Você está na página 1de 9

NOVAS TECNOLOGIAS

O ciberespaço
como um passo
metaevolutivo Introdução

RESUMO A BIOSFERA É HOJE, como o será no futuro,


Neste artigo o autor defende a idéia de que está ocorrendo cada vez mais uma tecnobiosfera. A maior
uma evolução cultural da humanidade, paralela à evolução parte da superfície terrestre está modifica-
biológica, e que a etapa mais recente dessa evolução cultu- da pela agricultura, pela criação de gado e
ral/biológica se manifesta no recente desenvolvimento do pela urbanização. Os ecossistemas marítmo
ciberespaço, que também será a base de futuras evoluções. e terrestre suportam o peso cada vez maior
da intervenção humana. As atividades do
ABSTRACT homem já afetaram de maneira sensível a
The point of view of the author is that the humanity is atmosfera, sua composição e sua tempera-
undergoing a cultural evolution, parallel to their biological tura com repercussões em todas as formas
evolution, and that the mixed evolutionary process they de vida imagináveis. Com as biotecnologi-
constitute is manifest nowadays in the development of the as, rapidamente criamos novas espécies de
cyberspace which is also the basis for future evolutions. plantas e animais, mas também criamos no-
vos ecossistemas sobre os quais temos me-
PALAVRAS-CHAVE (KEY WORDS) nor controle.
- Metaevolução (Metaevolution) Se consideramos a sociedade humana
- Cibercultura (Cyberculture) como sendo parte da própria vida, então
- Novas tecnologias (New technologies) estas novas situações representam uma
aceleração da evolução global da biosfera
sob o efeito de seu rebento mais virtual e
poderoso: a linguagem (e das técnicas que
acompanham sua expansão).
A raça humana está se tornando um
superorganismo a construir sua unidade
através do ciberespaço. E porque este su-
perorganismo está se tornando o principal
agente de transformação e manutenção da
biosfera, o ciberespaço cresce, por exten-
são, como se fosse o sistema nervoso dessa
biosfera. Se pudermos testemunhar a evo-
lução – orgânica, sensitiva e lingüística –
como um só movimento, se entendermos a
profunda unidade e interdependência da
evolução cultural com a biológica, podere-
mos então descobrir que o ciberespaço está
no ápice desta evolução unificada.
A idéia que estou introduzindo neste
artigo é muito simples e pode ser formula-
da em três proposições.
Pierre Lévy Primeira proposição: existe uma evolu-
University of Québec at Trois-Rivieres ção cultural.
Dept. of social communications Segunda proposição: a evolução cultural

Revista FAMECOS • Porto Alegre • nº 13 • dezembro 2000 • semestral 59


é uma continuação da evolução biológica. so na emergência de sistemas nervosos e
Terceira proposição: o desenvolvimento cérebros maiores, no aparecimento da cul-
do ciberespaço é o passo mais recente da tura humana, na invenção da escrita, do al-
evolução cultural/biológica e é a base de fabeto, da imprensa e dos computadores.
futuras evoluções. Com isso não quero dizer que existe um
Qual é o papel da inteligência coleti- Deus todo-poderoso planejando a evolu-
va nesse referencial teórico? Eu gostaria de ção e que tudo já foi escrito em Sua mente.
dizer que cada passo, cada camada do con- Apenas observo que existe um movimento
tinuum evolutivo, traz um melhoramento e em direção à complexidade. Naturalmente,
um novo domínio para a inteligência cole- esta direção diz respeito apenas a certos ra-
tiva. Sei que essas idéias são bastante con- mos da evolução (não necessariamente o
troversas e por isso não espero que concor- das bactérias ou dos vermes), e este pro-
dem imediatamente com elas. Eu apenas gresso é o resultado de um antigo e bem
quero dar a todos oportunidade para refle- conhecido processo Darwiniano: auto-re-
tirem sobre meu ponto de vista, esperando produção, mutação e seleção. De fato, o
que esta experiência ajude cada um a cons- progresso se caracteriza precisamente pela
truir o seu próprio. emergência de poderosos novos mecanis-
Para um entendimento correto das mos reprodutivos. Novas mídias, se pode-
três proposições acima, devo primeiro dar ria dizer.
algumas definições, especialmente acerca
da natureza da vida. No meu entender, a
vida é um processo evolutivo. Mais preci- A hierarquia de “códigos” digitais e
samente, entendo a vida como um processo de mundos análogos de formas
de criação, reprodução e seleção de formas.
Quando há reprodução criativa, há vida. Eu gostaria primeiramente de descrever
Aqui, devo enfatizar a palavra “formas”. um processo geral de crescimento que co-
Claro, a vida é uma reprodução de formas meça com o primeiro código digital, o
orgânicas. Mas existem outras espécies de for- DNA, e que termina, provisoriamente, com
mas que também podem se reproduzir: for- o código digital dos computadores. Chamo
mas de percepção, emoção, formas de ex- de “digital” aquele código que tem duas
periência, formas de ação e até mesmo for- propriedades. Primeiro, aquele que é base-
mas lingüísticas, tecnológicas e sociais. ado na combinação de alguns símbolos ou
Porque, como filósofo, levo a sério a defini- elementos discretos. Segundo, aquele que
ção abstrata que acabei de enunciar, devo não apresenta uma relação análoga óbvia
então tirar a conclusão que a vida não ter- entre o código e aquilo que é suposto des-
mina no nível orgânico. Uma vez que ainda crever. Um código digital é “convencio-
há reprodução de formas em níveis posteri- nal”.
ores, a vida deve continuar em níveis mais
altos (ou mais virtuais) da experiência per-
ceptiva e da cultura. 1) O DNA e as formas orgânicas
Nessa exposição, tentarei mostrar que
existe uma direção no processo evolutivo – O DNA controla a primeira camada
ou seja, como veremos, no processo meta- do processo evolutivo, a camada das for-
evolutivo – e que esta direção é um pro- mas orgânicas e os processos circulares
gresso em direção à digitalização, à virtua- moleculares. O DNA é um código digital
lização e à inteligência coletiva. porque é baseado na combinação de quatro
Naturalmente, sei que a palavra “pro- ácidos nuclêicos e porque esta combinação
gresso” é tabu na comunidade acadêmica. não tem similaridade com as proteínas, que
Não obstante, vejo uma espécie de progres- se supõe comandarem a construção. Não se

60 Revista FAMECOS • Porto Alegre • nº 13 • dezembro 2000 • semestral


pode ter reprodução – e portanto vida – duais. As formas se reproduzem na experi-
sem o DNA. Como sabemos, a hélice dupla ência, na mente. A comunicação ocorre en-
do DNA é uma parte essencial do mecanis- tre animais e sociedades de animais se tor-
mo que controla a construção das proteínas nam mais e mais complexas.
que compõem as células vivas. O DNA in-
clui um mecanismo de auto-reprodução
que pode ser considerado como sendo a 3) Linguagem e cultura
primeira máquina fotocopiadora e que sus-
tenta a memória e a continuidade da vida. A complicação do mundo virtual da
Graças ao DNA as formas se reproduzem. experiência dá lugar ao terceiro grande có-
Mas, afortunadamente, esta fotocopiadora digo digital: a linguagem humana, que é
comete erros constantemente e que são a baseada numa combinação de fonemas que
base estocástica da biodiversificação explo- não guardam analogia direta com a referên-
siva das formas vivas. cia ou o sentido das expressões lingüísti-
Nessa fase, a inteligência coletiva, ou cas.
o aprendizado, ocorre ao nível da escala Nesse estágio, uma nova espécie de
geológica das espécies, dos ecossistemas e formas começa a emergir, formas de senti-
do processo evolutivo global. do complexo e tipos de signos que não
existiam previamente no mundo animal.
Não apenas narrativas, mitos, rituais, expli-
2) Os sistemas nervosos e formas de expe- cações, justificações, questões, mas também
riência música, dança, imagens, máscaras, deuses,
vestimenta, gastronomia, astronomia... E
Entre a grande diversidade dos orga- essas formas são criadas, reproduzidas e
nismos criados pela primeira camada evo- selecionadas pela evolução cultural. Somos
lutiva, alguns desenvolveram um sistema uma sociedade de primatas que constituem
nervoso. O sistema nervoso é a base do se- um ambiente adequado para a reprodução,
gundo grande código digital: o sistema dos evolução e diferenciação de formas cultu-
impulsos elétricos e dos mensageiros mo- rais. Essas formas estão sujeitas a uma inte-
leculares que permite a comunicação entre ressante restrição evolutiva: elas devem en-
os neurônios, que constitui a inteligência corajar ou promover as sociedades que as
coletiva dos neurônios. Novamente, este suportam. Formas culturais que conduzem
código não apresenta analogia com o que é à destruição das sociedades nas quais vi-
suposto representar: cheiros, sons, imagens vem não podem sobreviver. Sociedades
visuais, emoções e tudo o mais é expresso humanas e suas culturas (que são uma es-
com os mesmos impulsos elétricos e os pécie de ecossistemas de signos) estão,
mesmos neurotransmissores. Esse sistema portanto, numa relação simbiótica.
digital é a matriz do “mundo” experiencia- A emergência da raça humana é mar-
do por seres sensíveis. É como o mundo cada pelo nascimento da linguagem e, por-
virtual, por um lado, com seus cheiros, tanto, pelo início de uma nova forma de
sons, cores, formas... e a máquina digital evolução: evolução cultural. A linguagem,
que o computa, por outro lado. junto com a técnica e a religião (ou institui-
Ao nível dessa camada temos não ções sociais complexas), é o suporte para
apenas formas orgânicas, padrões de pro- uma espécie de inteligência coletiva desco-
cessos moleculares, mas um campo com- nhecida no reino animal antes do homem.
pletamente novo de formas: formas de per- Potencializado pela linguagem, a inteligên-
cepção e ação vivendo na experiência sub- cia humana coletiva levanta questões, re-
jetiva. Aqui o aprendizado e a memória se lembra o passado, procura antecipar o fu-
desenvolvem à escala dos animais indivi- turo, escrutiniza o invisível, cria sentidos e

Revista FAMECOS • Porto Alegre • nº 13 • dezembro 2000 • semestral 61


registra novas invenções e estórias para as de formas, onde a evolução é mais rápida
gerações que virão. O termo “coletivo” não que na primeira. A cultura representa uma
se aplica apenas para a ligação entre men- terceira esfera evolutiva, ainda mais rápida
tes reais que se comunicam pela fala, mas e mais diversa que as duas anteriores. De-
também à comunicação entre mentes mor- vemos reconhecer que a evolução cultural
tas, vivas e aquelas (virtuais) que virão. está acelerando cada vez mais direta e deli-
Aqui, o aprendizado se encontra na escala beradamente a evolução cultural e percep-
da humanidade e este aprendizado se fun- tual:
de com a evolução cultural. – A evolução orgânica que cria novas
forma por seleção artificial, pela agricultu-
ra, pela engenharia genética.
4) Aperfeiçoamento dos mecanismos re- – A evolução perceptual por instru-
produtivos das formas culturais: a es- mentos de comunicação, por ferramentas
crita, o alfabeto, a imprensa e o cibe- que expandem a visão e a audição, pelas
respaço. drogas, etc. Todas essas ferramentas explo-
ram novas formas de percepção mais rapi-
A evolução dos talentos reprodutivos damente que nunca.
das formas lingüísticas e culturais é uma
evolução de segunda ordem. Ao meu ver, a O alfabeto representa um extraordiná-
compreensão dessa evolução de segunda rio aperfeiçoamento da escrita. Mais sim-
ordem é a chave para o entendimento da ples, uma vez que é baseado na combina-
evolução cultural em geral. Com a inven- ção de menos de trinta sinais, é também
ção da escrita, as formas lingüísticas têm mais universal. Todos os alfabetos são de-
agora uma memória independente de qual- rivados do protossinático (1220 a. C.) e,
quer organismo vivo. Naturalmente, elas portanto, na verdade, só há um alfabeto. O
necessitam de um ser humano que as ative, alfabeto é o primeiro sistema universal de
mas podem sobreviver num estado virtual comunicação e vale notar que os grandes
puro durante séculos. melhoramentos subseqüentes na reprodu-
A partir da invenção da escrita pode- ção de signos são baseados nele. A impren-
mos reconhecer uma multiplicação extraor- sa pode ser considerada como a auto-re-
dinária de “gêneros” lingüísticos (ciências, produção do alfabeto e das imagens (pen-
história, poesia, teatro, novelas e assim por semos nas gravuras nos primeiros livros
diante), e o mesmo acontecendo em termos impressos).
icônico, musical, ritualístico... Um gênero Finalmente, o telégrafo, a fotografia, a
pode ser comparado a uma espécie da vida gravação musical, o telefone, o cinema, o
cultural (digamos, as canções, as novelas, rádio, a televisão e os computadores isola-
os filmes, os videogames), enquanto uma no- dos podem ser considerados como os co-
vela, ou filme, ou videogame específico é meços dispersos do processo embriônico
como um indivíduo da vida cultural. Com de criação do ciberespaço. Quando entra-
a melhoria dos mecanismos de reprodução mos no ciberespaço, todas as formas semió-
que começam com a invenção da escrita, ticas se tornam onipresentes. Se elas estão
essas formas individuais culturais podem em algum lugar, elas estão em todos os lu-
se reproduzir mais facilmente; e o número gares. Adicionalmente, agora, a escrita tem
de suas espécies, e portanto a diversidade não só uma memória independente, um
de formas, está em constante crescimento. sistema autônomo de reprodução e onipre-
A evolução dos organismos é a pri- sença virtual, mas também uma capacidade
meira esfera onde as formas ampliam seu autônoma de ação. O que é o software? É
campo. Então, uma evolução da experiên- uma peça de escrita que pode agir por si
cia subjetiva constitui uma segunda esfera só, interagir com outros softwares, criar ou-

62 Revista FAMECOS • Porto Alegre • nº 13 • dezembro 2000 • semestral


tras combinações de signos, acionar uma rituais. É o começo da organização sistemá-
máquina, ativar um robô, e se reproduzir tica e da classificação do conhecimento na
de maneira ainda mais autônoma que a pa- medicina, na astrologia, na matemática e
lavra impressa. Podemos considerar a evo- assim por diante. A escrita envolve uma
lução cultural como sendo a melhoria pro- nova espécie de espaço: o território se es-
gressiva das propriedades vivas, reprodu- tende sobre o espaço aberto nomádico, com
tivas, evolutivas dos signos culturais. Esta suas fronteiras protegidas pelo Estado. E
melhoria leva junto no seu mover a socie- envolve uma nova espécie de tempo: a his-
dade humana que constitui o ambiente tória, por causa da ilimitada possibilidade
dessa vida de formas. de acumular informação.
Pessoas que adotam a escrita (e toda a
civilização que vem com ela) são aquelas
Mutações antropológicas e a história que terminam constituindo as culturas do-
da linguagem minantes. Grandes culturas têm sofistica-
dos sistemas de escrita: cuneiforme, hiero-
glífico, caracteres chineses, ideogramas
Introdução aztecas, etc.

A escrita, o alfabeto, a imprensa, o ci-


berespaço, cada estágio, cada camada inte- O alfabeto
gra a sua precedente e conduz a uma nova
diversificação e expansão do universo cul- O alfabeto é um desenvolvimento adi-
tural. Quanto mais há comunicação e inter- cional da escrita e, portanto, da linguagem.
conexão, mais rápida e rica a vida cultural O alfabeto representa a redução dos signos
se torna, devido à ampliação da variedade da escrita a um sistema combinatório foné-
de gêneros. tico simples, e que escapa do monopólio
do escriba. O alfabeto torna a democracia
possível (qualquer cidadão pode ler as
A escrita leis). A invenção do dinheiro é contempo-
rânea ao nascimento dos alfabetos Fenício e
A invenção da escrita representa a Grego. A filosofia, a matemática demons-
continuação cultural e o aperfeiçoamento trativa e o conhecimento com afirmações
da linguagem e, portanto, da inteligência explícitas universais também estão ligados
coletiva humana. Como vimos antes, atra- ao alfabeto. Por último, mas não menos im-
vés da escrita algumas formas lingüísticas portante, as três religiões monoteístas e o
podem ficar por séculos sem a presença de budismo estão baseados em escrituras alfa-
qualquer falante. A linguagem tem agora béticas. Agora existe não só história mas
uma memória própria, independente de também consciência da história e questões
qualquer indivíduo vivo. Mas ainda de- acerca de sua direção. Novamente, culturas
pende de tradições de interpretações. Des- importantes e poderosas têm se acoplado
de a sua invenção até agora, a escrita tem com grandes literaturas escritas através de
sido sem dúvida um dos suportes princi- alfabetos: hebraica, grega, latina, árabe,
pais de muitas persistentes linhagens de sânscrita, etc.
inteligência coletiva (religiões, tradições ar-
tísticas, universidades, etc.). A escrita é a
conquista maior da revolução Neolítica A imprensa
que compreende a agricultura, a pecuária, a
cidade, o estado e religiões elaboradas. Também, Após sua memória autônoma (a escri-
o conhecimento se estende além de mitos e ta) e a facilidade de sua leitura e escrita (o

Revista FAMECOS • Porto Alegre • nº 13 • dezembro 2000 • semestral 63


alfabeto), a imprensa representa a próxima O ciberespaço
fase na história da linguagem, sua capaci-
dade para reproduzir-se mecanicamente. A O ciberespaço integra todas as mídias
imprensa é a base comunicacional da comu- anteriores, como a escrita, o alfabeto, a im-
nidade científica que se auto-organiza e cres- prensa, o telefone, o cinema, o rádio, a tele-
ce desde o século XVI. Estudos recentes visão e, adicionalmente, todas as melhorias
mostram que resenhas impressas e livros da comunicação, todos os mecanismos que
contendo dados precisos têm assegurado foram projetados até agora para criar e re-
uma comunicação eficaz numa larga rede produzir signos. O ciberespaço não é um meio,
internacional de cientistas. Essa foi uma é um metameio.
das condições necessárias para o nascimen- Vamos listar algumas das principais
to da ciência experimental moderna. (Deve- características do ciberespaço, particular-
se notar que a comunidade científica é a mente aquelas condutivas a uma melhoria
primeira a se organizar por meio de princí- da inteligência coletiva.
pios baseados explicitamente na inteligên- O ciberespaço apóia muitas tecnologi-
cia coletiva). Em conseqüência, o desenvolvi- as intelectuais que desenvolvem a memó-
mento tecnológico foi enfatizado e um laço de ria (através de bases de dados, hiperdocu-
realimentação positiva começou a agrupar en- mentos, Web), a imaginação (através de si-
tre si comunicação com exploração, comércio, mulações visuais interativas), raciocínio
ciência, tecnologia, a revolução industrial e o (através da inteligência artificial, sistemas
capitalismo. A imprensa está relacionada especialistas, simulações), percepção (atra-
também com as revoluções religiosas. A Refor- vés de imagens computadas de dados e te-
ma, e as ideologias de salvação terrena lepresença generalizada) e criação (pala-
como o liberalismo, a democracia ou o so- vras, imagens, música e processadores de
cialismo eram suportados pelo sistema de espaços virtuais).
comunicação de impressos. A imprensa Essas tecnologias intelectuais aumen-
está também relacionada com as revolu- tam não apenas sistemas cognitivos indivi-
ções políticas. O crescimento da opinião duais mas coletivos também (companhias,
pública foi apoiado pela imprensa e isto organizações, todos os tipos de comunida-
conduziu à emergência dos modernos es- des virtuais e a humanidade em geral,
tados democráticos e, após, aos movi- aquela que é a maior de todas as comuni-
mentos sociais fascistas e socialistas. A dades virtuais...).
imprensa coincide com o tempo das revo- O ciberespaço – que é o espaço de co-
luções: revoluções científica, industrial, po- municação aberto pela interconexão global
lítica. Um dos efeitos principais da revo- de computadores – ocasiona uma nova confi-
lução da imprensa é o alargamento dos hori- guração de larga escala de comunicação “muitos
zontes, não apenas de um ponto de vista para muitos”.
intelectual, mas também de maneira bas- A imprensa, e depois, o rádio e a tele-
tante prática, uma vez que a melhoria dos visão organizam a troca de informações de
transportes ocorre (até hoje) quase sem- maneira “um para muitos”, criando largas
pre paralelamente ao desenvolvimento audiências e um sentido de comunidade;
das tecnologias de comunicação. A domi- mas eles impedem uma comunicação real-
nação da Europa – isto é, da civilização da mente interativa.
imprensa – sobre o mundo corresponde à O sistema postal e o telefone construí-
primeira interconexão da humanidade. Por- ram, por sua vez, um sistema de comunica-
tanto, a possibilidade de uma inteligência co- ção “um para um”, permitindo o diálogo e
letiva global das espécies pode ser antecipa- a interação; mas impediram as comunida-
da. Mas isso só se conseguirá na próxima des de se manifestarem e crescerem no es-
fase da história da linguagem. paço comunicacional que criaram.

64 Revista FAMECOS • Porto Alegre • nº 13 • dezembro 2000 • semestral


O ciberespaço, ao contrário, permite nuam a inventar e a fazer melhor uso do
não apenas uma comunicação “um para ciberespaço. Nosso conhecimento está cada
um” e “um para muitos” mas também do vez mais baseado em mapas precisos, no
tipo “muitos para muitos” e a articulação uso do ciberespaço, em bancos de dados,
em tempo real entre os três modos, o que em simulações e em visão direta. Dados e
incentiva a inteligência coletiva. Essas no- processos complexos são transformados
vas possibilidades já são usadas em larga em modelos interativos visuais. Telescópi-
escala para fins científicos, comerciais, polí- os nos mostram estrelas distantes e eventos
ticos e artísticos, entre outros. acontecendo nos primórdios do tempo. Mi-
Continuando a listagem das caracte- croscópios estão nos mostrando as formas
rísticas principais do ciberespaço, pode- das moléculas e seus modos de comporta-
mos considerar a Worl Wide Web como mento. Temos a cada dia mais e mais ima-
um hiperdocumento único poliglota escrito gens médicas do corpo humano. Imagens da
e lido – virtualmente – por todos. Esta é a terra obtidas de satélites e webcams em to-
primeira vez que um texto qualquer pode dos os lugares criam uma real tele-visão...
ser considerado – virtualmente – como par-
te de uma esfera de linguagem real.
O centro desta esfera não se encontra Promovendo a evolução global
em nenhum lugar, sua circunferência está
em todo lugar, e cada um de seus elemen- Como sabemos, os avanços científicos,
tos está relacionado com todos os demais. tecnológicos e econômicos nos possibilitam
Este imenso e único hiperdocumento é destruir ou criar espécies biológicas e ecos-
uma espécie de reificação dinâmica do con- sistemas, para o melhor ou o pior. A cultu-
texto cultural humano global. ra humana é agora o principal fator da evo-
O principal significado do ciberespa- lução da biosfera, mas também o principal
ço é a interconexão geral de tudo em tempo fator de sua própria evolução.
real, a concretização do espaço virtual onde Naturalmente, até agora, a evolução
as formas culturais e lingüísticas estão vi- não tinha um objetivo. Suas múltiplas e di-
vas. Onde começou o crescimento do cibe- vergentes direções foram o resultado de
respaço? Dez anos atrás, na época da inven- mecanismos Darwinianos de reprodução,
ção da WWW? Por ocasião da primeira co- mutação e seleção. Mas somos obrigados a
nexão de Internet? Com o primeiro compu- reconhecer que, a partir de agora, a evolu-
tador? Com a primeira comunicação em ção está cada vez mais sob nossa responsa-
tempo real a distância, com o telégrafo? bilidade.
Com a república européia de cientistas, fi- Não sabemos qual é precisamente o
lósofos e artistas da Renascença? Com a im- objetivo de antemão, mas sabemos que a
prensa? Com o alfabeto? Com o mundo vir- raça humana tem em suas mãos coletivas,
tual da percepção e da comunicação? Com em seu cérebro coletivo, o destino da bios-
o DNA? Do meu ponto de vista, existe um fera e de seu próprio destino.
único processo evolutivo, uma única ener- Quanto mais evoluímos, mais sabe-
gia de vida desde a primeira célula até a mos o quanto somos livres. Como uma ra-
inteligência coletiva do ciberespaço. E mificação avançada da evolução da biosfe-
além, em direção à noosfera do futuro. ra, estamos progressivamente reunindo
A economia está agora baseada na in- nossas mentes para criar uma mente maior,
formação, em idéias, criatividade e inteli- uma mente capaz de observar a vida, tanto
gência coletiva. Na política, estamos vaga- a orgânica como a cultural, de maneira glo-
rosamente marchando para um governo bal, uma mente capaz de conduzir a evolu-
democrático planetário, provavelmente do- ção orgânica, experiencial, cultural e pós-
minado pelas mesmas pessoas que conti- cultural de forma global.

Revista FAMECOS • Porto Alegre • nº 13 • dezembro 2000 • semestral 65


A tecno-noosfera modifica a evolução como um todo atuará sobre o mundo tec-
orgânica e perceptiva nolinguüístico. Naturalmente, o órgão des-
se feedback será o ciberespaço, capaz de co-
A tecnonoosfera cultural está agora afetan- letar e sintetizar dados vindos da biosfera
do diretamente as duas esferas anteriores para informar as ações da inteligência cole-
da evolução. A engenharia genética modifi- tiva humana. A vida orgânica e as técnicas
ca diretamente o DNA das plantas, dos ani- se juntarão suavemente e assim o farão
mais e talvez muito brevemente da raça hu- porque não possuem essências distintas.
mana. O conhecimento e o controle dos Os seres vivos de nosso planeta coo-
processos moleculares da vida orgânica es- peram para criar a atmosfera na qual respi-
tão a ponto de criar nanorobôs, computa- ramos, assim como a biosfera na qual vive-
dores biológicos e hipercorpos modifica- mos, e que não conhece fronteiras de espé-
dos. Os avanços das ciências cognitivas e cies, nem de nações, nem de disciplinas.
as pesquisas com drogas contribuirão para Estamos nos tornando os reguladores cons-
modificar nossas capacidades mentais e cientes da biosfera, procurando manter
nossas percepções. Encontraremos prova- constante variáveis atmosféricas e outras
velmente maneiras de nos conectarmos igualmente importantes. A cada dia que
mais diretamente à noosfera, talvez até por passa temos um melhor conhecimento de
neuroconexão. O progresso da percepção como reforçar e mesmo melhorar esta coo-
aumentada, realidades virtuais multiusuá- peração geral, graças à comunicação e às
rios, e as comunicações, também contribui- nossas tecnologias da inteligência coletiva.
rão para uma evolução adicional das for- Para gerenciar o feedback da maneira
mas de percepção. Finalmente, a evolução mais eficaz, o ciberespaço nos informará
dos softwares, que está agora provavelmen- em tempo real sobre os ecos na biosfera de
te só no começo, continuará a criar novas nossas atividades econômicas. Investimen-
formas, muito mais autônomas que aquelas to e consumo se tornarão ferramentas para
que conhecemos atualmente. Estamos cri- a pilotagem global de Gaia. O ciberespaço
ando um complexo de vida e de inteligên- finalmente merecerá seu nome (“espaço de
cia artificial-natural que dá origem a uma pilotagem” se seguirmos a etimologia),
diversidade de formas maior do que nun- porque se tornará a ferramenta de condu-
ca. O mundo das idéias aparecerá progres- ção (o painel e o volante) de nossa viagem
sivamente como o espaço último explorado rumo a uma biosfera cerebral consciente.
pela evolução. Mas esta evolução deve na- Quanto mais perto chegarmos dessa
turalmente manter sua base orgânica e ex- meta, mais amplamente a liberdade se abri-
periencial própria. rá, e o mais necessário será conduzirmos
Talvez a religião do futuro integrará uma inteligência coletiva multidimensio-
todas as prévias tradições espirituais e seja nal. À medida que o movimento aumentar
capaz de enfatizar nossa responsabilidade sua velocidade, ele se tornará mais e mais
na evolução de toda a biosfera, inclusive turbulento e caótico. O inesperado aparece-
das três esferas da evolução: orgânica, ex- rá repentinamente, ao qual deveremos rea-
periencial e semântica. gir rápida e coletivamente, numa espécie
de videogame de realidade virtual, onde to-
dos os participantes, humanos e software,
Em direção à bioesfera cerebral devem manter um balanço no universo bio-
tecnológico que eles criam e do qual de-
Todas as formas de vida compõem uma pendem. E ninguém saberá, ao final, quem
unidade interdependente. Portanto, quanto está conduzindo este laço autogerado ci-
mais a linguagem e as técnicas afetarem a bernético. A evolução cresce em direção a
vida orgânica e mineral de Gaia, mais Gaia uma bioesfera cerebral que pensa mais li-

66 Revista FAMECOS • Porto Alegre • nº 13 • dezembro 2000 • semestral


vremente, abrindo cada vez mais rapida- mento. O universo é uma enorme inteligên-
mente o espaço do sentido e o campo das cia despertando para si própria graças a
formas de cooperação e de competição. uma evolução da linguagem que estende
Essa bioesfera cerebral alcançará sabedoria seu próprio movimento. Esse processo está
infinita assim como loucura infinita. Ela apenas em seu começo. A missão da raça
projetará uma espécie de duplo virtual, a humana: fazer crescer o cérebro do mundo.
noosfera, reino das formas e das idéias, que Um cérebro mais e mais poderoso e livre
será a luz guia para sua própria evolução. que incluirá o mundo em sua substância .
Ou talvez seja o inverso. A noosfera – um
universo em expansão de idéias num espa-
ço infinito de consciência – conduzirá em
seu movimento a evolução tecnobiológica.
A tecnologia e a economia da informa-
ção se juntarão numa ecobiologia monito-
rada em tempo real pela inteligência coleti-
va coordenada no ciberespaço. Estruturas
centralizadas e burocráticas perderão seu
sentido e seu poder. Atitudes abertas e co-
operativas se tornarão os padrões morais
enquanto que demandas, acusações e pro-
cedimentos de censuras serão percebidos
como atraso cultural.
As barreiras nacionais, lingüísticas,
profissionais, culturais e disciplinares se-
rão superadas. As culturas se combinarão
entre si e multiplicarão seus poderes num
Espírito da Terra que reunirá em comu-
nhão animais, plantas, microorganismos e
minerais. Tal perspectiva implica que pare-
mos com as guerras e inventemos juntos
uma nova espécie de vida.
Talvez possamos modificar genéetica-
mente a raça humana de maneira que ela
seja capaz de respirar (na Terra ou em ou-
tros planetas) uma atmosfera criada por
uma bioesfera quase completamente fabri-
cada para resolver nossos problemas mate-
riais. Então, teremos que nos preocupar so-
mente com problemas espirituais, éticos e
intelectuais.
A religião do futuro, a ciência e a arte
da inteligência coletiva, orquestrará a aven-
tura extraordinária e o destino de uma bio-
esfera que estará se tornando uma tecnosfe-
ra e logo uma noosfera, criando e recriando
a si própria cada vez mais livremente e
para sempre.
A humanidade está conseguindo al-
cançar um laço cósmico de autoconheci-

Revista FAMECOS • Porto Alegre • nº 13 • dezembro 2000 • semestral 67