Você está na página 1de 49

CONSTITUIÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DOS

AÇOS
O Mundo do Aço
1. Produção mundial de Aços

Produção mundial de aço bruto por ano


Produção
(Milhões demundial de- aço
toneladas Mt) bruto por ano

Os outros produtos metálicos mais produzidos são:


• Ferros fundidos: 70 Mt
• Alumínio = 50 Mt
Mt = Milhões de toneladas
1. Produção mundial de Aços

Brasil:
Produção de Aço ≈ 33 Mt ;
Ferro Fundido ≈ 3 Mt;
Alumínio primário ≈ 1,5 Mt
2. Por que o aço é o material metálico
mais utilizado?

A) Baixo custo (comparado com metais não ferrosos e outros materiais)


B) Elevada resistência (250 a 3000 MPa); Alumínio comercial ≈ 50
MPa
C) Propriedades mecânicas: características de conformabilidade,
ductilidade e tenacidade
D) Flexibilidade: Permite alterar suas propriedades mecânicas através de
tratamentos térmicos obtendo-se desde durezas baixas até altas
E) Alteração de propriedades através da adição de elementos de liga
F) Soldabilidade
3. Como classificar os diversos
tipos de aços
• Não é possível classificar os aços apenas por um critério devido a grande
variabilidade de composição, processamentos e finalidades envolvidas
• Os aços são classificados conforme a necessidade, ênfase, ou especificação
por uma determinada indústria ou literatura em geral:

• Processo de desoxidação
• Método ou processo de fabricação
• Forma do produto
• Microestrutura AÇOS
• Tratamento térmico
• Composição química
• Aplicação
Tipos de Elementos/compostos que
constituem os aços
1. Elementos químicos sempre
presentes nos aços

• Os elementos químicos presentes


nos aços são verificados nas Usinas
siderúrgicas e outras empresas do
ramo metal-mecânico geralmente
por Espectrometria de emissão
Ótica
1. Elementos químicos sempre
presentes nos aços
1.1 Carbono

• Principal elemento químico presente


no aço.
• Está presente nos aços até 2,0%
(exceção alguns aços ferramentas
que podem apresentar um pouco
mais)
• É responsável por permitir um
aumento de sua dureza e
resistência pela formação de fases
mais duras (carbonetos) ou pelo
aumento da temperabilidade
facilitando a formação de
martensita
1. Elementos químicos sempre
presentes nos aços
1.1 Carbono

Sempre um aço com maior percentual de carbono é mais


resistente que um outro aço com menor percentual de
carbono?

• Nem sempre um aço com maior quantidade de carbono será mais resistente que
um aço com menos carbono, visto que outros fatores influenciam na resistência
tais como: tratamento térmico, grau de encruamento, tamanho de grão, presença
de elementos de liga

• Podemos comparar a resistência dos aços com diferentes carbono apenas


quando os processos de fabricação de ambos são essencialmente os mesmos
1. Elementos químicos sempre
presentes nos aços
1.1 Carbono

O aumento do teor de
carbono diminui a:
• Ductilidade
• Tenacidade
• Soldabilidade dos aços
1. Elementos químicos sempre
presentes nos aços
1.1 Carbono
Efeito na Soldabilidade dos aços:
• Quanto maior o teor de Carbono menor a
soldabilidade do aço, pois maior a tendência
de formação de martensita e em
consequência tensões internas são geradas na
região da solda tornando-a mais frágil e
suscetível a trincar.
• Como a temperabilidade depende também
dos elementos de liga foi calculada uma
fórmula prática do carbono equivalente (CE)
para prever a soldabilidade.
1. Elementos químicos sempre
presentes nos aços
1.1 Carbono

Efeito na Soldabilidade dos aços:

• Conforme o valor calculado do CE deverá ser realizado um preaquecimento das


peças a serem soldadas em determinada temperatura:
• Fórmula prática para calcular a temperatura de preaquecimento quando CE >
0,40% : T (ºC) = 380 x √CE – 0,25
1. Elementos químicos sempre
presentes nos aços
1.2 Manganês (Mn)

De modo geral o Manganês é benéfico ao aço:


• Aumenta a resistência, e temperabilidade do aço.
• Diminui a temperatura de transição dúctil-frágil em aços
de baixo Carbono
• Forma inclusões de MnS impedindo a formação de FeS
que provoca fragilidade a quente no aço.
• Em percentuais elevados (acima de 1,60%
aproximadamente é também considerado um elemento de
liga)
1. Elementos químicos sempre
presentes nos aços
1.3 Silício (Si) :

O Silício de modo geral apresenta benefícios moderados aos aços:


• Aumenta a resistência e a dureza do aço de forma moderada
(inferior ao Mn)
• Aumenta a temperabilidade de forma moderada
• Reduz a perda de dureza durante revenimento em
percentuais mais elevados que o normal.
• O percentual de Silício normalmente não é especificado pois
depende do processo de fabricação.
• Sua presença normalmente fica entre 0,05% até 0,60%
• É considerado elemento de liga quando em proporções mais
elevadas (superior a 0,60 %)
1. Elementos químicos sempre
presentes nos aços
1.4 Enxofre (S)
Normalmente o enxofre é considerado nocivo ao aço, razão pelo qual
é especificado com valores inferiores a 0,04% mesmo em aços comuns:
• Causa fragilidade a quente (torna o
aço quebradiço quando conformado
em alta temperatura), Aço SAE 8219
• Diminui a ductilidade, e a resistência
ao impacto
• Diminui a resistência à fadiga.
Apresenta o efeito positivo de aumentar
a usinabilidade (presença de MnS
auxiliar na quebra do cavaco), sendo
aplicado para aços onde este requisito
é o mais importante. Neste caso é
especificado entre 0,08 – 0,13%
1. Elementos químicos sempre
presentes nos aços
1.5 Fósforo (P)
Normalmente o fósforo é considerado nocivo ao aço, razão pelo qual é
especificado com valores inferiores a 0,04% mesmo em aços comuns:
• Diminui a ductilidade e a
tenacidade e a resistência à fadiga
razão pela qual normalmente sua Aço SAE 4320
presença é limitada em 0,04%
Apesenta o efeito positivo de
aumentar a usinabilidade (evita
cavacos longos que ficam presos e
melhora o acabamento superficial) do
aço, razão pelo qual é aplicado
quando este requisito (aços de corte
fácil). Neste caso o seu teor fica entre:
0,04 e 0,12%
2. Elementos de liga
Os elementos de liga são adicionados com objetivo de melhorar algumas
propriedades como:
• profundidade de endurecimento (temperabilidade),
• Resistência/dureza,
• resistência ao impacto,
• resistência à corrosão,
• Refinar o grão, etc.
• São especificados com um valor mínimo e um valor máximo.
• Os elementos de liga mais comuns nos aços são: Cr, Ni, Mo, eventualmente Al e V.
• Outros elementos podem ser adicionados mas geralmente em aços mais especiais
como para ferramentas
2. Elementos de liga

Cromo:
• Aumenta a temperabilidade do aço
• Aumenta a resistência/dureza em alta temperatura
• Aumenta a resistência à corrosão, mas seu efeito neste caso é
realmente grande quando acima de 10,5% torna o aço insensível a
corrosão atmosférica (aços inoxidáveis)
• Forma carbonetos que são duros e por isto melhora a resistência
ao desgaste e abrasão

Níquel:
• Aumenta a temperabilidade do aço
• Aumenta a tenacidade,
• Aumenta a resistência em alta temperatura.
• Não forma carbonetos
Obs. Os carbonetos exercem um papel importante no sentido que aumentam a resistência
ao desgaste e a resistência em alta temperatura. Efeitos mais pronunciados em aços
ferramentas
2. Elementos de liga

Molibdênio:
• Aumenta a temperabilidade do aço.
• Forma carbonetos e por isto melhora a resistência ao desgaste e
abrasão.
• Aumenta a resistência em alta temperatura

Vanádio:
• Aumenta a temperabilidade do aço
• Evita o crescimento do grão em altas temperaturas pela formação
de Nitreto de Vanádio (VN)
• Forma carbonetos melhorando a resistência ao desgaste

Alumínio:
• Evita o crescimento do grão nas temperaturas do tratamento
térmico pela formação de AlN (Nitreto de Alumínio)
• Excesso de alumínio pode provocar trincas na laminação.
• Não forma carbonetos; fraco efeito na temperabilidade
3. Elementos residuais

• São elementos presentes no aço de forma não intencional os quais aparecem


devido ao processo de fabricação, em geral, a partir de sucata (reciclagem).
• São especificados apenas com um valor máximo, pois não seriam benéficos
para determinadas aplicações. Sua presença é devido ao processo de
fabricação do aço principalmente quando este é proveniente de sucata.
• Exemplo: Cu, Sn, e o próprio Cr e Ni entre outros podem ser elementos residuais
quando sua presença não é requerida
3. Elementos residuais

Cobre (Cu) :
• Geralmente é considerado como impureza (elemento residual)
pois promove fragilidade a quente. Limitado a 0,25%.
• Adicionado intencionalmente ao aço para melhorar a corrosão
atmosférica: 0,25-0,50%

Estanho (Sn):
• De modo geral é uma impureza aparecendo no aço como
elemento residual. Limitado a aproximadamente 0,03%
• Causa fragilidade a quente (LME = liquid metal embrittlement =
fragilidade devido a presença de metal de baixo ponto de fusão)

Fragilidade a quente:
• Redução da capacidade do aço se deformar a quente como numa laminação
ou forjamento podendo resultar em trincas superficiais.
4. Outros compostos presentes nos
aços – Inclusões não metálicas
• As inclusões não metálicas são compostos químicos que se formam durante o
processo de fabricação e sempre estão presentes nos aços
• Não fazem parte da descrição da composição química dos aços, mas são
especificadas em função dos seus efeitos negativos como redução da
ductilidade, tenacidade e resistência à fadiga

Falha por fadiga em placa de


fixação do fêmur de aço
inoxidável 316 L com apenas
16 dias de serviço. A origem
da trinca foi a presença de
inclusões de sílica/alumina
que se propagaram pela
intensificação da tensão na
borda do furo do parafuso e
ambiente agressivo com pH
próximo a 4.
4. Outros compostos presentes nos
aços – Inclusões não metálicas
4.1 Controle das Inclusões não metálicas:
• Devido ao efeito negativo das inclusões não metálicas, estas são especificadas
em aplicações especiais como em peças que necessitem uma melhor tenacidade e
resistência à fadiga como componentes de segurança de automóveis, etc.
• O controle do tipo e quantidade de inclusões não metálicas são verificadas
através de metalografia e não através da composição química como os
elementos químicos presentes nos aços

4.2 Sulfeto de Manganês: Inclusões de MnS


• Devido a dificuldade na remoção do
enxofre e seu efeito negativo no aço, o
mesmo deverá estar presente ligado ao
Manganês e não ao Ferro, aparecendo na
forma de inclusões de Sulfeto de Manganês
(MnS).
4. Outros compostos presentes nos
aços – Inclusões não metálicas
4.3 Inlcusões tipo Óxidos (de alumínio, e de silício)

• Sua origem é na parte de refino do


aço para a retirada do oxigênio na
qual são adicionados por possuírem
maior afinidade pelo Oxigênio do que
o Ferro como o Al, e o Si .

• Os óxidos são concentradores de


tensão fragilizando o aço

Inclusões de Al2O3
Classificação dos aços com relação aos
tipos de elementos químicos presentes

Com relação aos tipos de elementos químicos presentes, os aços


são classificados em:
• Aços Carbono
• Aços de Baixa Liga
• Aços de Alta Liga

Obs. Os Aços microligados por apresentarem particularidades


especiais não integram, em geral, a classificação destacada
acima
1. Aços Carbono

1.1 Características
Não apresentam Elementos de liga

• Presença dos elementos C , P, S, Mn, Si, em níveis normais.


• Não apresentam elementos de liga (elementos adicionados
intencionalmente)
• Pode apresentar outros elementos em nível residual (elementos residuais)
provenientes do processo de fabricação do aço, principalmente quando este é
proveniente de sucata.
• São os mais utilizados
• Apresentam limitações quanto à profundidade de têmpera
(temperabilidade),
1. Aços Carbono
1.2 Desingação dos Aços Carbono conforme normas
SAE/AISI/ABNT
Séries:
• 10XX Aços carbono comuns (Mn até 1,0%)
• 11XX Aços ressulfurados (S entre 0,08 e 0,13%)
• 12XX Aços ressulfurados e refosforados (P entre 0,04
e 0,12%; S de 0,10 a 0,35%)
• 15XX aços Manganês (Mn entre 1,00 e 1,65% Mn aumenta
a temperabilidade)

XX = Valor do % de Carbono multiplicado por 100.


(Ex. SAE 1010, 1045, 1070)
1. Aços Carbono
1.3 Particularidades

Presença de Chumbo:
• O Chumbo pode estar presente em Aços
Carbono e nesta condição não é
considerado um elemento de liga.
• Quando está presente (geralmente 0,15-
0,35%) é identificado pela letra L (lead =
chumbo) inserida entre o número 10L45 ; 12L14)
característico da série e o percentual de
carbono
• O chumbo melhora a usinabilidade
atuando como lubrificante e melhorando o
acabamento.
2. Aços de Baixa Liga
2.1 Características: Σ Elementos de liga < 6%

• Os aços de baixa liga apresentam, além dos elementos químicos sempre


presentes (C, Mn. Si, P, S) elementos de liga cuja soma total é inferior a 6%
(alguns autores apresentam esse valor em até 5%)
• Assim como os aços carbono , os aços de baixa liga podem também apresentar
elementos residuais.
• Os elementos de liga mais comuns são: Cr. Mo, e Ni. Os elementos Mn e Si
podem, também, ser considerados como elementos de liga quando presentes
acima de seus percentuais normais
2. Aços de Baixa Liga
2.1 Características: Σ Elementos de liga < 6%

Os aços de baixa liga apresentam aplicações, em geral, quando se


deseja uma maior temperabilidade do aço em relação aos aços
carbono possibilitando a produção de peças com maior
profundidade de têmpera, geração de menores tensões residuais na
têmpera, e menor tamanho de grão
• De forma prática estas vantagens significam:
• Aumento do limite de escoamento (LE) , limite de resistência
(LRT) e dureza pelo fato do endurecimento ser mais profundo
• Aumento da tenacidade (Ni; Mn )
• Aumento da resistência à fadiga
• Aumento da resistência à fluência (retém a resistência em
temperaturas mais elevadas)
• Aumento da resistência ao desgaste (formação de
carbonetos de alta dureza)
2. Aços de Baixa Liga

1.2 Desingação dos Aços Carbono conforme normas


SAE/AISI/ABNT

Os dois primeiros
dígitos
correspondem a
determinados
elementos de liga
presentes em
determinadas
quantidades
2. Aços de Baixa Liga
1.2 Desingação dos Aços Carbono conforme normas
SAE/AISI/ABNT

Os dois primeiros
dígitos
correspondem a
determinados
elementos de liga
presentes em
determinadas
quantidades
colocadas com seus
valores médios
2. Aços de Baixa Liga

2.3 Particularidades – Situações especiais

Presença de Boro:
• Quando há presença de Boro é inserido a
letra B após a indicação dos dois dígitos 10B22, 50B20; 51B60;
característicos da série: XXBXX .
• A adição de B é de 0,0005-0,003% ) e
seu efeito é de aumentar a
temperabilidade do aço mesmo com
adições mínimas
• Se o Boro estiver acima de 30 ppm irá
reduzir a temperabilidade e a tenacidade
• Observar que aços Carbono também
podem apresentar adição de Boro, sem
perder sua condição de Aço Carbono
2. Aços de Baixa Liga

2.3 Particularidades – Situações especiais

Banda H
• Os aços podem apresentar o sufixo H, indicando que o aço
apresente valores de temperabilidade garantidos: XXXXH
– "H" (hardenability). Exemplo SAE 4140 H; SAE 1045 H
• Esta situação ocorre quando há necessidade de um estreito
controle da capacidade de endurecimento do material.
• A utilização do sufixo poderá ser importante em processos
como cementação, têmpera por indução e têmpera quando
se necessita de uma maior uniformidade na profundidade
de endurecimento.
• Observar que os aços Carbono também podem apresentar
o sufixo H.
2. Aços de Baixa Liga

2.3 Particularidades – Situações especiais


Banda H:
• A presença do sufixo H
indica uma profundidade de
têmpera mais homogênea
de peça para peça
permitindo uma maior
uniformidade de
propriedades mesmo entre
diferentes lotes.
• Aços com sufixo H
geralmente são mais caros
que seus homônimos (sem
presença de H como sufixo).
3. Aços de Alta Liga
3.1 Caaracterísticas Σ Elementos de liga > 6%

• Os aços de alta liga são utilizados em aplicações especiais por possuirem


características que diferenciam de modo significativo em relação aos aços mais
comuns (carbono ou baixla liga)
• Além dos elementos sempre presentes (C, P, S, Mn, e Si), estes aços apresentam
elementos de liga em grande quantidade (superior a 6% - alguns autores
apresentam esse valor limite como 5%).
• Dentro deste grupo estão os seguintes tipos de aços, os quais possuem designações
específicas não seguindo a regra tradicional da norma |SAE/AISI/ABNT
• Todos os Aços inoxidáveis: apresentam Cr superior a 10,5 %
• Alguns aços ferramentas: H13 (4,75-5,50 % Cr; 0,80-1,20 % Si; 1,10-
1,75% Mo; 0,80-1,20%V
4. Aços Microligados
4.1 Características:
• Os aços Microligados, também conhecidos pela sigla ARBL (Alta
resisistência baixa liga) contém elementos de liga especiais que
em proporções muito pequenas (da ordem de 0,15 % ou
menos) são capazes de conferir uma melhoria significativa
nas propriedades mecânicas dos aços.
• Para estes aços o foco principal é a resistência, de modo
que não são classificados pela sua composição química
• Principais elementos microligantes: Nb, Ti e V os quais
são fortes formadores de nitretos e/ou carbonetos , tendo
ainda adições de Mn ≈ 1,5 %.
• Geralmente o carbono é baixo ou médio

Elementos de liga (Nb e/ou V e/ou Ti ) < 0,15%


5. Classificação quanto ao percentual
de Carbono
• Os aços Carbono e de baixa liga são classificados muitas vezes
pelo intervalo de presença de carbono o que dá um indicativo de
sua aplicação em: Aços de baixo carbono, médio ou alto Carobno

5.1 Aços de Baixo Carbono: Carbono < 0,25%


• São os aços mais comuns,
• Podem ser facilmente dobrados, conformados, usinados, e soldados.
• Possuem baixa dureza e melhor soldabilidade.
• Não podem ser usados para aplicações onde se necessita de alta resistência.
• Dificilmente são endurecíveis por tratamento térmico, mas são endurecíveis por
encruamento (deformação plástica) ou por refino de grão.
• Aplicações típicas: aços estruturais (perfis usados na construção civil,
vergalhões), rebites, pregos, tubos, aços para estampagem (carbono inferior
a 0,12 %C em geral), aços para cementação.
5. Classificação quanto ao percentual
de Carbono
5.2 Aços de Médio Carbono: 0,25-0,60 %C

• Permitem uma boa combinação de


resistência com ductilidade e
tenacidade quando temperados e
revenidos ou austemperados.
• Podem também ser endurecidos também
por trabalho a frio.
• Com o aumento do carbono diminui a
conformabilidade e a soldabilidade
• Principais aplicações: Engrenagens,
virabrequins, bielas, eixos, fusos, peças
de máquinas, parafusos, chaves de
fenda, molas de médio carbono, trilhos,
alguns aços estruturais, etc.
5. Classificação quanto ao percentual
de Carbono
5.3 Aços de Alto Carbono: 0,60 -1,00 %C

• Aços carbono ou de baixa liga raramente


apresentam carbono superior a 1,0%
diferentemente dos aços ferramentas que podem
apresentar até 2,0% ou mais de carbono;
• São aplicados na condição temperado e
revenido onde se necessita alta dureza e
resistência ao desgaste.
• Apresentam baixa ductilidade, tenacidade e
soldabilidade
• Principais aplicações: molas, indústria agrícola:
arado, lâminas de raspagem, discos,
cortadores, facas, grades de dentes, etc.
arames , eixos, formões, serras, limas, trilhos
etc.
6. Classificação dos aços
conforme norma DIN
6.1 Aços Carbono:
• Conforme norma DIN os Aços
Máximo (%) Máximo (%)
comuns são os que não
apresentam nenhum elemento Mn 1,0 Cr 0,30
químico com valores acima dos P 0,045 Ni 0,30
estabelecidos na Tabela ao lado:
S 0,045 Mo 0,08
• Os aços são designados pela letra
Si 0,60 Al 0,30
“C” seguida de um número que
corresponde ao percentual de Pb 0,40 Cu 0,40
carbono multiplicado por 100 Nb 0,06 V 0,10
• Exemplo: C 30 = Aço carbono não
ligado com 0,30% C em média

Obs. Nomenclaturas como Ck 15 (Ck ou Cq signfica que o aço possui menos


impurezas (menor teor de P e S) com 0,15 % C
6. Classificação dos aços
conforme norma DIN
6.2 Aços de Baixa liga: Máximo (%) Máximo (%)
• Os aços de baixa liga são os que Mn 1,0 Cr 0,30
apresentam algum elemento com P 0,045 Ni 0,30
S 0,045 Mo 0,08
percentual superior ao da tabela
Si 0,60 Al 0,30
ao lado, mas sem ultrapassar o
Pb 0,10 Cu 0,40
valor de 5% individualmente.
Nb 0,06 V 0,10

• Os aços são designados com a


Elemento Fator
seguinte codificação: YY Ab Z Cr, Co, Mn, Ni, Si, W 4
YY = Percentual de carbono Al, Be, Cu, Mo, Nb, Pb, Ta, Ti, V, Zr 10
multiplicado por 100 C, Ce, N, P, S 100
Ab = Elemento de liga presente B 1000
Z = Percentual do elemento de
liga multiplicado por um fator Exemplo: 100Cr6
conforme tabela abaixo • Carbono = 100/100 = 1%
• Cromo = 6/4 = 1,5%
6. Classificação dos aços
conforme norma DIN
6.2 Aços de Baixa liga:
• Quando mais de um elemento de liga estiver presente é adotado o seguinte
critério:
Os elementos de liga são colocados em ordem decrescente de quantidade,
sendo que pode haver um algarismo adicional indicando o percentual do
segundo elemento ou não:
Exemplo: 25CrMo4
• Carbono = 25/100 = 0,25%
• Cromo = 4/4 = 1,0 %
• Presença de Mo em percentual inferior ao de Cromo
Elemento Fator
Exemplo: 10CrMo9-10
Cr, Co, Mn, Ni, Si, W 4
• Carbono = 10/100 = 0,1% Al, Be, Cu, Mo, Nb, Pb, Ta, Ti, V, Zr 10
• Cromo = 9/4 = 2,25% C, Ce, N, P, S 100
• Molibdênio = 10/10 = 0,1% B 1000
6. Classificação dos aços
conforme norma DIN
6.3 Aços de Alta Liga

• Os aços de alta liga na norma DIN, são caracterizados pelo prefixo “X” antes
dos algarismos e letras características dos elementos químicos presentes
• Com a presença de letra “X” os fatores usados para os elementos químicos não
são considerados, sendo sua quantidade dada em valores reais, a exceção do
carbono que mantém o fator multiplicativo 100

Exemplos:
X10CrNi18-8 (aço de alta liga com 0,10%C, 18% Cr e 8% Ni)
X5CrNiMo17-12-2 (aço de alta liga com 0,05% C; 17% Cr, 12% Ni e 2% Mo)
6. Classificação dos aços
conforme norma DIN
6.4 Werkstoff Number (Número de material):
• Todos os aços da norma DIN assim como outros metais possuem um Número de
material correspondente que algumas vezes aparecem como especificação
presente em desenhos.
• A origem desta classificação foi com objetivo de tornar mais prático seu uso no
processamento de dados.
• O Número de material é caracterizado por cinco dígitos, sendo separados por
um ponto após o primeiro dígito.
• Exemplos:
• 1.7225 (o dígito 1 significa aço, e os demais o tipo de aço dentro de um
determinado grupo). O aço 1.7225 corresponde ao aço DIN 42CrMo4
similar ao SAE 4140
• 1.7218 corresponde ao aço 25CrMo4
• 1.0503 corresponde ao aço C45
6. Classificação dos aços
conforme norma DIN
6.5 Outras designações:

• Quando o fator mais importante é a resistência o aço


ele pode ser designado apenas pelo valor de sua
resistência a tração mínima em kgf/mm2 antecedido pelas
letras St (de Stahl que significa aço na língua alemã)

• Estes tipos de aço são em geral aços estruturais, chapas


ou tubos
Exemplo: St 52 (Aço com LRT mínimo de 52 kgf/mm2)
7. Equivalência de aços entre normas

• Nem sempre é simples verificar a


correspondência de um aço classificado
por uma norma em relação a outra.

• Uma opção existente são livros


especializados os quais apresentam a
composição química aplicada pelas
normas de vários países e sua
equivalência quando aplicável
7. Equivalência de aços entre normas