Você está na página 1de 1

NOME COMPLETO: MILENE DA CRUZ DOURADO

DATA DE NASCIMENTO: 11/09/2002 IDADE: 16 ANOS SÉRIE/TURMA/TURNO: CLASSE ESPECIAL

NATURALIDADE: SOBRADINHO - DF PROFESSORA: TÂNIA MARIA PEREIRA DOS SANTOS

TIPO DE DEFICIÊNCIA: DI (F79) TGD (F84) (RM+TDAH+TOD+TB) ESCOLA ATUAL: ESCOLA CLASSE SONHÉM DE CIMA

A aluna Milene necessita de uma sala especial e de um maior acompanhamento. Por mais que tenha
contato com as outras turmas de 4º e 5º ano (Nos momentos de leitura, confecção de artesanato, atividades
artísticas, canto, etc.), ela possui baixíssima tolerância a ruídos, principalmente aos característicos emitidos
pelas crianças (gritos, agitação etc).

Durante o tempo que a Milene permaneceu na instituição, houve diversas tentativas de inserção nas
turmas regulares, bem como em turmas reduzidas, porém sem sucesso. Neste exercício de 2019, diante da
melhora que ela vem apresentando devido aos novos estímulos que a atual professora vem aplicando,
sobretudo por meio da música, que até então, não demonstrava interesse e motivação alguma em realizar as
atividades propostas em sala de aula que reclamava e por sua vez, ficava nervosa.

A professora conseguiu no decorrer deste ano conduzir a aluna através de materiais especiais,
fazendo uso da música estimulando o aprendizado contínuo, por meio da fonética das letras das canções,
inclusive oferecendo à aluna total liberdade para cantar e se expressar. Ainda nesta temática, foi
confeccionado instrumentos musicais simples onde a aluna executou demonstrando alegria e total empenho.

Visando a integração da aluna como cidadã, a professora promove atividades funcionais, como ir à
academia, ao cinema, ao mercado, bem como utilizou material digital destinado às pessoas em condições
semelhantes às da Milene, disponibilizado pela Universidade de Brasília (UNB), onde foi abordado diversos
assuntos pertinentes para a vivência em sociedade, tais como higiene pessoal, se alimentar, solicitar ajuda
quando necessário, utilização e aplicação do dinheiro, a forma que a sociedade funciona, entre outros.

A aluna possui 16 anos de idade cronológica, entretanto, a sua idade de desenvolvimento está muito
aquém do esperado para tal, se encontrando numa faixa etária que está em desacordo com a admitida pela
instituição, ao mesmo tempo não possui qualquer condição de enfrentar uma turma de Educação de Jovens e
Adultos (EJA), assim estando, numa situação de extrema vulnerabilidade.

O que está sendo pleiteado aqui, é a possibilidade de prosseguimento do trabalho que vem sendo
desempenhado pela professora para com a aluna, que, diante de tanto tempo inerte, a aluna finalmente
demonstra estar chegando à maturação diante das motivações e incentivos aplicados, tomando ciência da
importância da leitura, demonstrando vontade de aprender, ainda que com suas limitações, já consegue
silabar as palavras.

Ainda que em desacordo com a faixa etária admitida pela instituição, solicitamos a permissão de
continuidade dos trabalhos junto à aluna, que em caso de interrupção, será severamente prejudicada, pondo
fim em qualquer perspectiva em obter uma melhor qualidade de vida.