Você está na página 1de 2

A etimologia da Totafot

Judaísmo , Primavera de 1993 pela Rand Herbert


• 1
• 2
• 3
• 4
• Seguinte

À mais de dois séculos, os hebreus viviam na região do Delta do Nilo, em primeiro


lugar como convidados do Faraó e, mais tarde, como escravos. Durante esse tempo, o
hebraico e as línguas egípcio emprestadas as palavras do outro. Mais de três centenas de
palavras e expressões que estão incluídos na Bíblia hebraica, alguns intactos e alguns de
forma modificada, foram reconhecidos pelos egiptólogos como egípcio empréstimo
palavras (1).
Algumas palavras, emprestado intactos de uma outra língua, pode ser dada uma
pronúncia equivalente. O inglês fala de Paris, mas o francês pronuncia a palavra como
Paree. O dialeto falado no Baixo Egito diferia da forma como algumas palavras foram
pronunciadas no Alto Egito, de modo que uma vida israelita na região do Delta do que
ouvir uma palavra pronunciada no dialeto de Mênfis, o que difere da de Tebas. Por
exemplo, a carta como "p" seria pronunciado como "f" no Delta (2).
A palavra "totafot" aparece pela primeira vez na Bíblia em Ex. 13:16. A pronúncia foi
fixada pelos massoretas (6 - Século 10, CE, estudiosos rabínicos), que inseriu os pontos
diacríticos no texto para sons de vogais. Tanto o hebraico ea língua egípcia escrita
foram consonantal, as vogais foram fornecidas pela utilização (3) A pronúncia hebraica
de um egípcio empréstimo-palavra é uma chave de como essa palavra foi falada no
Egito..
Totafot (doravante denominada "a palavra T") tem sido interpretada como testeiras,
porque, de acordo com o texto bíblico, que era para ser usado "entre os olhos." Foi
traduzido como filactérios em grego (amuletos) e como um tefilin (a pós-bíblico da
palavra, rabínica que conota uma ajuda em oração). A etimologia da palavra T "não é
clara", segundo Cassuto, (4) é considerado como um egípcio empréstimo palavra de
acordo com Yahuda, (5) que não oferece nenhuma evidência para apoiar essa sugestão.
Budge (6) afirma que ninguém parece saber o significado da palavra. Speiser diz que,
das diversas etimologias que são propostas, nenhum foi considerado satisfatório, mas
ele faz a sugestão, que ele mesmo considera como "especulativo e teórico", que a
origem da palavra T será encontrada no sumério ou acadiano. Ele conclui que a palavra
nunca pode ser completamente desprovido de mistério (7).
Até agora, os estudiosos não têm procurado na área a partir da qual uma resposta
provavelmente seria de esperar. Todos os sinais apontam para direcional do Livro do
Êxodo e ao impacto da cultura e da religião do Egito sobre os israelitas (8).
A palavra T é uma palavra inventada que não tinha existência prévia antes de aparecer
em Êxodo. É uma palavra dupla formada conhecido por gramáticos como uma
reduplicação - onde o som da primeira sílaba é repetido na sílaba correspondente da
palavra acrescentou. Um exemplo em Inglês seria "abracadabra". A palavra T é
hebraico, mas o fundo é egípcio. Ele teria sido reconhecido menos, ou
aproximadamente, o tempo do Êxodo por qualquer pessoa familiarizada com as duas
línguas e com a religião e os deuses do Baixo Egito. Os dois elementos da palavra T são
Thoth e Ptah, os nomes dos deuses primários na cosmogonia Memphis. Thoth era
tocado sem qualquer alteração, seja por escrito em hebraico ou em egípcio.
Na última linha e em outras partes do texto hieroglífico da Pedra de Roseta (no Museu
Britânico), pode-se observar um quadrado, um semi-círculo, e uma corda torcida - uma
combinação que expressa o nome de um deus cujo nome aparece em letras gregas com
o som do Phot, na seção grega do texto.
Não há nenhuma maneira de saber exatamente como o som da vogal em Ptah foi
pronunciada no Egito, mas o som O tempo da palavra Hebraicized é, sem dúvida, a
maneira como um israelita em Goshen teria reconhecido como sendo o nome do deus-
chefe da Memphis. Além disso, ao escrever a palavra em hebraico Ptah na sua posição
na palavra de T, as regras da gramática hebraica (assim como o dialeto Memphis) iria
substituir o som de f para a letra p. Veja Gn 41:44, onde a palavra "faraó" aparece duas
vezes, uma com o ponto na primeira letra hebraica para o som pesado de p e,
novamente, sem o ponto, dando a primeira letra ao som de f.
Ptah (Phot) foi considerado pelos egípcios como o criador do mundo: todos os outros
deuses menores, incluindo Thoth, foram os produtos de sua divina vontade. Thoth era o
deus da aprendizagem e da sabedoria: ele inventou a escrita - as "palavras de Deus." Ele
foi o escriba dos deuses, eo juiz do certo e errado na outra vida (9).
No antigo Egito, as práticas da medicina e da magia são intimamente relacionadas. Cura
muitas vezes chamado de encantamentos, como a magia para exorcizar enxaqueca. Esse
encantamento termina com:
Vou fazer por você o amuleto mágico dos deuses, seus nomes pronunciados neste dia
inscritos em linho fino e colocou na testa do homem (10).
Em Ex. 8:15, os mágicos do Faraó não poderia duplicar a praga de piolhos, um ato de
criação. Eles declararam que a praga era "o dedo de Deus" e, portanto, além de seu
poder. O ezba palavra (dedo) é uma palavra egípcia empréstimo, ea expressão é egípcio.
A expressão "dedo de Thoth" era corrente em textos mágicos. O uso seguinte na Bíblia
da frase, "dedo de Deus", é a Ex. 31:18, onde as mesas de pedra, que foram recebidos
por Moisés no Monte Sinai dizem ter sido escrito "pelo dedo de Deus". A palavra T
reflete dois aspectos do dedo divino: o poder de criação e os atributos do legislador e
escriba. Finalmente, os israelitas chegaram a considerar a palavra T não apenas como
uma expressão figurativa, mas como um objeto com propriedades preventivas. Deus não
havia lhes assegurou que, se eles guardaram Seus mandamentos, "eu não porá nenhuma
das doenças em cima de você que eu pus sobre os egípcios, pois eu sou o Senhor que te
sara?" (11) (Ex. 15:26) . A mesma garantia foi repetida cerca de quarenta anos mais
tarde para uma geração que não tinha participado no Êxodo. Não havia mais qualquer
necessidade de recorrer aos deuses do Egito para a cura. A partir daí, o objeto referido
pelo termo T suplantaria os feitiços e encantamentos. Os hebreus poderia dependem
exclusivamente de um único Deus de Israel.