Você está na página 1de 43

POSIÇÕES PARA

EXAMES E CIRURGIAS
Prof. Emília Caminha
Exame Físico e
Processo de
Enfermagem
• É um instrumento utilizado pela
enfermagem para coletar e analisar as
informações do paciente/ cliente, que
permeia todo o processo da assistência
de enfermagem sistematizada.
• A sistematização da assistência de
enfermagem ou SAE significa a
organização da assistência com base no
processo de enfermagem.
A SAE é um instrumento da trabalho do enfermeiro que organiza
e direciona a assistência constituindo um modelo.

Histórico

Diagnósticos de
Avaliação
Enfermagem

Implementação Planejamento
A primeira etapa do processo de enfermagem é o Histórico, que é
composto por oito tópicos:
1. identificação;
2. dados clínicos de interesse da enfermagem;
3. percepção e expectativas do paciente;
4. hábitos relacionados a saúde;
5. atendimento das necessidades básicas;
6. EXAME FISICO;
7. ajustamento do paciente a equipe de saúde e ao hospital;
8. impressões do entrevistado sobre o paciente
PROCESSO DE EXAME FÍSICO
O exame físico consiste na coleta de dados físicos observados diretamente
pela examinadora. Para realizá-lo é importante:
✓O paciente e o enfermeiro devem estar em posição correta.
✓A iluminação deve ser adequada (Luz natural ou artificial de cor branca).
✓Deve ser preservado a privacidade e somente os seguimentos avaliados
devem ficar descobertos durante o exame.
✓O paciente tem direito a um acompanhante durante o exame.
✓O enfermeiro deve explicar os seus objetivos e solicitar o seu
consentimento
✓Para a avaliação de órgãos genitais, pode solicitar a saída do
acompanhante e caso possível solicitar um auxiliar para acompanhá-lo.
• O conforto nada mais e do que o bem-estar físico e mental, um
estado em que o individuo esta isento de qualquer tipo de ansiedade,
dor ou inquietação.
• Conforto Psicológico: muitas vezes as
causas desse desconforto são saudades
da família, sentimento de solidão,
preocupação financeira, mudança de
hábitos com restrição da liberdade, falta
de atenção da equipe que atua junto a
ele, medo do diagnostico e da dor, do
desconhecido, entre outras.
Conforto Espiritual

Como a enfermagem pode propiciar


meios para melhorar esse tipo de
conforto, mas de que maneira?
• Conforto Físico: o desconforto físico pode ser causado por fatores
como frio ou calor, longa permanência na mesma posição, postura
incorreta, atrito de roupa com feridas, roupa de cama suja ou úmida,
ruídos e odores desagradáveis, roupas apertadas ou ate mesmo
inabilidade da equipe para movimenta-lo.
Quais são os meios de proporcionar uma
melhora de seu
conforto físico?
POSIÇÃO PARA EXAMES
• O paciente pode assumir várias posições durante o exame
físico, e sua escolha pelo enfermeiro dependerá de área a ser
examinada.

• O exame físico deve ser planejado de forma que:


✓o paciente não permaneça em posições constrangedoras ou
desconfortáveis por longos períodos de tempo;
✓favoreça o exame físico de várias partes do corpo, respeitando
a privacidade e avaliando o estado físico do paciente pelo seu
grau de dependência durante o exame.
POSIÇÃO ORTOSTÁTICA OU ERETA

✓Paciente fica em pé com os pés um


pouco afastados um do outro e com os
membros superiores estendidos
naturalmente junto ao corpo. O peso
fica distribuído equitativamente nos
MMII.
✓Indicação: Exame neurológico.
POSIÇÃO SENTADA

• O paciente fica sentado numa


cadeira na maca ou no leito
com as mãos repousando
sobre as coxas.
POSIÇÃO/DECÚBITO DORSAL
• O paciente fica deitado na maca ou leito com o ventre para cima, membros superiores e
inferiores relaxados.
• Deve ser colocado deitado de costas, com as pernas estendidas ou ligeiramente fletidas
para provocar o relaxamento dos músculos abdominais.
• Os braços devem estar estendidos ao longo do corpo.
• O lençol que recobre o paciente deve estar solto na cama
• Coloque os travesseiros sob a cabeça e os joelhos, sempre protegendo os
calcâneos com protetores de calcâneo, uso de protetores como placas de
hidrocoloides e filme transparente para ficar livre de pressão.
DECÚBITO LATERAL DIREITO
• O paciente fica deitado com o lado direito para baixo, pernas
levemente fletidas, braço direito em abdução, o lado esquerdo
para cima e o braço repousando sobre a face lateral da coxa.
DECÚBITO LATERAL ESQUERDO
• O paciente fica deitado com o lado esquerdo para baixo,
pernas levemente fletidas, braço esquerdo em abdução, o lado
direito para cima e o braço repousando sobre a face lateral da
coxa.
COMO FAZER?
- Posicione o cliente em decubito dorsal.
- Coloque-o, com auxilio do lencol movel, ate a borda do leito oposta ao decubito que ele ficara.
- Apoie as maos sob o ombro e quadril e, com movimento firme e suave, vire-o para o decubito
desejado, direito ou esquerdo.
- Coloque um travesseiro ou rolo, apoiando o dorso, um travesseiro sob a cabeca e outro entre os
joelhos – manter membro inferior (MI) que esta por cima ligeiramente flexionado.
- Manter fletidos os membros superiores (MMSS).
DECÚBITO VENTRAL
• O paciente fica deitado com o ventre para baixo, braços fletidos
e mãos sob a testa.
• O sistema respiratório fica mais vulnerável na posição de
decúbito ventral. Ex. Cirurgias da coluna, Hérnia de disco.
COMO FAZER?
- Coloque o cliente em decubito lateral e, depois, em decúbito ventral, centralizando-o na cama.
- Lateralize a cabeca, colocando travesseiros sob as regioes pélvica e tibial, mantendo os artelhos
livres.
- Mantenha os membros superiores (MMSS) ligeiramente fletidos.
- Realizar a troca dos bracos, um para cima e outro para baixo, por tempos determinados para nao
ter comprometimento do plexo braquial e edema.
• O efeito fisiológico mais importante da posição prona é a
melhora da oxigenação, que ocorre em cerca de 70% a 80%
dos pacientes com SDRA.
POSIÇÃO LITOTÔMICA
• Posição ginecológica.
• Colocar o paciente em decúbito dorsal, com a cabeça e os ombros ligeiramente
elevados.
• As coxas devem estar bem flexionadas sobre o abdômen, afastadas uma da outra e as
pernas sobre as coxas. Normalmente, para se colocar o paciente nesta posição, usam-se
suportes para os joelhos (perneiras).
• Indicações: Cirurgia ou exames de períneo, reto, vagina e bexiga
• E indicada para realizar exame vaginal ou vulvo-vaginal, cateterismo vesical
feminino, tricotomia, parto normal, entre outras.
- Luvas de procedimento.
MATERIAL - Lençol.
NECESSÁRIO - Biombo.
DESCRIÇÃO DO PROCEDIMENTO
- Lavar as mãos.
- Separar o material.
- Orientar a cliente e/ou o acompanhante sobre o que será feito.
- Posicionar o biombo S/N.
- Calcar as luvas de procedimento.
- Posicionar a cliente em decúbito dorsal.
- Orientar para que ela mantenha os joelhos flexionados e bem separados e com os calcanhares sobre a cama.
- Proteger a cliente com o lençol ate o momento do exame.
- Apos o exame ou tratamento, colocar a cliente em posição confortável.
- Retirar as luvas de procedimento e despreza-las.
- Lavar as mãos.
- Anotar o procedimento realizado no prontuário da cliente.
POSIÇÃO GENUPEITORAL
• O paciente deve ser colocado ajoelhado sobre a cama com os
joelhos afastados, as pernas estendidas e o peito apoiado
sobre a cama.
• A cabeça deve estar lateralizada, apoiada sobre os braços.
• Indicações: exames vaginais e retais.
POSIÇÃO DE SIMS
• Colocar o paciente em decúbito lateral esquerdo, mantendo a cabeça apoiada no
travesseiro.
• O corpo deve estar ligeiramente inclinado para frente, com o braço esquerdo esticado
para trás, de forma a permitir que parte do peso do corpo apoie sobre o peito.
• O braço direito deve ser posicionado de acordo com a vontade do paciente e os MMII
devem estar flexionados; o direito, mais que o esquerdo.
• Indicações: exames vaginais, retais, clister e lavagem intestinal.
POSIÇÃO DE TRENDENLENBURG
• O paciente é colocado em decúbito dorsal horizontal, com o
corpo num plano inclinado, de forma que a cabeça fique mais
baixa em relação ao corpo.
• Indicações: Cirurgias da região pélvica, estado de choque
tromboflebites.
POSIÇÃO DE TRENDENLENBURG
REVERSO
• Mantém as alças intestinais na parte inferior da cavidade
abdominal.
• Reduz a pressão sanguínea cerebral. Ex. Posição utilizada
para cirurgias de abdome superior e cranianas.
POSIÇÃO DE FOWLER
• Colocar o paciente em decúbito dorsal, elevar a cabeceira da
cama até que o tronco do paciente atinja um ângulo de 45
graus em relação à cama.
• Esta e a posição em que o paciente
permanece em decúbito dorsal, com o
tronco elevado em um angulo de 45
graus, ficando, então, com a cabeça mais
alta que os pês.
• Ela e muito utilizada para tratamento de
pacientes com dispneia, pós-operatório
de algumas cirurgias, como de tireoide,
cirurgia cardíaca, cirurgia plástica, como
abdominoplastia, e também previne a
aspiração pelas vias aéreas respiratórias
em pacientes com o nível de consciência
diminuído.
POSIÇÃO DE CANIVETE (KRASKE)
• O paciente se encontra em decúbito ventral, com as coxas e
pernas para fora da mesa e o tórax sobre a mesa, a qual está
levemente inclinada no sentido oposto das pernas, e os braços
estendidos e apoiados em talas. Ex. Hemorroidectomia.
Mudança de decúbito

• como vimos anteriormente, o paciente acamado pode sofrer algumas lesões de


pele ou algumas consequências fisiológicas e orgânicas devido ao período
prolongado de permanência em um leito, acamado.
REFERÊNCIAS
• Smeltzer SC, Bare BG. Brunner & Suddarth: Tratado de
Enfermagem Médico-. Cirúrgica. 12 ed. Rio de Janeiro:
Guanabara Koogan, 2012. vol. I.
• CARMAGNANI, M. I. S. et al. Procedimentos de enfermagem: guia
prático. Rio de janeiro: Guanabara Koogan, 2017.