Você está na página 1de 14

Universidade Católica de Moçambique

Instituto de Educação à Distância

Consciência e Valor Ético


Julieta Paulo - 708192522

Curso: Licenciatura em Ensino de Biologia


Ano de frequência: 3º Ano
Disciplina: Ética Social
Turma: C
Docente: Msc. Maria da C. F. Liberado

Nampula, Julho de 2021


Universidade Católica de Moçambique
Instituto de Educação à Distância

Consciência e Valor Ético


Julieta Paulo - 708192522

Trabalho de carácter avaliativo a ser


entregue na Faculdade de Educação da
Universidade Católica de Moçambique,
extensão de Nampula no curso der
licenciatura em Ensino de Biologia, na
cadeira de Ética Social, leccionado pelo
docente
Msc. Maria da C. F. Liberado

Nampula, Julho, 2021


Índice
Introdução...................................................................................................................................3
Etimologia da palavra.................................................................................................................4
Definição da consciência............................................................................................................4
Características da consciência.....................................................................................................6
A consciência como guia daa conduta Humana.........................................................................6
Tipos de consciência...................................................................................................................6
Consciência moral.......................................................................................................................7
Consciência social.......................................................................................................................7
Conscientização ambiental..........................................................................................................7
Consciência histórica..................................................................................................................8
Consciência coletiva...................................................................................................................8
Consciência de classe..................................................................................................................8
Consciência situacional...............................................................................................................8
Falsa consciência........................................................................................................................9
A consciência como influenciador..........................................................................................9
Classificação das consciências..................................................................................................10
Conclusão..................................................................................................................................12
Referências Bibliográficas........................................................................................................13

ii
Introdução
No ressente trabalho vai se abordar o assunto consciencia. No entanto, é sabido que
consciência é o juiz interno que governa nossas ações e nos impõe padrões morais de acordo
com o código ético formado nele. Sua não observância traz como um remorso de punição. A
consciência moral é assinada em estágios desde cedo da vida. Ocorre através da captura de
estímulos sensoriais que interagem com os valores apreendidos pelo sujeito.
Este trabalho tem como objectivo geral estudar de forma analítica a consciência, e quanto aos
objectivos específicos, o trabalho abarca os seguintes objectivos específicos.
 Definir o conceito de Consciência .
 Explicar a origem da consciência.
 Relacionar a consciência com a agir Humano.
Para a realização do presente trabalho serão utilizados as metodologias de pesquisas
bibliográficas.

3
Etimologia da palavra
A consciência define o conhecimento que um indivíduo tem de seus pensamentos,
sentimentos e ações. Como tal, a palavra vem do latim conscientṭa, e este, por sua vez, do
traçado grego συνείδησις (syneídesis), composto do prefixo συν- (syn-), que significa 'com', e
είδδησς (eídesis), que traduz 'conhecimento', ou seja, com conhecimento.
A palavra tem sua origem na conscientia latina, cujo significado faz alusão ao conhecimento
compartilhado. Há alguma confusão com as palavras consciência ou consciencia, mas embora possa
haver alguma diferença entre os dois, a RAE aceita e recomenda o uso do termo consciência para os
dois conceitos.

Definição da consciência
Consciência é um termo que quebra a palavra, refere-se a possuir conhecimento tanto
da pessoa quanto do ambiente que o rodeia, ou seja, é o pensamento que permite a reflexão de
um evento, catalogando as possíveis ações para seguir como boas ou ruins. São raciocínios
aplicados voluntariamente pelo homem, razão pela qual as ações realizadas direta ou sem
pensar são classificadas como "ações inconscientes" já que foram executadas sem análise
prévia pelo indivíduo.
A consciência é a própria capacidade dos seres humanos de se reconhecerem, de terem
conhecimento e percepção de sua própria existência e seu ambiente. Nesse sentido, a
consciência está associada à atividade mental que implica um domínio por parte do próprio
indivíduo sobre seus sentidos. Assim, uma pessoa consciente é aquela que tem conhecimento
do que está acontecendo com ele e em seu ambiente, enquanto a inconsciência supõe que a
pessoa não é capaz de perceber o que acontece com ela ou o que acontece ao seu redor.
Por outro lado, a consciência também tem uma conotação como senso de dever,como
uma reflexão sobre o comportamento e sobre as próprias ações. Assim, também tem caráter
ético, pois possibilita distinguir o indivíduo entre o que é certo e o que está errado, para que
quando se trata de atuar ele possa se comportar de acordo com seus valores morais.
Consciência é a capacidade que o homem tem de conhecer de modo imediato, os seus estados,
sentimentos, impressões , intuições, etc.
Significa que consciência é o acto através do qual o homem reconhece pessoalmente o que
deve fazer na ordem moral e como procedeu anteriormente nesta mesma ordem ( Hortelano 1970:44)
No sentido ético, considera-se consciência como a capacidade de julgar sobre os valores do
acto humano em termo de Bem e Mal.

4
De finace apud [ CITATION Mat12 \l 2070 ] , apresenta também a sua definição. Para ele a
consciência é a reflexão que o homem faz sobre a responsabilidade, isso significa que o homem tem
capacidade de julgar que alguns actos são feitos e devem ser feitos. São errados, podem ser feitos
como também não devem ser e outras ainda devem ser considerados como neutros.
A natureza da consciência é o intelecto, adiciona-se também a componentes de ordem
afectiva. Em relação ao intelecto, a pessoa humana tem necessidade de certos objectivos na vida e
esses podem ser exterior a si, o homem é consciente em relação a si mesmo ou dá-se conta de, para
realizar certas coisas. A consciência amadurece com a experiência vivida.
Quer dizer, o acto de conhecer maduro ou simplesmente a consciência madura sempre
formula perguntas para identificar a causa de agir quer antes, quer depois, esse acto refere-se a razão,
a inteligência e pelo espírito humano de querer conhecer o algo .
Este termo pode ser definido como a capacidade de fazer uma crítica a um evento vivido, onde
o estudo das atividades que serão realizadas diante dessa situação é alcançado, bem como permite
manter o indivíduo cauteloso sobre a aceitação das consequências que podem gerar suas decisões,
desta forma, o termo seria então um conceito direcionado ao campo moral.
Agora, se uma análise da palavra é feita em um nível psicológico, isso seria como os atos
realizados pelo indivíduo que são feitos voluntariamente, onde a pessoa sabe que medidas está
tomando e como está realizando; no caso oposto, onde a pessoa está desinibida ou totalmente
desconectada do mundo externo ao seu redor, bem como ignora as ações que está executando por si
mesmo, elas são classificadas como inconscientes.
Isso permite identificar três tipos ou graus de percepção: consciente, quando consegue
relacionar o ambiente que habita, estabelece as ações a serem realizadas e sabe como realizá-las, por
outro lado o pré-consciente é que, nesse nível, os indivíduos têm uma percepção parcial, ou seja, têm
pouco conhecimento sobre seu ambiente e até mesmo sua identidade, e finalmente há o inconsciente,
que como mencionado acima não alcança a associação do ambiente habitado, nem das pessoas que o
cercam, assim como não é capaz de assumir a responsabilidade pelos atos cometidos.
A Origem da consciência humano desde sempre admitiu-se que seja inata e adquirida.
 Tem carácter inato porque o homem é, por natureza, um ser que conhece e a medida
que cresce se desenvolve a sua consciência;
 Tem carácter adquirido, porque o homem baseia-se nas realidades da sociedade para
amadurecer a sua consciência perante os seus acto. Com isso queremos inferir que o
Homem nasce com a consciência e a desenvolve ao longo da sua vida com as
experiencias que vai vivenciando no tempo e no espaço.

5
Características da consciência
Dentro das características deste termo, há o fato de ser subjetivo,com pontos de vista em
primeira pessoa, com a capacidade de sentir,de saber como você pode sentir algo ou alguém e o que
produz o significado de saber tudo sobre as informações fornecidas. Existem realmente muitos níveis
de consciência, no entanto, diz-se que estes são constitutivos do estado mental, por isso pode haver
vários estados de consciência,que a diferença da intencionalidade.
Embora haja alguma dificuldade em definir e estudar os níveis de consciência, muitos
filósofos argumentam que existe a possibilidade de haver uma intuição generalizada que sabe
exatamente o que é, o que representa, e que une todas as definições existentes até agora, portanto não
há objeção de consciência.
Isso não pode ser confundido com raciocínio, vida, memória e inteligência, pois é algo mais
intuitivo do que racional. De fato, alguns especialistas argumentam que não há equivalência com
percepção ou atenção, embora os dois estejam intimamente relacionados.

A consciência como guia daa conduta Humana


A moralidade orienta a conduta do homem, se considerarmos que ela como
capacidade, ou valor do acto livre do homem sem incluir as acções livres. Também a
moralidade pode ser entendida como a certeza ou erro, dos costumes e hábitos manifestas nos
actos humanos.
A moralidade pode ser;
 Subjectiva, quando olhamos a pessoa-autor no aspecto subjectivo, naquilo que faz ou
diz, a respeito dele próprio, como faz e como age perante algo.
 Objectivo, que é aquele que é avaliado antes e depois da acção que a pessoa realiza.

Tipos de consciência
De acordo com [ CITATION Mat12 \l 2070 ], existem 6 tipos de consciência, descritas
a seguir
 Consciência antecedente: - é a que tomamos antes de agir ou fazer algo, este tipo de
consciência guia-nos para a futura reacções e acções;
 Consciência consequente: - é aquela que tomamos depois de executar um acto;
 Consciência Moral: - que é dependente da consciência psicológica e reflectiva;
 Consciência Moral contínuo: - aquela que ilumina a mente humana e identifica à verdade do
ser humano;

6
 Consciência Psicológica: - aquela que através da qual nos damos conta da influência externa
do facto ético. Este tipo de consciência desperta-nos para a realidade, pois não só, denuncia,
mas distingue o medo e omite factos de reacções do homem.
 Consciência reflexiva: Aquela que nos leva a reflectir sobre os nossos instintos. Aqui (Id,Ego
e Supergo) estão todos e são controlados pela consciência, a base deste controlo é o sistema
nervoso humano. A capacidade reflexiva esta em todos os seres humanos porem é diferente
entre as pessoas mesmo estes tenham os mesmos costumes, hábitos.
Em ética a capacidade reflexiva que nos leva ao agir pressupõe a vontade, a liberdade
e outros elementos. O raciocínio também faz parte na determinação do agir, pois este consiste
na explicitação do conhecimento lógico. O raciocínio pode ser dedutivo ou indutivo,
dependendo da situação.
 Raciocínio é Indutivo: quando se parte do particular para o geral.
 Raciocínio é dedutivo: quando parte do geral apara o particular. Na verdade o
raciocínio dedutivo é inverso do raciocínio indutivo.
Mas de acordo com [ CITATION Pér211 \l 2070 ], Existem atualmente 8 tipos ou estados de
consciência

Consciência moral
É um processo de introspeção em que o ser humano é capaz de analisar a atitude que
mantém e, além disso, tenta impor uma certa repreensão para corrigi-los. Em muitos casos
clínicos, essa percepção está ausente. Remorso é uma consequência da "pequena voz da
mente" falando. Geralmente não é notável ou simplesmente não existe completamente.
Para alguns, a percepção do que é certo é a grande prova que mostra que o ser humano
é muito capaz e racional, o que nos diferenciaria do resto das espécies presentes no reino
animal.

Consciência social
É o interesse ou capacidade que as pessoas têm em relação às condições de vida que
cada membro de sua comunidade tem. Por exemplo, a implantação de seguro social,
segurança viária, entre outros.

Conscientização ambiental
É o nível de conhecimento e lucidez que uma pessoa tem em relação aos grandes
impactos ambientais gerados por suas ações, seu modo de vida e os hábitos cotidianos que ela

7
tem. Uma espécie de busca da alma é realizada em cada ato realizado, para que possa mudar a
forma como vê e trata o mundo, reduzindo a poluição e criando novos hábitos, por exemplo,
reciclar, economizar energia, não consumir marcas que testam animais, entre outros.

Consciência histórica
É aquela que leva em conta o passado como uma espécie de experiência, permitindo
assim entender as mudanças temporais e as perspectivas do futuro, isso significa que a história
é um elo entre o que é conhecido como passado, presente e futuro. Por exemplo, a memória
coletiva das ditaduras.

Consciência coletiva
É aquele em que atitudes e crenças morais compartilhadas têm funções unificadas na
sociedade ou em um determinado território. Esta força é separada e tende a ser dominante. Por
exemplo, propor projetos para melhorar a qualidade de vida das pessoas.

Consciência de classe
É o grau ou nível de conhecimento que uma determinada pessoa possui de acordo com
sua localização nas relações socioeconômicas e de poder que existem e existiram na
sociedade. De forma mais simples, é a capacidade que o sujeito tem de identificar em qual
classe social ele está localizado ou a qual pertence, seja ele de classe média baixa, média, alta
ou simplesmente alta, além de saber que existem setores que não concordam com a melhoria e
desenvolvimento das condições de vida de todas as classes sociais.

Consciência situacional
Trata-se de uma representação mental e compreensão de eventos, objetos, estados
sistemáticos, pessoas, interações, condições ambientais como a consciência ecológica e
qualquer tipo de fator de determinada situação que possa afetar diretamente o
desenvolvimento das atividades das pessoas, não importa se elas são dinâmicas ou complexas.
De um modo geral, a percepção situacional das pessoas sabe exatamente o que está
acontecendo e, a partir daí, formula o que deve ou pode fazer.
Neste caso não há objeção de consciência, pelo contrário, é um método preventivo
saber o que precisa ser feito para não ser surpreendido ou surpreendido, então você faz uso da
intuição. Um exemplo disso é a capacidade de tomar decisões em alguns períodos de tempo.
8
Falsa consciência
Um dos principais pensadores da história da filosofia é Karl Marx,que refletiu sobre o
que ele chamou de falsa percepção. Um dos princípios fundamentais de sua filosofia é que o
fato de ser social determina a inteligência do indivíduo e não o contrário. Ou seja, não é a
percepção que condiciona o ser social.
O autor afirma que a falsa consciência refere-se à forma de pensar dos indivíduos que
não são coerentes com as condições materiais de existência, ou seja, há uma espécie de
engano interno,uma oposição entre a forma de interpretar a realidade e a própria realidade que
tem consequências em diferentes áreas da vida, por exemplo, na tomada de decisões.
Uma pessoa pode assumir um estilo de vida que não é consistente com sua situação,
ou seja, uma falsa percepção. Isso não deve ser entendido como o atributo global de qualquer
indivíduo, grupo ou instituição, pois só quer ser aplicado com relação ao conteúdo dado
desses indivíduos, grupos ou instituições.

A consciência como influenciador


A consciência como a reflexão que o homem faz sobre a responsabilidade pode influencia os
seguintes aspectos[ CITATION Mat12 \l 2070 ]:
1. A ignorância; Esta pode ser invencível, vencível afecta consideravelmente a
responsabilidade. Considera-se;
 Ignorância invencível, aquela na qual o individuo faz algo sem ser culpado. Ex; Não
conhecer certa Lei, e,
 Ignorância vencível, aquela que não tira a responsabilidade mas pode ser superada
pelo individuo.
2. A Paixão: é a emoção forte da parte do apetite sensitivo que impede o processo de deliberação
do individuo, esta paixão pode ser antecedente e consequente;
 É paixão antecedente: aquela que destrói a responsabilidade e, na vida real, este tipo
de paixão diminui a responsabilidade.
 É paixão consequente: aquela paixão que se procura obter pela existência de algo
desejado.
3. Medo: é a percepção do mal que nos avizinha e o medo pode diminuir a
responsabilidade. É normal ter medo. O medo pode ser intelectual e emocional.

9
4. A Força: a força externa ou interna pode diminuir a responsabilidade, temos que
entender que qualquer coisa feita a força não é voluntária e é amoral.
5. O hábito: A maneira constante de agir adquirida pela repetição do mesmo hábito. O
hábito pode ser cultivado e influencia negativamente na responsabilidade devido ao
relaxamento.
O mesmo autor ainda sustenta que existem outros elementos que podem influenciar e
enfraquecer a responsabilidade, temos o caso do Alcool, a Droga,etc. que podem afectar o psíquico e o
físico e alterar o estado da consciência do individuo levando a reagir mal ou a destruição mental,
consequentemente a falta de responsabilidade pelos actos.
Há um aspecto de pouco relevo que grandemente pode relaciona-se a ignorância, pode ser do
Erro. Analistas de responsabilidade social, defendem que o erro é originada pela falta de
preconceitos, conceitos influenciados dentro de grupos sociais, de amigos, falta de leitura ,etc.
O erro Influencia negativamente aquilo que deveria ser percebido como verdade e
consequentemente afecta a responsabilidade do individuo. Admite-se que o erro pode ser vencido
através de investigação individual ou colectiva, orientação e outros mecanismos.

Classificação das consciências


Para classificar a consciência depende do seu ajuste com a realidade vivida e do agir
do homem. A classificação também podem ser denominada de forças constrangentes à
consciência. Assim podemos ter[ CITATION Mat12 \l 2070 ]:
1) Consciência errónea/Invencível: Quando não está de acordo. Não tem a
possibilidade de superar o erro ou o individuo encontra-se sem possibilidade de
vencer o erro. Pode vir a ser considerada consciência vencível errónea, quando o
individuo tem a possibilidade de superar o erro.
2) Consciência duvidosa: O individuo não está certo sobre a moral ou valores éticos,
assume-se como erro calculável e não culpável. Diz-se rigorosamente não existe
consciência duvidosa porque quem age consciente não duvida.
3) Consciência lasser: aquele que não interessa no que é bom, exclui aquilo que é bom e
deixa sempre passar, quer dizer o individuo age sem nenhum esforço para o bem.
4) Consciência Cega: O individuo age também de certa maneira cega, exclui aquilo que
é bom, defende muito os actos que constituem a cegueira e é influenciado pelos
pequenos abusos frequentes.
5) Consciência perplexa: trata-se duma consciência que está diante de uma ou mais
opções e não sabe qual delas é certa.

10
6) Consciência escrupulosa: é a fixação neurótica, trata-se de ansiedade e pode ser uma
neurose compulsiva. Nestas circunstâncias o individuo pode piorar quando sente
praticamente obrigada a agir ou apresentar alguns aspectos comportamentais
diferentes, podendo ser passageiras dependendo também da fase em que este se
encontra, ( geralmente ocorre nos idosos).

11
Conclusão
No presente trabalho abordamos sobre a consciência, na qual concluímos que a
consciência é a capacidade que o homem tem de conhecer de modo imediato, os seus estados,
sentimentos, impressões, intuições. Existem actualmente 8 tipos de consciência, consciência
moral, consciência social, conscientização ambiental, consciência histórica, consciência
coletiva, consciência de classe, consciência situacional, falsa consciência. A Origem da
consciência humano desde sempre admitiu-se que seja inata e adquirida. Tem carácter inato
porque o homem é, por natureza, um ser que conhece e a medida que cresce se desenvolve a
sua consciência; Tem carácter adquirido, porque o homem baseia-se nas realidades da
sociedade para amadurecer a sua consciência perante os seus acto. Com isso queremos inferir
que o Homem nasce com a consciência e a desenvolve ao longo da sua vida com as
experiencias que vai vivenciando no tempo e no espaço.

12
Referências Bibliográficas
Goswami, A. (1993). O universo autoconsciente. São Paulo: Hiil.
Matthews, E. (2016). Mente: Conceitos-Chave em Filosofia. Porto Alegre: Artmed.
Pérez, M. (2021, maio 11). Definição de Consciência. Retrieved from concepto:
https://conceptodefinicion.de/conciencia/.
Salvador, M. A. (2012). Manual de Tronco Comum: Ética Social . Beira: CEAD-UCM.

13

Você também pode gostar