Você está na página 1de 23

L OGÍS TICA DE CONTAINE R

E L E ME NTOS DA L OGÍS TICA P OR TUÁR IA


Egberto Fioravanti Ribeiro

Copyright 2001©Egberto F Ribeiro


Slides Descritivos do Curso de Logística Portuária Curitiba
2007 - Edição Digital ISBN 978-85-906811-0-6
Egfior Empreendimentos Ltda. Autor-Editor
PLANEJAMENTO
COMÉRCIO EXTERIOR (Inlet – Outlet)
ZONA DE INFLUÊNCIA: Brasil – Mercosul
COMÉRCIO INTERNACIONAL: Mercosul – Worldwide
MERCADORIA: Alimento – Energia – Industrial
PRAZO DE ARMAZENAMENTO: 15 Dias no Porto
TRÂNSITO: Rodovia – Ferrovia – Hidrovia
ZONA PRIMÁRIA: Portos – Aeroportos – Entrepostos
FISCALIZAÇÃO: Nacional – Internacional
OPERAÇÃO: Terminal Público – Terminal Privado
2
MERCADORIA E EMBALAGEM
Contrato Internacional: Embalagem – Peso – WPM – Container
Carga Geral: Caixas – Sacos – Cartões – Fardos – Tambores – Container
Grãos in Natura: Granel – Sacos – Fardos – Container
Farelos: Granel – Baixa/Alta Proteína – Sacos – Pellets – Container
Máquinas: Unitárias – Container
Veículos: Roll on/off – Container
Líquidos: Tambores – Container Tanque – Canalizados – Container
Gasosos: Container Tanque – Canalizados – Container
3
DICAS DE ARMAZENAGEM
Carga Geral: Espaço Livre para retirar qualquer lote. Não encostar nas
paredes e manter espaço de um metro para passagem de extintores.
Grãos em Armazém de Carga Geral:
Não encostar na parede dos armazéns para não danificar o imóvel.
Cereais formam depósitos piramidais. Fazer barreira de madeira a 1/3 da altura da parede.
Não separar dois tipos de cereais a granel com tapumes para não misturá-los.
Pó de malte de cevada e outros cereais em suspensão são inflamáveis; exige cuidado.
Goteiras causam focos de fermentação em farelos e provocam a combustão dos lotes.
Farelos: Não depositar farelos em silos verticais para nãoaderir à estrutura.
Material compactado na lateral pode causar o desabamento do silo. Não colocar pessoas
dentro da célula de silos para socar o material entupido,a descompressão irá sugá-las.

4
SISTEMAS DE ARMAZENAMENTO
TERMINAL GRANELEIRO
Silos Verticais: Grãos lisos e secos – Intempéries – Insetos – Animais – Explosão
Silos Horizontais: Farelos – Hi/Lo – Cereais tostados – Ventilação
Tanques: Combustíveis Líquidos – Gasosos – Óleos – Químicos – Álcool
Terminais: Fertilizantes – Sal – Combustíveis – Contêineres
CARGA GERAL
Armazéns: Área Coberta – Exportação e Importação – Frigorificados – Céu Aberto
Pátios: Máquinas – Extra-peso – Extra-alto – Veículos – Contêineres – Tambores
GRANÉIS LÍQUIDOS
Inflamáveis: Líquidos e Gasosos – Canalização – Tanques – Termo-Asfáltico
Químicos: Líquidos e Gasosos – Canalização – Tanques
Óleos Vegetais: Líquidos – Pastosos – Canalização – Tanques
5
MEIOS DE TRANSPORTE
RODOVIÁRIO AO PORTO
Direto ao Porto: Cereais – Farelos – Papel – Compensado – Container
Indireto através de EADI ou Entreposto: Container – Madeira – Químicos
Intermodal: Container – Aço – Cereais – Compensado

FERROVIÁRIO AO PORTO
Direto ao Porto: Papel – Madeira – Compensado – Aglomerados – Container
Indireto através de Terminal: Cereais – Farelos – Químicos – Container

HIDROVIÁRIO AO PORTO OU REGIÃO


Intermodal: Papel – Compensados – Cereais – Cimento – Container
Indireto através de Terminal: Cereais – Fertilizantes – Container

6
ZONA PRIMÁRIA
Segurança
Nacional: Federal – Relações Exteriores – Leis Ambientais
Internacional: Navios (ISPS) – Portos – Estaleiros – Livre Trânsito
Pessoal: EPI – Treinamento – ISPS
Mercadoria: Classificação de Riscos IMO e WPM

Portarias e Normas
Relação de Cargas: Recebimento e Entrega de Mercadorias
Operacional: Pranchas – Armazenamento – Trimming – Pré Stacking
Depósito Compulsório: Retenção de Cereais
Portarias Regulamentadora: Atracação
Portarias Tarifárias: Embarcador e Transportador
7
DESPACHO ADUANEIRO e VISTORIAS
Declaração de Importação: Sixcomex (Registro de Exportador)
Transporte: Nota Fiscal – Manifesto – MIC – B/L – Master – Lacre
Armazenamento: Averbação – Mantra (Lote – Peso – Quantidade – Local)
Canais: Verde (Liberação imediata pelo Siscomex, sem vistoria)
Amarelo (Vistoria Documental pelo Auditor na Alfândega)
Cinza (Análise dos Valores das Mercadorias em Tributos pelo Auditor)
Vermelho (Vistoria Física da Mercadoria e NBM Técnico e Auditor)
Azul (13 empresas habilitadas) Liberação em 8 hs ou 7 dias às demais.
Vistorias: Ex-Officio – A Pedido (Importador/transportador/seguro/depositário)
Nacionalização: Liberação – DI Declaração de Importação
Custeio: Frete – ARFMM – Seguro – IPI – Tarifas Portuárias – THC – ICMS.
8
ARMAZENAMENTO
CARGA GERAL – GRANÉIS – CONTÊINERES – INFLAMÁVEIS – LÍQUIDOS

REQUERIMENTOS: Relação de Carga – Definir o Depósito

VERIFICAÇÃO: Marcas – Lotes – Destino – Quantidade – Peso – Altura

NAVIOS: Guindaste – Ponte Rolante – Grua – Tanques – Cerra-pilhas.

PRAÇAS – TANQUES – CÉLULAS: Lotes – Marcas – Mercadorias – Pool

PORTOS: Ordem – Separação – Altura – Peso – Quantidade

TONELAGEM: Granel – Container – Equilíbrio – Horas Trabalhadas

AMOSTRAS: Laboratoriais – Fiscais – Certificados de Peso e Qualidade

CUSTEIO: Armazenagem – OGMO – THC – Tributos e Tarifas – Frete – Seguro

9
ESTUFAMENTO
MERCADORIA: Compatível – Altura – Largura – Peso

ESTUFAMENTO: Carga Plena FCL – Carga Parcial LCL

LOTE: Homogêneo – Heterogêneo

VOLUME: Peso único – Peso Variado

MODALIDADE DO CONTAINER: FCL/FCL – LCL/LCL

LOTE UNITÁTIO: Peso e Equilíbrio

LOTES MÚLTIPLOS: Pesados – Médios – Leves – Marcas – Destinos

DEVOLUÇÃO: Retirar do Container

PRÉ STACKING: Embarque em até 48 horas


10
DESOVA
CONTAINER LCL: Mercadoria e Container por Conveniência de Bordo

CONTAINER FCL: Container Entregue Diretamente ao Importador

LACRES: Verificam-se o Número e o Estado Geral do Lacre

AVARIAS NO CONTAINER: Amassados mais profundos do que 5 cm, furos etc

ABERTURA: Fiscal da Receita Autoriza o Rompimento do Lacre com Alicate

LOTES DE MERCADORIAS: Depositados em Quadras Demarcadas – Um de Alto

AVARIAS NAS MERCADORIAS: Termo de Avaria para LCL. FCL Isenta o Terminal.

FOLHA DE DESCARGA ou MANTRA: Entrega à Receita Federal e Importador

TERMO DE AVARIA: Assinado pelo Terminal e Transportador Marítimo


11
ATRACAÇÃO
PEDIDO DE ATRACAÇÃO: Agente Protetor pede Atracação à Marinha

NAVIO ESPERADO: Agente Protetor Avisa aos Órgãos Públicos e Terminal

AVISO DE FUNDEIO: Comandante Informa o Local e Hora do Fundeio

PRONTO PARA EMBARQUE: Comandante Emite o Aviso de Pronto

CHAMADA PARA ATRACAÇÃO: Terminal Chama o Navio para Atracar

PRÁTICO E REBOCADOR: Um Prático é Designado e Pede Rebocadores

INÍCIO DO EMBARQUE: Após a Escada Estar Liberada Para os Estivadores

MUDANÇA: Saída de um navio do seu local inicial de atracação para outro

DESATRACAÇÃO: Ao Término da Operação, Libera-se para Desatracar


12
EMBARQUE DE CARGA GERAL
PLANEJAMENTO: Reunião Antecipada Entre Operador Portuário e Terminal

PESSOAL OGMO: Operador Solicita ao OGMO os Estivadores e Arrumadores

PESSOAL TERMINAL: Pessoal para Armazéns, Pátios e Equipamentos Imp/Exp

EQUIPAMENTO DE TERRA: Empilhadeiras, Guindastes, Carretas etc

EQUIPAMENTO DE BORDO: Guindastes, Pontes, Empilhadeiras, Exaustores etc

PEDIDO DE LOTES: Supervisor de Bordo Pede ao Terminal o Lote da Vez.

ENVIO DOS LOTES: Os Lotes são Enviados Conforme o Solicitado. Baixa no Reg.

ESTIVAGEM A BORDO: Estivadores Colocam as Mercadorias Conforme o Plano

PEAÇÃO: As Mercadorias são Amarradas no Porão por Conexos

13
PLANO DE CARGA GERAL Kobe – Yokohama

Porto Planta Baixa do Porão 3


Vante
Proa
BB BE
Mercadoria
Peso 400 Skids
com
400 Skids
com #1
Tipo
Terminais Cruzetas
50 tons 50 tons
Yokohama Yokohama
#2
Empilhável Barras de
Aço

Altura 400 tons


Kobe
#3
Equilíbrio
250 Skids 200 Skids
com com
Blocos de Cabeçotes

Equipamento Motores
50 tons
Yokohama
50 tons
Yokohama

#4

Bb= Bombordo Ré Be= Boreste Popa


14
PLANO DE CARGA
NAVIO FRIGORÍFICO
Sharjah – Kwait – Damman
EGFIOR STOWAGE PLAN OF THE: SAN MARINO Bahrain
Voyage 02 –//– March 99

4A KHIYAMI 3A FEDERALFOODS 435 Pal 2AFEDERAL FOODS 349 Pal 1A AL KHAN 254 Pal
Chickens Griller/Broiler ChikenParts/Sausages Chickens Broiler Griller Chicken Parts/Sausage
490 Pallets Chickens Broiler Chickens Griller
AL KHAN – 85 Pallets

CASA DE MÁQUINAS
SHARJAH SHARJAH SHARJAH SHARJAH
4B AL SAGER 3B AL SAGER 2B KHIYAMI 1B KHIYAMI
Chickens Griller/Broiler Chickens Griller/Broiler
Chickens/Griller/Broiler Chickens/Griller/Broiler
400 Pallets 167 Pallets
400 Pallets 454 Pallets
KWAIT KWAIT SHARJAH SHARJAH
4C AL SAGER 3C AL SAGER 2C AL SAGER 1C AL SAGER
Chickens/Griller/Broiler Chickens/Griller/Broiler Chickens/Griller/Broiler Chickens/Griller/Broiler
215 Pallets 474 Pallets 375 Pallets 100 Pallets
KWAIT KWAIT KWAIT KWAIT
3D ABBAR & ZAINY 2D ABBAR & ZAINY 1DTRAFCO ABBAR & ZAINY
#4 – 1105 Pallets ChikenParts/Sausages ChikenParts/Sausages
Chickens Broiler Chickens Broiler Chickens Chikens Griller
38 Pallets 46 Pallets
443 Pallets 322 Pallets
DAMMAN DAMMAN BAHRAIN DAMMAN
3E TRAFCO 2E TRAFCO #1 – 605 Pallets
SHIP'S CAPACITY ChickensParts/Sausage Chickens Griller
5.685 PALLETS Broiler/Griller- 223Pallets Grand Total of Cargoes
415Pallets BAHRAIN 543.582 Cartoons
BAHRAIN
5.836.144 Kg Net Wgt
#3 – 2221 Pallets #2 – 1754 Pallets 5.911 Pallets

15
EMBARQUE DE GRANEL
PLANEJAMENTO: Reunião Antecipada Entre Operador Portuário e Terminal

PESSOAL OGMO: Operador Solicita ao OGMO os Estivadores para Rechego

PESSOAL TERMINAL: Operadores, Silos, Balanças de Fluxo, Ship Loaders

EQUIPAMENTO DE TERRA: Pás Carregadeiras, Balanças, Dalas, Ship Loaders

EQUIPAMENTO DE BORDO: Abertura de Porões, Lastro, Trimming

PEDIDO DE LOTES: Supervisor de Bordo Pede ao Terminal os Lotes da Vez.

ENVIO DOS LOTES: Os Lotes são Enviados Conforme o Solicitado

ESTIVAGEM A BORDO: Estivadores Limpeza de Convés e Rechego

TRIMMING: As Mercadorias são Espalhadas na Boca do Porão por Máquinas

16
RECHEGO COM PATROLA EM PORÃO

LUZES DE EQUILÍBRIO

LUZ DE NAVEGAÇÃO LUZ DE NAVEGAÇÃO


BE BB

DALA DO SL

ESCOTILHA
Lastro
CAIS
FUNIL

FLUTUANTE

FARELO

17
TRIMMING EM PORÃO DE NAVIO
LUZES DE EQUILÍBRIO

LUZ DE NAVEGAÇÃO LUZ DE NAVEGAÇÃO

Trimmer = Estivador

LASTRO ESCOTILHA
CAIS
Fator de Estiva

tons
FLUTUANTE

FARELO

18
EMBARQUE DE GRANEL
MUDANÇA DE PORÃO
PARADA PARA MUDANÇA DE PORÃO: Supervisor Pede a Parada do Embarque

PAINEL DE CONTROLE: Operador Fecha as Gavetas dos Silos e Armazéns

SHIP LOADER: Operador Aguarda a Limpeza da Dala para Mudar de Porão

REINÍCIO DE EMBARQUE: Operador do Painel Reabre as Gavetas

EQUILÍBRIO: O Imediato Pede a Mudança da Posição da Lança do Ship Loader

TRIMMING: Supervisor a Bordo Pede Certa Quantidade ao Painel de Controle

COLOCAÇÃO DE MÁQUINA DE RECHEGO: Guindaste Locado

TÉRMINO DE PORÃO: A Máquina é Retirada de Bordo e o Porão é Fechado

TÉRMINO DE EMBARQUE: Todos os Lotes São Embarcados

19
DESCARGA DE GRANEL
PLANEJAMENTO: Reunião Antecipada Entre Operador Portuário e Terminal

PESSOAL OGMO: Operador Solicita ao OGMO os Estivadores e Arrumadores

PESSOAL TERMINAL: Pessoal para Notas de Saída e Balanças

EQUIPAMENTO DE TERRA: Guindastes, Funis, Grabs, Balanças etc

EQUIPAMENTO DE BORDO: Porão, Pás Carregadeiras, etc

ENVIO DE LOTES: Supervisor Descarrega os Lotes por Porão Conforme o Plano

CONCLUSÃO DE LOTES: Os Lotes Descarregados são Concluídos por Vez

RECHEGO: Estivadores Fazem a Limpeza das Cavernas e Porões

RELATÓRIO FINAL: Operador Portuário Considera as Faltas até 5% ao Menor Lote


20
EMBARQUE E DESCARGA
DE CONTAINER
TERMINAL DE CONTAINER: Consolidação – Desconsolidação – Pré Stacking

CONSOLIDAÇÃO: Armazém ou Pátio Onde se Estufam os Contêineres

DESCONSOLIDAÇÃO: Armazém ou Pátio Onde se Desovam os Contêineres

PRÉ STACKING: Navio – Porto – Peso – Baia

EQUIPAMENTO: Grua – Ponte Rolante – Guindaste

PESSOALem TERRA: Arrumadores – Terminal – Receita Federal – Empresas

TRANSPORTE: Cavalo Mecânico – Carreta – Mafi – Chart – Straddle Carrier

PESSOAL A BORDO: Estiva – Conexos – Arrumadores – Motoristas

BAY: Local no Convés ou Porão do Navio onde se Colocam os Contêineres

21
DESCARGA DE GRANEL
PRANCHA: Tonelagem Mínima Por Hora na Descarga

EQUIPAMENTOS: Terminal – Bordo – Locados

TRANSPORTE: Rodoviário – Ferroviário – Dalas

TRÂNSITO: Filas de Veículos para Carrregamento

ARMAZÉM: Zona Primária – Retroporto – Direto ao Interior

BALANÇA: Informar a Pesagem de Caminhões Designados para o lote Final.

SEGURANÇA: Peso das Máquinas para Rechego e Capacidade dos Cabos

LASTRO: Esgotamento de Água de Lastro na Faixa

FINAL DA DESCARGA: Limpeza da Faixa e Retirada de Sobras


22
EMBARQUE OU DESCARGA DE
ÓLEOS VEGETAIS
LOCAL de ATRACAÇÃO: Linhas Férreas e Acessos Exclusivos

CANALIZAÇÃO do TERMINAL: Aérea – Superfície – Subterrânea

CAMINHÕES ou VAGÕES: Embarque por Bombas Trailer

BOMBAS ao LADO do NAVIO: Pgto de Energia das Bombas por HP

TERMINAL de ÓLEOS: Bombemento com Água e Separador de Borracha

PESAGEM de VEÍCULOS: Balança Rodoviária do Terminal Portuário

PESAGEM no TERMINAL de ÓLEOS: Metragem Cúbica Por Altura das Réguas

CERTIFICADOS: Fiscalização por Empresa Certificadora

SEGURANÇA: O Navio Pode Estar Carregado com Inflamáveis


23