Você está na página 1de 12

A monitoria acadêmica no uso de metodologias para o

ensino de anatomia e fisiologia humana: relato de


experiência.

Bilby, Anne Sofia Souza Pang1


Cavalcante, Rosane Souza2
Silva, Tarízia Lima da3

RESUMO
A disciplina de anatomia e fisiologia humana é considerada pelos discentes como
complexa e de difícil assimilação, gerando reflexos no processo de ensino-aprendizagem da
formação acadêmica. Propondo facilitar o aprendizado em sala de aula, o programa de monitoria
acadêmica tem contribuído para a melhoria da qualidade do ensino, permitindo assim, um maior
interesse por parte dos alunos pela disciplina, bem como oportunizar ao aluno-monitor o
desenvolvimento de habilidades inerentes à docência. Deste modo, este trabalho teve como objetivo
relatar uma experiência referente às atividades desenvolvidas no projeto de monitoria acadêmica e
seus reflexos no ensino da disciplina de Anatomia e Fisiologia Humana. Esta pesquisa teve um
caráter exploratório qualitativo e quantitativo, um estudo de caso, constituído de uma investigação por
meio da aplicação de um questionário semiestruturado, da percepção dos discentes acerca das
atividades desenvolvidas no projeto de monitoria acadêmica. Neste estudo identificou-se que antes
do início da monitoria 33,33% dos participantes consideraram como bom o seu desempenho
acadêmico na disciplina, sendo que após as atividades propostas durante a disciplina junto à
monitora, esse índice aumentou para 66,67%. Outro resultado significativo foi em relação às
metodologias utilizadas após o início da monitoria em sala de aula/laboratório, onde 83,83% dos
discentes julgaram ter obtido ótimo desempenho acadêmico em relação a metodologia utilizada pelo
professor em sala de aula/laboratório. Diante dos resultados obtidos, foi possível observar que as
percepções dos discentes referente às atividades e metodologias desenvolvidas no projeto de
monitoria acadêmica na disciplina de anatomia e fisiologia humana, mostraram-se satisfatórias no
processo de ensino aprendizagem.

Palavras-chave: Aprendizagem Ativa; Ensino Superior; Iniciação à docência.

1 Especialista em Docência Universitária; Especialista em Fisioterapia Dermatofuncional


2 Doutora em Biotecnologia
3 Graduada em Letras
INTRODUÇÃO

Paulo Freire (1996), em sua obra Pedagogia da Autonomia, descreve que


a educação não pode ser compreendida como uma experiência fria, sem alma, nem
tampouco com a falta do rigor necessário para gerar a disciplina intelectual. Para o
autor a educação se dá por meio da conscientização, pelo desenvolvimento da
capacidade do ser humano de compreender a realidade social de forma crítica, que
tem como consequência a transformação, em vez da conformação social. Assim,
pode-se refletir sobre a complexidade da educação.
No artigo 43 da lei 9394/96 que regulamenta as diretrizes básicas da
educação - LDB, discorre sobre as diretrizes e bases da educação nacional e mostra
a finalidade do ensino superior, como o estimulo a criação cultural, formar
diplomados nas mais diversas esferas do conhecimento, incentivar também o
trabalho de pesquisa promovendo divulgação de conhecimentos culturais, e entre
tanto se destaca também o de estimular o conhecimento do educando dos
problemas do mundo presente, em particular os nacionais e regionais, prestando
serviços especializados à comunidade e estabelecendo com esta uma relação de
reciprocidade.
Cordão (2002), enfatiza que os discentes da educação superior já trazem
na bagagem uma série de saberes, fazeres, habilidades, atitudes e valores,
despertando-se não somente para o aprender fazer, e sim, para o porquê fazer
dessa maneira e não de outra. O discente da educação superior quer saber os
fundamentos científicos e tecnológicos do seu fazer, para que possa antes de um
novo desafio profissional escolher o caminho a trilhar, com maior grau de autonomia.
Segundo Silva, Prates e Ribeiro (2016), o processo ensino e
aprendizagem se dão na interação do aluno com o meio, onde estão inseridos o
professor e os recursos. Para que o mesmo aconteça e se efetive na vida do
educando de forma significativa, a inclusão de novos recursos nesse processo
propiciará novas formas de aprender e ensinar, de forma a ampliar a mediação
pedagógica entre professor e aluno.
Depresbiteris e Tavares (2009) classificam a aprendizagem em duas
abordagens: A abordagem condutivista, que explica a aprendizagem pela conexão
de estímulos e respostas, onde o papel do professor é fornecer informações de
modo que o aluno possa retê-las e aplicá-las, havendo grande preocupação com o
trabalho sistemático e regulado. Já a abordagem construtivista deseja-se conhecer
quais os procedimentos e habilidades de pensar são adotados pelo aluno para
resolver problemas, desde os mais simples aos mais complexos.
Santos (2010), relata que percebe-se os conflitos experimentados pelos
docentes ao tentar adaptar modelos diferentes em buscar da mobilização dos
discentes, a nova metodologia obrigou o aluno a falar mais, a expressar seu ponto
de vista e a debater as questões acadêmicas, do mercado profissional e os
problemas sociais. Despertando a atenção para que não se confunda o papel de
mediador do professor com o de ter unicamente mais experiências que seus alunos.
Tais questionamentos não se trata de falta de interesse dos profissionais
envolvidos, mas do problema inicial dos modelos incorporados na própria educação,
muitas vezes obsoletos:
“Percebe-se que boa parte dos educadores tem consciência da
problemática e da necessidade de buscar mecanismos mais eficientes, mas
faltam bases, conhecimentos mais aprofundados sobre o assunto, e mais
experimentações de outras formas, modelos e jeitos” (SANTOS, 2010, p.
25).

Batista (2004), observa que o longo das últimas décadas o ensino


superior nas diversas profissões da saúde, passou por grandes transformações, o
atual cenário exige do profissional de saúde formação sólida, tanto na sua área de
formação, quanto no desenvolvimento de habilidade e atitudes. Diante deste
panorama, situam-se novos desafios e perspectivas no ensino superior em saúde,
novas práticas educativas assumem a construção do conhecimento, as
metodologias problematizadoras, o "aprender fazendo", nas quais o docente sai do
papel de detentor do conhecimento para mediador e facilitador do processo de
ensino-aprendizagem, surgindo como alternativa ao ensino tradicional, que parece
ter atingido seu esgotamento, diante das exigências dos profissionais de saúde e da
sociedade
Nesse contexto, gera-se um processo reflexivo sobre a busca docente em
proporcionar novas práticas educativas: Quais recursos e metodologias utilizadas
são mais adequados? Como mensurar a qualidade das atividades didático-
metodológicas aplicadas? Que qualidades se buscam nessa relação de ensino
aprendizagem? O docente na figura de educador sempre levará consigo essas
indagações, que exigem conhecimentos profundos sobre o processo educacional e
os objetivos do fazer pedagógico.
A disciplina de Anatomia e Fisiologia Humana faz parte dos componentes
curriculares nos cursos da área da saúde. A disciplina tem por objetivo o estudo das
estruturas anatômicas e dos diversos sistemas orgânicos, como: esquelético,
muscular e tegumentar. Os conhecimentos acerca da anatomia e fisiologia humana
são imprescindíveis para os acadêmicos dos cursos de saúde, tendo em vista a
necessidade de que, por toda sua vida profissional lidará com o corpo humano.
Até a primeira metade do século XX, o aprendizado da disciplina de
anatomia humana, baseava-se na prática de dissecações, o que ao longo do tempo
foi se adaptando, tendo em vista a escassez de cadáveres, provocando distorções
no processo de ensino, limitando-se a memorização dos termos científicos do corpo
humano, o que gerou desmotivação do discente, tornando-a como muito complexa e
de difícil assimilação, gerando reflexos no processo de ensino-aprendizagem da
formação acadêmica.
Propondo facilitar o aprendizado em sala de aula, o programa de
monitoria acadêmica, tem contribuído para a melhoria da qualidade do processo
ensino-aprendizagem, permitindo assim, um maior interesse por parte dos alunos
pela disciplina, bem como, oportunizar ao aluno-monitor o desenvolvimento de
habilidades inerentes à docência.
O projeto de monitoria foi designado pelo MEC, conforme a lei nº.
9.394/1996 – Artigo 84, os discentes da educação superior poderão ser aproveitados
em tarefas de ensino e pesquisa pelas respectivas instituições, exercendo funções
de monitoria, de acordo com seu rendimento e seu plano de estudos.
Oliveira e Souza (2012), relatam que o professor-orientador deve ter
competência teórica e prática para o exercício da docência, como mediador na
produção do conhecimento. A presença de um monitor na disciplina traz
concretamente a possibilidade de acompanhar “mais de perto” o processo de
reflexão e inserção do acadêmico.
A partir dessas colocações surgiu como questão de pesquisa: qual seriam
os reflexos do programa de monitoria acadêmica, na percepção dos discentes,
acerca das metodologias utilizadas no ensino da disciplina de Anatomia e Fisiologia
Humana? Deste modo este estudo teve como objetivo relatar uma experiência
referente às atividades desenvolvidas no programa de monitoria acadêmica e seus
reflexos no ensino da disciplina de Anatomia e Fisiologia Humana, do curso superior
de Tecnologia em Estética e Cosmética.

DESENVOLVIMENTO

Esta pesquisa teve um caráter exploratório qualitativo e quantitativo, um


estudo de caso, constituído de uma investigação por meio da aplicação de um
questionário semiestruturado, da percepção dos discentes acerca das atividades
desenvolvidas no programa de monitoria acadêmica. O estudo foi realizado no
período de março a julho de 2019 com uma turma constituída por 12 discentes
matriculados na Disciplina de Anatomia e Fisiologia Humana de um Curso
Tecnólogo em Estética e Cosmética, da Faculdade de Tecnologia Senac - FATESE,
instituição da cidade de Manaus, no estado do Amazonas, Brasil.
As atividades de monitoria da disciplina foram distribuídas em 8 horas
semanais em horários pré-estabelecidos pelo professor-orientador e aluno-monitor,
sendo realizadas na sala de aula, biblioteca e no laboratório de Estética.
A primeira atividade desenvolvida foi a aplicação do questionário no início
do período letivo, mediante a coleta e tabulação dos dados obtidos, baseando-se
nesta avaliação diagnóstica da turma, foi elaborado um cronograma mensal de
novas metodologias de ensino que foram desenvolvidas pela professora-orientadora
e aluna-monitora ao longo do semestre. Posteriormente, ao final do período letivo, o
questionário foi aplicado novamente, com o objetivo de avaliar as percepções dos
discentes, frente às novas abordagens didático-metodológicas propiciadas por meio
do programa de monitoria acadêmica.
As novas metodologias de ensino elaboradas e desenvolvidas no
programa de monitoria acadêmica, aa disciplina de Anatomia e Fisiologia Humana
foram: quiz de fixação, dinâmica de mímica facial, paródia musical, lista de exercício,
seminários, body painting e oficinas de resumo e mapa mental.
Dentre as atividades desenvolvidas destacaram-se: a) quiz de fixação:
esta atividade foi executada em forma de competição em sala de aula, foram
elaboradas diversas perguntas pertinentes a disciplina. A turma foi dividida em duas
equipes, alternando o ciclo de respostas. Esta atividade contribuiu para a melhor
fixação do conteúdo juntamente com a interação das alunas; b) jogo de mímica
facial: esta atividade teve como objetivo propor a associação dos músculos faciais
com suas ações exercidas por meio da prática. Foram confeccionados pela aluna
monitora, pequenos cartões com os nomes dos músculos da face e o desenho da
ação realizada por ele. As alunas retiravam um cartão para executar a ação de um
determinado músculo, enquanto a outra aluna deveria identificar de qual músculo se
tratava; c) paródia musical: orientadas previamente pela aluna monitora e
professora-orientadora, as alunas, organizadas em grupos, elaboraram uma paródia
musical, contendo os músculos do corpo humano, suas funções e movimentos. Esta
atividade exigiu muita criatividade das alunas tanto na elaboração da paródia como
na coreografia em que as ações dos músculos deveriam ser exercidas; d) body
painting (pintura corporal): Trata-se de uma técnica de pintura corporal com o
objetivo de fixação das estruturas anatômicas. A atividade foi realizada em
laboratório, com auxílio de tinta guache, pincéis e livros. A professora escolheu o
músculo que cada equipe desenharia sobre a pele e em seguida, as equipes o
apresentaram, bem como sua ação exercida; e) oficinas de resumo e mapa
mental: Foram realizadas pela aluna monitora oficinas de resumo e mapa mental,
com supervisão da professora-orientadora, com o objetivo de orientar as alunas
acerca do que é um resumo, quais os tipos (descritivo, analítico e crítico),
características e dicas básicas para a elaboração tanto de resumo como de mapa
mental através de exemplos simples visando facilitar a compreensão. Seguindo a
análise dos resultados qualitativos e quantitativos do questionário, o qual contou
com 6 perguntas: 5 perguntas objetivas e 1 discursiva. Inicialmente buscou-se ter
uma visão geral da autopercepção do discente em relação ao desempenho
acadêmico antes do início da monitoria (Figura 1): I) Como você avalia o seu
desempenho nesta disciplina antes do início da monitoria?

0,50 41,67%
33,33%
0,40
25,00%
0,30
0,20
0,10 0,00%
0,00
ótimo bom regular ruim
Como você avalia o seu desempenho nesta disciplina
antes do início da monitoria:

Figura 1: Autopercepção geral dos discentes antes do início da monitoria.


Posteriormente buscou-se uma nova autopercepção discente: II) Como
você avalia o seu desempenho nesta disciplina após o início da monitoria? (Figura
2).

66,67%
0,70
0,60
0,50
0,40 33,33%

0,30
0,20
0,10 0,00% 0,00%
0,00
ótimo bom regular ruim
Como você avalia o seu desempenho nesta disciplina após o
início da monitoria

Figura 2: Autopercepção geral dos discentes após o programa de monitoria.

Conforme a tabulação dos dados obtidos, identificou-se que antes do


início da monitoria 33,33% dos participantes consideraram como bom o seu
desempenho acadêmico na disciplina, sendo que após as atividades propostas
durante a disciplina junto à monitora, esse índice aumentou para 66,67%.
Em seguida avaliou-se as novas abordagens didático-metodológicas
(Figura 3): III) Em relação às metodologias utilizadas em sala de aula/laboratório,
julgue as atividades nas quais você obteve melhor desempenho no processo de
ensino e aprendizagem nesta disciplina".
10
9
8
7
6
5
4
3
2
1
0

Figura 3: Avaliação das novas abordagens didático-metodológicas.

Depois buscou-se analisar a qualidade das metodologias utilizadas pelo


docente (Figura 4): IV) Classifique a metodologia utilizada pelo professor em sala de
aula/laboratório que acrescentaram melhora no seu processo de ensino e
aprendizagem nesta disciplina.

83,33%
0,90
0,80
0,70
0,60
0,50
0,40
0,30 16,67%
0,20 0,00% 0,00%
0,10
0,00
ótimo bom regular ruim
Classifique a metodologia utilizada pelo professor em sala
de aula/laboratório que acrescentaram melhora no seu
processo de ensino e aprendizagem nesta disciplina:

Figura 4: A qualidade das metodologias utilizadas pelo docente.

Outro resultado significativo foi em relação às metodologias utilizadas


após o início da monitoria em sala de aula/laboratório, onde 83,83% dos discentes
julgaram ter obtido ótimo desempenho acadêmico em relação a metodologia
utilizada pelo professor em sala de aula/laboratório. Em relação às novas
abordagens didático-metodológicas, aplicadas no programa de monitoria acadêmica,
a atividade de body painting destacou-se como ferramenta para melhora do
desempenho acadêmico dos discentes.
Indagou-se também sobre o desempenho do aluno-monitor (Figura 5): V)
Classifique o desempenho e metodologia do monitor nas atividades desenvolvidas
em sala de aula/laboratório.

50,00%
0,50 41,67%
0,45
0,40
0,35
0,30
0,25
0,20
0,15 8,33%
0,10
0,05 0,00%
0,00
ótimo bom regular ruim
Classifique o desempenho e metodologia do monitor nas
atividades desenvolvidas em sala de aula/laboratório:

Figura 5: avaliação sobre o desempenho do aluno-monitor.

Diante dos resultados obtidos, foi possível observar que as percepções


dos discentes referente às atividades e metodologias desenvolvidas no projeto de
monitoria acadêmica na disciplina de anatomia e fisiologia humana, mostraram-se
satisfatórias no processo de ensino aprendizagem. Tais metodologias foram
fundamentadas em uma avaliação diagnóstica da turma, trazendo à luz a reflexão
sobre uma educação baseada nos aspectos individuais inerentes a cada aluno.
Além disso, a disponibilidade do monitor favoreceu a troca de
experiências entre os alunos contribuindo para a motivação em busca do
conhecimento. Por fim, o programa de monitoria contribuiu para treinamento prático
do aluno-monitor, preparando-o para o ingresso na carreira docente.
CONSIDERAÇÕES FINAIS

Este estudo, evidenciou que, o programa de monitoria acadêmica


contribuiu para o desenvolvimento de novas metodologias para o ensino da
anatomia e fisiologia humana, refletindo resultados positivos no desempenho
acadêmico dos discentes envolvidos.
O estudo destacou também, que além de integrar novas metodologias no
processo ensino, cabe ao docente, na figura de mediador do conhecimento,
despertar e desenvolver no aluno habilidades e interesse pela autonomia no
processo de ensino-aprendizagem. Incentivando o discente a tornar-se autor
principal da busca pelo seu conhecimento, deixando de ser um “mero” ouvinte.
Como este estudo abordou um tema em evolução, que são as
metodologias utilizadas como ferramentas de melhoria do processo ensino-
aprendizagem, este relato de experiência é apenas um começo para uma reflexão
da ampliação do uso do programa de monitoria acadêmica e de metodologias
inovadoras para a educação superior, possibilitando aperfeiçoamentos e ajustes que
contribuam para a consolidação da mesma.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BATISTA, Nildo Alves. BATISTA, Sylvia Helena. Docência em saúde: temas e


experiências. São Paulo: Editora Senac, 2004.

CORDÃO, Francisco Apareccido. A LDB e a nova educação profissional. nº28 (1).


Rio de Janeiro: Boletim técnico Senac. jan-abr., 2002.

DEPRESBITERIS, Léa. Tavares, Marialva Rossi. Diversificar é preciso:


instrumentos, técnicas de avaliação de aprendizagem. São Paulo: Editora Senac,
2009.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática


educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FURASTÉ, Pedro Augusto. Normas técnicas para o Trabalho Científico.


Explicitação das Normas da ABNT. 12ª ed. Porto Alegre, 2003.

LDB. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.394, de 20 de


dezembro de 1996. Brasília: Disponível em: <https://presrepublica.jusbrasil.
com.br/legislacao/109224/lei-de-diretrizes-ebases-lei-9394-96#art-1>. Acesso em: 06
out. 2019.

SILVA, Ione de Cássia Soares da. PRATES, Tatiane da Silva. RIBEIRO, Lucineide
Fonseca Silva. As Novas Tecnologias e aprendizagem: desafios enfrentados pelo
professor na sala de aula. Revista Em Debate (UFSC). Florianópolis, v.16, p. 107-
123, 2016. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.
br/index.php/emdebate/article/view/1980532.2016n15p107>. Acesso em: 10 out.
2019.

OLIVEIRA, Joyce Lúcia Abreu Pereira. SOUZA, Simone Vieira de. Relato de
experiência na atividade de monitoria desenvolvida na disciplina de estágio básico
de observação do desenvolvimento: um texto que se escreve a quatro mãos. Cad.
acad. v.4, n. 1, p.35-46, Palhoça, SC: fev-jul. 2012. Acesso em: 10 out. 2019.
APÊNDICE A

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC


Curso Superior de Tecnologia em Estética e Cosmética
PROGRAMA DE MONITORIA - ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA - 2019.1
QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO - ATIVIDADES DE MONITORIA

NOME:________________________________________TURMA:____________PERÍODO:_________

I- Como você avalia o seu desempenho nesta disciplina antes do início da monitoria?

( ) ÓTIMO ( ) BOM ( ) REGULAR ( ) RUIM

II- Como você avalia o seu desempenho nesta disciplina após o início da monitoria?

( ) ÓTIMO ( ) BOM ( ) REGULAR ( ) RUIM

III- Em relação às metodologias utilizadas em sala de aula/laboratório, julgue as atividades nas


quais você obteve melhor desempenho no processo de ensino e aprendizagem nesta disciplina:

( ) QUIZ DE FIXAÇÃO ( ) PARÓDIA MUSICAL

( ) BODY PAINTING - PINTURA CORPORAL ( ) JOGO DE MIMICA FACIAL

( ) OFICINA DE RESUMOS ( ) LISTA DE EXERCÍCIO

( ) OFICINA DE MAPA MENTAL ( ) SEMINÁRIOS

IV- Classifique a metodologia utilizada pelo professor em sala de aula/laboratório que


acrescentaram melhora no seu processo de ensino e aprendizagem nesta disciplina:

( ) ÓTIMO ( ) BOM ( ) REGULAR ( ) RUIM

V- Classifique o desempenho e metodologia do monitor nas atividades desenvolvidas em sala


de aula/laboratório:

( ) ÓTIMO ( ) BOM ( ) REGULAR ( ) RUIM

Críticas e sugestões:

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

Eu, _________________________________ RG nº ___________________, respondo esse


questionário atribuindo livre consentimento do uso das informações aqui fornecidas por parte dos
pesquisadores sem nenhum ônus. Estou ciente também dos objetivo0073 da pesquisa e da garantia
de confidencialidade, bem como de esclarecimentos sempre que desejar. Diante do exposto e de
espontânea vontade, expresso minha concordância em participar deste estudo.

Manaus, _____ de _________ de 2019.

_________________________________

ALUNO (A)