que seja necessário solicitar atendimento especial após a
data de 19 de agosto de 2021, o candidato deverá enviar solicitação de atendimento
especial via correio eletrônico (concursofunsaude21@fgv.br) juntamente com cópia
digitalizada do laudo médico que justifique o pedido.
7.1.4 A concessão de tempo adicional para a realização das provas somente será deferida caso
tal recomendação seja decorrente de orientação médica específica contida no laudo
médico enviado pelo candidato. Em nome da isonomia entre os candidatos, por padrão,
será concedida uma hora a mais para os candidatos nessa situação.
7.1.5 O fornecimento do laudo médico ou do parecer emitido por profissional de saúde (original,
cópia autenticada ou cópia simples) é de responsabilidade exclusiva do candidato. A(O)
Funsaúde e a FGV não se responsabilizarão por laudos médicos ou pareceres que não
tenham sido recebidos por fatores de ordem técnica dos computadores, os quais
impossibilitem a transferência dos dados e/ou causem falhas de comunicação, ou
congestionamento das linhas de transmissão de dados. O laudo médico ou o parecer
emitido por profissional de saúde (original, cópia autenticada ou cópia simples) terá
validade somente para este Concurso Público.
7.2 A candidata que tiver necessidade de amamentar durante a realização das provas deve solicitar
atendimento especial para tal fim. A candidata deverá trazer um acompanhante, que ficará em sala
reservada com a criança e será o responsável pela sua guarda.
7.2.1 A candidata que não levar acompanhante adulto não poderá permanecer com a criança no
local de realização das provas.
7.2.2 Não haverá compensação do tempo de amamentação em favor da candidata.
7.3 Será divulgada no endereço eletrônico https://conhecimento.fgv.br/concursos/funsaude21 a
relação de candidatos que tiverem deferidos ou indeferidos os pedidos de atendimento especial
para a realização das provas.
7.3.1 O candidato cujo pedido de atendimento especial for indeferido poderá interpor recurso
no prazo de dois dias úteis, a serem contados do primeiro dia útil subsequente ao da
divulgação do resultado da análise dos pedidos, mediante requerimento dirigido à FGV
pelo endereço eletrônico https://conhecimento.fgv.br/concursos/funsaude21.
7.4 Portadores de doenças infectocontagiosas que não tiverem comunicado o fato à FGV, por inexistir
a doença na data-limite referida, deverão fazê-lo via correio eletrônico
(concursofunsaude21@fgv.br) tão logo a condição seja diagnosticada. Os candidatos nessa

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 12


situação, quando da realização das provas, deverão se identificar ao fiscal no portão de entrada,
munidos de laudo médico, tendo direito a atendimento especial.
7.5 Considerando a possibilidade de os candidatos serem submetidos à detecção de metais durante as
provas, aqueles que, por razões de saúde, façam uso de marca-passo, pinos cirúrgicos ou outros
instrumentos metálicos deverão comunicar a situação à FGV previamente, nos moldes do item 7.1
deste Edital. Esses candidatos ainda deverão comparecer ao local de provas munidos dos exames
e laudos que comprovem o uso de tais equipamentos.
7.6 Não serão aceitos documentos encaminhados por meio diverso do indicado no subitem 7.1.
7.7 O fornecimento do laudo médico ou do parecer é de responsabilidade exclusiva do candidato.
Verificada falsidade em qualquer declaração e/ou nos documentos apresentados para a obtenção
de condições especiais para a realização das provas, poder-se-á anular a inscrição, as provas e a
contratação do candidato, a qualquer tempo, mesmo após o término das etapas do Concurso
Público.
7.8 Os candidatos deverão manter em seu poder os originais dos laudos apresentados para
requerimento de condições especiais, visto que, a qualquer tempo, a Comissão do Concurso
poderá requerer a apresentação deles.

8. DAS VAGAS DESTINADAS A CANDIDATOS(AS) NEGROS(AS)

8.1 Serão reservados aos candidatos negros que facultativamente autodeclarem, nos moldes do Anexo
VI, tais condições no momento da inscrição, na forma da Lei Estadual nº 17.432/2021 e alterações,
20% (vinte por cento) das vagas oferecidas no Concurso, sendo obrigatória sempre que o número
de vagas ofertadas, para o empregos públicos ou emprego público, for igual ou superior a 5 (cinco).
8.1.1 Se, da aplicação do percentual de reserva de vagas a candidatos negros, resultar número
decimal igual ou maior que 0,5 (cinco décimos), adotar-se-á o número inteiro
imediatamente superior; se menor que 0,5 (cinco décimos), o número inteiro
imediatamente inferior.
8.2 Para concorrer às vagas para candidatos negros, o candidato deverá manifestar, no formulário de
inscrição, o desejo de participar do certame nessas condições, observado o período de inscrição
disposto no subitem 4.1.
8.2.1 A autodeclaração é facultativa, ficando o candidato submetido às regras gerais
estabelecidas no Edital caso não opte pela reserva de vagas.
8.2.2 A relação dos candidatos na condição de negros será divulgada no endereço eletrônico
https://conhecimento.fgv.br/concursos/funsaude21.
8.3 Os candidatos que, no ato da inscrição, declararem-se negros e que forem aprovados no Concurso,
até o limite de 03 vezes o número de vagas previstas para o emprego ou especialidade, serão
convocados por meio de Edital de convocação, que estará disponível no endereço eletrônico
https://conhecimento.fgv.br/concursos/funsaude21, para o procedimento de heteroidentificação,
nos termos da Lei 14.432 de 25 de março de 2021 e suas alterações e da Portaria Normativa nº 04,
de 06 de abril de 2018, ocasião em que será verificada a veracidade das informações prestadas
pelos(as) candidatos(as), por meio de análise do fenótipo, e será proferido parecer definitivo a esse
respeito.
8.3.1 O procedimento de heteroidentificação será realizado na cidade de Fortaleza por uma
comissão especial a ser instituída pela Funsaúde para esse fim.
FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 13
8.3.2 Será enquadrado como negro o candidato que assim for reconhecido pela maioria dos
membros presentes da comissão mencionada no subitem 8.3.1.
8.3.3 A convocação para avaliação da condição de candidatos negros será publicada juntamente
com o resultado definitivo da Prova Objetiva.
8.3.4 O candidato deverá comparecer ao procedimento de heteroidentificação munido do
formulário de autodeclaração, publicado no site da FGV, a fim de ser confrontado com o
fenótipo declarado, além de documento de identidade (original e cópia) e cópia da certidão
de nascimento. As cópias serão retidas pela Comissão. Informações adicionais constarão
da convocação para o procedimento de heteroidentificação.
8.4 A não aprovação na análise documental realizada ou o indeferimento da condição de negro, bem
como o não comparecimento ao procedimento de heteroidentificação no caso dos candidatos
negros, acarretará a perda do direito aos quantitativos reservados aos candidatos em tais
condições, deverá ser eliminado do concurso conforme §2º da lei nº 17.455 de 27.04.2021 (D.O.
28.04.21).
8.5 Os candidatos negros portadores de deficiência poderão se inscrever concomitantemente para as
vagas reservadas a pessoas com deficiência.
8.6 O candidato que porventura declarar indevidamente ser negro, quando do preenchimento do
requerimento de inscrição via Internet, deverá, após tomar conhecimento da situação da inscrição
nessa condição, entrar em contato com a FGV por meio do e-mail concursofunsaude21@fgv.br até
o dia 03 de setembro de 2021, para a correção da informação, por se tratar apenas de erro material
e inconsistência efetivada no ato da inscrição.
8.7 O candidato cujo enquadramento na condição de negro seja indeferido poderá interpor recurso
no prazo de dois dias úteis, a serem contados do primeiro dia útil subsequente ao da divulgação da
lista, mediante requerimento feito à FGV pelo endereço eletrônico
https://conhecimento.fgv.br/concursos/funsaude21.
8.8 A admissão dos candidatos aprovados respeitará os critérios de alternância e de proporcionalidade,
que consideram a relação entre o número total de vagas e o número de vagas reservadas aos
candidatos com deficiência e aos candidatos negros.
8.9 As vagas reservadas a negros que não forem providas por falta de candidatos, por reprovação no
Concurso ou por não enquadramento no programa de reserva de vagas serão preenchidas pelos
demais candidatos habilitados, com estrita observância à ordem geral de classificação.

9. DAS PROVAS

9.1 A Prova Objetiva, de caráter eliminatório e classificatório, será realizada preferencialmente na


cidade de Fortaleza, na data provável de 24 de outubro de 2021, de 09h15 às 12h45 para os
empregos de nível médio; e das 15h15 às 19:15h, para todos os empregos públicos de nível
superior, segundo o horário oficial de Fortaleza/CE.
9.2 Os locais para realização da Prova Objetiva serão divulgados no endereço eletrônico
https://conhecimento.fgv.br/concursos/funsaude21.
9.3 É de responsabilidade exclusiva do candidato a identificação correta do local onde fará as provas e
o comparecimento no horário determinado.

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 14


9.4 Considerando as possíveis implicações relacionadas à pandemia da Covid-19, a data provável da
aplicação da prova será confirmada com 30 dias de antecedência, por meio de comunicado a ser
publicado no endereço eletrônico https://conhecimento.fgv.br/concursos/funsaude21.
9.5 A Prova Objetiva para os empregos públicos de Nível Superior será composta por 70 (setenta)
questões. Todas as questões terão 5 (cinco) alternativas e apenas uma resposta correta.
9.6 A Prova Objetiva para os empregos públicos de Nível Médio será composta por 60 (sessenta)
questões. Todas as questões terão 5 (cinco) alternativas e apenas uma resposta correta.
9.7 As questões da Prova Objetiva serão elaboradas com base nos conteúdos programáticos
constantes do Anexo I deste Edital.
9.8 O quadro a seguir apresenta as disciplinas e o número de questões para os empregos públicos de
Nível Superior:
NÚMERO DE
DISCIPLINAS DE ENSINO SUPERIOR PESO PONTUAÇÃO
QUESTÕES
MÓDULO I - CONHECIMENTOS BÁSICOS

01. Língua Portuguesa 10 1 10


02. Raciocínio Lógico 10 1 10
03. Atualidades 10 1 10
MÓDULO II- CONHECIMENTOS E HABILIDADES ESPECÍFICAS

04. Legislação SUS 10 1 10


05. Área específica 30 2 60
TOTAL 70 100

9.9 O quadro a seguir apresenta as disciplinas e o número de questões para os empregos públicos de
Nível Médio:

NÚMERO DE
DISCIPLINAS DE ENSINO MÉDIO PESO PONTUAÇÃO
QUESTÕES
MÓDULO I - CONHECIMENTOS BÁSICOS

01. Língua Portuguesa 10 1 10


02. Raciocínio Lógico 10 1 10
03. Informática básica 10 1 10
MÓDULO II- CONHECIMENTOS E HABILIDADES ESPECÍFICAS

04. Legislação SUS 5 2 10


05. Área específica 25 2 50
TOTAL 60 90

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 15


9.10 Será atribuída nota zero à questão que apresentar mais de uma ou nenhuma resposta assinalada,
ou à questão que apresentar emenda ou rasura.
9.11 O candidato deverá assinalar a resposta da questão objetiva, usando caneta esferográfica de tinta
azul ou preta, no cartão de respostas, que será o único documento válido para a correção das
provas.
9.12 Os prejuízos advindos do preenchimento indevido do cartão de respostas serão de inteira
responsabilidade do candidato. Serão consideradas marcações indevidas as que estiverem em
desacordo com este Edital ou com as instruções do cartão de respostas, como marcação rasurada,
emendada ou com o campo de marcação não preenchido integralmente. Em hipótese alguma
haverá substituição do cartão de respostas por erro do candidato.
9.13 O candidato não deverá amassar, molhar, dobrar, rasgar, manchar ou, de qualquer modo, danificar
o seu cartão de respostas, sob pena de arcar com os prejuízos advindos da impossibilidade de
realização da leitura ótica.
9.14 O candidato é responsável pela conferência de seus dados pessoais, em especial seu nome, seu
número de inscrição, sua data de nascimento e o número de seu documento de identidade.
9.15 Todos os candidatos, ao terminarem as provas, deverão, obrigatoriamente, entregar ao fiscal de
aplicação o documento que será utilizado para a correção de sua prova (cartão de respostas). O
candidato que descumprir a regra de entrega desse documento será eliminado do Concurso.
9.16 A FGV divulgará as imagens dos cartões de respostas dos candidatos que realizarem a Prova
Objetiva, exceto dos eliminados na forma deste Edital, no endereço eletrônico
https://conhecimento.fgv.br/concursos/funsaude21, após a data de divulgação do resultado da
Prova Objetiva. A imagem ficará disponível por até 15 (quinze) dias corridos, a serem contados da
data de publicação do resultado do Concurso Público.
9.17 Após o prazo determinado no subitem anterior, não serão aceitos pedidos de disponibilização da
imagem do cartão de respostas.

10. CRITÉRIOS DE APROVAÇÃO

10.1 Para os empregos públicos de Nível Superior, será considerado aprovado o candidato que, na Prova
Objetiva, cumulativamente:
a) Obtiver no mínimo 16 acertos no Módulo II, Conhecimentos e Habilidades Específicas;
a) Obtiver no mínimo 9 acertos no Módulo I, Conhecimentos Básicos.
10.2 Para os empregos públicos de Nível Médio, será considerado aprovado o candidato que, na Prova
Objetiva, cumulativamente:
a) Obtiver no mínimo 12 acertos no Módulo II, Conhecimentos e Habilidades Específicas;
a) Obtiver no mínimo 9 acertos no Módulo I, Conhecimentos Básicos.
10.3 O candidato que não atender aos requisitos dos subitens anteriores será eliminado do Concurso.
10.4 Os candidatos não eliminados serão ordenados de acordo com a soma das notas das Provas de
Conhecimentos Gerais e de Conhecimentos Específicos, em ordem decrescente de valores.
10.5 A legislação com vigência após a data de publicação deste Edital, assim como as alterações em
dispositivos constitucionais, legais e normativos a ela posteriores, não será objeto de avaliação nas
provas do Concurso.

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 16


11. DA REALIZAÇÃO DAS PROVAS

11.1 O candidato deverá comparecer ao local designado para a realização das provas com antecedência
mínima de uma hora e trinta minutos do horário fixado para o seu início, observando o horário
oficial da cidade de Fortaleza, munido de caneta esferográfica de tinta azul ou preta em material
transparente, do documento de identidade original e do comprovante de inscrição ou do
comprovante de pagamento da taxa de inscrição.
11.2 Serão considerados documentos de identidade: carteiras expedidas pelos Comandos Militares,
pelas Secretarias de Segurança Pública, pelos Institutos de Identificação e pelos Corpos de
Bombeiros Militares; carteiras expedidas pelos órgãos fiscalizadores de exercício profissional
(ordens, conselhos etc.); passaporte brasileiro; certificado de reservista; carteiras funcionais
expedidas por órgão público que, por lei federal, valham como identidade; carteira de trabalho;
carteira nacional de habilitação. Somente serão aceitos documentos com foto.
11.2.1 Não serão aceitos como documentos de identidade: documentos sem foto, certidões de
nascimento, CPF, títulos eleitorais, carteiras de estudante, carteiras funcionais sem valor
de identidade, identidade infantil, nem documentos ilegíveis, não identificáveis e/ou
danificados.
11.2.2 Não será aceita cópia do documento de identidade, ainda que autenticada, nem protocolo
do documento.
11.3 Por ocasião da realização das provas, o candidato que não apresentar documento de identidade
original na forma definida no subitem 11.2 deste Edital não poderá fazer as provas e será
automaticamente eliminado do Concurso Público.
11.4 Caso o candidato esteja impossibilitado de apresentar, no dia de realização das provas, documento
de identidade original por motivo de perda, roubo ou furto, deverá apresentar documento que
ateste o registro da ocorrência em órgão policial, expedido, no máximo, trinta dias antes. Na
ocasião, será submetido à identificação especial, compreendendo coleta de dados, de assinaturas
e de impressão digital em formulário próprio.
11.4.1 A identificação especial também será exigida do candidato cujo documento de
identificação suscite dúvidas relativas à fisionomia ou à assinatura do portador.
11.5 Não serão aplicadas provas em local, data ou horário diferentes dos predeterminados em Edital ou
em comunicado oficial.
11.6 Os portões do local de aplicação serão fechados às 09h da manhã para as provas de empregos de
nível médio; e às 15hs para as provas de empregos de nível superior.
11.7 O candidato deverá permanecer obrigatoriamente no local (sala) de realização das provas por, no
mínimo, uma hora e trinta minutos após o seu início.
11.7.1 A inobservância do subitem anterior acarretará a não correção da prova e,
consequentemente, a eliminação do candidato.
11.7.2 O candidato que insistir em sair do recinto de realização da prova, descumprindo o disposto
no subitem 11.7, deverá assinar o Termo de Ocorrência, lavrado pelo Coordenador de
Local, declarando sua desistência do Concurso.
11.7.3 Os três últimos candidatos a terminarem as provas deverão permanecer juntos no recinto,
sendo liberados somente após os três terem entregado o material utilizado e terem seus
nomes registrados na Ata, além de estabelecidas suas respectivas assinaturas.

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 17


11.7.4 A regra do subitem anterior poderá ser relativizada quando se tratar de casos excepcionais
nos quais haja número reduzido de candidatos acomodados em uma determinada sala de
aplicação, como, por exemplo, no caso de candidatos com necessidades especiais que
necessitem de sala em separado para a realização do Concurso, ocasião em que o lacre da
embalagem de segurança será testemunhado pelos membros da equipe de aplicação,
juntamente com o(s) candidato(s) presente(s) na sala de aplicação.
11.8 Iniciada a prova, o candidato não poderá retirar-se da sala sem autorização e sem
acompanhamento da fiscalização. Caso o faça, ainda que por questões de saúde, não poderá
retornar em hipótese alguma.
11.9 O candidato somente poderá levar consigo o caderno de questões, ao final da prova, se sua saída
ocorrer na última hora de prova.
11.9.1 Ao terminar a prova, o candidato entregará ao fiscal de sala, obrigatoriamente, o seu cartão de
respostas e o seu caderno de questões, este último ressalvado o disposto no subitem 11.9 .
11.10 Não haverá, por qualquer motivo, prorrogação do tempo previsto para a aplicação das provas em
razão do afastamento de candidato da sala de provas.
11.10.1 Se, por qualquer razão fortuita, o Concurso sofrer atraso em seu início ou necessitar de
interrupção, será concedido prazo adicional aos candidatos do local afetado, de modo que
tenham o tempo total previsto neste Edital para a realização das provas, em garantia à
isonomia do certame.
11.10.2 Os candidatos afetados deverão permanecer no local do Concurso. Durante o período em
que estiverem aguardando, para fins de interpretação das regras deste Edital, o tempo
para realização da prova será interrompido.
11.11 Não haverá segunda chamada para a realização das provas. O não comparecimento implicará a
eliminação automática do candidato.
11.12 Não será permitida, durante a realização das provas, a comunicação entre os candidatos e/ou a
utilização de máquinas calculadoras e/ou similares, livros, anotações, réguas de cálculo, impressos
ou qualquer outro material de consulta, inclusive códigos e/ou legislação.
11.13 Será eliminado do Concurso o candidato que, durante a realização das provas, for surpreendido
portando aparelhos eletrônicos, tais como iPod, smartphone, telefone celular, agenda eletrônica,
aparelho MP3 player, notebook, tablet, palmtop, pen drive, receptor, gravador, máquina de
calcular, máquina fotográfica, controle de alarme de carro etc., bem como relógio de qualquer
espécie, óculos escuros ou quaisquer acessórios de chapelaria, tais como chapéu, boné, gorro etc.
e, ainda, lápis, lapiseira (grafite), corretor líquido e/ou borracha. O candidato que estiver portando
algo definido ou similar ao disposto neste subitem deverá informar ao fiscal da sala, que
determinará o seu recolhimento em embalagem não reutilizável fornecida pelos fiscais, a qual
deverá permanecer lacrada durante todo o período da prova, sob a guarda do candidato.
11.13.1 A(O) FUNSAÚDE e a FGV recomendam que o candidato não leve nenhum dos objetos
citados no subitem anterior no dia de realização das provas.
11.13.2 A FGV não ficará responsável pela guarda de quaisquer dos objetos supracitados.
11.13.3 A FGV não se responsabilizará por perdas ou extravios de objetos ou de equipamentos
eletrônicos ocorridos durante a realização da prova, nem por danos a eles causados.
11.13.4 Para a segurança de todos os envolvidos no Concurso, é recomendável que os candidatos
não portem arma de fogo no dia de realização das provas. Caso, contudo, seja verificada

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 18


essa situação, o candidato será encaminhado à Coordenação da unidade, onde deverá
entregar a arma para guarda devidamente identificada, na qual preencherá os dados
relativos ao armamento.
11.13.5 Quando do ingresso na sala de aplicação de provas, os candidatos deverão recolher todos
os equipamentos eletrônicos e/ou materiais não permitidos em envelope de segurança
não reutilizável, fornecido pelo fiscal de aplicação. Esse envelope deverá permanecer
lacrado durante toda a realização das provas e somente poderá ser aberto após o
candidato deixar o local de provas.
11.13.6 A utilização de aparelhos eletrônicos é vedada em qualquer parte do local de provas.
Assim, ainda que o candidato tenha terminado sua prova e esteja se encaminhando para
a saída do local, não poderá utilizar quaisquer aparelhos eletrônicos, sendo
recomendável que a embalagem não reutilizável fornecida para o recolhimento de tais
aparelhos somente seja rompida após a saída do candidato do local de provas.
11.14 Terá sua prova anulada e será automaticamente eliminado do Concurso Público o candidato que,
durante a sua realização:
a) for surpreendido dando ou recebendo auxílio para a execução das provas;
b) utilizar-se de livros, máquinas de calcular ou equipamento similar, dicionário, notas ou
impressos que não forem expressamente permitidos, ou que se comunicar com outro
candidato;
c) for surpreendido portando aparelhos eletrônicos e quaisquer utensílios descritos no subitem
11.13;
d) faltar com o devido respeito para com qualquer membro da equipe de aplicação das provas,
com as autoridades presentes ou com os demais candidatos;
e) não entregar o material das provas ao término do tempo destinado para a sua realização;
f) afastar-se da sala, a qualquer tempo, sem o acompanhamento de fiscal;
g) ausentar-se da sala, a qualquer tempo, portando o cartão de respostas e/ou a folha de textos
definitivos;
h) descumprir as instruções contidas no caderno de questões, no cartão de respostas e na folha
de textos definitivos;
i) perturbar, de qualquer modo, a ordem dos trabalhos, incorrendo em comportamento indevido;
j) utilizar-se ou tentar se utilizar de meios fraudulentos ou ilegais para obter aprovação própria
ou de terceiros, em qualquer etapa do Concurso Público;
k) não permitir a coleta de sua assinatura;
l) for surpreendido portando anotações em papéis que não os permitidos;
m) for surpreendido portando qualquer tipo de arma fora do envelope de segurança não
reutilizável;
n) não permitir ser submetido ao detector de metal;
o) não permitir a coleta de sua impressão digital.
p) descumprir as medidas de proteção em razão da pandemia do novo coronavírus previstas na
cláusula 17 deste edital.

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 19


11.15 Com vistas à garantia da isonomia e lisura do certame seletivo em tela, no dia de realização da
Prova Objetiva, os candidatos serão submetidos, durante a realização das provas, ao sistema de
detecção de metais quando do ingresso e da saída dos sanitários.
11.15.1 Não será permitido o uso dos sanitários por candidatos que tenham terminado as provas.
A exclusivo critério da Coordenação do local, poderá ser permitido, caso haja
disponibilidade, o uso de outros sanitários do local que não estejam sendo usados para o
atendimento a candidatos que ainda estejam realizando as provas.
11.16 Não será permitido ao candidato fumar na sala de provas, bem como nas dependências do local
de provas.
11.17 No dia de realização das provas, não serão fornecidas, por qualquer membro da equipe de
aplicação destas e/ou pelas autoridades presentes, informações referentes ao seu conteúdo e/ou
aos critérios de avaliação e de classificação.
11.18 Se, a qualquer tempo, for constatado, por meio eletrônico, estatístico, visual, grafológico ou por
investigação policial, ter o candidato se utilizado de processo ilícito, suas provas serão anuladas e
ele será automaticamente eliminado do Concurso.
11.19 O descumprimento de quaisquer das instruções supracitadas implicará a eliminação do candidato,
podendo constituir tentativa de fraude.

12. DA AVALIAÇÃO DE TÍTULOS

12.1 A Avaliação de Títulos terá caráter classificatório. Somente terão seus títulos corrigidos os
candidatos aprovados conforme disposto subitens 10.1 e 10.2, até o limite de 03 (vezes) vezes o
número de vagas oferecidas, para cada emprego público na classificação da ampla concorrência,
pessoas com deficiência e candidatos negros, incluídos os empatados na última posição.
12.1.1 Serão avaliados, ainda, os títulos de todos os candidatos inscritos na condição de pessoas
com deficiência, desde que aprovados na etapa imediatamente antecessora.
12.2 Essa avaliação valerá, no máximo, 16 (dezesseis) pontos para o nível superior, e, no máximo, 06
(seis) pontos para o nível médio, ainda que a soma dos valores dos títulos apresentados possa
superar esse valor.
12.3 Os títulos deverão ser apresentados em imagens dos documentos originais, anexando formulário
próprio para entrega de títulos, devidamente preenchido e assinado, que será oportunamente
disponibilizado no site https://conhecimento.fgv.br/concursos/funsaude21, juntamente com o
edital de convocação específico para esta etapa.
12.4 Os títulos para análise deverão ser enviados (imagem do documento original, frente e
verso) em campo específico, em link próprio, das 16h na data provável de 07 de dezembro
de 2021 até as 16h do dia 13 de dezembro de 2021, horário oficial de Brasília/DF, no
endereço eletrônico https://conhecimento.fgv.br/concursos/funsaude21.
12.4.1 Não haverá, em hipótese alguma, outra data para o envio de títulos.
12.4.2 O envio dos títulos é de responsabilidade exclusiva do candidato. A FGV não se
responsabiliza por qualquer tipo de falha técnica que impeça a chegada da documentação
à FGV. Os títulos enviados terão validade somente para este Concurso.

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 20


12.4.3 Somente serão aceitos os documentos enviados nos formatos PDF, JPEG e JPG, cujo
tamanho não exceda 5 MB. O candidato deverá observar as demais orientações contidas
no link de inscrição para efetuar o envio da documentação (frente e verso).
12.4.4 O não envio dos títulos não elimina o candidato do certame, sendo a este computada
pontuação zero na Avaliação de Títulos para o cálculo da pontuação final.
12.4.5 Não serão aceitos documentos encaminhados por meio diverso do indicado no subitem
12.4.3.
12.4.6 O fornecimento do título e a declaração da veracidade das informações prestadas são de
responsabilidade exclusiva do candidato. Verificada falsidade em qualquer declaração e/ou
nos documentos apresentados, poder-se-á anular a inscrição, as provas e a contratação do
candidato, a qualquer tempo, mesmo após o término das etapas do Concurso Público.
12.4.7 Os candidatos deverão manter em seu poder os originais dos títulos apresentados, visto
que, a qualquer tempo, a Comissão do Concurso poderá requerer a apresentação deles.
12.5 Somente serão considerados os títulos que se enquadrarem nos critérios previstos neste Edital e
que sejam voltados para a área específica do emprego público.
12.6 Todos os cursos previstos para pontuação na Avaliação de Títulos deverão estar concluídos.
12.7 Somente serão considerados documentos comprobatórios, diplomas e certificados ou declarações
de conclusão do(s) curso(s) feitos em papel timbrado da instituição, atestando a data de conclusão,
a carga horária e carimbo da instituição, quando for o caso.
12.8 Para comprovação de conclusão de curso de pós-graduação, em qualquer nível, serão aceitas as
declarações ou os atestados de conclusão do curso, desde que acompanhados dos respectivos
históricos escolares.
12.9 O candidato que possuir alteração de nome (casamento, separação etc.) deverá anexar cópia do
documento comprobatório da alteração, sob pena de não ter pontuados títulos com nome
diferente da inscrição e/ou identidade.
12.10 Serão considerados os seguintes títulos para o nível superior:
VALOR
VALOR DE CADA
ALÍNEA TÍTULO MÁXIMO DOS
TÍTULO
TÍTULOS
Diploma de curso de pós‐graduação em nível de doutorado
(título de doutor) no emprego a que concorre. Também
A será aceito certificado/declaração de conclusão de curso 2,6 2,60
de Doutorado, desde que acompanhado de histórico
escolar.
Diploma de curso de pós‐graduação em nível de mestrado
(título de mestre) no emprego a que concorre. Também
B será aceito certificado/declaração de conclusão de curso 1,8 1,80
de Mestrado, desde que acompanhado de histórico
escolar.
Certificado de conclusão de residência multiprofissional ou
uniprofissional, reconhecido pelo MEC, Conselho Estadual
C de Educação ou Órgão de Classe, excetuado o certificado a 1,8 3,60
ser apresentado para fins de comprovação do requisito
mínimo para o emprego.

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 21


VALOR
VALOR DE CADA
ALÍNEA TÍTULO MÁXIMO DOS
TÍTULO
TÍTULOS
Certificado de curso de pós‐graduação em nível de
especialização lato sensu, com carga horária mínima de
360 h/a no emprego a que concorre. Também será aceita a
D 0,8 1,60
declaração de conclusão de pós‐graduação em nível de
especialização, desde que acompanhada de histórico
escolar.
Certificado de curso de aperfeiçoamento na área
relacionada ao emprego pleiteado, com carga horária
mínima de 120 horas, com conteúdo programático e
E 0,2 0,40
realizado em instituição de ensino reconhecida pelo MEC
ou conselho profissional competente, no emprego a que
concorre, realizado nos últimos cinco anos.
Exercício de atividade de nível superior na Administração 1,0 p/ano
Pública ou na iniciativa privada em instituições completo, sem
hospitalares, em empregos/cargos/funções no emprego a sobreposição de
que concorre. tempo
F Exercício de atividade de nível superior na Administração 0,5 p/ano 6,00
Pública ou na iniciativa privada, exceto em instituições completo, sem
hospitalares, em empregos/cargos/funções no emprego a sobreposição de
que concorre. tempo
PONTUAÇÃO TOTAL MÁXIMA 16,00

12.11 Os diplomas de Mestrado e Doutorado expedidos por instituições estrangeiras somente serão
aceitos se reconhecidos por universidades que possuam cursos de pós-graduação reconhecidos e
avaliados na mesma área de conhecimento e em nível equivalente ou superior, conforme legislação
que trata da matéria.
12.12 O documento expedido em língua estrangeira somente terá validade quando traduzido para a
língua portuguesa por tradutor juramentado.
12.13 Para efeito da distribuição de pontos, cada título será considerado uma única vez.
12.14 Outros comprovantes de conclusão de curso ou disciplina, tais como comprovantes de pagamento
de taxa para obtenção de documentação, cópias de requerimentos, ata de apresentação e defesa
de dissertação, ou documentos que não estejam em consonância com as disposições deste Edital,
não serão considerados para efeito de pontuação.
12.15 Serão aceitos como documentos comprobatórios à Experiência Profissional:
a) Para contratados pela CLT: Carteira de Trabalho e Previdência Social – CTPS (folha de
identificação onde constam número, foto e série, folha da identificação civil, folha onde
constam os contratos de trabalho e folhas de alterações que constem mudança de função); ou
declaração emitida pelo empregador ou órgão de gestão de pessoas.
b) Para servidores/empregados públicos: Termo de Posse, acompanhada da certidão de tempo de
serviço ou declaração, emitida pelo setor de Gestão de Pessoas, que informe o período (com
início e fim) e a discriminação do serviço realizado, com a descrição das atividades
desenvolvidas.

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 22


c) Para prestadores de serviço com contrato por tempo determinado: contrato de prestação de
serviços ou contrato social ou contracheque (demonstrando claramente o período inicial e final
de validade no caso destes dois últimos) e acompanhado de declaração do contratante ou
responsável legal, no qual consta claramente o local onde os serviços foram prestados, a
identificação do serviço realizado, o período inicial e final do mesmo e descrição das atividades
executadas;
d) Para autônomo: contracheque ou recibo de pagamento de autônomo - RPA (RPA referente ao
mês de início de realização do serviço e ao mês de término de realização do serviço,
acompanhada de declaração da cooperativa, ou empresa responsável pelo fornecimento da
mão de obra, em papel timbrado com o CNPJ, no qual consta claramente o local onde os
serviços foram prestados, a identificação do serviço realizado, o período inicial e final do mesmo
e descrição das atividades executadas. Serão aceitas declarações de prestação de serviços em
clínicas, em papel timbrado com o CNPJ, desde que conste claramente o local onde os serviços
foram prestados, a identificação do serviço realizado, o período inicial e final do mesmo e
descrição das atividades executadas.
12.16 Os documentos relacionados no item 12.15. deste edital, deverão ser emitidos pelo Setor de
Pessoal ou de Recursos Humanos ou por outro setor da empresa ou clínica, devendo estar
devidamente datados e assinados, o período inicial e final da realização do serviço, sendo
obrigatória a identificação do cargo/emprego e da pessoa responsável pela assinatura.
12.17 Serão desconsiderados os documentos relacionados nos itens 12.16. que não contenham todas as
informações relacionadas e/ou não permitam uma análise precisa e clara da experiência
profissional do(a) candidato(a).
12.18 Para efeito de cômputo de pontuação relativa ao tempo de experiência, somente será considerado
tempo de experiência no exercício da profissão/emprego em anos completos, não sendo possível
a soma de períodos remanescentes de cada emprego e não sendo considerada mais de uma
pontuação concomitante no mesmo período, inclusive para o item F da tabela da cláusula 12.10,
ocasião que o candidato deve indicar qual período de experiência pontuará para cada situação.
12.19 Não será aceito qualquer tipo de estágio curricular, bolsa de estudo, prestação de serviços como
voluntário, monitoria ou docência para pontuação como Títulos ou Experiência Profissional,
exceção para Bolsas de Extensão Tecnológica na área afim ao emprego no qual concorre.
12.20 Para efeito de pontuação de Avaliação de Experiência Profissional somente será considerada a
experiência após conclusão do curso superior, para os empregos públicos de nível superior, ou
após a conclusão do nível médio, para os empregos públicos de nível médio.
12.21 Na Avaliação de Experiência Profissional somente serão consideradas as atividades realizadas até
a data de convocação da Prova de Títulos. O tempo de serviço após a data de convocação não será
computado para fins de pontuação.
12.22 Para fins de Avaliação de Títulos Acadêmicos, NÃO será considerado diploma, certidão de
conclusão de curso ou declaração que seja requisito para ingresso no emprego público pleiteado,
devendo o candidato:
a) Quando possuir dois ou mais certificados solicitados como requisito básico, nos casos em que é
solicitado OU um OU outro certificado, escolher qual certificado será apresentado como
requisito para contratação e qual o certificado que será disponibilizado para pontuação de
Títulos; e
b) No momento do cadastramento do Título no site da FGV, além de declarar os Títulos que possui,

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 23


apontar qual será utilizado para fins de comprovação do requisito no ato da contratação, sendo
obrigatório o envio de ambos os certificados.
12.23 Para os empregos públicos de nível médio será pontuada apenas a Experiência Profissional:
QUADRO DE ATRIBUIÇÃO DE PONTOS PARA A AVALIAÇÃO DE TÍTULOS
ALÍNE VALOR MÁXIMO
TÍTULO VALOR DE CADA TÍTULO
A DOS TÍTULOS
Exercício de atividade profissional, no mínimo de 1,0 p/ano
nível médio, na Administração Pública ou na iniciativa completo, sem
A 6,00
privada, em empregos/cargos/funções no emprego a sobreposição
que concorre. de tempo
PONTUAÇÃO TOTAL MÁXIMA 6,00

12.24 Para efeito de comprovação de experiência de nível médio, deverão ser observadas as regras dos
itens 12.15 a 12.21 do presente edital.

13. DA CLASSIFICAÇÃO NO CONCURSO

13.1 A Nota Final será a soma das notas obtidas nas Provas Objetivas e na Avaliação de Títulos e de
Experiência Profissional.
13.2 A classificação final será obtida, após os critérios de desempate, com base na listagem dos
candidatos remanescentes no Concurso.
13.3 Os candidatos aprovados serão ordenados em classificação por emprego público, de acordo com
os valores decrescentes das notas finais no Concurso, observados os critérios de desempate deste
Edital.

14. DOS CRITÉRIOS DE DESEMPATE

14.1 Em caso de empate, terá preferência o candidato que, na seguinte ordem:


a) tiver idade igual ou superior a sessenta anos, nos termos do Art. 27, parágrafo único, do Estatuto
do Idoso;
b) obtiver maior número de acertos na Área Específica;
c) obtiver maior número de acertos em Língua Portuguesa;
d) obtiver maior número de acertos em Raciocínio Lógico;
e) obtiver maior número de acertos em Noções de Informática;
f) obtiver maior número de acertos em Legislação do SUS;
g) for o candidato mais velho (no caso de ainda persistir o empate).
14.2 Para fins de verificação do critério mencionado no subitem anterior, os candidatos deverão fazer
o upload do documento comprobatório descrito no item 14.1 no link de inscrição, no endereço
eletrônico https://conhecimento.fgv.br/concursos/funsaude21.

15. DOS RECURSOS

15.1 O gabarito oficial preliminar e os resultados preliminares da Prova Objetiva e da Avaliação de


Títulos serão divulgados no endereço eletrônico
https://conhecimento.fgv.br/concursos/funsaude21

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 24


15.2 O candidato que desejar interpor recurso disporá de dois dias úteis para fazê-lo, a serem contados
do dia subsequente ao da divulgação destes.
15.3 Para recorrer contra o gabarito oficial preliminar da Prova Objetiva e o resultado preliminar da
Prova Objetiva, o candidato deverá usar formulários próprios, encontrados no endereço eletrônico
https://conhecimento.fgv.br/concursos/funsaude21, respeitando as respectivas instruções.
15.3.1 O candidato deverá ser claro, consistente e objetivo em seu pleito. Recurso inconsistente
ou intempestivo será liminarmente indeferido.
15.3.2 O formulário preenchido de forma incorreta, com campos em branco ou faltando
informações será automaticamente desconsiderado, não sendo sequer encaminhado à
Banca Examinadora da FGV.
15.3.3 Após a análise dos recursos contra o gabarito preliminar da Prova Objetiva, a Banca
Examinadora da FGV poderá manter o gabarito, alterá-lo ou anular a questão.
15.3.4 Se, do exame de recurso, resultar a anulação de questão integrante da Prova Objetiva, a
pontuação correspondente a ela será atribuída a todos os candidatos.
15.3.5 Se houver alteração, por força dos recursos, do gabarito oficial preliminar de questão
integrante de Prova Objetiva, essa alteração valerá para todos os candidatos,
independentemente de terem recorrido.
15.3.6 Após a análise dos recursos contra o resultado preliminar da Prova Objetiva, a Banca
Examinadora da FGV poderá manter ou alterar o resultado divulgado.
15.3.7 Todos os recursos serão analisados, e as respostas serão divulgadas no endereço eletrônico
https://conhecimento.fgv.br/concursos/funsaude21.
15.3.8 Não serão aceitos recursos via fax, correio eletrônico ou pelos Correios, assim como fora
do prazo.
15.4 Em nenhuma hipótese será aceito pedido de revisão de recurso ou recurso de gabarito oficial
definitivo, bem como contra o resultado final das provas.
15.5 Será liminarmente indeferido o recurso cujo teor desrespeitar a Banca.

16. DA HOMOLOGAÇÃO E DA ADMISSÃO

16.1 Os candidatos aprovados serão convocados obedecendo à ordem classificatória, observado o


preenchimento das vagas existentes.
16.2 Os candidatos aprovados terão sua convocação publicada no veículo de comunicação dos atos
oficiais da Funsaúde.
16.3 O candidato, além de atender aos requisitos exigidos no subitem 16.1 deste Edital, deverá
apresentar, necessariamente, no ato da contratação, os documentos e certidões exigidos pela
Funsaúde.
16.4 Caso haja necessidade, a Funsaúde poderá solicitar outros documentos complementares.
16.5 O candidato convocado para admissão que não se apresentar no local e nos prazos estabelecidos
será considerado desistente, implicando sua eliminação definitiva e a convocação do candidato
subsequente imediatamente classificado.
16.6 O empregado contratado mediante Concurso Público fará jus aos benefícios estabelecidos na
legislação vigente.
16.7 O candidato aprovado, ao ser contratado, ficará sujeito à Consolidação das Leis do Trabalho.
FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 25
16.8 O candidato contratado poderá executar outras tarefas inerentes ao conteúdo ocupacional dos
empregos públicos ou relativas à formação/experiência específica, conforme normativos internos.
16.9 Não será admitido o candidato habilitado que fizer, em qualquer documento, declaração falsa ou
inexata para fins de contratação e que não possuir, na data da contratação, os requisitos mínimos
exigidos neste Edital.
16.10 O resultado final será homologado pela Funsaúde, mediante publicação no veículo de comunicação
dos atos oficiais do Estado do Ceará, e divulgado na Internet no site da FGV.
16.11 O candidato que não atender, no ato da contratação, aos requisitos dos subitens 3.3, 16.3 e 16.4
deste Edital será considerado desistente, excluído automaticamente do Concurso Público,
perdendo seu direito à vaga e ensejando a convocação do próximo candidato na lista de
classificação.
16.11.1 Da mesma forma, será considerado desistente o candidato que, no ato da contratação,
recusar a vaga que lhe for disponibilizada para assunção do emprego público.
16.12 Os candidatos classificados serão convocados para admissão por meio do veículo de comunicação
dos atos oficiais da Funsaúde.
16.12.1 É de inteira responsabilidade do candidato acompanhar os atos convocatórios publicados
após a homologação do Concurso Público.
16.13 Os candidatos aprovados quando contratados e deverão cumprir período de experiência de
noventa dias nos termos da Consolidação das Leis do Trabalho – CLT.

17. DOS PROCEDIMENTOS SANITÁRIOS – COVID-19

17.1 O ingresso do candidato no local de realização das provas será condicionado à utilização de
máscara de proteção individual que cubra total e simultaneamente boca e nariz, bem como à
aferição de temperatura. O candidato que esteja com temperatura corporal acima de 37,8°C será
encaminhado para sala extra.
17.2 O candidato deverá, durante todo o período de permanência no local, usar a máscara de proteção
individual cobrindo nariz e boca simultaneamente. A recusa em utilizar a máscara corretamente
implicará a eliminação da prova e a retirada do candidato do local de prova.
17.3 Recomenda-se que o candidato compareça munido de álcool em gel, acondicionado em
recipiente em material transparente, para uso pessoal.
17.4 Poderá ser solicitado ao candidato que retire máscara, face shield, luvas e qualquer item de
proteção pessoal contra a COVID-19 durante toda a realização do exame, sendo mantida uma
distância segura entre o fiscal e o candidato para a vistoria visual.
17.5 O uso de sanitários será realizado com rígido processo de controle, evitando aglomeração e com
a frequente prática da higiene e a devida assepsia.
17.6 Somente serão permitidos recipientes de armazenamento de lanches de rápido consumo e
bebidas fabricados com material transparente e sem rótulos que impeçam a visualização de seu
conteúdo.
17.7 Somente será permitido que os candidatos realizem lanches de rápido consumo no local de prova
(ex.: barra de cereal) e quando for estritamente necessário. O candidato deverá retirar a máscara
apenas para se alimentar e deverá recolocá-la imediatamente após terminar.

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 26


17.8 Recomenda-se que cada candidato leve e utilize sua própria garrafa de água em material
transparente e sem rótulo. Não será permitida a utilização dos bebedouros, salvo para encher
garrafas e/ou copos em material transparente e sem rótulo.
17.9 Não será permitida a permanência de candidatos nos corredores antes do início da prova. Após o
ingresso no local de prova, o candidato deve se dirigir imediatamente à sala de aplicação, evitando
tumulto e aglomeração de pessoas.
17.10 A Fundação Getulio Vargas será responsável pelas seguintes medidas preventivas, relativamente
à emergência de saúde pública de importância internacional decorrente da pandemia da COVID-
19, quando da aplicação das provas:
a) Todos os locais de aplicação apresentarão rotas e marcações no chão, a fim de garantir o
distanciamento seguro. Serão consideradas marcações de distanciamento nas salas de
aplicação os espaços estabelecidos entre as carteiras;
b) As salas de aplicação serão organizadas com redução da capacidade, mantendo-se o
distanciamento máximo entre as carteiras, e serão submetidas aos cuidados necessários de
higiene e ventilação;
c) Sempre que possível, as portas e janelas serão mantidas abertas;
d) Reforço da prevenção individual com cartazes informativos;
e) Disponibilização de frascos de álcool em gel em todas as salas e pontos de circulação;
f) Liberação de entrada antecipada e triagem rápida na entrada dos candidatos, para reduzir o
tempo de espera na identificação;
g) Desinfecção constante das superfícies mais tocadas, como corrimãos e maçanetas;
h) Todos serão orientados a usar apenas a própria caneta azul, fabricada em material
transparente, para assinatura dos instrumentos de aplicação; e
i) Controle individual de saída dos examinandos ao término das provas, evitando tumulto e
aglomeração de pessoas.
17.10.1 A equipe de colaboradores da FGV só poderá atuar mediante:
a) Utilização de máscaras de proteção individual e considerando os atos normativos que
estabelecem o uso seguro delas, sendo recomendável a troca de duas em duas horas
no caso de comunicação frequente;
b) Higienização das mãos com álcool em gel antes e após o contato com qualquer
instrumento de aplicação ou candidato; e
c) Treinamento específico sobre os novos procedimentos adotados.
17.11 As datas previstas neste Edital são passíveis de alteração a depender da evolução da pandemia e
dos decretos reguladores, não cabendo qualquer ônus sobre a Fundação Getulio Vargas ou à
Funsaúde.

18. DAS DISPOSIÇÕES FINAIS

18.1 A inscrição do candidato implicará a aceitação das normas contidas neste Edital e em outros que
vierem a ser publicados.
18.2 É de inteira responsabilidade do candidato acompanhar a publicação de todos os atos, editais e
comunicados oficiais referentes a este Concurso Público, divulgados integralmente no endereço
eletrônico https://conhecimento.fgv.br/concursos/funsaude21.
FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 27
18.3 O candidato poderá obter informações referentes ao Concurso Público por meio do telefone
0800-2834628 ou do e-mail concursofunsaude21@fgv.br.
18.4 O candidato que desejar informações ou relatar à FGV fatos ocorridos durante a realização do
Concurso deverá fazê-lo usando os meios dispostos no subitem concursofunsaude21@fgv.br.
18.5 O prazo de validade do Concurso será de 2 anos, contados a partir da data de homologação do
resultado final, podendo ser prorrogados pelo mesmo período, a critério da Funsaúde, nos termos
do Art. 37, inciso III, da Constituição Federal de 1988.
18.6 O candidato deverá manter atualizados o seu endereço, e-mail e contatos telefônicos com a FGV,
enquanto estiver participando do Concurso, até a data de divulgação do resultado final, por meio
do e-mail concursofunsaude21@fgv.br.
18.6.1 Após a homologação do resultado final, as mudanças de endereço dos candidatos
classificados deverão ser comunicadas diretamente ao e-mail
concursofunsaude21@fgv.br. Serão de exclusiva responsabilidade do candidato os
prejuízos advindos da não atualização de seu endereço.
18.7 As despesas decorrentes da participação no Concurso Público, inclusive deslocamento,
hospedagem e alimentação, correm por conta dos candidatos.
18.8 Os casos omissos serão resolvidos pela FGV em conjunto com a Comissão do Concurso da
Funsaúde.
18.9 As alterações de legislação com entrada em vigor antes da data de publicação deste Edital serão
objeto de avaliação, ainda que não mencionadas nos conteúdos programáticos constantes do
Anexo I deste Edital.
18.9.1 Legislação com entrada em vigor após a data de publicação deste Edital, exceto a listada
nos objetos de avaliação constantes deste Edital, como eventuais projetos de lei, assim
como alterações em dispositivos legais e normativos a ele posteriores, não será objeto de
avaliação nas provas do Concurso.
18.10 Não será aceito pedido de reclassificação (final de lista) na hipótese de o candidato manifestar
desinteresse na vaga quando convocado.
18.11 A FGV poderá enviar, quando necessário, comunicação pessoal dirigida ao candidato, por e-mail
ou pelos Correios, sendo de exclusiva responsabilidade do candidato a manutenção ou a
atualização de seu correio eletrônico e a informação de seu endereço completo e correto na
solicitação de inscrição.
18.12 A inscrição e participação no certame implicarão o tratamento de seus dados pessoais de nome,
número de inscrição, número e origem do documento de identidade, digital, data de nascimento,
número de CPF, local, endereço, data, sala e horário das provas, telefone, e-mail, emprego
público/vaga a que concorre e/ou outra informação pertinente e necessária (como a indicação de
ser destro ou canhoto, a solicitação de atendimento especial para pessoa com deficiência e
solicitações e comprovações para preenchimento de vagas reservadas ou, ainda, concessão de
benefícios de isenção de inscrição).
18.12.1 A finalidade do tratamento dos dados pessoais listados acima está correlacionada à
organização, ao planejamento e à execução deste Concurso Público.
18.12.2 As principais bases legais para o tratamento dos dados pessoais do candidato serão, sem
prejuízo de outras que eventualmente se façam necessárias e estejam amparadas na Lei
Federal nº 13.709/2018: (a) cumprimento de obrigação legal ou regulatória (em relação ao

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 28


Art. 37, incisos II e VIII, da Constituição Federal de 1988, os quais preveem que a investidura
em empregos públicos, inclusive estaduais, dependem de aprovação em concurso público,
(b) execução de contrato entre a(o) Funsaúde e a Fundação Getulio Vargas para os fins de
condução do certame; e (c) a garantia da lisura e prevenção à fraude nos Concursos
Públicos.
18.13 Quaisquer alterações nas regras fixadas neste Edital somente poderão ser feitas por meio de Edital
de Retificação.

Fortaleza, 24 de junho de 2021.

Josenilia Maria Alves Gomes


Diretora-Presidente

Juliana Braga de Paula


Diretora de Gestão e Desenvolvimento de Pessoas

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 29


ANEXO I – CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

EMPREGOS PÚBLICOS DE NÍVEL SUPERIOR

MÓDULO I – CONHECIMENTOS BÁSICOS

LÍNGUA PORTUGUESA
Elementos de construção do texto e seu sentido: gênero do texto (literário e não literário, narrativo, descritivo e
argumentativo); interpretação e organização interna. Semântica: sentido e emprego dos vocábulos; campos semânticos;
emprego de tempos e modos dos verbos na Língua Portuguesa. Morfologia: reconhecimento, emprego e sentido das
classes gramaticais; processos de formação palavras; mecanismos de flexão dos nomes e verbos. Sintaxe: frase, oração e
período; termos da oração; processos de coordenação e subordinação; concordância nominal e verbal; transitividade e
regência de nomes e verbos; padrões gerais de colocação pronominal na Língua Portuguesa; mecanismos de coesão
textual. Ortografia. Acentuação gráfica. Emprego do sinal indicativo de crase. Pontuação. Estilística: figuras de linguagem.
Reescritura de frases: substituição, deslocamento, paralelismo; variação linguística: norma padrão.

RACIOCÍNIO LÓGICO-ANALÍTICO
Proposições, conectivos, equivalências lógicas, quantificadores e predicados. Conjuntos e suas operações, diagramas.
Números inteiros, racionais e reais e suas operações, porcentagem. Proporcionalidade direta e inversa. Medidas de
comprimento, área, volume, massa e tempo. Estrutura lógica de relações arbitrárias entre pessoas, lugares, objetos ou
eventos fictícios; dedução de novas informações das relações fornecidas e avaliação das condições usadas para
estabelecer a estrutura daquelas relações. Compreensão e análise da lógica de uma situação, utilizando as funções
intelectuais: raciocínio verbal, raciocínio matemático, raciocínio sequencial, reconhecimento de padrões, orientação
espacial e temporal, formação de conceitos, discriminação de elementos Compreensão de dados apresentados em
gráficos e tabelas. Problemas de lógica e raciocínio. Problemas de contagem e noções de probabilidade. Geometria
básica: ângulos, triângulos, polígonos, distâncias, proporcionalidade, perímetro e área. Noções de estatística: média,
moda, mediana e desvio padrão.

ATUALIDADES
Meio ambiente e sociedade: problemas, políticas públicas, organizações não governamentais, aspectos locais e aspectos
globais. Descobertas e inovações científicas na atualidade e seus impactos na sociedade contemporânea. Mundo
Contemporâneo: elementos de política internacional e brasileira; cultura internacional e cultura brasileira (música,
literatura, artes, arquitetura, rádio, cinema, teatro, jornais, revistas e televisão); elementos de economia internacional
contemporânea; panorama da economia brasileira. Ética e cidadania. Relações humanas no trabalho.

MÓDULO II – CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

LEGISLAÇÃO (PARA TODOS OS EMPREGOS)


1. Sistema Único de Saúde (SUS): princípios, diretrizes, estrutura e organização; políticas de saúde. 2. Estrutura e
funcionamento das instituições e suas relações com os serviços de saúde. 3. Níveis progressivos de assistência à saúde.
4. Políticas públicas do SUS para gestão de recursos físicos, financeiros, materiais e humanos. 5. Sistema de planejamento
do SUS: estratégico e normativo. 6. Direitos dos usuários do SUS: participação e controle social. 7. Ações e programas do
SUS. 8. Legislação básica do SUS. 9. Política Nacional de Humanização. 9. Constituição Federal de 1988 - Título VIII - artigo
194 a 200. 10. Lei nº 8.142/90 (dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde (SUS) e
sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde e dá outras providências). 11. Lei
nº 8.080/90 (dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o
funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências). 12. RDC nº 63, de 25 de novembro de 2011
(dispõe sobre os requisitos de boas práticas de funcionamento para os Serviços de Saúde). 13. Resolução CNS nº
553/2017 (dispõe sobre a carta dos direitos e deveres da pessoa usuária da saúde). 14. RDC nº 36, de 25 de julho de 2013
FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 30
(institui ações para a segurança do paciente em serviços de saúde e dá outras providências). 15. Organização do Sistema
de Saúde do Estado do Ceará: metas, programas e ações em saúde.

1. ANALISTA DE PATOLOGIA CLÍNICA


1. Antígenos e anticorpos. 2. Resposta imune primária e secundária. 3. Reação antígeno-anticorpo. 4. Tipagem ABO:
propriedades e generalidades, subgrupos ABO, técnicas laboratoriais para tipagem ABO, discrepâncias entre tipagem
direta e reversa, incompatibilidade ABO, reagentes empregados. 5. Tipagem Rh: propriedades e generalidades, D-fraco,
técnicas laboratoriais para tipagem Rh e detecção do D-fraco, incompatibilidade Rh, doença hemolítica do recém-nascido,
reagentes empregados. 6. Teste de antiglobulina direto. 7. Pesquisa de anticorpos irregulares dirigidos contra antígenos
eritrocitários. 8. Prova de compatibilidade pré-transfusional. 9. Métodos sorológicos e de biologia molecular para triagem
de doadores de sangue: Doença de chagas, Hepatites B e C, HIV, Sífilis, Malária e HTLV I/II. 10. Avaliação dos métodos
diagnósticos: sensibilidade, especificidade, valor preditivo positivo e negativo. 11. Controle de qualidade interno e
externo: exatidão e precisão, gráfico de Lewin Jenning, desvio-padrão, coeficiente de variação. 12. Fundamentos das
reações sorológicas: ELISA, Hemaglutinação, Imunofluorescência, Aglutinação / Floculação, Western Blot, Imunoblot. 13.
Fundamentos das reações de biologia molecular: PCR, NASBA/TMA, bDNA. 14. Boas práticas de laboratório: diluições,
medições volumétricas, automação e manutenção, biossegurança. 15. Preparo de componentes sanguíneos: tipos de
hemocomponentes, equipamentos e materiais utilizados no preparo de hemocomponentes, metabolismo dos elementos
figurados do sangue, soluções anticoagulantes e preservantes, lavagem, aliquotagem, deleucotização e irradiação de
hemocomponentes. 16. Conservação, transporte e vencimento do sangue e hemocomponentes. 17. Controle de
qualidade do sangue e hemocomponentes. 18. Controle de qualidade do sangue e hemocomponentes: validação e
calibração no laboratório de controle de qualidade, especificações e análises dos hemocomponentes, fatores que
influenciam na qualidade dos hemocomponentes, amostragem para controle de qualidade do sangue e
hemocomponentes, controle microbiológicos dos hemocomponentes, controle de qualidade dos insumos. 19.
Biossegurança - esterilização e desinfecção, desinfetantes, níveis de biossegurança, descarte de material biológico,
manuseio e transporte de amostras, equipamentos de contenção, equipamento de proteção individual e coletivo. 20.
Portaria nº 2.031/2004 - Organização do Sistema Nacional de Laboratórios de Saúde Pública. 21. RDC nº 153/2004 –
Regulamento técnico para os procedimentos hemoterápicos. 22. RDC nº 302/2005 – Regulamento técnico para
funcionamento de laboratórios clínicos. 23. RDC nº 33/ 2003 –Regulamento técnico para o gerenciamento de resíduos
de serviço de saúde. 24. INMETRO NIT-DICLA-083 – Critérios de certificação de qualidade para laboratórios clínicos.

2. ASSISTENTE SOCIAL
1. Fundamentos históricos, teóricos e metodológicos do Serviço Social. 2. O Serviço Social na contemporaneidade. 3. A
dimensão pedagógica do trabalho do Assistente Social. 4. Materialismo Histórico Dialético e a práxis profissional. 5.
Princípios fundamentais do código de ética profissional. 6. Serviço Social e Economia Política. 7. Ética Profissional do
Assistente Social na área da saúde. 8. Serviço Social e a emissão de relatórios, laudos e pareceres; instrumentos e técnicas
do Serviço Social. 9. Metodologias participativas para grupos. 10. Serviço Social: direitos e competências profissionais.
11. Supervisão de Estágio. 12. Controle Social e Participação em Políticas Públicas. 13. Planejamento: programas, projetos,
serviços e benefícios. 14. Serviço Social e o sistema de seguridade social. 15. Lei de Regulamentação da Profissão (Lei nº
8662/1993). 16. Serviço Social e trabalho com famílias. 17. Interdisciplinaridade e multidisciplinaridade. 18. Questão
Social e saúde. 19. Reforma Sanitária e política de saúde no Brasil. 20. Serviço Social e Saúde: estratégias de intervenção.
21. Serviço Social e Reforma Psiquiátrica. 22. Sistema Único de Saúde: Lei no 8.080/1990. 23. Lei que dispõe sobre a
participação da comunidade na gestão do SUS: Lei no 8.142/1990. 24. Norma Operacional Básica do SUS. 25. Níveis de
proteção em saúde. 26. Programas de saúde. 27. Reforma Sanitária e os desafios para a saúde pública no Brasil. 28.
Política antidrogas e redução de danos. 29. Estatuto da Criança e do Adolescente; Estatuto da Pessoa com Deficiência;
Estatuto do Idoso.

3. CIRURGIÃO DENTISTA – CIRURGIA E TRAUMATOLOGIA - BUCO-MAXILO-FACIAIS


1. Princípios de cirurgia maxilo-facial. 2. Conhecimento e procedimentos de implantes, enxertos, transplantes e
reimplantes, análise de resultado de biópsias, cirurgias protética, ortodôntica e ortognática, diagnóstico e tratamento

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 31


cirúrgico de cistos, afecções radiculares e perirradiculares, doenças das glândulas salivares, doenças da articulação
têmporo-mandibular, lesões de origem traumática na área buco-maxilo-facial (epidemiologia, diagnóstico e tratamento),
malformações congênitas ou adquiridas dos maxilares e da mandíbula (diagnóstico e tratamento). 3. Osteotomias
funcionais da face (técnicas e indicações). 4. Cirurgia Ortognática (técnicas e indicação). 5. Síndrome da Apneia Obstrutiva
do Sono (diagnóstico e tratamento). 6. Tumores maxilo-faciais, tumores benignos da cavidade bucal, diagnóstico e
viabilidade de tratamento de tumores malignos da cavidade bucal. 7. Anomalias vasculares da face: congênitas e
adquiridas. 9. Anatomia facial e oral: lesões hiperplásicas e neoplásicas da cavidade bucal; tratamento das urgências e
emergências em cirurgia buço-maxilo-facial; uso de fármacos (analgésicos, antimicrobianos e anti-inflamatórios);
anestesia; exame radiológico facial e dentário; patologia bucal. 10. Difusão de preceitos de saúde pública odontológica,
prescrição e administração de medicamentos; noções de medidas de controle de infecção no consultório dentário. 11.
Perícias odonto-legais, emissão de laudos e pareceres, atestados e licenças. 12. 31. Código de Ética.

4. CIRURGIÃO DENTISTA – ODONTOLOGIA HOSPITALAR


1. Ética em Odontologia. 2. Biossegurança. 3. Epidemiologia das doenças bucais no Brasil. 4. Índices epidemiológicos
específicos em saúde bucal. 5. Biogênese das dentições. 6. Diagnóstico e plano de tratamento: anamnese, exame físico,
índices de higiene bucal, radiologia, semiologia bucal, exames complementares. 7. Materiais restauradores: amálgama,
resinas compostas, sistemas adesivos, cimentos de ionômero de vidro. 8. Materiais protetores do complexo dentino-
pulpar. 9. Métodos preventivos: educação em saúde, tratamento restaurador atraumático, adequação do meio, selantes,
restaurações preventivas, uso de fluoretos em Odontologia. 10. Cariologia: características clínicas das lesões de cárie,
prevenção, tratamento, prevalência e incidência, microrganismos cariogênicos, diagnóstico da atividade de cárie. 11.
Interrelação dentística – periodontia. 12. Controle químico e mecânico do biofilme dentário. 13. Periodontia: gengivite e
periodontite – diagnóstico, prevenção e tratamento não cirúrgico. 14. Cirurgia Oral menor: exodontias, ulectomia e
ulotomia, frenectomia. 15. Odontopediatria: promoção de saúde bucal em bebês e crianças; educação em saúde;
cariologia; uso de fluoretos e outros métodos preventivos (selantes, ART); materiais dentários em Odontopediatria;
radiologia em Odontopediatria (técnicas Randall, Mankopf, bite-wing, Clark). 16. Urgências em Odontologia:
traumatismos na dentição decídua e permanente; urgências endodônticas e periodontais. 17. Atendimento de pacientes
com necessidades especiais. 18. Farmacologia e terapêutica em Odontologia: analgésicos, anti-inflamatórios,
antimicrobianos, sedativos, interações medicamentosas. 19. Anestesiologia: indicações e contra-indicações dos
anestésicos locais em Odontologia, técnicas de anestesia, doses. 20. Portaria nº 2.436/2017: aprova a Política Nacional
de Atenção Básica – PNAB. 21. Odontologia Minimamente Invasiva.

5. CIRURGIÃO DENTISTA – ODONTOLOGIA HOSPITALAR – PEDIATRIA


1. Análise da dentição decídua. 2. Anestesia local em Odontopediatria: farmacologia dos anestésicos locais, técnicas
anestésicas, indicações e contra-indicações, doses máximas recomendadas; acidentes e complicações, medicação de
emergência. 3. Anomalias dentárias: defeitos de desenvolvimento do esmalte na dentição decídua. 4. Cariologia:
etiologia, epidemiologia; prevenção e controle da cárie dentária. 5. Cirurgia em Odontopediatria. 6. Crescimento e
desenvolvimento crânio-facial. 7. Dentística restauradora em Odontopediatria: restaurações com ionômero de vidro;
restaurações com resina composta e com amálgama. 8. Desenvolvimento da dentição decídua, mista e permanente:
características clínicas. 9. Diagnóstico, prevenção e tratamento das más-oclusões. 10. Erupção dentária: cronologia de
erupção dos dentes decíduos e permanentes. 11. Farmacologia aplicada à Odontologia: anestésicos locais; analgésicos e
antimicrobianos. 12. Flúor: uso racional, toxicologia; fluorose dentária: diagnóstico e tratamento. 13. Hábitos bucais
deletéreis. 14. Infecções bacterianas, virais e micóticas: diagnóstico e tratamento. 15. Más-oclusões na primeira infância.
16. Manejo de paciente infantil. 17. Materiais odontológicos: características e técnica de manipulação; cimento ionômero
de vidro de alta viscosidade: resina composta e amálgama. 18. Principais manifestações bucais de doenças sistêmicas:
diagnóstico e tratamento. 19. Processos agudos na cavidade bucal: diagnóstico e tratamento. 20. Radiologia em
Odontopediatria. 21. Semiologia oral: anamnese, métodos e técnicas de exame, diagnóstico, plano de tratamento. 22.
Terapêutica das alterações do desenvolvimento da dentição decídua. 23. Terapia pulpar em dentes decíduos e
permanentes jovens. 24. Tratamento conservador do complexo dentina/polpa. 25. Tratamento Restaurador Atraumático:
conceito, abordagem, materiais restauradores adesivos com abordagem de mínima intervenção. 26. Traumatismos,

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 32


abordagem e imobilizações dentárias. 27. Utilização de selantes oclusais. 28. Políticas de Saúde Bucal no Brasil. 29. O
Cirurgião-Dentista no Programa de Saúde da Família. 30. Biossegurança, ergonomia e controle de infecção no consultório.
31. Ética profissional e legislação.

6. ENFERMEIRO – AUDITORIA
1. Sistema Nacional de Auditoria. 2. Auditoria em Enfermagem. 3. Importância da auditoria para a Enfermagem. 4.
Regulamentações da auditoria em Enfermagem. 5. Atividades da auditoria. 6. Aspectos do processo de auditagem. 7.
Tipos de auditoria. 8. Custos hospitalares. 9. Auditoria: planos de assistência e seguros de saúde. 10. Ressarcimento ao
SUS. 11. Tendências atuais da função do enfermeiro auditor no mercado de trabalho. 12. Políticas sociais e sistemas de
saúde no Brasil. 13. Lei nº 7.498/1986 (lei do exercício profissional), regulamentada pelo Decreto nº 94.406/1987. 14.
Código de Ética e Deontologia da Enfermagem – análise crítica. 15. Bioética.

7. ENFERMEIRO – CARDIOLOGIA - HEMODINÂMICA


1. Fundamentos do exercício de Enfermagem: normas, rotinas e protocolos. 2. Concepções teórico-práticas da assistência
de Enfermagem. 3. Sistematização da assistência: semiologia e semiotécnica em Enfermagem. 4. Enfermagem
intervencionista cardiovascular. 5. Enfermagem clínica e cirúrgica cardiovascular. 6. Enfermagem em emergência
cardiovascular. 7. Assistência de enfermagem ao paciente cardíaco. 8. Anatomia cardíaca e coronariana. 9. História da
hemodinâmica. 10. Vias de acesso. 11. Curativos. 12. Meios de contraste e nefroproteção. 13. Coronariografia;
complicações da coronariografia. 14. Intervenção coronário percutânea. 15. Complicações da angioplastia. 16. Montagem
da mesa para procedimento cirúrgico. 17. Emergências clínico-cirúrgicas e a assistência de enfermagem. 18. Monitoração
cardíaca e segurança do paciente. 19. Política Nacional de Atenção às Urgências. 20. Lei nº 7.498/1986 (lei do exercício
profissional), regulamentada pelo Decreto nº 94.406/1987. 21. Código de Ética e Deontologia da Enfermagem – análise
crítica. 22. Bioética.

8. ENFERMEIRO – DERMATOLOGIA - ESTOMATERAPIA


1. Fundamentos do exercício de Enfermagem: normas, rotinas e protocolos. 2. Concepções teórico-práticas da assistência
de Enfermagem. 3. Sistematização da assistência: semiologia e semiotécnica em Enfermagem. 4. Fisiologia da
cicatrização. 5. Avaliação de feridas. 6. Curativos e coberturas. 7. Registros da evolução da ferida. 8.
Política Nacional de Atenção às Urgências. 9. Lei nº 7.498/1986 (lei do exercício profissional), regulamentada pelo
Decreto nº 94.406/1987. 10. Código de Ética e Deontologia da Enfermagem – análise crítica. 11. Bioética.

9. ENFERMEIRO – NEFROLOGIA
1. Fundamentos do exercício de Enfermagem: normas, rotinas e protocolos. 2. Concepções teórico-práticas da assistência
de Enfermagem. 3. 3. Sistematização da assistência: semiologia e semiotécnica em Enfermagem. 4. Procedimentos de
enfermagem aplicados ao paciente nefrológico. 5. Conhecimento em nefrologia: hemodiálise, diálise peritoneal,
transplante renal, tratamento conservador. 6. Cuidados com o paciente com insuficiência renal aguda ou crônica. 7.
Regulamento técnico do funcionamento de unidades de terapia renal substitutiva. 8. Controle de infecção em unidades
de diálise. 9. Segurança no processo de medicação. 10. Política Nacional de Atenção às Urgências. 11. Lei nº 7.498/1986
(lei do exercício profissional), regulamentada pelo Decreto nº 94.406/1987. 12. Código de Ética e Deontologia da
Enfermagem – análise crítica. 13. Bioética.

10. ENFERMEIRO - OBSTETRÍCIA


1. Fundamentos do exercício de Enfermagem: normas, rotinas e protocolos. 2. Concepções teórico-práticas da assistência
de Enfermagem. 3. Sistematização da assistência: semiologia e semiotécnica em Enfermagem. 4. Acolhimento em
Ginecologia e Obstetrícia. 5. Segurança do Paciente. 6. Avaliação Clínica em Enfermagem Obstétrica. 7. Rede de
assistência obstétrica. 8. Assistência em enfermagens relativas às patologias nos sistemas nervoso, respiratório,
cardiovascular, urinário, digestório, músculo-esquelético e endócrino com repercussão no sistema reprodutivo. 9.
Atuação nas doenças sexualmente transmissíveis/infecção pelo HIV. 10. Direitos sexuais e reprodutivos, gravidez na
adolescência e anticoncepção de emergência. 11. Planejamento familiar e aborto legal. 12. Assistência de enfermagem à

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 33


mulher: prevenção e detecção precoce do câncer de útero e mama, acompanhamento à gestante, pré-natal;
acompanhamento à mulher no abortamento. 13. Atenção à mulher vítima de violência doméstica e sexista. 14.
Assistência de enfermagem na atenção à criança e recém-nascido (RN): conceito e tipo de imunidade; programa de
Imunização, puericultura, abordagem do RN pré-termo, termo e pós-termo, aleitamento materno; doenças prevalentes
na infância. 15. Assistência de enfermagem no pré, trans e pós-parto (normal ou patológico), manobras de parto normal.
13. Parto humanizado. 14. Assistência de enfermagem em urgência e emergência em centro obstétrico e casas de parto.
15. Assepsia, antissepsia métodos e técnicas. 16. Biossegurança e controle de infecção hospitalar. 17. Técnicas de
limpeza, esterilização e desinfecção de materiais e equipamentos. 18. Investigação de óbitos maternos e neonatais. 19.
Lei nº 7.498/1986 (lei do exercício profissional), regulamentada pelo Decreto nº 94.406/1987. 20. Código de Ética e
Deontologia da Enfermagem – análise crítica. 21. Bioética.

11. ENFERMEIRO – ONCOLOGIA - HEMATOLOGIA


1. Fundamentos do exercício de Enfermagem: normas, rotinas e protocolos. 2. Concepções teórico-práticas da assistência
de Enfermagem. 3. Sistematização da assistência: semiologia e semiotécnica em Enfermagem. 4. Assistência de
Enfermagem em oncologia. 5. Interações Medicamentosas em Oncologia. 6. A organização da assistência de enfermagem
perioperatória. 7. Planejamento da assistência de Enfermagem no período pré, trans e pós-operatório. 8. Reações
adversas dos agentes antineoplásicos. 9. Segurança do paciente em Oncologia. 10. O papel de enfermeiro no centro
cirúrgico e na central de esterilização. 11. Assistência de Enfermagem na prevenção e controle de infecção hospitalar. 20.
Lei nº 7.498/1986 (lei do exercício profissional), regulamentada pelo Decreto nº 94.406/1987. 21. Código de Ética e
Deontologia da Enfermagem – análise crítica. 20. Bioética.

12. ENFERMEIRO - SAÚDE DO TRABALHADOR


1. Fundamentos do exercício de Enfermagem: normas, rotinas e protocolos. 2. Concepções teórico-práticas da assistência
de Enfermagem. 3. Sistematização da assistência: semiologia e semiotécnica em Enfermagem. 4. Atuação e
responsabilidades do Enfermeiro do Trabalho. 5. Doenças relacionadas ao trabalho. 6. Classificação dos riscos ambientais.
7. Normas regulamentadoras da Portaria nº 3.214/1978 e suas atualizações: NR – 05 - regulamenta o funcionamento da
Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA); NR 06 - Equipamentos de Proteção Individual – EPI; NR – 07 -
implementação do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO); NR 08 – Edificações; NR 09 -
Programas de Prevenção de Riscos Ambientais; NR 10 - Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade; NR 11 -
Transporte, Movimentação, Armazenagem e Manuseio de Materiais; NR 15 - Atividades e Operações Insalubres; NR 16 -
Atividades e Operações Perigosas; NR 17 – Ergonomia; NR 19 – Explosivos; NR 20 - Líquidos combustíveis e inflamáveis;
NR 21 - Trabalho a Céu Aberto; NR 23 - Proteção Contra Incêndios; NR 24 - Condições Sanitárias e de Conforto nos Locais
de Trabalho; NR 26 - Sinalização de Segurança; NR 32 - Segurança e Saúde no Trabalho em Estabelecimentos de Saúde;
NR 33 - Segurança e Saúde no Trabalho em espaços confinados; NR 35 - Trabalho em altura; NHO 1 – Avaliação da
exposição ocupacional ao ruído; NHO 6 – Avaliação da exposição ocupacional ao calor; NHO 11 – Avaliação dos níveis de
iluminamento em ambientes internos de trabalho. 8. Urgência e emergência em saúde ocupacional; 9. Lei nº 7.498/1986
(lei do exercício profissional), regulamentada pelo Decreto nº 94.406/1987. 10. Código de Ética e Deontologia da
Enfermagem – análise crítica. 11. Bioética.

13. ENFERMEIRO - TERAPIA INTENSIVA


1. Fundamentos do exercício de Enfermagem: normas, rotinas e protocolos. 2. Concepções teórico-práticas da assistência
de Enfermagem. 3. Sistematização da assistência: semiologia e semiotécnica em Enfermagem. 4. Funcionamento dos
sistemas: locomotor, pele e anexos, cardiovascular, linfático, respiratório, nervoso, sensorial, endócrino, urinário,
gastrointestinal e órgãos genitais. 5. Agentes infecciosos e ectoparasitos (vírus, bactérias, fungos, protozoários e
artrópodes). 6. Doenças transmissíveis pelos agentes infecciosos e ectoparasitos. 7. Promoção da saúde e modelos de
vigilância. Educação em saúde. 8. Conceito e tipo de imunidade. Programa de imunização do RN; Administração de
fármacos: princípio ativo, cálculo, diluições, efeitos colaterais e assistência de enfermagem. 9. Assistência integral de
enfermagem à saúde da gestante, puérpera e do RN. 10. Transtornos: agudos, crônicos degenerativos, mentais,
infecciosos e contagiosos. 11. Assistência de enfermagem no pré, trans e pós-parto. 12. Assistência de enfermagem em

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 34


urgência e emergência em Centro Obstétrico. 18. Biossegurança: conceito, normas de prevenção e controle de infecção.
13. Preparação e acompanhamento de exames diagnósticos. 14. Noções de administração e organização dos serviços de
saúde e de enfermagem. Conhecimento específico do funcionamento, organização e estrutura físico de uma Unidade de
Terapia Intensiva. 15. Conhecimento específico de materiais e equipamentos utilizados numa Unidade de Terapia
Intensiva. 16. Conhecimento sobre assistência de enfermagem baseado na Bioética e Humanização frente ao paciente,
familiares e equipe multidisciplinar. 17. Conhecimento sobre cuidados e procedimentos de enfermagem específicos aos
pacientes neurológicos, politraumatizados, cardíacos. 18. Sistematização da Assistência de Enfermagem em UTI. 19.
Bases Farmacológicas para a Enfermagem em UTI; Bases Fisiológicas e Fisiopatológicas dos Grandes Sistemas. 20.
Gerenciamento em Enfermagem em UTI. 21. Epidemiologia e Bioestatística Aplicada ao Estudo do Paciente Crítico. 22.
Comissão Hospitalar de Organização e Qualificação e Atenção ao Paciente Crítico. 23. Lei nº 7.498/1986 (lei do exercício
profissional), regulamentada pelo Decreto nº 94.406/1987. 24. Código de Ética e Deontologia da Enfermagem – análise
crítica. 25. Bioética.

14. ENFERMEIRO - TERAPIA INTENSIVA NEONATAL


1. Fundamentos do exercício de Enfermagem: normas, rotinas e protocolos. 2. Concepções teórico-práticas da assistência
de Enfermagem. 3. Sistematização da assistência: semiologia e semiotécnica em Enfermagem. 4. Estrutura e organização
de unidades neonatais: planejamento da unidade, instalações, infraestrutura e dimensionamento de recursos humanos.
5. Semiologia e semiotécnica neonatal: crescimento e desenvolvimento, classificação do recém-nascido de acordo com
peso e idade gestacional; técnicas mais utilizadas na unidade de terapia intensiva neonatal; cuidados de enfermagem
gerais dispensados ao recém-nascido. 6. Sistematização da assistência de enfermagem ao rn de risco: diagnósticos e
planejamento da assistência de enfermagem na unidade de terapia intensiva neonatal. 7. Assistência de enfermagem nos
agravos à saúde do recém-nascido: procedimentos e técnicas mais utilizadas, administração de medicamentos e nutrição
do recém-nascido. 8. Assistência de enfermagem na manutenção e recuperação da saúde do recem-nascido de alto risco:
insuficiência respiratória, ictericia neonatal, distúrbios neurológicos, síndromes hemorrágicas, doenças do trato
gastrointestinal e malformações congênitas. 9. Assistência de enfermagem na prematuridade e na infecção neonatal. 10.
Repercursões fetais e neonatais relacionadas aos hábitos e/ou a complicações maternas (hipertensão, diabetes,
tabagismo, torchs, hiv etc.) 8. Epidemiologia perinatal: importância e repercussão no planejamento da assistência de
enfermagem aos recem-nascidos. 9. Assistência de enfermagem na reanimação neonatal. 10. Humanização da assistência
em unidades de terapia intensiva neonatal. 11. Lei nº 7.498/1986 (lei do exercício profissional), regulamentada pelo
Decreto nº 94.406/1987. 12. Código de Ética e Deontologia da Enfermagem – análise crítica. 13. Bioética.

15. ENFERMEIRO - TERAPIA INTENSIVA - PEDIATRIA


1. Fundamentos do exercício de Enfermagem: normas, rotinas e protocolos. 2. Concepções teórico-práticas da assistência
de Enfermagem. 3. Sistematização da assistência: semiologia e semiotécnica em Enfermagem. 4. Psicologia aplicada ao
paciente crítico e familiares. 5. Epidemiologia Aplicada à UTI Pediátrica. 6. Anatomia e Fisiologia Pediátrica. 7.
Bioestatística. 8. Prevenção e Controle de IH e Biossegurança. 9. Ética, Bioética e Humanização em Terapia Intensiva e
Pediátrica. 10. Banco de Leite Humano (BLH), Aleitamento Materno e Terapia Nutricional Neonatal e Pediátrica. 11.
Metodologia da Pesquisa Científica. 12. Farmacologia Aplicada à Pediatria no Cenário Intensivista. Prontuário do Paciente
/ Direito em Saúde. 13. Ventilação Mecânica. 14. Sistematização da Assistência de Enfermagem em UTI. 15. Doação de
órgãos e Transplantes Pediátricos. 16. Assistência a Crianças com Agravos Cirúrgicos e Traumáticos. 17. Assistência a
crianças com complicações do Sistema Cardiovascular/Respiratório. 18. Assistência a crianças com complicações do
Sistema Nervoso/Endócrino. 19. Assistência a Crianças com Complicações do Sistema Digestório. 20. Assistência a
crianças com complicações do Sistema Genito-Urinário. 21. Oncologia em Terapia Intensiva Pediátrica. 22. Terapia
intravenosa em Pediatria. 23. Urgência e emergência em Pediatria. 24. Visitas Técnicas / Práticas. 24. Lei nº 7.498/1986
(lei do exercício profissional), regulamentada pelo Decreto nº 94.406/1987. 25. Código de Ética e Deontologia da
Enfermagem – análise crítica. 26. Bioética.

16. ENFERMEIRO – TRANSPLANTE


1. Fundamentos do exercício de Enfermagem: normas, rotinas e protocolos. 2. Concepções teórico-práticas da assistência

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 35


de Enfermagem. 3. Sistematização da assistência: semiologia e semiotécnica em Enfermagem. 4. História dos
transplantes. 5. Aspectos legais dos transplantes no Brasil. 3. Políticas públicas em transplantes. 4. Doação de órgãos e
aspectos gerais dos transplantes. 5. Doação de órgãos. 6. O doador de órgãos. 7. Morte encefálica. 8. Assistência de
enfermagem ao potencial doador falecido. 9. A família do doador de órgãos. 10. Aspectos gerais dos transplantes.
11. Imunologia. 12. Imunossupressão. 13. Infecções no paciente transplantado. 14. As diferentes modalidades de
transplante. 15. Transplante hepático. 16. Transplante renal. 17. Transplante cardíaco. 18. Transplante de pâncreas. 19.
Transplante de pulmão. 20. Transplante de intestino. 21. Transplante de pele. 22. Transplante de ossos. 23. Transplante
de córnea. 24. Xenotransplantes. 25.Assistência de enfermagem em transplantes. 26. Transplante hepático. 27.
Transplante renal. 28. Transplante cardíaco. 29. A experiência do paciente e da família diante do transplante. 30. Lei nº
7.498/1986 (lei do exercício profissional), regulamentada pelo Decreto nº 94.406/1987. 31. Código de Ética e Deontologia
da Enfermagem - análise crítica. 32. Bioética.

17. ENFERMEIRO ASSISTENCIAL


Modalidades assistenciais: hospital-dia e assistência domiciliar. Teorias e processos de enfermagem; taxonomias de
diagnósticos de enfermagem. Assistência de enfermagem ao adulto portador de transtorno mental; unidades de atenção
à saúde mental: ambulatório de saúde mental, centro de atenção psicossocial e hospital psiquiátrico; instrumentos de
intervenção de enfermagem em saúde mental: relacionamento interpessoal, comunicação terapêutica, psicopatologias,
psicofarmacologia. Assistência de enfermagem em gerontologia. Assistência de enfermagem ao paciente oncológico nas
diferentes fases da doença e tratamentos: quimioterapia, radioterapia e cirurgias. Procedimentos técnicos em
enfermagem. Assistência de enfermagem perioperatória. Assistência de enfermagem a pacientes com alterações da
função cardiovascular e circulatória; digestiva e gastrointestinal; metabólica e endócrina; renal e do trato urinário;
reprodutiva; tegumentar; neurológica; musculoesquelética. Assistência de enfermagem aplicada à saúde sexual e
reprodutiva da mulher, com ênfase nas ações de baixa e média complexidade. Assistência de enfermagem à gestante,
parturiente e puérpera. Assistência de enfermagem ao recém-nascido. Modelos de atenção ao recém-nascido, que
compõem o Programa de Humanização no Pré-Natal e Nascimento. Assistência de enfermagem à mulher no climatério,
menopausa e na prevenção e tratamento de ginecopatias. Assistência de enfermagem à criança sadia: crescimento,
desenvolvimento, aleitamento materno, alimentação; cuidado nas doenças prevalentes na infância (diarreicas e
respiratórias). Atendimento a pacientes em situações de urgência e emergência: estrutura organizacional do serviço de
emergência hospitalar e préhospitalar; suporte básico de vida em emergências; emergências relacionadas a doenças do
aparelho respiratório, do aparelho circulatório e psiquiátricas; atendimento inicial ao politraumatizado; atendimento na
parada cardiorrespiratória; assistência de enfermagem ao paciente crítico com distúrbios hidroeletrolíticos, ácido-
básicos, insuficiência respiratória e ventilação mecânica; insuficiência renal e métodos dialíticos; insuficiência hepática;
avaliação de consciência no paciente em coma; doação, captação e transplante de órgãos; enfermagem em urgências:
violência, abuso de drogas, intoxicações, emergências ambientais. Gerenciamento de enfermagem em serviços de saúde:
gerenciamento de recursos humanos: dimensionamento, recrutamento e seleção, educação permanente, liderança,
supervisão, comunicação, relações de trabalho e processo grupal; processo de trabalho de gerenciamento em
enfermagem. Atuação da enfermagem em procedimentos e métodos diagnósticos. Gerenciamento dos resíduos de
serviços de saúde. Central de material e esterilização; processamento de produtos para saúde; processos de esterilização
de produtos para saúde; controle de qualidade e validação dos processos de esterilização de produtos para saúde.
Práticas de biossegurança aplicadas ao processo de cuidar; risco biológico e medidas de precauções básicas para a
segurança individual e coletiva no serviço de assistência à saúde; precaução-padrão e precauções por forma de
transmissão das doenças: definição, indicações de uso e recursos materiais; medidas de proteção cabíveis nas situações
de risco potencial de exposição. Controle de infecção hospitalar. Vigilância epidemiológica e vigilância em saúde;
programas de prevenção e controle de doenças transmissíveis prevalentes no cenário epidemiológico brasileiro; doenças
e agravos não-transmissíveis; Programa Nacional de Imunizações. Lei nº 7.498/1986 (lei do exercício profissional),
regulamentada pelo Decreto nº 94.406/1987. Código de Ética e Deontologia da Enfermagem – análise crítica. Bioética.

18. FARMACÊUTICO
1. Farmácia hospitalar: estrutura organizacional e administrativa. 2. Medicamentos controlados, genéricos e

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 36


excepcionais; padronização de medicamentos. 3. Controle de infecção hospitalar: planejamento e controle de estoques
de medicamentos e correlatos. 4. Farmacocinética e farmacodinâmica: introdução à farmacologia; noções de ensaios
biológicos; vias de administração e manipulação de formas farmacêuticas magistrais e oficinais; absorção, distribuição e
eliminação de fármacos; biodisponibilidade e bioequivalência de medicamentos; interação droga-receptor; interação de
drogas; mecanismos moleculares de ação das drogas. 5. Fármacos que agem no sistema nervoso autônomo e no sistema
nervoso periférico: parassimpatomiméticos; parassimpatolícos; simpatomiméticos; simpatolíticos; anestésicos locais;
bloqueadores neuromusculares. 6. Fármacos que agem no sistema nervoso central: hipnoanalgésicos; anestésicos gerais;
tranquilizantes; estimulantes do SNC; anticonvulsivantes; autacoides e antagonistas; antiinflamatórios não esteroides;
antiinflamatórios esteroides. 7. Farmacologia: interações medicamentosas, agonistas, antagonistas, bloqueadores
neuromusculares, anestésicos, anti-inflamatórios, cardiotônicos, antihipertensivos e antibióticos. 8. Reações adversas a
medicamento; interações e incompatibilidade medicamentosas. 9. Farmacotécnica: formas farmacêuticas para uso
parenteral; formas farmacêuticas obtidas por divisão mecânica; formas farmacêuticas obtidas por dispersão mecânica.
10. Manipulação de medicamentos: produção de antissépticos e desinfetantes; preparo de soluções; conceitos de
molaridade e normalidade. 11. Padronização de técnicas e controle de qualidade. 12. Desenvolvimento e validação de
métodos analíticos: ensaios fármacopéicos de controle de qualidade; métodos cromatográficos e espectrométricos de
análises - fundamentos e aplicações; técnicas modernas na investigação de produtos naturais - biotecnologia, preparo,
diluição e padronização de soluções. 13. Nanotecnologia farmacêutica. 14. Biossegurança. 15. Análise de protocolos e
relatórios de estudos de equivalência farmacêutica e perfil de dissolução; análise de protocolos e relatórios de
bioequivalência; notificação de matérias primas reprovadas à ANVISA; atividades de implantação da farmacovigilância
seguindo recomendações da Anvisa. 16. Biossegurança em hemoterapia. 17. Legislação farmacêutica: Lei nº 5.991/73,
Lei nº 3.820/60, Lei nº 8.666/93, Decreto nº 85878/81, Decreto nº 74.170/74, Lei nº 9.782/99 e suas alterações, Portaria
nº 344/98, RDC 302/05; RDC 67/2007. Portaria nº 2.436/2017: aprova a Política Nacional de Atenção Básica – PNAB. 19.
Código de Ética Farmacêutica.

19. FISIOTERAPEUTA
1. Fundamentos de fisioterapia. 2. Métodos e técnicas de avaliação, tratamento e procedimentos em fisioterapia. 3.
Provas de função muscular, cinesiologia e biomecânica. 4. Técnicas básicas em cinesioterapia motora, manipulações e
cinesioterapia respiratória. 5. Análise da marcha, técnicas de treinamento em locomoção e deambulação. 6. Indicação,
contraindicação, técnicas e efeitos fisiológicos da mecanoterapia, hidroterapia, massoterapia, eletroterapia,
termoterapia superficial e profunda e crioterapia. 7. Prescrição e treinamento de órteses e próteses. 8. Anatomia,
fisiologia e fisiopatologia. 9. Semiologia e procedimentos fisioterápicos. 10. Fisioterapia em Promoção da Saúde /
preventiva. 11. Fisioterapia em ortopedia, neurologia, ginecologia/obstetrícia, cardiorrespiratória e pediátrica. 12.
Ventilação mecânica invasiva e não invasiva. 13. Fisioterapia em pré e pós-operatório.14. Assistência fisioterapêutica
domiciliar. 15. Reabilitação Baseada na Comunidade (RBC). 16. Ética e legislação profissional: ética profissional,
responsabilidade e trabalho em equipe. Portaria nº 2.436/2017: aprova a Política Nacional de Atenção Básica – PNAB.

20. FISIOTERAPEUTA - TERAPIA INTENSIVA ADULTO


1. Anatomia geral dos órgãos e sistemas e em especial do sistema cardiorrespiratório. 2. Biomecânica. 3. Fisiologia geral
e do exercício. 4. Fisiopatologia. 5. Semiologia. 6. Instrumentos de medida e avaliação relacionados ao paciente crítico ou
potencialmente crítico. 7. Estimulação precoce do paciente crítico ou potencialmente crítico. 8. Suporte básico de vida.
9. Aspectos gerais e tecnológicos da Terapia Intensiva. 10. Identificação e manejo de situações complexas e críticas. 11.
Farmacologia aplicada. 12. Monitorização aplicada ao paciente crítico ou potencialmente crítico. 13. Interpretação de
exames complementares e específicos do paciente crítico ou potencialmente crítico. 14. Suporte ventilatório invasivo ou
não invasivo. 15. Técnicas e recursos de expansão pulmonar e remoção de secreção. 16. Treinamento muscular
respiratório e recondicionamento físico funcional. 17. Próteses, Órteses e Tecnologia Assistiva específicos da terapia
intensiva. 18. Humanização. 19. Ética e Bioética.

21. FISIOTERAPEUTA - TERAPIA INTENSIVA NEONATAL


1. Fisiologia e biomecânica cárdio‐pulmonar neonatal. 2. Avaliação e monitorização do recém‐nascido. 3. Fisioterapia

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 37


aplicada nas patologias pulmonares no neonato. 4. Fisioterapia aplicada nas patologias cardíacas no neonato. 5.
Radiologia aplicada à neonatologia. 6. Técnicas Fisioterápicas aplicadas a neonatologia. 7. Ventilação mecânica invasiva:
convencional e alta frequência. 8. Ventilação mecânica não‐invasiva. 9. Desmame da ventilação mecânica. 10. Ventilação
com óxido nítrico. 11. Desenvolvimento motor: avaliação e medidas terapêuticas. 12. Facilitação neuromuscular
respiratória e motora. Métodos e técnicas de avaliação, tratamento e procedimentos em fisioterapia. 13. Provas de
função muscular. 14. Cinesiologia e Biomecânica. 15. Fisioterapia aplicada nas patologias neurológicas no período
neonatal. 16.Fisioterapia aplicada nas patologias traumato-ortopédicas no período neonatal. 17. Extubação no período
neonatal. 18. Oxigenioterapia no período neonatal. 19. Ética Profissional.

22. FISIOTERAPEUTA - TERAPIA INTENSIVA PEDIATRIA


1. Epidemiologia Aplicada à UTI Pediátrica. 2. Anatomia e Fisiologia Pediátrica. 3. bioestatística. 4. Prevenção e Controle
de IH e Biossegurança. 5. Ética, Bioética e Humanização em Terapia Intensiva e Pediátrica. 6. Terapia Nutricional Neonatal
e Pediátrica. 7. Metodologia da Pesquisa Científica. 8. Farmacologia Aplicada à Pediatria no Cenário Intensivista. 9.
Prontuário do Paciente / Direito em Saúde. 10. Ventilação Mecânica. 11. Ventilação mecânica não invasiva. 12. Doação
de órgãos e Transplantes Pediátricos. 13. Assistência a Crianças com Agravos Cirúrgicos e Traumáticos. 14. Assistência a
crianças com complicações do Sistema Cardiovascular/Respiratório. 15. Assistência a crianças com complicações do
Sistema Nervoso/Endócrino. 16. Assistência a Crianças com Complicações do Sistema Digestório. 17. Assistência a
crianças com complicações do Sistema Genito-Urinário. 18. Oncologia em Terapia Intensiva Pediátrica. 19. Urgência e
emergência em Pediatria. 20. Visitas Técnicas / Práticas. 21. Protocolos de Segurança do Paciente Crítico em Terapia
Intensiva para Equipe Multiprofissional. 22. Terapia de Alto Fluxo nasal. 23. Posicionamento no leito de pacientes em
Terapia Intensiva. 24. Monitorização da mecânica respiratória no paciente com insuficiência respiratória. 25.
Monitorização do paciente pediátrico à beira de leito em terapia intensiva. 26. Atuação do fisioterapeuta no processo de
desospitalização de crianças com doenças crônicas e dependentes de tecnologias. 27. Atuação do Fisioterapeuta no
cuidado paliativo em terapia intensiva pediátrica. 28. Ética Profissional.

23. FONOAUDIÓLOGO
1. Mecanismos físicos da comunicação oral. 2. Desenvolvimento da linguagem infantil: aspectos teóricos,
anatomofisiológicos e os atrasos de linguagem em uma perspectiva pragmática. 3. Prevenção dos distúrbios da
comunicação oral e escrita, voz e audição. 4. Distúrbios e alterações da linguagem oral e escrita, fala, voz, audição,
fluência e deglutição. 5. Avaliação, classificação e tratamento dos distúrbios da voz, fluência, audição, transtornos da
motricidade oral e linguagem. 6. Processamento auditivo central. 7. Atuação fonoaudiológica na área materno-infantil.
8. Enfoque fonoaudiológico na prática da amamentação. 9. Transtornos de linguagem associados a lesões neurológicas.
10. Atuação do fonoaudiólogo no ambiente hospitalar. 11. Otoneurologia. 12. Atuação fonoaudiológica na área materno
infantil: neuroanátomofisiologia da avaliação e intervenção ao recém-nascido de risco; disfagias orofaríngeas, patologias
neuropediátricas. 13. Programa de triagem neonatal (teste da orelhinha e teste da linguinha). 14. Avaliação e intervenção
fonoaudiológica em estimulação precoce (follow up). 15. Atuação fonoaudiológica no ambiente hospitalar com ênfase
em disfagias orofaríngeas em adulto e idosos. 16. Anatomofisiologia do sistema estomatognático. 17. Avaliação e
reabilitação das disfagias orofaríngeas em unidade de terapia intensiva (neonatal, pediátrico e adulto). 18. Código de
Ética.

24. NUTRICIONISTA
1. Nutrição básica: nutrientes: conceito, classificação, funções, requerimentos, recomendações e fontes alimentares;
aspectos clínicos da carência e do excesso; dietas não convencionais; aspectos antropométricos, clínico e bioquímico da
avaliação nutricional; nutrição e fibras; utilização de tabelas de alimentos; alimentação nas diferentes fases e momentos
biológicos. 2. Educação nutricional: conceito, importância, princípios e objetivos da educação nutricional; papel que
desempenha a educação nutricional nos hábitos alimentares; aplicação de meios e técnicas do processo educativo;
desenvolvimento e avaliação de atividades educativas em nutrição. 3. Avaliação nutricional: métodos diretos e indiretos
de avaliação nutricional; técnicas de medição; avaliação do estado e situação nutricional da população. 4. Alimentos:
conceito, classificação, características e grupos de alimentos, valor nutritivo, caracteres organoléticos; seleção e preparo;

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 38


planejamento, execução e avaliação de cardápios. 5. Higiene de alimentos: análise microbiológica e toxicológica; fontes
de contaminação; fatores extrínsecos e intrínsecos que condicionam o desenvolvimento de microorganismos no
alimento; modificações físicas, químicas e biológicas dos alimentos; enfermidades transmitidas pelos alimentos. 6.
Nutrição e dietética: recomendações nutricionais; função social dos alimentos; atividade física e alimentação;
alimentação vegetariana e suas implicações nutricionais. 7. Tecnologia dos alimentos: operações unitárias; conservação
e embalagem dos alimentos; processamento tecnológico de produtos de origem vegetal e animal; análise sensorial. 8.
Controle Higiênico-Sanitário dos Alimentos: higiene pessoal, do ambiente, utensílios, superfície de trabalho e dos
equipamentos; Doenças Transmitidas por Alimentos (DTAs) e os procedimentos para sua avaliação; deterioração dos
alimentos; métodos de conservação dos alimentos; procedimentos operacionais padronizados (POP); boas práticas de
fabricação de alimentos; análise de perigos e pontos críticos de controle (APPCC). 9. Nutrição em Saúde Pública: análise
dos distúrbios nutricionais como problemas de Saúde Pública; Vigilância Sanitária de Alimentos: legislação sanitária para
alimentos; problemas nutricionais das populações de países em desenvolvimento. 10. Técnica Dietética: conceito,
classificação e características dos alimentos; pré-preparo e preparo dos alimentos; operações, modificações e técnicas
fundamentais no preparo de alimentos. 11. Dietoterapia: abordagem do paciente hospitalizado; generalidades,
fisiopatologia e tratamento das diversas enfermidades; exames laboratoriais: importância e interpretação; suporte
nutricional enteral e parenteral. 12. Bromatologia: aditivos alimentares; condimentos; pigmentos; estudo químico‐
bromatológico dos alimentos: proteínas, lipídios e carboidratos; vitaminas; minerais; bebidas. 13. Ética Profissional.

25. PERFUSIONISTA
1. Centro Cirúrgico (CC) e Sala de Operações. 2. Métodos de desinfecção e esterilização. 3. Assepsia e anti-sepsia. 4
Fisiologia da CEC. 5. Fisiologia da oxigenação por membranas. 6. Componentes do Circuito de CEC. 7. Condução da CEC.
8. Proteção miocárdica. 9. Controle laboratorial. 10. Equilíbrio ácido-base e hidroeletrolítico. 11. Ultrafiltração. 12.
Perfusato. 13. Coagulação e anticoagulação cardiovascular, respiratória, hematológica, renal e do sistema nervoso. 14.
Assistência circulatória mecânica. 15. Perfusões especiais. 16. Complicações da CEC. 17. Assistência ventilatória. 18.
Anatomia cardíaca e coronariana. 19. Montagem de mesa para procedimento cirúrgico. 20. Biossegurança. 21. Segurança
do paciente. 22. Emergências clínico-cirúrgicas. 23. Primeiros socorros. 24. Monitorização cardíaca.

26. PSICÓLOGO – ÁREA HOSPITALAR


1. Política de Saúde Mental: reforma psiquiátrica no Brasil. 2. Nova lógica assistencial em saúde mental: superação do
modelo asilar. 3. Processo de trabalho nos serviços substitutivos ao hospital psiquiátrico. 4. Reabilitação psicossocial. 5.
Clínica da subjetividade, compreensão do sofrimento psíquico, interdisciplinaridade. 6. Garantia dos direitos de cidadania
aos portadores de sofrimento psíquico. 7. Urgência e emergência em saúde mental: atenção à crise e aos serviços
psicossociais. 8. Inserção dos Centros de Atenção Psicossocial - CAPS no contexto político de redemocratização do país e
nas lutas pela revisão dos marcos conceituais das formas de atenção e de financiamento das ações de saúde mental. 8.
Bases legais de sustentação para o credenciamento e financiamento dos CAPS pelo SUS. 9. Características e estratégias
de atuação dos CAPS, residências terapêuticas, projeto terapêutico singular, acolhimento, clínica ampliada e
matriciamento. 10. Visitas domiciliares e outras formas de busca do paciente. 11. Os modelos de atenção. 12. Desafios
para o fortalecimento da psicologia no SUS: a produção referente à formação e à inserção profissional. 13. NASF e ESF.
14. Rede de serviços de proteção e atenção. 15. O papel do psicólogo na articulação entre Saúde e Assistência Social. 16.
Fundamentos da psicopatologia geral. 17. Teorias e técnicas psicoterápicas. 18. Teorias da personalidade. 19. Assistência
integral às pessoas em situação de risco: violência contra a criança, adolescente, mulher, idoso e família. 20.
Desenvolvimento humano e suas fases. 21. Envelhecimento e subjetividade. 22. Teoria das neuroses, psicoses, perversões
e seus desdobramentos. 23.Teorias psicológicas e técnicas psicoterapêuticas. 24. Clínica das neuroses e das psicoses. 25.
Psicodiagnóstico. 26. Fundamentos das intervenções grupais. 27. Grupo operativo: conceito, fenômenos do grupo,
singularidades das relações grupais, enquadramento, metodologia, intervenções e manejo. 28. Psicodinâmica do
trabalho. 29. Psicologia na saúde do trabalhador. 30. Álcool, tabagismo, crack, outras drogas e redução de danos. 31.
Projeto terapêutico singular, apoio matricial, clínica ampliada. 32. Elaboração de parecer e laudo psicológico. 33.
Elaboração e registro de documentos psicológicos.

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 39


27. PSICÓLOGO – ÁREA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO
1. As organizações e o trabalho: fenômenos sociais nas organizações; o comportamento humano nas organizações;
sustentabilidade organizacional; clima e cultura organizacionais e aprendizagem nas empresas. 2. Planejamento e
desenvolvimento de pessoas: administração de projetos; atração e retenção de talentos; comportamento organizacional;
levantamento de necessidades por competência; programas de treinamento, desenvolvimento e educação; gestão do
conhecimento; educação corporativa; estratégias de desenvolvimento da cadeia de valor; técnicas de desenvolvimento
de pessoas; espaços de compartilhamento de conhecimento. 3. Teorias da personalidade. 4. Psicopatologia. 5. Técnicas
psicoterápicas. 6. Psicodiagnóstico. 7. Avaliação psicológica: instrumentos de avaliação psicológica. 8. Trabalho,
subjetividade e saúde psíquica. 9. Condições de trabalho, segurança no trabalho e saúde ocupacional. 10. Absenteísmo.
11. Avaliação de desempenho. 12. Motivação, satisfação e envolvimento no trabalho. 13. Gestão da qualidade nas
organizações: conceito de qualidade; indicadores de qualidade; passos para implantação; qualidade de vida no trabalho
– QVT. 14. Ética profissional.

28. TERAPEUTA OCUPACIONAL


1. Processos de enfrentamento da condição de adoecimento e hospitalização. 2. Processos de avaliação em Terapia
Ocupacional (condições físicas, psíquica e social). 3. Práticas, métodos e técnicas de Terapia Ocupacional em contexto
hospitalar e afins. 4. Desenvolvimento neuropsicomotor de bebês e crianças. 5. Desenvolvimento humano. 6. Relações
de apego entre mães e bebês prematuros e filhos. 7. Processos de apoio emocional para paciente e família/cuidador; 8.
Adesão ao tratamento e adaptação. 9. Recursos de comunicação complementar ou alternativa e tecnologia assistiva. 10.
Orientação familiar/cuidador quanto aos cuidados com o paciente. 11. Terapia Ocupacional para pacientes e familiares
em situações de perda e luto. 12. Atividades de vida diária e atividades de vida prática e adaptações no contexto
hospitalar. 13. Órteses e adaptações. 14. Aspectos psicossociais e espirituais nos cuidados ao paciente hospitalizado. 15.
Criação, promoção e estabelecimento de espaços lúdicos (brinquedotecas – legislação). 16. Ambiência (diferentes ciclos).
17. Cotidiano e Hospital. 18. Papéis sócio-ocupacionais do indivíduo. 19. Alívio da dor e sintomas desconfortáveis,
conservação de energia. 20. Cuidados Paliativos e Terapia Ocupacional. 21. Terapia Ocupacional no cuidado do paciente
crítico. 22. Terapia Ocupacional no cuidado do paciente crônico em agudização. 23. Terapia Ocupacional com pacientes
em crise. 24. Terapia Ocupacional Aplicada à Neonatologia e Pediatria. 25. Terapia Ocupacional Aplicada à Saúde Mental.
26. Código de Ética e Deontologia da Terapia Ocupacional.

EMPREGOS PÚBLICOS DE NÍVEL MÉDIO

MÓDULO I - CONHECIMENTOS BÁSICOS

LÍNGUA PORTUGUESA

Leitura, compreensão e interpretação de textos. Estruturação do texto e dos parágrafos. Articulação do texto: pronomes
e expressões referenciais, nexos, operadores sequenciais. Significação contextual de palavras e expressões. Equivalência
e transformação de estruturas. Sintaxe: processos de coordenação e subordinação. Emprego de tempos e modos verbais.
Pontuação. Estrutura e formação de palavras. Funções das classes de palavras. Flexão nominal e verbal. Pronomes:
emprego, formas de tratamento e colocação. Concordância nominal e verbal. Regência nominal e verbal. Ortografia
oficial. Acentuação gráfica.

RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO
Estrutura lógica de relações arbitrárias entre pessoas, lugares, objetos ou eventos fictícios; dedução de novas
informações das relações fornecidas e avaliação das condições usadas para estabelecer a estrutura daquelas relações.
Compreensão e análise da lógica de uma situação, utilizando as funções intelectuais: raciocínio verbal, raciocínio
matemático, raciocínio sequencial, orientação espacial e temporal, formação de conceitos, discriminação de elementos.
Operações com conjuntos. Raciocínio lógico envolvendo problemas aritméticos, geométricos e matriciais.

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 40


INFORMÁTICA BÁSICA
Noções básicas sobre hardware e software: conceitos, características, componentes e funções, memória, dispositivos de
armazenamento, de impressão, de entrada e de saída de dados, barramentos interfaces, conexões, discos rígidos,
pendrives, CD-R, DVD, Blu-Ray, impressoras, scanner, plotters. Conhecimentos básicos sobre os sistemas operacionais
Microsoft Windows XP/7/8/8.1/10 BR: conceitos, características, ícones, atalhos de teclado, uso dos recursos.
Conhecimentos e utilização dos recursos do gerenciador de pastas e arquivos (Windows Explorer/Computador).
Conhecimentos sobre editores de texto Word x Writer, planilhas eletrônicas Excel x Calc e editor de apresentações
Powerpoint x Impress (MS Office 2013/2016/2019 BR X LibreOffice v6.3 ou superior, em português, versões de 32 e 64
bits: conceitos, características, atalhos de teclado e emprego dos recursos. Redes de computadores e Web. Conceitos
sobre Internet x Intranet x Extranet x e-mail x WebMail, características, atalhos de teclado e emprego de recursos de
navegadores (browsers Internet Explorer 11 BR x Edge x Mozilla Firefox x Google Chrome nas versões atuais em
português, de 32 e 64 bits), Outlook do pacote MSOffice 2013/2016/2019 BR x Mozilla Thunderbird em português,
versões de 32 e 64 bits X WebMail. Segurança de equipamentos, de sistemas, em redes e na internet: conceitos,
características, vírus, firewall, medidas de proteção. Redes sociais: Facebook x Twiter x Linkedin x Whatsapp. Computação
em Nuvem: conceitos, características, exemplos.

MÓDULO II - CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS (NÍVEL MÉDIO)

LEGISLAÇÃO (para todos os empregos públicos)


1. Sistema Único de Saúde (SUS): princípios e diretrizes do SUS. 2. Política Nacional de Promoção da Saúde. 3. Política
Nacional de Humanização.

1. TÉCNICO DE ENFERMAGEM
1. Código de Ética em Enfermagem: conduta ética dos profissionais da área de saúde. 2. Lei nº 7.498/1986. 3. Decreto nº
94.406/1987. 4. Enfermagem no centro cirúrgico: recuperação da anestesia; central de material e esterilização; atuação
nos períodos pré‐operatório, transoperatório e pós‐operatório; atuação durante os procedimentos cirúrgico‐anestésicos;
materiais e equipamentos básicos que compõem as salas de cirurgia e recuperação anestésica; rotinas de limpeza da sala
de cirurgia; uso de material estéril; manuseio de equipamentos: autoclaves; seladora térmica e lavadora automática
ultrassônica. 5. Noções de controle de infecção hospitalar. 6. Procedimentos de enfermagem: verificação de sinais vitais,
oxigenoterapia, aerossolterapia e curativos; administração de medicamentos; coleta de materiais para exames. 7.
Enfermagem nas situações de urgência e emergência: conceitos de emergência e urgência; estrutura e organização do
pronto-socorro; atuação do técnico de enfermagem em situações de choque, parada cardiorrespiratória, politrauma,
afogamento, queimadura, intoxicação, envenenamento e picada de animais peçonhentos. 8. Enfermagem em Saúde
Pública: Política Nacional de Imunização; controle de doenças transmissíveis, não transmissíveis e sexualmente
transmissíveis; atendimento aos pacientes com hipertensão arterial, diabetes, doenças cardiovasculares, obesidade,
doença renal crônica, hanseníase, tuberculose, dengue e doenças de notificações compulsórias; programa de assistência
integrada a saúde da criança, mulher, homem, adolescente e idoso. 9. Princípios gerais de segurança no trabalho:
prevenção e causas dos acidentes do trabalho; princípios de ergonomia no trabalho; códigos e símbolos específicos de
Saúde e Segurança no Trabalho. 10. Portaria nº 2.436/2017: aprova a Política Nacional de Atenção Básica – PNAB.

2. TÉCNICO DE ENFERMAGEM - SAÚDE DO TRABALHADOR


1. Segurança do Trabalho: histórico da Segurança do Trabalho. 2. Procedimentos de Enfermagem. 3. Atuação e
responsabilidades do Enfermeiro do Trabalho. 4. Doenças relacionadas ao trabalho. 5. Classificação dos riscos ambientais
6. Normas regulamentadoras da Portaria nº 3.214/1978 e suas atualizações: NR – 05 - regulamenta o funcionamento da
Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA); NR 06 - Equipamentos de Proteção Individual – EPI; NR – 07 -
implementação do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO); NR 08; NR 08 – Edificações; NR 09 -
Programas de Prevenção de Riscos Ambientais; NR 10 - Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade; NR 11 -
Transporte, Movimentação, Armazenagem e Manuseio de Materiais; NR 15 - Atividades e Operações Insalubres; NR 16 -
Atividades e Operações Perigosas; NR 17 – Ergonomia; NR 19 – Explosivos; NR 20 - Líquidos combustíveis e inflamáveis;

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 41


NR 21 - Trabalho a Céu Aberto; NR 23 - Proteção Contra Incêndios; NR 24 - Condições Sanitárias e de Conforto nos Locais
de Trabalho; NR 26 - Sinalização de Segurança; NR 32 - Segurança e Saúde no Trabalho em Estabelecimentos de Saúde;
NR 33 - Segurança e Saúde no Trabalho em espaços confinados; NR 35 - Trabalho em altura; NHO 1 – Avaliação da
exposição ocupacional ao ruído; NHO 6 – Avaliação da exposição ocupacional ao calor; NHO 11 – Avaliação dos níveis de
iluminamento em ambientes internos de trabalho. 8. Urgência e emergência em saúde ocupacional; 9. Lei nº 7.498/1986
(lei do exercício profissional), regulamentada pelo Decreto nº 94.406/1987. 10. Código de Ética e Deontologia da
Enfermagem – análise crítica. 11. Bioética

3. TÉCNICO DE LABORATÓRIO EM ANÁLISES CLÍNICAS


Controle de microorganismos: esterilização e desinfecção; principais métodos físicos e químicos. Preparo de soluções.
Fundamentos básicos da microscopia ótica e sua aplicação. Técnicas de coleta; anticoagulantes; punção venosa e arterial.
Soro e plasma; Valores normais e interpretação clínica dos principais exames laboratoriais. Hematologia - elementos
figurados do sangue: morfologia, função, alterações; coagulograma; hemograma completo, VHS, grupo sanguíneo e fator
Rh, Coombs direto e indireto, pesquisa de hematozoários. Bioquímica: glicose, uréia, creatinina, ácido úrico, colesterol,
triglicerídios, proteínas totais e frações, bilirrubinas e enzimas. Uroanálise: principais analitos bioquímicos na urina.
Função renal: clearences; metodologias de análise. Microbiologia: coleta e transporte de material em bacteriologia:
culturas: urina, fezes, sangue, secreção e líquidos biológicos; isolamento e identificação de microorganismos; morfologia
e métodos de coloração. Parasitologia: coleta de material: conservação e transporte. Principais métodos utilizados para
helmintos e protozoários de importância médica. Noções preliminares de Higiene e Boas Práticas no Laboratório.
Equipamentos de Proteção Individual e de Proteção Coletiva: tipos principais e utilização adequada.

4. TÉCNICO EM ANATOMOPATOLOGIA
Fundamentos: identificação dos diversos equipamentos de um laboratório, sua utilização e conservação: balanças,
estufas, microscópios, vidraria. Identificação dos métodos mais utilizados na esterilização e desinfecção em laboratório:
autoclavação, esterilização em estufa, soluções desinfetantes. Preparação de meios de cultura, soluções, reagentes e
corantes. Manuseio e esterilização de material contaminado. Métodos de prevenção e assistência a acidentes de
trabalho. Ética em laboratório de análises clínicas. Técnicas de lavagem de material em laboratório de análises clínicas.
Noções de anatomia humana para identificação de locais para coleta de amostras para análise. Biologia: técnicas
bioquímicas indicadas no diagnóstico de diversas patologias humanas. Hematologia: execução de técnicas de preparo de
corantes e de manuseio correto de aparelhos e materiais para fins de diagnóstico hematológico. Imunologia: técnicas
sorológicas e de imunofluorescência com ênfase no diagnóstico imunológico das doenças humanas. Microbiologia:
microbiologia clínica, coleta, transporte e armazenamento de materiais, aplicação e execução de técnicas bacteriológicas
para o diagnóstico das doenças infecciosas, utilização correta de aparelhos e materiais. Parasitologia: conhecimentos
teórico e prático de parasitologia aplicada às técnicas de identificação de protozoários, helmintos e hematozoários
envolvidos em doenças humanas. Biossegurança. Gerenciamento de resíduos de serviços de saúde. Uroanálise: coleta e
preparo de exames de urina.

5. TÉCNICO EM FARMÁCIA
Noções básicas de Farmacologia: princípios gerais. Mecanismos de ação dos fármacos. Absorção, distribuição e vias de
administração de fármacos. Antagonismo e sinergismo. Metabolismo e eliminação de fármacos. Fármacos anti-
inflamatórios, analgésicos, antitérmicos, antieméticos. Redutores de lipídeos. Fármacos que atuam no sistema
respiratório, renal, trato gastrintestinal, controle da glicemia, coração e sistema vascular. Sistema hematopoiético e
tratamento da anemia. Controle da glicemia e tratamento da Diabetes Mellitus. Sistema nervoso: anestésicos gerais,
analgésicos, antipsicóticos, antiepiléticos, ansiolíticos e antidepressivos. Fármacos antibacterianos e antivirais.

6. TÉCNICO EM IMOBILIZAÇÃO ORTOPÉDICA


1. Aparelho locomotor: membros superiores, inferiores e coluna vertebral. 2. Principais ossos, músculos, tendões, vasos,
nervos e articulações (cartilagem articular, cápsula e ligamentos). 3. Distúrbios ortopédicos principais: contusões,
entorses, luxações, fraturas, feridas, distensão ou estiramento muscular, roturas de músculo, tendão ou ligamento. 4.

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 42


Distúrbios osteoarticulares relacionados ao trabalho: tendinites, tenossinovites, mialgias, sinovites e bursites. 5.
Malformações congênitas e de desenvolvimento: luxação congênita do quadril, torcicolo, pés “tortos”, escolioses e
cifoses. 6. Sinais e sintomas comuns dos distúrbios ortopédicos: dor (algias), parestesia (dormência, formigamento),
palidez, cianose, ausência de pulso, paralisia sensitivomotora. Tumefação, edema, hematoma, equimose, crepitação
óssea, deformidades. 7. Mobilidade anormal: incapacidade funcional incompleta ou completa. 8. Noções sobre
tratamento: tratamento conservador ou incruento ou não cirúrgico. Redução incruenta. Tratamento cruento ou cirúrgico.
Redução cruenta + osteossíntese. Osteotomias. Artroplastias. 9. Imobilizações provisórias ou definitivas: materiais
utilizados; tipos de imobilizações; enfaixamentos e bandagens; talas ou goteiras gessadas ou não; aparelhos gessados
(gessos circulares). 10. Trações cutâneas ou esqueléticas: denominações conforme região ou segmentos imobilizados;
cuidados pré, durante e pós-imobilizações; complicações das imobilizações. 11. Aberturas no gesso: janelas, fendas com
alargamento ou estreitamento, cunhas corretivas no gesso; retirada de talas, gessos ou trações.

7. TÉCNICO EM RADIOLOGIA
1. Fundamentos de radioproteção. 2. Normas de radioproteção: Diretrizes Básicas de Proteção Radiológica CNEN e RDC
330/2019 da ANVISA. 3. Fundamentos de dosimetria e radiobiologia. 4. Efeitos biológicos das radiações ionizantes. 5.
Exames radiológicos em contraste, gerais e especiais. 6. Operação de equipamentos em radiologia. 7. Câmara escura:
manipulação de filmes, chassis, écrans, processamento manual e automático de filmes. 8. Câmara clara: seleção de
exames, identificação, exames gerais e especializados em radiologia. 9. Técnicas radiográficas em tomografia
computadorizada e em ressonância magnética: bases físicas e tecnológicas aplicadas à tomografia computadorizada e a
ressonância magnética; protocolos de exames em tomografia computadorizada e em ressonância magnética. 10.
Medicina Nuclear: bases físicas e tecnológicas aplicadas à medicina nuclear; protocolos de exames em medicina nuclear;
normas de radioproteção aplicadas à medicina nuclear; contaminações radioativas, fontes não seladas, prevenção e
controle. 11. Informática aplicada ao diagnóstico por imagem: processamento de imagens digitais; ajustes para a
qualidade no processamento digital de imagens; equipamentos utilizados no processamento de imagens digitais; técnicas
de trabalho na produção de imagens digitais; protocolos de operação de equipamentos de aquisição de imagens digitais.
12 Anatomia Humana: nomenclatura e terminologia anatômica; planos de delimitação do corpo e eixos: sistema
esquelético, articulações e músculos; sistema neurológico; sistema cardiovascular; sistema linfático; sistema respiratório;
sistema gastrointestinal; sistema renal; sistema reprodutor masculino e feminino; sistema endócrino; traumatologia. 13.
Conduta ética dos profissionais da área de saúde. 14. Princípios gerais de segurança no trabalho: prevenção e causas dos
acidentes do trabalho; princípios de ergonomia no trabalho; códigos e símbolos específicos de Saúde e Segurança no
Trabalho.

8. TÉCNICO EM SAÚDE BUCAL


Noções de anatomia bucal. Noções de fisiologia. Noções de oclusão dentária. Noções de radiologia. Materiais,
equipamento e instrumental odontológico. Conservação e manutenção de equipamento e instrumental odontológico.
Atividades de esterilização e desinfecção. Diagnóstico da saúde bucal. Processo saúde/doença: níveis de prevenção e de
aplicação. Prevenção de saúde bucal. Higiene dentária: controle da placa bacteriana, cárie e doença periodontal. Cárie
dentária: prevenção; flúor: composição e aplicação. Odontologia social: a questão do técnico em higiene dental –
legislação e papel do THD. Noções de primeiros socorros. Relação paciente/profissional. Comunicação em saúde.
Trabalho em equipe.

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 43


ANEXO II – REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES

ÁREA ASSISTENCIAL

1. ANALISTA DE PATOLOGIA CLÍNICA


PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES
I. Prestar assistência técnica no laboratório clínico com análises laboratoriais nas diversas seções técnicas.
II. Emissão de laudos em conformidade com normas de biossegurança e qualidade.
III. Realizar, analisar, monitorar e supervisionar as análises laboratoriais, utilizando técnicas, materiais e equipamentos
específicos de acordo com o exame solicitado.
IV. Analisar dados e emissão do laudo laboratorial em todas as seções técnicas do laboratório clínico.
V. Supervisionar e/ou orientar sobre as coletas dos diversos materiais biológicos.
VI. Gerenciar a utilização, avaliar quantidade e prazos de validade dos insumos no laboratório.
VII. Emitir relatórios técnicos e administrativos quando solicitados.
VIII. Participar e colaborar com as atividades de ensino, pesquisa e extensão, de acordo com as necessidades
institucionais.
IX. Realizar demais atividades inerentes ao emprego.
PRÉ-REQUISITOS
Diploma, devidamente registrado de curso de graduação em Farmácia, Bioquímica, Ciências Biológicas ou Biomedicina
fornecido por instituição de ensino superior, reconhecida pelo Ministério da Educação e registro profissional no Conselho
Regional da profissão.

2. ASSISTENTE SOCIAL
PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES
I. Planejar soluções, organizar e intervir em questões relacionadas à saúde e acompanhamento psicossocial de
trabalhadores e pacientes, buscando alternativas de enfrentamento individual e coletivo.
II. Prestar serviços sociais orientando pacientes, acompanhantes e famílias e equipes de trabalho da Instituição sobre
direitos, deveres, serviços e recursos sociais.
III. Planejar, elaborar e avaliar programas, projetos e planos sociais em diferentes áreas de atuação profissional.
IV. Coletar, organizar, compilar, tabular e difundir dados.
V. Desempenhar atividades administrativas e assistenciais.
VI. Participar e colaborar com as atividades de ensino, pesquisa e extensão, de acordo com as necessidades institucionais.
VII. Realizar demais atividades inerentes ao emprego.
PRÉ-REQUISITOS
Diploma, devidamente registrado de curso de graduação em Serviço Social, fornecido por instituição de ensino superior,
reconhecida pelo Ministério da Educação e registro profissional no Conselho Regional de Serviço Social.

3. CIRURGIÃO DENTISTA - CIRURGIA E TRAUMATOLOGIA BUCO-MAXILO-FACIAIS


PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES
I. Tratar cirurgicamente as doenças da cavidade bucal, face e pescoço, tais como: traumatismos e deformidades faciais
(congênitos ou adquiridos), traumas e deformidades dos maxilares e da mandíbula, envolvendo a região compreendida
entre o osso hióide e o supercílio de baixo para cima, e do tragus a pirâmide nasal, de trás para diante.
II. Realizar cirurgias odontológicas de pequeno, médio e grande porte.
III. Orientar os pacientes.
IV. Participar e colaborar com as atividades de ensino, pesquisa e extensão, de acordo com as necessidades institucionais.
V. Realizar demais atribuições inerentes ao emprego de dentista e ao respectivo emprego.
PRÉ-REQUISITOS
Diploma, devidamente registrado de curso de graduação em Odontologia, fornecido por instituição de ensino superior,
reconhecida pelo Ministério da Educação; Residência uniprofissional em Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Faciais,

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 44


reconhecida pelo Ministério da Educação e/ou Conselho Regional de Odontologia e/ou Conselho Estadual de Educação
e/ou Título de Especialista em Cirurgia Buco-Maxilo-Faciais concedido pela Associação representativa que seja
reconhecida pelo Conselho Federal de Odontologia ou Curso de pós graduação lato ou stricto sensu em Cirurgia e
Traumatologia Buco-Maxilo-Faciais, reconhecido pelo Ministério da Educação e/ou Conselho Regional de Odontologia e
registro profissional no Conselho Regional de Odontologia - CRO.

4. CIRURGIÃO DENTISTA - ODONTOLOGIA HOSPITALAR


PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES
I. Atender e orientar pacientes e executar tratamento odontológico, realizando, entre outras atividades, radiografias e
ajuste oclusal,aplicação de anestesia, extração de dentes, tratamento de doenças gengivais e canais, cirurgias
bucomaxilofaciais, implantes, tratamentos estéticos e de reabilitação oral, confecção de prótese oral e extra-oral.
II. Diagnosticar e avaliar pacientes e planejar tratamento.
III. Promover e coordenar medidas de promoção e prevenção da saúde e ações de saúde coletiva.
IV. Atuar em equipes multidisciplinares e interdisciplinares.;
V. Realizar auditorias e perícias odontológicas, administrar local e condições de trabalho, adotando medidas de precaução
universal de biossegurança.
VI. Participar e colaborar com as atividades de ensino, pesquisa e extensão, de acordo com as necessidades institucionais.
VII. Realizar demais atribuições inerentes ao emprego de dentista e ao respectivo emprego.
PRÉ-REQUISITOS
Diploma, devidamente registrado de curso de graduação em Odontologia, fornecido por instituição de ensino superior,
reconhecida pelo Ministério da Educação; Residência uniprofissional em Odontologia Hospitalar, reconhecida pelo
Ministério da Educação e/ou Conselho Regional de Odontologia e/ou Título de Especialista em Odontologia Hospitalar
concedido pela Associação representativa que seja reconhecida pelo Conselho Federal de Odontologia ou Curso de pós
graduação lato ou stricto sensu em Odontologia Hospitalar, reconhecido pelo Ministério da Educação e/ou Conselho
Regional de Odontologia e/ou Conselho Estadual de Educação e registro profissional no Conselho Regional de
Odontologia - CRO.

5. CIRURGIÃO DENTISTA - ODONTOLOGIA HOSPITALAR - PEDIATRIA


PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES
I. Atender e orientar pacientes pediátricos e executar tratamento odontológico, realizando, entre outras atividades,
radiografias e ajuste oclusal, aplicação de anestesia, extração de dentes, tratamento de doenças gengivais e canais,
cirurgias bucomaxilofaciais, implantes, tratamentos estéticos e de reabilitação oral, confecção de prótese oral e
extraoral.
II. Diagnosticar e avaliar pacientes pediátricos e planejar tratamento.
III. Promover e coordenar medidas de promoção e prevenção da saúde e ações de saúde coletiva.
IV. Atuar em equipes multidisciplinares e interdisciplinares.
V. Realizar auditorias e perícias odontológicas, administrar local e condições de trabalho, adotando medidas de precaução
universal de biossegurança.
VI. Participar e colaborar com as atividades de ensino, pesquisa e extensão, de acordo com as necessidades institucionais.
VII. Realizar demais atribuições inerentes ao emprego de dentista e ao respectivo emprego.
PRÉ-REQUISITOS
Diploma, devidamente registrado de curso de graduação em Odontologia, fornecido por instituição de ensino superior,
reconhecida pelo Ministério da Educação; Residência multiprofissional ou uniprofissional na área de Pediatria,
reconhecida pelo Ministério da Educação e/ou Conselho Regional de Odontologia e/ou Conselho Estadual de Educação
e/ou Título de Especialista em Odontologia Hospitalar - Pediatria concedido pela Associação representativa que seja
reconhecida pelo Conselho Federal de Odontologia ou Curso de pós graduação lato ou stricto sensu na área de Pediatria,
reconhecido pelo Ministério da Educação e/ou Conselho Regional de Odontologia e registro profissional no Conselho
Regional de Odontologia - CRO.

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 45


6. ENFERMEIRO - AUDITORIA
PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES
I. Realizar auditoria interna (visitas técnicas) nas unidades de internação e diversos setores do hospital para monitorar a
qualidade dos processos de trabalho por meio do acompanhamento, detecção de inadequações, análise e fornecimento
de sugestões relacionadas aos diversos processos de trabalho desenvolvidos na instituição.
II. Monitorar indicadores assistenciais da enfermagem, coletar e analisar dados apresentados em relatórios gerenciais.
III. Desenvolver atividades educativas para a melhoria do processo assistencial e adequação dos registros de saúde.
IV. Participar e colaborar com as atividades de ensino, pesquisa e extensão, de acordo com as necessidades institucionais.
V. Realizar demais atividades inerentes ao emprego.
PRÉ-REQUISITOS
Diploma, devidamente registrado de curso de graduação em Enfermagem, fornecido por instituição de ensino superior,
reconhecida pelo Ministério da Educação; Residência multiprofissional ou uniprofissional em Enfermagem na área de
Auditoria, reconhecida pelo Ministério da Educação e/ou Conselho Estadual de Educação ou Curso de pós graduação lato
ou stricto sensu em Enfermagem na área de Auditoria, reconhecido pelo Ministério da Educação e/ou Conselho Regional
de Enfermagem; Curso de pós-graduação lato ou stricto sensu em auditoria e gestão em saúde reconhecido pelo
Ministério da Educação, e/ou Título de Especialista em Auditoria de Enfermagem concedido pela Associação
representativa que seja reconhecida pelo Conselho Federal de Enfermagem e registro profissional no Conselho Regional
de Enfermagem.

7. ENFERMEIRO - CARDIOLOGIA – HEMODINÂMICA


PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES
I. Participar na elaboração de planos assistenciais à saúde dos pacientes submetidos aos procedimentos realizados no
setor de hemodinâmica.
II. Conhecer e atuar nas políticas para a atenção cardiovascular e a epidemiologia das doenças cardiovasculares na
organização do Sistema de Saúde, bem como em relação às resoluções do Ministério da Saúde sobre a organização da
atenção cardiovascular no país.
III. Conhecer e atuar nos principais métodos diagnósticos em atenção cardiovascular.
IV. Conhecer e atuar nas opções terapêuticas clínico-cirúrgicas e percutâneas em atenção cardiovascular.
V. Assistir o paciente (adulto e criança) com afecções cardiovasculares em situações clínicas e cirúrgicas.
VI. Conhecer e compreender as alterações anátomo-fisiológicas do sistema cardiovascular.
VII. Participar e colaborar com as atividades de ensino, pesquisa e extensão, de acordo com as necessidades
institucionais.
VIII. Realizar demais atividades inerentes ao emprego.
PRÉ-REQUISITOS
Diploma, devidamente registrado de curso de graduação em Enfermagem, fornecido por instituição de ensino superior,
reconhecida pelo Ministério da Educação; Residência multiprofissional ou uniprofissional em Enfermagem na área de
Cardiologia, na área de abrangência em Hemodinâmica, reconhecida pelo Ministério da Educação e/ou Conselho Estadual
de Educação e/ou Título de Especialista em Enfermagem em Cardiologia - em Enfermagem em Hemodinâmica concedido
pela Associação representativa que seja reconhecida pelo Conselho Federal de Enfermagem ou Curso de pós graduação
lato ou stricto sensu em Enfermagem na área de Cardiologia, com área de abrangência em Hemodinâmica, reconhecido
pelo Ministério da Educação e/ou Conselho Regional de Enfermagem e registro profissional no Conselho Regional de
Enfermagem.

8. ENFERMEIRO - DERMATOLOGIA - ESTOMATERAPIA


PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES
I. Realizar atividades relacionadas à área dermatológica e estomaterapia, com foco no atendimento ao paciente portador
de afecções do sistema tegumentar e estomias, feridas agudas e crônicas, fístulas, drenos, cateteres.
II. Atuar na prevenção de complicações desta área.
III. Proporcionar uma visão holística do tratamento de pacientes.

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 46


IV. Participar e colaborar com as atividades de ensino, pesquisa e extensão, de acordo com as necessidades institucionais.
V. Realizar demais atividades inerentes ao emprego.
PRÉ-REQUISITOS
Diploma, devidamente registrado de curso de graduação em Enfermagem, fornecido por instituição de ensino superior,
reconhecida pelo Ministério da Educação; Residência multiprofissional ou uniprofissional em Enfermagem
Dermatológica, com área de abrangência em Estomaterapia, reconhecida pelo Ministério da Educação e/ou Conselho
Estadual de Educação e/ou Título de Especialista em Enfermagem em Dermatologia ou Enfermagem em Estomaterapia
concedido pela Associação representativa que seja reconhecida pelo Conselho Federal de Enfermagem ou pós graduação
lato ou stricto sensu em Enfermagem Dermatológica com área de abrangência em Estomaterapia ou Enfermagem em
Estomaterapia reconhecida pelo Ministério da Educação e/ou Conselho Regional de Enfermagem e registro profissional
no Conselho Regional de Enfermagem.

9. ENFERMEIRO - NEFROLOGIA
PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES
I. Planejar, organizar, supervisionar, executar e avaliar todas as atividades de enfermagem, em pacientes adultos e
pediátricos, submetidos ao tratamento dialítico com circulação extracorpórea, categorizando-o como um serviço de alta
complexidade.
II. Coordenar as atividades da equipe de enfermagem sob sua supervisão no desempenho das atividades dialíticas nos
vários níveis de complexidade.
III. Realizar assistência de enfermagem direta em situações de maior complexidade técnica.
IV. Monitorar o procedimento dialítico instalado bem como atender as necessidades clínicas do paciente durante o
procedimento de acordo com protocolo terapêutico previamente definido.
V. Elaborar protocolos terapêuticos de enfermagem para prevenção, tratamento e minimização de ocorrências adversas
aos pacientes submetidos ao tratamento dialítico com circulação extracorpórea.
VI. Participar e colaborar com as atividades de ensino, pesquisa e extensão, de acordo com as necessidades institucionais.
VII. Realizar demais atividades inerentes ao emprego.
PRÉ-REQUISITOS
Diploma, devidamente registrado, de curso de graduação em Enfermagem, fornecido por instituição de ensino superior,
reconhecida pelo Ministério da Educação; Residência multiprofissional ou uniprofissional em Enfermagem em Nefrologia,
reconhecida pelo Ministério da Educação e/ou Conselho Estadual de Educação e/ou Título de Especialista em
Enfermagem em Nefrologia concedido pela Associação representativa que seja reconhecida pelo Conselho Federal de
Enfermagem ou Curso de pós graduação lato ou stricto sensu em Enfermagem na área de Nefrologia, reconhecido pelo
Ministério da Educação e/ou Conselho Regional de Enfermagem e registro profissional no Conselho Regional de
Enfermagem.

10. ENFERMEIRO - OBSTETRÍCIA


PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES
I. Planejar, organizar, supervisionar, executar e avaliar todas as atividades de enfermagem em gestantes e puérperas e
sua família de acordo com o modelo assistencial da Instituição.
II. Identificar distócias obstétricas e tomar as devidas providências até a chegada do médico.
III. Prestar assistência de enfermagem direta e cuidados de maior complexidade em todas as fases do parto.
IV. Prestar assistência à parturiente no parto normal, realizando episiotomia e episiorrafia.
V. Participar e colaborar com as atividades de ensino, pesquisa e extensão, de acordo com as necessidades institucionais.
VI. Realizar demais atividades inerentes ao emprego.
PRÉ-REQUISITOS
Diploma, devidamente registrado de curso de graduação em Enfermagem, fornecido por instituição de ensino superior,
reconhecida pelo Ministério da Educação; Residência multiprofissional ou uniprofissional em Enfermagem na área de
Saúde da Mulher, com área de abrangência em Obstetrícia, reconhecida pelo Ministério da Educação e/ou Conselho
Estadual de Educação e/ou Título de Especialista em Enfermagem Obstétrica concedido pela Associação representativa

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 47


que seja reconhecida pelo Conselho Federal de Enfermagem ou Curso de pós graduação lato ou stricto sensu em
Enfermagem na área de Saúde da Mulher, com área de abrangência em Obstetrícia, reconhecido pelo Ministério da
Educação e/ou Conselho Regional de Enfermagem e registro profissional no Conselho Regional de Enfermagem.

11. ENFERMEIRO – ONCOLOGIA - HEMATOLOGIA


PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES
I. Planejar, organizar, supervisionar, executar e avaliar todas as atividades de enfermagem em pacientes submetidos ao
tratamento quimioterápico.
II. Participar na elaboração de planos assistenciais à saúde dos pacientes submetidos à terapia antineoplásica.
III. Prestar assistência aos pacientes de maior complexidade técnica e que exijam conhecimentos de base científica aos
pacientes oncológicos.
IV. Conhecer e atuar nas bases da oncogênese, da carcinogênese, os aspectos epidemiológicos, as modalidades de
diagnóstico e do tratamento do câncer.
V. Programar medidas de prevenção e de rastreamento do câncer através da participação em ações educativas e de
vigilância em saúde.
VI. Elaborar ações de enfermagem que compreendam todo o cuidado, seja ele preventivo, curativo, de reabilitação ou
paliativo.
VII. Participar de protocolos terapêuticos de enfermagem na prevenção, tratamento e minimização dos efeitos
colaterais.
VIII. Promover e difundir medidas de prevenção de riscos e agravos através da educação dos pacientes e familiares,
objetivando melhorar a qualidade de vida.
IX. Promover e participar da integração da equipe multiprofissional, garantindo uma assistência integral.
X. Participar e colaborar com as atividades de ensino, pesquisa e extensão, de acordo com as necessidades institucionais.
XI. Realizar demais atividades inerentes ao emprego.
PRÉ-REQUISITOS
Diploma, devidamente registrado de curso de graduação em Enfermagem, fornecido por instituição de ensino superior,
reconhecida pelo Ministério da Educação; Residência multiprofissional ou uniprofissional em Enfermagem na área de
Oncologia e/ou Hematologia, reconhecida pelo Ministério da Educação e/ou Conselho Estadual de Educação e/ou Título
de Especialista em Enfermagem em Oncologia - em Enfermagem em Hematologia concedido pela Associação
representativa que seja reconhecida pelo Conselho Federal de Enfermagem Curso de pós graduação lato ou stricto sensu
em Enfermagem na área de Oncologia e/ou Hematologia, reconhecido pelo Ministério da Educação e/ou Conselho
Regional de Enfermagem e registro profissional no Conselho Regional de Enfermagem.

12. ENFERMEIRO - SAÚDE DO TRABALHADOR


PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES
I. Coordenar, executar, supervisionar e avaliar as atividades de assistência de enfermagem na área de Medicina do
Trabalho.
II. Implementar ações de promoção e prevenção à saúde do trabalhador.
III. Participar e colaborar com as atividades de ensino, pesquisa e extensão, de acordo com as necessidades institucionais.
IV. Realizar demais atividades inerentes ao emprego.
PRÉ-REQUISITOS
Diploma, devidamente registrado de curso de graduação em Enfermagem, fornecido por instituição de ensino superior,
reconhecida pelo Ministério da Educação; Residência multiprofissional ou uniprofissional em Enfermagem na área de
Saúde do Trabalhador, reconhecida pelo Ministério da Educação e/ou Conselho Regional de Enfermagem e/ou Título de
Especialista em Enfermagem em Saúde do Trabalhador concedido pela Associação representativa que seja reconhecida
pelo Conselho Federal de Enfermagem ou Curso de pós graduação lato ou stricto sensu em Enfermagem na área de Saúde
do Trabalhador, reconhecido pelo Ministério da Educação e/ou Conselho Regional de Enfermagem e registro profissional
no Conselho Regional de Enfermagem.

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 48


13. ENFERMEIRO - TERAPIA INTENSIVA
PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES
I. Planejar, organizar, coordenar, supervisionar, executar e avaliar todas as atividades de enfermagem em pacientes
adultos criticamente enfermos.
II. Desenvolver as atividades assistenciais e propor alternativas de transformação na realidade gerencial e do cuidado ao
paciente criticamente enfermo e/ou em situação de risco de morte.
III. Executar as funções pertinentes à sua profissão que possam identificar intercorrências e tomar decisões imediatas
sobre o atendimento do paciente crítico.
IV. Participar e colaborar com as atividades de ensino, pesquisa e extensão, de acordo com as necessidades institucionais.
V. Realizar demais atividades inerentes ao emprego.
PRÉ-REQUISITOS
Diploma, devidamente registrado de curso de graduação em Enfermagem, fornecido por instituição de ensino superior,
reconhecida pelo Ministério da Educação; Residência multiprofissional ou uniprofissional em Enfermagem em Terapia
Intensiva, reconhecida pelo Ministério da Educação e/ou Conselho Estadual de Educação e/ou Título de Especialista em
Enfermagem em Terapia Intensiva concedido pela Associação representativa que seja reconhecida pelo Conselho Federal
de Enfermagem ou Curso de pós graduação lato ou stricto sensu em Enfermagem na área de Terapia Intensiva, com área
de abrangência em Adulto, reconhecido pelo Ministério da Educação e/ou Conselho Regional de Enfermagem e Registro
Profissional no Conselho Regional de Enfermagem.

14. ENFERMEIRO - TERAPIA INTENSIVA NEONATAL


PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES
I. Planejar, organizar, coordenar, supervisionar, executar e avaliar todas as atividades de enfermagem em pacientes
neonatos criticamente enfermos.
II. Desenvolver as atividades assistenciais ao paciente neonato, ao binômio mãe-filho, a família e propor alternativas de
transformação na realidade gerencial e do cuidado ao paciente criticamente enfermo e/ou em situação de risco de
morte.
III. Executar as funções pertinentes à sua profissão que possam identificar intercorrências e tomar decisões imediatas
sobre o atendimento do paciente neonato crítico.
IV. Participar e colaborar com as atividades de ensino, pesquisa e extensão, de acordo com as necessidades institucionais.
V. Realizar demais atividades inerentes ao emprego.
PRÉ-REQUISITOS
Diploma, devidamente registrado, de curso de graduação em Enfermagem, fornecido por instituição de ensino superior,
reconhecida pelo Ministério da Educação; Residência multiprofissional ou uniprofissional em Enfermagem na área de
Terapia Intensiva, com área de abrangência em Neonatologia ou Residência em Enfermagem na área de Pediatria,
reconhecida pelo Ministério da Educação e/ou Conselho Estadual de Educação e/ou Título de Especialista em
Enfermagem em Terapia Intensiva Neonatal concedido pela Associação representativa que seja reconhecida pelo
Conselho Federal de Enfermagem ou Curso de pós graduação lato ou stricto sensu em Enfermagem pediátrica e neonatal
com área de abrangência em Terapia Intensiva, reconhecido pelo Ministério da Educação e/ou Conselho Regional de
Enfermagem e registro profissional no Conselho Regional de Enfermagem.

15. ENFERMEIRO - TERAPIA INTENSIVA - PEDIATRIA


PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES
I. Planejar, organizar, coordenar, supervisionar, executar e avaliar todas as atividades de enfermagem em pacientes
pediátricos criticamente enfermos.
II. Desenvolver as atividades assistenciais e propor alternativas de transformação na realidade gerencial e do cuidado ao
paciente criticamente enfermo e/ou em situação de risco de morte.
III. Executar as funções pertinentes à sua profissão que possam identificar intercorrências e tomar decisões imediatas
sobre o atendimento do paciente pediátrico crítico.
IV. Participar e colaborar com as atividades de ensino, pesquisa e extensão, de acordo com as necessidades institucionais.

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 49


V. Realizar demais atividades inerentes ao emprego.
PRÉ-REQUISITOS
Diploma, devidamente registrado de curso de graduação em Enfermagem, fornecido por instituição de ensino superior,
reconhecida pelo Ministério da Educação; Residência multiprofissional ou uniprofissional em Enfermagem na área de
Terapia Intensiva, com área de abrangência em Pediatria ou Residência em Enfermagem na área de Pediatria,
reconhecida pelo Ministério da Educação e/ou Conselho Estadual de Educação e/ou Título de Especialista em
Enfermagem em Terapia Intensiva Pediatria concedido pela Associação representativa que seja reconhecida pelo
Conselho Federal de Enfermagem ou Curso de pós graduação lato ou stricto sensu em Enfermagem pediátrica e neonatal
com área de abrangência em Terapia Intensiva, reconhecido pelo Ministério da Educação e/ou Conselho Regional de
Enfermagem e registro profissional no Conselho Regional de Enfermagem.

16. ENFERMEIRO – TRANSPLANTE


PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES
I. Planejar, organizar, executar e avaliar o processo de enfermagem no pré, trans e pós transplante.
II. Planejar, organizar, supervisionar, executar e avaliar todas as atividades de enfermagem, em pacientes transplantados.
III. Identificar as alterações anatômicas e fisiológicas decorrentes de disfunções ou falências de órgãos ou tecidos, bem
como os processos de doação de órgãos e tecidos e processos patológicos que indicam o transplante em cada órgão ou
tecido transplantável.
IV. Estudar o perfil epidemiológico da morbi-mortalidade dos pacientes em lista de espera.
V. Compor a equipe de remoção de órgãos e tecidos no processo de captação de órgãos.
VI. Participar e colaborar com as atividades de ensino, pesquisa e extensão, de acordo com as necessidades institucionais.
VII. Realizar demais atividades inerentes ao emprego.
PRÉ-REQUISITOS
Diploma, devidamente registrado de curso de graduação em Enfermagem, fornecido por instituição de ensino superior,
reconhecida pelo Ministério da Educação; Residência multiprofissional ou uniprofissional em Enfermagem em
Transplante reconhecida pelo Ministério da Educação e/ou Conselho Estadual de Educação e/ou Título de Especialista
em Enfermagem em Transplante concedido pela Associação representativa que seja reconhecida pelo Conselho Federal
de Enfermagem ou Curso de pós graduação lato ou stricto sensu em Enfermagem na área de transplante reconhecido
pelo Ministério da Educação e/ou Título de especialista em Enfermagem em Transplantes, reconhecido pelo Ministério
da Educação e/ou Conselho Regional de Enfermagem e registro profissional no Conselho Regional de Enfermagem.

17. ENFERMEIRO ASSISTENCIAL


PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES
I. Planejar, organizar, coordenar, executar e avaliar o processo e os serviços de assistência de enfermagem.
II. Elaborar, executar e participar dos eventos de capacitação da equipe de enfermagem.
III. Implementar ações para a promoção da saúde.
IV. Participar da elaboração e execução de planos assistenciais de saúde nos âmbitos hospitalar e ambulatorial.
V. Prestar assistência direta aos pacientes de maior complexidade técnica, graves com risco de morte e/ou que exijam
conhecimentos de base científica e capacidade de tomar decisões imediatas.
VI. Participar e atuar nos programas de prevenção e controle sistemático de infecção hospitalar.
VII. Realizar e participar da prevenção e controle sistemático de danos que possam ser causados aos pacientes durante a
assistência de enfermagem.
VIII. Participar de projetos de construção ou reforma de unidades assistenciais.
IX. Participar e colaborar com as atividades de ensino, pesquisa e extensão, de acordo com as necessidades institucionais.
X. Realizar demais atividades inerentes ao emprego.
PRÉ-REQUISITOS
Diploma, devidamente registrado de curso de graduação em Enfermagem, fornecido por instituição de ensino superior,
reconhecida pelo Ministério da Educação e registro profissional no Conselho Regional de Enfermagem.

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 50


18. FARMACÊUTICO
PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES
I. Realizar tarefas específicas de desenvolvimento, produção, dispensação, controle, armazenamento, distribuição e
transporte de produtos da área farmacêutica, tais como medicamentos, alimentos especiais, cosméticos,
imunobiológicos, domissanitários e insumos correlatos.
II. Realizar análises clínicas, toxicológicas, fisioquímicas, biológicas, microbiológicas e bromatológicas.
III. Participar da elaboração, coordenação e implementação de políticas de medicamentos.
IV. Orientar sobre uso de produtos e prestar serviços farmacêuticos.
V. Realizar pesquisa sobre os efeitos de medicamentos e outras substâncias sobre órgãos, tecidos e funções vitais dos
seres humanos.
VI. Realizar preparação, produção, controle e garantia de qualidade, fracionamento, armazenamento, distribuição e
dispensação de radiofármacos.
VII. Participar e colaborar com as atividades de ensino, pesquisa e extensão, de acordo com as necessidades
institucionais.
VIII. Realizar demais atividades inerentes ao emprego.
PRÉ-REQUISITOS
Diploma, devidamente registrado de curso de graduação em Farmácia, fornecido por instituição de ensino superior,
reconhecida pelo Ministério da Educação e registro profissional no Conselho Regional de Farmácia.

19. FISIOTERAPEUTA
PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES
I. Realizar ações de prevenção, promoção, proteção, educação, intervenção, recuperação, habilitação e reabilitação do
paciente, utilizando protocolos e procedimentos específicos de fisioterapia e ortopedia.
II. Realizar diagnósticos específicos e analisar condições dos pacientes.
III. Desenvolver programas de prevenção, promoção de saúde e qualidade de vida.
IV. Participar e colaborar com as atividades de ensino, pesquisa e extensão, de acordo com as necessidades institucionais.
V. Realizar demais atividades inerentes ao emprego.
PRÉ-REQUISITOS
Diploma, devidamente registrado de curso de graduação em Fisioterapia, fornecido por instituição de ensino superior,
reconhecida pelo Ministério da Educação e registro profissional no Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia
Ocupacional.

20. FISIOTERAPEUTA - TERAPIA INTENSIVA ADULTO


PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES
I. Realizar consulta fisioterapêutica, anamnese.
II. Solicitar e realizar interconsulta e encaminhamentos.
III. Realizar ações de prevenção, promoção, proteção, educação, intervenção, recuperação, habilitação e reabilitação do
paciente crítico ou potencialmente crítico, em Unidade de Terapia Intensiva - UTI, utilizando protocolos e Procedimentos
específicos de fisioterapia.
IV. Realizar avaliação física e cinesiofuncional específica.
V. Realizar avaliação e monitoramento da via aérea natural e artificial.
VI. Planejar e executar medidas de prevenção, redução de risco e descondicionamento cardiorrespiratório.
VII. Prescrever e executar terapêutica cardiorrespiratória e neuromúsculo esquelética.
VIII. Aplicar métodos, técnicas e recursos de expansão pulmonar, remoção de secreção, fortalecimento muscular,
recondicionamento cardiorrespiratório e suporte ventilatório.
IX. Avaliar e monitorar os parâmetros cardiorrespiratórios, inclusive em situações de deslocamentos do paciente crítico
ou potencialmente crítico.
X. Gerenciar a ventilação espontânea, invasiva e não invasiva.
XI. Realizar o desmame e extubação do paciente em ventilação mecânica.

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 51


XII. Participar e colaborar com as atividades de ensino, pesquisa e extensão, de acordo com as necessidades
institucionais.
XIII. Realizar demais atividades inerentes ao emprego.
PRÉ-REQUISITOS
Diploma, devidamente registrado de curso de graduação em Fisioterapia, fornecido por instituição de ensino superior,
reconhecida pelo Ministério da Educação; Residência multiprofissional ou uniprofissional em Fisioterapia na área de
Terapia Intensiva, com área de atuação em adulto, reconhecida pelo Ministério da Educação e/ou Conselho Estadual de
Educação e/ou Título de Especialista em Fisioterapia - Terapia Intensiva concedido pela Associação representativa que
seja reconhecida pelo Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional ou Título de especialista em Fisioterapia
na área de Terapia Intensiva, com área de atuação em adulto, reconhecido pelo Ministério da Educação e/ou Conselho
Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional e/ou anotação da titulação na carteira de identidade profissional; e registro
profissional no Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional.

21. FISIOTERAPEUTA - TERAPIA INTENSIVA NEONATAL


PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES
I. Realizar consulta fisioterapêutica, anamnese.
II. Solicitar e realizar interconsulta e encaminhamentos.
III. Realizar ações de prevenção, promoção, proteção, educação, intervenção, recuperação, habilitação e reabilitação do
paciente neonato crítico ou potencialmente crítico, em Unidade de Terapia Intensiva - UTI neonatal, utilizando protocolos
e procedimentos específicos de fisioterapia.
IV. Realizar avaliação física e cinesiofuncional específica.
V. Realizar avaliação e monitoramento da via aérea natural e artificial.
VI. Planejar e executar medidas de prevenção, redução de risco e descondicionamento cardiorrespiratório.
VII. Prescrever e executar terapêutica cardiorrespiratória e neuro-músculo esquelética.
VIII. Aplicar métodos, técnicas e recursos de expansão pulmonar, remoção de secreção, fortalecimento muscular,
recondicionamento cardiorrespiratório e suporte ventilatório.
IX. Avaliar e monitorar os parâmetros cardiorrespiratórios, inclusive em situações de deslocamentos do paciente neonato
crítico ou potencialmente crítico.
X. Gerenciar a ventilação espontânea, invasiva e não invasiva. XI. Realizar o desmame e extubação do paciente em
ventilação mecânica.
XII. Participar e colaborar com as atividades de ensino, pesquisa e extensão, de acordo com as necessidades
institucionais.
XIII. Realizar demais atividades inerentes ao emprego.
PRÉ-REQUISITOS
Diploma, devidamente registrado de curso de graduação em Fisioterapia, fornecido por instituição de ensino superior,
reconhecida pelo Ministério da Educação; Residência multiprofissional ou uniprofissional em Fisioterapia em Terapia
Intensiva, com área de atuação em neonatologia, reconhecida pelo Ministério da Educação e/ou Conselho Estadual de
Educação e/ou Título de Especialista em Fisioterapia - Terapia Intensiva Neonatal concedido pela Associação
representativa que seja reconhecida pelo Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional ou Título de especialista
em Fisioterapia em Terapia Intensiva, com área de atuação em neonatologia ou reconhecido pelo Ministério da Educação
e/ou Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional e/ou anotação da titulação na carteira de identidade
profissional; e registro profissional no Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional.

22. FISIOTERAPEUTA - TERAPIA INTENSIVA PEDIATRIA


PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES
I. Realizar consulta fisioterapêutica, anamnese
II. Solicitar e realizar interconsulta e encaminhamentos.
III. Realizar ações de prevenção, promoção, proteção, educação, intervenção, recuperação, habilitação e reabilitação do
paciente pediátrico crítico ou potencialmente crítico, em Unidade de Terapia Intensiva - UTI pediátrica, utilizando

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 52


protocolos e procedimentos específicos de fisioterapia.
IV. Realizar avaliação física e cinesiofuncional específica.
V. Realizar avaliação e monitoramento da via aérea natural e artificial.
VI. Planejar e executar medidas de prevenção, redução de risco e descondicionamento cardiorrespiratório.
VII. Prescrever e executar terapêutica cardiorrespiratória e neuro-músculo esquelética.
VIII. Aplicar métodos, técnicas e recursos de expansão pulmonar, remoção de secreção, fortalecimento muscular,
recondicionamento cardiorrespiratório e suporte ventilatório.
IX. Avaliar e monitorar os parâmetros cardiorrespiratórios, inclusive em situações de deslocamentos do paciente
pediátrico crítico ou potencialmente crítico.
X. Gerenciar a ventilação espontânea, invasiva e não invasiva.
XI. Realizar o desmame e extubação do paciente em ventilação mecânica.
XII. Participar e colaborar com as atividades de ensino, pesquisa e extensão, de acordo com as necessidades
institucionais.
XIII. Realizar demais atividades inerentes ao emprego.
PRÉ-REQUISITOS
Diploma, devidamente registrado de curso de graduação em Fisioterapia, fornecido por instituição de ensino superior,
reconhecida pelo Ministério da Educação; Residência multiprofissional ou uniprofissional em Fisioterapia na área de
Terapia Intensiva, com área de atuação em pediatria, reconhecida pelo Ministério da Educação e/ou Conselho Estadual
de Educação e/ou Título de Especialista em Fisioterapia - Terapia Intensiva Pediátrica concedido pela Associação
representativa que seja reconhecida pelo Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional ou Título de especialista
em Fisioterapia em Terapia Intensiva, com área de atuação em pediatria e/ou anotação da titulação na carteira de
identidade profissional; e registro profissional no Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional.

23. FONOAUDIÓLOGO
PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES
I. Atender pacientes para prevenção, habilitação e reabilitação daqueles que utilizam protocolos e procedimentos
específicos de fonoaudiologia.
II. Tratar de pacientes efetuando avaliação e diagnóstico fonoaudiológico.
III. Orientar pacientes, familiares, cuidadores e responsáveis.
IV. Desenvolver programas de prevenção, promoção da saúde e qualidade de vida.
V. Participar e colaborar com as atividades de ensino, pesquisa e extensão, de acordo com as necessidades institucionais.
VI. Realizar demais atividades inerentes ao emprego.
PRÉ-REQUISITOS
Diploma, devidamente registrado de curso de graduação em Fonoaudiologia, fornecido por instituição de ensino
superior, reconhecida pelo Ministério da Educação e registro profissional no Conselho Regional de Fonoaudiologia.

24. NUTRICIONISTA
PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES
I. Prestar assistência nutricional a indivíduos e coletividades.
II. Organizar, administrar e avaliar unidades de alimentação e nutrição.
III. Efetuar controle higiênico-sanitário.
IV. Participar de programas de educação nutricional.
V. Participar e colaborar com as atividades de ensino, pesquisa e extensão, de acordo com as necessidades institucionais.
VI. Realizar demais atividades inerentes ao emprego.
PRÉ-REQUISITOS
Diploma, devidamente registrado de curso de graduação em Nutrição, fornecido por instituição de ensino superior,
reconhecida pelo Ministério da Educação e registro profissional no Conselho Regional de Nutrição.

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 53


25. PERFUSIONISTA
PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES
I. Participar na elaboração de planos assistenciais à saúde dos pacientes submetidos à circulação extracorpórea.
II. Realizar o planejamento, a organização e a execução da substituição das funções cardiovasculares e respiratórias, bem
como a preservação das funções metabólicas e orgânicas dos pacientes submetidos à cirurgia do coração e grandes vasos,
sob orientação da equipe médica.
III. Monitorar os parâmetros fisiológicos vitais e sua adequação em cirurgias que necessitem de suporte
cardiocirculatório.
IV. Interpretar e corrigir os parâmetros laboratoriais durante a circulação extracorpórea.
V. Realizar, interpretar e controlar o tempo de coagulação ativada em pacientes heparinizados sob orientação médica.
VI. Prever, requisitar e controlar os materiais e equipamentos utilizados nos procedimentos de Circulação Extracorpórea
- CEC.
VII. Participar e colaborar com as atividades de ensino, pesquisa e extensão, de acordo com as necessidades
institucionais.
VIII. Realizar as atribuições e demais atividades inerentes ao emprego.
PRÉ-REQUISITOS
Diploma, devidamente registrado de curso de graduação em Biomedicina, Biologia, Enfermagem, Farmácia ou
Fisioterapia fornecido por instituição de ensino superior, reconhecida pelo Ministério da Educação; Residência
multiprofissional ou uniprofissional na área de Cardiologia, na área de abrangência em Perfusão, reconhecida pelo
Ministério da Educação e/ou Conselho Estadual de Educação e/ou Título de Especialista em Perfusão concedido pela
Sociedade Brasileira de Circulação Extracorpórea ou Curso de pós graduação lato ou stricto sensu na área de Cardiologia,
com área de abrangência em Perfusionista, reconhecido pelo Ministério da Educação e/ou Conselho Regional Referente
e registro profissional no Conselho Regional respectivo.

26. PSICÓLOGO - ÁREA HOSPITALAR


PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES
I. Estudar, pesquisar e avaliar o desenvolvimento emocional e os processos mentais e sociais de indivíduos, grupos e
instituições, com a finalidade de análise, tratamento, orientação e educação.
II. Diagnosticar e avaliar distúrbios emocionais e mentais e de adaptação social, elucidando conflitos e questões e
acompanhando o paciente durante o processo de tratamento ou cura.
III. Desenvolver pesquisas experimentais, teóricas e clínicas.
IV. Coordenar equipes e atividades de área e afins.
V. Avaliar alterações das funções cognitivas, buscando diagnóstico ou detecção precoce de sintomas, tanto em clínica
quanto em pesquisas.
VI. Acompanhar e avaliar tratamentos cirúrgicos, medicamentosos e de reabilitação.
VII. Promover a reabilitação neuropsicológica.
VIII. Auditar, realizar perícias e emitir laudos, gerando informações e documentos sobre as condições ocupacionais ou
incapacidades mentais.
IX. Participar e colaborar com as atividades de ensino, pesquisa e extensão, de acordo com as necessidades institucionais.
X. Realizar demais atividades inerentes ao emprego.
PRÉ-REQUISITOS
Diploma, devidamente registrado, de curso de graduação em Psicologia, fornecido por instituição de ensino superior,
reconhecida pelo Ministério da Educação; Residência multiprofissional ou uniprofissional em Psicologia na área de
Psicologia Hospitalar ou áreas afins, reconhecida pelo Ministério da Educação e/ou Conselho Estadual de Educação ou
Curso de pós graduação lato ou stricto sensu na área de Psicologia Hospitalar ou áreas afins e/ou anotação da titulação
na carteira de identidade profissional e registro profissional no Conselho Regional de Psicologia.

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 54


27. PSICÓLOGO ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO
PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES
I. Atuar no desenvolvimento de recursos humanos, seleção, acompanhamento, análise de desempenho e capacitação de
trabalhadores.
II. Supervisionar e capacitar residentes, estudantes e outros profissionais da área.
III. Elaborar e monitorar projetos psicossociais voltados para a saúde dos trabalhadores.
IV. Desenvolver escuta qualificada aos trabalhadores em caso de urgência.
V. Participar e colaborar com as atividades de ensino, pesquisa e extensão, de acordo com as necessidades institucionais.
VI. Realizar demais atividades inerentes ao emprego.
PRÉ-REQUISITOS
Diploma, devidamente registrado, de curso de graduação em Psicologia, fornecido por instituição de ensino superior,
reconhecida pelo Ministério da Educação; Curso de Pós Graduação na área de Psicologia Organizacional e do Trabalho,
ou Gestão de Pessoas, ou Gestão de Negócios ou áreas afins e/ou anotação da titulação na carteira de identidade
profissional e registro profissional no Conselho Regional de Psicologia.

28. TÉCNICO DE ENFERMAGEM


PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES
I. Assistir ao enfermeiro no planejamento, programação e orientação das atividades de enfermagem, na prestação de
cuidados diretos de enfermagem em estado grave, na prevenção e no controle sistemático da infecção hospitalar, na
prevenção e controle de danos físicos que possam ser causados a pacientes durante a assistência de saúde.
II. Executar atividades de assistência de enfermagem na saúde do idoso, do adulto, da mulher, do adolescente, da criança
e do recém-nascido, excetuadas as privativas do Enfermeiro.
III. Prestar cuidados de enfermagem pré e pós-operatórios.
IV. Circular em sala de cirurgia e instrumentar.
V. Executar atividades de desinfecção e esterilização.
VI. Organizar o ambiente de trabalho e dar continuidade aos plantões.
VII. Trabalhar em conformidade às boas práticas, normas e procedimentos de biossegurança.
VIII. Participar e colaborar com as atividades de ensino, pesquisa e extensão, de acordo com as necessidades
institucionais.
IX. Realizar demais atividades inerentes ao emprego.
PRÉ-REQUISITOS
Certificado, devidamente registrado de curso de ensino médio, fornecido por instituição educacional, reconhecida pelo
Ministério da Educação; Certificado de conclusão de curso Técnico em Enfermagem e registro profissional no Conselho
Regional de Enfermagem.

29. TÉCNICO DE ENFERMAGEM - SAÚDE DO TRABALHADOR


PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES
I - Auxiliar o Médico e/ou Enfermeiro do Trabalho nas atividades relacionadas a medicina ocupacional;
II - Realizar a aplicação de vacinas de acordo com o programa de imunização implantado pela Medicina do Trabalho;
III - Organizar o atendimento geral e diário dos exames admissionais, periódicos, demissionais e especiais;
IV - Participar com o enfermeiro do planejamento, programação e orientação das atividades de enfermagem do trabalho
nos programas de educação sanitária, estimulando hábitos sadios para prevenir doenças profissionais e melhorar as
condições de saúde dos trabalhadores;
V - Participar da execução de programas na área de saúde ocupacional e prevenção de acidentes; Auxiliar na organização
de arquivos, prontuários médicos e registros de dados de saúde, além de envio e recebimento de documentos
pertinentes a sua área de atuação para assegurar a pronta localização de dados;
VI - Zelar pela segurança individual e coletiva utilizando equipamentos de proteção apropriados, quando da execução dos
serviços;
VII - Desenvolver suas atividades, aplicando normas e procedimentos biossegurança.

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 55


VIII. Participar e colaborar com as atividades de ensino, pesquisa e extensão, de acordo com as necessidades
institucionais.
IX. Realizar demais atividades inerentes ao emprego.
PRÉ-REQUISITOS
Certificado, devidamente registrado de curso de ensino médio, fornecido por instituição educacional, reconhecida pelo
Ministério da Educação; Certificado de conclusão de curso Técnico em Enfermagem em Saúde do Trabalhador e Registro
Profissional no Conselho Regional de Enfermagem.

30. TÉCNICO DE LABORATÓRIO EM ANÁLISES CLÍNICAS


PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES
I. Auxiliar e executar atividades padronizadas de laboratório - automatizadas ou técnicas clássicas - necessárias ao
diagnóstico, nas áreas de parasitologia, microbiologia médica, imunologia, hematologia, bioquímica, biologia molecular
e urinálise.
II. Colaborar, compondo equipes multidisciplinares, na investigação e implantação de novas tecnologias biomédicas
relacionadas às análises clínicas.
III. Operar e zelar pelo bom funcionamento do aparato tecnológico de laboratório de saúde.
IV. Participar e colaborar com as atividades de ensino, pesquisa e extensão, de acordo com as necessidades institucionais.
V. Realizar demais atividades inerentes ao emprego.
PRÉ-REQUISITOS
Certificado, devidamente registrado de conclusão de curso de ensino médio, fornecido por instituição educacional,
reconhecida pelo Ministério da Educação; Certificado de conclusão de curso Técnico em Análises Clínicas, reconhecido
pelo Ministério da Educação e/ou órgão competente e Registro Profissional no Conselho Regional respectivo.

31. TÉCNICO EM ANATOMOPATOLOGIA


PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES
I. Auxiliar e executar atividades padronizadas de laboratório - automatizadas ou técnicas clássicas - referentes aos exames
microscópicos e avaliação de amostras de tecidos e células, utilizados no diagnóstico de tumores e lesões.
II. Operar e zelar pelo bom funcionamento do aparato tecnológico de laboratório de saúde.
III. Participar e colaborar com as atividades de ensino, pesquisa e extensão, de acordo com as necessidades institucionais.
IV. Realizar demais atividades inerentes ao emprego.
PRÉ-REQUISITOS
Certificado, devidamente registrado de conclusão de curso de ensino médio, fornecido por instituição educacional,
reconhecida pelo Ministério da Educação; Certificado de conclusão de curso Técnico em Citopatologia, fornecido por
instituição educacional reconhecida pelo Ministério da Educação e/ou órgão competente e Registro Profissional no
Conselho Regional respectivo.

32. TÉCNICO EM FARMÁCIA


PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES
I. Coletar material, orientando e verificando o preparo do paciente para o exame.
II. Auxiliar o técnico no preparo de fórmulas, sob orientação e supervisão.
III. Recuperar material de trabalho, lavando, secando, separando e embalando.
IV. Trabalhar em conformidade a normas e procedimentos técnicos e de biossegurança.
V. Participar e colaborar com as atividades de ensino, pesquisa e extensão, de acordo com as necessidades institucionais.
VI. Realizar demais atividades inerentes ao emprego.
PRÉ-REQUISITOS
Certificado, devidamente registrado de conclusão de curso de ensino médio, fornecido por instituição educacional,
reconhecida pelo Ministério da Educação; Certificado de conclusão de curso Técnico em Farmácia, fornecido por
instituição educacional reconhecida pelo Ministério da Educação.

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 56


33. TÉCNICO EM IMOBILIZAÇÃO ORTOPÉDICA
PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES
I. Confeccionar os aparelhos gessados, talas gessadas e enfaixamentos.
II. Preparar e fazer trações cutâneas.
III. Auxiliar o médico ortopedista no momento de instalar as trações esqueléticas e durante os procedimentos.
IV. Preparar a sala para realizar pequenos procedimentos fora do centro cirúrgico.
V. Retirar as imobilizações ortopédicas.
VI. Participar e colaborar com as atividades de ensino, pesquisa e extensão, de acordo com as necessidades institucionais.
VII. Realizar demais atividades inerentes ao emprego.
PRÉ-REQUISITOS
Certificado, devidamente registrado de conclusão de curso de ensino médio, fornecido por instituição educacional,
reconhecida pelo Ministério da Educação; Certificado de conclusão de curso Técnico em Imobilização Ortopédica,
fornecido por instituição educacional reconhecida pelo Ministério da Educação e/ou órgão de classe e Registro
Profissional no Conselho Regional respectivo.

34. TÉCNICO EM RADIOLOGIA


PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES
I - Realizar exames convencionais (raio x);
II - Realizar exames contrastados (raio x);
III - Realizar exames em leitos de UTIs, neonatal e centro cirúrgico (raio x);
IV- Realizar exames Tomografia Computadorizada e Ressonância Magnética;
V - Realizar exames com arco cirúrgico;
VI - Processar imagens digitais;
VII - Realizar de registros e protocolos de atendimentos, conforme serviço;
VIII. Participar e colaborar com as atividades de ensino, pesquisa e extensão, de acordo com as necessidades
institucionais.
IX. Realizar demais atividades inerentes ao emprego.
PRÉ-REQUISITOS
Certificado, devidamente registrado de conclusão de curso de ensino médio, fornecido por instituição educacional,
reconhecida pelo Ministério da Educação; Certificado de conclusão de curso Técnico em Radiologia, fornecido por
instituição educacional reconhecida pelo Ministério da Educação e/ou órgão competente e Registro Profissional no
Conselho Regional de Técnico em Radiologia.

35. TÉCNICO EM SAÚDE BUCAL


PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES
I. Organizar e executar atividades de higiene bucal; auxiliar e instrumentar os profissionais nas intervenções
odontológicas.
II. Executar limpeza, assepsia, desinfecção e esterilização do instrumental, equipamentos odontológicos e do ambiente
de trabalho.
III. Aplicar medidas de biossegurança no armazenamento, transporte, manuseio e descarte de produtos e resíduos
odontológicos.
IV. Participar e colaborar com as atividades de ensino, pesquisa e extensão, de acordo com as necessidades institucionais.
V. Realizar demais atividades inerentes ao emprego.
PRÉ-REQUISITOS
Certificado, devidamente registrado de curso de ensino médio, fornecido por instituição educacional, reconhecida pelo
Ministério da Educação; Certificado de conclusão de curso Técnico em Saúde Bucal, fornecido por instituição educacional
reconhecida pelo Ministério da Educação e registro profissional no Conselho Regional de Odontologia.

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 57


36. TERAPEUTA OCUPACIONAL
PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES
I. Executar métodos e técnicas terapêuticas e recreacionais objetivando restaurar, desenvolver e conservar a capacidade
mental do paciente.
II. Realizar diagnósticos, intervenções e tratamentos de pacientes utilizando os devidos procedimentos de terapia
ocupacional.
III. Orientar pacientes, familiares, cuidadores e responsáveis.
IV. Desenvolver e organizar programas de prevenção, promoção de saúde e qualidade de vida.
V. Participar e colaborar com as atividades de ensino, pesquisa e extensão, de acordo com as necessidades institucionais.
VI. Realizar demais atividades inerentes ao emprego.
PRÉ-REQUISITOS
Diploma, devidamente registrado de curso de graduação em Terapia Ocupacional, fornecido por instituição de ensino
superior, reconhecida pelo Ministério da Educação e registro profissional no Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia
Ocupacional.

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 58


ANEXO III – MODELO DE DECLARAÇÃO DE QUE NÃO POSSUI CARTEIRA DE TRABALHO

Eu__________________________________________________________________,
RG____________________, CPF _____________________, declaro que não possuo Carteira de Trabalho e
Previdência Social – CTPS, pelo seguinte motivo:

( ) Nunca solicitei a emissão;

( ) Perdi/extraviei e registrei Boletim de Ocorrência;

( ) Perdi/extraviei e não registrei Boletim de Ocorrência; ou

( ) Outros: _____________________________________________________________________________

As informações prestadas são de minha inteira responsabilidade podendo responder legalmente no caso de
falsidade das informações prestadas, a qualquer momento, o que acarretará a eliminação do concurso, sem
prejuízo de outras sanções cabíveis.

____________________________ (cidade/UF), _____ (dia) de _________________ de 2021.

___________________________________________

ASSINATURA DO CANDIDATO

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 59


ANEXO IV – MODELO DE DECLARAÇÃO DE IDENTIFICAÇÃO DO NÚCLEO FAMILIAR

Eu,_________________________________________________________________,
RG_____________________, CPF ___________________________, declaro para os devidos fins que a(s)
pessoa(s) abaixo indicada(s) é(são) componente(s) do núcleo familiar a que integro, de acordo com o grau de
parentesco informado, sendo residente(s) no mesmo endereço, o qual é abaixo indicado e possui(em) a(s)
respectiva(s) remuneração(ões) mensal(is):

ENDEREÇO DO NÚCLEO FAMILIAR:


_______________________________________________________________________
CANDIDATO: _____________________________________________________
RENDA: _____________________
DEMAIS MEMBROS DO NÚCLEO FAMILIAR:

GRAU DE
NOME CPF (se possuir) IDADE RENDA*
PARENTESCO
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
*Informação dispensável somente para os familiares menores de 18 (dezoito) anos.

As informações prestadas são de minha inteira responsabilidade podendo responder legalmente no caso de
falsidade das informações prestadas, a qualquer momento, o que acarretará a eliminação do concurso, sem
prejuízo de outras sanções cabíveis.
____________________________ (cidade/UF), _____ (dia) de _________________ de 2021.

___________________________________________

ASSINATURA DO CANDIDATO

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 60


ANEXO V – MODELO DE DECLARAÇÃO DE HIPOSSUFICIÊNCIA DE RECURSOS FINANCEIROS

Eu, ___________________________________________________(nome do candidato), portador do RG nº


_____________________ e inscrito no CPF sob o nº ___________________________, inscrito sob o nº de
inscrição __________________ no Concurso Público da FUNSAÚDE, declaro, sob as penas da lei, para fins de
pedido de isenção do pagamento do valor da inscrição, ser membro de família de baixa renda, nos termos do
Decreto nº 6.135, de 26 de junho de 2007, e que, em função de minha condição financeira, não posso pagar
a taxa de inscrição.

Declaro estar ciente de que, de acordo com o inciso I do art. 4º do referido decreto, família é a unidade nuclear
composta por um ou mais indivíduos, eventualmente ampliada por outros indivíduos que contribuam para o
rendimento ou tenham suas despesas atendidas por aquela unidade familiar, todos moradores em um mesmo
domicílio, definido como o local que serve de moradia à família.

Declaro, ainda, saber que, de acordo com o inciso II do art. 4º do Decreto nº 6.135, de 2007, família de baixa
renda, sem prejuízo do disposto no inciso I, é aquela com renda familiar mensal per capita de até meio salário
mínimo; ou a que possua renda familiar mensal de até três salários mínimos.

Declaro, também, ter conhecimento de que a renda familiar mensal é a soma dos rendimentos brutos
auferidos por todos os membros da família, não sendo incluídos no cálculo aqueles percebidos dos programas
descritos no inciso VI do art. 4º do Decreto nº 6.135, de 2007.

Declaro saber que renda familiar per capita é obtida pela razão entre a renda familiar mensal e o total de
indivíduos na família.

Declaro, por fim, que, em função de minha condição financeira, não posso pagar a taxa de inscrição do
presente Concurso e estar ciente das penalidades por emitir declaração falsa previstas no parágrafo único do
art. 10 do Decreto no 83.936, de 6 de setembro de 1979.

Por ser verdade, firmo o presente para que surtam seus efeitos legais.

____________________________ (cidade/UF), _____ (dia) de _________________ de 2021.

___________________________________________
ASSINATURA DO CANDIDATO

As informações prestadas são de minha inteira responsabilidade podendo responder legalmente no caso de
falsidade das informações prestadas, a qualquer momento, o que acarretará a eliminação do concurso, sem
prejuízo de outras sanções cabíveis.

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 61


ANEXO VI – FORMULÁRIO DE AUTODECLARAÇÃO CANDIDATO NEGRO

Eu, _______________________________________________________________________ (nome do


candidato), portador do RG nº_____________________, inscrito no CPF sob o nº
________________________, declaro que sou preto ou pardo, conforme o quesito de cor ou raça utilizado
pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), para o fim específico de atender ao item 8 do Edital,
para o emprego/especialidade ____________________________________________.

Estou ciente de que, se for detectada a falsidade desta declaração, estarei sujeito às penalidades legais,
inclusive de eliminação deste Concurso, em qualquer fase, e de anulação de minha admissão (caso tenha sido
nomeado e/ou contratado) após procedimento administrativo regular, em que sejam assegurados o
contraditório e a ampla defesa.

_____________________ (cidade/UF), _____ (dia) de _________ (mês) de 2021.

____________________________________________

ASSINATURA DO CANDIDATO

As informações prestadas são de minha inteira responsabilidade, podendo eu responder legalmente no caso
de falsidade das referidas informações, a qualquer momento, o que acarretará a minha eliminação do
processo, sem prejuízo de outras sanções cabíveis.

FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ | CONCURSO PÚBLICO 62

Você também pode gostar