Você está na página 1de 52

3ª COMPANHIA DE

FORÇAS ESPECIAIS
FEsp no Combate de
Resistência
OBJETIVO

Apresentar as concepções de emprego das FEsp


no planejamento, preparo e emprego do Combate
de Resistência, na Defesa da Amazônia
SUMÁRIO
1. INTRODUÇÃO
- Cenário.

2. DESENVOLVIMENTO
a. Abrangência das Op Esp;
b. Emprego das FEsp na Rst;
c. AO FEsp;
d. Estruturação das FRst;
e. Experimentações .

3. CONCLUSÃO
INTRODUÇÃO
Forças Especiais na
Resistência ?

Qual a razão?
ASSIMETRIA = COMBATE MODERNO

Narcotráfico

Mídia
Insurgência
Lavagem de dinheiro
Terrorismo

Organismos humanitários
Crime organizado

Opinião pública
Organizações não governamentais
Conflito 4ª Geração

Combate Assimétrico

Conflito Baixa Intensidade

Guerra irregular
A Amazônia como terreno
fértil para a Guerra Irregular
ASSIMETRIA »» COMBATE MODERNO

COMBATE
MODERNO ?
Forças Especiais na Resistência ?

- VOCACIONADA PARA A GUERRA NÃO


CONVENCIONAL
DESENVOLVIMENTO
ABRANGÊNCIA
ABRANGÊNCIADAS
DASOp
OpEsp
Esp

Fonte: EB20-MC-10.212 Operações Especiais


GUERRA NÃO
CONVENCIONAL
AÇÕES
DIRETAS

OPERAÇÕES
ESPECIAIS
Reconhecimento
CONTRA- Especial
TERRORISMO

Op Contra
Forças
Irregulares

Em função do elevado grau de exigência de capacitações específicas, são


conduzidas exclusivamente por FOpEsp, mesmo quando integradas às
operações convencionais (Op Cbn, Cj ou Sing), no amplo aspecto dos conflitos.
MISSÕES
MISSÕESDE
DETROPAS
TROPASFEsp
FEsp

Rlz Op de Guerra Irregular:


guerra de guerrilha, tanto
em um contexto de Mvt Rvl
como Mvt Rst, subversão,
sabotagem e apoio à fuga e
evasão

“O D E I D” as F Irreg

Fonte: C 31-21 BFEsp


GUERRA NÃO CONVENCIONAL
É o conjunto de ações de baixa visibilidade conduzidas em áreas hostis, negadas
ou politicamente sensíveis destinadas a estruturar, prover, instruir, desenvolver e dirigir
o apoio local, a fim de contribuir com a consecução de objetivos políticos ou
estratégicos de mais longo prazo.

CARACTERÍSTICAS FASES
- No campo militar são ações de Guerra Irregular; O envolvimento de Forças Especiais na
- Forças irregulares locais são organizadas, capacitação de F Irreg locais normalmente ocorre
expandidas e empregadas em combate em 7 fases, que não necessariamente obecem a
irregular; sequência indicada e podem ocorrer
- Demandam tempo e proporcionam resultados a simultâneamente.
médio e longo prazo;
- São operações permanentes ou sistemáticas; - Preparação;
- Destina-se a complementar, apoiar ou ampliar - Contato Inicial;
demais Operações no TO/A Op; - Infiltração;
- É empregado quando forças convencionais não - Organização;
se mostram adequadas e também para - Expansão;
economizar meios; - Emprego em Combate;
- São utilizadas para influenciar população local - Transição.
num movimento de resistência ou de
insurgência.
GUERRA IRREGULAR
É todo o conflito armado conduzido por uma força que não dispõe de organização
militar formal e, sobretudo, de legitimidade jurídica insitucional. É a guerra travada por
uma força não regular. Ex: guerra de guerrilha, subversão, sabotagem, terrorismo e
fuga e evasão.

CARACTERÍSTICAS Estruturação das Forças Irregulares


- Apoio da população; - Força de Guerrilha
- Relevância dos aspectos políticos e Seguimento ostensivo e militarmente organizado
psicossociais; para realizar operações de combate.
- Menor relevância dos aspectos militares; - Força de Sustentação
- Conflito prolongado e persistente; Composta de uma rede clandestina de apoios
- Táticas ligeiras; locias, imprescindível para a sobrevivência e a
- Não linearidade; expansão das F Irreg.
- Difícil detecção; - Força Subterrânea
- Insubordinação a restrições legais; Organização clandestina consituída de células,
- Atuação em pequenos grupos; compartimentadas e autossuficientes, de difícil
- Menor distinção entre níveis de planejamento identificação, que atuam em áreas negadas à Força
político, estratégico e tático; de Guerrilha.
- Indefinição de responsabilidade da Defesa e da
Segurança;
- Indicadores de desempenho e eficácia próprios.
ABRANGÊNCIA
ABRANGÊNCIADAS
DASOp
OpEsp
Esp

Fonte: EB20-MC-10.212 Operações Especiais


MISSÕES
MISSÕESDE
DETROPAS
TROPASFEsp
FEsp

Contra alvos de elevado valor


estratégico

- DAC
- DOFEsp (“limitado”)

Fonte: C 31-21 BFEsp


AÇÕES DIRETAS
São ações ofensivas de pequena envergadura e de curta duração, realizadas por
tropa capacitada, de valor e constituição variáveis, por meio de infiltração terrestre,
aérea e/ou aquática, contra alvos de valor significativo, localizados em ambientes
hostis, negados ou politicamente sensíveis.

CARACTERÍSTICAS Fatores de êxito das Ações Diretas


- Difere de ações convencionais pelo nível de - Simplicidade;
risco físico e político; - Inteligência detalhada no nível operacional e
- Utiliza técnicas operativas com alto grau de tático;
precisão e uso seletivo da força para alcançar - Segurança;
objetivos específicos; - Repetição;
- São ações em força com ataques a alvos - Surpresa;
críticos, para destruir, interditar, neutralizar - Rapidez;
(capturar ou eleminiar seletivamente), resgatar - Propósito;
(pessoal ou material) e/ou causar danos a alvos - Oportunidade;
designados, bem como localizar objetivos para - Determinação;
condução de fogos; - Criatividade;
- A seleção dos alvos devem ser concebidas nas - Limitação do número de objetivos;
fases de planejamento e preparação, - Reduzido efeito colateral.
devidamente apoiadas e perfeitamente
sincronizadas no espaço de batalha.
AÇÕES DIRETAS (AÇÕES DE COMANDOS)
UMA
UMADAS
DASCONCEPÇÕES
CONCEPÇÕESDE
DE
EMPREGO
EMPREGO
Ser empregada em situações de
normalidade institucional, antecedendo a
deflagração de uma eventual crise.
EMPREGO
EMPREGOdas
dasFEsp
FEspna
naRst
Rst
Ambiente Difuso
Configuração da ameaça

Esgotam-se os esforços da Expressão Política e


do Poder Nacional

Risco: AMAZÔNIA

Recursos Estratégia da
dissuasórios Defensiva
EMPREGO
EMPREGOdas
dasFEsp
FEspna
naRst
Rst

Emprego da RESISTÊNCIA pelo CMA / CMN

CMA/CMN passará a Utlz TTP não convencionais

Há especialistas em G Irreg no CMA / CMN

Emprego das
FEsp no Cbt Rst

Atualização doutrinária: EB20-MC-10.210 de 2014


Organização
Organizaçãoda
daAAOp
Op

- - Valorização
Valorização dos
dos núcleos
núcleos urbanos,
urbanos,
das
das infraestruturas
infraestruturas críticas
críticas ee das
das
vias
viasdedetransporte;
transporte;
- -Ambiente
Ambienteurbano
urbanoeerural;
rural;
- -Necessidades de Sup Cl
Necessidades de Sup Cl V; V;
- -AACmb
CmbOp OpRst
Rst XX AOFEsp;
AOFEsp;
- -AOGI
AOGI XXAOFEsp.
AOFEsp.
AOFEsp
AOFEsp

Campo de Batalha no Cmb Rst


AOFEsp
AOFEsp

Esquema de manobra da FTC


ESTRUTURAÇÃO
ESTRUTURAÇÃODAS
DASFFRst
Rst
A Cmb Rst
F Resistência

F Principal F Sustentação F Subterrânea

AOFEsp
F Irregulares

F Guerrilha F Sustentação F Subterrânea


FEsp
FEspeeaaFORÇA
FORÇAPRINCIPAL
PRINCIPAL
- Tropa regular
- Força que atua como uma organização clandestina
- Preparação específica, sob orientação de especialistas
- Instruções a exemplo do DOPAZ / BRABAT

Apoio no preparo das tropas


FEsp
FEspeeaaFORÇA
FORÇAde
deSUSTENTAÇÃO
SUSTENTAÇÃO
- Recrutamento:
Ostensivo (colaboradores)
Clandestino (seleção e treinamento)

- Treinamento:
Ocultação de depósitos Sup
Trnsp dissimulado de pessoal e material
Com Sig
Primeiros Socorros

- Passagem para a F Marupiara: controladores

Possibilidade de selecionar, recrutar e estruturar


FEsp
FEspeeaaFORÇA
FORÇASUBTERRÂNEA
SUBTERRÂNEA
- Essencialmente nas AOFEsp
- Elevado risco de descontrole
- Em menor escala nas A Cmb Rst *

- Debate: “sob controle do Cmt F Pcp”


- Posicionamento das FEsp: “sob controle do Cmt FTC”
FEsp
FEspeeaaFORÇA
FORÇASUBTERRÂNEA
SUBTERRÂNEA
- Situações em que a F Pcp é impedida de atuar;
Elevada capacidade do invasor; e
Falta de apoio popular.

ou

- Área que não comporta tropa valor SU ou superior


(local restrito ou pouco habitado).

Emprego apenas da F Subt e F Sust

Selecionar, organizar, treinar e conduzir


ESTRUTURAÇÃO
ESTRUTURAÇÃODAS
DASFFRst
Rst
A Cmb Rst
F Resistência

F Principal F Sustentação F Subterrânea

AOFEsp
F Irregulares

F Guerrilha F Sustentação F Subterrânea


Forças Irregulares
FASES
FASESDA
DARESISTÊNCIA
RESISTÊNCIA
A importância da 1ª Fase
“Antes da invasão ou preparação para Rst”

- Operações de Intlg e infiltração de Elm FEsp

- Contextualizar os exercícios valorizando os


antecedentes da invasão
Operações e
experimentações
da
3ª Cia FEsp
ZL DE RESSUPRIMENTO PARA O DOFEsp operada pela
F Sustentação
Ativação da RAFE/LAFE
- Anv Cougar abatida na Rg de ALVARÃES
- Dois militares da tripulação ativaram a RAFE/LAFE
Operação Ajuricaba

Apresentação e seleção do pelotão mobilizado


Instruções preparatórias sobre combate de resistência
Tiro de Fuzil
Preparação de paraquedas improvisado
(lona plástica, fita e cadarços)
Vídeos de lançamentos teste
CONCLUSÃO
- Importância de entender o Combate Rst
como um esforço integrado.
- Sacrifício / vontade / envolvimento.
Qualquer missão
A qualquer hora
Em qualquer lugar
De qualquer maneira

O ideal como motivação


A abnegação como rotina
O perigo como irmão
A morte como companheira

Você também pode gostar