Você está na página 1de 45

Paquímetro: tipos,

uso, aplicações e
conservação
Prof. Arthur Monteiro Filho
Conteúdo Programático
• Definição de paquímetro.
• Características construtivas.
• Tipos e usos.
• Paquímetro e o principio de Nônio.
• Paquímetro Universal – Leitura no sistema métrico decimal.
• Paquímetro Universal – Leitura no sistema inglês.
• Maneiras certas e erradas de se usar o paquímetro.
• Aplicações.
2
• Conservação.
• Erros de Medição com o Paquímetro.
Conhecimentos Necessários
• Terminologia da metrologia.
• Algarismos significativos.
• História da metrologia.
• O sistema métrico decimal.
• O sistema inglês.
• Grafia dos nomes e símbolos do S.I.
• Transformações de unidades.

3
Definição
O Paquímetro é o resultado da associação
de: uma escala, como padrão de
comprimento; dois bicos de medição, como
meios de transporte do mensurando, sendo
um ligado à escala e outro ao cursor; um
nônio como interpolador para a indicação
entre traços.
4
Características Construtivas

5
Características Construtivas

6
Tipos e usos
• Paquímetro universal;
• Paquímetro com relógio;
• Paquímetro com bico móvel;
• Paquímetro de profundidade;
• Paquímetro duplo;
• Paquímetro digital.

7
Tipos e usos

8
Paquímetro universal
Tipos e usos

9
Paquímetro com relógio
Tipos e usos

Paquímetro com bico móvel (Basculante)


10
Tipos e usos

11
Paquímetro de Profundidade
Tipos e usos

12
Paquímetro Duplo
Tipos e usos
mm / inch (polegada)

Zerar medição

Liga/Desliga
13
Paquímetro Digital
Paquímetro – Principio de Nônio
A escala do cursor chamada de Nônio, consiste na divisão do valor “N” de uma
escala graduada fixa pelo n° divisões de uma escala graduada móvel.

Tomando o comprimento total do nônio que é 9mm e dividindo pelo número


de divisões do mesmo (10 divisões) cada intervalo da divisão mede 0,9mm. 14
Paquímetro – Principio de Nônio
Observando a diferença entre uma divisão da escala fixa e uma divisão da
escala móvel, concluímos que cada divisão do nônio é menos 0,1mm do que
cada divisão da escala fixa. Essa diferença é também a aproximação máxima
fornecida pelo instrumento.

15
Paquímetro Universal
Sistema Métrico Decimal
Cálculo da Resolução

As diferenças entre a escala fixa e a escala móvel de um paquímetro podem ser


calculadas pela sua resolução.
𝑈𝐸𝐹
𝑅𝑒𝑠𝑜𝑙𝑢çã𝑜 =
𝑁𝐷𝑁

UEF = unidade da escala fixa;


NDN = número de divisões do Nônio.

16
Paquímetro Universal
Sistema Métrico Decimal
Exemplos
• Nônio com 10 divisões

1 𝑚𝑚
𝑅𝑒𝑠𝑜𝑙𝑢çã𝑜 = = 0,1 mm
10 𝑑𝑖𝑣𝑖𝑠õ𝑒𝑠

• Nônio com 20 divisões

1 𝑚𝑚
𝑅𝑒𝑠𝑜𝑙𝑢çã𝑜 = = 0,05 mm
20 𝑑𝑖𝑣𝑖𝑠õ𝑒𝑠

• Nônio com 50 divisões

1 𝑚𝑚 17
𝑅𝑒𝑠𝑜𝑙𝑢çã𝑜 = = 0,02 mm
50 𝑑𝑖𝑣𝑖𝑠õ𝑒𝑠
Paquímetro Universal
Sistema Métrico Decimal

18
Paquímetro Universal
Sistema Métrico Decimal
Exercício 1

19
Paquímetro Universal
Sistema Métrico Decimal
Exercício 1

59,4

13,5

1,3
20
Paquímetro Universal
Sistema Métrico Decimal

21
Paquímetro Universal
Sistema Métrico Decimal
Exercício 2

22
Paquímetro Universal
Sistema Métrico Decimal
Exercício 2

3,65

17,45

23
Paquímetro Universal
Sistema Métrico Decimal

24
Paquímetro Universal
Sistema Métrico Decimal
Exercício 3

25
Paquímetro Universal
Sistema Métrico Decimal
Exercício 3

17,56

39,48

26
Paquímetro Universal
Sistema Inglês
• Sempre que uma medida estiver em uma unidade diferente dos
equipamentos utilizados, deve-se convertê-la.

Polegada Fracionada Milímetros

• Para converter polegada fracionária em milímetro, deve-se multiplicar o


valor em polegada fracionária por 25,4 mm.

27
Paquímetro Universal
Sistema Inglês
Cálculo da Resolução

28
Paquímetro Universal
Sistema Inglês

29
Paquímetro Universal
Sistema Inglês

30
Paquímetro Universal
Sistema Inglês

31
Paquímetro Universal
Sistema Inglês
Exercício 4

32
Paquímetro Universal
Sistema Inglês
Exercício 4

.064’’

33
.471’’
Maneiras Certas e Erradas de Usar
o Paquímetro

34
Maneiras Certas e Erradas de Usar
o Paquímetro

35
Posicionar corretamente as faces para Evitar o erro de paralaxe
medição de ressalto
Maneiras Certas e Erradas de Usar
o Paquímetro
UTILIZAÇÃO CORRETA

1- Faça a limpeza do paquímetro e da peça;


2- Posicione a peça, de preferência, apoiada sobre uma mesa;

36
Maneiras Certas e Erradas de Usar
o Paquímetro
3- Segure com a mão direita;

37
Maneiras Certas e Erradas de Usar
o Paquímetro
4- Faça a medida:

a) Desloque o cursor, até que as garras apresentem uma abertura


maior que a medida por fazer na peça.

b) Encoste o centro da garra fixa em uma das extremidades do


diâmetro ou comprimento por medir.

38
Maneiras Certas e Erradas de Usar
o Paquímetro
c- Feche o paquímetro suavemente até que a garra móvel toque a
outra extremidade do diâmetro.
d- Exerça uma pressão suficiente para manter a peça ligeiramente
presa entre as garras.
e- Posicione as garras do paquímetro na peça, de maneira que
estejam no plano de medição.
f- Utilize a mão esquerda, para melhor sentir o plano de medição.

39
Aplicações

40
Conservação
•Manuseio com cuidado, evitando-se quedas e choques;

•Evitar riscos e ou entalhes que prejudiquem suas graduações;

•Evitar sua utilização junto à ferramentas comuns de trabalho;

•Não pressionar o cursor quando o parafuso de fixação estiver


apertado;

•Não expor diretamente a luz do sol;

41
Conservação

Evite aplicar o paquímetro em esforços Evite danos nas pontas de medição.


excessivos. Tome providências para que o Procure que as orelhas de medição
instrumento não sofra quedas ou seja usado nunca sejam utilizadas como
no lugar do martelo. compasso de traçagem. Nem outras 42
pontas,
Conservação

Limpe cuidadosamente após o uso. Proteja o paquímetro ao guardar por


Utilize um pano seco para retirar longo período. Usando um pano
partículas de pó e sujeira, bem como macio embebido em óleo fino
as marcas dos dedos deixados pelo antiferrugem, aplique suavemente em
manuseio. todas as faces do instrumento uma
43
camada bem fina e uniforme.
Erros de Medição com o
Paquímetro
Para obtermos o máximo de rendimento com o instrumento devemos ter em mente que para
uma medição precisa e confiável , são necessárias certas condições , tanto para o instrumento
como para o operador , evitando-se assim erros de influência objetiva (erros do instrumento) e
erros de influência subjetiva (erros do operador).

ERROS OBJETIVOS
•Erros de Planicidade das superfícies de medição
•Erros de Paralelismo das superfícies de medição
Influência do Instrumento
•Erros de divisão da régua (escala fixa e nônio)
•Erros de colocação em zero
ERROS SUBJETIVOS
•Erros por diferença de pressão
Influência do Operador
•Erro de leitura 44
Referências bibliográficas
1. Gonçalves Jr., A.A. - Metrologia e Controle Geométrico. UFSC, 2000.
2. Albertazzi, A. & Sousa, A. R.: Fundamentos de Metrologia Científica e Industrial. 2ª
ed.; São Paulo: Manole (2017).
3. SENAI. Apostila Metrologia – MODULOS ESPECIAIS – MECÂNICA. Itatiba – São Paulo
(2000).
4. SENAI. Apostila Mecânica – Metrologia Básica. CPM – Programa de certificação de
pessoal de manutenção. Companhia Siderúrgica de Tubarão. Vitória: SENAI (1996).
5. INMETRO. Vocabulário internacional de termos fundamentais e gerais de
metrologia. 2ª ed.; Brasília: INMETRO (2000).
6. INMETRO. Vocabulário de Metrologia Legal: A que se Refere a Portaria INMETRO nº
102. 2ª ed.; Brasília: INMETRO (2000). 45

Você também pode gostar