Você está na página 1de 1

Cristo no hospital Na lavanderia, Cristo confortado por

Verônica,
Encontrei-me com ele na portaria do
hospital, Que lhe enxuga o rosto banhado em sangue.

Cristo cansado e sofrido, que diz: No visitante distraído:

“É preciso que hoje me hospedes em tua “Venha, que seu amigo Lázaro está doente”.
casa....”
No quarto do rico, auto-suficiente,
No berçário, um deus menino,
que se esquece que o dinheiro compra o
Jesus do presépio de Belém, remédio,

Pequenino e frágil, salvação da humanidade: Mas não a saúde da alma, Cristo agonizante
súplica: “Tenho sede!”
“Quem não se tornar como uma criança...”
Na sala de cirurgia, Cristo rasgado pela lança
Na sala de reuniões, de decisões
do centurião,
importantes,
No seu último instante de agonia.
Cristo, no templo, fala aos doutores da lei
Nos corredores silenciosos e tristes, Cristo
“e todos ficam admirados
caminha semeando consolo e perdão dos
De sua sabedoria e respostas”. pecados.

Na cozinha, cristo se reparte para a última Mas ele caminha também nos corredores ou
ceia, subterrâneos

Nos do seu corpo, seu sangue, sua vida... De nossa consciência acomodada

“tomai e come, isto e o meu corpo, E nos aponta o caminho, a verdade e a vida.

Tomai e bebei, isto e meu sangue...” No necrotério, Cristo sepultado descansa

Na sala de raio-X, Cristo transparente da sua As suas dores na certeza da ressureição.


agonia
No sacrário da capela do hospital, cristo vivo,
Jardim das Oliveiras, Cristo despido e nu
Ressuscitado, vitorioso, com todo o seu
diante do povo,
amor:
Na sala da ortopedia,
“vinde a mim vós todos que estais cansados
Cristo esticado na sua cruz,
Sobrecarregados e eu vos aliviarei.”
Cristo imobilizado,

Na enfermaria geral, Cristo renegado,


esquecido, desprezado,

Sofrendo sozinho porque todos fugiram


amedrontados,

Na sala de curativos, Cristo flagelado, carne


rasgada e dolorida,

Suspenso da cruz de nossas omissões.

Você também pode gostar