Você está na página 1de 4

O DEUS QUE AGE NA PERSEGUIÇAO

Ideia homiletica: O nosso Deus age em meio a perseguição.

Sentença Interrogativa O que Deus faz quando somos perseguidos/

Sentença de transição: Hoje veremos três maneiras de Deus agir na perseguição.

Introdução

Imagine você estando preso, rejeitado pelo seu próprio povo e sendo perseguido por
falar a verdade, essa é história de um grande homem de Deus, sobre o qual vamos falar hoje.

1.Ideia homiletica: Essa passagem fala de João Batista aprisionado, mas ele não é o
único personagem desta história, aqui nós também vemos Jesus e o que aprendemos é que
Deus age em meio a perseguição do seu povo, Deus, o nosso Deus não é omisso quando vê os
seus sofrendo aqui nesta terra e aqui isto se torna claro. João Batista está preso, mas apesar
disso Jesus continua agindo.

2.Contexto:

Essa passagem se encontra logo depois do capítulo 10, é interessante notar que
naquele capítulo Jesus dá várias advertências sobre a missão dos discípulos e também sobre a
perseguição que eles iam enfrentar, e quando começa o caipítulo 11 nós vemos um exemplo
dessa perseguição que já estava começando, mas aqui contra João Batista.

História de João Batista.

Aqui João Batista está preso porque ele condenou o pecado de Herodes, que havia se
envolvido com a mulher de seu próprio irmão.

Sentença Interrogativa: Mas então, João Batista estando preso, o que foi que Deus na
pessoa de Jesus fez ?

Sentença de transição: Hoje veremos três maneiras de Deus agir quando um dos seus
filhos é perseguido.

I. O nosso Deus conforta os perseguidos. (2-9)


1. Uma pergunta intrigante.

João agora estava preso e ele ouvia falar do ministério que Jesus estava realizando, da
prisão ele envia discípulos até Jesus com uma pergunta, Ele seria quem estavam esperando ou
ainda deveriam esperar outro O intrigante aqui é que não sabemos o porquê de João ter feito
essa pergunta, o fato e que existia uma dúvida aqui, não sabemos se por parte de João ou se a
dúvida era dos discípulos dele, mas o fato é: existia uma duvida. Quando João começou a
pregar sobre o Messias ele disse; O reino está próximo, O messias quando vier irá condenar e
julgar os que não se arrependerem. Mas quando finalmente Jesus chega João é preso e os mal
parece estar ganhando a batalha e o reino de Deus parece estar perdendo. Como era possível,
o messias não viria para julgar os malfeitores, como o mal estava prevalecendo? Havia uma
dúvida pairando sobre o ar. Mas Jesus, o mestre bondoso tem misericórdia de nossa falta de
entendimento, ele foi paciente e respondeu aqueles discípulos, a sua resposta é o suficiente
para tirar toda dúvida que existia.
2. A resposta de Jesus.

Cristo faz um resumo do seu ministério, e os milagres que são citados aqui muito se
parecem com as profecias que Isaías faz sobre a vinda do Messias. Milagres e o Evangeho
sendo pregado aos necessitados. É como se Jesus estivesse dizendo, você se lembra daquelas
profecias? Então, elas estão se cumprindo em mim. É verdade que o Messias vem para instalar
seu reino aqui na terra e julgar os ímpios, mas antes disso ele vem para sofrer e para libertar
muitos cativos, e tudo isso está se cumprindo em mim, todos esses sinais testificam de que eu
sou aquele que os profetas tano falaram.

v.6

O Senhor Jesus quando termina o relato do seu ministério dá uma advertência. Essa
advertência significa que feliz é aquele que não encontra em Jesus motivo para sua
incredulidade, feliz é aquele que mantem a sua fé firme em Cristo. Essa advertência ecoa para
nós hoje, naquela época alguns nutria dúvidas sobre Jesus, mas hoje quando as coisas não
acontecem da forma como queremos não somos também tentados a duvidas Quando
enfrentarmos oposição neste mundo e se enfrentarmos perseguição, será que não seremos
tentados a duvidas? Bom, graças a Deus que ele é misericordioso e nos dá motivos para
continuarmos a crer.

Aqui duas coisas foram usadas para fortalecer a fé daqueles que ouviam a Jesus.

a. O poder de Deus

Primeiro foi o seu poder em operação, milagres estavam sendo realizados, aquilo era prova de
que Des estava agindo e é todo-poderoso para fazer muito ais do que imaginamos.

b. As promessas sendo cumpridas.

Além do poder de Deus em operação, tudo aquilo que estava sendo feito era o cumprimento
das profecias que Isaías havia feito a muito tempo atrás. As promessas de Deus estavam sendo
cumpridas e isso nos dá a confiança de que mesmo eu demore e o mal pareça estar triunfando
neste mundo, no final sabemos que Deus irá cumprir suas promessas.

3. Aplicação

A lição que nós tiramos destes 6 primeiros versículos é que Deus quando um dos seus filhos é
perseguido ele dá conforto e motivos para que ele continue crendo, ele pode crer porque o
poder de Deus está operando e as promessas de Deus estão sendo cumpridas.

Sentença de transição A primeira maneira que Deus agiu em favor de João Batista e age por
nós também, então, é dando conforto e nos consolando ao ver suas obras sendo realizadas.
Continuando, veremos de qual outra maneira Deus age na perseguição.

II. O nosso Deus reconhece e valoriza o que nós fazemos por Ele.

Quando enfrentamos oposição e perseguição, não é só duvidas que surgem no nosso


coração, mas ficamos tristes porque os outros ao nosso redor não reconhecem o que nos
fazemos. João Batista por exemplo era um profeta de Deus, mas mesmo assim estava preso e
muitos não acreditavam nele. Mas o nosso Deus reconhece e valoriza o que nós fazemos por
ele, essa foi a sua segunda maneira dele agir na perseguição de João Batista. E isso está
evidenciado na fala de Jesus que se encontra a partir do verso 7.
1. Jesus descreve João Batista.

Quando os discípulos de Joao Batista vão em bora Jesus passa então a descrevê-lo, era um
verdadeiro crente e fiel a Deus. O próprio Jesus reconheceu isso e usa algumas figuras para
falar sobre ele.

Ele não era um caniço agitado pelo vento, ou seja, uma pessoa sem força e opinião que era
levado pela influência dos outros. Ele teve seus momentos de fraqueza e provavelmente
dúvidas chegaram ao seu coração, mas ele era um crente fiel a Deus.

Ele também não usava roupas finas. Roupas finas aqui falam sobre aqueles que viviam nos
palácios e serviam os reis, e que por isso buscavam riquezas e bajulação das pessoas, mas João
não, ele se vestia com pelo de camelo e vivia nos desertos, seu objetivo não era agradar a
homens mas a Deus e foi por isso que ele foi preso, As pessoas não reconheciam isso, mas
Jesus sim.

2. Jesus reconhece a posição que João Batista possui.

O Senhor Jesus não apenas reconhece quem João Batista é, mas também a posião que
ele ocupa. Ele não é apenas um profeta, mas é muito mais que um profeta. Porque ele não
apenas profetizava, ele era o cumprimento de uma profecia. V.10 João batista era aquele que
viria para ser o precursor do messias, ou seja, de Jesus, haviam profecias sobre ele.

v.11 Agora Jesus dá uma afirmação sobremodo grande sobre João Batista.

v.12 complicado

v.14 Jesus identifica João Batista com Elias, não porque ele era mesmo o profeta Elias
do antigo testamento que tina voltado, mas porque ele veio no Espírito de elias, isto é, assim
como elias joão pregava arrependimento e eles se pareciam até mesmo no modo de vida. João
Batitsa foi o elias que Des havia enviado naquele momento e Jesus diz isso citando uma
profecia de Malaquias 4.5.

3. Aplicação

Nesses versos Jesus fala sobre João e descreve ele e o honra perante toda a multidão, Jesus
reconhecia o trabalho dele, mesmo que o restante do povo não reconheça. Da mesma forma
acontece conosco, mas se preocupem em serem vistos pelos outros, porque quem realmente
vê o nosso esforço é Cristo, é a ele quem devemos honrar.

Sentença de transição: A segunda maneira então de Deus agir por um dos seus filhos quando
perseguido é reconhecer e valorizar o seu esforço aqui na terra, ao contrário do mundo. Nos
aproximando do fim veremos a terceira e última ação de Deus na realidade de João Batista.

III. O nosso Deus reprova aqueles que levantam contra o seu povo.

A partir do verso 16 Jesus para de falar sobre João Batista e passa a reprovar aquela geração
que tinha rejeitado joão como profeta. Contraste.

O problema daquela geração não era apenas rejeitar a João e a Jesus, mas não se contentar
com aquio que Deus tinha a oferecer. A terça e última maneira de Deus agir na perseguição é
julgando aqueles que se levantam contra o seu povo, e o livro de apocalipse deixa isso bem
claro, Deus irá se levantar para julgar o sangue dos seus santos. Os perversos além de serem
reprovados serão julgados perante o grande trono branco.
1. Aplicação

Apesar de não sermos reconhecidos aqui na terra, somos reconhecidos por Deus lá no
céu. Os incrédulos não, eles podem até serem louvados aqui, mas são reprovados por Deus. E
eu faço uma pergunta a você De qual grupo você faz parte, daqueles que são louvados por
Jesus, como João, ou daqueles que são reprovados por ele? E para ser reprovado por Jesus não
é necessário ser um perseguidor como o apostolo Paulo foi ou como erodes que prendeu João,
se você não recebe a Jesus você toma parte no grupo dos que o rejeitaram e perseguiram e no
fim Deus irá julgá-los.

Conclusão.

Concluindo irmãos, hoje vimos três maneiras de Deus agir na perseguição: Ele conforta
os perseguidos, reconhece e valoriza o seu esforço e reprova os incrédulos. Isso nos consola,
porque sabemos que Deus não ficou de braços cruzados quando João foi perseguido e nem
ficaria quando um dos seus filhos sofrer perseguição nesta terra. A nossa certeza é que ele age
para o bem do seu povo e para a sua glória

Você também pode gostar